Diversos

MPF: Giac pede esclarecimentos a governadores sobre discrepância entre número de doses de vacina enviadas e efetivamente aplicadas em cada estado

Foto: Arte: Secom/MPF

O Gabinete Integrado de Acompanhamento da Epidemia de Covid-19 (Giac) enviou nessa quinta-feira (15) ofício a todos os governadores pedindo esclarecimentos sobre a discrepância entre o número de doses de vacina contra covid-19 enviadas a cada unidade da Federação e o total de doses efetivamente aplicadas. O documento é assinado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e pela subprocuradora-geral da República Célia Regina Souza Delgado, coordenadora finalística do Giac.

No documento, o Giac aponta que, segundo o Ministério da Saúde, já foram distribuídas aos estados um total de 48.088.916 doses de vacinas contra a covid-19, mas apenas 32.160.509 foram aplicadas. Os dados estão disponíveis no vacinômetro da plataforma LocalizaSus, mantida pelo Ministério da Saúde. Além do total geral, os ofícios relacionam o total enviado e aplicado em cada estado, registrando a diferença nos números.

O documento aponta também que a campanha nacional de vacinação contra a covid-19 começou em 18 de janeiro deste ano, com a distribuição de doses das vacinas produzidas pelo Instituto Butantã e pela Fundação Oswaldo Cruz. As pautas de distribuição das vacinas às Unidades Federativas, elaboradas e divulgadas pelo Programa Nacional de Imunizações por meio de Informes Técnicos da Campanha, direcionam a quais públicos as doses devem ser destinadas. O prazo para resposta ao Giac é de dez dias.

Íntegra de um dos ofícios enviados aos governadores

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

RN registra melhor trimestre em 8 anos no número de empresas abertas

Na Junta Comercial do RN, mesmo antes das restrições impostas pela pandemia, a tecnologia já é largamente utilizada para diminuir etapas e desburocratizar o registro empresarial. A Jucern utiliza o sistema Redesim RN, que reúne em espaço virtual, os órgãos presentes no processo de abertura, alteração e baixa de empresas.

Essa modernização de sistemas é essencial para garantir que os empreendedores potiguares encontrem um ambiente de negócios propício para o aproveitamento de oportunidades de mercado. E mesmo em momentos mais difíceis, o acesso facilitado à legalização de empresas permite a ampliação de oportunidades, como linhas de créditos populares e outros incentivos.

Jucern registra melhor trimestre em oito anos

Segundo dados da Jucern, no primeiro trimestre de 2021, foram 2.160 solicitações de abertura de empresas. Esse número é 17% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, além de representar o melhor trimestre desde 2013.

Já o quantitativo de negócios que encerraram suas atividades recuou 2% entre janeiro e março em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. No relatório de 2020, consolidado pela Jucern, pela primeira vez em dez anos, a Junta Comercial do RN registrou queda neste índice e a tendência vem se mantendo também em 2021.

Além disso, segundo ranking que consolida dados da Receita Federal e que inclui também o número de microempreendedores individuais (MEIs), o Rio Grande do Norte foi o terceiro estado que mais aumentou o número de novos negócios no último quadrimestre de 2020. Foram 13.943 empresas abertas, incluindo MEIs. Cerca de 14% a mais do que o verificado no quadrimestre anterior.

Para o presidente da Jucern, Carlos Augusto Maia, os órgãos de registro têm uma função estratégica no atual momento: “Desde março batemos recorde de recebimento de processos digitais. A Jucern já vinha trabalhando com recursos virtuais, mas, com a necessidade de isolamento, precisamos adaptar outros serviços e a avaliação do contribuinte tem sido positiva, graças ao investimento preliminar em recursos digitais”, destaca.

Atualmente, desde o registro de empresas e demais alterações até a emissão de certidões de inteiro teor, a autenticação de livros contábeis, as traduções oficiais e os requerimentos de alvarás da Suvisa/RN são feitos de forma 100% digital por meio da Jucern. Mais informações no site www.jucern.rn.gov.br.

Opinião dos leitores

  1. Tudo isso foi depois que o governo Federal facilitou a abertura de empresas .
    BOLSONARO TEM RAZÃO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

ALERTA: Brasil é o país com maior número de vítimas de phishing na internet

Foto: © Marcello Casal jr/Agência Brasil

Em 2020, o Brasil foi o país mais atingido por tentativas de roubo de dados pessoais ou financeiros de pessoas na internet, prática denominada em inglês de phishing. Com essas informações, golpistas prejudicam a vítima de diversas formas, seja acessando recursos ou enganando pessoas se fazendo passar por ela.

O percentual de usuários brasileiros que tentou abrir pelo menos uma vez links enviados para roubar dados representa 19,9% dos internautas do país. Em segundo lugar no ranking de países vem Portugal (19,7%), seguido da França (17,9%), Tunísia (17,6%), de Camarões (17,3%) e da Venezuela (16,8%).

O levantamento foi feito pela empresa de segurança da informação Kaspersky sobre práticas de phishing e spam no mundo. De acordo com a companhia, entre fevereiro e março do ano passado, o número de ataques cresceu 120% no Brasil.

Os golpes foram aplicados por meio de links em mensagens ou sites falsos, que se passam por empreendimentos conhecidos, como grandes cadeias de varejo online – Amazon e outras.

Os exemplos mais comuns foram golpes em que os criminosos enviaram mensagens se passando por essas lojas e pedindo para a vítima contactar as áreas de comunicação com o cliente ou de suporte, com sistemas para roubar dados dos usuários acionados.

Aplicativos de comunicação, especialmente o Whatsapp, tornaram-se os principais canais para aplicar esses golpes. Usuários receberam mensagens com promessas de prêmios com links que levavam a sites falsos destinados a roubar informações da vítima.

Pandemia

O contexto da pandemia também levou golpistas a enviar falsas pesquisas ou mensagens anunciando prêmios ou ajuda financeira a pequenas e médias empresas.

No Brasil, as tentativas de golpe envolveram diversos aspectos relacionados à pandemia, como o requerimento do auxílio emergencial do governo federal, o cadastro para receber a vacina e o uso do recém lançado sistema PIX.

“Apesar do alto índice, vale destacar uma queda importante em relação a 2019. Naquele ano, mais de 30% dos brasileiros haviam tentado, ao menos uma vez, abrir um link que levava a uma página de phishing, dez pontos percentuais a mais do que em 2020. Isso mostra que as campanhas e alertas sobre esse tipo de golpe têm deixado as pessoas mais atentas, mas não significa que não precisamos evoluir, pois as estatísticas permanecem muito ruins”, avalia Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

Outro método empregado pelos golpistas foi a chantagem contra usuários. Esta pode ocorrer com ameaças de liberação de determinados dados ou de uma suposta gravação da vítima com algum comportamento cuja revelação poderia trazer impactos a sua imagem, como assistir vídeos com pornografia.

O relatório registrou casos de chantagem contra empresas também. Os golpistas exigiam pagamentos sob a ameaça de realizar ataques de negação de serviço (DDoS), indicando que teriam informações confidenciais ou estratégicas das empresas.

Os alvos mais frequentes dos ataques foram as lojas online, com 18,12%. Elas foram seguidas por portais globais de internet (15,9%), bancos (10,7%), redes sociais e blogs (10%) e sistemas de pagamento (8,4%).

Spam

O relatório também analisou a prática de envio de mensagens em massa, conhecida como spam. Em 2020, este tipo de envio representou 50% do tráfego de e-mails. O resultado, no entanto, indica queda de 6.14 pontos percentuais em relação a 2019. No total, foram enviados 183,4 milhões de anexos maliciosos no ano passado.

O país que mais enviou spams foi a Rússia, com 21,27%. Em seguida vêm Estados Unidos (10,47%), Alemanha (10,97%) e China (6,21%). O Brasil foi responsável por 3,26% de ataques do tipo.

Cuidados

Para evitar cair nestes golpes é importante tomar alguns cuidados. O mais importante é evitar clicar em links de mensagens de e-mail, SMS ou redes sociais de pessoas ou organizações desconhecidas.

Caso vá clicar em algum link, é importante conferir o site para onde está sendo direcionado. Caso não tenha certeza de que o site é seguro, o aconselhável é não inserir informações pessoais, especialmente financeiras – número de cartão de crédito, por exemplo.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trânsito

Prefeitura aumenta em 30% número de viagens nos horários de pico do transporte público em Natal; veja linhas que terão incremento

Foto: Alex Régis

Com o intuito de evitar a aglomeração no sistema de transporte público da capital, as 15 linhas de ônibus de maior demanda em Natal passarão por readequação de viagens ao longo do dia a partir da próxima segunda-feira. Nos horários de pico de passageiros, haverá aumento de 30% no número de viagens, segundo anunciou a Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira.

Esta é uma medida emergencial da Prefeitura de Natal e inicialmente atenderá às 15 linhas de maior uso na cidade, que têm origem na Zona Norte e chegam até a Zona Sul. O secretário de Mobilidade Urbana, Paulo César de Medeiros, afirmou que esta readequação já vinha sendo estudada e será implantada de forma emergencial no período crítico da pandemia, sendo mais uma providência nesta área pela Prefeitura de Natal para conter a contaminação pelo coronavírus. Somente na área de transporte público foram retomadas a desinfecção das paradas de ônibus e a desinfecção dos veículos no meio das viagens das linhas de maior quantidade de usuários.

“A solução que a gente propõe é usar a ociosidade de algumas horas para cobrir os períodos de pico e nós temos convicção de que vai funcionar e vamos ficar acompanhando todos os dias, todas horas”, afirmou o secretário Paulo César de Medeiros. “O problema da superlotação está de manhã, e mais fortemente à tarde. Então a gente deslocou as viagens que estavam no entre pico para esses períodos”, disse, explicando o aumento de 30% das viagens nos períodos de pico, de acordo com levantamento realizado.

Mudança

De acordo com estudo elaborado pelo Departamento de Planejamento da STTU, essas linhas, especificamente, passaram a concentrar o horário de pico maior no período tarde/noite, com a saída das pessoas do trabalho e indo diretamente para suas casas, diferente do que ocorria antes, quando o maior horário de pico de usuários do sistema de transporte era por cerca de duas horas pela manhã.

Nos horários entre picos, a demanda de passageiros diminuiu ainda mais desde o início da pandemia no ano passado e com isso, a estratégia da STTU foi adequar as viagens, diminuindo nos horários de menor fluxo de passageiros, aumentando nos horários de maior demanda.

O levantamento mostra ainda que a queda da demanda do transporte público em Natal foi de 66% com a pandemia, gerando uma queda de 30% da frota e 40% de número de viagens. “Não é frota que determina a qualidade do sistema de transporte, é o número de viagens, é a capacidade que esta frota que está em operação tem de passar na parada de ônibus. Então esta frequência determinada pelo número de viagens, é que faz com que o passageiro sinta que o sistema é eficiente. Aumentar a oferta de viagens vai diluir esse pico”, explica o diretor do Departamento de Planejamento da STTU, Newton Souza Filho.

Eficácia

De acordo com o secretário, o acompanhamento será contínuo para detectar se ainda há aglomeração e assim tomar novas medidas. “A gente sabe que o transporte público provoca aglomeração e portanto pode provocar o agravamento [da contaminação]. Mas só não acho que seja decisivo para este quadro que a gente tá vivendo, pois são muitos fatores que contribuem, afirmou Paulo César. Ele cita os meses em que o transporte público continuou com diminuição de frota e nem por isso houve registro de aumento de casos da Covid-19 em Natal.

Apelo

Além das medidas para evitar a propagação do vírus pela Prefeitura de Natal, o secretário faz um apelo ao usuário dos sistema de transporte para que utilize máscaras, na medida do possível mantenha as mãos limpas e mantenha o distanciamento. “A desinfecção dos veículos também é uma medida educativa, para mostrar às pessoas que elas têm que ter cuidado com as superfícies que elas tocam, e todos, na medida do possível, têm que manter as mãos limpas, usar máscaras. Nós entendemos que essa tarefa no momento pandêmico, não é uma tarefa só do governo. O estado pode fazer muitas coisas, mas não pode fazer tudo. nós também temos que ter cuidado, de toda a população e a gente insiste no pedido de cuidados de manter distanciamento, usar máscaras durante as viagens”, acrescentou.

Linhas que terão incremento de viagens nos horários de pico das 6h às 7h e das 17h às 18h:

73; 50; 08; 29; 60; 64; 43; 07; 77; 79; 84; 35; 02; 15; e 75

Opinião dos leitores

  1. Para Inglês ver. A conta será paga nos hospitais. Com já disseram, veio atrasado, aumento ridículo e focado só em uma zona!

  2. Só vi nesta lista os onibus que fazem a linha da zona norte como ficam as linhas 24, 33, 38, 40, 41, 46, 50, 51 , 54 e a linha 56 ponta negra rocas via costeira que sempre estão super lotado além da demora que pelo menos a espera e de uma hora e nos finais de semana e feriados só jesus.

  3. Aumentou em 30%? A frota estava com 70% , como aumentou 30, essa turma faz o povo d bobo mesmo. Na realidade voltou ao q era antes.

    1. Acho que você perdeu essa aula, mas 30% de 70% não dá 100%. Recomendo estudar um pouquinho mais antes de falar besteira.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Aumenta número de empresas abertas no país

Foto: © José Paulo Lacerda/CNI/Direitos reservados

O número de empresas abertas em 2020 aumentou 6% em relação ao ano de 2019. É o que mostra o boletim anual do Mapa de Empresas, divulgado hoje (2) pelo Ministério da Economia. No ano passado, foram abertas 3.359.750 empresas no país e fechadas 1.044.696, o que deixou um saldo positivo de 2,3 milhões de empreendimentos ativos. O número de empresas fechadas também apresentou uma queda de 11,3% em relação ao ano anterior.

No total, o país fechou 2020 com 19.907.733 empresas ativas, o que representa crescimento de 3,2% em relação ao segundo quadrimestre (maio a agosto) de 2020. Segundo a pasta, o número reflete as medidas tomadas pelo governo para facilitar a abertura de empresas em meio à pandemia da covid-19, que levou muitas pessoas a buscarem no próprio negócio uma oportunidade para gerar renda.

São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os estados que têm mais empresas ativas, com quase 50%. O secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luís Felipe Monteiro lembrou que a maior parte dos empreendimentos está no setor terciário.

“Nessas empresas abertas há uma predominância daquelas que atuam no setor terciário da economia, especialmente comércio e prestação de serviços, que são mais de 80% de empreendimentos ativos no seguimento”, disse Monteiro.

O boletim mostra ainda que a maioria das novas empresas e de microempreendedores individuais (MEI). Foram registrados 11.262.384 MEI’s ativos no final do terceiro quadrimestre de 2020, dos quais 2.663.309 abertos em 2020. Um crescimento de 8,4% em relação ao mesmo período de 2019.

De acordo com a subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato, Antonia Tallarida, os dados dos últimos anos mostram que a abertura de MEI’s tem elevado a taxa total de empresas abertas. Com isso, a taxa de representação total dos MEI’s tem se elevado nas medições.

“Em 2019 Os micro empreendedores individuais representavam 77,6% dos negócios aberto e, em 2020, a gente atingiu a marca de que 79,3% dos negócios abertos são MEI’s”, disse.

Entre outros pontos, o boletim apura informações relativas ao tempo médio de abertura de empresas, número de aberturas e fechamentos de empreendimentos, localização e atividades desenvolvidas.

Segundo o boletim, no terceiro quadrimestre do ano passado o tempo médio para a abertura de uma empresa foi de dois dias e 13 horas o tempo médio para a abertura de empresas no terceiro quadrimestre de 2020. Em janeiro de 2019, o tempo médio era de cinco dias e nove horas.

Estados

Entre os estados, Goiás é que apresenta o menor tempo médio para a abertura de empresas, e onde é possível registrar um empreendimento em um dia e duas horas. Na sequência, aparece Sergipe, com o tempo médio de um dia e cinco horas para a abertura da empresa.

Já os estados com o maior prazo de tempo para a abertura de um empreendimento são: O Rio Grande do Sul, onde se leva em media três dias e 20 horas para abrir uma empresa e Bahia, onde se leva, em média, seis dias e 20 horas. O estado, entretanto vem apresentando uma evolução nesse prazo, diminuindo em 22 horas o prazo na comparação com o quadrimestre anterior (maio a agosto de 2020) para abrir uma empresa.

Entre as capitais, o destaque é Curitiba (PR), onde se leva, em média, 22 horas para se abrir uma empresa. Em seguida, vem Macapá (AP), com um dia e uma hora. As capitais com maior prazo são Recife (PE), onde se leva três dias e 16 horas para abrir uma empresa, e Salvador (BA), que apresenta o prazo médio de oito dias e 17 horas para finalizar o procedimento. A capital vem melhorando a cada quadrimestre, diminuindo o prazo em 24h em relação ao quadrimestre anterior.

O secretário especial adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Gleisson Rubin, disse que com as medidas adotadas para diminuir a burocracia, atualmente, cerca de 45,5% das empresas conseguem ser abertas em menos de um dia.

“São as [empresas] classificadas como de baixo risco, que respondem por 60% do total de registros e para as quais não existe a necessidade de obtenção de alvarás e licenças e de serviços”, disse.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Daqui há pouco veremos os comentários dos esquerdopata, tipo do Zédogado, achando o cúmulo a abertura de empresas, para os esquerdopatas, quanto mais dependente do estado o povo, melhor…. Precisamos de EMPREENDEDORES…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

NÃO HOUVE SOBRECARGA: Vinte dias após festas de fim de ano, número de internações por Covid-19 no RN sobe pouco

Segundo dados disponibilizados pela Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte(Sesap), o temor de um possível aumento expressivo no número de internações em leitos críticos de Covid-19 após as festas de fim de ano, por mais alarmante que seja o cenário atual, felizmente, não se confirmou. Após 20 dias da virada para 2021, há um aumento no número de pessoas internadas, mas não houve uma sobrecarga nos hospitais.

Os dados ainda apontam que em 30 de dezembro de 2020, quando algumas grandes festas de pré-reveillon já eram realizadas no Rio Grande do Norte, havia 151 pessoas internadas em leitos críticos nos hospitais públicos e em leitos contratados pelo SUS no estado. Nessa quarta-feira (20), às 12h50, o número de internados era de 158. O percentual de leitos críticos ocupados no estado é de 62,45%. Há 84 leitos disponíveis (33,20%) e 11 bloqueados (4,35%).

Com acréscimo de informações da TN

Opinião dos leitores

  1. Esse número de pessoas infectada, são das eleições, onde em cada município do RN, havia muitas passeatas , o povo sem máscara, e agarrado… Não tem nada haver com festa de final de ano. Tira por aqui, quem saiu no Natal o final de ano para se aglomerar??

  2. Eles esqueceram de uma coisa simples, as pessoas que se aglomeraram no Natal, são as mesmas que se aglomeraram no ano novo e serão as mesmas que vão se aglomerar no carnaval, quem está em casa, se cuidando ou em isolamento continuaram com os mesmo cuidados, são 35% da população, o que realmente provocou esse aumento foram os que foram as ruas participar das campanhas políticas principalmente nas cidades do interior que foi justamente onde mais aumentou o número de casos e de mortes.

    1. Perfeito Luciano, a grande culpada dessa 2ª onda são as campanhas políticas e o TSE que afirmou não haver risco, isso ninguém lembra.

  3. Mas esse povo que foi, em sua maioria, não era de outros Estados?
    Esse pessoal foi levando de volta pros seus lugares de origem.

  4. Quem tinha dinheiro para pagar a fortuna dos ingressos e hospedagem é o rico de SP que hoje lota hospitais por lá, não aqui.
    Se tinha alguém dessa cidade nessas festas caras e polêmicas, era jornalista e blogueiro que ganha tudo de graça mesmo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Número de vacinados no mundo contra covid-19 passa de 17 milhões

Foto: Jacob King/pool via Reuters

Mais de 17 milhões de doses de vacinas contra o novo coronavírus foram aplicadas em todo o mundo, aponta levantamento do site “Our World in Data” na manhã desta sexta-feira (8).

O número de doses aplicadas pode ser diferente do total de pessoas vacinadas porque alguns países, como o Reino Unido e os Estados Unidos, já estão aplicando a segunda dose dos imunizantes.

Estados Unidos (5,9 milhões), China (4,5 milhões), Israel (1,7 milhão) e Reino Unido (1,3 milhão) lideram a lista e foram os únicos que aplicaram mais de 1 milhão de vacinas.

Israel já vacinou quase 20% dos seus habitantes e lidera disparado o ranking de doses aplicadas em relação à população. O país pretende imunizar todos os cidadãos vulneráveis ​​até o fim do mês.

O “Our World in Data” é um projeto colaborativo de pesquisadores da Universidade de Oxford e a ONG Global Change Data Lab que acompanha dados públicos sobre a pandemia do novo coronavírus.

Ao menos 47 países já iniciaram a vacinação contra a Covid-19, segundo o o projeto. São eles, em ordem alfabética:

Alemanha

Arábia Saudita

Argentina

Áustria

Barein

Bélgica

Bulgária

Canadá

Chile

China

Chipre

Costa Rica

Croácia

Dinamarca

Emirados Árabes Unidos

Escócia *

Eslováquia

Eslovênia

Espanha

Estados Unidos

Estônia

Finlândia

França

Grécia

Holanda

Hungria

Inglaterra *

Irlanda

Irlanda do Norte *

Islândia

Israel

Itália

Kuwait

Letônia

Lituânia

Luxemburgo

Malta

México

Noruega

Omã

País de Gales *

Polônia

Portugal

República Tcheca

Romênia

Rússia

Suécia

* Países que fazem parte do Reino Unido

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Calma cobaias, em breve irá chegar para vocês. Poderão ficar muito felizes por estarem imunizados e circularem nas ruas tranquilamente sem máscara.

  2. Procurei na letra B , não tem Brasil ?? . Cadê ? Adonde ? Onde ? Quando ? Where ? When ? Why ? Por que ?
    Chega Epaminondas PIXÚ está danado no inglês?
    Aí papai !
    Eu quero vacina sei Doidin !

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Serial killer com maior número de vítimas dos EUA morre aos 80 anos

Foto: Getty Images

O serial killer norte-americano Samuel Little morreu aos 80 anos, em um hospital da Califórnia. Considerado o serial killer com maior número de vítimas da história dos Estados Unidos, Little não teve as causas de sua morte reveladas. A agência de notícias internacionais Associated Press fala que o criminoso sofria de diabetes e problemas cardíacos, além de outros problemas decorrentes de sua idade.

Apesar de internado em um hospital para tratar de seus problemas de saúde, Little cumpria prisão perpétua por seus crimes. Ele confessou 93 assassinatos, apesar das autoridades norte-americanas terem conseguido provar e confirmar “apenas” 60 deles. Os crimes de Little inspiraram séries e documentários como ‘Catching a Serial Killer: Sam Little’ (2020) e ‘Confessions of a Serial Killer’ (2019).

A sentença de prisão perpétua de Little foi anunciada em 2014, por três assassinatos cometidos por ele no sul da Califórnia entre 1986 e 1989. Nos anos seguintes, já atrás das grades, ele foi confessando os demais crimes cometidos por ele entre 1970 e 2005. Vários dos corpos de suas vítimas nunca foram encontrados. Os alvos preferenciais de Little eram moradores de rua, viciados em drogas e profissionais do sexo.

Durante seu período preso, Little deu detalhes para as autoridades norte-americanas sobre cada um dos 93 assassinatos alegados por ele. Ele tinha como hábito estrangular suas vítimas. Dentro da prisão ele produziu desenhos e pinturas retratando as pessoas mortas por ele – obras que acabaram posteriormente divulgadas pelo FBI para auxiliar na identificação das vítimas do serial killer.

O assassino serial contou ter cometido seu primeiro crime na noite de 31 de dezembro de 1970, em Miami, e o último em Tupelo, no estado de Mississippi, em 2005. Ele disse que seus assassinatos acabaram se tornando um vício. A história de Little chamou atenção pelo fato dele ter sido preso várias vezes, por diferentes delitos, entre 1970 e 1995. No entanto, ele só foi preso pelos três assassinatos que resultaram em sua condenação em setembro de 2012.

Uma montagem divulgada pelo FBI em 2019 mostrando os vários registros de detenções de Samuel Little ao longo dos anos até ele ser finalmente preso pelos assassinatos que resultaram em sua condenação à prisão perpétua (Foto: FBI via Getty Images)

Em 2019, Little deu uma entrevista ao tradicional programa de TV norte-americano ‘60 Minutes’ no qual ele revelou sua esperança em ter sua pena cancelada, podendo viver sua velhice em liberdade. Ele acreditava que suas confissões, inocentando várias pessoas detidas sob suspeita de crimes cometidos por ele, poderiam aliviar sua condenação de prisão perpétua, o que acabou não acontecendo.

“Caso eu consiga ajudar alguém a sair da prisão, então talvez Deus possa me permitir um pouco de felicidade”, afirmou o criminoso na entrevista ao programa de TV. “Não acho que não existe nenhuma pessoa que tenha feito o que eu gostava de fazer. Acho que sou único no mundo. E isso não é uma honra, é uma maldição”.

Globo, via Monet

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Rússia revisa dados de Covid e divulga número de mortes três vezes maior

Foto: Alexander Avilov/Moscow News Agency/Handout via Reuters

A Rússia anunciou a revisão de dados sobre Covid-19 no país e divulgou nesta segunda-feira (28) um número de mortes três vezes maior. Foram 186 mil mortes por coronavírus, mais que o triplo das 55 mil registradas até então. Os dados são do órgão de estatísticas Rosstat, de acordo com a agência France Presse.

Esses números tornam a Rússia o terceiro país com maior número de mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (mais de 330 mil mortos) e Brasil (mais de 190 mil), segundo a AFP.

Eles contradizem o discurso do presidente russo Vladimir Putin que, até então, dizia ter controlado a pandemia de forma mais efetiva que os países ocidentais.

Segundo o Rosstat, o número de mortes “a mais” (excesso de mortalidade) registradas entre janeiro e novembro deste ano chegou a 229,7 mil pessoas, na comparação com o mesmo período de 2019.

E “mais de 81% da alta da mortalidade neste período se deve à Covid-19, ou às consequências da doença”, afirmou a vice-primeira-ministra, Tatiana Golikova.

Os dados atualizados da Rússia ainda não foram computados no ranking da universidade norte-americana Johns Hopkins, que monitora os casos e mortes por Covid-19 registrados pelos órgãos oficiais de diversos países. No ranking da universidade, a Rússia aparece na manhã desta terça-feira (29) com 55.107 mortes relacionadas à doença. O número coloca a Rússia em oitavo lugar, atrás dos EUA, Brasil, Índia, México, Itália, Reino Unido e França.

G1

Opinião dos leitores

  1. Com toda transparência que existe nos regimes comunistas, ninguém vai duvidar das informações fornecidas pela China, principalmente em relação ao covid.
    Mas eles podem vir ao mundo explicar como o covid NÃO chegou em Xangai, Pequim, Cantão e demais metrópoles e cidades da China?
    Os chineses podem explicar ao mundo qual a razão de NÃO existir a segunda onda em Wuhan, cidade onde o covid foi inicialmente encontrado?

    1. Só para acrescentar, podem ainda explicar por não estão vacinando sua população e nem anunciaram datas para tal. À esquerda corrupta piram, entram em desespero aqui na terrinha.

  2. Piada é a China computar (informar) 4600 mortes para uma população de 1,4 bi de pessoas. Dá para acreditar?

  3. Se esses números forem confirmados, a Rússia irá superar em muito o Brasil em mortes por milhão.
    Assim o Brasil passará a ser o 23º pior país no enfrentamento da doença.
    Mesmo assim estará melhor do que muitos países ricos da Europa e das Américas.
    Ao contrário do que os ESQUERDOPATAS dizem, estamos enfrentando a pandemia muito melhor que outros países que seguem adotando medidas demasiadamente rígidas e sendo aplaudidos como modelo no combate a doença, no entanto chegam a apresentar mortes por milhão de quase o dobro do Brasil.

    1. Um belo comentário. Uma pena não servir de nada já que morte não se justifica com ranking. Ainda mais sabendo que o enfrentamento por parte do Governo Federal se deu apenas por envio de verba, tendo sido feito único e exclusivamente por parte dos Estados e Municípios, enquanto o Presidente da República passeava de lancha e tomava cerveja em barzinho.

    2. Ficamos em 11º lugar. A mentira tem perna curta.
      Enquanto os outros países já estão vacinando, o Brasil ainda não começou. A doença não tem ideologia, inteligente!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Aumenta o número de jovens que excluem perfis em redes sociais para aproveitar a vida real

LONGE DO CELULAR - O escritor Enrique Coimbra abandonou até seu canal no YouTube: sem distrações – Brenno Prado/VEJA

“Meu conselho é: se puder sair das redes sociais, saia”, cravou Tristan Harris, ex-funcionário do Google, em entrevista a VEJA em setembro. Ele está no documentário da Netflix O Dilema das Redes, que detalha os riscos à privacidade das pessoas, que, em sua visão, acabam virando produtos do Facebook, Instagram, Twitter e outros. Se for tomado por base o estudo realizado pela agência de pesquisa Dentsu Aegis Network, muita gente já estava dando ouvidos ao conselho de Harris antes mesmo de ver o documentário. Foram entrevistadas 32 000 pessoas em 22 países, em março e abril, e o resultado foi surpreendente: entre os jovens de 18 a 24 anos, a Geração Z, um em cada cinco afirmou ter desativado suas contas nas redes sociais.

O número também impressiona por outro motivo: a debandada é duas vezes maior nessa faixa etária do que entre usuários acima de 45, mostrando que os mais velhos parecem se sentir menos afetados pelo admirável mundo novo. Entretanto, a maior preocupação apontada pelos que pularam fora das redes, em qualquer idade, é o dano que elas estariam causando à saúde mental. Mas qual seria, na prática, esse prejuízo psicológico? Harris diz que o ambiente virtual vicia. Trata-se de um processo químico no cérebro. Sempre que vivenciamos algo prazeroso, o neurotransmissor chamado dopamina é ativado, fazendo com que procuremos mais do mesmo, e receber curtidas no Facebook e Instagram dispara o processo. Na mesma medida, a sensação contrária é frustrante.

Foto: Reprodução/Veja

O escritor carioca Enrique Coimbra, de 28 anos, faz parte do grupo de desertores das redes sociais. Ele largou todas elas, até mesmo seu canal no YouTube, no qual dava dicas de controle emocional e tratamentos para ansiedade e depressão a mais de 200 000 inscritos. “Minha vida sem rede social melhorou 2000%. As pessoas não fazem ideia da manipulação emocional que elas nos impõem”, conta o escritor. Antes leitor assíduo de livros pelo celular, mudou para o leitor de e-book a fim de evitar distrações.

A Dentsu detalha a posição dos entrevistados brasileiros em sua pesquisa: 39% afirmaram que pretendem se distanciar do mundo virtual. A empresa ressaltou, porém, que resultados mais concretos devem ser observados quando a pandemia acabar. Com a Covid-19, as pessoas usaram mais o computador para trabalhar e se divertir, possivelmente ficando sobrecarregadas de tanto contato com as redes. Uma vez que as restrições forem sendo afrouxadas, elas talvez passem a se preocupar menos com a exposição a elas.

O cenário de polarização política e propagação de notícias falsas também tem tratado de afastar usuários. Muitos ficam desiludidos quando ofendidos e acabam se dando conta de que estão em um ambiente hostil. Há queixas dirigidas também a um dos maiores sucessos dos últimos anos, o TikTok, aplicativo que tomou o mundo. A psicóloga Marina Haddad Martins ressalta que as redes dão uma ilusão de falso preenchimento. “A Geração Z, que já nasceu na era da internet, talvez dê menos importância às redes do que os mais velhos, que pegaram a virada da tecnologia”, diz ela. Isso explicaria a disposição em largá-las. Eles estariam valorizando o palpável, a segurança emocional e as relações pessoais. Quem diria, o mundo real, este no qual sempre vivemos, parece estar na moda outra vez. Que bom.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Ótimo que a maturidade da geração Z tá chegando, que o povo que são presos, a procurar do saber sobre vida dos outros estão perdendo , tempo que na juventudi vale ouro.. E que não se recupera na mesma qualidade, por que tudo tem o seu tempo de depreciação. Desde a paixão ate União, Tudo é real, menos a ilusão que são os fotógrafos da vida a leia. Nem tudo é real na vida digital. A única coisa real na vida digital é a velocidade do tempo perdido. Nas redes, você não só encontra conhecimento e comunicação, mas a futilidade e o vazio de pessoa querendo mostrar o que realmente não são. Pois são escravos do vício em querer viver dando satisfação na rede para pessoas que nem querem ver o mundo real, mas só o colorido digital que vai da anatomia e passa pela estética efêmera do ser vivo que não consegue viver fora da rede. É UM VAZIO IMENSO DE UM SER, QUE PREENCHE OLHANDO O PASSANDO E O PRESENTE EM FOTOS SEM PERCEBER QUE NÃO ENXERGA O FUTURO A QUATRO PALMO DOS OLHOS.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

81 municípios do RN registram aumento no número de casos de Covid-19 em novembro, destaca levantamento

O Rio Grande do Norte teve 81 municípios que registraram mais casos de Covid-19 no mês de novembro em comparação com o mês de outubro. Os dados estão na plataforma de monitoramento do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS). De acordo com levantamento de momento, Natal foi quem mais cresceu no número de casos registrados, com um aumento de 141%. Em outubro, foram 1.434 casos confirmados na capital. Já em novembro, esse número saltou para 3.469 – uma diferença de 2.035 casos.

Outro crescimento relevante aconteceu em Parnamirim, que registrou 831 casos a mais em novembro (1.315) que em outubro (484). Jucurutu, que tem uma população estimada pelo IBGE em cerca de 18 mil habitantes teve 177 casos a mais em novembro (259) que em outubro (82). Caicó, que já tinha registrado 322 casos em outubro, teve 473 confirmados em novembro – 151 a mais. O município de Macaíba, na Região Metropolitana, que tinha registrado 41 casos em outubro, teve 167 confirmados em novembro – 126 a mais. Situação semelhante a de São Gonçalo do Amarante, que teve 105 casos a mais em novembro (160) que em outubro (55). Houve aumento significativo ainda em municípios pequenos, como Passagem, que tinha registrado apenas um caso em outubro e teve 30 em novembro. Passagem tem população estimada em cerca de 3 mil habitantes.

O RN tem atualmente mais de 97 mil casos confirmados de Covid-19 e mais de 2.700 mortes pela doença, segundo a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). O Instituto de Medicina Tropical da UFRN também registrou um aumento de casos confirmados que são analisados no laboratório. Ao todo, novembro teve 2.785 casos confirmados contra 808 em outubro.

Veja lista dos municípios AQUI em reportagem na íntegra do G1-RN.

Opinião dos leitores

  1. Passando ontem pela Zona Sul (Av. Engenheiro Roberto Freire e Ponta Negra) a sensação que tive foi de normalidade e zero fiscalização. Uma dúvida: quais as regras em vigor para as igrejas?

  2. Eleitores vão na casa dos prefeitos e vereadores, para eles custearem as despesas. Muito foram a churrascos, passeatas, carreatas , tá na hora deles mostrarem gratidão pelos votos, cuidado para não serem recebidos a cintadas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Cresce 60% o número de cidades com mais eleitores que habitantes, aponta levantamento da Confederação Nacional de Municípios

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

O número de municípios com mais eleitores que habitantes aumentou na comparação com o cenário visto nas eleições de 2018. Segundo levantamento feito pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), desta vez são 493, 8,8% das cidades brasileiras. Em 2018, quando 308 cidades do Brasil registraram essa inversão, o aumento foi de 60%.

O estudo foi feito a partir do cruzamento de dados da base de eleitores do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com a população oficial calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estado com o maior número em termos percentuais é Goiás (22,76%), seguido do Rio Grande do Norte (17,9%) e da Paraíba (14,8%).

Proporcionalmente, a cidade que lidera a lista nacional de municípios com mais eleitores do que habitantes é Severiano Melo (RN). Lá, segundo estimativa do IBGE, são 2.088 habitantes, já os dados do TSE apontam 6.482 eleitores aptos a votar, o número é três vezes maior que a quantidade de habitantes.

Em números absolutos, na liderança da lista nacional de municípios com mais eleitores que habitantes está o município pernambucano de Cumaru,no Agreste do estado. Segundo o IBGE, ele possui 10.192 moradores, já o TSE aponta que há na cidade 15. 335 cidadãos aptos a votar este ano.

Justificativa

A diferença, segundo o consultor da área técnica, da CNM, Eduardo Stranz, pode ser justificada por desatualizações nas estimativas de população feitas pelo IBGE, fraudes e , especialmente, por questões afetivas. “Existe uma ligação muito grande das pessoas com as cidades onde elas nasceram, sobretudo nesses municípios pequenos. Elas migram para cidades maiores, regiões metropolitanas ou cidades-pólo em busca de emprego ou estudo, mas não transferem seus títulos eleitorais, isso é muito comum”, avaliou.

Stranz, que há mais de 30 anos trabalha com municípios, lembrou ainda que em cidades menores a disputa política é muito acirrada e as pessoas nascidas nessas localidades têm sempre algum grau de parentesco com os candidatos o que, segundo ele, também contribui para que elas não transfiram seus títulos.

Dados IBGE

Outro ponto que deve ser levado em conta é a defasagem nos dados sobre a população brasileira. “Isso está mais evidente agora, em 2015. Segundo o Plano Nacional de Estatística, o IBGE teria que ter feito uma contagem populacional para ajustar a fórmula que calcula essa estimativa, mas isso não aconteceu sob o argumento de falta de verba”, explicou o especialista.

O Brasil adota uma das seis fórmulas utilizadas no mundo para estimar a população . A equação, que projeta o número de habitantes a partir de dados do Censo Demográfico, tem eficiência por quatro anos, no quinto ano, é preciso recontar a população para ajustar a fórmula. “Como não foi feito isso, as populações estimadas a partir de 2015 têm tendência mais ao erro que acerto. Isso também pode ser importante nessa diferença”, destacou Eduardo Stranz.

Fraudes

Questionado se o número maior de eleitores em relação aos habitantes em determinadas cidades não pode significar fraude, o consultor disse que sim, mas que casos de curral eleitoral são pontuais. “Hoje em dia isso é cada vez menos comum. As pessoas têm muito mais acesso à informação, discussão política. Olhando o perfil dessas cidades, fica mais evidente a ligação das pessoas com sua terra natal.

Revisão

Nos casos em que há muita discrepância entre eleitores e habitantes ou que há um aumento da transferência de domicílios, a Resolução 22.586/2007, do TSE, determina que seja feita uma revisão do eleitorado sempre que for constatado que o número de eleitores é maior que 80% da população, que o número de transferências de domicílio eleitoral for 10% maior que no ano anterior, e que o eleitorado for superior ao dobro da população entre 10 e 15 anos, somada à maior de 70 anos no município.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. O famoso trabalho de Formiga antecipado, leva os eleitores pra cidades pequenas bem antes das eleições, Me ajuda, se eu ganhar eu te ajudo.

  2. "Para o TSE, o conceito de domicílio eleitoral envolve também o vínculo político, familiar, afetivo, profissional, patrimonial ou comunitário do eleitor com a localidade onde pretende exercer o direito de voto. Na prática, isso quer dizer que quem está morando em outra cidade a estudo ou a trabalho não está obrigado a transferir para aquela cidade seu domicílio eleitoral se o seu vínculo afetivo, familiar, político ou outro é maior com o da sua cidade de origem." (Fonte: Site do TSE)
    Por esse entendimento existem pessoas que possuem domicílio eleitoral em uma cidade e residência em outra, o que pode criar divergências entre o número de habitantes e o número de eleitores.

  3. Não constitui fraude. Na grande maioria das cidades pequenas isso ocorre pq os jovens saem em busca a de empregos em centros maiores, mas continuam votando em sua terra Natal. Ninguém(ou quase ninguem), quer votar em outra cidade que não seja a sua!!!!

    Quando ocorre fraude, é um percentual desprezível…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Baixo número de casos de covid no RN nas últimas 24 horas: apenas 45 confirmações

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quinta-feira (22). Vale o destaque nesta data, o número baixo de casos confirmados da doença nas últimas 24 horas. Comparando o boletim oficial dessa quarta-feira(22), houve um registro de apenas 45 casos.

Os números do dia anterior registravam um total de 79.326 casos, enquanto a parcial divulgada no fim da manhã desta quinta-feira(22) informam 79.371 confirmações.

Opinião dos leitores

  1. Basta liberar os resultados dos exames que estão sendo atrasados propositadamente até as eleições…

  2. Votei nesse governo vagabundo mentiroso até quando esse espelho da saúde vai negar os fatos com esse fatal no GOVERNO, acabando o PT no RN SEMPRE VOTEI NO PT , TENHO FE EM DEIS QUE JA MAIS DATEI UM VOTO ESSE S MADITOS

  3. Quantos testes disponíveis? Governo federal abaixou e muito o repasse de testes aos estados.

  4. TOMARA que essas noticias sejam VERDADEIRAS. Que esses póliticos estejam fala a verdade, pelo menos uma vez na vida, já que o Lema é Sempre há MENTIRA. QUE DEUS CONTINUE TENDO MISERICORDIA DE NÓS.

    1. Ai torce por noticia ruim só pra dizer "eu não falei?" Toda noticia boa voce comenta trevas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

IBGE: Em meio à pandemia, cai número de pessoas que estavam rigorosamente isoladas

Foto: Diogo Gonçalves/Prefeitura Campo Grande (MT)

O número de pessoas rigorosamente isoladas diminuiu em 2,8 milhões da segunda para a terceira semana de agosto, passando de 44,4 para 41,6 milhões, de acordo com a edição semanal da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD COVID19, divulgada hoje (11) pelo IBGE. A pesquisa também estimou em 4,5 milhões a população que não fez restrição na semana de 16 a 22 de agosto. O número representa estabilidade em relação à semana anterior.

No mesmo período, aumentou em 1,9 milhão o número de pessoas que reduziram o contato, mas continuaram saindo ou recebendo visitas. Para a coordenadora da pesquisa, Maria Lúcia Vieira, os dados apontam uma flexibilização do isolamento por parte da população.

“De alguma forma, as pessoas estão flexibilizando as medidas de isolamento social, uma vez que aumenta o percentual de pessoas que estão tendo medidas menos restritivas e diminui o percentual daquelas que aplicam medidas mais restritivas de isolamento“, explica.

Esse grupo vem aumentando pela terceira semana seguida. Da primeira para a segunda semana de agosto, 2,9 milhões de pessoas a mais afirmaram ter reduzido o contato, embora continuassem saindo ou recebendo visitas. Já a população que ficou em casa e só saiu por necessidade básica se manteve estável na terceira semana de agosto. São 87,6 milhões de brasileiros nessa situação.

Foto: Reprodução

37,7 milhões de estudantes tiveram atividades escolares

A PNAD COVID19 mostra também que o país tinha cerca de 46 milhões de estudantes matriculados em escolas ou universidades na terceira semana de agosto. Destes, 37,7 milhões tiveram atividades escolares em seus domicílios no período. É um aumento de cerca de 921 mil pessoas em comparação com a semana anterior.

“Por outro lado, 7,3 milhões de pessoas não tiveram atividades escolares para realizar nessa semana. Esse número representava 15,9% da população de 6 a 29 anos de idade que frequentava a escola”, diz Maria Lúcia. No mesmo período, houve uma queda de 454 mil no número de pessoas que alegaram estar de férias e, por esse motivo, também não tiveram atividades escolares disponibilizadas.

Foto: Reprodução

Agência IBGE

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UFRN amplia número de bolsas concedidas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Foto: Divulgação

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) registrou um aumento no número de bolsas de Iniciação Científica concedidas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em 2020. Em comparação ao ano de 2019, a Instituição teve uma ampliação em 6% no número de bolsas de Iniciação Científica (IC) ofertadas em 2020. O destaque ficou para os campi do interior e da área de Humanas.

A pró-reitora adjunta de Pesquisa, Elaine Gavioli, destacou que no último processo seletivo foi visto um aumento de bolsas para docentes da área de Humanas e dos Campi do interior. O Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) aumentou em 16% o número de cotas de bolsas IC, passando de 158 em 2019 para 183 em 2020. Já o Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), incrementou em 12% o número de cotas em 2020, subindo de 67 para 75.

A Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa) em 2019 contou com 45 cotas de bolsas IC, enquanto que em 2020 esse número subiu para 56, o que configura uma elevação de 25%. No entanto, a unidade acadêmica que mais se destacou foi o Centro de Ensino Superior do Seridó (Ceres), com incremento de 34% no número de cotas IC, passando de 33 em 2019 para 44 cotas em 2020.

“O crescimento no número de bolsas de iniciação científica para os campi do interior e humanidades revela a qualidade da pesquisa realizada pelos docentes dessas unidades, que se traduz em produção científica de relevância, credenciamento de docentes na pós-graduação e aumento no número de bolsistas produtividade em pesquisa nessas unidades”, coloca Elaine Gavioli.

Vale destacar ainda que o CCHLA, CCSA, Ceres e Facisa tiveram excelente desempenho no Edital de Produtividade do CNPq em 2019. Pela primeira vez, docentes do Ceres e Facisa foram contemplados no edital produtividade em pesquisa do CNPq. Observou-se, ainda, um incremento no número de bolsistas produtividade no CCHLA em 38%, passando de 13 para 18 docentes, enquanto que o CCSA aumentou em 150%, ou seja, subiu de 2 para 5 bolsistas CNPq em 2020. As bolsas Produtividade são concedidas pelo CNPq para pesquisadores considerados de excelência pelos seus pares.

Na semana passada, o CNPq divulgou o resultado do pedido de reconsideração do Edital N° 14/2020-PIBIC ações afirmativas (PIBIC-Af), cujo edital é voltado para a inclusão de grupos historicamente excluídos da pesquisa. A UFRN era inicialmente contemplada com seis cotas, após deferimento da solicitação de reconsideração, teve esse número aumentado para 10 cotas. Visando estimular o programa institucional de ações afirmativas, a UFRN ofertou como contrapartida mais 10 cotas.

Recentemente, a Instituição havia sido contemplada 450 cotas de bolsas PIBIC/CNPq e 20 PIBITI/CNPq, totalizando 57 cotas a mais do que no último pleito efetuado junto ao CNPq. As cotas adicionais de bolsas PIBIC/CNPq foram distribuídas de acordo com as regras do Edital N° 05/2020 – Propesq e incrementaram em 6% o número de bolsas de Iniciação Científica (IC) ofertadas em 2020 em comparação com 2019.

O edital N° 05/2020-PROPESQ levou em consideração a avaliação do Curriculum vitae do docente, a partir do Índice de Produtividade Individual (IPI). Foram também considerados critérios de prioridade para a concessão das cotas: ser docente produtividade do CNPq, e ser orientador credenciado em programa de pós-graduação com elevado conceito pela CAPES. Em 2019, foram empregados como critérios de avaliação o IPI do docente (peso 6,0) e o mérito científico do projeto (peso 4,0).

UFRN

Opinião dos leitores

  1. Cadê aquela choradeira??? "Wentraube cortou verbas da educação.: buá, buá, ..piriri, pororó, valha- me Deus ….etc etc…
    Agora fala aí dep. Tábata, Natália Bonavides, Rafael Mota e todos aqueles professores, estudante, Une, UBes hipócritas?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Segurança: São Gonçalo do Amarante tem a maior queda no número de crimes violentos desde 2016

Foto: Ruas com iluminação pública de LED. Fotos: Wendell Jefferson

Em dados do Observatório da Violência do Rio Grande do Norte (Obvio) do primeiro semestre de 2020, da Secretaria Estadual de Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), São Gonçalo do Amarante/RN teve queda de 23,6% no número de crimes violentos letais, a maior redução na série histórica do município desde 2016. Entre os polos da violência, ou seja, municípios com mais de 100 mil habitantes, São Gonçalo também registrou a menor incidência criminal, 11,1%.

De acordo com o secretário municipal de Defesa Social, a criação da Força Tarefa de Homicídios em São Gonçalo do Amarante, uma ação em conjunto com a Polícia Civil, e com operações pela Polícia Militar e a Guarda Municipal, foi responsável por esse resultado. “Mais Guarda Municipal e Polícia Militar nas ruas e o trabalho incansável de investigação dos agentes de segurança da Polícia Civil”, observou Eider.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *