Ossada é encontrada em fazenda de vereador de Vera Cruz

Saiu no www.tribunadonorte.com.br

A Polícia Civil encontrou uma ossada humana dentro de um carro carbonizado e enterrado em uma fazenda em Vera Cruz, a 37km de Natal. A fazenda pertence ao vereador Cleonaldo Joaquim Oliveira, preso pela Polícia Civil em 27 de junho deste ano por porte ilegal de arma de fogo, e indiciado por receptação de arma roubada e pela morte de Erival Lopes da Silva, de 37 anos, assassinado no dia 26 de junho deste ano.

A Polícia Civil ainda não sabe de quem é o corpo encontrado e serão realizados exames pelo Itep para a identificação através de exames clínicos. No entanto, a ossada não é de Erival Lopes da Silva, que foi morto em junho deste ano.
De acordo com informações do Tribunal de Justiça, Cleonaldo Joaquim de Oliveira permanece preso desde o dia em que foi detido, em 27 de junho deste ano.
Memória
Cleonaldo Joaquim de Oliveira confirmou que matou Erival Lopes da Silva. O incidente ocorreu em frente à casa do vereador, em Vera Cruz, quando teria ocorrido uma discussão entre a mulher do parlamentar e quatro homens que estavam em frente à residência trocando o pneu furado de um automóvel.
Segundo Cleonaldo, os homens teriam promovido um tumulto em frente à residência e a mulher do vereador teria pedido que eles fizessem silêncio. Os homens, de acordo com o vereador, teria revidado com xingamentos e, em dado momento, Erival Lopes teria feito menção de que sacaria uma arma. Cleonaldo efetuou quatro disparos e matou o homem na hora.
O delegado Raimundo Rolim, de Vera Cruz, solicitou a que o vereador se apresentasse voluntariamente e levasse a arma do crime. No entanto, no momento em que Cleonaldo se entregou, o delegado percebeu que ele apresentou um revólver calibre 38. Porém, a perícia do Itep havia identificado que a morte ocorreu por tiros de uma pistola ponto 40, que é de uso restrito da polícia. A arma apresentada por Cleonaldo era roubada e ele foi preso em flagrante.

Presidente da Câmara Municipal de Vera Cruz é preso

O vereador Cleonaldo Joaquim Oliveira, presidente da Câmara Municipal de Vera Cruz, cidade distante a 37km  de Natal, foi preso nesta quarta-feira (27) pela Polícia Civil.  Cleonaldo Oliveira é acusado de porte ilegal de arma de fogo, receptação e será indiciado pelo assassinato de Erival Lopes da Silva, de 37 anos, morto na noite de ontem por quatro disparos de arma de fogo.

De acordo com o delegado Rolim, titular da Delegacia de Vera Cruz, o crime ocorreu na noite de terça-feira (26) quando o vereador estava em casa com sua esposa e quatro homens pararam um carro em frente a sua calçada para trocar um pneu furado. Na ocasião, eles teriam começado a fazer algazarra com gritos e palavrões, momento em que ele teria efetuado os disparos.

O delegado Rolim conta ainda que solicitou a presença do vereador Cleonaldo na delegacia hoje para prestar esclarecimentos sobre o homicídio. “Pedi que ele se apresentasse voluntariamente e que trouxesse a arma do crime. No entanto, o vereador apresentou um revólver calibre 38, arma diferente da que foi utilizada”, conta.

A perícia do ITEP revelou que as cápsulas encontradas no local do assassinato não eram de revólver e sim de uma pistola ponto 40, que é de uso restrito. “O vereador está sendo autuando em flagrante por porte ilegal de arma, pois as duas armas não possuíam registro e também por recptação, já que a pistola está com ocorrência de furto. Além disso, o inquérito para esclarecer o homicídio será instaurado e ele vai ser indiciado”, acrescenta Rolim.

Em seu depoimento, o vereador Cleonaldo, disse que os homens teriam começado a falar palavrões e fazer piadas e sua esposa incomodada com a situação teria saído para reclamar e pedir que parassem com o barulho. Porém os homens continuaram e ele também saiu para reclamar. “Ele falou que nesse momento um dos rapazes simulou tirar alguma coisa da cintura e ele pensando ser uma arma reagiu e efetuou quatro disparos”, finaliza o delegado.

O vereador Cleonaldo Joaquim Oliveira esta preso na Delegacia de Vera Cruz onde aguarda decisão da justiça.