Corte da Selic faz governo economizar R$ 68,9 bilhões com juros da dívida pública

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O custo da dívida pública brasileira terminou 2019 no menor nível da história. Dados do Banco Central mostram que a taxa de juros implícita da dívida bruta do país no acumulado de 12 meses fechou o ano passado em 7,8% – em 2019 estava em 8,3%.

Cálculos do Ministério da Economia indicam que a redução da Selic gerou, apenas no ano passado, uma economia de R$ 68,9 bilhões no serviço da dívida.

O montante é superior a todo o investimento feito pelo governo federal em 2019, de R$ 56,6 bilhões. A dívida pública é emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal.

Gazeta do Povo, com Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José disse:

    Era o que o governo petralha deveria ter feito, ao tranferir a dívida externa que pagava taxas baixíssima, para dívida interna, a juros altíssimo. Logo, isso não iria dá lucros exorbitante aos banqueiros nacionais, consequentemente, a propina paga era menor. Então luladrão manteve a taxa selic lá em cima.

    • Ceará-Mundão disse:

      Perfeito, José. No governo do corrupto e lavador de dinheiro trocaram dívidas a juros baixos (a dívida externa), por dívida interna a juros altíssimos, para beneficiar os grandes bancos nacionais. Não foi à toa que os bancos brasileiros, nos governos do PT, auferiram os maiores lucros da sua história (comprovado pelos seus balanços, não é "achismo"). Lembram que tivemos Ministro da Fazenda do Bradesco? Imaginem as negociatas que devem ter ocorrido nos bastidores. Essa gente vive da mentira.

Com Selic menor, Brasil vai economizar R$ 96 bilhões em juros da dívida pública em 2020, diz Paulo Guedes

Foto: Daniel Silveira/G1

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira (6) que o país vai economizar, em 2020, R$ 96 bilhões em pagamento de juros da dívida pública, um resultado da queda da Selic. Segundo ele, isso permitirá ao governo “gastar menos e melhor”.

“As despesas de juros vão cair R$ 96 bilhões em 2020, o equivalente a três Bolsa Família”, afirmou o ministro em discurso em seminário sobre saneamento básico promovido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Ao contrário do governo anterior, que os juros curtos caíam mas os longos não, agora os longos começaram a descer também”, disse.

Guedes abriu o discurso reiterando que o grande problema do Brasil nos últimos 40 anos era o “excesso de gastos, que chegou a 45% do PIB”, o que demandou ao atual governo promover reformas estruturantes. “O controle dos gastos era, portanto, indispensável para nós e está por traz de tudo o que estamos fazendo”, disse o ministro.

Ele destacou que o controle de gastos tinha como principais vilões “privilégios na previdência” e o pagamento de juros da dívida pública. “O Brasil reconstrói uma Europa todo o ano sem sair da miséria”, disse ele afirmando que o pagamento de juros tem montante equivalente ao desembolsado pelo Plano Marshall para reconstrução dos países aliados após a Segunda Guerra Mundial.

Além das reformas em curso, Guedes enfatizou a reestruturação do foco do BNDES que, segundo ele, era “uma máquina de fazer campeões mundiais” ao destinar recursos para “quem tem mais poder político e econômico”.

Segundo Guedes, os recursos dos bancos públicos, não apenas do BNDES, eram capturados por quem tem mais poder político e econômico. “Ninguém pode virar campeão mundial financiado com dinheiro público”, criticou.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flavio disse:

    Metade do nosso PIB, quase 50%, é para pagar juros da nossa divida, baixou os juros a divida cai naturalmente. Vai mexer com os grandes.

    • TOMAZ DE AQUINO NETO SEGUNDO disse:

      Não é pra pagar os juros, é pra pagar a dívida.
      Se eu lhe empresto 1000 reais pra vc me pagar 1200 daqui a um ano, o seu pagamento de 1200 representa apenas 200 reais, os mil que vc está colocando no bolo foi eu que lhe dei.

      Esse seu argumento é o mesmo que a esquerda usa para dizer que pagamos muitos juros da dívida, pois eles consideram todo o montante como juros e isso está errado.

  2. Dionísio disse:

    Economiza NÃO!
    Os parlamentares vão reservar MAIS BILHÕES PARA O FUNDO ELEITORAL;
    Os poderes Judiciário e Legislativo vão se DAR AUMENTO;
    E o executivo mais uma vez será penalizado e culpado pelas despesas com pessoal.
    Pelo menos diminuiu a corrupção como forma de governo e pagamento da mídia aberta.

  3. Otavio disse:

    Quem não esta com 1 boa saúde mental sabemos quem é.

  4. Santos disse:

    Sucesso ao ministro Paulo Guedes! Que a saúde financeira do Brasil restabeleça tb o respeito e a saúde mental do povo, que não estão boas.

  5. Soares disse:

    Esses 96 bilhões eram rateados entre integrantes do governo central, políticos e banqueiros. No governo petralha era o ápice do saqueiamento, luladrão pegou dinheiro do mercado interno pra pagar dívida externa, só que os juros interno era 300 vezes maior que o pago no mercado externo. Não dá nem pra calcular a propina numa operação dessa. Aí os banqueiros nacionais foram no mercado externo e tomaram o dinheiro emprestado, a diferença dos juros que o Brasil pagava a maior, eles dividiam com os idealizadores do negócio, a esquerdalha, e nós entrávamos com o f***** nessa história. Bando de fdp

Dívida pública tem alta de 2% e ultrapassa marca inédita de R$ 4 trilhões em agosto, diz Tesouro

A dívida pública federal em títulos, que inclui os débitos do governo no Brasil e no exterior, registrou aumento de 2,03% em agosto, para R$ 4,074 trilhões, informou a Secretaria do Tesouro Nacional nesta quinta-feira (26). Em julho, a dívida somava R$ 3,993 trilhões.

Foi a primeira vez que a dívida ultrapassou a marca dos R$ 4 trilhões. O crescimento em agosto está relacionado com a emissão de títulos públicos (acima do volume de resgates) de R$ 39,62 bilhões e, também, com as despesas com juros – que somaram R$ 41,37 bilhões.

A dívida pública é a emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal. Ou seja, para pagar despesas que ficam acima da arrecadação com impostos e tributos.

O crescimento da dívida pública está dentro dos planos do governo federal. A dívida pública pode chegar a até R$ 4,3 trilhões em 2019, segundo programação do Tesouro Nacional divulgada no começo deste ano. Em todo ano passado, a dívida pública teve aumento de 8,9%, segundo números oficiais.

Dívidas interna e externa

Quando os pagamentos e recebimentos são realizados em real, a dívida é chamada de interna. Quando tais operações ocorrem em moeda estrangeira (dólar, normalmente), é classificada como externa.

Dívida interna: foi registrada alta de 1,74% em agosto, para R$ 3,913 trilhões.
Dívida externa: resultado da emissão de bônus soberanos (títulos da dívida) no mercado internacional e de contratos firmados no passado, contabilizou uma queda de 9,55% no em agosto, para R$ 160,87 bilhões.

Compradores

Os números do Tesouro Nacional também revelam que a participação dos investidores estrangeiros na dívida pública interna registrou queda em agosto.

No mês passado, os não residentes detinham 12,14% da dívida total, o equivalente a R$ 474 bilhões, contra 12,31% do total da dívida interna em julho (R$ 473 bilhões).

Com isso, os estrangeiros seguem na quarta colocação de principais detentores da dívida pública interna, atrás de:

fundos de investimento (R$ 1,062 trilhão, ou 27,15% do total);
fundos de previdência (R$ 945 bilhões ou 24,16% do total);
instituições financeiras (R$ 897 bilhões, ou 22,93% do total).

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. observador disse:

    Ai o cabra diz que PT quebrou o Brasil.

    • De saco cheio com o Brasil disse:

      Ai o cabra diz que isso aconteceu devido aos últimos 9 meses…..tenha paciência com tamanha demência.

    • De saco cheio disse:

      Seu inteligente, se você olhar vai ver que janeiro de 2018 já era mais de 3,5 tri. Come capim do caramba

    • Nilvan Rodrigues da Silva disse:

      Com a política econômica suicida de Paulo Guedes, quer dizer que o estoque da dívida pública reduziu foi? Esse crescimento da "dívida pública" deve ser pra justificar privatizar as 17 estatais brasileiras, inclusive a casa da moeda, listadas por Paulo Guedes a preço de banana para beneficiar as empresas e bancos de Donald Trump.

Com reforma, dívida pública deve parar de crescer em 2020

Se o texto da reforma da Previdência passar pelo plenário da Câmara dos Deputados e pelo Senado como está, a mudança no sistema de aposentadoria deve fazer com que a relação entre a dívida pública e o tamanho da economia se estabilize entre 2020 e 2021. A avaliação é de interlocutores do presidente Michel Temer, ouvidos pelo GLOBO.

As apostas governistas são um pouco mais otimistas que as do mercado financeiro. Os analistas preveem que as contas públicas ficarão no azul — ou seja, o Brasil gastará menos do que o dinheiro que arrecada — somente em 2021. Apenas com o equilíbrio das contas anuais, a equipe econômica conseguirá fazer com que a dívida pública pare de subir.

Ouvidos numa pesquisa feita pelo Banco Central, os economistas do mercado financeiro acreditam em uma melhora progressiva das contas públicas. Estimam que o país saia de um rombo de 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano para um superávit primário de 0,35% do PIB em 2021.

Até lá, a dívida bruta do país não para de crescer. Alcançou R$ 4,5 trilhões em março, o que representa 71,6% do PIB.

VELOCIDADE DE CRESCIMENTO DA DÍVIDA

Segundo especialistas, o problema não é apenas o tamanho do endividamento do Brasil, mas, principalmente, sua dinâmica. A velocidade com que a dívida cresce é o que mais chama a atenção dos investidores. Somente no mês passado, a alta foi de um ponto percentual na relação com o PIB.

Tanto para o governo quanto para economistas, a aprovação da reforma é o sinal mais importante pela ancoragem das expectativas dos investidores num futuro mais equilibrado para o endividamento.

— Nas nossas contas, a reforma só deve estabilizar a dívida em 2023 ou até mesmo em 2025 — disse o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa, levando em consideração a aprovação da reforma da Previdência como ela está na Câmara.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. JCabral disse:

    Não questão de 20 anos para ajeitar as contas e sim, 20 anos para sustentar as aposentadorias milionárias dos nossos políticos e magistrados, pois esse negocio de teto é apenas para nós, meros mortais…

  2. Dio disse:

    E se a oi pagar a dívida dela?
    E se os bancos pagarem a dívida deles?
    Se as outras centenas de empresas fizeram o mesmo?
    Será que a dívida não acabaria na hora?
    Sempre a corda arrebenta do lado mais fraco.

Depois de sustos ao longo do Plano Real, dívida pública está sob controle

O que faz uma pessoa física que precisa honrar compromissos urgentes, mas não tem recursos? Pega dinheiro emprestado e se endivida com juros. Com o governo, o processo é parecido, porém mais complexo. O Tesouro Nacional emite títulos e se compromete a devolver o dinheiro com alguma correção anos mais tarde, aumentando a dívida pública.

Responsável por provocar momentos de susto nas contas públicas brasileiras nos 20 anos de Plano Real, a dívida pública está sob controle nos últimos anos. Depois de ter disparado nas crises cambiais de 1998 e 2002, o endividamento do governo caiu na última década, beneficiado pela melhoria no perfil e pelo fato de o país ter passado de devedor a credor externo.

divida_publicaNos primeiros anos após a criação do Plano Real, o Brasil tinha a maior parte da dívida interna atrelada ao câmbio e aos juros básicos da economia. Segundo o professor Francisco Lopreato, da Universidade de Campinas (Unicamp), especialista em política fiscal, entre 1999 e 2002, cerca de 95% da dívida mobiliária – em títulos – interna estavam corrigidos pelos juros básicos (60%) e pelo dólar (35%).

Esse tipo de composição foi fatal para o Brasil nas crises da Ásia, da Rússia e de 2002. A disparada do dólar multiplicou a dívida em reais atrelada ao câmbio. Para tentar segurar a cotação e atrair capitais estrangeiros, o Banco Central teve de aumentar os juros, o que impactou os títulos vinculados à taxa Selic – juros básicos da economia.

O efeito sobre as contas públicas foi perverso. Em 2002, a dívida líquida do setor público, que considera tudo o que o setor público tem a pagar e a receber, chegou a saltar para 60% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país). “Foi a pior combinação pela qual o Brasil poderia passar naquele momento. A ancoragem do dólar forçou o aumento dos juros e aumentou o endividamento do país”, recorda Carlos Eduardo Freitas, diretor do Banco Central por duas vezes, entre 1985 e 1988 e de 1999 a 2003.

Segundo Freitas, também contribuiu para a alta da dívida pública na primeira fase do Plano Real o reconhecimento, pelo governo federal, de esqueletos econômicos, débitos resultantes de planos econômicos antigos. Além disso, a renegociação das dívidas dos estados e o Proer, programa de ajuda aos bancos que quebraram após o Plano Real, impulsionaram o endividamento federal.

Atualmente, apenas 10% da dívida estão atrelados aos juros; e 10%, ao câmbio, considerando as vendas de dólares no mercado futuro feitas pelo Banco Central. Para Lopreato, o trabalho de gerenciamento da dívida pública a partir de 2003, que privilegiou a troca dos títulos atrelados aos juros e ao câmbio por papéis prefixados – com taxas determinadas antecipadamente – e corrigidos pela inflação, diminuiu a vulnerabilidade do país. Atualmente, a dívida líquida do setor público está em 34% do PIB.

Outro fator que contribuiu para a redução da dívida líquida ocorreu em 2006, quando o Brasil passou de devedor a credor externo. O Brasil virou credor ao acumular reservas internacionais, hoje em torno de US$ 380 bilhões, em montante superior à dívida externa (pública e privada), atualmente em US$ 326 bilhões.

“Para quem se lembra da crise da dívida externa dos anos 80 e dos acordos com o Fundo Monetário Internacional até 2004, essa é nossa maior vitória”, diz Lopreato. “Agora, quando o dólar dispara, como aconteceu no ano passado, a dívida líquida cai porque as reservas internacionais superam o endividamento externo”, explica.

Apesar de estar sob controle, a dívida pública tem sido pressionada nos últimos anos pelas ajudas do Tesouro Nacional aos bancos públicos. Desde 2009, o Tesouro emitiu cerca de R$ 300 bilhões em títulos públicos para aumentar o capital do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A operação não tem impacto na dívida líquida, mas aumenta a dívida bruta do governo.

O reforço permite que a instituição empreste mais ao setor produtivo e estimule investimentos, mas a ajuda oficial divide a opinião de economistas. “De fato, os aportes para o BNDES aumentaram a dívida bruta, mas o impacto é relativamente pequeno. As emissões são importantes para ampliar os investimentos e ajudar a economia”, diz Lopreato. “Essas ajudas só provocam inflação e não têm impacto sobre o total de investimentos. O empresário, na prática, apenas deixa de usar os próprios recursos e investe com empréstimos a juros baixos concedidos pelo governo”, critica Freitas.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rafael Vale disse:

    Eis uma das principais diferenças entre o PT e o PSDB.
    Enquanto um quebrou o Brasil por 3 vezes, precisando ser socorrido pelo FMI, o PT diminuiu a desigualdade social, gerou emprego e diminuiu a dívida pública.
    Basta comparar para saber em quem votar

  2. Luciano disse:

    Será que os tucanalhas entendem esse gráfico? Será q eles se dão conta que no final do governo do príncipe o real estava pra explodir?

Endividamento dos Estados cai em 2012, mas no RN ainda não se sabe porque documentos ainda não foram enviados

As negociações para a troca do indexador da dívida dos estados e municípios ocorrem em um momento em que os índices de 2012 apontam para a queda do endividamento, beneficiando as finanças estaduais. O levantamento da Agência Brasil foi feito com base em relatórios enviados pelas unidades da Federação ao Tesouro Nacional.

Em janeiro e fevereiro, a dívida consolidada líquida de 19 estados e do Distrito Federal caiu em valores absolutos. Apenas em dois estados, São Paulo e Rio Grande do Sul, o endividamento apresentou leve aumento. Esse desempenho decorre, em boa parte, do comportamento do IGP-DI, índice de inflação da Fundação Getulio Vargas, que é o indexador usado para corrigir a dívida dos estados.

Nos últimos 12 meses, o IGP-DI acumulou alta de 3,33%. No mesmo período, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registrou inflação de 5,24%. A utilização do IPCA para corrigir a dívida dos estados consta de um projeto de lei do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), que recebeu apoio dos senadores e do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne os secretários de Fazenda dos estados e do DF.

Após o processo de renegociação das dívidas dos estados com a União, no fim da década de 1990, ficou estabelecido que o estoque seria corrigido pelo IGP-DI mais 6%, 7,5% ou 9% ao ano, dependendo do caso. Na época, o índice era mais baixo que as taxas dos títulos públicos federais. No entanto, o indexador, que na ocasião pareceu vantajoso, passou a pressionar as finanças estaduais nos anos seguintes.

De setembro de 1997, quando os primeiros estados começaram a renegociar as dívidas com a União, até março deste ano, o IGP-DI acumulou variação de 235,16%, contra aumento de 142,26% do IPCA. A diferença ocorre porque o IGP-DI tem 60% do cálculo baseado em preços de atacado, mais sujeitos a variações de preços internacionais e da cotação do dólar. O IPCA registra apenas as variações dos preços aos consumidores, que são mais estáveis.

Em época de dólar baixo e arrefecimento dos preços, como o momento atual, o IGP-DI varia menos que o IPCA. No entanto, o índice da Fundação Getulio Vargas dispara em momentos de pressões inflacionárias. Em 2010, o IGP-DI acumulou variação de 11,31%, quase o dobro do IPCA, que subiu 5,91%.

A Lei de Responsabilidade Fiscal estabeleceu que a dívida dos estados e do DF não pode ultrapassar 200% da receita corrente líquida (RCL). De acordo com os relatórios recebidos pelo Tesouro, o Rio Grande do Sul continua a ser a única Unidade da Federação que estoura esse limite. Desde 2008, no entanto, o estado está dentro dos limites de reenquadramento definidos por uma resolução do Senado Federal. A dívida consolidada líquida, que encerrou 2011 em 213,77% da RCL, chegou a 211,68% no fim de fevereiro, embora tenha subido R$ 122,8 mil em valores nominais desde o fim do ano passado.

Em São Paulo, a situação é um pouco diferente. A dívida consolidada líquida aumentou R$ 6 bilhões nos dois primeiros meses de 2012. Na comparação com a RCL, o endividamento passou de 145,7% para 148,5%. A Lei de Responsabilidade Fiscal define a RCL como a arrecadação dos estados, no mês de referência e nos 11 meses anteriores, excluídas as transferências obrigatórias para os municípios e as contribuições dos servidores públicos estaduais para seus regimes de previdência.

Até a última sexta-feira (20), sete estados ainda não tinham enviado o relatório de execução orçamentária ao Tesouro Nacional: Amazonas, Amapá, Goiás, Rio Grande do Norte, Roraima, Santa Catarina e Sergipe.