UNICAT amplia distribuição de medicamento para gripe Infuenza

Foto: Divulgação

A Unidade Central de Agentes Terapêuticos (UNICAT), através do setor de Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica (CESAF), ampliou este ano a dispensação do Oseltamivir (Tamiflu) para todas as Regiões de saúde do Estado. Até 2019, o medicamento só era disponibilizado para unidades de Natal, Região Metropolitana e Mossoró.

O Oseltamivir é um pró-fármaco antiviral que reduz a multiplicação do vírus da gripe, influenza A e B, no organismo, incluindo o vírus Influenza A H1N1. O medicamento é adquirido pelo Ministério da Saúde e disponibilizado pela Unicat para as unidades hospitalares.

De acordo com o Diretor Técnico da Unidade Central de Agentes Terapêuticos (UNICAT), Thiago Vieira, “a ampliação das unidades de distribuição do Tamiflu, visa facilitar o acesso aos pacientes com receitas médicas emitidas pelos profissionais médicos. Além da rede pública a medicação também é distribuída para hospitais privados. Vale ressaltar que o uso da medicação não dispensa a necessidade de vacinação anual contra a influenza”.

A Unicat distribuirá este ano mais de 53 mil comprimidos. Em 2019 o número dispensado chegou a mais de 32 mil, o que mostra um aumento de 60%.

As informações sobre a dispensação do Tamiflu estão disponível na Nota Técnica, no endereço:

http://www.adcon.rn.gov.br/ACERVO/unicat/DOC/DOC000000000227107.PDF

Já o Protocolo Clínico de Tratamento da Influenza do Ministério da Saúde pode ser acessado através do link: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/abril/19/protocolo-influenza-2017.pdf .

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    É muito pouco.
    Fora FátimaLula Bezerra.

Unicat emite nota de esclarecimento sobre medicamentos para portadores de doenças neurológicas

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) e Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat) esclarecem que os medicamentos para portadores de doenças neurológicas fazem parte do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) e são adquiridos diretamente pelo Ministério da Saúde para serem distribuídos aos estados.

A previsão que o Ministério da Saúde deu ao estado do Rio Grande do Norte é de regularizar a distribuição destes medicamentos até o final do mês de janeiro, em virtude da finalização de processos administrativos de aquisição. Atualmente o estoque da Unicat está abastecido em 35% dos medicamentos para tratamento das doenças neurológicas.

Desde o ano passado a Unicat está trabalhando na melhoria dos serviços aos usuários, com a implantação do sistema de fibra ótica com mais economia e agilidade na transmissão dos dados e utilização do Sistema de Gestão da Assistência Farmacêutica (Hórus) na rede hospitalar estadual, contribuindo para o controle e monitoramento dos recursos financeiros investidos na aquisição e na distribuição dos medicamentos nos hospitais.

Atendimento na Unicat é normalizado

A Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat) retomou, nesta quarta-feira (20), os atendimentos que haviam sido prejudicados por uma pane no Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica – Hórus, mantido pelo Ministério da Saúde.

Após instabilidades e paralisação no sistema que atua na gestão dos medicamentos e insumos, os atendimentos para cadastramento e distribuição de medicamentos estão funcionando normalmente.

A Unicat dispõe atualmente de uma lista de 298 medicamentos que integram o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF), regulamentado pelo Ministério da Saúde (MS). Deste total, 134 são adquiridos pelo próprio Ministério, 111 são de responsabilidade de aquisição pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesap) e 44 são adquiridos através de co-financiamento entre MS e Sesap.

“Hoje estamos com uma situação de 90% de abastecimento de medicamentos para a população e em torno de 75% de insumos, que são destinados aos hospitais. Fazemos um planejamento anual e as aquisições são feitas de forma bimestral ou trimestral, de acordo com o tipo de medicamento”, explicou o diretor geral da Unicat, Ralfo Medeiros.

São cerca de 40 mil usuários cadastros somente no Rio Grande do Norte, com uma média de 20 novos pacientes sendo cadastrados diariamente. Somente para as doenças crônicas, a Unicat atende a 90 tipos de patologias.

Desenvolvido em 2013, o Sistema Hórus permite a identificação em tempo real dos estoques; rastreabilidade dos produtos distribuídos e dispensados, além do controle e monitoramento dos recursos financeiros investidos na aquisição e distribuição dos medicamentos.

Para se cadastrar o paciente precisa comparecer a Unicat com cópias dos documentos pessoais (cartão SUS, RG, CPF e Comprovante de residência), receita médica, formulário padronizado do MS preenchido pelo médico, termo de consentimento assinado entre médico e paciente, além de exames que comprovem a doença.

“Temos que seguir protocolos muito rígidos para atender aos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde. Os processos para dispensação dos medicamentos precisam ser revistos a cada três meses e são acompanhados pela nossa equipe de médicos e farmacêuticos”, disse o diretor.

Para dúvidas dos usuários a Unicat disponibiliza dois números telefônicos: 3232-6860 / 3232-6861.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tabitha Garcia disse:

    Atendimento para cadastramento você espera duas horas porque segundo os funcionários, o sistema cai sempre. Outro fato curioso é a necessidade de recadastramento, a maioria das pessoas presente na unicat é para o recadastramento. Isso não faz sentido, uma vez cadastrado teria como o paciente renovar seu cadastro através do site, e quando fosse retirar a medicação, apresentaria a receita atualizada. Meu Deus, é muito descaso com as pessoas que necessitam de medicação. Estou totalmente indignada. Estou aqui nesse momento descrevendo que estamos aqui a duas horas esperando para cadastrar minha mãe com 77(setenta e sete anos).

FOTOS: Unicat muda medicamento, dores aumentam em pacientes e médicos entram na justiça

IMG-20140327-WA0004 IMG-20140327-WA0005Fotos: Cedidas

O antigo medicamento para tratamento à base de hormônio de crescimento que durante muito tempo o Unicat distribuía era o Hormotrop Somatropina(imagem 1), que não causava nenhuma dor nas crianças. Pois bem. Informações de profissionais da saúde alertam que atualmente o Unicat vem distribuindo um novo medicamento, o Eutropon Somatropina(imagem 2), que chega a causar dor aguda nas crianças.

Os pais e médicos estão angustiados com o sofrimento das crianças e apelam para que o antigo medicamento volte a ser fornecido. Diante do impasse, os profissionais da saúde entraram na justiça contra Unicat.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Elisa Lima disse:

    É verdade BG minha filha faz o tratamento e é angustiante ver o sofrimento dela todo dia. A dosagem foi mudada, maas a médica dela não autorizou a nova dosagem da UNICAT. Até pq a especialista é ela e cada paciente deve seguir a orientação e o procedimento de seu médico. Já ingressamos com uma ação contra o estado pela falta de medicamento ( ela estava recebendo na demanda judicial) e mesmo assim n foi a qdt prescrita pelo médico. São irresponsáveis e estão usando o recurso federal. ISSO PQ TEMOS UMA PEDIATRA NO GOVERNO QUE SABE Q O TRATAMENTO TEM UM TEMPO.

  2. alexandre medeiros disse:

    Uniram-nos todos ao presente e interminável caos.

Apropriação de medicamentos da Unicat gera condenação por improbidade

 O juiz Cícero Martins de Macedo Filho, da 4ª Vara da Fazenda Pública de Natal, condenou um ex-encarregado do setor de Componente de Medicamentos de Dispensação Excepcional da Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat) por ato que caracteriza improbidade administrativa.

O Ministério Público informou na ação judicial que ficou apurado no Inquérito Policial nº 0007533.63.2009, que o réu, à época encarregado do setor de Componente de Medicamentos de Dispensação Excepcional da Unicat, foi preso por policiais federais com a posse de vários medicamentos de receituário obrigatório.

O MP disse que após diligências junto à Unicat, foi verificado que inexistia qualquer receita para tais medicamentos, e foi feita uma revista no local de trabalho do réu, ocasião em que foram apreendidos várias guias e receituários médicos, cartões de créditos, celulares, dentre outros materiais.

Relatou que em seguida a Polícia Federal fez diligências na casa do réu e lá foram encontrados vários medicamentos, todos de venda somente com prescrição médica. Foi apurado que o réu tinha acesso irrestrito, com uso de senha pessoal, ao sistema informatizado da Unicat, e o fraudava com a inserção de dados falsos de pacientes, para que pudesse retirar e apropriar-se dos medicamentos.

A petição inicial lista todos os medicamentos que foram apreendidos, em quantidades expressivas, e o réu confessou na PF a prática da subtração, apropriação e venda dos remédios, em sua maioria de alto custo. Segundo o órgão autor tal fato causou um prejuízo ao Estado superior a R$ 180 mil.

Para o magistrado, ficou comprovado o malefício de sua conduta, haja vista a gravidade maior do fato se for considerado que esses remédios desviados poderiam aliviar o sofrimento de muitas pessoas.

Condenações

Entre as penalidades aplicadas ao agente público estão o ressarcimento integral do dano causado ao erário relativo aos valores dos medicamentos desviados da Unicat, os quais devem ser apurados em liquidação de sentença.

O réu também foi condenado à perda da função pública, uma vez que praticou o ato na condição de servidor público estadual em detrimento do patrimônio estadual, já que os remédios desviados faziam parte do acervo da Unicat, órgão estadual, e tal penalidade não foi fixada na sentença penal.

O servidor deve ainda pagar uma multa de R$ 10 mil, considerando que ele ocupa o cargo público de ASG, percebendo vencimentos equivalentes ao salário mínimo, e desta forma, não terá condições de arcar com a multa civil no limites previsto no inciso I do art. 12, da LIA.

Por fim, o réu está proibido de contratar com o Poder Público, receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de 8 anos. O magistrado deixou de aplicar a pena de suspensão dos direitos políticos por já ter sido aplicada pelo Juízo Criminal.

TJRN

Governadora se reuniu com diretores de hospitais de Natal

A governadora Rosalba Ciarlini  reuniu  nesta quinta feira (20), na Secretaria de Estado da Saúde Pública (SESAP), os diretores dos hospitais Monsenhor Walfredo Gurgel, Santa Catarina, Giselda Trigueiro, Ruy Pereira, Deoclécio Marques e Maria Alice Fernandes, além da Direção da UNICAT e Coordenadores da SESAP.

A Chefe do Executivo vem acompanhando junto com o Secretário de Estado da Saúde Pública, Isaú Gerino, as necessidades ainda encontradas nas unidades hospitalares, como também as ações que estão sendo realizadas dentro do Plano de Enfrentamento às urgências e emergências. “Estamos trabalhando não só para resolver os problemas do Walfredo Gurgel, mas também para estruturar toda a rede e assim, dar mais resposta na grande Natal”, disse a Governadora.

Rosalba Ciarlini acrescentou, ainda, sobre o repasse do Fundo Estadual de Saúde   que foi liberado à Prefeitura de Natal, através do Fundo Municipal de Saúde, no valor de R$ 5 milhões e 504 mil reais, referente a contra partida do Estado, através das Portarias das Urgências e Emergências.  Com os recursos, o município se comprometeu de regularizar débitos com as Cooperativas Médicas.

O abastecimento pela UNICAT nas Unidades Hospitalares foi um dos pontos prioritários na pauta da reunião. O Governo do Estado já disponibilizou ao todo cerca de R$ 15 milhões para  regularizar o fornecimento de insumos e medicamentos, após o Decreto de Calamidade na Saúde do Estado.

Os percentuais de abastecimento atualizados nesta quinta-feira (20) correspondem a 92% no Hospital Santa Catarina, 90% no Hospital Giselda Trigueiro, 70% no Hospital Deoclécio Marques, 60% no Hospital Pediátrico Maria Alice Fernandes, 54% nos Hospitais  Walfredo Gurgel e Ruy Pereira.

Ao final da reunião, os diretores avaliaram o momento atual, de que forma as reuniões, com a presença dos diretores, podem colaborar para agilidade nas demandas e na realização das ações estruturantes, que  já  iniciaram na maioria das unidades.

“São reuniões necessárias para sabermos a realidade de cada hospital e resolvermos os problemas que estão sendo enfrentados dentro do decreto de calamidade”, afirmou Wilson Cleto, Diretor Geral do Hospital Maria Alice Fernandes.

Para o Diretor Administrativo do Hospital Giselda Trigueiro, Carlos Mosca, com as reformas que estão sendo realizadas naquela unidade hospitalar, haverá um crescimento significativo no atendimento. “Com a regulação e as reformas de ampliação daremos uma maior resolutividade nos serviços”, falou o diretor.

MPE vai acionar Justiça contra desabastecimento dos hospitais no RN

Ministério Público Estadual (MPE) pretende ingressar com uma ação judicial contra o estado ainda hoje para tratar do desabastecimento nas unidades hospitalares do estado. A diretora da Unicat Alaíde Menezes fez um apanhado sobre a situação de desabastecimento no estado e informou que, pelo menos nos hospitais da região metropolitana, desde a última semana, os níveis de abastecimento giram em torno dos 50%.

De acordo com a promotora da saúde, Iara Pinheiro, a ideia do MP é acionar o Judiciário para ajudar os hospitais a garantirem os insumos necessários para o bom funcionamento dos serviços de saúde. A promotora convocou a diretora da Unidade de Agentes Terapêuticos (Unicat), Alaíde Menezes, para esclarecer como está o abastecimento dos 23 hospitais que compõema rede Sesap, o que vem sendo feito para regularizar a entrega mensal dos medicamentos nas unidades e quais as dificuldades enfrentadas para atender às demandas.

O processo judicial que será movido pelo MP contra o estado deverá contemplar o impacto do desabastecimento da Unicat na realidade e orçamento dos hospitais estaduais, além de cobrar uma medida que obrigue o estado a manter a regularidade do abastecimento nas unidades de saúde.

Com informações do Diário de Natal

Amico pede ajuda para comprar REVATIO; Medicamento está em falta na Unicat desde setembro

Por interino

A Associação Amigos do Coração da Criança (Amico) está apelando para a solidariedade. Esta é a única maneira de salvar crianças cardiopatas atendidas pela ONG. Um medicamento essencial para o tratamento delas, o REVATIO, está em falta na Unicat desde setembro do ano passado e a Amico não têm mais condições de bancar o tratamento que é de alto custo.

O REVATIO, cujo nome da droga é SIDENAFIL, sai por mês a uma média de R$500,00 por criança. A descontinuidade do tratamento pode acarretar complicações. “Quando deixam de usar o remédio, os sintomas pioram muito”, explicou José Madson Vidal, um dos diretores da Amico.

Das crianças atendidas, muitas vêm do interior do Estado e devem voltar para as suas cidade com o medicamento. Hoje, por exemplo, a Amico está com uma menina chamada Renata, que é de Martins e precisa da medicação. Das crianças dependentes do medicamento, algumas já foram operadas e outras em tão em pré-operatório.

Quem quiser ajudar com doações em dinheiro pode realizar o deposito no banco ITAÚ- Agência 8380 – Conta 07569-0. Aentidade também aceita outros tipos de ajuda como leites especiais, alimentação, vestimentas, brinquedos e fraldas. Colabore!

Tratamento

A medição é de uso continuo e crônico para crianças cardiopatas que tem hipertensão arterial pulmonar por cardiopatia congênita ou miocardiopatia apresentam dispnéia, sincopes. O remédio baixa a pressão dentro das artérias pulmonares.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wilson disse:

    Conheço uma pessoa que faz uso do Revatio, prefere não se identificar e pediu minha ajuda. Acontece que sua dose, segundo ela, diminuiu, e possui então algumas caixas com 90 comp de 20mg. A questão é que ele encontra-se em dificuldades, e precisa vender essas caixas para comprar outros medicamentos, o que me levou a pesquisar no google para ajudá-lo. Ele afirma estar vendendo cada uma com um desconto de R$ 1.000,00 (mil reais). Se for do interesse de vocês, entrem em contato. Muito obrigado.

Mossoró está sem receber medicamentos por causa de falha na Unicat de Natal

O Ministério Público Estadual denuncia em recomendação expedida hoje no Diário Oficial do Estado a precariedade do funcionamento da rede de distribuição de medicamentos no Rio Grande do Norte.

De acordo com a Recomendação 010/2011, o município de Mossoró esta sem receber um único medicamento em virtude de um falha na Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat) de Natal. Apenas os medicamentos condicionados à ordem judicial estão sendo entregues.

O texto considera que a situação, sem previsão para que seja solucionada, poderá colocar em risco não só a saúde mas a vida dos cidadãos, apesar de os medicamentos existirem e estarem em estoque.

O MP considera inaceitável que os agentes públicos tratem o caso como um assunto burocrático e recomenda “ao Secretário de Saúde Pública do Estado, Dr. Domício Arruda Câmara Sobrinho e à Diretora da Unidade Central de Agentes Terapêuticos (UNICAT), a Sra. Telma Maria da Silva Santana Praxedes, diante da premente necessidade apresentada, que adotem imediatamente as medidas administrativas necessárias ao restabelecimento do sistema de distribuição de medicamentos da UNICAT, de forma a permitir a imediata entrega de todo e qualquer fármaco necessário ao tratamento de saúde dos usuários do SUS cadastrados na unidade de Mossoró-RN”.

O texto requisita ainda que essas autoridades respondam remetam respostas ao MP em até 24 horas.