Diversos

Trabalhadores terceirizados da SAFE que prestam serviço em hospitais do Estado iniciam greve

Os trabalhadores da saúde que prestam serviço pela empresa terceirizada SAFE iniciaram uma greve nesta segunda-feira (13). Segundo os trabalhadores terceirizados, o auxílio transporte acabou. De acordo com informações, a empresa não paga o auxílio transporte do mês, só paga uma parte, paga metade, e chega o tempo que acaba e a empresa não completa e os trabalhadores ficam sem ter como vir trabalhar. “Tem trabalhador que está se virando para ir trabalhar. Pedem emprestado, vem a pé, de bicicleta. Tem que se virar, porque se não vir trabalhar, leva falta”, disse um trabalhador que preferiu não ser identificado.

Todos os meses os trabalhadores terceirizados da saúde que prestam serviços como maqueiros, higienização e limpeza, como também no setor de nutrição dos hospitais públicos do Rio Grande do Norte, incluindo o maior hospital do Estado, o Walfredo Gurgel, enfrentam um verdadeiro pesadelo para terem seus direitos respeitados e garantidos. E neste mês de setembro não seria diferente, e o problema voltou a se repetir mais uma vez.

Muitos desses trabalhadores estão com quatro férias atrasadas, além de vale transporte e salários atrasados, trabalhando em péssimas condições, sem data certa para receber seus proventos, sendo castigados pela empresa e pela Secretaria de Saúde do RN. Por conta do problema recorrente, mensalmente esses profissionais ameaçam e já chegaram a decretar greve repetidas vezes, mas até hoje o pagamento dos atrasados desses terceirizados não foi resolvido. Ao ser questionada, a SAFE alega que o Governo não repassou os valores para a quitação dos débitos com os trabalhadores, por outro lado a SESAP afirma que está em dia com a empresa, enquanto um joga a culpa para o outro, quem continua sendo penalizados são os profissionais.

Em um breve relato recebido pelo Sindsaúde/RN, um maqueiro que presta serviços pela empresa e que não quis se identificar, falou sobre o verdadeiro aprofundamento da precarização dos trabalhadores terceirizados, “alguns de nós estamos com três e outros com quatro férias atrasadas. O que significa que têm trabalhadores que estão esses anos todos gozando as férias sem receber a remuneração equivalente ao 1/3 de férias”, afirma o trabalhador. Nós do Sindsaúde/RN nos solidarizamos com a luta dos profissionais terceirizados da SAFE, acompanhamos de perto seus trabalhos e as inúmeras dificuldades para terem os seus direitos básicos garantidos. Pedimos mais uma vez, ao Governo do RN e a SESAP, que volte sua atenção a esses profissionais tão essenciais para a manutenção da saúde pública no nosso estado.

 

Opinião dos leitores

  1. Mais uma ação desastrosa dessa Governadora. Só não falta dinheiro para pagar os super salários dos cumpanheiros do consórcio Nordeste.

  2. Meu amigo, sabemos que o Estado do RN está eminentemente quebrado financeiramente, pois arrecada mas não paga aos fornecedores, o que está sendo feito com os recursos enviados pelo presidente Jair Bolsonaro através dos ministérios!!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Hospitais estaduais recebem visita da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Natal

A Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Natal realizou, nesta segunda-feira (19), visitas fiscalizatórias nos hospitais públicos estaduais. A ação de fiscalização teve o objetivo de avaliar o atendimento aos pacientes com Covid-19 oferecido pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte. O percurso começou no Hospital Dr. João Machado, localizado na Avenida Alexandrino de Alencar, e de lá seguiu para os hospitais Giselda Trigueiro, zona Oeste, e Santa Catarina, zona Norte.

“Estamos percorrendo os hospitais com a finalidade de verificar como está a aplicação dos recursos direcionados para a saúde”, afirmou o presidente da Comissão, vereador Preto Aquino (PSD). “Visitamos três unidades de saúde muito importantes para a nossa cidade, cumprindo uma das principais funções do Legislativo, que é fiscalizar as ações dos poderes públicos. Agora, iremos concluir o relatório de tudo que vimos hoje e encaminhar para os órgãos competentes”, pontuou o vice-presidente, vereador Herbert Sena (PL).

No Hospital Dr. João Machado, 50% dos leitos estão destinados para pacientes com Covid-19 , enquanto os outros 50% para psiquiatria. Entre os 45 leitos críticos para Covid-19, 39 são UTIs e 6 semi-intensivos. No momento, a unidade opera entre 97% e 100% de ocupação destes equipamentos. A diretora Leidiane Fernandes apresentou aos vereadores o funcionamento do João Machado. “Operamos com um tanque de oxigênio com capacidade três vezes maior do que o anterior. Apenas o Hospital Walfredo Gurgel supera o nosso estoque de oxigênio”, disse ela.

Por sua vez, o Hospital Giselda Trigueiro está com todos os seus 35 leitos de UTI para Covid-19 ocupados. “A demanda é grande, mas a nossa unidade está preparada”, explicou Adelia Machado, coordenadora do Núcleo Interno de Regulação. Já o Hospital Santa Catarina trabalha com leitos para Covid-19 de retaguarda e referência para gestantes. “Somos referência para obstetrícia de alto risco e Covid em gestantes na rede estadual”, informou a diretora geral Aline Bezerra.

O vereador Luciano Nascimento (PTB) falou sobre a necessidade da população intensificar os cuidados para evitar a doença. “Temos hospitais operando com lotação máxima, profissionais que relatam um dia a dia tenso e equipes exaustas por mais de um ano de pandemia. Precisamos de um enorme esforço coletivo porque a situação é crítica”, concluiu.

Opinião dos leitores

  1. BG, apenas uma sugestão: que o blog investigue quantos leitos de UTIs o estado tinha como também o município de Natal

  2. Quero saber é da vacina, fiscalizem, porquê não sai de 63 anos, 12 dias, importante também ver hospitais, pra não fazer igual ao Pará, respiradores escondidos.

    1. A falta de vacinas é um problema no mundo todo.
      O avanço depende de chegada de novas doses.
      Na minha opinião não deveriam vacinar nem profissionais da saúde nem professores etc.
      Vacinava só idosos e pessoal com comorbidades.
      Já estaríamos nos 55 anos eu acho…

    2. Quem não comprou vacinas na hora certa? E só mudou de conduta pressionado pela compra da coronavac por Dória? Não há que se falar em falta de vacinas. O que ocorreu foi criminosa falta de iniciativa, ou pior, esforços que foram contrários aos recomendados para controle da pandemia. Governos federal, estaduais e municipais precisam prestar contas e ser responsabilizados por seus desmandos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Comissão da Câmara Municipal de Natal vai fiscalizar hospitais e serviços de saúde da capital

A Comissão de Saúde, Previdência e Assistência Social da Câmara Municipal de Natal realizou, nesta segunda-feira (12), uma reunião na qual os parlamentares fizeram a leitura do relatório da primeira fiscalização sobre o funcionamento dos transportes públicos durante a pandemia, estabeleceram visitas fiscalizatórias nas unidades de saúde da cidade e designaram projetos de lei para relatoria.

O presidente da Comissão, vereador Preto Aquino (PSD), informou que no próximo sábado (17) será feita uma fiscalização nos hospitais com o objetivo de avaliar os serviços de combate ao novo coronavírus oferecidos pelo Governo do Estado do RN. “Fiscalizar as ações do Poder Público é uma das prerrogativas deste colegiado e cumpriremos a nossa missão”, pontuou.

Seguindo o mesmo tema, a vereadora Camila Araújo (PSD) levantou questionamentos sobre a desativação de 40 leitos para a Covid-19 que estavam instalados na Liga Norte-Riograndense Contra o Câncer – Hospital Luiz Antônio, no bairro das Quintas. De acordo com a parlamentar, “faz-se necessário esclarecer a situação junto à Secretaria de Saúde do Estado”.

Já o vereador Luciano Nascimento (PTB), falou sobre o relatório da fiscalização nos transportes públicos. “O documento atesta que os ônibus continuam lotados e com deficiência do processo de higienização nos veículos, o que deixa trabalhadores e usuários à mercê da proliferação do novo coronavírus. Com base nestas conclusões, vamos apresentar um ofício aos órgãos reguladores e cobrar o cumprimento dos protocolos de segurança aprovados nesta Casa”.

Entre as matérias designadas para relatoria, destaque para a de autoria do vereador Felipe Alves (PDT) que cria praia inclusiva para pessoas com deficiência. “Trata-se de um projeto com ações inclusivas em atividades de lazer e turismo importantes para a promoção da cidadania em nosso município”, avaliou o vereador Herberth Sena (PL), que fará a relatoria do texto.

Opinião dos leitores

  1. Deputados agindo tardiamente e sem foco. O mais correto seria exigir de imediato (já era pra ter sido feito desde o início) demonstrativos detalhados de recebimento de verbas federais e de gastos com a pandemia. Visitinhas a hospitais não resolvem nada. Está faltando seriedade na AL.

  2. Agora depois de mais de um ano?
    Onde estava essa comissão?
    O que me preocupa não é o grito dos maus, o que me preocupa é o silêncio dos bons.

    1. “Fiscalizar as ações do Poder Público é uma das prerrogativas deste colegiado e cumpriremos a nossa missão”.
      Oxente! Lembraram agora da missão? Já sei. Estavam focados na “comissão”……💰

    2. e quem é o bom? tu? o presidente? o Queiroz da rachadinha? O bispo Valdomiro Santiago? Quem?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

HOSPITAIS DE CAMPANHA: RN não envia informações a PGR

Foto: Rogerio Santana/Governo do Rio de Janeiro/via Agência Brasil

Um terço dos governadores deixou de responder a um pedido de informações da Procuradoria-Geral da República sobre a instalação dos hospitais de campanha para tratamento da Covid.

São eles:

Waldez Góes (PDT), do Amapá;

Camilo Santana (PT), do Ceará;

Renato Casagrande (PSB), do Espírito Santo;

Ratinho Júnior (PSD), do Paraná;

Wellington Dias (PT), do Piauí;

Fátima Bezerra (PT), do Rio Grande do Norte; e

Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul.

No último 12, a subprocuradora-geral Lindôra Araújo enviou ofícios aos 27 govenadores questionando quantos hospitais foram instalados em cada local, quantos foram construídos e não entraram em funcionamento e as unidades ativas atualmente.

Eles também foram indagados sobre data e motivo do fechamento dos hospitais desativados, além de esclarecer a destinação de insumos e equipamentos que compunham essas estruturas.

O objetivo da PGR com as informações é verificar eventuais falhas no atendimento à saúde da população infectada, principalmente em função dos recursos aplicados.

Dependendo de cada caso, o órgão poderá recomendar aos procuradores que proponham ajustes ou, se houver indícios de irregularidades, a abertura de investigações sobre os gestores.

O prazo inicial para a resposta venceu no dia 19, mas vários governadores pediram uma prorrogação, que foi concedida. O órgão ainda fará a análise das informações enviadas pelos estados e também avaliar as providências em relação aos que não prestaram as informações.

O Antagonista

Acesso a matéria na íntegra abaixo:

Opinião dos leitores

  1. Oxi…
    Deixou? Como se pediu pra estender o prazo e foi concedido?
    Criando situação.
    Tá soando desespero.
    A cobrança deve tá grande.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Espere o comentário.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ezequiel sugere ao Governo compra de produtos regionais para hospitais e kits da merenda escolar

Sugestão tem destaque para isentar agricultores de débitos de IPVA de moto e carros, do ano de 2020 e 2021

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), apresenta uma série de medidas para retomar e ampliar a produção da agricultura familiar no Rio Grande do Norte, em meio à crise causada com a pandemia do novo coronavírus. As propostas serão encaminhadas a governadora Fátima Bezerra (PT) e a bancada federal do Estado.

“A pandemia tem causado prejuízos em todos os setores e não é diferente na agricultura familiar. Precisamos fortalecer esta atividade econômica que é essencial para o nosso Estado. Além disso, investindo neste setor, possibilitamos também a ajuda aos que mais precisam, como a distribuição de cestas básicas e do reforço no Programa do Leite”, disse Ezequiel.

Ao Governo potiguar, Ezequiel sugere exatamente o aumento do volume de compra do Programa do Leite, com o objetivo de atender aos mais necessitados nesta pandemia e, consequentemente, fomentar a produção no interior do Estado. Além disso, defende incorporar em todas as licitações para aquisição de alimentos – seja para hospitais, merenda escolar, alimentação de apenados, restaurantes populares, etc. –, produtos regionais: leite, queijos de manteiga, iogurte, polpas/frutas da região.

O deputado ainda propõe agilidade para que as escolas estaduais distribuam kit merenda com produtos regionais aos alunos de baixa renda que estão em casa; isentar agricultores familiares e pequenos produtores dos débitos de IPVA de moto e carros, do ano de 2020 e 2021; disponibilizar linha de crédito emergencial com taxas especiais (2,0 % a.a.) para recuperação de ativos produtivos: rebanhos, máquinas e implementos agrícolas, implantação de forragem (especialmente palma forrageira), equipamentos de irrigação, packing house, entre outros; e implantar Sistema de ATER com acompanhamento efetivo de produtividades, preferencialmente pública, via: EMATER ou Sistema S: SENAR, SEBRAE, SESCOOP, entre outras.

Segundo os produtores potiguares, a solução para a pecuária do Estado passa pela Palma forrageira. Ezequiel defende a realização de pesquisa para colheita mecanizada para pequena e média produção de palma e o financiamento de máquinas e equipamentos para produção e armazenamento de forragem no semiárido.

Para a bancada federal, Ezequiel preparou uma série de sugestões para que os representantes potiguares possam buscar ajuda ao setor agropecuário potiguar. A primeira medida seria incluir no Programa de Compra Direta a aquisição de mais produtos artesanais de cada um dos estados nordestinos, especialmente de cidades de pequeno porte, fazendo com que aumente a circulação de recursos nos municípios.

Ainda de acordo com o presidente da Assembleia Legislativa é preciso regularizar as operações de crédito rural com aplicação de redutor nos saldos devedores dos agricultores do semiárido brasileiro; implantar sistema de Burocracia Zero para operações de crédito rurais para pessoas física e jurídica com Faturamento entre R$ 4.8 milhões de reais (pequena) até R$ 6 milhões (médio porte) no semiárido nordestino; e buscar um forte incentivo através de crédito rural para ampliação de atividades cujo potencial e vocação econômica já se tem conhecimento e tem margens para expansão e crescimento como a carcinicultura e fruticultura irrigada, ambas com alta capacidade de geração de empregos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

VÍDEO: Internautas acusam jornalista Vera Magalhães de xenofobia por desdém com hospitais do Nordeste

Foto: Reprodução

A jornalista Vera Magalhães foi acusada de xenofobia pelos internautas que acompanhavam o Jornal da Cultura na noite da última quinta-feira (18). Na edição do programa, ela pareceu desdenhar dos hospitais do Nordeste em uma fala vista por tuiteiros como preconceituosa.

A comentarista falava sobre a alta dos preços dos remédios em tempos de pandemia quando comparou a qualidade de um hospital particular de São Paulo, “de elite”, ao sistema de saúde do Nordeste do país.

Vera se mostrou indignada por saber que os médicos estão intubando pacientes em estado grave sem sedação e fora da UTI, pois não há medicamentos nem leitos disponíveis.

“Conversei com um médico do Sírio-Libanês, não de um hospital lá do meio do Nordeste, um hospital público, mas um hospital de elite da capital do principal Estado do Brasil. Ele me falou: ‘Vera, nós estamos intubando pacientes no leito, no quarto’. Isso é barbárie, é colapso no principal hospital particular da cidade de São Paulo”, disparou.

Não demorou muito para que os seguidores começassem a acusá-la de menosprezar a qualidade dos hospitais de outra região do país. Procurada pela reportagem, a assessoria da TV Cultura não se pronunciou sobre o comentário da jornalista até a conclusão deste texto.

Assista à fala controversa de Vera Magalhães, a partir dos 40 minutos 26 segundos do vídeo abaixo, e confira a repercussão no Twitter:

Notícias da TV – UOL

Opinião dos leitores

  1. É muita falta de ter o que fazer e tulmutuar, distorcer o contexto, é maldade? ou ignorância por não saber interpretar o que foi dito? Então os hospitais do "interior do Nordeste brasileiro ", são do nível do hospital Sírio libanês?

  2. Dá nojo ler estes cometários, pobres de direita com complexo de vira latas, ou cruzamento medonho.

  3. Não mentiu, não desfez dos médicos nordestinos, não houve desdenho algum! Fez apenas uma comparação estrutural, todos sabem que o Sírio Libanês é um dos melhores hospitais privados do Brasil. Não é a toa que os ricos e os próprios políticos, pagando a conta com dinheiro público, vão se tratar lá, assim como; muitos médicos do nordeste também vão se especializar lá. Vamos deixar de hipocrisia, ela apenas disse a vdd.

  4. Não sabia que comparar hospitais era xenofobia. Quer dizer que se alguém fizer uma comparação entre o ensino das escolas particulares com as escolas públicas brasileiras, comete preconceito? Que porcaria é essa? Mostrar a realidade agora é preconceito? Desde quando?
    Quem são esses filósofos, cultos e doutores sociais do twitter que se acham com capacidade e direito de julgar alguém?
    Sim o Sírio Libanês tem atendimento de excelência.
    Vamos lá, quando um político ou pessoa influente, rica, fica doente ela procura a rede pública do nordeste ou o Hospital Sírio Libanês?
    Vamos simplificar, se um governador, prefeito ou vereador da capital adoecer, ele procura os hospitais públicos? Os ridículos se alto flagelam em expor suas mediocridades.

  5. Ela não desqualificou de maneira algum o Nordeste com a afirmação dela! Ela fez comparações. Mas me digam uma coisa, vcs acham realmente que no Nordeste tem um hospital como o Sírio Libanês? E no interior do Nordeste, tem algum que se compare ao Sírio Libanês? Divulgar essa notícia e se chocar com ela eh mera “cortina de fumaça” pra abafar as MILHARES de mortes no Brasil TODO enquanto o nosso presidente inepto não fez nem faz NADA pra evitar! Hoje no Brasil o presidente e todos os governantes não deveriam ter em mente outra coisa exceto diminuir o contágio da doença e das mortes !

  6. Essa jornalistazinha junto com essa tv cultura dela, são um bando de esquerdalhas de narrativas ideológicas.

  7. Essa cidadã conseguiu uma proeza extraordinária no meio "jornalístico", ou seja, parece que virou grife, pois ela tem agora pelo menos uma franqueada em cada estado do Brasil. Está fazendo escola.

  8. Aonde foi que ela mentiu? Homi pelas caridade vamos deixar de frescura, é por isso que nós nordestinos somos malhados porque agente se ofende com qualquer verdade que é dita, sou nordestino sim com maior orgulho agora nós nordestinos querer comparar os hospitais e medicina do nordeste com a da região sul é querer demais.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Zenaide comemora aprovação de PL que proíbe fechamento de hospitais de campanha antes de ampla vacinação popular

Com o voto favorável da senadora Zenaide Maia (Pros-RN), o Senado aprovou, nessa quarta-feira (10), o PL 4844/2020, que proíbe a desativação de hospitais de campanha em locais onde a população ainda não foi amplamente vacinada contra a covid-19. Em suas redes sociais, Zenaide classificou a medida como “necessária para salvar vidas” e lembrou que a pandemia ainda causa um número alto de mortes diárias.

“A pandemia ainda não acabou e, pelo contrário, ainda mata mais de mil brasileiras e brasileiros por dia! As novas variantes estão aí, desafiando os nossos sistemas de saúde e os hospitais de campanha ajudam a complementar o atendimento aos pacientes”, pontuou a parlamentar.

O PL 4844/20 é de autoria da senadora Rose de Freitas (MDB-ES) e segue para a análise na Câmara dos Deputados.

Opinião dos leitores

  1. Senadora cobre de Fátima Bezerra a abertura dos hospitais regionais que ela e seu secretário de saúde fecharam.

  2. E os 5 milhões dos respiradores quando serão devolvidos ao Estado o povo tbm quer saber Senadora.

  3. A senadora Zenaide é o único voto que eu não me arrependo, parabéns senadora, continue honrando os votos dos seus eleitores. Agora estou muito arrependido de ter votado em Bolsonaro e em Styvenson, esse senador é uma piada de mal gosto.

  4. Quanta sensatez!!! Enquanto o outro lá não produz, apenas é do contra, Zenaide dá orgulho aos potiguares.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Sesap contrata empresa para implantação de 30 leitos de UTI nos hospitais João Machado e Alfredo Mesquita

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) publicou, hoje (15), no Diário Oficial do Estado, a contratação da empresa mineira Avante Social, vencedora do processo licitatório, que será a responsável pela implementação e gestão de 30 (trinta) leitos de terapia intensiva (UTI), sendo 20 (vinte) leitos no Hospital Doutor João Machado, em Natal, e 10 (dez) leitos Hospital Regional Alfredo Mesquita Filho, em Macaíba, destinados ao enfrentamento da Covid-19. O contrato emergencial foi assinado esta semana e terá duração de seis meses, podendo ser prorrogado de acordo com a duração da pandemia. O valor do contrato é R$ 10.504.325,68.

O Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania e Saúde – Avante Social atendeu a todos os critérios do edital de Chamamento Público Emergencial COVID 19 02/2020, incluindo a comprovação de experiência na gestão de serviços de Urgência e Emergência. Após a assinatura do contrato, a empresa terá um prazo de 15 a 20 dias para implantação dos leitos. Essa contratação se insere dentro do programa de expansão assistencial, contido no Plano de Contingência da Covid-19 no RN.

A abertura de novos leitos tem sido um esforço constante na gestão da Saúde, de forma a desenvolver o Plano de Contingência Estadual para a contenção da pandemia do coronavírus. Em Mossoró, por meio de parceria com a prefeitura local, serão instalados 35 UTIs e 65 leitos de enfermaria no Hospital São Luiz, geridos pela Associação de Proteção e Assistência à Maternidade e à Infância de Mossoró (Apamim).

Em parceria com a Liga Norte-rio-grandense Contra o Câncer, serão instalados 60 novos leitos, sendo 40 deles – 20 UTIs e 20 de enfermaria – na primeira etapa. O Governo também está reativando a UTI do Hospital Pediátrico Maria Alice Fernandes, localizado na capital, com mais 7 leitos de UTI, voltados para as crianças acometidas pelo novo coronavírus.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cientistas detectam coronavírus no ar em ruas e imóveis próximos a hospitais

Área aberta do hospital Leishenshan que tratou pacientes com Covid-19, em Wuhan, na China Foto: ALY SONG / REUTERS

O coronavírus Sars-CoV-2 pode permanecer no ar por tempo indeterminado em ambientes abertos e no interior de prédios. A descoberta mostra que o risco de contágio é substancialmente maior, alerta hoje um estudo publicado na revista Nature.

Partículas em suspensão do coronavírus, em aerossol, foram detectadas no monitoramento ambiental de dois hospitais de tratamento de Covid 19 e de áreas públicas vizinhas a eles em Wuhan, na China.

Os cientistas chineses que realizaram a pesquisa, porém, não puderam ainda determinar o potencial de infecção dos vírus em suspensão no ar. Os pesquisadores destacaram que o número de amostras analisado é pequeno, mas a descoberta é importante o suficiente para alertar sobre a necessidade de evitar multidões, manter a boa ventilação e realizar desinfecção cuidadosa de todos os ambientes.

O estudo foi realizado pela equipe de Ke Lan, da Universidade de Wuhan. Eles coletaram 40 amostras de 31 lugares.

Está comprovado que o coronavírus pode ser transmitido através do contato próximo com uma pessoa infectada, por meio do contato com superfícies contaminadas ou pela inalação de gotículas liberadas pela respiração ou a fala de pessoas com o vírus. Mas há dúvidas sobre o potencial de contágio do vírus em suspensão no ar.

Os pesquisadores encontraram amostras com o coronavírus dentro e fora de dois hospitais dedicados à Covid 19 em fevereiro e março. Um deles era um hospital de campanha em Wuhan.

Nas enfermarias, a concentração do coronavírus era maior do que nos banheiros. Isso se explica porque os banheiros não são ventilados, enquanto as enfermarias eram isoladas e tinham o ar trocado em um ambiente controlado. O ambiente com a maior concentração de coronavírus foram justamente as salas usadas para a retirada dos EPIs por profissionais de saúde.

Os cientistas destacaram que as concentrações de vírus caíram significativamente depois que aumentou o rigor e a frequência de desinfecção desses lugares.

O coronavírus também foi encontrado em suspensão no ar nas imediações de prédios residenciais e supermercados próximos aos hospitais, porém, em concentrações menores. No entanto, uma área aberta por onde passava mais gente junto a um dos hospitais teve registrada elevada concentração de coronavírus.

Uma explicação para isso seria o trânsito de pessoas infectadas por essas áreas.

O próximo passo dos cientistas será avaliar o potencial de infecção do coronavírus em aerossol e por quanto tempo ele pode permanecer infeccioso nessas condições.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Em necessidade de instalação, TCE sugere unificar hospitais de campanha do Estado e do Município

Ao determinar diligência para saber quais providências o Governo do Estado vai adotar quanto à contratação emergencial para implantação e gestão de um hospital de campanha para pacientes com Covid-19, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RN) agora aguarda um posicionamento da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), que deve informar e comprovar, no prazo de cinco dias, a decisão oficial acerca da continuidade ou desistência do projeto inicial de montar a estrutura no estádio Arena das Dunas.

Em seu despacho, o conselheiro Gilberto Jales, relator do processo, justifica a necessidade de que sejam esclarecidas questões apontadas no Relatório de Acompanhamento (informação técnica resultante da atuação concomitante do controle externo na fiscalização da referida contratação emergencial do governo).

Veja mais: TCE-RN aponta inconsistências em contratação do Governo do Estado para implantação de hospital de campanha

A persistir a necessidade de instalação de um hospital de campanha, o conselheiro destaca em seu despacho a necessidade de o governo observar os apontamentos dos auditores em relação à utilização das estruturas já disponíveis ao Estado. A sugestão, que partiu do Conselho Estadual de Saúde (CES/RN), seria compartilhar o espaço do Hotel Parque da Costeira, onde a Prefeitura de Natal está instalando seu próprio hospital de campanha, ou utilizar o Centro de Convenções, cujo prédio apresenta uma estrutura mínima de funcionamento (instalações elétricas, hidráulicas), além de estar situado próximo ao Hospital de Campanha da Prefeitura.

Além do contrato do Governo do Estado, o grupo de acompanhamento designado pelo Tribunal de Contas também está avaliando o processo de implantação do hospital de campanha do Município de Natal e outras contratações no Estado.

Lembrete:

No dia 15 deste mês, o Blog do BG levantou a bola para essa questão, no post Por que Governo do Estado e Prefeitura do Natal não se unem e montam um unico Hospital de Campanha?

 

Opinião dos leitores

  1. Parabéns por essa sugestão, sensata , assim isolavam os infectados de outras unidades que atendem pacientes com outras doenças diferente do covid, e que poderiam se contaminar. Além do mais, poderiam ser mais fácil a fiscalização dos custos. Pois teriam itens parecidos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Conselho regional de Farmácia e Prefeito de Macau articulam doação gratuita de álcool para hospitais do RN

O Prefeito de Macau, Túlio Lemos, se uniu ao conselho regional de Farmácia, com apoio do empresário Ricardo Brito e, usando a rede de relacionamento de ambos, conseguiu uma ajuda que vai atender todos os hospitais do Rio Grande do Norte.

De forma gratuita, a Ceara Mirim Agro Industrial, fabricante de álcool para cachaçarias e abastecimento veicular, vai doar a produção para as unidades de saúde do Rio Grande do Norte.

A empresa tem uma grande quantidade de álcool 93 e vai ser transformado em álcool 70, garantindo uma maior quantidade. O presidente do conselho regional de Farmácia, Sales de Araújo Guedes, está empenhado em buscar ajuda da UFRN para a transformação do álcool da industria para atender os hospitais.

Opinião dos leitores

  1. Muito bom essa iniciativa desses colaboradores precisarmos de pessoas dessa magnitudes mesmo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Unimed Natal reúne diretores de hospitais para discutir ações contra o coronavírus

Fotos: Divulgação

Nesta sexta-feira(13) a diretoria técnica da Unimed Natal, ao lado dos gestores da cooperativa, estiveram reunidos com representantes dos hospitais prestadores de serviços à rede para traçar estratégias de ação diante da confirmação do Covid 19 , Coronavírus, no Rio Grande Norte.

Com o primeiro caso confirmado pela Secretaria de Saúde do RN e outros em investigação, a cooperativa está alerta e desenvolvendo um plano de resposta rápida e eficiente. O objetivo é minimizar o impacto da pandemia por meio da orientação dos beneficiários e do suporte médico hospitalar adequado.

“Deve- se ter preocupação por se tratar de um vírus respiratório novo, ou seja , praticamente todas as pessoas no mundo são suscetíveis a ele. Mas não devemos propagar o pânico porque a maioria dos casos vai ter um quadro benigno.” Destacou o infectologista Luiz Alberto Marinho.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Dona da Amil, que possui a Promater em Natal, negocia a venda de hospitais no Nordeste

A UnitedHealth, grupo americano de saúde dono da Amil, está negociando a venda de seus hospitais localizados no Nordeste e a carteira de planos individuais. O objetivo é vender todos esses ativos num só pacote, segundo o Valor apurou.

Ainda segundo fontes, a Unimed Fortaleza tentou comprar o Hospital Monte Klinikum, no Ceará, mas as conversas não avançaram porque a cooperativa médica não tinha interesse na carteira individual da Amil. Na negociação, a Amil chegou a oferecer a carteira de planos corporativos da região.

O BTG Pactual foi contratado para buscar compradores para os ativos da UnitedHealth. A informação foi antecipada pelo colunista Lauro Jardim, de “O Globo”.

No Nordeste, o grupo possui também os hospitais Santa Joana, em Recife (PE), e a Promater, em Natal (RN). A Amil não conseguiu deslanchar nessa região do país e há alguns anos desacelerou os investimentos locais. Atualmente, a operadora tem cerca de 280 mil usuários nos nove Estados do Nordeste – esse volume representa menos de 10% da base. A operadora conta com um total de 3 milhões de usuários de convênios médicos em todo o país.

Deste volume total, quase 500 mil usuários são de planos individuais, modalidade que gera prejuízo para a Amil. A maior parte das operadoras não tem interesse nessa modalidade, com o argumento de que o reajuste é controlado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Já os hospitais são, atualmente, um ativo bastante valorizado no setor de saúde devido à expansão das operadoras verticalizadas – que contam com rede própria de clínicas e hospitais – e ao interesse de investidores e fundos em montar holdings de serviços hospitalares.

Procurada pelo Valor, a UnitedHealth informou que não comenta rumores do mercado.

A venda de ativos é uma tentativa do grupo recuperar seus negócios no país. No ano passado, a Amil perdeu 480 mil usuários.

Desde que desembarcou no Brasil em 2012 para adquirir a Amil, a UnitedHealth não viu a operadora ter grandes resultados. Entre 2013 e 2016, acumulou perdas de mais R$ 720 milhões. Os ganhos obtidos em 2017 e 2018, de R$ 62 milhões, não compensaram os prejuízos. No ano passado, a matriz trocou a presidência e principais diretores da companhia, que fatura cerca de R$ 20 bilhões por ano.

Valor

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

FOTOS: Servidores reclamam de lixo acumulado em hospitais em Natal

  Fotos: cedidas

Servidores de hospitais na capital potiguar estão enviando diversas fotos de uma quantidade expressiva de lixo acumulado em unidades hospitalares.

No registro acima, o exemplo no Varela Santiago. Esta foi uma situação que se encontrava o hospital, mas que foi resolvida durante a manhã.

Em outros hospitais, como Walfredo Gurgel e Santa Catarina, segundo servidores, o cenário seria semelhante ao registrado anteriormente no Varela Santiago.

Opinião dos leitores

  1. BG, a gestão do atual prefeito lembra os últimos meses da ex-prefeita Micarla de Souza. Um caos! Lixo por toda a cidade, podas de árvores em canteiros, buracos em todas as ruas, inclusive os principais corredores. Estamos vivendo um verdadeiro abandono geral. Péssima gestão. Esse senhor não merece ser eleito nem pra síndico de prédio.

  2. Enquanto esse lixo de prefeito estiver no cargo, vai ser assim. Ele só pensa em fazer politicagem e a cidade vai se acabando.

  3. Enquanto esse lixo de prefeito estiver no cargo, vai ser assim. Ele só pensa em politicagem e a cidade vai se acabando.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ebserh: concurso nacional abre vagas para hospitais da UFRN; médicos especialistas, profissionais da área assistencial e administrativas

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), estatal vinculada ao Ministério da Educação, publicou no Diário Oficial da União dessa segunda-feira (12) chamamento público visando a contratação de 1.363 profissionais para 40 hospitais universitários federais no país, incluindo as três unidades da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN): o Hospital Universitário Onofre Lopes, a Maternidade Escola Januário Cicco, ambos em Natal, e o Hospital Universitário Ana Bezerra, localizado no município de Santa Cruz.

Acesse AQUI o chamamento público.

O projeto básico do concurso nacional contemplará 40 unidades em todo o país, incluindo hospitais, complexos hospitalares e a sede da Ebserh. São previstas 448 vagas para médicos de 69 especialidades, 800 vagas para profissionais da área assistencial e 115 administrativos.

Nesta etapa de chamamento público, os números podem variar em 25% para acréscimos ou supressões. Os candidatos passarão por duas etapas de seleção: prova objetivo e análise de títulos e de experiência profissional. A Ebserh receberá propostas das empresas interessadas em organizar os concursos até o próximo dia 27 de agosto. O objetivo é que o edital seja publicado ainda neste semestre.

Com acréscimo de informações do G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Poder Judiciário realiza reunião sobre custódia de presos em hospitais da Grande Natal

Dirigentes do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte e da Corregedoria Geral de Justiça se reuniram na manhã desta quinta-feira (23) com representantes das secretarias estaduais de Saúde (SESAP) e de Segurança (SEJUC) e com a direção do hospital Walfredo Gurgel para discutir a respeito do recebimento e custódia de presos nos hospitais da Região Metropolitana de Natal. As unidades prisionais do Estado não dispõe de enfermarias próprias, causando transtorno quando existe a necessidade de que algum preso seja atendido.

“Essa reunião foi sobre o sistema de saúde prisional. O Tribunal de Justiça e a Corregedoria Geral de Justiça, junto com os demais órgãos que compõe o Poder Judiciário, acompanham a situação de saúde prisional no estado já a dois anos”, explicou o juiz auxiliar da corregedoria, Fábio Ataíde.

“O problema é a falta de um lugar especifico para o atendimento de presos no sistema de saúde. Estamos desenvolvendo várias estratégias para a criação de uma enfermaria no Presidio de Ceará Mirim. O Estado ainda não possuiu uma enfermaria prisional e como resultado disso esses presos ficam aguardando cirurgias ou algum momento de intervenção médica nas unidades hospitalares. A Sejuc não dispõe de agentes suficientes para manter nos postos de atendimento”, pontuou o juiz.

Complementou o magistrado que esse é um assunto delicado e que requer uma solução conjunta entre os órgãos responsáveis. “O problema também diz respeito ao encaminhamento dos presos, para onde encaminhar. Ainda não temos um sistema claro, os presos por vezes são encaminhados aleatoriamente para o Walfredo, sobrecarregando o sistema do hospital e de outro lado nós não temos escolta em todas as unidades hospitalares, esse é o problema central que ainda não conseguimos uma solução”, disse Fábio Ataíde.

Está prevista uma série de reuniões entre os órgãos competentes para que se possa chegar a uma solução satisfatória para a situação.

Para o juiz corregedor auxiliar “é importante que o Estado crie uma solução para esse problema e aí entra a participação da Corregedoria nessa primeira reunião, de uma bateria de reuniões que acontecerão, com a participação da Secretaria de Saúde, de Administração Penitenciaria, Procuradoria do Estado, direções hospitalares do Walfredo Gurgel, Deoclécio Marques e unidades de saúde da grande Natal, para encontrar uma solução para esse problema. Fizemos alguns encaminhamentos agora e vamos marcar outra reunião, dessa vez chamando a Polícia Militar, chamando também os secretários de segurança para resolver esse impasse”.

TJRN

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *