Em meio a onda de atentados no Ceará, PF realiza operação contra chefes do crime organizado

Foto: Reprodução/Twitter

A Polícia Federal (PF) realizou na manhã desta quarta-feira a Operação Torre, em parceria com o Grupo de Atuação Especial de Combate (Gaeco) do Ceará, para cumprir 15 mandados de prisão e 14 de busca e apreensão contra chefes do crime organizado. Os suspeitos estariam por trás dos ataques a torres elétricas em abril deste ano na Região Metropolitana de Fortaleza. A iniciativa ocorre em meio à nova onda de atentados que aflige o estado há seis dias e já soma 75 ocorrências, de acordo com o “G1”.

As investigações da PF apontam que os ataques de abril foram ordenados por chefes de facções detidos em presídios e executados por integrantes em liberdade. Os mandados foram cumpridos no próprio Ceará e também em Pernambuco, onde um homem de 45 anos foi preso. Ele é suspeito de ser o fundador da facção criminosa que está por trás dos atentados. No caso dele, o mandado foi cumprido antes da deflagração da operação, na última terça-feira.

Em paralelo, as autoridades policiais cearenses já prenderam 63 suspeitos de participação na onda de ataques que teve início no último dia 20. Anteriormente neste ano, o Ceará sofreu outras levas de atentados, nos meses de janeiro e abril, ambas ligadas à atuação de facções criminosas em retaliação à política penitenciária do governo de Camilo Santana (PT). Na última quarta-feira, 257 detentos que estariam envolvidos na coordenação dos ataques foram transferidos para presídios não informados pelo Ministério da Justiça.

Ataques prosseguem

Na manhã desta quinta-feira, uma loja de estofados foi incendiada no bairro Quintino Cunha, em Fortaleza. Em Pindoretama, na Região Metropolitana da capital, a Câmara Municipal foi incendiada, bem como uma casa onde era guardada a frota da prefeitura. Bandidos também atearam fogo em uma viatura policial em Aratuba, a cerca de 150 quilômetros da capital, e um caminhão de lixo teve o mesmo destino em Iguatu, município localizado na região Centro-Sul cearense.

O serviço público de ônibus voltou a operar normalmente em Fortaleza na última quarta-feira. Antes, o serviço funcionava parcialmente em razão dos ataques criminosos e os coletivos chegaram a receber escolta policial, a exemplo do que ocorreu na capital durante a onda de violência em janeiro.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Robério Mauricio da Silva disse:

    A maior facção do pais é cria paulista que é comandado pelo Psdb/direita a 300 anos, portanto, quem pariu que assuma a cria. Gado é gado aqui em Natal em São Paulo em……

    • Genaro disse:

      Kkkkkkk, não tem quem debloqueie a cachola desses esquerdalha. Isentar o luladrão pela disseminação das fracções criminosos no Brasil inteiro ao estado de SP, é o cúmulo da lacração. Tolo o governo petralha, assim como o irmão siamêses chaves/maduro sempre Irão semear o caos, para a partir daí conseguir seus, frutos, que é a ditadura. E usando a política assistencialistas, consegue manipular boa parte da população, e como consequência, naufraga o país num caos. E daí instalando uma ditadura, provocando, emigração em massa de empreendedores, empresários e trabalhadores. Que não conseguem viver num pais sub humanamente. Igualzinhos aos cubanos e venezuelanos.

  2. Francisco disse:

    Os petralhas deixaram umas mazelas que vai perdurar muito tempo. Violência,Facções criminosas, desemprego, caos na saúde, e miséria. O governo federal tem que fazer milagre pra minimizar esses males

  3. Manoel disse:

    O que seria do CE e do RN sem tanto apoio do governo federal como estão tendo este ano!!!

    • Anti-Político de Estimação disse:

      O Ceará e o RN também fazem parte do Brasil, também tem brasileiros pagadores de impostos federais, estaduais e municipais, portanto , nada mais normal que o Governo Federal trabalhe para todos os brasileiros. Já pensou se os governantes só trabalhassem para quem simpatiza ou votou neles ???????? que tipo de ditadura seria essa ???

TV DE ÚLTIMA GERAÇÃO, GELADEIRA DUPLEX E CHURRASCOS: Investigações do MP revelam mordomia e luxo dentro de penitenciárias brasileiras

Untitled-1 Untitled-2Reprodução: Globo – Via Fantástico

Investigações dos Ministérios Públicos do Rio Grande do Sul e Goiás revelaram um esquema de luxo, mordomias e privilégios que já virou rotina em duas grandes penitenciárias de cada Estado. Trechos de gravações telefônicas, autorizadas pela Justiça e feitas na Penitenciária de Aparecida, de Goiânia, e no Presídio Central, de Porto Alegre, deixam claro que o preso com dinheiro consegue quase qualquer coisa dentro das cadeias. A reportagem foi exibida pelo Fantástico, da TV Globo.

Segundo o MP-RS, no Presídio Central da capital gaúcha, os chefes de facções criminosas têm livre acesso a celulares e à internet dentro da cadeia, e não organizam apenas churrascos, mas também acompanham, em tempo real, a situação do tráfico de drogas e roubos realizados fora do presídio. Comandam ainda a extorsão de parentes de outros presidiários, geralmente pessoas presas pela primeira vez, para a arrecadação de dinheiro e manutenção da estrutura.

Na região metropolitana de Goiânia, na Penitenciária de Aparecida, a situação é parecida. A investigação do MP-GO chegou a registrar uma encomenda de mais de 1 mil espetinhos para a realização de uma festa no interior do presídio. Os líderes dos presos contam com privilégios e mordomia, e continuam comandando o crime fora da prisão.

Foram encontradas nas penitenciárias investigadas ventiladores, aparelhos de som, geladeiras duplex, TV de tela plana, liquidificador, cama de casal e vários outros itens de luxo que caracterizam a rotina de alguns presos.

A assessoria de imprensa da Administração Penitenciária e Justiça de Goiás informou que um novo presídio será construído para substituir a Penitenciária de Aparecida de Goiânia até 2016. Sobre o Presídio Central, no Rio Grande do Sul, o secretário de Segurança Pública, Aírton Michels, reconheceu as mordomias, e disse que, apesar de proibido, “a consequência de eliminar alguns privilégios, de algumas facções, pode ser uma tragédia”. Michels afirmou que o Estado deve desativar o presídio até o fim do ano, com a ampliação do número de vagas no entorno da capital gaúcha.

A fiscalização dos presídios brasileiros é também responsabilidade de um departamento do Conselho Nacional de Justiça. Segundo o presidente do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Penitenciário, Douglas Martins, a lei não proíbe objetos, como televisores e geladeiras nas celas, mas ele avalia que as regalias para chefes de facções fortalecem o crime.

Terra

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    Se está ruim assim, imagina se o MP não pudesse investigar…