Saúde

São Paulo registra 1.095 mortes pela covid em 24 horas e média móvel chega a 862

São Paulo registrou nesta quarta-feira, 14, 1.095 mortes por covid-19 nas últimas 24h. Na média móvel chegou a 862 mortes e mostrou uma tendência de crescimento. Só para se ter uma ideia de comparação, a marca mais alta no Estado é de 1.389 mortes registradas, no dia 6 de abril. Este mês tem sido o pior para São Paulo, com registros acima de mil óbitos em seis dias até o momento.

Durante coletiva de imprensa nesta tarde, o secretário estadual da Saúde Jean Gorinchteyn afirmou que houve uma “boa evolução” nos índices da pandemia em São Paulo, atribuída por ele ao faseamento vermelho e à fase emergencial. De acordo com ele, as mortes pela covid, que tiveram aumento de 13% na última semana, “não configuram o momento atual da dinâmica da epidemia no nosso Estado”.

Ainda nesta quarta-feira, 14, o Estado tem 11.798 pacientes da covid internados em UTIs, cuja taxa de ocupação está em 86,4%, contra 84,9% na Grande São Paulo. Ao todo, já foram registrado 2.686.031 testes positivos para o coronavírus e 85.475 vidas perdidas para a doença no Estado.

Estadão

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SP anuncia calendário de vacinação a público entre 60 e 64 anos

Calendário de vacinação atualizado pelo governo estadual nesta quarta — Foto: Reprodução/Governo de SP

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (14) que idosos de 63 e 64 anos serão vacinados contra a Covid-19 a partir do dia 29 de abril. A expectativa é a de imunizar 840 mil pessoas dessa faixa-etária.

Já a população com 62, 61 e 60 anos deve começar a ser imunizada no dia 6 de maio. Desse grupo, cerca de 1,4 milhão de pessoas devem ser vacinadas em todo o estado.

Segundo o governador João Doria (PSDB), o cumprimento do cronograma, entretanto, depende majoritariamente do recebimento da vacina Oxford/AstraZeneca, produzias pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“Estamos avançando e precisamos reforçar que, para a faixa etária de 65 a 60 anos, como o governador acabou de falar, nós aguardamos que o Ministério da Saúde nos envie, de acordo com o cronograma que já foi enviado a todos os estados, a vacina da Fiocruz”, explicou a Coordenadora Geral do Programa Estadual de Imunização, Regiane Cardoso de Paula.

Ainda de acordo com Regiane, a maioria dessa população será imunizada com a vacina da Fiocruz.

No dia 21 de abril, conforme anunciado na semana passada, o estado começa a vacinação para a população de 65 e 66 anos.

De acordo com a gestão estadual, a expectativa é a de vacinar 760 mil da população entre 65 e 66 anos.

O pré-cadastro da vacina também pode ser feito pelo aplicativo WhatsApp. Para preencher o formulário por meio do aplicativo, é necessário mandar uma mensagem para o número: (11) 95220-2923.

Público-alvo

No sábado, o estado iniciou a vacinação dos profissionais de educação com 47 anos ou mais.

Desde segunda-feira (12), idosos de 67 anos podem receber a primeira dose do imunizante nas unidades de saúde de todo o estado.

Também já fazem parte do grupo prioritário os policiais e demais servidores da área da segurança pública começaram a ser vacinados no estado.

Histórico da vacinação

A vacinação contra a Covid-19 começou no Brasil em 17 de janeiro, logo após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso emergencial da CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, moradora de Itaquera, na Zona Leste da capital paulista, foi a primeira pessoa, fora dos estudos clínicos, a receber a vacina.

O Programa Nacional de Imunização (PNI) brasileiro teve início no dia 18 de janeiro, e começou a ser feito após a distribuição das 6 milhões de doses da CoronaVac importadas já prontas da China.

No estado de São Paulo, a vacinação começou com profissionais de saúde da linha de frente no combate ao coronavírus, indígenas, quilombolas e idosos que viviam em instituições e foi avançando conforme a chegada de vacinas.

Vacinômetro

De acordo com o último balanço da Secretaria Estadual de Saúde, atualizado até 13h03 desta quarta-feira (14), 8.262.320 doses de vacinas contra a Covid-19 foram aplicadas no estado.

Dessas, 5.787.906 correspondem a aplicações de primeira dose e 2.474.414 de segunda dose.

G1

Opinião dos leitores

  1. Essa é a grande diferença de um país de futuro, bandidos morrem na cadeia, aqui no Brasil é bem diferente, criminosos e corruptos ladrões são inocentados pela suprema corte e vão usufruir a vida utilizando o produto do roubo, e ainda são idolatrados por uns fdp idiotas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Sem comorbidades, jovem de 27 anos morre de Covid-19 em SP meses antes de se casar

Foto: Arquivo pessoal

Uma jovem de 27 anos não resistiu após se infectar pelo novo coronavírus e morreu no domingo (4), em São José do Rio Preto, interior de São Paulo. Ketherin Bracciali fez aniversário durante a internação para tratamento da Covid-19 e estava com o casamento marcado para o dia 9 de setembro de 2021.

Ainda tentando lidar com a perda precoce da filha, e se apoiando à religião para encontrar forças, Rosangela Bracciali afirma que Ketherin era totalmente saudável e respeitava rigorosamente as regras de prevenção à Covid-19.

“Foi dilacerante. Minha filha nunca bebeu e fumou. Não tinha comorbidade nenhuma. Ela se cuidava. Não ia para balada, mas pegou”, diz Rosangela em entrevista ao G1.

“Esses jovens que não têm responsabilidade com a própria vida tinham que parar um pouquinho para pensar no quanto isso é real. Esse vírus vai demorar para ser extinto. Muitos ainda podem perder a vida”, complementa a mãe.

Sintomas

Ketherin começou a apresentar os sintomas associados à Covid-19 há cerca de três semanas. Rosangela relata que a filha se queixou de dores nos joelhos e, em seguida, na garganta.

“No dia 12 de março, nós a levamos a uma Unidade Básica de Saúde (UBS). Ela ficou praticamente a manhã toda aguardando atendimento, passou mal, precisou ser colocada em uma cadeira de rodas e entrou para fazer o teste”, explica Rosangela.

Depois de ser medicada, a jovem retornou para a casa onde morava. Porém, apresentou falta de ar e precisou procurar atendimento novamente.

Até então, Ketherin não tinha descoberto que o resultado do exame feito dias atrás tinha apresentado resultado positivo para Covid-19.

“No dia 19 de março, ela foi internada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Tangará e precisou ficar no oxigênio. Deram autorização para levar roupas e coisas de higiene. Levei, mas não consegui vê-la. Minha filha melhorava em um dia, mas no outro piorava”, relembra a mãe.

Aniversário

No dia 24 de março, enquanto batalhava para se recuperar das complicações provocadas pela doença, a jovem completou 27 anos.

O irmão Víncenth Bracciali relembra que mandou mensagem para desejar parabéns e aproveitou para dizer que estava torcendo pela recuperação dela.

“Falei que queria que ela melhorasse logo. Minha irmã ainda estava acordada e me respondeu que estava preocupado comigo. Essa foi a última conversa que tivemos. Mesmo estando mal, minha irmã ainda estava preocupada comigo”, comenta.

Ketherin estava preocupada porque toda a família também tinha testado positivo para o novo coronavírus, mesmo tendo adotado todas as medidas de prevenção e respeitado o distanciamento social.

“Ficamos aguardando um bom tempo pelo resultado do exame. Senti falta de ar, muita fraqueza e moleza. As comidas ficaram com um gosto muito forte. Mas nenhum de nós precisou de internação”, explica Víncenth.

Transferências

A mãe da jovem conta que a filha foi transferida para outras duas Unidades de Pronto Atendimento e precisou ser intubada.

“Foi tudo muito rápido. Descobrimos que minha filha sofreu uma parada cardíaca por conta da doença. Me chamaram para buscar o anel de noivado dela e recebi a notícia de que os pulmões dela estavam comprometidos”, relata.

No dia 31 de março, Ketherin foi transferida novamente, mas, dessa vez, para a Santa Casa, um dos hospitais responsáveis por atender moradores de Rio Preto com suspeita ou diagnóstico positivo da doença.

“Ela ficou internada e intubada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), teve 75% dos pulmões comprometidos pela doença e faleceu no dia 4 de abril”, relembra Rosangela.

“Minha filha era uma menina alegre, positiva, gostava de ver todos felizes e se preocupava muito. Ela tinha álcool em gel em todos os lugares, respeitava o distanciamento, usava máscara. Realmente não sabemos de onde a doença surgiu”, complementa a mãe.

Casamento

Em janeiro de 2021, Francisco Queiroz pediu a mão de Ketherin durante uma viagem a Gramado (RS). Morando em cidades diferentes, os dois se conheceram pela internet, começaram a conversar e se encontraram presencialmente pela primeira vez no dia 11 de junho de 2020.

“O casamento estava marcado para 9 de setembro. Nossa relação era perfeita. Nunca brigamos. Sei que quando as pessoas falecem normalmente costumam dizer isso, mas Ketherin era a melhor noiva, namorada e amiga”, desabafa Francisco.

Cristieli dos Santos Bracciali comenta que, pela situação dela, de não ter comorbidade, a família não acreditaria que o vírus seria fatal.

“Nós acreditamos que as famílias são eternas. A morte não é o fim de tudo. Acreditamos que ainda vamos vê-la. Está sendo difícil, mesmo acreditando nisso. Agora imagina para quem não tem uma religião e acha que a morte é o fim de tudo. Os jovens não estão pensando na família e em quem vai ficar”, diz Cristieli.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Gilmar Mendes contraria entendimento de Nunes Marques e mantém proibição de missas e cultos em SP

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes rejeitou nesta segunda-feira (5) a concessão de uma liminar (decisão provisória) para suspender o decreto do governo de São Paulo que proíbe celebrações religiosas no estado diante do aumento expressivo dos casos e mortes pela Covid-19. O ministro enviou o caso ao plenário da Corte.

A decisão contraria o entendimento do ministro do STF Nunes Marques, que determinou neste sábado (3), em caráter liminar, que governadores e prefeitos não podem proibir a celebração de atos religiosos desde que preservados protocolos sanitários, entre eles, lotação máxima de 25% da capacidade do local.

Com as decisões conflitantes, caberá ao plenário do Supremo dar a palavra final sobre a liberação, ou não, dos cultos e missas. De acordo com o blog da Andréia Sadi, o presidente do STF, ministro Luiz Fux, marcou o julgamento para esta quarta-feira (7).

A suspensão da proibição foi pedida pelo PSD em uma ação em que o partido questiona o decreto do governo de São Paulo, que instituiu medidas emergenciais destinadas ao enfrentamento da pandemia, entre elas, a proibição de cultos, missas e outras atividades religiosas com presença de público no estado.

O partido afirmou que a restrição é desproporcional e atinge o direito fundamental à liberdade religiosa e de culto das religiões. A legenda disse ainda que medidas menos gravosas podem ser adotadas para garantir o direito à saúde da população sem prejuízo da realização das atividades religiosas de caráter necessariamente presencial.

Em sua decisão, Mendes afirmou que estados e municípios podem fixar medidas restritivas para o enfrentamento da pandemia, inclusive, o fechamento de templos e igrejas. Para Mendes, restringir cultos não atinge a liberdade religiosa, uma vez que não interfere nas liturgias.

“A restrição temporária de frequentar eventos religiosos públicos traduz ou promove, dissimuladamente, alguma religião? A interdição de templos e edifícios equiparados acarreta coercitiva conversão dos indivíduos para esta ou aquela visão religiosa? Certamente que não”, afirmou.

O ministro disse ainda que, além da escalada do número de mortes, São Paulo vive um verdadeiro colapso no sistema de saúde.

“Em um cenário tão devastador, é patente reconhecer que as medidas de restrição à realização de cultos coletivos, por mais duras que sejam, são não apenas adequadas, mas necessárias ao objetivo maior de realização da proteção da vida e do sistema de saúde”, afirmou.

O relator ressaltou também que a restrição imposta em São Paulo levou em consideração questões técnicas.

“No caso em tela, a própria norma impugnada esposa o entendimento de que as medidas impostas foram resultantes de análises técnicas relativas ao risco ambiental de contágio pela COVID-19 conforme o setor econômico e social, bem como a necessidade de preservar a capacidade de atendimento da rede de serviço de saúde pública”, disse.

O ministro citou que o presidente do STF, Luiz Fux, e a ministra Rosa Weber já reconheceram que as restrições de realização de cultos, missas e outras atividades religiosas coletivas podem ser determinadas por decretos municipais e estaduais e que podem se mostrar medidas adequadas e necessárias para o enfrentamento da pandemia da Covid-19.

O Brasil vive o momento mais crítico da pandemia. Nas últimas 24 horas foram registradas 1.233 mortes em decorrência da Covid-19 e 30.939 novos casos da doença no país. Totalizando, 331.530 óbitos e 12.983.560 casos desde o início da pandemia.

Outra ação

Gilmar mendes rejeitou nesta segunda-feira (5) um pedido do Conselho Nacional de Pastores do Brasil (CNPB) que também solicitava a suspensão do decreto do governo de São Paulo, que proíbe celebrações religiosas no estado diante do aumento expressivo dos caso e mortes pela Covid-19.

Em sua decisão, Mendes alegou que o STF já fixou o entendimento de que a Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure) não tem legitimidade para entrar com ações constitucionais na Corte para questionar medidas de restrição de locomoção por causa da Covid-19, por isso, o CNPB também não teria. A decisão de Nunes Marques que liberou os cultos foi dada em uma ação da Anajure.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Com o colapso de saúde de São Paulo, esse governador desastrado, não vai levar nem uma carraspana, sei, ele é do PSDB, partido do dono do STF.

  2. Então Nunes Marques deveria entender que lula deveria continuar preso e continuar assim???

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

Ator João Acaiabe, o Tio Barnabé do ‘Sítio do Picapau Amarelo’, morre vítima da Covid-19 em SP

Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução

O ator João Acaiabe, o Tio Barnabé do “Sítio do Picapau Amarelo”, morreu em São Paulo, na noite de quarta-feira (31), aos 76 anos, vítima da Covid-19.

A família informou que o artista testou positivo no dia 15 de março. Na data, a capital paulista começava a vacinar os idosos da faixa etária, e, na véspera o ator chegou a comemorar a iminência da imunização nas redes sociais.

O quadro de saúde piorou e ele foi internado no Hospital Sancta Maggiori, na Mooca, no dia 21. No ano passado, o ator informou em entrevista que havia sido diagnosticado com insuficiência renal e estava na fila por um transplante de rim.

Ainda de acordo com parentes, ele foi intubado na manhã desta quarta-feira (31) e faleceu após sofrer duas paradas cardíacas.

O sepultamento acontecerá na cidade de Espírito Santo do Pinhal, na região de Campinas, interior de São Paulo, onde nasceu.

Uma das filhas do Acaiabe, Thays, homenageou o pai nas redes sociais: “Guardarei no coração tudo o que vivemos e a referência que você é para a nossa família! Gratidão, meu pai. Que os espíritos de luz te recebam em Aruanda até que a gente se encontre novamente, porque almas gêmeas nunca se separam!”, escreveu.

O perda do ator também repercutiu muito entre amigos, fãs e colegas. “Quantos papos bons meu amigo, como era bom lhe ouvir contar histórias da nossa gente. O primeiro homenageado do nosso Samba pra Nossa Senhora, agora vamos contar a nossa gente a sua grandiosa história. Obrigado irmão”, escreveu.

A atriz Giovanna Grigio, que contracenou com João Acaiabe na novela “Chiquititas”, destacou sua generosidade. “A gente passou texto várias vezes juntos e foi amor à primeira cena. Ter você como professor e amigo, escutar suas histórias e aprender com você com certeza foram dos maiores privilégios da minha vida! Eu já te amava antes e vou te amar pra sempre. 🖤 Obrigada por tudo!”, compartilhou nas redes sociais.

Carreira

João Acaiabe iniciou sua carreira artística ainda na adolescência, trabalhando como locutor de rádio. Estudou teatro na Escola de Arte Dramática de São Paulo (EAD) e, nos anos 1970 e 1980, trabalhou com Plínio Marcos nas peças Barrela e Jesus Homem.

Atuou em 4 novelas na TV Tupi, antes de ir para a TV Cultura, entre 1978 e 1983, onde conquistou destaque no programa infantil Bambalalão, onde contava histórias para as crianças da plateia.

Na emissora, e, em seguida, na TV Bandeirantes, atuou em diversas novelas, até chegar a Rede Globo, em 1985, para “Tenda dos Milagres”, de Aguinaldo Silva.

Em 1986, estrelou o curta-metragem “O Dia em que Dorival Encarou a Guarda”, dirigido por Jorge Furtado e José Pedro Goulart, que lhe rendeu o prêmio de melhor ator e o Kikito, prêmio máximo do Festival de Gramado.

Participou de ao menos 23 filmes, como “Eles Não Usam Black-tie” (1981) e “Casa de Areia” (2005), ambos com Fernanda Montenegro.

Entre 2001 e 2006, deu vida ao Tio Barnabé, no Sítio do Picapau Amarelo, e, em 2018, participou da novela “Segundo Sol” como o pai de santo Didico, na TV Globo.

Entre 2013 e 2015, atuou como Chefe Chico, no remake de “Chiquititas”, no SBT.

G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Covid-19: megaferiado em São Paulo começa com suspensão de serviços

Foto: © Rovena Rosa/Agência Brasil

Tem início hoje (26) a antecipação de cinco feriados municipais na capital paulista para conter o agravamento da pandemia de covid-19. Na Região do Grande ABC, a paralisação das atividades começa segunda-feira (29). A maior parte dos serviços já se encontra afetada por causa da Fase Emergencial do Plano São Paulo, que terá novas modificações por causa do megaferiado.

Os recessos remarcados se estendem ao longo da próxima semana na capital paulista, nos dias 29, 30, 31 de março e 1° de abril, juntando-se à Sexta-feira Santa, em 2 de abril, que é feriado nacional.

A recomendação da prefeitura é que a população fique em casa, em isolamento social. “A ação tem o objetivo de diminuir a contaminação pelo novo coronavírus e assim evitar colapsos nas redes de saúde e funerárias da capital”, justifica em nota o governo municipal.

Os serviços de saúde não serão interrompidos nos dias dos feriados antecipados. No dia 2 de abril, feriado nacional de Sexta-feira da Paixão, alguns serviços vão fechar, permanecendo apenas os essenciais e os de plantão, conforme informação no site da prefeitura.

Durante o feriado, seguirá em funcionamento o novo horário de rodízio na cidade, com alteração para o período noturno, das 20h às 5h. Antes, o rodízio ocorria entre as 7h e as 10h e entre as 17h e as 20h.

Na capital, feiras livres funcionarão normalmente, enquanto mercados e sacolões estarão em revezamento.

As ciclofaixas de lazer não serão abertas nos dias de feriados antecipados, mas funcionam aos domingos e na Sexta-Feira Santa, com distribuição de máscaras e álcool gel. As atividades nos espaços culturais continuam suspensas, com exceção de eventos virtuais como a programação do mês do Hip Hop e da Mulher. Clubes esportivos também permanecem fechados.

Todos os serviços podem ser conferidos no site da prefeitura.

Nos bancos, o atendimento presencial será feito apenas em caráter excepcional, com triagem. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a orientação segue normativas do setor e visa a atender especialmente “casos de recebimento de benefícios sociais, pagamento de salários, aposentadorias e pensões àqueles que não têm acesso a canais digitais ou remotos”. Os demais serviços estarão disponíveis por meio dos canais digitais. As datas de vencimento de contas, boletos e tributos estão mantidas.

Litoral e Grande ABC

Os nove municípios da Baixada Santista – Santos, São Vicente, Cubatão, Guarujá, Praia Grande, Bertioga, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe – estão em lockdown até 4 de abril. A decisão foi tomada após a capital optar pelos feriados. Foram feitos bloqueios nas praias e reforço da fiscalização para impedir o acesso à areia e aos calçadões.

O governo do estado também atendeu ao pedido dos prefeitos e suspendeu a chamada Operação Descida, medida que aumenta o número de faixas de trânsito nas estradas que levam ao litoral.

Os municípios do Grande ABC Paulista, que também optaram por antecipar feriados, mesmo para setores considerados essenciais, deverão encerrar às 17h, com exceção dos serviços de saúde, como hospitais públicos e privados, urgência e emergência, farmácias, laboratórios e hospitais veterinários.

Em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra não haverá dia útil de 27 de março a 4 de abril. Apenas funcionários de serviços essenciais poderão circular no transporte público. A comercialização de bebida alcoólica estará proibida a partir de segunda-feira (29).

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Não adianta ter mega feriadão e manter os “serviços essenciais” abertos, tem de parar tudo até o transporte público, manter somente hospitais e farmácias abertas , para transportar esses funcionários fazia um planejamento com essas empresas, ai sim a população ficaria em casa

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SP anuncia vacinação contra Covid-19 de professores e policiais a partir de abril

Foto: Reprodução

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (25) a vacinação contra Covid-19 de policiais e professores no estado.

A imunização de policiais começa no dia 5 de abril e a de educadores, no dia 12.

No caso dos educadores, serão vacinados profissionais a partir de 47 anos da rede pública e privada.

A expectativa é a de vacinar 180 mil pessoas da área de segurança e 350 mil da educação.

Educação

Quem pode se vacinar?

Profissionais da educação (professores, inspetores, diretores de escola, etc) com mais de 47 anos, que sejam atualmente funcionários de escolas municipais, estaduais ou particulares

Quando?

A partir de 12 de abril, com prioridade para os profissionais da educação básica

Quantas vacinas serão aplicadas?

A expectativa é vacinar 350 mil profissionais da educação

Segurança pública

Quem pode se vacinar?

Policiais militares, policiais bombeiros, policiais civis, policiais da policia científica, agentes de segurança e agentes de escolta penitenciária, guardas civis metropolitanos municipais.

Quando?

A partir de 5 de abril

Quantas vacinas serão aplicadas?

A expectativa é vacinar 180 mil profissionais da segurança

De acordo com o secretário estadual da Educação, a imunização vai priorizar a educação básica. No caso dos trabalhadores da rede privada, será necessário apresentar comprovante de vínculo empregatício.

Desde o início da pandemia, a vacinação de profissionais de educação e segurança é reivindicada pelos profissionais, escolas e sindicatos.

No final do ano passado, o governo paulista incluiu a educação como serviço essencial e permitiu que as escolas operassem em fases mais restritivas da quarentena no estado.

Entretanto, por conta da explosão de novos casos, as aulas presenciais foram suspensas no estado, que está desde o dia 15 na fase emergencial.

Vacinação de idosos

O governo de SP também vai antecipar para esta sexta (26) o início da vacinação de idosos de 69 a 71 anos nas unidades de saúde e nos postos drive-thru.

A previsão inicial era a de começar a vacinar o público de 70 e 71 anos no dia 29. Entretanto, na semana passada, o governo disse que conseguiu antecipar para o dia 27 e incluir a população de 69 anos.

Nesta sexta (19), o Instituto Butantan entregou mais 2 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde. Com nova remessa, instituto totaliza 7,3 milhões enviados nesta semana.

Com G1

Opinião dos leitores

  1. Cuide calça apertada, ontem foram mais de 1.000 mortes em São Paulo.
    Pare de politicagem com a doença e vá trabalhar.
    Safado!!

  2. E aqui na ultima provincia de Dom Pedro 1??? Vai esperar morrer mais POLICIAIS pra economizar com o super Ipe e seguir a lingua podre de Guedes! O super ministro falastrao e enganador!!! Dois anos e nada funciona nessa porcaria…!!!!

    1. Estão não? É bem vc que tá a frente. Tenha respeito pelos profissionais de segurança pública. Vc não se atualiza não? Veja o número de políciais contaminados e mortos pelo vírus que talvez entenda e deixa de falar besteira.

    1. O ministério da saúde colocou as forças de segurança pra se vacinarem após os presos.

  3. O ministério da saúde já tinha divulgando q em abrir daria prioridades a os professores e militares. Antes desse sujeito

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Covas confirma 1ª morte por leito em São Paulo e diz que lockdown é ‘inviável’

Foto: Reprodução

O prefeito Bruno Covas (PSDB) confirmou a primeira morte por falta de leito de UTI na cidade de São Paulo e disse ser inviável decretar um lockdown no município.

De acordo com Covas, a prefeitura deverá anunciar nesta quinta (18) a antecipação de feriados para tentar conter a pandemia.

“Essa medida se mostrou eficiente no ano passado, é uma das que a gente pode anunciar agora no final da manhã”, afirmou ele entrevista à GloboNews.

“Se a gente conseguir 15 dias que as pessoas consigam voltar aos índices de isolamento do início da pandemia, a gente já consegue uma melhora na quantidade de casos e internações. Precisamos desse prazo de 15 dias que os especialistas da vigilância apontaram para conseguir colocar a curva para baixo e atender todo mundo na cidade”, completou.

Em julho de 2020, a gestão Covas antecipou os feriados de Corpus Christi e o da Consciência Negra para frear o avanço de casos de Covid à época.

Segundo o prefeito, a capital paulista não tem efetivo de segurança para implementar medidas restritivas mais rígidas.

“No município é inviável decretar lockdown. A gente tem 1.000 guardas da GCM (Guarda Civil Metropolitana). É inviável fiscalizar se as pessoas estão saindo de casa com mil guardas”, afirmou.

Morte por falta de atendimento

Covas citou o registro da primeira morte por falta de atendimento na cidade. Segundo ele, o caso ocorreu na Zona Leste. A capital está com 88% dos leitos de UTI ocupados.

“Infelizmente, nós tivemos o primeiro caso, na Zona Leste de São Paulo, uma pessoa faleceu sem conseguir atendimento aqui na cidade. Infelizmente a gente vê colapsando o sistema de saúde”, afirmou.

“As vagas são em hospitais permanentes e não mais em hospitais de campanhas. Entregamos nove hospitais. A continuar o crescimento dessa curva, só vamos ver ampliar esses casos de pessoas que não conseguem leitos de UTI. Só ontem, eram 395 pessoas aguardando leitos. Um momento triste, difícil”, afirmou o prefeito.

No estado, ao menos 79 pessoas com Covid-19 ou suspeita morreram na fila por um leito de UTI.

A explosão de casos atinge também a rede privada da capital. Nesta semana, hospitais particulares pediram 30 leitos do SUS à Secretária Municipal da Saúde. “Algo inédito”, disse o secretário Edson Aparecido.

O prefeito defendeu a importância do respeito às medidas de distanciamento social e afirmou que o município não tem condições de ampliar a rede de assistência na mesma velocidade da contaminação.

“Há um limite. A gente não consegue dobrar, triplicar, quadruplicar a quantidade de leito, as pessoas precisam respeitar o isolamento social para a gente diminuir a contaminação. Essa segunda onda mudou o quadro que nós enfrentamos no ano passado.”

G1

Opinião dos leitores

  1. Quando o próprio Presidente da República desdenha de um problema sério como esse, finge que nada está acontecendo e não se mexe para correr atrás de vacinas no tempo certo, o resultado só pode ser morte, sofrimento e lockdown, infelizmente.

    1. O combate a pandemia é de RESPONSABILIDADE DIRETA DOS GOVERDORES E PREFEITOS, por decisão do STF, desenhei?
      Vá ao site da transparência e veja quanto foi enviado pelo governo federal a cada estado durante a pandemia, depois aprenda a quem cobrar e acusar.

    2. Essa narrativa não cola. Com as redes sociais as mentiras são desmascaradas em segundos. O povo está deixando de ser massa de manobra. Se atualize.

    3. Ricardo.
      Esse anti é um boi tabaco, não perca tempo com gente desse naipe.
      Ele sabe disso.
      Dá uma de João sem braço.
      Otário

    4. Deixe de ser abestatado seu jumento. A culpa de td é desses governadores que pregam o genocîdio.

  2. a mesma conversa do ano passado…. não fizeram o que era para ser feito tai o resultado, igualzinho ao nosso DESgoverno do RN.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro critica restrições em SP e DF e fala em risco de invasões a supermercados e greves: “até quando nossa economia vai resistir?”

Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Um dia após adotar tom moderado ao falar da pandemia, usar máscara em público e defender a vacinação, o presidente Jair Bolsonaro criticou duramente as restrições impostas por governadores para tentar conter o avanço da covid-19 no País. Durante participação virtual em reunião no Senado, nesta quinta-feira, 11, Bolsonaro citou a possibilidade de invasões a supermercados e greves em função do lockdown.

O presidente da República participou do evento enquanto estava no Palácio do Planalto, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes. Diferentemente de quarta-feira, 10, Bolsonaro não usava máscara, enquanto o auxiliar estava com o equipamento de proteção no rosto.

Bolsonaro criticou diretamente as medidas adotadas pelos governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). Doria anunciou nesta quinta-feira, 11, novas restrições, inclusive toque de recolher no Estado, medida também aplicada no Distrito Federal. Bolsonaro comparou o isolamento a um “sapo fervido”, ou seja, depois de aumentada a temperatura, “não sai mais da panela”.

Medidas de isolamento social e restrição ao comércio, porém, têm sido recomendadas por especialistas para conter a transmissão do vírus. Assim como outras regiões do País, São Paulo e Distrito Federal têm visto pressão sobre seus sistemas de saúde e alta de internações pela covid-19.

“Até quando? Até quando nossa economia vai resistir? Se colapsar, vai ser uma desgraça. O que poderemos ter brevemente? Invasão a supermercado, fogo em ônibus, greves, piquetes, paralisações. Onde vamos chegar? Será tarde para o sapo sair da panela”, disse Bolsonaro. No discurso do presidente da República, enquanto o governo federal combate o desemprego, prefeitos e governadores estão “destruindo” a economia.

As críticas feitas pelo presidente a medidas de isolamento social não são novas. Nessa quarta, porém, horas após o ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva atacar a gestão da pandemia pelo governo federal, Bolsonaro mudou sua conduta em evento no Palácio do Planalto. Na ocasião, chegou a justificar as restrições de circulação como medida necessária para que houvesse tempo para hospitais se preparar para o aumento da demanda de pacientes.

Nas últimas duas semanas, o Brasil registrou aumento de 43% na média diária de óbitos. Em 25 de fevereiro, o número estava em 1.150. Agora está em 1.645 , o maior da pandemia. Na quarta-feira, 10, o Brasil registrou 2.349 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com dados do consórcio formado por veículos de imprensa.

“Lamento todas as mortes que ocorrem, todas as mortes. Lamento essa desgraça que se abateu sobre o mundo, mas nós temos que olhar para frente”, afirmou Bolsonaro. Em seguida, defendeu vacinar a população.

“Temos que buscar minimizar a dor dessas pessoas, buscar minimizá-la com vacina. Toma vacina. Abrimos para comprar praticamente de todos os laboratórios depois de aprovado pela anvisa.” O presidente afirmou que nunca negou a vacina.

Com Estadão

Opinião dos leitores

  1. O objetivo destes governadores, tendo como cabeça o calça cravada, é criar o caos no país.
    Por que fecharam hospitais de campanha e leitos nos hospitais?
    Por que não permitem o uso de medicamentos no início da contaminação?
    As baladas continuaram sem qualquer intervenção dos Estados, até o filho do calça cravada fez festinha com aglomeração sem uso de máscaras.
    Em breve veremos o resultado dessas medidas de lockdown nas cidades.
    Óbvio que tentarão culpar o Bolsonaro, mas o cara é foda e com sua excelente equipe vai saber dar a volta por cima.

  2. Olha aí…
    Que idéia excelente do presidente.
    Nada de Auxílio Emergencial, agora a vez é ivadir supermercado.
    Pra ele quanto pior melhor.

  3. Agora insufla invasões? Tá cada dia pior.
    O efeito Lula tá fazendo um bem danado ao país.

  4. Por que invasão de supermercados?
    Que terrorismo é este?
    Vá dando idéia seu aloprado.
    Tem wue conter a circulacao desta peste.Já era para todos ou pelo menos 30 % vacinados,mas devido a sua inercia tai o que você queria.
    15 dias de fechamento nao ira matar ninguem de fome.Enquanto isto libere o auxilo emergencial.
    GOVERNAR E PARA QUEM TEM COMPETENCIA.

  5. Até agora não se tem notícia de que nada disso tenha acontecido. Se milícias bolsonarianas levarem avante a "sugesta" do presidente, ele deve ser afastado imediatamente e responsabilizado criminalmente .

  6. É isso Bolsonaro, deixe a bomba estourar nos colos dos Governadores e fique assistindo de camarote.
    Confiamos no Senho e em 2022 vai ser no primeiro turno.
    MITO TEM RAZÃO.

    1. Se esse governo está um caos como vc mesmo está afirmando, como vc fala que vai votar nele? Tu gosta de comer merda é?

    2. Não fala nada que preste esse. Só besteira. Vá estudar, depois você volta aqui.

  7. Negacionista incentivando seus seguidores a invadirem supermercados e fazerem greve, espero que ainda não tenham comprado armas.

  8. O MINTOmaníaco eh o maior risco a nossa economia e democracia. Muito pior que a pandemia de covid!

    1. Zé Gado tira ele, quero voltar a roubar o Brasil por mais 30 anos e dar cartilha de sexo para as crianças de 5 anos

    2. Facínora é o cara que defende a liberdade? E do que se chama quem instaura "toque de recolher"? Democrata? Esse minino é um gênio.

    3. Cartilha de sexo pra crianças… você também acreditou na mamadeira de piroca?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

SP entra na fase “emergencial” da quarentena na segunda, com toque de recolher e home office obrigatório

Fotos: (Divulgação/Governo do Estado de São Paulo/)

O governo de São Paulo vai decretar uma nova quarentena, mais restritiva, a partir de segunda-feira, 15. A fase é chamada de “emergencial” e tem validade por, pelo menos, duas semanas, até o dia 30 de março. Além de só permitir o funcionamento de serviços essenciais, como farmácias, supermercados e postos de gasolina, ficam proibidos os cultos religiosos e jogos de futebol. Fica obrigatório ainda o teletrabalho para serviços administrativos.

Pela primeira vez, o estado determina um toque de recolher. Fica proibido circular nas ruas em todo o estado das 20h às 5h sem que haja um motivo justificável, como voltar do trabalho ou ir um atendimento médico urgente, por exemplo. Os agentes de segurança vão fazer blitze para verificar o motivo das pessoas estarem fora de casa. Apesar disso, não haverá multa ou punição, apenas orientação.

O transporte público sob responsabilidade do estado não haverá alteração na quantidade ou na frequência.

Outras restrições envolvem setores que até então eram considerados essenciais. Lojas de materiais de construção, por exemplo, ficam proibidas de abrir. Outra alteração é a retirada de alimentos em restaurantes, que passa a ser proibida. A modalidade delivery está permitida a qualquer hora do dia, e a de drive-thru somente no período noturno, das 5h às 20h. As praias e os parques ficam fechados.

No ensino, a escolas estaduais vão antecipar dois recessos que seriam feitos ao longo do ano e param por 15 dias. As escolas municipais e privadas têm autonomia para definir, mas a orientação da Secretaria de Estado da Educação é para suspender as atividades. Caso a unidade permaneça aberta, precisam cumprir a capacidade máxima de 35%.

Leitos de UTI quase em 90%

Desde o dia 6 de março, todo o estado entrou na fase vermelha da quarentena, em que somente os serviços essenciais podem funcionar. O Centro de Contingência da covid-19 do estado de São Paulo esperava que, com essas restrições, os números caíssem, o que não correu.

O estado de São Paulo vive o pior momento da pandemia de covid-19. A média diária de óbitos cresceu 12% de uma semana para outra, passando de 284 para 319. A taxa de ocupação de leitos de UTI está em 87%, uma das mais altas já registradas. Apesar desta taxa média, algumas unidades e cidades – 53 no total – já estão com 100% das vagas ocupadas. O número de solicitações de leitos de enfermaria e de terapia intensiva bateu um recorde nesta quarta-feira: 2.690.

O governo vai abrir ainda mais 338 novos leitos, sendo 167 de UTI, em hospitais estaduais, municipais e filantrópicos. Em uma semana o estado anunciou o aumento da capacidade de atendimento em 1.118 novos leitos, sendo 676 apenas de terapia intensiva. De acordo com o governador João Doria, todos vão estar ativados até o fim de março.

Na semana passada, o governo começou a abrir 500 novos leitos, sendo 339 de UTI e outros 161 de enfermaria, em todo o estado. Os leitos estão sendo ativados gradualmente, desde o dia 8 de março. Essas vagas se somam a 11 hospitais de campanha que serão inaugurados em todo o estado nos próximos dias. O modelo é diferente do que já foi adotado e será implementado em unidades de saúde já existentes.

O secretário de Saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse que o governo estadual triplicou o número de leitos de UTI desde o início da pandemia, mas fez um apelo para as pessoas seguirem as medidas sanitárias. “Não daremos conta de abrir mais leitos. Estamos na pior crise sanitária de todos os tempos. 53 municípios estão com 100% nas taxas de ocupação de leitos de UTI”, alertou.

Restrições da fase “emergencial”

Apenas atividades essenciais podem funcionar, como supermercados, açougues, padarias, feiras livres, farmácias, postos de gasolina, petshops

Comércio, shoppings, academias, salões de beleza, bares precisam ficar fechados

Restaurantes: é permitida a entrega (delivery) por 24h. A compra sem sair do carro (drive-thru) vale das 5h às 20h. Consumo no local e a retirada direta de comida são proibidos

Teletrabalho de serviços administrativos é obrigatório

Parques e praias ficam fechados

Venda de bebida alcoólica só é permitida entre 6h e 20h

Qualquer tipo de aglomeração é proibido

Toque de recolher das 20h às 5h

Escolas estaduais ficam fechadas por 15 dias. Redes municipal e privada têm autonomia para decidir

Exame

Opinião dos leitores

  1. Esses governadores, com essa palhaçada chamada "toque de recolher", estão desrespeitando a Constituição Federal. Nem os Governos Mitares (1964/1985) ousaram tanto. E sabem por quê? Porquê respeitavam o Povo.

  2. João calça colada tá acabando com São Paulo.
    E aí calça colada, gostou do presente que recebeu do ministro Faquim??
    Como é??
    E agora??
    Vai virar bolsodoria de novo.
    Kkkkkkkkk
    Otário.
    Tomou no fió fó.

    1. Fique frio, a gente resolve no 1º turno e com fé em Deus, vamos lutar para amenizar os efeitos da pandemia, pelo menos com empatia, coisa que o seu genocida não tem.
      #Lula2022

    2. Quem vai ganhar???
      Só pode ser um ze gado mesmo.
      O povo não vota em ladrão não ze.

  3. AUTORITARISMO TEM NOME NO BRASIL.
    Quero ver o governador de São Paulo andar na rua, viajar em avião na classe econômica, fazer teste de popularidade. Está governando como se nunca mais fosse concorrer a nada. A resposta do povo oprimido virá nas urnas.
    Cadê o hospital de campanha de SP? Foi construído e desmontado, funcionou por quantos dias?
    SP tem 1/4 do total de mortes por covid no Brasil.
    O governador de SP permitiu ou proibiu o uso preventivo com hidroxicloriquina, zinco e ivermectina?
    Quando ele teve covid e sua receita vazou na internet, qual foi a medicação passada para ele?
    Chega de falácia e narrativa, o povo está ligado na realidade da vida, goste ou não os políticos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Caminhoneiros bloqueiam vias em protesto contra restrições em SP; rodízio é suspenso

Foto: Reprodução/Jovem Pan

Caminhoneiros fazem protesto nesta sexta-feira, 5, contra as medidas adotadas pelo governador do Estado de São Paulo, João Doria. A manifestação acontece, nesse momento, em pelo menos dois pontos da cidade, com interdição da Marginal Tietê, sentido da Rodovia Ayrton Senna, que apresenta 10km de congestionamento. Na Zona Sul da capital paulista, os protestos acontecem no Terminal Varginha. Os manifestantes reclamam do retorno da Fase Vermelha do Plano São Paulo, a mais restritiva. As novas restrições no Estado entram em vigor neste sábado, 6, com o objetivo de frear a transmissão do coronavírus e reduzir o número de internações, casos e óbitos pela Covid-19.

Por volta das 10h, os carros circulavam na Marginal Tietê com um tráfego melhor e uma aparente liberação das vias. Os protestos causaram congestionamento em todo o entorno da Marginal, principalmente na altura da Ponte dos Remédios, principal foco da manifestação. Desde as primeiras horas da manhã, apenas carros conseguem passar por uma das faixas liberadas — enquanto caminhões são impedidos de seguir viagem. A polícia tenta negociar a liberação das demais vias. As manifestações causaram, ainda, reflexos em outras estradas que ligam o interior do Estado à capital paulista. O principal reflexo aconteceu na Rodovia Castello Branco, onde o trânsito começou antes do pedágio de Alphaville. Considerando a situação, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) suspendeu o rodízio municipal de veículos em São Paulo. Segundo o órgão, além da Marginal Tietê, outras corredores principais, como a Radial Leste, também registraram congestionamento e enfrentam reflexos da paralisação.

Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. Esse Doria não dá uma dentro.
    Kkkkkkkk
    É por isso que o povo de São Paulo tá amando.
    Kkkkkkkk
    Otário.

  2. Massa de manobra do “Jacaré Doido”.
    Todos sabemos que o transporte sob trilhos é menos poluente, não acaba com as estradas e evita acidente, mais barato e eficiente, porém os governantes deixaram a malha ferroviária ir a ruínas.
    Está na hora de restabelecer a transporte ferroviário no País.

    1. Vai procurar se informar! Já ouviu falar da ferrovia norte-sul? Quem inaugurou ela ontem? Por acaso foi lula, Dilma?
      Esquerdalha só fala bobagens. O importante é inventar narrativas.

    2. Ô Bito gado, uma ferrovia leva anos para construir, se ilude vc achando que foi seu presidente quem a construiu, informação é muito importante.

    3. Bozo só inaugura obras dos outros. Diga uma aí, Bito Lado, que ele tenha iniciado e concluído. Destruição do que já existia não vale.

  3. Cortina de fumaça do dia para o caso da compra de uma mansão de 6 milhões em Brasília. Ontem foi uma fala absurda do pai do senador que ficou milionário só com o salário de deputado estadual e senador. Família que quer o estado mínimo para os outros e máximo para eles.

  4. O calça colada tá dando um show de administração. Querendo quebrar as empresas pra chineses comprá-las. Esse é o seu principal objetivo, não cuidar da saúde do povo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Covid: SP passa para ‘fase vermelha’ a zero hora de sábado

Célula infectada com partículas do novo coronavírusCélula infectada com partículas do novo coronavírus | NIH/Handout via REUTERS

João Doria anunciará daqui a pouco, em sua entrevista coletiva diária dada na hora do almoço, que São Paulo entrará, sim, na fase vermelha do plano de combate ao coronavírus a partir da zero hora de sábado.

A decisão foi tomada na manhã de hoje e a previsão é que essa nova etapa de restrições dure duas semanas.

Escolas não estão incluídas na fase vermelha e poderão continuar funcionando com aulas presenciais.

A fase vermelha permite o funcionamento apenas de setores essenciais da economia, como farmácias, supermercados, padarias, agências dos correios, petshops, clínicas veterinárias, postos de combustível e transportes coletivos, como ônibus, trens e metrô — e, agora, igrejas. Já shoppings, comércio de rua e academias, por exemplo — tudo para.

A decisão de pôr São Paulo na fase mais restritiva do plano é consequência óbvia do número crescente de mortes e contaminação por Covid no estado. Ontem, morreram 468 pessoas em São Paulo, o maior número desde o início da pandemia há um ano.

Lauro Jardim – O Globo

Opinião dos leitores

  1. O MINTOmaníaco é muito incompetente mesmo, é um presidente tão inepto que não consegue sequer comprar vacinas!

    1. Leia mais as matérias dos jornais que em todo canto tem: A vacina está chegando, só é q o mundo inteiro cabeção q está procurando, demanda, será q vc entende, acho q não.

    2. Foram oferecidas pro MINTO e ele deixou de comprar 100 milhões de doses da coronavac a serem entregues em dezembro do ano passado, entendeu? Ele deixou de comprar vacinas da Pfizer, a mesma que estão sendo usadas com sucesso em Israel, entendeu? Então, o inepto achou pouco e além de deixar de comprar as vacinas em tempo oportuno, não está querendo permitir que Estados e Municípios adquiram… Essas vacinas que estão prometendo para chegar em março e abril (como sabemos o governo do MINTO não é bom em cumprir prazos) talvez faça efeitos evitando a TERCEIRA onda, então quem sobreviver a atual SEGUNDA onda, que poderia ter sido evitada, vai poder tomar essas que ainda estão só na promessa, entendeu? Acho que não, a viseira impede vc de enxergar a realidade!

    3. Mas a matéria fala do "país " de seu herói. Não deveria estar mais tranquilo lá?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Doria diz que SP entrou na pior semana desde o início da pandemia e não descarta nenhuma medida

Foto: Reprodução/Globonews

O governador de São Paulo, João Doria, disse nesta terça-feira (2) que o estado está na pior semana desde o começo da pandemia. Doria participou do início da vacinação drive-thru no estádio do Morumbi, na Zona Sul da capital, e falou sobre a situação da doença no estado.

“Entramos na pior semana da Covid-19 da história da pandemia desde 26 de fevereiro. Isso não apenas em São Paulo, os demais estados também, eu tenho falado com governadores de outros estados. Há uma preocupação generalizada”, disse o governador.

Questionado sobre se ele adotaria o lockdown para evitar maior propagação da doença, o governador diz que não descarta nenhuma medida.

“Não se descarta nenhuma medida, desde que elas sejam embasadas pela ciência e pela saúde”, afirmou Doria.

O estado de São Paulo registrou nesta terça o maior número de mortes por Covid-19 em 24h desde o início da pandemia, com 468 novos óbitos, segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde. Com os novos registros, o estado chegou a 60.014 mortes provocadas pela doença.

As novas confirmações em 24 horas não significam, necessariamente, que as mortes aconteceram de um dia para o outro, mas que foram contabilizadas no sistema neste período. Os números costumam ser menores aos finais de semana e segundas-feiras.

O governador disse que o Centro de Contingência irá se reunir nesta terça e o que for decidido será anunciado nesta quarta-feira (3).

A média móvel de mortes, que leva em consideração os registros dos últimos 7 dias e minimiza as diferenças das notificações, é de 259 óbitos por dia nesta terça. O número representa uma alta de 18% em comparação com o valor registrado há 14 dias, o que para os especialistas indica tendência de estabilidade. Como o cálculo da média móvel leva em conta um período maior, é possível medir de forma mais fidedigna a tendência da pandemia.

Nos últimos dias, o estado vem batendo recordes sucessivos de pacientes internados com quadros mais graves da doença. No sábado (27), o total de pacientes internados em UTI superou o valor de 7 mil pela primeira vez desde o início da pandemia.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, o maior valor anterior durante o primeiro pico da doença havia sido registrado em 29 de julho, com 6.250 pacientes em UTI. A gestão estadual vê risco de colapso no sistema de saúde nas próximas semanas.

Aumento de novas internações

As novas internações por Covid-19 aumentaram 18,3% no estado de São Paulo na última semana, em relação à semana anterior. A velocidade do aumento verificado nos últimos dias preocupa autoridades sanitárias, que temem colapso no sistema de saúde do estado.

Na semana entre 14 e 20 de fevereiro, em média 1.541 pacientes eram internados por dia no estado. Já na semana entre 21 de fevereiro e o último domingo (28), o valor saltou para 1.823 por dia.

“Precisamos da colaboração da população. Não adianta abrir mais leitos. Nós estamos expandindo. Estamos fazendo a nossa parte, mas nós temos a limitação, tanto de espaço, mas também de recursos humanos”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, nesta segunda.

De acordo com o secretário, as pessoas precisam colaborar para evitar aglomerações que possam disseminar o contágio pelo vírus.

Medidas mais duras

Diante da piora da epidemia em todo país, autoridades e saúde e conselho de secretários pedem que medidas mais duras de restrição à circulação de pessoas sejam tomadas.

No estado de São Paulo, começou a valer na sexta-feira (26) a restrição de circulação das 23h às 5h, batizada pela gestão João Doria (PSDB) de “toque de restrição”. O objetivo é aumentar a fiscalização no período noturno para coibir aglomerações e festas clandestinas.

A medida, no entanto, não tem poder de proibição, e é diferente de um “lockdown”. Após a lotação de leitos, algumas prefeituras como a de Araraquara e de municípios do ABC paulista já decidiram adotar proibições que vão além do que é determinado pelo governo estadual.

G1

Opinião dos leitores

  1. Incompetente mentiroso. São Paulo tem os piores números do covid. Essa praga só quis vender uma vacina meia boca pros desesperados

  2. Governadorzinho meia boca.
    Fraco!
    Só leva o tempo em aumentar impostos e fazer politicagem com a vacina, esquece de governar.

  3. Esse aí gosta de ir pra Miami, enquanto a população se lasca. É só propaganda, você pensa que SP tá uma maravilha, quando ver, o Estado de SP é o pior em número de mortes no Brasil. A responsabilidade é sua Governador.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Médica sem máscara que ignorou idosa de 96 anos e agrediu filha de paciente em SP é afastada

A médica que se recusou a atender uma idosa de 96 anos e ainda agrediu a filha de uma paciente dentro do hospital estadual de Heliópolis, na zona sul de São Paulo, foi afastada da função. Nos vídeos gravados por uma testemunha, ela aparece sem máscara durante o trabalho e se descontrola até ser contida por outro funcionário.

Era 12h30 quando a dona Chiarela Aurora Lang chegou ao hospital sem apetite e com dificuldade para andar. A idosa foi colocada na cadeira de rodas e depois foi levada para o corredor para aguardar atendimento.

O neto que a acompanhava contou que, depois de uma hora e meia de espera, decidiu cobrar a médica responsável, Silvia Duellberg, pela consulta. Ele gravou a ação e argumentou que a avó deveria ser prioridade, mas ela o ignora e diz que ali “não era assim”.

O ajudante geral, Anderson Basílio Ferraz, lembrou que a própria médica pegou as fichas e fez a chamada dos pacientes. Segundo ele, era a profissional quem decidia quem iria atender e a hora.

“Com 96 anos, minha avó em uma cadeira de rodas. Isso não é uma médica, uma profissional de saúde que tem amor no que faz”, afirma Anderson.

O neto procurou a polícia e acionou um advogado que vai processar a médica e o hospital por omissão de socorro e desrespeito ao Estatuto do Idoso.

De acordo com o advogado da família, Paulo Augusto de Oliveira, quando ela se negou a fazer o atendimento, ela desrespeitou o Código de Ética Médica e pode responder por omissão de socorro. Segundo o Estatuto do Idoso, as pessoas que têm mais de 60 anos têm prioridade.

Anderson ainda flagrou uma outra situação de desrespeito envolvendo a mesma médica. No auge da pandemia do novo coronavírus, quando os médicos recomendam o uso de máscaras, ela decidiu atender pacientes sem cobrir o rosto.

Uma das acompanhantes de paciente questiona a médica sobre a postura em meio à pandemia. Ela estava com a mãe, que faz tratamento contra o câncer, quando foi atacada. Depois da confusão, a médica abandonou o plantão.

Chiarela foi atendida por outra profissional, que viu os exames e determinou que a idosa ficasse em observação. Ela continua internada no hospital e o estado de saúde dela é estável.

O boletim de ocorrência foi registrado no 95º DP, em Heliópolis.

R7

Opinião dos leitores

    1. Pergunta que não quer falar.
      O que o Dória tem bom isso? Foi ele que cometeu o fato?

    1. Não gosta de trabalhar igual aos retardados que votam em luladrão

  1. Pelo comportamento dessa médica, alguém tem alguma dúvida se ela apertou o 17 na última eleição pra presidente?
    Eu não tenho dúvidas.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

SP: Governo decreta restrição de circulação das 23h às 5h em todo o estado

Foto: CNN Brasil

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (24) que irá restringir a circulação das 23h às 5h em todo o estado.

A medida acontece depois que o estado atingiu o maior número de pacientes internados em UTIs com Covid-19 em toda a pandemia. O decreto vale do dia 26 de fevereiro ao dia 24 de março.

Além da restrição de circulação no período noturno, fica proibido aglomeração em qualquer horário. Serão aplicadas multas por descumprimento das medidas.

O governador João Doria (PSDB) argumentou que não foram adotadas medidas mais restritivas durante o dia porque as pessoas tendem a beber menos nesse horário e estão dedicadas ao trabalho.

Até esta segunda (22), havia 6.410 pacientes internados em leitos intensivos. Antes, o maior número havia sido de 6.250, em julho de 2020.

“É um recorde histórico desde fevereiro do ano passado, quando tivemos o primeiro caso de covid no Brasil e no estado de São Paulo”, disse o governador do Estado de São Paulo João Doria.

O coordenador do Centro e Contigência do Covid-19, Paulo Menzes, avalia que o aumento no número de internações ocorreu por causa das aglomerações ocorridas durante o período do carnaval, mas também pela circulação da variante de Manaus do novo coronavírus em São Paulo.

“Isso é consequência, provavelmente, da aglomerações que ocorreram há 10 dias, mas pode haver mais fatores”, afimrou Paulo Menezes.

O governo do Estado anunciou a criação de uma força-tarefa de fiscalização formada pelas vigilâncias sanitárias municipal e do estado, pela Polícia Militar e pelo Procon.

Dentre as medidas anunciadas pela PM para coibir as violações, serão realizadas blitz, informes com uso de viaturas da polícia e encremento do policiamento com apoio do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DEOP) da Polícia Civil.

O governador João Doria afirmou que a prioridade da força-tarefa será a de coibir a realização de festas clandestinas.

“Quem infringir o decreto comete uma infração pluriofensiva, pois infringe o Código Penal, o Código do Consumidor, normas da Prefeitura e normas sanitárias”, afirmou Fernando Capez, diretor executivo do Procon.

Segundo o governo, haverão restrições na circulação do transporte público, mas garantiu que trabalhadores não serão prejudicados, ou multados por estarem na rua após as 23h.

Vacinação

O governador João Doria anunciou que serão entregues mais 900 mil doses da vacina Coronavac – desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan – ao Ministério da Saúde para integrar o programa nacional de imunização.

O governo de São Paulo promete entregar 15,4 milhões de doses da vacina da Covid-19 à pasta da Saúde até o dia 5 de março, totalizando 46 milhões doses encaminhadas ao Sistema Nacional de Imunização até o dia 30 de abril.

Doria autorizou o Instituto Butantan a encomendar novas remessas de insumos para a produção da vacina Coronavac. O governador afirmou que vai deixar de realizar negócios exclusivos com o Ministério da Saúde para distribuir doses do imunizante a outros estados e para priorizar o estado de São Paulo.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Esse deve ir a Miami.
    Kkkkkkk
    Tá mais baixo nas pesquisas do que cu de cobra.
    Perdeu a reeleição, pra largar de burro.

  2. E tem mais, crítica aglomeração, fala em escola, como? Esquecendo que fechar ou abrir, segundo o STF, é função dos senhores governadores e prefeitos, se considerarmos esse premissa, quem deveria mandar aqui nós sabemos quem devia.

  3. Mais rapaz pense numa biruta, pensou? Ela tem nome e partido, achar que só os eleitores do presidente é quem não tem educação, pode uma maluquice dessas? o compadre do companheiro meliante, extremamente educado está ficando maluco de vez, será abstinência de trabalho? E por ultimo, afirmar que a educação no país existe desde o descobrimento. Deus. é muita insanidade.

    1. Deixe de falar besteira e vá procurar procurar o cabo de uma enxada (ou inchada).

  4. Pode ter o fechamento de hoje até o fim do ano, geral! Tudo! Não vai adiantar de absolutamente NADA!
    Não adianta fechar tudo, arrebentar com comércio, se a boiada não tem educação, não sabem manter o distanciamento que se exige para conviver com essa desgraça desse vírus.
    O pior de tudo são as escolas, o buraco na educação vai ser praticamente impossível de fechar e com esse governo, que “adora” investir em educação, estamos fudidos.

  5. Mas pode ? Aqui no Rio grande do Norte têm recomendação e não decreto. Pois não pode fazer decreto.
    Os perfeitos que façam.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Ford é proibida de alienar bens e maquinário e terá que suspender rescisões até o fim da negociação coletiva em SP e BA

Foto: Reprodução

A montadora Ford foi proibida de alienar bens e maquinário da fábrica de Taubaté (SP) até a conclusão efetiva e conclusiva da negociação coletiva. Com isso, a montadora deverá manter todos os seus bens e maquinário da unidade em seus estabelecimentos localizados no município. Em caso de descumprimento, será aplicada multa de R$ 100 mil por cada trabalhador atingido ou por cada máquina ou bem removido da fábrica de Taubaté.

Na última sexta-feira (5), o Ministério Público do Trabalho (MPT) também obteve decisão favorável em Camaçari (BA) que garante proteção aos trabalhadores da fábrica. As duas decisões proíbem a Ford de praticar dispensa coletiva de empregados de suas fábricas em Camaçari (BA) e Taubaté (SP) sem prévia negociação coletiva, de suspender pagamento dos salários e licenças remuneradas enquanto os contratos de trabalho estiverem em vigor, de praticar assédio moral e negocial, bem como de apresentar ou oferecer propostas ou valores de forma individual aos trabalhadores. Segundo o procurador-geral do MPT, Alberto Balazeiro, as decisões são de extrema importância porque reconhecem que a saída de uma empresa dessas é uma questão que vai muito além de mero pagamento de verbas rescisórias.

“É preciso entender que estamos diante de uma questão de grandes consequências sociais, principalmente considerando o investimento do estado brasileiro para que houvesse a instalação da empresa e a geração de empregos e todo entorno da cadeia produtiva nas cidades que será brutalmente atingido. Por isso, a união do Ministério Público brasileiro em torno do tema”, ressaltou.

De acordo com o procurador do MPT Jefferson Luiz Maciel Rodrigues, que coordena o Grupo Especial de Atividade Finalística (GEAF) criado para acompanhar o caso, o MPT vai atuar com muita firmeza nesse caso não só quanto à responsabilidade direta da empresa. “Nós vamos buscar valer não só a Constituição Federal, mas principalmente as normas internacionais de Direitos Humanos, em especial as normas da OIT”, disse.

Matéria completa AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Haja saco para aguentar tanta insanidade, insignificância e idiotice, meninos deixem de ser idiotas. Essa ação objetiva proteger brasileiros.

    1. Se os EUA retiram os embargos, Cuba dá um salto, que o a nossa república das bananas vai demorar uns 30 anos para alcançar.
      Estamos no mesmo caminho da Venezuela, isso sim. Engraçado que nem foi pelas mãos da esquerda, mas pelas mãos da extrema direita.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *