Polícia Militar prende suspeitos após assalto a carro dos Correios em Mossoró

FOTO: PM/ASSECOM/REPÓRTER: CB GLAUCIA

Na tarde dessa quinta-feira (23), policiais militares do Grupo Tático Operacional (GTO) do 2° BPM, em Mossoró, efetuaram a prisão de cinco suspeitos de participarem de um roubo a um carro dos Correios.

De acordo com informações, cinco homens armados abordaram um carro de entrega de encomendas da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos no bairro Abolição III, em Mossoró, e levaram o veículo com vários objetos.

Com as características dos suspeitos, os militares iniciaram diligências com o objetivo de localizar os criminosos, encontrando o veículo abandonado em uma estrada carroçável nas proximidades de uma granja.

Na ação policial, também foi recuperada uma motocicleta com queixa de roubo, além de todo material roubado juntamente com o carro dos Correios.

Ainda na operação, os policiais realizaram a prisão de três homens e a apreensão de dois adolescentes, no bairro Abolição IV, quando tentavam se evadir do local.

Todo material apreendido, bem como os suspeitos presos, foram apresentados à autoridade de Polícia Judiciária para a realização dos procedimentos legais.

Na Grande Natal, motorista reconhece suspeitos de assalto, simula quebra de ônibus, chama polícia e dois são presos

 Foto: Divulgação/Polícia Militar

Dois homens suspeitos de assaltar um ônibus em Macaíba, na Grande Natal, foram presos na noite desta quarta (16). De acordo com a Polícia Militar, o motorista e passageiros reconheceram os criminosos que teriam assaltado o mesmo ônibus na semana passada. Em seguida, o motorista simulou que o veículo tinha quebrado, parou e ligou para a Polícia Militar. Leia detalhes aqui em reportagem do G1-RN.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo disse:

    A audiência de custódia vem aí. Resultado . Os bandidos ( o direitos humanos diz. Os excluídos da sociedade ) iram ser soltos.

  2. Vergonha nacional disse:

    Temo pela vida desses trabalhadores,os BANDIDOS SAÍRAM antes de sexta-feira na audiência de custódia

  3. 357 disse:

    Parabéns ao Motorista pela atitude, livrou os passageiros e a empresa o qual representa!!!!! E a Polícia pela rápida intervenção!!!!!

Polícia Civil ofereceu delação a suspeitos da morte de Marielle, dupla recusou e voltou a dizer que não tem participação em crime

Elcio Vieira de Queiroz e Ronnie Lessa, ex-policiais suspeitos de participarem do assassinato da vereadora Marielle Franco – 14/03/2019 (Bruna Prado/AP – Alexandre Brum/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)

A Polícia Civil do Rio de Janeiro ofereceu acordo de delação premiada aos ex-policiais militares Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Em troca de benefícios como uma eventual redução de pena, eles teriam que apontar o nome do suposto mandante do crime. A dupla recusou e voltou a dizer que não tem participação nos homicídios. A proposta foi feita no dia 5 de novembro, uma semana após reportagem da TV Globo revelar que o depoimento de um porteiro envolvera o nome do presidente Jair Bolsonaro no caso.

Lessa e Queiroz foram ouvidos das 10h às 20h no presídio de Porto Velho, em Rondônia, onde estão presos desde junho – antes, a dupla passou por Bangu 1, no Rio, e pela penitenciária federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Gravado em áudio e vídeo, o depoimento faz parte das investigações da Polícia Civil sobre a existência de um mandante da morte de Marielle. A oitiva foi realizada um mês depois da dupla ser ouvida no âmbito do processo em que são réus por homicídio triplamente qualificado.

Os suspeitos foram perguntados se sabiam o nome de alguém que pudesse ter ordenado o crime, e responderam se conheciam uma série de políticos e milicianos do Rio – inclusive aqueles que, de acordo com as investigações, fariam parte do Escritório do Crime, grupo de matadores de aluguel que estaria por trás de diversos homicídios ligados às disputas da contravenção e que jamais foram esclarecidos.

Os réus também negaram quando foram perguntados sobre uma suposta relação deles com o porteiro Alberto Mateus, que trabalha no condomínio onde Ronnie Lessa vivia no dia do crime. O presidente Jair Bolsonaro também possui uma casa no local. Em outubro, em depoimento à Polícia Civil, o porteiro mencionou o nome de Bolsonaro no caso ao dizer que, no dia 14 de março de 2018, quando Marielle e Anderson foram mortos, foi “seu Jair” quem autorizou a entrada do suspeito Élcio de Queiroz no condomínio. Segundo as investigações, Élcio e Ronnie saíram dali para cometer o crime naquela noite.

No começo deste mês, reportagem da revista VEJA revelou que Alberto Mateus vive no bairro da Gardênia Azul, onde Ronnie Lessa exerceria “influência”, de acordo com a apuração do crime. Na semana passada, em depoimento à Polícia Federal, o porteiro Alberto Mateus afirmou que se enganou ao mencionar o nome de Bolsonaro à Polícia Civil.

Procurada para comentar a reportagem, a Polícia Civil informou que “o caso corre sob sigilo”.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Escritor disse:

    Kkkkkk. Delação de miliciano. Querem morrer não.

Justiça mantém prisão de brigadistas suspeitos de incêndio na APA Alter do Chão

Polícia do Pará prende quatro brigadistas suspeitos de causar incêndio em Alter do Chão e cumpriu mandados na sede da ONG Saúde e Alegria. — Foto: Divulgação

As prisões preventivas dos quatro brigadistas suspeitos de incêndio criminoso na APA Alter do Chão foram mantidas pelo juiz Alexandre Rizzi, da 1ª Vara Criminal de Santarém, durante audiência de custódia na manhã desta quarta-feira (27). A polícia suspeita que o grupo tenha relação com os incêndios ocorridos em setembro deste ano. O advogado de defesa Wlandre Leal informou que ainda nesta quarta-feira ingressará com pedido de habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA).

A audiência foi acompanhada pelo promotor criminal Ramon Furtado e por mais dois advogados de defesa: Paulo Renato Alho e Michel Durães. Segundo a polícia, também há a suspeita de associação criminosa contra os brigadistas Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Jesus Almeida e Marcelo Aron Cwerner.

De acordo com Wlandre, o juiz se comprometeu a reavaliar os pedidos de revogação de prisões no prazo de 10 dias, ou seja, na conclusão do inquérito policial.

“Não existe prova material de que os brigadistas atearam fogo. O que existe é suposição a partir de interceptação de ligações telefônicas e de doações que ocorreram dentro da legalidade”, disse Wlandre.

O juiz Alexandre Rizzi ressaltou que decretou as prisões dos brigadistas baseado nas informações levadas a ele pela polícia de que havia um plano dos suspeitos de atear fogo em outras reservas. E que as prisões foram mantidas para não atrapalhar as investigações e para segurança dos suspeitos.

“Mantive as prisões porque as acusações são muito graves de uma possível prática reiterada de incêndios criminosos. O que não significa que eles sejam culpados. Vou aguardar o final do inquérito para avaliar as provas que a polícia vai trazer e então irei reavaliar se as prisões serão mantidas ou não”, afirmou Rizzi.

Operação Fogo do Sairé

Quatro integrantes da Brigada de Alter do Chão foram presos preventivamente na terça-feira (26) em uma operação da Polícia Civil chamada Fogo do Sairé, que investiga a autoria das queimadas.

Os brigadistas são suspeitos de atearem fogo na área para obterem benefícios financeiros, através de doações. Segundo a polícia, eles receberam mais de R$ 300 mil em doações, mas só declararam R$ 100 mil. De acordo com o delegado de Polícia Civil José Humberto Melo Jr, os indícios que levaram à prisão dos quatro suspeitos vieram depois de escutas telefônicas feitas com autorização judicial.

Na sede do Projeto Saúde e Alegria, onde um dos brigadistas suspeito trabalha, a polícia apreendeu materiais como equipamentos e documentos.

Defesa

Em entrevista à TV Tapajós, o advogado de defesa Wlandre Leal disse que não tinha necessidade de os brigadistas serem presos, já que eles estavam colaborando com as investigações da polícia e apresentando documentos solicitados durante as investigações.

“Em relação às doações, do possível dinheiro desviado de doações, isso não procede de forma alguma. Tanto que eles têm em mãos a contabilidade probatória dos valores recebidos e repassados, que foram valores de despesas com transporte, alimentação, equipamentos. Tudo isso estará provado ao longo da instrução processual”, contou Wlandre.

O diretor do Projeto Saúde e Alegria, Caetano Scannavino, falou em Brasília que desconhece os motivos que levaram uma ação policial a apreender computadores e documentos na sede da ONG em Santarém.

“Não sabemos até agora do que a gente está sendo acusado, porque foram até o nosso escritório sem decisão judicial, com um mandado genérico, para apreender tudo. Do que a gente está sendo acusado? Não tivemos nem acesso ao inquérito”, disse Caetano.

Em nota, a Brigada disse que está “em choque com a prisão de pessoas que não fazem senão dedicar parte de suas vidas à proteção da comunidade, porém certos de que qualquer que seja a denúncia, ela será esclarecida.”

Atividades paralisadas

O Projeto Saúde e Alegria está com as atividades paralisadas, conforme informou um dos representantes da ONG, o médico Eugênio Scanavino.

Eugênio disse ainda que estavam programadas atividades importantes nos próximos dias. Nesta sexta-feira (29) o Projeto Saúde e Alegria faria doação de equipamentos de prevenção a incêndios e na próxima semana a ONG faria um “mutirão” de cirurgias, no barco-hospital da instituição.

“Isso pode acontecer com qualquer uma outra organização, e a gente pode responder pela nossa. A nossa administração tá limpa, nossa prestação de contas está limpíssima, tudo ali tem nota fiscal e eu espero que eles lá na polícia guardem essas notas, não alterem nada, não mudem nada, porque estão todos os originais”, disse Eugênio.

A ONG Saúde e Alegria está localizada em Santarém e tem diversos projetos na região, como a instalação de placas de luz solar em comunidades e o incentivo de produção agrícola sem o uso do fogo. A ONG tem, ainda, um projeto na Reserva Extrativista Tapajós-Aripuns, com a comunidade local.

Queimadas

As chamas que atingiram a APA Alter do Chão começaram no dia 14 de setembro e afetaram grande área da mata nativa. Já no dia 15 de setembro, os brigadistas iniciaram o combate ao fogo, que naquele momento tinha três grandes focos. O Corpo de Bombeiros e o Exército Brasileiro também foram acionados.

O local onde as chamas foram avistadas era de difícil acesso. Na área não havia sinal de telefone celular, o que também prejudicou a comunicação e trabalho das equipes. A estratégia para chegar à localidade foi por via fluvial e terrestre, por estrada alternativa.

O combate ao incêndio ganhou o reforço de um helicóptero, na tarde do dia 16. A aeronave buscou água várias vezes no Rio Tapajós. Os focos de queimadas só cessaram no dia 17 de setembro.

A Brigada Alter do Chão

A Brigada de Alter do Chão é um projeto da ONG Instituto Aquífero Alter do Chão e foi criada em 2018. Composta por cerca de 20 pessoas, é independente e tem como objetivo trabalhar de forma voluntária para proteger a floresta e as pessoas de Alter do Chão e região do Eixo Forte.

Desde 2018, a Brigada atua no combate a incêndios florestais, educação ambiental e no apoio ao Corpo de Bombeiros para formação de novas brigadas em Santarém e região. Seus integrantes foram formados por Bombeiros Militares e Defesa Civil de Santarém, e pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Turismo de Belterra (Semat).

G1

 

Polícia Civil aponta indícios que ONGs tenham atuado em incêndios devastadores em Alter do Chão, no Pará; suspeitos são presos e documentos apreendidos

Foto: Marlena Pinheiro Soares/Arquivo pessoal

A Polícia Civil do Pará cumpriu na manhã desta terça-feira (26) quatro mandados de prisão preventiva contra brigadistas de Alter do Chão, em Santarém, no Pará (a 1.231 km de Belém).

As prisões aconteceram no âmbito da operação Fogo do Sairé, que apura a origem dos incêndios que atingiram a região de Alter do Chão em setembro deste ano.

Ao todo, o fogo consumiu uma área equivalente a 1.600 campos de futebol e levou quatro dias para ser debelado por brigadistas e bombeiros.

De acordo com a Polícia Civil, uma investigação de dois meses apontou indícios de que ONGs, entre elas a Brigada de Incêndio de Alter do Chão, tenham atuado como causadoras do incêndio.

Foram presos Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner. Também foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão.

Um dos mandados de busca foi cumprido na sede do Projeto Saúde e Alegria, uma das ONGs mais reconhecidas da região e que já recebeu vários prêmios por sua atuação na Amazônia. A ONG é integrante da Rede Folha de Empreendedores Socioambientais e, na semana passada, ganhou o Prêmio Melhores ONGs do Brasil com outras 99 organizações.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fernando disse:

    Quem rouba, sabota, mata, prevarica, mente, engana … Enfim, são criminosos costumazes, e isso todos sabemos que a esquerdalha é phd

  2. Lula_lavador_de_dinheiro disse:

    Ora ora, quem diria.
    👉🏾👉🏾

  3. Ems disse:

    Por que não estou surpreso ?

  4. #Lula Na Cadeia sempre disse:

    ONG são o câncer do BRASIL , criado na era PTralhas para roubar

  5. PITANGA disse:

    É blog bolsonarista que chama?

Onze vereadores de Santa Rita, PB, são presos suspeitos de desviar dinheiro público para viagem

Onze vereadores de Santa Rita, PB, são presos suspeitos de desviar dinheiro público para viagem — Foto: TV Cabo Branco/Reprodução

Onze vereadores e um contador da Câmara Municipal de Santa Rita, na Grande João Pessoa, foram presos na madrugada desta terça-feira (5), suspeitos de desviar dinheiro público para custear despesas de uma viagem feita para a cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul. Os parlamentares foram detidos durante a operação ‘Natal Luz’ do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB).

De acordo com o delegado Allan Terruel, a operação teve início após o MP suspeitar da viagem dos vereadores, que usaram um seminário como justificativa para a ida a Gramado. A empresa organizadora da viagem seria da cidade de Sergipe, o que fez a investigação ser iniciada. A operação contou com a participação da Gaeco da PB e do Rio Grande do Sul, além da Polícia Civil de Sergipe. De acordo com a operação, só em diárias foram gastos R$69 mil.

“Monitoramos todas as atividades dos vereadores e de todas as pessoas que os acompanhavam. A polícia civil fez o levantamento da empresa que estaria responsável pelo suposto seminário e pela viagem, e foram confeccionados dois relatórios”, explicou o delegado, acrescentando que todas as ações levam a confirmar uma viagem de lazer e turismo. Entre os vereadores detidos, está o presidente da câmara do município, Anésio Alves.

Ainda segundo Terruel, foi confirmado que os parlamentares forjaram o evento para realizar a viagem com dinheiro público. Os vereadores foram encaminhados para a Central de Flagrantes, em João Pessoa, onde aguardam a audiência de custódia, prevista para acontecer ainda nesta terça-feira (5).

Outros gastos

Durante a investigação, o Ministério Público constatou que a empresa organizadora da suposta palestra, de Sergipe, já recebeu da Câmara de Santa Rita R$58.200, em 2019 e R$ 49.200 em 2018. Além disso, de acordo com as informações presentes no Portal da Transparência da Câmara, desde 2017, a participação dos parlamentares do município em cursos de capacitação, é comum.

Antes da viagem a Gramado, os vereadores também participaram de outros congressos capacitantes nos estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraná. De acordo com os números, só com diárias, em 2017, os vereadores da atual gestão gastaram R$ 316.711,88, em 2018 o valor do gasto com o dinheiro público subiu para R$ 425.798,00, e em 2019, até o momento, foram R$ 585.492,24 usados para custear a estadia dos suspeitos.

Vereadores presos durante a operação ‘Natal Luz’

1 – Anesio Alves de Miranda Filho
2 – Brunno Inocencio da Nóbrega Silva
3 – Carlos Antônio da Silva
4 – Francisco de Medeiros Silva
5 – Diocélio Ribeiro de Sousa
6 – Francisco Morais de Queiroga
7 – João Evangelista da Silva
8 – Ivonete Virgínio de Barros
9 – Marcos Farias de França
10 – Sérgio Roberto do Nascimento
11 – Roseli Diniz da Silva

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. pereira disse:

    Parabens ao GAECO e a JUSTIÇA de modo geral. Agora quero vê pegarem tubarão, por que pegar lambari é fácil fácil.

  2. Fernando Bastos disse:

    Maravilha de exemplo, achavam que ainda estavam o velho e antigo Brasil.

  3. Yago disse:

    Ai sim está o ralo onde o dinheiro público vai embora, deveriam existir no máximo 5 vereadores numa cidade pequena, isso sem receber salário, 90% são larápios do dinheiro público.

Adolescentes suspeitos de assalto a transporte coletivo são apreendidos pela Guarda Municipal em Natal

Foto: Divulgação

A Guarda Municipal do Natal (GMN) aprendeu, nessa terça-feira (15), dois adolescentes de 17 e 16 anos suspeitos de roubo a um transporte coletivo da empresa Santa Maria. Os detidos foram pegos pelos guardas municipais minutos após a consumação do delito, que ocorreu na Rua Padre João Manoel, no bairro de Cidade Alta.

De acordo com informações repassadas pela Coordenação da Ronda Saúde da GMN, os guardas municipais faziam patrulhamento na área do Hospital dos Pescadores, no bairro da Rocas, quando o motorista do ônibus da empresa Santa Maria solicitou apoio da guarnição relatando que dois homens haviam acabado de fazer um arrastão no transporte coletivo levando todo o dinheiro que estava no caixa.

Os guardas municipais saíram em diligência no intuito de capturar os suspeitos e de posse das características dos dois rapazes conseguiu localizar, identificar e apreender os adolescentes. Logo em seguida, os suspeitos foram apresentados as vítimas que os reconheceram como sendo os autores do assalto.

Os adolescentes foram conduzidos a Delegacia de Plantão Zona Sul onde foram concluídos os procedimentos de apreensão, ficando ambos à disposição da justiça.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Az disse:

    Pode juntar toda a policia pra fazer segurança nos ônibus que eles migram pra farmácia, mercadinhos e etc ,esse ECA é uma mãe, não tem jeito se não mudar.

  2. J .fernandes disse:

    Tem que juntar todas as polícias para coibir assaltos a transportes, já é sofrido por causa das goteiras, baratas e lotações!

PF prende suspeitos de assaltarem carros-fortes no RN e CE

Fotos: Divulgação/PF

Policiais da Delegacia da PF em Mossoró/RN prenderam nesta terça-feira (24), na cidade de Fortaleza/CE, dois homens acusados de pertenceram a uma organização criminosa especializada em assaltos a carros-fortes. As prisões foram em decorrência da expedição dos respectivos mandados judiciais de prisão preventiva expedidos pela 10ª Vara Justiça Federal em Mossoró.

Os presos nesta manhã participaram na data de 25/06/2018 da tentativa de roubo ao carro-forte da empresa BRINKS, ocorrida na divisa do Rio Grande do Norte com o Ceará. Naquela ocasião, os criminosos efetuaram diversos disparos de arma de fogo contra os veículos que trafegavam na rodovia, bem como na direção de policiais que atuaram na ocorrência policial.

Muito embora o bando tenha utilizado explosivos para acessar o interior do veículo, o crime não se consumou em virtude da atuação dos policiais que prontamente reprimiram a ação delituosa.

Após os procedimentos de praxe, os presos foram encaminhados ao Instituto Presídio Olavo Oliveira (IPPO II), em Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza, onde estão custodiados, à disposição da Justiça.

Suspeitos de matar adolescente da Grande Natal são presos no Recife-PE

Foto: Arquivo Pessoal

Uma ação conjunta da Polícia Civil da Paraíba com a DHPP de Pernambuco prendeu dois suspeitos de matar a adolescente Karolina Oliveira Gomes, de 16 anos, no dia 06 de agosto na cidade de Mamanguape – PB. De acordo com informações preliminares, os homens foram presos sob força de mandados de prisão temporária expedidos pelo poder Judiciário da Comarca de Mamanguape, e estavam escondidos na comunidade de Ibura, no Recife. Na ocasião,  o celular da vítima foi apreendido.

A adolescente desapareceu da cidade de Goianinha no dia 05 a noite depois de sair de casa para ir a uma lan house. O seu corpo foi encontrado com marcas de violência no dia seguinte em uma região de mata.

Polícia Civil e PM prendem suspeitos de arrastões na Lagoa do Bonfim, na Grande Natal

Foto 1: Arquivo/Tribuna do Norte. Foto 2: Divulgação Polícia Civil

Policiais civis da Delegacia Municipal de Nísia Floresta deflagraram a Operação Lagoa Segura, com apoio de policiais militares e do Comando do Policiamento Rodoviário Estadual (CPRE), na manhã desta terça-feira (06), em Nísia Floresta. A ação resultou na prisão de dois homens e na apreensão de um adolescente suspeitos de terem praticado roubos em granjas localizadas na área da Lagoa do Bonfim, em Nísia Floresta.

Foram presos Anderson Viana de Santana, conhecido como “Pó” e Francisco Urbano da Silva, conhecido como “Chico Urbano”. Ambos foram detidos em cumprimento a mandados de prisão preventiva expedidos pela Comarca de Nísia Floresta. Um adolescente de 16 anos, suspeito de integrar o grupo, foi apreendido durante a Operação.

De acordo as investigações, o trio teria cometido roubos em duas granjas na Lagoa do Bonfim no mês de julho. Os suspeitos chegaram armados nos locais, renderam diversos moradores e levaram vários objetos como TVs e celulares. Os suspeitos também roubaram um carro, pertencente a um morador, com o intuito de transportar os produtos do crime.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181 ou através do Disque Denúncia/Whatsapp da Delegacia de Nísia: (84) 98118-7675.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Suspeitos de hackear celulares teriam feito 5.616 ligações para acessar Telegram de autoridades

Reprodução

Os investigadores que atuaram na apuração das invasões dos celulares do ministro da Justiça, Sérgio Moro, de magistrados, procuradores e policiais apontaram que os suspeitos de terem feito o hackeamento dispararam 5.616 ligações para os telefones das autoridades por meio de robôs para congestionar as linhas e, com isso, viabilizar o acesso às contas do aplicativo de mensagens Telegram.

A informação foi detalhada em trecho do despacho do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, que determinou a prisão de quatro suspeitos de envolvimento nas invasões dos celulares por meio da Operação Spoofing.

Segundo definição da Polícia Federal, spoofing é o termo em inglês que define a “falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é”.

“Realizadas as diligências investigativas, a autoridade policial logrou inferir como o invasor teve acesso ao código enviado pelos servidores do aplicativo Telegram para a sincronização do serviço Telegram Web relativo às contas invadidas”, escreveu o juiz federal ao longo das 13 páginas da decisão judicial.

Ao longo da decisão, o magistrado do Distrito Federal relata o suposto modus operandi utilizado pelos acusados de hackeamento para obter as conversas do Telegram das autoridades.

Além de Moro, informou o juiz no despacho, também teriam sido alvo das invasões de celulares o desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), o juiz federal Flávio Lucas, da 18ª Vara Federal do Rio de Janeiro e os delegados de Polícia Federal (PF) Rafael Fernandes e Flávio Vieitez Reis.

O próprio juiz destacou na decisão que o Telegram permite que um usuário solicite o código de acesso por meio de uma ligação telefônica para, posteriormente, receber uma chamada de voz contendo o código para ativação do serviço web do aplicativo. Após esse procedimento, a mensagem fica gravada na caixa postal das vítimas.

Vallisney explica ainda no despacho que, para hackear os celulares, o invasor dispara várias ligações para o número alvo com o objetivo de que a linha telefônica fique ocupada. Com esse procedimento que ludibria o aplicativo, a ligação com o código de acesso ao serviço web do Telegram acaba sendo direcionada para a caixa postal da vítima.

Concluída essa etapa, os criminosos acessam a caixa de postal do celular para obter o código que permite entrar na conta do Telegram por meio de uma página da internet.

Voip

Para efetuar as milhares de ligações para os celulares das vítimas, os hackers usaram um serviço de voz baseado na tecnologia Voip, que permite a realização de ligações de qualquer lugar do mundo por meio de computadores, telefones convencionais ou celulares.

De acordo com os investigadores, os supostos invasores presos pela Polícia Federal utilizaram o serviço prestado pela microempresa BRVoz. Nas ligações feitas via serviços de voz sobre IP ou aplicativos permitem a modificação do número que está efetuando a chamada.

Na apuração do caso, os policiais e peritos identificaram a rota de interconexão com a operadora Datora Telecomunicações Ltda, que, segundo a decisão judicial, “transportou as chamadas” destinadas ao número de Moro após ter recebido as chamadas pelo Voip.

Conforme o relato do juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, os usuários da BRVoz – o serviço que teria sido utilizado pelos suspeitos de invadir o celular de Moro – podem realizar ligações telefônicas simulando o número de qualquer terminal telefônico utilizando a função “identificador de chamadas”.

Ainda segundo Vallisney, após a análise do sistema e dos logs da BRVoz, os policiais conseguiram identificar todas as ligações efetuadas para o telefone do ministro da Justiça que partiram do usuário cadastrado na conta de Voip registrada em nome de Anderson José da Silva.

O magistrado ressaltou ainda que também partiram desta conta atribuída a Anderson as ligações feitas para os celulares do desembargador do TRF-2, do juiz da 18ª Vara Federal do Rio de Janeiro e dos dois delegados federais.

Rastreamento dos suspeitos

Após rastrear os IPs atribuídos aos dispositivos (computador ou celulares) que se conectaram ao Voip da BRVoz para disparar ligações aos telefones das autoridades, relata o juiz no despacho, os policiais identificaram os moradores dos endereços onde estariam localizados os equipamentos de onde partiram as chamadas:

Walter Delgatti Neto
Gustavo Henrique Elias Santos
Marta Maria Elias
Suelen Priscila de Oliveira

Segundo consta no despacho do juiz federal, Gustavo é filho de Marta e namorado de Suelen. O magistrado cita ainda na decisão o nome de Danilo Cristiano Marques, que, de acordo com a investigação, possui um dispositivo com o mesmo IP que se conectou ao serviço de Voip da BRVoz.

Vallysnei afirma em outro trecho do despacho que os investigadores, com o objetivo de demonstrar que os suspeitos já tinham ligação entre si antes mesmo de se envolverem no suposto ataque hacker, apresentaram à Justiça um histórico de possíveis crimes “praticados em conjunto” por Walter, Danilo, Gustavo e Suelen.

Os quatro foram presos nesta terça-feira (23) pela Polícia Federal na deflagração da Operação Spoofing.

(mais…)

Juiz diz que suspeitos de hackear celulares podem integrar organização criminosa: “fortes indícios”

Juiz Vallisney de Souza Oliveira – TRF1/Direitos reservados

Ao autorizar a Polícia Federal (PF) a prender, em caráter temporário, quatro dos suspeitos de acessar, sem autorização, os telefones celulares de autoridades públicas como o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, titular da 10ª Vara Federal de Brasília, afirmou enxergar “fortes indícios de que os investigados integram organização criminosa”.

Em sua decisão, o magistrado escreveu que, ao pedir a prisão temporária de Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos, Suelen Priscila de Oliveira e Walter Delgatti Neto, a PF apresentou “um histórico de possíveis crimes” que os investigados praticaram em conjunto” para “violar o sigilo telefônico de diversas autoridades públicas brasileiras via invasão do aplicativo Telegram”.

Para o juiz, as prisões temporárias dos investigados pelo prazo de cinco dias são essenciais para a obtenção de provas. Inclusive, “sendo o caso, provas contra outros [possíveis] membros da organização”. Além das detenções temporárias, Oliveira autorizou também a realização de buscas e apreensões em sete endereços ligados aos suspeitos, nas cidades de Araraquara, Ribeirão Preto e São Paulo.

O magistrado também autorizou a quebra do sigilo das mensagens eletrônicas dos investigados, determinando às empresas Apple, Google, Uol/Bol e Microsoft que forneçam os dados cadastrais, os registros IP de acesso e todos os dados e arquivos em nuvem relativos às contas de e-mail dos suspeitos que tenham sido armazenados nos últimos seis meses.

Por fim, o juiz deferiu o pedido de quebra do sigilo bancário de Danilo, Gustavo, Suelen e de Walter, determinando ao Banco Central comunicar a decisão judicial às instituições bancárias com quem os quatro tenham se relacionado entre primeiro de janeiro deste ano e 17 de julho. Valores superiores a R$ 1 mil disponíveis nas contas dos suspeitos deverão ser bloqueados.

De acordo com a PF, Gustavo movimentou em sua conta bancária R$ 424 mil entre 18 de abril e 29 de junho deste ano. Sua companheira, Suelen, movimentou pouco mais de R$ 203 mil entre sete de março e 29 de maio últimos. Ainda segundo a PF, Gustavo, um dj de 28 anos, informou ao banco em que tem conta que seu rendimento mensal é da ordem de R$ 2.866. Suelen informou ganhar, mensalmente, cerca de R$ 2.192.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, ontem (23), os policiais federais apreenderam R$ 100 mil na casa de Gustavo. De acordo com o advogado Ariovaldo Moreira, defensor do casal Gustavo e Suellen, a quantia apreendida seria usada para a compra de bitcoins (criptomoeda). “Ele garante ter como comprovar a origem do dinheiro apreendido”, afirmou, hoje, Moreira.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco disse:

    Ô burro, a operação já diz tudo, os hakers invadiam os celulares das autoridades, criavam histórias, deturparam conversas e vendiam a preço de banana pra os otários, que divulgavam, e como sempre os esquerdopatas, que acreditam que luladrão e a cambada de ladrões presos pela lava-jato são inocentes, também acreditavam nessas falsas mensagens. Esses petralhas são tontos mesmo, qualquer idiota faz eles de babacas

  2. Walsul disse:

    Um celular é roubado. Nele tem imagens do estupro de uma criança, mas para as autoridades não são as imagens do estupro que importam, mas que o Celular foi roubado. Prenderam os hackers, ótimo, cometeram crimes, mas como ignorar o estupro a constituição, aos direitos individuais e ao possível enriquecimento por parte das autoridades que as mensagens mostram? O jornalista faz o seu papel que é divulgar o que é de interesse público. Lógico que a delação para prender ou expulsar o jornalista é o objetivo, os crimes cometidos precisam ser protegidos pelo Estado (fascista), mas como farão para parar a divulgação. Aqui é fácil, temos uma imprensa mercenária, mas com certeza, isso está espalhado pelo mundo e não conseguirão impedir que o povo tome conhecimento.

  3. Fernando disse:

    Apesar de não conterem nada comprometedor nelas, raquear celular é crime. Verdevaldo deve estar se borrando nas calças, já tem quatro presos, ele é o próximo.
    Acabou a impunidade, petistas!!!

  4. Ivan disse:

    Tô gostando desse Juiz…Agora é descobrir quem pagou, e, CANA!!!!!!!!!!!!!! Vai ter petista no meio…

  5. Cidadão Atento disse:

    ENTÃO AS MENSAGENS ERAM VERDADEIRAS MESMO!

    • Rômulo© disse:

      Isso é o que realmente importa. Estou pouco me lixando como elas foram obtidas. Ninguém se daria a esse trabalho todo para inventar historinhas!

    • Messias disse:

      Pense numa sociedade que está vendo tudo ao contrário.
      Se eram "verdadeiras", o que leva a pensar assim?
      O meio que foram obtidas era legal?
      A forma como foram publicadas não tinha manipulação?
      Quem roubou as mensagens tinham ficha limpa?
      Os envolvidos nas ações ilegais, eram mais de 03, então formam uma organização, entendeu? Precisa desenhar? Acho que nem desenhando vai doer menos

    • Karlos Madeiro disse:

      Que delírio…
      Se as mensagens são verdadeiras? Muda o quê?
      Se elas são verdadeiras ou não, o mais importante que não mostram qualquer conduta indevida, não trás nenhuma irregularidade, não prova nada de errado. O resto é o de sempre, choro e revolta dos amates de corruptos.

PM prende em shopping em Natal suspeitos com equipamento que bloqueia travamento de carros

O portal G1-RN destaca nesta segunda-feira(15). Dois homens suspeitos de realizar furtos foram presos pela Polícia Militar nesta  tarde no estacionamento de um shopping na Zona Norte de Natal. Eles foram flagrados com um equipamento capaz de inibir o travamento e o acionamento do sistema de alarme em veículos. A ação policial aconteceu após uma denúncia. Confira aqui detalhes.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ALEXANDRE MAGNO disse:

    Bom dia
    Quando a imprensa deixar de chamar BANDIDOS DE SUSPEITOS tenho certeza que darei mais credibilidade as noticias

Polícia Civil prende homem e apreende adolescente suspeitos de praticar assaltos em praias do litoral sul

Policiais civis da Delegacia de Nísia Floresta, com o apoio da Polícia Militar prenderam, nesta quinta-feira (04), Ruan Carlos dos Santos, conhecido como “Rasta” e apreenderam um adolescente, suspeitos de praticarem roubos, juntamente com outros três homens, em uma casa em Pirangi do Sul, um mercadinho em Búzios e outro em Pium, no mês de outubro de 2018. Após a prisão, os dois confessaram o envolvimento nos roubos.

Segundo o delegado Marcelo Aranha, titular da Delegacia de Nísia Floresta, “os autores relatam que inicialmente praticaram o roubo em Pirangi do Sul, no qual inclusive teriam agido com violência contra a vítima, e, logo após, efetuaram os outros assaltos, em Búzios e Pium”. Os outros três integrantes da quadrilha já foram presos anteriormente, sendo eles João Victor Cunha de Lima, José Luís Ramos da Silva e Mateus Pacheco dos Santos.

Ainda de acordo com o delegado, “ações como essa são de extrema relevância para redução dos índices de ‘Crimes Violentos Contra o Patrimônio – CVPs’, dentre os quais se incluem roubos e arrombamentos. Em Nísia Floresta, neste primeiro trimestre, houve redução de quase 40% de crimes dessa natureza, sendo 46 em 2018 e 28 em 2019. Quantos aos roubos, especificamente, os números caíram de 44 para 19, em relação ao mesmo período”.

No que diz respeito aos “Crimes Violentos Letais Intencionais – CVLIs”, nos quais estão incluídos os homicídios, o município também experimentou uma redução, correspondente a mais de 44%, com 09 CVLIs em 2018 e 05 em 2019.

A Polícia Civil solicita a ajuda da população para envio de informações que possam auxiliar nas investigações. Qualquer informação poderá ser comunicada por meio do disque denúncia anônimo, número 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

FOTOS E VÍDEO: Polícia Civil divulga imagens de suspeitos de executar homem na Zona Sul de Natal

Fotos e vídeo: cedidos

A Divisão Especializada em Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) divulgou, nesta segunda-feira (18), imagens de câmeras de segurança de dois homens que são suspeitos de terem assassinado Alexsandro Oliveira de Medeiros, conhecido como “Muganga”, no dia 01 de agosto de 2018, na rua Arapiraca, conjunto Jiqui, bairro Neópolis, zona sul de Natal.

A vítima estava consertando um veículo em frente à oficina do irmão, juntamente com um amigo, quando foi executado em via pública por dois homens que estavam em uma motocicleta. A Polícia Civil solicita que a população envie informações anônimas, que ajudem a identificar e localizar os suspeitos, para o Disque-Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Adolescentes são apreendidos suspeitos de estuprar criança dentro de banheiro em escola particular em João Pessoa-PB; Polícia investiga mais vítimas de estupro e participação de ex-funcionário

Polícia investiga mais vítimas de estupro em banheiro de escola e ex-funcionário suspeito, na PB — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Três adolescentes foram apreendidos na manhã dessa segunda-feira (11) em João Pessoa suspeitos de estuprarem uma criança de oito anos dentro de uma escola particular. Segundo informações da Polícia Civil, as apreensões foram em decorrência de mandados judiciais após processo que tramita em segredo de justiça desde maio de 2018.

Dois adolescentes foram apreendidos nos bairros de Manaíra e Tambauzinho, em João Pessoa. Um terceiro adolescente foi apreendido no início da tarde desta segunda. Todos os apreendidos foram encaminhados para o Centro Educacional do Adolescente (CEA), no bairro de Mangabeira.

Em nota publicada em uma rede social, o Colégio Geo afirmou que “a partir do momento que tomou conhecimento da notícia, o Colégio GEO tem buscado junto ao poder público a apuração dos fatos. Em respeito à privacidade dos menores envolvidos, o procedimento tramita em segredo de justiça e no âmbito do Poder Judiciário. O colégio está empenhado no esclarecimento integral da verdade”.

De acordo com a delegada Roberta Neiva, gerente da seccional de João Pessoa, um quarto suspeito, alvo de um dos quatro mandados de busca e apreensão , não tinha sido localizado até as 15h40 desta segunda-feira.

“A família da criança, que tinha oito anos na época do caso, trouxe o caso até a polícia. O caso foi para o âmbito judiciário e foi determinada a apreensão dos quatro adolescentes envolvidos”, explicou Roberta Neiva.

Os adolescentes apreendidos têm idades entre 14 e 17 anos. A delegada explicou que eles devem responder pelo ato infracional semelhante ao crime de estupro. “Não temos conhecimento de outras denúncias envolvendo o quatro adolescentes”, relatou a delegada.

Até o início da tarde desta segunda-feira, o outro adolescente alvo do mandado judicial não tinha sido localizado.

Polícia investiga mais vítimas de estupro em banheiro de escola na PB; ex-funcionário é suspeito

A polícia já concluiu o inquérito sobre o estupro de duas crianças, dentro do banheiro de uma escola particular de João Pessoa, e investiga a violência sexual contra outras duas possíveis vítimas. O caso ganhou repercussão nesta segunda-feira (12), quando três adolescentes foram apreendidos suspeitos do ato infracional. Todas as vítimas são meninos de até 10 anos de idade.

Segundo a delegada Joana D’arc Sampaio, também foi confirmada a participação de um ex-funcionário da escola nos crimes. “Ele participava ativamente de alguns abusos e em outros ele dava cobertura apenas olhando o ato”, disse a delegada.

A investigação começou em maio de 2018, com a denúncia da primeira vítima. A segunda vítima foi identificada em dezembro de 2018 e confessou, em depoimento, que também participou dos abusos contra a primeira criança, conforme explicou a delegada.

Ainda de acordo com a delegada, o ex-funcionário – afastado em 2018 após as denúncias – e os adolescentes suspeitos de praticar a violência foram ouvidos ainda em maio de 2018. A delegada afirmou que uma das vítimas relatou que o zelador destravava as portas dos banheiros para praticar os abusos. O suspeito responde em liberdade, sob medidas cautelares da justiça.

Os abusos vieram à tona após a mãe de uma das vítimas receber um aviso da escola que comunicava que o filho dela estava indo com muita frequência ao banheiro. Além disso, a criança também passou a ter um “comportamento agressivo e também choroso”. “Em conversa com a mãe, a vítima contou sobre os abusos e a investigação foi iniciada”, disse a delegada.

Segundo o delegado da Infância e Juventude, Gustavo Carlleto, que está à frente do caso, dois inquéritos já foram concluídos, mas outros podem ser abertos caso apareçam novas vítimas.

Em nota publicada em uma rede social, o Colégio GEO afirmou que “a partir do momento que tomou conhecimento da notícia, o Colégio GEO tem buscado junto ao poder público a apuração dos fatos. Em respeito à privacidade dos menores envolvidos, o procedimento tramita em segredo de justiça e no âmbito do Poder Judiciário. O colégio está empenhado no esclarecimento integral da verdade”.

Três adolescentes foram apreendidos na segunda-feira (11), suspeitos de praticar os abusos. Até o início da tarde desta terça-feira (12), o quarto adolescente alvo do mandado judicial não tinha sido localizado.

“Já tem uma audiência marcada para uma data próxima, e diante dessa audiência possa ser que venha uma nova decisão do juiz sobre esse fato”, afirmou o delegado Carlleto.

G1