Jornada em Defesa da Vida de Pessoas Idosas é promovida pela Frente Parlamentar da ALRN

Foto: Divulgação

Será realizada na próxima segunda-feira (06) a “Jornada em Defesa da Vida de Pessoas Idosas”, promovida pela Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN), que tem à frente o deputado Ubaldo Fernandes (presidente) e o presidente do Conselho Municipal das Pessoas Idosas do Natal, André Arruda (vice-presidente). “A ideia deste encontro é debater novas ações para proteger nossos idosos e rever o que tem sido feito para a promoção da saúde e do bem-estar dessa população tão importante em nosso Estado “, explica Ubaldo Fernandes.

A Jornada ocorrerá das 9h às 12h, por videoconferência, e será transmitida ao vivo pela TV Assembleia, pelos canais 51.3 (TV aberta) ou 18.1 (em várias regiões do RN), pelo YouTube e pelo site da ALRN (www.al.rn.leg.br). Os interessados ainda podem participar, enviando perguntas pelo WhatsApp (84) 98848-8516. Na oportunidade, será lançada a “Rede de Proteção e Valorização à Pessoa Idosa do Rio Grande do Norte”, com objetivo de garantir o direito da pessoa idosa a viver em paz e com dignidade. “Esta Rede trabalhará, de forma integrada, para fortalecer os serviços já existentes e apoiar novas iniciativas que assegurem a dignidade e a visibilidade das pessoas idosas do Estado”, ressalta o parlamentar.

Participarão como convidados desta Jornada Maria Socorro de Morais, primeira Secretária Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa; Suely Magna Nobre Felipe, promotora do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MP/RN); Terezinha Peixoto Cabral, representante da Associação do MP/RN; Deborah Cartagenes, presidente da Comissão Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa do Conselho Federal da OAB; Crismedio da Costa Neto, gerontólogo e ativista do Intercâmbio 60+; senador Paulo Paim (PT/RS); deputada federal Tereza Nelma (PSDB/AL); e deputado federal Roberto de Lucena (PV/SP).

Advogados de militares farão defesa de Flávio Bolsonaro

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Com a saída do advogado Frederick Wassef da defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o filho mais velho do presidente passará a ser representado pelos defensores Luciana Pires e Rodrigo Rocca nas investigações sobre a “rachadinha”, prática ilegal de devolução de salários de assessores na Assembleia Legislativa do Rio.

Flávio junto com Fabrício Queiroz, ex-chefe da segurança dele, são investigados por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa pelo Ministério Público do Rio. Na quinta-feira passada, Queiroz foi preso em um sítio de Wassef em Atibaia, no interior de São Paulo.

Luciana Pires já advogou para a ex-deputada Cidinha Campos, para o deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ) e atualmente defende o ex-presidente da Fecomércio-RJ Orlando Diniz nos processos da Operação Lava-Jato no Rio. Rocca também advogou para o ex-governador Sérgio Cabral durante os processos que ele responde na operação Lava-Jato. Ele, porém, deixou o caso quando Cabral decidiu fazer delação premiada.

O GLOBO apurou que Luciana Pires e Flávio Bolsonaro se conhecem há mais de dez anos, desde o tempo em que ela trabalhou para Cidinha. No entanto, o que foi decisivo para que o Planalto concordasse com o nome da dupla de advogados foi a atuação deles em defesa de militares acusados por crimes cometidos durante a ditadura.

Ela e Rocca já foram sócios e atuaram na defesa de diversos militares que foram processados pelo Grupo de Justiça de Transição do Ministério Público Federal no Rio (MPF) desde 2014. Para o grupo de procuradores, alguns dos crimes cometidos na ditadura configuram crimes contra a humanidade e, por isso, não são passíveis de anistia.

Luciana, por exemplo, defendeu o general Nilton Cerqueira denunciado por seu envolvimento no atentado do Riocentro. Na época, Cerqueira era comandante geral da Polícia Militar (PM) do Rio e, segundo as investigações, ele teria mandado suspender o policiamento na área do centro de convenções quando um grupo de militares pretendia plantar bombas no evento que estava lotado. A denúncia contra os militares envolvidos no caso foi aceita pela Justiça Federal em 1ª instância, mas depois foi trancada nos tribunais superiores.

Já Rocca advogou para o general reformado José Nogueira Belham, acusado pelo assassinato e ocultação do cadáver do deputado federal Rubens Paiva em janeiro de 1971. O parlamentar, cassado à época, foi preso em casa no Rio e levado para o Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI) do Rio na Barão de Mesquita. Belham era o chefe do DOI e foi acusado por outros militares de saber que Paiva estava sendo torturado, mas não tomou providências. A denúncia também foi aceita em primeira e segunda instância, mas uma liminar do ministro Teori Zavascki trancou o caso em 2014 e com a morte do magistrado o caso ficou com o ministro Alexandre de Moraes.

Defesas anteriores

Luciana Pires já representava Flávio no inquérito eleitoral que também investiga o senador por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica na declaração de bens à Justiça Eleitoral. Além disso, ela é a responsável por um habeas corpus que discute a competência do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do TJ do Rio. Esse HC será julgado na próxima quinta-feira pela 3ª Câmara Criminal do TJ e a argumentação da defesa é de que como Flávio era deputado, na ocasião dos fatos investigados, ele tem direito ao foro dos deputados estaduais que é junto ao Órgão Especial do TJ, e não na primeira instância, como ocorreu até agora. O MP argumenta que há existe jurisprudência nos tribunais superiores mostrando que o foro se encerra quando o mandato se encerra.

Itabaiana foi o responsável por determinar as medidas cautelares do caso da “rachadinha”. Desde abril do ano passado, Itabaiana já determinou a quebra de sigilo bancário e fiscal de Flávio e outras 103 pessoas e empresas, além de mandados de busca e apreensão. Na quinta-feira, o juiz também decretou a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio, e de sua mulher Márcia Oliveira de Aguiar, que está foragida. Se a 3ª Câmara decidir a favor da defesa, as decisões de Itabaiana podem ser anuladas e as provas colhidas até aqui não poderão ser utilizadas.

No ano passado, ela foi procurada por ele para fazer o primeiro habeas corpus que pretendia discutir a competência do juiz do caso. O HC foi apresentado em setembro, mas depois foi retirado para aguardar o julgamento do compartilhamento de dados feito pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) no Supremo Tribunal Federal. Com a derrota de Flávio no STF, ele foi novamente apresentado no TJ em março.

Frederick Wassef deixou a defesa de Flávio Bolsonaro depois de 18 meses. Em entrevista ao canal CNN Brasil, o advogado voltou a dizer que não fez nada de errado, mas está deixando a causa porque, segundo ele, a mídia tem se aproveitado da situação para atacar o senador e o pai, o presidente Jair Bolsonaro. Wassef disse que outro profissional assumirá a causa na segunda-feira, mas não revelou quem será.

– Assumo total responsabilidade e estou saindo do caso, substabelecendo (o processo) para outro colega. Ficarei fora do caso para que não me usem – disse.

Em nota divulgada na manhã desta segunda-feira, a assessoria do senador confirmou que “Rodrigo Roca é o novo advogado do senador Flávio Bolsonaro”. A nota afirma ainda que “a advogada Luciana Pires já estava no eleitoral e no HC que será julgado quinta-feira. Com a saída de Frederick Wassef, os dois passam a atender o parlamentar”.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Se o camarada é contratado pelo poder público para prestar serviço por um valor e recebe 1/3 desse valor e devolve 2/3 para o deputado, pergunto: Qual é a diferença de contratar o serviço de uma empresa por um valor e depois repassar parte desse deinheiro pra um político, como nos casos do petrolão? Nos dois casos não é superfaturamento?
    Nesse caso o nome rachadinha é pra minimizar a gravidade, pois deveria ser divulgado com o nome superfaturamento de mão
    de obra.

  2. O rei do gado disse:

    Os militares tão querendo mesmo sujar esta instituação fazendo conluio com esses Bolsonaros?! Putz

  3. QUEIROZ TÁ PRESO BABACA!!! disse:

    Estão tentando varrer a merda para debaixo do tapete, mas vai ficar fedendo do mesmo jeito. O anjo mexeu na merda, aí a merda ficou fedendo mais.

  4. Manoel disse:

    Impressionante como os militantes estão jogando na lama um pouco de respeito que ainda tinham, apoiando essa familícia.

Defesa de Queiroz pede à Justiça que ex-assessor vá para prisão domiciliar

Foto: Divulgação

O advogado de defesa do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) Fabrício Queiroz apresentou, nesta sexta-feira (19), à Justiça do Rio de Janeiro um habeas corpus solicitando a substituição da prisão preventiva – por tempo indeterminado – por prisão domiciliar.

“(…) Requer-se a concessão de liminar para determinar a imediata substituição da prisão preventiva decretada contra o paciente por prisão domiciliar”, escreveu o advogado de Queiroz, Paulo Catta Preta.

Queiroz foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo, na manhã de quinta-feira (18). A casa onde ele estava pertence a Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro. Ao ser preso, Queiroz disse que estava “muito doente”. O caseiro do local afirmou que ele estava no local havia mais de um ano.

Também no pedido à Justiça apresentado neste sexta, o advogado usa como argumento, por exemplo, o “atual estágio da pandemia do coronavírus”, e afirma que Queiroz “é portador de câncer no cólon e recentemente se submeteu à cirurgia de próstata”.

“(…) Não há dúvidas da urgência no pedido que justifica a concessão da liminar, sob pena do paciente ter agravamento de sua saúde, colocando em perigo sua vida, conforme se extrai dos laudos médicos acostados à presente impetração”, alegou o advogado.

Outro argumento utilizado pela defesa diz respeito à documentação que comprovaria que Queiroz passou por uma cirurgia há cerca de 2 meses.

Os advogados dizem não ter conseguido “prontuários, laudos e relatórios médicos” porque a Santa Casa da cidade paulista de Bragança Paulista exigiu que houvesse “determinação legal” para a entrega dos documentos.

A análise da solicitação deverá ser feita pela desembargadora Suimei Cavalieri, 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Já a decisão que autorizou a prisão de Queiroz foi do juiz.

Com G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jailson disse:

    Quer ir p casa Queiroz?
    Delata todo mundo!!

Defesa de Flávio Bolsonaro pedirá suspeição de juiz que mandou prender Queiroz; dentre motivos alegados, o fato de a filha do magistrado ser funcionária do governador do RJ, Wilson Witzel

Foto: Felipe Cavalcanti

A advogada do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Luciana Pires, afirmou que irá pedir a suspeição do juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, que expediu o mandado de prisão de Fabrício Queiroz. A informação é do produtor Leandro Resende, da CNN.

Segundo a apuração da CNN, a suspeição será pedida por duas razões. A primeira é pelo fato de Natália Nicolau, que é filha dele, trabalhar com o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) — adversário político de Bolsonaro.

O outro motivo tem relação com o que a advogada classificou como a demora de Itabaiana em apresentar informações da investigação de um outro inquérito – no qual ela é a advogada responsável – que apura indícios de falsidade ideológica eleitoral.

Na quinta (18), o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mencionou a filha do juiz e sugeriu que ela seja investigada. Segundo o senador, Natália possui uma “boquinha” com o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Em entrevista ao jornal Correio da Manhã, Flávio disse não ter dúvidas que a prisão de seu ex-assessor é um movimento para “tentar desgastar o presidente [Jair] Bolsonaro”.

“Alguns dias atrás uma das minhas advogadas já havia dito que pleitearia a suspeição do juiz Flávio Itabaiana porque ele é uma pessoa que tem a filha empregada com o Wilson Witzel, a sócia da filha dele também está emprega no governo Witzel até hoje”, disse o senador ao jornal.

Outro lado

Em nota, o magistrado respondeu as acusações do senador de que suas ações deveriam ser questionadas por causa do cargo da filha.

Ele afirmou que Natália foi nomeada para a administração estadual em 1º de abril de 2019, antes de o caso ser distribuído para a Vara Criminal da qual ele é funcionário. Ele também afirmou que não teve qualquer envolvimento com a contratação dela.

“O magistrado ressalta que não foi a pedido dele que ela foi nomeada para trabalhar lá, pois não tem qualquer contato com o governador nem com qualquer outra pessoa do Palácio Guanabara”, diz nota de seu gabinete.

Ele também disse que o fato de ter uma parente na administração estadual não o torna impedido ou suspeito de julgar o caso.

Investigação

A decisão judicial que ordenou a prisão de Fabrício Queiroz mostra que, segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) pagou mensalidades escolares das filhas do político no mesmo período em que operava o esquema de “rachadinhas” no gabinete do então deputado estadual na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro).

O MP também aponta que Flávio e a esposa pagaram cerca de R$ 260 mil com dinheiro em espécie, de origem não desconhecida. A CNN pediu ao assessor pessoal do senador Flávio Bolsonaro uma resposta, sobre a denúncia.

A assessoria dele se manifestou por meio de nota e negou as irregularidades. “Trata-se de mais uma ilação de alguns promotores de injustiça do Rio. O patrimônio do Senador é totalmente compatível com seus rendimentos e isso ficará inequivocamente comprovado dentro dos autos”, diz nota.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Braulio Pinto disse:

    Isso sim é que é esticar a corda.

  2. Cidadão pagador de impostos disse:

    Igualzinho os petistas com Sérgio Moro…
    Sostô kkkkk

Após participar de ato no domingo, ministro da Defesa se reúne com Moraes, do STF

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, se reuniu nesta segunda-feira (1º), em São Paulo, com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, relator dos inquéritos que apuram a produção de fake news e o financiamento de manifestações antidemocráticas.

O blog confirmou o encontro com fontes do Ministério da Defesa, segundo as quais Azevedo e Moraes trataram de “assuntos diversos sobre o país”. A reunião entre os dois se deu no final da tarde de segunda, na casa do ministro do STF, na zona sul da capital paulista.

O encontro ocorreu após o ministro da Defesa sobrevoar, com o presidente Jair Bolsonaro, o protesto antidemocrático no domingo (31).

Para fontes do STF, ouvidas pelo blog, os últimos atos do ministro da Defesa, chefe das Forças Armadas, preocupam. Há duas semanas, ele chancelou a nota de Augusto Heleno falando em consequências imprevisíveis se o celular do presidente fosse apreendido por uma decisão do STF.

Depois, houve a participação no protesto de domingo. De acordo com pessoas próximas ao ministro da Defesa, Azevedo fez o sobrevoo das manifestações com Bolsonaro porque se tratava de uma atividade de segurança, e não qualquer ato político.

Para fontes do STF e do Congresso, a participação do ministro da Defesa no ato, além da nota, passam sinais de que as Forças Armadas apoiariam as manifestações e também de endosso aos ataques a ministros do STF, como Alexandre de Moraes — o que a pasta nega.

Por isso, foi bem-visto o gesto de ontem, de aproximação entre o ministro da Defesa e o ministro do STF.

Blog da Andréia Sadi -G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Mordido pela mosca azul?

  2. Sérgio disse:

    O que seria um protesto democrático?
    É um protesto na paz ou uma quebradeira. Acho que estou ficando maluco!
    Se os protestos de Bolsonaro são antidemocrático e os antifas são democráticos, acho que estou doido!

  3. Josiel disse:

    MORDE E ASSOPRA.
    NO MELHOR ESTILO DO "SE COLAR, COLOU!"

  4. MOURÃO JÁ disse:

    Será que já estão nos acertos da posse do General Mourão? Se for, será uma excelente saída para a nação.

    • Maria disse:

      Trocar 6 por meia duzia! Grande saida. Eu penso que os brasileiros ainda vivem nas cavernas ou como diziam, enganavam os indios com eepelhos…

Moro diz que “ninguém sério” questiona poder do Supremo de “dar a palavra final”

Foto: Reprodução/Twitter

Em meio à escalada da tensão entre Jair Bolsonaro e o STF, Sergio Moro foi ao Twitter e defendeu que a Suprema Corte deve ser respeitada e tem o poder de dar a “palavra final”.

O ex-ministro da Justiça citou os Estados Unidos — um “país que serve de modelo” — como exemplo.

“Nos EUA, país que serve de modelo a muitos, casos como Marbury v. Madison, 1803; Brown v. Board of Education, 1954; e US v. Nixon, 1974, estabeleceram o princípio da supremacia da Constituição e a Suprema Corte como intérprete. Ninguém sério questiona o poder dela de dar a palavra final.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Que comparação ridícula a última intromissão da suprema corte nos EUA de acordo com o texto foi em 1974.
    Já aqui quase toda semana eles se intrometem em algum assunto do governo.

  2. Marcos disse:

    Incrivel como essa torcida política funciona. A mentalidade é delirante. Se o juiz "julga ou diz algo que concordo" ele é bom, se não, ele é "juizeco", "mediocre"… e outros … Que coisa!

  3. Estalin disse:

    Lógico que ele deve lamber o STF, vai advogar né. O mesmo STF que o criticou pela lava jato. O mundo é do espertos.

  4. Antonio Turci disse:

    Ele não insiste em ser notícia: ELE, MORO, é NOTÍCIA por mérito. Sinto que muita gente tenha memória curta. Esqueceram rapidinho que foi MORO quem botou o nove dedos no xilindró.

  5. Ivan. disse:

    Meninos , eu vi… Moro 2022. Aguardem cartas.

  6. Ivan. disse:

    Moro 2020, aguardem carta. Viu .

  7. Observadora disse:

    "NOS EUA….." disse ele….

  8. Raimundo disse:

    O STF da Venezuela também tem a palavra final…
    Inclusive Gilmar Mendes e outros metiam o cacete em Moro/lavajato…

  9. Cidadão pagador de impostos disse:

    Sérgio Moro Presidente 2022

  10. Fulgêncio disse:

    Moro cara!!
    Lá não tem um gilmar, celso, dias, alexandre etc etc…
    Né mesmo?
    É pedir de mais pra acreditar nesses caras.
    Tenha santa paciência, daqui a pouco vc vai dizer que botafogo é um inocente pelo visto.
    Calma homi.
    Vc não mexeu bem as pedras desse jogo de xadrez.
    Infelizmente!
    Apostava na continuidade do governo Bolsonaro, tendo vc como o sucessor, primeiro da fila, mas vai ter que enveredar por outros caminhos.

  11. Pedro Henrique disse:

    Moro deveria lançar um livro mostrando como vender a alma pro diabo e jogar uma carreira na magistratura no lixo. Agora tá vivendo de seguro desemprego de ex-ministro sem poder ao menos advogar. Como dizem aqui no meu bom e lindo país Nordeste: "A língua é a chibata da b****."

  12. LAMPIÃO disse:

    ESSE SENHOR NÃO É SÉRIO. É UM SABOTADORZINHO DE QUINTA CATEGORIA.

  13. Antônio disse:

    Esse tal de moro só pode ser comunista talkei

  14. MORO 2022 disse:

    Mas o nosso presidente já deu a palavra final "ACABOU PORRA…ACABOU PORRA".

  15. Messias disse:

    Esse advogadozinho insiste em permanecer na mídia. Você já tive os seus 15 minutos de fama. Agora vá advogar para os seus comparsas, o seu golpe deu errado.

    • Manoel disse:

      Né isso! Temos mesmo eh que seguir piamente , de preferência usando antolhos, o nosso mitomaníaco que resolveu ser médico e prescrever remédios… kkkk

    • Coronel disse:

      Sérgio Moro na sua carreira, desarmado prendeu milhares, dentre estes, os maiores bandidos da república.
      Bolsonaro na sua carreira, com toda sua família, todos armados, nunca prenderam ninguém, levou uma facada e ainda corre risco de ser preso.
      Realmente não tem comparação.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Quanto mais os fanáticos batem em Sérgio Moro mais ele é respeitado pela opinião pública. Talvez não seja a melhor estratégia.

    • Carlão disse:

      Ele era juiz federal, concursado. Ao menos passou num crivo que inclui arguição oral. Tome tento.

    • Iranilson disse:

      Ondé será seu próximo show de humor? Suas piadas são excelentes.

Cientistas publicam segunda carta em defesa da hidroxicloroquina nas fases iniciais da Covid-19 :“ciência está politizada”

Cloroquina e hidroxicloroquina seguem sendo pesquisadas como possíveis tratamentos para a Covid-19.| Foto: Divulgação/Voz da América (EUA)

Um grupo de 25 cientistas que defende o uso da hidroxicloroquina nas fases iniciais da Covid-19 escreveu uma segunda carta em defesa do uso da substância contra o que eles chamam de “pseudocientistas”, pesquisadores que estariam deturpando a ciência por motivos pessoais e políticos – no caso, para atingir o governo federal. No documento, eles lembram que não existem pesquisas definitivas sobre nenhum medicamento que está sendo usado contra a doença; que não há provas de que hidroxicloroquina funciona, mas que ela tem se mostrado em todo o mundo tão ou mais eficaz do que outros remédios, e que os efeitos colaterais são mínimos se usada na dose correta. A carta foi escrita por Marcos Eberlin, doutor em Química e professor da Universidade Mackenzie, com 25 mil citações em pesquisas. Os outros signatários da carta são citados 44 mil vezes em artigos científicos.

“Nessa pandemia, o termo “ciência” tem sido utilizado ‘ad nauseam’. Repetem a exaustão: ‘Ciência, ciência, ciência’, eu sou ‘pró-ciência’, e ‘por ela, nela e para ela’ me guio e atuo. ‘Eu, portanto, estou certo, coberto de razão’. É nítida aqui a intenção de conduzir-nos todos à ideia de decisões alicerçadas em algo inquestionável e infalível, tão científico com uma lei, como a lei da gravidade”.

Depois de citar que países como EUA, Espanha, França, Itália, Índia, Israel, Rússia e Senegal estão usando a hidroxicloroquina no combate à Covid-19, em conjunto com outras substâncias, estudando livremente qual seria a melhor solução para tratar da doença, os cientistas citam docentes e pesquisadores que, ao criticar o uso da hidroxicloroquina, estariam usando “a ciência para defender sua opinião, seu bolso, ou sua paixão”.

“Indignado, ouço todos os dias prefeitos e governadores afirmando, a plenos pulmões, que ‘seguem a ciência’. Presidentes de conselhos e alguns de seus conselheiros, e de academias, e reitores em seus gabinetes escrevem cartas em nome de toda a sua comunidade, como se fosse uma posição de todos, consensual. Nada mais falso. Seguem a ciência? Seguem nada! Seguem a ala da ciência que gostam, e os cientistas que do seu lado eles escolheram colocar. Desprezam a outra ala da ciência, pois há também centenas de cientistas e artigos que se opõe às suas posições e medidas”.

Na carta, eles fazem uma crítica dura a um estudo de Manaus, publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA).

“Nesse estudo, cientistas usaram, o manuscrito revela, doses letais em pacientes debilitados, muitos em estados grave e com comorbidades. O perfil do grupo parece não ter sido ‘randomizado’, pois nota-se uma nítida ‘preferência’ no grupo da ALTA DOSE por fatores de risco. Usou-se cloroquina, mais tóxica, e parece que cometeram ‘erros infantis’ até em cálculos simples de estequiometria, dobrando com o erro a dosagem. Não sei julgar intenções, a justiça julgará. O ex-ministro Mandetta citava esse estudo, o apoiou, e com base nele declarava categoricamente: ‘Não aprovo a cloroquina pois me baseio em ciência, ciência, ciência!'”.

No final, os cientistas reiteram que não há estudos definitivos sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, mas, como no caso de outros remédios, reforçam que experiências bem-sucedidas que devem ser levadas em conta. Citando ainda, que nas doses usadas há 40 anos pelos usuários desse medicamento, os efeitos colaterais são mínimos.

“Se há então dúvida, pela ‘ciência’, e uma possibilidade plausível é a cura, com a HCQ, e se a droga é barata, quase de graça, disponível e distribuída por vários laboratórios no Brasil (Cristália, Apsen, EMS, Forças Armadas, Sanofi-Aventis), e se ela apresenta efeitos colaterais mínimos em dosagem agudas de só 5 dias (muitos tomam a droga diariamente por anos), como todo o fármaco (vide a aspirina e o paracetamol), e se o réu corre ou pode correr maior risco de vida, se não medicado, então PRÓ-VIDA!”.

Leia a carta na íntegra:

Ao Brasil,

A “ciência” da Pandemia

Nessa pandemia, o termo “ciência” tem sido utilizado “ad nauseam”. Repetem a exaustão: “Ciência, ciência, ciência”, eu sou “pró-ciência”, e “por ela, nela e para ela” me guio e atuo. “Eu, portanto, estou certo, coberto de razão”. É nítida aqui a intenção de conduzir-nos todos à ideia de decisões alicerçadas em algo inquestionável e infalível, tão científico com uma lei, como a lei da gravidade.

Grupos de “experts da ciência” ou famosos cientistas do YouTube, muito deles “mirins”, alguns com mínima ou nenhuma experiência em combates de pandemias, são selecionados pelo establishment e pela mídia para dar um “verniz científico” para o isolamento social e a condenação da hidroxicloroquina (HCQ) como uma droga ineficaz; pior, mortal.

Simulações desastrosas apocalípticas do “Imperial College” – esse nome pomposo que nos remete à ideia de um centro de excelência e saber infalível, onipotente e inquestionável, um “Colégio Imperial” – são usadas para colocar todo mundo em casa, e para então comparar dados como sendo a referência absoluta da verdade. “Algo fizemos e por isso, esse tanto de óbitos reduzimos. Salve a “ciência”!

Mas que “ciência” seria essa para qual apelam? E quem, em nome dessa “ciência”, estaria autorizado a falar? Ciência (sei que há controvérsias, pois cientistas divergem até sobre o seu significado) é “a busca desapaixonada pela verdade sobre o Universo e a vida”. Mas por ironia, buscamos verdades que nem sequer sabemos como essas verdades seriam, ou onde estariam. Por isso, às vezes, por ironia, mesmo quando cientistas acham uma verdade de fato verdadeira, duvidam até de tê-la achado. Ziguezagamos literalmente no escuro em busca de soluções para os nossos problemas. Por isso, falamos às vezes que: “comer ovos é ruim, aumenta o colesterol; às vezes que é bom, coma à vontade”.

Richard Feymann assim a classificou: “A ciência é a cultura da dúvida”. E eu acrescento, “ciência é a cultura do embate, da divergência de opiniões”.

Raras são as situações em que alcançamos consenso em ciência, mesmo que provisório. Uns defendem o “Big Bang” e a evolução, outros os questionam, entre eles, eu. Uns com dados defendem o papel central do homem no aquecimento global, outros afirmam com os mesmos dados que é irrelevante. Cientistas são seres, portanto, céticos e questionadores que podem e devem sim falar por si, como cientistas que são, mas NUNCA UM CIENTISTA OU UM GRUPO DELES PODE SE DECLARAR AUTORIZADO A FALAR EM “NOME DA CIÊNCIA!”

Ninguém, absolutamente ninguém está autorizado a falar pela ciência ou declarar que por ela é “guiado”! Em tempos de pandemia, essa impossibilidade é maior ainda, pois enfrentamos um inimigo ainda pouco conhecido. Dados ainda estão sendo coletados, e as pesquisas são feitas por cientistas divididos por suas cosmovisões e preferências políticas e partidárias.

Quem disse que agiu em nome da ciência, desonestamente usurpou o prestígio dela. Pois que tipo de “ciência” foi essa, unânime e consensual, que dela ninguém nunca ouviu falar? Poderiam me passar seu endereço para com ela seu consentimento eu confirmar? Telefone, e-mail, WhatsApp?

Quanto à hidroxicloroquina (HCQ), o embate científico inevitável entre teses fica nítido quando cientistas renomados por todo o mundo e no Brasil, como o virologista Paolo Zanotto (com 7,4 mil citações científicas) e os médicos Didier Raoult (com 148 mil citações), Philip M. Carlucci e Vladimir Zelenko, defendem seu uso baseados em estudos e artigos, enquanto outros, também renomados e baseados nos mesmos e em outros estudos e artigos, a condenam. Inúmeros países como EUA, Espanha, França, Itália, Índia, Israel, Rússia e Senegal usam o fármaco no combate à covid-19, enquanto outros eximem-se em utilizá-lo como uma das estratégias para contenção da pandemia, apostando em táticas também controversas.

Quem fala então aqui em nome da “ciência”? Qual grupo tem o monopólio da razão e a autorização exclusiva de ser da “ciência” seu porta-voz? Cadê a autorização?

Escolha uma opinião, e baseie nela sua estratégia, tudo bem, mas não cometa o sacrilégio de proteger sua decisão e correr o risco de manchar com ela o “manto sagrado da ciência”.

Indignado, ouço todos os dias prefeitos e governadores afirmando, a plenos pulmões, que “seguem a ciência”. Presidentes de conselhos e alguns de seus conselheiros, e de academias, e reitores em seus gabinetes escrevem cartas em nome de toda a sua comunidade, como se fosse uma posição de todos, consensual. Nada mais falso.

Seguem a ciência? Seguem nada! Seguem a ala da ciência que gostam, e os cientistas que do seu lado eles escolheram colocar. Desprezam a outra ala da ciência, pois há também centenas de cientistas e artigos que se opõe às suas posições e medidas.

Pior, cientistas não são anjos. Cientista é gente, e gente tem gostos e desgostos, paixões e opiniões político-partidárias. Ou não teriam? Há muitos cientistas, portanto, que fazem o bem sem olhar para quem, conheço e admiro muitos. Mas há pseudocientistas que usam a ciência para defender sua opinião, seu bolso, ou sua paixão. Cientistas trabalharam e ainda trabalham com afinco e desprendimento para contribuir para o bem da humanidade, muitos dos quais estão hoje em laboratórios, arriscando suas vidas para desenvolver novos métodos de detecção do coronavírus, drogas e vacinas, quando poderiam ficar em casa. Mas, para ilustrar, conheço cientistas que publicaram artigos, uns até na “Science” ou na “Nature”, com dados fabricados de madrugada, outros que retiraram pontos de suas curvas, e outras estratégias afins. Muitos cientistas estavam ao lado de Hitler, ou não estavam? Agiram eles em nome da “ciência”? Outros desenvolveram bombas atômicas. Outros desenvolvem ainda hoje armas químicas e biológicas e drogas ilícitas, de design.

O trabalho de Manaus com a cloroquina (CQ) publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) (1) é emblemático nessa discussão de “ciência”. Cientistas lá usaram, o manuscrito revela, doses letais em pacientes debilitados, muitos em estados grave e com comorbidades. O perfil do grupo parece não ter sido “randomizado”, pois nota-se uma nítida “preferência” no grupo da ALTA DOSE por fatores de risco. Usou-se cloroquina, mais tóxica, e parece que cometeram “erros infantis” até em cálculos simples de estequiometria, dobrando com o erro a dosagem. Não sei julgar intenções, a justiça julgará. O ex-ministro Mandetta citava esse estudo, o apoiou, e com base nele declarava categoricamente: “Não aprovo a cloroquina pois me baseio em “ciência, ciência, ciência”!

Outro estudo publicado por pesquisadores chineses no British Medical Journal (BMJ) e que ainda é insistentemente usado contra a HCQ foi também no mínimo revoltante (2). Nele os autores declaram: “administramos 1.200 mg por 3 dias, seguido de 800 mg por 12 a 21 dias, em pacientes com sintomas de moderado a severo”. Ou seja, administraram um “caminhão” da droga que poderia chegar no final ao absurdo de 20 gramas, e deram tarde demais (deve-se administrar a HCQ nos primeiros sintomas ou até antes). E pior, superdosagem de HCQ ou qualquer outra droga para casos severos é venenoso. O que você achou, foi boa ciência? A dosagem recomendada desde ontem (20/05/2020), pelo Ministério da Saúde, para sintomas leves é de 2 vezes 400 mg no primeiro dia (de 12h em 12h) e 400 mg por 5 dias num total de 2,8 gramas.

Em outros estudos publicados, também nessas revistas de renome internacional como The New England Journal of Medicine, JAMA e BMJ (3-5), mais uma vez nota-se claramente “problemas”, pois ou os pacientes foram randomizados de maneira irregular, colocando-se nos grupos pacientes mais graves e hipoxêmicos, ou mais homens (quase 3 vezes mais mortais por covid que mulheres), ou mais negros (nos USA negros apresentam maior mortalidade) e mais fumantes, e onde a maioria das mortes ocorreu nos primeiros dias dos estudos (sinais que foram de pacientes graves, que nessa fase seriam mais “intoxicados” do que “tratados” com a HCQ), ou administraram a HCQ sozinha, quando se sabe que é preciso associá-la pelo menos à azitromicina. Um desses estudos (5) administrou a HCQ apenas no décimo sexto dia de sintomas (para tratamento realmente precoce, deve-se iniciar administração da HCQ até o quinto dia), ou seja, já no fim da doença, quando o remédio pouco ou nada pode fazer.

Esses trabalhos indicam que ou esqueceram como se faz “ciência” ou que há um enorme esforço para provar que a HCQ não funciona, custe o que custar. Como alguém ou até Conselhos e Academias de Medicina podem citar tais trabalhos como a “ciência” de suas decisões? Como?

Na contramão, o estudo publicado e hoje já com mais de 3 mil pacientes testados, e realizado pelo Dr. Didier Raoult na França (6), usando a dosagem correta e na hora certa, com uma baixíssima taxa de mortalidade (0.4%), e a experiência clínica da Prevent Senior no Brasil, também bastante alentadora, são desqualificados com argumentos deveras “fúteis” como: “Didier Raoult é um pesquisador polêmico e indigno de crédito”, “Na Prevent não tinham certeza do diagnóstico” (mas quase nenhum internado com sintomas claros de COVID morreu), “efeito placebo” (que poder sobrenatural da indução de nossa mente que reduz de 40% para zero a mortalidade, eu quero este placebo!), “estudo feito por plano de saúde” (esses eu não duvido que queiram salvar vidas, pois sobretudo são seus clientes, que pagam suas contas), e efemeridades afins.

Posto em meu Facebook, quase que diariamente, trabalhos, estudos e relatos incríveis a favor da HCQ. Muitos comigo se solidarizam, mas alguns são veemente contrários, e me confrontam com argumentos tipo: “como pode um cientista de seu gabarito perder seu prestígio para defender esse presidente?”. Alguns eu conheço pessoalmente, outros pesquiso em seus perfis. Pode existir, eu sei, mas não encontrei sequer um desses amigos até agora que não seja de esquerda, combata o atual presidente do Brasil e, via de regra, não seja favorável ao desastrado #FiqueEmCasa.

Mas a pergunta mais importante creio que seria esta: estamos absolutamente certos pela “ciência” que a HCQ é eficiente e salva vidas? Creio que não. A chance é alta, mas certo nenhum cientista está. Daqui há alguns anos, talvez. Estamos absolutamente certos hoje que a HCQ não salva? Claro que não, ninguém honestamente está. Quero, portanto, deixar a “ciência da dúvida” de lado, pois cientistas divergem, e apelar para outra área: o direito. Inclusive, remeteram a questão até para lá, para que juízes julguem com base na “ciência”. Basta saber quem por ela falará. Mas há, em Direito, um princípio, esse inquestionável e consensual, que deveria ser usado para definir o dilema:

“In dubio pro reo”. Ou seja, na dúvida, favorecimento ou absolvição do réu (no caso a HCQ).

Se há então dúvida, pela “ciência”, e uma possibilidade plausível é a cura, com a HCQ, e se a droga é barata, quase de graça, disponível e distribuída por vários laboratórios no Brasil (Cristália, Apsen, EMS, Forças Armadas, Sanofi-Aventis), e se ela apresenta efeitos colaterais mínimos em dosagem agudas de só 5 dias (muitos tomam a droga diariamente por anos), como todo o fármaco (vide a aspirina e o paracetamol), e se o réu corre ou pode correr maior risco de vida, se não medicado, então PRÓ-VIDA!

QUE TODOS, ABSOLUTAMENTE TODOS OS BRASILEIROS QUE ASSIM DESEJEM, TENHAM O DIREITO DE SER TRATADOS COM A HCQ.

Decisão jurídica justa. E ponto final.

Isso sim é ciência, não a “ciência” que eu gosto ou a que usurpam por aí, mas a “ciência” que temos aqui e agora, baseada nos fatos de hoje, na razão.

Por fim, lembremos todos que diante da uma doença nova e da sua progressão extremamente veloz nos mais debilitados com complicações gravíssimas, e de tantas incertezas no diagnóstico, e por tratarmos não papéis nem exames, mas PESSOAS, faz-se imperativo ao médico decidir no olho a olho com seus pacientes, invocando não a “ciência” de alguns, mas a bússola valorosa da medicina que salva vidas desde os primórdios da medicina: “A CLÍNICA É SOBERANA!”

Prof. Marcos N. Eberlin
Email: [email protected]

Amilcar Baiardi, Universidade Católica de Salvador – UCSAL, 2,5 mil citações

Bento João da Graça Azevedo Abreu, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 77 citações

Carlos Adriano Ferraz, Universidade Federal de Pelotas – UFPel, 8,7 mil citações

Donato Alexandre Gomes Aranda, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 3,6 mil citações

Elvis S. Böes, Instituto Federal de Brasília, 686 citações

Esteban Lopez Moreno, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 302 citações

Heloísa Candia Hollnagel, Universidade Federal de São Paulo

Jaime Henrique Amorim, Universidade Federal do Oeste da Bahia, 407 citações

José Roberto Gomes Rodrigues, Universidade do Estado da Bahia

Kin Shung Hwang, sem afiliação

Laércio Fidelis Dias, Universidade Estadual Paulista 288 – UNESP, 125 citações

Leonardo Vizeu Figueiredo, Universidade Federal Fluminense – UFF, 280 citações

Luciano Dias Azevedo, médico, CRM 104.119 SP

Marcelo Henrique Napimoga, sem afiliação, 3,8 mil citações

Marcelo Hermes Lima, Universidade de Brasília, 6,3 mil citações

Marcos N. Eberlin, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 25,2 mil citações

Ney Rômulo de Oliveira Paula, Universidade Federal do Piauí, 150 citações

Pablo Christiano Barboza Lollo, Universidade Federal da Grande Dourados, 1,1 mil citações

Pedro Jorge Zany P. M. Caldeira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, 65 citações

Paulo Roberto Ferreira Louzada Junior, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 3,1 mil citações

Peterson Dayan Machado Goncalves, Instituto de Educação Superior de Brasília

Rafael Jose de Menezes, Universidade Católica de Pernambuco

Rodrigo Caiado de Lamare, PUC-RJ e University of York, 11,5 mil citações

Rosivaldo dos Santos Borges, Universidade Federal do Pará, 761 citações

Rui Seabra Ferreira Junior, Universidade Estadual Paulista – UNESP, 1,3 mil citações

(Os pesquisadores que assinam a carta somam mais de 69 mil citações.)

Referências:

https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/fullarticle/2765499
https://www.bmj.com/content/369/bmj.m1849https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2012410
https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2766117
https://www.bmj.com/content/369/bmj.m1844
https://www.bmj.com/content/369/bmj.m1849
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32387409/”

Gazeta do Povo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. John Rawls disse:

    E este manifesto nada mais é que uma "politização" da cloroquina. NÃO HÁ EVIDÊNCIAS DE EFETIVIDADE, E PELO CONTRÁRIO, HÁ EVIDÊNCIAS DE GRANDES GRUPOS DE ESTUDOS INTERNACIONAIS DA INEFICÁCIA.
    Portanto, a cloroquina é uma falácia de grupos ligados ao "BOLSONECRISMO", nada mais, nada menos que um "placebo político".

    • Briuu disse:

      Ok He-man. Muito simples, não tome e não deixe ninguém da sua família tomar. Faça esse favor pra vc mesmo.
      Que dizer que se vc tiver com dor de barriga ou dor de cabeça, vc nunca se auto medicou na vida?
      Por favor n responda , a sua consciência fará uma esse trabalho pra vc.

    • Ricarado disse:

      Já tem um monte de evidência empírica de que funciona.
      O acúmulo dessas evidências, anotadas com o devido método, é ciência.

  2. Chicó disse:

    Quem é contra esse remédio não é obrigado tomar !!!

  3. Severino disse:

    Celerados torcem contra remédios. Isso vai retorar pra vcs de uma forma pavorosa.

  4. Clara disse:

    Carta de médicos bolsonaristas X estudo gigante da Lancet: huuum, deixa eu ver com quem eu fico…Difícil, né? Talvez precisem arranjar outro meio de agradecer o capitão pela expulsão dos cubanos…

  5. Brenda disse:

    Não tomas, tá? Se você contrair.
    Asno!

  6. Manoel disse:

    Os "cientistas" que criticam a ciência e as evidências.
    Já tinha visto de nesse mundo mas essa é nova.
    Chego a conclusão q o vírus mais letal q temos hoje é o bolsovirus.

    • Francisco Alves disse:

      Engano seu! O pior vírus que o brasileiro enfrenta é a esquerdopatia endêmica, virulenta.
      Bajulador de ladrão.

    • Antenado disse:

      Faça o seguinte, se vc for infectado não autorize o uso da hidroxicloroquina.

      Duvido que faça isso.

Mourão defende ministros após depoimentos e diz que “quem alinha discurso é bandido”

Foto: Reprodução/Twitter

Hamilton Mourão, no Twitter, defendeu Augusto Heleno, Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos, que prestaram depoimento no âmbito do inquérito que apura se Jair Bolsonaro interferiu na PF.

“Quem alinha discurso é bandido. Homens de honra, como Augusto Heleno, Braga Netto e Ramos, falam a verdade e cumprem a missão.”

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pela Paz Social disse:

    É indiscutível. O fato é que o General Mourão é muito melhor para o Brasil do que Bolsonaro. Mourão já!

  2. Gabriel Fernandes disse:

    Primeiro de tudo, sou contra impechmant, sou contra o quanto pior melhor! Foi eleito pelo povo, e ao meu ver, deve ser tirado de lá pelo voto. Agora ver certos comentários aqui é risível, ser contra esse imbecil é porque é esquerdopata, é petralha, é comunista. Não é! Sou a favor que o Brasil melhore, sou a favor da economia, queria muito um presidente que raciocinasse mais, e agisse mais pela ciência e pela razão. Infelizmente, somos o país que está indo para uma situação crítica, e o aloprado ainda libera academias. Barbearia, salão de beleza… isso já funcionava mesmo, mas academia onde se tem aglomeração, contato!!! Pior de tudo é ver uns babacas que defendem e chamam quem não concorda de adorador de ladrão. Pior são esses que adoram demagogos, milicianos, e que está envolvido em várias falcatruas, como rachadinhas, pagamento de despesas pessoais com dinheiro do povo e o pior para mim, envolve religião com vários lunáticos o apoiando pensando esse genocida ser o "messias". Só se for do capiroto!!! Antes que falem mais asneiras… esse radicalismo em 2018 foi que levou duas bostas para o 2º turno. E que todos possuem defeitos, com certeza sim! Mas um Meirelles, que nos levou ao auge econômico no país, um Amoedo que prega realmente o Estado mínimo… e muitos falam de Ciro Gomes que de idéias realmente tem muita coisa positiva, mas é outro aloprado!!!

  3. Eudes disse:

    “O bolsonarês humilha aqueles que votaram no capitão em nome dos bons costumes.”
    Linguajar de bandido!

  4. Francisco Alves disse:

    É risível o desespero dos esquizofrênico lulistas, petistas, esquerdopatas defensores de corruptos e ladrões, pois todos os dias (há mais de um ano) os energúmenos se deleitam com frases feitas, tais como: "O governo acabou", "Esse governo tá morto", "É, agora o bozo cai" etc.
    O governo continua com mais de 60 milhões (MAIS DE SESSENTA MILHÕES) de apoiadores, ou seja, o pranto é livre! Esquerda nunca mais.

    • Manoel disse:

      Delírios finais de uma espécie q durará apenas 2 anos. Uma pena. Estava divertido.

  5. Cidadão pagador de impostos disse:

    200 mil militares recebendo o auxílio emergencial. Bandido!

    • Rodrigo Duarte disse:

      Cidadão pagador de impostos Os citados na matéria estão recebendo auxílio emergencial? Generalizar é coisa de idiota. Humanos matam, vc é humano, logo vc é assassino? Não seja idiota Cidadão pagador de impostos.

  6. Keynesianista disse:

    O governo Bolsonaro "morreu". Só falta marcar a data do enterro!

  7. Ricardo Lúcido disse:

    Falou e disse . Os militares falam a verdade as vezes esquecem maus falam a verdade .

Moro já interferiu politicamente na PF em defesa de Bolsonaro, diz Freixo

Foto: Adriano Machado/Reuters

“Já houve interferência política feita pelo próprio Sergio Moro nas ações da Polícia Federal em defesa de Jair Bolsonaro.” A declaração foi dada, em entrevista ao vivo ao UOL, nesta segunda (27), pelo deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ). Próximo da família da vereadora Marielle Franco, executada em março de 2018, ele acompanha as investigações e diz que o, agora, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública fez aquilo que denunciou que o presidente da República desejava fazer.

“Sergio Moro está dizendo agora que a interferência pode se agravar de uma coisa que ele, de alguma maneira, já foi testemunha e participou”, avalia. “O que não podemos deixar é que isso vire uma regra, que o novo chefe da Polícia Federal seja alguém que opere em cima de denúncias para atender o interesse de uma família e não os interesses da República.”

Freixo deu entrada, na manhã desta terça (28), com uma ação na 13ª Vara da Justiça Federal, pedindo a anulação da nomeação de Alexandre Ramagem para o cargo de delegado-geral da PF, publicada hoje no Diário Oficial da União, no lugar de Maurício Valeixo. O advogado-geral da União, André Mendonça, será o novo ministro da Justiça.

“Nenhuma questão pessoal contra o Ramagem, mas existe o princípio da impessoalidade. Nesse momento, há investigações da PF sobre milícias, fakenews e pessoas que participam de atos pedindo o fechamento do Congresso”, afirma. “Algumas investigações esbarram em gente muito próxima ao presidente, inclusive seus filhos. Há um debate muito grande sobre a isenção. Quem diz isso não sou eu, é o ex-ministro Sergio Moro. Bolsonaro querer colocar alguém com relação próxima com seus filhos no cargo viola essa impessoalidade.” Ramagem é amigo pessoal dos filhos do presidente.

De acordo com relato de Freixo ao UOL, Moro tentou levar o caso para a Polícia Federal a a partir do momento em que a investigação das mortes de Marielle e de seu motorista, Anderson Gomes, esbarrou em pessoas próximas ao presidente. Seja por conta do endereço de Ronnie Lessa (matador de aluguel, vizinho de Bolsonaro, preso sob a acusação de ter participado do crime), seja por conta do polêmico depoimento do porteiro do condomínio – que havia afirmado que alguém na casa de Bolsonaro havia autorizado a entrada de Élcio Queiroz, outro acusado de ter cometido o crime.

Marcelo Freixo já havia afirmado que a atuação do então ministro no caso mostrou que Moro “assumiu de vez o papel de advogado particular do clã presidencial”. E que ele não se constrangia em “usar o aparato policial do Estado brasileiro para intimidar um porteiro, homem humilde que mora numa área controlada por milícia, transformando uma testemunha em réu, para proteger a família Bolsonaro”.

Segundo ele afirmou ao UOL, o ex-ministro nunca havia demonstrado interesse no caso Marielle, nem oferecido que a Polícia Federal auxiliasse tecnicamente a Polícia Civil do Rio de Janeiro. “Mas quando foi para defender o presidente, não a vítima, houve um interesse repentino de Moro, tentando – inclusive – interceder na investigação”, diz.

Coluna Leonardo Sakamoto – UOL

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Vitor Silva disse:

    Pelos comentários a gente vê que vocês não aprendem nunca. Deixem de defender Lula, mito, moro e outros, bando de jumento. Quem protege bandido e bandido tbm.

  2. Antonio Turci disse:

    Moro é um homem de fibra. Nós, brasileiros, a ele devemos muito. Cumpriu seu dever com grande competência quando Juiz da Lava Jato e honrou o Governo Federal e o Brasil enquanto Ministro da Justiça e Segurança Pública. Só não vê quem não quer.

  3. Delano disse:

    Se moro tivesse intervido na PF em favor de Bolsonaro, ele não teria motivo pra se demitir, continuaria ministro, desfrutando privilégios. No entanto relegou a tudo, preferiu a dignidade e servidão da coisa certa, mesmo sofrendo todo tipo de pressão.

  4. Edilson disse:

    Eu não lê nada sobre a interferência de lula em 2007 a favor de seu compadre na operação xeque-mate aonde o próprio pte foi gravado e os diretores da pf e abim forão substituindo, agora nesse governo de Bolsonaro é só o que se fala. #Mito 2022.
    Vamos deixar o homem trabalhar que o Brasil vai melhorar.

  5. Sérgio Nogueira disse:

    Tanto faz o que esse psolento diz quanto o que o gato enterra.

  6. gusthenrique disse:

    A esquerda ganhou a companhia de bolsonaristas no trabalho de assassinar a reputação de Sérgio Moro. Isso é emblemático. Pobre Brasil.

    • Marcos Vinícios disse:

      Verdade! São farinha do mesmo saco, não há diferença. São cúmplices, e o tal Freixo é uma espécie das mais perigosas.

“Abrir comércio é risco que corro. Se piorar, vem para o meu colo. A história lá na frente vai nos julgar”, diz Bolsonaro

Foto: Alan Santos/Presidência da República

Incentivar a abertura do comércio não essencial, que está fechado em vários pontos do país por determinação de prefeitos e governadores, é uma atitude arriscada, mas necessária para manter o emprego, afirmou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em discurso hoje no Palácio do Planalto durante a posse de Nelson Teich como ministro da Saúde em substituição a Luiz Henrique Mandetta, Bolsonaro disse que se a situação do coronavírus se agravar por causa do aumento de pessoas nas ruas, a responsabilidade poderia parar no “seu colo”.

“A história lá na frente vai nos julgar. Eu peço a Deus para que nós estejamos certo lá na frente. Então, essa briga de começar a abrir para o comércio é um risco que eu corro, porque se agravar, vem para o meu colo”, declarou.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jarbas disse:

    Cada dia mais enxergo que nós brasileiros temos alguns problemas principalmente éticos, morais e mentais. Enquanto pessoas morrem e lutam por suas vidas na UTI devido a esse vírus as pessoas brigam por política e ideologia política se preocupa menos com próximo. As pessoas que comentam não sentiram em nenhum momento a perda cruel de uma vítima do covid nem mesmo as situações consequentes dessa doença falar ou reclamar é fácil difícil é sentir na pele do outro. Só vamos aprender mesmo pagando para ver talvez com isso podemos ser pessoas melhores e refletir um pouco mais sobre a vida, assim a única certeza que tenho é sobre ciência ela é a única que temos como solução e não o achismo de certas pessoas. #FiqueEmCasa

  2. Silvio. disse:

    Tamos juntod meu presidente!!!

  3. Justus disse:

    Fala sério. Quem é que não sabe que tem cidade com comércio aberto? E os povoados pelo interior? A briga esquerdista-direitista só interessa a políticos do tipo Rodrigo Maia. Mas vocês não ligam, né? Continuem, eles agradecem. Matem-se. Anulem-se. Acovardem-se.

  4. Paulo disse:

    A aposta é alta, mas o risco não é dele. O afrouxamento no isolamento social de Minas vai ser um bom índice para saber se o presidente está certo e o restante do mundo errado.

  5. André Pinto disse:

    já era para ter aberto, presidente.

    Você demitiu o empecilho e agora é só botar a sua vontade em prática…

    quero trabalhar… estou liso… não aguanto mais.

    Esse virus eu derrubo só numa cuspida.

  6. Clara disse:

    Aposta alta com a vida alheia. Jesus purinho….

  7. Lucas disse:

    Lugar de genocida é no tribunal de Haya. Aguardemos

    • Cidadão pagador de impostos disse:

      Vc foi preciso!! Parabéns pelo comentário!

    • Valerio disse:

      Após a quarentena o vírus vai continuar circulante e vai voltar a contaminação em grande escala. Portanto mais adiante além das mortes por covid vai ter muito mais por miséria, fome, violência e o desemprego nunca visto. Portanto isolamento tem que ser vertical.

    • M.D.R. disse:

      Esse PRESIDENTE BOLSONARO, quer fazer com o POVO brasileiro como doido do TRUMP dos E.U. que mortalidade cada dia aumentando; isto é um suicídio humano.
      O BOZO, só está focando a ECONOMIA, vida é algum que se pense depois.

  8. Logan disse:

    Bota pra FU, FU meu presidente, cada vez mais orgulhoso do meu voto. O que o senhor decidir será o correto para essa nação.

    Qnto a esquerdalhada, só resta chorar e muitoooooooooooooooo

    • Manoel disse:

      Quase tdo o dia um arrochado bolsominiom como vc é levado pelo virus. Tá cheio de exemplos nas midias sociais. Pena q depois a pessoa nao pode se arrepender.

  9. João Felipe disse:

    Eita que o pessoal aqui do RN parece que só quer ficar em casa recebendo dinheiro do governo, bando de inúteis. Tenham bom senso, muita coisa eu discordo de Bolsonaro, mas ele, está correto!

    • Everton disse:

      Recebendo de quem, você acha que todo mundo é funça? Se for os 600, pelascaridade, não paga nada.
      Toma tento, uma pessoa jovem e adulta pode labutar mais uns 30-40 anos, agora um morto ou doente não.

    • João Felipe disse:

      Rapaz, analise..praticamente todo comércio grande está funcionando…e claro, deve ser com os cuidados necessários, pois existe o perigo, então que "balança" é essa? funciona p uns e outros não? e outra coisa, 600 reais não paga nada, mas veja quantos se cadastraram p receber essa miséria? Tem muita gente que adora ficar em casa e quer receber essa esmola.

  10. Waldemir disse:

    Pelos comentários abaixo a esquerda liberou o sanduíche de mortadela e o Ki suco kkkkkk

  11. Manoel disse:

    O mundo já julgou o Sr e a história não o perdoará.

  12. Alguém disse:

    Garanto que se saísse do bolso dele e a responsabilidade de pagar pensões e o prejuízo da família ele não falaria assim.

  13. JK disse:

    Isso é um FANFARRÃO! impeachment nesse debiloide

    • Raimundo Fernandes de Oliveira disse:

      Meu Deus! é muita inveja e dor de cotovelo, como podem ser tão levianos e burris, não veem que esse Homem só quer o bem desse Pais!

    • Bruno disse:

      JK, o choro é livre.

GENERAL NÃO SE CALA: “Comparar o governo ao regime da Venezuela ofende a democracia brasileira”, diz Mourão

 Foto: Bruno Batista / VPR

O general Hamilton Mourão respondeu às comparações – cada vez mais frequentes – entre o bolsonarismo e o chavismo:

“Comparar o governo brasileiro ao regime da Venezuela ofende a democracia brasileira. Maduro não foi eleito, é um ditador. Suas Forças Armadas, infiltradas ideologicamente, submissas a Cuba e corrompidas pelo narcotráfico deixaram de servir ao povo. Comparações sem base nos fatos também são fakenews.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Chicó disse:

    Bolsonaro, coloque mais militares em funções gerenciais do governo !!! Se a esquerda reclama é porque estamos no caminho certo. Quando os terroristas estavam no governo ninguém reclamava.

  2. Nono Correia disse:

    Antagonista é Assessoria de Imprensa informal do fascismo e da quadrilha da lava jato. Ignorem.

  3. Campanário disse:

    O congresso se cala?
    O senado se cala?
    O STF se cala ou seus ministros vivem de dar opiniões na mídia?
    Qual a razão do congresso, senado e qualquer outro órgão, instituição, associação ou pessoa pode detonar o governo, falar mal, inventar, dar parecer sobre mentira publicada contra o executivo e tudo é considerado democrático?
    Quando o legislativo e o judiciário se metem nas decisões do executivo, está tudo normal.
    Quando alguém do executivo fala a verdade, aimmmm tá colocando em risco a democracia, aimmm é um autoritário, aimmm está desrespeitando a independência dos três poderes…
    O governo tem que começar a puxar as rédeas de forma clara e contundente ou vai continuar sendo amordaçado pelos outros poderes e sendo acusado de tudo que os outros fazem contra o executivo. Que a verdade prevaleça e seja o norte do povo trabalhador e produtivo que vem dando seu recado de forma clara, nas eleições e manifestações legais e democráticas, previstas na CF. Não é assim?

    • Sérgio disse:

      Engraçado. Sempre foi assim. E só agora que vc se revoltou…

    • Antônio Carlos disse:

      Pirou?
      Os governos anteriores tinham domínio e a conivência do congresso e senado como o toma la, dá cá. O judiciário era aparelhado com a nomeação de ex advogados do PT.
      Sempre foi assim Sérgio? Pode citar quando isso acontecia? As matérias sobre isso entre os anos de 2002 a 2016? Qual meio de comunicação falou disso? Mais um que vive das mentiras plantadas entre as quatro paredes da esquerda e acha que está vendo a realidade.
      Vamos lá Sérgio, mostre matérias sobre isso até o ano de 2016?
      Não venha com o mensalão, petrolão ou a lava jato. Mostre a interferência do judiciário e legislativo nas ações do executivo.

    • Sérgio disse:

      A prova que o Legislativo e Judiciário eram independentes, foi o impeachment de Dilma.Fora o Ministério Público e a Polícia Federal (o que não ocorre hoje). E o toma lá dá cá continuou com Bolsonaro. Haja vista a reforma da Previdência.
      O orçamento impositivo foi aprovado desde 2015. E o Congresso também foi eleito pelo voto. Se essa verba ficasse com o Executivo, ia toda para o Ministério da Defesa e io de militares, Com os deputados e senadores pelo menos chega aos nossos estados.
      Vá se informar primeiro. Leia. Não dói!

‘Vou sair na porrada’, diz Susana Vieira em defesa de Regina Duarte

Foto: Mauricio Fidalgo / TV Globo/Divulgação

A nomeação de Regina Duarte para a Secretaria de Cultura do governo de Jair Bolsonaro dividia os artistas que foram à Sapucaí, no Rio.

A defesa mais enfática era feita por Susana Vieira, no camarote da Itaipava. “Eu acho a Regina maravilhosa, e ela vai fazer bem [o trabalho na Secretaria]. Quero que todo mundo a respeite. Quem não respeitar, vou sair na porrada. Pronto, já dei a frase que vocês [jornalistas] queriam”.

Gloria Pires, mais moderada, dizia que enviou uma mensagem a Regina. “Tenho muita fé de que ela vai marcar o nome dela positivamente. Sei que ela tem muita força de vontade, muito empenho.” Glória estava com a família no camarote do Arpoador.

Já o seu colega Alexandre Nero, da ala pessimista, afirmava não espera nada deste governo. “Só o tempo passar”, dizia ele, no Nosso Camarote. “Acho que a Regina é bem intencionada, mas que não vai conseguir fazer nada.”

Outros achavam cedo para um veredicto. “A gente tem que esperar”, afirmava a atriz Lilia Cabral, que assistiu aos desfiles no camarote Folia Tropical. “Nós [artistas] estamos sofrendo, lógico. Eu não sou a favor do que está acontecendo. Fico com pena, fico constrangida por tudo. É por meio da cultura que a gente eleva o nível do nosso país no exterior. Mas eu sou muito otimista.”

​E Débora Nascimento, no camarote Arara, preferia não opinar. “Ah, não me pergunta isso às 2h da manhã, vai. Deixa eu curtir. Tá sendo um carnaval único pra mim, acho que nunca aproveitei tanto.”

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Agenor disse:

    Susana vai pra casa

  2. Mohamad Chahin disse:

    Lógico que a matéria tinha que ser dessa senhora ridícula….esquerdista, que torce contra o país.
    ADMIRO REGINA DUARTE, QUE FEZ MUITO PELA ARTE DESSE PAÍS ….

  3. Grande merda!ahahahha

  4. Luciana Morais Gama disse:

    Parabéns Suzana Vieira! Isso prova que no meio artístico tem pessoas do bem.

“Sempre defendi os direitos dos policiais”, diz Flávio Bolsonaro

Foto: Reprodução/Twitter

Flávio Bolsonaro, no Twitter, reiterou que visitou mesmo Adriano da Nóbrega na prisão.

“Sempre defendi os direitos dos policiais. Visitei inúmeras vezes o Batalhão Prisional da PM (BEP) para ouvir PMs presos injustamente. Vários foram inocentados e voltaram para seus batalhões, trabalhando desmotivados porque foram abandonados pela corporação quando mais precisavam”, postou o senador.

“Há 15 ANOS (!!!), quando homenageei capitão Adriano e os PMs de sua guarnição, estavam presos injustamente acusados de matarem um flanelinha, tanto que, logo após, foram absolvidos pois tratava-se de um perigoso traficante que tentou matar policiais. Eu estava certo!”, prosseguiu o filho 01 de Jair Bolsonaro.

E ainda:

“Sempre dei apoio a policiais presos injustamente e seus familiares, como quando levei a Defensoria Pública para dentro do BEP, ou na comissão especial que presidi na Alerj para reintegrar PMs excluídos injustamente. Foram INÚMEROS reintegrados pelo meu trabalho à época.”

Foto: Reprodução/Twitter

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Humberto disse:

    Um barril de pólvora chamado Brasil
    Para o jornalista Fernando Horta o cenário da crise que o Brasil está vivendo "é fruto da esculhambação institucional iniciada em 2014 por Aécio Neves e José Serra com auxílio de Marina Silva e Michel Temer"

  2. Lúcia disse:

    Como sempre, só trocamos uma quadrilha por outra. A anterior roubou tudo o que conseguiu, e essa agora é da raça mais perigosa: bandido com farda.

  3. Bento disse:

    Flávio você tem o respeito de todos os brasileiros.
    E aí já enquadraram aquele maluco por tentativa de homicidip de dezenas de policiais/, crianças e mulheres?

    • JBBatista. disse:

      Policiais não vc quis dizer bandidos, os verdadeiros PMs vestem fardas,coletes e coturnos os bandidos cobrem o rosto e ditam toque de recolher. Outra coisa mulheres e crianças não podem ser usados como escudo humano.

  4. José Araújo disse:

    #fora família milíciana

  5. Tulii disse:

    Fora MILICIANOS ASSASSINOS….

Defesa de ex-PM Adriano da Nóbrega pede perícia independente em corpo

A defesa de Adriano da Nóbrega pediu autorização à Justiça para realizar uma perícia independente no corpo do ex-policial militar, com o objetivo de esclarecer as circunstâncias de sua morte, ocorrida em 9 de fevereiro no município de Esplanada, na Bahia.

Em entrevista nesta terça-feira (18), o advogado Paulo Emílio Catta Preta confirmou a jornalistas que a família suspeita da primeira versão dada pela Polícia Militar da Bahia, de que ele foi morto ao reagir e trocar tiros durante uma operação policial que visava prendê-lo.

Questionado se a defesa trabalha com a hipótese de execução, o advogado afirmou que “tem ganhado robustez essa suspeita”. “Há marcas no corpo que, em princípio, podem trabalhar contra essa versão de uma troca de tiros, há notícia de quebra de costelas, sete costelas que teriam sido quebradas, isso tem que ser esclarecido”, acrescentou.

Ele afirmou que não deseja fazer nenhuma “perícia clandestina”, mas que é o desejo da família que haja um exame independente no corpo, feito com a presença de oficiais do Estado, cujo laudo permita confirmar ou não uma perícia oficial.

O advogado também voltou a relatar uma ligação que recebeu do próprio Adriano da Nóbrega em 4 de fevereiro, poucos dias antes de morrer, na qual o ex-PM relatou seu medo de ser assassinado pela polícia. “Ele estava muito convicto realmente de que seria morto”, disse Catta Preta, acrescentando que assumiu o caso quando seu cliente já estava foragido e que essa teria sido a única vez em que se falaram diretamente.

Catta Preta disse confiar nas autoridades estaduais e que por isso não considera, no momento, pedir a federalização das investigações em torno da morte de Adriano da Nóbrega. “Eu volto a dizer que o meu desejo é que isso seja resolvido nas instâncias ordinárias, comuns, estaduais. Eu acredito nas autoridades judiciárias”, disse ele.

O defensor acrescentou ainda considerar comentários feitos por políticos a respeito do caso como “contraproducentes” para a defesa. A respeito de perícia independente em telefones de Adriano da Nóbrega, o advogado afirmou ser cedo para seguir essa linha.

Nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro comentou o caso, e também disse ser necessária uma perícia independente no corpo de Adriano, que se encontra no Rio de Janeiro. Na semana passada, a Justiça fluminense proibiu que o corpo fosse cremado.

Logo em seguida à decisão proibindo a cremação, o pedido da defesa da família para realizar sua própria perícia no corpo foi encaminhado à Justiça do Rio. Mas, no momento, é preciso aguardar uma definição sobre se quem deve decidir o assunto é a Justiça da Bahia, informou Catta Preta.

Ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Adriano da Nóbrega era investigado por diversos crimes, sob a suspeita de envolvimento com milícias e assassinatos por encomenda. Ele era procurado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Ele também era procurado por suspeitas de envolvimento nas mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Renato Bruno disse:

    Parece q já tem video rolando do corpo do homem!!

Mourão, sobre Bolsonaro: “Ele não é nenhum perigo para o sistema democrático”

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Em entrevista ao Estadão, Hamilton Mourão disse que o governo de Jair Bolsonaro não é totalitário nem representa qualquer “perigo” para a democracia brasileira.

“Desde que o presidente foi eleito, se procurou apresentá-lo como alguém desmedido, que atenta contra os princípios democráticos. Ele não é isso, em absoluto. Ele não é nenhum perigo para o sistema democrático. Outros, muito mais perigosos, passaram por aqui e eram aplaudidos”, disse o general.

Mourão também falou sobre a escolha de Regina Duarte para a Secretaria Especial da Cultura.

“Só um governo totalitário controla a cultura. Aqui não existe governo totalitário. A cultura é um segmento onde você procura sedimentar valores, tradições e raízes. Nesse sentido, é uma discussão secundária para um país com 12 milhões de desempregados, desigualdades absurdas e uma economia que ainda não avançou.”

O Antagonista e Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Everton disse:

    Bolsonaro está seguindo os passos de Hugo Chavez desde o início do governo

    • Dan disse:

      Não compare o presidente com aquele vagabundo safado …

    • João Sem Braço disse:

      O nobre comentarista poderia ser mais explícito em suas colocações. Ou então fique quieto. Quais são os pontos em comum entre os dois governos?

    • Ricardo Carvalho disse:

      Quem estava seguindo os passos do ditador Hugo Chaves era o partido que virou quadrilha, parceiro e defensor desse sistema nefasto, chefiado pelo ex-presidiário Luladrão, só não conseguiram o intento por não conseguir cooptar as forças armadas, escapamos por pouco, não escreva asneiras, camarada!

    • Silva disse:

      Então a esquerda não tem do que reclamar !

Defesa de Glenn Greenwald recorre e pede rejeição de denúncia na Justiça Federal

Foto: Reprodução

A defesa do jornalista do The Intercept Brasil Gleen Greenwald apresentou recurso em primeira instância pedindo a rejeição da denúncia apresentada contra ele pelo Ministério Público Federal, por suposto auxílio e orientação aos responsáveis pela captação de mensagens hackeadas de celulares de autoridades – ação alvo da operação Spoofing.

De acordo com informações publicadas pelo Painel da Folha de S. Paulo, os advogados argumentam que o MPF violou a autoridade do ministro Gilmar Mendes (que havia proibido investigação contra o jornalista), apontam ilegalidade na conduta da procuradoria (ao não ter pedido à Justiça acesso às conversas citadas na denúncia, que são protegidas pelo sigilo de fonte), e questionam ainda a responsabilização de Greenwald sem comprovação de cometimento de delito.

O recurso foi apresentado à 10ª Vara Federal, mas não impede possível movimentação junto ao STF.Na 1ª instância.

Justiça Potiguar com Painel Folha

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bil disse:

    Prenda esse desordeiro.
    Deporte pro país dele.
    Vai chupar um prego até amolecer.