Facebook: agora você não pode mais se esconder da busca da rede social

32671.48325-FacebookAcabou a privacidade (ou parte dela): o Facebook removeu a opção de ocultar perfis na busca da rede social e no Graph Search (Busca Social). Isso significa que não será mais possível esconder sua conta dos resultados de pesquisas feitas por outros usuários do site, até mesmo aqueles que você bloqueou.

A novidade não é surpresa, já que a página informou em dezembro do ano passado que essa opção seria desativada primeiro nos perfis dos internautas que não utilizavam o recurso. A partir de agora, todos os usuários da rede social terão de se adequar à nova regra. Quem tinha habilitado a opção vai receber um lembrete sobre a mudança nas próximas semanas.

De acordo com Michael Richter, chefe de privacidade do Facebook, a configuração foi removida porque “as pessoas não a estavam usando e não se importam com ela”. Richter completou dizendo que muitos usuários acharam confuso quando tentaram encontrar pessoas que eles mesmos conheciam ou tinham adicionadas, o que levou a rede social a repensar o modelo de pesquisa usado no site.

Vale lembrar que, mesmo com a função ativa, outras pessoas poderiam visualizar seu perfil se quisessem. Bastava entrar na conta de um amigo ou conhecido que você tenha adicionado, ou procurar pelo seu nome em marcações de fotos e postagens.

Há quem aprove ou até mesmo ignore a nova medida. Contudo, como observa o pessoal do TechCrunch: “Manter a ferramenta ativa dava aos internautas uma falsa sensação de segurança, e isso justifica por que o Facebook a removeu. Por outro lado, deveria ter fornecido um controle de privacidade mais forte nas opções de busca da página, e não reduzi-lo a opções mais fracas”.

Esta não é a primeira e talvez não seja a última mudança nas questões de privacidade do Facebook. No começo de setembro, a rede social alterou sua Política de Uso de Dados que diz o seguinte: “Você nos dá permissão para usar o seu nome e imagem do perfil, seu conteúdo e informações em conexão com conteúdos comerciais, patrocinados ou relacionados (como uma marca que você gosta)”.

Ou seja, se o Facebook quiser fornecer seu nome e foto de perfil para empresas ou entidades comerciais, ele pode fazer isso com o seu consentimento. E sem que você receba nada por isso.

Canal Tech

Facebook cumpre ordem judicial brasileira e remove posts ofensivos

 

facebook-1Em ofício enviado nesta quinta-feira (3/10) ao juiz Régis Bonvicino, da 1ª Vara Cível de Pinheiros (SP), a empresa Facebook Serviços Online do Brasil Ltda. informou que, em cumprimento ao determinado pelo magistrado, foram excluídas 22 mensagens com conteúdo considerado ofensivo, e que motivaram ação de indenização proposta por Eudes Gondim Júnior contra Luizeani Altenhofen.

Em despacho na véspera, o juiz fixara prazo de 48 horas para que o Facebook removesse os comentários, sob pena de a rede social ser retirada do ar em todo o país.

O advogado Celso de Faria Monteiro, do escritório TozziniFreire Advogados, que representa o Facebook, informou na manifestação ao juiz que “após contato mantido com os patronos do autor [advogado Paulo Esteves, que representa Eudes Gondim Júnior], foram identificadas as URLs, isto é, os endereços eletrônicos específicos do conteúdo que, por ora, entende-se serem ofensivos e portanto objeto da ordem judicial”.

Segundo Monteiro registrou, “essas informações foram imediatamente repassadas aos operadores do Site Facebook, e tal qual determinado por este MM. Juízo, já não estão mais disponíveis e não podem ser visualizadas”.

Em despacho proferido nesta quinta-feira , o juiz Bonvicinco anotou que “as URLs já estavam no processo desde o dia 6/6/2013″.

Segundo o magistrado, isso “demonstra que as informações lançadas na petição de fls. 350/351 [alegando que o gerenciamento era feito nos Estados Unidos] se caracterizam, em tese, como pura desobediência civil internacional, superada neste dia, pelo acatamento do sistema legal brasileiro, uma obrigação óbvia de qualquer empresa estrangeira que opere no país”.

A Facebook Serviços Online do Brasil Ltda. –que é terceiro interessado no processo– deixara de cumprir a ordem de remoção, dada em decisão liminar, em abril. O magistrado reiterou a determinação em junho.

Em julho, os advogados da rede alegaram que “o Facebook Brasil não é o responsável pelo gerenciamento e do conteúdo e da infraestrutura do Site Facebook”, incumbência que caberia a duas outras empresas autônomas, nos EUA e na Irlanda.

No despacho proferido na quarta-feira, Bonvicino considerou essa afirmação “uma desconsideração afrontosa à soberania brasileira”.

Folha

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. railson disse:

    essa confusão é so porque alguem quer ser prefeita de mossoró e o povo não quer, procure outro meio de vida minha senhora

Ação judicial pode tirar Facebook do ar no Brasil

acao-judicial-pode-retirar-facebook-do-ar-no-brasilUma ação judicial pode retirar o Facebook do ar no Brasil. Um juiz determinou que a rede social deveria excluir algumas postagens ofensivas contra um usuário. O Facebook Brasil pediu a url e depois informou que não poderia remover porque esta ação era encargo da sede presente nos Estados Unidos e na Irlanda.

“O Juízo determinou ao Facebook que removesse os posts ofensivos, feitos contra Eudes Gondim Junior, por Luizeani Altenhofen, no dia 05/04/2013.O Facebook solicitou que o Juízo indicasse as URLs da pagina acima mencionada. O autor da ação, Eudes Gondim Junior, juntou os URLs a fls. 312 e seguintes. O Juízo reiterou a determinação para que o Facebook cumprisse a decisão exarada, no dia 12/06/2013. O Facebook, em 31/07/2013, afirmou que não é responsável pelo gerenciamento do conteúdo e da infraestrutura do site Facebook: “é importante esclarecer que o Facebook Brasil não é o responsável pelo gerenciamento e do conteúdo e da infraestrutura do Site Facebook. Essa incumbência compete a duas outras empresas distintas e autônomas, denominadas Facebook Inc. e Facebook Ireland LTD., localizados nos Estado Unidos da América e Irlanda, respectivamente”, informa a ação.

O juiz, obviamente, não aceitou a resposta e estipulou um prazo de 48 horas para cumprimento da ordem. Assim sendo, em caso de descumprimento, a rede social poderia parar de operar em todo o Brasil. “Se o Facebook opera no Brasil, ele está sujeito às leis brasileiras. A afirmação, acima transcrita, torna-se ainda mais sombria se confrontada com a petição fls. 167/170, na qual o Facebook solicitava os URLs necessários para obedecer a ordem judicial. Se o Facebook solicitou os URLs, solicitou para poder remover as páginas, confessando em consequência seu poder de administração de sua própria rede social. Portanto, é de se concluir, em tese, que a petição de fls. 350/351, é ela mesma, in re ipsa, um ato de desobediência legal frontal, praticado por uma empresa recalcitrante então. O Facebook tem 48 horas de prazo para cumprir a ordem judicial, sob pena de ser retirado do ar, no país todo, porque, ao desobedecer uma ordem judicial, afronta o sistema legal de todo um país”, conclui.

Uma nova atualização, porém, descreve uma audiência de instrução e julgamento marcada para o dia 06/11/2013. Vamos aguardar para obtermos novos detalhes deste processo.

R7 via Tech Mestre

Facebook e Cisco querem oferecer wi-fi gratuito em locais públicos. Em troca, recolheriam dados dos usuários

ciscoA Cisco Systems disse nesta quarta-feira que está trabalhando com o Facebook para oferecer acesso Wi-Fi gratuito à internet em lugares públicos, como hotéis ou lojas de varejo, para os consumidores que façam login no Facebook.

Um visitante poderia conectar-se à rede em um hotel simplesmente entrando no aplicativo do Facebook em seu celular, disse a Cisco. A empresa também demonstrou como poderia funcionar em um hospital enquanto o presidente John Chambers fazia um discurso na conferência Interop em Nova York.

Chambers disse que varejistas poderiam fazer promoções sob medida ou dar informações para consumidores que acessarem a internet por meio do Facebook quando ingressarem nas lojas.

A Cisco disse que alguns consumidores da sua tecnologia Connected Mobile Experience Wi-Fi estão atualmente testando o sistema.

Enquanto a Cisco busca vender equipamentos de rede, o Facebook parece estar seguindo seu rival Google na coleta de dados sobre compras e navegação na rede dos consumidores, para oferecer anúncios dirigidos.

Mais cedo neste ano, o Google anunciou planos de levar acesso de internet sem fio para 7 mil cafés da rede Starbucks Corp nos Estados Unidos.

O Globo

Facebook tem 100 vezes mais spam que outras redes sociais

imagem.phpCom a movimentação crescente das redes sociais, era de se esperar que os distribuidores de spam migrassem também. E claro que os sites que reúnem mais audiência são os principais alvos desse mercado. Um estudo comprova que o Facebook e o YouTube têm, cada um, 100 vezes mais spam do que qualquer outra rede social no mundo.

O site de Mark Zuckerberg é o que mais oferece perigo, já que recebe quatro vezes mais ataques de phishing. Enquanto isso, há cinco conteúdos de risco (palavrões, ameaças, discurso de ódio, insultos) no YouTube para cada um postado em todas as redes sociais.

Efetuado pela Nexgate e divulgado pelo AllFacebook, o levantamento levou em conta mais de 60 milhões conteúdos únicos em mais de 25 milhões de contas no Facebook, Twitter, Google+, YouTube e LinkedIn entre 2011 e 2013 e descobriu que houve um aumento de 355% na quantidade de spam direcionado a esses serviços na primeira metade deste ano.

Uma em cada 200 mensagens em mídias sociais é spam, e esse tipo de postagem está crescendo mais rapidamente que a taxa de comentários comuns.

Olhar Digital UOL

Nova busca do Facebook deixará a rede mais parecida com o Twitter

FacebookDado-RuvicReutersDe acordo com nota oficial postada nesta segunda-feira pelo Facebook, o site passará a abranger em sua busca Graph Search postagens e atualizações de status, com direito a modificadores de tempo, local e pessoas, de modo a refinar a pesquisa.

A novidade tirará proveito da recentemente anunciada adoção dos hashtags, copiando a bem sucedida ideia do Twitter.

“Nossa intenção é permitir que usuários busquem posts entre diferentes grupos sociais dentro de um tópico”, diz a nota. “A Graph Search permitirá também pesquisas baseadas em locais marcados e em função de envolvimentos com outros usuários, por exemplo: “Quais posts existem sobre os Beatles postados por meus amigos?” ou “Quais posts minha amiga Miriam comentou?”

Segundo o “Ars Technica”, a nova busca do Facebook, que por ora só está disponível para usuários localizados nos Estados Unidos e que tenham o inglês como idioma configurado, estará sujeita aos controles de privacidade do site, ou seja, usuários não poderão ver resultados que não lhes estariam acessíveis de outra maneira. Para usuários situados no Brasil ainda não há previsão de funcionamento.

A nova busca do Facebook alcançará o histórico completo de postagens públicas de todos os usuários. Com a novidade, o Facebook espera que se vá criar uma onda de atividade de feeds semelhante à que existe no Twitter.

O site informa que a novidade irá sendo oferecida aos poucos para o universo de usuários que já possuem o Graph Search. E adverte na nota: “Se existe alguma coisa na sua timeline que você não queira que se torne disponível às buscas públicas, é hora de ajustar suas configurações de privacidade”.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jose disse:

    Governadora vai pagar os aposentados, eles serviram muito para o progresso do nosso estado, incompetente.

Mulher aceitará traidor de volta se ele conseguir 10 mil curtidas

102_2737-alt-blog-cheated 102_2737-alt-blog-traicaoSonya Gore flagrou Ivan Lewis a traindo. Mas ela está disposta a perdoar: obrigou o marido a pôr uma mensagem no Facebook confessando a pulada de cerca. Se ele conseguir 10 mil curtidas, Sonya o aceitará de volta.

Na verdade, desde 2010, Ivan tem um histórico de traições, que acabou levando o casal a se separar. Depois de dois anos, o traidor procurou a amada pedindo mais uma chance. Ela, então, condicionou a volta à exposição de Ivan na rede social.

Até a tarde desta sexta-feira, ainda faltavam 5 mil curtidas…

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cláudia Souto disse:

    Coisa besta, lesa… Eca…

Facebook testa serviço de pagamento para smartphones e tablets

3807.9567-Facebook-no-celularO Facebook quer facilitar as compras realizadas em tablets e smartphones. Por isso, o site lançou nesta semana um recurso que permite preencher dados de apps de pagamentos automaticamente, o chamado Autofill. O projeto, que por enquanto está disponível a um número restrito de internautas, é um resultado de parcerias da rede social com PayPal, Braintree e Stripe, que possuem soluções de pagamentos móveis. Os primeiros aplicativos que nasceram dessa aliança são o JackTheads e o Mosaic.

O novo recurso permite realizar pagamentos em poucos toques no seu smartphone usando as informações que já estão armazenadas no seu Facebook – caso você já tenha realizado alguma compra na rede social.

Informações sobre quando o Facebook pretende disponibilizar o serviço para todos os usuários do site ainda não foram reveladas.

No entanto, vale ressaltar que, no momento, tudo funciona como uma aliança. Talvez no futuro o Facebook queira entrar na competição processando os pagamentos por conta própria, como nota o “Tech Crunch”, mas nada é fato ainda. Se um desenvolvedor usar a Braintree com o Autofill With Facebook, a Braintree ainda ganhará com o processamento financeiro. Entretanto, os três parceiros do site de Mark Zuckerberg podem virar dois em breve, já que o PayPal pode comprar em breve o Braintree.

E você, confiaria seus dados bancários ao Facebook?

Canal Tech

Chocante: Pelo Facebook, jovem anuncia que vai se matar e cumpre promessa em Mossoró

SUICIDODe acordo com o blog Passando na Hora, um dos mais lidos da região Oeste do Estado, uma jovem publicou no Facebook uma arma que iria por fim a sua vida, deixando muitos amigos angustiados com tal possibilidade. Infelizmente aconteceu.

Na tarde desta sexta-feira (20), a jovem foi encontrada morta no bairro Abolição III, em Mossoró. Confira despedida na íntegra:

ScreenHunter_1015 Sep. 20 15.26 ScreenHunter_1016 Sep. 20 15.26Material: Passando na Hora

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bosco disse:

    Que pena ! Uma jovem extermina a sua própria vida, aparentemente por um motivo tão fútil. No momento do seu maior desespero, ainda afirma não acreditar noutra vida. É o que provoca a falta de DEUS em nossos corações. Descança em paz e que Deus tenha misericórdia de tua alma. (nada justifica tirar a própria vida).

    • RN disse:

      Realmente foi uma pena o ocorrido, mas isso não tem nada a ver com acreditar ou não em Deus. Muitas pessoas que acreditam em Deus se suicidam.

    • Bruna disse:

      Nao eh soh isso, Bosco. Ela tambem sofria preonceito por ser transexual

Facebook cria recurso para prevenir suicídios

5048.9406-facebook-suicidioO Facebook anunciou nesta semana uma nova ferramenta que ajuda a prevenir suicídios das pessoas que publicam mensagens sobre o tema no site. Ao digitar a palavra “suicídio” na barra de pesquisas da rede social, é exibida uma página que contém links e orientações sobre entidades que podem ajudar tanto o suicida, como quem viu mensagens suspeitas de algum colega.

Joe Sullivan, diretor de segurança do Facebook, indicou que a novidade chega ao site devido ao grande índice de suicídios no planeta. “A Organização Mundial de Saúde informa que, a cada ano, quase 1 milhão de pessoas morrem por conta de suicídio. Isso é trágico. E o impacto disso é muito maior – estudos mostram que cada suicídio afeta diretamente outras seis pessoas, pelo menos”, diz o comunicado publicado na rede social.

Também é possível denunciar uma publicação suspeita. Nesse caso, o Facebook entrará em contato com as autoridades locais, se for necessário. Para os usuários que precisam ajudar os amigos com tendências suicidas, a rede social disponibilizou um infográfico com algumas dicas – em inglês.

Casos de suicídio relacionados à rede social não são raros. A jovem italiana Carolina Picchio, 14, pulou da janela de seu quarto por não suportar o bullying que começou na rede social: Um vídeo no qual aparece bêbada e caída em um banheiro durante uma festa foi postado no Facebook e os amigos do ex-namorado da garota comentaram a publicação insultando-a. A rede social corre o risco de ser processada por negligência.

No ano passado, o caso que mais ganhou destaque na mídia foi o da canadense Amanda Todd, que chegou a postar um vídeo no Youtube contando a história de abuso e assédio que envolveu um indivíduo que usou o Facebook para chegar aos seus amigos. Após o bullying sofrido por ter publicado uma mensagem de suicídio na rede social e ter recebido diversas mensagens ofensivas como resposta, Amanda tirou a própria vida. Segundo o grupo Anonymous, o criminoso que assediou a jovem era um ex-funcionário do Facebook chamado Kody Maxson.

Canal Tech

Em Pernambuco, casal foi preso em flagrante ao tentar vender filha por R$ 3,5 mil no Facebook

ÍndiceUm casal foi preso em flagrante em Pernambuco após tentar vender a própria filha, de dois anos, por R$3,5 mil e mais um notebook. A mãe, T.B.P, 32, anunciou a criança numa rede social e alegou que pretendia usar o dinheiro para viajar para a Europa, onde ganharia a vida se prostituindo. Foi ela que ficou à frente das negociações via internet, aumentando a “cotação” da filha, mas foi o pai, P.R.A.F, de 41, quem entregou a menina à universitária Sandrine Costa Ananias, 24 anos, que denunciou o crime e estava acompanhada por policiais disfarçados.

O caso só foi descoberto porque a estudante de assistência social, que reside em Campina Grande (PB), encontrou informações sobre a criança em uma página de adoções e passou a fazer negociação com a mãe, via Facebook. Em princípio, a universitária pensou se tratar de mais um caso de mãe carente, querendo pais adotivos para a filha. Mas, durante os entendimentos via internet, a universitária descobriu o verdadeiro objetivo da mãe, que chegou a cobrar R$ 5 mil pela criança. Ela, então, levou o caso à polícia civil da Paraíba.

Feita a denúncia, agentes da polícia civil da Paraíba e de Pernambuco conseguiram flagrar o casal, na noite da última sexta-feira. Como foi acordado com a universitária, a mãe estava em uma estação de metrô em Jaboatão de Guararapes, na Região Metropolitana de Recife, e, após entedimento sobre a negociação, todos foram até um supermercado próximo, onde o pai os aguardava com a menina.

O casal foi enquadrado no artigo 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que estipula pena de até quatro anos de prisão para quem entregar filho, mediante pagamento. À polícia, o acusado disse que não ia entregar a menina, mas aplicar um golpe e fugir com o dinheiro. Já a mãe, que é manicure, alegou, em depoimento na Delegacia de Defesa e Proteção da Criança e do Adolescente (DPCA), que não tinha como trabalhar a cuidar da menina ao mesmo tempo, e que estava sem condições financeiras para sustentá-la. Ela e o marido são do Rio, mas moram em Pernambuco. Como não conseguiram pagar a fiança, arbitrada em R$ 15 mil para cada, eles foram encaminhadas para presídios no estado. Já a menina, e a irmão de cinco anos, foram levadas hoje para um abrigo.

Segundo a delegada Nercília Dantas Quirino, da delegacia da Infância e da Juventude da Paraíba, apesar de a mãe ter informado no Facebook que queria o dinheiro para viajar e se prostituir, na delegacia ela alegou apenas “dificuldades financeiras”.

— A gente percebe uma certa ansiedade por dinheiro e em entregar a menina — afirmou Nercília, que disse ter ficado surpresa com a frieza dos pais. — Em nenhum momento ela chorou mostrando algum tipo de sentimento pela vítima. Chorar mesmo, só quando percebeu que tinha sido presa.

Diante da frieza do casal, o delegado Geraldo Costa, da DPCA, afirmou que vai averiguar se, de fato, eles são pais da criança. Segundo ele, a mãe esperava receber R$1,5 mil no ato de entrega da criança, juntamente com um notebook. O resto seria pago em dez prestações de R$ 200. Já o homem confessou ter conduzido as negociações através de um perfil falso no negociou a menina em nome da mulher. O delegado descobriu que ele tem contas a ajustar no Rio, onde cumpria regime semiaberto, quando decidiu fugir para Pernambuco com a companheira. A menina também nasceu no Rio.

— A mãe ofereceu a filha, dizendo que queria entregar para doação. Só que, nas conversas com a denunciante, ela começou a dizer que precisava de dinheiro. Chegou até a anunciar que desistira da entrega para a denunciante, alegando ter encontrado quem oferecesse mais dinheiro. Que entregaria a quem oferecesse mais. Depois de muita conversa via Facebook, a paraibana conseguiu fechar o “negócio” com a manicure por R$3,5 mil e um notebook e avisou à polícia. Ela, então, foi ao local marcado com a mãe, em companhia de policiais disfarçados, dos dois estados.

Este é o segundo caso de venda de crianças investigado pela polícia pernambucana em menos de um mês. No dia 27 de agosto, o Ministério Público de Pernambuco recebeu inquérito da polícia civil, investigando uma universitária de 19 anos, que tentou vender seu bebê por R$ 50 mil pela nternet. Mas o bebê nasceu morto em uma maternidade privada da capital, e a venda não foi concluída.

O Globo

Facebook deve expandir equipe no Brasil com programa de novos talentos

27027.43592-FacebookFisicamente na América Latina há pouco menos de três anos, o Facebook deve expandir suas operações no Brasil ainda neste ano. Atualmente o Facebook possui 65 funcionários no país e são 20 vagas já abertas. Como parte da iniciativa, surgirá um projeto de novos talentos, que deve começar “em breve” no Brasil segundo Leonardo Tristão, diretor-geral do Facebook no Brasil.

“Nós vamos pocurar profissionais para começar uma carreira aqui, subir a ladeira dentro da corporação”, disse durante um encontro com jornalistas nesta quarta-feira (12). O diretor afirma que a ideia é encontrar pessoas que tenham espírito de empreendedorismo e que combinem com o ambiente de startup que o Facebook pretente ter. Ainda não há um número de vagas, mas o programa deve abranger “diversas áreas”.

O Facebook possui hoje quatro escritórios locais na América Latina, no Brasil, Argentina e México, além de um escritório em Miami focado em acordos panregionais. A região hoje possui cerca de 250 milhões de usuários ativos.

Só no Brasil, o valor já é de mais de 76 milhões de usuários, o segundo do mundo, só atrás dos Estados Unidos. Além disso, 47 milhões destes usuários já acessam a rede social todos os dias.  “Isso demonstra a importância que a região tem para o Facebook e que o Facebook tem para a região”, afirmou Alexandre Hohagen, Vice Presidente do Facebook para a América Latina. Segundo Hohagen, o foco da empresa agora é utilizar a experiência adquirida no Brasil para expandir o negócio para outros países da região.

O Facebook também olha com atenção para as possíbilidades de negócios que serão geradas com a Copa do Mundo e Olímpíadas para os próximos anos. Um dos focos da rede social será no potencial do efeito da segunda tela, que são usuários que assistem televisão ao lado de um dispositivo conectado no Facebook. A empresa estima que 40% dos usuários já façam as duas coisas ao mesmo tempo, o que amplia muito a possibilidade de negócios. Só no Brasil, 44 milhões dos usuários já acessam o Facebook móvel. “Tá na agenda do Facebook para 2014 olhar para esses eventos esportivos e como a gente pode ajudar as marcas a conectar a esses potenciais clientes”, explicou Tristão.

Canal Tech

Vício no Facebook está relacionado ao desejo de construir reputação, diz estudo

2619.38929-Facebook-com-FotosO tempo que você passa no Facebook pode ser determinado pela sua atividade cerebral. Há três tipos de usuários do site: os que ficam o dia todo online, os que o visitam algumas vezes durante o dia e os que o acessam apenas uma vez por dia. E isso seria determinado pelo tamanho do seu desejo de criar uma reputação.

De acordo com um estudo publicado na semana passada no site Frontiers In Human Neuroscience, há ligação entre o desejo de usar o Facebook e o de construir uma reputação porque as duas atividades estimulam a mesma região do cérebro, os chamados núcleos de accumbens.

Essa área do cérebro também é a responsável pelo mecanismo de recompensas está relacionada a atividades como comer, fazer sexo, apostar, consumir álcool e drogas. A pesquisa revelou que o Facebook causa uma reação semelhante à de ver a sua reputação crescer.

O estudo, que contou com 31 indivíduos, teve três etapas: uma entrevista em vídeo sobre os hábitos de uso do Facebook, feita um dia antes, e depois o monitoramento durante um jogo de cartas com apostas e durante a avaliação dada pelos pesquisadores sobre os questionários.

Os resultados mostraram que a intensidade da atividade no núcleo de accumbens ao ouvir sobre o crescimento de sua reputação pode indicar o quanto a pessoa usa o Facebook, enquanto o ganho de dinheiro não se relaciona com o uso da rede social. O núcleo de accumbens apresentou maior atividade quando as pessoas que passavam mais tempo no Facebook eram elogiadas ou quando se referiam a elas de forma positiva.

“Como seres humanos, nós evoluímos para nos preocupar com a nossa reputação”, afirmou Dar Meshi , neurocientista da Universidade Livre de Berlim e principal autor do artigo, em um comunicado à imprensa . “No mundo de hoje, uma das formas que podemos gerir a nossa reputação é usando sites de redes sociais, como o Facebook.”

Ou seja, o vício no Facebook está diretamente relacionado à necessidade de atenção que uma pessoa precisa. Agora está comprovado. Taxativo, o tabloide britânico Daily Mail chama essas pessoas de “necessitadas”.

“É importante notar, porém, que nossos resultados não determinam se o retorno social positivo leva as pessoas a interagir nas mídias sociais, ou se o uso sustentado dos meios de comunicação social muda a forma como feedback social positivo é processado pelo cérebro”, segundo os pesquisadores.

Canal Tech

Governo brasileiro solicitou dados de 857 usuários do Facebook no 1º semestre

facebook-aplicativos-capturO Facebook liberou nesta terça-feira (27) seu primeiro relatório de requerimentos governamentais por dados de usuários, referente ao período entre 1º de janeiro e 30 de junho deste ano, durante o qual o governo brasileiro fez 715 solicitações, abrangendo 857 usuários da rede social.

Um terço (33%) dessas solicitações foi atendido pelo Facebook por conta de determinação judicial. A companhia não divulga quais foram os usuários que tiveram sua conta aberta a órgãos governamentais.

Os dados liberados podem incluir endereço de IP (identificação do computador), nome e registro de atividades e costumam ser pedidos a fim de auxiliar investigações criminais, como em casos de fraudes eletrônicas ou de sequestros, segundo a empresa.

Da lista, que pode ser vista nesta página, o Brasil fica em sétimo lugar em solicitações, atrás de EUA (entre 11 mil e 12 mil pedidos), Índia (3.345), Reino Unido (1.975), Alemanha (1.886), Itália (1.705) e França (1.547).

Um total de 38 mil pedidos foram feitos, por 74 países.

O governo americano também tem uma das maiores proporções de pedidos atendidos: 79%, ante 37% da Alemanha e de 39% da França, por exemplo.

Brasileiros compõem a segunda maior nacionalidade do Facebook, atrás apenas dos EUA.

“Esperamos que este relatório possa ser útil para usuários no atual debate sobre os padrões de pedidos governamentais por informações de usuários em investigações”, escreveu Colin Stretch, advogado do Facebook, no comunicado em que o relatório foi divulgado.

No relatório de transparência que é divulgado pelo Google, o Brasil também costuma figurar entre os que mais fazem solicitações (no caso do buscador, os requerimentos são para remoção de conteúdo). No mais recente, o país ficou no topo da lista.

ESPIONAGEM

O Facebook foi uma das empresas citadas como as que cujos usuários tiveram dados espionados pelo governo americano por meio do programa Prism, revelado em junho.

Neste mês, contudo, a companhia –ao lado de Google e Microsoft– negou que tivesse facilitado o acesso a informações de brasileiros para os EUA.

O representante do Facebook na comissão, organizada pelo senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), era Bruno Magrani, gerente de relações governamentais da empresa no país. “Não houve nenhum acesso em grande escala”, disse na ocasião.

Folha

Facebook deve lançar seu próprio serviço de pagamentos virtuais

13227268O Facebook testará a partir do mês que vem um serviço de pagamentos virtuais semelhante ao oferecido pelo PayPal para que clientes façam compras em sites usando a conta na rede social, segundo uma reportagem do site “AllThingsD” publicada nesta quinta-feira (15).

O site diz ter ouvido pessoas –mantidas em anonimato– que estão por dentro dos planos da empresa e que teve uma confirmação oficial da companhia, apesar de outros detalhes não terem sido divulgados.

O método envolveria o cadastramento de um cartão de crédito na conta do Facebook para executar pagamentos com maior rapidez –sem ter de inserir os dados em cada site ou serviço em que se faz uma aquisição.

Em teoria, também há mais segurança ao usar um serviço do tipo, porque não exige-se a inserção do número de cartão de crédito em páginas que aceitem o pagamento via Facebook.

A primeira loja em que será testado o “PayPal do Facebook” será a JackThreads, de roupa, diz o “AllThingsD”.

Alguns usuários do Facebook já vêm confiando seus cartões de crédito à rede social, por conta da loja de aplicativos da rede (na qual é possível comprar aplicativos e “extras” de games) e do serviço de presentes reais, disponível nos EUA.

Google e Amazon também oferecem seus serviços de pagamento virtual. No Brasil, serviços análogos ao PayPal são o Bcash, do site Buscapé, e o PagSeguro, do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha

Ouvida pelo site, o PayPal emitiu um comunicado em que disse que, mesmo que o Facebook lance um competidor para seu negócio, espera que o relacionamento das empresas continue bom. “Nossos clientes adoram usar o PayPal no Facebook. Nós sempre damos boas-vindas à concorrência e estamos aguardando para ver o que o Facebook vai anunciar”, disse o porta-voz.

“Nós continuamos a ter um excelente relacionamento com o PayPal”, disse um porta-voz da rede social ao site. Esse produto é uma simples maneira de testar como podemos prover nossos parceiros de aplicativos com uma experiência de comércio mais simples.”

Folha

Brasil chega a 76 milhões de usuários no Facebook; mais da metade acessa do celular

Mais da metade dos usuários do Facebook no Brasil, no México e na Argentina usam celulares e tablets para acessar a rede social, disse nesta quarta-feira (14) a empresa norte-americana, que aposta cada vez mais na monetização das plataformas móveis.

Segundo estatísticas do Facebook, às quais a Reuters teve acesso, o Brasil era o principal mercado latino-americano, com 76 milhões de usuários ativos mensais em 30 de junho, e 57,9% deles se conectava tanto a partir de computadores como por dispositivos móveis.

O último dado que a empresa havia liberado era de março, quando havia 67 milhões de usuários (crescimento de 13,4% em três meses).

Segundo dados de julho da Anatel, há 77,4 milhões de usuários de internet no celular no Brasil.

O país é seguido pelo México, com 47 milhões de usuários mensais, sendo que 74,5% deles conectados também por celulares e tablets. A Argentina tinha 22 milhões de acessos, dos quais 59,1% a partir de dispositivos móveis.

“Esses números têm uma força muito grande em termos de marketing”, disse à Reuters o vice-presidente do Facebook para a América Latina, Alexandre Hohagen. “Queremos conscientizar as empresas de que existe uma oportunidade incrível”.

Esta é a primeira vez que o Facebook divulga cifras de usuários, em um esforço para ajudar os anunciantes a compreender melhor o alcance de sua plataforma e competir mais de frente com a televisão.

E os números sugerem que a América Latina –com cerca de 200 milhões de usuários ou 18% da base global– é uma região de acelerado crescimento para a companhia de Menlo Park, Califórnia.

Todos os dias, 61,4% dos usuários ativos mensais nos três maiores mercados da região conectam-se à rede social. Isso representa uma audiência de 47 milhões de brasileiros, 28 milhões de mexicanos e 14 milhões de argentinos.

“A porcentagem é significativamente mais alta que a média dos outros países”, disse Hohagen.

“Em termos de construção de marca para nossos clientes, isso tem uma relevância enorme”, completou. “Não há outro meio que tenha essa capacidade de chegar a tanta gente em um só dia”.

Segundo dados divulgados na terça-feira, os Estados Unidos têm 179 milhões de usuários ativos mensais e 128 milhões diários. Os números mostram também que a Índia tirou o lugar do Brasil como segundo maior usuário global do Facebook, com 82 milhões, mas apenas 34 milhões se conectam diariamente.

DISPOSITIVOS MÓVEIS

O Facebook registrou um forte aumento de seu lucro no segundo trimestre, graças à venda de publicidade em suas aplicações para dispositivos móveis.

Os resultados acalmaram o temor dos investidores de que o Facebook não soubesse como monetizar sua base de 1,15 bilhão de usuários, um drama típico das empresas de internet.

Hohagen disse que o horizonte para a publicidade móvel do Facebook é imenso também na América Latina. A região tem menor penetração de internet que outros mercados mais saturados como Estados Unidos e Europa, a classe média emergente compra cada vez mais smartphones e ainda há espaço para que caia o custo dos planos de dados.

“As empresas começam a entender a importância das plataformas móveis para suas marcas”, disse o executivo.

A consultoria de análises comScore calcula, por exemplo, que na América Latina apenas 8,1% das páginas são hoje abertas às pequenas telas dos dispositivos móveis. Apesar de a porcentagem ser duas vezes inferior à dos Estados Unidos, é três vezes maior que no ano passado.

Além disso, as vendas de smartphones ou telefones avançados nos quais o Facebook baseia sua estratégia comercial, crescem sem parar.

Neste ano, 42,5% dos 188 milhões de celulares comercializados na América Latina serão smartphones, segundo a empresa de inteligência de mercado IDC. E em 2014, superarão pela primeira vez os telefones celulares convencionais.

Folha