DE ANÔNIMOS AO PRESIDENTE: Vazamento de senhas do Ministério da Saúde expõe informações de pacientes suspeitos ou confirmados para Covid-19; ao menos 16 milhões

Informações pessoais de pacientes com diagnósticos suspeitos ou confirmados de Covid-19 ficaram disponíveis na internet por quase um mês depois que senhas do Ministério da Saúde foram publicadas em uma plataforma aberta, segundo o jornal “O Estado de S. Paulo” em uma reportagem publicada nesta quinta-feira (26).

As senhas permitiam acesso a dados como CPF, endereço, telefone e doenças pré-existentes de pelo menos 16 milhões de pessoas em todo o país, segundo o jornal (veja detalhes mais abaixo).

Os dados foram publicados por um funcionário do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, em um site de compartilhamento de códigos de programação usado por programadores e cientistas de dados, também de acordo com o “O Estado de S. Paulo”.

Em nota divulgada na quarta-feira (25), o hospital disse que “tomou conhecimento” de que “um colaborador que presta serviços ao Ministério da Saúde teria arquivado informações de acesso a determinados sistemas sem a proteção adequada” (veja íntegra do texto ao final da reportagem).

Em comunicado, o Ministério da Saúde afirmou que o Einstein estava adotando medidas para “um possível vazamento de arquivos contendo login e senha para acesso das informações” por meio de um mecanismo de busca de dados aberto chamado Elastic Search.

Ainda de acordo com a pasta, o hospital informou que “uma planilha foi equivocadamente publicada em uma plataforma de hospedagem de código-fonte”. (Veja íntegra do texto ao final da reportagem).

Nem o Einstein, nem o Ministério da Saúde confirmaram o número de pacientes cujas informações podem ter ficado expostas após a publicação das senhas.

Senhas e planilha

De acordo com o “O Estado de S. Paulo”, com as senhas publicadas, era possível acessar registros relacionados à Covid-19 em dois sistemas do governo federal: um com notificações de casos suspeitos e confirmados da doença e outro com as internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG).

A SRAG pode ser causada por vários vírus respiratórios, mas, neste ano, quase 98% dos casos no Brasil têm o vírus da Covid-19 como causa, segundo dados da Fiocruz. Os dados das internações por SRAG têm sido usados para estimar com mais precisão o número de casos de Covid no país – que são subnotificados por causa da pouca testagem.

O jornal disse que recebeu uma denúncia com o link para página onde as senhas estavam disponíveis. Segundo a reportagem, a planilha com os dados foi publicada em 28 de outubro.

Na nota de quarta-feira (25), o Einstein disse que as informações “foram removidas e o fato comunicado ao Ministério da Saúde, para que fossem tomadas as medidas para assegurar a proteção das referidas informações”.

O Ministério da Saúde informou que o Departamento de Informática do SUS (DataSUS) “revogou imediatamente todos os acessos dos logins e das senhas que estavam contidos na referida planilha”.

Ainda de acordo com a Saúde, os bancos de dados “não são de fácil acesso, uma vez que apenas login e senha não são suficientes para se chegar às informações contidas nos bancos de dados – e sim um conjunto de fatores técnicos”.

Dados de membros do governo

A reportagem afirma que o presidente Jair Bolsonaro e ao menos outros 7 ministros foram afetados pelo vazamento – incluindo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello; o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni; e a ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

Também tiveram os dados expostos o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e outros 16 governadores, além dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), de acordo com o jornal.

Ainda segundo a reportagem, “tanto pacientes da rede pública quanto da privada tiveram seus dados expostos”, porque a notificação de casos suspeitos e confirmados de Covid é obrigatória a todos os hospitais.

Nota do Hospital Albert Einstein (25/11):

“Prezados Senhores,

O Einstein tomou conhecimento na tarde de hoje que um colaborador que presta serviços ao Ministério da Saúde teria arquivado informações de acesso a determinados sistemas sem a proteção adequada.

Imediatamente estas informações foram removidas e o fato comunicado ao Ministério da Saúde, para que fossem tomadas as medidas para assegurar a proteção das referidas informações.

O Einstein reitera seu compromisso com a segurança das informações e a proteção de dados, bem como que tomará as medidas administrativas cabíveis.

Atenciosamente,

Edson Amaro Jr.

Superintendente de Ciência de Dados e Analytics da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira

Albert Einstein”

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PEDRO VERDADEIRO. disse:

    Tem como petista aloprados e burro vai ter que traduzir, fácil de resolver é do procurar Pixuleco e Touro sentado, o muuuuuuuu eu traduzi, adeus Nove dedos, a o emprego está voltando e os ladrões estão na cadeia, PT nunca mais…..kkkkkk, muita coisa para um mugido.

  2. PEDRO VERDADEIRO. disse:

    Mané, afora é assim kkkkkkkk, ohm i ohm i ohm i ohm i ohm i ohm i ohm, ohm ohm ohm ohmmmmmmm.

  3. Moisés de Almeida Filho disse:

    Se tivesse usado o mesmo aplicativo da urnas eletrônicas, as informações estariam em segredo e seriam invioláveis.
    Não usa o mesmo sistema das urnas, a acontece isso.
    Por sinal, qual a razão desse sistema inviolável e impenetrável das urnas eletrônicas não ser adotado pela CIA, Inteligência Russa, pelos japoneses, indianos e todas as outras potências mundiais em informática?
    As urnas são a maior revolução no mundo da informação, será mesmo?
    Quem é mesmo que defende as urnas?

TCU: Contrato do Ministério da Saúde para comprar reagentes de testes da Covid-19 no valor de R$ 133,2 mi tem suspeita de irregularidades

Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

Um contrato do Ministério da Saúde para aquisição de 10 milhões de kits de reagentes usados em testes da Covid-19, firmado em agosto por R$ 133,2 milhões, está sob suspeita de irregularidades. A informação foi repassada pela Diretoria de Integridade (Dinteg) da própria pasta ao Tribunal de Contas da União (TCU), durante o trabalho de fiscalização periódica das medidas relacionadas à pandemia.

Em relatório produzido pela Secretaria de Controle Externo da Saúde do TCU, que embasou acórdão aprovado na última quarta-feira na Corte, a equipe relata “diversas alterações na especificação do objeto a ser contratado” ao longo do processo de compra.

Aponta ainda que um pedido de reconsideração apresentado pela empresa que ficou em segundo lugar no processo de aquisição emergencial, alegando direcionamento à vencedora, foi ignorado pelos setores responsáveis e mantido fora do conhecimento de outros integrantes da pasta.

O Ministério da Saúde informou que avalia “anular o contrato”, “reavaliar a real necessidade de contratação dos testes” e “instaurar procedimento para apurar a responsabilidade dos envolvidos”, aponta o documento do TCU. A compra está listada pelo tribunal como um dos dez maiores contratos de aquisição direta feitos pela pasta no contexto da pandemia da Covid-19.

“Conforme explanado por um dos integrantes da Dinteg (Diretoria de Integridade do Ministério da Saúde), a partir da documentação relacionada à contratação, é possível verificar a existência de indícios de irregularidades na contratação, o que evidencia a falta de planejamento e coordenação por parte do Ministério da Saúde para a aquisição”, aponta o relatório do TCU.

O contrato sob suspeita foi assinado em 21 de agosto, já na atual gestão do ministro Eduardo Pazuello.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. mily disse:

    Esse país é movido a corrupção, que vergonha viu!

“Não houve qualquer compromisso com São Paulo na aquisição de vacinas contra Covid-19. Tratou-se de um protocolo de intenção, sem caráter vinculante”, informa Ministério da Saúde

Fotos: Reprodução/TV Brasil

O Ministério da Saúde atualizou nesta quarta-feira (21) as informações sobre a vacina CoronaVac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan. O secretário executivo da pasta, Elcio Franco, realizou pronunciamento, transmitido pela TV Brasil, para prestar esclarecimentos sobre a carta de intenções para aquisição da vacina do Butantan-Sinovac/Covid-19.

“Qualquer vacina, quando estiver disponível, certificada pela Anvisa, e adquirida pelo Ministério da Saúde, poderá ser oferecida aos brasileiros por meio do Programa Nacional de Imunizações, e no que depender desta pasta, não será obrigatória”, informou o secretário executivo.

Segundo o secretário, não houve qualquer compromisso com o governo do estado de São Paulo no sentido de aquisição de vacina contra a covid-19. “Tratou-se de um protocolo de intenção entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan, sem caráter vinculante, por se tratar de um grande parceiro do Ministério da Saúde na produção de vacinas para o Programa Nacional de Imunizações [PNI].

Franco esclareceu que é “mais uma inciativa para tentar proporcionar vacina segura e eficaz para a nossa população, neste caso como uma vacina brasileira” e se estiver disponível antes da vacina da AztraZeneca/Oxford ou da Covax. “Não há intenção de compra de vacinas chinesas”, ressaltou.

O secretário reforçou que qualquer vacina depende de análise técnica e aprovação da Anvisa, pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) e pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) do Sistema Único de Saúde (SUS). Franco reafirmou que quando qualquer vacina estiver disponível, certificada pela Anvisa e adquirida pelo Ministério da Saúde, ela será oferecida aos brasileiros por meio do PNI e, “no que depender desta pasta, não será obrigatória”.

CoronaVac

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (21) que o governo federal não comprará a vacina CoronaVac. De acordo com ele, antes de ser disponibilizada para a população, a vacina deverá ser “comprovada cientificamente” pelo Ministério da Saúde e certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Veja a nota do Ministério da Saúde:

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PABLO disse:

    Chora não Petralhada,em 2022 vai ser no 1° turno,é o Luladrão voltará para onde nao deveria ter saído…..cadeeeeeeeeeeeeeiaaaaaaaaaaaaa……kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Pedro disse:

    Nordestino vc com certeza vc não é, um dos ícones da nossa amada região, de ilustres brasileiros, um dia cantou: "Seu doto os nordestinos,teem muita gratidão pelo auxílio dos sulistas nessas secas do sertão, mais doto uma esmola ao homem que é São, ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão…." como pode sentir, talvez vergonha vc não tenha, eu tenho, viciado não sou, mais parece que vc É.

  3. Patriota disse:

    Os Bolsominions só tem produtos Ching ling nas suas casas, mas não podem tomar a vacina comunista. A alienação e a estupidez não tem limites pra eles. Que a seleção natural cumpra o seu papel 🙏🙏🙏

  4. Cuecão & Cuequinha disse:

    Veterinários vão ter trabalho quando começar essa vacinação

  5. Nordestino disse:

    Já aplicaram aftosa no gado

    • Fernando disse:

      Sua vacina anti trabalho vc tomou aonde? Vou ri quando vc tiver fora da idade produtiva e sem um chefe criminosos petralha pra te dá uma esmola. Rsrsrs

    • Bruno disse:

      Não aplicaram aftosa, mais estão colocando tornozeleira eletrônica nos petistas, quer pegar a fila?

    • Bolsovirus disse:

      Eles agora estão comendo um tal de capim gordura, segundo eles mata o coronavirus.

    • Devolva o Brasil para os Índios disse:

      Nordestino, além de biangulados eles são binários, para eles ou vc é Bolsonaristas ou vc é Lulista, são limitados.

    • Zanoni disse:

      Booooa! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Manoel disse:

      Se a vacina contra aftosa for chinesa eles nao tomam mas se for made in USA ou UK ele descem logo as calças.

Ministério da Saúde aprova estudo da CBF para volta de 30% do público no Brasileiro

Foto: Antonio Scorza

O Ministério da Saúde aprovou o estudo enviado pela CBF para a volta de até 30% do público aos estádios do Brasil, nos jogos do Campeonato Brasileiro da Série A, a partir de outubro.

Segundo a reportagem apurou, a entidade já recebeu o aval do órgão, através de ofício do Ministro Eduardo Pazuello, que endereçou documento ao presidente Rogério Caboclo.

A única exigência é que cada município ou estado adote a sua política sanitária e um protocolo de saúde. A CBF entende que a liberação deve ser feita de forma uniforme em todo o Brasil.

O processo de liberação para a volta parcial do público aos estádios de futebol do Rio terá novos capítulos essa semana no Rio. Depois de a Prefeitura do Rio anunciar na última sexta-feira que pretende ter 20 mil pessoas no Maracanã em outubro, autoridades municipais, estaduais e federais se encontram na próxima quinta-feira para avaliar os dados apresentados pela CBF ao Ministério da Saúde.

O documento leva em consideração o que foi enviado pela CBF. Mas a entidade ainda tem sua participação aguardada na reunião. A Comissão Médica da CBF ainda não foi convidada para tratar do assunto.

Vale lembrar que decreto de sábado do governador em exercício, Claudio Castro, ainda proíbe o público em eventos no Rio até o dia seis de outubro.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. joas andrade disse:

    livres e conscientes!

Ministério da Saúde quer sugestões sobre protocolo para tratamento de obesidade

Foto: © Ginecomastia.org/Direitos Reservados

O Ministério da Saúde abriu, nessa quarta-feira (29), consulta pública para receber contribuições sobre o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) do Sobrepeso e Obesidade em adultos.

Representantes da sociedade civil e profissionais de saúde podem contribuir por meio de produções científicas ou relatos de experiências até o dia 10 de agosto.

De acordo com a pasta, o material foi elaborado para subsidiar profissionais, gestores e usuários para a importância de práticas de cuidado multiprofissionais como instrumento para prevenção e controle da obesidade e do sobrepeso no país.

O protocolo tem informações sobre prevenção, diagnóstico e tratamento da condição de sobrepeso e obesidade. Inclui ainda orientações relacionadas ao monitoramento, além de indicações para gestores.

A obesidade é uma das doenças que mais tem crescido nos últimos anos em nível global. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que os índices de obesidade e sobrepeso quase triplicaram desde 1975. Em todo o mundo, existem pelo menos 650 milhões de obesos.

De acordo com Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018, no Brasil uma em cada cinco pessoas é obesa e mais da metade da população das capitais estão com excesso de peso.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Raimundo disse:

    Eu sugiro a abertura de centros de combate à obesidade nas cidades.
    Seriam formados grupos com orientações, atividades físicas e metas, tipo o programa medida certa da Globo onde famosos eram acompanhados por um período.
    Deveriam ser locais espaçosos tipo Sesi onde pudesse haver atividade física e até restaurantes com refeições com calorias contadas.
    Tipo fornecer pratos com 350 calorias para acostumar as pessoas.
    Os grupos fariam reuniões semanais, com a participação de nutricionistas, psicólogos para conscientizar a população.
    O governo também proibir restaurantes de incentivar a obesidade.
    Tipo, o suco de 300 ml é 10 reais. Leve o de 500 ml por 12 reais.
    Onde já se viu alguém "encher a barriga" com meio litro de líquido?
    Ou pipocas de um litro em cinema.
    Antigamente era aquela pipoca pequena.

    • Manoel C disse:

      Amigo, sobre a quantidade, deixa o mercado vender o que quiser ao preço que quiser.

  2. Josmari de Sales Costa disse:

    Dieta, exercicio físico, e principalmente, vontade, paciencia, disciplina.
    Pronto aí o protocolo.

Lacen/RN reclama que aguarda há quatro meses o Ministério da Saúde renovar contrato para fornecimento de kits de extração automatizada para realização dos exames

Foto: Sandro Menezes

As ações da administração estadual no combate à Covid-19 reforçam o trabalho do Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Norte Dr. Almino Fernandes (Lacen/RN) na testagem dos casos suspeitos. Desde o início da pandemia, o Lacen liberou 21.584 resultados de exames. Deste total 10.152 positivos, o que representa percentual de 47,03%.

A estatística mensal mostra que em fevereiro foram liberados 28 exames, nenhum deles positivo. Em março o número subiu para 722, sendo 12,32% positivos. Em abril foram realizados 3.415 exames, dos quais 22,72% deram resultado positivos. No mês de maio houve 5.001 exames, sendo 50,90% positivos. Em junho, a marca de exames realizados atingiu 6.631 e mais da metade deles (60,86%) foram positivos. De 1º a 21 de julho, o laboratório já havia realizado 5.787 exames com 46,74% de resultados positivos.

O diretor administrativo do Lacen, Derley Galvão, informou também que o Governo do Estado investiu mais de R$ 800 mil em equipamentos que já estão em uso. “E temos uma próxima compra estimada em R$ 1,5 milhão para equipar as regionais do Lacen em Natal, Caicó, Mossoró e Pau dos Ferros”, declarou, acrescentando que entre os investimentos foram aplicados ainda mais de R$ 2 milhões em insumos e material de consumo para exames de Covid.

Derley Galvão afirmou que o Lacen aguarda há quatro meses o Ministério da Saúde renovar o contrato com Laboratório Abbott para fornecimento dos kits de extração automatizada para realização dos exames. Para não atrasar as análises, o Governo do RN se antecipou e fez três compras – duas concluídas – no valor de R$ 312 mil. “Infelizmente há investimento do Ministério da Saúde em centrais analíticas e não há nos Laboratórios Centrais, o que causa problemas de logística. Seria muito mais fácil os municípios enviarem os testes para o Laboratório Central analisar no Estado, do que enviar para o Lacen e os excedentes serem enviados para o Rio de Janeiro, por exemplo, como é a modelagem de hoje. O melhor seria os laboratórios estaduais fazerem diretamente as análises”, argumentou.

Os investimentos do Governo do Estado no Lacen permitiram a contratação de sete profissionais para a área de biologia molecular, setor responsável pela análise dos testes de RT-PCR, o que ampliou a capacidade de liberação de exames que acontecem em até 24 horas.

Recentemente o Programa “Diagnosticar para cuidar” do Ministério da Saúde emitiu nota técnica determinando que todos os pacientes com suspeita de síndrome gripal sejam testados no modelo Swab. O Ministério da Saúde vai enviar os testes para o Estado repassar aos municípios de acordo com necessidades. “No primeiro momento o Lacen vai fazer a análise dos exames e, se houve excedente à nossa capacidade, as amostras serão enviadas para a Fiocruz no Ceará e Rio de Janeiro”, informou Derley.

DADOS ATUALIZADOS

A taxa geral de ocupação de leitos hoje no RN é de 85%. A maior concentração está na região de Pau dos Ferros (100%), seguida das regiões Metropolitana de Natal (89%), Oeste (80%), Mato Grande (75%) e Seridó (70%).

Nas redes de hospitais públicos, privados e filantrópicos há 529 pessoas internadas, sendo 276 em leitos críticos e 253 em leitos clínicos. A fila de regulação tem 4 pacientes aguardando vagas para leitos críticos, 4 para leitos clínicos e 12 aguardando transporte sanitário. O cenário epidemiológico tem 45.184 casos confirmados, 57.202 suspeitos e 69.856 casos descartados. Os óbitos confirmados são 1.636 (11 nas últimas 24 horas) e há 200 óbitos em investigação.

A Sesap iniciou hoje levantamento junto as todos os municípios para otimizar o fluxo de envio de informações atualizadas. Nos últimos dias houve instabilidade junto à disponibilidade de dados pelo Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde anuncia habilitação de mais 43 leitos de UTI para o RN em custos que ultrapassam R$ 5 milhões

Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde anunciou a habilitação de mais 43 leitos de UTI para tratamento de pacientes com a Covid-19 para o Rio Grande do Norte. Ao todo, o Ministério da Saúde fez um aporte na ordem de R$ 1,3 bilhão, pago em parcela única, para que estados e municípios possam custear esses leitos pelos próximos 90 dias ou enquanto houver necessidade em decorrência da pandemia. Nessa segunda-feira (13), foram habilitados mais 146 leitos de UTI, ao custo de R$ 21 milhões. As habilitações contemplaram municípios nos estados do Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Rio Grande do Sul. Conforme visto em quadro, no Estado, o valor ultrapassa a casa dos R$ 5 milhões.

O pedido de habilitação para o custeio dos leitos COVID-19 é feito pelas secretarias estaduais ou municipais de saúde, que garantem a estrutura necessária para o funcionamento dos leitos. O Ministério da Saúde, por sua vez, realiza o repasse de recursos destinados à manutenção dos serviços por 90 dias ou enquanto houver necessidade de apoio federal devido à pandemia.

Para solicitar a habilitação, basta que estados e municípios enviem um ofício ao Ministério da Saúde solicitando a abertura desses leitos. Os critérios para habilitações são bem objetivos e simples, para dar celeridade e legalidade na publicação de portaria habilitando leitos e transferir o recurso necessário o mais rápido possível.

https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/47199-mais-146-leitos-de-uti-para-covid-19-habilitados-no-brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nando do oeste disse:

    Será se ninguém vai defender o trabalho da governadora para defender os potiguares dessa Pandemia? nem os cargos comissionados dela? Isso só deixa mais claro mais uma vez, que os incompetentes pt só decepciona seus cegos eleitores.

  2. .40 disse:

    Um bando de papangu defendendo o governo federal, o dinheiro é nosso, são nossos impostos, tem que mandar dinheiro mesmo para os estados e municípios, tem que pagar auxílio emergencial. Bozo e Fatão são mais dos mesmos. Acordem, político tem que ser cobrado e não bajulado.

  3. Muda Brasil disse:

    Ainda tem uma récua que insiste em acusar o presidente de genocídio, é muita falta do que fazer e do que pensar, magote de besta e cegos.

  4. Augusto Santos disse:

    A Dona Fátima achando que ia pegar carona nós feitos do Governo Bolsonaro.
    É assim que se faz com 5 MILHÕES.
    Enquanto isso, os 5 MILHÕES que a Governadora enviou para o consórcio de esquerda, foi parar na mão de uma empresa fantasma.
    Esse é consórcio do PDT, PT, PSB, tá mais para um consórcio da morte.

    • CIDADAO55 disse:

      Prezado Augusto.

      Como FATÃO BOKU'S gosta de terceirizar tudo, vai acabar falando que a culpa dela ter gasto quase 15 milhões de reais com o consórcio NE, OS e ambulâncias é do PR JB que enviou recursos para o RN, mesmo o governo estadual sendo oposição ao governo federal. Isso, prospectando seu argumento futuro, seria um modo de sabotar o governo dela.

      Kkkkkk

  5. Olimpio disse:

    Ai da população se não fosse o governo federal e as prefeituras.

  6. David disse:

    5 milhões = 43 leitos de uti, UTIs que faltaram no estado do RN, e que teriam salvado muitas vidas de entes queridos, mas Fátima entregou irresponsavelmente esse dinheiro pra o consórcio nordeste. E vai ficar por isso mesmo? Totalmente impune? SOS

  7. Cabo Silva disse:

    A única medida divulgada pelo governo estadual foi a abertura de leitos de UTI.

    Como está provado, o financiamento é FEDERAL.

    FATAO não fez absolutamente nada.

    • M.D.R. disse:

      Desde GOVERNADORA, ñ espere algum veja o que ELA fez com os PELAGAS na linha de FRENTE ; zero reajuste salarial, 11 anos sem reposição, os PROFESSORES o aumento devidiu em várias prestações para 2021, Reforma da PREVIDÊNCIA , é uma verdadeira humilhação se observarmos em relação do Presidente BOLSONARO.

  8. CIDADAO55 disse:

    Que a governadora FATÃO BOKU'S venha tomar pra si a habilitação desses leitos entregues pelo MS, governo federal

Governo obedece ordem do STF, e Ministério da Saúde volta a divulgar dados completos da covid

Página do Ministério da Saúde volta a exibir dados acumulados sobre a Covid-19 — Foto: Ministério da Saúde/Reprodução

O Ministério da Saúde voltou a divulgar, na tarde desta terça-feira (9), os números acumulados e os índices proporcionais dos contágios e mortes em decorrência do coronavírus. Esses dados estavam ausentes da divulgação oficial deste a última sexta (5).

Durante esse intervalo, o portal do ministério sobre a covid-19 divulgou somente os casos e mortes confirmados nas 24 horas anteriores.

A mudança gerou críticas de autoridades e especialistas. Na noite de segunda (8), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a retomada do formato original.

Até as 16h30 desta terça, o portal ainda exibia os dados compilados na noite de segunda-feira. De acordo com esses números, o Brasil registrou 707.142 casos confirmados e 37.134 mortes.

Os números, de acordo com o site, indicam uma incidência de 336,6 casos e uma mortalidade de 17,7 mortes para cada 100 mil habitantes.

Com o formato atualizado nesta terça, o Ministério da Saúde cumpre, na íntegra, os dados solicitados na ação. A lista de dados inclui:

número de casos confirmados, pacientes recuperados e óbitos em decorrência da Covid-19 nas últimas 24 horas;

número total de casos confirmados, pacientes recuperados e óbitos em decorrência da Covid-19;

número de casos, óbitos e recuperados por dia de ocorrência;

número de hospitalizados com confirmação de Covid-19 e com SARS (síndrome respiratória aguda) em enfermaria e UTI por unidade de saúde, município e estado.

Com G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Mito do Gado disse:

    O interessante é a forma como o Ministério da Saúde informa o número de mortos. A letra é bem pequenininha. Mal da pra ler!

  2. Ricardo disse:

    Bruno, procure saber pq SESAP RN não atualizar diariamente o número de curados. Em Ceará mirim a prefeitura diz q manda diariamente todos os dados atualizados para SESAP.

NÃO PROCEDE: Ministério da Saúde alerta perfil fake do ministro interino Eduardo Pazuello com crítica a operação da PF

Foto: Reprodução/Twitter

Atenção! O Ministério da Saúde informa que o ministro interino Eduardo Pazuello não possui contas em redes sociais. O perfil com a mensagem é “fake” e a pasta solicitou à plataforma sua exclusão. As informações foram divulgadas pelo Ministério da Saúde na tarde desta quarta-feira(27), através do microblog Twitter.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carlúcio disse:

    Vamos checar todas as informações das redes sociais, boa parte são fake news.

Bolsonaro diz que Pazuello vai ‘ficar por muito tempo’ no Ministério da Saúde

Foto: Adriano Machado/Reuters

Questionado na manhã desta quarta-feira se já escolheu o novo ministro da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o general Eduardo Pazuello, que assumiu interinamento o comando da pasta após a saída de Nelson Teich, na semana passada, “vai ficar por muito tempo” no cargo. Ainda segundo Bolsonaro, Pazuello, que não tem experiência prévia com a área de saúde, é “um bom gestor” e terá médicos em sua equipe.

— Ele vai ficar por muito tempo esse que tá lá. Não vou mudar não. Ele é um bom gestor e vai ter uma equipe boa de médicos embaixo dele — declarou o presidente, em conversa com garis no caminho entre os palácios da Alvorada e do Planalto, por volta das 9h.

Bolsonaro falou ainda sobre os impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus na população mais pobre, que já está com geladeiras vazias, e reiterou que “mais da metade” vai pegar a doença.

— Não adianta. É igual a uma chuva chover aqui agora. Vamos enfrentar, tomar conta do pai de vocês, da minha mãe, que está viva, quem pegou a doença, e toca o barco, toca a vida. Esse empobrecimento que estão fazendo quase no Brasil todo vai levar o pobre a ficar mais pobre, classe média ficar pobre, e é ruim para todo mundo, porque sem dinheiro não tem vida, não tem saúde — declarou.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    É muito feio prometer o que não se pode cumprir, kkkk coisa de político mesmo…

  2. Cidadão pagador de impostos disse:

    Um pára-quedista lkkkkkkkkkkkk
    Tamo fu….

Ministro-substituto, general Eduardo Pazuello, nomeia nove militares do Exército para atuar no Ministério da Saúde

Foto: Reprodução/Globo News

O ministro-substituto da Saúde, general Eduardo Pazuello, nomeou mais nove militares do Exército para atuar no ministério. As nomeações foram publicadas na edição desta terça-feira (19) do “Diário Oficial da União”.

O governo vem aumentando a presença de militares no Ministério da Saúde desde a saída de Luiz Henrique Mandetta do comando da pasta. O primeiro foi Pazuello, nomeado secretário-executivo do então ministro da Saúde Nelson Teich, que deixou o cargo na semana passada.

No final de abril, Carlos Alberto Andrade e Jurgielewicz foi exonerado do cargo de secretário-executivo adjunto da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde e, para o lugar dele, foi nomeado o coronel do Exército Antônio Élcio Franco Filho, que havia comandado a Secretaria de Saúde de Roraima antes de ir para o governo federal.

Em outra portaria publicada nesta terça, Pazuello mudou o cargo do coronel Antônio Élcio. Agora ele será secretário-executivo substituto do Ministério da Saúde.

Já no começo de maio, pelo menos outros dois militares foram nomeados para atuar no ministério.

Confira as novas nomeações de militares do Exército para o Ministério da Saúde, publicadas nesta terça:

André Cabral Botelho, subtenente de infantaria, será coordenador de contabilidade;

Ramon da Silva Oliveira, major, será coordenador-geral de Inovações de Processos de Estruturas;

Giovani Cruz Camarão, subtenente, será coordenador de Finanças do Fundo Nacional de Saúde (FNS);

Alexandre Magno Asteggiano, capitão, será assessor;

Marcelo Sampaio Pereira, tenente-coronel, será diretor de programa;

Vagner Luiz da Silva Rangel, tenente-coronel, será coordenador de execução orçamentária;

Luiz Otávio Franco Duarte, coronel, será assessor especial do ministro;

Angelo Martins Denicoli, major, será diretor do Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS;

Mario Luiz Ricette Costa, tenente, atuará na Subsecretaria de Planejamento e Orçamento.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José disse:

    Talvez com a "Dita Dura" dos militares resolva os problemas da saúde! Kkk

  2. Jd disse:

    Haja bala! Isso é um ministério da saúde ou um quartel! Doís salários …

    • Ojuara disse:

      Pior era quando só era um salário, mas o roubo era bilionário. Questão de escolha né.

  3. Chega de CANALHAS disse:

    A esquerdalha PIRA GERAL, os "CUMPANHEIROS" estão sem poder roubar.KKKKKKKKKKKMMK

  4. Observando disse:

    a boquinha acabou.

  5. Rafael Franco disse:

    Será q os milicos gostam de pontinha? Esses aí são os verdadeiros parasitas da república!

  6. Véio de Rui disse:

    Mil vezes militares do que um covil de ladrões!

  7. Nando disse:

    Coronel-Virus, vai pra frente pra combater a porra do covid-19.

  8. sergio disse:

    Realmente são muitos militares, porém se tiverem capacidade tudo bem. É melhor um militar honesto do que os ladrões do PT,PSDB e MDB.

  9. Luiz Antônio disse:

    A Armada e a Aeronáutica estão com pouco prestígio nesse governo.

  10. Cidadão Indignado disse:

    Que vergonha! Com certeza, pessoas sem a qualificação adequada para a função. Militares entendem de guerra; será uma catástrofe anunciada previamente. Meus pêsames para esse governo de desqualificados!

    • Chicó disse:

      Você sabe em quais instituições a população mais confia ?

    • Prmo disse:

      É muita falta de conhecimento acha que militar não tem qualificação para outras áreas. Santa ignorância !

    • Waldemir disse:

      Cala a boca esquerdista pode ficar indignado mas vc vai ter que trabalhar

  11. Gil disse:

    Socorro!!!! Governo federal virou cabide de emprego para militar aposentado. Vcs não são os fodões, vão para iniciativa privada, mas vão nada, são acostumados a ficar dentro do quartel e no fim do mês a grana cair na conta certinho. Abram uma empresa ou vão procurar emprego no mercado. Quer morrer sugando do Estado.

    • Prmo disse:

      Não roubando nosso dinheiro e fazendo um bom serviço é o que importa. Estão julgando antes de sequer ver qualquer atuação por parte deles.

  12. Bezerra disse:

    Misericórdia!!!

  13. Luiz Antônio disse:

    Vão botar o coronavírus pra fazer ordem unida.

  14. OSORIO SAMPAIO disse:

    E UM MINISTÉRIO DE SAUDÊ OU UM QUARTEL.

Em despedida, Teich evita justificar sua saída: ‘Achei que poderia ajudar o país. Dei o melhor de mim’

Foto: Reprodução/Globo News

Um dia antes de completar um mês no cargo, o ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou nesta sexta-feira (15), em entrevista no Ministério da Saúde, que “escolheu” deixar a pasta.

Ele fez a afirmação durante um rápido pronunciamento no Ministério da Saúde, ao lado do secretário-executivo, general Eduardo Pazuello, e de técnicos da pasta.

“A vida é feita de escolhas. E hoje eu escolhi sair”, afirmou o ex-ministro. Ele disse que não aceitou o convite pelo cargo. “Eu aceitei que achava que poderia ajudar o Brasil e ajudar as pessoas”, afirmou.

Ao sair logo após após o pronunciamento, sem dar entrevista, o ex-ministro foi questionado se o motivo da saída era a insistência do presidente Jair Bolsonaro em relação ao uso da cloroquina como medicamento a ser adotado logo no início dos sintomas da covid-19, doença provocada pelo coronavírus. Teich não respondeu.

Em sua fala, o ex-ministro agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro pela oportunidade de ter comandado o ministério e elogiou a dedicação da equipe que trabalhou com ele no ministério.

Ele disse que deixou um plano pronto para governadores e secretários estaduais. Segundo o ministro, um programa de testagem também está pronto para ser aplicado.

Teich deixou o cargo nesta sexta-feira (15), antes de completar um mês à frente da pasta. Apesar de uma nota oficial do ministério dizer que ele pediu demissão, assessores da Saúde afirmaram que o ministro foi demitido.

Nelson Teich tomou posse em 17 de abril. Essa é a segunda saída de um ministro da Saúde em meio à pandemia do coronavírus. Teich havia substituído Luiz Henrique Mandetta.

Assim como Mandetta, Teich também acumulou divergências com o presidente Jair Bolsonaro sobre as medidas para combate ao coronavírus.

Nos últimos dias, o presidente e Teich tiveram desentendimentos sobre:

o uso da cloroquina no tratamento da covid-19 (doença causada pelo vírus). Bolsonaro quer alterar o protocolo do SUS e permitir a aplicação do remédio desde o início do tratamento.

o decreto de Bolsonaro que ampliou as atividades essenciais no período da pandemia e incluiu salões de beleza, barbearia e academias de ginástica

detalhes do plano com diretrizes para a saída do isolamento. O presidente defende uma flexibilização mais imediata e mais ampla.

Teich foi ao Palácio do Planalto nesta manhã para uma reunião com Bolsonaro. Em seguida, ele voltou para o prédio do Ministério da Saúde. A demissão foi anunciada logo depois.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ozanir disse:

    Sr Omar o vendedor de caixão de "todo mundo odeia o Cris" será o novo ministro da saúde

  2. Cigano Lulu disse:

    O Capetão agora já pode pedir música no Fantástico: em menos de um mês seu ministério contabilizou três baixas. Páreo duro para o coronavírus.

  3. reginatal disse:

    Fraco e incompetente. Tinha mais é que cair fora mesmo!

  4. Rocha Neto disse:

    Não sou vidente, mais cantei a bola… falei q o novo "ministro" não celebraria São João em Brasília, pois num é que acertei . Descobri a roda! Teich pagou pela vaidade sem medida. Que sirva de lição.
    Gente, médico bem sucedido e que tem zelo pelo nome não necessita de cargo público. Sempre falei isto, mais a danada da vaidade vence o homem.

    • Cigano Lulu disse:

      Que vaidade? Teich era o nome cogitado por Bolsonaro antes mesmo deste tomar posse na Presidência.

  5. Rivanaldo disse:

    O Governo quer forçar a Cloroquina goela abaixo do povo pobre ao mesmo momento que editou uma Medida Provisória para isentar o Presidente por condutas equivocadas durante a crise. Método claro de fazer roleta russa com a saúde pública e se eximir pelo desastre que se aproxima.

Nelson Teich pede demissão e deixa o Ministério da Saúde antes de completar um mês no cargo

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O ministro da Saúde, Nelson Teich, deixou o cargo nesta sexta-feira (15), antes de completar um mês à frente da pasta. Em nota, a pasta informou que ele pediu demissão.

Teich tomou posse em 17 de abril. Essa é a segunda saída de um ministro da Saúde em meio à pandemia do coronavírus. Teich havia substituído Luiz Henrique Mandetta.

Assim como Mandetta, Teich também apresentou discordâncias com o presidente Jair Bolsonaro sobre as medidas para combate ao coronavírus.

Nos últimos dias, o presidente e Teich tiveram desentendimentos sobre:

o uso da cloroquina no tratamento da covid-19 (doença causada pelo vírus). Bolsonaro quer alterar o protocolo do SUS e permitir a aplicação do remédio desde o início do tratamento.

o decreto de Bolsonaro que ampliou as atividades essenciais no período da pandemia e incluiu salões de beleza, barbearia e academias de ginástica

detalhes do plano com diretrizes para a saída do isolamento. O presidente defende uma flexibilização mais imediata e mais ampla.

Teich foi chamado para uma reunião no Palácio do Planalto nesta manhã. Ele esteve com Bolsonaro e depois voltou para o prédio do Ministério da Saúde. A demissão foi anunciada logo depois.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. reginatal disse:

    Esse Ex-Mnistro, tem cara de enrolado, incompetente, incompetente e derrotado, mesmo! Já vai tarde.

    • Cigano Lulu disse:

      Especialista em oncologia pelo Instituto Nacional do Câncer, Nelson Teich foi quem elaborou – a pedido – todo o programa de governo destinado à área de Saúde, quando o Capetão ainda era um obscuro candidato.
      Portanto, quem está ajudando a debilitar a Saúde do país é quem escolhe e não quem é escolhido.

  2. Dra Márcia Santos disse:

    Nosso Presidente merece respeito e está tentando à muito custo quebrar essa máfia que envolve Congresso, Senado, STF e Indústria Farmacêutica, é matar um leão ao dia! Para nós médicos já foi comprovada a eficácia e segurança da Cloroquina no tratamento da Covid 19, com 100% de cura, inclusive o " DrDavi Uip se curou com essa medicação, mas foi covarde e faltou com a ética no momento em que se recusou a divulgar essa notícia, pois a intenção não é tranquilizar a população, e sim fazer conchavo com seu amiguinho Dória, que proibiu o uso da Cloroquina nós Hospitais Públicos, enquanto que nos particulares, como o Dr David foi utilizada com excelente resultado! Os médicos estão gritando a favor do uso da Cloroquina, mas ninguém quer ouvir, pois não interessa, e sabe por que? O tratamento é muito barato, e como todos estão superfaturando, aliás, como é habitual neste País, com todos os equipamentos, inclusive sem licitação, é mais fácil o povo morrer enquanto discutem uma forma de ganhar mais dinheiro, e como ele está cercado de gananciosos, e as articulações são tão podres que nem temos idéia, o Protocolo sem dúvida deve ser modificado, porém apenas com a ordem do nosso Presidente, pois não há como confiar em ninguém naquela Casa podre, que jamais se preocupam ou se preocuparão com a população! Quanto à divertida alegação de que é uma medicação com efeitos colaterais, me digam, qual não é????? Às vezes faz bem pensar, melhor ainda se for inteligente….

    • RICARDO LÚCIDO disse:

      Doutora . Com todo respeito .. Bom fim de semana . Fazia tempo que não lia uma postagem tão ruim e mal feita .

    • Cigano Lulu disse:

      Falou a cloroquinologista. Agora estou aliviado.

  3. Ronaldo disse:

    Pega fogo cabaré!

  4. Marcelo Santos disse:

    Ninguém aguenta esse MITO FAKE! kkkkkkkkkkkkkk

  5. LEO disse:

    QUEM AGUENTOU UMA ANALFABETA CHAMADA POSTE DILMA POR 6 ANOS,AGUENTARÁ ATÉ TIRIRICA POR 4 MANDATOS, E CONSECUTIVOS ,FÁCIL,FÁCIL……

  6. Lagoa seca. disse:

    Nada adianta trocar o pessoal da carroça se o jumento continua o mesmo, fora este psicopata.

  7. Jorge disse:

    Esperando os bovinos começarem a chamar o ex ministro de comunista e traidor.
    Muuuuuuu.

  8. José disse:

    BOZO INCOMPETENTE! MOURÃO PRESIDENTE!!!

  9. Juliano bugueiro disse:

    Meu amigo , não fica ninguém com vc Mito.

  10. André Fortes disse:

    Jair Bolsonaro vai colocar um militar ou o Osmar Terra no Ministério da Saúde > vai obrigar a liberar a cloroquina sem comprovação científica > se morrer gente vão usar a MP que o Bolsonaro editou para LIVRAR o agente público da culpa.

  11. RICARDO LÚCIDO disse:

    Fato já previsível . Tinha dito aqui nesse espaço que o ministro deveria ser muito frio para aguentar tanta humilhação . Além de totalmente gira do ritmo , não é fácil encarar o Bozo , votei nele e me arrependo .

  12. GUIDO disse:

    O ULTIMO QUE SAIR DESSE CURRAL APAGUE A LUZ! kkkkkkkkkk

  13. Cigano Lulu disse:

    Enquanto a fila anda o "ministro reserva" do Capetão, Osmar Terra, permanece de prontidão para qualquer puxa-saquismo.

  14. Naldinho disse:

    Não precisa de ministro da saúde não. O bozo dita as regras e o gado segue o berrante. Kkkkkkkkk

  15. Manoel disse:

    É o caos. Estamos perdidos com esse presidente.

  16. Rogério Rocha disse:

    Para suporta Bolsonaro tem de ser realmente muito louco.

  17. Sol disse:

    Pois é. Mais um. Aquele que não quiser ser marionete de Bolsonaro,sai.

MPF quer que Ministério da Saúde apresente dados sobre leitos e respiradores na rede particular

Foto: A. Bâeta/Prefeitura de São Luís

Ministério Público Federal (MPF) fez recomendação ao Ministério da Saúde para que sejam coletadas e disponibilizadas informações sobre a taxa de ocupação dos leitos e a quantidade de respiradores pulmonares na rede privada de saúde. O MPF quer que o Ministério da Saúde, com base nessas informações, regulamente a requisição de leitos privados pelos gestores públicos, definindo critérios para avaliar a necessidade dos pedidos, bem como as regras de custeio e de acesso às vagas.

A recomendação foi expedida conjuntamente pelas Procuradorias da República em São Paulo e no Rio de Janeiro, Estados onde a incidência da covid-19 é aproximadamente 50% maior do que a nacional.

Segundo nota enviada pelo MPF, a requisição de bens e serviços da saúde privada em uma situação de pandemia como a atual está prevista na Constituição e nas Leis 8.080/90 e 13.979/20, além de ter sido recomendada pelo Conselho Nacional de Saúde.

O MPF lembra que, segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e do Ministério da Saúde, 75,75% dos brasileiros não têm acesso a plano de saúde, enquanto metade dos leitos de UTI do País pertencem a estabelecimentos particulares (cerca de 15 mil).

“O levantamento de dados sobre a disponibilidade de leitos na rede privada se mostra ainda mais urgente diante das previsões de avanço da doença no Brasil e das experiências vivenciadas por outros países, como Itália e Espanha, que requisitaram o uso de equipamentos de saúde particulares”, afirmam os membros do MPF. Em maio, continua a nota, estima-se que a maioria dos estados brasileiros deva atingir a capacidade máxima de lotação de leitos de UTI do SUS.

O MPF recomenda que, no prazo de cinco dias, o Ministério da Saúde altere a portaria nº 758, de 9 de abril de 2020, para que o registro de internações hospitalares dos casos suspeitos e confirmados de covid-19 passe a ser obrigatório em todos os estabelecimentos de saúde públicos e privados, independentemente da prestação de serviços pelo SUS. “Entre as informações mínimas a serem fornecidas pelas unidades de saúde, também deverão ser incluídas a taxa de ocupação de todos os seus leitos (discriminando aqueles de clínica médica e de UTI, bem como os destinados ou não a pacientes com covid-19) e o número de respiradores pulmonares em uso, livres e em manutenção. As procuradoras pedem que os dados coletados sejam disponibilizados de forma transparente em sítio eletrônico na internet”, diz o texto do MPF.

Estado de Minas

Secretário de Vigilância pede demissão da Saúde

Foto: TV Globo/Reprodução

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, pediu demissão na manhã desta quarta-feira (15). A informação foi divulgada em nota oficial do ministério.

A saída de Wanderson ocorre em meio à pandemia de coronavírus. Ele vinha sendo uma das autoridades do ministério que mais participavam de entrevistas e ações da pasta sobre o enfrentamento ao vírus.

Wanderson, assim como o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é defensor do isolamento social como estratégia de contenção do vírus.

Casos no Brasil

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 6h25 desta quarta-feira (15), 25.758 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 1.557 mortes. Com a primeira vítima no Tocantins, Brasil passa a ter mortos pela Covid-19 em todas as UFs.

Fortaleza tem 1.845 casos confirmados da doença e é a capital com maior incidência de casos no Brasil, à frente de Manaus e São Paulo, respectivamente. que concentra a maioria dos registros.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nilson disse:

    Dia 28 de janeiro no Twitter Mantteda falava no vírus. Deixou o carnaval acontecer. Irresponsável como sua trajetória de vida.

    Assinou a incompetência e irresponsabilidade. Quantos foram curados?????

    Todo esse propósito é desestabilização nacional e financeira para alimentar o capricho de #foramaiaecorja.

  2. Alisson disse:

    Kkkkk a esquerda é muito engraçada…kkkkk é cada comentário…kkkkk

  3. Antenado disse:

    Já era hora. Pisou na bola

  4. Raimundo disse:

    Estava no cargo a 15 anos, talvez isso tenha algum significado, afinal o mundo sabe que ter passado pelos governos anteriores sem estar alinhado a eles é quase impossível. Apenas uma informação a ser pensada, mas que deve ser prestada.

  5. Lucas disse:

    É o efeito Bolsonaro… Ou seria defeito? E vai ter bolsonarista aplaudindo, quer apostar? Já não sei diferenciar o bolsonarismo do lulopetismo, cada um com seu bandido de estimação!

  6. José disse:

    Só nos resta, parabenizar a ele e toda a equipe pelo excelente trabalho. E esperar os próximos capítulos da "saga do bozó"!

Governo Federal pode usar até 50 voos comerciais para trazer máscaras da China


Foto: Ina Fassbender / AFP / CP

Com pressa por conta do avanço da pandemia do novo coronavírus, o governo prepara uma “operação de guerra” para trazer, de forma mais rápida, as 240 milhões de máscaras que o Ministério da Saúde está comprando na China.

Poderão ser contratados de 20 a 50 voos em aviões comerciais para buscar os produtos. De acordo com fontes do governo, seriam necessárias de 15 a 20 aeronaves distintas para a operação que, em volume, é considerada a maior compra governamental do exterior da história – são quatro mil metros cúbicos e 960 toneladas.

Outra opção seria usar aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), mas a avaliação é que as aeronaves da força são menores e demandariam mais voos, o que custaria mais aos cofres públicos. Mesmo em aviões comerciais, os voos poderiam ganhar status de “voo de Estado”, o que implicaria em maior segurança e menos burocracia no transporte da carga.

A operação é encabeçada pelo Ministério da Infraestrutura com o envolvimento de vários órgãos, inclusive a Controladoria Geral da União (CGU). A pasta da Infraestrutura já começou a fazer cotações com empresas aéreas. Uma das interessadas é a Latam, que poderá ter preferência, por ser brasileira.

O Itamaraty estuda agora onde seria o melhor local para que as aeronaves façam escalas. Israel, Dubai e Nova Zelândia são os destinos mais prováveis no momento. Os aviões precisam parar para reabastecer, mas a maior dificuldade é que a carga transportada é cobiçada por vários países neste momento e poderia ser interceptada.

A preocupação aumentou depois de depois de uma carga de respiradores comprada pelo governo da Bahia ter ficado retida em Miami (EUA). O negócio foi cancelado pela empresa fornecedora e a suspeita é que o material tenha sido destinado para uso no país norte-americano.

Por conta disso, os aviões brasileiros devem evitar paradas nos Estados Unidos e também na Europa, que foi fortemente impactada pela pandemia. A expectativa é que cada voo leve cerca de 40 horas. Usualmente, uma carga com esse volume seria transportada por navio, mas isso levaria até 45 dias, um prazo que o governo não pode esperar no momento.

Na última sexta-feira, o governo publicou no Diário Oficial da União o extrato de dispensa de licitação informando a compra de 200 milhões de máscaras cirúrgicas e 40 milhões de máscaras N95 com filtro, no valor de R$ 694,320 milhões. O produto é essencial para proteger profissionais de saúde no atendimento a suspeitos e infectados por coronavírus.

A compra já foi publicada no Diário Oficial da União, mas ainda não foi confirmada pelo fornecedor. O contrato foi firmado com uma empresa de Wuhan, onde iniciou a epidemia de coronavírus. O embarque da mercadoria será no aeroporto de Guangzhou.

Apesar dos contratos, não há a certeza de que os produtos chegarão. Em entrevista coletiva na semana passada, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que a pasta fez a compra e espera a China “pacificar o mercado” para buscar os produtos. “Quando o mundo acabar dessa epidemia, eu espero que nunca mais o mundo cometa o desatino de fazer 95% da produção de insumos que decidem a vida das pessoas em um único país”, declarou o ministro.

Até agora, contratos para a compra de medicamentos e insumos de saúde eram feitos já com o frete incluído. Com a pandemia, no entanto, os países passaram a ser responsáveis por buscar os produtos na China, o principal fabricante mundial. (Colaborou Vinícius Valfré)

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Mauro disse:

    VIVA A CHINA!
    VIVA OS COMUNISTAS!
    É NA HORA DAS DIFICULDADES QUE SE CONHECE AS PESSOAS, AS INSTITUIÇÕES E OS PAÍSES.
    Nessa hora, enquanto os Estados Unidos só pensa neles, tentando comprar tudo pra eles, outros países tão críticados, como China e Cuba, saem para o mundo ajudando a combater esse mal que atinge a todos.
    Onde estão as preocupações e missões para salvar os povos pobres do mundo?
    Onde estão os salvadores da Terra e os nossos heróis?
    Vejam quem está se expondo e participando de alguma forma dessa luta para salvar vidas humanas e os que estão agora escondidos, ou refugiados em suas mansões.
    Onde estão nossos ricos e milionários jogadores de Futebol, artistas, cantores, atores e apresentadores de televisão, empresários , latifundiários e banqueiros?
    É nesse hora que vemos quem é quem.
    Por isso é bom abrir os olhos para ver e saber quem estará ao nosso lado quando o "bicho pegar" e não se enganar mais nas próximas eleições.

  2. José disse:

    Manter relações comerciais com a China, tornou-se instável, parceiro comercial com potencial enorme pra exportar nossos produtos, entretanto temos que urgentemente que pensar em outras opções. até nós, brasileiros, teremos que evitar produtos chineses, mesmo que tenham enormes vantagens econômicas. É o barato que sai caro