Empresário Jorge Paulo Lemann volta ao topo da lista de bilionários brasileiros da Forbes

Foto: Scott Olson / Getty Images

O empresário Jorge Paulo Lemann , um dos sócios do fundo 3G, voltou ao posto de homem mais rico do Brasil, segundo a revista Forbes , que acompanha diariamente a fortuna dos homens e mulheres mais ricos do mundo. Em março, ele havia perdido o posto para o dono do Banco Safra, Joseph Safra . Agora, voltou ao topo com fortuna avaliada em R$ 104,71 bilhões, segundo a Forbes Brasil.

O megainvestidor ocupava a liderança no ranking desde 2013, quando desbancou Eike Batista. No entanto, a fusão das gigantes americanas Kraft Heinz, controlada pelo fundo 3G e a empresa de investimentos de Warren Buffett, esbarrou em vários tropeços, levando à queda das suas ações nos primeiros meses de 2019.

Em fevereiro, a Kraft Heinz informou que era alvo de investigação nos EUA e que havia perdido US$ 16 bilhões em valor de mercado . Buffett, por sua vez, disse ter pago um preço excessivo pela Kraft , dona do ketchup Heinz.

Além da polêmica em torno da investigação, as ações do império Lemann também vinham caindo porque suas empresas apostam em produtos, como fast-food, que começam a ter resistência de consumidores.

O bilionário carioca também tem investimentos em empresas como a gigante AB-InBev, dona da Brahma e da Budweiser, e o Burger King. A mudança nos hábitos de consumo poderia abalar a estrutura de alguns negócios do fundo 3G, avaliam especialistas.

Esse panorama tirou a liderança de Lemann entre os bilionários brasileiros temporariamente. Mas, em setembro, o fundo 3G vendeu uma fatia de 9% na Kraft Heinz . E Lemann comprou parte das ações. A revista não explica se essa venda teve influência no retorno de Lemann ao topo da lista.

Além de Lemann, os outros dois sócios da 3G Capital aparecem entre os mais ricos do país. Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira acumulavam R$ 43,9 bilhões e R$ 37,35 bilhões, respectivamente, segundo a Forbes. Hoje, os dois ocupam a terceira e quinta colocação entre os bilionários brasileiros.

O quarto colocado da lista é Eduardo Saverin, um dos fundadores do Facebook. Residente em Cingapura desde 2012, ele mantém uma empresa de investimentos mais focada em startups, com atuação em vários segmentos. Seu raio de ação se concentra principalmente na Ásia e nos Estados Unidos, com fortuna estimada em R$ 43,16 bilhões

Uma novidade na lista deste ano é a presença do banqueiro André Esteves entre os principais bilionários do país. Esteves é o maior acionista individual do BTG Pactual, maior banco de investimentos independente da América Latina. A fortuna estimada é de R$ 20,75 bilhões.

Segundo a Forbes, o crescimento de seu patrimônio ocorre em decorrência do crescimento das ações do BTG nos últimos anos, que aumentaram mais de três vezes. Em 2015, Esteves envolvido na Operação Lava-Jato, mas foi absolvido em ações relacionadas da acusação de obstrução de Justiça envolvendo a suposta tentativa do ex-senador Delcídio do Amaral (PT/MS) de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Grande empreendedor que gera emprego, renda e divisas para nosso país…Merece ser reverenciado…Mas por aqui, é chamado de explorador, bla bla blá, mi mi m i…Gostaria de vê-lo mais envolvido com a política, de preferência apoiando o partido NOVO…

  2. Cidadão Indignado disse:

    Será que, ao invés de construir um mundo melhor, ajudando a qualquer ser vivo, vai levar todo o dinheiro de presente para o "capa preta"? São doentes; fazer o quê.

  3. Chile disse:

    Vai colocar isso onde? pois caixão não tem gaveta.

OTIMISMO: Forbes vê cenário positivo para o mercado de ações do Brasil; Bolsonaro e Paulo Guedes elogiados

Desempenho da bolsa brasileira supera o de gigantes mundo afora – Imagem: Shutterstock

O Brasil poderá ter o melhor desempenho no mercado global de ações neste primeiro trimestre ou até mesmo no semestre, segundo avaliação da revista Forbes.

O otimismo da publicação com as ações brasileiras tem como base o cenário traçado pela Fitch diante da expectativa de avanço da agenda reformista do governo de Jair Bolsonaro.

Em relatório publicado, segundo a Fobers, a Fitch espera crescimento de 2,4% neste ano e de 1,3% em 2018.

“A recuperação econômica do Brasil vai ganhar força nos próximos trimestres, disseram pesquisadores da Fitch Solutions em um relatório publicado na terça-feira. Eles citaram um sentimento positivo entre os empresários impulsionado pela nova administração de Bolsonaro”, escreveu a publicação.

Neste ano, a bolsa já acumula alta de mais de 6% e tem renovado sucessivamente o seu patamar recorde.

Entre as principais medidas esperadas pelos investidores, está a reforma da Previdência. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta da reforma será enviada ao Congresso em fevereiro, com um regime de capitalização.

“Brasil é o melhor mercado de ações do mundo”

Parece que o sentimento de otimismo com o Brasil ultrapassou as fronteiras do país e já atingiu uma galera de peso lá na gringa. No começo desta semana, o colunista da Forbes, Kenneth Rapoza, fez uma espécie de homenagem pública ao afirmar que o Brasil atualmente é o melhor mercado de ações do mundo. Para ele, a nossa bolsa mostrou uma força invejável neste começo de ano e caminha para apresentar o melhor desempenho trimestral (e talvez semestral) entre todos os mercados do globo.

“Parabéns, Jair Bolsonaro”, afirma Rapoza, com a congratulação em português. “Antes que os tanques do exército entrem, como seus oponentes acreditavam há apenas quatro meses, o Brasil está a caminho de ser o mercado de melhor desempenho neste trimestre, se não no primeiro semestre de 2019.”

O colunista, que escreve sobre investimentos em mercados emergentes, explica que, com base nas maiores transações dos mercados, o índice de ações brasileiro está superando as principais bolsas do mundo, como dos EUA, da Rússia, da Índia, da China, do México, da Europa, do Japão e de outros mercados emergentes.

Rapoza também baseia seu argumento sobre o mercado de ações no otimismo dos pesquisadores da Fitch Solutions. Segundo eles, a recuperação econômica do Brasil ganhará força nos próximos trimestres, apoiada em um sentimento positivo de negócios que foi reforçado pelo novo governo. “O clima geral no Brasil não é exatamente eufórico, mas pode ser descrito uma mistura de suspiro de alívio e de ‘esperar para ver'”, afirma.

Dados que refletem o tom positivo

Rapoza fez uma análise da situação econômica do país e relata que, ainda que as estimativas de crescimento do PIB brasileiro neste ano tenham sido cortadas, há uma clara tendência positiva para o sentimento de negócios local.

“Mais investimento corporativo geralmente se traduz em novas contratações. O mercado de trabalho brasileiro abriu 755.537 vagas de emprego entre janeiro e novembro, e a taxa de desemprego caiu para 11,6%. O percentual ainda é alto, mas é o menor desde julho de 2016”, disse.

Para o colunista, a inflação estável é outro ponto positivo para o desenvolvimento do país, já que isso significa que os brasileiros também têm mais dinheiro em seus bolsos.

Reformas, reformas, reformas

Se você acha que a mania de bater na tecla das reformas é exclusiva dos investidores brasileiros, então achou errado. Rapoza também é um dos que acredita que o maior desafio do governo Bolsonaro é a reforma da Previdência, e faz um alerta para a falta de alinhamento entre os cabeças do novo governo: de um lado, Paulo Guedes e sua equipe declaradamente liberal e pró-reforma. De outro, a classe militar, uma das maiores beneficiárias do atual sistema de aposentadoria brasileiro e que não dá sinais que pretende abrir mão de suas regalias.

Para o colunista da Forbes, a falta de progresso com as reformas irá corroer a confiança do investidor, embora a maioria do mercado tenha dado o benefício da dúvida ao capitão. Por ora, Rapoza fica com o grupo dos otimistas e diz: Bolsonaro fez um bom começo.

Com informações do G1 e Seu Dinheiro

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Potiguar disse:

    Avante Sucupira!!!!

  2. Francisco disse:

    É gopi das zelites, deviam elogiar maduro e o presidente da Nicarágua e Cuba, que são progressista esquerdopatas, todos de iPhone 8. Rsrsrs

Silvio Santos volta a integrar lista de bilionários da Forbes

Silvio Santos voltou a fazer parte da lista de bilionários elaborada pela revista norte-americana “Forbes”. No início de 2014, o proprietário do SBT foi retirado da lista devido a variações cambiais, segundo a publicação. Os bens do empresário brasileiro, na época, foram avaliados em US$ 900 milhões.

Depois de analisarem novas informações sobre as companhias de Silvio Santos, a revista afirmou que é “seguro dizer” que ele está de volta ao clube dos bilionários. Sua fortuna é agora avaliada em torno de US$ 1 bilhão.

Silvio Santos entrou para a lista pela primeira vez no ano passado. Em março de 2013, sua fortuna era avaliada em cerca de US$ 1,3 bilhão pela revista.

A “Forbes” ressalta que Silvio Santos é dono de um conglomerado de mais de 30 companhias, incluindo a Jequiti. A marca de cosméticos, segundo a revista, aumenta suas vendas a uma taxa de 20% ao ano, mais de duas vezes o crescimento desse setor da indústria no Brasil.

O brasileiro mais rico do mundo, de acordo com a lista, é Jorge Paulo Lemann, um dos maiores acionistas da Ambev e do Burger King, com uma fortuna estimada em US$ 21,6 bilhões. Em segundo lugar, está o banqueiro Joseph Safra, com US$ 15,8 bilhões.

Folha Press

Conheça os cinco políticos mais ricos do Brasil, segundo a Forbes

Com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a Forbes elaborou uma lista com os políticos mais ricos do Brasil. Ao todo, os cinco citados na matéria apresentam um patrimônio estimado de quase 3,2 bilhões de dólares.

Apesar de citar o grande problema da corrupção brasileira, a Forbes destaca que a maioria deles construiu sua fortuna antes de entrar na vida política. Segundo a publicação, são donos de companhias abertas, que requerem uma maior transparência e governança corporativa mais rigorosa, e por isso a necessidade de se manterem longe de escândalos (não necessariamente o caso de Paulo Maluf).

Com fortuna de 1,9 bilhão de dólares, o suplente do senador Eduardo Braga e dono da Videolar, Lirio Albino Parisotto, lidera a lista. Em quinto lugar aparece Paulo Maluf, com 33 milhões de dólares de patrimônio decorrente da Eucatex.

Conheça os políticos mais ricos do Brasil:

Lirio Parisotto

Segundo a Forbes, o político mais rico do Brasil é Lirio Albino Parisotto (PMDB-AM), com um patrimônio líquido de 1,9 bilhão de dólares. Parisotto, que foi eleito como suplente de senador com Eduardo Braga (PMDB-AM), é um dos maiores investidores do mercado ações do Brasil.
size_590_lirio-parisotto
Nascido na região sul do país, atualmente vive em Manaus. Ele foi convidado por Braga em 2010 para participar de sua chapa eleitoral. Dono da produtora de vídeo e áudio Videolar, Parisotto teria entrado na política para acabar com a pirataria.

Blairo Borges Maggi

O Segundo da lista é Blairo Borges Maggi (PR-MT), citado como um dos homens mais poderosos da agricultura no Brasil. Hoje é senador por Mato Grosso, mas também já atuou como governador do estado.

Maggi é também dono do Grupo Andre Maggi, companhia fundada pelo seu pai que é a maior produtora de soja do mundo. Patrimônio líquido do senador é estimado em 960 milhões de dólares.

O deputado Marcelo Beltrão de Almeida (PMDB-PR) é o terceiro colocado da lista. Seu pai, Cecílio do Rego Almeida foi o fundador de uma das maiores construtoras do país, a CR Almeida. Assim como Maggi, Marcelo Almeida também possui uma cadeira no Congresso, mas como deputado federal. O político estaria cogitando concorrer a uma vaga para o Senado nas eleições de 2014. Sua fortuna é estimada em 200 milhões de dólares.

Otaviano Olavo Pivetta

De uma pequena cidade do Mato Grosso sairia o quarto colocado da lista da Forbes. Otaviano Olavo Pivetta (PDT-MT), prefeito de Lucas do Rio Verde e com patrimônio líquido de 100 milhões de dólares, é o maior investidor individual da Vanguarda Agro.

Pivetta foi eleito em 2008, sendo reeleito para o cargo em 2012. Durante a campanha foi acusado de compra de votos, mas posteriormente foi inocentado de todas as acusações pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Paulo Maluf

O último da lista dos mais ricos também é um velho conhecido dos brasileiros: Paulo Salim Maluf (PP-SP). Segundo a Forbes, o deputado possui um patrimônio líquido de 33 milhões de dólares. Sua família é controladora da Eucatex, uma das maiores fornecedoras de materiais para a indústria de construção e móveis do país.

Maluf, que também já atuou como governador de São Paulo, foi frequentemente acusado de corrupção durante as suas quatro décadas de vida pública. O Tribunal de Jersey cordenou o polítco em 2012, ordenando que US$ 32 milhões em seu nome e no nome de seu filho fossem devolvidos ao cofres de São Paulo.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. francisco das c a costa disse:

    JÁ DIZIA MINHA VÓ "QUEM NÃO HERDA, E NÃO ROUBA ENRICA UMA MERDA".
    ESTAMOS CERTOS OU ERRADOS. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Dilma perde posições na lista de poderosos da Forbes; presidente da Rússia assume ponta

A presidente Dilma Rousseff caiu duas posições no ranking das pessoas mais poderosas do mundo elaborada pela revista Forbes e agora ocupa a 20ª posição. No entanto, a brasileira é uma das quatro únicas mulheres entre os 50 primeiros colocados da lista com 72 nomes e, entre elas, fica atrás apenas da chanceler da Alemanha, Angela Merkel. Nesse grupo também aparecem Sonia Gandhi e Christine Lagarde.

A primeira colocação ficou com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que deixou na segunda posição o presidente dos EUA, Barack Obama, líder do ranking no ano passado. Segundo a revista, Putin solidificou seu controle sobre a Rússia, enquanto Obama enfrentou períodos difíceis no governo – como a recente paralisação parcial do governo. Além disso, o papel dos dois países na guerra civil da Síria e no escândalo de espionagem da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos EUA ilustram a dinâmica de poder entre eles.

Janet Yellen, que foi nomeada para o cargo de presidente do Federal Reserve, entrou pela primeira vez na lista da Forbes e ocupa o último lugar. O atual presidente do banco central norte-americano, Ben Bernanke, caiu da 6ª posição no ano passado para a 7ª. Outros novatos no ranking incluem o Papa Francisco, na 4ª posição, e a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, 52ª.

Estadão

Silvio Santos entra para lista de bilionários da ‘Forbes’

O empresário e apresentador de televisão Silvio Santos estará na próxima lista de bilionários do mundo da revista “Forbes”, segundo a própria publicação. De acordo com a revista, a fortuna de Santos, avaliada em US$ 1,3 bilhão, faz dele a “primeira celebridade bilionária brasileira”. O ranking deve ser divulgado em março. QS

A publicação aponta que o “valor” do empresário vem de mais de 30 empresas controladas por ele, sendo 22% advindos da rede de televisão SBT. Outros itens de peso no portifólio são a Liderança Capitalização e a companhia de cosméticos Jequiti.

No início de 2011, Silvio Santos se desfez do Banco Panamericano, vendido ao BTG após a descoberta de um rombo bilionário nas contas da instituição financeira.

Em novembro do ano anterior, o Banco Central e o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) haviam organizado um plano que resultou na injeção, pelo FGC, de R$ 2,5 bilhões no Panamericano para reforçar o seu balanço e evitar uma corrida aos depósitos. O FGC emprestou o dinheiro a Silvio Santos, que deu como garantia as empresas do seu grupo.

Globo

Forbes ironiza preços da Chrysler no Brasil e quem busca status em carro caro

Jeep Grand Cherokee: nos EUA é carro de classe média baixa; no Brasil, só o bacana tem...

Um jornalista da versão online da revista americana Forbes, especializada em finanças e muito conhecida por compilar listas das maiores fortunas do mundo, escreveu um artigo em que ataca o preço excessivo cobrado no Brasil por modelos da Chrysler. Especificamente, citou o Jeep Grand Cherokee, já à venda no país, e antecipou crítica ao futuro preço do Dodge Durango, que só deve ser mostrado no Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro.

Jeep e Dodge são marcas do grupo Chrysler, hoje controlado pela Fiat.

“Alguém pode imaginar que pagar US$ 80 mil por um Jeep Grand Cherokee significa que ele vem equipado com rodas folheadas a ouro e asas. Mas no Brasil esse é o preço de um básico”.

É assim, em tradução literal, que começa o texto de Kenneth Rapoza, jornalista que cobre os BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) para a Forbes. O título original é “Brazil’s ridiculous $80,000 Jeep Grand Cherokee”, que, vertido ao pé da letra, fica “O Jeep Grand Cherokee brasileiro de ridículos US$ 80 mil”. O termo ridiculous, quando usado em frases construídas assim, serve para sublinhar o exagero daquilo a que se refere (no caso, o preço), em vez de simplesmente significar “ridículo”. Mas a crítica continua duríssima.

Rapoza centra sua argumentação nos modelos da Chrysler e não comenta, por exemplo, que mesmo os carros fabricados no Brasil também são relativamente caros. O jornalista aponta os culpados de sempre pelos preços inflados (ele prevê o Durango a R$ 190 mil): impostos sobre importados e outras taxas aplicáveis a produtos industriais. “Com os R$ 179 mil que paga por um único Grand Cherokee, um brasileiro poderia comprar três, se vivesse em Miami”, escreve Rapoza. O valor é o da versão Laredo; a Limited custa R$ 204,9 mil.

Mas a questão principal, para ele, é mostrar que o brasileiro que gasta esse dinheiro todo num modelo Jeep não deveria acreditar que está comprando um produto que lhe dê status. “Sorry, Brazukas” (sic), escreve Rapoza. “Não há status em comprar Toyota Corolla, Honda Civic, Jeep Cherokee ou Dodge Durango; não se deixe enganar pelo preço cobrado”.

O jornalista acrescenta que “um professor de escola primária pública no Bronx [bairro de Nova York]” pode comprar um Grand Cherokee pouco rodado, enquanto no Brasil trata-se de carro de bacana. A citação de Civic e Corolla é importante porque, nos Estados Unidos, estes são considerados carros baratos, de entrada — mas no Brasil, mesmo fabricados localmente, custam mais de R$ 60 mil (cerca de US$ 30 mil).

SE É CARO, É MELHOR
O que Kenneth Rapoza diz, no fundo, é que o consumidor brasileiro confunde preço alto com qualidade, e/ou atribui status a qualquer coisa que seja cara. O jornalista reconhece que vê esse “valor de imagem” em carros de Audi, BMW, Mercedes-Benz e grifes esportivas italianas, mas jamais em modelos do grupo Chrysler.

Essa tese é explicada exaustivamente por Rapoza nas respostas aos comentários de leitores, que, até a publicação desta reportagem, eram 88 — muitos deles postados por pessoas usando nomes brasileiros.

Ali, o próprio Rapoza arrisca algumas palavras em português. Em seu perfil no site da Forbes, o jornalista relata que cobriu o país “pré-Lula e pós-Lula”, sendo que nos últimos cinco anos trabalhou como correspondente aqui para o Wall Street Journal e a agência Dow Jones. Agora está baseado em Nova York.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcus Vinicius disse:

    O nome disso é "Lucro Brasil". As margens de lucros de montadoras e concessionárias no Brasil são mais elevadas do que em qualquer outro lugar do planeta. Sim, nossos impostos são altos. Pior, os empresários são mais gananciosos que o próprio Estado!

TIESTO: DJ mais bem pago do mundo faturou R$ 44 milhões em 2011

O holandês Tiesto é o DJ mais bem pago do mundo, segundo uma lista divulgada nesta quinta-feira (2) pela Forbes, num ano em que a música eletrônica dançante (EDM, na sigla em inglês) entrou definitivamente para o cardápio da música pop.

Tiesto, ou Tijs Verwest, seu nome de batismo, ganhou US$ 22 milhões no último ano, graças a trabalhos como a apresentação no festival Coachella e a residência exclusiva no Wynn Las Vegas, segundo a Forbes.com, que compilou a lista.

O artista, de 43 anos, tem fãs no mundo todo graças ao seu estilo de electro house. Depois de lançar seu álbum “Kaleidoscope”, em 2009, ele emendou uma turnê de 15 meses e 175 apresentações, muitas delas com lotação esgotada.

O segundo lugar da lista é do DJ Skrillex, de Los Angeles. Aos 24 anos, ele faturou 15 milhões de dólares, além de ganhar três prêmios Grammy com seu álbum de estreia, “Scary Monsters and Nice Sprites”, misturando dubstep, house e eletrônica.

Enquanto o setor musical em geral vive uma crise, a EDM está em alta, especialmente porque as apresentações dos DJs têm custos menores do que as turnês de bandas ou cantores.

A lista da Forbes.com se baseia em estimativas dos rendimentos com shows, vendas de músicas, publicidades e licenciamento de produtos. Juntos, os dez DJs mais bem pagos faturaram 125 milhões de dólares, mais do que todo o time de basquete do Los Angeles Lakers, por exemplo.

O “top five” da lista é complementado pelo coletivo sueco House Mafia, pelo francês David Guetta e pelo californiano Steve Aoki.

Fonte: Reuters

Forbes: Nevaldo Rocha entre os 500 mais ricos do mundo

Saiu nesta quarta-feira (7) a nova lista Forbes com os donos das maiores fortunas do mundo.

Entre eles, um potiguar: Nevaldo Rocha e família, do Grupo Guararapes (Midway-Riachuelo), com uma fortuna de US$ 2,5 bilhões. É o 491º, de uma lista de 1.226 bilionários.

Entraram 16 novos bilionários, que neste 2012 somam uma riqueza total de US$ 4,6 trilhões, frente aos US$ 4,5 trilhões de 2011, com uma fortuna média de aproximadamente US$ 3,7 bilhões por pessoa.

O brasileiro Eike Batista subiu uma posição, do 8º para 7º, com fortuna de US$ 30 bilhões.

O mexicano Carlos Slim continua em primeiro, com US$ 69 bilhões – pelo terceiro ano consecutivo. Mas, segundo os cálculos, sua fortuna foi reduzida em US$ 5 bilhões em um ano.

Logo após aparece Bill Gates, que teve sua fortuna aumentada em US$ 5 bilhões, passando para US$ 61 bilhões.

Já o também norte-americano Warren Buffett perdeu US$ 6 bilhões e hoje tem US$ 44 bilhões.

Mandachuva dos artigos de luxo LVMH, o francês Bernard Arnault é o 4º, com US$ 41 bilhões. O espanhol Amancio Ortega, da Zara, passou do sétimo ao quinto posto, com US$ 37 bilhões.

Fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, aos 27 anos, passa do 52º para o 35º, com uma fortuna estimada em US$ 17,5 bilhões.

Mais brasileiros entre os cem primeiros: Joseph Safra, em 52º, com US$ 13,8 bilhões; Antônio Ermírio de Moraes e família, em 67º, com US$ 12,2 bilhões; Jorge Paulo Lemann, 69º, com US$ 12 bilhões.

Neste ano, mais brasileiros passaram a integrar a lista completa.

Confira aqui ranking completo, com fotos.

Fonte: Abelhinha.com

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Daniel disse:

    E isso pq não cobra estacionamento no Midway!

Michel Teló vira sucesso mundial

“Você já ouviu falar de Michel Teló? Você ainda vai”. É o que diz uma reportagem publicada nesta quinta-feira no site da revista norte-americana “Forbes”, que mapeia o sucesso do músico sertanejo e o compara ainda com o alcançado por Carmen Miranda, Xuxa e Ronaldo, por exemplo.

“A história nos diz que é muito difícil um brasileiro se tornar uma estrela internacional, como Carmen Miranda nos anos 1940, quando [a cantora] tomou Hollywood de assalto”, conta o artigo.

A reportagem fala ainda sobre o sucesso de Xuxa no início dos anos 1990, quando a apresentadora infantil chegou a assinar um contrato com a CBS e aparecer na lista das 40 pessoas mais bem pagas do entretenimento em 1991.

Adriano Vizoni/Folhapress
Michel Teló, cantor da música "Ai Se Eu Te Pego", foi tema de reportagem na "Forbes"
Michel Teló, cantor da música “Ai Se Eu Te Pego”, foi tema de reportagem na “Forbes”

Cita ainda Gisele Bündchen e os jogadores Ronaldo e Ronaldinho, que conseguiram se tornar famosos no exterior, antes de dizer que Teló, 30, segue os passos das estrelas da internet Justin Bieber e Rebecca Black, com seu hit “Ai Se Eu Te Pego”, que já foi visto mais de 94 milhões de vezes no Youtube, e foi traduzido e legendado em várias línguas, incluindo o inglês, polonês, grego e hebraico.

A “Forbes” termina a reportagem dizendo que “só o tempo vai dizer se Teló vai alcançar as fronteiras da América do Sul, mas, por enquanto, parece que o mundo inteiro está prestes a “pegá-lo”, de fato”.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Clésio disse:

    Opa!!! a música sempre foi do grupo de forró Cangáia de  Jegue aqui de Salvador-Ba, inclusive foi no show desta banda que Michel Teló se inspirou em regravá-la. E que bom que ele teve esta idéia caso contrário a música já teria entrado no esquecimento. Parabéns Michel.

  2. Danielmacedo4 disse:

    O melhor de tudo, a musica nem dele é, essa musica "ai se eu te pego" ja é sucesso aqui no nordeste a bastante tempo, ja foi tocada por quase todas as bandas de forro, swingueira e axé antes desse rapaz. fazer sucesso com o talento dos outros é fácil.

SP é a sexta cidade do mundo em número de bilionários

Patricia Lara, da Agência Estado

SÃO PAULO – São Paulo não tem o glamour de Los Angeles, mas isso não impede que a cidade abrigue mais bilionários do que a maior cidade da Califórnia. Segundo ranking da revista Forbes, São Paulo concentra 21 magnatas em suas ruas e divide com Mumbai, na Índia, a sexta colocação entre as cidades com maior número de bilionários. Esses brasileiros do topo da pirâmide econômica têm um patrimônio estimado em US$ 85 bilhões, enquanto os 21 indianos seguravam carteiras ainda mais recheadas, com um total de US$ 107 bilhões. Los Angeles, a cidade dos Anjos que sedia Hollywood, figura como a oitava colocada na lista divulgada pela Forbes.

Mas o lugar mais fácil de se deparar com um bilionário é Moscou. A ex-capital do comunismo é o endereço de 79 bilionários, após registrar uma assombrosa escalada na lista da Forbes. Em apenas um ano, 58 pessoas entraram para o seleto grupo. Com essa concentração, Moscou desbancou Nova York para o segundo posto. A capital de Wall Street era morada central de 59 bilionários, enquanto Londres aparecia em terceiro lugar, com 41.

(mais…)

Petrobrás é a 8ª maior do mundo

Agência Estado

A Petrobrás é a oitava maior companhia de capital aberto do mundo, de acordo com um ranking elaborado pela revista Forbes. A estatal brasileira divide a posição com a Berkshire Hathaway, fundo de investimentos do bilionário Warren Buffet, e subiu na lista depois de ter registrado crescimento de dois dígitos nas quatro categorias avaliadas – receita, lucros, ativos e valor de mercado.

 As dez primeiras posições da lista da Forbes são divididas em grande parte por instituições financeiras e companhias petrolíferas. Quem lidera o ranking é o banco norte-americano JPMorgan Chase, seguido pelo britânico HSBC Holdings, em segundo lugar, e pela General Electric, em terceiro. As três posições seguintes são ocupadas por petrolíferas – ExxonMobil, Shell e PetroChina, respectivamente – enquanto a sétima posição pertence ao Banco Industrial e Comercial da China (ICBC, em inglês). O décimo lugar ficou com o Citigroup.

A companhia brasileira com a maior posição no ranking depois da Petrobrás é o Bradesco, que ocupa a 46ª posição, abaixo da Siemens e acima da Apple. O Banco do Brasil vem depois, em 51ª lugar, seguido pela Vale, no 53º.