Saúde

Veja locais no RN que aplicaram vacinas contra Covid vencidas, conforme levantamento de reportagem

Fotos: Reprodução/Folha de São Paulo

Pelo menos 26 mil doses vencidas da vacina AstraZeneca foram aplicadas em diversos postos de saúde do país, o que compromete sua proteção contra a Covid-19. Os dados constam de registros oficiais do Ministério da Saúde. Até o dia 19 de junho, os imunizantes com o prazo de validade expirado haviam sido utilizados em 1.532 municípios brasileiros. A reportagem é da Folha de São Paulo.

VEJA MAIS: Sesap diz que todas as doses de vacinas recebidas do Ministério da Saúde, inclusive apontadas como “aplicação vencida”, foram distribuídas e entregues em tempo oportuno

E MAIS: SMS afirma que ninguém tomou dose vencida em Natal porque o problema foi digitação

Para acessar lotes clique AQUI e no quadro em destaque na matéria basta digitar o seu estado. Na sequência, aparecerá a lista em destaque, com 4 páginas no Rio Grande do Norte. Basta clicar em cima do município ou unidade citada e verá os detalhes.

Opinião dos leitores

  1. Vão colocar a culpa no Bolsonaro.
    Eu li e a maioria foram aplicadas onde o governo faz oposição ao Presidente Bolsonaro.
    Será que os culpados vão ficar impunes.

    1. Leu??? Kkkkkkkk
      A cidade que mais aplicou vacina vencida foi Maringá, reduto eleitoral de Ricardo Barros, líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados.

    2. Cara arranja um trabalho decente. Comentador de blog não leva a nada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pelo menos 26 mil tomaram vacina vencida contra Covid no Brasil; veja se você é um deles

Pelo menos 26 mil doses vencidas da vacina AstraZeneca foram aplicadas em diversos postos de saúde do país, o que compromete sua proteção contra a Covid-19. Os dados constam de registros oficiais do Ministério da Saúde.

Até o dia 19 de junho, os imunizantes com o prazo de validade expirado haviam sido utilizados em 1.532 municípios brasileiros.

A campeã no uso de vacinas vencidas é Maringá, reduto eleitoral de Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados. A cidade paranaense vacinou 3.536 pessoas com o produto da AstraZeneca fora da validade (primeira dose em todos os casos).

Depois aparecem Belém (PA), com 2.673, São Paulo (SP), com 996, Nilópolis (RJ), com 852, e Salvador (BA), com 824. As demais cidades aplicaram menos de 700 vacinas vencidas, sendo que a maioria não passou de dez doses.

Veja os locais que aplicaram doses vencidas CLICANDO (AQUI) em reportagem na íntegra.

Além disso, outras 114 mil doses da vacina AstraZeneca que foram distribuídas a estados e municípios dentro do prazo de validade já expiraram. Não está claro se foram descartadas ou se continuam sendo aplicadas.

AstraZeneca é a vacina mais usada no Brasil. Ela responde por 57% das doses aplicadas neste ano. A imensa maioria foi utilizada de acordo com as orientações do fabricante.

Todos os imunizantes expirados integram oito lotes da AstraZeneca importados ou adquiridos por consórcio. Um deles passou da validade no dia 29 de março. O que venceu há menos tempo estava válido até 4 de junho.

O lote pode ser conferido na carteira individual de vacinação. Quem tiver recebido uma dose de um desses oito lotes de AstraZeneca após a data de validade (veja gráfico) deve procurar uma unidade de saúde para orientações e acompanhamento.

Além disso, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19, quem tomou imunizante vencido precisa se revacinar pelo menos 28 dias depois de ter recebido a dose administrada equivocadamente. Na prática, é como se a pessoa não tivesse se vacinado.

O plano define, também, que cada indivíduo vacinado seja identificado com o lote da imunização recebida, o produtor da vacina e a dose aplicada. Isso é feito justamente para acompanhamento do Ministério da Saúde e eventual identificação de erros vacinais.

O DataSUS (sistema de informações do Ministério da Saúde) também identifica todas as pessoas imunizadas com um código individual, acompanhado de informações sobre idade, grupo prioritário de vacinação, data da imunização e lote da vacina recebida.

Já a data de validade de cada lote vacinal consta de outro sistema do governo federal, o Sage (Sala de Apoio à Gestão Estratégica), que registra os comprovantes de entrega dos imunizantes contra Covid-19 por estado. Em cada um desses recibos há informações públicas sobre o número do lote vacinal, a data de validade, o fabricante e a data de entrega.

Folha cruzou as duas bases —DataSUS e Sage— a partir do número do lote das vacinas. Foram consideradas todas as imunizações do país contra Covid-19 até 19 de junho.

O levantamento inédito mostra que, até essa data, um total de 25.935 doses de oito lotes de AstraZeneca foram aplicadas fora da validade. Metade desses lotes veio do Instituto Serum da Índia; a outra metade, da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde).

As vacinas desses lotes foram distribuídas de janeiro a março pelo governo federal para todos os estados do país antes do vencimento. Elas somam quase 3,9 milhões de doses, das quais cerca de 140 mil não foram utilizadas dentro do prazo de validade. Dessas, até o dia 19 de junho, 26 mil tinham sido aplicadas já vencidas.

A maioria (70%) das doses aplicadas depois da validade é de um mesmo lote do Instituto Serum, identificado como “4120Z005”. O bloco venceu em 14 de abril, mas continuou sendo aplicado depois dessa data pelo país.

Paraná e Pará —que receberam os imunizantes desse lote em 24 de janeiro, logo depois de o primeiro lote de AstraZeneca da Índia ter chegado ao Brasil— têm a maior quantidade de registros de doses após o vencimento. Em Maringá e Belém, quase todas as doses vencidas foram ministradas especificamente nos dias 22 de abril e 11 de maio.

A capital do Pará também registrou 27 doses aplicadas após vencimento de outro lote, identificado como “CTMAV501”, que veio da Opas e expirou em 30 de abril.

São Paulo também está entre os estados com maior quantidade de registros de doses aplicadas depois do vencimento: foram 3.648 unidades dos oito lotes vencidos de AstraZeneca ministrados (1.820 delas do mesmo lote indiano “4120Z005”).

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo confirmou cerca de 4.000 doses ministradas após validade. A pasta disse que “orienta os municípios sobre a aplicação da vacinação contra a Covid-19 e a importância da verificação da data de validade antes do uso do frasco de uma vacina, inclusive com documentos técnicos com todas as condutas necessárias. Todas as grades são distribuídas dentro do prazo de validade.”Os casos constatados de aplicação de vacina fora da validade, de acordo com a pasta, são avaliados individualmente para definição da conduta apropriada definida pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Já a Secretaria Municipal de Saúde de Belém informou que nenhuma dose de imunizante vencido foi aplicada na cidade. “Entretanto, é possível que tenha havido erros nos registros, especialmente nas primeiras etapas da campanha de vacinação em massa, quando as anotações eram feitas manualmente em fichas de papel e posteriormente digitadas”, afirma por email.

De acordo com os dados oficiais do Ministério da Saúde, no entanto, 99,7% dos registros de AstraZeneca após validade em Belém são de segunda dose. Foram ministradas, portanto, a partir de abril (a vacinação começou no país em janeiro e o intervalo entre doses desse imunizante é de 90 dias).

A Secretaria Estadual de Saúde do Paraná informou que há um problema de integração dos dados entre municípios e o sistema federal, “um erro de leitura da data de exportação do dado”.

A pasta não explicou, no entanto, como esse problema interfere na data de validade das doses de vacina ministradas no estado —que, vale lembrar, estão vinculadas aos lotes no Sage.

Também por nota, o Ministério da Saúde informou “que acompanha rigorosamente todos os prazos de validade das vacinas Covid-19 recebidas e distribuídas” e que “as doses entregues para as centrais estaduais devem ser imediatamente enviadas aos municípios pelas gestões estaduais. Cabe aos gestores locais do SUS o armazenamento correto, acompanhamento da validade dos frascos e aplicação das doses, seguindo à risca as orientações do Ministério.”

A validade das vacinas contra Covid-19 depende da tecnologia e dos insumos utilizados no desenvolvimento do imunizante. Essas informações integram os dados analisados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para regulação dos imunizantes utilizados no país.

A AstraZeneca e a Pfizer duram até seis meses. A Janssen, com validade original definida em três meses, agora pode ficar armazenada por até quatro meses e meio. A Coronavac tem duração de um ano —o primeiro lote dessa vacina utilizado no Brasil venceria somente em novembro.

Os dados de vacinação contra Covid-19 têm sido monitorados pela Folha, que mostrou, recentemente, que 3,6 milhões de brasileiros com mais de 70 anos não estavam completamente imunizados contra Covid-19 (cerca de 1 milhão deles ainda sem a primeira dose).

Nesse último caso, a maior quantidade de casos ocorreu em Santo André (SP), cuja prefeitura também alegou problemas na migração de dados dos vacinados. Na época, no entanto, o governo de São Paulo disse, em nota, que não havia registrado problemas operacionais na migração das informações para o DataSUS.

Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. “A campeã no uso de vacinas vencidas é Maringá, reduto eleitoral de Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados.”
    Será que a notícia é tendenciosa? Mesmo que seja verdade! Por que esse destaque? Quanta apelação!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Pesquisa revela salários dos jogadores mais bem pagos do mundo

Foto: Reprodução/CBF, Cupom Válido, Ernst&Young, Statista

Uma pesquisa divulgada pela plataforma CupomValido.com.br que reuniu dados da CBF, Statista e Ernst & Young sobre o esporte no Brasil, revela os salários dos melhores jogadores.

Segundo a pesquisa, Neymar é o brasileiro com o maior salário, com R$405 milhões por ano. Ao considerar ganhos com publicidade e patrocínios, o valor sobe para R$501 milhões.

Ao comparar com o cenário mundial, o atleta brasileiro fica atrás somente do Cristiano Ronaldo com R$610 milhões, e do jogador mais bem pago do mundo, Lionel Messi com R$657 milhões.

Porque alguns jogadores tem um salário tão alto?

A resposta pode ser explicada pela oferta e demanda. Quanto mais difícil de ser substituído, maior será o salário de um jogador.

Além disso, os melhores jogadores são muito bem pagos, por serem protagonistas de um espetáculo que gira cada vez mais dinheiro.

Só no Brasil, o futebol é um esporte que movimenta R$52 bilhões. A receita dos maiores clubes, crescem a cada ano com o aumento de publicidade e da popularidade do esporte. Quanto mais os clubes ganham em receita, maior é disponibilidade para oferecerem salários melhores. Consequentemente, como muitos times disputam os poucos jogadores mais visados, isso faz com que os salários destes poucos jogadores aumentem exponencialmente.

Segundo a pesquisa, no Brasil, 80% do valor total dos salários está concentrado em apenas 7% dos atletas.

VEJA MAIS: No Brasil, 55% dos jogadores de futebol ganham 1 salário mínimo; pesquisa releva a média salarial dos atletas no Brasil

Opinião dos leitores

  1. trouxa é quem assiste e dá dinheiro a eles. Sempre tive nojo de futebol. Ficar endeusando gente semianalfabeta é coisa de gente mais burra ainda.

  2. Para fazerem nada mais que chutarem uma bola. Ser jogador de futebol não é profissão, é hobby!

    1. As pessoas sempre se preoculpam com a vida pessoal do atleta Neymar especialmente jornalistas e radialistas e comentaristas esportivos notamente mal remunerados puramente por ciume,inveja com o sucesso do futebolista Neymar,o homem tem P.. para B…..,pode fazer o quiser nas suas fortes e belas mansões na cidade e no campo e nas baladas,o homem manda e desmanda nas suas reuniones festivas particulares e também dentro das casas noturnas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

MEC divulga escolas que receberão apoio do Programa Brasil na Escola no total de R$ 200 milhões aos estabelecimentos escolhidos; veja lista no RN

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Educação divulgou nesta quinta-feira(24) a relação das escolas públicas selecionadas para receber ajuda técnica e financeira federal por meio do Programa Brasil na Escola (PBE). A pasta prevê destinar mais de R$ 200 milhões aos estabelecimentos de ensino municipais e estaduais já validados.

O apoio técnico e financeiro é um dos três eixos estruturantes do PBE, junto com a valorização de boas práticas e a inovação. Entre os objetivos do auxílio estão o aprimoramento das competências e habilidades de gestão escolar a partir do uso de informações educacionais e evidências científicas e o aperfeiçoamento da organização pedagógica e escolar, de modo a implementar projetos e rotinas que permitam a melhoria das aprendizagens e diminuição da reprovação.

A lista completa das escolas está disponível no site do ministério(AQUI).

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. O Governo Genocida cortou o orçamento da educação para comprar o centro e, consequentemente, impediu várias escolas públicas que ofertam os anos finais do ensino fundamental de participarem desse programa. Governo inimigo da ciência e da educação. CARNIFICINA

    1. Cabo DEL JEGUE, para pessoas da sua estirpe não existe escola.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Renan Calheiros lista revelações ‘graves’ de Mandetta em depoimento ‘esclarecedor’ sobre Bolsonaro

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) elencou uma lista de revelações feitas pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta que atingem o governo do presidente Jair Bolsonaro. Ele diz que os fatos descritos são “graves”.

“O depoimento mostrou que houve aconselhamento paralelo na Covid, adoção da cloroquina ao arrepio do Ministério [da Saúde], participação de Carlos Bolsonaro [vereador do Rio e filho do presidente] em reuniões (por que?) e alerta sobre 180 mil mortes [Mandetta disse na CPI que afirmou a Bolsonaro que os óbitos poderiam chegar a esse número)”, disse Renan em mensagem enviada à coluna.

Ele segue: “Bolsonaro divergiu das orientações científicas, no isolamento e na cloroquina. Foi um depoimento importante na minha opinião para clarear exatamente o que ocorreu naquele momento inicial da pandemia”.

“Também é relevante a informação de que Mandetta viu um decreto para mudar a bula e recomendar a cloroquina”, afirma Renan Calheiros.

O ex-ministro da Saúde disse aos integrantes da CPI que “várias vezes na reunião do ministério, o filho do presidente, que é vereador do Rio de Janeiro, estava atrás, tomando as notas na reunião. Eles tinham constantemente reuniões com esses grupos dentro da Presidência”.

Ele afirmou que os aconselhamentos de grupos paralelos eram constantes na gestão de Bolsonaro. Entre outros fatos, relembrou que foi informado, em uma reunião, que “era para subir para o terceiro andar porque tinha lá uma reunião de vários ministros e médicos. Vinha propor esse negócio de cloroquina que eu nunca havia conhecido, porque ele [Bolsonaro] tinha um assessoramento paralelo nesse dia”.

Foi nessa ocasião que chegaram a sugerir que a bula da cloroquina fosse modificada por decreto para poder ser receitada no tratamento da Covid-19.

Renan Calheiros diz ainda que a CPI já tem “gerado uma mudança elogiável no comportamento, na condução de vacinas, na negociação de insumos e até mesmo no abandono do negacionismo” por parte do governo.

Sobre o fato de o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello afirmar que teve contato com pessoas com Covid-19 e por isso não pretende depor presencialmente na CPI, Calheiros afirma: “Quanto ao ex-ministro Pazuello, fico até contente que mais um integrante do governo fique preocupado com isolamento, distanciamento, ao contrário de comportamentos recentes”.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Esse Mandetta é um picareta!! E Renan Calheiros é um Verme!!! Ninguém acredita em NADA que for dito dessa CPI fajuta!!!

  2. UM LADRÃO DESSES TEM ALGUMA MORAL PARA CONDUZIR UMA CPI.? SE TIVESE LEI NESSE PAÍS, ESSE CIDADÃO ESTARIA NA CADEIA

  3. Renan Calheiros o relator , o homem que tem mais processos de corrupção, oivindo o depoimento de mandetta , aquele que é pré-canddato contra bolsonaro, mandetta é aquele que disse que só procurasse hospital quando tivesse falta de ar, esse país é coisa que deixa qualquer um sem entender, mas o circo está armado , era isso que ele queriam pra tentar impedir a reeleição de Bolsonaro, mas sábado eles tiveram resposta de como vai ser a eleição, pode esperniar , a reeleição vai acontecer contra essa turma do mal ,dessa turma que é contra a família, dessa turma que quanto pior melhor, Bolsonaro 2022.

  4. Renan Calheiros, o mais novo ídolo da esquerdalha. Essa gente está baixando de nível a uma velocidade assustadora. Desse jeito, em 2022 o presidente Bolsonaro já pode se considerar reeleito. Tá difícil a coisa prá oposição.

    1. E Roberto Jefferson de vcs homens concervadores, patriotas e de Deus

  5. Grave mesmo é um criminoso desses bandido, corrupto de carterinha, recebedor de propina em investigações de empreiteiras ser relator de uma CPI , talvez o cabaré mais esculhambado desse país tenha mais credibilidade do que essa corja de criminosos se passando por paladino da moral . Brasil da falta de vergonha, da desfatez e do fascismo, esse é apenas o teatro para o palanque das Eleições. Bando de Pilantra.

    1. Né isso! Só começou agora, mas o louco negacionista que não fez NADA para evitar quase MEIO milhão de mortos só consegue chegar a 2050 na presidência se der um golpe e a gente virar uma ditadura como ele tanto quer! Mas não se preocupem, Renan Calheiros está usando a CPI como moeda de troca e tudo vai dar certo, é só ele ganhar uns favores do MINTO…

    2. Calma, amiguinho. O apressado come cru. Muita água vai rolar ainda. Tenha calma. Não se desespere com esse sorriso nervoso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

FIQUE DE OLHO: UFRN recebe lista de espera do Sisu

As instituições de ensino superior participantes do Sistema de Seleção Unificada 2021 (Sisu) receberam do Ministério da Educação (MEC) nesta segunda-feira, 26, os nomes dos candidatos que manifestaram interesse em participar da lista de espera. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) iniciará o trabalho de classificação dos estudantes, de acordo com os números de vagas disponíveis e critérios de inscrição.

Após a finalização desse trabalho, todos os candidatos da lista de espera serão convocados na segunda chamada do Sisu na UFRN, que será divulgada no dia 3 de maio, exclusivamente pelo site www.sisu.ufrn.br. O cadastro dos convocados acontecerá entre 5 e 6 de maio no endereço www.sigps.ufrn.br, onde deverão enviar os documentos exigidos em edital, com oportunidade de retificação no dia 10. Caso haja convocação e cadastro de um número maior de candidatos que a quantidade de vagas, haverá a formação de cadastro de reserva.

A UFRN preencheu na primeira chamada cerca de 71% das 7.106 vagas disponíveis para ingresso por meio do Sisu.  Isso significa que, aproximadamente, 2 mil vagas deverão ser ocupadas pelos estudantes da lista de espera, obedecendo a ordem de classificação, desde que tenham enviado a documentação no período definido para cadastro. As vagas não preenchidas após a segunda chamada serão direcionadas aos candidatos do cadastro de reserva, que devem acompanhar a divulgação das listas com os nomes dos novos convocados.

As datas de divulgação das listas e as demais informações sobre o Sisu na UFRN constam no edital do processo, disponível em www.sisu.ufrn.br.

Com UFRN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

MG: PF apreende lista com 57 nomes de pessoas supostamente vacinadas em empresa; imunizantes podem ter sido compradas em país vizinho

Foto: Reprodução/TV Globo

A Polícia Federal apreendeu, na manhã desta sexta-feira (26), uma lista com nome de 57 pessoas que supostamente foram vacinadas na última terça-feira (23), em uma empresa de transportes que fica no bairro Caiçara, na Região Noroeste de Belo Horizonte. A empresa foi alvo de operação da Polícia Federal, que investiga se houve vacinação irregular.

Os empresários Robson Lessa e Rômulo Lessa foram entrevistados informalmente por policiais federais durante a Operação Camarote. O irmão deles, Rubens Lessa, também será ouvido, mas não há confirmação da data.

A Operação Camarote apura a suposta importação irregular de vacinas e a receptação doses, segundo a PF. Os dois empresários negaram o fato. Mas há indícios de que tenham obtido os imunizantes em algum país que faz fronteira com o Brasil e, não, diretamente com a Pfizer.

O vídeo mostra uma movimentação anormal no local na última terça-feira (23). Imagens internas de segurança devem ser analisadas pela PF para tentar comprovar o episódio. Pessoas que supostamente receberam as doses já foram identificadas e também serão ouvidas.

O G1 e a TV Globo tentaram contato com a Coordenadas, mas não obtiveram retorno até a publicação desta reportagem.

Um dos donos da Saritur, Rubens Lessa, disse que a denúncia é de ‘total desconhecimento da diretoria’ da Saritur (leia mais abaixo).

A Polícia Federal investiga a suspeita de quatro crimes:

Um deles é de importação de mercadoria proibida, caso a eventual aquisição das doses tenha ocorrido antes da aprovação da lei que trata da compra de vacinas por pessoas jurídicas.

Caso as doses tenham sido compradas após a aprovação da lei, a suspeita é de crime de descaminho.

Ainda é apurado se houve falsificação ou adulteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, caso o episódio tenha ocorrido antes do registro da vacina da Pfizer na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Também é apurada suspeita de receptação pelas pessoas que receberam a vacina.

Antes das 6h, policiais saíram da sede da Polícia Federal, na Região Oeste de Belo Horizonte. Ao todo, seis mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 35ª Vara Federal Criminal de Belo Horizonte para que sejam recolhidas provas relativas ao caso.

Os policiais foram a vários pontos da empresa e vasculharam até o lixo a procura de provas. As buscas duraram 45 minutos. Eles também foram até a casas da vizinhança, em busca de imagens de circuito de imagens que mostrem a movimentação na região.

Denúncia

A informação sobre a vacinação dos empresários foi publicada na edição online da revista Piauí. Além da PF, o Ministério Público Federal (MPF) investiga a denúncia.

De acordo com a reportagem, um grupo de políticos, empresários e familiares, teria sido vacinado com doses da Pfizer. A farmacêutica negou a venda de vacinas fora do Programa Nacional de Imunização (PNI).

De acordo com a Piauí, os organizadores da vacinação foram os donos da Viação Saritur. Um deles, Rubens Lessa, é presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano. Por mensagem ao G1, ele se limitou a dizer: “Tenho conhecimento deste assunto”.

Entre os vacinados, segundo a revista, também estariam o ex-senador e ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT) Clésio Andrade e o deputado estadual Alencar da Silveira Júnior (PDT).

O que dizem os citados

Ao G1, Clésio Andrade disse que desconhece o assunto e que está em quarentena, no Sul de Minas, há dois meses. Mas à revista Piauí, afirmou: “Estou com 69 anos, minha vacinação [pelo SUS] seria na semana que vem, eu nem precisava, mas tomei. Fui convidado, foi gratuito para mim”. Questionado pela TV Globo, o ex-senador não confirmou a declaração.

Alencar da Silveira Júnior negou que tenha participado da vacinação. Já o empresário Rubens Lessa, em nota, afirmou que o “endereço da empresa mencionado na reportagem não pertence ao Grupo Empresarial SARITUR, esclarece que os nomes citados na reportagem não fazem parte da direção do Grupo e que, o assunto tratado na matéria, era de total desconhecimento da diretoria da empresa”.

Movimentação em garagem

A TV Globo confirmou que houve uma movimentação anormal na garagem alvo de buscas da PF na última terça-feira, o que chamou a atenção de vizinhos.

Um vídeo mostra a fila de veículos no estacionamento. Em uma das vagas, uma pessoa com jaleco branco retira algo do porta-malas. Ela dá a volta e para em frente ao motorista e faz um movimento parecido com o que seria a aplicação de uma vacina.

Um boletim de ocorrência foi registrado no dia da suposta vacinação. De acordo com o documento, os seguranças disseram aos policiais que houve uma pequena reunião dos diretores da empresa, mas que todos já haviam deixado o local quando os policiais chegaram.

Na saída, os policiais foram abordados por um morador que confirmou ter visto no pátio da empresa aproximadamente 25 veículos com seus condutores e passageiros, sendo vacinados por uma mulher de jaleco branco. E que crianças também foram vacinadas. Os policiais entraram na empresa, mas nada foi constatado pelas equipes.

O imunizante Comirnaty ainda não está disponível em território brasileiro. A Pfizer e a Biontech fecharam um acordo com o Ministério da Saúde contemplando o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 ao longo de 2021.

G1

Opinião dos leitores

  1. Henrique esse João diz que é coca, mais na realidade é FANTA. Observe o nome é a carinha que ele usa, para completar esse adoooooora é prova concreta do crime.

  2. 🤦🤦🤦🤦🤦🤦🤦🤦🤦
    Teria sido mais barato comprar a GADOVAC (Ozônio+cloroquina+ivermectina) e nem é ilegal…o gado adooora…
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    1. Melhor ter participado da quadrilha de luladrão, vão receber 40 bilhões de reais dos trabalhadores do Brasil. Vá trabalhar e ser honesto

  3. Tá faltando vacinas no Piauí e no RIO Grande do Norte, bom começar a investigação por pelo Nordeste.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UERN divulga lista de aprovados no Processo Seletivo de Vagas Ociosas

Foto: Divulgação

A Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROEG) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) publicou edital com o resultado do Processo Seletivo de Vagas Ociosas (PSVO) referente ao semestre letivo 2020.2. Os convocados devem realizar o Cadastro Institucional e a Matrícula Curricular entre os dias 4 e 5 de março.

Para efetivação dos dois procedimentos, o candidato deve digitalizar os documentos exigidos e enviá-los por email informando o nome completo e o respectivo curso e campus.

Confira o Edital Nº 009/2021 – PROEG/UERN, publicado no Jornal Oficial da Fundação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (JOUERN) desta quarta-feira, 3, com a lista de convocados e as instruções para a realização das próximas etapas.

Com UERN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fora do plano de vacinação, mais de 2 mil menores de idade aparecem em lista de vacinados do Ministério da Saúde; especialistas acreditam em erro de registro no sistema

Foto: Andre Penner

O banco de dados do Ministério da Saúde lista, como vacinadas, 2.355 pessoas com menos de 18 anos. A princípio, a vacinação para esse grupo não é permitida, já que nem a CoronaVac, nem o imunizante da Oxford/AstraZeneca foram testados em menores de idade. Procurada, a pasta não informou se menores de idade foram mesmo vacinados ou se os dados de idade e data de nascimento de adultos foram inseridos de forma errada. Para especialistas, as incoerências nos dados são consequência de erro de registro no sistema.

Na análise feita pelo GLOBO, há pelo menos dez plataformas diferentes para inserir dados de pessoas vacinadas no banco de dados. Até esta quinta-feira, 6,3 milhões de pessoas haviam sido vacinadas no Brasil.

As inconsistências de idade não são as únicas no banco de dados. No último domingo, uma análise de dados feita pelo GLOBO revelou que 19% dos vacinados foram identificados como preto ou pardos. Até aquele momento, 1 a cada 4 das pessoas imunizadas não tinham sua cor identificada. O recorte por cor é considerado importante porque é um marcador que, no Brasil, reflete também questões sociais e econômicas. Nas últimas semanas, o ministério já lidou com críticas sobre problemas em organização e logística, destacados pelo episódio de envio da quantidade de doses reservadas ao estado do Amapá para o estado do Amazonas, que ficou com 70 mil doses a menos do que o que tinha direito de acordo com sua população.

A lista de vacinados do ministério apresenta algumas situações curiosas, como o caso de três motoristas de ambulância que receberam a imunização, mas, segundo o registro, têm 5, 9 e 10 anos.

— No cadastro de pessoas vacinadas, devem ter erros de registro e cada município, estado e nível federal deve analisar os resultados possivelmente errados. Acredito que a hipótese mais provável seja essa, e não de fraude. A probabilidade de menores de 18 anos serem vacinados acho que é muito baixa — afirmou José Cássio de Moraes professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa-SP.

A planilha tem tanto o dado das idades dos vacinados como também o de sua data de nascimento. Há casos, por exemplo, em que a idade aparece como sendo “0”, embora o cidadão tenha nascido em 1971. Na análise feita pelo GLOBO, foram filtrados apenas os registros com data de nascimento após 25 de fevereiro de 2003 e idade abaixo de 18 anos. A maioria dos dados tem como sistema de origem o “Novo PNI”. Tecnicamente, não deveria haver incompatibilidade na data de nascimento de pessoas que já estavam cadastradas no SUS, seja por ter Cartão Nacional de Saúde, seja pelo seu CPF.

Entre os 2.355 registros identificados pelo GLOBO, a maioria é de pessoas que foram vacinadas dentro do grupo de “trabalhadores de saúde”, 1.765 pessoas. Eles são seguidos por 395 menores de idade que foram imunizados na categoria de população indígena. Segundo a norma do Ministério da Saúde que regulamentou esse registro, a identificação nos grupos prioritários é feita por meio de pesquisa na base de dados do CADSUS, quando no caso de faixa etária, e no CNES, no caso de trabalhadores de saúde. A falta de cadastro prévio não é motivo para deixar de vacinar o cidadão, mas, neste caso, ele deverá apresentar comprovante de que pertence a esses grupos.

— Como é possível cruzar os dados de atendimento para identificar automaticamente quando uma pessoa vacinada acabou tendo síndrome gripal ou síndrome respiratória aguda grave ou outra complicação? Tratamos esse problema de erro de digitação como “normal”, mas um investimento em atualização de sistemas de informação para automatizar essas coisas reduziria esses erros e permitiria investigações epidemiológicas de maneira muito mais rápida — afirma.

O Ministério da Saúde lançou um novo sistema de registro de vacinação automatizado e com conexão com cadastros nacionais, como o CADSUS e o banco de dados do CNES. Entretanto, a aplicação desse sistema não ocorreu de forma equânime e a imunização começou com cada local de vacinação usando um sistema de notificação próprio ou o que era antigamente utilizado nas campanhas. A pasta agora corre para integrar todos os sistemas em apenas um.

O GLOBO procurou o Ministério da Saúde na última terça-feira para um posicionamento sobre os dados. A área técnica da pasta, entretanto, não conseguiu terminar a análise dos dados até esta quinta-feira.

Para Rafael Lopes, pesquisador do Observatório Covid-19 BR, a importância de dados confiáveis é essencial tanto do ponto de vista de estudos e pesquisas sobre a vacinação como também para o acompanhamento da vacinação no país.

— Dados confiáveis, abertos e acessíveis são essenciais para que todos tenham claro qual é o ritmo de vacinação no país. Sabemos que a vacinação está restrita aos maiores de 18 anos, por falta de estudos de que atestem segurança das vacinas para esses públicos e então, em teoria, não deveria haver pessoa vacinadas com menos de 18 anos — afirma.

Lopes, entretanto, destaca que, por enquanto, essa inconsistência da idade não deve causar grandes problemas.

— O número de 2.355 possíveis vacinações em pessoas com menos de 18 anos é bem pequeno, dado que já ultrapassamos mais de 6 milhões de aplicações, ele não representa mais que 0.04% desse total. Até agora parecem ser somente isso, inconsistências, nada sistemático ou deliberado, então para análises futuras em pouco afeta essas inconsistências — afirmou.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. É bom que se faça uma investigação e punam os culpados. Tem muita gente furando filas, enfermeiros aplicando vento e me parece que estão aplicando nos filhos e etc

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Natal é destino tendência para 2021 em lista do Ministério do Turismo

FOTO: Emprotur

A valorização do turismo doméstico é uma das tendências identificadas no comportamento do turista pós-covid. O Ministério do Turismo divulgou uma lista com os 21 destinos tendência para 2021. Nesse sentido, Natal (RN), conhecida como “Cidade do Sol”, figura como um dos destinos mais buscados para o ano. O levantamento foi realizado tomando como base os principais sites de pesquisa do setor, além de publicações e dos destinos que se alinham à demanda do novo turista.

Na região Centro-Oeste aparecem Brasília e os municípios goianos de Alto Paraíso de Goiás e Cavalcante onde está localizado o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, eleito um dos 25 melhores “Parques Nacionais” do mundo pela National Geographic. A mesma publicação elencou o cerrado brasileiro como único destino brasileiro indicado na lista de 25 melhores viagens para planejar no futuro.

“O levantamento reforça que estamos no caminho certo para que a retomada aconteça. O turismo doméstico tem um enorme potencial que merece ser conhecido pelos brasileiros e com esse foco que o Ministério do Turismo vem trabalhando – oferecer melhor infraestrutura, serviços cada vez mais qualificados e seguindo os protocolos de biossegurança”, comentou o ministro Gilson Machado Neto.

O Sudeste, juntamente com o Nordeste, lidera a listagem com sete destinos – Angra dos Reis (RJ), Belo Horizonte (MG), Petrópolis (RJ), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), São Sebastião (SP) e Ubatuba (SP). No Nordeste, além de João Pessoa (PB) aparecem também Ipojuca (PE), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Natal (RN), Porto Seguro (BA) e Salvador (BA).

A região Sul conta com quatro destinos: Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Foz do Iguaçu (PR) e Gramado (RS). Os destinos seguem a tendência de comportamento identificada em viajantes pós-covid de optar por destinos de natureza ou com foco no turismo rural. De acordo com o Booking, 59% dos entrevistados pretendem ir para um destino de natureza próximo. Ainda segundo o buscador, outra forte tendência é a opção por viagens rápidas, três em cada quatro (73%) brasileiros querem fazer viagens mais curtas em 2021 do que fizeram em 2019 – ocupando, mais uma vez, o primeiro lugar no ranking global em meio aos viajantes que demonstraram esse desejo.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

Opinião dos leitores

  1. Essa porcaria desse governo, diretamente contribui com a desvalorização do real diante do dólar e literalmente prende quem almeja conhecer ou voltar ao exterior. Muito triste viver em um país onde faz de sua população escravos e uma submissão extrema.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Veja lista das ocupações com os 100 maiores e menores salários de contratação no país em 2020

Os cargos de direção executiva e atividades ligadas a áreas como finanças, engenharia, tecnologia da informação e saúde tiveram os maiores salários médios de contratação com carteira assinada no país em 2020, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia.

Diretor de produtos bancários e diretor de riscos de mercado foram as ocupações com maior salário médio de admissão em 2020, passando dos R$ 30 mil.

Enquanto isso, o salário médio de contratação no país ficou em R$ 1.777,30 em 2020, chegando a R$ 2.152,35 na administração pública.

Veja no quadro abaixo os salários médios de admissão por atividades econômicas no período de janeiro a dezembro de 2020 e a variação em relação a 2019:

Foto: Economia G1

Os salários médios se referem especificamente ao valor de remuneração dos profissionais contratados no ano e não podem ser usados como média salarial da ocupação, ressalta o governo.

O Brasil criou 142.690 postos com carteira assinada em 2020, segundo dados do Caged divulgados na semana passada pelo Ministério da Economia.

Veja os 100 cargos com maiores salários:

(mais…)

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

SE A IDEIA VINGA PELO PAÍS, EM: Ação de Defensorias e MPs pede publicação da lista de vacinados no site da prefeitura de Manaus

Foto: Ilustrativa

As Defensorias Públicas do Estado do Amazonas (DPE-AM) e da União (DPU), em conjunto com os Ministérios Públicos Federal (MPF), Estadual (MPE), de Contas (MPC) e do Trabalho (MPT), ingressaram na noite de quinta-feira (21) na Justiça Federal com pedido para que a prefeitura de Manaus seja obrigada a informar, diariamente, a lista de pessoas imunizadas com a vacina contra a Covid-19.

Ao G1, a assessoria do MPF explicou na manhã desta sexta-feira que os órgãos entraram na Justiça justamente porque a prefeitura não entregou as informações solicitadas na quinta-feira (21).

Na ação, o governo municipal deve repassar à Justiça Federal os nomes das pessoas vacinadas até 19h, além de expor a informação no site da própria prefeitura até 22h, todos os dias, “com identificação de nome, CPF e local onde foi feita a imunização”.

Segundo o defensor público Arlindo Gonçalves, do Núcleo de Defesa da Saúde, a ação é uma resposta às denúncias de irregularidades de vacinações em profissionais de saúde fora do grupo prioritário. Por causa das denúncias, a vacinação chegou a ser suspensa na quinta-feira (21) para uma reformulação.

Os órgãos pedem aplicação de multa diária e pessoal ao prefeito de Manaus, David Almeida, no valor de R$ 100 mil, em caso de descumprimento.

Lista de vacinados

Na noite de quinta-feira (21), o prefeito David Almeida afirmou que entregou a relação das pessoas que serão vacinadas. O G1 solicitou informações sobre a lista e a retomada da vacinação, mas a prefeitura ainda não se manifestou.

“Essa informação está com os órgãos de controle, nós entregamos a lista de todas as pessoas vacinadas, com CPF, todas as suas qualificações, qual a unidade de saúde que trabalha, qual sua profissão, qual seu envolvimento com o trabalho de combate à covid-19”, afirmou.

Ainda durante a coletiva, o prefeito de Manaus disse que o Governo do Amazonas indicou 19 unidades de saúde para que os a aplicação das doses seja retomada nesta sexta-feira (22). “Temos 19 unidades. Todas selecionadas e indicadas pelo o governo. A prefeitura só vai lá e faz a vacinação”, disse Almeida.

Nesta quarta-feira, o Governo do Amazonas havia informado que não vai se responsabilizar pela controle da vacinação no estado. Em nota divulgada em redes sociais, o governo afirma que a vacinação e o controle das pessoas que recebem as doses são responsabilidades das prefeituras.

Sobre o governo indicar os locais de vacinação em Manaus, o G1 solicitou posicionamento do órgão, e aguarda resposta.

Suspeita de fraude

O Ministério Público Federal (MPF) requisitou ao município de Manaus, nesta quinta-feira (21), informações para apurar a suspeita de fraude na destinação de doses do primeiro lote de Coronavac para vacinação no Amazonas.

O Tribunal de Contas exigiu também que o governo estadual e Prefeitura de Manaus encaminhem uma lista nominal das pessoas já imunizadas contra a Covid-19 e os critérios utilizados para vacinação. Outros órgãos de controle também recomendaram a elaboração de listas nominais com a identificação de todos os que deveriam receber a imunização.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Numa fazenda próxima da nossa, o fazendeiro também solicitou ao aplicador, uma relação dos bichos que foram vacinados esta semana. Isso é normal.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde retira presos da lista de prioridades para vacinação de Covid

Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde retirou a população carcerária da lista de grupos prioritários para tomar a vacina contra a Covid-19. Não há, até agora, qualquer explicação para a decisão.

Faz somente oito dias que o Ministério da Saúde definiu os quem seriam os primeiros da fila de um plano de vacinação previsto para quatro etapas.

Primeiro, os profissionais da área da saúde, idosos com mais de 75 anos (ou a partir de 60 que morem em asilos) e os indígenas.

Depois, seriam imunizados os idosos com idade entre 60 e 74 anos.

Em seguida, portadores de doenças crônicas (pressão alta, cardíacos e aqueles com diabetes).

E, finalmente, trabalhadores da área da segurança, como policiais e funcionários do sistema prisional, e também os detentos — estes últimos agora foram rifados.

Lauro Jardim – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Esse ministro só me dá alegria!!!! Grande General!!!! Deixem os cães latirem, a nossa caravana não vai parar!!!!

  2. Já?
    Retirou foi?
    Mas tava, num tava?
    O gado véi burro!
    De massa de manobra o presidente entende bem.
    kkkkkkkkkkkkkkk

  3. Se o "Minion Alienado" está preocupado com os presos, que os leve para sua casa pra cuidar de cada um deles!

    Cada uma!

  4. Preso tem que se fud&£ mesmo, ficar por último. Os carcereiro monitorarem de longe.
    Nos presídios não tem nem um santo.

    1. Ainda bem que temos um presidente que muitos procuram denegrir a imagem do mesmo mais; nestes últimos 20 anos jamais tivemos um presidente tão bom quanto ele. E macho não engole safadeza de gente safada e já fez muitos mais por todos nós que muitos que ocuparam o mesmo cargo e só roubaram e destruíram o nosso País tão rico e belo. Ache ruim quem quiser mais e a pura verdade.

  5. Desde quando bandido tem que ter prioridade, por mim só vacinava quando a população que trabalha e produz for imunizada, se sobrar, aplica nos vagabundos!

    1. O problema é que quando um marginal morre sob os cuidados do Estado (preso), temos um prejuízo enorme com as indenizações arbitradas pela justiça.

    2. Imaginem essa turma negacionista terraplanista vendo jesus falar para os dois bandidos crucificados ao seu lado: logo mais vcs estarão no céu comigo.
      Por isso que a Biblia diz: é mais fácil um bandido ir para o céu que aqueles falsos cristão. Amém.

  6. Muito bem!Primeiro a população de bem, e depois esses anjinhos que estão lá porque são vitimas da sociedade má.Eita pais que passa por uma inversão de valores.Por mim nem aplicava.

    1. Lamento pela saúde dos agentes penitenciários e daqueles, com entes no sistema prisional, e prestam serviços aos negacionistas de plantão. A prioridade "cidadão de bem" é cômica.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

ONU aprova retirada da maconha de lista de drogas mais perigosas

A ONU aprovou a retirada da maconha de lista de drogas mais perigosas – Istock/Getty Images

A Comissão para Narcóticos da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta quarta-feira, 2, a retirada da maconha para uso medicinal da lista de drogas mais perigosas do mundo.

Composta por 53 Estados-membros, a comissão considerou uma série de recomendações feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para reclassificar a planta e seus derivados. Atualmente, a cannabis se encontra classificada como uma das drogas mais perigosas do mundo, ao lado da heroína.

Em 1961, o comitê estabeleceu uma lista com quatro tabelas de classificação, sendo a primeira para as drogas mais leves e a última para as mais pesadas. Uma segunda recomendação da OMS, que reclassificaria os derivados da cannabis, como o dronabinol e o THC, no nível mais baixo das tabelas, não ganhou apoio para ser aprovada.

O voto também ocorre ao mesmo tempo em que diversos países levam adiante a pauta para a legalização da cannabis e seus derivados, muitos deles para uso terapêutico. O México foi um dos últimos países a legalizar o uso recreativo. Nos Estados Unidos, eleitores aprovaram a discriminalização da cannabis em diversos estados.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Enquanto vocês ficam debatendo aí vou fumar um pra relaxar e dar umas risadas.
    kkkkkkkkk
    Vou dar um tapa na cara da sociedade!
    .kkkkkkkk

    1. Não tanto quanto na mão de um vagabundo, que tira a vida de um pai de família por um celular que ele batalhou o mês inteiro para comprar e mesmo assim não tem o direito de usa-lo na rua.

  2. Depois, os que falam em agendas globalistas são chamados de 'teóricos da conspiração'.
    Tudo para desestruturar as pessoas, para lhes tirar as responsablidades e delegar para o Estado (ou um supra-estado), desunir famílias, quebrar tradições, relativizar direitos (os lockdowns foram um trailer). Tudo com pretextos fofinhos e progressocas. Dividir para conquistar.

    1. Isso amigo desperto, precisamos denunciar essa agenda maçônico-globalista-comunista. Albert Pike já falava sobre isso antes da primeira guerra mundial…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Argentina, Chile, Peru entram na lista de países abertos para brasileiros

Foto: Diego Cupolo/Getty Images

Às vésperas do fim de ano, destinos queridinhos dos brasileiros, como Portugal e Estados Unidos, continuam fechados para o turismo. Contudo, as restrições vêm diminuindo aos poucos e há boas notícias, como a reabertura do Chile, Peru e Argentina.

A partir desta segunda-feira, 23, o Chile reabriu parcialmente suas fronteiras. Visitantes só podem entrar pelo Aeroporto Arturo Merino Benítez, em Pudahuel, perto de Santiago. Para embarcar em um avião com destino ao país, é preciso ter um teste PCR negativo feito 72 até horas antes, um seguro saúde que cubra condições relacionadas à Covid-19 e um documento chamado “Passaporte de Saúde”, disponível no site do governo.

Contudo, nas próximas próximas semanas – até o dia 7 de dezembro –, estrangeiros vindos de países de alto risco, segundo classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), devem fazer quarentena de 14 dias ao chegar ao país. O Brasil faz parte da lista.

A Argentina também concretizou um comunicado emitido no dia 30 de outubro, dizendo que suas portas seriam reabertas ao Brasil, Bolívia, Chile e Paraguai – mas apenas com destino à Grande Buenos Aires. Só é permitido circular pela Região Metropolitana da capital e, para garantir a entrada, é preciso apresentar exame PCR negativo, realizado até 72h antes do embarque.

Além disso, antes da crise política e do impeachment, o presidente peruano, Martín Vízcarra, havia prometido no início de setembro a reabertura das fronteiras a estrangeiros. O processo se concretizou em duas fases: no início de outubro, alguns países da América Latina, como Colômbia, Paraguai e Chile, receberam aval do Peru. Depois, a partir do dia 1º de novembro, México, Brasil, Argentina, Espanha e Estados Unidos ganharam a permissão.

Um dos protocolos de biossegurança é a obrigatoriedade do teste de PCR negativo, realizado no máximo 72 horas antes da chegada, para entrar no país. Na falta do comprovante, o turista deverá voltar ao país de origem fazer quarentena de 14 dias. Viajantes também estão sujeitos a triagem médica em aeroportos.

Segundo uma lista publicada na página da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), existem cerca de 70 países e territórios que não têm restrições expressas a entradas de viajantes brasileiros a lazer, em voos que partem do Brasil. A maioria deles exige, no entanto, algum tipo de testagem negativa para Covid-19 ou quarentena na chegada.

Como já estava determinado desde o início do segundo semestre, países como México, Turquia e as Bahamas, no Caribe, recebem turistas brasileiros sem muitas restrições.

O governo mexicano só exige o preenchimento de um formulário de “Fatores de Risco”, enquanto a Turquia continua a realizar triagem médica nos aeroportos – caso os viajantes apresentem sintomas, podem ser submetidos a testes e, depois, tratamento médico. As Bahamas, assim como a República Dominicana e a maioria das ilhas caribenhas, só exigem teste ao embarcar.

A Ucrânia, Bósnia e Herzegovina, Equador e Colômbia aceitam receber turistas brasileiros, desde que apresentem o teste negativo para Covid-19. O Egito também reabriu suas fronteiras, mas exige o teste PCR negativo – realizado com, no máximo, 72 horas de antecedência – e seguro saúde. Além disso, o turismo está limitado a resorts em três províncias litorâneas.

Já alguns países europeus, como Reino Unido e Irlanda, apesar de nunca terem barrado viajantes brasileiros, exigem o cumprimento de uma quarentena de 14 dias, com ou sem sintomas da Covid-19 (às próprias custas). Mesmo assim, voos das aéreas British Airways e Latam seguem com regularidade para o aeroporto britânico de Heathrow.

Na fechada União Europeia, apenas a Croácia aceita brasileiros, desde que comprovem reserva de hotel e apresentem teste PCR negativo realizado em até 48 horas antes do embarque. Só quem chegar sem o teste, ou com sintomas, precisa ficar em isolamento por 14 dias. Sérvia, Kosovo, Albânia e Macedônia do Norte também estão abertos aos brasileiros e sem exigências de quarentena.

Se o turista brasileiro cumprir quarentena em um país do bloco ou no Reino Unido, pode seguir viagem para outros destinos no continente. O mesmo ocorre nos Estados Unidos: embora os americanos só permitam a entrada de viajantes com cidadania ou visto de residência permanente, é possível fazer uma quarentena no México, por exemplo, e seguir para destinos como Miami ou São Francisco.

Mesmo tendo que adaptar os planos devido à pandemia, viajar torna-se cada vez mais possível à medida que as duras restrições são revisadas. Até na troca de Orlando por Istambul é possível encontrar consolo para este duríssimo 2020.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Agora que eles tem mais mortes por milhão de habitantes que o Brasil abrem a fronteira?
    E fazer o que nestes países, ficar trancado dentro de casa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

IBGE atualiza lista de municípios de regiões metropolitanas no país

Foto: © Renato Soares/ MTUR

O Brasil tem atualmente 74 regiões metropolitanas (RM). O estado com maior número é a Paraíba (12). Na sequência está Santa Catarina (11), depois Alagoas (9) e o Paraná (8). O país tem também cinco Aglomerações Urbanas: três no estado de São Paulo e duas no Rio Grande do Sul.

Os dados fazem parte da lista atualizada dos municípios que compõem as regiões metropolitanas (RMs), as regiões integradas de desenvolvimento e aglomerações urbanas (RIDEs) definidas pelos governos estaduais e pela União, divulgada hoje (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para o trabalho, foram consideradas as informações de 30 de junho deste ano. Desde 2013, o instituto atualiza semestralmente a composição das diferentes regiões instituídas no país.

Conforme a revisão atual, o município de Goiana passou a integrar a região de desenvolvimento Mata Norte e não mais a região metropolitana do Recife, que reduzida a 14 municípios: Abreu e Lima, Araçoiaba, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Igarassu, Ilha de Itamaracá, Ipojuca, Itapissuma, Jaboatão dos Guararapes, Moreno, Olinda, Paulista, São Lourenço da Mata e a capital pernambucana.

De acordo com o instituto, não houve alterações nas regiões integradas de desenvolvimento brasileiras, nem nas demais regiões metropolitanas.

O IBGE informou que as regiões metropolitanas e aglomerações urbanas foram instituídas por lei complementar estadual, conforme determinação da Constituição Federal de 1988. O objetivo é integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum das regiões metropolitanas e aglomerações urbanas.

Por causa das condições climáticas, o semiárido brasileiro é uma região que recebe tratamento específico. Os estados com maior número de municípios na região semiárida são Bahia (278), Paraíba (194), Piauí (185), Ceará (175), Rio Grande do Norte (147) e Pernambuco (123).

Ainda fazem parte da região semiárida, municípios dos estados do Maranhão, Alagoas e Sergipe. Embora não esteja na Região Nordeste, Minas Gerais é o único estado que tem municípios nessa região.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *