Golpe do Falso motoboy: Homem que aplicou golpes de R$ 16 mil em idosas de Natal é preso em SP

Foto: Divulgação/Ministério Público do Rio Grande do Norte

Um estelionatário foi detido, na última segunda-feira (18), após mandado de prisão preventiva cumprido pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN). O crime foi cometido no dia 16 de junho de 2020, no bairro do Tirol, em Natal.

As duas idosas receberam ligação telefônica de uma pessoa que se dizia funcionário do banco onde ambas possuíam conta-corrente, informando que compras estariam sendo feitas com o cartão bancário das correntistas e que, por tal motivo, um funcionário do banco seria encaminhado à residência delas para coletar os cartões bancários.

No telefonema, foi solicitado às vítimas que digitassem as senhas no próprio telefone fixo, artifício utilizado para o acesso ao referido código pelo estelionatário. O criminoso, identificado como Felipe Fernando Ribeiro de Oliveira, chegou à casa das idosas portando crachá do banco e identificando-se como funcionário terceirizado, coletando os cartões.

Posteriormente, já de posse dos cartões, ele se dirigiu à agência bancária e, no caixa eletrônico, realizou diversas transações, causando um prejuízo inicial superior a R$ 16 mil. As investigações indicaram que o criminoso já respondia pelo crime de roubo a mão armada, bem como, que cumprindo pena, viajava por vários estados do Brasil, com a finalidade de praticar crimes dessa natureza. O golpe ficou conhecido “falso motoboy”.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão do Ministério Público do Rio Grande do Norte, iniciou a investigação em junho de 2020, quando o suspeito fez vítimas no Estado. Ficou comprovado que ele viajava pelo Brasil aplicando o mesmo golpe. Ele permanecerá preso no Estado de São Paulo e as investigações do MPRN continuarão para esclarecer se há a participação de outras pessoas na prática.

Com informações do Portal da Tropical

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jr. disse:

    Como esse aqui em Natal têm vários, que ainda permanecem soltos…

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Como é que esse estelionatário sabe o banco que o idoso tem conta e o telefone de contato. Alguém passa essa informação.

Advogado e motoboy saem no tapa no bairro de Petrópolis, em Natal, diz reportagem

Foto: Victor Augusto/Via Certa Natal

O Via Certa Natal destaca um desentendimento na noite dessa quarta-feira(11) que teria envolvido um advogado e um motoboy na rua Açu, na altura do food park, no bairro Petrópolis, região leste da capital. A briga resultou em ocorrência policial. Veja abaixo relato:

“O advogado criminalista que não quis se identificar para reportagem do Via Certa Natal, afirma que ia atravessar a rua com sua esposa e filha quando o motofretista quase atropelou sua criança. Segundo ele, o mesmo teria dando um tapinha nas costas no piloto da moto e, em seguida, o motoboy teria mostrado o dedo do meio para a esposa do advogado”.

Na sequência, narra o Via Certa Natal, os homens partiram para as vias de fato. “O motofretista disse que não existia criança na rua, e que ele foi agredido primeiro e que só não apanhou mais graças a ajuda de amigos que passavam na hora do local”.

No desfecho da confusão, uma viatura da Polícia Militar do batalhão feminino passava pelo local e conduziu todos para central de flagrantes da zona sul, na Cidade da Esperança. No local, diz o Via Certa Natal, foi constatado que o motoboy não possuía habilitação, nem documentação pessoal e sua moto só seria liberada mediante um condutor habilitado.

DO BLOG: O Blog do BG destaca que o texto em questão não revela o nomes dos envolvidos, por isso, não revela suas identidades.

Matéria na íntegra no link abaixo:

https://www.viacertanatal.com.br/2020/11/advogado-e-motoboy-saem-no-tapa-no.html

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ex-Petralha disse:

    Tá faltando alguém trazer informações para temperar o fato, como quem era o nêgo, quem era gado de Bolsonaro e quem era hiena ou jumento esquerdopata, para justificar as vias de fato.

  2. Neide Miriam disse:

    Acho um absurdo carros estacionados em calçadas… Aqui onde moro a rua Tibaú Nova Parnamirim… Andamos no meio da rua. Um dia desse um carro sai de ré na calçada não me atropelou por pouco! Ainda fui xingada! Você e cega!?

  3. Ricardo disse:

    Não me cabe avaliar o caso concreto, pois não presenciei o fato. Mas uma coisa é certa: o motorista brasileiro não respeita o básico das leis de trânsito! Uma simples faixa de pedestre não é respeitada, ou uma vaga especial.
    Mas os motoqueiros, sem sombra de dúvidas, são os maiores infratores de trânsito. E nessa pandemia eles passaram de todos os limites possíveis e imagináveis!! Hoje mesmo um motoboy entrou na contra mão e por pouco não se esborracha sobre meu carro, ele simplesmente pegou a contramão no meio do trânsito para fazer um atalho.
    Eles não respeitam nada nem ninguém, e se você reclamar ainda querem ter razão.
    Cortam sinal, andam na contramão, sobre as calçadas, em alta velocidade, fazendo zigue-zague no trânsito. Qualquer pessoa de bom senso há de concordar com essa infeliz realidade que estou narrando. Ela pergunta que fica é: até quando?!!

  4. Luciano Brito disse:

    Fui profissional nas duas categorias remunerado, os dois estão completamente errado.

  5. Calígula menininha do Pr. disse:

    Entregador de pizza vs Paulo.

  6. Zeca Urubu disse:

    E os motoristas que andam em seus carrões “financiados” e se acham os donos das ruas?
    Eu tenho os 2 (moto e carro), e uma coisa é fato, alguns imortais não respeitam ninguém.
    Pedestre, motoqueiro, ciclista, nada.
    Se não estava lá, não julgue!!!!

  7. Fabio disse:

    Eu passo o dia inteiro vendo atrocidades praticadas pelos motoqueiros, especialmente os motoboys, eles xingam, sobem calçadas, estiram o dedo, vejo isso todos os dias, ninguém é de ferro, um dia vc enche o saco e sai na porrada mesmo, raça ruim. Não existe lei para eles.

    • Apolônio disse:

      Eu possuo os 2(moto e carro),e posso te garantir uma coisa,os motoristas não respeitam de forma alguma os motociclistas

    • Antonio Barbosa Santos disse:

      Você disse tudo.
      Se tem uma raça que não respeita qualquer limite, não respeita qualquer regra, é a de motoboy.
      No dia que pegar um cara armado…

    • Lucas disse:

      Toda hora motoqueiro faz merda no trânsito, corta sinal, passa pela direita, são uns irresponsáveis, por isso todo dia entram no Walfredo uns 10 lascados.

  8. Pixuleco disse:

    Lamentável

Motoboy é assaltado enquanto fazia entrega de remédios na Zona Sul de Natal

Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

O portal G1-RN destaca nesta quarta-feira(15) que um motoentregador foi assaltado na noite dessa terça-feira (14) enquanto passava pela Avenida Jaguarari, no bairro de Lagoa Nova, Zona Sul de Natal. A vítima que trabalha para uma farmácia de manipulação estava fazendo a entrega de medicamentos de 15 pacientes quando foi abordado por bandidos. Veja detalhes aqui em reportagem completa.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Modesto disse:

    Prenderam o trabalhador e soltaram os bandidos. Esse Brasil não serve para 90% dos brasileiros.
    O Brasil precisa e deve ser passado a limpo, não podemos ter bandidos soltos a qualquer pretexto. Tudo é usado como justificativa para soltar bandido e prender o cidadão.
    O fatos estão aí, são de conhecimento público, nem precisa entrar em detalhes.
    Até mudar a jurisprudência para favorecer político e poder soltar condenado em segundo grau, fizeram. Esse Brasil não é dos brasileiros trabalhadores, honestos, guerreiros, ele pertence a quem tem condenação e precisa estar sob o manto da impunidade

TRT-RN não reconhece vínculo de emprego de motoboy com pizzaria em Natal

O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) não reconheceu vínculo de emprego de motoqueiro entregador de pizza que prestava serviço em veículo de sua propriedade.

A decisão manteve julgamento anterior da 7ª Vara do Trabalho de Natal.

No processo, o motoboy alegou que trabalhou, sem carteira, para a E C S Silva – ME (Mercatis Pizzaria), de junho de 2016 a março de 2018.

Durante esse período, ele fazia entregas de pizza e diversos tipos de lanche nos bairros da zona norte da cidade. Seu deslocamento era feito em motocicleta própria, sendo que ele arcava com os custos de combustível e manutenção da motocicleta.

O motoboy afirmou, ainda, em sua reclamação que recebia salário mensal da pizzaria no valor de R$ 1.100,00. A empresa não negou a prestação de serviços, mas afirmou que o trabalho se deu por “parceria e de forma autônoma, sem qualquer subordinação”.

O pagamento dos serviços prestados pelo motoboy, segundo a empresa, era feito diariamente, no valor de R$ 8,00 por entrega.

O relator do processo no TRT-RN, desembargador Carlos Newton de Souza Pinto, destacou que a prova juntada ao processo favorece a tese da empresa, “no sentido de que as atividades prestadas pelo reclamante não dão ensejo ao reconhecimento do vínculo de emprego”

Carlos Newton destacou trechos da decisão da Vara, concluindo que, pelo depoimento do ex-entregador, “não havia a vinculação direta do trabalho, haja vista que as entregas poderiam ser feitas por terceiros e que, ao se ausentar por faltas, não teve descontos procedidos pela empresa”.

Para o Carlos Newton, no caso, não ficou provada a “subordinação jurídica, habitualidade e pessoalidade típicas dos contratos de emprego e, nesse diapasão, não se fazem presentes todos os requisitos indispensáveis para a configuração da relação de emprego”.

A decisão da Segunda Turma do TRT-RN foi por unanimidade.

Processo: 0000298-34.2018.5.21.0007

Fonte: Ascom – TRT/21ª Região

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anderson disse:

    FOI COVARDIA!
    AUTOR, POR QUE VOCÊ NÃO DISCUTIU ESTE ASSUNTO COM OS RESPONSÁVEIS PELA PIZZARIA ANTES DE ACEITAR O TRABALHO?

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Parabéns a Justiça do Trabalho, realmente fez justiça. ????

  3. Jorge santos disse:

    Esse povo pensa que pode arrancar dinheiro dos empresários de todo jeito, a coisa mudou, a lei agora esta mais rigorosa…

Polícia prende motoboy suspeito de 20 estupros

Policiais civis da Delegacia de Defesa da Criança e do Adolescente (DCA) prenderam, no início da tarde de ontem, o motoboy José Antônio da Silva, 31 anos. Ele é acusado de ter cometido crimes de abuso sexual contra menores em vários pontos da capital. Até agora, pelo menos seis crianças, com idade variando entre 6 e 13 anos, foram ouvidas e identificaram o acusado. No entanto, a polícia acredita que ele seja o responsável por mais de 20 estupros. A maioria deles, cometido à luz do dia, em locais públicos.

Júnior SantosJosé Antônio da Silva, 31 anos, já foi reconhecido por seis crianças que sofreram abusos sexuais

O acusado é casado e pai de dois filhos, de 12 e 4 anos. Ele foi preso em sua residência, no bairro de Felipe Camarão, e apresentado à imprensa, na Delegacia Geral de Polícia Civil (Degepol). Lá, ele confessou alguns dos crimes e disse não saber por que violentava as crianças. “Não sei o que acontecia. Não era eu que fazia aquilo. Não sei o que dizer. Sentia alguma coisa e fazia”, disse.

De acordo com informações do titular da DCA, delegado Correia Júnior, as investigações sobre o caso aconteciam há pelo menos um mês. “Recebemos várias denúncias, sobre o mesmo tipo de crime, que apontavam um mesmo autor para os crimes. Investigamos e conseguimos realizar a prisão do acusado”, esclareceu. O acusado agia sempre usando uma moto. De capacete, ele abordava meninos e meninas no meio da rua. Dizendo que estava armado, ameaça as vítimas e obrigava-as a tirarem a roupa. José Antônio apalpava as crianças e forçava que elas fizessem sexo oral nele.

Uma das ações do criminoso foi filmada pela câmera de segurança de uma residência. Na última quinta-feira à noite, o acusado abusou de duas irmãs, 10 e 11 anos, no bairro Dix-Sept-Rosado. Segundo a polícia, dessa vez, o acusado não estava usando capacete. O pai das meninas foi à Degepol e contou o que aconteceu. “Eu fui pegar minha mulher no trabalho e deixei elas em casa. Elas estavam na rua e ele se aproximou. Conversou um pouco e elas foram embora. Passou um tempo e ele foi na minha casa pedir água. Aproveitou que elas abriram a porta e ameaçou elas de morte”, disse o pai que, revoltado, preferiu  não dizer que tipo de abuso o criminoso tinha feito com as filhas dele. “A vontade que eu tenho é de trucidar um monstro desse”, completou.

Para a polícia, José Antônio da Silva, ficou conhecido como o maníaco da moto. “Nos primeiros casos identificados pela Polícia Civil, ele utilizava uma moto de cor preta, e depois outros que começaram a surgir com o uso de um moto de cor prata”, disse Correia Júnior.

A mãe de uma menina de 13 anos, que foi violentada pelo acusado também no bairro de Dix-Sept-Rosado, foi à Degepol prestar depoimento. Ao ver José Antônio, a mãe se revoltou e quis bater nele. “Isso é um monstro. Merece morrer. Sorte a dele que foi a polícia quem pegou. Se fosse o pessoal do bairro, ele ia ver o que é bom. Tomara que fique preso pelo resto da vida”, disse. O acusado já tem passagem pela polícia. José Antônio esteve preso no CDP da Ribeira durante sete meses. Contra ele existêm três inquéritos policiais.

Fonte: Tribuna do Norte