Japonês de 71 anos é detido por ligar 24 mil vezes para reclamar de operadora de telefonia

Foto: Tomohiro Ohsumi

Um aposentado japonês foi detido por supostamente ter feito 24 mil ligações para reclamar do serviço prestado por uma operadora de telefonia, informaram a polícia e a imprensa local nesta terça-feira.

Segundo a polícia de Tóquio, Akitoshi Okamoto, de 71 anos, foi detido na semana passada por ter ter feito centenas de ligações durante oito dias para um número gratuito do serviço de atendimento ao cliente da operadora KDDI.

Mas esta pode ser apenas a ponta do iceberg: de acordo com a imprensa, o idoso teria feito milhares de ligações de um telefone público para expressar sua insatisfação com a empresa e ofender os funcionários de atendimento ao cliente.

— Ele exigia que os empregados da KDDI pedissem desculpas por violação de contrato. Também costumava desligar rapidamente depois de fazer a ligação — afirmou uma fonte da polícia.

O aposentado foi detido sob a acusação de “obstrução fraudulenta de negócios”, disse a mesma fonte.

O Japão registra um crescente número de problemas sociais provocados pelo rápido envelhecimento da população.

Os motoristas mais velhos provocam acidentes de trânsito com frequência e as empresas ferroviárias reclamam dos casos de violência contra funcionários protagonizados por clientes idosos.

Extra, com AFP

 

SE A MODA PEGA… Revoltado, homem quebra vidraça de loja de operadora telefônica

Revoltado por não conseguir cancelar um serviço de telefonia móvel, um cliente da operadora Nextel quebrou a vidraça de uma loja na Avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, nesta segunda-feira. A cena foi registrada por pedestres que passavam no local. Segundo testemunhas, ele usou uma marreta para quebrar o vidro.

A Polícia Militar foi acionada, mas quando chegou no local o homem já havia ido embora. O gerente da loja não quis acompanhar os agentes do 31° BPM (Recreio dos Bandeirantes) até a delegacia, segundo os agentes. Ninguém ficou ferido.

Em nota, a Nextel informou que lamenta o fato e que “está fazendo levantamentos dos prejuízos financeiros e avaliará eventuais medidas que o caso comportar”.

Fonte: O Globo

Pirataria: Se fosse operadora, “Gatonet” seria a 3ª do Brasil

decodificador590

De cada cinco brasileiros que assiste a TV paga, um o faz de maneira clandestina. O chamado “Gatonet” é utilizado por 18,1% dos lares, totalizando 4,2 milhões de um universo de 23,2 milhões de domicílios com acesso aos canais por assinatura. Se fosse uma operadora, seria a terceira maior do Brasil.

As informações são de um estudo divulgado nesta quarta-feira( 6) pela ABTA (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura) e pelo Seta (Sindicato das Empresas Operadoras de TV por Assinatura e de Serviço de Acesso Condicionado) durante a Feira ABTA 2014, a principal do setor na América Latina.

O número de usuários dos “gatos” só fica atrás dos assinantes da Net (6,1 milhões) e da Sky (5,1 milhões) e contaria com  quatro vezes mais assinantes que a Oi (886 mil). A pesquisa motivou as operadoras a pedirem pela aprovação do projeto de lei  PLS 186/2013, do senador Blairo Maggi (PR-MT), que prevê dois anos de prisão para quem receber sinal de TV paga ilegalmente.

A pesquisa da ABTA ouviu 1.750 pessoas entre 17 e 22 de maio. Do total, 42% dos consumidores piratas estão nas regiões metropolitanas e 58% no interior do Brasil. A maioria dos usuários ilegais pertence às classes D e E. Logo atrás vem os da classe C, fatia da população que prevalece entre os assinantes da TV paga.

Segundo as operadoras, as perdas de receita causadas pela pirataria chegam a R$ 2 bilhões anuais.

Em reportagem de fevereiro, o Link mostrou como decodificadores piratas são anunciados na ruas do centro de São Paulo ou em sites de comércio eletrônico, ao alcance de qualquer um.

Os pequenos aparelhos, que destravam um número muito maior de canais de TV paga do que o previsto pelo plano contratado, custam cerca de R$ 300 pelo aparelho e R$ 30 pelo cartão. “Abre inclusive os HDs. Só não pega mais os de luta, mas compensa demais”, contou um cliente entrevistado pela reportagem.

Fonte: Link Estadão

Operadoras de celular serão proibidas de cobrar nova chamada quando linha cair

Para tentar equilibrar as cobranças nos planos ilimitados de telefonia móvel, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai proibir as operadoras de cobrarem por novas chamadas para um mesmo número se a ligação cair.

A medida vem uma semana depois de o Ministério Público no Paraná ter divulgado relatório de fiscalização da agência que acusava a TIM de derrubar intencionalmente a ligação dos clientes do plano Infinity para ganhar pela cobrança de uma nova chamada. A medida da Anatel atingirá todas as operadoras, mas a TIM deve ser a mais afetada.

Uma fonte ligada ao Conselho do órgão regulador revelou com exclusividade à Agência Estado que a proposta é dar 2 minutos para que as pessoas refaçam suas ligações sempre que houver uma queda, independentemente do motivo. Durante esse período, as operadoras não poderão cobrar pela nova chamada. “O objetivo é colocar essa regra em vigor o mais rápido possível. Os planos ilimitados são atraentes para os consumidores, mas precisam ser justos”, afirmou a fonte.

A proposta está no chamado “circuito deliberativo” do órgão regulador e pode ser aprovada individualmente por cada conselheiro, antes mesmo da próxima reunião do colegiado na próxima quinta-feira. Após isso, a medida deverá passar por um curto período de consulta pública antes de entrar em vigor.

Mais quedas

Atualmente, as normas da Anatel preveem a gratuidade de uma nova chamada apenas nos 30 segundos iniciais de cada ligação. Mas como nos últimos meses a agência verificou um aumento considerável de quedas em chamadas mais longas, esse mecanismo será adaptado. A regra vale para qualquer tipo de telefonema originado por celulares, seja para fixos ou móveis e em chamadas locais ou interurbanas. “Para os clientes que pagam por minuto utilizado, não haverá nenhuma mudança, mas os usuários de planos ilimitados serão muito beneficiados”, completou a fonte.

Para a Anatel, os 120 segundos serão suficientes para que qualquer usuário tenha condições de refazer a ligação perdida. “Sabemos que algumas pessoas têm dificuldade para digitar o número no telefone, e esse tempo também garante a recuperação da chamada em outras condições, como uma queda de bateria do aparelho ou ainda a passagem por um túnel ou outra área de sombra de sinal”, exemplificou.

Perdas. Na prática, a medida pode representar perda de receita para as companhias que recebem por cada nova ligação nesses planos, mas a Anatel alega que essa perda não poderia ser computada, porque os planos de negócios das companhias já levam em consideração chamadas realmente ilimitadas. “O ganho que algumas companhias têm com essas quedas seria indevido, porque elas não entregam o que está escrito no contrato. A medida, na verdade, irá fortalecer os planos ilimitados, pois os usuários terão mais segurança ao optar por esse tipo de serviço”, concluiu a fonte.

Um relatório de fiscalização da Anatel divulgado na semana passada apontou que a TIM teria faturado R$ 4,3 milhões pelo desligamento das ligações de 8,2 milhões de usuários dos planos Infinity. Após pressão do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o processo que trata da suspeita de derrubada deliberada das ligações por parte da empresa deve ser julgado pelo órgão o mais rápido possível.

Em resposta à acusação, a TIM negou “veementemente que eventuais quedas de chamadas de seus clientes Infinity sejam motivadas por ação deliberada da companhia”. A empresa afirmou também que o relatório da Anatel contém “graves erros de processamento, que alteram as informações apresentadas e levam a conclusões erradas”.

A operadora controlada pela Telecom Italia é a mais agressiva no País na oferta dos chamados planos ilimitados, que não cobram por minuto utilizado nas ligações, mas sim por cada chamada efetuada. O sucesso dessa estratégia levou a TIM a assumir no ano passado o segundo lugar no mercado, ultrapassando a Claro e ficando atrás apenas da Vivo.

Apesar de os planos Infinity serem apontados pela Anatel como uma das causas do estrangulamento das redes que levou a empresa a ter suas vendas suspensas por 11 dias em 18 Estados e no Distrito Federal, executivos da companhia garantem que vão manter o modelo.

Procurado, o SindiTelebrasil, sindicato que representa as empresas, não se manifestou sobre o assunto.

Fonte: Estadão

Vivo faz cobrança indevida e terá que pagar R$ 8 mil de indenização

Os desembargadores que integram a 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça mantiveram a sentença da 2ª Vara Cível da Comarca de Mossoró que condenou a Vivo S.A ao pagamento de indenização no valor de R$8.000,00 pelos danos morais causados a um cliente.

A operadora solicitou a reforma da sentença, a exclusão do dever de indenizar ou a diminuição do valor da condenação, sob o argumento de que a cobrança e a inscrição do nome do cliente nos serviços de proteção ao crédito foram feitas de forma devida. Devendo o autor ter sido vítima de fraude e que tal fato configura excludente da ilicitude, não tendo a operadora o dever de indenizar.

De acordo com o relator do processo, desembargador Amílcar Maia, ficou comprovado nos autos que o autor de fato contratou o serviço da operadora, no entanto, a empresa cobrou por serviços antes mesmo da instalação das linhas e mesmo após a suspensão dos serviços enviou comunicado de cobrança e uma fatura no valor de R$ 3.242,44.

Para o desembargador, também ficou comprovado que o cliente da operadora foi efetivamente inscrito no SPC pela VIVO no dia 12 de fevereiro de 2010 por dívida vencida em 10 de outubro de 2009 no valor de R$ 3.304,63.

Com relação ao valor a ser fixado para compensar o dano, o relator do processo levou em conta o princípio da proporcionalidade e da razoabilidade, e considerou a quantia de 8  mil reais suficiente para compensar o dano, e que o montante este não se mostra nem tão baixo – assegurando o caráter repressivo-pedagógico próprio da indenização por danos morais – nem tão elevado – a ponto de caracterizar um enriquecimento sem causa. (Processo nº 2011.016263-4)

Fonte: TJRN

Procon aplica multa de R$ 16 milhões na TIM

A operadora de telefonia celular TIM será multada em R$ 16.017.768,00 pelo Procon do Rio Grande do Norte. A multa foi assinada nesta quinta-feira (17) pelo coordenador do órgão, Araken Farias. As irregularidades encontradas são referentes a descumprimento de oferta, infração prevista no Art. 35 do Código de Defesa do Consumidor. A multa corresponde a 26 processos, de R$ 616.068,00 cada.

Segundo o coordenador do Procon, os processos representam apenas 15% do total de ações contra a operadora no Rio Grande do Norte. Dos 26 processos, dois eram de 2006, seis de 2007 e 18 de 2008. Na maioria dos casos, os consumidores reclamaram de uma cobrança nas contas telefônicas de valores que excediam o contratado através de promoções. Nas ações no Procon, os clientes pediam que houvesse a revisão dos valores cobrados, mas, em audiências com os clientes, a operadora teria rejeitado o acordo.

“Hoje a multa foi assinada e até a terça-feira da semana que vem eles (TIM) deverão ser notificados. A partir daí, terão 10 dias para pagar a multa ou para recorrer na Justiça, mas perdendo o desconto a que teriam direito caso o valor fosse pago”, explicou Araken Farias.

Caso a operadora opte por pagar a multa antes de acionar a Justiça, o valor referente às multas será encaminhado para o Fundo Estadual de Defesa do Consumidor. Na hipótese de não pagarem, o débito será inscrito na dívida ativa. “Até o fim do ano, o total de multas da TIM deve chegar a R$ 100 milhões”, adiantou Araken Farias.

De acordo com o atual coordenador do Procon, o objetivo do órgão é fazer com que os processos transcorrem com mais celeridade para evitar a sensação de impunidade na população. “Estamos fazendo a aplicação das multas no mesmo ano em que ocorrrem as fiscalizações e queremos chegar a fazer no mesmo mês. É o atual objetivo”, disse.

Tribuna do Norte

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anônimo disse:

    só presta assim!!!!!!! num intante se ajeita quando mexe nos bolsos. não adianta a @TIMTIMporTIMTIM tentar mascarar a verdade, o serviço está precário