Sindicatos confirmam greve geral de 48 horas, dias 03 e 04 de fevereiro, contra Reforma da Previdência no RN

Foto: Divulgação

Os sindicatos no Rio Grande do Norte anunciaram uma greve geral de 48 horas contra a proposta do governo Fátima pela reforma da Previdência no Estado.

A manifestação está programada para os dias 3 e 4 de fevereiro, com a concentração a partir das 9h, em frente a Assembleia Legislativa.

 A governadora pretende encaminhar o projeto para votação no dia 4 de fevereiro, na Assembleia Legislativa. Por isso, os sindicatos estão convocando o ato com pressão aos deputados contra a aprovação da reforma.
OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jurista disse:

    Pelo fim dos sindicatos bandidos ! Só sindicatos sérios que contribuam para o bem do país devem sobreviver. Sindicatos que arrecadam para manter mordomias e privilégios para a diretoria deverão se acabar.
    Acabou a mamata , mangote de vagabundos.

  2. João Maria disse:

    Se o governo fosse outro. a greve seria por tempo indeterminado.

  3. Azevedo disse:

    Pense num povo pra não gostar de trabalhar, só pensam em greve safada.

  4. Cigano Lulu disse:

    Vai ser a famosa "greve consentida".
    Jogo de cartas marcadas entre a sindicalha pelega e a madrinha Fatão GD.
    Em tempo: o próprio presidente do Ipern, Nereu Linhares, é "sincalhista histórico" da base governista.

  5. Francisco Dantas disse:

    Só vagabundos, se sindicato tivesse alguma utilidade,ninguém ganharia apenas o salário mínimo.

  6. Joao maria disse:

    Sinceramente quando leio uma noticia dessa me da nojo desses pilantras, vagabundos, parasitas, chamados de sindicalistas, esses idiotas deveria fazer essa paralisação de 48 horas no sábado e no domingo pra não perturbar o transito e o sossego de quem realmente que trabalhar, fazem essa baderna em plena segunda e terça feira para passar 02 dias sem fazer o que eles mais gosta que é não trabalhar, esse tipo de baderna merece somente desprezo da população norte riograndense e a policia dando de cacete no lombo desses parasitas.

  7. Gilvan disse:

    A reforma da previdência foi feita para beneficiar os banqueiros,ela é desnecessária,

  8. Neto disse:

    Não acredito nisto. É só jogo de cena. Na primeira reunião "abrem as pernas" (desculpe o termo chulo), mas é assim mesmo. Todos estão comprometidos com o governo do PT. São todos esquerdistas. Foi assim no ano de 2019 e vai ser do mesmo jeito este ano. Os Sindicatos e Associações não enganam a mais ninguém. Estão desacreditados e perderam suas forças.

  9. Zanoni disse:

    É a professora petista rezando a cartilha de Paulo Guedes. Viva à esquerda! Viva aos servidores públicos de esquerda. É vida de gado!!!!

  10. Pedro disse:

    Complicado…kkk passar anos fazendo parte de um governo ladrão, ter passado a ser gestora, e querer fazer descer de goela abaixo um reforma que só prejudica os funcionários do estado. Fatao G. Duro vai ter que mostrar muito jogo de cintura (que não tem) por ser quadrada, para sair dessa enrascada…..kkkk

  11. Thor Silva disse:

    É gópi atrás de gópi. Kkkkk

  12. Brasil e RN acima de tudo disse:

    Reforma da previdência tem que ser feita e ponto final, mas antes de qualquer reforma, deveria ser feita uma reforma política, acabar com regalias, privilégios e penduricalhos, em todas as esferas. Os políticos deveriam cortar na própria carne, até para servir de exemplo para a população. Segundo, tem que separar previdência de assistência, para aí sim, fazer uma reforma previdenciária.

  13. Ceará-Mundão disse:

    Reformar a Previdência é necessário em todo o país. O governo federal já fez a sua, sofrendo a oposiçào irresponsável dos governadores da oposição, que diziam não ser necessária pois não existiria déficit é tudo não passaria de ruindade do governo como intuito de retirar direitos dos trabalhadores. O blá blá blá mentiroso de sempre. Bastou retirar estados e municípios da proposta que a conversa virou ao avesso. E a proposta de Fatão, com base no que está sendo divulgado, será ainda mais dura que a federal. Esse governo petista é uma piada, uma catástrofe anunciada, tendo em vista o que fizeram com o Brasil. Mas, o povo potiguar teimou e elegeu essa porcaria. Agora, aguentem.

  14. Bento disse:

    Fogo de palha
    Não acredito.

  15. PT só CANALHAS disse:

    Espero ver a Governadora Fátima nessa greve também, já que ela sempre foi contra. E agora?????

    • Luiz disse:

      Calma flor! É só OBRIGATORIEDADE dos governos estaduais obedecerem a reforma do mito. huahuahuha

  16. Tutu disse:

    Quem votou nela deve tá adorando, a Reforma de Fatão dá de 10 a zero de maldade na de Bolsonaro, Com a palavra os petistas de carteirinha.

  17. JUNINNNN disse:

    Sindicato já tem cara e ação de greve o ano todo. Essa corja não movimenta mais o BRASIL.

  18. Getro disse:

    Mas ela disse que o Estado tinha dinheiro; não tinha era gestor?

  19. Silva disse:

    Greve pra inglês ver !

  20. Luciana Morais Gama disse:

    Será que Fatão também vai pra rua?? Kkkkk

  21. Manoel disse:

    Dizem que a governadora Goipi vai ser contra a previdência no Estado! Ops, ela só era contra a reforma da previdência de Bolsonaro… A do Estado ela sabe que tem que fazer !!! Aliás, tem que fazer em todos os Estados e em todas as categorias… O servidor ainda não entendeu que o sistema previdenciário está super deficitário e que sem a reforma ele não vai receber salário???

Sindicatos perderam 1,5 milhão de associados em 2018, mostra IBGE

Foto: Fenasps

O ano de 2018 teve a mais intensa queda dos últimos seis anos no número de associados a sindicatos, mostra pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o instituto, mesmo com o aumento de cerca de 1,3 milhão na população ocupada, os sindicatos perderam mais de 1,5 milhão de associados no ano passado.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) sobre mercado de trabalho, que teve informações adicionais divulgadas hoje (18). Segundo a PNAD, o percentual da população ocupada filiada a sindicatos vem caindo desde 2012, quando era de 16,1%, e teve sua queda mais intensa no ano de 2018, quando chegou a 12,5%. Nos seis anos analisados, os sindicatos perderam quase 2,9 milhões de associados, grupo que chegou ao total de 11,5 milhões em 2018.

Analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy diz que diferentes fatores vêm puxando essa queda. “Sabemos que essa população ocupada que cresce é muito calcada em trabalhadores por conta própria e empregados sem carteira assinada. Esses dois segmentos, tradicionalmente, não têm uma grande mobilização sindical”, afirma ela, que também identifica a reforma trabalhista, que passou a vigorar em novembro de 2017, como fator que pode ter contribuído para a redução do número de associados em 2018. Apesar disso, a pesquisadora pondera que não é possível especificar quantos pontos percentuais dessa queda podem ter relação com a mudança nas regras e quantos se devem à redução dos empregos com carteira assinada.

Os empregados do setor público têm a mais alta taxa de associação a sindicatos, com 25,7%, seguidos pelos trabalhadores do setor privado com carteira assinada, com 16%. Entre os trabalhadores domésticos, apenas 2,8% estão associados, e, entre os trabalhadores do setor privado sem carteira assinada, o percentual é de 4,5%. Os que atuam por conta própria também estão bem abaixo da média nacional de sindicalização, com 7,6%.

As regiões Norte e Centro-Oeste têm os menores percentuais de população ocupada sindicalizada, com 10,1% e 10,3%, respectivamente. As duas regiões tiveram as maiores quedas no contingente de sindicalizados em 2018, chegando a uma redução de 20% em relação a 2017.

Já o Nordeste tem o maior percentual do país, com 14,1% da população ocupada sindicalizada. Na região, estão os únicos estados em que houve aumento do contingente de sindicalizados em 2018: Pernambuco, Sergipe e Piauí.

Em relação a gênero, o IBGE mostra que a população ocupada masculina é mais sindicalizada que a feminina, com uma diferença de 12,6% para 12,3%. Somente no Nordeste as trabalhadoras são mais sindicalizadas que os homens, com 14,9% contra 13,5%.

A queda registrada em 2018 fez com que todas as atividades da economia atingissem o menor patamar de sindicalização da série histórica iniciada em 2012. Os setores em que a taxa de sindicalização é mais elevada são a administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, em que o percentual chega a 22%. Em segundo lugar vem o grupamento de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com 19,1%. Na Indústria geral, o percentual é de 15,2%.

Depois dos serviços domésticos (2,8%), as menores taxas de sindicalização estão na construção (5,2%), outros serviços (5,3%) e alojamento e alimentação (5,7%).

A queda no número de associados também foi registrada entre todos os níveis de escolaridade. As taxas de população ocupada sindicalizada chegaram, em 2018, a 10,4% no Fundamental incompleto, 8,1% no Fundamental completo, 11,5% no Médio completo e 20,3% no Superior completo.

CNPJ

O IBGE também verificou que 19,4% das pessoas que trabalham por conta própria têm Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Esse percentual cresceu entre 2012 e 2018, quando chegou ao maior índice da série histórica, mesmo após pequena queda em 2017.

“Isso é importante para saber como estão se estruturando e qual é a viabilidade que eles têm de ter acesso a crédito e emitir nota fiscal”.

Entre os empregadores, a cobertura do CNPJ chegou a 82,5% em 2015 e vem caindo desde então, encerrando 2018 em 79,4%.

A Região Sul tem os maiores percentuais de CNPJ para esses dois grupos (com 28,8% e 87%), e a Região Norte, os menores (7,5% e 59,3%).

O crescimento do CNPJ entre os empregados por conta própria se dá com mais intensidade nos mesmos setores em que o número de empregadores mais cai: indústria, comércio e construção.

Local de trabalho

Outro movimento captado pela pesquisa é a queda na proporção da população ocupada no setor privado que trabalha em estabelecimentos dos próprios empreendimentos que a empregam, como lojas, fábricas e escritórios. Esse percentual vem caindo desde 2014 e chegou a 59,8% em 2018, o que está associado à redução do emprego com carteira assinada em setores como a indústria e a construção.

Já o pessoal ocupado em fazenda, sítio ou granja também está em queda, puxado pelos resultados do Nordeste, onde esse movimento é mais intenso. O percentual de trabalhadores do setor privado nesses locais chegou a 10,7% em 2018.

Por outro lado, crescem as fatias que trabalham em local designado pelo empregador, patrão ou freguês (13,5%), no domicílio de residência (5,2%), em veículo automotor (4,8%) e em via ou área pública (3,1%).

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Esquerda mi mi mi disse:

    Cambada de pelegos.
    Vivem às custas dos outros.

  2. Manoel disse:

    Sindicato só luta por enteresse próprio esquece que eles sobreviver dos trabalhadores coisa que eles não honrram maís.

Sindicatos acusam Presidente da FIERN, Amaro Sales, de fraude e entram na justiça para anular prorrogação do mandato

Foto: Reprodução/Fiern

O Justiça Potiguar destaca nesta sexta-feira(25). Representantes de três sindicados filiados a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (Fiern) ingressaram na Justiça para anularem a prorrogação do mandato do presidente da Federação, Amaro Sales, que vence no próximo dia 30. Ocorre que foi descoberto que a Ata de uma reunião de filiados realizada em outubro de 2018 autorizando a prorrogação de mandato por mais quatro anos, o que não seria possível sem autorização dos filiados visto que ele já tem uma reeleição, teria sido redigida ao final com prolongação por tempo indeterminado.

A ação foi impetrada pelos Sindicatos da Indústria de Concretos, Indústria de Cerâmica e Indústria Gráfica. Eles pedem a anulação e que o presidente seja destituído, convocando uma nova eleição. Leia matéria completa aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio Nogueira disse:

    Quando o peitinho é bom, ninguém larga.

  2. Trampolim disse:

    Esse cidadão pelo jeito quer bater todos os recordes de Fidel Castro. Ficar anos e anos no poder, poder, poder, poder,poder,poder, poder.
    Pelas barba do profeta, como diria o Silvio Luiz.
    Só tem – tam,tam!!

  3. Nildo disse:

    Está acostumado a ROUBAR.

  4. Eu disse:

    Está acostumado a Roubar.

  5. Paulo disse:

    BG.
    E a federação do comércio na mesma pisada, estatutos sendo estrupados, continuísmo sem freio, dinheiro aos montes nestas entidades e peleguismo também.

  6. Gonçalo Alves disse:

    Deram corda? Tiraram do balcão para o birô das mordomias e facilidades? Agora engulam goela abaixo.
    Nesse tal Sistema S, em todo o país, só tem Pelé. Tem presidente de federação que está no cargo a mais de vinte e tantos anos e a turma bajulando. Esse poderá ser mais um imperador.
    E não está difícil ele colar a bunda na Giroflex, por alguns motivos simples. Primeiro, são 30 sindicatos e parece que somente 3 não apoia a tri-eleição (ou não chegaram a un$ acordo$). Depois, porque o nível dos representantes de sindicatos chega a dar pena e vivem bajulando o imperador. Nas federações os bons e sérios empresários raramente se misturam com a borra.
    E, por fim, qual a importância real destes feudos para a a realidade das pessoas, a não ser empregar protegidos, gastar muito dinheiro alheio e uma vez por ano fazer uma Ação Global?
    Bem feito. Criaram a cobra, agora amansem a fera.

  7. Cigano Lulu disse:

    Ser presidente da Fiern deve ser bom. Fernando Bezerra só faltou não largar mais o osso.

  8. Andinho disse:

    Triste isso, quanto apego ao poder!!! São todos iguais, só pode ser muito bom estes cargos, porque quem ocupa é capaz de tudo para não sair.

  9. Tarcísio Eimar disse:

    É assim q nasce um político

Sindicatos realizam protesto na manhã desta quinta, em frente ao Arena das Dunas

Está na Tribuna do Norte online desta quarta-feira (30) a informação da realização de um ato público na manhã desta quinta-feira (1º de maio), feriado do trabalhador, me alusão a data. De acordo com a organização, o objetivo é denunciar os gastos com a Copa do Mundo, além de um possível aumento das passagens de ônibus na capital.

O ato público, que deverá ser feito em passeata, está marcado para começar em frente ao estádio Arena das Dunas. Deverão participar o Sindsaúde, Sintest, Sintoparn, Sinasefe, Sindforte, Sinai, Sindicato dos Bancários, Sitoparn, Sindicato dos Aeroviários, Sindjorn, além de entidades estudantis.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jarleno Damasceno disse:

    Sou a favor dos protestos, nosso país esta endividado. a Saúde é um verdadeiro caos! E quanto as passagens de ônibus, é muito caro 2,20 e magine o trabalhador ter que paga 2,40 ou 2,50 para andar em ônibus lotado. Em condições precária amontoados feitos bichos. Eu digo isso porque sou usuário de transporte público, passo até quarenta minutos uma hora esperando o ônibus todos os dias.E quando vem é lotado que não cabe mais ninguém, e o motorista falando pessoal la atras esta vago. Isso é uma falta de respeito com o trabalhador, se eu pago caro tenho direito de ter um pouco de conforto!É pra ter protesto sim sou sem porcento a favor.

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Ora, se estamos a 12 anos com o PT governando o Brasil, esses sindicatos vao reclamar de que, se seus associados são PTistas???

  3. AVELINO disse:

    QUANDO FOR NO PERÍODO DA COPA, IMAGINEM A FESTA…

    • Rafael disse:

      Não adianta voltar, se não temos a certeza se nosso sistema eleitoral é seguro, ou é uma fraude? Ou ganha quem "eles" querem?

Sindicatos denunciam acordos quebrados pelo Governo do RN e anunciam próximas mobilizações

Por interino

Nesta segunda-feira (09), às 10h, quatro sindicatos realizam uma entrevista coletiva, para apresentar um resumo dos compromissos assumidos pelo governo estadual – que permitiram o encerramento das greves deste ano – e não cumpridos.

Segundo nota, os servidores apresentarão os pontos descumpridos e farão uma avaliação do ano que está se encerrando e da relação entre o governo Rosalba e os servidores públicos. Também irão informar as próximas mobilizações que cada sindicato prepara para buscar o cumprimento dos acordos e recuperar salários e condições de trabalho.

Entre elas, a greve dos servidores da saúde, marcada para esta terça-feira, 10 de dezembro; a possibilidade de não início do ano letivo de 2014, pelos professores estaduais, e o calendário dos policiais civis em dezembro.

Sindicatos levam solidariedade às greves e realizam passeata na tarde desta sexta-feira em Natal

20130926-coletivaSinpol_pq2Nessa quinta, 26, o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) promoveu uma coletiva de imprensa, para apresentar o apoio dos demais sindicatos à sua greve e o repúdio à repressão do governo e às medidas judiciais que impedem os grevistas de se aproximarem das delegacias e do Centro Administrativo. Em greve há 49 dias, os policiais civis e servidores do Itep lotaram o auditório, para ouvir os representantes do Sindicato dos Bancários, que também estão em greve; do Sindsaúde; do SINTE-RN e da Associação de Subtenentes.

Os sindicatos alegam autoritarismo do governo e compararam as medidas judiciais, anunciadas pelo desembargador Claúdio Santos, como a reedição do AI-5, o Ato Institucional editado pelo regime militar em 1968, que acabou com todas as liberdades democráticas no país. “O que está acontecendo no Rio Grande do Norte é a volta da ditadura, um absurdo. A Constituição garante o direito de qualquer cidadão protestar e se movimentar em qualquer espaço público. O desembargador e a Justiça não têm poder para acabar com isso”, disse Djair José de Oliveira, presidente do Sinpol.

Marta Turra, do Sindicato dos Bancários, destacou a importância da unidade das categorias. “Estamos diante de algo criminoso, que não podemos aceitar. Nessa hora não existem bancários, policiais civis, servidores da saúde… Existem trabalhadores”, afirmou. Ela comunicou que o sindicato está colocando faixas de apoio em várias partes da cidade, inclusive na casa da governadora, e convocou todos para o ato unificado, nesta sexta-feira. “Vamos sacudir essa cidade”, convocou. A passeata terá início às 15h30, em frente ao Sinpol e seguirá até o Bradesco, onde será realizado um ato público. “O Bradesco é simbólico. Não só pela sua prática anti-sindical, mas porque foi um dos bancos que contribuíram para a ditadura militar em nosso país”, afirmou.

Em seguida, foi a vez de Rosália Fernandes, do Sindsaúde. “Vocês estão certos em comparar com o AI-5. Isso não é um ataque só a vocês, mas a todos os trabalhadores”, afirmou. A nota de solidariedade do Sindsaúde foi lida no início da coletiva, pelo presidente do Sinpol. Rosália afirmou que apresentará a nota na reunião nacional da CSP-Conlutas, que ocorre neste fim de semana, para que todos os sindicatos da central assinem e divulguem o que está ocorrendo no RN. Em seguida, Rosália divulgou que o Sindsaúde entrará com o pedido de impeachment da governadora Rosalba e convidou os sindicatos presentes a assinarem a petição. “Essa governadora não pode mais continuar à frente do nosso estado!”, afirmou, para aplausos dos grevistas. Rosália propôs ainda que todos usassem mordaças no ato de sexta-feira, para simbolizar a repressão da Justiça contra a greve e, ao final, cantou: “Policial é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.

Fátima Cardoso, coordenadora do SINTE-RN, começou sua fala citando o trecho da nota do Sindsaúde, que chama a greve dos policiais civis de heróica. “É isso. Vocês estão a frente de um movimento heróico, de uma dimensão social que talvez não se perceba agora, mas que já está gravado na história. O que vocês estão fazendo vai ficar de lição para a juventude”, afirmou. “Vocês são um exemplo para todas as categorias. Esse Estado tem ânimo, tem capacidade, e vocês estão demonstrando isso. O AI-5 é forte, mas vocês são muito mais fortes”. Fátima convocou os sindicatos a realizarem atos simbólicos, de protesto, na próxima semana, e colocou o programa de TV do SINTE a disposição dos grevistas.

Eliabe Marques, da Associação de Subtenentes e Sargentos do RN, destacou a unidade dos trabalhadores da segurança. “Vocês podem ter certeza que a vontade dos policiais militares designados para acompanhar os protestos de vocês não era a de estar ali. Tenho visitado e conversado com os policiais e sentido a aflição de cada um”, afirmou. “Isso só acontece por causa do regime a que somos submetidos. Posso ser punido apenas por estar aqui”.

Ele denunciou duas iniciativas do Ministério Público, que atacam a organização dos policiais militares. A primeira recomenda que o governo do Estado monitore 24 horas as atividades dos líderes das associações dos policiais militares e bombeiros e os prenda em flagrante, em caso de preparação de protestos. O Ministério Público também preparou um dossiê, que foi anexado a um inquérito civil, demonstrando que as associações de militares têm cumprido o papel de sindicatos. “O que é cumprir papel de sindicato? Se o policial der um plantão e não recebe por isso, e a associação questionar, isso é descumprir a lei?”, questionou Eliabe.

Comunicação Sindsaúde

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. mauricio disse:

    Estão longe de terem o respaldo social para essas greves, tanto dos policiais , quanto dos Bancários, pois, prestam serviços, a sociedade, abaixo do sofrível ou seja, de baixa qualidade.

Assessores de Carlos Lupi pediam R$ 1 milhão de reais por registro sindical

Reportagem em VEJA desta semana mostra que sindicalista ligado ao PT alertou o Palácio do Planalto sobre o esquema de extorsão na pasta há nove meses, mas nada foi feito

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, em audiência da Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal

Nas últimas semanas, o país conheceu a extensa lista de serviços prestados pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi – não aos brasileiros, mas ao seu partido, o PDT. A edição de VEJA que chega às bancas neste sábado acrescenta à relação mais uma traficância em curso na pasta: um esquema de extorsão envolvendo assessores de confiança do ministro que cobram propina para emitir o registro sindical. O governo foi alertado para o caso há nove meses por sindicalistas ligados ao PT, mas nada foi feito a respeito.

Quem relata o caso é o mecânico Irmar Silva Batista, que foi pego na engrenagem quando tentava criar o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo (Sirvesp). Em 2008, o então secretário de Relações do Trabalho, Luiz Antonio de Medeiros, o apresentou a um assessor, Eudes Carneiro, que lhe pediu 1 milhão de reais para liberar o registro. Irmar se recusou a pagar e o registro não saiu até hoje.

Em fevereiro deste ano, Irmar enviou por e-mail uma carta para a presidente Dilma Rousseff e para o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho. No documento, ele narra o caso e pede providências. O Palácio do Planalto acusou o recebimento da carta em 9 de março, mas na semana passada a assessoria de imprensa da Presidência informou que não foi possível fazer nada. Por motivos técnicos: o trecho que narrava a denúncia, estranhamente, teria chegado cortado na mensagem recebida. Ouvidos por VEJA, todos os citados por Irmar Batista negaram o pedido de propina.

Em entrevista à reportagem, Irmar Batista contou em detalhes o pedido de propina. Confira a seguir duas das respostas publicadas por VEJA:

O senhor foi achacado no Ministério do Trabalho? No fim de 2008, fui a Brasília reclamar da demora para registrar o sindicato. Procurei o Medeiros (Luiz Antonio de Medeiros, então secretário de Relação do Trabalho), que me levou a uma sala ao lado e disse: “O que o Eudes acertar, está acertado”. Então ficamos a sós com o Eudes Carneiro (assessor do ministério). Antes da reunião, o Eudes mandou a gente desligar os celulares. Sentamos à mesa e veio a proposta indecente: eles pediram 1 milhão de reais para liberar o registro do sindicato.

O senhor fala em esquema, o que sugere que seu caso não foi o único. Vários sindicatos foram extorquidos, mas o pessoal tem medo de aparecer. Há outros sindicatos que também foram vítimas disso que aceitaram pagar propina.