Finanças

PAGAMENTO SEM DEFINIÇÃO: Fátima se reúne com servidores e não garante data para o 13º de 2018

A governadora Fátima Bezerra anunciou nesta quarta-feira(27) que o Governo do Estado vai pagar nos meses de maio e novembro o 13º/2018, referente a administração anterior.

Sobre o critério de pagamento, o Governo informa que ainda será definido em reuniões com o Comitê de Negociação.

O SINDIFERN defende um espaçamento menor entre o primeiro e o segundo pagamento do 13º/2018, e sugere um critério seguindo o salário corrente.

Opinião dos leitores

  1. Infelizmente um governo sem palavras falou que pagava dia 30 agora já mudou a conversa pague o pessoal sra governadora Deus não dorme

  2. Governadora Fátima Bezerra. Não samos idiota nem burro.
    Pague o nossos direitos os nossos salários.

  3. Mata pelo cansaço!!! Meu Deus, tende misericórdia de nós!!! Que calendário é esse? Alguém entendeu? E o salário de dezembro de 2018? Nem esse calendário nunca visto!!! A dívida é do estado do Rio Grande do Norte. Seja lá quem for o gestor….sentindo-me culpada !!! Entende? Nunca pensei em ver tudo isso! Pensava diferente..
    .vamos aguardar o desfecho. Esse calendário realmente irrita qualquer um… quer seja protagonista ou antagonista. É questão de desprezo ao funcionalismo!!!

  4. E os sindicatos, associações dizem o quê, se fosse no tempo do outro desgoverno já estavam com uma charanga e um megafone de fronte a governadoria…é muita falta de respeito com o funcionário esses po**a fazem o que querem e não dá em nada, no final ainda sai por bonzinha…2022 tu aguarda meu voto viu devoradora de pipoca….

  5. Na arte de mentir e zombar dos servidores estaduais, ninguém ganha de Fátima Bezerra. Primeiro, dias antes das eleições, tentando alavancar a candidatura de Jean Paul, anunciou que no início de dezembro apresentaria o calendário do pagamento dos atrasados. MENTIU. Depois falou que em janeiro, após reuniões com os representantes de classes, divulgaria o calendário. MENTIU. PQP. Ainda tem quem defenda esse demônio! Servidor merece respeito, viu Dona Fátima? A Senhora pode ter o apoio comprado da (in) justiça terrena, mas da Justiça Divina, não se pode fugir. Deus é justo e está vendo a sua enrolação.

  6. A propaganda é grande, parece que o Estado do RN está brilhante.
    Prometeu nas vésperas da eleição para prefeitos e vereadores, agora uma nova promessa, só daqui a dois anos.
    Vão aprendendo aí, como funciona o PT.

  7. Para quê pagar agora se Eu posso deixar para perto da reeleição. No pensamento de Fatao ,primeiro se pensa na parte política,para depois pensar no servidor.

  8. Não sei pq acreditamos em promessas.
    A governadora tem dinheiro em caixa pra pagar TD o atrasado mas com certeza usará pra fazer política, pensando na reeleição. Deixa ela fazer a politicagem com um discurso de que botou o estado em ordem. Kkkk. Aguarde Fátima, e verás que um potiguar faz com uma Rosalba, um Robinson

  9. Ela falou que em fevereiro receberia os q ganham 3.500 em seguida os demais. Meu deus do céu Fátima tenha misericórdia.

    1. Ela falou que as aulas começaria em fevereiro.
      Não fez nada pra que isso aconteça.
      Segue os alunos prejudicados.
      Imoral!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Empresário confessa ter pagado cerca de R$ 1 milhão a Witzel antes da campanha de 2018

O empresário Edson Torres depõe no Tribunal Especial Misto que julga impeachment de Witzel Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

O empresário Edson Torres, apontado como operador financeiro do Pastor Everaldo, presidente do PSC preso desde agosto do ano passado, reafirmou nesta quarta-feira (13) ter pagado R$ 980 mil ao então juiz federal Wilson Witzel antes da campanha eleitoral de 2018. Segundo Torres, o objetivo era garantir a “subsistência” caso Witzel não fosse eleito para o governo do estado. Ele disse que o empresário Victor Hugo Barroso, também preso na Operação Tris in Idem, em agosto, também contribuiu com os valores, pagos antes da desincompatibilização de Witzel do cargo, em abril de 2018. Em nota, Witzel disse que “jamais recebeu qualquer valor indevido de quem quer que seja, antes ou depois de eleito”.

— Durante esse período, antes da desincompatibilização dele como juiz federal, nós fizemos um caixa de subsistência, para o caso de ele não ganhar a eleição, de um valor de aproximadamente R$ 1 milhão, que chegou a R$ 980 mil, que foram pagos antes de desincompatibilização. Foram pagos em algumas parcelas — contou.

Indagado sobre o motivo de ter contribuído com recursos para Witzel ainda antes da campanha eleitoral, Torres afirmou que havia um entendimento para que suas empresas voltassem a ter contratos com o estado, que vinham sendo cancelados ao longo do governo anterior.

— Eu, como empresário, assumi a responsabilidade de fazer a arrecadação e da minha parte também contribuir, porque eu teria contratos. Porque eu tive muitos contratos com o estado e tive meus contratos cassados. Foi o combinado.

Segundo Torres, no entanto, a promessa não teria se concretizado, e ele teria conseguido ganhar contratos “licitamente” na Cedae e no Detran.

— Eu não ganhei nenhum contrato ilícito nessa gestão — garantiu o empresário.

Torres já havia confessado participação nos esquemas ao Ministério Públco Federal, e está repetindo todas as afirmações em seu depoimento no Tribunal Especial Misto nesta quarta-feira.

O empresário afirmou que participou da indicação de Edmar Santos para o cargo de secretário de Estado de Saúde ainda no período de transição, no fim de 2018, e que também foi consultado por Edmar para a nomeação de Gabriell Neves como subsecretário executivo da pasta, no início de 2019. Gabriell também é acusado de operar desvios em contratos na saúde.

Desvios de 3% a 6%

Segundo Torres, o grupo ligado a Everaldo desviava entre 3% e 6% de contratos na Saúde, incluindo Organizações Sociais contratadas pelo estado. Esse grupo teria arrecadado entre R$ 50 e R$ 55 milhões em propinas, que eram divididos entre os envolvidos.

— Da arrecadação que se fez, no período de 2019 até maio ou junho de 2020, o percentual girava em torno de 15% comigo, 15% (com o empresário) Victor Hugo, 30% com Edmar, e 40% para Everaldo, que repassava para a estrutura de governo.

Torres, no entanto, não soube dizer como Everaldo distribuía sua parte, nem se o governador Wilson Witzel era beneficiário das propinas. Ele também não soube dizer se a OS Iabas, contratada para fazer hospitais de campanha no início da pandemia, pagou propina, mas disse que a organização teria feito tratativas com o empresário Victor Hugo Barroso

— Em 2020, por causa deste contrato novo, passou-se a conversar com eles, o pessoal do Victor Hugo, mas eu não sei se houve propina em cima desses novos contratos.

Além do desvio de até 6% nos pagamentos mensais da secretaria, Torres afirmou que havia um desvio de 20% dos valores pagos a duas organizações sociais como Restos a Pagar, que são dívidas contraídas em gestões anteriores. Segundo ele, parte da propina ficava com advogados que negociavam esses pagamentos:

— Treze por cento iam para o “caixinha” que foi montado. Sete por cento eram honorários, que ficavam com os advogados — disse ele.

Torres afirmou que uma das OSs que pagou propina ao receber dívidas foi o Hospital Maternidade Terezinha de Jesus (HMTJ), organização que fez pagamentos ao escritório da então primeira-dama Helena Witzel. A outra empresa seria a IDR, que teria recebido R$ 20 milhões em restos a pagar. A IDR seria a antecessora da OS Unir Saúde, requalificada por Witzel contrariando pareceres técnicos e um dos pontos centrais do pedido de impeachment.

Edson Torres presta depoimento no Tribunal Especial Misto de impeachment, sendo questionado pelos 10 integrantes, além da acusação e defesa.

Torres contou que outros cargos do primeiro escalão do estado foram ocupados por integrantes do grupo, como o ex-presidente da Cedae Hélio Cabral e o ex-secretário das cidades Juarez Fialho, que segundo ele é sócio de Victor Hugo Barroso. Torres, no entanto, não falou sobre possíveis desvios nessas áreas, que não estão envolvidas na denúncia que gerou o processo de impeachment contra Witzel.

Governos anteriores

Torres contou que participou de desvios em governos passados, e que teve empresas com contratos no estado entre os anos de 2003 e 2015, quando passou a atuar apenas como consultor de empresas ligadas à sua família que continuavam contratadas pelo governo. Nesse período, segundo ele, teria pagado propinas em contratos no Hospital Universitário Pedro Ernesto, ligado à Uerj, e na Cedae.

— Eu paguei vantagens indevidas para o diretor do Hospital Pedro Ernesto — contou ele, em referência a Edmar, que ocupou o cargo entre 2016 e 2018. Ele contou que também pagou propina em contratos da Cedae entre 2015 e 2018.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Cuma homi? Vc Insti Gado isso é fraqueza ou vc sempre assim? Tenha dó e Piedade analfabeto, Deus fez o mundo redondo para não deixar canto para vc fazer besteira, no entanto vc insiste em ser sabido e cheiroso, teimosia tem limite.

  2. Cuma homi? Vc leu direito Phd da esquerda sebosa, ou melhor, vc sabe ler? Interpretar sei que não sabe, pode ser problema de inteligência curta, patologia muito comum entre os vermelhos crapulas que a pouco habitavam o Planalto. Vc sabe quem é a Anta, nove dedos, Alexandrino Alencar, Cervero, Barusco, Palloci, Marcelo e Emílio Odebrecht…………vixe, tenho mais o que fazer, se brincar passo a noite, outra, esse aprendiz de ladrão é de onde? Do pode ser piada.

    1. Falou muito e não disse nada que preste. Não justifique a roubalheira de seus ídolos com a dos outros. E cá pra nós, faltou citar o pessoal do centrão, hoje tudo aliado do Bozo e com a mão no dinheiro público. S falarem Queiroz, Bozó Jr, Wassef, etc… Vá estudar, monte de excremento ?.

  3. Esse país não tem jeito A corrupção é sistêmica.Uma pessoa que foi juiz conhecedor das leis…Que país é esse??

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Gripes no Brasil mataram mais de 900 em 2018 e quase 800 em 2019 ; quando pesquisado dengue, 782 óbitos no país ano passado

Foto: Ilustrativa

Apesar da preocupação com a disseminação do coronavírus na pandemia que vem fazendo vítimas pelo mundo, outras doenças, já conhecidas e até evitáveis com vacina, ainda fazem vítimas no país e continuam alvo de preocupação em saúde pública. Não são apenas doenças com surtos recentes, como sarampo, dengue e chikungunya, mas também gripes, como a causada pelo coronavírus. O vírus influenza A (H1N1), por exemplo, matou uma média de duas pessoas por dia no Brasil no ano passado.

Em 2019, foram registrados 3.430 casos de infecção e 796 mortes em decorrência da infecção por H1N1, segundo o Ministério da Saúde. A maioria dos casos afetou idosos, crianças pequenas e pessoas com outros fatores de risco associados, como pneumopatias e doenças cardiovasculares crônicas. A epidemia de H1N1 começou em 2009, em um cenário de alarde similar ao vivido hoje com o coronavírus.

Em 2018, foram registrados 3.880 casos de H1N1, e 917 óbitos nesse mesmo período no país. Além do desafio desse e de outros vírus respiratórios, como o A(H3N2) e o vírus influenza B, surtos conhecidos no verão brasileiro e doenças que se consideravam desaparecidas e voltaram ao país ainda inquietam especialistas e afetam a população.

No ano passado, segundo dados do Ministério da Saúde, foram confirmados 782 óbitos por dengue no país, e 92 por zika. O sarampo fez 15 vítimas letais em 2019 – 14 delas em São Paulo, estado que ainda vive um surto da doença.

Levantamento com informações de O Globo e Folha de São Paulo.

 

 

Opinião dos leitores

  1. Pelo que entendi, o problema do coronavírus não é a letalidade e sim a chance de infectar muita gente em um curto espaço de tempo, fazendo com que os sistemas de saúde entrem em colapso (mais do que já estão). O país não tem capacidade de atender a grande quantidade de infectados em pouco tempo. Portanto, comparar somente por causa do número de mortes não tem lógica. Se o sistema de saúde superlotar, vai acabar morrendo muito mais gente dessas doenças aí também por falta de atendimento e assim segue…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

PIB fecha 2019 com crescimento de 1,1% em relação a 2018; na comparação com o mesmo trimestre, houve elevação de 1,7%

Foto: Arquivo/Agência Brasil

O produto interno bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, fechou o ano passado com crescimento de 1,1% frente a 2018. O resultado foi alcançado após a variação do quarto trimestre de 2019, que teve alta de 0,5% na comparação com o período anterior.

Na comparação com o mesmo trimestre de 2018 houve elevação de 1,7%, o décimo segundo resultado positivo consecutivo após 11 trimestres de queda.

Os números foram divulgados hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em valores correntes, o PIB atingiu R$ 7,3 trilhões no ano. Do total, R$ 6,2 trilhões se referem ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 1,0 bilhão aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios.

Segundo o órgão, a agropecuária cresceu 1,3%, a indústria 0,5% e serviços 1,3%.

O PIB per capta variou 0,3% em termos reais e atingiu R$ 34.533 em 2019.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Governo do Estado quita novembro de 2018 e adianta pagamento de fevereiro neste sábado

Foto: Ilustrativa

O Governo do RN depositou mais de R$ 314,3 milhões na economia potiguar. O adiantamento do salário de fevereiro de 2020 e o passivo de novembro de 2018 amanhecerão na conta bancária dos servidores do Estado neste sábado (15).

O funcionalismo que recebe até R$ 4 mil (valor líquido) e a categoria da Segurança Pública receberão o salário integral. O servidor que recebe acima de R$ 4 mil teve 30% de seu salário adiantado e receberá os outros 70% no próximo dia 29.

Com isso, mais de 60 mil funcionários terão seus salários integrais na conta já na metade do mês e quase 30 mil terão parte de seus vencimentos adiantados, totalizando uma folha de mais de R$ 220 milhões.

SALÁRIO DE NOVEMBRO DE 2018

Em relação ao passivo de novembro de 2018, foi depositada a parcela restante dos servidores que recebem acima de R$ 5 mil. Com isso, o Governo quita o segundo dos quatro salários em atraso deixados pela última gestão, tendo pago também o 13º de 2017.

O Governo segue no trabalho constante pela busca do equilíbrio fiscal e de receitas extras para pagar os salários de dezembro e o 13º de 2018, que totalizam um montante de mais de R$ 700 milhões.

Opinião dos leitores

  1. Aos poucos a governadora vai colocando o RN nós eixos.Mais dinheiro em circulação para aquecer o comércio.

  2. Vejam, promessa de receber dia 15/02/2020, o restante do pagamento de 11/2018. Quando atraso as minhas contas, o estado e seus picadinhos tipo CAERN, DETRAN, e outras milongas, pago tudo corrigido, quero só ver o valor que vou receber e digo mais, essa mentirosa, covarde e outros adjetivos menos honrosos, sabia da situação, sabia que ia pegar um estado falido, resolveu governar por que quis, assumiu o bônus e o ônus, ela não está fazendo favor, está realizando obrigação. Não devemos alisar seu couro, no nosso está batendo sem pena, pior do que o presidente que ela detona, uma vergonha.

  3. Ué, e o restante do passivo que se f***?
    Que eu saiba foram 1,7 bilhões aprovado pela Assembleia Legislativa, então, fica uma perguntinha básica: Aonde foi parar esse dinheiro???? Não era exatamente para o pagamento desse passivo????
    Ah! Esqueci, a mentira é praxe nos governos do PT.

  4. É claro que os servidores que irão receber esse salário de 2018 estão muito satisfeitos. É bastante compreensível. Mas é bom lembrar que serão reembolsados para isso algo próximo a 90 milhões e graças a um empréstimo de 180 milhões (O dobro, portanto), referente a ADIANTAMENTO de royalties, dinheiro que o RN deixará de receber no futuro e que, certamente fará falta a um estado em crise financeira. E dizem que os juros desse empréstimo foram altíssimos. Bem, torço para dar certo mas não vejo boas perspectivas, infelizmente. Não enxergo competência nem responsabilidade nesse governo. Com honrosas excessões, que só justificam a regra.

    1. A governadora do PT já recebeu perto de 1 bilhão de dinheiro extra (nesses dias, o deputado Tomba Farias citou essa cifra). Ela dizia, há algum tempo, que TODO dinheiro extra seria usado para pagar os salários atrasados. Só pagou, até agora, míseros 30 milhões, referentes a resquícios do 13° de 2017, e está pagando agora (a conferir) mais uns 90 milhões, o restante de novembro de 2018. Cabe ressaltar que a folha do estado é quase 500 milhões. Ou seja, quitou uma quantia insignicante, diante dos números. E não venha dizer que pagou DUAS folhas extras (ela já andou ensaiando essa mentira). E tem a reforma da previdência, que ela dizia que era desnecessária, os fornecedores do estado, os hospitais públicos. Esse governo é um desastre. Já era esperado. PT, né?

    2. Você é funcionário público estadual? Você, no lugar dela, faria como para solucionar essa dívida herdada das oligarquias que parasitam o RN há tantas decadas???

  5. Isso é um calmante pra reduzir a pressão pela reforma previdenciárioa. Quem não ti conhece que ti compre Fatão GD.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Home office bateu recorde no Brasil em 2018, diz IBGE

Foto: Economia G1

Um levantamento divulgado nesta quarta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que, em 2018, 3,8 milhões de brasileiros trabalhavam dentro de casa, o chamado home office. Trata-se do maior contingente de pessoas nesta condição de trabalho já registrado – resultado da alta informalidade no país, que encerrou o ano passado em 41,1%, e segue em patamares semelhantes em 2019.

De acordo com o IBGE, o home office correspondia a 5,2% do total de trabalhadores ocupados no pais, excluídos da conta os empregados no setor público e os trabalhadores domésticos. Na comparação com 2012, quando teve início a série histórica da pesquisa, esse contingente teve alta de 44,4%.

O home office, destacou o IBGE, teve queda de 2,1% entre 2012 e 2014, cresceu 7,3% em 2015, e voltou a ter queda de 2,2% em 2016. Já entre 2017 e 2018, cresceu em 21,1%.

Também bateram recordes, em 2018, os números de trabalhadores trabalhando em veículo automotor (3,5 milhões), em via pública (2,3 milhões) e em empreendimentos distintos daqueles para o qual a pessoa foi contratada (1 milhão). As altas destes contingentes, na comparação com 2012, foram de 35,21%, 25,9% e 49,78%, respectivamente.

De acordo com a gerente da pesquisa, Adriana Beringuy, esses números refletem o movimento observado nos últimos anos no mercado de trabalho, que diante do desemprego crescente, viu aumentar a informalidade.

“São os arranjos que as pessoas encontraram para se ocuparem no mercado de trabalho”, disse.

Outros locais

O IBGE enfatizou, que a maior parte dos trabalhadores do país atuam no próprio estabelecimento do contratante. Porém, esse número vem registrando queda desde 2014, quando teve início a crise no mercado de trabalho. Em 2012, eram 44,9 milhões nesta condição, número que cresceu em 3 milhões até 2014, uma alta de 6,5%. Desde então, ele foi reduzido em 3,4 milhões (-7,1%), chegando a 44,5 milhões.

Em contrapartida, o trabalho em local designado pelo empregador aumentou em 19,9% entre 2012 e 2018, passando de 8,3 milhões para 10 milhões. Já o trabalho em estabelecimento diferente do contratado, o que indica a terceirização de mão de obra, quase dobrou no mesmo período, passando de 687 mil para 1,029 milhão.

Já o trabalho em fazenda, sítio, granja ou chácara vem registrando queda constante. Segundo a gerente da pesquisa, essa tendência de redução é observada desde o início da série histórica. “Essa diminuição está ligada ao processo de êxodo rural e mecanização dos processos”, disse Adriana Beringuy.

Transporte por aplicativo

O trabalho em veículo automotor é aquele realizado por taxistas, motoristas e trocadores de ônibus, motoristas de caminhão, entre outros. Mas, a alta deste contingente, segundo o IBGE, está relacionado ao crescimento do transporte particular por aplicativo.

“As recentes altas podem estar relacionadas ao crescimento dos serviços de transportes de passageiros e de entregas por aplicativos de celular, refletindo as mudanças na economia atual”, destacou a pesquisadora do IBGE Adriana Beringuy.

Já o trabalho em via pública tem relação direta com o aumento de pessoas trabalhando por conta própria como ambulantes.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Sindicatos perderam 1,5 milhão de associados em 2018, mostra IBGE

Foto: Fenasps

O ano de 2018 teve a mais intensa queda dos últimos seis anos no número de associados a sindicatos, mostra pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o instituto, mesmo com o aumento de cerca de 1,3 milhão na população ocupada, os sindicatos perderam mais de 1,5 milhão de associados no ano passado.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) sobre mercado de trabalho, que teve informações adicionais divulgadas hoje (18). Segundo a PNAD, o percentual da população ocupada filiada a sindicatos vem caindo desde 2012, quando era de 16,1%, e teve sua queda mais intensa no ano de 2018, quando chegou a 12,5%. Nos seis anos analisados, os sindicatos perderam quase 2,9 milhões de associados, grupo que chegou ao total de 11,5 milhões em 2018.

Analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy diz que diferentes fatores vêm puxando essa queda. “Sabemos que essa população ocupada que cresce é muito calcada em trabalhadores por conta própria e empregados sem carteira assinada. Esses dois segmentos, tradicionalmente, não têm uma grande mobilização sindical”, afirma ela, que também identifica a reforma trabalhista, que passou a vigorar em novembro de 2017, como fator que pode ter contribuído para a redução do número de associados em 2018. Apesar disso, a pesquisadora pondera que não é possível especificar quantos pontos percentuais dessa queda podem ter relação com a mudança nas regras e quantos se devem à redução dos empregos com carteira assinada.

Os empregados do setor público têm a mais alta taxa de associação a sindicatos, com 25,7%, seguidos pelos trabalhadores do setor privado com carteira assinada, com 16%. Entre os trabalhadores domésticos, apenas 2,8% estão associados, e, entre os trabalhadores do setor privado sem carteira assinada, o percentual é de 4,5%. Os que atuam por conta própria também estão bem abaixo da média nacional de sindicalização, com 7,6%.

As regiões Norte e Centro-Oeste têm os menores percentuais de população ocupada sindicalizada, com 10,1% e 10,3%, respectivamente. As duas regiões tiveram as maiores quedas no contingente de sindicalizados em 2018, chegando a uma redução de 20% em relação a 2017.

Já o Nordeste tem o maior percentual do país, com 14,1% da população ocupada sindicalizada. Na região, estão os únicos estados em que houve aumento do contingente de sindicalizados em 2018: Pernambuco, Sergipe e Piauí.

Em relação a gênero, o IBGE mostra que a população ocupada masculina é mais sindicalizada que a feminina, com uma diferença de 12,6% para 12,3%. Somente no Nordeste as trabalhadoras são mais sindicalizadas que os homens, com 14,9% contra 13,5%.

A queda registrada em 2018 fez com que todas as atividades da economia atingissem o menor patamar de sindicalização da série histórica iniciada em 2012. Os setores em que a taxa de sindicalização é mais elevada são a administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, em que o percentual chega a 22%. Em segundo lugar vem o grupamento de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com 19,1%. Na Indústria geral, o percentual é de 15,2%.

Depois dos serviços domésticos (2,8%), as menores taxas de sindicalização estão na construção (5,2%), outros serviços (5,3%) e alojamento e alimentação (5,7%).

A queda no número de associados também foi registrada entre todos os níveis de escolaridade. As taxas de população ocupada sindicalizada chegaram, em 2018, a 10,4% no Fundamental incompleto, 8,1% no Fundamental completo, 11,5% no Médio completo e 20,3% no Superior completo.

CNPJ

O IBGE também verificou que 19,4% das pessoas que trabalham por conta própria têm Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Esse percentual cresceu entre 2012 e 2018, quando chegou ao maior índice da série histórica, mesmo após pequena queda em 2017.

“Isso é importante para saber como estão se estruturando e qual é a viabilidade que eles têm de ter acesso a crédito e emitir nota fiscal”.

Entre os empregadores, a cobertura do CNPJ chegou a 82,5% em 2015 e vem caindo desde então, encerrando 2018 em 79,4%.

A Região Sul tem os maiores percentuais de CNPJ para esses dois grupos (com 28,8% e 87%), e a Região Norte, os menores (7,5% e 59,3%).

O crescimento do CNPJ entre os empregados por conta própria se dá com mais intensidade nos mesmos setores em que o número de empregadores mais cai: indústria, comércio e construção.

Local de trabalho

Outro movimento captado pela pesquisa é a queda na proporção da população ocupada no setor privado que trabalha em estabelecimentos dos próprios empreendimentos que a empregam, como lojas, fábricas e escritórios. Esse percentual vem caindo desde 2014 e chegou a 59,8% em 2018, o que está associado à redução do emprego com carteira assinada em setores como a indústria e a construção.

Já o pessoal ocupado em fazenda, sítio ou granja também está em queda, puxado pelos resultados do Nordeste, onde esse movimento é mais intenso. O percentual de trabalhadores do setor privado nesses locais chegou a 10,7% em 2018.

Por outro lado, crescem as fatias que trabalham em local designado pelo empregador, patrão ou freguês (13,5%), no domicílio de residência (5,2%), em veículo automotor (4,8%) e em via ou área pública (3,1%).

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Sindicato só luta por enteresse próprio esquece que eles sobreviver dos trabalhadores coisa que eles não honrram maís.

    1. Quem luta pelos direitos dos trabalhadores são os empresários.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Casamentos entre pessoas do mesmo sexo no Brasil crescem 61,7% em 2018, aponta IBGE

Foto: Cido Gonçalves/Arte G1

O casamento está ficando menos popular entre os brasileiros: em 2018, o número total no país caiu 1,6% na comparação com o ano anterior. Entre pessoas do mesmo sexo, no entanto, o movimento foi contrário e bem mais acentuado: esse tipo de união teve um crescimento de 61,7% na mesma comparação, segundo as Estatísticas do Registro Civil, divulgadas nesta quarta-feira (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O casamento civil entre pessoas do mesmo sexo foi autorizado pelo Conselho Nacional de Justiça somente em 2013. Naquele ano, foram registrados 3,7 mil em todo o país. Nos quatro anos seguintes, a média foi de 5,4 mil casamentos por ano. Já em 2018 foram 9,5 mil.

O IBGE destacou que o aumento do casamento entre pessoas do mesmo sexo ocorreu em todas as regiões do país, sendo o menor crescimento observado no Centro-Oeste (42,5%) e o maior no Nordeste (85,2%).

De acordo com a gerente da pesquisa, Klívia de Oliveira, o levantamento traz “os números frios”, ou seja, não permite analisar o que levou a esse aumento no número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Estudiosos de temas ligados à população LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, transgêneros e intersexo) ouvidos pelo G1 veem relação entre o fenômeno e o momento político do país.

 Foto: Cido Gonçalves/Arte G1

Os números divulgados pelo IBGE apontam que o número de casamentos homoafetivos aumentou após o resultado das eleições. Entre janeiro e outubro, a média foi de 546 casamentos de pessoas do mesmo sexo por mês. Em novembro, subiu para 957 e saltou para 3.098 em dezembro – cinco vezes mais que a média.

“Muitos casais formalizaram suas uniões com medo de que em breve isso não fosse mais possível”, apontou a advogada Andressa Regina Bissolotti dos Santos, que é doutoranda em direitos humanos e democracia pela Universidade Federal do Paraná e integrante da Rede Lésbica Brasil.

Ela explicou que o casamento homoafetivo é garantido por uma resolução do CNJ que proíbe os cartórios de se negarem a celebrar casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo.

“Uma resolução, ou mesmo uma decisão judicial, não são leis. Mesmo a decisão, embora seja vinculante em todo o território nacional, não gera o que nós chamamos no direito de ‘coisa julgada’, ou seja, o tema poderia voltar a ser apreciado”, destacou.

Já Suane Felippe Soares, professora de bioética da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisadora do lesbocídio [assassinato de lésbicas por motivo de ódio], lembrou que o clima da campanha eleitoral foi marcado por diversos ataques aos LGBTI+, o que pode ter provocado um “pânico social” entre essa população.

“O que é fato, que a gente pode afirmar, é que a maioria das pessoas LGBTI+ estão demonstrando a busca por alternativas para manutenção de direitos básicos em função da ascensão dessa política de caráter discriminatório”, disse.

Casal oficializou casamento para garantir direitos

Foi justamente o receio de perder os direitos assegurados pelo casamento civil que fez Débora Calmon, de 32 anos, e Kaene Faria, de 29, alterarem os planos de sua união. Juntas há oito anos, elas já haviam programado para setembro uma festa que representaria o casamento, mas o “papel passado” em cartório não estava previsto.

“Vendo a eleição, que estava com um clima estranho, esquisito, a gente achou melhor casar formalmente, para ter um instrumento jurídico mais forte para que, no futuro, ninguém viesse questionar se o que a gente tinha era legal ou não”, contou Débora.

Débora Calmon, de 32 anos, e Kaene Faria, de 29, decidiram formalizar a união com receio de que a resolução que garante o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo viesse a ser derrubada — Foto: Arquivo Pessoal

Em novembro do ano passado, o G1 já havia mostrado aumento no número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Após a eleição, houve uma mobilização nas redes sociais para ajudar casais LGBTI+ a realizar a cerimônia.

Rossanna Pinheiro, fotógrafa e dona de uma empresa de karaokê, foi uma das muitas pessoas que se disponibilizaram a prestar serviços gratuitos para estes casais.

“Ano passado houve um boom mesmo… A procura foi tanta que precisei de ajuda para responder as mensagens”, contou.

A cada três casamentos, um divórcio

O levantamento do IBGE mostrou, também, que aumentou em 3,2% o número de divórcios realizados no país em 2018 na comparação com o ano anterior. Foram realizados 385.246 divórcios, cerca de 12 mil a menos que em 2017. Em média, equivale dizer que foi registrado um divórcio a cada três casamentos.

A pesquisa revelou ainda que o tempo médio entre o registro do casamento e a formalização do divórcio foi de 14 anos. Em 2008, essa distância era de 17 anos, o que indica que os casamentos estão durando menos. Segundo o IBGE, cerca de 8% dos casamentos desfeitos no ano passado não tinham nem 2 anos.

A pesquisa não detalha os divórcios pelo sexo dos cônjuges, ou seja, não permite saber se há diferença quando se trata de casais do mesmo sexo ou não.

A gerente da pesquisa, Klívia Oliveira, chamou a atenção para o fato de que, do total de divórcios, 27% foram entre casais sem filhos, enquanto 54,4% foram entre casais com filhos menores de idade. “Isso mostra que filho realmente não segura casamento”, disse a pesquisadora em referência a um jargão popular.

Em relação aos filhos, o levantamento evidenciou que houve aumento significativo do percentual de divórcios judiciais entre casais com filhos menores em cuja sentença consta a guarda compartilhada. Desde 2014 essa modalidade passou a ser priorizada mesmo quando não havia consenso entre os pais.

Em 2014, a proporção de guarda compartilhada entre os cônjuges com filhos menores era de 7,5% dos divórcios judiciais concedidos. Em 2016, esse percentual subiu para 16,9%, chegou a 20,9% em 2017 e atingiu 24,4% em 2018.

G1

Opinião dos leitores

  1. Pode ser casamento hétero, se o pessoal for da turma do childfree, nunca aumentará a população. Cada asneira que dizem…

  2. Pense num aumento de 0 x 0, ou seja, nem infloi nem contriboi, so aumenta a estatistica da baboseira.

  3. Do jeito que vai, em pouco tempo a população vai diminuir, pois o crescer e multiplicar vai se acabar, so vai permanecer am Paises serios

    1. O mundo é p todos, o nascimento tem diminuído, não pq os homessexuais estão casando, o número deles não cresceu muito, apenas estão assumindo uma união. A natalidade vem diminuindo, pq os casais héteros não querem mais ter muitos filhos. Repito o mundo e p todos, apesar de alguns mortais se sentirem superiores. É para os negros, brancos, héteros, homos, cegos, superdotados, umbandistas, católicos etc. Doa em quem doer é assim o mundo civilizado. Sim, em um país sério não escutamos comentários preconceituosos.

    2. Doe ler certas besteiras.
      Mostra que nosso país ainda não nem um pouco evoluído.
      Nada como retroagir e analisar o contexto de nossa sociedade(Brasil).
      Desde que fomos descobertos, existiram, gays, putas, héteros, todas as raças, etc..
      Aliás , somos descendentes de uma miscigenação(várias raças).
      Você com esse comentário infeliz, deve ser de outro planeta, então, pega sua nave espacial e vaza. Aqui não te pertence, você pousou no país(TERRA) errada.

    3. Concordo, difícil aumentar a população na base do 0 x 0 ou 1 x o. Kkkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

VÍDEO: Professor alvo de polêmica com aluna que levou filha para aula será indenizado em R$ 40 mil pela UFRN e chefe de Departamento

Foto: Reprodução

O caso do professor do Departamento de Ciências Sociais da UFRN, Alípio de Sousa Filho, que gerou repercussão nas redes sociais e na imprensa por supostamente expulsar uma aluna que assistia a aula com a filha de 5 anos e foi alvo de vários protestos, afastado das disciplinas e teve a sua imagem acadêmica comprometida, parou na Justiça que deu ganho de causa ao professor por danos morais e será indenizado em R$ 40 mil, dos quais R$ 36 mil a serem pagos pela Universidade e R$ 4 mil ao chefe do Departamento de Ciências Sociais da UFRN, César Sanson.

Na peça que o Justiça Potiguar teve acesso em primeira mão nesta terça-feira, 3,  com base em todas as provas e depoimentos a Justiça entendeu que não houve expulsão da aluna e a UFRN não teria agido para preservar o professor do assédio moral. “ Com essas considerações, julgo parcialmente procedente o pedido formulado na inicial, nos termos da fundamentação exposta, condenando os réus UFRN e César Sanson ao pagamento de indenização por danos morais ao autor, no valor de R$ 40.000,00 (quarenta mil Reais), na proporção de 90% (noventa por cento) pela UFRN e 10% (dez por cento) pelo réu César Sanson”, diz a decisão.

Matéria completa no Justiça Potiguar aqui.

Opinião dos leitores

  1. Foi pouco, a honra do Professor foi atingida, imagine se todas as mães levassem seus filhos para a Ufrn. Parabéns a Justiça.

  2. Acho que onde diz dinheiro da UFRN, entenda-se dinheiro do contribuinte. O professor deveria ser indenizado integralmente pelos Diretores da Universidade, a começar pelo reitor.

  3. só deveria comentar algo quem estava lá na hora… críticas margeadas de julgamentos dúbios não deve incentivar razões alheias.
    Mas será que o professor também não foi grosseiro ao não entender que a mãe não tinha com quem deixar a filha e não poderia perder a aula?
    Um verdadeiro professor deve saber pesar suas decisões de acordo com o contexto.

  4. Foi pouco a indenização, o coordenador deveria ser penalizado com a perda do cargo. Canalhice petralha fizeram com esse verdadeiro mestre.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Corregedor determina que WhatsApp informe se números identificados dispararam mensagens em massa em 2018

Nessa quinta-feira (7), o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Og Fernandes, determinou à empresa WhatsApp INC que informe se as pessoas jurídicas e físicas identificadas pelas operadoras de telefonia VIVO, CLARO, TIM, ALGAR e OI como titulares de linhas telefônicas realizaram disparos de mensagem em massa ou automação durante a campanha eleitoral de 2018. O ministro solicitou ainda que o aplicativo de mensagens esclareça se adotou medidas para bloqueio ou banimento das contas referidas, no período de 14 de agosto a 28 de outubro de 2018.

Em outubro deste ano, a Corregedoria determinou às operadoras de telefonia que informassem as linhas telefônicas de quatro empresas e de seus respectivos sócios alegadamente contratados durante a campanha de 2018 para enviar mensagens pelo aplicativo. As companhias Nextel, Sercomtel, Datora e Terapar declararam não possuir em seus cadastros linhas telefônicas das titularidades solicitadas.

No despacho desta quinta, o corregedor confirmou o recebimento de respostas das operadoras de telefonia oficiadas. Esclareceu, no entanto, que parcela dos números telefônicos é de linhas ativadas somente após o segundo turno das eleições.

Aije

A determinação do corregedor-geral ocorre no âmbito da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) nº 0601782-57, ajuizada pela coligação Brasil Soberano (PDT/Avante) contra Jair Bolsonaro e Antonio Hamilton Martins Mourão, eleitos presidente e vice-presidente da República no último pleito, entre outras pessoas físicas.

A alegação é de suposta prática de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação, nos termos do artigo 14, parágrafo 9º, da Constituição Federal, e do artigo 22 da Lei Complementar (LC) nº 64/1990.

RC/JB, DM

Processo relacionado: Aije 0601782-57 (PJe)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Estudo do IBGE em 2018 registrou 38% da população do RN vivendo com menos de R$ 420 por mês

Foto: Guilherme Pinheiro/Arte G1

Um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o ano de 2018, divulgado nesta quarta-feira(06), informa que 38% da população potiguar estava abaixo da linha da pobreza no período, o que significa que cerca de 1,3 milhão de pessoas vivendo com menos R$ 420 por mês.

Segundo o Síntese de Indicadores Sociais (SIS) do IBGE, este valor mensal equivale a US$ 5,50 por dia, valor estabelecido pelo Banco Mundial para marcar a linha da pobreza em países com rendimento médio-alto. O número corresponde a menos da metade do salário mínimo vigente na época, que era de R$ 954.

No ano passado, os números do SIS apontam que 10,3% da população do Rio Grande do Norte — cerca de 350 mil norte riograndenses — está em situação de extrema pobreza.  O estudo aponta uma leve queda em relação à 2017, que foi de 10,5%.

Nas duas situações o RN superou a média nacional, que foi de 6,5% em 2018 e 6,4% em 2017. O Banco Mundial estipula que está nesta situação quem ganha US$ 1,90 por dia, o equivalente a R$ 145 por mês.

Com acréscimo de informações do G1 e Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Lula pode não ter acabado com pobreza que existe nesse país, mas reduziu de forma significante os seus índices. Isso não é fake, é fato! Já outros, simplesmente ignoram sua existência e declaram publicamente, que no Brasil não existe fome. É muita ignorância, burrice ou falta de informação? A verdade é uma só, a fome e a miséria no Brasil andam de mãos dadas e pelo jeito vão continuar assim, isso se não piorar.

  2. Resultado de DÉCADAS de domínio das oligarquias no Estado. Não chegamos à situação em que nos encontramos hoje por acaso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“SURPREENDENTE”: Gerente do WhatsApp confirma ‘envios massivos de mensagens’ ilegais nas eleições de 2018

Guerra virtual escancarada e sem freio, de todos os lados, agora surge como “revelação”

O gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, Ben Supple, admitiu hoje que a eleição de 2018 teve uso ilegal de envios massivos de mensagens, informa a Folha.

“Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios massivos de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas […] Sabemos que eleições podem ser vencidas ou perdidas no WhatsApp.”

Supple reforçou que o uso do WhatsApp para campanhas políticas não infringe as regras. Neste caso, no entanto, a contratação de sistemas de envios massivos por empresas, que é proibida pelo aplicativo, violou os termos de conduta.

“[O uso do aplicativo para campanha política] Não viola desde que se respeitem todos os termos de uso. Todos estão sujeitos aos mesmos critérios, não importa se quem usa é um candidato à Presidência ou um camponês do interior da Índia.”

O Antagonista com Folha de SP

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

TJRN reduz despesas em quase 10% em 2018

Foto: Divulgação

A despesa total do Poder Judiciário potiguar diminuiu 9,16% no ano de 2018. O total foi de R$ 1.018.394.743,00 com uma economia de R$ 102,7 milhões. Para efeito comparativo, em valores absolutos, em 2017 a despesa total foi de R$ 1.121.094.806,00. Os dados são do levantamento anual Justiça em Números, do Conselho Nacional de Justiça, divulgado na semana passada. Este modelo de administração tem permitido ao TJ enfrentar a crise financeira que atinge o RN nos últimos anos. Veja matéria completa aqui no portal Justiça Potiguar.

 

Opinião dos leitores

  1. Mesmo reduzindo em 10% o TJ/RN é considerado um dos menores do Brasil e é o que mais gasta no país.
    Absurdo!

  2. Esse tribunal é aquele terceiro menos eficiente do país? É o terceiro mais caro do país? Rsrsrs Nada a comemorar essa matéria!!!! Quero produtividade!!!!

  3. Diminui despesas??? O TJRN?? O mesmo que recentemente enviou projeto de lei para a AL/RN (e devidamente aprovado lá) prevendo inúmeras benesses financeiras para os magistrados?? O mesmo que recentemente enviou projeto de lei para aumento dos servidores (que já recebem os maiores salários do país)??
    Redução de despesas com pessoal é que não deve ter sido. O fato é que os advogados e jurisdicionados do interior do Estado, e também da capital, clamam por prestação jurisdicional. Faltam juízes, faltam servidores! Difícil demais!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Apreensões de recursos provenientes do crime organizado e da lavagem de dinheiro do tráfico de drogas neste ano já ultrapassam o ano passado, e Moro cumprimenta PF

Sergio Moro foi ao Twitter nesta segunda-feira para cumprimentar a Polícia Federal, que atualizou os dados sobre apreensões de recursos provenientes do crime organizado e da lavagem de dinheiro do tráfico de drogas.

Segundo a PF, os valores dos bens apreendidos de janeiro a julho de 2019 já ultrapassam as apreensões feitas durante todo o ano passado.

Em 2018, foram apreendidos R$ 451 milhões. Em 2019, esse valor já passa dos R$ 548 milhões.

“Estratégia universal, prisão dos membros do grupo, isolamento dos líderes, sequestro e confisco do patrimônio do crime. O crime não pode compensar”, tuitou Moro.

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Indicador de Incerteza da Economia tem queda de 10,7 pontos de junho para julho; menor patamar desde fevereiro de 2018

FOTO: (Pedro Teixeira/Agência O Globo)

O Indicador de Incerteza da Economia teve queda de 10,7 pontos de junho para julho, divulgou nesta quarta-feira (31) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o índice chegou a 108,4 pontos, atingindo o menor patamar de incerteza desde fevereiro de 2018.

O indicador é composto por dois itens principais. O primeiro mede a frequência de notícias com menção à incerteza econômica nas mídias imprensa e online. O outro leva em consideração as previsões dos analistas econômicos ouvidos na pesquisa Focus, do Banco Central, que traça projeções para o câmbio, a taxa básica de juros e a inflação.

O componente de mídia teve uma queda de 9,2 pontos, enquanto o da expectativa dos analistas caiu 12,1 pontos.

O superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas, Aloisio Campelo Jr, avalia que a redução de incerteza “parece estar relacionada” aos avanços na tramitação da reforma da Previdência, à divulgação de novos itens da agenda econômica do governo e ao aumento da probabilidade de uma redução de juros nos Estados Unidos.

Agência Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Brasil registra queda de 23% nas mortes violentas nos primeiros quatro meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018

Mortes mês a mês — Foto: Guilherme Gomes/G1

O Brasil registra uma queda de 23% nas mortes violentas nos primeiros quatro meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018. É o que mostra o índice nacional de homicídios criado pelo G1, com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Somente em abril, houve 3.636 assassinatos, contra 4.541 no mesmo mês do ano passado. Já no 1º quadrimestre, foram 14.374 mortes violentas — 4,3 mil a menos que o registrado nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril de 2018.

A tendência de queda nos homicídios do país foi antecipada pelo G1 no balanço dos dois primeiros meses do ano, que apresentaram redução de 25% em relação ao mesmo período do ano passado, e no balanço das mortes violentas de 2018, que teve a maior queda dos últimos 11 anos da série histórica do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, com 13%.

O número de assassinatos, porém, continua alto. Nos primeiros quatro meses de 2019, uma pessoa foi assassinada a cada 12 minutos no país.

O levantamento faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados apontam que:

houve 4.314 mortes a menos no 1º quadrimestre de 2019

todos os estados do país apresentaram redução de assassinatos no período

em abril, apenas quatro estados tiveram um número maior de mortes em relação ao mesmo mês de 2018: Amapá, Paraná, Piauí e Tocantins

quatro estados tiveram quedas superiores a 30% em quatro meses: Ceará, Amapá, Sergipe e Rio Grande do Norte

em números absolutos, o estado com a maior redução foi o Ceará, com 845 vítimas a menos no período

Todos os estados registram redução no número de mortes violentas — Foto: Gabriela Caesar/G1

Para entender o que pode estar por trás da tendência de queda, o G1 foi a fundo nos cenários de segurança pública de três estados que se destacaram por suas reduções desde 2018: Acre, Ceará e Rio Grande do Norte. Especialistas, integrantes e ex-integrantes dos governos e entidades foram consultados para levantar as principais medidas tomadas nos estados que podem ter resultado na queda da violência.

Entre as medidas adotadas estão:

Ações mais rígidas em prisões, como constantes operações de revistas e implantação do Regime Disciplinar Diferenciado (RDD)

Isolamento ou transferência de chefes de grupos criminosos para presídios de segurança máxima

Criação de secretaria exclusiva para lidar com a administração penitenciária

Criação de delegacia voltada para investigar casos de homicídios

Integração entre as forças de segurança e justiça

Como o levantamento é feito

A ferramenta criada pelo G1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Em março, o governo federal anunciou a criação de um sistema similar. Os dados, no entanto, não estão atualizados como os da ferramenta do G1. O último mês disponível é janeiro de 2019 (e não há números de todos os estados).

Os dados coletados mês a mês pelo G1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais. O balanço de 2018 foi publicado pelo Monitor da Violência separadamente, em abril.

Mapa mostra mortes violentas em abril — Foto: Arte/G1

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Se a notícia for ruim dirão que é culpa de Fátima, se a notícia for boa dirão que é mérito de Bolsonaro.

  2. Que os brasileiros comemorem os índices. É uma maravilha pra todo mundo, minha gente. Seja esqueça ou direita. Roubo, assassinatos, estupro não tem partido. As vezes eu acho que tem gente que prefere que a violência aumente, mesmo que leve um tiro na cabeça ou um filho, do que aceitar que está melhorando só por ódio ao Presidente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *