Número de brasileiros barrados em Portugal mais que dobrou em 2018

Passaporte brasileiro Foto: Reprodução

Destino preferido dos imigrantes nos últimos anos, Portugal nunca barrou tantos brasileiros quanto em 2018. Foram mandadas de volta para o Brasil 2.856 pessoas, um recorde. O número é mais que o dobro dos barrados em 2017 (1.336). Em 2016, quando a nova onda de imigração começava a ganhar contornos gigantescos, 968 foram barrados nos aeroportos.

Ao todo, em 2018, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) impediu a entrada de 3.758 imigrantes. Destes, 76% eram brasileiros. São pessoas que se apresentam no balcão da imigração nos aeroportos sem vistos de entrada adequados e sem apresentar motivo válido para entrada ou conseguir comprovar que é, de fato, turista.

O caso mais comum nesta nova onda de imigração tem sido o brasileiro se apresentar como turista. Para esta condição, a permanência é de 90 dias, prorrogáveis por mais 90 e sem a necessidade de visto (prorrogação de permanência temporária). Neste tempo, o “turista” pode procurar trabalho e obter uma promessa de contrato, o que daria a ele o direito de um visto de trabalho. Mas a promessa pode não se concretizar e há casos de pessoas que permanecem ilegais no país após os 180 dias totais.

Os números foram divulgados na manchete desta terça-feira dos Jornal de Notícias, diário do Porto. Na reportagem, é informado que os brasileiros têm sido mantidos em centros de instalações temporárias. Apesar das denúncias e reclamações da Casa do Brasil, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) diz que segue o que determina nestes casos a legislação europeia. O reenvio dos barrados para o estado de origem fica a cargo das companhias aéreas.

Depois de seis anos em queda, a população brasileira residente em Portugal voltou a crescer em 2017. Naquele ano, o número de brasileiros no país aumentou 5,1% em relação a 2016, passando de 81.251 para 85.426. Este número representa 20,3% do total de 421.711 imigrantes em Portugal. O Brasil é a maior colônia.

Este ano, o SEF já admitiu que houve aumento significativo de brasileiros em Portugal. Os dados anuais ainda serão divulgados no segundo semestre, mas é estimado que a população oficial residente se aproxime dos 100 mil, o que seria um recorde histórico.

A demanda obrigou o Consulado Geral de Portugal em São Paulo a abrir um centro de solicitação de vistos , um posto administrado por empresa particular para desafogar a demanda por serviços consulares. Em outubro de 2018, o consulado chegou a interromper os pedidos de cidadania por não dar conta da quantidade de solicitações. Os consulados do Brasil em Faro, Lisboa e Porto estão sempre cheios .

Em relação aos refugiados, que também são encaminhados aos centros de instalações temporárias, o relatório anual The Asylum Information Database (AIDA), gerido pelo European Council on Refugees and Exiles (ECRE), revela que “cidadãos que entraram em Portugal vindos do Brasil representam mais de 83% dos imigrantes sul-americanos e mais de 1/3 da população estrangeira que ficou retida, em 2016, nos centros de instalação temporária ou espaços equiparados”. Recentemente, o jornal Público informou que 74 crianças ficaram retidas na fronteira e foram enviadas aos centros, o que contraria as regras da ONU.

O Globo

 

Volume da Armando Ribeiro Gonçalves já ultrapassa sua melhor situação comparado ao mesmo período de 2018; veja como estão reservatórios no RN

Foto: Bruno Andrade

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN, monitora 47 reservatórios com capacidade acima de cinco milhões de metros cúbicos de água, responsáveis pelo abastecimento dos municípios potiguares. O relatório da situação volumétrica divulgado nesta segunda-feira (15) indica que a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do Estado, com capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos, está acumulando 743.288.000 m³, percentualmente, 30,97% da sua capacidade. Para efeitos comparativos, no mesmo dia, em abril de 2018, a ARG, acumulava 373.459.133 m³, ou 15,56% do seu volume total.

O volume atual da Armando Ribeiro Gonçalves ultrapassa sua melhor situação em 2018, quando atingiu 29,57% da sua capacidade. “Ainda temos mais um mês e meio até o final efetivo da quadra chuvosa, o que nos dá a perspectiva que a Armando Ribeiro Gonçalves consiga terminar esse período em situação muito superior à do ano passado. Como ela corresponde a quase metade das reservas hídricas totais, nos dá uma maior tranquilidade para garantir o abastecimento dos municípios potiguares até o inverno de 2020, sempre com o controle de gestão das águas, mas em condições melhores que nos últimos quatro anos”, afirma Caramuru Paiva, diretor-presidente do Igarn.

As reservas hídricas superficiais totais do RN, que correspondem ao acumulado de todos os reservatórios monitorados pelo Instituto nas bacias hidrográficas estaduais, atualmente, acumulam 1.330.697.653 m³, percentualmente, 30,16% dos 4.411.787.259 m³ totais. No mesmo período do ano passado, as reservas totais do Estado acumulavam 784.784.146 m³, ou 17,79% da sua capacidade. Ainda para efeitos comparativos, ao final da quadra invernosa de 2018, reservas hídricas somavam 1.390.676.793 m³, 31,57% da sua capacidade.

Dos reservatórios monitorados, 8 permanecem em volume morto, o que corresponde a 17,02% dos mananciais monitorados. Já os açudes que ainda permanecem secos são 6, o correspondente a 12,76% das barragens potiguares. No mesmo dia de 2018, os reservatórios em volume morto eram 10, correspondentes a 21,27% do total de monitorados. Já os secos eram 4, percentualmente, 8,51%.

Segundo maior reservatório estadual, com capacidade para 599,712 milhões de metros cúbicos, a barragem Santa Cruz do Apodi, está acumulando 153.482.705 m³, percentualmente, 25,59% da sua capacidade. Em 2018 ela estava com 144.561.910 m³, ou 24,11% do seu volume total.

O açude Umarí que possui capacidade para 292,813 milhões de metros cúbicos, está com 120.858.921 m³, percentualmente, 41,28% do seu volume total. Já no mesmo período do ano passado o manancial estava com 48.507.691 m³, ou 16,57% da sua capacidade total.

Entre os reservatórios monitorados, cinco já atingiram 100% das suas capacidades, ou seja, “sangraram”, são eles: Beldroega, em Paraú; Mendubim, em Assú; Pataxó, em Ipanguaçu; Encanto, localizado em Encanto; e Riacho da Cruz II, em Riacho da Cruz. Outros mananciais já estão com volumes acima dos 70% de suas capacidades, casos de: Marcelino Vieira, com 91,69%; Rodeador, em Umarizal, com 83% e Apanha Peixe, em Caraúbas, com 75%.

Entre os reservatórios que estão em volume morto, estão: Itans, em Caicó; Pau dos Ferros; Cruzeta; Zangalheiras, em Jardim do Seridó; Esguicho, em Ouro Branco e Santa Cruz do Trairi, em Santa Cruz. Já os secos são: Santana, em Rafael Fernandes; Marechal Dutra (Gargalheiras), em Acari; Dourado, em Currais Novos; Inharé, em Santa Cruz; Trairi, em Tangará e Japi II, São José do Campestre.

Microempresas foram responsáveis pelo saldo positivo de empregos formais no RN em 2018, com quase 10 mil novas contratações

Foto: Agência Sebrae

O mercado de emprego celetista demonstra sinais de recuperação no Rio Grande do Norte. O saldo de empregos com carteira assinada, que é a relação entre admissões e os desligamentos, encerrou o ano de 2018 com 5.542 postos de trabalho, como resultado de número maior de contratações em comparação com as demissões. Um crescimento significativo em relação a 2017, quando o estado fechou o ano com um saldo de apenas 847 vagas criadas.

Grande parte desse avanço na geração de novos empregos no ano passado é de responsabilidade do segmento das microempresas, onde foi aberta a maior quantidade de postos de trabalho: 9.904 novas contratações. Com exceção das grandes empresas, que contribuíram com 4% da geração de novos empregos, as empresas dos demais portes – médias e pequenas – demitiram mais do que contrataram no ano, finalizando com saldos negativos.

Os dados da geração de empregos por parte das empresas de pequeno porte estão na edição especial do Boletim dos Pequenos Negócios, publicação elaborada mensalmente pelo Sebrae no Rio Grande do Norte para apresentar o resultado dos principais indicadores da economia potiguar. O boletim faz uma síntese conjuntural de todos os meses do ano passado, trazendo os principais resultados acumulados ao longo de 2018.

De acordo com esse levantamento do Sebrae, baseado nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, as empresas de pequeno porte perderam 1.714 vagas em 2018, e médias e grandes, juntas, outras 2.648 vagas. Por isso, as microempresas desempenharam um papel fundamental para o saldo de empregos formais terminar o ano positivo no Rio Grande do Norte.

Vagas no setor de serviço

O setor de serviços foi o que mais contratou ao longo do ano. Foram 4.478 novos empregados absorvidos por empresas desse segmento. Depois, veio o comércio com a abertura de 775 novas vagas e a construção civil, com 336 postos de trabalho a mais em 2018, seguida do setor agropecuário, que gerou 309 novas vagas.

Com isso, o Rio Grande do Norte atingiu, ao longo de 2018, um estoque de 427.830 trabalhadores com carteira assinada, figurando como o quinto melhor saldo no Nordeste, atrás dos estados da Bahia, Ceará, Maranhão e Piauí. Os nove estados da região foram responsáveis por um saldo de 80.639 postos de trabalho em 2018, o que equivale a 15,2% das vagas geradas em todo o país no ano passado.

“Esses números de 2018 referentes ao mercado de trabalho formal no Rio Grande do Norte corroboram o papel decisivo que os pequenos negócios desempenham na nossa economia. É inconcebível pensar em geração de novos empregos sem uma política que privilegie esses empreendimentos menores, onde ocorre a maior parte das contratações, justamente porque são predominantes. A essas empresas, todo o suporte apoio para se manterem competitivas”, enfatiza o diretor superintendente do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto, também conhecido como Zeca Melo.

O empresário Eduardo Varela é testemunha desse aumento na oferta de vagas nas microempresas do setor de serviços. Ele é proprietário da Crooks, uma rede de lojas de cookies artesanais, que são assados na hora, em Natal e região. O negócio começou a operar desde 2016. No ano passado, a empresa abriu oito vagas.

“Começamos com uma loja conceito, em Nova Parnamirim, e a aceitação foi muito boa. Entraram no nosso plano de expansão a abertura de uma nova loja em Morro Branco e a estruturação de uma unidade de produção. Não dava mais para fazer os biscoitos em casa. Já não havia mais espaço, nem na cozinha nem na sala. Finalizamos 2018, com duas lojas física, uma unidade de produção e uma loja virtual”, explica o empreendedor sobre o motivo da geração de novos empregos.

Segundo ele, apesar de a operação do negócio ter sido concebida no modelo mais enxuto possível, as contratações foram necessárias devido à expansão da empresa. “Nosso modelo é o mais enxuto e eficiente possível, mas, diante da necessidade de crescimento, as contratações foram necessárias”.

A Crooks é uma das empresas atendidas pelo Sebrae, que ofereceu consultorias subsidiadas via programa Sebraetec nas áreas melhoria e design de produtos. “Esse trabalho foi relevante para o crescimento da empresa.Além das lojas próprias, entramos no ramo da revenda.

Com informações do Sebrae-RN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos araujo disse:

    Infelizmente os entes federativos buscam todo tipo de impicilho para o desmonte desse tipo de empresa.vide motivos pífios de exclusão do simples Nacional

Aedes Aegypti no RN: quase 12 mil casos de dengue, 1265 de chikungunya e 59 de zika foram confirmados em 2018

Sesap divulga novos dados das arboviroses no RN

Foto: Ilustrativa

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio da Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica (Suvige), divulgou nesta quinta-feira (28), o boletim das arboviroses no RN referente a 2018. Da semana epidemiológica 1 a 52 (encerrada em 29 de dezembro de 2018) foram notificados 29.775 casos suspeitos de dengue, sendo confirmados 12.396, o que representa uma incidência de 855,85 casos por 100.000 habitantes. Em 2017, considerando o mesmo período, foram 9.254 casos notificados e 1.889 confirmados, gerando uma incidência de 292,10 casos por 100.000 habitantes.

Quanto à classificação, do total de confirmações em 2018, 11.902 casos foram classificados como dengue, 451 como dengue com sinais de alarme e 43 como dengue grave. No ano passado, houve uma predominância de casos nos indivíduos do sexo feminino, que concentrou 16.172 notificações. Além disso, o boletim aponta uma prevalência de casos em indivíduos de 20 a 49 anos de idade. Com base nas amostras analisadas relativas a 2018, observou-se que os 4 subtipos do vírus (DENV 1,2,3 e 4) estão circulando no estado.

Zika Vírus

Com relação ao Zika vírus, em 2018 foram confirmados 59 dos 1.122 casos, notificados, o que corresponde a uma incidência de 32,25 casos por 100.000 habitantes. Em 2017, foram 593 notificações e 17 confirmações, gerando uma incidência de 18,72 casos por 100.000 habitantes. Assim como a dengue, o Zika vírus acometeu mais indivíduos do sexo feminino, que contabilizou 695 casos suspeitos, atingindo também de forma predominante a faixa etária dos 20 a 49 anos.

Chikungunya

Quanto à chikungunya, em 2018 a Sesap confirmou 1.265 casos de um total de 3.552 notificações de casos prováveis, representando uma incidência de 102,10 casos por 100.000 habitantes. Em 2017, foram confirmados 890 casos de um total de 2.286 notificados, o que significa uma incidência de 72,16 casos por 100.000. No que se refere à distribuição dos casos, o sexo feminino continua a concentrar o maior número de notificações (2.130) em 2018. Em relação à faixa etária, adultos entre 20 e 79 anos são mais afetados pela febre de chikungunya.

Óbitos

Quanto aos óbitos provocados pelas arboviroses, em 2018 foram 48 casos notificados, com 5 confirmações, decorrentes de dengue. Em 2017, foram confirmados 18 óbitos por dengue, 4 por chikungunya e 1 por Zika.

Prevenção

A Sesap realiza ações de prevenção e educação em saúde, orientando os municípios para que intensifiquem a pesquisa entomológica, a fim de comprovar a presença do vetor (mosquito) nos imóveis. Além disso, são realizadas as operações de aplicação do inseticida por meio dos carros fumacê, que devem ocorrer apenas quando houver necessidade do controle de surtos e epidemias por arboviroses.

De acordo com a subcoordenadora de vigilância epidemiológica da Sesap, Alessandra Lucchesi, “é necessário que a população tome as medidas de prevenção à proliferação do mosquito Aedes aegypti: receber o agente de saúde em suas residências, eliminar água de vasos de flores, tampar tonéis e tanques, não deixar água acumulada, lavar semanalmente depósitos de água, manter caixas de água e tanques devidamente fechados e colocar o lixo em sacos plásticos, mantendo a lixeira fechada, entre outras”.

Unimed Natal disputa neste fim de semana em MG prêmio com o case de sucesso comercial em 2018

Alguns dos principais executivos da Unimed Natal passam esse fim de semana em Belo Horizonte, onde a empresa é uma das três finalistas no Prêmio Acadêmicos da Unimed, que ocorre na cidade e cujos vencedores serão conhecidos neste sábado.

A Unimed Natal disputa o prêmio com o case de sucesso comercial em 2018 – quando a cooperativa natalense conquistou mais de 20 mil novos clientes.

A disputa pelo prêmio envolve operadoras de todo o sistema Unimed no Brasil. Nessa etapa final, a Unimed Natal concorre diretamente com a Unimed BH e de Juiz de Fora.

Desemprego: taxa média de desocupação em 2018 foi a maior dos últimos sete anos em 13 capitais do país; Natal registrou 13,5%

A taxa média de desocupação em 2018 foi a maior dos últimos sete anos em 13 capitais do país. Dezenove capitais tiveram índice de desemprego maior que a média nacional de 12,3% no ano passado. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (22).

Taxa média de desocupação anual nas capitais em 2018:

Porto Velho (RO): 13,7%
Rio Branco (AC): 13,9%
Manaus (AM): 18,1%
Boa Vista (RR): 12,4%
Belém (PA): 13,4%
Macapá (AP): 18,2%
Palmas (TO): 13,7%
São Luís (MA): 16,4%
Teresina (PI): 13,6%
Fortaleza (CE): 10,8%
Natal (RN): 13,5%
João Pessoa (PB): 11,9%
Recife (PE): 16,3%
Maceió (AL): 16,7%
Aracaju (SE): 16,4%
Salvador (BA): 16,1%
Belo Horizonte (MG): 12,5%
Vitória (ES): 12,5%
Rio de Janeiro (RJ): 12,6%
São Paulo (SP): 14,2%
Curitiba (PR): 9,4%
Florianópolis (SC): 6,5%
Porto Alegre (RS): 9,5%
Campo Grande (MS): 6,6%
Cuiabá (MT): 10%
Goiânia (GO): 7%
Brasília (DF): 12,7%

Florianópolis, Campo Grande e Goiânia foram as capitais com a menor taxa de desemprego apurada em 2018. Macapá, Manaus e Maceió foram as com o maior índice de desocupação.

Capitais que tiveram recorde de desemprego em 2018:

Porto Velho (RO)
Boa Vista (RR)
Belém (PA)
Macapá (AP)
Teresina (PI)
João Pessoa (PB)
Recife (PE)
Maceió (AL)
Aracaju (SE)
Vitória (ES)
Rio de Janeiro (RJ)
São Paulo (SP)
Porto Alegre (RS)

Estados que registraram menor contingente de pessoas ocupadas em 2018:

Amapá
Maranhão
Alagoas
Sergipe
Bahia
Rio Grande do Sul

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,6% no trimestre encerrado em dezembro do ano passado, atingindo 12,2 milhões de brasileiros. A taxa representa uma estabilidade frente ao trimestre encerrado em novembro e um recuo de 0,3 ponto percentual em relação ao 3º trimestre (11,9%). No ano de 2018, a taxa média de desocupação foi de 12,3%, ante 12,7% em 2017.

O Sudeste foi a região com maior proporção de capitais com recorde de desemprego em 2018, com destaque para Vitória, Rio de Janeiro e São Paulo.

Metade das capitais do Norte e dois terços das do Nordeste estão nessa situação. Apenas no Centro-Oeste nenhuma capital apresentou alta na taxa de desocupação, segundo o IBGE. Também houve aumentos no desemprego em oito regiões metropolitanas.

“Percebe-se que o problema é mais forte nos grandes centros urbanos, acompanhando as maiores concentrações da população. É um desemprego metropolitano, bem maior do que no interior do país”, comenta o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

Mesmo nos estados em que a desocupação caiu entre 2017 e 2018, a situação não melhorou no longo prazo. “Observamos que nenhuma capital ou região metropolitana teve redução na desocupação entre 2014 e 2018. Ao contrário, há aumentos bastante expressivos no período”, explica.

Carteira assinada

O número de trabalhadores ocupados com carteira de trabalho assinada também foi o menor em 7 anos no Nordeste, Sudeste e Sul. No Sudeste, o menor contingente de trabalhadores formais foi registrado em 2017, enquanto no Centro-Oeste havia sido em 2012.

Entre os estados, foi o menor número de carteira assinada em 13 das 27 unidades da Federação em 7 anos:

Roraima
Maranhão
Ceará
Rio Grande do Norte
Paraíba
Alagoas
Sergipe
Bahia
Rio de Janeiro
São Paulo
Paraná
Rio Grande do Sul
Goiás

Segundo o pesquisador, a carteira de trabalho teve queda em todos os estados entre 2017 e 2018. Desde 2014, as quedas são ainda mais expressivas. “Isso revela a qualidade do emprego sendo gerado nos últimos anos. Com a redução da carteira de trabalho e o aumento da informalidade, a contribuição para a Previdência também cai, o que cria problemas mais à frente”, alerta.

G1

 

Uber acumulou prejuízo de quase US$ 2 bilhões em 2018

(Foto: Divulgação)

A Uber continua sendo um buraco negro de dinheiro. A empresa continua perdendo quantias bilionárias ano após ano, como revela o relatório financeiro mais recente divulgado pela companhia de transporte. Em 2018, o prejuízo acumulado foi de US$ 1,8 bilhão.

Apesar de o valor parecer assustador, a notícia não é exatamente ruim. A Uber conseguiu reduzir o prejuízo anual na comparação com 2017, quando havia perdido US$ 2,2 bilhões. Da mesma forma, as receitas anuais chegaram à casa dos US$ 11,3 bilhões, o que representa uma alta considerável de 43% na comparação com o aferido em 2017.

Os números da empresa são importantes porque a empresa está se preparando para a abertura de capital. Espera-se que o processo de IPO, que foi aberto confidencialmente (mas que já vazou), seja um dos maiores da história, movimentando quantias gigantescas. A empresa precisa provar a investidores que seu modelo de negócios é viável a longo prazo para isso se concretizar.

Um dos desafios enfrentados pela Uber é a concorrência pesada em múltiplos mercados. Nos EUA, a Lyft é um exemplo; no próprio Brasil, a 99, que pertence à gigante chinesa Didi Chuxing, se estabeleceu como um desafiante à altura. Outros países e regiões veem situações similares, o que força a Uber a reduzir preços de corridas, reduzir margens de lucro para pagar mais a motoristas e investir pesado em marketing e recrutamento.

Os números anunciados pela Uber mostram que a empresa ainda está em franca expansão, o que são boas notícias. No entanto, a empresa ainda precisa provar que pode transformar esse crescimento em lucro em algum momento. Até então, a Uber tem se sustentado graças a investimentos bilionários feitos por empresas interessadas em ter uma participação na companhia.

Olhar Digital

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    Os aplicativos ajjdam e muito as pessoas. São extremamente importantes para a mobilidade urbana e debem ser estimulados. De TAXI não tem condição. Bemdi meu carro a 2 anos. É menos um carro nas ruas. Façam o mesmo.

  2. Robson disse:

    Como e que uma empresa de app tem prejuizo se praticamente não gasta nada?

  3. Pedro disse:

    Prejuízos. Çeiiiii
    Os municípios estão querendo cobrar iss da empresa
    Na Europa eles já dançaram

    https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2017/12/21/derrota-da-uber-na-europa-ressalta-diferencas-com-os-eua.htm

Mineração movimenta R$ 164 milhões em 2018 e aumenta mais de 460% em uma década no RN, destaca reportagem

O setor da mineração movimentou R$ 164,7 milhões em operações no Rio Grande do Norte, ao longo de 2018. O valor ainda é baixo na comparação com outros estados brasileiros, porém é mais de cinco vezes maior que o registrado 10 anos atrás, em 2009, quando as operações potiguares somavam R$ 29,3 milhões. Foram 461% de aumento. Ao longo do ano, o estado recolheu R$ 2,75 milhões, cerca de 2% do total, em Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) – uma espécie de royalty pela atividade. Os dados foram colhidos pelo portal G1 no site da Agência Nacional de Mineração, na manhã desta segunda-feira (4). Em 2009, esse montante era de R$ 596,2 mil. Clique aqui e veja reportagem

Brasil ganhou 8,1 mil novos varejistas em 2018

FOTO: EBC

O comércio varejista fechou 2018 com 8,1 mil novas lojas. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), esse é o saldo entre o número de estabelecimentos que fecharam e que abriram as portas.

O resultado positivo vem depois de três anos com saldo negativo (mais empresas fechando as portas do que abrindo). Entre 2015 e 2017, o setor perdeu 223 mil estabelecimentos.

Em 2018, o segmento com melhor desempenho na abertura de lojas foi o de hiper e supermercados, que ganhou 4.510 novos estabelecimentos, seguido pelo de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (1.747) e pelas drogarias, farmácias e lojas de cosméticos (1.439).

Os únicos segmentos com saldo negativo foram móveis e eletrodomésticos (-176) e material de construção (-926).

Regionalmente, em 15 das 27 unidades da Federação foram registradas mais aberturas do que fechamentos, destacando-se de forma positiva os estados de São Paulo (3.883), Santa Catarina (1.706) e Minas Gerais (940).

Para o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes, contribuíram para o saldo positivo a inflação abaixo da meta, a redução dos juros ao consumidor, a reação do mercado de trabalho e a disponibilização de recursos como os saques nas contas do PIS/Pasep.

Para este ano, são esperadas novas 23,3 mil lojas, com crescimento de 5,8% nas vendas do setor.

Agência Brasil

Saúde registra mais de 15 mil casos de agravos respiratórios em crianças em Natal em 2018; veja bairros com maiores incidências

Durante todo o ano de 2018, foram registrados 15.685 casos de agravos respiratórios em crianças em Natal. Os dados foram divulgados pela Vigilância em Saúde de População Exposta a Poluentes Atmosférico (Vigiar Natal), do Departamento de Vigilância em Saúde.

Os bairros com maiores incidências estão localizados na zona Norte da capital potiguar, sendo Nossa Senhora da Apresentação o primeiro, com 2.371 casos, seguido por Pajuçara, com 1.709 e Lagoa Azul, com 1.548. Felipe Camarão, na zona Oeste, aparece com 1.194.

Do total de casos, a maioria, 6.678, foi definida como Infecção Respiratória Aguda (IRA). Asma (1.065) e bronquite (537) também figuram entre as enfermidades mais presentes nos pacientes atendidos.

Desde junho de 2016, Natal conta com quatro Unidades Sentinelas: Hospital Municipal de Natal, UPA Pajuçara, UPA Esperança e UPA Potengi. Elas são responsáveis pela captação e repasse desses dados.

Através do Vigiar, é possível fazer uma avaliação epidemiológica para o monitoramento de fenômenos onde o foco está na análise dos possíveis impactos à saúde de crianças menores de cinco anos que apresentem sintomas respiratórios como dispneia, falta de ar, cansaço, síbilos, chiados no peito e tosse.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. EDINEUZA jONES disse:

    TEM QUE SE FAZER UMA CONSCIENTIZAÇÃO , PARA O POVO DEIXAR DE FAZER QUEIMADA DE LIXO, MUITO COMUM NESSAS REFIÕES.

Balanço da EMPARN mostra que 2018 foi o mais chuvoso dos últimos 7 anos; janeiro tem previsão de mais chuvas no Estado

Na análise da chuva acumulada no ano de 2018, quando comparada com a média climatológica anual, que é de 847,4 milímetros, é observado um desvio percentual negativo de -7,0 %, isto é, choveu um pouco abaixo da média esperada. Mesmo assim a situação é bem melhor que os últimos anos, comparando com o balanço anual de chuvas em 2017 quando a média registrada foi de 630,5 milímetros, choveu -27,4% abaixo da média anual para o Estado que é de 847,4mm. O ano termina confirmando que depois de 6 anos consecutivos de seca severa, a situação começou a mudar, já no primeiro semestre de 2018, que compreende o período chuvoso no semiárido potiguar (fevereiro a maio), os dados divulgados pela Emparn mostrou que o volume registrado 734,6mm, ficou bem próximo do que costuma chover, quando a média é de 758mm, choveu apenas 2,2% abaixo da média para o período.

Em 2018, o Litoral, foi a região onde o choveu menos, comparando com a média que costuma chover durante todo o ano. Como mostra o quadro abaixo, a média anual no Litoral Leste é de 1246,3 milímetros e choveu 1060,0 mm (-14,9%).

Dezembro de 2018 foi o mais chuvoso dos últimos anos e contribuiu para o aumento do volume anual

Em dezembro, mês de pouca chuva, em 2018 o volume registrado foi bem acima da média, devido a atuação do sistema meteorológico Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS). Destaque para as regiões Central (+96,8%) e Oeste (+69,4%). O Litoral Leste, foi a única região potiguar onde o volume anual de chuva, ficou abaixo da média (-22,8%). No total para o Estado, o volume de chuva em dezembro/2018, foi de 47,1% acima da média.

Previsão para janeiro de 2019 é de chuva

O ano de 2019 começou com a presença do Fenômeno EL NIÑO fraco a moderado no Oceano Pacífico, e com tendência de apresentar uma diminuição na sua intensidade nos próximos meses. Esse comportamento, El Niño Fraco, é favorável a ocorrência de chuvas na região Nordeste do Brasil para o período de fevereiro a maio de 2019. No caso do restante do mês de janeiro e fevereiro, as previsões indicam que as chuvas deverão continuar com grande variabilidade temporal e espacial, uma vez que o sistema meteorológico que atua nessa época do ano, o Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), apresenta esse comportamento, além de ser de baixa previsibilidade. Além disso a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal sistema meteorológico que provoca chuva no sertão nordestino, já está atuando em conjunto com o Vórtice Ciclônico. Esse ano Zona de Convergência Intertropical, começou a atuar com antecedência, já que normalmente começa a atuar, provocando boas chuvas, a partir do segundo semestre de fevereiro.

Oito dos 10 executivos mais ricos do mundo perdem dinheiro em 2018; Zuckerberg com prejuízo de US$ 20,7 bilhões

Os homens mais ricos do mundo empobreceram em 2018: oito dos dez executivos com maiores patrimônios perderam dinheiro no ano passado, de acordo com a Bloomberg.

A maior perda foi do presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg. Sétimo homem mais rico do planeta, dono de US$ 52 bilhões, ele teve sua fortuna ser reduzida US$ 20,7 bilhões no ano passado.

Em 2018, o Facebook enfrentou uma série de dificuldades. A companhia admitiu ter vazado dados de usuários e reportou resultados financeiros que levantaram dúvidas entre os investidores. Em julho, após a divulgação dos números do segundo trimestre, a companhia registrou a maior perda diária em valor de mercado da história dos EUA.

Na outra ponta, os ganhos foram registrados por Jeff Bezos, dono da Amazon, e por Bernard Arnault, criador do império de luxo LVMH.

Veja os executivos mais ricos em 2018:

1. Jeff Bezos

Jeff Bezos — Foto: Rex Curry/Reuters

Fortuna: US$ 125 bilhões
Desempenho em 2018: aumento de US$ 25,9 bilhões
Quem é: Dono da Amazon

2. Bill Gates

Fortuna: US$ 90,4 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 1,37 bilhão
Quem é: Fundador da Microsoft

3. Warren Buffett

Fortuna: US$ 83,8 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 1,49 bilhão
Quem é: CEO da Berkshire Hathaway

4. Bernard Arnault

Fortuna: US$ 68,6 bilhões
Desempenho em 2018: aumento de US$ 5,3 bilhões
Quem é: Dono da LVMH

5. Amancio Ortega

Fortuna: US$ 58,6 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 16,7 bilhões
Quem é: Dono da Zara

6. Carlos Slim

Fortuna: US$ 54,8 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 6,81 bilhões
Quem é: Dono do Grupo Carso

7. Mark Zuckerberg

Fortuna: US$ 52 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 20,7 bilhões
Quem é: Presidente-executivo do Facebook

8. Larry Page

Fortuna: US$ 51,3 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 1,14 bilhão
Quem é: CEO da Alphabet, dona do Google

9. Sergey Brin

Fortuna: US$ 49,9 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 1,21 bilhão
Quem é: Cofundador do Google

10. Larry Ellison

Fortuna: US$ 49,3 bilhões
Desempenho em 2018: queda de US$ 3,76 bilhões
Quem é: Fundador da Oracle

G1

 

Polícia Civil do Rio Grande do Norte realizou quase 1.300 prisões em 2018; veja resumão

82 operações policiais foram deflagradas no período

Foto: Ilustrativa

Durante o ano de 2018, as equipes da Polícia Civil do Rio Grande do Norte prenderam 1285 suspeitos, entre homens e mulheres, que são investigados pela prática de crimes que foram efetivados em todo o Estado. Em Natal e Grande Natal foram detidas 541 pessoas e no interior do Estado 671 suspeitos. A Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor) prendeu 104 suspeitos. As prisões realizadas pela Polícia Civil são frutos de cumprimento de mandados de prisões e efetivação de prisões em flagrante.

Durante o período, as equipes da Polícia Civil deflagraram 82 operações policiais, sendo uma em janeiro; duas em fevereiro; cinco em março, cinco no mês de abril, 17 operações em maio, sete no mês de junho; seis em julho; em agosto 12; em setembro 11, em outubro quatro, em novembro oito operações e em dezembro quatro.

As pessoas presas pela Polícia Civil são suspeitas pela prática de crimes como organização criminosa, homicídio, tentativa de homicídio, tentativa de latrocínio, latrocínio, tráfico de drogas, posse e porte ilegal de arma de fogo, estupro de vulnerável, estelionato, receptação de veículos, roubos e furtos e violência doméstica.

(mais…)

Dez principais golpes no WhatsApp, Uber e outros aplicativos em 2018

Golpe WhatsApp envolvia a marca de cosméticos O Boticário — Foto: Tainah Tavares/TechTudo

O WhatsApp foi um dos alvos preferidos dos criminosos para tentar capturar informações dos usuários por meio de golpes virtuais em 2018. Eles usavam falsas promoções de marcas famosas, como Burger King, O Boticário e Cacau Show, para ludibriar as pessoas a clicarem em links maliciosos e, assim, ficarem vulneráveis a roubo de dados privados. O plano era obter informações para roubar as vítimas e até, em alguns casos, aplicar fraudes em nome delas. De acordo com especialistas de empresas de segurança digital, milhões de pessoas foram afetadas nos últimos meses.

Além do mensageiro, uma falsa promoção prometia um cupom de desconto de R$ 300 do Uber Plus e, segundo a DFNDR Lab, pelo menos 85 mil pessoas foram atingidas. Outros esquemas montados pelos hackers também usavam outras plataformas de rede social como o Facebook e Instagram. Essa era uma forma de diversificar os ataques e atingirem mais usuários, principalmente, por meio de celulares Android e iPhone (iOS). Confira, a seguir, a lista com os principais golpes que envolvem o WhatsApp e outros serviços da web em 2018.

1. Falso cupom da Burger King

Burger King já foi usada para atrair vítimas em golpe no WhatsApp em 2018 — Foto: Divulgação/ESET

A Burger King foi a primeira grande marca a ter seu nome atribuído a uma falsa promoção nas redes sociais neste ano. No início de janeiro, um link com uma pesquisa de satisfação sobre o atendimento prometia descontos em compras no fast food caso o usuário respondesse às perguntas e compartilhasse com os amigos, um uso comum do método de engenharia social. O prêmio seria um cupom de R$ 50 em lanches. Ao clicar no endereço eletrônico, o número do usuário era inscrito em serviços pagos de SMS e era induzido a realizar o download de apps falsos que infectavam o celular.

De acordo com o DFNDR Lab, laboratório de segurança digital da PSafe, pelo menos 350 mil usuários clicaram no link falso. O Burger King confirmou que a ação se tratava de um golpe e reforçou que promoções verdadeiras são divulgadas apenas em seus canais oficiais, como site e redes sociais, além de cupons físicos.

2. Falso desconto no Uber

PSafe detectou golpe que usa nome do Uber em páginas e perfis falsos — Foto: Divulgação/PSafe

Uma falsa promoção espalhada em sites e redes sociais prometia um cupom de desconto de R$ 300 do Uber Plus, programa de fidelidade da Uber que não foi lançado no Brasil. Para ganhar o prêmio, o usuário teria que preencher um formulário com dados pessoais e bancários, que seriam roubados pelos criminosos. Segundo a DFNDR Lab, pelo menos 85 mil pessoas tiveram acesso ao link e se expuseram à infecção de softwares maliciosos capazes de acessar dados pessoais.

A Uber reconheceu que a promoção era uma fraude e orientou os usuários a sempre checarem se links com ofertas e descontos são direcionados para o site oficial da empresa e nunca compartilhar dados de cadastro – uma estratégia para evitar cair em golpes na Internet.

3. Falso processo seletivo da Cacau Show

Golpe no WhatsApp oferece vagas de emprego na Cacau Show — Foto: Divulgação/PSafe

Com o alto índice de desemprego, criminosos espalharam pelo WhatsApp textos e imagens referentes a um suposto processo seletivo da empresa de chocolates Cacau Show, para vagas como vendedor, auxiliar de limpeza e Jovem Aprendiz. Ao clicar no endereço, a vítima teria que informar os dados pessoais para poder participar da falsa seleção. Em apenas 24 horas, mais de um milhão de pessoas já tinham acessado a plataforma maliciosa e estavam em perigo de serem roubados a partir da coleta de informações pelos hackers.

A Cacau Show desmentiu a informação em sua página oficial do Facebook, e explicou que as oportunidades de emprego são divulgadas apenas em seus canais oficiais, como site e redes sociais.

4. Promoção de O Boticário copiada por criminosos

Cibercriminosos imitaram uma promoção verdadeira criada pela empresa de cosméticos O Boticário, na qual os usuários deveriam indicar amigos para ganhar loções hidratantes da linha Nativa SPA. Assim, eles produziram um link falso contendo as mesmas informações da oferta original para divulgar pelo WhatsApp. Ao clicar na farsa, o usuário liberava o smartphone para receber notificações que poderiam conter links maliciosos, com o perigo de ter seus dados roubados.

O que chamou a atenção neste golpe foi o uso do “https:// ” no endereço falso, o que dava ao usuário a impressão de acessar uma página segura, pois esse código é um dos indicativos de seguranças das páginas na web. De acordo com a PSafe, pelo menos 140 mil pessoas foram enganadas. Segundo O Boticário, o link foi retirado do ar.

5. Golpe na Páscoa

No mês de março, período que antecedia a Páscoa, uma propaganda mentirosa oferecia vales-presentes de R$ 800 no WhatsApp. Para isso, os bandidos usavam imagens de coelhinhos e ovos de chocolate, tradicionais para esse período do ano. Apesar de não estar associada a nenhuma marca famosa, o golpe direcionava usuários à página maldosa chamada “Páscoa Premiada”.

Assim como em outras fraudes, a vítima teria que preencher um formulário e, sem saber, autorizava que seu smartphone recebesse notificações de hackers, que poderiam ter acesso a dados bancários do usuário pelo celular. Dessa forma, os responsáveis pelo esquema criminoso poderiam roubar quantias de dinheiro do usuário do telefone. Segundo a PSafe, que descobriu o truque, mais de 300 mil pessoas tentaram acessar o link.

6. Número clonado no WhatsApp

Um novo tipo de golpe chegou ao WhatsApp em dezembro, desta vez “clonando números” sem precisar quebrar a segurança do mensageiro. Criminosos compravam chips novos e ligavam para as operadoras para reativar o número daquele cartão, com a desculpa de terem o celular roubado ou perdido. Com a linha reativada, os bandidos tinham acesso a grupos e contatos do antigo usuário, e, a partir daí, entravam em contato com amigos e familiares fingindo ser a vítima para pedir o depósito de valores. As justificativas mais usadas eram a compra de eletrodomésticos ou a quitação dívidas.

De acordo com informações da Célula de Inteligência Cibernética da Polícia Civil do Ceará, mais de 5 mil pessoas já teriam sido prejudicadas em todo o Brasil. O WhatsApp recomenda a ativação da verificação em duas etapas como medida de prevenção ao golpe. Aos destinatários, a sugestão é telefonar para a pessoa antes de realizar qualquer transação bancária, para confirmar que a conversa é verdadeira.

7. Golpe de cinema

Cerca de 50 mil brasileiros foram impactados no WhatsApp com uma oferta de ingressos para o filme “Vingadores: Guerra Infinita”, da Marvel. De acordo com a PSafe, ao clicar no link, o usuário teria que preencher um formulário com perguntas fake, que sempre “premiavam” a vítima, independente das respostas. Essa era a artimanha usada pelos bandidos para capturar dados dos usuários da plataforma de mensagens.

A Disney afirmou que a promoção e o site não eram válidos. Além disso, ressaltou que toda a comunicação com os fãs brasileiros da Marvel ocorre apenas pelo Facebook, Instagram e Twitter oficiais da empresa.

8. Falsa consulta ao PIS

No mês de junho, uma mensagem mal intencionada circulou pelo WhatsApp e se aproveitava do pagamento do PIS-Pasep para prometer ao trabalhador uma forma fácil de visualizar o saldo do benefício. Cerca de 116 mil pessoas foram lesadas por conta dessa estratégia criminosa. A página exibia um texto com a assinatura da Caixa Econômica Federal e indicativos sobre a liberação dos valores. Assim como em outros golpes, o usuário teria que responder a uma série de perguntas para ter acesso ao conteúdo.

Um indício de que se tratava de um golpe era o endereço utilizado na mensagem. Este apresentava o domínio com final “.top”. Segundo a PSafe, o código já havia sido usado em outras fraudes anteriores e, por isso, servia de alerta para que as pessoas só clicassem em links que direcionem para a página oficial dos serviços. Uma das ações a serem tomadas é a verificação da sequência de elementos responsáveis por levar o usuário a um endereço online.

9. Recarga falsa

Uma falsa promoção oferecia R$ 70 em créditos para celular em troca de compartilhamentos da mensagem no WhatsApp. O link malicioso instalava aplicativos no smartphone das vítimas e, apesar de não serem perigosos, gerava faturamento para os criminosos a cada download. A recarga, obviamente, nunca era concedida. Pelo menos 26 mil usuários foram afetados pela estratégia dos hackers.

A PSafe disse que o golpe era mais sofisticado que os anteriores, pois a página apresentava comentários falsos do Facebook, com o intuito de dar mais credibilidade ao processo e encorajar as vítimas a concluírem o procedimento. Uma forma de aumentar a interação e a disseminação entre os usuários da rede social de mensagens.

10. Falso Ray-Ban no Instagram

Um anúncio falso se espalhou no Instagram com a promessa de oferecer óculos da marca Ray-Ban com até 90% de desconto. Os posts eram publicados sem autorização nas contas dos usuários, que eram pegos de surpresa. A ação possivelmente foi fruto de pishing — roubo de dados, senhas muito fáceis de serem quebradas ou mesmo do uso de apps maliciosos com autorização para acessar login e senha da rede social.

A Ray-Ban se posicionou para alertar os consumidores a desconfiarem de preços muito baixos, além de não comprarem produtos falsos em lojas clandestinas. A empresa afirmou que é necessário sempre conferir os preços dos itens no site oficial antes de realizar qualquer transação.

Globo, via Techtudo

 

Enzo Gabriel é o nome mais registrado no Brasil em 2018; veja ranking geral e por sexo

(Foto: Rafaela Carvalho/ Just Real Moms)

Enzo Gabriel foi usado para registrar 18.156 bebês e lidera a lista de nomes mais usados no Brasil, segundo levantamento que traz informações da Central Nacional de Informações do Registro Civil. Maria Eduarda foi usado 15.760 vezes, sendo o nome mais popular para meninas.

Os dados disponíveis no Portal da Transparência do Registro Civil mostram que os nomes compostos em geral representam 28,3% da escolha dos brasileiros. Entre eles, existem 3.027 variações compostas para Maria e 1.488 para Enzo.

O estudo divulgado pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen/SP) considera as certidões feitas até 18 de dezembro.

Enzo Gabriel e Maria Eduarda desbancaram Miguel e Alice que ocupavam o topo da lista em 2017. Miguel agora está na segunda colocação e Alice na nona posição do ranking geral e na terceira posição entre os nomes femininos.

Dez nomes mais registrados no Brasil em 2018

1. Enzo Gabriel 18.156

2. Miguel 17.699

3. Arthur 17.119

4. João Miguel 16.049

5. Maria Eduarda 15.760

6. Maria Clara 14.170

7. Heitor 14.025

8. Pedro Henrique 13.672

9. Alice 12.482

10. Ana Clara 11.059

Dez nomes masculinos mais registrados no Brasil

1. Enzo Gabriel 18.156

2. Miguel 17.699

3. Arthur 17.119

4. João Miguel 16.049

5. Heitor 14.025

6. Pedro Henrique 13.672

7. Davi 10.206

8. Bernardo 9.914

9. João Pedro 9.519

10. Gabriel 9.452

Dez nomes femininos mais registrados no Brasil

1. Maria Eduarda 15.760

2. Maria Clara 14.170

3. Alice 12.482

4. Ana Clara 11.059

5. Helena 10.573

6. Valentina 10.325

7. Maria Luiza 9.353

8. Laura 9.252

9. Maria Alice 8.782

10. Maria Cecília 7.719

No início do mês de dezembro, ranking divulgado pela plataforma digital BabyCenter apontou Helena e Miguel como os nomes de bebê mais escolhidos pelas famílias brasileiras em 2018.

Uai, com Estadão

 

Precatórios: TJRN bate recorde de pagamentos em 2018 e supera metas

A Divisão de Precatórios do Tribunal de Justiça do RN alcançou o pagamento de R$ 152,7 milhões a credores durante o ano de 2018, recorde no volume anual de pagamentos desde o ano de 2013. Além disso, a gestão do desembargador Expedito Ferreira irá encerrar o biênio 2017-2018 com o montante de quase R$ 226 milhões pagos, outro recorde atingido e que supera a marca de R$ 185,6 milhões registrada no biênio 2015-2016.

“Foi um ano bem difícil, mas conseguimos superar metas e avançar no pagamento dos precatórios”, avalia o juiz João Afonso Pordeus, responsável pela Divisão de Precatórios. Os R$ 152.777.424,74 pagos este ano beneficiaram 1.937 pessoas, físicas e jurídicas.

O magistrado ressalta que desde o início da gestão 2017-2018, a Divisão vem adotando medidas efetivas para regulamentar os repasses constitucionais, bem como, para manter a adimplência das entidades devedoras, possibilitando a movimentação na fila de credores.

Ele aponta que dentre as medidas que possibilitaram a superação das metas, está o fato da unidade ter promovido o procedimento de bloqueio e sequestro de valores junto aos entes devedores, sempre que foi frustrada a tentativa de composição. Durante o ano de 2017, foram instaurados oito procedimentos, enquanto que em 2018, em razão do sucesso na realização de termos de compromisso com as entidades devedoras, foram registrados apenas três procedimentos.

Outra medida tomada, por exemplo, foi uma pesquisa realizada durante o ano de 2017, com o objetivo de verificar a existência de alvarás expedidos e não sacados. “Isso facilitou o atendimento aos credores e advogados que procuram a Divisão sem ter a certeza sobre a existência de créditos em seu favor”.

Gerenciamento

O juiz João Afonso Pordeus ressalta que o desenvolvimento do sistema próprio de gerenciamento dos Precatórios, o SIGPRE, está entre as principais medidas adotadas, já que, por meio dele o juízo requisitante preenche o ofício de requisição eletronicamente, sendo feita a lista de prioridades e cronológica, também de forma automática, possuindo o sistema algoritmo de cálculo que permite que todas as atualizações de valores sejam efetuadas automaticamente.

“Deu-se prioridade no desenvolvimento do SIGPRE, estando em ambiente de produção a versão 2.1.15, bem mais estável e evoluída, já com o algoritmo de cálculo pronto para funcionamento, entre outras funcionalidades”, antecipa o magistrado, ao acrescentar que a atual versão já apresenta, em estado avançado de desenvolvimento, a possibilidade de se conectar ao Banco do Brasil e encaminhar eletronicamente arquivo para individualização de contas.

O fato do TJRN ter sediado a 7ª Assembleia Geral da Câmara Nacional de Gestores de Precatórios dos Tribunais de Justiça, na qual foram discutidos relevantes temas sobre precatórios e onde foi eleita a nova Diretoria do Órgão de Cooperação, também colaborou para a superação das metas pela Divisão.

RAIO-X

Pagamentos pela Divisão de Precatórios no biênio 2017-2018

2017 – R$ 73.155.411,85 pagos a 1.051 beneficiários

2018 – R$ 152.777.424,74 pagos a 1.937 beneficiários

Total – R$ 225.932.836,59 pagos a 2.988 beneficiários

TJRN

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Amém graças a Deus as ubaranas foram definitivamente extintas.