Bolsa de Valores São Paulo de reduz tarifas no mercado de ações para estimular pequeno investidor

Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

A B3 (bolsa de valores de São Paulo) anunciou nesta quinta-feira (2) um novo modelo de tarifação do mercado de ações para atrair o pequeno investidor de varejo. A taxa mensal de manutenção de conta, que hoje chega a cerca de R$110 ao ano, será zerada permitindo que as corretoras ampliem a base de clientes pessoa física. A tarifa cobrada na negociação de ações na B3 também cai cerca de 10% para as pessoas físicas em geral.

Além disso, clientes que tiverem até R$20 mil de saldo em custódia numa mesma corretora serão isentos das demais taxas de manutenção de conta, como as cobranças sobre o pagamento de proventos e valor em custódia. Esse conjunto de medidas atinge cerca de 65% da base de investidores pessoa física que hoje têm saldo em contas de renda variável na B3.

A medida representa uma redução de aproximadamente R$250 milhões nas tarifas pagas pelos clientes da B3 no ano considerando os volumes negociados nos últimos 12 meses.

“A B3 reconhece seu papel central no desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro. Isso envolve oferecer novos produtos, melhorar serviços prestados e estimular mais negociação e expansão da base clientes por meio de mecanismos de preços e incentivos. É isso que estamos fazendo hoje. Acreditamos que esta nova estrutura de tarifação cumpre esses objetivos”, disse o presidente da B3, Gilson Finkelsztain.

Em 2019, os investidores de varejo foram um dos destaques no crescimento do mercado de capitais brasileiro. O número de contas ativas na depositária da B3 saltou de 643 mil em janeiro de 2018 para 1,5 milhão de investidores em outubro de 2019. Cerca de um terço dessas contas tem até R$5 mil investidos em renda variável.

Segundo a B3, o cenário de juros baixos deve continuar incentivando a mudança no perfil dos investimentos. O potencial de crescimento da pessoa física pode ser observado quando se considera que 65% dos investidores com este perfil pouco diversificaram sua carteira em 2019, investindo em apenas um tipo de produto de bolsa.

Além disso, há quase 20 milhões de investidores em caderneta de poupança com saldo acima de R$5mil, que somam R$ 730 bilhões em depósitos, e podem buscar fontes alternativas que proporcionem maiores rendimentos. A expectativa é que as mudanças sejam implementadas ao longo do ano, de acordo com a capacidade do mercado de adaptar seus sistemas e processos para a nova tarifação.

Agência Brasil

Bolsonaro diz que usará canal aberto com Trump para falar de tarifas ao aço brasileiro

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (2) que, se necessário, conversará com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a respeito do restauração de tarifas sobre a importação, pelos EUA, de aço e alumínio de Brasil e Argentina.

Nesta segunda, Trump afirmou, em uma rede social, que a desvalorização das moedas de Brasil e Argentina prejudicam agricultores norte-americanos. Por isso, vai restaurar as tarifas de importação sobre o aço e o alumínio dos dois países.

“Brasil e Argentina têm presidido uma desvalorização maciça de suas moedas. O que não é bom para nossos agricultores”, escreveu Donald Trump. “Portanto, com efeito imediato, restaurarei as tarifas de todo o aço e alumínio enviados para os EUA a partir desses países”.

Na sexta-feira, o dólar fechou a R$ 4,2397, em alta de 0,57%, acumulando valorização de 5,73% no mês de novembro. No ano, tem alta de 9,43% frente ao real.

De acordo com o presidente dos EUA, “o Federal Reserve [banco central dos EUA] deveria agir da mesma forma, para que países, que são muitos, não se aproveitem mais do nosso dólar forte, desvalorizando ainda mais suas moedas”. Segundo ele, “isso torna muito difícil para nossos fabricantes e agricultores exportarem seus produtos de maneira justa”.

Após a manifestação de Trump, Bolsonaro foi questionado sobre o tema ao sair do Palácio da Alvorada, onde costuma conversar com apoiadores e jornalistas.

O presidente informou que conversará com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre as tarifas norte-americanas. Bolsonaro disse ter um “canal aberto” com Trump, que poderá ser usado nesse caso.

“Vou falar com o Guedes hoje. Alumínio? Vou falar com o Paulo Guedes agora. Vou conversar com o Paulo Guedes. Se for o caso, ligo para o Trump. Eu tenho um canal aberto com ele”, disse.

Indagado se é possível reverter o anúncio de Trump, Bolsonaro insistiu que falará primeiro com Guedes.

“Converso com o Paulo Guedes e depois dou uma resposta, para não ter que recuar”, afirmou.

Trump utilizou a sobretaxa do aço na guerra comercial travada pelos Estados Unidos com a China. O governo norte-americano impôs uma regra geral e, aos poucos, renegocia com cada país.

Em março de 2018, Trump impôs tarifa de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio alegando questões de segurança nacional. A decisão desencadeou uma série de retaliações pelo mundo e adoção de salvaguardas por outros países e blocos.

Na ocasião, a indústria brasileira classificou a sobretaxa à importação de aço e alumínio como medida “injustificada e ilegal” e com potencial de provocar “dano significativo” para as siderúrgicas instaladas no Brasil, uma vez que o país é o segundo maior fornecedor de ferro e aço dos Estados Unidos.

Em agosto de 2018, Trump anunciou um alívio nas cotas de importação de aço e alumínio que excedam as cotas livres de sobretaxas. A decisão de flexibilizar a tarifa atingiu as cotas de aço da Coreia do Sul, Brasil e Argentina e do alumínio da Argentina.

Desde então, caso comprovem falta de matéria-prima no mercado interno, as empresas norte-americanas que comprarem aço do Brasil deixaram de pagar 25% a mais sobre o preço original.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nono Correia disse:

    A única coisa que esse miliciano tem aberto para um Trump é o toba.

  2. willian disse:

    SÓ SE FOR O CANAL ANAL !!!!

Trump acusa Brasil e Argentina de desvalorizarem moedas e diz que vai restaurar tarifas sobre aço e alumínio

Foto: AP Photo/Steve Helber

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou nesta segunda-feira (2), em uma rede social, Brasil e Argentina de desvalorizarem “maciçamente” suas moedas, e afirmou que vai reinstalar as tarifas de importação sobre o aço e o alumínio dos dois países.

“Brasil e Argentina têm presidido uma desvalorização maciça de suas moeda. O que não é bom para nossos agricultores”, escreveu Trump em uma rede social. Portanto, com efeito imediato, restaurarei as tarifas de todos os aços e alumínio enviados para os EUA a partir desses países”.

“O Federal Reserve [banco central dos EUA] deveria agir da mesma forma, para que países, que são muitos, não se aproveitem mais nosso dólar forte, desvalorizando ainda mais suas moedas. Isso torna muito difícil para nossos fabricantes e agricultores exportarem seus produtos de maneira justa”, disse ele.

Em agosto de 2018, Trump anunciou um alívio nas cotas de importação de aço e alumínio que excedam as cotas livres do pagamento das sobretaxas impostas pelo governo dos Estados Unidos em março do mesmo ano. A decisão de flexibilizar a tarifa atingiu as cotas de aço da Coreia do Sul, Brasil e Argentina e do alumínio da Argentina.

Desde então, as empresas americanas que comprarem aço do Brasil não precisavam pagar 25% a mais sobre o preço original, caso comprovem falta de matéria-prima no mercado interno.

O dólar fechou a R$ 4,2397 na sexta-feira, em alta de 0,57%, acumulando valorização de 5,73% no mês de novembro. No ano, tem alta de 9,43% frente ao real.

Histórico

A sobretaxa do aço foi um dos primeiros capítulos da guerra comercial de Trump. Visando a atingir sobretudo a China, o governo americano impôs uma regra geral e, aos poucos, renegocia com cada país.

Em março do ano passado, o presidente americano impôs tarifa de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio alegando questões de segurança nacional. A decisão desencadeou uma série de retaliações pelo mundo e adoção de salvaguardas por outros países e blocos.

Na ocasião, a indústria brasileira classificou a sobretaxa à importação de aço e alumínio, na ocasião, como medida de ‘injustificada e ilegal’ e com potencial de provocar “dano significativo” para as siderúrgicas instaladas no Brasil, uma vez que o Brasil é o segundo maior fornecedor de ferro e aço dos Estados Unidos.

Maiores exportadores de aço para os EUA — Foto: Ilustração: Juliana Souza/G1

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jean Carlos disse:

    I Love you!!!

  2. Diogo disse:

    Tudo é PT, para alguns.

  3. Carlos Bastos disse:

    Acho é pouco, vai babar esse babaca

  4. pedra 90 disse:

    bolsonaro s2 trump, a contrapartida, só lenha…

  5. PAULO disse:

    Mas ele é amigão de Bolsonaro, não vai fazer isso, ele gosta do Brasil e demonstra ser u muito preocupado com o povo brasileiro. "I love you"

    • Ana leticia disse:

      Petista revoltado identificado. Kkkkk
      Esse quer é LULADRAO de volta, pra continuar o assalto ao país.

    • Vitor Silva disse:

      O que danado isso tem a ver com petê? Releia a notícia.

Tarifas de energia do RN terão reajuste médio de 4,73%, informa Aneel

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou hoje (16/4), durante reunião pública ordinária de diretoria, reajuste nas tarifas dos consumidores da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern). A concessionária atende 1,4 milhão de unidades consumidoras localizadas em 167 municípios do Estado do Rio Grande do Norte. Os novos índices entram em vigor a partir de segunda-feira(22).

Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais. O presente processo tarifário foi impactado pelos custos de aquisição de energia e componentes financeiros referentes a compra de energia e risco hidrológico.

O pagamento do empréstimo da Conta ACR e ajustes em rubrica (retirada CDE Decreto) da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) ajudaram a reduzir o reajuste em aproximadamente – 4,62%. A Conta-ACR foi um mecanismo de repasse de recursos às distribuidoras para cobertura dos custos com exposição involuntária no mercado de curto prazo e o despacho de termelétricas entre fevereiro e dezembro de 2014. A quitação antecipada Conta-ACR foi anunciada em (20/3) durante entrevista coletiva realizada na sede da ANEEL, em Brasília. Leia mais.

A bandeira tarifária contribuiu para reduzir em -5,15% o índice final do reajuste da Cosern.

Confira abaixo os índices que serão aplicados:

O efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural: subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anti-Comunista disse:

    NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS. ALGUÉM PAGA A CONTA E ESSE ALGUÉM SOMOS NÓS CONTRIBUINTES, PAGADORES DE IMPOSTOS.

  2. Antonio Barbosa Santos disse:

    A Anta criou o problema, como tantos, e agora esperam que a solução venha do presidente… Esse povo é doido.

  3. Antonio Turci disse:

    Alguém poderia explicar? Somos, ouvi dizer, autossuficientes em enegia (eólica). Dizem que produzimos duas vezes mais que o consumo de todo o RN; produzimos petróleo e refinamos (Guamaré) e pagamos gasolina e diesel mais caros da região. Alô BG: poderia chamar algum especialista para explicar estes e outros assuntos de interesse geral no seu conceituado programa na 98 FM. Talvez, quem sabe, o Senador Jean-Paul Prates nos dê uma "luz". Fica a sugestão.

    • Everton disse:

      Boa. Mas quem é dona da energia que nos tornaria auto-suficiente, o Estado ou as empresas que geram a energia? Creio que a segunda opção, logo ela nos vende e vende o resto para quem elas quiseram.

  4. Carlos Bastos disse:

    Sonha Osvaldo

  5. Osvaldo disse:

    Espero que o Bozo barre esse aumento….

    • Ceará-Mundão disse:

      Jair Bolsonaro está na lista da Time das 100 pessoas mais influentes do mundo. A petralhada pira. kkkkkkkkkkk

Preço da passagem pode saltar para R$ 2,60 obedecendo a critérios técnicos

O preço da tarifa de ônibus pode saltar de R$ 2,20 para R$ 2,60. Pelo menos é isso o que defende o Seturn, diante de um reajuste de 7,5 no salário pago aos motoristas de ônibus. De acordo com o diretor financeiro da entidade, Augusto Costa Maranhão, essa seria a tarifa do ponto de vista técnico.

Ele conta que a tarifa de ônibus não sobe há 27 meses, enquanto o salário pago aos motoristas já passou por dois aumentos. “Estamos dentro do nosso limite financeiro”, revelou.

A proposta de reajuste do salários ainda está sendo avaliada pelo Sindicato dos Rodoviários que deve dar um posicionamento em mais uma audiência de conciliação na quinta-feira, 2.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. jairo feliciano disse:

    Este governo dilma é uma MERDA.Tudo está subindo de preço e o salario cada vez mais diminuindo.Não nos iludamos,não existe ninguem capacitado para governar este país.

Reajuste da telefonia fixa está no Diário Oficial da União

Foram publicados hoje (5) no Diário Oficial da União os novos valores dos planos básicos da telefonia fixa, aprovados no último dia 31 pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A aumento varia de empresa para empresa, mas no geral ficará próximo de 0,5%.

Clientes das operadoras Telefônica/Vivo, CTBC e Sercomtel terão as contas reajustadas em 0,568% para chamadas locais e de longa distância. O aumento dos planos da Telemar/Oi será 0,553%. No caso da Embratel, o reajuste, de 0,554%, abrange apenas as ligações de longa distância.

As novas tarifas foram calculadas com base no Índice de Serviços de Telecomunicações (IST), que teve variação de 5,144% entre agosto de 2011 e outubro de 2012. Sobre esse índice é aplicado o Fator X, que reflete o ganho de produtividade das operadoras, é compartilhado com os usuários, resultando na diminuição do índice de reajuste.

A Anatel informa que as concessionárias devem dar ampla divulgação aos novos valores em jornais de grande circulação 48 horas antes de cobrá-los.

Clique aqui para ver as tabelas com as novas tarifas.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Roberto disse:

    Ô cara larga!Como é que vão cobrir o desconto (demagogo) da energia elétrica?
    Com a gasolina,telefonia….e por aí vai,né?Ainda tem quem acredite.

Banco do Brasil e Caixa planejam cortar tarifas em outubro

O Banco do Brasil (BB) e a Caixa Econômica Federal devem anunciar em outubro corte nas tarifas bancárias, conforme recomendação do Palácio do Planalto e do Ministério da Fazenda. A presidente Dilma Rousseff quer que os dois bancos públicos liderem uma queda generalizada dessas taxas, assim como aconteceu com os juros e o spread bancário.

Nesta sexta-feira (28), técnicos dos dois bancos realizaram reuniões para tratar do assunto, mas internamente há resistências à redução, porque as instituições já praticam as menores taxas do mercado.

No caso do BB, Dilma quer que sejam revertidos ao menos os aumentos do início do ano em sete tarifas cobradas de pessoas físicas. Como o Banco Central não tabela as tarifas, há grande diferença entre as cobradas por bancos públicos e privados.

Influenciadas pela informação da redução de tarifas, as ações ON do BB caíram 3,87%. A queda dos papéis puxou as demais do setor. Bradesco PN caiu 1,74%; Santander, 2,94%; e Itaú Unibanco PN, 2,88%.

O tombo dos bancos, além de incertezas externas, levaram a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) a fechar em queda pelo quarto pregão seguido: o Ibovespa, seu principal índice, caiu 1,77%. Na semana, perdeu 3,5%; mas, no mês, ganhou 3,70%. No ano, a valorização chega a 4,27%.

O dólar comercial fechou o dia cotado a R$ 2,028 na venda.

Com informações do Estadão