Educação

Retomada das aulas presenciais na rede pública de ensino de Ceará-Mirim ocorre em Agosto

Foto: Lorram Gonçalves

Uma reunião entre representantes da Secretaria Municipal de Educação de Ceará-Mirim e Ministério Público recomendou que as aulas presenciais no município sejam retomadas no próximo mês de agosto. A audiência pública online contou com a presença da secretária de educação Margareth Pereira, oito promotores, e de secretários municipais de outras cidades da região Metropolitana de Natal e do Mato Grande. Na ocasião foi informada a recomendação de retorno gradual das atividades em sistema híbrido (ensino presencial e remoto).

A flexibilização foi possível mediante as medidas adotadas pelo município para conter o avanço do Covid-19, a baixa taxa de transmissibilidade em Ceará-Mirim e o comportamento do coronavírus no Estado, com a consequente redução na ocupação dos leitos de UTI.

“Nós estávamos atentos à possibilidade do retorno presencial. Por isso, a pedido do prefeito Júlio César, a Secretaria já vinha planejando ações estratégicas a serem adotada quanto às questões pedagógicas e sanitárias”, afirma Margareth.

Seguindo a determinação do MP, ficou decidido que na 1ª etapa, 10 escolas iniciarão na modalidade híbrida do retorno às aulas, são elas:

1 – Escola Municipal Antonieta Varela – Bairro de São Geraldo;

2 – Escola Municipal Júlio Gomes de Senna – Cohab;

3 – Adele de Oliveira – Centro;

4 – Centro de Educação Infantil Menino Jesus – Nova Descoberta;

5 – Creche Proinfância – Loteamento São José;

6 – Escola Municipal Ferdinando Pereira do Couto – Terra da Santa;

7 – Escola Municipal Helena Vilar Ribeiro Dantas – Minamora;

8 – Maria Ester Paiva – Massaranduba;

9 – Escola Municipal Belarmina Campos – Logradouro;

10 – Ary Alecrim Pacheco – Pedregulho.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Núcleo de Educação da Infância(NEI-UFRN) retorna às aulas no modelo híbrido no dia 26 de julho

Foto: Wallacy Medeiros

O Núcleo de Educação da Infância da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (NEI/UFRN) se prepara para retomar as atividades escolares no modelo híbrido no dia 26 de julho. O retorno será feito de forma gradual e escalonada, de acordo com as orientações do Conselho Nacional de Educação (CNE) e do Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

De início, voltarão as turmas dos 4º e 5º anos do Ensino Fundamental — Anos Iniciais e uma turma da Educação Infantil, mas o plano é de acrescentar gradualmente mais turmas com a melhora das condições sanitárias. Caberá às famílias optarem pela participação das crianças nas atividades presenciais, de maneira híbrida ou exclusivamente remota até que a pandemia da covid-19 esteja controlada.

A escola garante o funcionamento de um protocolo de biossegurança para retorno das atividades em formato híbrido. Foram realizadas adequações e reformas físicas necessárias, além do treinamento dos funcionários. Entre as normas de segurança, está o uso obrigatório de máscara por todas as crianças e adultos que estiverem nas dependência do NEI, aferição de temperatura, higienização das mãos, distanciamento dentro e fora das salas de aula e priorização dos ambientes ao ar livre para atividades pedagógicas.

Esta não é a primeira vez que o NEI experiencia o retorno. Foram duas vivências híbridas desde o início da pandemia. Em 2020 e em 2021, com as turmas dos 5º anos, foram realizadas atividades pedagógicas com o propósito de vivenciar o protocolo e ajustar condutas para retornar oficialmente agora.

A diretora do Núcleo, Maristela Mosca, comenta sobre o empenho da gestão para que o retorno aconteça e a parceria com o Centro de Educação (CE), com a Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp) e com a Reitoria. “É um trabalho coletivo que busca trazer as condições necessárias para este momento de retorno, desde o acolhimento pessoal e emocional dos nossos servidores, das crianças e das famílias até a organização dos espaços e tempos, das atividades pedagógicas, a preparação e distribuição da merenda, o treinamento e fiscalização da limpeza e higienização. Nossas expectativas centram-se na resposta a todos esses cuidados, no nosso papel de referência na educação no estado e na confiança de toda a comunidade escolar”, pontua.

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. Apenas a título de informação, o modelo de ensino que todos chamam de HÍBRIDO na verdade é modelo misto, pois o híbrido é quando parte da carga horária de determinado curso ou disciplina é ministrada presencial e a parte restante é ministrada no formato EAD. No caso do sistema que as escolas adotaram nesse período de pandemia, o formato é misto, pois o que acontece é que todos estão participando das aulas com o conteúdo sendo todo repassado (para a turma), de forma on-line (alguns alunos na sala de aula presencial e o restante da turma no formato remoto). Isso é sistema misto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Com apoio da Unicef, Unesco, OMS e OCDE, Saúde e Educação elaboram protocolo de retorno seguro às aulas

Foto: © Reprodução/Twitter/Ministério da Saúde

Os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, e da Educação, Milton Ribeiro, defenderam nesta quinta-feira (8) o retorno dos estudantes às salas de aula. Os dois anunciaram a preparação de um protocolo de retorno e fizeram, de forma conjunta, um “apelo” a gestores municipais e estaduais para que comecem de imediato a preparação para essa retomada.

Segundo o ministro da Saúde, 80% dos professores do ensino básico já receberam a primeira dose da vacina, o que possibilitaria, a partir de agosto, um retorno seguro às aulas. “Temos apoio da Unicef, da Unesco, da OMS e da OCDE [para isso]. Há absoluto consenso de que vacinação não é pré-requisito para o retorno às aulas. Vamos, portanto, criar um protocolo conjunto que será estabelecido por portaria interministerial, estabelecendo as regras para o retorno seguro”, disse ele ao reiterar que a narrativa de que o Brasil vai mal na vacinação já estaria se dissolvendo.

A expectativa é de que a portaria com o protocolo de retorno às aulas seja publicada no início da semana que vem.

O ministro da Educação disse que o país “chegou ao limite”. “Somos um dos últimos países com as escolas fechadas. A perda é acadêmica, emocional e pode até ser considerada nutricional para muitas crianças”, disse ele ao criticar “a falta decisão política dos entes federados lá na ponta”.

Na avaliação de Ribeiro, “alguns estados e algumas redes infelizmente estão politizando o assunto de educação, tratando as crianças como peça de manobra política”.

Ele criticou também discursos que tem ouvido, segundo os quais seria necessário vacinar crianças antes de se dar início ao retorno das aulas. “Daqui a pouco o discurso vai ser vacinar os pais e avós, e aí não se volta mais”.

Dirigindo-se aos “narradores da narrativa de que tudo vai mal”, que segundo ele “regularmente tomam emprestados exemplos de fora para mostrar nossos erros”, Ribeiro disse que, agora, o país tem de “buscar exemplos de fora para mostrar que estamos errados em não restabelecer a aula presencial”.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

    1. Vai fazer como seu inútil, que tudo vai pro STF,as porcaria de sindicato que manda nessa bosta.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Com novas regras, escolas do Rio e SP já podem ter 100% dos alunos presenciais na volta das férias

Foto: Leo Martins / Agência O Globo

As cidades do Rio e de São Paulo se aproximam do fim do rodízio em salas de aulas. Com novas regras, as escolas com mais espaço, em geral as privadas e de elite, poderão ter 100% dos estudantes presencialmente, em todas as classes e dias da semana. As mais apertadas, no entanto, continuam no no modelo híbrido, sendo parte das lições no colégio, e outra em casa.

Em São Paulo, o governador João Doria anunciou o fim da limitação de 35% da turma presencial, seja pública ou privada. Agora, a regra passa a ser o tamanho das salas: aquelas que comportarem todos os alunos com um metro de distância entre si poderão funcionar sem rodízio. A capital paulista decidiu seguir a mudança, que já está valendo.

— O avanço da vacinação e a redução de casos nos possibilita avançar em alguma flexibilização. Mas ainda é preciso tomar muitos cuidados, especialmente por causa da variante Delta, já identificada aqui — afirmou Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 do estado de São Paulo.

Na rede estadual do Rio, a liberação de alunos em sala de aula ainda é definida pela proporção da turma. Em cidades com bandeira laranja, como está a maior parte do estado, podem 50% dos estudantes. Aquelas no nível verde é possível 100% em sala.

No entanto, na cidade do Rio, responsável por regular a rede municipal e a privada, houve uma diminuição no tamanho da distância entre crianças: passou de 1,5 metro para um metro. A regra foi definida há duas semanas, após aprovação do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da prefeitura.

“A análise de um estudo feito em escolas públicas em Massachusetts, nos EUA, comparou o impacto de políticas de distanciamento de um metro e dois metros, mostrando que a diferença da distância recomendada não alterou o número de casos. Com isso, concluiu que políticas de distanciamento de um metro podem ser adotadas em escolas sem que a segurança da comunidade seja prejudicada”, divulgou o município.

Apesar de parecer pouca, essa diferença de 0,5 metro é fundamental para o fim dos rodízios. Com ela, algumas escolas privadas já decidiram e estão comunicando os pais de alunos que, na volta das férias em agosto, haverá a volta completa. Esses são os casos, por exemplo, da Eleva e do Colégio Recanto. A rede Mopi discute o tema, mas a tendência é definir a mudança também. No entanto, essa não deve ser a realidade da maior parte das escolas públicas da cidade, que possuem salas mais apertadas.

— Na sala do meu filho tem de 25 a 28 alunos e, com um metro de distanciamento, só cabem nove por vez — conta Cátia Guimarães, mãe de um estudante da rede.

Pais de alunos da rede municipal do Rio reclamam ainda que, além de diminuir a distância de alunos em sala de aula, a prefeitura do Rio decidiu acabar com as aulas ao vivo pela internet. Segundo Guimarães, a medida prejudica tanto os que optam pelas lições à distância, quanto aqueles que fazem o sistema híbrido.

— Quanto mais crianças entram no rodízio, mais tempo elas ficam estudando em casa. Hoje, os alunos da turma do meu filho vão para a escola semana sim, semana não. Com mais estudantes se revezando, podem passar para semana sim, duas não. E a aula ao vivo é o único momento em que os estudantes têm contato direto com o professor quando estão no sistema remoto— diz.

Desigualdade

Estudo do Instituto Unibanco e do Insper com base em pesquisas acadêmicas dos últimos dez anos descobriu que, mesmo em condições ideais, o ensino remoto consegue apenas 17% da aprendizagem esperada em Matemática e 38% de Linguagem.

Por isso, especialistas em educação se preocupam com a desigualdade de aprendizagem entre alunos de escolas funcionando integralmente de forma presencial e dos que seguem em sistema de ensino híbrido ou até mesmo completamente remoto.

No primeiro semestre de 2021, enquanto 18 redes estaduais tiveram 100% das aulas de forma remota, todas as particulares já foram autorizadas a passar para algum formato híbrido, no qual pelo menos parte das atividades é feita dentro da escola. E, nas últimas seis semanas, não houve proibição em nenhum momento de que a rede privada funcionasse com rodízio.

— Muitos jovens em situação de vulnerabilidade estudaram apenas com apostilas que eram corrigidas à distância por seus professores. Se a gente pensar no Enem, as chances desses alunos competirem com quem já passou pelo menos para o híbrido são muito desiguais — avalia Cláudia Costin, diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da FGV.

Nesta terça-feira, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que trabalha em uma portaria com o Ministério da Educação para disciplinar a volta às aulas no país. Por enquanto, outros estados e capitais têm regras mais rígidas do que as atuais de Rio e São Paulo — que, na prática, inviabilizam um retorno sem rodízio.

Rio Grande do Sul, Bahia e Minas Gerais determinaram uma distância mínima de 1,5 metros por estudante. Em Salvador e Porto Alegre também. Já Belo Horizonte determinou dois metros. No Distrito Federal, a regra define que metade da turma terá aulas presenciais em uma semana e o restante terá ensino remoto, alternando os grupos a cada semana.

— O mínimo razoável de distanciamento entre os alunos é 1,5 metro, atrelado a uma boa infraestrutura para oferecer salas arejadas, todos usando máscaras e passando álcool em gel ou lavando as mãos com frequência, a disponibilização de máscaras, de preferência a PFF2/N35, tudo isso em conjunto à vacinação — afirma Eliseu Waldnan, epidemiologista e professor da Universidade de São Paulo (USP).

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Os estados que querem voltar com 100% deveriam é fornecer Internet de boa qualidade nas escolas e para os alunos para que pudessem fornecer um ensino híbrido de qualidade e não expor a comunidade escolar dessa forma.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga diz que Brasil já tem cenário seguro para volta às aulas

Foto: João Gabriel Alves/Enquadrar/Estadão Conteúdo

Sem apresentar dados da vacinação dos professores no Brasil, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga diz que Brasil já tem um “cenário seguro” para a volta às aulas.

“Uma parcela grande de professores já está com a primeira dose da vacina contra a Covid”, afirmou Queiroga em evento da ONU Brasil sobre educação na pandemia.

Nas últimas pautas de distribuição de doses dos imunizantes pelo Brasil, o Plano Nacional de Operacionalização informou que concluiu a entrega de doses específicas para os profissionais da educação de ensino fundamental ao superior, passando pelos cursos profissionalizantes.

As orientações são definidas pelo Ministério da Saúde e as secretarias de saúde estaduais e municipais. Mesmo assim, os governadores têm autonomia para utilizarem as doses em grupos diferentes.

Por isso, encaminhar doses aos profissionais da educação não significa que todos foram vacinados. Essas doses podem ter sido utilizadas para outros fins como a vacinação de pessoas sem comorbidade por idade.

Portaria interministerial

O ministro Queiroga também disse que a sua pasta, o Ministério da Educação, a Advocacia Geral da União e a Casa Civil estão fazendo uma portaria interministerial para “disciplinar o retorno seguro das aulas”.

Queiroga não deu previsão de quando a medida será divulgada. De acordo com o ministro, mais de 5 milhões de jovens ficaram afastados das escolas durante a pandemia com “boa parte deles sem acesso, nem mesmo, às aulas virtuais”.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Esse Ministro boca-mole não sabe a realidade das escolas públicas brasileiras. É apenas mais um nazifascista disfarçado de Neo-pentencostal “enviado de Deus” para salvar a educação brasileira com a palavra de Deus. Ah vai procurar oq fazer.

  2. Foi só tirar o general de onde nunca deveria ter entrado que as coisas começaram a ter mais sentido, aliás, é lanentável o que esses senhores estão fazendo com a imagem das Forças Armadas, estão jogando as instituições mais respeitadas pela população brasileiras na vala comum. Deveria ser proibido usar ao assumir cargos políticos usar dos titulos e da patente. Nada de general, coronel ou cabo e etc… deveria ser tratado pelo nome normalmente, nem permitir que politico algum utilize pra fazer campanha política.

    1. Luladrão acabou com a credibilidade da Petrobrás, correios, e outras empresas privadas, como disse ciro, foi corrupto e corrompeu. agora Bolsonaro esta tentando desmoralizar as forças armadas e outras instituições serias. Cada Presidente canalha tenta derruba um pilar de sustentação da nação. Temos q encontrar um presidente com intenções já comprovadas. Moro 2022

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga defende volta às aulas mesmo que professores ainda não tenham a segunda dose

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu nesta segunda-feira (21) a volta às aulas presenciais já no segundo semestre, mesmo que ainda haja professores que não tomaram a segunda dose da vacina contra a Covid.

O ministro participou de uma audiência pública na comissão do Senado que acompanha as ações do poder público de combate à pandemia.

As aulas presenciais na rede pública de ensino nos estados foram suspensas assim que os primeiros casos de Covid começaram a ser registrados no Brasil, entre fevereiro e março de 2020. Até agora, não houve reabertura efetiva.

“Estamos há mais de um ano sem aulas, já distribuímos doses aos professores de atenção básica. No meu entendimento, não é fundamental que todos os professores estejam imunizados com duas doses para o retorno às aulas”, afirmou o ministro.

Queiroga disse que a testagem fará parte da estratégia para o retorno das aulas presenciais.

“Com a estratégia adequada de testagem, podemos compatibilizar o retorno das aulas com a identificação dos casos positivos e, a partir daí, ter, já no segundo semestre, o retorno de aulas”, completou o ministro.

País ‘testou pouco’

O ministro reconheceu que o país não aplicou a quantidade adequada de testes para lidar com a pandemia.

O resultado disso, segundo o ministro, é que não houve uma política apropriada de isolamento de pessoas infectadas.

“Além da vacinação, além do fortalecimento do sistema de saúde para atender os casos graves, nós temos que envidar outras ações como, por exemplo, uma ampla política de testagem. No ano passado, nós dispúnhamos do teste RT-PCR, que ainda é o padrão ouro, só que o Brasil testou pouco, e, em função disso, nós não tivemos uma política mais apropriada de isolamento dos casos positivos, bem como dos seus contactantes”, explicou Queiroga.

O ministro ressaltou que houve uma “evolução” da tecnologia com os testes rápidos e defendeu a testagem tanto entre os pacientes sintomáticos quanto os assintomáticos. Ele admitiu que o teste em pessoas assintomáticas não foi colocado em prática “como uma política pública coordenada nacionalmente”.

Queiroga defendeu ainda a testagem rápida em ambientes de grande circulação, como metrôs, rodoviárias e aeroportos. Segundo ele, o objetivo da pasta é testar 20 milhões de brasileiros por mês.

Com G1

 

Opinião dos leitores

  1. Já já professor público vai exigir 3ª dose para voltar a trabalhar!
    De um orgulho nacional para uma turma que não quer mais nada, uma pena!

  2. Vai ser tarefa hercúlea conseguir fazer essa turma voltar a trabalhar. Já vão com ano e meio de “férias”, quase “aposentados”. Se a educação do Brasil em geral já é péssima, no RN segue às moscas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Ministério Público e Defensoria pedem na Justiça que o Governo da Professora Fátima volte às aulas imediatamente

A Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Norte (DPE/RN) e o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e a entraram com pedido junto à Justiça potiguar para que o Governo do Estado autorize a retomada imediata das aulas presenciais em toda a rede estadual de ensino. Essas aulas devem ser de forma híbrida, gradual e facultativa nos Municípios em que não vigorem decretos restritivos de funcionamento das atividades escolares presenciais, tendo em vista que, no Decreto nº 30.596/2021, a restrição alcançou apenas os Municípios da Região Oeste.

A Defensoria Pública e o Ministério Público pedem a intimação pessoal da governadora do Estado e do secretário de Educação para, no prazo de 48 horas, instituam por ato normativo específico o Plano de Retomada Gradual das Atividades Presenciais da Rede Estadual do Rio Grande do Norte. A partir da data da publicação desse ato normativo, o Governo do Estado deve dar início às fases e estágios estabelecidos no Plano de Retomada, operacionalizando a sua implementação e observância do cumprimento dos Protocolos Gerais de Biossegurança para a Retomada Gradual das Atividades Escolares no Sistema Estadual de Ensino do RN.

O documento foi protocolado junto à 2ª vara da Fazenda Pública nesta terça-feira (25). No dia 21 de maio passado, a Defensoria Pública e o MPRN buscaram, mais uma vez, a resolução consensual da demanda em audiência extrajudicial com a Secretaria da Educação e com a Procuradoria do Estado. Nessa reunião, o secretário de Educação afirmou que ainda não existia calendário de retomada das aulas presenciais na rede estadual de ensino por não ter sido possível iniciar no dia 24 de maio deste ano a vacinação dos professores da educação básica.

No documento, a DPE/RN e o MPRN destacam que o plano de vacinação dos trabalhadores da Secretaria de Educação, inserto no Plano de Retomada Gradual das Atividades Presenciais da Rede Estadual de Ensino do Rio Grande do Norte, não é condicionante para o início das atividades presenciais, de forma híbrida e gradual, na rede estadual de ensino e não integra as obrigações pactuadas no termo de acordo firmado judicialmente, bem como que existe decisão judicial em ação civil pública que determina a observância da ordem dos grupos prioritários na forma prevista no Plano Nacional de Imunização.

A Defensoria e o MPRN também ressaltaram que “o fato do Estado do Rio Grande do Norte possuir competência concorrente para o estabelecimento de medidas restritivas para prevenção, controle e enfrentamento da Covid-19 não lhe autoriza, sem respaldo técnico, científico e epidemiológico, manter suspensas as aulas presenciais apenas para rede estadual de ensino, não se afigurando legítima e consentânea com os princípios constitucionais o tratamento diferenciado entre as redes de ensino”.

Como não houve consenso na reunião ocorrida no dia 21 de maio passado, a Defensoria Pública e o MPRN decidiram pedir o cumprimento dessa obrigação prevista no termo de acordo extrajudicial homologado judicialmente como forma de se resguardar o direito fundamental à educação dos mais de 220 mil alunos matriculados na rede estadual de ensino do Estado do Rio Grande do Norte.

Opinião dos leitores

  1. SANTA HIPOCRISIA!
    PEDEM PARA TIRAR OS PROFESSORES DAS PRIORIDADES PARA VACINA E EM SEGUIDA QUEREM ABRIR AS ESCOLAS E OBRIGAR OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO E OS FILHOS DOS MAIS POBRES E DESPROTEGIDOS DENTRO DO MATADOURO.
    DA SÉRIE PERGUNTAR NÃO OFENDE: ” O MP E A DEFENSORIA ESTÃO ABERTAS PARA ATENDIMENTO E TRABALHO PRESENCIAL PARA TODOS?

  2. Fatinha devia vender os prédios das Escolas Estaduais e seus equipamentos, já que estão abandonados. Imaginem computadores, periféricos, máquinas, projetos e outros parados desde o início da pandemia? Os custos vão ser astronômicos, a sociedade vai ter que pagar tudo e recomeçar do zero. Com o dinheiro arrecadado, pagar as folhas atrasadas, as diárias operacionais, aumento dos auditores e reajustar as gratificação dos professores… É só ma sugestão!

  3. Professores das escolas privadas estão trabalhando desde setembro do ano passado, cadê a vacinação PARA eles????

  4. O sindicato vai ao STF para garantir o direito de continuar recebendo sem trabalhar.
    Alguém tem notícia das aulas que os alunos da rede pública estadual estão recebendo?
    Qual a razão do pessoal de farmácia, supermercado, transporte público, hospitais, restaurantes, construção civil entre outros, continuarem trabalhando normalmente, e os professores da rede pública só reclamando? Eles são melhores que os demais em quê?
    Nem precisa entrar na questão política, todos sabem que o sindicato do ensino púbico é dominado pela esquerda a mais de 30 anos.

  5. Fátima é nitidamente contra a educação e a favor da doutrinação. Nossa (des)Governadora é a maior Genocida que nosso estado já viu, atualmente está matando a educação e o futuro de uma geração inteira.

    FORA FÁTIMA! IMPEACHMENT JÁ

  6. Será que os promotores, defensores, juízes já retornaram ao trabalho presencial tbm ? Tenho minhas dúvidas !! E com esse desgoverno q não dá a mínima condição das escolas retornarem em segurança, fica difícil !!

    1. Imagina a insalubridade que estão essas escolas públicas.Algumas com o matagal passando por cima dos muros.

  7. Cadê a vacina para os professores que realmente estão trabalhando presencialmente.Os guerreiros das escolas privadas?

  8. ENTRA NA JUSTIÇA PRA ZONA NORTE SER ATENDIDA POR ESSES ORGAOS TAMBÉM, JÁ QUE FORAM EMBORA DAQUI., MP E DEFENSORIA FAZEM AS PESSOAS SAIREM DA ZONA NORTE DE NATAL PRA IREM A ZONA SUL, COMO SE AQUI NAO FOSSE NATAL, SEM CONTAR QUE O FORUM DA ZN TAMBÉM NAO FUNCIONA MAIS…..

  9. Infelizmente os órgãos vão ficar desmoralizado mais uma vez. A governadora ignora o poder deles e passa por cima dos mesmos como um trator desgovernado.

  10. Rindo até 2030 …MP mandar kkkkkkkkkkkkk🤣podem escrever ✍🏻, sindicato irá entrar na justiça impedindo os malandros de trabalharem, podem pedir a PIZZA , peça par o MP também , se estivéssemos na PB o caso seria DIFERENTE, lá político respeita MP

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Pais de alunos do Núcleo de Educação da Infância(NEI/UFRN) pedem retorno de aulas

Carta aberta em defesa do ensino híbrido

O Brasil é um dos poucos países no mundo a manter as escolas fechadas, de forma ininterrupta. Há mais de um ano as aulas presenciais públicas estão suspensas no país. O que tem ficado cada dia em maior evidência é que ao flexibilizar as medidas de isolamento social, o país optou de forma geral pela abertura de shoppings, restaurantes e bares, e por manter escolas fechadas.

A importância que o espaço escolar possui até mesmo para as condições de saúde, visto que a merenda oferecida por muitas escolas é a garantia de uma alimentação melhor para milhares de crianças. A escola é também um espaço de escuta atenta a problemas de natureza emocional, como crianças que sofrem violência física. O contexto da pandemia prejudicou a saúde mental de professores, que viram seus territórios profissionais virarem de cabeça para baixo da noite para o dia, e também a saúde mental dos próprios pais e crianças. Isso significa que, em vez de apontar dedos, o momento é de unir forças. Precisamos ter em mente que todos perdemos, e estamos em luto social. Todavia necessitamos seguir em frente, com planejamento criar formas para minimizar os estragos ocorridos.

Falando especificamente do NEI-CAp/UFRN, sempre houve uma integração família-escola, na tentativa de prover o melhor aprendizado possível para nossas crianças. Agora não seria diferente!!! As crianças do NEI são engajadas e têm compreensão do mundo, pois lá elas aprendem que “A leitura do mundo precede a leitura das palavras”. Quantas vivências, partilhas e emoções poderiam estar sendo divididas com amor e clareza, sem a separação de uma tela.

Toda criança tem o direito de estar na escola. Estar! Está claro no estatuto da criança e do adolescente, artigo 53 (inciso I), a criança e adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-lhes igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. O fechamento das escolas amplia as desigualdades de aprendizagem e prejudica crianças e jovens vulneráveis de forma desproporcional. Quando lidamos com educação, a decisão de hoje terá impacto no mundo de amanhã.

Vale lembrar que a OMS, o Unicef e a Unesco elaboraram um conjunto de medidas para reabrir as escolas com segurança, divulgado ainda em 2020, um guia para a retomada das aulas presenciais em todo o mundo. Essas instituições afirmam, que a volta às aulas deve ser prioridade no processo de reabertura das economias. “As escolas deveriam ser as últimas a fechar e as primeiras a reabrir em uma pandemia”. A diretora-geral da Unesco, a organização da ONU para educação, ciência e cultura, não muda uma vírgula no discurso: “a saúde precisa agora ter mais espaço no currículo escolar”.

Entendemos que por se tratar de um momento com muitos medos, a família também tem o direito de escolha. Diante disso, o projeto de retomada que nos foi apresentado anteriormente pela coordenação, mostrava competência, cuidado e respeito com as escolhas de ir ou não ao presencial. O ensino hibrido precisa ser implementado! De modo geral, o retorno às aulas tem estabelecido um rodízio de alunos para se reduzir as aglomerações nas escolas e garantir a proteção à saúde de todos. E se existe ambiente de ensino público mais preparado para essa retomada em nosso estado do que o NEI, nós desconhecemos. A instituição tem um corpo docente extremamente capacitado e sensível para enxergar e propiciar esse retorno. Nós acreditamos e confiamos em vocês!!! É preciso dar o pontapé inicial, é preciso ser representativo e estimular os órgãos públicos (municipais e estaduais) a fazerem o mesmo para garantir o direito da escola a milhares de crianças e adolescentes. É preciso continuar sendo pioneiro em tantas e tantas conquistas a nível educacional. A importância da comunidade escolar do NEI nessa retomada, tem impacto além de suas crianças matriculadas, pode e deve ser estímulo para as demais instituições. As crianças precisam! Vamos NEI! Famílias, crianças e escola, engajados neste retorno – de forma gradual, escalonada e com responsabilidade.

Opinião dos leitores

  1. Penso da mesma forma. E os pais podem optar por não enviar seus filhos num primeiro momento, até que sintam segurança. Quanto aos professores e funcionários, creio que a escola pode, a exemplo de outros entes públicos, manter em trabalho remoto os integrantes de grupo de risco, até que todos venham a ser vacinados.

  2. Esta Carta não representa a visão de todos os pais, mães e familiares do NEI. É uma carta equivocada que não leva em consideração que vivemos em um momento excepcional, e que apenas citar leis que invocam o direito de ir e vir e o direito de ir à escola sem a devida contextualização do tempo que vivemos sob a ameaça da pandemia da covid-19, que tem ceifado milhares de vidas diariamente, é negar as evidências científicas. Isto é negacionismo disfarçado. Um absurdo. Temos que confiar na ciência e aguardar as orientações dos especialistas para um seguro retorno às aulas presenciais ou híbridas.

    1. Nem sua opinião representa a visão de ninguém, senão a sua… em qual ciência você confia? Fala aí de algum especialista que detenha a posse da verdade…

  3. Tenho filho no NEI. Ano passado foram 1h30 por semana e esse ano 1h por dia. Uma escola que tem estrutura para voltar com planejamento, mas se aproveita da condição de escola pública e com a excelente retórica das mestres e doutoras professoras discursam para convencer pais e alunos de que esse é o único caminho. Lamentável.

  4. Ter a possibilidade de um ensino híbrido de excelência e um avanço.
    Tem todo o apoio de minha família.

  5. E quem assina a carta? Todos os pais de alunos do NEI com certeza não são. Numa sociedade onde bar e restaurante são indicadas pela câmara municipal como atividade essencial fica muito complicado discutir os argumentos colocados nessa carta como justificativa de reabertura da escola, ainda que no formato híbrido. Com esse jogo de tornar as ações de combate a pandemia atos políticos, quem mais sofre, nesse caso, são os alunos, nossos filhos. Em tempo: Blog do BG com toda certeza não é o fórum mais adequado para tratar deste tema.

    1. A minha filha estuda no NEI. Ano passado tinha 1h30 de aula por semana e esse ano tem 1h por dia. E tudo está como “dado”

  6. Engraçado… tem professor postando foto passeando em shopping, mas não quer a volta as aulas porque corre risco.

  7. Os professores com o seu salário na conta não estão nem ai. Não demonstram a menor intenção de voltar. Faz de conta que ensinam alguma coisa com lastimáveis “encontros virtuais” pra bater papo e contar carga horária.

  8. É revoltante a gente ler uma verdadeira súplica dessa, beirando a humilhação, para tentar convencer profissionais a cumprir com suas obrigações. Esses professores deviam se envergonhar do que estão fazendo. Não há justificativa moral que se sustente numa mínima ciência, para essa recusa ao trabalho.

  9. A preguiça é uma “doença” muito contagiosa. Já não gostam muito de trabalhar e vivem de greves eternas. Agora, arranjaram um ótimo pretexto para receber salário sem precisar trabalhar. Muitas categorias profissionais NUNCA deixaram de trabalhar e tornam possível o ócio remunerado de certas “castas”, cujas vidas devem valer mais que outras. Nada justifica essa falta de aula tão prolongada.

    1. Então, não é de ninguém pois isso não aconteceu. O próprio Diretor da Pfizer disse isso. As narrativas mentirosas, ancoradas na falta de caráter de muitos, é um dos maiores problemas escancarados por essa pandemia.

  10. Todos os dias temos aula online…TODOS!
    Esses que falam serão os 1os a responsabilizar a UFRN caso, que Deus nos livre, uma criança venha a contrair a doença (mesmo que não tenha sido a escola a culpada)

    1. Já está cientificamente provado que crianças não transmitem o vírus e são praticamente imunes a seus efeitos mais graves. Veja as estatísticas. Por isso, inclusive, estão no final da fila de vacinação. O problema não é a saúde, o problema sempre foi a PREGUIÇA e o cômodo privilégio de receber o salário sem precisar trabalhar.

    2. Não são aulas on line.
      Como eles fazem questão de dizer são Encontros Virtuais, que na prática se transformam em bate papo virtual.

    3. Alguém acredita na ciência vaca louca citada aqui? Essa comprovação só existe na cabeça desse debiloide.

    4. Direita honesta, só os meus sobrinhos contaminaram oito pessoas e se contaminaram dentro da escola.

    5. Então nenhuma criança morreu de covid?
      Era tudo mentira da mídia?
      Meu Deus…
      Tu viu onde, no grupindozap?

    6. “Quem”foi o cientista que comprovou que criança não pega? Terá sido o da gripezinha (Drauzio)? Ou o que disse que muitos nem sentiriam nada (Mandetta)? Algum já publicou e assinou? E a criança que morreu dia desses? Não conta? Estarem no final da fila não significa em nada que crianças não possam adquirir o vírus, principalmente diante das novas cepas. Estar no final da fila não lhes garante nada.

  11. Se fosse uma empresa ja estaria falida…. mas como é bancada com dinheiro do povo, fica fechada por mando de sindicatos. Hoje entendo que sairia mais barato bancar bolsas de estudos, do que manter universidades publicas. Pesquisa neste país pode ser feito por outros meios.

  12. Temos de preservar nossos mestres, então nem venham com essa deles voltarem a dar aulas presenciais, isto seria um escárnio.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

ALÉM DE 160 MIL: Educadora alerta que número de crianças e jovens no RN excluído da educação na pandemia apontado por estudo da Unicef é ainda maior; veja prejudicados

Foto: Reprodução/Twitter

A professora, diretora Executiva do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE) e ex-secretária de Estado da Educação do Rio Grande do Norte, Cláudia Santa Rosa, destaca que o estudo “Cenário da Exclusão Escolar no Brasil”, do Unicef/Cenpec, que revela revela que 160 mil crianças e adolescentes na faixa dos 6 aos 17 anos ficaram excluídos da educação no Rio Grande do Norte durante a pandemia. Veja o estudo completo aqui.

Enquanto o estudo diz que 24,9% da população de jovens e adolescentes entre 6 e 17 anos do RN não frequentou a escola em 2020, assim sendo o 2º pior percentual entre os estados do Nordeste e o 6º pior entre os 26 Estados e o Distrito Federal, a ex-secretária de educação também pontua dados fora dessas estatísticas:  que a análise não considera as crianças da Educação Infantil e nem os jovens com + de 17 anos que cursam o ensino médio. “Ou seja: a exclusão é maior. Rio Grande do Norte só perde para a geografia do Norte e para a BA”, alerta.

(Foto: Reprodução/Twitter)

Veja mais: RN tem 160 mil crianças e adolescentes excluídos da educação na pandemia, aponta estudo do UNICEF

Opinião dos leitores

  1. VERGONHA é o que estão fazendo com a educação no RN, total descaso.
    É um absurdo, mais de um ano sem aula e nada de se estabelecer o retorno. Já passou da hora da Secretaria de Educação do Estado resolver o problema.
    Estão usando a vacina como desculpa, o que ocorre é falta de vontade de resolver o problema. Não é possível que nada possa ser feito.
    Muitos outros profissionais seguiram trabalhando na pandemia: saúde, segurança pública, comércio essencial, etc., mas na educação a vontade de NÃO trabalhar parece que supera tudo.

  2. Seria cômico se não fosse trágico. O governo de uma professora fechando escolas e destruindo a educação !!!

  3. tá certo, antes da pandemia só tinhamos Einsteins… por favor né. Vão pra escola so por causa do lanche, é o tempo todinho com celular na mão, estudar que é bom nada!

    1. Pelo seu raciocínio tosco, só pelo lanche já valeria a pena reabrir as escolas.

    2. Verdade. No ensino superior tb é assim. Maioria no corredor ou na sala conversando. Estão nem aí pra professor

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Governo do RN publica no Diário Oficial revogação de decreto que autorizava volta às aulas presenciais

Foto: Reprodução/Diário Oficial do Estado

O governo do Rio Grande do Norte revogou, nesta sexta-feira (30), o decreto publicado na quinta-feira (29) em que autorizava a volta às aulas presenciais em todos os níveis da educação básica nas escolas públicas e privadas do Rio Grande do Norte, que atendia a decisão do juiz Artur Cortez Bonifácio, da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, do último sábado(24).  A publicação do novo decreto, com a revogação, ocorreu após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes anular a decisão da Justiça do Rio Grande do Norte que determinava o retorno das aulas presenciais no estado. (LEIA AQUI a íntegra da revogação).

 

Opinião dos leitores

  1. Bares e restaurantes pode. Escolas não. Tudo nesse país é diferente do normal. Bandido envestigando etc.

  2. BG gostaria de pedir a vc para que através do seu blog esse comentário/sugestão para pedir a nossa governadora Fátima Bezerra se tinha possibilidade de o pagamento do estado referente ao mês de maio que geralmente é pago no dia 15 de cada mês, em decorrência do dia das mães seja antecipado no mesmo formato dos meses anteriores más que fosse antecipado para o dia 08/05 portanto uma semana antes para que possamos comprar um presente pra nossas mãezinha e consequentemente ajudaria ao comércio local, desde já agradeço se der certo.

  3. Parabéns Governadora!!
    Quanto mais sem conhecimento o povo ficar, melhor para a tirania.

  4. alguém ainda tem esperança de voltar presencial em 2021? não se iludam, quando começar a vacinação vai ser bem 2 meses pra vacinar todos os professores, depois são 3 meses entre as doses… vamos ser realistas, só em 2022 pessoal

  5. motoristas de ônibus também têm direito à vacina e a fazer, mas se o sindicato é fraco, fazer o que?

  6. Imaginem se os motoristas de ônibus, os funcionários de supermercados, os garis, os policiais e tantos outros dissessem que só trabalhariam se fossem vacinados !!! A educação nunca foi prioridade. Formamos militantes e defensores de Karl Max, cidadãos que exigem muitos direitos, mas abominam os deveres, são massa de manobra dos partidos de esquerda e não possuem consciência crítica, pois conhecem apenas um lado da moeda. Educação para quê, se ela liberta ???

  7. É isso aí… Esse é o governo da professora que ninguém conhece um aluno dela. Essa é a “guvernadora” que tem ódio de trabalhadores, empresários e estudantes. RN pra baixo e avente…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Alexandre de Morais derruba decisão que determinava retorno das aulas nas escolas públicas do RN

Foto:  Reprodução

O ministro do STF, Alexandre de Moraes, cassou a decisão do juiz Artur Bonifácio, que determinava a liberação do retorno das aulas nas escolas públicas.

O ministro atendeu liminar pedida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Ram ( Sinte).

Com isso, as aulas presenciais na rede pública do Estado seguem indefinidas.

Com Justiça Potiguar

Opinião dos leitores

  1. sou um leigo do direito, mas foi a primeira vez que vi uma ação de primeira instância pular direto para o STF, e outra o aluno pobre tem notebook ou celular potente e pode pagar Internet pra assistir aulas? alguém pode me ajudar entender?

  2. eu espero que depois desses 2 anos sem aulas o professor volte a ser respeitado. Tá fazendo falta né? Vocês não aguentam 1 filho dentro de casa, imagina aí 45 em uma sala de aula! Os professores querem trabalhar, mas ninguém quer morrer. Depois que sair a vacina para todos e tiver as condições de trabalho aí voltam. 2021 presencial não vai rolar, aceitem!

  3. Isso é uma vergonha. Nessa pisada aí, aula agora só em 2022, porque no dia que começar a imunização, vem o tempo das duas doses, uma greve pra variar, aí completa mais um ano sem aula

  4. Estão se esforçando bastante para por a opinião pública contra a classe dos professores e estão conseguindo. A preguiça disseminada na categoria e a péssima qualidade da educação no Brasil (no RN parece até pior) estão destruindo a sua reputação.

  5. O ministro do supremo agindo como quem tem amor e respeito a vida. Temos 400 mil mortos, chegaremos a 500 mil até o final de maio se não for feito nada. Sei que a bolsoninhada, assim como o seu presidente, não está nem aí para 400 mil mortes. Ainda bem que o supremo e o congresso têm agido com bom senso em relação a pandemia. Vejo a discussão de políticos governistas para declarar como essencial a educação e é. Mas o que eles fazem é hipocrisia para alimentar seus sentimentos necrófilos. Por que a educação não era essencial quando queriam acabar com o Fundeb? Por que a educação não é essencial quando foi pra congelar o salário dos professores? Por que não foi essencial para darem o piso salarial? Por que não foi essencial para garantir internet grátis para os alunos? Por que não foi essencial para garantir celulares para alunos pobres assistirem aulas? Por que a educação não foi essencial para garantir internet nas escolas? Os bolsonarianos gostam do caos, desse ambiente cheio de cadáveres, do desrespeito a vida, de violência, do deboche, da ignorância e, principalmente, da mentira. Respeitem os professores, já que não respeitam os seus pais, suas mães e seus filhos quando não se preocupam nem um pouco em expo-los em um momento mais grave da pandemia. Vcs não tem ideia do quanto trabalha um professor, pois para isso é preciso ter a sensibilidade de ver e participar do trabalho deste professor, mas bolsoninhada só olha pra sí, embora o discurso seja o mais hipócrita possível. Dinheiro não salva vidas, o vírus não faz distinção de classes, então o quanto mais pudermos reduzir aglomerações, mais iremos combater este vírus. O normal hoje é a solidariedade, é reduzir lucros, é garantir políticas que amenizem a dor e as dificuldades das pessoas. O presidente americano está dando exemplo ao querer taxar as grandes fortunas para garantir ajuda aos mais necessitados. Lá mudaram o presidente e mudou tudo, já estão até doando vacinas para quem não tem e até julho irão vacinar e imunizar todos os americanos. Para isso, tiraram o louco que pensava ser dono do país, só isso e tudo mudou.

  6. vejo que tem gente aqui muito desinformada… está tendo aula remota! Outro comentário: tem celular e não quer estudar… Meu amigo, se o aluno não quer estudar, não vai ser a escola que vai resolver isso, eduque seu filho. Escola é lugar de aprender geografia, história, biologia e etc. Interesse pela vida se ensina em casa, agora se seu filho não quer nada com a vida deve estar se baseando no exemplo do pai!

  7. Os sindicalistas pelegos e professores estão comemorando a decisão do Ministro Alexandre de Moraes.
    Final de semana as praias vão está lotada de professores e sindicalistas.

  8. E o fim do nosso Brasil vei de guerra , a profissão que mais eu admirava, hj uma meia duzia preguiçosa , indo as praias, associacoes , e trabalhar que e bom , nada, salário na conta final do mês , já pensou se os motoristas, policiais , corpo de bombeiros , pessoal da saúde antes de serem vacinados, fizessem a mesma coisa, morreriamos todos, até os professores , que diga se de passagem , toda profissão , passa pelo professor , bom seria, se os que são professores de verdade, se revoltassem com esses faz de conta, que pensão mais em política, do que na profissão

  9. Sou professor da rede estadual, sou a favor do retorno gradual e responsável das aulas presenciais. Mas não suporto ver comentários de gente desinformada falando que os professores estão sem dar aulas. Para a informação de todos, o ensino remoto é um desafio bem maior que as aulas presenciais. Parem de colocar a opinião pública contra os professores.

    1. Nas suas aulas remotas, qual o percentual de aprendizes que tem acesso à ela, em comparação com o número de aprendizes em regime presencial? Quantos deles acompanham adequadamente os conteúdos remotos? E quanto aos distratores, vocês tem o domínio adequado para fazer com que os estudantes fiquem atentos à aula como deveriam? As competências e habilidades de cada conteúdo são atingidos adequadamente? Como vocês controlam o processo avaliativo? O rendimento acadêmico é o mesmo? Com relação aos aspectos quantitativos e qualitativos, como você avalia suas aulas remotas?

  10. Conheço algumas pessoas que são alunos do ensino público estadual e eles praticamente não assistem aula. Quem tem celular e se interessa, assiste quando tem, coisa rara e caso contrário, nada, sem aula, sem fiscalização, sem aprender.
    Fiquei pasmo ao saber que a maioria passou de ano sem qualquer dificuldade, não existe organização das atividades, presença ou quem faz as provas. Quem muito se esforçou fez trabalho no lugar da prova e assim vão passando de ano, embora continuem sem saber escrever corretamente e tendo dificuldades nas contas básicas de somar e diminuir.
    A desorganização é geral, não existe controle de nada. A educação virou a ilha da fantasia, o paraíso do faz de conta. Mas os salários estão em dia sem que a enorme maioria não trabalhe.
    Causa espanto ver que ninguém se preocupa com o que vem acontecendo no ensino público estadual, a única providência, é continuar sem aula e que a educação não entre no rol das atividades essenciais

  11. Hoje tem festa no sindicato dos militantes esquedistas dos professores ! Enquanto a pobre sociedade chora.. a ausência de ensino, socialização, interação, ALIMENTAÇÃO, E TEMPO para os pais trabalharem

  12. Nenhuma surpresa, nem da parte desse sindicato nem, muito menos, da parte desse ministro do STF. Sindicato de professores que é contra a educação e governadora “professora” que fecha as escolas. O RN vai muito mal.

  13. Tem gente aqui q parece q levou um “grau” de professor no passado… Raiva da bixiga de professor … Tem algum amor recolhido … Ou trauma de professor

  14. Parabéns governadora professora Fatima, um dia as paredes serão derrubadas e por trás a verdade aparecerá. Votei na última eleição em Fatima, mas hoje estou a procura de um candidato para o governo.

  15. Claramente o judiciário está agindo politicamente. Vergonha para o Brasil. Único país do mundo que proíbe a volta as aulas.

  16. A que ponto chegamos, o SINTE ir ao judiciário para que os professores continuem sem dar aula e recebendo normalmente seus salários.
    Como a rede pública estadual vem dando aula de março de 2020 a abril de 2021?
    Como e quantos são os alunos da rede pública de ensino básico e fundamental que conseguem acompanhar as aulas em casa?
    Qual o aproveitamento desses alunos? Como eles são avaliados? Foram aprovados ou reprovados?
    Como os alunos do ensino básico, aqueles que estão nos dois últimos anos antes de tentar um curso superior, estão tendo aulas?
    Porque motorista de ônibus e aplicativos, pedreiros, padeiros, bombeiros, policiais, farmácias, enfermeiras, práticos, dentistas, médicos devem continuar trabalhando e os professores das escolas públicas não? Onde os professores são melhores que os demais?
    Nossa educação é um exemplo do quanto a qualidade e compromisso com o ensino no Brasil é sucateado, sem qualidade, serve apenas de puxadinho da ideologia de esquerda onde o estado tem o dever de pagar aos professores sem dar aula.
    Como fica o decreto da governadora que diz para as aulas no ensino público voltarem a partir do dia 03 de maio?

  17. É o atraso da sociedade. Escolas fechadas e os professores veraneando. Este é o nosso Brasil…

    1. Os professores estão trabalhando remotamente, seu estrume!
      Vacine-os (e aos alunos) e eles retornam a sala de aula…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Sinte-RN diz que Rede Estadual só volta ao trabalho presencial após vacinação e aprova recurso ao STF contra decisão de juiz

Foto: Sinte-RN

A Rede Estadual reafirmou que o ensino presencial nas escolas públicas do Rio Grande do Norte só será retomado após a vacinação em massa da categoria. A deliberação foi tirada em assembleia virtual realizada nessa segunda-feira (26) ao longo de quatro horas e meia. Contando com a participação de quase 800 trabalhadores em educação, um recorde absoluto em assembleias remotas promovidas no RN, foi reafirmado que a redução da ocupação dos leitos críticos, a garantia de biossegurança nas escolas e o índice de transmissibilidade abaixo de 1,0 são outras condições determinantes para a retomada.

O encontro ainda aprovou que o SINTE/RN deve protocolar uma Reclamação Constitucional junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). A ideia é derrubar a decisão do juiz Artur Cortez Bonifácio, da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, que no último sábado (24) determinou que o Governo do Estado tinha 48 horas para permitir a retomada das aulas presenciais. O objetivo da entidade é manter a decisão que o STF proferiu em 2020, determinando que Estados e Municípios têm autonomia para estabelecer restrições na circulação de pessoas quando objetiva controlar a disseminação da Covid-19, embora os decretos mais rígidos se sobreponham sobre os mais brandos.

No entanto, por ora, o Governo do RN anunciou que vai recorrer da decisão do juiz Artur Bonifácio, medida que trouxe um certo alívio para a educação. Apesar do posicionamento do Executivo Estadual, ficou acertado que em 13 de maio, um dia após expirar o último decreto fixado pelo Governo, acontecerá nova assembleia virtual. Na ocasião, será avaliada a possibilidade de greve caso a categoria seja obrigada a voltar ao trabalho presencial em plena segunda onda da pandemia.

Leia matéria completa AQUI.

Opinião dos leitores

  1. Só agora estão percebendo que existe atraso intelectual!🤔 Falta perceber que há muito existe lutas para a uma educação de qualidade! Onde estava esse povo que só agora vê que a escola é importante?? Voltem para a insignificância que é não reconhecer o trabalho digno de um professor!

  2. Correto. O Estado brasileiro tem três áreas de atuação principais, essenciais por sua própria natureza ( para os desavisados: não precisa nem de lei p dizer isso ) que são saúde, segurança e educação. Sendo assim, os profissionais dessas áreas devem (ou deveriam) ser tratados com prioridade em relação à vacinação. Já deveriam estar todos vacinados.

  3. Imagine se fosse o sindicato dos médicos e o dos profissionais da saúde requerendo a mesma coisa?
    Qual seria o comportamento da sociedade potiguar? Aceitaria tudo isso de forma passiva? Porque não venham me dizer que a rede pública de saúde tem excelente infraestrutura para atender adequadamente os pacientes!
    Então médicos e profissionais da saúde vão à luta, vão além das condições que lhes são dadas para ofertar a melhor assistência possível ao seu paciente/ cliente. Não ficam de mi, mi, mi há mais de 1 ano sem trabalhar. A meta é nenhum a menos!
    Enquanto isso, estamos diante de uma epidemia de analfabetismo funcional (mais de 1 ano sem aulas) que vai impactar diretamente no futuro de toda uma geração de estudantes porque uma parcela dos professores do ensino público (devem ser maus professores, diga-se de passagem) se acham melhor que boa parte da população do RN. O que estamos vivenciando na educação pública do RN é algo como se os médicos e demais profissionais da saúde deixassem de atender seus pacientes – e isso geraria um caos.
    Pois bem, essa parcela de professores que não têm nenhum compromisso com a educação está provocando um imenso caos no futuro de nossas crianças, jovens e adolescentes.
    Portanto, é missão dos bons educadores (e temos muitos nesse RN de meu Deus) peitar esse grupinho baderneiro que está sujando a imagem de uma das classes profissionais mais importantes de uma nação. Não deixem que eles condenem nossas crianças ao atraso intelectual, ao ostracismo, à chance de ter uma vida socioeconômica melhor no futuro.
    Se as escolas não têm a infraestrutura adequada, lute pela sua escola, vá à justiça e à imprensa, busquem o apoio da comunidade, elaborem estratégias de ensino diferenciadas. Saiam de suas zonas de conforto. Exerçam o juramento que vocês fizeram no ato da colação de grau.
    O que está pegando mal é recorrer ao estado de greve e à justiça somente com o intuito de deixar tudo como está.
    Lamentável!

  4. Essa é a turma do fique em casa. Salario em dia, etc. Já tem amiguinhos morando na praia 🌴. Né isso vizinho…..

  5. Deveria causar perplexidade, deveria parecer surreal, mas em país onde a educação é dominada pela doutrinação de esquerda, ver professor defender que a educação não é essencial soa comum, visceral, banal.
    Afinal qualquer sociedade vive sem educação, sem ordem, sem segurança, precisa apenas de 01 dono, 01 mandatário que mande e decida tudo e os demais seguem, precisam apenas receber o sustento.
    Para tentar entender essa defesa irresponsável que a educação não é essencial, precisa e deve começar mudando o significado, o sentido de essencial.
    Ver um professor defender que a educação não é essencial, demonstra o quanto, alguns professores, os dominantes que estão em sindicatos, direção e coordenação, não tem compromisso com a profissão que exerce, são apenas agentes políticos que levam o pior e mais deplorável exemplo de formação social a quem deveria ter a missão de educar.
    Agora fica evidenciado o objetivo maior do atual quadro de professores públicos, nunca foi a educação e sim, unicamente, seus salários e a doutrinação política. Se alguém tinha dúvida, essa defesa insana extingue qualquer incerteza nesse sentido.

  6. Bando de preguiçosos
    Já pensou se os Policiais, motorista de ônibus etc. para as atividades para retornar só quando se vacinarem

  7. tá mais do que certo, ficar em uma sala com 40 alunos sem estar vacinado é pedir para se contaminar. Aí tem gente que diz: ah, mas e o motorista de ônibus? Merece também, o sindicato deles que corra atrás da vacina!

    1. Parabéns como vc é impar. olhar pro próprio umbigo é fácil, vc deve ser servidor publico que esta recebendo sem trabalhar. então significa que nem a mascara previne de pegar. então até o comitê cientifico (da governadora) esta errado.

    1. Queria ver se o pessoal da farmácia e do supermercado e ônibus fizessem o mesmo. Este pessoal tem coragem e vão à luta todos os dias, não tem salário garantido pelo estado que cobra imposto dos que trabalhando para manter o país funcionando

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Fátima afirma que aulas presenciais retornam quando condições epidemiológicas permitirem

Foto: Fabiano Trindade

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, acompanhada do vice-governador Antenor Roberto, abriu na manhã desta segunda-feira, 12, por meio virtual, a Jornada Pedagógica 2021 da rede estadual de ensino promovida pela secretaria de Estado da Educação e Cultura (Seec). Ao finalizar a sua participação, a chefe do Executivo estadual falou sobre o retorno das aulas presenciais no RN.

“As atividades presenciais na educação vão retornar quando as condições epidemiológicas avalizadas pelo Comitê Científico permitirem. Deixo duas frases de Paulo Freire que sempre nos inspiram – Ensinar não é só transferir conhecimento, mas criar condições para sua construção; e educar é, antes de tudo, um ato de amor. E mais do que nunca precisamos de amor, de compreensão e cooperação para superarmos as dificuldades”, concluiu.

Opinião dos leitores

  1. critérios epidemiológicos para a decisão sobre o funcionamento das escolas;
    prioridade na vacinação de professores e funcionários das escolas;
    prevenção ao contágio de estudantes, profissionais e familiares pelo novo coronavírus;
    igualdade de condições de acesso ao aprendizado;
    equidade para o estabelecimento de prioridades na alocação de recursos e ações voltadas ao retorno às aulas;
    participação das famílias e dos profissionais da educação;
    parâmetros de infraestrutura sanitária e disponibilização de equipamentos de higiene e proteção, como máscaras, álcool em gel, água e sabão;
    parâmetros de distanciamento social e prevenção;
    avaliação diagnóstica de aprendizado e ações de recuperação;
    critérios para validar atividades não presenciais quando as aulas presenciais forem suspensas, sem prejudicar os alunos que não tiverem acesso frequente aos meios tecnológicos de comunicação.

  2. E se ela “inventar” de voltar às aulas presenciais, os professores da rede pública entram em greve. Estão acostumados a receber salário sem trabalhar e não querem o retorno.

  3. Diante da falta de atitude desse governo e da preguiça de grande parte dos professores da rede pública, imagino que NUNCA. E o que foi feito nas escolas públicas em preparação para esse retorno? NADA! E o pessoal do ensino privado vai a reboque, para não ficar ainda mais feio para o estado. Governo caótico.

  4. As previsões de boas condições epidemiologicas, infelizmente, não são nada animadoras. Não acredito que Papo_Reto e esse imbecil Tico de Adauto tenham filhos, assim, óbvio que se trata de dois imbecis, que não avaliam o prejuízo dessa previsão, ademais, elogiar esse traste que hora desgoverna o estado, só concretiza o que a maioria pensa, vamos a 2022 para ver, teremos quatro anos perdidos em todos os sentidos.
    ” O homem que passou pela vida e em plácido repouso adormeceu, não foi homem, foi espectro de homem que passou pela vida e não viveu” tai os quatro anos das nossas vidas no RN, representados por essa inepta em todos os sentidos.

  5. Já vai pro segundo aniversário abandonada a educação no RN.
    E a desgovernadora, segue sem criar as mínimas condições pro ensino voltar.
    RN véi sem sorte, era pra esse estado viver brilhando, mas falta gestão, falta governo.

    1. Não sei dizer lucis.
      Só sei no RN.
      Fátima ta destruindo o Estado.
      * saúde
      *educação
      * segurança
      Nunca estiveram tão ruins.
      Tudo entregue as baratas.
      – hospitais fechados em plena pandemia.
      – Escolas fechadas.
      – polícias até outro dia, dormindo no chão, quase um por cima do outro.
      Péssimo esse governo.
      E pensar que o povo achava o governo Robinson ruim, mas esse superou todos, o RN nunca esteve tão desgovernado como agora.
      Lamentavelmente.

  6. Eita como tem babão de gd…..em quase todo país às aulas presenciais voltaram, só aqui no RN essa idiota insiste em manter as aulas on line para prejuízo dos alunos…..Governo incompetente.

    1. É muita incompetência, o principal que são os recursos tem, mas nem gastar sabe, pobre RN

  7. Corretíssima.Os casos de covid estão muito altos.Natal já está com quase 100 por cento de ocupação de leitos.Com muitos jovens.Vai circular mais gente com esses ônibus lotados.( Que ninguém resolve,)porém se a governadora falar somente de escola pública sem condições epidemiologicas e deixar a particular funcionando é incoerente .

    1. Falou mais uma professora ou funcionária pública que não quer trabalhar.

    2. Vamos cortar o salário dos professores que não estão trabalhando em 50% e pagar auxílio pra quem está passando necessidades pela pandemia.
      Num instante tinha aula!

    3. Corta os salários, muito justo, não trabalha, não ganha…voltava bem ligeirinho

    4. Enquanto os professores da rede pública recebem salários sem trabalhar, esse privilégio é negado a outras categorias que trabalham para permitir o ócio dos docentes. Será que os garis poderiam “ficar em casa”? E os empregados de supermercados? E ninguém se admira com isso. Quanta hipocrisia!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Promotora dá “aula” e usa argumentos científicos, técnicos e jurídicos para cobrar volta às aulas

Promotora de Justiça, Gerliana Rocha, da Justiça da Infância e da Juventude, detalha ação do Ministério Público do RN que defende a retomada das aulas presenciais nas redes estadual e municipal de ensino.

Entrevista foi dada ao Meio Dia RN, da 96 fm, com Bruno Giovanni, Ciro Pedroza, Mariana Vieira e Luciano Kleiber. MP aponta que, se precisar fechar as escolas, tem que fechar primeiro as atividades que não são essenciais, pois a escola é sim atividade essencial.

Opinião dos leitores

  1. Não existe outra forma do MP garantir o acesso à Educação aos estudantes que não seja no sistema presencial? Por que o MP não impõe ao governo, já que não está abrindo para o serviço presencial, garantir o remoto dando os recursos necessários para os estudantes aprenderem em casa com maior segurança sem correr o risco da contaminação? Ao responder, quando foi questionada sobre a paralização do serviço presencial do MP, a promotora, disse que o MP está trabalhando de forma remota e dando condições de oferecer esse serviço a população… por que não garantir que as escolas façam o mesmo? Por que não fazer o mesmo estudo que fizeram, e comprovaram que o custo benefício de trabalhar remoto era viável para os servidores do MP, para as escolas? Quem tem maior chance de se contaminar, um promotor que atenderia no seu espaço uma ou duas pessoas por vez em sua sala, podendo manter a distância recomendada, ou o professor que tem que ter contato físico com seus alunos? Vejo nos argumentos da promotora que a preocupação é que a criança coma, porque falta alimentação em casa, que não apanhe, que não seja abusada, que dê descanso aos pais que estão enlouquecidos com as crianças em casa sem fazerem nada…..mas é realmente esse o objetivo da escola, dar comida, ficar com as crianças por um tempo para dar sossego aos pais, para que não sejam abusados durante 4 horas ( porque quando retornarem o abusador vai estar lá)? Por isso que do início ao fim dessa entrevista reina a hipocrisia! Hipocrisia porque o MP está recomendando algo que não estão fazendo, trabalho presencial. Hipocrisia porque justifica dizendo que está conseguindo dar a mesma assistência à população, quando sabemos que não conseguem. Porque diz estarem preocupados com a Educação, que nesse caso é a aprendizagem do aluno, quando na verdade fica claro que a preocupação é com outras questões. Entendo que a Educação desempenha papel social TAMBÉM, que é importante para minimizar as questões da miséria dos abusos, porém é preciso ficar claro que a comida pode chegar às casas dos estudantes mesmo com as escolas fechadas, veja as cestas que foram distribuídas ( e que deixaram de ser não sei a razão, pq o dinheiro pra merenda existe… e onde está?), pode-se pegar o dinheiro que se usaria para equipar as escolas para equipar os alunos com os recursos necessários, as questões de abusos e maus tratos, há entidades responsáveis por essas fiscalizações, e não é o professor nem a escola necessariamente quem precisa dar conta disso, pode-se investir em propagandas para informação e orientação para denunciar esses abusos…..enfim, percebe-se uma preocupação com tudo, menos com aquilo que realmente importa…a defesa em prol do conhecimento fica apenas como apelo emocional para sensibilizar aqueles que estão desinformados, para não dizerem que agem de má fé ao querem impor as condições precárias das escolas em plena pandemia aos alunos e funcionários das escolas públicas…..esse debate é uma amostra de como as classes dominantes, que têm acesso a tudo, pensam aqueles que estão à margem da sociedade…. os professores têm obrigação de lutar para que as aulas presenciais não voltem, por eles e pelas crianças. Ainda vejo que são os únicos que realmente se preocupam de verdade com Educação e com os estudantes, todo o resto é balela!

  2. Os promotores que não tem contato direto com o público, não atendem pessoalmente por causa da covid. No entanto, querem obrigar os professores que tem contato direto com muitos alunos e esses alunos têm contato com outras varias peasoas, isso numa crescimento exponencial de contatos. É muito fácil querer que os outros se contaminem, enquanto se protege. Falácias. Sejam humanos, cobrem as vacinas para os professores.

  3. Promotora foi perfeita nas suas colocações e argumentos. Quem não é favorável ao retorno das aulas presencias, certamente é aquele funcionário sindicalista que só gosta de fazer barulho e exigir. Trabalhar que é bom….só 1 ou 2 meses no ano! E olhe lá…..

  4. Por que o MP está em trabalho remoto? Faço essa mesma pergunta para os vereadores e deputados que defendem o ajuntamento de crianças nas escolas. Como controlar 30, 40 crianças e fazerem cumprir o protocolo? Quantas crianças poderão ser contaminadas caso uma delas seja contaminada por familiares e vá para a escola? Gostaria que o MP começasse dando o exemplo, com certeza, as condições sanitárias dessa instituição, como da câmara e assembléia, são infinitamente melhores que nas escolas públicas, como também, as condições sócios econômicas de quem frequenta (trabalha) o MP, a câmara e a assembléia e as escolas públicas. Então, comecemos por instituições que reúne as melhores condições, inclusive de deslocamento, a dá o exemplo de ajuntamento obedecendo as condições sanitárias estabelecidas. É o lógico.

    1. Pouco embasamento no que diz, não foi visitar as escolas, não sabe como os professores tem trabalhado!

  5. Parabéns a Dra Gerliana por toda preocupação com retorno das aulas. A educação é essencial é às crianças estão com direitos negados. Se os professores não recebessem salários talvez voltassem as aulas. Uma dica…

  6. No dia que o servidores ministério público voltarem a trabalhar presencialmente esta Dra terá moral para falar estas coisas.

  7. Aquela velha turma recebendo auxílio moradia na casa dos milhares, salário na conta todo mês, gratificações e penduricalhos. Turminha toda trabalhando remotamente no ar-condicionado, MacBook e lanchinho feito pela empregada sugerindo q o professor peão vá meter a cara. No mínimo é bolsominio, tomou ivermectina e deve tá super ansiosa pra entrar no camarote da vacina, enquanto o povão se lascando nas filas. Bora trabalhar presencialmente “dotôra”. É só 1 gripezinha.

    1. Os professores estão trabalhando mais que presencialmente. A senhora está muito desinformada sobre o assunto. Sabe quantas horas trabalhamos por dia? Temos que planejar a aula, adaptá-la para executá-la em modo remoto, preencher formulários pra tudo que é gosto, entregar plano de aula, lançar na plataforma material para estudo e atividades, realizar exposição dos conteúdos por videoconferência, atender alunos em qualquer turno pelas redes sociais, participar de reuniões, geralmente noutro turno para não desassistir os alunos, pegar atividades na escola para corrigir, corrigir e arquivar por meio eletrônico as atividades enviadas pelos alunos por e-mail, redes sociais e por plataformas disponibilizadas ao professor. Isso correspondente a muito mais que um turno de trabalho.

  8. O gasto com a educação pública é realizado em sua grande maioria com verbas de programas federais com destinação específica (Programa Dinheiro Direto na Escola, Programa Nacional da Alimentação Escolar, Programa de Transporte Escolar, Programa de distribuição de material didático escolar…). Se não ocorrem aulas há mais de um ano, como esse dinheiro foi gasto? Nesse período, houve programa de capacitação de professores? Reforma das escolas? Treinamento de professores e funcionários para a educação durante e no pós pandemia? O MPRN fez uma apuração desses questionamentos com base em dados e documentos?

  9. São Paulo – Até este domingo (14), 329 casos de covid-19 foram confirmados entre professores e outros trabalhadores da educação estadual, em 186 escolas públicas de São Paulo. Os dados são do levantamento diário que vem sendo realizado pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), junto aos profissionais da educação, desde o início do planejamento das aulas presenciais, em 1º de fevereiro. O número casos de covid-19 em escolas paulistas já dispara, já que em 8 de fevereiro haviam sido detectados 209 casos em 96 unidades. Ao menos sete funcionários morreram em decorrência da doença em escolas de São Paulo, São José do Rio Preto, Leme, Praia Grande e Guapiara.

    Apesar do aumento, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não comenta os dados denunciados pelos docentes. Na semana passada, sete escolas foram fechadas devido aos casos de covid-19, confirmados e suspeitos. Mas a decisão sobre as aulas presenciais permanece, e vem sendo aplicada também pelos municípios. A capital paulista retornou nesta segunda (15) com o ensino mesmo diante dos altos índices de contaminados e mortos pela covid-19.
    Fonte: rede Brasil atual (FEV/21)

  10. Cara, chame um professor que está no chão da escola, dando aula remota na rede pública (não o sindicato) e bote ele pra argumentar e debater com a promotora. Depois você vai constatar quem dá aula.

    1. Ministerio publico e justiça, essenciais, estao trabalhando presencialmente?

  11. Aguardando o comentário do jagunço que faz o papel de pixuleco, ze gado, natalense, tico de adauto etc etc etc etc etc etc etc etc etc…
    Anda sumido, por certo recebeu ordens pra engatar marcha ré, diante do desmantelo do governo Fátima do PT, ta na moita, envergonhado, derrotado, sem argumentos.
    hehehehehehehehe
    Mito 2022 a 2026 babacas!!!
    Pode juntar corruptos, façam o mói num fecho só pra gente derrotar todinhos de uma vez nas urnas em 2022.
    Xau!!!
    Querido!
    Kkkkkkkkk

  12. muita burrice voltar as aulas agora morrendo 4200 por dia.
    tem que vacinar os professores primeiro, uma coisa é você trabalhar no aberto, outra é dentro de uma sala com 50 alunos, a chance de se contaminar é de 100%

    1. 100!?!?! Com um discurso desses já dá pra saber que falta muita vergonha na cara do povo Potiguar!

    2. Falta vergonha na sua cara deslambida, desinformado. Vá enfrentar uma sala de aula? Claro que não! Um comentário desses é típico de um péssimo aluno.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

“No dia que o comitê científico disser que podemos voltar a gente vai retornar as aulas”, diz secretário de Educação do Estado

O secretário de Estado de Educação Getúlio Marques afirmou nesta quarta-feira (7) que as aulas presenciais na rede estadual de ensino só voltarão, de forma gradativa, quando o comitê científico recomendar o retorno sem risco para estudantes, professores e os demais profissionais de educação. A declaração foi uma resposta à ação judicial protocolada pelo Ministério Público exigindo que o Governo do Estado autorize a volta às aulas, independente da vacinação. A Justiça ainda não se pronunciou sobre a ação do MP.

Marques reconheceu que assinou um protocolo de intenções a pedido do MP prevendo o retorno das aulas para fevereiro de 2021, mas também admitiu que falhou na estimativa em razão do agravamento da pandemia:

“Falhei na previsão de assumir com o MP esse ponto. Não sei se fui o único do país, acho que não. Mas não é fácil, esperava que a situação estivesse melhor e a pandemia recrudesceu”, disse, destacando o papel do comitê científico na orientação das recomendações para o Governo:

“No dia que o comitê científico disser que podemos voltar a gente vai retornar as aulas. Estamos preparados”, afirmou.

Com Saiba Mais – Agência de Reportagem

 

Opinião dos leitores

  1. Ou seja, digam adeus à educação pública do RN, que já era muito ruim. Essa governadora está acabando com o estado. O RN será terra arrasada após esse governo caótico.

  2. Nós temos que entender que temos que esperara a greve dos professores que já foi incluído no calendário anual, só assim volta as aulas, para não ter que parar novamente.

  3. E mais ou menos assim: Os professores da rede privada tem compromisso com o trabalho e zelam por seus empregos se a escola fica fechada perdem o emprego e um coisa bem logica.

    Alguns professores da rede publica defendem o “fica em casa” por que sabem que o seu esta garantido então por que se arriscar?

    Os professores deviam ser os próximos a se vacinas, todos sabemos como e a educação no Brasil ai vem essa pandemia já era….

  4. As escolas estão prontas, foi feito a manutenção elétrica / hidráulica / pintura e conservação dos prédios ? E a GREVE dos professores começa quando ? Tem que avaliar tudo isso para poder divulgar o calendário anual.

  5. corte 50% do salário dos professores da rede pública que eles implorarão para voltar se possível no mesmo dia, sequer vão lembrar-se da vacina!

  6. Pelo que o Secretário falou todas as escolas já estão com as medidas sanitárias instaladas e prontas para uso, será verdade ou jogo de Marketing ?

  7. Meu amigo, passou literalmente por cima do Ministério Público. Em outras palavras disse: vocês é nada são a mesma coisa. Que desmoralização para uma Instituição antes tão respeitada.

  8. Será nunca, se depender desse comitê, dos professores e sindicatos de pelegos.
    BOLSONARO TEM RAZÃO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Decreto no RN libera aulas em sistema presencial e remoto até o 5º ano fundamental; demais níveis, inclusive, superior, seguem suspensas

Segundo o novo decreto estadual, com validade de 05 de abril ao dia 16, em razão da essencialidade das atividades educacionais, poderão funcionar em sistema híbrido (presencial e remotamente) as escolas e instituições de ensino até o 5º ano do fundamental I, da rede privada de ensino, conforme a escolha dos gestores educacionais e dos pais ou responsáveis legais, desde que atendidas as regras estabelecidas nos protocolos sanitários vigentes.

Permanecem suspensas as aulas presenciais, para os níveis, etapas e modalidades educacionais não contemplados das unidades das redes pública e privada de ensino, incluindo instituições de ensino superior, técnico e especializante, devendo, quando possível, manter o ensino remoto.

Opinião dos leitores

  1. Não há comprovação científica para esse “corte”, Lucis. As aulas deveriam ter sido liberadas para todas as idades, desde que adotadas medidas sanitárias e de distanciamento. Aliás, tais medidas são mais difíceis de adotar para crianças.

  2. Até o quinto ano pq os pequenos se adoecerem de covid a tendência de complicações é minima.Ja os alunos mais velhos podem adoecer e complicar já é o que estamos vendo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *