Judiciário

Corregedoria do TRE-RN recomenda que diplomação de eleitos seja virtual ou com limitação de público seguindo protocolos sanitários

Foto: Divulgação/TRE-RN

O Corregedor Regional Eleitoral, desembargador Cláudio Santos, publicou recomendação às Zonas Eleitorais para a diplomação dos candidatos eleitos nas eleições municipais 2020, em face do cenário da pandemia do Covid-19.

A orientação é que os presidentes de Juntas Eleitorais possam fazer o ato de diplomação por meio de videoconferência, ou em formato presencial seguindo os protocolos sanitários e com limitação de público.

Mais detalhes AQUI via Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Não sou dono da verdade, bem jurista, nem político. Mas sempre achei que não deveria haver eleições. Mas manda quem pode….

  2. Palhaçada ….tem que colocar essas mortes da segunda onda do COVID na conta do TSE , que liberou as eleições , agora vem com esse mimimimi

  3. liberaram tudo agora vem com essas medidas.
    desde o início era pra ser tudo virtual .
    e no dia da eleição ter seguidos os protocolos tudo aglomerado. não teve vigilância nem orientação aos eleitores .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Comissão decide que segundo debate entre presidenciáveis nos EUA será virtual, e Trump diz que é “ridículo” e não vai participar

Foto: Reprodução/GloboNews

A comissão que organiza os debates entre os dois principais candidatos a presidente dos Estados Unidos, Joe Biden e Donald Trump, anunciou nesta quinta-feira (8) que o segundo confronto entre eles será feito remotamente, sem que os dois estejam no mesmo local. O encontro está agendado para o dia 15 de outubro.

Trump disse que se recusa a participar de um debate virtual. Ele deu uma entrevista por telefone a um programa da rede de TV Fox.

“Eu não vou perder meu tempo com um debate virtual, essa não é a ideia de um debate. Senta-se atrás de um computador e se debate, é ridículo. Isso não é aceitável para a gente”, disse ele.

O primeiro debate entre os dois aconteceu em 29 de setembro. Três dias depois, Trump anunciou que estava com Covid-19. Os candidatos a vice também tiveram seu confronto, que foi presencial, nesta quarta-feira.

O presidente afirmou que só soube da decisão de organizar um debate virtual nesta quinta-feira, minutos antes de sua participação por telefone no programa de TV. Ele acusou a comissão que organiza o debate de tentar proteger Biden.

O presidente foi hospitalizado no dia 3 de outubro e voltou à Casa Branca na segunda-feira. No dia de seu retorno, afirmou que estava ansioso para participar de um segundo debate com Biden. Nesta quinta, Trump disse que se sente “pronto para voltar a fazer campanha”, mesmo sem ter se curado.

Em nota, a comissão afirmou que o segundo debate terá o formato de um encontro com eleitores. Os candidatos vão participar de locações remotas e distintas. O texto cita a saúde e segurança de todos os envolvidos como um dos motivos para o formato.

O plano é que o moderador, Steve Scully, conduza o debate de um centro de convenções em Miami. Eleitores da região sul do estado da Flórida vão fazer perguntas aos candidatos.

Primeiro debate

O primeiro debate entre os dois candidatos aconteceu no dia 29 de setembro. O confronto foi marcado por interrupções e acusações entre os dois.

Falando muito desde o começo, Trump quase não deu espaço para o adversário, interrompendo inclusive o moderador e tornando difícil a distribuição do tempo.

Biden, irritado, chegou a pedir para que Trump se calasse para que pudesse falar: “Você quer se calar, homem?”.

Veja alguns dos temas que foram debatidos no primeiro encontro:

A indicação para a Suprema Corte da juíza Amy Coney Barrett;

A força dos grupos mais radicais de esquerda dentro do Partido Democrata;

Os impostos de Donald Trump, que teria contribuído com US$ 750 em 2016 e não pagou nada em dois anos anteriores;

Os protestos e atos políticos durante a presidência de Trump

Debate por transmissão em 1960

Esta não é a primeira vez que um debate de presidenciáveis nos EUA é organizado para ser realizado sem que os debatedores estejam em um mesmo local.

Em 1960, John F. Kennedy e Richard Nixon fizeram um encontro via transmissão (um deles estava em um estúdio na cidade de Nova York, e o outro, em Los Angeles).

G1

Opinião dos leitores

  1. Sr. Arthur lave a boca, educação, respeito e parcimônia advém da família e do caráter, esse seu comentário é grosseiro e despropositado, eivado de ignorância, lembre-se que vc muito parecido com um ser humano, pode eventualmente sofre uma queda ou acidente, aí vc vai implorar pela misericórdia de Deus e Justiça dos HOMENS.

    1. Você sempre se porta grosseiramente e debochado, agora tomou as dores do Pr.? Tenha vergonha na cara, hipócrita.

    1. A Dilma e o Lula não levaram facada e também fugiram dos debates.

  2. Trump tem razão. Debates, aulas, exames médicos têm que ser atividades presenciais entre outras centenas. O resto é medo, preguiça, impossibilidade…….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Conselho da Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN) passa a julgar recursos fiscais de forma virtual

As sessões que estavam suspensas devido às medidas de isolamento social poderão ser retomadas para julgamento de matérias de baixa complexidade de forma remota. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta terça-feira

Uma medida tomada pela Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN) vai permitir a retomada dos julgamentos dos recursos impetrados por contribuintes que estavam suspensos devido às medidas restritivas para a não aglomeração de pessoas e afastamento social devido ao novo coronavírus (Covid-19). A SET decidiu que as sessões de julgamentos do Conselho de Recursos Fiscais (CRF) passam a ser realizadas também remotamente, através de videoconferências. A medida foi publicada na edição desta terça-feira (19) do Diário Oficial do Estado.

As sessões de julgamentos que, antes eram apenas realizadas presencialmente, terão esse novo recurso, mas, somente para as matérias de baixa complexidade – aquelas decorrentes de decisões reiteradas e objetos de súmulas. A decisão assegura o direito do contribuinte ou ao seu representante legalmente habilitado à sustentação oral, para que possa defender os argumentos. E esse procedimento estava paralisado em função da pandemia. Com essa decisão, as sessões serão retomadas.

O contribuinte interessado na sustentação oral virtual precisa se inscrever até 48 horas antes da realização da sessão junto à secretaria do conselho, pelo e-mail crf@set.rn.gov.br, e na oportunidade receberá as instruções necessárias para a participação.

Com essa inovação, parte dos processos prontos para julgamento e retidos em virtude das medidas de contenção e combate à pandemia poderá ser submetido ao plenário virtual. O CRF é composto por sete conselheiros e do representante da Procuradoria Geral do Estado (PGE), e é um órgão de segunda instância que julga recursos administrativos interpostos de decisões prolatadas em primeira instância, nos litígios entre contribuintes e a Secretaria da Tributação, decorrentes da aplicação da legislação tributária.

Opinião dos leitores

  1. Porque não criam um conselho para julgar os descontos que são feitos em folha de pagamento do funcionalismo público estadual e que nao são repassado ao banco

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Virtual, mas bem real, sexo online mexe com cotidiano das quarentenas

Foto: Ilustrativa

Quando a quarentena acabar, o roteirista P.N., 28, que pede para não ser identificado por motivos que serão conhecidos a seguir, terá que bloquear alguns contatos de sua lista no WhatsApp. “Acho que uns 40”, diz ele, brincando com a situação. “É tanta gente que combinei de fazer sexo que é melhor nem ver depois.”

Lá se vai quase um mês desde que ele transou com alguém, “apesar de não ter sido exatamente… bom”.

A não ser, claro, que sexo virtual também conte. E, para ele, contou.

Desde 15 de março, ele passou a trabalhar em casa e só sai esporadicamente para ir ao supermercado. Foi ali, nos primeiros dias, que as coisas pareciam que seriam mais fáceis e prazerosas no resguardo.

“Estava excitado, não só no sentido sexual, mas com a situação nova”, diz. Tanta excitação culminou em dias intensos de prazer bem real, apesar da distância dos parceiros. Tudo estritamente virtual, como convém em época de pandemia do novo coronavírus.

O mesmo não pode dizer o barista Rafael Facury, 25. Apesar das regras e recomendações, ele saiu nesta semana com uma moça que conheceu no aplicativo Tinder.

Solteiro há pouco, a pandemia estaria atrapalhando sua vida sexual, não fossem os “avançados recursos de telecomunicação”. “Tem o lado do ego, é legal a pessoa querer te ver ou querer receber um nude, mas o negócio do sexo virtual rola mesmo”, diz.

No app de paquera, Rafael conheceu algumas mulheres durante a quarentena. Com umas saiu, com outras fez sexo virtual. “Conheci uma, começamos a ‘trocar ideia’ e ela já me passou o WhatsApp.

No dia seguinte me chamou para ir na casa dela e já mandou uma foto pelada. Meu Deus, coisa linda!”, diz. “Mas por enquanto foi só via celular.”

Até aí tudo bem, para Rafael e para o roteirista lá do início desta reportagem. Acontece, porém, que aos poucos algumas coisas foram ficando mais claras —o que está longe de significar que as conclusões deles sejam uma regra.

O ímpeto e o interesse de P.N. pelas relações sexuais online, hoje, após quase um mês de quarentena, já não é o mesmo. “No começo fiz bastante, mas agora não ando com saco para mais nada disso”, afirma. “Estou me masturbando normalmente, mas só isso.”

Importante dizer que todos com quem ele transou pela internet ou pelo celular eram de alguma forma conhecidos. “São caras que ou eu conheço ou pelo menos sei quem são, tenho atração. Tem uma questão de segurança, porque tem muita gente louca por aí”, diz.

A queda de interesse por esse tipo de sexo não se deve a uma lista de conhecidos restrita, mas ao fato de que, em um determinado instante, para ele, o esforço estava sendo maior do que o prazer obtido.

“O sexo virtual é muito mental. É diferente de se masturbar, mas tem a ver com imaginação e fantasia”, diz. “Quando você está com alguém, frente a frente, tem outros sentidos envolvidos como o toque.”

Para Rafael, a segurança também é um ponto a observar. “Às vezes, elas pedem para a gente mandar [nudes], mas mando sem mostrar o rosto. Vai saber onde a foto vai parar.”

A questão para ele recai mais sobre o afeto ou a falta dele. “Claro que é legal ver uma pessoa diferente pelada, mas é muito melhor quando é alguém que você conhece e tem uma relação, carinho.”

É exatamente o caso da estudante de psicologia M.A., 27. Após um namoro de pouco mais de um ano, ela rompeu a relação há uma semana, bem no meio da quarentena. Há poucos dias transou virtualmente com…seu agora ex-namorado.

Ela conta que nunca foi muito entusiasta da prática, a não ser em ocasiões em que a distância falou mais alto, como durante viagens dela ou do ex. “Manter o contato é importante. Você não vai sentir o cheiro da pessoa, mas vai compartilhar um momento íntimo”, afirma.

Entra nessa equação também a confiança no parceiro. Mas, mesmo assim, ela diz, a mulher sempre está mais exposta às consequências de ter um nude ou um vídeo vazado. “Um homem não perde o emprego quando isso acontece. A mulher, sim”, diz.

Outro ex-namorado da jovem tem vídeos dela, feitos quando estavam juntos. Apesar de conhcer e confiar no antigo companheiro, ela diz se sentir insegura até hoje. “Não tem como ter confiança absoluta em um individuo que faz parte de um problema estrutural maior: o machismo”, afirma.

Experiências como a dela mostram que o sexo pode até ser mais uma das carências que saltam aos olhos durante um período de confinamento, mas é o mais difícil de se lidar. “É a grande prova de fogo. Outras privações são mais toleráveis, principalmente para os mais jovens”, diz o psicanalista Flávio Carvalho Ferraz, professor do Instituto Sedes Sapientiae.

Nesse contexto, a saída virtual parece inevitável e lógica, mas tem seus limites, diz Ferraz. “Tenho dúvidas se isso pode dar conta. Tem coisas que são mais pungentes e só o contato físico pode suprir”, afirma. “Não estou dizendo que é melhor ou pior, apenas que pode haver um limite.”

Essa relação marcada pelo fator espaço embute em si algo que pode se revelar um problema com o passar do tempo.

“Como há esse limite, podemos ver uma reação extrapolada após o final da quarentena”, diz o psicanalista.

Para o psiquiatra e psicanalista Ricardo Biz, casos em que o sexo virtual é uma forma de defesa podem causar problemas. “Toda defesa psicológica chega uma hora que satura. E os sintomas podem vir das mais variadas maneiras.”

Apesar das dificuldades, há quem consiga lidar com a abstinência e mesmo assim começar um relacionamento em meio à quarentena. A administradora de empresas, T.O., 23, conheceu seu “crush”, no Tinder, em meio à pandemia. Desde então, há 15 dias, um faz parte da vida do outro. Até filmes assistem juntos.

“Juntos” é força de expressão. Eles assistem separados, cada um em sua casa, mas combinam de apertar o play no mesmo instante e não param de trocar impressões sobre o filme no WhatsApp. O último foi, claro, um romântico: “Como eu era antes de você” —sobre o relacionamento amoroso entre um homem paraplégico e sua cuidadora.

“A gente tem se falado todos os dias. Como temos o gosto muito parecido, sempre conversamos sobre músicas e filmes, um compartilha uma música nova com o outro.”

A quarentena, para ela, que não gosta de fazer sexo virtual, impediu que qualquer coisa mais quente acontecesse. Não por falta de vontade. “Com certeza! Se a gente tivesse nessa intensidade ao vivo, já teria acontecido alguma coisa.”

GAROTAS DE PROGRAMA FAZEM PROMOÇÃO

Nem precisou a ministra Damares Alves pedir duas vezes: garotas e garotos de programa entenderam o recado da titular da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos e estão em home office online.

Sites de acompanhantes têm estampado anúncios citando os perigos da pandemia do novo coronavírus e destacam profissionais disponíveis para atendimento virtual.

Na última semana, o ministério lançou uma cartilha de prevenção ao novo coronavírus voltada para a população LGBT. Uma das orientações do material é que profissionais do sexo se adaptem para oferecer serviços virtuais.

Programas que chegam a custar até R$ 500 a hora são oferecidos por R$ 200, meia hora, em sua “versão digital”. Esses são os valores para quem se interessar em fazer sexo com uma das acompanhante de um dos maiores sites de São Paulo.

À Folha, uma mulher, de 28 anos, afirmou que o atendimento seria feito pelo WhatsApp, mas ainda não tinha feito nenhum. Segundo ela, os programas presenciais caíram mais de 80%, e essa foi a saída para tentar recuperar ao menos parte de sua renda mensal, de cerca de R$ 15 mil.

No dia em que a reportagem entrou em contato, ela afirmou que havia feito dois programas normais durante a semana e que virtualmente não havia feito nenhum.

Desconfortável com o sexo online, ela prefere o sexo convencional e diz que, apesar da pandemia, não iria parar com os atendimentos presenciais.

Se o sexo virtual parece levar vantagem em dias de pandemia, o pornógrafo e produtor visual Jeffe Grochovs, 28, vê nisso uma oportunidade.

Ele, que lançou um site “pornô desviante”, chamado Ediyporn, diz que as pessoas podem aproveitar esse período em que muita pornografia é consumida para repensarem a relações com essas produções e se abrirem para novas formas de consumo.

Folha de São Paulo

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Secretaria Estadual de Tributação informa que atendimento ao contribuinte será virtual

A Secretaria Estadual de Tributação do Rio Grande do Norte (SET-RN) direcionou o atendimento ao público para os canais eletrônicos, como call center, e-mails e Unidade Virtual de Tributação (UVT), e suspendeu o presencial. A medida foi tomada após a instituição do Decreto Estadual nº 29.513, que trata das regras de controle da pandemia do Covid-19, o coronavírus, no Rio Grande do Norte. A SET orienta os usuários a não compareceram às unidades em Natal e Interior e, ao invés disso, recorrerem ao atendimento virtual.

O órgão formou um comitê interno para tratar das principais ações para mitigar os efeitos e propagação do vírus. O grupo temo como estratégia nivelaras informações para adoção de medidas preventivas nos espaços atendimento físico na capital e seis cidades do interior, priorizando o relacionamento com o contribuinte a distância e revendo o calendário de eventos presenciais e coletivos.

As fiscalizações também não serão prejudicadas. Os auditores fiscais vão atuar para que não sejam geradas filas nas operações de trânsito, e intensificado o trabalho de inspeção de cargas nos centros de distribuição e nos Correios, o que não requer contato com pessoas. As operações de itinerância, que são as visitas in loco às empresas, continuarão e não serão afetadas.

A princípio, as medidas serão adotadas valerão pelos próximos 30 dias. No entanto, poderão ser tomadas outras mais rígidas caso o cenário se agrave. Todas as decisões sobre o funcionamento e operacionalização dos serviços da Secretaria de Tributação estarão em decreto que será publicado nesta quarta-feira (18).

COMSEFAZ sugere medidas

Os secretários estaduais de fazenda, tributação e finanças de todas as unidades da Federação sugerem a instituição de medidas econômicas para enfrentar a crise decorrente da pandemia de coronavírus. As sugestões estão em uma carta, divulgada nesta segunda-feira (16) pelo Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do DF (COMSEFAZ) após o anúncio pelo governo de pacote para combater os impactos do vírus.

As recomendações dos titulares das fazendas estaduais levam em consideração a necessidade da manutenção dos serviços prestados ao público, destinação de recursos para a área da saúde, o impacto recessivo na economia local e necessidade de adoção de ações de combate aos efeitos do vírus, que vão exigir a liberação imediata de recursos.

As propostas dos secretários incluem pedido pela liberação emergencial de mais recursos para as Secretarias Estaduais de Saúde; liberação emergencial de recursos livres para reforçar a capacidade financeira dos Estados; e suspensão dos pagamentos de amortização e juros de dívidas com a União e bancos públicos, assim como das operações de crédito com aval da União, por 12 meses, postergando os prazos de amortização das operações de crédito enquadradas por igual período.

Assinada pelo secretário Estadual de Tributação do RN, Carlos Eduardo Xavier, e titulares da pasta correspondente nos demais estados, a carta propõe a aprovação imediata das medidas contidas no chamado Plano Mansueto, como a liberação de limites e condições para contratação de novas operações de crédito e linhas de crédito do BNDES para os estados.

“Entendemos que essas medidas são essenciais neste momento para o enfretamento do coronavírus, cujo atendimento dos pacientes e medidas de prevenção recaem principalmente sobre os estados, que já enfrentam – a maioria – dificuldades financeiras. A situação requer uma sensibilidade da União”, reforça Carlos Eduardo Xavier.

Além disso, os Estados querem o rebaixamento da meta de superávit primário do governo federal, para que não haja ameaça de contingenciamento no momento em que o Sistema Único de Saúde (SUS) mais precisa e precisará de recursos que impactam diretamente nas prestações estaduais do gênero.

Opinião dos leitores

  1. Muito errado, várias empresas continuam fora do simples Nacional porq a set não atualizou as informações, coisa que nessa crise seria mais que nunca importante, órgãos pararam por dez dias, mas 30 é demais

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

'Irmã Zuleide' deverá pagar por ter cometido crimes virtuais, diz delegada

O DJ Álvaro Oliveira Rodrigues, de 20 anos, conhecido na internet por ser o autor do perfil ‘Irmã Zuleide’, não deve passar impune pela denúncia feita por uma professora de Campinas que, segundo a polícia, é a verdadeira proprietária da imagem que deu à vida ao perfil que satiriza os evangélicos. Segundo a delegada Edna Pacheco Fernandez Garcia, responsável pelo caso, Rodrigues não deve ser preso mas, provavelmente, terá que prestar serviços comunitários para pagar pelo crime virtual que cometeu.

De acordo com Edna, o caso continua sendo investigado e novos depoimentos devem acontecer durante essa semana. Ela explica que a vítima não sabia quem era que estava por trás do perfil ‘Irmã Zuleide’ mas, agora, com o autor identificado, o processo deve andar mais rápido. “Inicialmente ele não vai ser preso. Provavelmente ele pegue um serviço comunitário. Não podemos garantir porque vai depender do entendimento do poder judiciário”, explica a delegada.

jpg

A professora de Campinas, que teve a imagem veiculada sem autorização nos perfis das redes sociais, deveria ter prestado depoimento em Santos, no litoral de São Paulo, na última sexta-feira (1º). Segundo a delegada, ela não compareceu porque está com graves problemas emocionais causados pela exposição na internet.  “A vítima tinha marcado de vir até aqui mas, infelizmente, ela não pôde vir por conta dos problemas psicológicos e psiquiátricos que ela tem passado. O advogado me ligou e foi remarcada a data para a semana que vem”, afirma a delegada.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marketing

Telepesquisa coloca Shopping Virtual só com lojas de Natal

Com um conceito inovador “De loja em Loja, sem sair de casa”, o Shopping Telepesquisa lança no mercado a possibilidade de encontrar as lojas de Natal, em um único endereço eletrônico www.shoppingtelepesquisa.com.br. A Telepesquisa inova mais uma vez e coloca no mercado um e-commerce genuinamente Potiguar.

“As lojas virtuais já existem, mas não com o conceito de trazer em um site, apenas lojas do comércio local, que vão disponibilizar os produtos que possuem em suas prateleiras, com preços iguais ao da loja e com descontos especiais apenas para compra no site”, disse César Augusto, Presidente da Telepesquisa.

O Shopping Telepesquisa, oferece as mesmas facilidades de pagamento que as lojas, em todos os cartões de crédito, à vista ou parcelado, débito em conta, boleto bancário ou em dinheiro na hora da entrega, com a comodidade de comprar sem sair de casa e ainda receber o produto em até 48h.

O objetivo do Shopping virtual é atender públicos de todas as classes sociais, pois contará com uma grande quantidade de lojas e tudo num só lugar, e a garantia de realizar sua compra com segurança. “Se o produto não for entregue em até 15 dias, o dinheiro será devolvido; e o cliente insatisfeito poderá trocar a mercadoria em até 15 dias após a compra”, informou.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PT vai treinar patrulha virtual para rebater reportagens negativas contra o partido

Está na Folha de São Paulo desta terça-feira

O PT vai montar uma “patrulha virtual” e treinar militantes para fazer propaganda e criticar a mídia em sites de notícias e redes sociais como Twitter e Facebook.

O partido quer promover cursos e editar um “manual do tuiteiro petista”, com táticas para a guerrilha na internet. A ideia é recrutar a tropa a tempo de atuar nas eleições municipais de 2012.

“Vamos espalhar núcleos de militantes virtuais por todo o país”, promete o petista Adolfo Pinheiro, 36, encarregado de apresentar um plano de ação amanhã ao presidente da legenda, Rui Falcão.

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Por qual motivo este blog não cita o pagamento na contratação, sem licitação, para que fique bem claro, por parte do Governo do Estado de SP, monopólio do PSDB/DEM há décadas, a entidades da imprensa como Folha (Falha) de São Paulo, Estadão, Revista Veja! e Rede Globo?
    O blog é totalmente tendencioso e, no mínimo, deveria avisar isso aos leitores antes de fazer suas publicações. Que pelo menos mostre qual o posicionamento do autor, o que explica a parcialidade absurda que se vê por aqui.
    Lamentável quem se diz noticiador e só mostra as notícias de um lado da moeda. Lamentável!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *