Livros mais vendidos prometem sucesso financeiro e guinada na vida

Foto: Pixabay

A palavra de ordem é mudança! Os autores mais lidos da atualidade mostram o caminho para enriquecer, transformar a vida financeira e também a pessoal. Veja agora 5 livros para ajudar a promover a tão esperada guinada e encerrar 2019 com ensinamentos valiosos.

O livro do criador da Plataforma O Primo Rico, Thiago Nigro, Do Mil ao Milhão. Sem Cortar o Cafezinho, é uma inspiração e tanto para atingir a independência financeira. O autor reforça os três pilares: gastar bem, investir melhor e ganhar mais. Nigro prova que a riqueza é possível para todos, basta estar disposto a aprender e se dedicar!

Quem não gostaria de aprender a investir com um dos maiores especialistas do mundo? O Jeito Peter Lynch De Investir Peter Lynch não é o livro mais vendido do Brasil por acaso. Lynch é o gestor de fundos número um dos Estados Unidos e traz dicas valiosas para você dar uma guinada na vida. Ele acredita que pequenos investidores também podem se tornar especialistas e selecionar ações vencedoras com a mesma competência dos profissionais de Wall Street – só é preciso fazer algumas rápidas pesquisas.

T. Harv Eker em Os Segredos da Mente Milionária ensina como enriquecer mudando seus conceitos sobre o dinheiro e adotando os hábitos das pessoas bem-sucedidas. Ele desmistifica o motivo pelo qual algumas pessoas estão destinadas à riqueza e outras a uma vida de dureza.

Em O Milagre da Manhã, Hal Elrod apresenta um método simples e eficaz que vai proporcionar a vida dos sonhos ― antes das 8 horas da manhã! O autor explica os benefícios de acordar cedo e desenvolver todo o nosso potencial e habilidades. O livro promete ao leitor alcançar níveis de sucesso jamais imaginados, tanto na vida pessoal quanto profissional. Essa mudança de hábitos e a nova rotina matinal vão proporcionar melhorias significativas na saúde, na felicidade, nos relacionamentos, nas finanças, na espiritualidade ou quaisquer outras áreas que necessitem ser aprimoradas.

Esqueça tudo o que já leu sobre desenvolvimento pessoal e prepare-se para algo libertador em A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se: Uma estratégia inusitada para uma vida melhor, de Mark Manson.

R7

 

Médicos explicam como a depressão se desenvolve nas diferentes etapas da vida; veja características de acordo com cada faixa de idade

SEGUNDO O ÚLTIMO LEVANTAMENTO DA ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS), HÁ MAIS DE 300 MILHÕES DE PESSOAS DEPRIMIDAS NO MUNDO (FOTO: PIXABAY)

Segundo o último levantamento da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), há mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades que sofrem de depressão no mundo. No Brasil, dados da Vittude (plataforma online voltada para a saúde mental), feitos com 492.790 pessoas, mostram que 5,9% dos respondentes se encontram em estado extremamente severo de depressão.

Principalmente se não for tratada, a doença pode voltar em diferentes períodos da vida ou se tornar crônica: o que muita gente não sabe é que é possível ficar deprimido não apenas na vida adulta e na adolescência, mas também na velhice e até mesmo na infância.

Depressão infantil: o tédio que nunca acaba

Durante o 8º Fórum de Sistema Nervoso Central da América Latina, evento promovido pela empresa farmacêutica Pfizer, nos dias 02 e 03 de agosto, a psiquiatra Sheila Caetano conta que embora a depressão tenha sido descrita no século 5 a.C por Hipócrates — sob o nome de “melancolia” — só começou a se falar em depressão infantil no século passado.

“Não porque não existia a criança deprimida no passado, mas porque não existia o conceito de infância. Até o século 17 e 18 as crianças eram ‘mini adultos’. Durante a Revolução Industrial na Inglaterra, você tinha crianças de 7 a 10 anos trabalhando”, afirma Caetano, que é pesquisadora da Escola Paulista de Medicina (Unifesp).

Segundo a psiquiatra, o que pode causar depressão nesse período são fatores como doenças crônicas reumatológicas (em tecidos como ossos, músculos e articulações), histórico familiar de suicídio, abuso, abandono e contato com substâncias psicoativas. Mas ter depressão abaixo dos 6 anos de idade é considerado algo muito raro pelos especialistas.

Isso porque a criança ainda está “aprendendo os sentimentos” e como lidará com eles. “Geralmente quando vem a depressão ela é mais física, é uma criança que está sem comer, porque está fraca, porque não quer ir à escola e porque tem medo”, conta.

Dos 7 aos 12 anos, a doença tem mais chances de ocorrer e é um período em que já há capacidade de verbalizar o sofrimento — apesar de não entendê-lo. No período seguinte, dos 8 anos até a pré-adolescência, a criança já consegue interpretar os sentimentos. “O que eles falam muito quando estão deprimidos é que tudo é muito tédio e que o tédio não sai”, explica. “E elas já começam a esboçar um desejo de morte.”

Segundo Caetano, na infância não há noção avançada de letalidade em relação ao suicídio, mas há a intencionalidade. Com 7 anos, uma criança “quer dormir e não acordar”, mesmo que ela não entenda que isso não é reversível. “Elas não entendem que não vão viver de novo, mas já há esse ato”, diz a psiquiatra.

Adolescência: irritabilidade e impulsividade

ADOLESCÊNCIA É MARCADA POR FLUTUAÇÕES HORMONAIS INTENSAS QUE AUMENTAM OS RISCOS DE DEPRESSÃO (FOTO: PIXABAY)

Ter depressão durante a juventude traz principalmente sintomas como humor irritável, alternação de peso, anedonia (perda de prazer em atividades que se gostava de fazer antes) e mudanças anormais no sono. “O que vemos muito são adolescentes dormindo 12 a 17 horas por dia. Mas a família não entende como eles dormem tanto e ainda ficam cansados”, explica Caetano.

Quando se tem depressão na adolescência, há uma percepção subjetiva de tristeza, mas somada à impulsividade e à agressividade — fatores que apresentam um “pico” devido às mudanças hormonais. Assim como na infância, a noção de letalidade é menor: não por baixa compreensão, mas devido aos impulsos — nem sempre há um plano de suicídio. Por isso, é importante o diálogo dos pais com os jovens em um espaço sem julgamentos.

“A prevenção começa em uma questão simples de ter com quem falar”, diz Caetano. “A gente precisa sempre ter essa rede de suporte, pois as depressões mais leves e moderadas nós tratamos com intervenções psicossociais.”

Vida adulta: preocupações do trabalho e vida reprodutiva

Durante a vida adulta, a depressão se manifesta de modo diferente entre homens e mulheres. Elas são mais suscetíveis à doença, principalmente devido às regulações hormonais como o déficit de estrogênio, hormônio fabricado pelos ovários e liberado na primeira fase do ciclo menstrual.

“Até 8% das mulheres vão apresentar o quadro da depressão cíclica. Durante a gravidez e a lactação, até um quarto das mulheres deprimem”, afirma Carmita Abdo, psiquiatra da Universidade Universidade de São Paulo (USP), durante palestra no 8º Fórum de Sistema Nervoso Central da América Latina.

Segundo Abdo, as mesmas mulheres que sofrem com depressão durante a gravidez têm ainda mais chances de desenvolver a doença no puerpério, período de 45 a 60 dias após o parto. Muitas adquirem transtorno disfórico pré-menstrual, doença marcada por mudanças de humor extremas que desaparecem após a menstruação.

“Essa mulher só vai ser diagnosticada como deprimida no climatério [transição do período reprodutivo para o não reprodutivo] ou na menopausa, quando de fato o risco de recorrência da depressão é maior”, explica Abdo. Nos homens, ela conta, a depressão na vida adulta pode ocorrer devido à oscilação de testosterona, mas isso ocorre mais no final da vida, quando os índices dos hormônios começam a cair.

À GALILEU, José Alberto Del Porto, psiquiatra da Escola Paulista de Medicina (Unifesp), explica que para os adultos é muito comum a manifestação do burnout, que alguns pesquisadores classificam até mesmo como sendo um tipo de depressão.

“Ele alude a fatores estressores no ambiente de trabalho e não é uma situação rara. Pode começar como uma situação de estresse ambiental e em pessoas predispostas ele pode acabar evoluindo para a depressão”, afirma Del Porto.

DEPRESSÃO É MAIS COMUM EM IDOSOS DO QUE EM IDOSAS (FOTO: PIXABAY)

Velhice

O psiquiatra Sérgio Blay, da Unifesp, conta que a incapacitação nos idosos com depressão é bem maior, considerando todas as doenças da medicina clínica e psiquiátrica. A depressão também pode aumentar os riscos de demência — Blay cita uma revisão de estudos de Lars Kessing, pesquisador da Dinamarca, sobre o assunto.

Um fator protetor para evitar as disfunções cerebrais atreladas à demência, segundo o psiquiatra, seria os níveis de escolaridade, que “protegem o cérebro” quase 60 anos depois. Na velhice, há maior incidência de depressão em homens, pois é o período em que os níveis de testosterona começam a diminuir de forma mais acenturada. Desse modo, na mulher idosa, a depressão é frequentemente não reconhecida. “A doença costuma estar muito associada com quadros de doenças cerebrovasculares e com a maior ocorrência de perda de função física e de problemas de visão nas mulheres idosas”, afirma Carmita Abdo.

Nos idosos, a depressão conta com alguns “fatores de risco”, como baixa renda (aposentadorias que prejudicam condições de vida e de alimentação), solidão e a viuvez, em decorrência da morte parceiro amoroso.

“Muito mais para homens há uma piora do quadro devido ao uso de álcool e à baixa inserção social”, afirma Abdo. “A mulher costuma continuar a manter no envelhecimento as relações familiares e de vizinhança.” O tratamento da depressão na terceira idade também tende a ser mais complicado, pois geralmente o idoso já toma muitos medicamentos: receitar o melhor antidepressivo, portanto, fica mais difícil. “Os nossos pacientes ainda se queixam na disfunção sexual, da insônia. É preciso perguntar para escolher um medicamento que tenha eficácia”, explica Abdo.

Galileu

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Franci Diniz disse:

    Muito boa a matéria, está de parabéns, o blog sempre trazendo informações de qualidade.

Astrônomos descobrem novo sistema estelar e um planeta que pode abrigar vida

Imagem: NASA/Goddard Space Flight Center/Chris Smith

Um novo sistema estelar foi encontrado por uma equipe internacional de astrônomos, liderada por cientistas espanhóis. Três planetas orbitam a estrela GJ 357, uma anã vermelha do tipo M, localizada a 31 anos-luz da Terra, e um deles talvez tenha água em estado líquido, o que significa a possibilidade de abrigar vida. A descoberta foi publicada na revista Astronomy & Astrophysics, dois dias após a Nature Astronomy trazer a notícia sobre outros três exoplanetas (planetas situados fora do Sistema Solar) que podem ser o “elo perdido” da formação planetária.

Tudo começou no dia 13 de abril, quando o telescópio espacial TESS, da NASA, apontou para a possibilidade de haver um planeta muito próximo da estrela GJ 357, que é menor e 40% mais fria que o Sol e está localizada na constelação de Hydra. Um enfraquecimento de luz da anã vermelha foi detectado, o que soou o alarme para a possibilidade de haver um planeta em trânsito por lá. Percebeu-se então se tratar de um mundo que completa sua volta em torno da estrela a cada quatro dias.

Então, a equipe de 70 astrônomos liderada por Rafael Luque, astrofísico cordovês que trabalha no Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC), procurou informações sobre essa estrela obtidas anteriormente com telescópios terrestres, incluindo o instrumento Carmenes, do Observatório Calar Alto, em Almería. Todos detectaram o “piscar” da GJ 357 a cada quatro dias, resultado da passagem de um planeta em sua frente Porém, os dados revelaram também algo novo: outros dois mundos que orbitam a mesma estrela.

O primeiro planeta, aquele detectado pelo TESS, orbita 11 vezes mais perto de sua estrela do que a distância entre Mercúrio e nosso Sol. Por isso, seu ano dura apenas quatro dias terrestres e sua temperatura de equilíbrio (calculada sem levar em consideração os efeitos de aquecimento resultantes das condições de uma possível atmosfera) é de 250 graus Celsius. Os pesquisadores o descrevem como uma “Terra quente” e, apesar de não poder abrigar vida, “é um dos melhores planetas rochosos que temos para medir a composição de qualquer atmosfera que possa possuir”, de acordo com o coautor Enric Pallé, astrofísico do IAC e supervisor de doutorado de Luque.

Por sua vez, o planeta intermediário tem uma massa pelo menos 3,4 vezes maior que a Terra e sua temperatura é de 127 graus Celsius. Ele orbita a estrela a cada 9,1 dias terrestres, mas o TESS não foi capaz de observar os trânsitos deste planeta, provavelmente porque sua órbita está levemente inclinada em relação à órbita da “Terra quente”.

Já o terceiro, o mais afastado, chama a atenção dos pesquisadores por se encontrar na zona habitável de sua estrela. Ele possui massa seis vezes maior que a da Terra e sua órbita é de 55 dos nossos dias. De acordo com Diana Kossakowski, do instituto Max Planck de Astronomia e coautora do estudo, “ele recebe aproximadamente a mesma quantidade de energia estelar de sua estrela que Marte recebe do Sol”. Se este planeta tiver “uma atmosfera densa, ele poderia reter calor suficiente para aquecê-lo e permitir a entrada de água líquida em sua superfície”, conclui.

“Se conseguirmos confirmar que ele tem atmosfera, estaremos diante do planeta [potencialmente] habitável mais próximo que transita em frente à sua estrela”, disse Enric Pallé. “O grande objetivo dos astrônomos é buscar, em uma atmosfera, o desequilíbrio químico e termodinâmico entre diferentes elementos que só pode ser explicado pela presença de vida, como acontece na Terra com as proporções de metano, oxigênio e água, e este planeta pode ser um candidato para fazer isso”, destaca o astrofísico. Se não houver uma atmosfera, o planeta teria uma temperatura de equilíbrio de -64 ° C, o que tornaria o planeta glacial.

Techtudo, via Aurek Alert, El País

 

VÍDEO: Reportagem aponta os riscos de expor a vida nas redes sociais

O Câmera Record que foi ao ar nesse domingo (21) mostrou os riscos que os usuários das redes sociais correm ao compartilhar tudo da rotina na internet. Publicar fotos, marcar localização, consultar mapas e até mesmo conversar perto do aparelho celular pode deixar as pessoas mais vulneráveis.

O assunto da segurança na internet entrou novamente em discussão após um aplicativo de envelhecimento digital viralizar, e agitar as redes sociais de famosos e anônimos nas últimas semanas. Para Luciane Aquino, especialista em conteúdos digitais, “o que o FaceApp está fazendo é formar um banco de dados mundial sem gastar dinheiro”.

E esse banco de dados é bem valioso para as grandes empresas como Facebook e Google, que são donas do Facebook, Instagram, YouTube, entre outros. A média anual de faturamento com dados digitais está em torno de R$ 20 bilhões.

Os próprios usuários das redes sociais aceitam fornecer seus dados pessoais, mesmo sem saber. Ao criar uma conta em qualquer rede social, a pessoa precisa aceitar os termos e condições de uso.

A reportagem esteve no centro de São Paulo e viu que poucas pessoas passam da primeira página dos termos e condições para acessar as redes sociais.

De acordo com Jamila Venturini, da ONG Derechos Digitales, para se ler todo o termo de uso das redes sociais, o usuário levaria, em média, duas horas. Mas isso não costuma acontecer, e os usuários aceitam ceder dados que não gostariam que fossem compartilhados.

Mas não é apenas nas redes sociais que os usuários ficam mais vulneráveis. Os repórteres investigativos do Câmera Record simularam uma conversa sobre móveis de escritórios em frente a seus celulares. Depois de 15 minutos falando de possíveis produtos a serem comprados, ao acessarem as redes sociais, foram surpreendidos com propagandas dos itens que mais enfatizaram.

Embora não tenha nenhum valor científico, as propagandas com móveis e materiais de escritórios demonstrariam que os celulares escutam o que é falado, mesmo com todos os aplicativos fechados.

Para o professor de inovação e interações digitais Luli Radfahrer, o fato de as redes sociais serem de uso gratuito demonstra que “quando você não paga o produto, você é o produto”. Ou seja, os usuários das redes sociais são usados para terem os dados vendidos às empresas.

R7

Família busca doações para traslado de corpo de jovem potiguar que morava há poucos meses em Portugal em busca de melhores condições de vida

Aluísio Monteiro de Morais, brasileiro, 32 anos, faleceu enquanto estava em Portugal em busca de trabalho e uma vida melhor. Chegou no país europeu em 04/12/2018 e faleceu em 20/02/2019 (menos de 3 meses).

Seu corpo foi encontrado embaixo de um viaduto, em Lisboa. A família, que tem poucas condições financeiras e mora em São Rafael/RN, está desesperada, querendo realizar o traslado do corpo para que seja enterrado no Brasil. Os custos do traslado giram em torno de 20 mil reais.

Quem puder doar qualquer quantia ajudará bastante a confortar o coração de uma mãe e familiares que querem se despedir e vê-lo pela última vez antes de enterrá-lo em São Rafael/RN, terra onde mora a família.

Agradecemos por esse ato de solidariedade cristã. Deus abençoe a todos.

Banco do Brasil

Agência: 0214-3

Conta-corrente: 43.853-7

Maria Aldeisa Monteiro de Morais

Ou

Caixa Econômica

Agência: 0756

Conta: 00052679-0

Operação: conta poupança

Maria Aldeisa Monteiro de Morais

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flauberto Wagner disse:

    Alô meu amigo prefeito Reno, vamos mobilizar as autoridades lá de Brasília para resolver esta situação.
    Peça a intervenção do Deputado Federal que representa a região e dos Senadores, além ser uma obrigação do país assistir os nossos irmãos que estão foram é também um ato de solidariedade cristã.
    Só lembrando existe no orçamento da União recursos direcionados para esta finalidade é só fazer o pedido que chega!

Comissão internacional exige que Estado zele por vida de Jean Wyllys

O deputado Jean Wyllys – Zanone Fraissat/Folhapress

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) recebeu comunicado da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) afirmando que concedeu a ele medidas cautelares exigindo que o Estado brasileiro zele por sua vida.

EM RISCO

O pedido foi feito por ele em outubro, com relatos de ameaças de morte. A CIDH considerou que o parlamentar se encontra em uma situação de gravidade e urgência, “posto que seus direitos à vida e à integridade pessoal estão em grave risco”.

É POUCO

No documento, a CIDH diz que “valora” providências tomadas pelo Estado, mas que elas não seriam suficientes. Cita, por exemplo, que a Câmara dos Deputados cedeu carro blindado ao parlamentar, mas que a medida só teria continuidade se o próprio Wyllys pagasse por ele.

OLHAR

“Com isso, a comunidade internacional lança um novo olhar sobre uma situação que vinha sendo ignorada ou minimizada por uns e estimulada por outros”, afirma Wyllys.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José disse:

    E quem protege a sociedade dele???

  2. Dilmanta disse:

    Quem procura acha… e ele achou… Agora quer que o erário fique custeando a segurança da sua ruela? Vai arranjar um emprego de carteira assinada…. Faça algum trabalho de valor para a população brasileira e não somente para os que o elegeu… Vergonha na cara e educação é bom

  3. Zedobode disse:

    Se elegeu co 24 mil votos,perdeu 100 mil votos da eleição passada,o povo brasileiro mostra que
    está aprendendo a votar,na proxima esse idiota cairá fora!!!

  4. LULADRÃO disse:

    Só faltava essa. Proteger um elemento mal educado que cuspiu na cara do Deputado Jair Bolsonaro. O ideal era que ele buscasse moradia na Venezuela, Cuba, Bolívia. Aqui vai ser difícil ter segurança para esse…..

  5. Flauberto Wagner disse:

    Como é dele e quem faz uso é ele, que devem cuidar e zelar é o próprio e o estado que já tem um monte para resguardar.
    E quem tem, tem medo imagine quem dá como fica.

  6. Calixto Silva disse:

    Que ele vá pra Cuba!
    Ela tá querendo é mamar nas tetas do governo, vai perder a boquinha do salário de deputado, se ele quiser continuar dependendo do estado, que ele volte pra sala de aula, volte a ensinar português, ele não é formado em letras? Então que ele volte pra sala de aula.

    • Carlinhos disse:

      Calixto meu caro, Jean wyllys ganhou para deputado federal. Informe-se melhor para não passar vergonha.

  7. Regina Coeli Soares de Maria Franco disse:

    Esse Jean Willis é odioso. A forma arrogante e prepotente que o mesmo se utiliza para defender suas bandeiras é o que faz com que a sociedade brasileira não goste dele. Vejam como ele defende o uso da maconha. É um escárnio com a maioria do povo brasileiro. Falta humildade, seriedade e decência nessa pessoa.

  8. Afro disse:

    O presidente Jair Messias Bolsonaro, já disse, não quer nenhum brasileiro dependente do Estado, quem estiver hábito a trabalhar deve se inserirem no mercado de trabalho. Agora vem esse esquerdopata, por meio dos direitos desumanos querer proteção. Proteção de quê?? Te vira pinhão, que nem a maioria dos brasileiros .

  9. Bruno disse:

    Um dos únicos intelectuais do congresso, esse respeita a reconstituição, pouco importa para mim se é gay, antifascista, merece proteção contra os ruminantes que estão no poder

    • Calixto Silva disse:

      ? é que ?
      ? inté lê c tu al?
      Onde isto?
      Que respeita a constituição? ???????????
      Este é intelectual nos moldes esquersista, só defende o que não presta. Defende a erotização infantil nas escolas, defende o uso indiscriminado das drogas, defende o assassinato de crianças na barriga da mãe, por que segundo o entendimento dele , matar uma criança na barriga da mãe não é homicídio, defende bandido de menor que mata, estoura e rouba. Grande intelectual esse, em?

    • Chico disse:

      Facista é ele que não controla seus instintos e cospe nas pessoas.

    • Calixto Silva disse:

      Só tem mais quatro para ficar de quatro, depois, vai fazer filme porno e usar drogas em orgias!

    • Rômulo disse:

      Se o Bozo não consegue conter seus cães raivosos, é obrigatório o Estado zelar pela segurança do parlamentar.

      Ca lixo, o Bozo é chegado num filme pornô do Alexandre Frota. Qual é o problema, né?

  10. marcelo disse:

    vai pra cuba canalha

  11. João Batista disse:

    A culpa desse cidadão está na posição de destaque foi de muitos que votaram em Bolsonaro e votou nele para ganhar o Big Brother. agora só resta chorar.

  12. euzim disse:

    Com tomou uma facada e quase morreu, foi o presidente eleito. O autor, inclusive, foi filiado do partido do Jean Willys. Ele só quer chamar a atenção.

  13. Vicente Lima disse:

    Se ele pretende ter proteção internacional é só ir morar nas democracias de Cuba ou Venezuela, simples e fácil.

Estado crítico: Médicos retiram parte do cérebro de Schumacher

france-schumacher-inj_amar-19O piloto Michael Schumacher segue em estado crítico de saúde no Centro Hospitalar Universitário de Grenoble, na França. O alemão teve uma pequena parte do cérebro removida pelos médicos na tentativa de diminuir a pressão craniana, segundo o jornal alemão ‘Bild’.

O risco agora, porém, é que o ex-piloto sofra hemorragia cerebral e infecção. Segundo o cirurgião suíço Fréderic Rossi, os riscos vão de inchaço até sangramento pela abertura externa do cérebro. Nos próximos dias Schumacher será reavaliado para que a equipe médica saiba quais partes do cérebro estão ativas e quais ainda estão dormentes.

Schumacher sofreu acidente em 29 de dezembro quando andava de esqui na estação de Meribel, na França. Ele perdeu o controle e bateu a cabeça em uma pedra. O alemão está em coma induzido há 15 dias.

Torcedores.com e R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Josias Araujo disse:

    A matéria original no site torcedores.com fala em retirada de crânio, o que é muito diferente de retirada de cérebro…

    • Rodrigo disse:

      Acho que a produção não lê os comentários do blog e do face. 🙂

Asteroide que eliminou os dinossauros da Terra pode ter lançado vida em Marte e outros planetas

060A força deste enorme impacto que ocorreu há 66 milhões de anos teria esse poder? Segundo cientistas americanos, sim. Eles acreditam que o asteoride Chicxulub, que colidiu com a Terra e destruiu os dinossauros, pode ter catapultado a vida da Terra, dispersando microrganismos para todo o Sistema Solar, alcançado até as luas de Júpiter.

O asteroide Chicxulub teria lançado ao espaço milhões de rochas. Isso pode ter “semeado” o sistema solar com esporos de bactérias e fungos altamente resistentes.

O novo estudo calculou o número de rochas grandes que a Terra possui que poderiam ser jogadas ao espaço em caso de colisões como esta. Eles estimam que cerca de 26 milhões de pedaços de rochas caíram em Vênus. Em Marte, mais de 360 mil.

Rachel Worth, da Penn State University, disse: “Nós achamos que o impacto foi capaz de jogar vida para fora da Terra, alcançado Marte e outros planetas próximos”.

Ela prossegue: “Eu ficaria surpresa se a vida não tivesse alcançado Marte. Parece razoável que, em algum momento, alguns organismos da Terra fizeram essa viagem. Ainda é possível que alguns organismos possam estar nadando em oceanos de Europa, por exemplo”.

Os astrônomos que estudam a panspermia cósmica – teoria que afirma que os organismos pegaram carona em asteroides do Sistema Solar e caíram na Terra, povoando nosso planeta – fizeram simulações em computadores sobre essa viagem interplanetária.

As rochas têm que ter um mínimo de três metros de diâmetro para conseguir proteger os esporos de serem destruídos da radiação solar durante a viagem.

O asteroide Chicxulub, responsável pela morte dos dinossauros, caiu no México há mais de 66 milhões de anos. O impacto desencadeou enormes erupções vulcânicas e incêndios em florestas de todo o planeta, sufocando o planeta com fumaça e poeira.

Jornal Ciência

Bebê potiguar sobrevive a grave cardiopatia graças a Amico

Paulo-HenriqueA história de Paulo Henrique poderia ter um final muito triste, como o de várias outras crianças que nasceram com hipoplasia do coração esquerdo e faleceram antes de completar 1 ano de idade. Mas graças a Associação dos Amigos do Coração da Criança, a Amico, Paulinho é o primeiro bebê potiguar a sobreviver a essa grave cardiopatia.

Logo nos primeiros dias de vida, ele foi operado no Incor/Promater, num procedimento inédito no RN e que garantiu a sobrevida de Paulinho. Há poucos dias, ele foi submetido a um segundo procedimento realizado pela equipe de cirurgia cardíaca infantil mais experiente do Brasil, no Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo. Tudo conquistado pela equipe da Amico, que em SP contou também com a ajuda da ONG Pequenos Corações. Sem essas intervenções, Paulo Henrique não teria sobrevivido.

Nesta quarta-feira (18), aos 9 meses de vida e bem de saúde, Paulinho retorna de São Paulo para Natal. Ele continuará em observação na casa da Amico, recebendo todo o acompanhamento necessário para sua plena recuperação. Para dr. Madson Vidal, diretor da Amico, o momento é de muita alegria. “Hoje é um dia muito especial para a Amico, pois estamos comemorando a vida de Paulo Henrique. Sem a generosidade de muita gente, essa história seria muito triste. A medicina e a solidariedade salvam vidas”, disse.

Garoto faz teste genético, sabe que irá morrer com doença rara e quer o direito a eutanásia

012Com apenas 18 anos, Josh Cook, teve coragem de realizar um teste assustador. Hoje, com 22 anos, ele está mais consciente após ter sido diagnosticado com a doença de Huntington, um problema genético que começa a paralisar seu corpo. Seus avós morreram do mesmo problema. O distúrbio em sua fase terminal ataca o sistema nervoso central fazendo com que a pessoa sufoque com a própria saliva.

Além de todas as perturbações provocadas pela doença, aos poucos a pessoa para de andar, falar e até mesmo engolir alimentos. Sua mãe, Lisa, 46, também tem a doença, embora ainda não tenha desenvolvido os sintomas, ela já percebe um declínio em sua saúde.

O teste genético realizado por Josh deu positivo. Os médicos acreditam que os sintomas mais graves começam a se manifestar dos 35 aos 55 anos. Geralmente a doença progride e piora a cada 10 anos, até que a pessoa não suporte mais.

Conhecendo previamente o seu destino, Joshn trabalha com a mãe como embaixador para a Dignidade na Morte, uma organização que tenta legalizar a morte assistida, ou seja, que o Reino Unido permita que as pessoas possam morrer de forma digna, sem dor ou agonias, através de procedimentos médicos.

Isso ainda é ilegal na Inglaterra. Uma clínica, a Dignitas na Suíça, realiza o procedimento de suicídio assistido, onde as leis do país permitem. Mas, os parentes dos pacientes que saem do Reino Unido em busca de alívio na Suíça podem ser processados por estimularem seus entes queridos a tais práticas.

“Em teoria eu posso quebrar meu pescoço a qualquer momento, mas as chances de que a doença de Huntington me mate são muito maiores. Eu sei exatamente como a minha saúde física e mental pode deteriorar e eu não quero passar por isso”, comentou Josh em entrevista ao britânico DailyMail.

Ele prossegue: “Tudo o que eu quero é o direito de acabar com a minha vida de forma digna, quando eu decidir. Eu não quero meus entes queridos tendo que me levar ao banheiro ou assistir eu sufocar com minha saliva até a morte”.

O suicídio assistido é algo polêmico e raramente ganha as manchetes no país. O último caso de maior repercussão foi o de Tony Nicklinson que ficou paralisado após sofrer um derrame, desenvolvendo a chamada síndrome do encarceramento – doença onde a pessoa é capaz de pensar com extrema clareza, mas impossibilitada de se mover ou interagir com o mundo. Ele morreu de pneumonia em sua casa em agosto de 2012 após ter seu pedido de morte assistida negado pela justiça e ficado vários dias sem comer ao saber da decisão judicial.

Jornal Ciência

Banida por doping, ex-nadadora Rebeca Gusmão está internada em estado grave

rebeca gusmao pan mfgp 450x338Banida do esporte desde 2009 por doping, a ex-nadadora Rebeca Gusmão está internada no Hospital Regional de Samambaia, em Brasília, com suspeita de intoxicação exógena. De acordo com informações do blog “Eixo Capital”, pertencente ao jornal “Correio Braziliense”, o estado dela é considerado grave.

O R7 entrou em contato com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, que confirmou a internação, mas alegou não poder dar mais informações a pedido da família. Depois de se aventurar por disputas de musculação e até de futebol em caráter amador, Rebeca atualmente é diretora de Apoio ao Atleta da Subsecretaria de Esporte.

O caso de Rebeca veio à tona após os Jogos Pan-americanos de 2007, quando ela se tornou a primeira nadadora brasileira a ganhar  ouro na história da disputa ao vencer os 50 m e os 100 m livre. No fim daquele ano, foi anunciado que ela havia testado positivo para anabolizantes esteroides em exames realizados durante a competição.

Como já havia sido pega pelo uso de testosterona exógena no Troféu José Finkel de 2006, Rebeca acabou banida do esporte e perdeu as medalhas conquistadas no Rio 2007 (além das disputas individuais, ela foi prata no revezamento 4 x 100m livre e bronze no revezamento 4 x 100m medley).

O caso de Rebeca é polêmico, já que as amostras coletadas durante o Pan do Rio apresentaram duplo DNA. Apesar disso, ela nunca conseguiu provar sua inocência e, na apelação feita ao CAS (Corte Arbitral do Esporte), não obteve sucesso.

Nas eleições de 2010, Rebeca se candidatou a deputada distrital pelo PC do B, mas não foi eleita.

R7

RN tem o maior aumento no número de expectativa de vida no país, aponta IBGE

O Rio Grande do Norte foi o estado do país que registrou o maior índice de aumento no número de expectativa no país, segundo dados da “Tábua de Mortalidade por sexo e idade – Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação – 2010, divulgados nesta sexta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a pesquisa, nos últimos 30 anos, a expectativa de vida no estado cresceu em média, 15,85 anos, saltando de 58 anos, em 1980, para 74 em 2010. O estudo mostrou também que as mulheres potiguares vivem mais que os homens. A média dos homens ficou sltou de 55 para 70 anos e das mulheres de 60 para 78.

Ainda de acordo com o estudo, o Rio Grande do Norte tem uma expectativa de vida acima da média nacional, que é de 73,7 anos. E, também, acima da média do Nordeste, que é de 71,2 anos. “Em 1980, o Rio Grande do Norte também era um dos estados em que a mortalidade era mais elevada, consequentemente com uma expectativa de vida mais baixa. Então de certa forma com ajuda de programas sociais houve aumento na qualidade de atendimento de pré-natal, transferência de renda propiciada pelo Bolsa Família e melhor instrução  aceleraram a diminuição da mortalidade e ganhos na expectativa de vida”, explicou Fernando Albuquerque, gerente de Componentes de Dinâmica Demográfica do IBGE.

Com informações da Agência Brasil

Homem arrisca a vida para salvar tubarão encalhado na praia

Se você estivesse curtindo uma praia tranquilo, e de repente um tubarão é arrastado por uma grande onde e encalha perto de você. O que você faria? Correria? Arremessaria objetos?

Este homem foi um herói, ele ajudou o tubarão a voltar pra água, e aí, vocês teriam a mesma coragem?

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. bob grilo disse:

    Nao.

Ser o Batman na vida real custaria R$ 1,4 bi, diz consultoria

Ter um estilo de vida de super-herói, igual ao do Batman, pode custar até R$ 1,4 bilhão, segundo levantamento feito pela consultoria “MoneySuperMarket”.

Apenas a mansão do “Cavaleiro das trevas” está avaliada em R$ 1,225 bi, com um custo de manutenção anual de R$ 76 mil.

Os veículos turbinados de Bruce Wayne, como Batmóvel, moto e uma espécie de helicóptero, estão avaliados em R$ 163 milhões.

Os salários do fiel mordomo Alfred passariam da casa dos R$ 500 mil por ano, com a obrigação de gerenciar a mansão Wayne e a batcaverna.

O arsenal de armamentos e utensílios utilizados pelo herói para combater os inimigos custariam cerca de R$ 450 mil.

Na famosa história em quadrinhos, o super-herói é dono de um império (Wayne Entreprises), com divisões em tecnologia, transporte, defesa, produtos químicos entre outros (avaliado em mais de R$ 14 bilhões).

Fonte: UOL

Conheçam a História de Dom Eugênio Araújo Sales

Dom Eugênio é filho de Celso Dantas Sales e Josefa de Araújo Sales (Téca) e irmão de Dom Heitor de Araújo Sales, que foi Arcebispo Emérito de Natal, Rio Grande do Norte. Foi batizado na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Guia, em Acari, no dia 28 de novembro de 1920. De família muito católica, era bisneto de Cândida Mercês da Conceição, uma das fundadoras do Apostolado da Oração na cidade de Acari.

Realizou seus primeiros estudos em Natal, inicialmente em uma escolar particular, depois no Colégio Marista e finalmente ingressou, em 1931, no Seminário Menor. Realizou seus estudos de Filosofia e Teologia no Seminário da Prainha, em Fortaleza, Ceará, no período de 1931 a 1943.

Foi ordenado sacerdote pelas mãos de Dom Marcolino Esmeraldo de Sousa Dantas, bispo de Natal, no dia 21 de novembro de 1943, na mesma igreja onde recebera o batismo.

No dia 1 de junho de 1954, aos 33 anos, foi nomeado bispo auxiliar de Natal pelo Papa Pio XII, recebendo a sé titular de Thibica.

Foi ordenado bispo no dia 15 de agosto de 1954, pelas mãos de Dom José de Medeiros Delgado, Dom Eliseu Simões Mendes e de José Adelino Dantas.

Em 1962 foi designado administrador apostólico da Arquidiocese de Natal, função que exerceu até 1965, quando da nomeação de Dom Nivaldo Monte.

Em 1964 foi nomeado administrador apostólico da Arquidiocese de São Salvador da Bahia, função na qual permaneceu até 29 de outubro de 1968, quando da sua nomeação a Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, pelo Papa Paulo VI.

No consistório do dia 28 de abril de 1969, presidido pelo Papa Paulo VI, Dom Eugênio de Araújo Sales foi nomeado cardeal, do título de São Gregório VII, do qual tomou posse solenemente no dia 30 de abril do mesmo ano. Neste consistório foi também nomeado cardeal o brasileiro Dom Vicente Scherer.

No dia 13 de março de 1971, o Papa Paulo VI o nomeou Arcebispo do Rio de Janeiro[2], função que exerceu até 25 de julho de 2001, quando da sua renúncia, e que foi aceita pelo Papa João Paulo II.

Fonte: Wikipédia

Quase metade dos brasileiros está acima do peso

Uma pesquisa anual feita pelo Ministério da Saúde indica que o país manteve, em 2011, a tendência de crescimento do excesso de peso e da obesidade entre adultos.

Em 2006, 43% dos adultos brasileiros registravam excesso de peso, entendido como IMC (Índice de Massa Corporal) de 25 ou mais. Em 2011, a pesquisa identificou aumento dessa taxa para 48,5%.

O percentual de adultos brasileiros obesos (IMC de 30 ou mais), por outro lado, passou de 11% em 2006 para 15,8% em 2011.

O crescimento é significativo tanto entre homens quanto entre mulheres e é visto como “preocupante” pelo ministério.

“A notícia para olhar com atenção é que continuamos com crescimento [de sobrepeso e obesidade]. Não é abrupto, mas vemos o aumento de maneira sistemática e consistente”, afirmou nesta terça-feira Jarbas Barbosa, secretário de Vigilância em Saúde do ministério.

O ministro Alexandre Padilha rejeitou a tese de que o fator determinante para o aumento das taxas de obesidade e sobrepeso tenha sido a melhoria econômica brasileira e, consequentemente, o ganho de poder aquisitivo pelas famílias.

“Não mudou o hábito alimentar nos últimos seis anos, não foi nesse período que aumentou o consumo de leite com gorgura, carne com gordura”, disse Padilha. “Agora é a hora de virar o jogo se não quisermos chegar nos patameres do Chile, da Argentina e, muito menos, dos Estados Unidos.”

Enquanto o Brasil tem 15,8% da população obesa, o Chile tem 25,1%, a Argentina tem 20,5% e os Estados Unidos, 27,6%.

O inquérito por telefone (Vigitel) ouviu 54.144 pessoas com 18 anos ou mais em 26 Estados, durante o ano de 2011. O objetivo da pesquisa é identificar hábitos de vida que podem ter impacto na saúde pública.

Menos cigarro

Se o brasileiro mantém a tendência de aumento do peso, por outro lado, continua em queda a prevalência do tabagismo no país.

Entre 2006 e 2011, o percentual de fumantes no país caiu de 16,2% para 14,8%. A queda ocorreu entre os homens (20% em 2006 e 18,1% em 2011). Entre as mulheres, um dos principais alvos atuais da indústria do tabaco, a prevalência ficou estável na faixa dos 12% e 13%.

Se feito o corte por escolaridade, é possível perceber a presença mais forte do tabaco entre os menos instruídos. O percentual de fumantes chega a 18,8% entre os brasileiros com até oito anos de escolaridade e cai para 10% entre os que têm 12 anos ou mais de estudos.

A disparidade entre pessoas com mais e menos escolaridade se repete em quase todos os hábitos analisados e é marcante quando referente à realização de exames preventivos, como a mamografia.

Entre mulheres de 50 a 69 anos com até oito anos de instrução, apenas 68,5% afirmaram em 2011 ter realizado o exame nos dois anos anteriores. O percentual chega a 87,9% entre mulheres dessa faixa etária com 12 anos ou mais de escolaridade.

A diferença, segundo Barbosa, demonstra que “apesar de estar crescendo [a cobertura da mamografia], ainda há esforços a serem realizados”.

Durante entrevista coletiva nesta terça, o ministério listou medidas que foram adotadas nos últimos meses para combates os problemas identificados nessa pesquisa e nas anteriores, como aumento da oferta de mamografias, aumento na taxação do cigarro e a implantação de academias nos municípios.

Fonte: Folha