NASA se prepara para mudar órbita de asteroide próximo à Terra pela primeira vez

Foto: JPL-Caltech/Nasa

Em dois anos, a NASA demonstrará sua tecnologia de deflexão [alteração ou desvio da posição natural] de asteroides no recém-nomeado Dimorphos, uma lua orbitando o asteroide Didymos, próximo à Terra. Essa será a primeira demonstração em escala real da agência, desse tipo de tecnologia em nome da defesa planetária.

Dimorphos recebeu esse nome na semana passada (22), bem em tempo de refletir sobre a importância de compreender a ameaça dos asteroides próximos à Terra. De acordo com a NASA, o projeto busca a uma colisão com o corpo celeste para alterar o movimento do asteroide no espaço.

Objetos próximos ao planeta são asteroides e cometas cujas órbitas alcançam 30 milhões de km de distância da Terra.

Nesta terça-feira (30) comemora-se o Dia Internacional do Asteroide, relembrando o maior impacto causado por eles, registrado na Terra, enquanto se reafirma o perigo real de colisão de outros corpos com o planeta.

Em 1908, um poderoso asteroide atingiu o rio Podkamennaya Tunguska em uma remota floresta siberiana da Rússia. O evento destruiu aproximadamente 1994 km² de árvores e florestas, o que equivale ao tamanho de três quartos do estado norte-americano de Rhode Island. O impacto jogou as pessoas no chão em uma cidade a 64 km de distância do ocorrido.

Em 2013, um asteroide entrou na atmosfera da Terra sobre a região de Chelyabinsk, na Rússia. Ele explodiu no ar, liberando 20 a 30 vezes mais energia do que as primeiras bombas atômicas, gerando um brilho maior do que o sol e exalando calor. Danificou mais de 7 mil edifícios e feriu mais de mil pessoas. O choque quebrou janelas a 93 km de distância do ocorrido. Na época, o asteroide não chegou a ser detectado, pois veio da mesma direção da luz solar.

Esse tipo de fenômeno explica por que os astrônomos e o grupo do Dia do Asteroide querem que as pessoas estejam cientes do assunto. Detectar a ameaça de objetos próximos à Terra , que podem causar sérios danos ao planeta, é o foco principal da NASA e de outras organizações espaciais ao redor do mundo.

E em 2022, a NASA testará sua tecnologia de deflexão de asteroides para ver como isso afeta o movimento de um asteroide próximo à Terra no espaço.

Didymos e Dimorphos

Há duas décadas, um sistema binário envolvendo um asteroide próximo à Terra tinha uma lua em órbita, apelidada de Didymos. Em grego, Didymos significa “gêmeo”, termo que foi usado para descrever como o asteroide maior, com quase 800 m de diâmetro, é orbitado por uma lua menor com cerca de 160 m de diâmetro. Naquela época, esta lua era conhecida como Didymos b.

No entanto, quando o sistema binário tornou-se alvo da missão do Teste de Redirecionamento de Duplo Asteroide da NASA, em 2022, ou DART, era hora desta lua obter um nome oficial.

Na semana passada (22), a União Astronômica Internacional nomeou oficialmente a lua de Dimorphos. O cientista planetário Kleomenis Tsiganis, da Universidade Aristóteles de Thessaloniki [na Grécia], membro da equipe do DART, foi quem sugeriu o nome.

“Dimorphos, que significa ‘duas formas’, reflete o status desse objeto como o primeiro corpo celeste a ter a ‘forma’ de sua órbita significativamente alterada pela humanidade – neste caso, pelo impacto do DART”, disse Tsiganis. “Sendo assim, será o primeiro objeto a ser conhecido pelos seres humanos por duas formas muito diferentes: a que foi vista pelo DART – antes do impacto; e a outra vista pela Hera da Agência Espacial Europeia, alguns anos depois”.

No final de 2022, Didymos e Dimorphos estarão relativamente próximos da Terra a cerca de 1 bilhão de km de nosso planeta – o momento perfeito para a missão DART.

De acordo com a NASA, o DART deliberadamente colidirá com Dimorphos para alterar o movimento do asteroide no espaço. Essa colisão será registrada pelo LICIACube, um membro do CubeSat – ou satélite de cubo – fornecido pela Agência Espacial Italiana. O CubeSat viajará no DART e será implantado a partir dele antes do impacto, a fim de registrar a colisão.

“Os astrônomos poderão comparar as observações pelos telescópios terrestres antes e depois do impacto cinético do DART, para determinar quanto o período orbital do Dimorphos mudou”, falou em comunicado o cientista do programa DART, na sede da NASA, Tom Statler. “Essa é a medida chave que nos dirá como o asteroide respondeu ao nosso esforço de deflexão”.

Alguns anos após o impacto, a missão Hera, da Agência Espacial Europeia, conduzirá uma investigação de acompanhamento de Didymos e Dimorphos.

Embora a missão DART tenha sido desenvolvida para o Escritório de Coordenação de Defesa Planetária da NASA e gerenciada pelo Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, a equipe da missão trabalhará com a equipe da Hero em uma colaboração internacional conhecida como Avaliação de Impacto e Deflexão de Asteroides, ou AIDA.

“O DART é o primeiro passo no teste de métodos para desvios perigosos de asteroides”, disse em comunicado Andrea Riley, executiva do programa DART, na sede da NASA. “Asteroides potencialmente perigosos são uma preocupação global e estamos entusiasmados por trabalhar com nossos colegas italianos e europeus para coletar os dados mais precisos possíveis desta demonstração de deflexão cinética”.

Primeira missão

O Dimorphos foi escolhido para esta missão porque seu tamanho é relativo aos asteroides que podem representar uma ameaça para a Terra.

O DART colidirá com Dimorphos, movendo-se a aproximadamente 23,8 mil km/h. Uma câmera instalada no DART, chamada DRACO, junto de um software de navegação autônomo, ajudarão a sonda a detectar e colidir com o Dimorphos.

Esse rápido impacto só altera a velocidade de Dimorphos, pois orbita Didymos em 1%, o que não soa muito relevante, mas altera o período orbital desta lua em alguns minutos. Essa mudança pode ser observada e medida a partir de telescópios terrestres. Também será a primeira vez em que os seres humanos alteram a dinâmica de um corpo do sistema solar de maneira mensurável, segundo a Agência Espacial Européia.

A janela de lançamento do DART abre em julho de 2021 com o impacto esperado em 2022.

Três anos após o impacto, Hera chegará para estudar Dimorphos em detalhes, medindo as propriedades físicas da lua, estudando o impacto do DART e de sua órbita.

Pode parecer muito tempo entre o impacto e o acompanhamento, mas o estudo está baseado nas lições aprendidas no passado.

Em julho de 2005, a sonda Deep Impact, da NASA, lançou um objeto de impacto de cobre de cerca de 370 kg em um cometa Tempel 1. Mas a sonda não conseguiu ver a cratera resultante, porque o impacto liberou toneladas de gelo e poeira. No entanto, a missão Stardust da NASA, em 2011, foi capaz de caracterizar o evento: um corte de 150 m.

Juntos, os valiosos dados coletados pelo DART e pelo Hero contribuirão para as estratégias de defesa planetária, especialmente para entender que tipo de força é necessária para mudar a órbita de um asteroide próximo à Terra e que pode colidir com o nosso planeta.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Xha do Amazonas disse:

    Gasta se bilhões de dólares por ano procurando vida extraterrestre. É bem mais negócio realizar esse tipo de projeto que pode um dia salvar milhares talvez milhões de vidas que existem de fato na Terra.

    • Chico da Burra disse:

      Procurar por extraterrestres também poderá salvar o planeta em um futuro amigo, uma civilização desconhecida também é uma ameaça, ou o amigo pensa que os terráqueos são as últimas coca-colas do deserto?

  2. Silvio. disse:

    É o fim do mundo!!

LEMBRA DOS FILMES E SERIADOS? Estudo de grupo financiado pela Nasa sugere existência de universo paralelo

Equipamento do projeto Antena Impulsiva Transiente da Antártica (Anita), na Antártica. Foto: University of Hawai’i at Manoa/ Divulgação

Um estudo realizado por pesquisadores financiados pela Nasa levantou o debate sobre teorias que sugerem a existência de universos paralelos, tema debatido há décadas na comunidade científica, mas distante de comprovações. Um dos autores lamentou que o experimento tenha sido associado com as investigações sobre outros universos.

Peter Gorham, líder do projeto Antena Impulsiva Transiente da Antártica (Anita), que realiza experimentos no Polo Sul, afirmou em entrevista à revista New Scientist, em abril, que o comportamento curioso de partículas observadas na Antártica contrariou as leis da física e poderia ter origem em um “universo paralelo”, ainda desconhecido pelos cientistas.

Anteriormente, ao jornal da Universidade do Havaí, ele classificou a descoberta como “uma nova classe de partículas subatômicas que mostra um novo padrão da física”.

Procurado pela CNN, ele negou que seus estudos tenham relação com teorias de universo paralelo e criticou a repercussão do caso. Ele considerou a associação de seu estudo a universos paralelos “evidentemente apenas clickbait inventado por tabloides”.

Em nota enviada à CNN, a Nasa esclareceu que financia a Anita, mas não corrobora necessariamente com as conclusões dos estudos. O projeto Anita consiste em uma investigação de balão liderada por Peter Gorham na Universidade do Havaí em Manoa. O trabalho científico usa o gelo antártico para detectar emissões de rádio de neutrinos interagindo com a massa de gelo abaixo.

O experimento de Gorham analisou partículas conhecidas como neutrinos, semelhantes às que normalmente podem cair em nosso planeta a partir dos cosmos. Segundo o grupo, porém, as partículas observadas na Antártica pareciam sair do gelo e impressionaram pela alta energia.

De acordo com eles, a presença dessas partículas na neve e os movimentos observados no experimento contrariam as leis da física até então conhecidas para o universo em que vivemos, supondo que a alta energia deveria ser interrompida pela matéria sólida do nosso planeta.

Para o físico Peter Gorham, o comportamento sugere que os neutrinos podem ter passado por um universo com outras leis.

“O que vimos é algo que parecia um raio cósmico, visto no reflexo da camada de gelo, mas não era refletido. Era como se o raio cósmico tivesse saído do próprio gelo. Uma coisa muito estranha. Então publicamos um artigo sobre isso, mostrando que contraria as leis da física”, relatou Gorham.

Na ocasião, Gorham sugeriu que o Big Bang pudesse ter gerado dois universos: o que conhecemos e um outro no qual as leis de físicas seriam opostas. A tese já foi apresentada por outros cientistas anteriormente, mas carece de elementos para comprovação.

“Nesse mundo-espelho, o positivo é negativo, o esquerdo é direito e o tempo anda para trás”, disse Gorham à revista New Scientist.

O físico reconheceu, porém, que dentro de seu próprio grupo há contestação sobre a teoria de que o fenômeno observado na Antártica tenha origem em um universo paralelo com outras leis da física.

“Nem todos estão confortáveis com essa hipótese”, afirmou.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Um homem une Ciência + Religião disse:

    Esse "novo universo", na realidade apenas um dos "multiversos", já apresentado na Teoria das Cordas ou das Supercordas, apresentada pela física é o dito "plano espiritual" onde se encontram os que partiram do mundo material (tridimensional) para "uma das moradas da casa do meu pai", conforme já dito pelo próprio Jesus e ratificado pela Doutrina Espírita, Ciência e Religião são complementares e apresentam lacunas que quando combinadas são preenchidas.

    • Netto disse:

      Eu só não entendo a resistência dos seres desses planos mais elevados em se mostrarem mais.
      Por que não temos, por exemplo, uma foto de uma colonia espiritual?
      A comprovação desses planos seria de grande conforto espiritual para todos.

  2. TATA disse:

    NO OUTRO UNIVERSO A PF SERVE PARA PRENDER CORRUPTOS E NAO SER BABA DE FAMILIA DE PRESIDENTE, PROTEGENDO FLAVINHO BOLSOMINION KKKK

  3. Anderson disse:

    No outro universo paralelo o Brasil não tem corrupto e é uma superpotência junto com a Somália e o Senegal.

Nasa lança novas regras para a humanidade explorar o espaço

Foto: (NASA/Divulgação)

A Nasa, agência espacial dos EUA, divulgou recentemente uma série de diretrizes para a humanidade seguir em suas próximas missões espaciais – em especial na missão Ártemis, que quer levar uma nave tripulada de volta à Lua nos próximos anos. Nomeado de “Acordos de Ártemis”, o documento estabelece uma série de princípios recomendados para entidades, empresas privadas e governos que queiram se aventurar no espaço junto com a agência.

Já faz mais de 50 anos desde que a humanidade pisou na Lua pela primeira vez, na missão Apollo 11. O tempo passou e a ciência evoluiu, mas o astro ficou esquecido por algumas décadas – nossa última viagem tripulada à Lua foi em 1972. Não é à toa: uma empreitada dessas requer um investimento de bilhões de dólares. Na época, a missão Apollo custou 4% de todo o orçamento federal americano, o seria equivalente a 180 bilhões de dólares nos dias de hoje.

Agora, porém, a Nasa quer repetir o feito em uma nova missão, que está marcada para 2024. O cenário de hoje em dia é bem diferente, o que exige também uma atualização nas diretrizes internacionais.

Na época da Apollo 11, a Nasa era uma das únicas grandes agências espaciais do mundo, competindo de forma justa apenas com a antiga União Soviética, que também se destacava nas tecnologias da área. Hoje, porém, diversos outros países têm relevantes programas espaciais, como é o caso da União Europeia, China, Israel, Índia e, é claro, a Rússia. Além de tudo, várias empresas privadas já estão se destacando no mercado de exploração espacial e serão cruciais no fornecimento de tecnologias para o retorno à Lua. Com tantos players na jogada, são precisos novos acordos para que todo mundo se entenda num espaço cada vez mais lotado.

Foi pensando nisso que a Nasa lançou os Acordos de Ártemis, uma série de diretrizes para os países e empresas que queiram contribuir com a agência em seu retorno à Lua (a Nasa já admitiu que a missão vai exigir uma colaboração internacional de vários agentes). “Com vários países e agentes do setor privado realizando missões e operações no espaço cislunar, é essencial estabelecer um conjunto comum de princípios para governar a exploração civil e o uso do espaço sideral”, explicou a agência em comunicado.

Entre os tópicos dos Acordos de Ártemis, estão previstos: a paz como objetivo mútuo os países e agentes que realizem missões espaciais; a transparência e publicação de todos os dados científicos, resultados de pesquisas e protocolos envolvidos; o registro de todos os objetos espaciais feitos por humanos; a proteção e preservação de sítios históricos no espaço (como os locais em que as missões Apollo visitaram, por exemplo); a redução da quantidade de detritos espaciais de origem humana, entre outros. Você pode ler todos os princípios no site da Nasa.

O documento por si só não tem nenhum valor legal – ou seja, a Nasa não pode forçar que nenhum país siga essas recomendações, apesar de poder exigir sua ratificação como requisito para trabalhar em conjunto. De qualquer forma, seus princípios se baseiam no Tratado do Espaço Sideral, um acordo ratificado por mais de 100 países que está em vigor desde 1967. O tratado estabelece as bases do que se conhece por “direito espacial” e estipula algumas coisas que são consenso: como a ideia de que a Lua, assim como qualquer outro objeto espacial, não pode pertencer a nenhum país e que seja um patrimônio da humanidade.

O nome dos acordos (e da próxima missão lunar) é em homenagem a deusa Ártemis, da mitologia grega. Irmã gêmea de Apolo, que batizou as primeiras missões lunares, Ártemis também é deusa da Lua e é ligada a ideia de feminilidade – não à toa foi escolhida para nomear a missão que levará a primeira mulher da história à Lua.

Super Interessante

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Judite disse:

    É está bom de procurar o espačo pq a Terra vai ficar difícil para habilitar

  2. Cidadão Atento disse:

    E A NASA É DONA DO ESPAÇO?

Nasa descobre exoplaneta em zona habitável: ‘o mais parecido com a Terra’

Foto: Divulgação / Nasa

A Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) anunciou nessa quarta-feira(15) a descoberta de um exoplaneta em zona habitável. O corpo levou o nome de Kepler-1649c, em referência ao telescópio espacial que capturou sua imagem, o Kepler. Cientistas descreveram o planeta como o mais parecido com a Terra — e o mais próximo de nós — entre todos os exoplanetas localizados pelo telescópio.

Kepler-1649c, que fica a 300 anos-luz do nosso planeta, tem de sua estrela uma distância que possibilita a qualquer planeta rochoso conter água líquida. Os cientistas o descobriram ao rever o arquivo feito pelo telescópio Kepler, aposentado pela agência em 2018. O planeta passou despercebido por pesquisas anteriores, realizadas por algoritmos de computador. Numa segunda vista, porém, os próprios astrônomos reconheceram seu sinal.

Segundo a Nasa, o exoplaneta é só 1.06 maior do que a Terra, e recebe de sua estrela cerca de 75% da luz que nosso planeta recebe do Sol. A grande diferença é que Kepler-1649c orbita uma anã vermelha, categoria estelar propensa a explosões frequentes que podem tornar desafiadora a sobrevivência de organismos mais complexos.

Para a Nasa, a descoberta é “emocionante”, como classificou Andrew Vanderburg, pesquisador da Universidade do Texas em Austin e um dos autores do artigo publicado nesta quarta-feira no The Astrophysical Journal Letters sobre Kepler-1649c.

A razão é que, de todos os exoplanetas identificados pela Nasa, este é, ao mesmo, o que tem tamanho e temperatura mais parecidos com os da Terra. Existem outros com temperaturas mais aproximadas, como o TRAPPIST-1f e o Teegarden c. E outros com tamanhos mais parecidos, como TRAPPIST-1d e TOI 700d. Mas nenhum se aproxima tanto da Terra em ambos os aspectos ao mesmo tempo quanto o Kepler-1649c.

Os cientistas agora querem descobrir outros detalhes sobre o planeta, como a configuração de sua atmosfera, que também pode afetar sua temperatura. Os cálculos sobre o tamanho do corpo ainda são preliminares, e devem ser passar por revisão nas próximas semanas.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nica disse:

    A nova residência dos milionários e bilionários do arrasado planeta terra.
    Só a viagenzinha deve custar uns milhõezinhos.

  2. Ojuara disse:

    Fui!!!!

    • humbabomber disse:

      300 anos de viagem na velocidade da luz..
      Meta o pé, que é chão!!

Asteroide de 4 km passará “perto” da Terra em abril, alerta Nasa; hipotético impacto seria “suficiente para causar efeitos globais” e o fim da humanidade

Foto: Reprodução

Um asteroide com cerca de 4 km de diâmetro passará “perto” da Terra no dia 29 de abril (uma quarta-feira), segundo a Nasa, a agência espacial norte-americana. O anúncio foi divulgado nesta semana e logo provocou reações diversas nas redes sociais: de mensageiros de fim do mundo e do apocalipse a disseminadores de memes.

Segundo a Nasa, o asteroide, batizado de 1998 OR2, foi descoberto em 1998. Seu tamanho é projetado entre 1,76 km e 4 km. Ele “viaja” a pouco mais de 31 mil quilômetros por hora e deve passar a a mais de 6,2 milhões de quilômetros da Terra. A hora exata: às 4h56 da madrugada nos Estados Unidos – 6h56 no horário de Brasília.

Se tivesse chance de colisão com nosso planeta, teria “tamanho suficiente para causar efeitos globais” e até acabar com a vida no planeta, segundo avaliação da Nasa realizada quando da descoberta do asteroide.

A trajetória do 1998 OR 2 é monitorada por um centro de estudos da Nasa especializado em identificar e vigiar objetos próximos à Terra.

De acordo com reportagem da CNN, o asteroide, apesar de ser classificado como potencialmente perigoso por causa da proximidade ao nosso planeta, não figura na lista de possíveis “eventos futuros de impacto”.

Com Metrópoles e R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rafael Pinheiro disse:

    O mundo se acaba e a (des)Governadora não paga o povo!!

  2. Tô veno disse:

    Mesmo que hipotético, se o impacto causaria "o fim da humanidade", soa inútil o "alerta" da Nasa.

  3. Rivanaldo disse:

    Seria perfeito! Esse país tá infestado de cidadão de bem. Vem, meteoro.

  4. Araújo disse:

    Pague logo os atrasados Governadora, antes que esse troço caia por aqui.

Nasa anuncia descoberta de planeta do tamanho da Terra em zona habitável

Planeta TOI 700 d (visto em ilustração) – NASA/AFP

A NASA anunciou nessa segunda-feira (6) que seu satélite TESS havia permitido a descoberta de um planeta do tamanho da Terra a uma distância intermediária de sua estrela, o que permitiria a presença de água em estado líquido.

Chamado “TOI 700 d”, o planeta está relativamente próximo da Terra – a apenas 100 anos-luz – disse o Laboratório de Propulsão a Jato da NASA durante a conferência de inverno (boreal) da Sociedade Americana de Astronomia, em Honolulu, no Havaí.

“O TESS foi projetado e lançado especificamente para encontrar planetas do tamanho da Terra e em órbita de estrelas próximas”, disse o diretor de astrofísica da NASA, Paul Hertz.

Inicialmente, o satélite classificou erroneamente a estrela, o que implicava que os planetas pareciam maiores e mais quentes do que realmente eram. Vários astrônomos amadores identificaram o erro.

“Quando corrigimos os parâmetros da estrela, os tamanhos de seus planetas foram reduzidos, e percebemos que a mais externa era do tamanho da Terra e estava na zona habitável”, afirmou Emily Gilbert, uma estudante de pós-graduação da Universidade de Chicago.

A descoberta é a primeira do TESS, o satélite caçador de planetas da NASA, lançado em 2018.

Mais tarde, a descoberta foi confirmada pelo telescópio espacial Spitzer.

A estrela TOI 700 é pequena, 40% do tamanho do Sol e mais fria.

O TESS descobriu três planetas em órbita, chamados TOI 700b, c e d. Somente “d” está na chamada zona habitável, nem tão longe nem tão perto da estrela, onde as temperaturas podem permitir a presença de água líquida.

É cerca de 20% maior do que a Terra e orbita sua estrela em 37 dias. Recebe 86% da energia que a Terra recebe do Sol.

Uma face do planeta sempre encara sua estrela, como é o caso da Terra e da Lua, um fenômeno chamado rotação síncrona.

Isto É, com AFP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Antônio disse:

    Basta ler esses comentários para descobrir a causa do atraso do RN… muita ignorância.

  2. Lula na cadeia sempre disse:

    Foi o ladrao condenado Lula que descobriu …tudo são q quadrilha PTralha

  3. Observando. disse:

    Vixe. E esse planeta é redondo?

    • Luso disse:

      Acho que não, como é liberado o estoque de vento. Se fosse redondo, não tinha nada no estoque

  4. Bento disse:

    Os esquerdopatas vão comprar essa briga
    Eles dizem que é sua essa descoberta.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • David disse:

      Depois q disseram que luladrão depositou o pré sal, não duvido nada. Rsrsrs

Nasa diz que dois asteroides se aproximarão da Terra no Natal e Ano Novo

Foto: (JUAN GARTNER/Getty Images)

De acordo com o Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra, CNEOS, da agência espacial Nasa, dois asteroides se aproximarão do planeta Terra durante os feriados de Natal e Ano Novo. Segundo a agência, os dois asteroides, nomeados de 310442 e 216258, estarão astronomicamente perto do planeta do dia 26 de dezembro até o dia 31 do mesmo mês.

O primeiro asteroide, que é o 310442, está estimado para se aproximar da Terra no dia 26 de dezembro, um dia após a comemoração do Natal, às 16h54 no horário de Brasília. Esse asteroide, segundo o CNEOS, possui um diâmetro de 600 metros e consegue viajar a uma velocidade de até 44.256 quilômetros por hora.

Já o segundo asteroide, chamado de 216258 ou 2006 WH1, está programado para se aproximar do planeta nos dias seguintes, antes do ano terminar e ainda sem horário definido. Paul Chodas, diretor do CNEOS, disse para o portal Newsweek que o diâmetro das rochas faz com que sua aproximação seja perigosa, embora não haja algum risco de colisão até o momento: “Ao longo de muitos séculos e milênios [esses asteróides] podem evoluir para órbitas que atravessam a Terra. Portanto, é prudente continuar acompanhando-os nas próximas décadas e estudar como suas órbitas podem estar evoluindo.”

Segundo a NASA, esses asteroides estarão a cerca de 2 milhões de quilômetros da Terra – uma distância curta, se analisada astronomicamente. Classificados como do tipo “Aten”, seus materiais rochosos permitem que viajem pelo espaço em alta velocidade, e apresentam uma órbita maior do que a distância entre a Terra e o Sol.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fabio disse:

    Os comentários daqui são ridículos.
    Só faltam dizer que o PT é culpado pela queda de Bolsonaro no banheiro.
    Quanta imbecilidade. Vamos abrir a mente, gente.

  2. Paulo disse:

    Para quem aguentou os roubos do PT esse dois é fichinha papai para o planeta Terra!
    Feliz Natal a Todos

Brasileira na Nasa revela que Titã, uma lua de Saturno, tem ciclo hidrológico parecido com o da Terra

Foto: Nasa/JPL-CalTech/ASU

Desde que a sondas Pionner 10 e 11 visitaram os gigantes gasosos na década de 1970, a maior lua de Saturno, Titã, é um dos lugares mais estudados do Sistema Solar. Isso porque, nas imagens das duas sondas, nenhum detalhe de sua superfície pode ser visto. Tudo bem que as câmeras eram meio tosquinhas até em comparação com outras de sua época, mas outras luas revelaram características de suas superfícies. Em vez de crateras e penhascos, Titã exibia uma pálida coloração amarela-alaranjada.

A conclusão, depois confirmada pelas sondas Voyagers, era que Titã é coberta por uma espessa atmosfera. A única lua do Sistema Solar a ter uma atmosfera densa. Foi por esse motivo que a sonda Voyager 1 foi planejada para fazer um sobrevoo exclusivo em Titã, abrindo mão de todo o resto do Sistema Solar exterior. Essa tarefa acabou ficando para sua irmã gêmea, a Voyager 2.

Quando a Nasa decidiu por uma missão a orbitar Saturno, uma das missões principais da sonda Cassini foi estudar Titã fazendo diversos sobrevoos. Nessas rasantes, a sonda utilizou seu radar para penetrar na atmosfera e mapear o solo do satélite. Além disso, seus instrumentos no infravermelho também ajudaram a entender o que havia por baixo das nuvens.

A atmosfera de Titã é composta basicamente por metano e nitrogênio e sua pressão chega a ser 45% maior do que a pressão atmosférica. Sendo densa assim, seria possível manter algumas substâncias em estado líquido. Não há água, já que a temperatura por lá é de -180 graus Celsius! Mas com metano na atmosfera, as chances de haver metano líquido não são pequenas, já que a essa temperatura ele pode se condensar.

Quando a Cassini começou suas observações com seu radar, encontrou de fato metano líquido, talvez até etano, mas mais do que isso, encontrou lagos e até mares dessa substância! Com o passar dos anos – a missão Cassini durou 13 anos – a superfície de Titã foi sendo mapeada aos poucos, combinando-se as informações de radar e de infravermelho.

Depois de 13 anos de dados coletados e mais de 2 anos analisando todas as imagens, a geóloga planetária brasileira radicada nos EUA, Rosaly Lopes, do Laboratório de Propulsão à Jato da NASA, publicou nesta semana um estudo com o mapa mais completo de Titã até hoje conhecido. Esse mapa geológico global permite identificar lagos, mares, planícies e dunas de areia.

O mapa é tão detalhado que é possível identificar a ação do ciclo hidrológico de Titã, que é igual ao da Terra, com a diferença que aqui o elemento ativo do ciclo é a água. Durante todos esses anos de mapeamento, foi possível ver lagos diminuírem de tamanho até desaparecerem totalmente durante épocas em que a lua se aquecia. Para depois reaparecer em épocas de temperaturas mais amenas. Em outras palavras, era possível o ciclo de evaporação e chuva do metano em Titã!

Foi possível, inclusive, ver a ação desse ciclo hidrológico no terreno, através da erosão provocada no leito dos rios de metano e na mudança nos campos de dunas. As imagens da Cassini por vezes mostravam a formação de nuvens de metano que iam desaparecendo aos poucos, conforme se dissipava com o vento ou mesmo com a precipitação.

“Titã tem um ciclo hidrológico ativo baseado em metano que formou uma paisagem geológica complexa, fazendo de sua superfície a mais diversa em termos geológicos do Sistema Solar,” disse Lopes em entrevista. Ela acrescentou, ainda, que mesmo com diferenças grandes de temperatura, pressão, gravidade e principalmente de substância ativa, as semelhanças entre rios, lagos e vales encontrados na Terra e em Titã mostram que o processo geológico que os criou deve ser o mesmo.

Fotos mostram pedaço de ilha desaparecendo em lago de metano em Titã — Foto: Nasa/ESA

Além do interesse geológico, Titã também é de interesse na busca por vida. Para que ela surja e se desenvolva, um dos pré-requisitos é haver um meio líquido. A vida como se conhece é baseada na água, mas metano e etano líquidos poderiam ser esse meio aquoso. É claro que a vida baseada em hidrocarbonetos líquidos seria muito diferente da vida baseada em água e provavelmente não haveria estruturas muito mais complexas do que seres unicelulares. Ainda assim, seria vida e motivo de todo o interesse da ciência.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lúcifer disse:

    Manda o fascista seboso, junto com suas crias, sua inútil primeira dama e seu vice de mentirinha prá lá.
    Sem passagem de volta.

    • Cidadão disse:

      Aceita q dói menos 😎
      Já vi q és fã d quem está levando
      Muita ovada, ultimamente.

    • Luis disse:

      Esse é o fake em pessoa, e ainda reclama de fake news, é o imundo falando do mal lavado. Vai idolatrar o teu CANALHA ladrão de estimação, idiota

    • Indignado disse:

      Homi, faz isso não, vai que o bixo volta Thanos…

FOTOS: Nasa apresenta trajes espaciais mais flexíveis para próxima missão na Lua

Foto: Kevin Wolf/AP

Menos rigidez para se mover com mais facilidade: os trajes que os astronautas americanos usarão para caminhar na Lua nos próximos anos, como parte do programa Artemis, foram apresentados nesta terça-feira (15) pela agência espacial norte-americana (Nasa).

Estes modelos são protótipos que ainda não foram testados no espaço e cujo design ainda deve ser terminado.

O regresso à Lua está previsto oficialmente para 2024 com a missão Artemis 3, embora este cronograma ainda seja incerto devido a atrasos e problemas de financiamento.

Os trajes só devem ficar prontos em 2023.

Na frente de uma enorme bandeira americana na sede da Agência Espacial dos Estados Unidos em Washington, os engenheiros vestiram os trajes para a imprensa.

Os trajes anteriores, que foram usados para caminhar na Lua nas missões Apollo (1969-1972), fornecem oxigênio aos astronautas, reciclam o ar, regulam a temperatura e protegem contra a radiação.

Os engenheiros da Nasa estiveram trabalhando durante anos em uma versão melhorada, especialmente para a eliminação de dióxido de carbono.

Na realidade haverá dois tipos de traje: um para caminhar na Lua, branco com bandeiras azuis e vermelhas, chamado “xEMU” (acrônimo em inglês de Unidade móvel de exploração extraveicular), e outro para o trajeto entre a Terra e a Lua, mais leve e de cor laranja, batizado “Orion Crew Survival Suit”, o traje de sobrevivência para a tripulação da cápsula de Orion.

Trajes mais maleáveis facilitam os movimentos dos exploradores espaciais — Foto: Kevin Wolf/AP

O modelo xEMU será mais flexível, conforme demonstraram os engenheiros da Nasa.

“Lembrem-se que durante os anos da Apollo, Neil Armstrong e Buzz Aldrin pulavam como coelhos no solo lunar. Agora será possível caminhar”, disse Jim Bridenstine, chefe da Nasa.

E como demonstrou a engenheira Kristine Davis, os astronautas terão muito mais liberdade de movimento: poderão levantar os braços acima da cabeça, o que não era possível com os trajes Apollo; também poderão agachar facilmente para pegar rochas lunares, sem se arriscar a perder o equilíbrio e cair.

Outra inovação importante é que o novo traje foi desenhado para se adaptar a todos os tamanhos, tanto para homens como para mulheres.

Jim Bridenstine e Kristine Davis durante demonstração da Unidade Móvel de Exploração Extra-veicular, da Nasa — Foto: Kevin Wolf/AP

G1

 

Missão DART: Nasa planeja desviar asteroide para testar segurança da Terra e rota de colisão

Foto: Nasa

A Nasa, agência espacial norte-americana, e a ESA, agência espacial europeia, estão trabalhando juntas para proteger a Terra de uma possível colisão com o asteroide Didymos, que poderia destruir o planeta.

A Missão DART (Double Asteroid Redirection Test) usará um equipamento para provocar um impacto cinético e alterar a trajetória do asteroide. A rocha espacial tem, aproximadamente, 160 metros comprimento e 780 metros de diâmetro.

O DART será lançado em julho de 2021 a bordo de um foguete da SpaceX. A primeira fase da missão acontecerá em setembro de 2022, quando o equipamento irá interceptar a lua do Didymos, a 11 milhões de quilômetros da Terra.

A colisão entre o DART e o Didymos deverá mudar minimamente a rota do asteroide, mas será o suficiente para impedir uma ameaça real de impacto contra a Terra.

Veja mais: NASA atingirá asteroide de 800 metros para testar segurança da Terra

A missão nomeada AINDA, (Asteroid Impact & Deflection Assessment), da ESA, irá enviar a nave espacial Hera, para acompanhar o asteroide após o impacto e ajudar no monitoramento da trajetória.

Além disso, há o plano de estudar o Didymos em 2026, quando a sonda espacial Hera chegar ao asteroide para medir a cratera aberta pelo DART e analisar mais detalhes do objeto espacial.

R7 e Galileu

VÍDEO: NASA se prepara para asteroide ‘Deus do Caos’ que pode colidir com Terra em 10 anos

Daqui a uma década, um enorme asteroide potencialmente perigoso, que recebeu o nome de uma divindade maligna e destruidora do Antigo Egito, vai passar perto da Terra, voando como uma bala.

A probabilidade deste asteroide colidir com o nosso planeta é de uma em 45.000.

A NASA já começou a se preparar para a “chegada” iminente do asteroide 99942 Apophis, também conhecido como “Deus do Caos”, que passará perto da Terra a uma distância de 31.000 quilômetros em 13 de abril de 2029.

Este corpo celeste, dono de um diâmetro de 340 metros, é considerado potencialmente perigoso, sendo um dos maiores asteroides a passar muito perto da superfície do nosso planeta, com uma probabilidade de atingi-lo, escreve tabloide britânico Express.

Se a colisão acontecer mesmo, danos à humanidade serão devastadores, dada a sua velocidade de 40.233 km/h.

Enquanto pesquisadores da NASA estão se preparando para analisar a rocha gigantesca quando ela passar pela Terra, Elon Musk, presidente-executivo da Tesla e SpaceX, não se mostra nem um pouco perturbado com a aproximação potencialmente perigosa, chegando até mesmo a escrever no Twitter que “uma grande rocha vai colidir com a Terra eventualmente e agora não temos defesa nenhuma”.

Sputnik

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Salvem a Amazônia disse:

    No caminho que o Brasil tá indo com esse monstro no poder, em dez anos, aqui vai ser terra arrasada, já. Triste demais

Astrônomos da NASA escolhem lugar para pouso em ‘asteroide apocalíptico’

A NASA passou mais de oito meses explorando o asteroide gigantesco Bennu, localizado entre Marte e a Terra, para finalmente escolher quatro áreas na sua superfície, onde a nave espacial OSIRIS-REx irá pousar.

Cientistas da NASA consideram o asteroide Bennu “o testemunho silencioso de eventos titânicos na história de 4,6 bilhões de anos do Sistema Solar”. O asteroide representa uma rocha gigantesca com cerca de 500 metros de diâmetro e um peso de cerca de 87 milhões de toneladas .

Os especialistas da missão planetária norte-americana OSIRIS-REx escolheram quatro lugares na superfície do asteroide para explorar o corpo celeste mais detalhadamente. Cada área recebeu o nome de uma espécie de ave encontrada no Egito, já que a União Astronômica Internacional decidiu que os nomes oficiais de partes do asteroide devem se referir a aves mitológicas.

A equipe da missão afirmou que a escolha dos lugares foi mais difícil do que se considerava inicialmente. A superfície do asteroide é mais rochosa do que parecia à distância, após a NASA ter obtido uma imagem do asteroide usando sua espaçonave Osiris-Rex de alta tecnologia.

A nave espacial chegou ao asteroide em dezembro de 2018, entrando em órbita de Bennu no final desse ano. Desde então, a nave tem explorado a superfície do asteroide e criado um mapa pormenorizado do corpo celeste. Graças ao mapa, os cientistas podem escolher os lugares mais convenientes para o futuro pouso, com a intenção de realizar a coleta de amostras de solo no segundo semestre de 2020.

O melhor lugar encontrado foi uma cratera com uma substância parecida com areia. Os cientistas esperam começar a estudar o material coletado em setembro de 2023.

Sputnik

Engenheiro da NASA ministra palestra na UFRN; evento é aberto ao público em geral

O engenheiro aeroespacial da NASA, Gabe Gabrielle, estará na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) nesta segunda-feira, 12, para encorajar pessoas a seguir ao infinito e além – tema da palestra que o visitante norte-americano ministrará no auditório do Complexo Tecnológico de Engenharia (CTEC), às 19h, no Campus Central da UFRN. O evento é aberto ao público em geral e contará com tradução do inglês para o português.

A iniciativa faz parte do projeto de extensão da UFRN intitulado NASA em Natal: ao infinito e além, que leva Gabe Gabrielle para uma sequência de visitas e palestras em escolas públicas e privadas da capital potiguar. Nesses encontros, o palestrante oficial da NASA conta a sua trajetória pessoal desde quando fritava hambúrgueres no McDonald’s, passando pelos 20 anos para se formar na faculdade, até chegar à agência dos Estados Unidos responsável pela pesquisa e desenvolvimento de tecnologias e programas de exploração aeroespacial.

“O exemplo de Gabe Gabrielle mostra que é possível realizar sonhos em meio a dificuldades, assim como desperta os jovens para o segmento aeroespacial. A cidade de Natal tem vocação para essa área pelo seu próprio contexto histórico, portanto, podemos dizer que a palestra é motivacional, educacional e cultural”, afirma o professor Dino Lincoln, coordenador do projeto de extensão.

Com informações da UFRN

NASA descobre planeta de ‘metal pesado’ que tem forma inusitada

REPRODUÇÃO NASA

Observações do Telescópio Espacial Hubble da NASA detectaram magnésio e gás de ferro fluindo do estranho mundo fora do nosso sistema solar conhecido como WASP-121b.

Os resultados representam a primeira vez que os chamados “metais pesados” foram vistos escapando de um grande exoplaneta gasoso muito próximo de sua estrela.

De acordo com a NASA, ele orbita tão perigosamente perto de sua estrela que sua atmosfera superior atinge uma temperatura de 4.500 graus Fahrenheit. O sistema WASP-121, no formato de uma bola de futebol americano, fica a cerca de 900 anos-luz da Terra.

A luz ultravioleta da estrela hospedeira, que é mais brilhante e mais quente que o Sol, aquece a atmosfera superior e ajuda a escapar. Além disso, o magnésio e o gás de ferro podem contribuir para o pico de temperatura.

Este exoplaneta é também um alvo perfeito para o próximo Telescópio Espacial James Webb, da Agência Espacial Americana, pesquisar na luz infravermelha por água e dióxido de carbono.

A combinação de observações de Hubble e Webb proporcionaria aos astrônomos um estudo mais completo dos elementos químicos que compõem a atmosfera do planeta.

As observações do WASP-121b também contribuem para o desenvolvimento da história de como os planetas perdem suas atmosferas primordiais.

Metro Jornal

Nasa fotografa asteroide que pode se chocar com a Terra

Nasa divulga imagens detalhadas do asteroide Bennus. Imagem: Reprodução/Twitter @OSIRISREx

A Nasa divulgou imagens detalhadas do asteroide Bennus, que está sendo monitorado pela sonda OSIRIS-REx, lançada no final de 2016 com a missão de coletar amostras do asteroide. Espera-se que até o fim desse ano a sonda pouse no corpo celeste e, durante o próximo ano, colete amostras da superfície para estudos.

Mas ao chegar mais perto do asteroide para obter as amostras, a equipe descobriu que a superfície está toda coberta de rochas e pedras, tornando a coleta mais complicada do que o esperado.

O objetivo agora é pousar durante cinco segundos e realizar as coletas com o braço articulado. O plano está previsto para junho de 2020 e espera-se coletar de 60 gramas a um quilo de regolito –cascalho e poeira. As amostras serão armazenadas na sonda, que retornará à Terra em 2023.

A agência está buscando o maior número de informações, pois estima-se que a rocha espacial poderá colidir com o planeta Terra por volta do ano de 2135.

O tuíte, escrito em “primeira pessoa” pela sonda, diz assim:

“Aqui está outro ponto de vista legal. Peguei esta imagem enquanto voava sobre o equador de Bennu, olhando para baixo em direção ao Pedregulho nº 1 do asteroide e depois para o espaço. Há muito material sobre Bennu e muita escuridão no espaço”.

Bennu tem um diâmetro de aproximadamente 490 metros e tem sua órbita próxima à da Terra. Estes motivos tornam esse asteroide “potencialmente perigoso para o planeta”.

A rocha espacial está a aproximadamente 97,8 milhões de quilômetros da Terra. Na velocidade da luz, essa distância equivale a uma viagem de cerca de 11 minutos indo e voltando do nosso planeta.

Bennu

O ‘101955 Bennu’ foi escolhido para ser explorado pela Nasa por se tratar de um asteroide primitivo, cuja superfície está coberta de materiais que predominavam no início da formação do Sistema Solar. Graças a sua distância do Sol, esses materiais não sofreram tanto pelo aquecimento.

Bennu é composto basicamente de carbono e, provavelmente, por silicatos alterados pela presença de água –o comunicado da Nasa aponta que não tem água líquida em sua superfície, mas, em algum momento o objeto rochoso interagiu com este elemento.

O asteroide foi escolhido entre mais de 200 outros. Foi estipulado uma série de pré-requisitos para a escolha do asteroide. Entre eles o tamanho, a proximidade, seus componentes, entre outros.

OSIRIS-REx

A sonda espacial da Nasa, OSIRIS-REx (Origins Spectral Interpretation Resource Identification Security – Regolith Explorer) foi lançada no dia 8 de setembro de 2016 para uma missão de sete anos no asteroide Bennu.

Após se aproximar do asteroide e coletar as amostras da superfície, a sonda deverá retornar a Terra, em 2023, para estudos.

A OSIRIS-REx está equipada com cinco instrumentos científicos para explorar o asteroide por detecção por sensores e varredura remota da superfície. Também está presente um conjunto de câmeras. Entre elas estão a MapCam, responsável por mapear a superfície; a PolyCam, responsável por fotografar o asteroide de longas distâncias; e a SamCam, que vai registrar o momento que a sonda realizará a coleta.

Espectrômetros irão medir temperatura, luz visível e infravermelha e espectro de raio-x, para determinar os elementos da Bennu.

UOL

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Humilde Iconoclasta disse:

    O cara tira foto de uma calçada esburacada e fica fazendo medo a gente.

Nasa oferece R$ 73 mil para pessoas ficarem na cama por dois meses

A Nasa tem um desafio para você que pode render um salário de €16.500, aproximadamente R$73.500: ficar deitado na cama por dois meses. Os pesquisadores querem avaliar quais são os efeitos da ausência da gravidade no corpo humano e como astronautas, que passam um longo tempo em missões espaciais, podem ser afetados.

Apesar de parecer uma tarefa fácil, os 24 selecionados pelo Centro Espacial Alemão precisarão realizar todas as tarefas deitados: desde as mais simples, como comer, assistir TV e ler, até tomar banho e ir ao banheiro. O site do experimento explica que a ausência da gravidade gera consequências ao corpo as quais pessoas que permanecem muito tempo na cama também sofrem. Um exemplo são os fluidos corporais que começam a se deslocar para a cabeça.

Ao todo, serão 89 dias de treinamento em Colônia, na Alemanha, e inclui o período de adaptação pré-experimento e reabilitação pós-experimento. Para participar, é preciso ser mulher, saudável, ter entre 24 e 55 anos e não fumar.

Vírgula