Diversos

Marco histórico para a ciência potiguar: astrônomos da UFRN realizam missão observacional remota no ESO a partir de Natal

Telescópio do observatório do ESO, localizado em La Silla, no Chile. Foto: Divulgação

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) viverá um evento histórico no período de 15 a 24 deste mês de fevereiro a partir de uma missão observacional remota pioneira no European Southern Observatory (ESO) com o telescópio de 3,60m do observatório do ESO, localizado em La Silla, no deserto do Atacama, no Chile. Essa missão, que será conduzida pelos professores Izan de Castro Leão e Bruno Leonardo Canto Martins, do Departamento de Física Teórica e Experimental (DFTE), é parte de um ambicioso programa científico, iniciado em 2018, dedicado à busca por Exoplanetas orbitando estrelas que possuem cinturões de asteróides parecidos com aqueles existentes no nosso Sistema Solar.

A presença de cinturões de asteróides num sistema planetário é uma das condições fundamentais para a possível existência de atividade biológica em planetas do referido sistema, como acontece com o planeta Terra, no Sistema Solar. No nosso caso, existe um cinturão de asteróide localizado na região compreendida entre as órbitas de Marte e Júpiter, composto por bilhões de corpos sólidos de formato irregular com dimensões variando do tamanho de uma pedra a centenas de quilômetros de diâmetro, bem como por cometas. “Provavelmente a água da Terra pode ter vindo desses asteróides ou cometas que colidiram com nosso planeta ainda na sua fase de formação”, afirma o professor José Renan de Medeiros, do Departamento de Física Teórica e Experimental (DFTE).

Pesquisadores durante missão de testes com o Pente de Frequências Laser, no Observatório La Silla. Foto: Divulgação

Nesse programa científico, que conta também com a participação do professor Renan e de vários doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Física da UFRN, Izan e Bruno observaram sistematicamente uma amostra de 60 estrelas denominadas estrelas do tipo-solar por terem muitas propriedades físico-químicas similares àquelas do Sol.

Essas observações serão realizadas com o espectrômetro HARPS (High Accuracy Radial Velocity Planet Searcher) instalado no telescópio de 3,60m de diâmetro do ESO, em La Silla, principal instrumento descobridor de planetas em operação. Nessas observações será utilizado também o Pente de Frequências Laser do ESO, que é um instrumento de calibração com a capacidade de aumentar significativamente a precisão do espectrômetro HARPS e, portanto, sua capacidade de detectar planetas.

Espectômetro HARPS. Foto: Divulgação

O referido Pente de Frequências Laser, primeiro dedicado à Astronomia Óptica, é resultado de uma colaboração internacional e foi construído por meio de um consórcio constituído pela UFRN, Instituto de Astrofísica de Canárias (Tenerife, Espanha), Instituto Max Planck de Óptica Quântica e o ESO.

Pente de Frequência Laser desenvolvido com participação da UFRN. Foto: Divulgação

A missão observacional remota será realizada a partir do laboratório de observações remotas do Núcleo de Astronomia Observacional e Instrumental da UFRN localizado no Departamento de Física do Centro de Ciências Exatas (CCET). Tal laboratório é fruto de financiamentos recebidos da Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PPG) da UFRN, através do programa PRINT/CAPES, da Pró-Reitoria de Pesquisas (Propesq) da UFRN e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Com UFRN

Opinião dos leitores

    1. Esquerda é ódio e agressividade.
      "Cientistas" seguidores de Fidel Castro, Che Guevara, Maduro e Lula.
      Não me refiro aos verdadeiros cientistas, mas aos esquerdistas que posam de cientistas.

  1. Parabéns a equipe de Cientistas da UFRN e em especial ao Professor Renan Medeiros motivo de orgulho para o RN.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

China confirma que missão da OMS irá ao país investigar origem da Covid-19

Foto: Fabrice Coffrini/Pool via Reuters

A Comissão Nacional de Saúde da China confirmou nesta segunda-feira (11) que vai receber nesta semana a missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) que investigará a origem da Covid-19.

Em breve comunicado publicado em seu site, a agência indica apenas que os técnicos da OMS chegarão à China na próxima quinta-feira (14), e que irão “cooperar” com os cientistas locais nessas investigações.

A Comissão não especifica os locais para onde os especialistas irão viajar.

A OMS criticou a China na semana passada por demorar para liberar a viagem.

O diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom, afirmou estar “muito decepcionado” com os obstáculos que supostamente estava colocando Pequim na missão, embora as autoridades chinesas negassem que estivessem impedindo.

G1

Opinião dos leitores

  1. O difícil vai ser conseguir entrar lá e receber todas as informações necessárias. País comunista dos inferno.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Nasa lança com sucesso mais uma missão para explorar Marte

Foto: Reprodução YouTube/Nasa

A Nasa, agência espacial norte-americana, lançou nesta quinta-feira (30) mais uma missão espacial que tem como objetivo explorar Marte. O foguete que cruza a atmosfera rumo ao planeta vermelho leva o robô Perseverance para buscar vestígios de vida fora da Terra.

O moderno equipamento chegará em solo marciano em 18 de fevereiro de 2021. Então, começará o trabalho de buscar na superfície e também no subsolo de um antigo lago algum material biológico.

O Perseverance conta instrumentos de ponta que podem detectar matéria orgânica, analisar a composição das rochas e do solo, além de permitir o mapeamento da composição química em um nível de precisão jamais realizado.

Durante a missão, o robô irá coletar amostras de solo que devem ser coletadas e trazidas para a Terra em futuras missões espaciais. Até hoje, nenhum material marciano foi enviado de volta para que estudos sejam realizados.

A Nasa enviou também uma espécie de drone espacial que poderá voar em Marte. Essa será a primeira vez que um equipamento realizará voos sendo controlado pelo cientistas aqui na Terra.

R7

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS: Nasa apresenta trajes espaciais mais flexíveis para próxima missão na Lua

Foto: Kevin Wolf/AP

Menos rigidez para se mover com mais facilidade: os trajes que os astronautas americanos usarão para caminhar na Lua nos próximos anos, como parte do programa Artemis, foram apresentados nesta terça-feira (15) pela agência espacial norte-americana (Nasa).

Estes modelos são protótipos que ainda não foram testados no espaço e cujo design ainda deve ser terminado.

O regresso à Lua está previsto oficialmente para 2024 com a missão Artemis 3, embora este cronograma ainda seja incerto devido a atrasos e problemas de financiamento.

Os trajes só devem ficar prontos em 2023.

Na frente de uma enorme bandeira americana na sede da Agência Espacial dos Estados Unidos em Washington, os engenheiros vestiram os trajes para a imprensa.

Os trajes anteriores, que foram usados para caminhar na Lua nas missões Apollo (1969-1972), fornecem oxigênio aos astronautas, reciclam o ar, regulam a temperatura e protegem contra a radiação.

Os engenheiros da Nasa estiveram trabalhando durante anos em uma versão melhorada, especialmente para a eliminação de dióxido de carbono.

Na realidade haverá dois tipos de traje: um para caminhar na Lua, branco com bandeiras azuis e vermelhas, chamado “xEMU” (acrônimo em inglês de Unidade móvel de exploração extraveicular), e outro para o trajeto entre a Terra e a Lua, mais leve e de cor laranja, batizado “Orion Crew Survival Suit”, o traje de sobrevivência para a tripulação da cápsula de Orion.

Trajes mais maleáveis facilitam os movimentos dos exploradores espaciais — Foto: Kevin Wolf/AP

O modelo xEMU será mais flexível, conforme demonstraram os engenheiros da Nasa.

“Lembrem-se que durante os anos da Apollo, Neil Armstrong e Buzz Aldrin pulavam como coelhos no solo lunar. Agora será possível caminhar”, disse Jim Bridenstine, chefe da Nasa.

E como demonstrou a engenheira Kristine Davis, os astronautas terão muito mais liberdade de movimento: poderão levantar os braços acima da cabeça, o que não era possível com os trajes Apollo; também poderão agachar facilmente para pegar rochas lunares, sem se arriscar a perder o equilíbrio e cair.

Outra inovação importante é que o novo traje foi desenhado para se adaptar a todos os tamanhos, tanto para homens como para mulheres.

Jim Bridenstine e Kristine Davis durante demonstração da Unidade Móvel de Exploração Extra-veicular, da Nasa — Foto: Kevin Wolf/AP

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Rosalba mais uma vez não viaja e manda secretário para 'missão oficial'

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Benito Gama, irá a mais uma missão oficial. Nesta terça-feira (10), ele estará em Washington (DC), nos Estados Unidos fazendo uma exposição sobre as potencialidades econômicas do Rio Grande do Norte.

Desde que o vice-governador Robinson Faria rompeu com o governo, no final de outubro de 2012, a governadora tem ficado colada à cadeira do executivo e mandado seus subordinados para  este tipo de evento.

Para se ter uma ideia do ‘medo’ de ter Robinson a frente do governo, em pouco mais de um mês já é a segunda vez que o secretário do Governo Rosalba embarca para a América do Norte representando o executivo estadual.

A última ‘missão oficial’ cumprida pela própria governadora foi em outubro do ano passado, antes da ruptura. Ne época, pessoalmente, Rosalba conversou com americanos sobre as vantagens de se investir no RN. Ela fez palestra na Câmara de Comercio Brasil – Estados Unidos.

Oportunidades

De acordo com a assessoria de imprensa do Governo, Gama vai mostrar ao setor privado e instituições financeiras nacionais e internacionais, as oportunidades de negócios através de energias renováveis como eólica e solar, petróleo, sal, fruticultura, cimento e cal, turismo e mineração, entre outras.

Um dos pontos de destaques vai ser o Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, primeira concessão privada do setor no país. “Será um aeroporto cidade, com hub de cargas e turistas internacionais”, argumenta o secretário Benito Gama, acrescentando que até 2014, ano da Copa em que Natal será uma das cidades-sede do Mundial, o RN receberá R$ 35 bilhões de investimentos privados.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *