Saúde

Nova variante britânica pode infectar pessoas que já tiveram covid ou já foram vacinadas, dizem cientistas

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O governo britânico informou nesta quinta-feira (11) que uma nova mutação do coronavírus, conhecida como variante de Bristol, pode contagiar pessoas que já tiveram Covid-19 ou que já foram vacinadas contra a doença. (ASSISTA REPORTAGEM AQUI).

De acordo com o conselheiro do grupo científico para emergências do Reino Unido, ainda não se sabe se a variante de Bristol é mais transmissível que a variante britânica identificada anteriormente.

O ministro da Saúde do país disse que o Reino Unido está comprometido em aprimorar o rastreamento de infectados e aumentar a testagem para monitorar a propagação das novas variantes.

O serviço público de saúde britânico divulgou que os casos identificados em Bristol têm em comum a mesma mutação registrada nas variantes da África do Sul e no Brasil.

Cientistas dizem que as vacinas são eficazes contra as variantes do vírus até o momento, mas as mutações podem diminuir a eficácia dos imunizantes.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Essa invenção é pra justificar a água que estão aplicando no povo. Sempre inventando nova variante.

  2. Viva a indústria farmacêutica e viva os gananciosos .
    Dória é lobista e moleque.
    Bolsonaro tem razão

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Primeiro-ministro britânico diz que há evidências de que nova variante da Covid-19 causa maior mortalidade

Foto: LEON NEAL/AFP / LEON NEAL/AFP

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse nesta sexta-feira que há evidências de que uma nova variante da Covid-19, descoberta no ano passado, poderia estar associada a um aumento na mortalidade.

— Fomos informados hoje que, além de se espalhar mais rapidamente, também parece haver alguma evidência de que a nova variante, descoberta pela primeira vez em Londres e no sudeste da Inglaterra, pode estar associada a um grau aumentado da mortalidade — disse Johnson em uma entrevista coletiva.

Ele acrescentou que todos os testes atuais mostram que ambas as vacinas ainda são eficazes contra as variantes antigas e novas.

No caso de um homem na casa dos 60 anos, a mortalidade no país era anteriormente de 10 pacientes por mil pacientes e atualmente seria entre 13 e 14 por mil, explicou o principal assessor científico do executivo, Patrick Vallance.

— Todas as evidências atuais continuam a mostrar que as duas vacinas que usamos atualmente permanecem eficazes contra a variante antiga e esta nova variante — disse Johnson na sexta-feira.

No caso de um homem na casa dos 60 anos, a mortalidade no país era anteriormente de 10 pacientes por mil pacientes e atualmente seria entre 13 e 14 por mil, explicou o principal assessor científico do executivo, Patrick Vallance.

No entanto, ele afirmou que “gostaria de enfatizar que há muita incerteza em torno desses números”.

— É preocupante que tenha havido um aumento da mortalidade, bem como um aumento da transmissibilidade — disse ele.

País mais atingido na Europa pela pandemia, com quase 96 mil mortes confirmadas por Covid-19, o Reino Unido enfrenta uma nova onda de infecções desde a descoberta em dezembro de uma mutação do coronavírus entre 50% e 70% mais contagiosa, segundo cientistas britânicos.

Depois de se tornar o primeiro país ocidental a lançar uma campanha de vacinação em massa contra a Covid-19, em 8 de dezembro, o Reino Unido já imunizou 5,4 milhões de pessoas com as vacinas desenvolvidas pela Pfizer/BioNTech e AstraZeneca/Oxford.

A política de Johnson, amplamente criticado desde o início da pandemia por suas políticas erráticas em matéria de saúde, agora deposita todas as esperanças na vacinação para poder suspender, a partir de março, o terceiro bloqueio em que o país está mergulhado.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. O sadismo do Grupo Globo em divulgar notícias como essa é impressionante. Fiquem em casa assistindo BBB #globolixo.

  2. O Brasil precisa de um gestor a sua altura. O povo brasileiro precisa de socorro. Mourão 2021!

    1. Tá vendo??
      Esse aqui ta dizendo que a culpa é do Bolsonaro.
      Kkkkkkkkkkk
      Isso na Grã Bretanha viu?
      Kkkkkkkkk
      Babaca.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Infecção anterior por coronavírus oferece menos proteção contra nova variante

Foto: Reuters

Infecções anteriores com coronavírus podem oferecer menos proteção contra a nova variante inicialmente identificada na África do Sul, afirmaram cientistas, nesta segunda-feira, embora esperem que as vacinas desenvolvidas ainda funcionem.

Estudos também descobriram que a nova variante se liga com mais força e prontidão às células humanas. Isso ajuda a explicar por que parece estar se espalhando aproximadamente 50% mais rápido do que as versões anteriores, disse o importante epidemiologista sul-africano Salim Abdool Karim.

A variante 501Y.V2 foi identificada por especialistas sul-africanos em genômica no final do ano passado. Ela levou as infecções locais por Covid-19 a um novo pico diário acima de 21.000 casos no início deste mês.

É uma das muitas novas variantes descobertas nos últimos meses, incluindo as encontradas inicialmente na Inglaterra e no Brasil, que deixaram cientistas preocupado que estivessem acelerando a disseminação da Covid-19.

“Estudos de soro convalescente sugerem que os anticorpos naturais são menos efetivos”, disse Abdool Karim, introduzindo a pesquisa, “(mas) dados atuais indicam que a nova variante não é mais severa”.

Cientistas e políticos britânicos expressaram preocupação de que as vacinas atualmente em uso ou em desenvolvimento possam ser menos eficazes contra a variante.

Especialistas falando com um painel virtual na segunda-feira disseram que ainda não havia uma resposta clara à essa pergunta e que os estudos estão em andamento.

Mais cedo, especialistas sul-africanos afirmaram que, uma vez que as vacinas induzem uma ampla resposta imunológica, é improvável que as mutações na proteína spike anulem completamente o efeito.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. A primeira variante do vírus que apareceu foi na Inglaterra logo após a aplicação da vacina, agora passaram para a África e irão esquecer a variante da Inglaterra. Estão querendo encobrir o que fazendo isso?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid: Mulher foi reinfectada por nova variante no AM mesmo com anticorpos

Foto: Pixabay

Artigo científico produzido por pesquisadores aponta que o primeiro caso de reinfecção de covid-19 na região Norte contaminou uma mulher que apresentava anticorpos detectáveis em teste feito dias antes de ser reinfectada.

A mulher de 29 anos foi reinfectada pela nova variante com origem no Amazonas descoberta recentemente por pesquisadores. Os cientistas pedem “estudos urgentes” para aprofundar o entendimento da nova variante, já que ela poderia escapar da resposta imune em caso de uma primeira infecção por outra cepa do Sars-CoV-2.

Ao UOL o cientista responsável pela coordenação dos estudos, Felipe Naveca, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) Amazônia, afirmou que o caso gera preocupação.

“Era uma pessoa sem imunocomponente, que se infectou por B.1. em março e agora pela nova variante P.1. e apresentava anticorpos detectáveis em teste rápido dias antes de ter se reinfectado. Não sabemos ainda se isso representa que a nova variante escapa mesmo da resposta imune, até por ser o primeiro caso, mas mostra que novos estudos precisam ser feitos”, afirma.

Na prática, segundo ele, o resultado aponta que existe possibilidade de que uma pessoa que se infectou com a doença e adquiriu resposta imune não esteja livre de ser contaminado.

“Pode ser isso, mas não dá para ter certeza só com esse caso. E também não se sabe se não foi por conta do tempo da primeira para a segunda exposição”, diz.

“Estudos urgentes”

No artigo publicado hoje, os cientistas relatam o caso: “No dia 19 de dezembro, a paciente relatou ter participado de uma comemoração de fim de ano com outras dez pessoas após o teste rápido de IgG positivo Um dos participantes da reunião foi RT-PCR confirmado para SARS-CoV-2 infecção em 24 de dezembro, e o paciente apresentou o segundo episódio sintomático de covid-19 em 27 de dezembro, com febre, tosse, dor de garganta, diarreia, anosmia, ageusia, cefaléia, coriza e oximetria de pulso em repouso de 97%”.

Diante do resultado, os cientistas defendem uma investigação imediata da nova variante.

“Estudos urgentes são necessários para determinar se a reinfecção com linhagens emergentes que abrigam a mutação é um fenômeno generalizado ou está limitado a alguns casos esporádicos. Também será crucial entender até que ponto a reinfecção contribui para a transmissão direta do SARS-CoV-2 em populações previamente expostas e o número crescente de casos de SARS-CoV-2 observados no Amazonas e outros estados brasileiros durante dezembro de 2020 – janeiro 2021”, afirma.

O caso

A paciente estudada havia sido diagnosticada primeiramente em 24 de março de 2020 com covid-19 e obteve o segundo resultado positivo para Sars-CoV-2 após nove meses. A coleta foi feita no dia 30 de dezembro por meio de um teste RT-PCR.

A variante que contaminou a mulher é a mesma que foi identificada no Japão por pesquisadores que analisaram amostras de pessoas que estiveram no Amazonas.

Manaus vive uma nova calamidade por uma segunda onda de casos e hospitalizações com números maiores e crescimento mais acelerado que na primeira fase. Uma das suspeitas é que a nova variante estaria impulsionando o número de casos.

UOL

 

Opinião dos leitores

  1. Também fui. Fiz um teste sorológico em outubro pelo laboratório Laís e foi detectado anticorpos. Na época, maio/2020 tive todos os sintomas: Febre, cansaso, dor de cabeça forte, tosse, garganta, falts de ar, paladar, olfato, conjuntivite, moleza corporal, desinteria, sensação de taque cardíaco, sensibilidade ao som e a luz…
    Agora em 31/12/2020 tive contato com o vírus pq fui acompanhar uma irmã no hospital do coração na ala para covid. Pássaro a noite naquele ambiente. No dia 06/02/21 comecei a sentir os mesmos sintomas: primeiro a garganta, tosse seca, falta de ar, dor de cabeça, moleza corporal. Febre. Fui ao médico/UPA , relatei o possível caso de reinfecção pra fazer o exame do nariz mas não obtive sucesso. Tô recuperando mas tenho certeza w fui reinfectado!

  2. Kkkkkkkkkkkkkkkkk e tome pânico, desinformação e manipulação. Acordem! Vacina chegou e dentro de pouco tempo tudo estará bem!

    1. Qual a diferença de um presidente honesto pra um ladrão.
      Sabe dizer??

    2. Quem é o presidente honesto?, é o Bozo? O ladrão de rachadinha, que até a mulher recebe dinheiro do Queiroz? Que tem os filhos sendo processados por formação de quadrilha?. Queria nem rir. Kkkkkkkkkkkkk

    3. Depende qual a sua definição de ladrão. Você é daqueles que replica o bordão: bandido bom é bandido morto?
      Então o 01 não deveria estar entre nós.
      Outra, comparar o atual governo com o do PT, é porque estamos lascados mesmo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Vacinas funcionarão em nova variante brasileira, dizem cientistas britânicos

Foto: Pexels

O ministro dos transportes da Grã-Bretanha, Grant Shapps, disse que cientistas acreditam que as vacinas contra Covid-19 funcionarão para a nova variante do coronavírus encontrada no Brasil. Shapps acrescentou que a decisão de banir voos da América do Sul e Portugal com destino ao Reino Unido foi tomada devido às preocupações de a nova cepa seja se espalhe mais rápido.

“Olhamos esta mutação em particular com muito cuidado e vimos que pode haver um problema, não tanto que a vacina não funcione, na verdade os cientistas acham que funcionará, mas apenas pelo fato de é mais propagável”, disse o ministro, durante entrevista à rede BBC.

Na quinta-feira (14), o Reino Unido baniu voos com origem no Brasil, Argentina, Bolívia, Cabo Verde, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela, além de Portugal, devido à nova variante de Covid-19 encontrada no território brasileiro.

A variante brasileira compartilha algumas características com as encontradas na Grã-Bretanha e na África do Sul, que os cientistas acreditam ser mais transmissível, mas não causar doenças mais graves.

“Assim como acontece com a variante que vimos em Kent (sul da Inglaterra) ou na África do Sul, é de interesse significativo para nós tomarmos essa abordagem preventiva de parar todos os voos do Brasil (e) da América do Sul”, disse Shapps.

“Existem dois tipos diferentes de variantes brasileiras e uma delas foi detectada (no Reino Unido) e outra, não”, explicou a virologista Wendy Barclay, do Imperial College London. Junto com as variantes do Reino Unido e da África do Sul, a variante brasileira é “preocupante” e será “rastreada com muito cuidado”, destacou Barclay.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Cadê o Dória?
    Será que ele se trancou num quarto com Alexandre Frota? Kkkkk Ô Dóriana safadinha.

  2. Bolsonaro estar com uma informação preciosa, a grande eficácia da ivermectina e cloroquina no início da doença, ele precisa divulgar isso para o mundo, quem sabe não ganha um Nobel?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Instituto Adolfo Lutz confirma dois casos de nova variante do coronavírus em São Paulo; há preocupação com ‘falso negativos’ em testes

Ilustração feita pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, mostra a morfologia do coronavírus — Foto: Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/Handout via Reuters

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo confirmou nesta segunda-feira (4) os dois primeiros casos no estado da nova variante do coronavírus identificada inicialmente no Reino Unido.

A confirmação foi feita pelo Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, que é vinculado à pasta estadual, após o sequenciamento genético de amostras encaminhadas pelo laboratório privado Dasa no sábado (2).

Um dos casos confirmados é de uma mulher residente de São Paulo de 25 anos, que teve contato com viajantes que passaram pelo Reino Unido. Ela começou a apresentar sintomas como dor de cabeça, dor de garganta, tosse, mal estar e perda de paladar no dia 20 de dezembro, e realizou o teste do tipo PCR em 22 de dezembro.

O outro paciente é um homem de 34 anos, que a secretaria informou que ainda investiga o histórico do caso, os sintomas e seu local de moradia.

Ambas as contaminações são da linhagem B.1.1.7 do vírus, variante que já foi registrada em pelo menos outros 17 países. Ela tem mutações que afetam a maneira como o vírus se fixa nas células humanas e é 56% mais contagiosa.

Não há evidências de que a variante provoque casos mais graves ou com maior índice de mortes, nem mesmo que seja resistente às vacinas.

No Reino Unido, ela já representa mais de 50% dos novos casos diagnosticados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ainda de acordo com o Instituto Adolfo Lutz, que fez a análise das amostras, “as sequências realizadas pelo Lutz foram comparadas e mostraram-se mais completas que a primeira identificada pelo próprio Reino Unido”. O sequenciamento genético foi compartilhado com pesquisadores de todo o mundo através de um banco de dados online e mundial.

Outros dois casos descartados

O secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse nesta segunda-feira (4) que os outros dois dos quatro casos suspeitos de contaminação pela nova cepa do coronavírus foram descartados.

Segundo Gorinchteyn, os casos descartados são de pacientes internados em hospitais privados do estado e que estiveram no Reino Unido.

“Eram casos que seguiram uma questão de positividade, tinham sintomas respiratórios, vieram do Reino Unido, tiveram a sua positividade efetivada através do [teste[ RT-PCR, mas pela história de viagem, especialmente ao Reino Unido, onde existe uma grande circulação desse vírus mutante, foi imediatamente sequenciado esse material desse vírus identificado e felizmente descartado”, disse o secretário em entrevista à GloboNews.

No dia 31 de dezembro, o laboratório de diagnósticos privado Dasa disse ter encontrado dois casos da nova variante do coronavírus em São Paulo. Apesar do anúncio feito pela empresa, as amostras ainda são consideradas como casos suspeitos pelo governo paulista, que aguarda resultado da contraprova realizada pelo Instituto Adolfo Lutz.

A confirmação da cepa foi feita por meio de sequenciamento genético realizado pelo Dasa em parceria com o Instituto de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O secretário de Saúde disse que o mapeamento dos deslocamentos dos pacientes suspeitos, aliados aos testes já realizados no país, são fundamentais para identificar precocemente a presença de uma nova variante do vírus no país.

“Nós temos a associação dos nossos testes, que vão detectar o vírus e, para que a gente saiba se muitos deles são mutantes ou não, a história clínica é fundamental, de saber se [o paciente] teve contato com alguém que esteve no Reino Unido ou na comunidade europeia. A história clínica é fundamental para embasar e para que as equipes médicas possam estar orientando os laboratórios a terem todo o cuidado em uma análise mais criteriosa”.

Preocupação com testes

No final de dezembro, o laboratório disse trabalhar com o Instituto de Medicina Tropical da USP para gerar material que permita testar a eficiência de alguns tipos de testes do coronavírus.

A preocupação é que alguns atuais possam apresentar falsos negativos – quando uma pessoa está doente mas o exame não aponta a presença do vírus.

“Alguns testes de imunologia e de sorologia que só identificam a proteína S podem apresentar resultados falso negativos nos diagnósticos dessa nova variante”, explicou o diretor médico da Dasa, Gustavo Campana.

“Estamos antecipando a avaliação para definir os exames que sofram menos interferência em seu desempenho de diagnóstico, numa eventual expansão desta variante no Brasil”, acrescentou.

Para a cientista Ester Sabino, do IMT da USP, a nova variante reforça a necessidade da quarentena.

“Dado seu alto poder de transmissão, esse resultado reforça a importância da quarentena, e de manter o isolamento de 10 dias, especialmente para quem estiver vindo ou acabado de chegar da Europa”, disse em entrevista à GloboNews em dezembro.

Coronavac

Em entrevista à GloboNews nesta segunda (4), o secretário também disse que o plano estadual de vacinação no estado de São Paulo segue mantido para o dia 25 de janeiro e que os dados da eficácia da vacina CoronaVac, vacina desenvolvida em parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac, devem ser divulgados até o final desta semana.

“O programa estadual de imunização de SP ocorrerá a partir do dia 25 de janeiro. Estaremos até o final da semana recebendo o valor correto, o percentual de eficácia da vacina, e isso será emitido, enviado para a Agência de Vigilância Sanitária, a Anvisa, que terá um período bastante curto, como eles próprios nos disseram. No máximo em dez dias nós teremos esse resultado e, assim, o programa vai ocorrer. Esperamos que antes disso nós tenhamos um pronunciamento formal do Ministério da Saúde para a aquisição dessas vacinas”.

G1

Opinião dos leitores

    1. Çei!!
      Comendo o auxílio bem caladinho né??
      O Véi bom, né não???
      Quantos parentes alem de vc ta na aba do governo Bolsonaro??
      Não vai me dizer, nenhum.
      Kkkkkkkkk
      Aceita!
      Doí menos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *