Diversos

Em manifesto, associações dizem ser perseguidas e ameaçadas por Fernando Mineiro, Secretário de Estado de Fátima Bezerra

O Grande Ponto destaca nesta sexta-feira(09) que um grupo de nove associações comunitárias e cooperativas ligadas a agricultura familiar do Estado do Rio Grande do Norte denunciou, por meio de um manifesto, que “de forma discriminatória e desrespeitosa” o Governo do Estado do Rio Grande do Norte os excluiu das negociações de renovação do contrato com o Banco Mundial, cujo prazo de negociação para a vigência final foi estendido até o 31 de dezembro de 2022.

De acordo com as associações, foram contemplados somente os projetos com execução direta pelo governo do Estado através do Projeto de Desenvolvimento Sustentável do RN – Governo Cidadão.

“Antes de tudo enfatizamos que, permanentemente somos pressionados e, praticamente ameaçados pelo Secretário de Estado o Sr. Fernando Mineiro que se utiliza dos diversos mecanismos administrativos no sentido de nos obrigar a prestar contas e devolver os recursos financeiros a disposição das entidades provocando, dessa forma, a interrupção dos trabalhos de implantação dos subprojetos, ao mesmo tempo em que isso simboliza uma verdadeira ‘foiçada pelas costas’ dizimando os sonhos de centenas de agricultores e agriculturas familiares em diversos territórios do Rio Grande do Norte”, diz trecho do manifesto. (Leia abaixo na íntegra).

Em contato com o Portal Grande Ponto, o secretário disse que irá apresentar um pequeno relatório ainda hoje de cada um desses projetos e que os recursos foram depositados nas contas das associações desde o governo passado para a execução. Ainda segundo ele, o prazo para a execução varia de 6 a 8 meses.

“São 326 associações. 17 não conseguiram terminar. Essas 9 associações estão entre as 17. Eles precisam prestar contas. A questão é essa. O que eu podia fazer, eu fiz. Não posso desrespeitar os termos dos contratos firmados por eles desde o governo passado e a legislação em geral. Se fizesse isso, eu estaria cometendo improbidade administrativa e prevaricação com os recursos públicos”, rebateu o secretário.

Ele acrescentou ainda que, como coordenador do projeto, é “obrigado a acatar os pareceres técnicos dos setores de engenharia e jurídico”.

“A minha insistência (feita de maneira formal, através de notificações conforme determina a legislação) é pra que façam a prestação de contas. É isso que eles chamando de pressão e ameaças. As normas a seguir estão nos contratos assinados por eles lá atrás. Sou obrigado, pela legislação, a fazer as notificações”, acrescentou o auxiliar da governadora Fátima Bezerra.

Leia manifesto AQUI em texto na íntegra via Grande Ponto.

Opinião dos leitores

  1. Recurso do Banco Mundial: recebeu, tem que prestar conta! Acabou o artifício do “fundo perdido”. O Governo está correto.

  2. costume antigo! se acostumaram a utilizar dinheiro público e não prestar contas ou tinham suas dívidas perdoadas, os tempos mudaram, agora o cancão pia.

  3. Não sei onde está a perseguição aí… Pelo que entendi, o secretário está se baseando em critérios objetivos, definidos em normas.

  4. Parabéns ao Governo, tem q moralizar e não ficar passando a mão na cabeça dessas associações…

  5. O cara recebe recursos, se recusa a prestar contas… E ainda se diz vítima de perseguição?🤔 Coisas do Brasil…

    1. Vc não sabe o que está falando!!!
      Procure se informar adequadamente….

    2. Sr Deco a coisa é simples… Basta prestar contas do q recebeu e se resolve o problema. Não tem mimimi de gato gago … Não se renova um contrato com situações pendentes… Simples assim… Aproveito para lhe desejar, um ótimo fim de semana…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Vacinas funcionarão em nova variante brasileira, dizem cientistas britânicos

Foto: Pexels

O ministro dos transportes da Grã-Bretanha, Grant Shapps, disse que cientistas acreditam que as vacinas contra Covid-19 funcionarão para a nova variante do coronavírus encontrada no Brasil. Shapps acrescentou que a decisão de banir voos da América do Sul e Portugal com destino ao Reino Unido foi tomada devido às preocupações de a nova cepa seja se espalhe mais rápido.

“Olhamos esta mutação em particular com muito cuidado e vimos que pode haver um problema, não tanto que a vacina não funcione, na verdade os cientistas acham que funcionará, mas apenas pelo fato de é mais propagável”, disse o ministro, durante entrevista à rede BBC.

Na quinta-feira (14), o Reino Unido baniu voos com origem no Brasil, Argentina, Bolívia, Cabo Verde, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela, além de Portugal, devido à nova variante de Covid-19 encontrada no território brasileiro.

A variante brasileira compartilha algumas características com as encontradas na Grã-Bretanha e na África do Sul, que os cientistas acreditam ser mais transmissível, mas não causar doenças mais graves.

“Assim como acontece com a variante que vimos em Kent (sul da Inglaterra) ou na África do Sul, é de interesse significativo para nós tomarmos essa abordagem preventiva de parar todos os voos do Brasil (e) da América do Sul”, disse Shapps.

“Existem dois tipos diferentes de variantes brasileiras e uma delas foi detectada (no Reino Unido) e outra, não”, explicou a virologista Wendy Barclay, do Imperial College London. Junto com as variantes do Reino Unido e da África do Sul, a variante brasileira é “preocupante” e será “rastreada com muito cuidado”, destacou Barclay.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Cadê o Dória?
    Será que ele se trancou num quarto com Alexandre Frota? Kkkkk Ô Dóriana safadinha.

  2. Bolsonaro estar com uma informação preciosa, a grande eficácia da ivermectina e cloroquina no início da doença, ele precisa divulgar isso para o mundo, quem sabe não ganha um Nobel?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Imunidade de rebanho para controlar Covid-19 é “falácia”, diz grupo de cientistas, em carta ao The Lancet

(Foto: Unsplash)

Nessa quarta-feira (14), 80 pesquisadores de vários países divulgaram uma carta em que apontam a imunidade de rebanho para a Covid-19 como sendo “uma falácia perigosa não suportada por evidências científicas”. O documento, publicado no periódico The Lancet, é assinado por especialistas em saúde pública, epidemiologia, medicina, pediatria, sociologia, virologia, doenças infecciosas, sistemas de saúde, psicologia, psiquiatria, política de saúde e modelagem matemática.

“É fundamental agir decisiva e urgentemente”, escrevem os pesquisadores. “Medidas eficazes para suprimir e controlar a transmissão precisam ser amplamente implementadas e devem ser apoiadas por programas financeiros e sociais que incentivem respostas da comunidade e abordem as desigualdades que foram ampliadas pela pandemia.”

O apelo é especialmente voltado às regiões que estão enfrentando uma segunda onda de infecções pelo novo coronavírus. Além disso, os cientistas chamam atenção para aqueles locais em que o número de casos de Covid-19 não variou muito desde o início da pandemia.

“Restrições contínuas provavelmente serão necessárias no curto prazo, para reduzir a transmissão e consertar sistemas ineficazes de resposta à pandemia, a fim de evitar bloqueios futuros”, afirma o documento. “O objetivo dessas restrições é suprimir com eficácia as infecções por Sars-CoV-2 a níveis baixos que permitam a detecção rápida de surtos localizados e uma resposta ágil por meio de sistemas eficientes e abrangentes de localização, testagem, rastreamento, isolamento e suporte, para que a vida possa retornar ao próximo normal sem a necessidade de restrições generalizadas.”

Os especialistas também explicam que a transmissão descontrolada entre os mais jovens traz riscos de saúde e morte significativos em toda a população. Por isso, ressaltam que são necessários esforços especiais para proteger os mais vulneráveis e que, para funcionarem, devem ser acompanhados de estratégias multifacetadas em nível populacional. “A proteção de nossas economias está intimamente ligada ao controle da Covid-19”, pontuam os cientistas. “Devemos proteger nossa força de trabalho e evitar incertezas a longo prazo.”

Eles também afirmam que não há evidências de que aqueles que já tiveram a doença tenham imunidade protetora duradoura ao Sars-CoV-2, e alertam que ter apenas uma imunidade decrescente ao novo coronavírus não encerraria a pandemia de Covid-19, mas resultaria em ondas repetidas de transmissão ao longo de vários anos. Esse fenômeno, por sua vez, poderia colocar populações vulneráveis ​​em risco indefinido.

Isso porque, conforme já foi observado anteriormente com outras doenças, estratégias de imunidade de rebanho baseadas em infecções que ocorrem naturalmente, isto é, passando de uma pessoa para outra, resultaram em epidemias recorrentes. O ideal, portanto, é suprimir a disseminação do vírus até a vacinação de boa parcela da população global.

Além disso, os autores alertam que as abordagens de imunidade de rebanho baseadas em infecções naturais podem impactar a força de trabalho como um todo e sobrecarregar a capacidade dos sistemas de saúde de fornecer cuidados agudos e de rotina.

“A evidência é muito clara: controlar a disseminação da Covid-19 pela comunidade é a melhor maneira de proteger nossas sociedades e economias até que vacinas e terapias seguras e eficazes cheguem nos próximos meses. Não podemos permitir distrações que minem uma resposta eficaz; é essencial que ajamos com urgência com base nas evidências”, concluem os pesquisadores.

Galileu

 

Opinião dos leitores

  1. Temos o maior exemplo de imunidade por rebanho em nosso país, há mais de um mês são praias cheias,bares lotados e aglomerações em todos os lugares e a quantidade de óbitos caindo.
    Comprova mais ainda que o isolamento vertical seria o ideal para convivermos com o vírus chinês, em raros momentos houve lotação nos hospitais.

  2. Tratam a ciência como uma bengala. "Você vai questionar a ciência?". Essa tal de ciência foi a que mais errou no manejo inicial da pandemia.

    1. Se o Sr. se desse conta que o acúmulo de conhecimento é o que faz a ciência avançar, nao faria esse comentário rasteiro.
      Óbvio que a ciência erra, mas sempre no intuito de acertar. E mesmo errando no início, os acertos foram muito maiores.
      Mas para argumentar com um povo que tomou o poder e seus terraplanistas, negacionistas que nao acreditam nem em vacinas, nao adianta nada. As notícias de WA são mais importante e confiáveis.

  3. Cada dia que passa notícias divergentes, existe um interesse gigante por trás disto tudo. A história vai passar a limpo.

  4. Mas, o Presidente da República pensa que sua própria opinião é melhor do que a Ciência…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Gilmar Mendes cometeu crime de ofensa às Forças Armadas, dizem Defesa e Exército à PGR

Foto: Werther | ESTADÃO CONTEÚDO

Em representação enviada à Procuradoria-Geral da República, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e o comandante do Exército, Edson Pujol, consideraram que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes violou a Lei de Segurança Nacional e atribuiu ao magistrado crimes previstos nos Códigos Penal e Penal Militar.

Na legislação militar, Azevedo e Silva e Pujol utilizam o artigo 219 para considerar que Gilmar Mendes ofendeu as Forças Armadas. “Propalar fatos, que sabe inverídicos, capazes de ofender a dignidade ou abalar o crédito das forças armadas ou a confiança que estas merecem do público”, prevê o dispositivo. A pena, neste caso, é de seis meses a um ano de detenção.

Fernando Azevedo e Silva considerou ainda que Gilmar Mendes violou a Lei de Segurança Nacional no artigo 23, que prevê pena 1 a 4 anos de reclusão para quem “incitar à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis”. Também foram apontados os crimes de calúnia e difamação nas legislações civil e militar.

No último sábado, o ministro Gilmar Mendes disse que o Exército estaria se associando a um genocídio em referência à presença de militares no Ministério da Saúde.

“Não podemos mais tolerar essa situação que se passa no Ministério da Saúde. Não é aceitável que se tenha esse vazio. Pode até se dizer: a estratégia é tirar o protagonismo do governo federal, é atribuir a responsabilidade a estados e municípios. Se for essa a intenção é preciso se fazer alguma coisa. Isso é péssimo para a imagem das Forças Armadas. É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável. É preciso pôr fim a isso”, disse Gilmar Mendes.

A representação, assinada pelo ministro Fernando Azevedo e Silva e pelo comandante do Exército, Edson Pujol, foi protocolada nesta terça-feira na PGR. Nos bastidores, a avaliação é de que o procurador-geral não dará celeridade a ela, que tem status de apuração preliminar.

A interlocutores, o ministro Gilmar Medes tem dito que não pedirá desculpas às Forças Armadas por entender que não ofendeu as instituições.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Não entendo esse alvoroço todo.não dará em nada mesmo. Se tivesse roubado um Champoo aí sim estaria lascado. Tipo de crime imperdoável e sem direito a regime domiciliar

  2. Independentemente se é ministro ou não. Ele tem direito de criticar. O exército não deveria se meter em política. Ê não é diferente de nenhuma outra instituição merece é deve receber críticas. Não são intocáveis.

  3. Não vejo nada demais nas frases do Sr. Ministro (quer particularmente eu não gosto) o que ele fez foi uma critica contundente ao General que está no comando do Ministério da Saúde, Oras o cargo de Ministro da Saúde e seu secretariado é politico, logo passivo de criticas, sugestões, elogios, investigações ou seja tudo que qualquer outro Ministério não recebe todos os dias.
    Os Generais que estão em cargos políticos não podem achar que seguem nos quarteis, alias é muito estranho e desconheço que em qualquer Pais democrático no mundo se tenha um General ocupando um cargo em ministérios civis (se tiver favor podem me contradizer). Meu ponto é se ocupa um cargo politico, deve ser tratado como politico e ponto final as estrelas da farda vão ficar para quando voltar ao quartel. Voltando a fala do Gilmar Mendes ele fez um alerta para que desassociar o Ministério da Saúde das Forças Armadas, achei muito prudente o aviso e espero que o Presidente o faça para proteger as Forças Armadas.

  4. Pedante e ainda por cima arrogante, diversos ministros do STF são provas vivas do comportamento desse ministro, Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e até Lewandowski já o desancaram. Deveria ter vergonha e se fazer respeitar, merece mesmo uma dura.

  5. O exército tem menos força que Gilmar, denuncia não vai dar em nada e os milicos saem, mais uma vez, desmoralizados.

  6. Gilmar não falou sozinho.jabuti não sobe cerca sozinho alguém colocou o jabuti na cerca Gilmar falou para desmoralizar o exército.isto é um ranço do STF deste as manifestações,falou e pronto,E agora?

    1. Pode crer. Humilhado por algo verde e que tem mau cheiro. Cadê o brasileiro patriota?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Aliados dizem que acusações contra Flávio são para tirar foco de Witzel

Aliados de Flávio Bolsonaro têm dito que as acusações feitas pelo empresário Paulo Marinho contra o senador têm o objetivo de tirar o foco das investigações sobre o governador do Rio, Wilson Witzel, informa Fabio Leite na Crusoé.

Marinho afirmou que um delegado da Polícia Federal alertou Flávio, em outubro de 2018, que uma investigação sigilosa havia descoberto as movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz, assessor dele na Assembleia Legislativa do Rio à época.

Flávio negou as acusações e disse que Marinho quer prejudicá-lo para ocupar seu lugar no Senado, já que o empresário, ex-aliado de Bolsonaro, é seu primeiro suplente.

“Isso é jogo casado, uma estratégia militar. Tem uma megaoperação em curso contra o governador o Witzel e, por isso, eles tentam agora requentar o caso Queiroz. Aqui no Brasil isso é popularmente chamado de ‘boi de piranha’”, disse um aliado de Flávio.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. kkkkk Rindo! Witzel aprendeu a jogar o jogo dos Bolsonaro's. Quem viveu no ninho de cobras e se identifica aprende a usar as artimanhas… Muito bem!

  2. Eu era aliado do mito . Lento de uma manifestação defronte ao shopping Midway . MITOCA , era o nome da minha cadelinha vira lata que adotei e levei para o encontro , Fou fantástico , encontrei meu médico todo fantasiado e vibrando com palavras de ordem contra a corrupção. Estava com minha camisa camuflada e minha buzina verde amarela . Pense numa decepção grande . Pense num voto amaldiçoado . Briguei na família quase me separo e ainda estou tento que chamar minha cadelinha de mitoca . O BIZO , votei nele e me arrependo me decepcionou muito . Acho que agora vai , o mito está se desfazendo em uma teia de safadeza que eu não imaginava . Quero doar a buzina e s camisa camuflada ou sugestões para me livrar delas . Por favor me ajudem , agora sem desaforos .

    1. Vc é "esquerdista raiz". Larga de mentira. Alguém como vc jamais votaria no Bolsonaro. Tente se preocupar com o RN e sua governadora pois em breve vai faltar dinheiro prá lhe pagar. Quanta sandices vc posta, rapaz. O dia todo. Tem que ser militante a soldo.

    2. Você já viu uma melancia ? Ela é verde por fora e vermelha por dentro.

    3. DIREITA HONESTA , acredite é verdade . Eu era Bozo dos pés a cabeça . Meu amigo , eu comprei uma rifa de uma panela de pressão para ajudar nas passeatas . Agora estou arrependido . Queria tirar o PT e foi pior , ou melhor está sendo pior . Sonhava com uma DIREITA HONESTA , cheia de pessoas do bem , todos imbuídos não salvação do Brasil ??. Aí vem essa presepada . Estou tomando chá de camomila ( não confundir com CLORIQUINA ) , 3 vezes ao dia , deixei de comer minha bananinha pela manhã só para não me lembrar dos bananinhas filhos do Bozo . Mas para tudo tem jeito . Tamô junto em DIREITA HONESTA eu acredito .

  3. Quem for podre que seja investigado, e se for encontrada culpa , que se quebre !!!!

  4. Sei…Então, tudo é mentira? É o próximo Eduardo Cunha. Oh voto perdido nessa turma do "Minto".

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MP que livra agente público de punição na pandemia pode proteger Bolsonaro, dizem especialistas

A medida provisória que livra agentes públicos de punição foi uma demanda de servidores, principalmente os da área econômica, com o objetivo de evitar o que é chamado internamente no governo de “apagar das canetas”.

Os gestores, que colocam seus CPFs na execução de políticas públicas, temem que ações emergenciais em meio à pandemia possam levá-los a erros e a futuros questionamentos do Tribunal de Contas da União (TCU) ou do Ministério Público Federal (PMF). Querem evitar a responsabilização civil e administrativa dessas medidas – a MP não trata de responsabilidade criminal, porque a Constituição, no seu artigo 62, proíbe que o tema seja tratado por meio de medida provisória.

A medida, porém, de acordo com especialistas em direito administrativo ouvidos pelo blog, pode beneficiar o presidente Jair Bolsonaro, ao protegê-lo de uma eventual acusação por improbidade administrativa, que pode, no limite, embasar uma discussão sobre crime de responsabilidade e impeachment.

A MP não impede o presidente de praticar outras condutas qualificadas na lei que define os crimes de responsabilidade, de 1950, mas pode ajudar numa eventual denúncia de prática de improbidade administrativa.

A medida provisória, que ainda tem de ser analisada pelo Congresso para ser convertida em lei, dá uma maior segurança aos gestores no que diz respeito ao artigo 28 da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, segundo o qual “o agente público responderá pessoalmente por suas decisões ou opiniões técnicas em caso de dolo ou erro grosseiro”.

Essa legislação já havia sido alterada em 2018, no governo de Michel Temer (MDB), para tentar dar uma proteção maior aos servidores, mas ainda assim o texto final remetia a definição de “erro grosseiro” a um decreto. A demanda dos servidores era colocar isso em lei, o que pode ser feito agora por meio da medida provisória.

“O texto é correto. O gestor está com muito medo dos ministérios públicos e dos tribunais de conta”, disse Vera Monteiro, professora de Direito Administrativo da FGV-SP.

A OAB,de qualquer maneira, vai analisar o conteúdo da MP na semana que vem.

Entre as ações citadas para o blog como passíveis de questionamento, estão as relacionadas à execução do auxílio emergencial, que libera R$ 600 para os trabalhadores informais.

Servidores alegam que o programa é muito amplo, com um orçamento grande (mais de R$ 120 bilhões) e com pagamentos a pessoas que não estavam nos cadastros oficiais, além de ser operacionalizado num prazo curto.

Isso tudo pode levar a erros na execução e a questionamentos, principalmente depois das reestimativas do público atingido pelo programa. Há ainda a questão dos bancos públicos, que irão oferecer crédito a empresas com recursos do Tesouro. Se houver inadimplência no futuro, os servidores temem ser responsabilizados.

Além da área econômica, os servidores da Saúde também temem a responsabilização. O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, ainda na pasta, chegou a afirmar que funcionários resistiam a assinar notas técnicas que embasavam medidas de combate à pandemia.

G1

Opinião dos leitores

  1. Se ele tem tanta convicção de que nunca fez nada de errado. Porquê dessa medida provisória? Pelo amor de deus, o povo ainda vai acreditar num cara desse. O pior que até hoje ele não falou de quem assinou por Moro e tenho certeza que o grupinho dele não achou nada contra o ex-juiz, pq se não já tinha devassado ele.

    1. Os politicos vao votar contra uma MP que protege todos os politicos?… Voce acha?… Santa ingenuidade!

    2. Se essa medida provisoria vai cair ou não, a gente não tem certeza, o fato de hj a gente ter informações tao rápidas influencia muito no que ocorre… muita gente assim como eu, ta indignado com essa MP, agora é aguardar o resultado mas sem esquecer quem propos issa palhaçada: JAIR MESSIAS BOLSONARO.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Entenda o que sonhos (e pesadelos) dizem sobre a sua saúde

Para além das curiosidades que alimentamos em torno dos sonhos, o papel deles para a saúde não deve ser subestimado. Como contribuem para a consolidação da memória, as experiências oníricas influenciam também diretamente o desenvolvimento do aprendizado humano.

Além disso, de acordo com o médico Gabriel Pires, pesquisador do Instituto do Sono, elas podem ser úteis para a identificação de problemas no sono e até de distúrbios psiquiátricos como a esquizofrenia. Conforme aquilo que o paciente recorda de suas noites, os médicos podem compor o quebra-cabeça do diagnóstico.

“Se uma pessoa se lembra de múltiplos sonhos por noite, todos os dias, pode ser a prova de que ela tem um sono fragmentado”, ele aponta. “Por exemplo, durante a gestação, o sono da mulher é fragmentado por causa dos hormônios ou pelo desconforto físico.” E se dormir mal se transforma em uma situação recorrente, a imunidade fica fragilizada, a memória é afetada e tornam-se maiores os riscos de depressão e obesidade.

O neurocientista Sidarta Ribeiro, do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, explica que dormir e sonhar aumentam a plasticidade neural, capacidade do sistema nervoso de se adaptar a novas experiências. Além disso, é no decorrer do sono que ocorre a desintoxicação do cérebro, quando eliminamos o lixo molecular acumulado durante a vigília.

Ele ainda considera outra vantagem do sonhar: a evolução como ser humano. “A explosão de conhecimento na humanidade só aconteceu porque passamos milhões de anos dormindo e, em algum momento, acreditando que os sonhos eram reais”, comenta. “O sonho é uma ferramenta biológica poderosa para prever o futuro. Se a gente prestasse mais atenção aos sonhos, talvez conseguisse ver com mais clareza as consequências negativas do mundo atual.”

A hora do pesadelo

E o que fazer quando as narrativas que o acompanham durante a noite são negativas? Cada pessoa tem uma percepção única do que é um pesadelo. Mas a ciência considera como tal as experiências que ocasionam ou relembram episódios ruins que podem influenciar distúrbios psicológicos. “Sonhos negativos recorrentes devem ser tratados, pois podem ser casos de ansiedade, depressão ou transtorno de estresse pós-traumático”, destaca Pires. “É preciso tratar os pesadelos da mesma maneira que os traumas.”

Outro incômodo preocupante é o chamado distúrbio comportamental do sono REM, que faz com que os movimentos realizados no sonho sejam manifestados na realidade — por exemplo, a pessoa sonha estar dando um tapa e acaba dando um de verdade na cama. “Se não ocorre a inibição da atividade muscular durante o sono, a pessoa irá atuar no sono. É diferente do sonambulismo, quando o indivíduo realiza ações motoras muito básicas, como levantar e falar”, explica. Segundo o especialista, a doença está ligada, principalmente, a situações de agressividade.

Sonhos lúcidos

Sabe aquele tipo de sonho em que você tem consciência de estar sonhando? Saiba mais sobre ele:

História

Há séculos, povos ameríndios, indígenas e tibetanos já sabiam controlar as experiências oníricas. Sidarta Ribeiro conta que existem métodos diversos, novos e antigos, para atrair os chamados sonhos lúcidos.

Química

A ocorrência desses sonhos, segundo estudo da Universidade de Wisconsin-Madison, está ligada a substâncias químicas inibidoras da enzima acetilcolinesterase, que ativam o neurotransmissor acetilcolina.

Condição

“Quase todo mundo experimenta, ao menos uma vez na vida, um sonho lúcido”, diz Ribeiro. “Para ter regularmente é preciso ter uma genética particular, ainda desconhecida, ou muito treinamento.”

Ondas

Em 2009, pesquisadores mostraram que durante os sonhos lúcidos ocorre uma intensificação de ondas cerebrais rápidas no córtex pré-frontal, em comparação com o sono REM não lúcido.

Técnica

“Acalme-se para dormir, se afastando de todos os estímulos externos”, recomenda Ribeiro. “Ao deitar, peça para ter sonhos lúcidos. Essa autossugestão vai mostrar para a mente qual é o seu objetivo.”

Futuro

Pesquisa de 2018 da Universidade Federal do Rio Grande do Norte revelou que estudar sonhos lúcidos pode contribuir para o tratamento de esquizofrenia, depressão e estresse pós-traumático.

Galileu

Opinião dos leitores

  1. Excelente matéria, calçada em pesquisa e conhecimentos científicos. ????

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Nova moda da internet, bronzeamento do períneo traz riscos, dizem especialistas

Foto: Pixabay

Uma prática perigosa está se popularizando pelas redes sociais: o bronzeamento do períneo. Depois que uma influenciadora digital publicou uma foto alegando que a atitude traria benefícios — como aumento da energia vital, da libido e melhora na qualidade do sono — outras pessoas passaram a imitá-la. Mas especialistas alertam que a exposição solar desta região pode trazer riscos à saúde.

— Não existe nenhum estudo científico que comprove o benefício ao se pegar sol na região íntima — afirma a dermatologista Luiza Lopes.

O períneo é a região entre os órgãos genitais e o ânus.

— A região íntima é uma área de pele mais fina e com mais inervação sensitiva. Qualquer trauma nessa região, como uma queimadura solar, pode ser de mais difícil cicatrização e mais dolorosa, principalmente se estiver depilada, o que hoje é mais comum, tanto em homens quanto em mulheres — explica a dermatologista Natasha Crepaldi.

Por isso, não é indicado tomar sol no períneo, porque pode causar queimaduras de primeiro e segundo graus, causar bolhas, fissuras e rachaduras. De acordo com Luiza Lopes, pode ser grande o incômodo para o paciente.

Foi o que aconteceu com o ator Josh Brolin, que interpreta o vilão Thanos na saga do cinema ‘‘Vingadores’’. Ele usou as redes sociais para alertar seus seguidores sobre o perigo da prática. O ator afirma que sofreu queimaduras na região anal.

“Não faça isso! Eu passaria o dia fazendo compras com a minha família e, em vez disso, estou colocando gelo e passando cremes anti queimaduras por causa da dor”, revelou o ator em uma rede social.

A exposição solar desprotegida aumenta o risco de desenvolvimento de câncer de pele, como explica Elimar Gomes, coordenador do Dezembro Laranja, campanha contra o câncer de pele da Sociedade Brasileira de Dermatologia:

— O melanoma pode acontecer em qualquer lugar da pele e mucosas. Mesmo em áreas não expostas ao sol, como a mucosa oral e genital.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Não tem gente que idolatra luladrão, então , existe gente para tudo, até para bronzear a piriquita kkkkkk

  2. Não vejo nada de estranho, não teve pessoas que votaram em Bolsonaro, de brasileiro eu não vc duvido em nada

  3. Por caridade!
    O que danado mais tá faltando no mundo e na cabeça desses idiotas.
    Homens queimando o C… no sol e as mulheres queimando a Cureta.
    É brincadeira!!!
    Kkkkkkkk
    Só rindo mesmo.

    1. Tem gente que acredita em MAMADEIRA de Piroca, Que viu Jesus no OiO da Goiabeira, Que a rachadinha do Queiroz é legal, que os laranjas do Partido do suco de laranja são honestos….
      Acordem e abram os olhos. Ninguém acredita mais nas besteiras que vcs vivem repetindo. Já está ficando doentio.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Aéreas dizem que ‘indústria da judicialização’ eleva o preço das passagens no Brasil

Foto: Edilson Dantas/O Globo

O presidente da Gol, Paulo Kakinoff, afirmou nesta terça-feira (29) que a grande judicialização no mercado aéreo brasileiro aumenta o preço das passagens aéreas.

“Esse custo da judicialização está sendo pago por quem? Entra no custo da operação que consequentemente se reflete na tarifa paga por todos”, afirmou durante o Fórum de Líderes da Associação Latino-Americana de Transporte Aéreo (ALTA).

Segundo Kakinoff existe uma indústria de judicialização no Brasil que procura o cliente para que ele entre na Justiça, e procura até mesmo o cliente que não tinha a intenção de abrir um processo.

O presidente da Latam, Jerome Cadier, afirmou que a companhia gasta de R$ 200 milhões a R$ 300 milhões por ano em ações judiciais.

“A Latam tem uma média de 5 mil ações por mês, que custam cerca de R$ 5 mil cada. No final estamos falando de R$ 200 milhões a R$ 300 milhões ao longo do ano só por casos pontuais na Justiça. Já é material, já entra na tarifa. Sem dúvida já é uma parte importante da tarifa”, afirmou Cadier.

No ano passado a empresa transportou 34,1 milhões de passageiros.

De acordo com Cadier, 50% da operação da Latam parte do Brasil ou chega ao Brasil, mas 99% dos custos da empresa com ações judiciais são no país.

O presidente da GOL destacou que no mercado europeu e americano não existe, por exemplo, dano moral por voo cancelado por causa de problemas climáticos. Segundo ele, nenhuma empresa aérea atrasa voo por interesse.

“Não existe nenhum benefício econômico, pelo contrário, existe prejuízo”, disse.

Capital estrangeiro

Sobre a abertura do mercado aéreo para empresas de capital estrangeiro, em vigor desde o final do ano passado, o presidente da Latam afirmou que novas empresas virão para o Brasil se tiverem estabilidade regulatória e retorno para o capital investido.

“Eventualmente virá [empresa de capital estrangeiro], mas virá na medida de ter estabilidade e ter condições de dar retorno a esse capital. É questão de tempo e estabilidade regulatória”, disse Cadier durante apresentação.

Desde que a abertura de capital estrangeiro para empresas áreas foi autorizada apenas o grupo espanhol Globalia pediu autorização para operar voos regulares dentro do Brasil.

Recentemente o secretário de Aviação, Ronei Glanzmann, afirmou que espera que o grupo comece a operar voos domésticos em 2020.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Esse fdp da gol não fala que essas judicializações sã decorrentes da falta de respeito das serras pelos consumidores dos seus serviços, pois essas empresas aéreas pensam que estão acima de tudo e de todos. Falo isso com propriedade, pois sofri na pele essa falta de respeito s alguns meses atrás, tentei todo tipo de acordo com a aérea, mas eles me ignoraram, então o melhor remédio foi colocá-los no pai, ou seja, procurei meus direitos e vou conseguir êxito.

  2. Desculpa esfarrapada, serviços carissimo e de péssima qualidade, com regras que beneficiam e muito as empresas aéreas, mesmo assim, na hora do vôo cumprem muito pouco da obrigação. Tem q ser penalizada pra cumprir sua parte.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Amazônia: EUA dizem não concordar com ajuda do G7 para incêndios e fala que forma mais construtiva é “coordenação com o governo brasileiro”

FOTO: GABRIELA BILÓ/ ESTADÃO CONTEÚDO/27.08.2019

O governo dos Estados Unidos disse nesta quarta-feira que não concorda com a ajuda de US$ 20 milhões — aproximadamente R$ 83 milhões — oferecida pelo G7 ao Brasil para combater os incêndios que se alastram pela Amazônia nas últimas semanas.

“Não concordamos com a iniciativa do G7 que não incluiu consultas com (o presidente) Jair Bolsonaro. A forma mais construtiva de auxiliar os esforços em andamento do Brasil é em coordenação com o governo brasileiro”, afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Garrett Marquis, em mensagem postada no Twitter.

O Brasil já havia recusado o auxílio financeiro oferecido pelo G7 em anúncio feito pelo presidente da França, Emmanuel Macron.

Em um primeiro momento, Bolsonaro disse que só aceitaria a ajuda se ela viesse acompanhada de um pedido de desculpas de Macron por tê-lo chamado de mentiroso. Depois, o Palácio do Planalto não incluiu o pedido nas condições estabelecidas pelo governo brasileiro para aceitar o dinheiro disponibilizado pelo G7.

Questionado por vários líderes mundiais sobre uma possível omissão do Brasil no combate aos incêndios na Casa Branca, Bolsonaro ganhou o apoio de Trump, que elogiou o trabalho do governo na crise.

“Cheguei a conhecer bem o presidente Bolsonaro nas nossas relações com o Brasil. Ele está trabalhando muito duro nos incêndios da Amazônia e, em todos os aspectos, está fazendo um grande trabalho para as pessoas do Brasil”, disse Trump no Twitter.

EFE

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

O que as fantasias sexuais dizem sobre nossa sociedade (e sobre nós mesmos)

SVEN HAGOLANI (GETTY IMAGES)

“Às vezes imagino que sou uma garçonete sem calcinha. Toda vez que me inclino para servir um cliente, alguém me ataca por trás. Como esse trabalho é meu único meio de vida, não tenho escolha.”

Quem assim fala é Sadie, uma das mulheres que relataram suas fantasias a Nancy Friday, a escritora norte-americana que em 1973 publicou o livro Meu Jardim Secreto, no qual compilava a imaginação erótica de mulheres. O livro, que se tornou um clássico, serviu para normalizar a existência de fantasias eróticas na população feminina, o que não era necessário nos homens, uma vez que seu desejo sexual nunca foi questionado.

As fantasias eróticas nos fascinam porque são imagens íntimas do que nos excita e que, na aparência, pulam o filtro do socialmente correto. A possibilidade de obter uma descrição de como os homens e as mulheres são no erotismo os tornou objeto de estudo frequente.

Segundo o artigo Fantasias e Pensamentos Sexuais: Revisão Conceitual e Relação com a Saúde Sexual, de Nieves Moyano e Juan Carlos Sierra, pesquisadores da Universidade de Granada, sabemos que “a maioria das pessoas admite que inclui fantasias em sua atividade sexual”, durante a masturbação ou quando sonham acordadas”.

Os estudos e artigos que descrevem fantasias nos mostram uma imensa diversidade. Enquanto as imagens eróticas de Sadie estavam relacionadas a ser objeto sexual, neste artigo da seção Icon encontramos muitos outros exemplos. Silvia, uma funcionária de 30 anos, disse que a ideia de se envolver com seu psicanalista a deixava excitada: “É algo que Woody Allen faz muitas vezes em seus filmes e eu também em minhas fantasias”. Cada um segue seu desejo.

Mas dentro dessa variedade existem algumas coincidências. Em muitas culturas, “os homens indicam significativamente uma frequência maior de pensamentos e fantasias sexuais, em comparação com as mulheres”, afirmam Moyano e Sierra. As fantasias dos homens, em comparação com as das mulheres, incluem mais variedade de práticas e mais encontros de sexo em grupos e com estranhos. Nas delas há mais presença de temas íntimos e românticos, com menor número de casais. Fantasias de submissão tendem a ser mais frequentes em mulheres.

Essas diferenças de gênero nos levam a pensar que existe uma relação entre o que é social e culturalmente esperado de homens e mulheres em seu papel sexual e o que eles fantasiam. Além disso, o artigo de Moyano e Sierra especifica que “o conteúdo das fantasias sexuais costuma ser compatível com as normas e papéis que geralmente são reforçados”. Ou seja, socialmente é mais bem visto que um homem se mostre predisposto para a atividade sexual do que uma mulher, e isso se reflete nas fantasias.

Às vezes, nosso imaginário sexual recebe pensamentos que, para nós mesmos, são inaceitáveis, irritantes e desagradáveis porque provocam conflitos com os valores aprendidos. “Por que você me traz isso?”, nos perguntamos surpresos. Essas fantasias que avaliamos como negativas são muitas vezes aquelas de sexo com desconhecidos e as que se incluem atos sexuais com violência, dominação e submissão, como exposto em Exploring the Frequency, Diversity and Content of University Students’ Positive and Negative Sexual Cognitions (Explorando a frequência, a diversidade e o conteúdo das cognições sexuais positivas e negativas de estudantes universitários), das pesquisadoras C.A. Renaud e E. Sandra Byers, da Universidade de New Brunswick (Canadá). Embora sejam negativos, seu conteúdo sexual nos excita.

O estudo de Renaud e Byers também nos apresenta alguns dados surpreendentes. Os homens classificam com mais frequência seus pensamentos de dominação como negativos e os de submissão como positivos, enquanto as mulheres experimentam pensamentos de dominação como positivos e os de submissão como negativos. Isso pode sugerir uma certa rejeição, nos dois casos, dos papéis tradicionais.

As fantasias sexuais, portanto, nos falam sobre a sociedade em que vivemos, mas também de nossa personalidade. As pessoas mais extrovertidas, curiosas e interessadas em experimentar coisas novas são aquelas que avaliam mais positivamente as fantasias. E as mais emocionalmente inseguras, que se preocupam excessivamente ou tendem a se sentir culpadas, tendem a avaliá-las mais como negativas.

Em Fantasías Sexuales, o psicólogo Enrique Barra enfoca o assunto de uma perspectiva cognitiva. Por exemplo, ele afirma que as fantasias eróticas são parte de um processo de aprendizagem de estímulo-resposta. Isto é, a presença de fantasias provoca excitação e essa reação reforça que consideramos esta imagem excitante. Quanto mais vezes essa relação ocorrer, a fantasia adquirirá propriedades excitantes ainda mais intensas. O prazer é um grande reforço.

Outros princípios de aprendizagem, como a primazia, também funcionam nas fantasias. Por exemplo, alguém pode ter tido sua primeira experiência de excitação sexual intensa ao ler uma história sobre sexo grupal. Esse estímulo, sendo o primeiro que o excitou, pode adquirir um valor erótico particular.

As fantasias melhoram nossa vida sexual

Fantasias são consideradas um indicador da nossa vida sexual. Para começar, quem é o objeto do desejo no imaginário erótico é um dos indicadores para definir a orientação sexual. Isso não significa que imaginar uma prática erótica com uma pessoa do mesmo sexo converta automaticamente quem a tem em homossexual ou bissexual. A orientação sexual não é uma questão do que fazemos (ou imaginamos fazer), mas sim de por quem nos apaixonamos e por quem nos sentimos atraídos.

Por outro lado, uma maior frequência de pensamentos sexuais positivos está relacionada com maior desejo sexual, melhor funcionamento e maior satisfação, embora a existência de fantasias negativas não esteja necessariamente relacionada a um pior ajuste sexual, segundo o estudo Positive and Negative Sexual Cognitions: Subjective Experience and Relationships to Sexual Adjustment (Cognições sexuais positivas e negativas: Experiência subjetiva e relacionamentos para o ajustamento sexual), de Renaud e Byers.

Já a ausência ou redução de fantasias eróticas de modo persistente é considerado um critério, entre outros, para diagnosticar se uma pessoa tem um transtorno por pequeno desejo sexual, de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5). Um baixo desejo ou interesse sexual pode se tornar um distúrbio quando causa desconforto à própria pessoa e não tem uma causa significativa ou relação com medicação.

E, depois das fantasias, surge a questão de colocá-las em prática ou não. “Se isso é algo que me excita, faço?”, pensam alguns. Nancy Friday dá a resposta em Meu Jardim Secreto, quando diz que só a pessoa “sabe se levar a sua fantasia à prática enriquecerá ou não sua vida, mas nada garante que o que teve êxito no nível da imaginação também terá na realidade. É uma jogada de pôquer. Algumas mulheres me confessaram que só fato de contar seus desejos secretos –sem nem sequer pensar em vivê-los– destruía sua veracidade”.

El País

 

Opinião dos leitores

  1. Minha mula Adelaide precisa ler isto. Ultimamente ela anda estranha, só quer comer capim vegano.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro e Maia dizem que não gostariam de fazer reforma da Previdência, mas ‘são obrigados’

Foto: Confederação Nacional dos Municípios

O presidentes da República, Jair Bolsonaro, e o da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmaram nesta terça-feira (9), em um evento com prefeitos em Brasília, que não gostariam de ter que mudar as regras previdenciárias, mas que são obrigados a fazer uma reforma na Previdência Social para equilibrar as contas públicas e assegurar a sustentabilidade do sistema.

Bolsonaro e Maia participaram na manhã desta terça da abertura da 22ª Marcha a Brasília em defesa dos municípios, que mobiliza prefeitos de todo o país. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), também compareceu ao evento.

Ao discursar aos prefeitos, Rodrigo Maia foi o primeiro a dizer que não tinha “prazer” em conduzir um processo de reforma previdenciária, mas que, se nada for feito em relação ao déficit da Previdência, nenhum político “vai conseguir sair na rua nunca mais”.

“Alguém acha que cada um de nós tem um prazer enorme de votar a reforma da Previdência, como se fosse uma grande agenda de futuro para o Brasil? Não. A reforma da Previdência vem organizar o que foi construído ao longo dos últimos anos”, declarou o presidente da Câmara no evento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

“Se nada for feito em relação à Previdência, que também impacta estados e município, nenhum de nós, políticos, vai conseguir sair na rua nunca mais. Por uma questão muito simples: só no governo federal o aumento real, o aumento líquido da despesa previdenciária é, todo ano, na ordem de R$ 50 bilhões”, complementou.

Mais tarde, ao discursar, Bolsonaro reforçou a fala do presidente da Câmara ao ressaltar aos prefeitos que o país está, atualmente, em uma “encruzilhada”, na qual é necessário decidir se faz ou não uma reforma do sistema de previdência.

“Temos uma encruzilhada pela frente. Como disse o Rodrigo Maia aqui, gostaríamos de não ter que fazer a reforma da Previdência, mas somos obrigados a fazê-la”, enfatizou.

O presidente da República disse ainda que, em viagens recentes aos Estados Unidos, ao Chile e a Israel, observou que investidores estrangeiros “aguardam uma sinalização” do Brasil em relação ao equilíbrio das contas públicas.

“Nós não podemos continuar sendo, com todo orgulho aos que produzem nessa área, não podemos continuar dependendo nossa economia [sic] apenas de commodities. O Brasil tem que investir em ciência e tecnologia”, ponderou.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *