Vacinas funcionarão em nova variante brasileira, dizem cientistas britânicos

Foto: Pexels

O ministro dos transportes da Grã-Bretanha, Grant Shapps, disse que cientistas acreditam que as vacinas contra Covid-19 funcionarão para a nova variante do coronavírus encontrada no Brasil. Shapps acrescentou que a decisão de banir voos da América do Sul e Portugal com destino ao Reino Unido foi tomada devido às preocupações de a nova cepa seja se espalhe mais rápido.

“Olhamos esta mutação em particular com muito cuidado e vimos que pode haver um problema, não tanto que a vacina não funcione, na verdade os cientistas acham que funcionará, mas apenas pelo fato de é mais propagável”, disse o ministro, durante entrevista à rede BBC.

Na quinta-feira (14), o Reino Unido baniu voos com origem no Brasil, Argentina, Bolívia, Cabo Verde, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela, além de Portugal, devido à nova variante de Covid-19 encontrada no território brasileiro.

A variante brasileira compartilha algumas características com as encontradas na Grã-Bretanha e na África do Sul, que os cientistas acreditam ser mais transmissível, mas não causar doenças mais graves.

“Assim como acontece com a variante que vimos em Kent (sul da Inglaterra) ou na África do Sul, é de interesse significativo para nós tomarmos essa abordagem preventiva de parar todos os voos do Brasil (e) da América do Sul”, disse Shapps.

“Existem dois tipos diferentes de variantes brasileiras e uma delas foi detectada (no Reino Unido) e outra, não”, explicou a virologista Wendy Barclay, do Imperial College London. Junto com as variantes do Reino Unido e da África do Sul, a variante brasileira é “preocupante” e será “rastreada com muito cuidado”, destacou Barclay.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tom França disse:

    Porque não usar do mesmo expediente, já que essa nova variação começou por lá?

  2. Calígula disse:

    Cadê o Dória?
    Será que ele se trancou num quarto com Alexandre Frota? Kkkkk Ô Dóriana safadinha.

  3. Bolsonarista Binário disse:

    Bolsonaro estar com uma informação preciosa, a grande eficácia da ivermectina e cloroquina no início da doença, ele precisa divulgar isso para o mundo, quem sabe não ganha um Nobel?

    • João disse:

      😂😂😂😂😂
      Pah….👉👉👉
      Conta me outra piada dessa…kkkkk

Mourão diz que Macron ‘não está bem’, e emenda crítica: “desconhece a produção de soja do Brasil. Nossa produção de soja é feita no cerrado ou no sul do país”

ADNILTON FARIAS/VPR 

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quarta-feira (13) que o presidente da França, Emmanuel Macron, desconhece a produção de soja no Brasil e que as críticas feitas por ele externaram “interesses políticos de agricultores franceses”.

Na terça (12), em mensagem em uma rede social, Macron disse que “continuar dependendo da soja brasileira é endossar o desmatamento da Amazônia”. Ele defendeu coerência nas “ambições ecológicas” e declarou que “quando importamos a soja produzida a um ritmo rápido a partir da floresta destruída no Brasil, nós não somos coerentes”.

Mourão afirmou que a presença de soja na Amazônia “é ínfima”, mas que a capacidade de produção brasileira é “imbatível.”

“Monsieur Macron n’est pas bien (o senhor Macron não está bem, em tradução literal)”, disse Mourão, em francês. “Macron desconhece a produção de soja do Brasil. Nossa produção de soja é feita no cerrado ou no sul do país”, afirmou o vice-presidente.

“Então, eu acho que nada mais, nada menos, [Macron] externou aí aqueles interesses protecionistas dos agricultores franceses. Faz parte do jogo político”, completou.

Na fala, o presidente francês não apresentou dados que corroborem com suas declarações. O G1 entrou em contato com o Ministério da Agricultura, que informou que não comentaria as falas do presidente francês.

“A produção agrícola na Amazônia é ínfima. Por outro lado, a nossa capacidade de produção ela é imbatível, vamos colocar assim. Nossa competição nesse ramo aí está muito acima dos demais concorrentes”, concluiu Mourão.

Macron tem dado declarações públicas de descontentamento com a política ambiental brasileira desde meados de 2019, quando as imagens das queimadas na Amazônia correram o mundo e aumentaram a pressão sobre o governo do Brasil em um momento em que a União Europeia negocia um acordo comercial com o Mercosul.

No auge da crise ambiental na região amazônica, Macron se desentendeu com o presidente Jair Bolsonaro, e os dois trocaram acusações públicas. O francês chamou as queimadas que ocorriam no país de “crise global” e disse que os países integrantes do G7 deveriam debater, com urgência, a questão. Em resposta, o brasileiro afirmou que o posicionamento de Macron evocava “mentalidade colonialista descabida no século 21”.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tico de Adauto disse:

    To com Macron e não abro.
    Governo bovino desastrado em todas as áreas. 2022 tem dia D e hora H.

“Deixei o país com 5 malas e R$ 600 rumo à Alemanha, hoje tenho 3 empresas”

Foto: Arquivo pessoal

“Quando eu tinha 17 anos, minha mãe teve meningite, eu fiquei sozinha para cuidar dela e da minha irmã de 4 anos. Quando esta irmã completou 18, surgiu a possibilidade de ir para Alemanha. Eu sonhava em ganhar dinheiro para pagar um tratamento melhor para mamãe, já que ela estava praticamente vegetando em uma cama ao longo de todos esses anos”.

A oportunidade surgiu por acaso, eu tinha um salão de cabeleireiro em Cabo Frio (RJ), onde eu morava, e certa vez uma brasileira que vivia no exterior, foi no meu salão fazer o cabelo e me perguntou: ‘Por que que você não faz show de samba na Alemanha? Sempre me perguntam sobre mulheres que fazem show de samba, mas sou branca, e eles não se interessam por mim lá, você podia ir e fazer’. Achei a ideia boa, ela me passou um contato de lá, falei com eles, e 15 dias depois eu estava de partida para a Europa.

Em abril de 2000, eu desembarquei sozinha em Dresden, com 5 malas e R$ 600 no bolso (na época a moeda era o marco alemão e essa quantia dava quase 600 marcos).

Os primeiros três anos foram os mais difíceis. Aprendi alemão sozinha em oito meses, o que tornou minha vida bem mais prática e abriram-se mais portas. Eu já falava inglês, mas aqui eles aprendiam como segunda língua o russo, então poucos falavam inglês em Dresden.

Os meus primeiros três invernos também foram difíceis, não exatamente por causa do frio, que eu até gosto, mas pela falta de luz, que me deixava triste e desanimada. Para evitar cair em depressão, eu fazia bronzeamento artificial só para sentir aquela luz.

‘Troquei hospedagem por faxina’

Quando cheguei em Dresden, eu só tinha hospedagem para uma semana, que era na casa do dono de uma discoteca, (o contato que a moça havia me dado, não era de um grupo de samba, mas de um sujeito que gerenciava uma discoteca aqui). Eu tive que me virar para conseguir os contatos dos grupos que faziam esses shows de samba na Alemanha, então enquanto as músicas tocavam, eu subia no palco com roupa carnavalesca, e dessa forma, consegui alguns contatos.

A esposa do dono da disco estava morrendo de ciúmes de mim, aí no quarto dia eu deixei a casa deles e saí andando, procurando algum lugar para ficar, com pouco dinheiro. Vi uma loja de estrangeiros, eles falavam inglês e eu perguntei se conheciam alguém que alugava um quarto. Me deram o contato de um africano muito respeitoso, que atuava na política, e assim, ele permitiu que eu morasse na casa dele durante 6 meses em troca de serviços domésticos e faxina, e isso me ajudou bastante.

Comecei a dançar samba em um show folclórico brasileiro e depois fui morar em Frankfurt, onde se ganhava mais dinheiro. Viajava muito, trabalhava muito, sempre em eventos dos outros, grupos, clubes. Frankfurt era mais central e os voos sempre partiam de lá com destino a outros lugares e países.

‘Cilada: quase virei escrava sexual’

Antes de viver em Frankfurt, quando ainda estava em Dresden, nas minhas horas vagas da discoteca, eu me apresentava em aniversários, casamentos e festas dançando samba. Certa vez, recebi um convite para fazer um show de samba em uma outra cidade e por muito pouco não caí numa cilada. Um táxi pago pelo contratante me levou até o local, uma casa muito bonita e enorme, onde eu faria o show de samba em uma festa privada de empresa. Levei minhas fantasias de Carnaval e quando cheguei lá, era um bordel.

Notei que havia algo estranho quando vi um pole dance no palco. Eu fiquei apavorada. Antes de deixar o Brasil, eu havia pesquisado sobre a vida de brasileiros na Europa, e tinha lido que jamais deveríamos entregar nosso passaporte para um empregador, pois eles poderiam te fazer escrava sexual.

Um homem do local veio e pediu o meu passaporte, eu gelei. Disse que estava junto com as minhas fantasias e outras coisas no camarim e que ia buscá-lo.

O primeiro bar fundado por Denisa na Alemanha. Foto: Divulgação

Eu estava em uma cilada. Quando entrei no camarim, havia uma moça se arrumando, perguntei do que se tratava aquele local, e em inglês ela me respondeu ‘como assim? Isso aqui é um bordel. Por quê? Você não veio para ir para os quartos fazer programa?’

Eu desconversei, dizendo que topava fazer tudo, pois queria ganhar dinheiro, e em seguida, perguntei a ela onde poderia me trocar sozinha, pois estava tímida, e ela me indicou o quarto dela, onde recebia seus clientes. Eu levei as minhas coisas, vi que ninguém havia me visto e fugi, sai correndo pela rua. Era inverno, e estava nevando.

Eu andava rápido e escondida, com medo que eles me seguissem. Um frio danado, e eu não sabia onde estava. Aí passou um táxi e eu literalmente me joguei na frente do carro. Eu só dizia ‘help me’, mas ele entendeu o meu desespero.

Eu tentei me comunicar com ele usando um pequeno dicionário que eu carregava. Eu não tinha dinheiro pra corrida, porque era o contratante que pagaria, ele me levou de graça até Dresden, e esse taxista alemão é meu amigo até hoje.

‘Em 2008, montei meu próprio grupo de samba’

Depois de quatro anos vivendo na Alemanha, eu fui para o Brasil, fiz uma lipo e paguei excelentes tratamentos para a mamãe, que conseguiu sair da cama. Eu consegui dar a ela uma vida digna.

Após a morte da mamãe, eu deixei Frankfurt e voltei para Dresden, e em 2008, montei o meu próprio grupo de shows de samba. Tive que investir em fantasias para mim e o grupo, além de instrumentos musicais, trajes para todos os dançarinos, capoeiristas.

Em Dresden, eu não seria concorrente de ninguém, e logo de início fiz bastante propaganda, investi bastante e deu certo. Eu sou uma mulher com tino comercial, sempre fui, por mais dificuldades que eu tivesse no Brasil, cheguei a ter dois salões de cabeleireiro.

‘Vi na caipirinha uma nova oportunidade’

Anualmente acontece em Dresden um festival chamado Bundesrepublik Neustadt, uma festa muito doida e alternativa no bairro de Neustadt. Um sujeito queria montar uma barraca de coquetéis, mas eu nunca havia feito uma caipirinha na minha vida.

Daí, eu lembrei que uma brasileira aqui havia trabalhado em uma barraca de caipirinhas em Porto Seguro. Ela topou a ideia, e eu pedi um dinheiro emprestado a um amigo, compramos tudo que precisava, o dono cedeu o quiosque e trabalhamos lá, e foi um sucesso.

Após essa experiência, em 2009, comprei uma barraca desmontável e comecei a trabalhar vendendo caipirinhas em diversos festivais, e aí foram surgindo convites para festas. Eu incrementei o negócio, nós trabalhávamos fantasiados, com plumas e paetês, música na barraca, dançando, rindo e brincando com as pessoas.

Sempre formavam filas na nossa barraca. O diferencial não era apenas o sabor da caipirinha, mas o nosso jeito de ser.

‘Racismo na Alemanha? Nunca’

Eu nunca sofri racismo na Alemanha, a questão da cor da pele não faz diferença, se existe algum racista é algo raro. O preconceito aqui é contra estrangeiro no geral. Quando eu cheguei há 20 anos, a coisa era muito pesada e acho que ser mulher, jovem e bonita foi uma vantagem.

No Brasil, eu já fui barrada em um hotel em Copacabana. No café da manhã do hotel, uma funcionária segurou meu braço e disse que eu não poderia tomar café da manhã ali. Eles deduziram que uma mulher negra, tomando café da manhã em um hotel de luxo só podia ser uma prostituta que dormiu com algum gringo e que no dia seguinte se achou no direito de ir ao restaurante. Só podia ser isso né?

Esse tipo de situação eu nunca vivi na Alemanha e em lugar nenhum. Os problemas que eu tive na Alemanha foram por ser mulher, estrangeira e sozinha -com empregadores querendo tirar proveito, passar a perna.

‘Me incomodava usar peças pequenas para dançar’

Os meus shows são folclóricos, eu me inspirei um pouco nos shows do Plataforma Rio [extinta casa noturna carioca que exibia shows folclóricos], mas tem muita criação minha também. Quando eu montei o meu grupo, eu quis mudar um pouco, porque tinha coisas que me incomodavam. No Brasil por exemplo, você está dançando no Carnaval sob 40 graus, um calor danado, é justificável a gente usar aqueles biquínis pequenos.

Mas me incomodava usar essas coisas aqui, porque eu não queria ser vista de uma maneira sexista. Quando criei meu grupo, comecei a cobrir as minhas roupas. O que gringo quer ver é samba. Ele não faz questão de ver bunda. As bundas das dançarinas dos meus shows são cobertas, e os clientes gostam muito disso, porque eu trabalho para muitas empresas em eventos, não fica bem aquele monte de ‘popo’, os meus shows são também diferenciados neste sentido.

‘A crise em 2016 que gerou nova empresa’

Em 2016, houve em Dresden uma crise muito grande, um movimento xenofóbico na cidade, que matou o turismo na cidade e quebrou restaurantes e hotéis. Diminuiu muito os meus shows de samba e os coquetéis/bares móveis.

Eu estava desesperada, eu tinha que ganhar dinheiro. Passei a fazer limpeza sozinha, mas eu vi que não daria conta de atender a todos, aí montei uma equipe e chamei estudantes pra trabalhar comigo. Os brasileiros são ótimos para fazer limpeza.

Em 2018, criei uma empresa de limpeza. Eu já queria ter algo que funcionasse o ano inteiro, porque os shows e coquetéis são mais no verão. Agora, nessa pandemia, é isso que está me salvando porque a limpeza não parou.

Eu tenho uma vida estável hoje. Consigo oferecer oportunidades para outros brasileiros e estrangeiros refugiados que trabalham nos três negócios comigo. Posso dizer que sou uma pessoa vencedora. Não sou rica, mas tenho o suficiente para ter uma certa tranquilidade, paguei o tratamento da mamãe, dei uma casa para a minha irmã, e estou visando mais para o meu futuro.

‘Sem planos de viver no Brasil’

Eu gosto muito da Alemanha, não tenho vontade de voltar a morar no Brasil. As coisas aqui funcionam, são organizadas, as pessoas têm respeito. Moro no térreo, não preciso de grade, de alarme, nada dessas coisas que a minha casa no Brasil tinha, e que mesmo assim, foi assaltada. Moro sozinha, tenho um namorado alemão, mas não quero morar junto, acho que sou teimosa como eles.

Já realizei todos os meus sonhos. Cheguei aqui com 31 anos e sabia bem o que eu queria, não era nenhuma menina boba. Tenho alguns planos a realizar, mas Deus sempre mostra o caminho. Quero um dia abrir um teatro folclórico brasileiro em Dresden e trazer artistas do Brasil pra se apresentar por temporadas.

Eu sempre fui feliz, mas depois dos 50, eu tô me achando. Me casei aos 20, divorciei aos 25, percebi que casamento não é coisa pra mim. Adoro liberdade, não quis ter filhos. Eu amo a Deus, me amo, amo o próximo. Acho que liberdade e amor são o segredo da minha felicidade.

Universa – UOL

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tico de Adauto disse:

    👏👏👏👏👏👏

  2. Especialista Em RAPAZES (PEDROCA) disse:

    Tenho vontade de ir pra Europa trabalhar como faxineira.
    Será que pagam bem?

    • Calígula disse:

      Bixa, a Roberto Freire tá fraca assim o movimento?
      Aqueta o facho.

    • Adélio biba disse:

      Froxa do jeito que você é, não vai ganhar nem o da sopa Rsrs bixa use pedra Hume.

Juíza será primeira brasileira a presidir Tribunal de Apelação da ONU

Martha Halfeld de Mendonça Schmidt, iintegrante do Tribunal de Apelações da ONU: ela foi escolhida para ser a presidente do órgão a partir de 1º de janeiro de 2021. Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação

Muitos conflitos no mundo acontecem por equívocos na comunicação e podem ser resolvidos com um sistema de prevenção que estabeleça uma comunicação eficaz entre as pessoas, principalmente no ambiente corporativo.

Essa é a visão da juíza Martha Halfeld de Mendonça Schmidt, que é integrante do Tribunal de Apelações da ONU (Unat – The United Nations Appeals Tribunal) e foi escolhida, por unanimidade, para ser a presidente do órgão a partir de 1º de janeiro de 2021.

Em conversa com a coluna, a juíza, que também atua na Vara do Trabalho de Juiz de Fora (MG), afirmou que muitos atritos podem ser sanados ou evitados com uma política de prevenção, o que reduziria as demandas enviadas ao Judiciário por colaboradores de empresas que se sentem desrespeitados. Para ela, a ONU já aplica esse sistema entre seus membros e é um bom exemplo dessa cultura de prevenção.

“O estabelecimento de uma mediação como forma de prevenção das demandas que chegam no Judiciário pode significar um melhor desempenho da empresa, uma melhor imagem da empresa perante a sociedade, pode significar eficiência administrativa, porque o empregado se sente respeitado, ouvido”, enfatiza Martha Halfeld.

A eleição da juíza para presidir o Tribunal de Apelações da ONU é histórica. Escolhida por unanimidade para um mandato de um ano como presidente, ela já atua no tribunal desde 2016 como membro. Para ela, chegar à presidência é o reconhecimento de uma trajetória dedicada ao Direito.

“É uma satisfação de ordem pessoal, mas transcende isso porque eu acho que é também uma demonstração pública de que talvez possa ser objeto de aspirações futuras de profissionais do Direito”, destaca.

Martha Halfeld espera que o mandato inédito abra caminhos para que outros brasileiros participem ativamente da ONU, já que o Brasil não tem tido cargos de destaque em organizações internacionais.

“Nesse ponto, parece uma posição estrategicamente relevante. Isso aumenta a minha responsabilidade, tem toda uma tradição de diplomacia brasileira, de respeitabilidade, de boa-fé nas iniciativas”, conclui a magistrada.

Matheus Leitão – Veja

Brasileira pega 4 anos de prisão por advogar sem licença na Flórida

Foto: Reprodução

Uma brasileira de 41 anos foi sentenciada a quatro anos e meio de prisão por se passar por advogada na Flórida, nos Estados Unidos, sem ter licença para exercer a profissão. Ela ainda terá que cumprir mais três anos de liberdade supervisionada e pagar mais de US$ 14 mil – cerca de R$ 75 mil – em restituição.

Na decisão, o juiz James Moody Jr escreveu que a brasileira também terá de se submeter a um tratamento de saúde mental. Enquadrada por fraude e roubo de identidade agravado, ela não poderá realizar operações financeiras e compras de alto valor sem consentimento das autoridades.

Roberta Guedes se formou na Faculdade de Direito da Universidade de Stetson em 2014 e foi reprovada duas vezes no exame da Ordem. Ela montou um escritório falso, chamado Ferguson and McKenzie LLC, usando nome de terceiros.

De acordo com o jornal Tamba Bay Times, Guedes abriu negócios incluindo uma colega de faculdade e uma amiga como sócias do empreendimento, sem conhecimento delas. Também se apropriou de seus dados para dar entrada em contas bancárias e linhas de crédito.

Guedes começou a atender clientes com foco em imigração e direito de família. A ideia era atrair sobretudo brasileiros. Para isso, ela criou um site no qual listava supostos advogados com fotos de pessoas que jamais trabalharam no escritório irregular.

Em um dos casos apurados pela investigação, Guedes se apresentou diante de um magistrado em Orlando sob nome da colega Agnieszka Piasecka. Em outros episódios, ela até assinou seu nome verdadeiro em documentos judiciais, mas usou o número de registro de Piasecka.

Mas foi ao passar por advogada frente à juíza Frances Perrone, de Tampa, que a mentira foi descoberta. A Ordem dos Advogados dos EUA então abriu uma investigação contra Guedes por prática ilegal da advocacia. Ela admitiu a culpa no final do ano passado, após alegar que apenas ajudava clientes com burocracia e tradução.

Em documento, o advogado de defesa Jason Mayberry afirmou que sua cliente sofria de transtornos como depressão e ansiedade, além de citar sua atuação em causas sociais. Entre os fatos mencionados, está a criação de uma fundação para proteger animais e a confecção de máscaras para moradores em situação de rua durante a pandemia.

Segundo o Tampa Bay Times, vítimas classificaram Guedes como “mentirosa patológica, manipuladora e sem remorso e empatia”. A brasileira se desculpou na última quarta (18), dia de sua audiência:

“Lamento profundamente por ter causado tanto sofrimento, tanta agonia. Agi de forma egoísta, sem consideração pelos outros. Violei a confiança que os outros tinham em mim”, disse.

Época

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. junin disse:

    deve ser bolsominia…., pq é muito burra!!!

    • Calígula disse:

      Seu capim com mortadela tá garantido pelo pai dos burros o Luladrão.

  2. Calígula disse:

    Se fosse aqui no Brasil, nem pena teria pego.

(FOTOS) – Nova Ronda? Conheça a musa brasileira estreante do UFC que é ex-judoca

Luana Pinheiro sonha seguir os passos de Ronda Rousey — Foto: reprodução/Instagram

Quando judô e MMA são colocados lado a lado na mesma frase, o nome de Ronda Rousey é uma das primeiras lembranças que surgem na mente dos fãs de artes marciais. A americana, que fez história ao se tornar a primeira campeã do UFC, inspirou muitas outras mulheres e meninas ao redor do mundo. Uma delas é a judoca brasileira Luana Pinheiro, fã da peso-galo que optou por seguir os passos da estrela e trocar o quimono pelas luvas. Pouco mais de quatro anos após a migração, a paraibana conquistou seu maior desejo na última semana, quando foi contratada por Dana White no Contender Series ao nocautear Stephanie Frausto no round inicial.

— Comecei a acompanhar a Ronda porque ela vinha do judô e estava no UFC. Ela entrava, derrubava e pegava o braço de todo mundo. Eu ficava impressionada. Todos os meus amigos iam em algum bar, restaurante ou na casa de alguém para poder assistir. Eu ficava olhando e pensava: “Ninguém se reúne para ver minha luta de judô. Será que isso não é mais legal? Eu quero isso, quero que todo mundo saia daqui e vá me ver, quero todos os meus amigos torcendo por mim”. Nas competições de judô, tem um monte de lutas acontecendo ao mesmo tempo, você é só mais um. No MMA é tudo focado em você, todo mundo te assistindo. Então decidi que queria aquilo. Se a Ronda tinha conseguido por que eu não poderia? — comenta Luana, em entrevista ao Combate.com.

Luana Pinheiro começou a praticar judô ainda na infância, por influência dos pais — Foto: Reprodução/Instagram

Luana Pinheiro, hoje com 26 anos, nasceu em João Pessoa, na Paraíba, numa família em que o judô está no DNA: a mãe e os cinco irmãos são faixas-pretas, e o pai, coral. Por isso, a lutadora começou a praticar a arte marcial japonesa aos dois anos. Ela buscou outras modalidades – praticou natação, ginástica olímpica, futsal, surfe, handebol e balé – mas o judô acabou prevalecendo.

— Teve uma época em que eu estava querendo surfar, ficava de corpo mole no judô, e meu pai ameaçava jogar minha prancha fora. Eu ficava o dia inteiro na praia e à noite estava acabada. Eu me dei conta de que precisava treinar e me dedicar mais quando tinha 10 anos e ganhei minha primeira seletiva para ir ao (campeonato) sul-americano. Isso acabou sendo depois que eu fiquei mais velha. No começo não tem como, você é uma criança e quer fazer um milhão de coisas, tem energia para isso ainda. Depois de velha é que tem de escolher apenas uma porque o corpo já não aguenta.

Após se formar no colégio, surgiu a primeira grande mudança em sua vida: no início de 2012, uma oportunidade de treinar no Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, fez com que a jovem de 17 anos deixasse a família e fosse morar numa cidade distante.

— Eu fiquei feliz porque estava saindo de casa, que é o sonho de qualquer adolescente. Estava naquela “pilha” de poder sair de casa sozinha, na hora em que eu quisesse. Porque lá (no Minas) você mora numa república, até tem hora para voltar, mas não tem de ficar avisando aonde vai. Fiquei feliz de início, mas os meses foram passando e fui vendo que não seria tão legal assim. Quando chega o final de semana, por exemplo, você fica sozinha, não tem o que fazer. Como a gente convive muito com o pessoal que treina, também fica enjoado um do outro. Eu queria ver minha mãe, minha família… e não podia, eu só tinha que ficar sozinha num quartinho.

Em Belo Horizonte, Luana ainda chegou a iniciar duas graduações, em Fisioterapia e Arquitetura, ambas não concluídas. As obrigações acadêmicas eram difíceis de serem conciliadas com o dia a dia de treinamentos e, como atleta do Minas, a judoca já garantia seu rendimento apenas com o esporte.

— A gente viaja muito no judô, tem muita competição, e quando eu mudei para Arquitetura tinha muito trabalho para fazer. E todos os meus trabalhos eram individuais, eu não conseguia fazer um trabalho em grupo porque ninguém podia ir na minha casa e meus amigos também moravam em outra cidade. Eu não tinha como tirar um dia para fazer só o trabalho da faculdade, tinha que treinar sempre. O treino era o principal, a faculdade era um extra que eu tinha que arrumar tempo. Então várias vezes já fiquei estudante até seis horas da manhã quando tinha prova.

Em 2015, após perder a seletiva de classificação para as Olimpíadas do Rio, Luana tomou a decisão de migrar para o MMA, um desejo que já vinha crescendo em sua mente. A atleta já não sentia mais a mesma empolgação na prática do judô e não estava animada para encarar mais um longo ciclo olímpico em busca da classificação para Tóquio 2020. No Natal, revelou aos pais o desejo de começar nas artes marciais mistas. As primeiras reações não foram muito favoráveis, e Luana lembra que escutou perguntas como “você está maluca?” e “Já brigou na rua, já tomou um soco na cara?”.

— Minha mãe não curtiu muito a ideia, mas não iria me proibir. Eu estava indo embora de lá, fui me despedir do meu pai, e ele falou que tinha um presente para mim. Ele me deu uma luva de boxe, mesmo não curtindo muito a ideia. Até hoje ele não gosta muito, porque, como ele veio do judô, ainda tem muito essa coisa de usar só a técnica, de ter a disciplina, sem agressividade. Então me deu essa luva de boxe, falou que não curtiria muito mas que me apoiaria se eu quisesse – afirma Luana, que já havia conhecido Cristiano “Titi”, seu primeiro mestre no MMA.

— Antes de eu ir para João Pessoa de férias já tinha conhecido o sensei Titi. Toda semana tinha um treino de chão lá no Minas e ele é quem ia passar umas dicas para a galera. Ele tinha me convidado para fazer um treino de jiu-jítsu, eu fui e perguntei se lá tinha MMA também. Pedi para fazer um treino mas ele disse que o sensei Floriano (do judô) não deixaria. Não tinha como eu fazer um treino de MMA e depois ir pro Minas se me machucasse. Então já fui para casa com essa ideia e quando voltei para Belo Horizonte já estava decidida que queria lutar MMA.

No início de 2016, então, Luana começou sua jornada no MMA na equipe BH Rhinos, liderada pelo mestre “Titi”. Naturalmente, sua maior dificuldade no início foi em absorver as técnicas da trocação.

– No judô eu já era uma menina agressiva. Eu já derrubava e não parava até a menina encostar as costas no chão e o árbitro parar. No judô eu já tinha esse ímpeto de bater, mas não podia. E no MMA eu poderia bater em alguém com toda a minha força e seria normal, estava no esporte, ninguém iria me chamar de maluca. Então foi uma coisa que gostei muito, de poder extravasar, mostrar minha força. Foi difícil. No primeiro treino o sensei já me colocou para fazer boxe com queda, chamou uma menina do jiu-jitsu… a gente começou a trocar soco e eu não sabia nem socar direito, era quase uma briga de rua (risos). O meu instinto, quando chegava perto, já era de abraçar e derrubar de qualquer jeito. É uma coisa que vem de mim.

Com cerca de seis meses de treinamento, em outubro de 2016, Luana fez sua estreia no MMA. Ela optou por não competir na modalidade amadora e já fazer a primeira luta no profissional: “Como assim vou apanhar e não vai valer nada?”, diz. A mãe e a irmã da peso-palha viajaram de João Pessoa a Belo Horizonte para assistir ao confronto, e as colegas de equipe dos tempos de judô também se fizeram presentes. Com arena lotada, Luana viveu uma emoção que ainda nunca havia sentido na vida.

— No judô, se perder, já tem outra luta na próxima semana, pode disputar repescagem… No MMA é a sensação de estar indo para a guerra, instinto de sobrevivência: se eu não matar, vou morrer. Tem uma luta em que a Ronda derruba a adversária no kochi guruma, segura no honke zagatame, fica socando, olha pro árbitro e o árbitro acaba (contra Alexis Davis). Minha intenção era fazer igual. Começou a luta, caí por cima da menina, encaixei no honke zagatame e fiquei batendo… olhei para o árbitro e ele não parava, a menina começou a se mexer e pensei: “Meu deus, eu achei que fosse acabar aqui”. E minha mãe gritando de desespero do lado de fora (risos). Foi bom para fazer três rounds de porradaria, de loucura. Foi um teste para eu saber se era aquilo que eu queria mesmo – contou Luana que, em 2018, por intermédio do namorado, o também lutador Matheus Nicolau, migrou para a academia Nova União, no Rio de Janeiro.

Com nove lutas no cartel e quatro anos de experiência no MMA, Luana atingiu o grande objetivo de todo lutador no último dia 10, ao nocautear Stephanie Frausto no Contender Series, em Las Vegas (EUA), e ganhar um contrato com o UFC.

— Entrar no UFC sempre foi o meu objetivo, nunca estive satisfeita nos outros eventos porque a Ronda estava lá (no UFC). Era algo que eu queria e não ia sossegar até conquistar. Pode ter sido cedo, mas foi uma coisa que eu batalhei para isso. Com certeza tem muitos atletas duros que estão há tempos no MMA e não têm essa oportunidade. Principalmente para homem, porque tem mais, mas acho que para mulher tem menos concorrência — diz Luana, que ganhou elogios de Dana White após o duelo.

— Fiquei feliz demais. A minha missão na luta era agarrar, derrubar, trabalhar o jiu-jítsu, o ground and pound… mas acabou que foi completamente diferente do que eu estava prevendo. Fiquei feliz ainda mais ainda por ele (Dana White) ter falado que queria ver meu judô no UFC. É bom para mim porque as meninas sempre esperam que eu vá agarrar como uma louca, mas já estou vindo de dois nocautes. Então, são mais armas para as adversárias se preocuparem.

Apesar de se tornar cada vez mais versátil dentro do cage, Luana avalia que pode levar certa vantagem sobre as adversárias do UFC impondo suas variadas técnicas do judô. A comparação com Ronda Rousey deve se tornar inevitável caso a paraibana tenha sucesso dentro no Ultimate – mas isto está longe de incomodar a peso-palha, na realidade, é motivo de orgulho.

— Logo quando eu migrei para o MMA era isso… Ronda, Ronda, Ronda… depois deu uma diminuída e agora está voltando. E eu realmente conheci o MMA por conta dela. Eu migrei para o MMA por conta dela. Então, é isso mesmo. E eu curto, quem não ser comparada com a Ronda? — conclui.

Globo, via Combate

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Essa até q é mais engraçadinha

  2. Cris disse:

    Pode crer. A mídia adora esses nomes: musas, famosos, blábláblá.

  3. Carlos disse:

    A menina batalhou a vida dela para chegar onde chegou para ser chamada de “musa”.

FOTOS: Modelo brasileira reage após conta do Papa no Instagram supostamente curtir foto sexy: ‘Vou para o céu’

Natalia Garibotto Foto: Reprodução/natagata.com

O site “Barstool Sports” postou na sexta-feira (13/11) o que ele diz ser um flagra de um like que a conta do Papa Francisco no Instagram deu em postagem sexy da modelo brasileira Natalia Garibotto, mais conhecida como Nata Gata, em que ela aparece com uniforme de colegial estilizado e biquíni fio-dental.

Não se sabe se o like da conta “franciscus” – um entre mais de 115 mil outros – foi acidental ou mesmo quem clicou no ícone de curtida na foto, postada em 5 de outubro.

“Pelo menos eu vou para o céu”, reagiu Natalia no Twitter após ser alertada sobre a curtida.

Suposta curtida que conta do Papa no Instagram deu em postagem sexy de modelo brasileira Foto: Reprodução

Postagem sexy de modelo brasileira no Instagram supostamente curtida por conta do Papa Foto: Reprodução

A brasileira, que posta em inglês nas redes sociais e vive na Grécia, vende conteúdo adulto para assinantes do seu site. No Instagram, a modelo tem 2,2 milhões de seguidores.

Page Not Found – Extra – O Globo
https://extra.globo.com/noticias/page-not-found/modelo-brasileira-reage-apos-conta-do-papa-no-instagram-supostamente-curtir-foto-sexy-vou-para-ceu-24746329.html

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Sinal quea galera do papa tem bom gosto

  2. Marcos Benício disse:

    Vai sim, minha filha. Vai para o céu que todos nós vamos: sete palmos abaixo da terra.

  3. natalsofrida disse:

    Quem elegeu os papas como santos? Todos sabichões e espertos. Sonente o Criador pode ungir alguém, esses pseudos santos, tem uma grande probabilidade de ir de encontro ao pai da mentira.

  4. Aderbal. disse:

    Não viu maldade.

    • Delano disse:

      Sexo não é maldade, maldade é roubar, matar, enganar, prevaricar, prejudicar…

Brasileira está no time de Biden contra a Covid-19, informa equipe de transição

Luciana Borio, em foto de setembro de 2014 — Foto: Alex Wong/Getty Images North America/Getty Images via AFP/Arquivo

A equipe de transição do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta segunda-feira (9) o conselho consultivo para o combate à Covid. Entre os membros anunciados está a brasileira Luciana Borio, segundo comunicado do governo de transição.

Borio é pesquisadora sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores dos EUA, ex-diretora de preparação médica e de biodefesa do Conselho de Segurança Nacional do país e ex-cientista-chefe interina da FDA (Food and Drug Administration, na sigla em inglês), órgão equivalente à Anvisa.

A equipe de especialistas em saúde pública vai aconselhar Biden, a vice-presidente, Kamala Harris, e a equipe de transição do governo para enfrentar a pandemia. O conselho consultivo será liderado pelos co-presidentes David Kessler, Vivek Murthy e Marcella Nunez-Smith.

“Lidar com a pandemia do coronavírus é uma das batalhas mais importantes que nosso governo enfrentará e serei guiado pela ciência e por especialistas”, afirmou Biden no comunicado.

Segundo o presidente eleito dos EUA, o conselho consultivo “ajudará a moldar a abordagem para gerenciar o aumento nas infecções relatadas; garantir que as vacinas sejam seguras, eficazes e distribuídas de forma eficiente, equitativa e gratuita; e proteger as populações em risco”.

Na campanha, Biden prometeu uma estratégia completamente diferente da adotada por Trump, a começar por garantir que as decisões de saúde pública seriam amparadas na ciência e informadas por profissionais da área

Pandemia nos EUA

O atual presidente americano chegou a dizer em março que o coronavírus ia simplesmente “desaparecer”. No final de outubro, o chefe de gabinete de Trump afirmou “não vamos controlar a pandemia” e voltou a comparar o vírus com a da gripe.

Os Estados Unidos concentram cerca de 20% de todos os casos e mortes por coronavírus do mundo e registraram quatro dias seguidos de recordes de infectados na semana passada.

São quase 10 milhões de casos e mais de 237 mil óbitos no país. Na sequência vêm Índia (8,5 milhões e 126 mil, respectivamente) e Brasil (5,6 milhões e 162 mil).

Além dos co-presidentes e da cientista brasileira, o conselho terá como membros Rick Bright, Ezekiel Emanuel, Atul Gawande, Celine Gounder, Julie Morita, Michael Osterholm, Loyce Pace, Robert Rodriguez e Eric Goosby.

Luciana Borio

O comunicado da equipe de transição de Biden diz que Borio é especialista em biodefesa, doenças infecciosas emergentes, desenvolvimento de produtos médicos e emergências complexas de saúde pública.

A cientista brasileira é pesquisadora sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores americano e já foi diretora de preparação médica e de biodefesa do Conselho de Segurança Nacional do país e cientista-chefe interina da FDA.

Borio também já foi diretora do escritório de contraterrorismo e de ameaças emergentes e comissária assistente para política de contraterrorismo do Conselho de Segurança Nacional, segundo o comunicado da equipe de transição de Biden.

Alerta de 2018

Boro vive desde o fim da década de 80 nos EUA, segundo a BBC, e era assessora da Casa Branca em maio de 2018 quando alertou, durante um simpósio, que uma pandemia de gripe seria a principal ameaça à segurança sanitária do país.

“Estamos preparados para responder a uma pandemia? Receio que a resposta seja não”, afirmou Borio durante uma palestra para marcar os 100 anos da pandemia de gripe espanhola, de acordo com a BBC.

Naquele mês, Trump decidiu fechar o departamento que era chefiado por Borio e que seria responsável pela resposta a uma nova pandemia. Em março deste ano, o presidente americano afirmou que “ninguém sabia que haveria uma pandemia ou epidemia dessa proporção”.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Silvio. disse:

    Joe Biden.
    Tamos juntos!!!
    MITO 2022.

  2. Rancho Do Açoite Sem Fim disse:

    O gado 🐮 ainda tá com essa conversa de fraude e que trump vai ser presidente?
    Temos que suspender o feno e o farelo e aumentar as açoitadas…

  3. Maurício disse:

    BG, vc trouxe a manchete, agora explique: como tem equipe de transição se não tem eleito? É só uma pergunta

    • Manoel disse:

      So se for Na terra plana dos bolsonarista.

    • Juca disse:

      Kkkk não tem kkkkkk o FBI já está providenciando o aparato de segurança para o novo presidente.

  4. Ana disse:

    Acabou Trump. Pegue seu velocípede e vá brincar lá fora, criança.
    Perdeu a Presidência, vai perder a mulher e ainda corre risco de ser preso pelos impostos que deve…
    🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

  5. Val do Açai disse:

    Chama o Pauzuello !!!!!!

Estudantes da UFRN serão a única equipe brasileira em evento mundial

Os estudantes Auana Maroni Fernandes, graduanda em História, e Luiz de França Afonso Ferreira Filho, do curso de Engenharia Mecatrônica, da UFRN, foram os vencedores do Redbull Basement Brasil 2020. O projeto que ganhou a competição nacional foi uma plataforma educacional gamificada, apoiada pela Inteligência Artificial, chamada de Aula Zero. Com ela é possível identificar o estado real do conhecimento de um indivíduo e sugerir as melhores estratégias de aprendizagem enquanto acompanha o progresso.

Com um tempo de apresentação do projeto de apenas 60 segundos, chamado de pitch, os estudantes deveriam apresentar suas ideias em tecnologia e inovação sobre o projeto de sua startup, para gerar impacto positivo o mais rápido possível.

Das 312 ideias inscritas em todo o Brasil, os alunos passaram por uma primeira fase de votação do público, que selecionou 30 ideias. Depois foram escolhidos por um júri técnico, que elegeram Auana Fernandes e Luiz Afonso como representantes do Brasil.

“Se somos todos diferentes, por que devemos aprender da mesma forma? O Aula Zero nasceu comprometido com a missão de criar uma escola para cada aluno, queremos contribuir para uma educação emancipadora”, explicam os estudantes.

A próxima fase acontece no mês de dezembro, em um evento global com uma ideia representando cada país. O local ainda será definido.

Com UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    A esquerda não cansa de passar vergonha.
    De talvez 2 milhões de alunos 2 foram selecionados numa competição.
    Universidade pública federal antigamente era sinônimo de excelência.
    Hoje em dia o que acaba é a doutrinação.
    Se existe maconha ou não quem estuda deve saber.
    Eu não sei ..

  2. jair disse:

    A turminha do contra da Universidade Publica pira com uma notícia dessa. Parabéns aos alunos do projeto vencedor nacional e boa sorte. Eu acredito na Universidade Pública federal de qualidade.

  3. joao disse:

    Pensei que na UFRN só tinha maconheiros.
    A turminha que não tem competência para entrar na Universidade pública endoida.

Ex-catadora de papelão, brasileira Doani Bertan está entre os 10 melhores professores do mundo

Doani Emanuela Bertan. A professora paulista Doani Emanuela Bertan está entre os 10 finalistas do Global Teacher Prize Varkey Foundation/VEJA.com

Nos idos dos anos 1980, quando a apresentadora Xuxa Meneghel cantava “A de Amor, B de Baixinho, C de Coração” na televisão em língua de sinais, a paulista Doani Emanuela Bertan teve seu primeiro contato com a linguagem para deficientes auditivos. De lá até ser eleita uma das dez melhores professoras do mundo pelo Global Teacher Prize, espécie de Prêmio Nobel da Educação, Doani precisou percorrer um longo caminho: foi catadora de papelão, artesã e telefonista antes de se tornar a primeira da família a ingressar na universidade de pedagogia. Aos 18 anos, ela fez um curso de libras e percebeu as dificuldades que os surdos enfrentam na hora de se comunicar e ali decidiu que seria professora.

“Já entrei na faculdade sabendo que ensinar a Língua Brasileira de Sinais era a minha a minha vocação. Desde cedo minha mãe me dizia que a educação era a única maneira de mudar de vida e passei a querer ser uma ferramenta dessa transformação”, conta Doani, que hoje é professora bilíngue na Escola Municipal Júlio de Mesquita Filho, na cidade de Campinas, em São Paulo.

Na escola desde 2012, Doani pode assistir a uma mudança que gerou grande impacto na vida de seus alunos. Há três anos a sala exclusiva para estudantes surdos ou com algum grau de deficiência auditiva foi extinta, dando lugar à docência compartilhada, onde surdos e ouvintes assistem a mesma aula, na mesma classe, com duas professoras. “Montamos o roteiro do que será ensinado juntas e nos dividimos na hora de falar. Essa é a verdadeira inclusão”, afirma a professora, que considera a exclusão social o maior problema enfrentado pelas escolas, especialmente nestes tempos bicudos de pandemia de Covid-19.

Antes mesmo que a quarentena impusesse a necessidade das aulas virtuais, Doani já ministrava o conteúdo dado aos seus alunos no canal do Youtube Sala 8, com cerca de seis mil inscritos. Mas, se antes ela fazia resumos de Português, Ciências, Geografia e Matemática, agora ela também promove atividades, além de ter incluído a disciplina de História. “O trabalho aumentou muito na pandemia e hoje conto com a ajuda do meu marido para editar o material. Mas é reconfortante saber que mais estudantes têm acesso a uma aula inclusiva“, diz Doani.

Se for escolhida no próximo dia 3 de dezembro como a melhor professora do mundo pelo Global Teacher Prize 2020 e ganhar o prêmio de 1 milhão de dólares, a brasileira vai investir no Sala 8 para que a plataforma, que hoje reúne conteúdos para alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, seja ampliado até o fim do Ensino Médio. “Já tenho todo o projeto na minha cabeça, só falta receber o prêmio. Quero promover a educação inclusiva para todos e ter cursos profissionalizantes para que mais alunos, surdos e ouvintes, tenham oportunidades quando ingressarem no mercado de trabalho”, conta ela, que acredita que a disputa este ano está acirrada. Este é o terceiro ano consecutivo que brasileiros aparecem na listagem dos dez finalistas, mas nenhum levou o título.

A competição, promovida pela Fundação Varkey, é vista como o Prêmio Nobel da educação e contou com mais de 12.000 inscrições de mais de 140 países diferentes. O objetivo do prêmio de um milhão de dólares é fazer com que os educadores sejam valorizados a nível internacional. “O respeito aos professores vai além de um importante dever moral – é essencial para para os resultados educacionais de um país”, reforça o fundador, Sunny Varkey. Em 2019, o campeão foi o professor Peter Tabichi, criador de um clube de ciências para crianças de diversas religiões em uma região assolada pela fome no Quênia. “Podemos ser o país do futebol e do Nobel da educação“, conclui Doani. Que assim seja.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ana disse:

    Parabéns!!!! É dessas pessoas que nosso Brasil e o mundo precisam. Nota DEZ!!!! Obrigada professora!!! Bjooooooo

  2. João Macena disse:

    Antônio Soares, perfeito o seu comentário. João Macena.

  3. Antonio Turci disse:

    Um exemplo de perseverança e força de vontade a ser seguido.

  4. Antônio Soares disse:

    Parabéns a Professora pelo seu empenho e dedicação, porém só isso não muda nossa realidade. Estamos entre os dez piores países quando se analisa nossa situação através do pisa. Somos os últimos em quase tudo, menos em matemática, somos o quarto lugar, nossa melhor colocação, de trás pra frente, claro. E pra mudar essa geração de professores todos ou quase todos da era PT, vai levar uma eternidade, pois já éramos ruins porém depois deles ficamos deploráveis. Novamente, parabéns Professora.

Anúncio de sinal de vida em Vênus é ‘imprudente’ e ‘precipitado’, diz astrofísica brasileira associada à Nasa

Astrofísica brasileira Duilia Fernandes de Mello pede cautela pede cautela na divulgação de gás que poderia indicar a presença de micróbios na atmosfera de Vênus — Foto: Duilia de Mello/ BBC

Março de 2014: cientistas chocam o planeta com o anúncio da detecção de ondas gravitacionais descritas como “ecos” do Big Bang, em uma descoberta retratada como das mais importantes da história sobre as origens do universo. O anúncio é destaque nas principais revistas científicas e especialistas dão o prêmio Nobel como certo para a equipe de astrônomos.

Janeiro de 2015: os mesmos cientistas voltam atrás, pedem desculpas à comunidade científica, e afirmam que o que haviam descrito como reflexo da megaexplosão que aconteceu há 14 bilhões de anos era na verdade uma interpretação equivocada. As ondas atribuídas ao Big Bang eram, na verdade, sinais emitidos pela poeira que se espalha pela Via Láctea. A descoberta virava pó.

Foto: NASA / JPL-Caltech

Cinco anos depois, na segunda-feira (14), veio o anúncio da descoberta de um gás que, apesar de várias ressalvas apontadas pelos próprios cientistas, pode indicar a presença de micróbios na atmosfera de Vênus. Divulgada pela revista “Nature Astronomy” e pela Sociedade Astronômica Real, de Londres, a descoberta causou euforia e foi vista, por muitos, como o indício mais forte de vida extraterrestre já anunciado pela ciência.

Explica-se: no planeta Terra, as mesmas moléculas de fosfina identificadas pelo estudo em Vênus só existem na natureza como fruto da ação de seres microscópicos que vivem nas entranhas dos animais e em ambientes pobres em oxigênio, como pântanos.

Como não há outra explicação para a presença natural de fosfina além da atuação destes micróbios, a descoberta poderia ser um sinal concreto de vida na atmosfera venusiana. Mas cientistas importantes como a astrofísica brasileira Duilia Fernandes de Mello, vice-reitora da Universidade Católica de Washington e pesquisadora junto à Nasa há 18 anos, pedem cautela.

“As pessoas, às vezes, na ansiedade de mostrar resultados, acabam cometendo erros”, diz a professora em entrevista à BBC News Brasil.

Na avaliação da brasileira, responsável pela descoberta da supernova SN1997 (supernovas são as megaexplosões que ocorrem no fim do ciclo de uma estrela) e participante da equipe que identificou as chamadas “bolhas azuis” (aglomerados estrelares detectados pelo famoso telescópio Hubble), o anúncio sobre Vênus é “imprudente”, carece de “confirmação” e pode ser fruto de uma “coincidência”.

“Estamos em uma fase muito complicada da ciência, com as pessoas negando a ciência. Então é preciso ser muito cuidadoso.”

Coincidência?

Liderada por astrônomos da Universidade de Cardiff, no País de Gales, em parceria com outros cientistas no Reino Unido, nos EUA e no Japão, a pesquisa identificou a presença de moléculas de fosfina em Vênus por meio de ondas de rádio pelo telescópio James Clerk Maxwell, no Havaí.

Elas foram confirmadas por um conjunto de 45 das 66 antenas que formam uma espécie de telescópio gigante no importante observatório Alma, que fica no deserto do Atacama, no Chile.

(mais…)

Economia brasileira cresceu 2,4% em julho, aponta monitor do PIB FGV

A economia brasileira registrou alta de 2,4% em julho na comparação com o mês anterior, segundo dados do Monitor do PIB-FGV, divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quarta-feira (16). Frente ao mesmo mês de 2019, no entanto, o resultado é uma queda de 6,1%.

Segundo a FGV, nos três meses encerrados em julho, houve uma queda de 4% ante os três meses anteriores. Já na comparação com o mesmo período do ano passado, o PIB teve queda de 8,9%.

“A economia segue em trajetória de crescimento no mês de julho. Após ter em abril o seu pior momento econômico, reflexo da pandemia de Covid-19, é possível enxergar considerável melhora em todas as atividades econômicas”, afirma em nota Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.

Ele ressalta, no entanto, que o país “segue com cenário de alta incerteza e com o nível de atividade em patamar ainda muito baixo e se recuperando muito lentamente”.

Principais resultados

O Monitor do PIB apontou que no trimestre encerrado em julho, em comparação com o mesmo período de 2019:

O consumo das famílias caiu 10,1%, com retração de 12,5% no consumo de serviços

Os investimentos (formação bruta de capital fixo) tiveram queda de 7,8%, com recuo de 18,1% em máquinas e equipamentos

A exportação teve alta de 4,9%; enquanto a importação encolheu 20%

Perspectivas e projeções para 2020

O indicador da FGV ficou melhor que o apontado pelo Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), do Banco Central (BC), que apontou uma alta de 2,15% no mês.

O mercado financeiro estimou, na segunda-feira, uma retração de 5,11% para a economia brasileira neste ano

Na terça-feira (15), o governo brasileiro manteve a expectativa de queda de 4,7% para o PIB de 2020

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um tombo de 9,1% em 2020.

G1

FOTO E VÍDEO: Brasileira Maya Gabeira volta a estabelecer recorde mundial com a maior onda já surfada por uma mulher; veja dimensão de 22,4 metros

A brasileira Maya Gabeira voltou a estabelecer o recorde mundial com a maior onda já surfada por uma mulher. O Big Wave Awards (principal premiação mundial de ondas grandes) anunciou nesta quinta-feira que a onda que a brasileira surfou em Nazaré, Portugal, em fevereiro deste ano, chegou a 22,4 metros de altura. A marca anterior já pertencia a Maya, com uma onda de 20,7 metros.

Se é dificil dimensionar o tamanho do feito, pense que 22,4 metros é quase equivalente à altura de um prédio de sete andares. Mais alto que a Esfinge, no Egito. Não é pouca coisa.

Foto: Arte O Globo

— A velocidade era muito alta e o barulho que a onda fez quando quebrou me fez perceber que esta era provavelmente a maior onda que surfei — disse Maya.

Em julho deste ano, Maya foi escolhida a segunda maior surfista da história do Brasil em eleição promovida pelo GLOBO com 30 jornalistas especializados, ficando atrás apenas da cearense Silvana Lima.

A marca de maior onda da história também pertence a um brasileiro. O paulista Rodrigo Koxa pegou uma onda de 24,4 metros, também em Nazaré, em 2017.

O Globo e R7

Brasileira que coordena testes da vacina de Oxford contra Covid-19 se diz otimista: ‘Quero passar o Natal no Brasil’

Daniela Ferreira coordena um dos grupos responsáveis pelo estudo da mais promissora vacina até agora. — Foto: Reprodução/TV Globo

O Conversa com Bial de quinta, 16/7, atualizou o status da luta mundial da ciência contra o novo coronavírus, além de esclarecer dúvidas e explicar um conceito do qual muito se ouve nos últimos meses: imunidade de rebanho. Para isso, ouviu dois cientistas que estão na linha de frente da humanidade na guerra contra a Covid-19: o doutor Julio Croda, infectologista da Fiocruz que esteve no Ministério da Saúde até março, e a doutora Daniela Ferreira, que coordena no Reino Unido um dos grupos responsáveis pelo estudo da mais promissora vacina até agora.

De Liverpool, Daniela diz acreditar que até o fim do ano teremos algum tipo de vacina, “mesmo que não seja uma proteção alta”. Ela celebra que, pela primeira vez na história, a comunidade científica se dedica a uma coisa só:

“Eu realmente pretendo passar o Natal no Brasil e tenho esperança de que isso vai ser possível. O progresso que tem sido feito mundialmente com todas as vacinas é extraordinário.”

Ela e Croda discutiram qual a porcentagem da população que deve estar imunizada para que o vírus pare de circular. O infectologista cogita 60%, mas chama atenção para a questão do acesso, que deve se tornar um desafio moral:

“Como será feita a distribuição da vacina? Existem vários laboratórios públicos e privados, nacionais e internacionais, mas o acesso não vai ser igual para todo mundo, existem países mais ricos e mais pobres, e fazer essa escolha será um desafio para a humanidade.”

Croda fez parte do Ministério da Saúde até 24 de março, e lamenta que o governo tenha adotado a imunidade de rebanho como política de estado, o que define como “um genocídio”. Ele conta que o conceito também é chamado de ‘mortalidade de rebanho’, pois muitas vidas são perdidas para que se possa atingi-lo.

“Isso aconteceu em 1918, com a Gripe Espanhola, e tá acontecendo com Covid também. Como os EUA, o Brasil é visto como um mau exemplo nesse sentido, pois como as medidas de controle coletivas são ineficazes, vemos a história natural da doença.”

Conversa com Bial – Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pepe disse:

    Em vacina eu acredito.E vacinação de rebanho foi o que controlou a gripe espanhola e a quarentena

  2. Francisco de Assis disse:

    Isso se o Brasil ainda existir até o natal.

FOTOS: Brasileira estreante no UFC diz que olho roxo a fez deixar emprego

Foto 1: Evelyn Rodrigues/ Foto 2: Reprodução / Instagram

Quando subir no óctógono do UFC Norfolk, no estado da Virginia, nos Estados Unidos, sábado, a brasileira Norma Dumont estará completando uma jornada que começou há 15 anos. A mineira, que fará sua estreia no Ultimate contra Megan Anderson no card principal, teve que escolher entre uma carreira no mundo corporativo ou o caminho das lutas. Venceu a paixão pela competição e pelo octógono.

– Sempre gostei desde criança. Em 2005, eu tinha 14 anos, comecei no jiu-jítsu. Sempre fui do esporte, jogava bola, vôlei. Eu parei para trabalhar, porque precisava, mas permaneci malhando, corria na rua. Aos 19 anos voltei a treinar. Comecei no sandá (boxe chinês). Vi o treino e pensei: “Que doido! Quero fazer esse negócio”. Aquilo foi um prato cheio. Não parei, meu descanso é uma vez por semana desde então (risos). (…) Eu trabalhava como secretária na Vale do Rio Doce. Nos primeiros dias que eu comecei a treinar, o professor disse que eu levava jeito.

– Sempre fui competidora, comecei a pegar gosto, o que me atrapalhou no serviço por conta das lesões. Era torção de tornozelo, olho inchado…. o que para uma secretária não era bom. Segurei um ano e meio, mas não conseguia largar a luta. Meu gerente falou: “Você tem que escolher, não está dando, não pode chegar com o olho roxo”. Eu não conseguia calçar mais salto por causa das torções e permaneci na luta – declarou ao Combate.com.

Norma Dumont encara logo em sua estreia Megan Anderson, atleta com quatro lutas no UFC na bagagem e que vem embalada por expressiva vitória sobre Zarah Fairn dos Santos, por finalização, no primeiro round. Ainda assim, a mineira, de 29 anos, prefere contemporizar a sua diferença de experiência para a rival e valorizou as quatro lutas profissionais que já disputou e venceu na carreira.

– Ela (Megan Anderson) joga muito um direto e o joelho de esquerda. São os golpes que mais usa. Não são golpes tão contundentes. Ela é uma adversária difícil por ser muito grande, envergadura grande, membros compridos. Ela não é uma atleta tão forte e nem tão potente. Baseamos nosso jogo em cima disso. (…) Apesar de eu ter pouca experiência no MMA, digamos assim, eu não fiz cartel. Lutei nos maiores eventos do Brasil contra adversárias duríssimas. Minha última adversária tinha mais de 20 lutas. Não sinto a sensação de novata. Me sinto bem, confiante, em casa. Sei que elas são mais experientes, mas não vejo como superiores, o que me deixa bem tranquila para a luta.

Megan Anderson , adversária da brasileira Norma Dumont no UFC Norfolk, venceu sua última luta por finalização — Foto: Getty Images

Na entrevista, Norma procurou mostrar confiança em sua primeira experiência no UFC, mas também fez questão de manifestar as dificuldades que mulheres brasileiras enfrentam para seguir no MMA. Para a lutadora, o país tem potencial para ter ainda mais representantes de alto nível no Ultimate.

– Além da falta de apoio, existe o assédio muito grande em cima das mulheres dentro das academias, principalmente, se for bonita. Às vezes, a mulher desiste, porque não consegue ser levada a sério, respeitada, se desenvolver lá dentro, porque o assédio é grande. Já vi acontecer em várias academias. É triste. A gente perde, porque no UFC, todas as brasileiras, da melhor a pior, são duríssimas, aguerridas. O Brasil é um berço gigantesco que é pouco aproveitado.

UFC Norfolk
29 de fevereiro de 2020, na Virginia (EUA)

CARD PRINCIPAL (22h, horário de Brasília):

Peso-mosca: Joseph Benavidez x Deiveson Figueiredo
Peso-pena: Felicia Spencer x Zarah Fairn dos Santos
Peso-meio-pesado: Ion Cutelaba x Magomed Ankalaev
Peso-pena: Megan Anderson x Norma Dumont
Peso-pena: Grant Dawson x Darrick Minner

CARD PRELIMINAR (19h, horário de Brasília):

Peso-galo: Gabriel Silva x Kyler Phillips
Peso-médio: Brendan Allen x Tom Breese
Peso-pesado: Marcin Tybura x Serghei Spivac
Peso-leve: Luis Peña x Steve Garcia
Peso-pena: Jordan Griffin x TJ Brown
Peso-pena: Aalon Cruz x Spike Carlyle
Peso-meio-médio: Sean Brady x Ismail Naurdiev

Globo Esporte

 

Governo monitora família brasileira com suspeita de coronavírus nas Filipinas

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta terça-feira (28) que o governo acompanha a situação de uma família brasileira que está nas Filipinas com suspeita de ter contraído o coronavírus e que não há orientação do governo para a retirada de brasileiros das regiões afetadas pelo vírus.

Antes de ir para as Filipinas, a família de três pessoas (pai, mãe e uma criança de 10 anos) passou por Wuhan, na China. A criança de 10 anos tem suspeita de contaminação e está em isolamento. Já os pais da menina estão isolados como medida de precaução.

“A gente fica monitorando com atenção o caso dessa família. Quando a gente tem uma situação como essa a pessoa tem que ficar onde ela está. Não é orientada a remoção, mesmo porque você não tem um tratamento especifico definido para esse vírus. O mesmo tratamento que é aplicado na China vai ser feito no Brasil”, disse o ministro durante entrevista coletiva para tratar das medidas adotadas pelo governo para evitar a entrada do vírus no país.

Durante a entrevista, Mandetta confirmou a suspeita de um caso de contaminação por coronavírus em Minas Gerais. Com isso, o governo elevou o nível de atenção para o vírus que passou de 1 – nível de alerta – para 2, de perigo iminente.

Brasileiros no exterior

O Ministério das Relações Exteriores confirmou que não há orientação do governo para a retirada de brasileiros que vivem na China. Por meio de nota, a pasta disse que a embaixada brasileira em Pequim está acompanhando a situação dos brasileiros que vivem na China. De acordo com o Itamaraty, o governo chinês mantém comunicação constante com os representantes diplomáticos e consulares e, até o momento, não considera a hipótese de organizar a retirada de estrangeiros das áreas já em situação de isolamento.

“Recorde-se que qualquer evacuação demandará, além da autorização chinesa, cumprimento das normas internacionais sobre quarentena e permissão de sobrevoo e pouso de avião com pessoas provenientes de área que experimenta surto da doença”, diz a nota.

Viagens para a China

Durante a coletiva, o ministro da Saúde disse ainda que, após a Organização Mundia da Saúde (OMS) elevar de moderado para elevado o risco de contaminação pelo vírus, brasileiros só devem viajar para a China em caso de necessidade.

“Estamos recomendando que viagens à China sejam feitas apenas em caso de necessidade. A OMS desaconselha qualquer viagem nesse momento para o país”, disse Mandetta.

O ministro disse ainda que, com a decisão da OMS, o governo vai passar a tratar como casos suspeitos, os de pessoas que estiveram em toda a China nos últimos 14 dias e apresentarem sintomas respiratórios, como tosse ou dificuldade para respirar. Antes, a atenção recaía apenas às pessoas que estiveram na cidade de Wuhan, local com maior número de casos.

O ministro disse ainda que não há orientações específicas para o período de Carnaval. “Não temos nenhuma recomendação específica de comportamento, a não ser aquelas clássicas que usamos sempre: lavar as mãos, evitar compartilhamento de objetos, copos talheres para que se possa ter um risco menor, mas nada especifico para o Carnaval”, disse.

Aeroportos

Desde o fim de semana, os aeroportos brasileiros divulgam alerta da Anvisa sobre o coronavírus. A mensagem reforça procedimentos de higiene e diz que os passageiros que apresentarem sintomas relacionados ao vírus devem procurar um agente de saúde. O ministro disse que o governo também trabalha com a elaboração de material impresso em diferentes idiomas para orientar as pessoas que chegam no país sobre o que fazer para evitar contrair o vírus.

Hoje à tarde, integrantes da Anvisa se reúnem com representantes de companhias aéreas no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, para dar orientações sobre o coronavírus.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até ontem (27), foram confirmados 2.798 casos do novo coronavírus, batizado 2019-nCoV, em todo o mundo. A maior parte na China (2.761), incluindo a região administrativa de Hong Kong (8 casos confirmados), Macau (5) e Taipei (4).

Fora do território Chinês foram confirmados 37 casos. Destes, 36 apresentaram histórico de viagem à China, dos quais 34, estiveram na cidade de Wuhan ou algum vínculo com um caso já confirmado. Desse total, os Estados Unidos e a Tailândia registraram cinco casos cada; quatro casos foram registrados no Japão, Cingapura, Austrália, Malásia e a Coreia do Sul. A França registrou três casos, o Vietnam dois, e o Canadá e Nepal um caso cada.

Nesta terça, representantes do Ministério da Saúde vão participar de uma reunião com a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o tema. Na próxima semana, Mandetta disse que vai se reunir com os secretários estaduais de Saúde e os secretários de Saúde das capitais também para detalhar as ações tomadas pelo governo.

Agência Brasil