Geral

Vacinação matutina de mulheres é para ‘voltar logo e fazer comida cedo’, diz secretário no Piauí

O presidente da Fundação Municipal de Saúde de Teresina, Gilberto Albuquerque, afirmou nesta segunda-feira, 14, que a organização dos horários da vacinação contra a covid-19 na cidade seria “para as mulheres voltarem logo pra fazer a comida cedo”.

A declaração foi dada em entrevista à TV Clube, afiliada Rede Globo no Estado do Piauí nesta segunda. O repórter havia questionado o presidente da Fundação a respeito dos horários de vacinação contra a covid-19 na cidade, que estão divididos entre mulheres no período da manhã, das 9h às 13h, e homens no período da tarde, das 13h às 17h.

Segundo nota da Fundação Municipal de Saúde de Teresina, a escolha da priorização das mulheres na vacinação se deu devido ao “reconhecimento por elas terem o dom da vida”. A respeito da fala do presidente, a assessoria informou que “a declaração foi em tom de brincadeira e reconhecimento de que as mulheres exercem mil funções no seu dia a dia, seja como profissionais, mães, donas de casa, filhas, avós ou netas”.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Um típico jeca machista, um imbecil nato! Depois vem a desculpa: foi brincadeira. Brincadeira nada, em verdade é uma declaração ridícula e infeliz.

  2. Fico imaginando se isso fosse dito pelo presidente Bolsonaro ou por alguém do seu governo. Esses hipócritas acham que o povo não está vendo tudo isso. Estão muito enganados. E tome “motociata” e recepção calorosa por todo lugar por onde o “Mito” passa.

    1. Realmente né! O MINTO já falou coisa muito pior pra várias mulheres! Mas eu duvido ele falar grosso para outro homem! Deixa de conversar besteira e vai pastar gado véi!

    2. Deixe de ser hipócrita.
      Ele ofendeu uma jornalista a poucos dias.
      Palestrante de butiquim.

    3. Manoel F, vai pra cuba ou Venezuela. Pq aqui vc vai ter que aguentar o MITO por muito tempo.

    4. Os dois mais notórios e nojentos comentaristas por aqui. Quem estará pagando seus pixulecos? Serão a mesma pessoa?

    5. Direita honesta: O único que deve mamar nas tetas da rachadinha aqui deve ser você cara! Fica o dia todo defendendo o presidente MINTO das rachadinhas…

    6. Pablo: vá comer capim com cloroquina ! kkkk. Quem estava usando a Venezuela e Cuba como exemplo de uso da cloroquina contra covid era o ex ministro da saúde: o Pezadello cagão! Segue ele até esses países cara!

  3. O mundo tá complicado demais. Turma do mimimi está cada dia pior. Imagina quando for aprovada a PL 741. O homem poderá ser preso caso, deixe uma mulher triste. Só faltava essa kkkk Taca-lhe pau feminismo moderno.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VEREADOR: Cidades do RN e PI têm 9 vagas e só 10 candidatos, destaca reportagem nacional

Foto: Aparecido Gonçalves/G1

A eleição mais concorrida para vereador neste ano será em Nova Iguaçu (RJ), que tem uma relação de 40,7 candidatos por vaga. Já as menos disputadas serão em Curral Novo do Piauí (PI) e em Viçosa (RN), com apenas 1,1 candidato para cada vaga.

Ao todo, serão 501.799 candidatos a vereador disputando 58.208 vagas. É uma relação de 8,6 candidatos por vaga. O levantamento considera apenas os concorrentes considerados aptos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A quantidade não significa democratização, segundo o cientista político Vitor Peixoto. “As eleições proporcionais são como as maratonas de rua. Uma multidão de corredores amadores e uma pequena elite do esporte. Quando olhamos a São Silvestre, parece que todos estão ali com possibilidade de correr, mas somente uma elite muito reduzida chegará ao final.”

Em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, serão 448 candidatos para 11 vagas na Câmara Municipal.

A Região Metropolitana do Rio tem 4 das 10 eleições mais disputadas para vereador. Completam a lista: São Gonçalo, com 39,4 candidatos por vaga; Japeri, com 35; e a capital, com 34,1.

Menos concorridas

Já Piauí, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul dominam a lista das 10 eleições menos concorridas. Cada estado tem três cidades na lista.

Em Curral Novo do Piauí (PI) e em Viçosa (RN), a corrida eleitoral terá a inusitada situação em que apenas um candidato sairá perdedor. Isso porque serão 10 concorrentes para 9 vagas.

Pequenas são maioria

A maior parte das Câmaras municipais tem o número mínimo de vereadores: 9. Isso porque as vagas são limitadas pelo tamanho da população e a maioria dos municípios brasileiros tem entre 10 mil e 20 mil habitantes.

‘Falsa democratização’

O grande número e a variedade de candidatos não significa maior democratização das eleições, afirma o professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Vitor Peixoto. Isso porque os recursos de campanha e os votos continuam muito concentrados, explica o cientista político.

“A enorme desigualdade econômica da sociedade brasileira é reproduzida na arena eleitoral. Muitos candidatos com poucos votos e uma elite que realmente disputa as vagas”, afirma o especialista.

“Existe uma falsa ideia de democratização na disputa para vereador por ser muito inclusiva e ter muitos participantes de diversas clivagens sociais (classe, gênero, cor, religião, regiões, torcidas de futebol etc.), mas esconde o lado extremamente concentrado das disputas”, explica. “80% a 90% dos candidatos não conseguirão ultrapassar a barreira individual dos 10% do quociente eleitoral pra assumir uma vaga. Ou seja, serão subcompetitivos.”

De acordo com Vitor Peixoto, o grande número de candidatos é até prejudicial para o eleitor, pois aumenta o custo para obter informação sobre cada um. Além disso, como os partidos têm listas de candidatos muito grandes, o voto pode ir para um candidato que não é do interesse do eleitor.

“O número é muito excessivo. A longo prazo, acho que isso (a redução) vai ocorrer, com a diminuição dos partidos, a partir do fim da coligação eleitoral. A tendência é afunilar, para a gente ter capacidade cognitiva para tomar a decisão diante de tantos candidatos. A gente não sabe quais são todos os candidatos que estão na lista dos partidos.”

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Damares diz que governo vai adotar protocolo da cloroquina, com resultados positivos no interior do Piauí, no ‘país inteiro’

Damares ao lado do prefeito Joel Rodrigues, em Floriano, no Piauí// Ministério da Mulher/Divulgação

Em meio a uma crise que acaba de derrubar o segundo ministro da Saúde em poucas semanas, Damares Alves aparece disposta a tocar mais lenha na fogueira.

Enviada por Jair Bolsonaro a cidade de Floriano, no Piauí, ontem, onde foi checar uma experiência com uso de cloroquina aliado a outros vendida pelas autoridades locais como um sucesso, a ministra voltou encantada.

E trouxe na bagagem uma cópia do protocolo utilizado na cidade e o encaminhou ao presidente. E não ficou aí. Damares anunciou, num vídeo obtido pelo Radar, que irá levar o uso da cloroquina – que ainda divide opiniões e derruba ministros – a todo país.

A ministra conta ainda na gravação que viu um “milagre” em Floriano, onde as pessoas estão se curando.

“A gente veio ver o milagre do uso da cloroquina, associado a outros medicamentos. As pessoas estão sendo salvas aqui em Floriano. Extraordinário! Técnicos da atenção básica aos médicos do hospital regional. O que eles estão fazendo? Salvando vidas. O prefeito daqui de Floriano (Joel Rodrigues) decidiu não cavar covas, não comprar caixões, mas salvar vidas. Estou levando o protocolo que é usado aqui para o Brasil inteiro” – diz Damares no vídeo.

A ministra lembra que a experiência de Floriano tem como base uma politica adotada na Espanha e que tem à frente uma cientista brasileira, Marina Bucar, nascida nessa cidade piauiense.

O tratamento na cidade envolve o uso de cloroquina e azitromicina em pacientes em fase inicial da Covid-19. A Prefeitura de Floriano tem divulgado que os resultados, até agora, são positivos.

A Secretaria de Saúde de Floriano adquiriu trezentos kits dessa medicação.

O prefeito Joel Rodrigues (PP) é aliado do governador Wellington Dias, do PT, uma das razões que desestimulou Bolsonaro a ir pessoalmente conhecer a experiência.

Radar – Veja

Opinião dos leitores

  1. Parem de hipocrisia, Todos que falam que jamais utilizariam, ainda não tiveram a doença, e dêem graças a Deus por não tela, a sensação de procurar o ar e não encher os pulmões é horrível ,você passar dias e noites com essa sensação , você passa a Tomar todos os medicamentos que estão, em pesquisa e os que não estão sem questionar, a não ser que você queira morrer, aí é outro caso.

  2. Que fique claro, é facultada a prescrição ao Médico, assim como a utilização pelo paciente. Então…

  3. Sou daqui de natal e trabalhei no município de Parauapebas-PA, onde fiz vários amigos , onde três deles foram confirmado positivo no COVID 19 e foram curados usando a cloroquina que está sendo usado pelas UPa.

  4. Esse protocolo foi desenvolvido por um Hospital de Madrid, onde trabalha a Dra Marina Bucar, Médica Piauiense radicada na Espanha, onde segundo ela trataram 600 pacientes e conseguiram reduzir o índice de mortalidade de 20% para 1,8%. O "pulo gato" no entender da Dra. é o início precoce do tratamento, já no 2º dia dos sintomas com basicamente hroxicloroquina e azitromicina por 5 dias, após os quais persistindo os sintomas doses maçiças de corticosteroides.Médicos Piauienses estão usando o protocolo e relatam bons resultados.
    Não existe uma comprovação científica definitiva da eficácia deste tratamento, assim como de nenhum outro, e está facultado pelo CFM a critério do Médico usar ou não a cloroquina.
    Particularmente, se for acometido, quero usar o que talvez evite-me chegar na fase crítica onde os óbitos giram em torno de 80%.

    1. Existem VÁRIOS trabalhos mais robustos, randomizados, que apontam na direção inversa: além de não ser efetivo, traria efeitos adversos importantes que contra indicariam até mesmo o "uso compassivo ". FDA (comunista?) deixou de indicar também. Vocês REALMENTE acreditam que TRUMP (comunista?) iria deixar morrer 80000 americanos (e contando), sacrificar sua reeleição e quebrar a economia se houvesse uma solução TÃO SIMPLES? A fé, na maioria das vezes é uma coisa bonita, mas outras vezes pode ser assustadoramente perigosa. Deus nos proteja a todos, pois agora toda e qualquer esperança vai ter que repousar exclusivamente na Sua misericórdia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Médico informa ter esvaziado UTI de hospital no Piauí após tratamento com cloroquina: “mudança brutal na taxa de mortalidade”

Foto: Governo do Piauí

Médicos do Hospital Regional Tibério Nunes, localizado em Floriano, no interior do Piauí, passaram a administrar a hidroxicloroquina para pacientes internados com Covid-19 e verificaram uma “melhora significativa” no quadro de saúde dos infectados.

O médico piauiense Sabas Vieira informou, por meio de um vídeo publicado nas redes sociais, que um grupo de profissionais do estado que atua no combate ao coronavírus já recuperou cinco pacientes da instituição com uso de hidroxicloroquina e azitromicina.

O tratamento contou com a orientação da médica Marina Bucar Barjud, linha de frente no combate à doença no Hospital HM Puerta del Sur, em Madrid, na Espanha.

Segundo Vieira, o tratamento pode ser aplicado em pacientes em duas fases. Na primeira, chamada de “reaplicação viral”, quando o paciente tem febre, dor de garganta, falta de olfato ou paladar, o tratamento deve ser feito a partir do segundo dia de sintomas com hidroxicloroquina e azitromicina. Na segunda, chamada de “inflamatória”, a partir do sétimo dia de sintomas, deve ser feito com corticoterapia para evitar a terapia intensiva.

“Temos, portanto, duas janelas de oportunidade. O doutor Justino, do hospital de Floriano, já nos relatou cinco casos tratados com sucesso que não precisaram ir para UTI. Estamos treinando esses médicos para nos capacitarmos a fazer essa prescrição de forma adequada.”

Vieira esclarece ainda que não há necessidade de a população adquirir os medicamentos, que só poderão ser administrados a partir do diagnóstico positivo para Covid-19.

“Não temos evidência sólida dessa conduta, mas houve uma mudança brutal na taxa de mortalidade e queremos essa experiência no Piauí. É uma medicação segura, utilizada há muitos anos. Tivemos a taxa de mortalidade muito baixa. Com sintomas em até 48 horas, procure rapidamente o serviço de saúde para avaliação médica, não é para ninguém estocar esse medicamento. O médico vai fazer o diagnostico e tratamento adequado”, ressalta.

Pacientes curados da Covid-19 em Floriano

Em todo o estado do Piauí, de acordo com os últimos dados do boletim da secretária de Saúde, há atualmente 1.332 casos de Covid-19, 45 mortes e 236 altas médicas.

Dos casos confirmados, 299 estão internados, sendo 98 em UTIs. No Brasil já são mais de 11 mil mortos e 162.699 casos da doença.

Em Floriano, nesse domingo (10), havia 17 pacientes confirmados com Covid-19, oito recuperados e nenhum óbito. A cidade tem cerca de 57 mil habitantes.

Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. Pra ficar bom vale até injeção na testa.
    Mas já que estão politizando a doença e o remédio, seria importante contabilizar os curados por outros tratamentos tb, aí seria possivel uma comparação, pois pelo que se sabe, não existe um tratamento único, então notícias como essa tem mais o caráter de politicagem em apoio as declarações do presidente.
    Que seja com Cloroquina, Ivermectina, Azitrominica, plasma, áqua, dipirona ou tilenol, que importar é salvar vidas.

  2. O problema não é uso do medicamento, em si. Não adianta ter um remédio se a medicina não sabe como usar, ou em quais situações utilizar. A eficácia resulta na adoção de um "procedimento de tratamento" eficaz. Essa é a maior descoberta do Piauí: criar uma forma de tratamento eficaz. Para um país como o Brasil, é uma revolução

  3. Enquanto o mundo todo diz q a droga nao resolve o problema e até prejudica os Rins e fígado, o médico Sabas diz o contrário. Sugiro ao médico publicar um artigo na Nature o mais rápido possível, provando o que diz e contrariando todo resto do mundo, do contrário será mais um fake news. Se provar terá o Nobel de Medicina.

  4. Tinha acabado de de lê um artigo da prestigiada revista americana ( JAMA) , jourmal of the American Medical association . Publicado no dia 11/05/2020 e que corrobora com outro estudo de outra revista de grande credibilidade internacional a New England jornmal of Medicine , publicado na semana passada . Mas com essa experiência Piaiuense , já providenciei agora o cancelamento das duas assinaturas , imaginem só . As duas retratam exatamente o contrário , do que o o Piauiense diz .

  5. Olha a cloroquina curando, não havia interesse dos pesquisadores para constatar a sua eficiência, já que em 09/04 o JB, não é médico mas tinha conhecimento da sua eficacia, então por política os testes da cura nunca foram concluidos , assim como o Anita.

    1. Já tem estudos que informaram que não há benefício da cloroquina.

  6. Olha a cloroquina curando, não havia interesse pela em constatar a sua eficácia, já que em 09/04 o JB, não é médico mas tinha conhecimento da sua eficacia, então por política os testes da cura nunca foram concluidos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Campanha pede para pessoas contra isolamento escolherem quem da família salvariam na UTI

 

Ver essa foto no Instagram

 

Vídeo forte da prefeitura de Teresina-PI viralizou no país e oferece reflexão.

Uma publicação compartilhada por Blog do BG (@blogdobg) em

Uma campanha realizada pela Prefeitura de Teresina repercutiu neste domingo (26) nas redes sociais. Três pessoas que são contra o isolamento social foram entrevistadas e explicaram seus motivos. Ao final, como um médico diante de uma ala de UTI lotada de pacientes, precisaram escolher quem de sua família salvariam se só houvesse um leito disponível.

No vídeo de pouco mais de dois minutos, três pessoas são questionadas sobre o que consideram pior: o isolamento social ou o coronavírus.

“O isolamento, porque tem feito com que a nossa economia pare, é muito complicado”, respondeu uma delas.

“Tenho funcionários que dependem do trabalho e estão passando necessidade. Eu não aceito essa situação”, disse outro entrevistado.

Depois disso, os entrevistados ficam diante de três pessoas das suas próprias famílias e precisaram responder à pergunta: “com o fim do isolamento social e o colapso do sistema de saúde, se houver apenas um leito de UTI disponível, qual dessas pessoas vocês salvariam?”.

As reações são fortes e emocionantes. “Não tenho como escolher. São pessoas que eu amo”, disse um deles.

Outro leva as mãos ao rosto: “Pra essa pergunta eu não tenho resposta”, declarou.

André Alves, empresário, falou ao G1 sobre como a campanha fez com que ele conseguisse mudar de percepção sobre o assunto. Ele declarou que estava pensando de forma egoísta.

“Eu era um pouco egoísta, estava pensando só em mim, estava completamento contra o isolamento social, pensava que as pessoas tinham que voltar a trabalhar com urgência. Depois dessa experiência, vi que estava pensando só em mim e na minha empresa, tenho funcionários que dependem do meu trabalho pra levar sustento às famílias. Mas percebi que se trata de algo além, se trata de vidas. Quando virei e vi minha família, fiquei surpreso, não sabia se chorava, se abraçava eles. Na verdade foi muito impactante, mudou minha opinião, da minha família. O isolamento pode barrar o vírus e atrasar um estrago nas nossas vidas, dando chance de sobrevivência a todos nós, dando chance à vida”, disse ele.

A campanha faz o seguinte apelo: “Toda pessoa importa. Seja a favor do isolamento social e evite escolhas difíceis”.

Com informações do G1

 

Opinião dos leitores

  1. Na verdade é um vídeo de pegadinha…

    Os caras foram chamados para gravarem um vídeo falando das dificuldades dos autônomos e pequenos empresários e na verdade era uma armadilha pra eles, criando um falso dilema. Temos de entender que não existe esta decisão: Isolamento ou morte? Ou: Saúde ou economia? Na verdade o que existe é: Saúde e economia! E ainda por cima direitos individuais. O pessoal fala tão mal da ditadura que às vezes a quer de volta, colocando a polícia para proibir as pessoas de sairem de casa, de irem na praia e até de falar sobre o assunto.

    1. O dilema não é falso, só não será a pessoa e sim um medico quem ira decidir quem vai morrer. Pode ser alguém da minha ou da sua família. Direitos individuais vão ate onde prejudicam os direitos coletivos. Quando alguém desrespeita o isolamento não esta apenas se expondo ao vírus, está expondo familiares e outras pessoas com quem terá contato. É uma responsabilidade coletiva.

  2. É bastante contundente o que se apresenta. Mas, porquê os canalhas (políticos) não investem em saúde? Por quê os pilantras roubam grande parte das verbas destinadas para construção de hospitais, apartamentos, medicamentos e insumos?
    A pandemia está aí para mostrar a desgraça que é a saúde pública. Durante anos a saúde no Brasil vem sendo relegada a segundo plano enquanto os brasileiros (aqueles que tinham um mínimo de condição) iam sendo forçados a buscar atendimento através de planos de saúde. Enquanto isso, os gestores de plantão saqueavam os cofres públicos!
    O mesmo tem ocorrido com a educação e segurança.
    Que fique a lição para os atuais e futuros gestores. O vírus foi se espalhando pelo mundo viajando de avião, muitas vezes na primeira classe, ou seja, foram os mais abastados que disseminaram a pandemia.
    Dessa forma, é salutar que a classe política (mais abastada) pense num investimento maior em saúde, posto que nem eles estão imunes as forças da natureza e muito menos aos castigos de Deus. Parem de roubar.

    1. Como profissional de saude faço minhas as suas palavras.

  3. Se algum energúmeno desse adoecer, que não procure nenhum hospital. Fique se tratando em casa, é só uma gripezinha. Desprovidos de inteligência e bom senso!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *