Saúde

VÍDEO: Alvo de desconfiança e até chacota no Brasil, spray nasal que pode diminuir sintomas da Covid começa a ser vendido em Israel; antiviral também foi aprovado na Nova Zelândia

Vídeo AQUI em matéria na íntegra

As farmácias de Israel começaram a vender um spray nasal antiCovid-19. O produto, à base de óxido nítrico, é fabricado pela empresa de biotecnologia canadense SaNOtize, que conseguiu autorização emergencial para comercializar o item em março.

De acordo com a SaNOtize, dados dos testes clínicos feitos no Reino Unido mostraram que o spray foi capaz de oferecer proteção contra vírus que entram no corpo por meio das vias nasais. O produto também pode ajudar a diminuir os dias de infecção e reduzir a severidade dos sintomas e danos em pessoas que já estão com a doença.

Outro país em que o item foi aprovado é a Nova Zelândia.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Faz parte do kit folia negacionista. Remédio pra verme, cloroquina e spray nasal. Os não negacionistas se protegem e tomam VACINA.

    1. A vacina é a Coronavac e todos estão pegando COVID. O senador Otto Alencar, petista da tal CPI, acabou de pegar e já havia tomado as duas doses. E aí, “cumpanhero”? Ou estão mentindo ou essa vacina e as tais medidas restritivas não servem prá nada. Explica prá gente.

  2. Eu soube que um chá com fotos de Lula ralada e duas gotas de cachaça, em infusão por 13 dias, cura todos os PTistas do COVID19. Então nem precisam de vacina.

    1. Kkkkk. Boa! Já a gadolândia tá tomando como remédio capim cloroquinado com uma pitada de material fecal do MINTOmaníaco das rachadinhas…

  3. Se não houvesse a politização da doença, talvez o Brasil já tivesse sendo beneficiado com mais uma opção de tratamento. Parabéns a esquerda estúpida do nosso país….

  4. Assunto proibido por aqui,mas vou postar mesmo assim. O Ministério da saúde acaba de enviar a CPI que o tal tratamento precoce e seus medicamentos, tão propagandeado pelo cagão, não tem eficácia. Tem advogado dizendo que não tem crime de responsabilidade? Sempre houve, agora assinado pelo Ministério da Saúde. O cagão tem responsabilidade sim, pelas mortes ocorridas pelo coronavirus.

    1. Vai estudar mais seu papangu. No mínimo vc deve ser daqueles esquerdas caviar.

    2. Vc come excremento, por sinal, essa é uma prática antiga quando o molusco e a Anta viviam pelos cantos, soltando os montinhos e vcs catando.

    3. Que isso?! O general Pazuello até citou na CPI que a clorem usada no tratamento “precoce” contra covid em países sérios citando na ocasião Cuba, Venezuela, Coreia do Norte… Já países como França, Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido e Israel já descartaram esse tratamento precoce de cloroquina, azitromicina e ivermectina desde ano passado… Mas claro que esses países não tem um cientista como nosso MINTOmaníaco das rachadinhas né?! Kkkk

  5. Mais uma que o Véio Bolsonaro do cunhão rôxo acertou.
    Chora esquerda a do quanto pior melhor .
    Maju Coutinho já disse que o choro é Livre.
    Esperem a Coronadória e a Sputnik V, da cientista Fátima Bezerra.

  6. O motivo da chacota foi a comissão de “notáveis” cientistas da área médica (ex-chanceler Ernesto Araújo; os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Helio Lopes (PSL-RJ); o ex-secretário de Comunicação do governo Fabio Wajngarten; os assessores do Palácio do Planalto Filipe Martins e Max Moura; auxiliares do Itamaraty) que viajaram pra Israel pra tratar desse spray e sequer houve compra ou algo do tipo! Logo, mesmo o spray tendo sido aprovado, não tira o motivo da chacota kkk

    1. E ainda por cima passaram vergonha em Israel tendo que ser chamada a atenção para o uso da máscara. Na verdade foram só passear…

    2. Vcs devem ser daqueles que tomam ivermectina escondido, como se fosse vacina. Eu conheço vários petistas assim. Um comprimido por cada 30kg, uma vez ao mês. Tomam, né?

  7. Esquerdopatas sejam coerentes e NÃO USEM. Fiquem em casa e tomem a Coronavac ou aguardem a Sputnik V , que Fatão disse que iria comprar. Ou será que desistiu?

    1. É verdade.
      A esquerda gosta de aspirar outras coisas pelas narinas. Kkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Spray nasal contra COVID com redução de cargas virais de até 99% estará à venda nos próximos dias, noticia imprensa israelense

Foto: Courtesy/Reprodução The Jerusalem Post

O The Jerusalem Post destacou nesse domingo(11) que o Enovid, um spray desenvolvido no Canadá pela SaNOtize e fabricado em Israel, que “reduziu as cargas virais em casos confirmados de COVID-19 em 95% em 24 horas e 99% em 72 horas”, estará à venda nos próximos dias.

A jornal diário israelense noticia que o spray nasal antiviral chamado Enovid, desenvolvido no Canadá e testado no Reino Unido, pode reduzir as cargas virais em casos confirmados de COVID-19 em 95% em 24 horas e 99% em 72 horas, informou um comunicado à imprensa no domingo.

Segundo o The Jerusalem Post, o spray fabricado em Israel pode ser usado até cinco vezes ao dia após entrar em contato com vírus, de acordo com o comunicado. É adequado para crianças a partir dos 12 anos e foi aprovado pelo Ministério da Saúde em janeiro deste ano. Ele estará à venda na próxima semana.

“O spray que desenvolvemos foi comprovado não apenas como um bloqueador de vírus que causa a Covid-19, mas também como um assassino”, disse o Dr. Gili Regev, CEO e fundador da Snotize (a empresa que desenvolveu o spray).

A matéria ainda completa:

“Uma vez que a maioria das infecções por COVID-19 são nasais, SaNOtize acredita que esta é uma forma eficaz de reduzir a disseminação e infecção de COVID-19. Ele foi capaz de suprimir o vírus SARS-CoV-2 em dois minutos, incluindo as variantes Alpha e Gamma, de acordo com o comunicado. Atualmente está sendo testado em relação à variante Delta.

O spray emprega óxido nítrico como barreira mecânica e química contra infecções virais no nariz, que é onde doenças respiratórias como o COVID-19 se infiltram no corpo.

O spray também é eficaz contra outros vírus respiratórios, como os que causam a gripe”.

Abaixo texto na íntegra no The Jerusalem Post:

https://www.jpost.com/health-science/anti-viral-nasal-spray-effective-against-covid-19-673481

 

Opinião dos leitores

  1. Israel não se orgulha de cidades dentro do mar ou ter contribuído os prédios mais altos da terra.mas o metro quadrado mais bem educado do mundo é esse nosso orgulho além de ter o maio número de Nobel de ciências.

  2. Eu não acredito nesse spray, mas sim na cloroquina, ivermectina e tudo que o MINTOmaníaco das rachadinhas prescreve contra covid talkei! (Texto com ironias)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Em Israel, crianças em escola comemoram o fim do uso de máscaras

O fim da obrigatoriedade do uso de máscaras é esperado por vários países. Em Israel, não é mais necessário usar o equipamento de proteção, inclusive dentro das unidades de ensino. O país tem, aproximadamente, 70% da população vacinada contra a covid-19. Um vídeo emocionante mostra o momento em que uma professora informa aos alunos que eles já poderiam tirar a máscara, que usavam há mais de um ano.

Assista ao vídeo:

Revista Oeste

Opinião dos leitores

  1. Pelas postagens verificadas nos últimos anos, parece que o mundo se resume apenas a alguns países, tais como Israel.
    Como será que que estão os outros países fora da “BOLHA” do Wadzap, tipo Alemanha, Itália, Inglaterra, Dinamarca, Portugal, Espanha, África do Sul, Angola, México, Canadá, etc, etc, etc?
    Vamos ficar na bolhinha, dentro do cercadinho das Fakes News, até quando?

    1. No Canada mais de 70% da população vacinada e os númenos excelentes.

  2. Aqui no RN, no governo de uma “professora”, nem às escolas públicas os alunos podem ir.
    Lamentável!

  3. Que país comunista e ditador é esse q mesmo com a população quase toda vacinada só agora liberou o uso de máscaras e há pouco tempo reduziu as medidas de distanciamento social ? Ah, é Israel…

    1. É que lá, se uniram para vencer o coronavirús e não precisar derrubar o Presidente, simples assim.
      Se liga Mané, salve o resto de sua massa encefálica que lhe resta kkkk

    2. 🤭🤭🤭🤭🤭
      E pq não usaram cloroquina? 🤔
      Dr Bozo não tá sabendo disso…

    3. E a esquerda (juntamente com a Globo) enlouquecida pq o Presidente Bolsonaro pediu um estudo ao Ministro da Saúde a respeito da dispensa do uso da máscara. Nada mais razoável…

    4. Calígula, sempre estou tentando “salvar o resto da minha massa encefálica”, por isso mesmo não vivo em “bolhas” nem tenho político de estimação (muito menos os corruptos ou os que cometem peculato como “rachadinhas”) … Já pelo que vc escreve e defende cegamente, deve ter “queimado” sua diminuta massa encefálica comendo capim cloroquinado… KKK

    5. Pense numa pessoa sem cérebro e ter o que fazer……..pensou? Se a resposta ficou ente Zezin Tomaz e Manoel Fossa…….10.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Com cerca de 55% totalmente vacinados, Israel retira obrigatoriedade de uso de máscara em locais fechados

Foto: Mostafa Alkharouf/Anadolu Agency via Getty Images (21.abr.2021)

Israel retirou a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção contra a Covid-19 aos seus cidadãos nesta terça-feira (15), encerrando uma de suas últimas restrições principais, já que novas infecções por Covid-19 continuaram a diminuir e o país continua a vacinar.

As crianças foram para a escola e os adultos trabalharam sem máscaras pela primeira vez em mais de um ano. Os israelenses não precisam usar máscaras ao ar livre desde abril.

Cerca de 55% dos 9,3 milhões de habitantes de Israel estão totalmente vacinados – participação praticamente inalterada pela expansão da elegibilidade deste mês para incluir jovens de 12 a 15 anos.

Israel registrou neste mês zero ou uma morte diária de Covid-19, mostram dados do Ministério da Saúde. As novas infecções estão em declínio constante, após uma queda acentuada em fevereiro e março.

O ministério disse que máscaras ainda serão exigidas para não vacinados ou funcionários em instalações médicas, além de pessoas em quarentena e de passageiros em voos comerciais.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. A CPI dos nossos brilhantes Omar, Randolfe e Calheiros, vai convocar o primeiro ministro Israelense, vai perguntar o remédio, sobre o gabinete paralelo, vai passar o currículo da especial Luana Araujo e confessar que vai mandar prender o presidente, é muita otoridade.

  2. É impressionante a onda dominante que surge quando se quer alguma coisa neste país, seja uma reforma de governo, seja um evento em qualquer área, uma opção política-ideológica com repercussão no bolso dos cidadãos, a exemplo das tomadas, placas de veículo etc. Pois bem, quando houve a onda pela construção de estádios foi a mesma coisa. A verdade é que não se contou a quantidade de mortos das vítimas pela falta de vagas, UTI e até de hospitais, desde a opção feita pela copa do mundo e não pela saúde. Também não se tem ideia da quantidade de mortos por dia decorrentes de outras causas como dengue, gripe influenza, câncer etc. A realidade será sempre superior as narrativas ou opções ideológicas e culturais.

  3. Verdade. Aqui só em 2030 que vão retirar a obrigatoriedade, afinal a focinheira é um símbolo ideológico da esquerda.

  4. Aqui no Brasil devido a birra dos governadores com o Presidente, essa obrigatoriedade, só terminará, quando 100% tiverem tomado a terceira dose.

    1. Falou quem fica o dia inteiro dentro de casa e mandando os OUTROS arriscarem a vida na rua… para não prejudicar o genocida de estimação.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

EUA e Israel investigam se vacinas anti-Covid da Pfizer e da Moderna causam inflamação leve no coração

Vacinação na Filadélfia
18/5/2021 REUTERS/Hannah Beier

Foto: Arquivo / Reuters

Autoridades de saúde dos EUA e de Israel investigam se o uso de vacinas contra a Covid-19 baseadas na tecnologia de RNA mensageiro, como os imunizantes da Pfizer/BioNTech ou da Moderna, podem estar gerando casos raros e leves de miocardite, uma inflamação no músculo do coração.

No dia 17 de maio, o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA) afirmou em comunicado ter registrado alguns poucos casos brandos de miocardite que se seguiram à imunização com uma das vacinas de RNA mensageiro. Nos EUA, são usados dois imunizantes com a tecnologia (Pfizer/BioNTech e Moderna).

O comunicado diz que esse é considerado um potencial efeito adverso dessas vacinas. De acordo com o CDC, os casos ocorrem predominantemente em adolescentes e jovens adultos, é mais frequente em homens e acontecem tipicamente quatro dias após a vacinação com a segunda dose. No país, crianças a partir de 12 anos de idade podem ser vacinadas.

Segundo o CDC, 789 casos foram registrados nos EUA até o dia 31 de maio; 216 ocorreram após a primeira dose e 573, depois da segunda dose.

Em 2 de junho, o Ministério da Saúde de Israel publicou um comunicado afirmando que também investiga a ligação entre o uso da vacina da Pfizer e a ocorrência de miocardite em homens mais jovens.

Segundo a autoridade israelense, 148 casos de miocardite próximos da data de vacinação foram registrados entre dezembro de 2020 e maio de 2021. O comunicado diz que a inflamação acontece com maior frequência em jovens com idades entre 16 e 19 anos, e 95% dos casos são considerados leves.

“Existe alguma probabilidade de uma possível ligação entre a segunda dose da vacina e o surgimento da miocardite em homens com idades entre 16 e 30 anos”, afirma o Ministério da Saúde israelense no texto.

“A recomendação para vacinar adolescentes de 12 a 15 anos deve ser discutida pelo fórum da Força-Tarefa de Contenção da Pandemia e submetido à aprovação do diretor-geral do Ministério da Saúde”, diz o comunicado.

Segundo Jasvan Leite, cardiologista do hospital HCor, uma vez comprovada a ligação entre os imunizantes e a inflamação no coração, o efeito não seria exclusivo das novas vacinas.

O médico diz que em 80% a 90% dos casos de miocardite, alguma infecção viral atingiu o trato respiratório ou o trato gastrointestinal alguns dias antes. O que acontece nesses casos é que a resposta imunológica para combater o vírus pode ser exagerada e as substâncias inflamatórias liberadas pelo organismo chegam a outras partes do corpo e podem prejudicá-las.

“As vacina também pode gerar resposta inflamatória, pois traz a presença de um corpo estranho”, afirma Leite. “É por isso que muitas pessoas têm febre ou dores no corpo após a imunização, e isso é normal.”

Todas as vacinas carregam, de alguma forma, um antígeno —um pedaço do vírus, ou o vírus inteiro inativado, incapaz de gerar doença— que serve para acionar o sistema imunológico e produzir moléculas específicas para combater o patógeno e gerar proteção contra a infecção.

Quando a miocardite é um efeito adverso da vacina, os casos são predominantemente leves e se manifestam com uma dor no tórax, diz o médico. Leite estima que menos de 1% de todos esses casos evoluam para quadros mais graves, gerando arritimias ou insuficiência cardíaca.

Ainda não é possível dizer porque esse tipo de miocardite após a vacinação é mais comum em homens, mas sabe-se que a resposta imunológica é mais intensa em jovens do que em pessoas mais velhas, o que pode aumentar as chances de haver resposta inflamatória associada à resposta imunológica.

O Ministério da Saúde disse não havia nenhuma suspeita de miocardite relacionada à aplicação da vacina da Pfizer no Brasil até a última quarta-feira (9).

“É importante esclarecer que os eventos adversos são associados a qualquer reação após a vacinação, ou seja, não há, necessariamente, relação direta com a vacina. Todos são investigados detalhadamente pelas autoridades de vigilância locais, supervisionadas pelo Ministério da Saúde, com apoio de especialistas”, afirmou a pasta por email.

Para Leite, do HCor, os casos raros não devem trazer desconfiança sobre o uso dessas vacinas. “As vacinas são seguras, e os efeitos colaterais podem acontecer como em qualquer outro imunizante”, diz.

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. @Antonio Veras Comentário equilibrado, correto sem paixão política! Concordo plenamente com seu comentário! Vacina é assunto sério e não é só esticar o braço e esperar a furada! Não! Numa dessa você embarca antes do tempo! Entendo a precaução da Anvisa em dar sinal pra compra de Vacina!!

  2. Vcs que gostam de funcionar como papagaios simplismente repetindo ou comentando sobre o que não sabem e escrevendo da mesma forma, leiam e sintam o que está acontecendo no Chile hoje, noticiado pela G1, situação complicada com o uso da Coronavac.

  3. Sem avaliação da eficiencia, eficácia e possibilidade de reações e efeitos colaterais sérios, um bando de asnos acham que a vacina é a solução, ledo engano, infelizmente corremos sérios riscos com a aplicação delas (me vacinei) mais os cuidados da ANVISA, são justificados, diferente do quer fazer parecer um bando de ladrões safados, que vivem da miséria dos babacas. O que deveria ser uma discussão seria, virou política barata, inconsequente e perigosa.

  4. Num disse, foi dizer q enviou documentos a Bolsonaro que caso não cumprisse prazo de entrega de vacina, seria passível de multa. Já começou, até amanhã vai aparecer mais. Rsrsrs

    1. Vc deve estar se achando o máximo por esse comentário idiota, faça como eu, tomei a vacina, mais procuro saber dos riscos do meu ato e com certeza vou assumir se algo ser errado. A vacina não é a bala de prata em canto nenhum do mundo.

    2. Quem tá divulgando é o jornal mais inimigo do Bolsonaro. Mas a esquerda prega que Bolsonaro fizesse igualmente ao consórcio do Nordeste. Comprasse no escuro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

IMAGENS FORTES – (VÍDEOS): Dezenas de pessoas morrem esmagadas em festival em Israel

FOTO: REPRODUÇÃO TWITTER

Pelo menos 44 pessoas morreram e mais de 150 ficaram feridas, nesta quinta-feira (29), após serem esmagadas durante uma confusão em um festival religioso ultra ortodoxo com mais de 100 mil participantes perto do Monte Meron, na Galileia, no norte de Israel. O acidente aconteceu pouco depois da meia-noite de sexta-feira no horário local (18h no horário de Brasília).

As informações da imprensa local revelam que aconteceu um corre-corre em massa durante o festival do Lag B’Omer, mas um vídeo que mostra os socorristas retirando feridos indica que o acidente pode ter acontecido após o desabamento de uma das arquibancadas.

Segundo o jornal Times Of Israel, pelo menos 20 pessoas foram levadas para hospitais da região em estado grave. Os responsáveis pelo resgate afirmaram que a superlotação do local contribuiu para o elevado número de mortes.

O primeiro ministro Benjamin Netanyahu se manifestou e classificou o acidente como “um desastre terrível” e que “todos estão orando para a recuperação dos feridos”.

No vídeo abaixo, é possível ver uma imensa quantidade de pessoas descendo uma passagem estreita. Segundo o jornalista Israel Cohen, que postou as imagens, foi nesse local que a tragédia aconteceu.

Em outra imagem, as pessoas que estão no topo da passagem parecem cair para cima das outras.

Um policial relatou que dezenas de espectadores teriam “escorregado e caído” nas pessoas que estavam abaixo deles na passagem, causando um efeito dominó. Já um representante da IDF (as forças de segurança israelenses), que mandou uma equipe de resgate, afirmou que um telhado desabou no local, possivelmente se referindo ao espaço abaixo da passagem.

“Os momentos após o grande desastre. A polícia quebrou o ferro para resgatar as pessoas”, diz o texto escrito pelo jornalista israelense Moshe Nayes, que acompanhava o evento.

Em outro vídeo postado por ele antes do acidente, é possível ver centenas de pessoas pulando simultaneamente nas arquibancadas durante um dos shows.

O festival é realizado no Monte Meron e o show em que aconteceu o acidente acontecia em um palco próximo ao túmulo de um importante profeta judaico do século 2 d.C., Shimon bar Yochai.

Além dos 100 mil que já estavam presentes no local, os organizadores esperavam a chegada de outros 100 mil participantes na manhã desta sexta-feira (30). A polícia e agentes de segurança discutiam a possibilidade de fechar as rotas de chegada, mas não chegaram a um consenso.

R7

 

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Israel anuncia fim da obrigatoriedade de máscara ao ar livre após vacinar 61% da população

Foto: AMMAR AWAD / REUTERS

A partir do próximo domingo não será mais obrigatório usar máscara ao ar livre para conter a Covid-19 em Israel. O anúncio foi feito na quinta-feira pelo Ministério da Saúde. Ainda será necessário manter o rosto protegido em ambientes fechados. Atualmente, de acordo com o site “Our World In Data”, 61, 68 % da população do país já recebeu as duas doses da vacina produzida pela Pfizer/BioNTech.

Em nota, o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, afirmou que a decisão foi tomada com base nas recomendações de especialistas. Israel foi um dos primeiros países do mundo a impor o uso da máscara para conter a disseminação do vírus em 2020.

“As máscaras têm como objetivo nos proteger contra o coronavírus. Depois que especialistas em saúde concluíram que não são mais necessárias ao ar livre, decidimos permitir de acordo com sua recomendação. O nível de mortalidade em Israel é muito baixo graças ao nosso sucesso na campanha de vacinação e, portanto, podemos relaxar mais restrições”, ressaltou Edelstein.

O Ministério recomenda que os israelenses ainda mantenham cuidados e levem sempre consigo máscaras para usar quando necessário. A partir de domingo, todo o sistema educacional do país também volta a funcionar em sua totalidade.

Desde o início da pandemia, Israel contabilizou 837 mil casos e 6315 mortes pela Covid-19.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Bozo fez a mesma coisa aqui….nós é que não fazemos a vontade dele….
    Vá se lascar pra lá….

    1. rsrssr é mesmo, se estiver com a máscara do Bozo então Fatão manda a pessoa tirar a máscara

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Israel pode ter atingido imunidade de rebanho, diz especialista; vacinação em massa reduziu em 97% o número de novos casos

Vacinação contra a Covid-19 em Israel Reprodução/VEJA

Com mais de 54% da sua população totalmente vacinada (primeira e segunda dose), Israel pode se tornar o primeiro país a ter alcançado contra a Covid-19 a chamada “imunidade de rebanho”, uma situação que se caracteriza quando uma parcela significativa dos moradores foi vacinada contra uma doença.

A afirmação foi feita neste sábado, 10, pelo cientista Eran Segal, professor de biologia computacional do Instituto de Ciência Weizmann ao Channel 12, que monitora a pandemia, segundo reportagem do jornal The Times of Israel. Para ele, a situação do país é ainda mais confortável em razão do esquema de proteção adotado contra o novo coronavírus no país desde o início da crise sanitária.

“É possível que Israel tenha alcançado uma espécie de imunidade de rebanho e, independentemente disso, temos uma ampla rede de segurança”, disse Segal. “Acho que isso torna possível remover algumas das restrições imediatamente”, completou.

Com uma população de 9 milhões de habitantes, Israel já vacinou 5.309.825 pessoas com a primeira dose e 4.920.877 com a segunda. A vacina mais usada no país é a da Pfizer/BioNtech, que tem eficácia de 91% contra casos graves.

Neste sábado, 10, Israel tinha 4.002 casos ativos da doença, sendo 268 deles considerados graves. Até agora, o país registrou 6.292 mortes desde o início da pandemia. Com a prioridade dada à vacinação, o número de casos diários de coronavírus despencou 97%, segundo Eran Segal.

Para efeito de comparação, o Brasil vacinou com a segunda dose até este sábado, 10, apenas 6.916.075 pessoas, o que dá cerca de 3,3% da sua população. Já a primeira dose foi aplicada para 22.917.088 brasileiros.

Veja

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Israel e Nova Zelândia aprovam venda de spray nasal que pode prevenir e diminuir gravidade da Covid-19

Foto: Reprodução / CNN

Israel e Nova Zelândia deram aprovação temporária à venda do spray nasal de óxido nítrico (Nons, na sigla em inglês) da empresa de biotecnologia SaNOtize, que pode ajudar na prevenção da transmissão do vírus causador da Covid-19, anunciou a companhia nesta segunda-feira (22).

A produção do Nons, sob o nome comercial Enovid, começou em Israel com a parceira da SaNOtize Nextar Chempharma Solutions e é previsto que o produto comece a ser vendido no país a partir de junho.

Na Nova Zelândia, a SaNOtize obteve o registro do spray nasal junto à agência reguladora do país, o que permite que a empresa distribua e venda o Nons nas farmácias imediatamente, disse a empresa.

O Nons protege os usuários de vírus que entram no corpo através das vias nasais superiores.

Na semana passada, a SaNOtize e o Fundo dos Hospitais Ashford e St Peter’s do NHS (sistema de saúde inglês), de Surrey, no Reino Unido, anunciaram os resultados dos testes clínicos do Nons, que mostraram que ele é um tratamento antiviral efetivo e que pode ajudar a prevenir a transmissão da Covid-19, diminuir os dias de infecção e reduzir a severidade dos sintomas e danos em pessoas que já estão com a doença.

Chris Miller, diretor científico da SaNOtize, disse que a formulação de óxido nítrico para uso em humanos deve “matar os vírus nas vias aéreas superiores, prevenindo que eles fiquem em incubação e se espalhem pelos pulmões”.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

    1. Tonhão, vc com esse belo nome, pode tomar, fica bem, vc melhora, certamente está acostumado e ninguém vai falar 😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀😀

    2. Enquanto não chega vamos tomar nebulização de Cloroquina. Assim vai atrofiar ainda mais o cérebro do gado.

  1. Agora os canhotos piram!! A Nova Zelândia referência em isolamento usando remédio. Confuso pra tão pouco neurônio.

  2. A turma do "Lula livre" vai já correr prá comprar e usar ESCONDIDO, igual fazem com os demais remédios que estão mostrando eficácia. Essa é a pandemia da mentira e da hipocrisia. E da roubalheira. A propósito, onde aplicaram a dinheirama repassada pelo governo federal? Cadê os novos leitos hospitalares?

  3. Vejam o nível dos comentários dos grandes defensores do governo Fátima por aqui. Dá prá entender porque o RN está nessa situação. Enquanto isso, segue o show de incompetência e de falta de atitude do governo estadual, que além de não fazer o que realmente precisa ser feito (cuidar do sistema de saúde), está destruindo o que resta da economia do RN. Como ficará esse estado depois que esse vírus se for?

  4. A crise fazendo novos milionários. Se isso vier para o Brasil, os bolsonaro levam a burra mais uma vez. Eles pensam que nos enganam, aquela viagem a Israel, tem mais cunho financeiro do que humanitário. Tráfico e influência é grande. Desse jeito até eu tenho casa de 6 milhões.

    1. MS manda, mas governo do estado não distribui. Vá cobrar à sua governadora…

    2. O PT ta escondendo as vacinas para ficar com a ladainha: "Bolsonaro não comprou vacinas"

  5. Spray pra hemorroida. Aquele q a turma do governo foi fazer turismo em Israel e levou um oito lá por não usar máscara.
    Oxente. É remédio pra piolho é pra o foba, mas vacina q é bom, nada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Bolsonaro confirma comitiva que irá a Israel neste sábado negociar spray nasal contra a covid-19 para pacientes graves

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que o Brasil enviará uma comitiva na noite de sábado (6.mar) a Israel para negociar a realização da fase 3 de testes no Brasil para pacientes graves de um spray nasal contra a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, comandará a missão, que contará com 10 pessoas no total. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, receberá os integrantes.

A droga citada por Bolsonaro ficou conhecida depois que pesquisadores do Ichilov Hospital, em Tel Aviv, Israel, afirmarem que a substância foi eficiente no tratamento contra o covid em 29 de 30 pacientes. Os cientistas disseram que o remédio, desenvolvido por Nadir Arber, do Centro Integrado de Prevenção do Câncer, seria capaz de curar os enfermos em 5 dias.

Com acréscimo do Diário do Poder

Opinião dos leitores

  1. O cara vai mandar 10 pessoas pra Israel pra ver um spray nasal que foi testado em 30 pessoas??‍♀️

  2. Os esquerdinhas só acredita na vacina! Eles esquerda que o HIV não tem vacina! Só remédios para tratamento

  3. Pra quê gastar com spray nasal israelense. Use Vick vaporub ou se achar cara, rapé!!! O gado vai achar que cura!!!

  4. Não precisa ir a Israel, basta distribuir as sementes milagrosas do apóstolo Valdomiro Santiago

  5. Ao invés disso bastava dar o exemplo e usar máscara né. Derrotado, incompetente, gestor broxa.

  6. O idiota ao invés de ir atrás do máximo de vacinas, fica tentando tratamentos experimentais. Tirem esse cara daí, na moral!

    1. A onde tem vacinas em grandes quantidades pixuleco?
      Leia o blog pra se informar.
      Kkkkkkkkkk
      Pensa que é assim.
      Se encontra na pratileira do supermercado.
      É um boi tabaco essa turma do pixuleco, não escapa um.
      Rsrsrsrs…

    2. Vacinas covid são uma das alternativas emergenciais. Ainda são vista como preventivas, e não a única solução possível.

  7. Olha para onde estamos caminhando, esse governo querendo devolver ao povo o direito a se defender. Como pode isso, o ex presidente já disse e ordenou que o cidadão, o trabalhador não podem andar amados, isso é um perigo para sociedade.
    Só bandido e membros de facções tem direito a andar armado com revolver, pistola, rifle, facão. foice e tudo que estiver ao alcance deles. Só segurança de político pode andar armado para protegê-los, o povo não, deve aceitar ser assaltado sem reação.
    Onde já se viu, um bando de desocupados entrando armado numa fazendo para roubar tudo que o proprietário conseguiu com muito trabalho, e ser surpreendido pela reação raivosa e violenta de um trabalhador defendendo sua família e bens.
    O povo tem que continuar desarmado, não podem reagir aos assaltos e violências de pessoas armadas contra os coitados dos bandidos, que absurdo.
    Só bandido sabe usar arma. O cidadão e a PM não sabem atirar, por isso a mídia sempre diz que toda bala perdida vem das armas dos policiais. Se houve assassinato com arma de tiro e não tinha policial por perto, o crime nem é noticiado, afinal, de onde vieram as balas?

    1. Né isso, concentra tuas energias na compra de vacina, depois fica aí querendo empurrar isso no nariz do povo, como fez com a cloroquina. Demorou só 7 meses pra fechar um acordo com a Pfizer, foi bem rapidinho…

    2. E os 5 milhões dos respiradores quando serão devolvidos ao Estado? Dava pra comprmilhões de doses.

    3. As vacinas estão compras.
      Falta os laboratórios entregar.
      Pode perguntar a Fátima do PT.
      Ela sabe o dia a hora minutos e segundos, não pode chegar um lote que corre pro Aeroporto de São Gonsalo pra tirar retrato.
      Tô vendo a hora ser atropelada por um Air bus A330.
      Kkkkkkkkkkk
      O spray, já é outra providência do PR, que vai ser reeleito em primeiro turno.
      Chupa turma do pixuleco.
      Ele agora diversifica os nomes ói.
      Tem que só a mulesta agora, é pra pensarem que tem muita gente contra o PR.
      Ele sozinho coitado, contra a torcida do Flamengo.
      Só por aí ele ja tem uma pesquisa.
      Hehehehehe
      Tadim!!!!!!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bolsonaro anuncia cooperação de Israel para desenvolver ‘spray nasal’ contra covid-19

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compartilhou nesta segunda-feira (15) em sua página no Facebook uma publicação em que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyanu, afirma que os dois países devem cooperar para desenvolver medicamentos contra o novo coronavírus.

“Falei ontem por telefone com o presidente brasileiro Jair Bolsonero (sic), que nos parabenizou pelo sucesso da campanha de vacinação em Israel. Concordamos em cooperar no desenvolvimento de medicamentos e vacinas contra o vírus corona. Espero que nos encontremos em breve!”, diz a mensagem de Netanyahu escrita em hebráico e publicada em português por Bolsonaro após tradução do Google.

Além disso, na legenda que a acompanha a imagem o presidente brasileiros faz menção a um tratamento da Covid-19 por spray desenvolvido por Israel.

“EXO-CD24 é um spray nasal desenvolvido pelo Centro Médico Ichilov de Israel, com eficácia próxima de 100% (29/30), em casos graves, contra a Covid”, destacou Bolsonaro. “Brevemente será enviado à [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] ANVISA o pedido de análise para uso emergencial do medicamento.”

Na sexta-feira (12) em outra rede social, Bolsonaro já havia relatado a conversa com Netanyahu sobre o spray contra Covid-19. Na ocasião, o presidente manifestou interesse do país participar dos testes clínicos do EXO-CD24.

“Dentre outros assuntos, tratamos da participação do Brasil na 3ª fase de testes do spray EXO-CD24, medicamento israelense que, até o momento, vem obtendo grande sucesso no tratamento da Covid-19 em casos graves”, escreveu o presidente em sua conta no Twitter.

Como funciona o tratamento da Covid-19 por spray

De acordo com informações do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) sobre pesquisas pelo mundo em tecnologias relacionadas à covid-19, incluindo medicamentos, os testes de Fase 1 com o EXO-CD24 já foram concluídos.

“O hospital anunciou que a substância EXO-CD24 foi administrada a 30 pacientes cujas condições eram moderadas ou piores, e todos os 30 se recuperaram – 29 deles em três a cinco dias. O medicamento combate a tempestade de citocinas, que se acredita ser responsável por muitas das mortes associadas à doença”, diz o texto publicado pelo Inpi, se referindo ao Centro Médico Ichilov, de Tel Aviv, que testa o medicamento.

“Ele usa exossomos – pequenos sacos que transportam materiais entre as células – para entregar uma proteína chamada CD24 aos pulmões, que o grupo de estudo está pesquisando há décadas. Esta proteína ajuda a acalmar o sistema imunológico e conter a tempestade”, continua a publicação.

Ainda segundo o Inpi, o medicamento é inalado uma vez por dia durante alguns minutos, durante cinco dias sendo direcionado diretamente para os pulmões.

Assim como as vacinas, os estudos de medicamentos são divididos em várias etapas e, no Brasil, precisam de autorização da Anvisa para acontecerem.

Na lista dos ensaios clínicos autorizados pela Anvisa ainda não consta o spray EXO-CD24. Na Fase 3 de testes clínicos, o medicamento é administrado a uma grande quantidade de pessoas, normalmente milhares, para que seja demonstrada a sua eficácia e segurança.

CNN, com informações da Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Por isso que João Agripino Doriana Calça Colada foi pro hospital fazer exames de rotina.
    Deve ter tido uma caganeira forte ontem.
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Tomou no frinfa.
    Mito 2022.

  2. Gente vamos si unir uma guerra só si vence com união deixe 2022 pra depois pensar positivo torcer para esse medicamento dá certo…

  3. Se for igual ao sistema israelense, que iria acab6 com a seca do Nord7, através da dessalinização da água, tamos lascado.
    Esperando até hoje…

  4. Vacina é o cacete! Vamos focar nossos investimentos nesse remédio que foi testado em 30 pessoas.

    1. Pastel não, mas ladrão no governo do PT tinham muitos.
      Investigações no STF já atingem 18 ministros da era petista.

    2. Pastel é aquele apresentador do Jornal Nacional, né?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bolsonaro conversa com Israel para participação do Brasil na 3ª fase de testes do spray EXO-CD24, que registrou sucesso no tratamento da covid-19 em casos graves

Foto: Reprodução/Instagram

Através das redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira(12) uma conversa com o Primeiro-Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu . Dentre outros assuntos, a participação do Brasil na 3ª fase de testes do spray EXO-CD24, medicamento israelense que, até o momento, vem obtendo grande sucesso no tratamento da covid-19 em casos graves.

O remédio citado por Bolsonaro está sendo desenvolvido no Centro Médico Ichilov, em Tel Aviv. De acordo com o The Times of Israel, o hospital disse que a substância EXO-CD24, que se trata de um spray, recuperou 30 pacientes em casos graves ou moderados de coronavírus.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mais de 97% da mortes em Israel por Covid-19 foram de pessoas não vacinadas, diz primeiro-ministro

Foto: Miriam Elster – 9.jan.2021/Reuters

Mais de 97% das mortes causadas pela Covid-19 em Israel nos últimos 30 dias foram de pessoas não vacinadas contra a doença, disse nesta terça-feira (9) o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

“Quero dar-lhes um fato chocante: no último mês – nos últimos 30 dias – 1.536 pessoas – morreram (de Covid-19) no Estado de Israel. Mais de 97% delas não foram vacinadas. Menos de 3% foram vacinados”, disse Netanyahu.

A campanha de vacinação em Israel começou em 19 de dezembro com foco em israelenses com mais de 60 anos e outros grupos de alto risco.

O país, desde então, reduziu a idade mínima de vacinação para 16 anos, mas vê menos urgência entre os mais jovens que são menos propensos a complicações perigosas do novo coronavírus.

As autoridades israelenses também acreditam que algumas pessoas são influenciadas por rumores de possíveis efeitos colaterais duradouros das vacinas.

Afirmando que o ceticismo sobre a vacina é “notícia falsa”, Netanyahu acrescentou: “Somos uma nação de vacinação. Temos vacinas para todos os cidadãos, para todos … Se você for se vacinar, estará salvando sua vida”.

“Estamos em uma emergência nacional”, completou Netanyahu, em sua fala aos repórteres.

Cerca de 38% da população de 9 milhões de Israel recebeu pelo menos uma dose da vacina, disse o Ministério da Saúde israelense.

Mas a meta do governo de alcançar 50% de cobertura e reabrir a economia no mês que vem está mais distante agora à medida que o ritmo diário de vacinação diminui.

CNN Brasil, com Reuters

Opinião dos leitores

  1. Impressiona ver uma matéria com essa afirmativa, é inacreditável o nível de manipulação que a mídia tem feito, chega s a ser irresponsável.
    Se as vacinas começaram a ser aplicadas agora em janeiro/2021 e o vírus vem matando a quase 01 ano, é evidente que a grande maioria das mortes não tinham sido vacinadas.
    O que não significa, nem dá eficácia as vacinas, como a notícia parece querer imputar.
    Morreu muito mais gente nas localidades onde não foram adotadas as medidas preventivas através de medicação, pois o lockdown tem falhado em muitos locais, a exemplo da Argentina que o adotou de forma radical e percentualmente tem um dos maiores percentuais de mortes com o vírus.

    1. Israel eh comunista talkei! País que faz lockdown só pode ser isso…

  2. Tem q agilizar a vacinação urgentemente!!!
    O governo Bolsonaro tem q correr atrás de mais vacinas suficiente p toda população.
    A economia só se recupera depois q a população estiver vacinada.

    1. Vc estar certíssimo, o que temos que fazer é cobrar dos governantes mais ações, empenho, investimentos, entre outras, não pode é alguns governantes tentando tirar proveito político em seu benefício e um monte de trouxas aplaudindo, enquanto isso à população mais carente sofre.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Israel tem queda de 60% na internação de idosos três semanas após início da vacinação contra covid

Foto: Menahem Kahana/AFP

A vacinação contra a covid-19 começa a apresentar resultados em Israel. Três semanas após o início da campanha nacional de imunização, o país do Oriente Médio registrou uma queda de 60% nas internações hospitalares de idosos.

O dado foi divulgado em um relatório do Maccabi Healthcare Services, repercutido pelo jornal The Times of Israel nesse domingo, 24. Apesar da redução das internações, ainda não está claro se os benefícios estão sendo sentidos igualmente por aqueles que desenvolveriam casos leves e aqueles que desenvolveriam casos graves.

As hospitalizações começaram a cair drasticamente a partir do dia 18, após as pessoas receberem a primeira dose da vacina da Pfizer/BioNTech, que está sendo utilizada pelo país. No dia 23 – dois dias depois da segunda dose começar a ser aplicada – há uma queda de 60% nas hospitalizações entre pessoas com mais de 60 anos, revelou o estudo após monitorar 50.777 pacientes.

“Estes dados são muito importantes”, disse Galia Rahav, diretora de doenças infecciosas no maior hospital de Israel, o Sheba Medical Center, ao jornal israelense. “Tem um impacto porque em meio a altas taxas de infecção e a disseminação de variantes do vírus, é difícil ver em números gerais como a vacinação está influenciando as coisas”.

Apesar disso, Rahav alerta que parte da queda pode ser devido a uma tendência das pessoas recém-vacinadas de aderir às regras de bloqueio.

As informações do estudo mostram que até o dia 13, os vacinados com mais de 60 anos tinham taxas de infecção semelhantes às da população geral com mais de 60 anos. Então, no dia 23, havia 18 infecções diárias entre os 50.777 no total, mas apenas seis entre os vacinados.

Expandindo a vacinação

No domingo, 24, Israel expandiu sua campanha de vacinação contra a covid-19 para jovens de 16 a 18 anos.

O objetivo, segundo o governo israelense, é permitir que os jovens possam retornar para a escola e realizar provas de admissão a universidades, sem prejuízos adicionais. O país determinou o fechamento das escolas no dia 17 de dezembro e ainda não reabriu.

Israel, que tem a taxa de distribuição de vacinas mais rápida do mundo, espera começar a reabrir sua economia no mês que vem. Com as importações regulares de vacinas da Pfizer/BioNTech, Israel administrou pelo menos uma dose a mais de 25% de sua população de 9 milhões desde 19 de dezembro, diz o Ministério da Saúde.

As vacinas foram inicialmente limitadas a idosos e outras categorias de alto risco, mas agora estão disponíveis para qualquer pessoa com mais de 40 anos ou – com a permissão dos pais – aqueles entre 16 e 18 anos.

Vacina da Pfizer ainda longe do Brasil

Enquanto Israel iniciava a imunização de adolescentes e jovens, no domingo, com a vacina da Pfizer/BioNTech, o Ministério da Saúde do Brasil criticava a proposta de venda de doses feita pela farmacêutica americana. Segundo o governo, em nota, a aquisição de número restrito de doses funcionaria mais como uma ‘conquista de marketing” para a fabricante, mas seria uma “frustração” para os brasileiros. A proposta da farmacêutica para o governo brasileiro envolvia 2 milhões de doses no primeiro trimestre e o imunizante tem 95% de eficácia contra o vírus.

A pasta ainda classificou como “leoninas” e “absurdas” cláusulas do contrato proposto pela Pfizer e afirmou que não aceitará “imposições de mercado”. Entre os itens atacados pelo governo, está a “assinatura de um termo de responsabilidade por eventuais efeitos colaterais da vacina, isentando a Pfizer de qualquer responsabilidade civil por efeitos colaterais graves decorrentes do uso da vacina, indefinidamente”. Essa parte do acordo tem sido mencionada pelo presidente Jair Bolsonaro para questionar a segurança das vacinas.

O ministério, que tem à frente o general Eduardo Pazuello, disse que em nenhum momento “fechou as portas para a Pfizer”. Acrescentou ainda que esperava uma mudança de postura da multinacional, para uma entrega “viável e satisfatória”. A pasta ainda menciona a complicada logística de armazenamento e transporte dos imunizantes da Pfizer, que exigem refrigeração entre -70°C e -80°C em ultracongeladores. Também reclamou da necessidade de comprar diluentes para poder aplicar o produto na população./

Com informações do THE WASHINGTON POST E THE TIME OF ISRAEL

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Pelo menos roubar ele não sabe, se sabe ainda não roubou, agora os três anteriores, não sabiam o que era ciência e sabiam roubar.

  2. Com a palavra o gado isano tomador de cloroquina e remédio pra carrapato.
    Resultado pra Israel: vai sair mais cedo da pandemia pois tem um governo de vergonha. Aqui temos um genocida.

    1. O que tá impedindo estados e municípios de importarem diretamente as vacinas liberdas pela Anvisa?

  3. Sem paixões e ideologias: O Brasil tem uma população de mais de 209 milhões enquanto Israel tem uma população em torno 8,8 milhões o que representa menos de 5% da população brasileira sem contar com os aspectos geográficos que dificulta o atendimento em algumas regiões.

    1. Isso. E por questões de defesa, culturais, tem o nível de mobilização de um quartel.
      Tem muito país europeu, com muito mais morte per capita do que nós, que também não vacionou 5% do que vacinou Isarel. Agora, vc só vai ouvir xingamento se for argumentar.

  4. Viva a ciência! O presidente infelizmente escolheu o lado errado, o lado da ciência, das fake news, do Trump, da ignorância, do negacionismo. São mais de 200 mil mortos no Brasil.

    1. Errata: O PRESIDENTE NÃO ESCOLHEU O LADO DA CIÊNCIA.
      OBS: Acho que ele nem sabe o que é isso.

    2. O Presidente deixou nas mãos de quem entende. Contratou Oxoford em junho.
      A Anvisa liberou praticamente ontem e as vacinas começaram a chegar.
      Fatos x narrativas.

  5. Caro, como sugestão, Faça Enquetes; coloca em destaque na parte de cima do blog, promova a participação e interação, peça sugestões para seus leitores, vai ter alguma coisa ruim, mas há de ter coisas boas pra melhorar … Enquetes tipo … quem fez tratamento precoce ou não … alguma outra coisa relativa ao blog … etc …

  6. Quando o governo leva a ideia de vacina e o projeto de vacinação a sério! O Brasil poderia estar nesse caminho!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Saiba como Israel tem vacinado tão rápido contra covid e por que isso pode ocorrer no Brasil

Foto: Reuters

Nas últimas semanas, Israel ganhou as manchetes internacionais por conseguir o que todo o mundo, literalmente, queria: ter um início rápido e eficaz na imunização contra a Covid-19. Mais de 20% dos 9 milhões de israelenses já estão imunizados e a expectativa é de que, até meados de março, a porcentagem chegue à totalidade.

O feito só foi possível porque o sistema de saúde de Israel tem garantia de saúde universal, ou seja, por meio de uma participação público-privada, todo cidadão israelense tem direito e acesso desde a saúde básica.

Isso significa que o país já tinha a estrutura básica necessária para iniciar a vacinação – ao contrário de outras nações, como os EUA e a Inglaterra, que vêm tropeçando em quesitos como armazenamento e logística.

Ver o avanço da vacinação em Israel é positivo para o Brasil, já que o Sistema Único de Saúde (SUS) também tem a estrutura necessária para agilizar a imunização, como esquema de logística e armazenamento, o que pode facilitar o processo de vacinação.

No domingo (17) membros da Anvisa se reúnem para avaliar os pedidos do Instituto Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para uso emergencial das vacinas.

A previsão, dada pelo ministro Eduardo Pazuello, é de que até novembro todos os brasileiros tenham tomado as duas doses da vacina.

Embora os sistemas sejam muito similares, a diferença está na forma de como os aportes financeiros são coletados.

Enquanto no Brasil existe o SUS, ou seja, o financiamento é feito por impostos pagos pela população, em Israel, o cidadão é obrigado a escolher entre um dos quatro planos de saúde sem fins lucrativos existentes e concorrentes.

Esses planos são financiados por um imposto de renda nacional e um imposto de saúde relacionado com o rendimento financeiro.

Em entrevista à CNN, Daniel Douek, diretor do Instituto Brasil-Israel, falou sobre as peculiaridades de ambos sistemas.

Por que a vacinação está ocorrendo tão rápido em Israel?

São vários os motivos que explicam o fato de a vacinação em Israel estar ocorrendo rapidamente. Em primeiro lugar, por o país ter saído na frente na corrida pela vacina, tendo negociado previamente a aquisição de grandes lotes, o que permitiu o início da campanha já no dia 19 de dezembro.

Além disso, devido ao acesso universal ao sistema de saúde, que possui infraestrutura sanitária bem distribuída e equipada com recursos tecnológicos de ponta.

Pode-se citar ainda aspectos culturais da população associados a um ethos derivado da própria formação do Estado, e que resulta na capacidade de mobilização das pessoas e das instituições, acostumadas aos esforços de guerra.

Por fim, destaca-se o papel desempenhado por Benjamin Netanyahu, que encara a campanha de vacinação como uma missão pessoal, inclusive para a sua própria sobrevivência política.

Com as próximas eleições agendadas para o dia 23 de março, o premiê, que responde na justiça a acusações de corrupção, aposta na vacina como cartada para reabrir a economia e melhorar a vida dos israelenses, depois de a Covid-19 ter matado mais de 3.803 pessoas, um número maior do que o de vítimas nas guerras de 1967 e de 1973 somadas.

Netanyahu foi o primeiro a se vacinar e o fez com transmissão ao vivo pela televisão, clamando para que todos os cidadãos seguissem seu exemplo.

Quais as principais diferenças e similaridades entre os sistemas de Israel e do Brasil?

A principal similaridade é a garantia de saúde universal. A diferença é que, enquanto no Brasil existe o Sistema Único de Saúde (SUS), no caso de Israel, a população é obrigada a escolher entre um dos quatro planos de saúde sem fins lucrativos existentes e concorrentes (financiados basicamente por um imposto de renda nacional e um imposto de saúde relacionado com o rendimento).

O sistema de saúde de Israel sempre teve co-participação público-privada? Ou teve alguma reforma na área da saúde para implementar este novo método?

O sistema de saúde universal existe desde antes da fundação do Estado e se mantém até agora. Já a lei do Seguro Nacional de Saúde, que garantiu cobertura universal para cidadãos e residentes permanentes por meio do vínculo com um dos quatro planos de saúde existentes no país é de 1995.

Qual a previsão de imunização total no país?

Israel já vacinou mais de 20% da população, e a expectativa é de imunização total acima dos 16 anos até o final de março.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. PODEacontecer no Brazil.
    Rapaz…. a CNN se supera.
    O jabá do governo deve tá bem gordo.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Comentários sem lógica, a vacina quem produz são os laboratórios, como é que o governo vai comprar uma vacina que não tá pronta ainda.

  3. Quem parou pra ler a totalidade da matéria tbm notou q os caras começaram cedo. Coisa que este desgoverno não fez, né?

    1. Aqui tem 13 presidentes, 11 vestem capa preta, os outros dois representam senado e Câmara respectivamente

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Por erro, idosa recebe 5 doses da vacina Pfizer contra covid em Israel, mas passa bem

Foto: JOE RAEDLE / AFP

Uma mulher de 67 anos, moradora de Jerusalém, recebeu cinco doses da vacina da Pfizer contra o coronavírus na quinta-feira (14/1), em um centro de vacinação da cidade, de acordo com reportagem do “Jerusalem Post”. Em vez de receber uma dose (30 microgramas) durante o processo de inoculação, ela acidentalmente recebeu um frasco inteiro – 150 microgramas. Para efeito de comparação, cada dose da Moderna tem 100 microgramas.

Embora ela não tenha mostrado efeitos colaterais imediatos, a idosa foi levada para o Centro Médico Shaare Zedek para observação. Um porta-voz do hospital disse que ela estava bem.

Este não é o primeiro incidente em que a equipe do centro de vacinação do Maccabi Healthcare Services administra muitas doses da vacina Pfizer.

Um profissional médico recebeu cerca de cinco ou seis doses da vacina contra o coronavírus em uma inoculação em dezembro, no início da campanha de vacinação do país do Oriente Médio. Ele também foi monitorado em um hospital logo em seguida, não apresentou efeitos colaterais e recebeu alta no mesmo dia.

“Isso acontece por uma razão muito simples”, explicou Cyrille Cohen, chefe do laboratório de imunoterapia da Universidade Bar-Ilan. “Depois de tantos pacientes, a enfermeira, acostumada a às vezes injetar todo o conteúdo do frasco – não para essa vacina, mas em geral – se engana e pega todo o composto. Estou surpreso que tenha acontecido apenas duas vezes”, acrescentou.

Em ambos os casos, conforme observado, os indivíduos que receberam as doses extras tiveram pouco ou nenhum efeito colateral, exceto talvez no local da injeção. Cohen disse que nenhum efeito colateral deve ser esperado, já que a Pfizer administrou três a quatro vezes mais do que a dose regular dada hoje quando realizou seus testes clínicos, o que foi tolerado pela maioria dos pacientes.

Page Not Found – Extra

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *