Saúde

CoronaVac tem efetividade de 85% para prevenir internações e de 80% na prevenção de mortes pela Covid-19, diz estudo no Chile

Foto: SERGEI SUPINSKY / AFP

A vacina contra a Covid-19 CoronaVac é 67% efetiva na prevenção da infecção sintomática pela doença, mostrou um estudo com dados do mundo real conduzido por autoridades chilenas, divulgado nesta sexta-feira.

Além disso, o imunizante mostrou uma efetividade de 85% para prevenir internações e de 80% na prevenção de mortes pela Covid-19, segundo o relatório elaborado pelo Ministério da Saúde do Chile.

O estudo examinou a efetividade da CoronaVac entre 10,5 milhões de pessoas, observando indivíduos que foram vacinados e os que não foram.

A CoronaVac é uma das duas vacinas contra a doença utilizadas atualmente na imunização da população brasileira. Ela é desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com laboratório chinês Sinovac.

— Esses números devem transmitir tranquilidade ao país — disse o ministro da Saúde do Chile, Enrique Paris, na entrevista coletiva em que foram apresentados os resultados do estudo, realizado entre 2 de fevereiro e 1 de abril.

Em janeiro, o Butantan, que liderou os testes clínicos em fase 3 com a CoronaVac no Brasil, anunciou que o imunizante apresentou eficácia global de 50,38% na prevenção da Covid-19, 78% de eficácia contra casos leves da doença e de 100% contra quadros moderados e graves.

Enquanto os dados de eficácia de uma vacina se referem ao seu desempenho dentro de um ensaio clínico, os de efetividade se referem ao desempenho em condições reais de uso.

A divulgação dos dados coloca o Chile entre os países, incluindo Reino Unido e Israel, que usaram as campanhas de vacinação contra a Covid-19 para reunir dados sobre a efetividade das vacinas fora dos ensaios clínicos controlados e quando confrontadas com variáveis imprevisíveis nas sociedades.

Vacinação no Chile

O Chile é um dos países do mundo onde o processo de vacinação avança mais rápido. Até esta sexta-feira, o país havia conseguido vacinar 7,6 milhões de pessoas com pelo menos uma dose e mais de 5 milhões com as duas doses.

O objetivo das autoridades é vacinar 80% da população chilena, ou seja, 15,2 milhões de pessoas. De todos os vacinados no país, 90,7% foram com a CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, enquanto 9% receberam a vacina da Pfizer/BioNtech.

A vacinação no Chile começou em 24 de dezembro com trabalhadores médicos. No início de fevereiro começou em massa, primeiro com aqueles com mais de 90 anos de idade, e depois com o resto da população diminuindo progressivamente de idade. Nesta semana, adultos saudáveis entre 49 e 48 anos foram vacinados.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Pense num abilolado! Mané! Começa A de Afonso! É desse tipo que o PT gosta!
    Vaca de presépio…

  2. Deve ser mentira, afinal o Chile é comunista, petista, dorista, lulista e a “vachina” não pode servir para nada a não ser colocar um chip chinês em todo mundo e fazer virar jacaré! (IRONIA)

    1. Pense num imbecil, pensou? Não responda, começa com M……
      Tem em seguida um f…..provavelmente de Futrica, mil de imbecilidades.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Chile ultrapassa Israel e alcança a vacinação para covid mais rápida do mundo, de acordo com ranking com média da semana anterior

Professora mostra cartão de vacinação contra a Covid-19 em Santiago, Chile. 16/02/2021. Foto: Claudio Santana/Getty Images

O novo coronavírus já deixou mais de 2,6 milhões de mortos no mundo desde o início de sua disseminação, ainda no ano de 2019.

De lá para cá, todo o globo entrou em uma maratona para a aquisição de vacinas, com potências desenvolvidas do Ocidente, como Estados Unidos, Reino Unido e Canadá, saindo na frente no processo de imunização de suas populações. Junto a elas, porém, encontra-se uma surpresa: o Chile.

O país da América Latina tornou-se recentemente o Estado que vacina mais rápido a sua população, alcançando a média de 1,67 doses aplicadas a cada 100 habitantes, desbancando Israel, que tinha média de 1,2.

Além disso, o governo já encomendou cerca de 90 milhões de imunizantes, o suficiente para vacinar sua população de 19,2 milhões de pessoas duas vezes, contando as duas etapas necessárias para cada indivíduo.

O objetivo é que 80% de sua população esteja vacinada até junho de 2021.

“No ranking mundial, o Chile está atualmente em primeiro lugar entre os países que vacinam mais rapidamente, considerando a média da semana passada”, se orgulhou o ministro da Saúde, Enrique Paris, em um momento em que todos os vizinhos latino-americanos andam na direção contrária.

AQUISIÇÃO RÁPIDA E DIVERSIFICADA

O primeiro passo para o feito foi a aquisição com o maior número de fornecedores possível. Até o momento, estão garantidos imunizantes da Pfizer, AstraZeneca, Sinovac e Jonhson & Jonhson.

Junto a isso, está uma remessa da Covax, programa global criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O governo chileno começou sua negociação com as farmacêuticas antes de muitos outros países, inclusive com a Janssen, quando o imunizante da empresa ainda estava em estágios iniciais de desenvolvimento.

Outro fator de extrema importância para o sucesso chileno foram os acordos para testes e a busca por alternativas fora do eixo ocidental.

Só da CoronaVac, desenvolvida pelos chineses, o país já tem encomendadas 60 milhões de doses, enquanto a maioria dos países europeus e latino-americanos optaram apenas por imunizantes produzidos no Ocidente.

PODER DE NEGOCIAÇÃO

O Chile é um dos Estados que mais cresceram economicamente na América Latina nas últimas décadas, sendo membro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e um dos países com maior quantidade de acordos comerciais no mundo. O contraponto é a sua extrema desigualdade: 65% maior do que qualquer outra nação da OCDE. Atrelada às políticas liberais do presidente Sebastián Piñera, os chilenos enfrentam há mais de um ano a maior crise sociopolítica desde sua redemocratização, em 1990.

Imerso na crise que se agravou com a propagação do novo coronavírus, Piñera passou a enxergar o combate à pandemia como uma forma de reerguer sua popularidade, que chegou a apenas 6% no ano de 2020. Dessa maneira, o país, historicamente habilidoso e munido de contatos internacionais, entrou forte nas negociações para conseguir o maior número de doses pagando menos que os seus concorrentes. E deu certo: de acordo com o portal Our World In Data, 4,95 milhões de doses já foram aplicadas em seus habitantes, representando mais de 21% da população total do país.

Enquanto o Chile avança para alcançar o seu objetivo de vacinar 80% de sua população, o Brasil enfrenta o seu pior momento da pandemia: apenas 4% de seus cidadãos vacinados, ao mesmo tempo que lida com uma nova variante com maior poder de propagação. A dificuldade em obter insumos para a fabricação dos imunizantes em território nacional também diminui as esperanças do governo brasileiro.

Ao mesmo tempo que o governo chileno se organizava no cenário mundial, o presidente Jair Bolsonaro insistia em diminuir a gravidade da doença e dificultava a obtenção de vacinas, obrigando estados e municípios a buscarem acordos com as farmacêuticas por conta própria. Por questões ideológicas, o país se recusava a fechar acordos com a China e a Rússia, mesmo com ambas as nações ofereciam prazos menores do que as empresas ocidentais.

Em um longo caminho percorrido, Sebastián Piñera enxergou na pandemia uma maneira de dar sobrevida ao seu governo – que terá fim no final do ano de 2021 –, aumentando seu nível de popularidade. A pandemia, no entanto, ainda persiste no país. Nesta terça-feira, o Ministério da Saúde registrou 3.528 novos casos, atenuando pelo segundo dia consecutivo o pico de infecções. Também foram registradas 19 mortes nas últimas 24 horas, elevando para 21.182 o número total de vítimas no país.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Parabéns ao Chile! Mostra como faz diferença ter um governo competente de um inepto como o nosso MINTOmaníaco!

    1. Qual o Presidente do Brasil? Não chega a um décimo da competência do presidente do Chile.

    2. Tem mais: o presidente de lá não é um negacionista e soube gerir a pandemia. O nosso nem máscara usa. Não serve nem de exemplo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Argentina, Chile, Peru entram na lista de países abertos para brasileiros

Foto: Diego Cupolo/Getty Images

Às vésperas do fim de ano, destinos queridinhos dos brasileiros, como Portugal e Estados Unidos, continuam fechados para o turismo. Contudo, as restrições vêm diminuindo aos poucos e há boas notícias, como a reabertura do Chile, Peru e Argentina.

A partir desta segunda-feira, 23, o Chile reabriu parcialmente suas fronteiras. Visitantes só podem entrar pelo Aeroporto Arturo Merino Benítez, em Pudahuel, perto de Santiago. Para embarcar em um avião com destino ao país, é preciso ter um teste PCR negativo feito 72 até horas antes, um seguro saúde que cubra condições relacionadas à Covid-19 e um documento chamado “Passaporte de Saúde”, disponível no site do governo.

Contudo, nas próximas próximas semanas – até o dia 7 de dezembro –, estrangeiros vindos de países de alto risco, segundo classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), devem fazer quarentena de 14 dias ao chegar ao país. O Brasil faz parte da lista.

A Argentina também concretizou um comunicado emitido no dia 30 de outubro, dizendo que suas portas seriam reabertas ao Brasil, Bolívia, Chile e Paraguai – mas apenas com destino à Grande Buenos Aires. Só é permitido circular pela Região Metropolitana da capital e, para garantir a entrada, é preciso apresentar exame PCR negativo, realizado até 72h antes do embarque.

Além disso, antes da crise política e do impeachment, o presidente peruano, Martín Vízcarra, havia prometido no início de setembro a reabertura das fronteiras a estrangeiros. O processo se concretizou em duas fases: no início de outubro, alguns países da América Latina, como Colômbia, Paraguai e Chile, receberam aval do Peru. Depois, a partir do dia 1º de novembro, México, Brasil, Argentina, Espanha e Estados Unidos ganharam a permissão.

Um dos protocolos de biossegurança é a obrigatoriedade do teste de PCR negativo, realizado no máximo 72 horas antes da chegada, para entrar no país. Na falta do comprovante, o turista deverá voltar ao país de origem fazer quarentena de 14 dias. Viajantes também estão sujeitos a triagem médica em aeroportos.

Segundo uma lista publicada na página da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), existem cerca de 70 países e territórios que não têm restrições expressas a entradas de viajantes brasileiros a lazer, em voos que partem do Brasil. A maioria deles exige, no entanto, algum tipo de testagem negativa para Covid-19 ou quarentena na chegada.

Como já estava determinado desde o início do segundo semestre, países como México, Turquia e as Bahamas, no Caribe, recebem turistas brasileiros sem muitas restrições.

O governo mexicano só exige o preenchimento de um formulário de “Fatores de Risco”, enquanto a Turquia continua a realizar triagem médica nos aeroportos – caso os viajantes apresentem sintomas, podem ser submetidos a testes e, depois, tratamento médico. As Bahamas, assim como a República Dominicana e a maioria das ilhas caribenhas, só exigem teste ao embarcar.

A Ucrânia, Bósnia e Herzegovina, Equador e Colômbia aceitam receber turistas brasileiros, desde que apresentem o teste negativo para Covid-19. O Egito também reabriu suas fronteiras, mas exige o teste PCR negativo – realizado com, no máximo, 72 horas de antecedência – e seguro saúde. Além disso, o turismo está limitado a resorts em três províncias litorâneas.

Já alguns países europeus, como Reino Unido e Irlanda, apesar de nunca terem barrado viajantes brasileiros, exigem o cumprimento de uma quarentena de 14 dias, com ou sem sintomas da Covid-19 (às próprias custas). Mesmo assim, voos das aéreas British Airways e Latam seguem com regularidade para o aeroporto britânico de Heathrow.

Na fechada União Europeia, apenas a Croácia aceita brasileiros, desde que comprovem reserva de hotel e apresentem teste PCR negativo realizado em até 48 horas antes do embarque. Só quem chegar sem o teste, ou com sintomas, precisa ficar em isolamento por 14 dias. Sérvia, Kosovo, Albânia e Macedônia do Norte também estão abertos aos brasileiros e sem exigências de quarentena.

Se o turista brasileiro cumprir quarentena em um país do bloco ou no Reino Unido, pode seguir viagem para outros destinos no continente. O mesmo ocorre nos Estados Unidos: embora os americanos só permitam a entrada de viajantes com cidadania ou visto de residência permanente, é possível fazer uma quarentena no México, por exemplo, e seguir para destinos como Miami ou São Francisco.

Mesmo tendo que adaptar os planos devido à pandemia, viajar torna-se cada vez mais possível à medida que as duras restrições são revisadas. Até na troca de Orlando por Istambul é possível encontrar consolo para este duríssimo 2020.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Agora que eles tem mais mortes por milhão de habitantes que o Brasil abrem a fronteira?
    E fazer o que nestes países, ficar trancado dentro de casa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Vaticano se manifesta sobre ataques de extremistas contra igrejas no Chile

Foto: Reprodução/Twitter

O Vatican News, serviço prestado pelo Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, finalmente, emitiu nota sobre ataque de extremistas a igrejas no Chile, nesse domingo(18).

“Contemplamos com tristeza as agressões, saques e ataques a lugares de oração, espaços sagrados dedicados a Deus e ao serviço solidário das pessoas. Dói-nos ver um templo patrimonial de Santiago destruído e que a destruição seja festejada”, diz manifestação no microblog Twitter.

O Vaticano ainda destacou nota – “Cidadãos não se deixarão intimidar por ameaças de violência, dizem bispos chilenos”. Confira abaixo:

“Contemplamos com tristeza as agressões, saques e os ataques a lugares de oração, espaços sagrados dedicados a Deus e ao serviço solidário das pessoas. Dói-nos ver um templo patrimonial de Santiago destruído e que a destruição seja festejada. Às comunidades da paróquia de La Asunción e à igreja institucional de Carabineros de Chile expressamos nossa especial proximidade.”

Em nota assinada pelo presidente da Conferência Episcopal do Chile, Dom Santiago Silva Retamales, e pelo secretário geral, o arcebispo de Puerto Montt, Dom Fernando Ramos Pérez, os bispos chilenos deploram e condenam os ataques contra igrejas no centro de Santiago, nas manifestações que reuniram milhares de pessoas na Plaza Italia, no âmbito do primeiro aniversário da onda de protestos, que começou contra o aumento das passagens do transporte público e se estendeu para reivindicações mais amplas. Foram os mais graves protestos desde o fim da ditadura militar (1973-1990).

Encapuzados atacaram inicialmente a Igreja de São Francisco Borja, usada pelos Carabineros e já atacada em outro protesto. O templo foi saqueado e algumas imagens foram levadas para a rua onde foram queimadas.  O incêndio no prédio foi debelado pelos bombeiros antes de provocar maiores danos. Os manifestantes, então, dirigiram-se para a Igreja La Assunción, uma das mais antigas do centro de Santiago, depredando o que encontraram e ateando fogo no templo com mais de um século de história. A cúpula pegou fogo e desabou, o que foi festejado pelos manifestantes.

“Esses grupos violentos – afirmam os bispos no comunicado – contrastam com muitos outros que se manifestaram pacificamente. A grande maioria do Chile anseia por justiça e medidas eficazes que contribuam para superar as lacunas de desigualdade; eles não querem mais corrupção nem abusos, esperam um tratamento digno, respeitoso e justo.”

A  nota enfatiza que “esta maioria não apoia nem justifica as ações violentas que causam dor a pessoas e famílias, prejudicando comunidades que não podem viver sossegadas em suas casas ou no trabalho, amedrontadas por aqueles que não buscam construir nada, mas sim destruir tudo”.

Em vista do plesbiscito convocado para o próximo domingo, 25 de outubro, para decidir pela abertura ou não de um processo constituinte para substituir a atual Constituição, herdada da ditadura e considerada como origem das desigualdades existentes no país, os bispos afirmam que “os cidadãos que desejam justiça, probidade, superação das desigualdades e oportunidades para podermos nos levantar como país, não se deixarão intimidar pelas ameaças de violência e estarão presentes para cumprir sua responsabilidade cívica. Nas democracias, nos expressamos com o voto livre em consciência, não sob a pressão do terror e da força.”

A nota conclui com um apelo para que todos contribuam, “a partir dos próprios espaços familiares, no trabalho e nos espaços sociais, com uma reflexão que nos permita tomar suficiente distância da violência irracional e nos aproximar da amizade cívica”, citando o Papa Francisco que recorda na Encíclica Fratelli Tutti que “somente cultivando o amor como forma de nos relacionarmos tornaremos possíveis a amizade social que não exclui ninguém e a fraternidade aberta a todos”. A partir desta atitude de fraternidade, poderemos expressar-nos com respeito, participar sem medo da democracia e concorrer na busca do bem comum.”

Com Vatican News

Opinião dos leitores

  1. Estamos esperando o Sumo pontífice se manifestar sobre esses incêndios escabrosos no Chile , mas até agora nada!

  2. Realmente o silencio do Pontífice diante muitos acontecimentos é intrigante. Não é uma questão de dar satisfação nem prestar contas mas a maneira que as coisas são tratadas ou não tratadas deixa margem para questionamentos dessa natureza.

    A Esquerda pode não ser a autora ou responsável por esses ataques que aumentam ano após ano, mas ao mesmo tempo ela tem sido acolhedora, de proximidade conveniente e omissa diante de tais acontecimentos.

    A simpatia de nosso Papa por essa corrente é notória, mas até aí não há problema algum pois ele é e representa algo muito maior. O Sumo Pontifice ou qualquer outro guardião da nossa Fé não deve se moldar às nossas preferências ou simpatias.

    A Igreja Viva nunca vai parar de ser perseguida neste mundo, isso é um dos muitos sinais de sua autenciticidade e fidelida ao nosso Senhor Jesus Cristo, mas isso não quer dizer que será passiva ou omissa a atos como este. Eu realmente esperava algum comentário do proprio Pontifice para seu rebanho especificamente.

    1. Realmente uma fala direta do papa serviria de resposta aos críticos, como assunto para debates e também como conforto para as comunidades do mundo inteiro porém, as comunidades locais foram atendidas pelos bispos das dioceses e pelo núncio apostólico que representa pessoalmente o papa mais nós queremos vê-lo. Nunca ouvi o papa falar a favor do comunismo mais sempre o ouvi falar no Amor ao próximo, no cuidado com o menos favorecido, na santificação e unidade de todo povo Cristão coisas que ele viveu durante seu ministério sacerdotal, ademais ele sabe que há muito jogo político por trás de tudo isso talvez ele não esteja falando de viva voz para todos mais muitos estão a escutar…

  3. O papa é comunista só está preocupado com as queimadas do amazonas, ou seja as riquezas debaixo da terra. Não veio a público dizer uma só palavra em favor aos cristãos, e nem repudiou os ataques a cristão da xhina

  4. Agora Papa vem se manifestar, a igreja sempre não foi tão aliada da esquerda sebosa, como troco ela faz isso. Sem contar no carnaval do ano passado que colocou Jesus como homossexual e Maria como prostituta. Essa esquerda sebosa só quer destruir a família e as instituições.

  5. A estratégia de marketing reverso está senda usada em todo o mundo. O jogo de futebol com a cabeça parece ser um exemplo de marketing reverso, onde a vítima do suposto ataque do opositor sai sempre ganhando politicamente. Se cria uma situação de vítima de ataque para se fortalecer junto à opinião pública. As Sementes da China parece jogo de interesse comercial. Tem gente que diz que é direita, mas planta, produz e dispara fakes. O fato existiu….só não se sabe quem produziu…..??????

  6. Ora, este senhor, Jorge Bergoglio, vulgo papa Francisco, não tem do que reclamar. Quem tocou fogo nos templos católicos chilenos foi a esquerda que ele e a CNBB fazem parte e tanto defendem. Este é o resultado dos princípios pregados por Marx, Engels, Gramsci, Stalin, Fidel Castro, Mao Tsé Tung, e que a caterva esquerdista brasileira segue à risca.

    1. E a direita imunda é expert em infiltrar fascistas para promover atos terroristas para incriminar a esquerda.

    2. A esquerda saí detonando com os seus antifas, blackblocks a afins e culpa é da direita.
      Tá 'serto.'

    3. Antônio Turci, você é muito desinformado mesmo. No mínimo deve ser telespectador do Jornal Nacional.
      Em todos os jornais que falam do episódio, nenhum menciona que esse vandalismo foi provocado pela esquerda e sim por um pequeno grupo de encapuzados infiltrados nas manifestações.
      Fique sabendo você que o comunista Daniel Jadue, foi insultado e ameaçado. Conforme diversas pesquisas apontam Jadue é a figura de oposição da esquerda e centro-esquerda mais bem posicionada em relação à eleição presidencial que ocorrerá em 2021. Por aí dá para se supor que a direita no seu desespero planejou todos esses ataques para incriminar e desestabilizar a campanha de Daniel Jadue. Se informe melhor antes de vir criticar o Papa Francisco, uma das figuras mais emblemáticas da atualidade.

    4. Manoel,
      Não seria mais lógico reconhecer que nos ataques há pessoas que estão pondo em prática orientações de ideólogos da esquerda como Lenin e Gramci? Pesquise o que eles disseram sobre lutar contra a cultura cristã.

  7. A igreja tem colhido o que planta…. E o país que foi maravilhoso e ainda pode ser, pode ficar pior com essa tendencia esquerdista e autoritaria, pois toda esquerda é autoritaria na sua essencia, e se esconde num manto de mentiras. Pobre Chile.

    1. Foi maravilhoso, quando?
      Quando matou milhares de civis e torturou também?
      Já estive lá 2 vezes, e os chilenos têm horror a Pinochet!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEOS: Manifestantes extremistas de esquerda incendeiam igreja no Chile

Foto 1: CLAUDIO REYES / AFP; foto 2: MARTIN BERNETTI / AFP

Milhares de manifestantes se reuniram neste domingo (18) na Praça Itália, no centro de Santiago, no Chile, para uma manifestação que terminou em confronto com a polícia e vandalismo.

O ato foi organizado para celebrar o primeiro aniversário do início dos protestos no Chile, que exigiam maior igualdade social e reformas no Estado.

Depois de um início pacífico, à tarde foram registrados atos de violência. Mais de 15 estações de metrô foram temporariamente fechadas em meio aos tumultos.

Manifestantes atacaram uma sede da polícia e a igreja da Assunção, que foi incendiada.

​O fogo provocou o desabamento da torre sineira do edifício, e sete corpos de bombeiros da capital trabalharam para controlar o incidente.

O momento exato em que a cúpula da Paróquia da Assunção cai após ser consumida pelo fogo.

A polícia de Santiago prendeu dez pessoas por suposta participação no evento e estimou que o comício deste domingo (18) atraiu cerca de 25 mil manifestantes, bem menos do que os maiores protestos de 2019.

Protestos em 2019

As manifestações do ano passado, que eclodiram no dia 18 de outubro, levaram milhões de chilenos às ruas para pedir reformas nos sistemas de pensões, saúde e educação.

Em meio aos episódios de saques, motins e incêndios nas estações de metrô, o governo chileno decretou estado constitucional de exceção para deixar a segurança da capital nas mãos dos militares, o que não acontecia desde a ditadura de Augusto Pinochet.

Sputnik Brasil

Opinião dos leitores

  1. Disse a esses mininos do MSF (movimento dos Sem Fosco), que ficasse na Amazoinha, aí vão pru xile, se meter na vida alêia, bandi besta.

  2. Isso me parece a estratégia do marketing reverso que vem sendo usado pela direita. Vide BR e USA.

    1. Os comunas tocam o terror e a culpa é da direita.

  3. Onde há comunismo as pessoas vivem bem.
    Onde as pessoas vivem bem não há comunismo.
    É nisque dá décadas de lavagem cerebral nas universidades.
    Formam jovens com merda na cabeça.
    Gleise Hoffman apoia esse pessoal.
    Foi até lá para parabenizar há um ano.
    E disse que desejava esse tipo de bagunça no Brasil.
    Esquerda é bagunça.

    1. Cara vc ñ sabe nem o que é comunismo. Comunismo nunca existiu em nenhum país, o que se tem são regimes totalitários de esquerda que se apoderam do termo comunismo mas ñ praticam em nada o que se define como comunismo.

    2. Comunismo, como movimento, é só… um movimento.
      Não é um lugar a se chegar. Igualdade plena é uma inviabilidade material, lógica, mental, espirtual, econômica. Pesoas são diferentes em aspectos voluntários e involuntários. Comunismo hoje é uma 'cenoura de burro' , usada para que massas ajudem a concentrar poderes, se valendo das pautas identitárias. Tudo é uma quimera feita para motivar imbecis cheios de inveja que precisam de um discurso racionalizador para se lidar com esse sentimento mal resolvido. Enquanto isso concentram poderes em Georges Soros dos vida.

  4. Venezuela, chile, Argentina, o comunismo avançando e ainda tem gente que não quer enxergar, esquerda é uma coisa! comunismo é outra que usa a esquerda para ocupar espaços, O Brasil se livrou de uma ladeira sem fim , mais ainda é muito cedo para dizer que estamos livres, basta ver predizes de ditadores que com o curso intensivo durante a pandemia já demostraram seu intimo e sua vontade de poder e destruição, e ainda falam em defesa da Democracia, o que é justamente ao contrário!!

    1. Você destilou um texto bem bom com relação a esquerda, opinião sua, OK!
      Agora me diga, desde quando a direita é sinônimo de riqueza e progresso?

    2. Desde quando passou a se identificar com liberdade econômica e respeito aos pactos e direitos de propriedade. Isso tornou os países ricos, a ponto de começarem a dazer graça no welfare.

    1. Isso é vandalismo, isso é desrespeito as outras religiões. Ato abominável!
      Atos assim, não representam o pensamento de alguns de direita, ou de esquerda.

    2. Parece que o Chile está voltando ao "normal" segundo alguns esquerdistas por aqui…

    3. A esquerda detesta o cristianismo.
      O papa fala mal de Bolsonaro, mas não critica isso.
      Nos Estados Unidos, a esquerda incendeia delegacias de Polícia.
      Esquerda é bagunça.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Chile decreta lockdown em Santiago após explosão de casos de covid-19

© Reuters/Ivan Alvarado/Direitos Reservados

O Chile decretou bloqueio total para a região metropolitana de Santiago, capital do país. A medida entrará em vigor às 22h desta sexta-feira (15) e afetará 7,5 milhões de habitantes, que só poderão sair para comprar alimentos e remédios ou ir ao hospital. Para sair às ruas, os cidadãos terão que apresentar licenças temporárias individuais. Para trabalhar, será necessário um salvoconduto. Todos os idosos do país com mais de 75 anos devem ficar em isolamento obrigatório.

O Chile, que há um mês registrava uma média de 400 novos casos diários, registrou nesta semana 2.660 casos em apenas 24 horas, de acordo com informe divulgado pelo Ministério da Saúde chileno ontem (13).

O país havia preparado um “retorno seguro” às atividades, mas a explosão de casos do novo coronavírus fez com que o país tivesse que mudar de rumo. Anunciado no dia 24 de abril, o Plano Retorno Seguro consistia em uma retomada gradual e por etapas das atividades e das escolas e universidades. À época, o país registrava pouco mais de 12 mil casos e 174 mortes. Hoje, os casos confirmados ultrapassam os 34 mil e são 346 mortes até agora.

Agora, com o dobro do número de mortes, o governo chileno optou pelo bloqueio total, ou lockdown (termo em inglês usado para situações em que todas as atividades são suspensas, exceto as consideradas essenciais). É uma medida mais drástica, para tentar conter a disseminação do vírus.

O confinamento obrigatório impactará cerca de 70% das atividades da região metropolitana de Santiago. O governo informou que 14 mil efetivos das forças armadas e da polícia estarão nas ruas para garantir o cumprimento do toque de recolher, vigente das 22h às 5h, em todo o território nacional, e das medidas sanitárias de isolamento.

Cordão sanitário

Nos limites da região metropolitana de Santiago serão feitos cordões sanitários para impedir o trânsito e diminuir o risco de que a doença se espalhe a outras cidades.

O isolamento obrigatório será implementado nas 32 cidades da região metropolitana de Santiago, além de outras 6 cidades vizinhas, que são: San Bernardo, Buin, Puente Alto, Padre Hurtado, Lampa, Colina. As cidades de Iquique e Alto Hospicio, na região de Tarapacá, também estão incluídas.

“A batalha por Santiago é a batalha crucial na guerra contra o coronavírus. E é por isso que temos que suplicar, implorar, que levemos a sério todas as medidas necessárias. Que a população tenha o melhor espírito de compreensão e, acima de tudo, de colaboração, porque, de fato, o mês de maio está sendo muito duro em nosso país”, afirmou Jaime Mañalich, ministro da Saúde do Chile.

Mañalich afirmou que a quarentena obrigatória, antes para maiores de 80 anos, amanhã será regra para os maiores de 75 anos. O ministro disse que a medida é fundamental, já que 25% dos falecimentos aconteceu nessa faixa etária.

Internações e testes

Atualmente, 621 pacientes estão internados, dos quais 538 estão em ventiladores mecânicos e 118 deles estão em estado crítico. Mañalich afirmou que o país tem 553 ventiladores mecânicos disponíveis e que, nas próximas 48 horas, receberá mais aparelhos.

O Chile fez, até o momento, mais de 313 mil testes, cerca de 10,5 mil por dia nos últimos dias. Perguntado sobre a disponibilidade de insumos para as análises laboratoriais, Mañalich afirmou que o país comprou “um número importante de exames PCR para manter o ritmo de testagem que estamos tendo”.

O ministro explicou que o alto número de testagens levou alguns laboratórios privados a ficarem sem insumos e a priorizarem os testes para pessoas com casos sintomas graves, mas que o problema deve ser resolvido nos próximos dias

Alguns especialistas avaliam que o país terá um retração de 8,5% a 11% no segundo trimestre deste ano. O Fundo Monetário Internacional prevê uma retração de 4,5% no Produto Interno Bruto (PIB) do Chile em 2020.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Parabéns para eles chilenos que tem um presidente, pena para nós que colocamos na cadeira uma pessoa que não liga para o povo e sim para as vontades dele e de sua família.

    1. Vai pra lá. Maior exemplo do fracasso neoliberal depois da Argentina. Vá correndo e mugindo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Dólar abre em queda, a R$ 4,18, repercutindo dados da balança comercial e de olho no Chile

Foto: Ozan Kose / AFP

O dólar devolvia as quedas do início da manhã e avançava contra o real nesta sexta-feira, em sessão volátil marcada pela formação da Ptax, com os investidores de olho na decisão do banco central chileno de intervir no câmbio local.

Às 10h46m, a moeda americana avançava 0,08%, a R$ 4,2193 na venda. No entanto, na mínima do pregão, chegou a tocar os R$ 4,1829.

Na véspera, o dólar à vista fechou em queda de 1,00%, a R$ 4,2160 na venda, apoiado por atuações cambiais extraordinárias do Banco Central do Brasil e pela revisão para cima da balança comercial doméstica .

O contrato mais negociado de dólar futuro tinha alta de 0,67% nesta sexta-feira, a R$ 4,218, tendo registrado queda acentuada no dia anterior após o banco central do Chile anunciar que intervirá no mercado de câmbio com vendas de até US$ 20 bilhões, em meio ao recente colapso da moeda local, o peso, devido à incerteza social que o país está enfrentando. A intervenção ocorrerá a partir de segunda-feira e até maio do próximo ano. O peso do Chile abriu em alta de 3,33% nesta sexta-feira, a 801,50/801,80 por dólar.

No entanto, o dólar reverteu seu curso e passava a subir contra o real no mercado interbancário nesta sessão, o que, segundo Cleber Alessie Machado, operador da H.Commcor, deve-se à formação da Ptax, evento que tradicionalmente adiciona volatilidade aos negócios.

“No último dia útil sempre há formação da Ptax, e sempre há brigas”, disse. “Por conta dessa mudança drástica na cotação que vimos ao longo deste mês, a disputa promete ser intensa. Hoje vamos ter muitos movimentos técnicos e especulativos sem nenhuma manchete relevante.”

Em novembro, a moeda norte-americana acumulou ganhos fortes contra o real, por motivos que variam da decepção com os leilões de excedentes da cessão onerosa às tensões políticas no Brasil e na América Latina. Apenas nesta semana, o dólar registrou três máximas recordes seguidas para fechamento, defendendo posição acima dos 4,20 reais.

Diante da disparada recente da divisa dos EUA, o Banco Central anunciou quatro leilões extraordinários esta semana, em tentativa de controlar um comportamento exagerado da taxa de câmbio.

Machado, quando perguntado se as intervenções do BC devem permanecer, disse que a instituição “só tem que garantir bom funcionamento do mercado. Recentemente, viu excesso e atuou. Se o BC voltar a ver que o mercado está ficando disfuncional, ele vai voltar a atuar de novo”.

No exterior, o dólar ganhava contra as principais moedas, registrando alta de 0,14%. Divisas emergentes pares do real, como a lira turca e o peso mexicano, recuavam contra a divisa norte-americana.

O Ibovespa não mostrava um viés firme nesta sexta-feira, último dia útil de novembro, com Via Varejo mais uma vez entre os destaques positivos em dia de Black Friday, assim como Usiminas, em meio a cenário de nova alta nos preços do aço, enquanto Petrobras e Vale pressionavam negativamente. Às 11h30m, o Ibovespa caía 0,1%, a 108.185,49 pontos. O volume financeiro somava R$ 2,5 bilhões.

Wall Street voltava a funcionar nesta sexta-feira, mas com sessão mais curta, o que tende a afetar novamente a liquidez das operações na bolsa brasileira.

A ação ON da Via Varejo avançava 2,91%, engatando a sétima sessão consecutiva de valorização, enquanto as rivais Magazine Luiza caía 0,53% e B2W ON subia 0,44%. A sessão é marcada pelo começo da data promocional Black Friday, que tende a se estender pelo fim de semana.

Já Usiminas PNA subia 4,27%, em sessão com encontro da empresa com analistas e investidores, com a equipe do Itaú BBA destacando que a companhia anunciou aumento de 5% para os preços de aço a partir de janeiro. Na esteira, CSN avançava 3,09%.

Também em terreno positivo, o papel PN do Itaú Unibanco tinha acréscimo de 0,09%, com o setor bancário ainda sensível ao noticiário de Brasília. Após mudanças no cheque especial, o Banco Central pretende implementar no fim de 2020 a primeira fase do open banking. Bradesco PN subia 0,03%. Na semana, esses papéis caem cerca de 3% e 1,8%, respectivamente.

Em terreno negativo, Petrobras PN caía 0,75%, em sessão de queda dos preços do petróleo no mercado internacional. Vale ON recuava 0,54%, ajudando a enfraquecer o Ibovespa, em movimento similar de outras mineradoras no exterior

O Globo

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Chile convoca reservistas das Forças Armadas para conter manifestações

FOTO: JOSE LUIS SAAVEDRA

Militares da reserva das Forças Armadas do Chile foram convocados para reforçar o trabalho durante protestos que ocorrem em Santiago desde a semana passada. O decreto que autoriza a convocação de reservistas foi publicado ontem (23) pelo deputado do partido de oposição Frente Amplio Miguel Crispi, em sua conta no Twitter. O ministro do Interior, Andrés Chadwick, confirmou a veracidade do documento.

Para Miguel Crispi, o documento é preocupante e delicado. Ele disse que o país não está em guerra e que o governo deve dar explicações sobre o incremento de militares nas ruas.

O decreto, da Subsecretaria de Forças Armadas, permite a possibilidade de prolongar o estado de emergência por até 13 dias e a convocação de reservistas.

O ministro Andrés Chadwick disse que a decisão é das próprias Forças Armadas. “As Forças Armadas podem chamar as suas reservas, não apenas para reforçar, mas também deve-se entender que as jornadas têm sido muito longas, muito duras, e que o pessoal [mobilizado] necessita ter seu devido descanso, e por isso, eu imagino, o chefe [da Defesa Nacional] terá que explicar as suas razões”.

O jornal chileno La Tercera informou que fontes do Exército disseram que a convocação dos reservistas foi pensada para “estar nas unidades militares com trabalho administrativo e de apoio logístico para não atrasar a papelada e para funcionar bem no dia a dia”. A mesma fonte informou que não foi convocada toda a reserva, mas apenas algumas pessoas, de maneira progressiva. O objetivo do decreto seria enviar militares do serviço ativo das Forças Armadas para agir na segurança das ruas, enquanto os reservistas assumiriam o trabalho administrativo.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, afirmou que “o governo, em conversas com os chefes da Defesa Nacional, está trabalhando em um plano de normalização na vida de nossos compatriotas, que está em marcha e se traduz em ir reduzindo os períodos afetados pelos toques de recolher. Queremos terminar com o toque de recolher e suspender o estado de emergência”.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Exército era para ser somente contra ameaças estrangeiras, pena que os governantes ameacem o povo com eles. Se tivesse mandando os militares contra os caminhoneiros, duvido que eles tivessem tido a mesma atitude com o governo atual.

    1. Maduro é um tirano que está acabando com o país. Não tenho ditador de estimação.

  2. Viva o povo Chileno e Equatoriano, foram para ruas por causa de aumentos de combustíveis , impostos e sacanagem desses políticos safados, coisa que muitos Brasileiros não tem coragem de fazer.

    1. Quebrar tudo por causa de uma bala de hortela?? bem que o valor de uma bala de confeito é maior que o reajuste de 16 centavos de real da passagem, apos 10 anos de congelamento. Tem cheiro de ideologia bandida financiada por bandidos. Aqui fizeram a mesma coisa na era petista, por causa de 20 centavos. Quem tem interesse em derrubar governos na AL?

    2. Joãozinho faltou a escola e fez juz as piadas que contam dele. Não tem um pingo de visão além do nariz. Ninguém saiu às ruas pra protestar por uma bala de hortelã. Engole você essas balas: 50% dos aposentados com menos de 700 reais por mês, taxas educacionais impagáveis, 0 de saúde pública. Há de se desconfiar de ideologias bandidas em qualquer movimento, nesse, assim como no de 2013, a ideologia que se apoderou foi a que levou o estorvo a presidência.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pelo menos 11 pessoas morrem durante protestos e mais de 1400 são detidas no Chile

Foto: Reuters/Edgard Garrido/Direitos Reservados

A prefeita da região metropolitana de Santiago do Chile, Karla Rubiar, confirmou nesta segunda-feira (21), em uma coletiva de imprensa, que o número de mortos nos confrontos subiu para 11. A polícia chilena (Carabineros de Chile) informou que 819 pessoas foram detidas ontem (20) e que 67 policiais foram feridos. Desde o início dos confrontos, mais de 1400 pessoas foram detidas.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, disse ontem: “Estamos em guerra contra um inimigo poderoso, que está disposto a usar a violência sem nenhum limite. Eles estão em guerra contra todos os chilenos que querem viver em democracia”, afirmou.

Os protestos se iniciaram na última quinta-feira (17) após um aumento no preço da passagem do metrô foi o estopim para a crise. Mesmo após o presidente Piñera revogar o aumento, os protestos continuaram. Manifestantes reclamam também da desigualdade social, e dos altos preços de serviços de saúde e educação e dos baixos salários.

As manifestações violentas levaram o governo a decretar toque de recolher. Santiago do Chile, a capital do país, e outras 4 regiões proibiram o livre trânsito de pessoas entre as 19h e 6h da manhã. Não havia toque de recolher no Chile há mais de 30 anos, desde a ditadura de Augusto Pinochet.

Diversos incêndios e barricadas foram registrados durante todo o fim de semana, lojas e supermercados foram invadidos e depredados. Quase 10 mil membros das Forças Armadas foram às ruas, após o presidente decretar estado de emergência na madrugada de sábado (19).

As aulas do ensino infantil, Fundamental e Médio foram suspensas e o serviço de transporte funciona parcialmente. O aeroporto de Santiago também foi afetado e há diversos voos atrasados e cancelados. O ministro do Trabalho, Nicolás Monckeberg, solicitou compreensão e flexibilidade nos horários de entrada e saída dos trabalhadores e afirmou que um atraso não configura razão para demissões.

Guerra

Apesar da declaração de Piñera sobre o país estar em guerra, o general do Exército Javier Iturriaga, responsável pela ordem e segurança em Santiago, afirmou hoje (21) que “não está em guerra com ninguém”.

O senador de oposição, Ricardo Lagos Weber, também se manifestou contra a afirmação do presidente. “Presidente Sebastián Piñera, não assuste os cidadãos! Não estamos em guerra. Enfrentamos uma crise política, mal conduzida pelo Governo, cujo tema de fundo é a desigualdade. Essas declarações não ajudam a criar um clima de entendimento”, disse, na noite de ontem (20).

Desigualdade

De acordo com o relatório “Panorama Social de América Latina” da Comissão Econômica da América Latina e Caribe (Cepal), 1% da população chilena concentra 26,5% da riqueza. O informe diz ainda que 66,5% dos chilenos têm apenas 2,1% do capital.

Agência Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Sequestrador do publicitário Washington Olivetto será extraditado para o Chile

Foto: Robson Fernandes/Estadão Conteúdo

Maurício Hernández Norambuena, condenado a 30 anos de prisão no Brasil pelo pelo sequestro do publicitário Washington Olivetto em 2001, será extraditado para o Chile nas próximas semanas.

A extradição foi confirmada nesta segunda-feira (19) pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Antes de vir ao Brasil, Norambuena tinha outras duas condenações à prisão perpétua no Chile: uma pelo assassinato do senador Jaime Guzmán, aliado do ditador Augusto Pinochet, e outra pelo sequestro de Cristián Edwards, herdeiro do jornal El Mercurio, ambos em 1991. Veio para o Brasil após fuga de presídio de segurança máxima no Chile em um helicóptero, classificada como “cinematográfica”.

Desde que foi preso no Brasil, em 2002, o Chile pedia a extradição, mas não concordava em manter no Chile a pena brasileira, limitada a 30 anos. De acordo com o Ministério da Justiça, houve agora um comprometimento formal do governo do Chile com a não execução de penas não previstas na Constituição Brasileira. Dentre elas prisão perpétua e pena de morte.

R7

Opinião dos leitores

  1. O sujeito é um criminoso condenado nos dois países. Ocorre que as condenações no Chile foram anteriores à brasileira e a penas mais duras. Em tese, portanto, cumprindo as condenações brasileiras estaria cumprindo a brasileira. A justiça daqui é muito complacente com criminosos. E isso é um grande problema.

  2. Desde 2002 que a extradição do bandido chileno era negada? Quais os presidentes de não permitiram a extradição do sequestrador e condenado, podem nominar? Quanto esse condenado a prisão perpétua gerou de prejuízo aos cofres públicos? Qual a razão de manter um condenado dando despesa no Brasil? Poderiam responder…

    1. a propria materia cita porque nao havia sido extraditado ainda.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

AS MENINAS SUPER PODEROSAS – (FOTOS): Potiguares conquistam dois ouros e uma prata no Sul-Americano de Judô no Chile

Fotos: Divulgação

Nesse domingo(18), foi realizado na cidade de Santiago, no Chile, o Campeonato Sul-Americano de Judô 2019 sub-15, para atletas entre 13 e 14 anos. Na competição, o Rio Grande do Norte apresentou a sua impressionante safra de grandes talentos e conquistou três importantes medalha no feminino, sendo 2 ouros e 1 prata.

Na categoria até 40 kg, Ana Luísa Lopes conquistou a prata. Nas categorias até 44 kg, Ana Beatriz Feitosa; e até 48 kg, Eduarda Bastos, celebraram o ouro. Todas elas atletas do Judô Clube Nagashima Futuro Campeão do Sensei Alexandre Magno.

Para o leitor do Blog, um rosto familiar: a atleta Ana Beatriz Feitosa, de 13 anos, que agora coleciona oito conquistas no judô e jiu-jitsu brasileiro nos últimos cinco meses. Essa união das artes marciais, inclusive, tem sido um diferencial para sua evolução técnica.

Foto: Montagem/Arquivo pessoal

Promessa do judô nacional, Ana Beatriz Malta Feitosa, (terceira garota na foto), também é realidade no jiu-jitsu potiguar. Faixa verde da Gracie Barra Natal e aluna do professor Itácio Lisboa, realizou três grandes feitos no último semestre: o topo nos campeonatos paraibano e Brasileiro(em Barueri, em São Paulo pela CBJJ 2019), e ainda o título do Nordeste Open, a principal competição nesta arte marcial na região, e, atualmente, uma das mais importantes do país.

No judô, antes do ouro neste fim de semana, havia conquistado o vice-campeonato nacional (etapa final), no Rio de Janeiro, e acumula nos últimos meses três topos: campeão estadual; campeã Brasileira da Região II; e Campeã da Copa Aracaju.  Em seu próximo desafio, a dourada potiguar se prepara para o Pan Americano em novembro no México.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

TRAGÉDIA (FOTOS): Família de brasileiros morta no Chile tinha viajado para comemorar aniversário da filha

Família morreu em apartamento em Santiago, no Chile — Foto: Noemi Fortunato Nascimento/Arquivo Pessoal

A identidade dos seis brasileiros encontrados mortos em um apartamento em Santiago, no Chile, nesta quarta-feira (22), foi informada nesta quinta por uma parente da família. Cinco das vítimas eram catarinenses e uma, goiana. A polícia ainda não confirmou oficialmente os nomes.

Bombeiros chilenos suspeitam que um vazamento de gás tenha causado as mortes. O prédio todo, no Centro da capital chilena, foi esvaziado durante as operações.

De acordo com a Polícia Civil de Santa Catarina, a família estava em Santiago para comemorar o aniversário de um dos filhos, Caroline Nascimento de Souza, que completaria 15 anos nesta sexta-feira.

Um casal e os dois filhos adolescentes moravam em Biguaçu, na Grande Florianópolis. O segundo casal, formado pelo irmão e a cunhada da mãe da primeira família, morava em Hortolândia, no interior de São Paulo.

As vítimas eram:

Fabiano de Souza, 41 anos (pai dos adolescentes e marido de Débora)
Débora Muniz Nascimento de Souza, 38 anos (mãe dos adolescentes e mulher de Fabiano)
Caroline Nascimento de Souza, que completaria 15 anos nesta semana (filha de Fabiano e Débora)
Felipe Nascimento de Souza, 13 (filho de Fabiano e Débora)
Jonathas Nascimento Krueger, 30 anos (catarinense irmão de Débora e marido de Adriane)
Adriane Krueger (goiana mulher de Jonathas)

As informações foram repassadas por Noemi Fortunato Nascimento, prima de Jonathas e Débora.

“O irmão da Drica está indo hoje para lá. Por enquanto, ainda não sabemos como será o translado, estamos aguardando por mais informações”, explica a prima.

Jonathas e Adriana foram encontrados mortos no Chile — Foto: Noemi Fortunato Nascimento/Divulgação

Mãe de vítimas morreu

O advogado da família catarinense, Mirivaldo Aquino de Campos, também confirmou a identidade das vítimas.

Ele também contou que, nesta madrugada, a mãe de Jonathas e Débora morreu em Florianópolis. O velório começou nesta manhã.

“Vamos primeiro enterrar a mãe depois vamos ver o que fazer”, disse o advogado da família catarinense.

Ainda de acordo com a prima Noemi, a família também está recebendo informações do caso através de amigos de trabalho de Jonathas, que moram em São Paulo e estão em contato com a polícia chilena.

Segundo o Itamaraty, um diplomata do Consulado do Brasil em Santiago foi alertado por um delegado brasileiro do incidente com a família. O delegado teria sido avisado no Brasil por parentes das vítimas. A imprensa chilena informou que o diplomata foi o responsável por acionar a polícia.

O comandante da polícia chilena, Rodrigo Soto, disse ao jornal “El Mercurio” que os policiais encontraram um forte cheiro do gás quando entraram no apartamento. Bombeiros ainda fazem perícia para comprovar o vazamento.

O edifício onde ocorreram as mortes fica na esquina das ruas Santo Domingo e Mosqueto, na região conhecida como Bellas Artes, Centro de Santiago. As autoridades ainda não sabem o que causou o vazamento nem por quanto tempo as vítimas respiraram o gás.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Primeira viagem internacional de Bolsonaro será ao Chile

A primeira viagem internacional do futuro presidente da República será ao Chile, confirmou hoje (29) o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que tem feito o trabalho de articulação política de Jair Bolsonaro. Segundo o parlamentar, indicado para a Casa Civil, o compromisso foi acertado com o presidente chileno Sebastián Piñera.

Lorenzoni aposta que a parceria com o país vizinho vai impulsionar um projeto de crescimento da região. “Podem ser irmãos na luta para construir o desenvolvimento.” Outra viagem ao exterior que está na programação é para os Estados Unidos.

O parlamentar disse que Bolsonaro quer conversar com o presidente norte-americano, Donald Trump, que ontem (28) telefonou para o presidente eleito para parabenizá-lo.

Lorenzoni lamentou o que chamou de “campanha de desconstrução da imagem” de Bolsonaro ao longo da campanha e reforçou que o Brasil terá um governo constitucional e que as instituições estão seguras.

Brasília

Onyx Lorenzoni tem se debruçado, nos últimos dias, mesmo antes da conclusão da eleição, a estudar as orientações para o trabalho de transição. Há dois dias chegou a se reunir com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) para levantar informações sobre a estrutura administrativa do governo.

O futuro ministro de Bolsonaro tem se empenhado também em tentar convencer o presidente eleito a permanecer mais alguns dias no Rio de Janeiro. Ele assegura, contrapondo informações de outros aliados, que o pesselista só irá a Brasília na próxima semana e as atividades e conversas com a equipe de Michel Temer só devem começar no dia 5.

Hoje a equipe não tem compromissos e pretende descansar. Lorenzoni afirmou que amanhã (30), pela manhã, deverá ocorrer uma reunião com nomes próximos ao presidente eleito para “cuidar das coisas básicas administrativas”.

Porém, há aliados que afirmam que ele se prepara para vir para Brasília nesta terça-feira. Bolsonaro tem que definir o grupo que irá participar da transição no escritório montado no Centro Cultural Banco do Brasil, na capital. Ele pode indicar até 50 pessoas, mas a aposta é que a equipe não passe de 20 nomes que precisam constar no Diário Oficial depois de confirmados.

A expectativa do futuro ministro é que até sexta-feira (2) todos os detalhes estejam confirmados.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Esse Onyx não é aquele ex-deputado que está envolvido em corrupção, inclusive na lavajato??? O Mito não disse que seria contra corrupção

  2. Faça como Robinson. Viaje a Colombia e traga o modelo de segurança publica de la para ca. Deu supercerto.

  3. Espero que ele traga o modelo chileno de segurança pública para o Brasil, já que é referência de eficiência na América Latina.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Tribunal dá ao Peru parte do Pacífico que pertencia ao Chile

Em decisão histórica, o Tribunal Internacional de Justiça decidiu conceder parte do oceano Pacífico, que estava sob o domínio do Chile desde os anos 1950, ao Peru.

No entanto, os peruanos não conseguiram os 35 mil km² de território no oceano Pacífico pedidos na apresentação da ação em Haia, em 2008.

A fronteira entre os dois países foi fixada por dois tratados, de 1952 e 1954. Os documentos estabeleciam que a linha divisória começaria no paralelo 18º21’00” S. No entanto, Santiago entendia que a linha paralela à coordenada era de seu domínio, enquanto Lima defendia que fosse traçada uma linha equidistante ao sul.

Na decisão oficial, foi determinado que as primeiras 80 milhas seguirão a linha paralela determinada pelo paralelo, assim como na atual fronteira chilena. No trecho restante, até o limite de 200 milhas, foi acertada uma linha equidistante.

O documento, no entanto, não estabeleceu as coordenadas precisas, o que era pedido pelos dois países. A corte acredita que Lima e Santiago podem determinar os limites a partir de acordo. “A corte espera que as partes determinem estas coordenadas de acordo com a decisão e no espírito de boa vizinhança”.

A leitura da decisão pelo presidente do tribunal, Peter Tomka, durou duas horas. O documento analisou ponto a ponto as alegações apresentadas pelos dois países para sustentar suas causas. As autoridades de ambos os países reiteraram nos últimos dias que vão acatar a decisão da CIJ.

Como consequência dessa decisão, a atual fronteira foi rompida, mas não afetará os pescadores chilenos, principalmente os pequenos, cujo raio de atuação é de cerca de 40 milhas.

O representante do Chile na CIJ, Alberto Van Klaveren, lamentou a redução do paralelo a 80 milhas, mas assegurou que o país vai cumprir a decisão. “Lamentamos profundamente esta resolução que, em nossa opinião, carece de fundamento”, disse.

Já o representante do Peru, Allan Wagner, agradeceu a toda a equipe que participou do processo.

Folha

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Robinho volta à Seleção Brasileira após dois anos; veja convocados para amistosos contra Chile e Honduras

Robinho-Selecao-Brasileira-Andres-Stapff_LANIMA20131031_0084_47Felipão anunciou a lista de convocados para os amistosos contra Honduras e Chile nesta quinta-feira em um hotel da Zona Sul do Rio de Janeiro. A novidade da Seleção Brasileira foi a volta do atacante Robinho. O Rei das Pedaladas, hoje com 29 anos, não era convocado desde 2011, para o jogo contra a Alemanha.

Além de Robinho, outros 17 jogadores foram convocados, juntando-se aos quatro chamados previamente pela CBF para adiantar o visto de entrada nos Estados Unidos: Marquinhos (PSG), Lucas Leiva (Liverpool), Daniel Alves (Barcelona) e Hulk (Zenit).

Uma outra novidade é a ausência de Lucas, do PSG, que era presença contínua na Seleção desde os tempos de Mano Menezes. Em seu lugar, Felipão chamou Willian, do Chelsea. Já o goleiro Julio Cesar, do QPR, voltou a ser chamado. Em compensação, por causa dos compromissos do Botafogo pelo Brasileirão, Jefferson não foi chamado.

Apesar do interesse geral sobre o caso Diego Costa, o diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, avisou que Felipão não vai mais comentar o caso.

A Seleção Brasileira enfrenta Honduras no dia 16 de novembro, em Miami, nos Estados Unidos. Já o confronto com o Chile será no dia 19, em Toronto, no Canadá. Esses serão os dois últimos compromissos do time de Scolari no ano. Antes da Copa-2014, há apenas uma data Fifa para amistosos e será em março.

GOLEIROS
Julio Cesar (QPR)
Victor (Atlético-MG)

LATERAIS
Daniel Alves (Barcelona)
Marcelo (Real Madrid)
Maicon (Roma)
Maxwell (PSG)

ZAGUEIROS
Thiago Silva (PSG)
Dante (Bayern)
David Luiz (Chelsea)
Marquinhos (PSG)

VOLANTES
Lucas Leiva (Liverpool)
Paulinho (Tottenham)
Luiz Gustavo (Wolfsburg)
Hernanes (Lazio)
Ramires (Chelsea)

MEIAS
Oscar (Chelsea)
Bernard (Shakhtar)
Willian (Chelsea)

ATACANTES
Neymar (Barcelona)
Jô (Atlético-MG)
Hulk (Zenit)
Robinho (Milan)

Lance

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Chile decreta alerta vermelho e evacuação por risco de erupção vulcânica

As autoridades chilenas decretaram “alerta vermelho e a evacuação preventiva nesta segunda-feira de 2.240 pessoas ameaçadas pela possível erupção do vulcão Copahue, localizado próximo a fronteira entre o Chile e a Argentina.

“As instruções foram lançadas com o propósito de iniciar o plano de emergência para a evacuação de moradores que vivem num raio de 25 km ao redor do vulcão Copahue”, declarou o ministro do Interior, Andrés Chadwick.

A evacuação inclui cerca de 2.240 pessoas que vivem perto do maciço, de 2.965 metros de altura e localizado na região de Bio Bio, cerca de 500 km ao sul de Santiago do Chile.

“Isso não significa que o vulcão entrará necessariamente em erupção. Mas todos os relatórios técnicos indicam o início de um processo que pode culminar em uma erupção e, portanto, é essencial o alerta vermelho”, explicou Chadwick.

A evacuação é obrigatória e inicialmente prevista para dois dias.

Nas últimas 48 horas houve um aumento significativo da atividade sísmica ao redor do vulcão Copahue, de acordo com o último relatório do Serviço Nacional de Geologia e Mineração.

O corpo técnico que monitora constantemente os principais vulcões do país também advertiu para o possível risco da erupção atingir um raio de 15 km.

Até agora, “não há registro histórico de erupções com emissão de lava, embora no último século várias reações explosivas provocaram emissões de cinzas”, segundo o relatório.

Em dezembro do ano passado, as autoridades chilenas decretaram “alerta vermelho” (máximo) para o vulcão Copahue, também devido a um aumento na atividade sísmica.

Do R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *