Ao menos 117 suspeitos de participar de ataques no CE foram presos

Foto: Ilustrativa

Ao menos 37 suspeitos de participar da onda de ataques criminosos registrados no Ceará nos últimos dias foram detidos pela Polícia Civil desde a noite de ontem (26). Com isso, chegou a 117 o número de adultos detidos e adolescentes apreendidos por suposto envolvimento nas ações criminosas registradas nos últimos oito dias, em diferentes cidades cearenses.

Esta manhã, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social deflagou a Operação Contra-Ataque, que envolveu mais de 120 policiais civis. Segundo a secretaria, vários mandados de prisão e de busca e apreensão estão sendo cumpridos em todo o estado. Os alvos são pessoas suspeitas de integrar uma organização criminosa envolvida em homicídios e outros crimes.

Em nota, a secretaria garantiu que as forças de segurança continuam mobilizadas para evitar novos delitos. Entre o dia 20 e a manhã desta sexta-feira (27), foram registrados ao menos 89 ataques criminosos a prédios públicos, ônibus e veículos particulares.

Ontem, o governador Camilo Santana disse que vem mantendo contato com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e que chegou a conversar por telefone com o presidente Jair Bolsonaro sobre a situação no estado. Também nessa quinta-feira, a Polícia Federal (PF) e o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) cumpriram 15 mandados de prisão preventiva e 14 mandados de busca e apreensão no âmbito da Operação Torre, durante a qual, segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, um dos fundadores de uma organização criminosa que atua no estado foi identificado e preso.

Ainda de acordo com a secretaria estadual, o objetivo da Operação Torre era desarticular lideranças da organização criminosa responsável por ordenar e executar os ataques às torres de transmissão de energia elétrica e prédios públicos registrados em abril deste ano, na Região Metropolitana de Fortaleza, bem como desta última onda de crimes orquestrados. Segundo as investigações, nas duas ocasiões, as ordens para os ataques partiram de dentro de unidades prisionais cearenses.

No início da semana, o governo estadual autorizou a suspensão das férias dos policiais e a realização de mais horas-extras por todos os policiais interessados até que os ataques cessem. O governo cearense também determinou que todos os agentes de segurança que estão prestando serviços administrativos sejam colocados para patrulhar as ruas. Além disso, mais de 400 internos do sistema prisional foram transferidos de unidades prisionais até o fim da tarde dessa quinta-feira. A medida foi adotada para isolar os líderes do grupo criminoso e dificultar a comunicação.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jonas disse:

    Esses insetos, na República Islâmica do Irã seriam fuzilados sumariamente em meio a alegria da população.

Ceará tem 5º dia de ataques a veículos e prédios públicos; ônibus são escoltados por policiais em Fortaleza

Ônibus foram incendiados no pátio da Prefeitura de Jucás, no interior do Ceará, em meio a onda de ataques no estado — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Dois caminhões e três ônibus foram alvos de ataques incendiários na madrugada desta terça-feira (24), no 5º dia seguido de ações violentas no Ceará. Criminosos atearam fogo em um veículo de carga na ponte do Rio Ceará, em Fortaleza, e em dois ônibus estacionados em um posto de gasolina no município de Canindé, no sertão cearense.

O Governo do Estado não divulgou o motivo da onda de ataques. Fontes ligadas ao sistema penitenciário do Ceará afirmam ao G1 que a descoberta de um plano de resgate de presidiários e o isolamento dos detentos que iriam fugir gerou reações dos criminosos.

Em um dos ataques desta terça, o caminhoneiro Kelvin Alves, 37 anos, sofreu queimaduras depois que criminosos arremessaram uma substância inflamável e atearam fogo no veículo que ele conduzia. Alves dormia dentro do caminhão na Avenida Vicente de Castro, em Fortaleza, e acordou com o susto. Ele foi atendido em um hospital e passa bem. Ao todo, três pessoas já ficaram feridas durante as ações.

Desde a sexta-feira (20), foram registrados pelo menos 30 ataques no estado contra prédios públicos e privados, transportes coletivos, caminhões, carros particulares, uma torre de telefonia e uma loja revendedora de veículos.

Até a noite de segunda (23), a polícia havia capturado dez suspeitos de envolvimento nos atentados. Ainda não há informações sobre feridos e pessoas detidas nesta terça-feira. O Governo do Estado convocou os policiais militares de férias para reforçar a segurança no estado.

Serviços afetados

Durante os cinco dias de ataques, pelo menos três ônibus de transporte coletivo, três carros da empresa Enel, um veículo da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), três ônibus escolares e um caminhão de coleta de lixo foram incendiados no estado.

No sábado (21), uma torre de telefonia foi atacada no Bairro Messejana, em Fortaleza. Já na segunda-feira (23), o alvo foi a 15ª Unidade do Juizado Especial Cível e Criminal, no Bairro Vila Velha, também na capital, onde foi detonada uma bomba caseira.

Por conta das ações, a frota de ônibus de Fortaleza e da Região Metropolitana foi reduzida. Nesta terça-feira (24), 70% do total habitual de coletivos circula em Fortaleza, e parte deles com escolta policial. Com a redução da oferta, as paradas de ônibus estavam lotadas na manhã desta terça-feira.

Conforme o Sindicato Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará (Sindiônibus), todas as linhas estarão disponíveis, contudo, algumas devem mudar a rota.

No município de Jucás, onde dois ônibus escolares foram incendiados, a Secretaria Municipal de Educação cancelou as aulas nas escolas da rede pública. Cerca de 1.300 alunos são afetados.

Motivações

Segundo informou uma fonte do sistema penitenciário ao G1, uma das possíveis motivações para a sequência de ataques é que agentes de segurança impediram uma fuga em massa de um presídio em Aquiraz, na Grande Fortaleza. O plano foi descoberto em um papel na boca de um detento.

Ainda conforme a fonte, os internos que iriam fugir passaram por um regime disciplinar mais rigoroso, com vistorias nas celas e permanência em áreas isoladas da detenção.

Pelo WhatsApp, o secretário da Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque, e o chefe da PM no Ceará, Alexandre Ávila de Vasconcelos, pediu que as equipes de segurança ficassem em alerta. “Mais uma vez o Estado está sob ataques, tudo indica. Temos que novamente mostrar que o estado não cederá nenhum milímetro”, afirmou Mauro Albuquerque.

Policiais militares de férias foram convocados para retornar às atividades, e servidores que estavam em cursos tiveram as aulas suspensas para reforçar o policiamento ostensivo, informou a secretaria.

O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou que “não iria recuar” das medidas mais rigorosas nos presídios do estado.

“Não recuaremos em absolutamente nada nas medidas que foram tomadas até aqui. Muito pelo contrário, seremos cada vez mais rigorosos com quem desrespeitar a lei. A possibilidade do retorno às regalias nos presídios é zero.”

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. observador disse:

    Quero ver queimar onibus no Irã, na China, na Russia, nos EUA. A conversinha lá é outra.

Ataques fazem disparar preço do petróleo: entenda possíveis impactos no cenário global e no Brasil

Os ataques feitos supostamente por drones a instalações da petroleira estatal Aramco na Arábia Saudita no último sábado (14) provocaram uma disparada nos preços do petróleo, com o barril de Brent registrando a maior alta durante uma sessão desde a Guerra do Golfo, em 1991, em meio às preocupações com a redução da oferta global da principal fonte de combustível do planeta e da elevação da tensão geopolítica entre Estados Unidos e Irã.

Os danos provocados pelos ataques cortaram pela metade a produção do maior exportador mundial de petróleo, provocando uma redução de cerca de 5,7 milhões de barris por dia, o que representa mais de 5% do suprimento global atual.

As autoridades sauditas ainda não informaram quanto tempo será necessário para restabelecer plenamente a produção nas instalações destruídas. Analistas acreditam que podem ser necessárias várias semanas ou até meses para o país voltar à normalidade.

As incertezas geopolíticas e o risco de queda na oferta tende a manter os preços do barril de petróleo e dos combustíveis com viés de alta nos próximos meses, com impactos também nas bolsas e no comércio global.

No Brasil, as ações da Petrobras tendem a ter uma valorização, mas os analistas lembram também que o preço da gasolina e do diesel podem ser elevados pela estatal, que mantém um política de preços alinhados aos do mercado internacional. Por outro lado, a alta do preço do barril também pode aumentar a arrecadação do governo federal e estados produtores com royalties e participações especiais, além de contribuir para aumentar o interesse das grandes petroleiras internacionais nos próximos leilões bilionários de áreas de exploração de óleo e gás no Brasil.

Como foi o ataque e quem assumiu

No sábado (14), ataques por supostos drones provocaram incêndios na unidade saudita de Abqaiq, a maior do mundo dedicada ao processamento de petróleo, e na instalação de Khurais. Não houve relatos de feridos, mas a fumaça foi vista do espaço.

Após o ataque, rebeldes iemenitas houthis, que são apoiados pelo Irã no conflito que acontece no Iêmen, disseram ter enviado dez drones para atacar as instalações da Aramco.

Desde 2015, a Arábia Saudita lidera uma coalização internacional que apoia o governo local e ataca os houthis no Iêmen. Em retaliação, os rebeldes têm feito vários bombardeios fronteiriços com mísseis e drones contra bases aéreas sauditas e outras instalações no país.

A Organização das Nações Unidas (ONU) e países ocidentais acusam Teerã de fornecer armas ao grupo, algo que o governo iraniano nega.

Disparada de preços do petróleo

Na abertura dos mercados nesta segunda (16), a cotação do barril do tipo Brent disparou 19,5% em Londres, para US$ 71,95, a maior alta intradia desde 14 de janeiro de 1991, durante a guerra do Golfo.

Segundo informou a petroleira Aramco, os ataques provocaram uma redução de cerca de 5,7 milhões de barris por dia na produção, o que representa mais de 5% do suprimento global atual. A Arábia Saudita é o maior exportador global de petróleo, além de ter uma grande capacidade ociosa.

“Retirar mais de 5% da oferta global de uma única tacada – um volume que é maior que o crescimento da oferta acumulado em países de fora da Opep entre 2014 e 2018 – é altamente preocupante”, escreveram, em nota, analistas do UBS.

Os preços do petróleo reduziram o ritmo de alta nesta segunda, depois que o presidente norte-americano Donald Trump autorizou o uso de estoques de emergência de seu país para assegurar a estabilidade do suprimento.

Os preços médios estavam relativamente reduzidos nos últimos meses, uma consequência das reservas abundantes e dos temores de desaceleração da economia mundial, fatores que afetavam a demanda. A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegou a estabelecer limites de produção para tentar manter a faixa de preço e evitar uma viés de baixa.

Estados Unidos acusam Irã; Teerã rebate

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse que não havia “evidências de que os ataques tenham partido do Iêmen” e acusou o Irã de estar por trás da ação.

Em princípio, o presidente Donald Trump não citou diretamente o Irã, mas deixou claro que os Estados Unidos estão prontos para atacar, “dependendo da verificação”, pois esperam conhecer a versão saudita para determinar como proceder. Mais tarde, ele deu entender que o Irã pode estar envolvido.

Para o governo iraniano, os Estados Unidos buscam um pretexto para retaliar o país.

A Rússia considerou “inaceitável e contraproducente” discutir uma possível resposta aos ataques e que usar o incidente para aumentar as tensões é contraproducente. “Propostas de ações retaliatórias difíceis, que parecem ter sido discutidas em Washington, são ainda mais inaceitáveis”, afirmou o ministério de Relações Exteriores russo em um comunicado.

Já a China e a União Europeia (UE) pediram “moderação”.

Aumento da tensão entre EUA e Irã

A relação entre os Estados Unidos e o Irã vem se deteriorando desde a eleição de Donald Trump. Em 2018, Trump cumpriu sua promessa de campanha e retirou seu país do acordo nuclear assinado em 2015.

Na época, os Estados Unidos alegraram que o Irã financiava grupos terroristas e não cumpria os termos do tratado – o que não foi confirmado por organizações independentes. Desde então, os americanos adotaram sanções que prejudicam a economia iraniana.

Em julho de 2019, o Irã ultrapassou o limite de 300 kg de urânio de baixo enriquecimento que foi previsto no acordo nuclear em retaliação contra as sanções americanas.

O urânio de baixo enriquecimento é usado para produzir combustível para reatores nucleares, mas, potencialmente, pode servir para a produção de armas nucleares. A violação dos termos abre espaço para a volta de sanções multilaterais que foram suspensas em troca de o Irã limitar suas atividades nucleares.

Perspectivas para o petróleo e mercados

Por enquanto, os investidores estão no aguardo de mais detalhes sobre o ataque e danos às instalações da Aramco e a atentos a qualquer reação política aos acontecimentos.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) informou que está avaliando o impacto dos ataques a instalações da Arábia Saudita, e considera ainda muito cedo para os membros da entidade tomarem medidas para aumentar a produção ou convocarem uma reunião para discutir outras medidas.

Embora países como Arábia Saudita, Estados Unidos e China possuam centenas de milhões de barris de petróleo em armazenamento estratégico, o ataque aumentou também a preocupação em relação à vulnerabilidade das infraestruturas das petroleiras a ataques com drones e a uma piora ainda maior nas relações entre EUA e Irã, que voltaram a trocar acusações.

Analistas avaliam que a tendência é de muita volatilidade nos preços nas próximas semanas, em meio à maior aversão ao risco e dúvidas sobre o real impacto dos ataques na oferta global.

“Se a tecnologia de drones alterar o jogo de força no Oriente, isto [tendência de alta] pode se tornar mais grave”, afirmou o economista-chefe da Necton, André Perfeito.

Aneeka Gupta, estrategista de commodities da Wisdom Tree, avaliou que os preços poderão atingir chegar a até US$ 75 por barril se se a interrupção na produção da Arábia Saudita durar mais de seis semanas, segundo a BBC.

Para o sócio-diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires, o preço do barril tende a se manter com viés de alta ao longo dos próximos 3 meses pelo menos. “Ainda não sabemos se o preço do barril pode ir a US$ 70, US$ 80 ou para US$ 100. Ainda é muito cedo. O que ficou claro é que lá no Oriente Médio essas estruturas gigantes de petróleo são mais frágeis do que se imaginava, e isso influencia o preço”, afirma.

Para a agência de classificação de risco Moody’s, os preços tendem a se manter pressionados mesmo após a retomada da produção saudita. “Preços mais elevados ajudarão os produtores e prejudicarão as refinarias no curto prazo, mas efeitos de mais mais longo prazo sobre as companhia de energia dependerão do tempo e da magnitude da menor produção da Aramco”, disse o diretor-gerente Steve Wood.

Analistas também avaliam que, caso a situação não se normalize rapidamente, o episódio deverá impor maior cautela nas próximas decisões sobre taxas de juros nos Estados Unidos e no mundo, uma vez que aumentam as chances de um cenário de maior desaceleração de crescimento global.

Reajuste dos preços do diesel e da gasolina no Brasil

Se os preços do petróleo se mantiverem em alta, em algum momento o aumento também chegará nas bombas dos postos de combustíveis, avaliam os especialistas da área.

“Mantida a política de alinhamento de preços dos combustíveis à flutuação do petróleo e dos derivados lá fora, a tendência é que haja aqui internamente um aumento do preço da gasolina e do diesel, e isso pode gerar algum tipo de tensão interma como a gente já viu no passado, além de um impacto inflacionário”, afirma Helder Queiroz, ex-diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Para analistas, a disparada dos preços do petróleo será um “teste” para a política de preços da Petrobras para o diesel e a gasolina. A estatal leva em conta os preços internacionais do petróleo e a variação cambial para definir os preços nas refinarias, embora a companhia não trabalhe mais com uma periodicidade definida para os reajustes.

“Ao longo dos últimos anos, nós temos visto diversos exemplos em que a companhia não foi capaz de seguir os preços internacionais, levando a perdas significativas no negócio de refino. A atual gestão tem conseguido implementar uma estratégia de sucesso até o momento, e esse evento pode ser um importante teste sobre quão sólida é a política (de preços)”, escreveram os analistas do banco UBS em nota citada pela agência Reuters.

“Se o preço realmente subir e permanecer alto, e se a Petrobras demorar muito a repassar esse preço para a bomba, vai ficar claro outra vez uma intervenção entre aspas na Petrobras”, afirmou ao G1 Adriano Pires, citando ainda os possíveis reflexos no programa de venda de ativos da estatal.

A Petrobras iniciou na semana passada processo para venda de quatro refinarias, enquanto outras quatro unidades de refino já haviam sido colocadas no mercado anteriormente.

“Desde a greve dos caminhoneiros temos falado da necessidade do Brasil criar um fundo de estabilização de preços para absorver essas grandes variações de preços sem que a Petrobras seja afetada. Quem conhece o mercado de petróleo sabe que o petróleo tem uma variável geopolítica muito forte”, destacou o diretor do CBIE.

Impacto em royalties e nos megaleilões do pré-sal

Para o Brasil, preços internacionais de petróleo mais altos tendem a favorecer não só a balança comercial, como também a arrecadação da União e governos estaduais e municipais com royalties e participações especiais pagas pelas petroleiras que atuam no país. “Aumenta a arrecadação como um um todo mundo. Um dinheirinho a mais é sempre bem-vindo”, destaca Pires.

Os analistas avaliam que a crise aberta pelos ataques na Arábia Saudita pode também aumentar a atratividade dos megaleilões de áreas do pré-sal que o governo brasileiro pretende realizar até o final do ano.

“Apesar de ter um custo de produção relativamente mais caro, o pré-sal está situado em uma região que não enfrenta nenhum tipo de problema geopolítico, de tensão, que tem no Oriente médio. De certa maneira, algumas empresas podem reorientar suas decisões de investimento para tentar concentrar e disputar aqui as novas áreas que vão ser ofertadas”, avalia Helder, ex-diretor da ANP.

G1

Preços do petróleo disparam após ataques a instalações na Arábia Saudita

Fumaça é vista após um incêndio nas instalações da Aramco em Abqaiq, na Arábia Saudita, neste sábado (14) — Foto: Reuters

O preço do petróleo disparou nesta segunda-feira (16) em Londres após os ataques do fim semana contra instalações da petroleira Aramco, na Arábia Saudita, que cortaram pela metade a produção do maior exportador mundial.

Às 9h30 GMT (6h30 de Brasília), o barril de Brent, referência na Europa, registrava alta de 9,52% na comparação com sexta-feira, sendo negociado a US$ 65,97 no Intercontinental Exchange (ICE) de Londres. Nos Estados Unidos, o barril WTI subia 8,71%, negociado a US$ 59,63.

Na abertura do mercado, a cotação do barril disparou 19,5% em Londres, para US$ 71,95, a maior alta intradia desde 14 de janeiro de 1991, durante a guerra do Golfo, segundo a agência Reuters. Nos EUA, o barril chegou a subir 15,5%, para US$ 63,3, maior alta durante uma sessão desde 22 de junho de 1998.

Os preços caíram das máximas nesta segunda depois que o presidente norte-americano Donald Trump autorizou o uso de estoques de emergência de seu país para assegurar a estabilidade do suprimento.

Os Estados Unidos acusaram o Irã pelo ataque, dizendo que não há evidências de que eles partiram do Iêmen. O Irã rebateu as acusações e acusou os Estados Unidos de buscarem um pretexto para retaliar o país.

Os ataques de drones no sábado provocaram incêndios na unidade saudita de Abqaiq, a maior do mundo dedicada ao processamento de petróleo, e na instalação de Khurais, provocando a redução da produção da petroleira em cerca de 5,7 milhões de barris por dia, o que representa mais de 5% do suprimento global de petróleo.

“O ataque anulou quase metade da produção saudita, ou seja, 5% da produção mundial, o que evidencia a vulnerabilidade destas infraestruturas aos ataques com drones”, destacou Craig Erlam, da corretora Oanda.

“Retirar mais de 5% da oferta global de uma única tacada — um volume que é maior que o crescimento da oferta acumulado em países de fora da Opep entre 2014 e 2018 — é altamente preocupante”, escreveram analistas do UBS em nota.

As autoridades sauditas anunciaram que os ataques não provocaram vítimas, mas ainda não informaram quanto tempo será necessário para restabelecer plenamente a produção nas instalações. Analistas acreditam que seriam necessárias várias semanas ou meses para o país voltar à normalidade.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) está avaliando o impacto no mercado de petróleo do ataque a instalações da Arábia Saudita, e considera muito cedo para os membros da entidade tomarem medidas para aumentar a produção ou convocarem uma reunião.

Os preços do petróleo estavam relativamente reduzidos nos últimos meses, uma consequência das reservas abundantes e dos temores de desaceleração da economia mundial, fatores que afetavam a demanda. Na sexta-feira, os contratos futuros do petróleo Brent fecharam a US$ 60,22. Já os futuros do petróleo dos EUA fecharam a US$ 54,85.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegou a estabelecer limites de produção para tentar manter a faixa de preço. Mas os ataques demonstram a vulnerabilidade do país com maior capacidade de produção mundial, apontou o analista Amarpreet Singh, do Barclays, e inclui um elemento de risco geopolítico aos preços.

A redução da produção afeta também a confiança dos investidores na Aramco, que prepara sua entrada na bolsa. O governo saudita quer lançar no mercado de ações cerca de 5% de sua petroleira estatal em 2020 ou 2021.

Grandes importadores de petróleo saudita, como Índia, China e Indonésia, devem ser os mais vulneráveis à interrupção na oferta, segundo a Reuters.

Com informações do G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Escritor disse:

    Arabia saudita é aquele país q o principe herdeiro é acusado de mandar matar um jornalista na embaixada na turquia. Ditadura. EUA precisa invadir esse país e prender o terrorista. E levar liberdade aquele pais. Igual fizeram no iraque.

Poderosos viram em ataques de hackers ‘oportunidade de revanchismo’, diz Moro

Foto: Bruno Zanardo/Fotoarena / Agência O Globo

Na primeira entrevista desde a prisão de quatro suspeitos de invadir celulares de autoridades dos três Poderes da República, o ministro da Justiça, Sergio Moro , afirmou à revista “Crusoé” que “pessoas muito poderosas” viram nos ataques de hackers “uma oportunidade para reavivar tentativas de retrocesso e revanchismo”. Em sua avaliação, o vazamento de mensagens extraídas do aplicativo Telegram, das quais diz não reconhecer a autenticidade, tem o objetivo de anular condenações da Operação Lava-Jato .

— Existe um status quo que foi extremamente contrariado pelas investigações [da Lava-Jato]. Pessoas muito poderosas viram nesse ataque uma oportunidade para reavivar essas tentativas de retrocesso e revanchismo. Me surpreendeu um pouco a agressividade de determinados setores, o que denota um sentimento de revanche, de vingança pelo trabalho institucional que foi realizado. Inclusive por parcelas da advocacia — disse Moro.

Ex-titular da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, Moro destacou que respeita advogados, mas criticou que “parcela deles” veja o enfrentamento da corrupção “a partir de uma perspectiva não muito positiva”.

Na entrevista, o ministro voltou a dizer que comunicou imediatamente à Polícia Federal e pediu apuração ao perceber a invasão de seu celular. O ex-juiz negou, porém, que tenha feito qualquer requisição de investigação sobre a divulgação de mensagens pelo “The Intercept Brasil”. O site afirma ter recebido mensagens de Moro de uma fonte anônima.

Desde o começo de junho, o portal publica uma série de reportagens que apontariam conluio do então magistrado com a acusação em processos da Lava-Jato. Moro e o coordenador da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol, contestam a autenticidade do material. O “Intercept” defende que o conteúdo publicado é autêntico e que deve ser publicado por envolver matérias de interesse público.

— A polícia está investigando o hackeamento. Na divulgação, pelo sensacionalismo utilizado, pelo desrespeito às boas regras do jornalismo e pelo teor das matérias, me pareceu que o objetivo era anular condenações da Lava Jato e impedir novas investigações. Se isso foi direcionado a um indivíduo específico ou a vários, é uma questão que não me cabe responder — destacou ele.

À revista “Crusoé”, Moro comentou sobre o custo pessoal dos vazamentos de mensagens. O ministro disse que desenvolveu “certa resistência” por ter sido magistrado durante anos e “tido investigações difíceis, envolvendo pessoas perigosas”, mas criticou o que chamou de “maledicência e sensacionalismo” contra “um avanço institucional” no combate à corrupção.

— Acho que é um tratamento injusto. Há uma grande dose de injustiça e ignorância do trabalho que foi feito e do contexto no qual ele foi realizado, de muita dificuldade, que revelava o envolvimento em grande corrupção de personagens em cargos elevados da República, o que gerava uma série de tensões e pressões cotidianas. Na rua, porém, o que eu tenho visto é a intensificação o apoio — destacou ele, na entrevista.

Nesta terça-feira, a Polícia Federal deflagrou a Operação Spoofing e deteve quatro pessoas suspeitas de ataques a contas do Telegram de autoridades. Um dos presos confessou ter invadido o aplicativo de Moro e repassado o material ao “Intercept” , que mantém o sigilo sobre sua fonte. Outros dois negam envolvimento. O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Otavio Noronha, chegou a dizer que o ministro da Justiça o havia informado que as mensagens obtidas seriam “descartadas”, mas a PF afirmou caber à Justiça a decisão sobre o destino do conteúdo .

O Globo

 

PGR pede à PF unificação dos inquéritos sobre ataques de hackers a procuradores; Raquel Dodge argumenta que atuação criminosa foi ‘sistemática’

Foto: Jorge William / Agência O Globo

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ofício ao diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo , solicitando que a corporação unifique em um inquérito só as diversas investigações abertas para apurar ataques de hackers a procuradores do Ministério Público Federal ( MPF ).

Para Dodge, houve um “ataque cibernético sistemático” contra membros da instituição e, por isso, seria importante adotar uma linha de investigação unificada. A procuradora-geral diz que é importante descobrir os motivos dos ataques e se há “eventuais contratantes” do serviço criminoso.

A PF já abriu ao menos quatro inquéritos para apurar os ataques, relacionados às forças-tarefas da Lava-Jato em Curitiba, Rio, São Paulo e Brasília. Caso o pedido de Dodge seja aceito, será tudo unificado em um inquérito só.

Para agilizar as investigações, a procuradora-geral encaminhou à Polícia Federal cópias de documentos para subsidiar a apuração desses crimes. Ela também solicitou ao diretor-geral informações sobre o atual estágio das investigações relativas à invasão das contas dos membros no aplicativo Telegram.

No ofício, Raquel Dodge pontua que “a ação criminosa resultante dessa invasão da conta dos membros, ou o chamado ‘sequestro’ de identidade dentro do aplicativo, tornou-se de conhecimento público a partir de recente divulgação, pela mídia, de dados e informações coletados de forma ilícita de celulares de membros do MPF”, divulgou a PGR em comunicado à imprensa.

Os primeiros ataques contra membros das forças-tarefas de Curitiba e do Rio foram comunicados em maio à PGR, que abriu um procedimento administrativo para apurar o assunto. Na ocasião, também foi solicitado a abertura de inquérito policial.

Dodge pediu ainda à PF a abertura de uma investigação sobre a invasão do celular do conselheiro Marcelo Weitzel, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). De acordo com a colunista Bela Megale, seu telefone foi invadido por um hacker que enviou mensagens ao grupo do CNMP no Telegram.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    Dulce, vc ja se perguntou porque a DPF não prende os hackers?…..
    Porque autoridades públicas pensam que usando celular criptografados nao não vão ser hackeados?
    ILUDIDOS……
    SIM E LULADRÃO ESTA PRESO AGUARDANDO OS QUE ESTÃO POR IR JUNTAR-SE A ELE

  2. Dulce disse:

    Tudo dos petralhas é sistêmico, corrupção, ação de hackers, defensores de bandidos, e idiotas também

Globo responde ataques de Glenn Greenwald revelando bastidores de como ele tentou emplacar as mensagens roubadas na emissora

Glenn Greenwald, o cúmplice de hackers, atacou a Globo na entrevista que deu a um blog de esquerda e depois reproduzida por outros blogs. A emissora rebateu os ataques de Greenwald em nota enviada a quem publicou a entrevista, contando que ele ofereceu as matérias com mensagens roubadas à Globo, mas sonegou informações básicas para a prática de um jornalismo minimamente sério.

Leia a nota que a emissora enviou aos blogs:

“Glenn Greenwald procurou a Globo por e-mail no último dia 29 de maio para propor uma nova parceria de trabalho. Em 2013, a emissora já havia dividido com ele o trabalho sobre os documentos secretos da NSA referentes ao Brasil. Uma parceria que mereceu elogios dele pela forma como foi conduzido o trabalho.

Greenwald ficou ainda mais agradecido por um gesto da Globo. Nas reportagens que a emissora divulgou, em algumas frações de segundo era possível ver nomes de funcionários da agência americana, que não trabalhavam em campo, mas em escritório. Mesmo assim, tal exposição poderia levá-lo a responder a um processo em seu país natal, os Estados Unidos. A Globo, então, assumiu sozinha a culpa, declarando que, durante a realização da reportagem, Greenwald se preocupava sobremaneira com a segurança de seus compatriotas. Tal atitude o livrou de qualquer risco.

Ao e-mail do dia 29 de maio seguiram-se alguns telefonemas na tentativa de conciliar agendas (ele estava viajando) para um encontro, finalmente marcado. Ele ocorreu na redação do Fantástico no dia 5 de junho. Na conversa, insistindo em não revelar o tema, ele disse que tinha uma grande ‘bomba a explodir’ e repetiu que queria voltar a dividir o trabalho com a Globo, pelo seu profissionalismo. Mas, antes, gostaria de saber se a emissora tinha algo contra ele, sem especificar claramente os motivos da pergunta, apenas dizendo que falara mal da Globo em algumas ocasiões. Provavelmente se referia a um artigo que seu marido, o deputado David Miranda, do PSOL, tinha publicado no Guardian com mentiras em relação à cobertura do impeachment da presidente Dilma Rousseff. O artigo foi rebatido por João Roberto Marinho, presidente do Conselho Editorial do Grupo Globo, fato que deu origem a comentários desairosos do próprio Greenwald.

Na conversa de 5 de junho, ele afirmou que ‘tudo estava no passado’. Prontamente, ouviu que jamais houve restrição (de fato, David Miranda já foi inclusive convidado para entrevista em programa da GloboNews). Greenwald ouviu também, com insistência, por três vezes, que a Globo só poderia aceitar a parceria se soubesse antes o conteúdo da tal ‘bomba’ e sua origem, procedimento óbvio. Greenwald se despediu depois de ouvir essa ponderação.

A Globo ficou aguardando até que, na sexta-feira à tarde, Greenwald mandou um e-mail afirmando que não recebeu nenhuma resposta da Globo e que devia supor que a emissora não estava interessada em reportar este material. Como Greenwald, no e-mail, continuava a sonegar o teor e origem da ‘bomba’, não houve mais contatos. Não haveria como assumir qualquer compromisso de divulgação sem conhecimento do que se tratava.

No domingo, seu site, o Intercept, publicou as mensagens atribuídas ao ministro Sergio Moro e procuradores da Lava-Jato, assunto que mereceu na mesma noite destaque em reportagem de mais de cinco minutos no Fantástico (e depois em todos os telejornais da Globo).

Na segunda, uma funcionária do Intercept sugeriu que o programa Conversa com Bial entrevistasse um dos editores do site para um debate sobre jornalismo investigativo. Como o próprio site anunciou que as publicações de domingo eram apenas o começo, recebeu como resposta que era conveniente esperar o conjunto da obra, ou algo mais abrangente, antes de se pensar numa entrevista.

Por tudo isso, causam indignação e revolta os ataques que ele desfere contra a Globo na entrevista publicada na Agência Pública. Se a avaliação dele em relação ao jornalismo da Globo e a cobertura da Lava-Jato nos últimos cinco anos é esta exposta na entrevista, por que insistiu tanto para repetir “uma parceria vitoriosa” e ser tema de um dos programas de maior prestígio da emissora? A Globo cobriu a Lava-Jato com correção e objetividade, relatando seus desdobramentos em outras instâncias, abrindo sempre espaço para a defesa dos acusados. O comportamento de Greenwald nos episódios aqui narrados permite ao público julgar o caráter dele.”

O Antagonista

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Thiago Lopes disse:

    Eita que a Globo tá que não passa uma assobio….

  2. Lucas disse:

    Fonte: O Antagonista

    Nada mais nada menos que o blog da Lava Jato. E quem discordar, basta ler as mensagens vazadas.

  3. Cigano Lulu disse:

    O Planalto deveria negociar a extradição dessa biba reincidente, e deixar que os EUA lhe aplique o mesmo remédio moral com que pretende brindar a Julian Assange.

  4. realmadriddepiumgenerico disse:

    A globo sentiu o golpe e nem foi divulgado ainda o teor da promiscuidade.

  5. Robert Lopes Cardoso Maia disse:

    Impressiona ver a turma do quanto pior melhor pra eles vibrando com todas essas ilegalidades, não tem nada que seja aproveitado, tudo montado!
    A globo sabe melhor que ninguém como e de que forma usar a informação, mas tomou um cuidado básico de saber antes como foi obtida e como seria exposta, então resolveu não entrar na roubada
    A globo detecta o que presta e o que não presta, decidiu não entrar no jogo da manipulação montado e de altíssimo risco
    A globo saiu dessa situação, ou seja, viu que havia muita coisa errada na situação e calculou que o resultado seria desastroso, caiu fora
    Escutando um advogado falando, ele disse: "No mundo jurídico nunca foi aceito fruto de árvore podre", será que isso vai mudar agora? Será que fruto produzido na ilegalidade vai suplantar aos fatos? Até a globo caiu fora, a situação deve realmente ter muita sujeira, ilegalidade, montagens, armação e tudo mais que vem do submundo da corrupção

    • Potiguar disse:

      É o seguinte: no mundo jurídico, não é aceita prova ilícita como você mencionou. Todavia, ela poderá ser usada para absolver o réu. Exemplo se uma carta for aberta criminosamente (violação de correspondência) e nela se descobrir que um inocente está pagando por um culpado, o inocente poderá se beneficiar dessa prova ilícita.

    • Ed disse:

      Potiguar, isso é verdade, mas, no caso de suspeição, tem de se provar que as decisões não condizem com a realidade. Bom lembrar que as provas e as sentenças foram objeto de recursos no tribunal superior. Se houvesse alguma prova que fosse ilícita ou se o juiz desse a decisão sem calço, testemunha falsa, algo assim, seria passível de anulação. Neste caso, o juiz seria somente retirado do caso, o que já ocorreu.

  6. Rômulo disse:

    "A verdade vencerá a mentira"! Que venham os novos vazamentos!

    #VazaJato

  7. realmadriddepiumgenerico disse:

    A globo fazendo uma defesa prévia do que vem por ai. Está claro, tanto para bolsominions, coxinhas, mortadelas e outras iguarias que a globo nunca foi sinônimo de isenção e que sempre esteve por trás ou junto a todos os ataques que sofreu a democracia nos últimos 60 anos, além de sempre ser porta voz da elite brasileira. Embora sabe-se de todo seu potencial e capacidade de influência como empresa de comunicação. Talvez tenha sido isso que o jornalista quis usar.

    • Potiguar disse:

      É óbvio. O Greenwald passou a perna na CIA. Agora, pegou o Moro. A próxima é a rede globo. Vem bomba por aí!!!

Homem mais rico da Dinamarca perde três filhos em ataques no Sri Lanka

ANDERS HOLCH POVLSEN, BILIONÁRIO DINAMARQUÊS, PERDEU TRÊS FILHOS NO ATAQUE AO SRI LANKA (FOTO: RITZAU SCANPIX/BO AMSTRUP VIA REUTERS)

O bilionário dinamarquês Anders Holch Povlsen perdeu três de seus quatros filhos nos ataques realizados no Sri Lanka neste final de semana. A informação foi confirmada por um porta-voz. Povlsen é o homem mais rico do país escandinavo e tem negócios na área de moda.

Ele é o maior acionista do e-commerce de moda britânico Asos.com e também é o segundo maior acionista da alemã Zalando. Além disso, é CEO e fundador da Bestseller.

Povlsen é o homem mais rico da Dinamarca com uma fortuna estimada em US$ 7,9 bilhões, de acordo com a Forbes. O bilionário é o maior proprietário de terras na Escócia. Ele e sua esposa têm cerca de 200 mil acres de terra, e planejam cuidar da região para preservar para futuras gerações, de acordo com o jornal britânico The Guardian.

Os ataques a bomba no Sri Lanka a igrejas e hotéis de luxo, que aconteceram no domingo de Páscoa, mataram mais de 290 pessoas e deixaram outras 500 feridas.

O porta-voz não esclareceu se mais familiares do empresário estavam no país nem em qual das explosões os seus filhos foram mortos.

Época Negócios 

Na reta final, PT vai intensificar ainda mais os ataques

Aecio-e-Dilma-size-598Foto: (Felipe Cotrim/VEJA.com)

O show de baixarias promovido pelo ex-presidente Lula no sábado em Minas Gerais dará o tom da campanha petista até o final do segundo turno. A equipe da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) chegou à conclusão de que há poucas chances de obter mais apoiadores daqui até o dia da votação, no domingo que vem, razão pela qual não pretende abandonar os ataques ao adversário Aécio Neves. Com isso, o comitê petista espera aumentar a rejeição ao tucano, reduzindo suas chances. A tática da vitimização, cujo início se deu no final da semana passada, também será explorada.

Neste domingo, em entrevista que antecedeu o debate promovido pela TV Record, Dilma deixou claro que o partido não pretende recuar dos ataques pessoais a Aécio – e aproveitou para se fazer de vítima. Disse que o tucano precisa “aprender a respeitar as mulheres” e que ele a desrespeitou ao chamá-la de leviana. A presidente parece ter se esquecido, por um momento, dos ataques pesados lançados contra a então candidata Marina Silva durante o primeiro turno, em que todo o marketing petista se voltou para desconstruir a imagem da ex-senadora, chamando-a também de “leviana” e “inconsequente”. À época, ao reclamar do tom dos ataques, Marina ouviu mais disparos de Dilma: “Quem se sente coitadinho, não pode ser presidente”, afirmou. A mesma Dilma implacável nos ataques feitos semanas atrás, agora se sente confortável na carapuça de vítima.

Neste sábado, no discurso mais agressivo contra o tucano nesta campanha eleitoral, Lula protagonizou um conjunto de insultos contra o presidenciável do PSDB e disse que Aécio usa violência contra mulheres “por experiência de vida” e seria “filhinho de papai”, “cafajeste”, “desprezível” e “vingativo”. O próprio Lula já havia acusado o adversário de dirigir embriagado – episódio que acabou sendo utilizado por Dilma Rousseff no debate do SBT.

Na internet, o comitê de Dilma lançou a campanha “Mais Dilma, Mais Amor”, na qual combate o “ódio eleitoral” e cita o que classifica como exemplos de petistas agredidos nas ruas por tucanos nas últimas semanas. Os petistas tem uma preocupação especial com o debate da TV Globo, nesta sexta-feira, que classificam como decisivo. “Sempre tem aquele impacto”, diz o presidente do PT, Rui Falcão.

Enquanto isso as propagandas na TV e principalmente no rádio e na internet continuam divulgando ataques ao caráter de Aécio. No sábado, um texto sobre a “dificuldade de Aécio em respeitar as mulheres” teve destaque especial na página da campanha da petista na internet. Os integrantes do comitê da campanha à reeleição estão guardando munição contra o tucano. Afirmam que Dilma “não vai apanhar calada” caso seja agredida pelo adversário.

Campanha – Em outra frente, o PT vai tentar atrair o eleitorado que votou em Marina Silva (PSB) no 1º turno. O principal alvo é a classe média que historicamente votava no PT e hoje rejeita o partido. Para isso a campanha de Dilma convocou artistas e intelectuais para um ato no Tuca – histórico teatro na PUC de São Paulo -, com a presença de intelectuais petistas, além de reforços de última hora, como o economista Luiz Carlos Bresser Pereira, fundador do PSDB, e o antigo desafeto Francisco Oliveira, cientista político que estava afastado do PT desde o início do governo Lula, em 2003.

Nas viagens, o foco da campanha será o Sudeste, com destaque para São Paulo, onde o PT sofreu uma derrota acachapante no 1º turno – obteve apenas 26% dos votos. A estratégia é explorar a crise de abastecimento de água, como fez na propaganda eleitoral na TV ontem. “Mostraremos propostas para saúde e emprego, mas em São Paulo é água, água e água”, diz o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante.

Para consolidar a liderança no Nordeste, Dilma vai colar sua imagem à de Lula. Ambos participarão de ato no centro do Recife na terça-feira. A ministra da Cultura, Marta Suplicy, finalmente foi convencida a se integrar à campanha. Ela vai ao evento no Tuca e deve participar de atividades na periferia da capital paulista.

(Veja, com Estadão Conteúdo)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jarleno Damasceno disse:

    Faltou Cristiano, você cita os ex: governadores que dependem da pensão vitalicia que recebem de quando foram governadores , a mais de vinte anos.

  2. Cristiano Ronaldo disse:

    O que é melhor Valério:
    "Os pobres dependentes do Bolsa família ou os ricos dependentes da Bolsa de Valores?"

  3. Julio Cesar disse:

    Baixaria ou debate político?
    O novo mote do candidato Aécio é coincidentemente o mesmo utilizado pela candidata Marina Silva, que é o de que sua adversária, Dilma Rousseff estaria desesperada, e, por isso, decidiu partir para a baixaria na reta final da disputa presidencial. Assim, colocando-se na condição de vítima, Aécio, assim como Marina, evita responder os questionamentos que lhe são feitos pela dois oponente. Mas será que isso é realmente saudável para a democracia? Ou o debate político não é natural e necessário em qualquer disputa eleitoral?

  4. Chico disse:

    BATEU O DESESPERO GERAL NA TURMA DE ALOPRADOS. CADÊ A AGUA DO SÃO FRANCISCO, QUE NUNCA CHEGA? AQUI NA REGIÃO NORDESTE TÁ TUDO SECO, PORQUE NÃO DÃO EXPLICAÇÃO CAMBADA DE DESONESTOS.

  5. Valério disse:

    É a arma de grosso calibre que resta ao PT e por sinal tem usado desde a primeira hora.
    Lamentável ver os doentes votarem no PT depois de tanto desmante-lo, corrupção e financiamento de ditaduras. Que os dependentes dos bolsas votem, até entende-se o voto pelo medo de cortar os benefícios, coisa que não vai acontecer, pelo contrário, Aércio vai tornar esses programas em lei.
    Votar no PT é dar aval a corrupção e a matança da ditadura de Cuba.

  6. fabio disse:

    OLHA O QUE O “PT” NÃO FIZERAM NO GOVERNO DE 12 ANOS..!
    Exemplos:
    Mais endividamento externo para o Brasil;
    “TRADUZINDO; MAIS CONTAS PARA OS BRASILEIRO PAGA”.
    O Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso mais conhecido como F.H.C. que e do partido do PSDB foi o presidentes do brasil por dois mandato de 8 anos.
    ANO de 1995 à 2002; ele só faziam empréstimo ao F.M.I. Aumentando a divida Externa dos brasileiro;
    E não fez o Brasil se desenvolver e caminhar afrente com os seu próprios recursos; O Brasil possui muitas Riquezas.
    Eu já estava enjoado de tento ouvir nos jornais de varias emissoras de TV e Radio durante todo o mandato do Ex-presidente Fernando Henrique que e do PSDB;
    O F.M.I. faz novo empréstimo ao Brasil.
    O F.M.I. esta avaliando quanto vale o Brasileiro.
    E o pior o brasil estava sendo vendido para o Estados Unidos; e Eu e a maior parte da população brasileira não sabe o porque de tantos empréstimos ao F.M.I.

  7. O natalense disse:

    BG, aproveita pra dar uma balanceada e deixar o blog mais imparcial, e publica essa materia também:
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/ricardomelo/2014/10/1535044-aecio-perde-batalha-da-verdade.shtml
    😉

  8. PORIGUAR disse:

    E NÍTIDO E INEQUÍVOCO O DESESPERO DOS PETRALHAS!!!!!!!!!ACABOU LADRÕES , ACABOU!!!!!!ECO FIM DA LINHA !!!!! VÃO MORAR EM CUBA !!!!!! FIDEL OS ESPERA!!!!! LISO !!!!

Ex-panicat Bassi Rossi diz que filho de Eike Batista é ruim de cama e Luma de Oliveira fica revoltada

babi-olinBabi Rossi está pegando pesado para queimar o filme de Olin Batista. Agora a moça está até dando entrevista dizendo que o filho de Eike e de Luma era ruim de cama e que ela teve de ensinar as coisinhas para ele.

Ao saber que o filhinho foi massacrado em público pela ex-panicat (ou chacrete, como diz Claudia Raia), Luma de Oliveira ficou revoltada.

Mas, como ela não tem o que fazer, pois Babi já deu a entrevista mesmo, só restou dizer ao filho a velha frase: “Bem que eu te avisei”…

Fabíola Reipert R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. luiz disse:

    a moça agora é puta, neh? porque vcs nao xingam também homens filhos das putas que divulgam videos transando com suas companheiras??? ruma de hipócrita.

  2. Roberto disse:

    Ele tá preocupado, o pai ainda é dono de uma fortuna de mais de 900 milhões de reais e pode chegar a 2 bilhões essa semana. Tadinho da gente.

  3. Juanikson Rabalho disse:

    Na minha cidade do interior uma mulher dessas é conhecida como KENGA. Pense num verme caguete. Leva o rapaz pra cama e ainda vai falar mau do mano. Bem que a mãe deveria tomar as providências e ir nos tapas com essa sem futuro. Interesseira. Uma KENGA que busca holofotes.

    • p disse:

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk acha que dimdim é tudo.

Ministro diz que escândalo do cartel supera mensalão e acusa PSDB de 'teatro'

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, afirmou que o PSDB está fazendo “teatro” no caso do escândalo do cartel de trens. As investigações têm como foco contratos metroferroviários de São Paulo, Estado administrado pelos tucanos desde 1995. “O PSDB está fazendo um jogo de não ir ao ponto, um teatro, se eximindo de dar respostas. Esse tratamento diferenciado é que é inaceitável. No caso do PT, nossos acusados foram condenados antes do STF, publicamente, e agora é o contrário.”

O ministro também criticou a imprensa. “Você compara o tratamento que a imprensa tem dado ao caso de São Paulo e ao caso do pessoal do PT, veja a diferença. Tirando o (jornal) O Estado de S. Paulo, não se pergunta pelo crime, se recrimina o acusador. Em São Paulo os volumes de recursos públicos passíveis dessa acusação são muito, muito maiores do que os recursos públicos em jogo no caso do mensalão”, afirmou.

Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Joana Darc disse:

    Esperar o que de uma imprensa reacionária e comprada como a nossa????

Ataques de abelhas no RN ultrapassam 970 atendimentos este ano

apis-mellifera-abelhas-closeCrianças picadas, adultos que tentam controlar enxames: esse é o retrato das ocorrências registradas pelo Corpo de Bombeiros no Rio Grande do Norte. De acordo com dados da Central de Gerenciamento de Emergência e Defesa Civil do CBMRN o período de reprodução das abelhas – de agosto a fevereiro – aumenta o perigo de ataques por causa da defesa em relação a presença externa de homens e animais.

Os dados do Corpo de Bombeiros listam que no ano passado, as ocorrências contabilizaram 1.505 atendimentos na grande Natal. Este ano, de janeiro a agosto, o Corpo de Bombeiros registrou mais de 968 atendimentos. Segundo o Coronel Elizeu Lisboa Dantas, Comandante Geral do CBMRN, os números devem aumentar. “Nesse período do ano os índices devem subir ainda mais. Atualmente, recebemos uma média de 40 chamadas para atendimento a enxames na região metropolitana”, detalha o Comandante.

Para tentar minimizar os efeitos negativos dos ataques, o Corpo de Bombeiros está com uma guarnição exclusiva do Serviço de Defesa Ambiental (Sidam) da instituição para este tipo de atendimento visando oferecer um serviço mais eficiente à população, mas a demanda ainda é muito alta. “O Corpo de Bombeiros está priorizando os casos de emergência e atendendo os casos mais simples por agendamento. Estamos intensificando as ações contra os ataques de abelhas dentro de residências, escolas, hospitais e em estabelecimentos comerciais, mas pedimos que os potiguares não tentem exterminar os enxames porque é perigoso”, justifica.

Na última quarta feira (16), um enxame de abelhas ajudou a Polícia Militar a prender um suspeito de assaltar um comércio no bairro Pajuçara, zona Norte de Natal. Depois de localizar o suspeito em um terreno baldio, os policiais militares encontraram o homem sendo atacado pelos insetos. Foi necessário usar fogo e água para espantar as abelhas. O homem foi identificado como foragido da Penitenciária Estadual de Alcaçuz

DICAS DE SEGURANÇA – Apesar da remoção do enxame ser feita por pessoa preparada para a tarefa, alguns cuidados podem ajudar a enfrentar o problema até o socorro chegar. De acordo com o Tenente Ananias Targino, Chefe da Seção de Defesa Ambiental do CBMRN, as abelhas têm visão e olfato apurados. Portanto, próximo a elas, deve-se evitar cheiro forte, movimentos bruscos, cores escuras (principalmente preto) e barulhos.

Outras dicas são:

– Isolar a área onde a colmeia está posicionada;

– Não atirar objetos ou atear fogo para destruí-la – as abelhas podem atacar ferozmente;

– Manter animais de estimação longe das abelhas;

– Não esmagar o inseto porque o cheiro é um sinal de ataque para as companheiras;

– Não usar produtos químicos, que podem irritá-las.

Secretária de Segurança acredita que ataques partiram de Alcaçuz

Tribuna do Norte

No final de uma semana marcada por duas rebeliões em presídios estaduais e ameaça de greve por parte de agentes penitenciários, uma série de atentados a ônibus instalou o caos na capital. O sistema de transporte público de Natal começou a parar por volta das 20h30. A Secretaria Estadual de Segurança Pública acredita, segundo o secretário Aldair Rocha, que os ataques partiram de Alcaçuz. “Tudo leva a crer que os ataques têm origem em Alcaçuz, por tudo o que tem acontecido desde quarta-feira, quando houve a rebelião”. No fim da noite de ontem, 16 presos foram transferidos de Alcaçuz para o Presídio Federal de Mossoró.

Foram registrado oito ataques a ônibus, que se estenderam das 14h até às 20h20. No roteiro de atentados, diferentes bairros da cidade, como Cidade Verde, Felipe Camarão, Brasília Teimosa e Golandim, além de uma ocorrência em Parnamirim. Os atentados foram coordenados, com maior concentração entre 14h e 16h30. Praticamente simultâneos, os ataques tiveram características comuns: homens a pé ou em motocicletas com recipientes contendo gasolina. Em alguns casos, o bandido ateava fogo a veículos parados. Em outros, os ônibus  eram incendiados durante o trajeto.

“São muito fortes os indícios de que as ações foram coordenadas, mas ainda não sabemos por qual motivo e o nível de envolvimento de grupos criminosos organizados”, disse Aldair Rocha, em entrevista coletiva. E complementou: “É uma realidade no país inteiro a existência desses grupos organizados dentro das prisões, tanto no nosso Estado quanto no resto do país. Também não é segredo a entrada de celulares nos presídios. Então, os indícios são fortes dessa participação dos presos de Alcaçuz”.

(mais…)

Seturn confirma que três ônibus foram incendiados; outros três sofreram investida

Foto Emanuel Amaral - Tribuna do Norte
Foto Emanuel Amaral - Tribuna do Norte

Diante do desencontro de informações sobre os ataques a ônibus em Parnamirim e Natal, o blog contatou uma fonte do Seturn, que informou a respeito dos eventos na capital.

Uma fonte do Seturn informa ao blog que os ataques a ônibus na capital atingiu efetivamente com fogo três veículos. Outros três também foram alvo de investida de bandidos, mas não houve êxito no ataque.

Um ônibus da viação Santa Maria foi atacado em Cidade Verde, Zona Sul. Esse foi o mais atingido. O fogo se alastrou na parte dianteira e atingiu motor e equipamentos manuseados pelo motorista. O veículo estava no terminal.

O segundo ataque foi a um ônibus da viação Guanabara, no Jardim América, Zona Norte da capital. O fogo atingiu a porta e danificou a plataforma elevatória de acessibilidade. O veículo tambéme estava no terminal.

Na terceira investida, o modus operandi foi diferente. Um ônibus da empresa Conceição foi abordado com passageiros, que foram obrigados a descer. Atearam fogo na bancada do cobrador. Transeuntes controlaram o incêndio.

Todos os procedimentos se assemelham em um ponto: quem faz os ataques são dois homens que chegam de moto e um kit inflamável.

Os outros três ônibus não foram confirmados os locais. Neles, os bandidos apenas conseguiram jogar a gasolina. Não há informações sobre feridos.

O Seturn não trabalha com a possibilidade de parar as atividades.

Titular da Sejuc relacionou ataques a ônibus a greve dos agentes penitenciários, diz jornal

Um trecho da matéria publicada no portal da Tribuna do Norte é, no mínimo, alarmante. O secretário de Justiça e Cidadania(Sejuc), Thiago Cortez, tão logo soube dos ataques que supostamente são articulados pelo PCC, questionou se era obra dos agentes penitenciários.

“Assim que soube dos atos de vandalismo, o secretário estadual de Justiça e Cidadania, Thiago Cortez, entrou em contato com o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Alexandre Medeiros, questionando se os atentados contra os ônibus tinham alguma ligação com o indicativo de greve da categoria. Alexandre Medeiros repudiou o questionamento do secretário e afirmou que os agentes ainda estão discutindo se deflagram ou não a greve amanhã”, diz o texto.

 

Ataques de Vírus aumenta mais de 250% em 2011 no Brasil

Jornal da Tarde

O número de ataques de vírus aos computadores conectados à internet deu um salto no primeiro semestre deste ano. Levantamento do Centro de Estudos, Respostas e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (Cert.br) mostra que o número de notificações de problemas desse tipo passou de 61,1 mil nos seis primeiros meses de 2010 para 217,8 mil nos mesmo período deste ano, um crescimento de 256%.

Segundo a Cert.br – organização ligada ao Comitê Gestor da Internet no Brasil, órgão que coordena todas as iniciativas de serviços da web no País – esse crescimento se deve principalmente porque o usuário de internet tem acessado mais sites desconhecidos e que carregam algum tipo de vírus.

(mais…)