Política

Danilo Gentili e Amoedo têm reunião para debater alternativa a Lula e Bolsonaro em 2022

Foto: Reprodução

O apresentador e comediante Danilo Gentili teve uma videoconderência com o candidato à presidência em 2018 João Amoedo para debater as eleições de 2022. Ambos estão alinhados sobre a necessidade de criar uma candidatura alternativa a Lula e Bolsonaro e querem se envolver nessa articulação. O próximo passo é uma reunião online entre Gentili, Amoedo e o ex-ministro Sergio Moro.

O convite da conversa com Amoedo partiu de Gentili, que nega terem tratado de sua eventual candidatura ou da formação de uma chapa conjunta. Os dois não se falavam desde 2018, quando trocaram mensagens sobre a campanha presidencial. Na época, Gentili mandou uma mensagem em que elogiou as propostas do então candidato João Amoedo, que ligou para agradecer pelo apoio.

No início do mês, o nome de Gentili apareceu com 4% das intenções de voto numa pesquisa do Movimento Brasil Livre (MBL) que testou seu nome para a presidência da República. Na pesquisa, o humorista aparecia empatado com Ciro Gomes, João Doria, Luiz Henrique Mandetta e Luciano Huck.

– Tivemos uma conversa sim, mas não foi sobre eu me candidatar a presidente. Foi uma conversa para entendermos como um poderia ajudar o outro a fazer algo pelo país. Isso soa ingênuo no meio político, eu sei, mas não somos políticos. Somos apenas pessoas comuns e as pessoas comuns querem isso, um país menos ruim pra se viver. – disse Gentili à coluna, por e-mail.

O apresentador declarou que nem ele ou Amoedo se sentem representados por Lula e Bolsonaro e que estão conversando na busca de “trazer alguma esperança” para quem está na mesma situação.

– Combinamos de começar a desenvolver essa troca de ideias, trazer outras pessoas e ter uma aproximação de Moro com esse grupo. No fundo, é um sentimento que existe por parte de muitas pessoas de tentar viabilizar algo para 2022, uma candidatura e um plano de governo, uma alternativa à polarização. – afirmou Amoedo à coluna.

Gentili defendeu a formação de uma chapa presidencial formada por Moro e Amoedo.

– A solução para sair desse dilema imposto de “se ele não ganhar o outro fica e se o outro não ganhar ele volta” é não votando em nenhum dos dois. Eu acredito que o Brasil merece algo melhor que isso. Não podemos nos contentar com pouco. – afirmou Gentili.

Além da articulação de uma conversa com Moro, Amoedo afirmou que outra ideia é aproveitar a influência do humorista nas redes sociais para “conscientizar as pessoas e ajudar no processo de criação de uma alternativa viável”.

– Temos características distintas entre nós. Pode ser que, mais para frente, façamos um divisão de tarefas, cada um cuida mais de determinado assunto. Isso ajuda a montar um plano. A próxima etapa será tentar fazer um bate-papo que inclua o Moro. – disse Amoedo.

Amoedo afirmou que “ainda é uma incógnita” se Moro sairá candidato a presidente, mas diz que o ex-juiz tem “disposição total” de conversar e ajudar. Afirmou também que ele próprio “não faz questão de ser candidato” e que vai priorizar a formação de uma alternativa a Bolsonaro e Lula.

Bela Megale – O Globo

Opinião dos leitores

  1. O que esperar do futuro de um País que tem como “líderes” políticos duas figúras nefastas do nível de Lula e Bolsonaro e, como desgraça pouca é bobagem, ainda temos que engolir esse Gentile querendo se postar como presidenciável. Francamente, é demais. Meus compatriotas, para o bem do futuro dos nossos filhos e netos, pensem e analisem a situação que passamos nos últimos dezoito anos, sem paixões ou radicalismos, só com a razão. Tivemos uma decepção com Lula(bandido e cínico), Dilma(fantoche do PT, Temer(cacique da corrupção) e para completar Bolsonaro, um sujeito sem o mínimo de QI e postura para estar a frente do comando do Brasil. Bolsonaro é um produto do ódio que a maior parte do nosso povo adquiriu por Lula, não fosse isso, ele seria, no máximo, o medíocre deputado que ele sempre foi. Na verdade, Bolsonaro presidente só existiu por causa de Lula e o Lula hoje candidato, só existe por causa das baboseiras do Bolsonaro presidente. Os cidadãos de bem têm a obrigação de buscar um nome que possa ofuscar essas duas desgraças, antes que seja tarde.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Planalto, STF, Congresso e PGR articulam reunião para definir ações urgentes contra Covid

O agravamento da crise da pandemia do coronavírus acendeu o sinal vermelho em Brasília e levou presidentes de Poderes a articularem uma reunião dos chefes do Executivo, Legislativo, Judiciário e Ministério Público na próxima semana para definir “ações efetivas urgentes” contra a Covid-19 e também uma busca de “reconhecimento de erros”.

A ideia, em negociação com Palácio do Planalto, Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal (STF) e Procuradoria-Geral da República (PGR), é realizar a reunião na segunda ou terça-feira da semana que vem para fechar um “grande pacto nacional” contra a pandemia do coronavírus e acabar com os conflitos entre o governo federal e estados.

As articulações buscam colocar na mesma mesa os presidentes da República, Jair Bolsonaro, do STF, Luiz Fux, do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira, além do procurador-geral Augusto Aras.

Bolsonaro tem minimizado a gravidade da pandemia e criticado medidas de isolamento adotadas por governadores e prefeitos para tentar reduzir o contágio pela Covid-19.

“Não dá mais para continuarmos nesta situação, temos de destravar as ações, tomar medidas urgentes e ações efetivas, reunir os chefes dos Poderes no Brasil para fechar um pacto pela vida e vamos todos reconhecer nossos erros”, disse ao blog um dos articuladores da reunião.

A demora do governo federal em tomar medidas urgentes contra o agravamento da pandemia no Brasil tem sido motivo de críticas dentro do Congresso Nacional e no Supremo Tribunal Federal. Há uma cobrança para que o Ministério da Saúde faça uma correção de rumo urgente na atual política de combate à Covid-19 para tentar reverter o agravamento da crise sanitária no país.

A avaliação é que não basta mudar o ministro da Saúde, é preciso alterar a atual estratégia federal de enfrentar o coronavírus. A expectativa é de que a reunião esteja costurada e negociada até o final desta semana.

Blog do Valdo Cruz – G1

Opinião dos leitores

  1. Na hora que o presidente fechar STF e congresso e colocar governadores e prefeitos ladrões na cadeia ele resolve o problema da pandemia

  2. Na hora que o presidente fechar STF e congresso e colocar governadores e prefeitos ladrões na cadeia ele resolve o problema da pandemia

  3. Que Sant'Ana. Santa Luzia e Nossa Senhora da Apresentação intercedam junto ao Neto Amado, o Senhor Jesus!

  4. Melhor deixar o GENOCIDA de fora… não tá ajudando em nada mesmo…só presta pra mugir para o gado…

  5. O principal erro está na cadeira de presidente.
    Enquanto esse erro não for resolvido o Brasil vai sofrer.

  6. VACINA VACINA VACINA, TRAGAM VACINA, O POVO QUER SER VACINADO, ASSASSINOS. RESPONSÁVEIS STF, PGR, PLANALTO, CONGRESSO, GOVERNADORES, PREFEITOS . PRECISAMOS DE CARRADAS DE VACINAS, SEUS IRRESPONSÁVEIS.

  7. Já que os governadores são incompetentes mesmo, o melhor é tentar as soluções por Brasília.

    1. Todos esses políticos corruptos culpam a mídia por tudo, de Lulaladrao ao MINTOmaníaco…

    1. 👏👏👏👏👏👏👏
      Concordo… melhor o General Mourão do que um capitão expulso por terrorismo…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Presidente julgou que era desnecessária a minha presença. Só isso”, minimiza Mourão, sobre ausência em reunião ministerial

FOTO: FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, preferiu não polemizar sua exclusão da reunião ministerial convocada por Jair Bolsonaro nesta terça-feira (9). O encontro, que conta com a presença de 22 dos 23 ministros, não estava na agenda oficial do presidente nesta manhã.

“Não, não fui convidado, não fui chamado. Então acredito que o presidente julgou que era desnecessária a minha presença. Só isso”, afirmou Mourão a jornalistas em Brasília.

Questionado se a situação o deixou desconfortável, Mourão negou. “Não, não estou incomodado, não.”

Bolsonaro tem trabalhado em temas fundamentais para o seu governo como o auxílio emergencial, priorizando a busca de opções para viabilizar uma nova rodada do benefício. Também está na pauta uma solução para o preço dos combustíveis, reivindicação direta dos caminhoneiros.

Os atritos entre o presidente e o vice se intensificaram no fim do mês passado, quando Mourão abordou publicamente o desempenho do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Bolsonaro se irritou, negou a intenção de demiti-lo e se referiu ao general da reserva do Exército de “palpiteiro”.

Mas o episódio que azedou a relação entre dois ocorreu após o site Antagonista ter publicado que o chefe da assessoria parlamentar de Mourão enviou mensagens ao gabinete de um deputado federal falando sobre as articulações em curso no Congresso para um eventual impeachment de Bolsonaro.

Depois de semana de atritos, Mourão sai em defesa de Bolsonaro

O vice, assim que teve conhecimento da notícia, afirmou que o assessor agiu por conta própria e por isso seria demitido.

Para colocar panos quentes na situação, Mourão fez um agrado ao chefe do Executivo, ao escrever, nas redes sociais, em 1º de fevereiro, que não há motivos para a aceitação do impeachment do presidente.

R7

 

Opinião dos leitores

  1. PODEM ANOTAR E GUARDAR O DIA E O MÊS E O ANO DE HOJE, 09/02/2021, EM 2022 O ATUAL VICE PRESIDENTE HAMILTON MORÃO VAI SER A PIOR DOR DE CABEÇA QUE O PRESIDENTE JAIR MESSIAS BOLSONARO JÁ SENTIU NA VIDA, QUANDO FOR FORMADA A CHAPA DA CANDIDATURA A REELEIÇÃO DE BOLSONARO E COM TODA CERTEZA O VICE NÃO VAI SER MOURÃO, COM O QUE ELE SABE DOS BASTIDORES E DOS PODRES DO PRESIDENTE ELE SIMPLESMENTE VAI DETONALO JUNTO COM A OPOSIÇÃO. QUEM VIVER VERÁ.

  2. Mourão se afastando dessa CATERVA, vai ser o único a escapar de ações penais e futuras prisões. Podem aguardar. General Heleno tinha total razão: "se gritar, pega ladrão, não fica um, meu irmão". Ali Babá agora está bem assessorado!

  3. Na atual conjuntura, em que o governo se uniu ao Centrão (aquele mesmo que o general Heleno cantou parodiando uma música conhecida : se gritar pega Centrão, não fica um …), não ser lembrado para participar de uma reunião com o MINTO é até um mérito!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro faz reunião fora da agenda sem a presença de Mourão e com parte dos ministros para tratar de preço dos combustíveis

Foto: Marcos Correa / Presidência da República

Alvo de críticas, o presidente Jair Bolsonaro reuniu boa parte da equipe de ministros, nesta terça-feira, para falar da alta de combustíveis e da preocupação com os impactos do reajuste. Integrantes do governo afirmaram à CNN que foi uma reunião de “constatação” do problema, uma vez que consideram inevitável o aumento no preço de frete, passagens e alimentos, como efeito cascata.

Os ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o de Economia, Paulo Guedes, apresentaram o cenário. Guedes afirmou que o “grande vilão” é o ICMS, cobrado pelos governos estaduais e que o governo federal trabalha para regulamentar o imposto, que passaria a ter alíquota fixa. Ainda não há definição se será por meio de decreto ou projeto de lei. A segunda opção exige acordo com o Congresso.

Outra frente é reduzir o Pis/Cofins, que é tributo federal. Haverá reunião de técnicos da Economia e Casa Civil para falar da redução de impostos. E a longo prazo, a equipe de Guedes aposta na reforma tributária.

Pazuello

Durante a reunião, os ministros também trataram de pandemia e da renovação do auxílio emergencial, que está em construção.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, falou de Manaus. Ele recapitulou sua defesa e voltou a dizer que agiu de acordo com as informações que tinha.

Alguns chegaram ao Planalto na expectativa de mudança na equipe, como a formalização de que Onyx Lorenzoni assumirá a Secretaria Geral da Presidência – o que não ocorreu, apesar de Bolsonaro já ter confirmado que fará essa mudança.

Um ministro afirmou à CNN que as mudanças ficarão para depois do Carnaval. O governo irá anunciar o novo ministro da Cidadania e pretende criar mais uma pasta, ao menos, contando com a aprovação da Autonomia do Banco Central, que deixaria de ter status de ministério.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Vice-presidente normalmente, não exerce função de governo. Além disso, o vice Mourão andou fazendo comentários desnecessários e teve um assessor envolvido em boatos sobre "impeachment". Melhor dar um tempo enquanto a poeira baixa. Mas, vai dar certo.

  2. Mourão é sem dúvida o mais qualificado para conduzir nossa nação. Acho que as pesquisas deveriam ter o nome dele.

    1. Os metidos a isentões, aqueles que querem ver suas vidas regidas enquanto eles ficam no sofá, estão loucos para achar um nome e chamar de "seu".
      O que vocês conhecem da vida de Mourão? Que ele é general do exército e vice presidente do Brasil. Além disso sabem o quê? Qual é a experiência política de Mourão? Quantos cargos ou funções ele ocupou na vida pública? Não estou julgando nada dele, apenas querendo saber sobre sua vida, chega de dar tiro no escuro da política, chega de talvez, basta de quem sabe.
      Já a esquerdalha não pode carimbar um nome assim, pois eles precisam eleger um dos seus corruptos de estimação.

  3. Petrobras produz aqui em real. Refina aqui em real. Paga salarios aqui em real. Mas vende com a cotacao do preco internacional e no dólar.

  4. Quase certeza que Morão não vai dormir esses dias.. tá muito preocupado com reunião. Brasil acima de tudo….

  5. Vilão é esse dólar fora do controle.

    Preço do petróleo ainda não retornou a patamares pré pandemia, quando retornar e o dólar 20% mais caro veremos gasolina a 6 reais.

    Foda, ou dá uma segurada na realização da Petrobrás ou veremos o combustível a 7-8 reais.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro confirma reunião com equipe econômica para tentar ‘bater o martelo’ e diminuir impostos sobre combustíveis


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (8), em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, que pretender reduzir a alíquota de Pis/Cofins aplicadas sobre os preços dos combustíveis no Brasil. Atualmente, o tributo tem o valor de R$ 0,35 sobre o preço do diesel.

“Hoje tenho uma reunião com a equipe econômica para ver se a gente bate o martelo. Queremos diminuir os impostos federais. Mas, para diminuir, pela lei existente, eu tenho que arrumar outro lugar para tirar o dinheiro, a não ser que o Parlamento me dê liberdade para reduzir sem apontar uma outra fonte para compensar isso”, afirmou ele.

Na conversa, Bolsonaro admitiu que o preço dos combustíveis pago pelos consumidores é alto. “O preço [dos combustíveis] na refinaria é menos da metade do preço da bomba. O que encarece são impostos e mais outras coisas também. O imposto federal é alto, o imposto estadual é alto e a margem de lucro de distribuidores e dos postos é grande. Está todo mundo errado aí, no meu entendimento.”

Ele comentou que existe a previsão de novos reajustes no preço dos combustíveis para os próximos dias. “Vai ser chiadeira com razão? Vai. Eu tenho influência na Petrobras? Não”, destacou o presidente.

Mais cedo, a Petrobras já comunicou um reajuste nos preços médios de venda às distribuidoras da gasolina, diesel e gás de cozinha válido a partir desta terça-feira (9). De acordo com uma previsão da Ativa Investimentos, preço da gasolina na bomba deve sofrer um reajuste de até 12% nos próximos 15 dias. A avaliação é de que o aumento seja aplicado de forma fracionada, em duas vezes.

“O combustível é uma coisa que afeta todo mundo. Estamos trabalhando num primeiro momento em cima do óleo diesel. O PIS/Cofins custa R$ 33 centavos por litro. O ICMS também é grande, maior que esse. Ambos são altos, mas os governadores dizem que não podem perder receita e estão no limite. O governo federal também está no limite, masquem está mais com a corda no pescoço é a população consumidora”, avaliou Bolsonaro ao lembrar que a dívida do governo é superior a R$ 5 trilhões.

De acordo com Bolsonaro, o governo “está fazendo o impossível” e lamentou a falta de refinarias em território nacional. “No governo anterior, tentaram fazer três refinarias. Gastaram bilhões e não fizeram nenhuma. Hoje, importamos parte do óleo diesel e a Petrobras alegas que, se não aumentar o preço do diesel, vamos importar algo para vender mais barato e poderia haver desabastecimento”, contou aos apoiadores.

Na última sexta-feira (5), Bolsonaro fez uma reunião com ministros, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e representantes dos caminhoneiros e manifestou o interesse de enviar ao Congresso um projeto para atribuir aos Estados a definição do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis.

Após receber críticas pela proposta, ele disse que não quer interferir no ICMS. “A minha proposta é para que o imposto seja cobrado em um valor fixo sobre o litro do combustível ou em um percentual em cima do preço das refinarias, porque tem bitributação. Não estou procurando encrenca, nem acusando os governadores por cobrar demais. Nós também cobramos demais, mas devemos buscar uma solução de forma pacífica”, analisou.

R7

Opinião dos leitores

  1. Mais um factóide "pras nega vê". Essa problemática só será resolvida dentro de um contexto de reforma tributária LEVADA A SÉRIO, e não com pirotecnias inúteis.

  2. Isso é um presidente mentiroso. Não é falta de refinarias não. Nos governos anteditas refinarias funcionavam com 100% de sua capacidade. Agora ele mandou reduzir pra 30% pra poder importar combustíveis.
    O gado vai pastando nas mentiras dele.
    Daí o que dá.
    Até o final do ano chega a R$ 10,00
    Mais se fizer arminha ela baixa.

  3. Ele levanta essa fumaça que vai fazer algo… Com 2, 3 dias a boiada esquece e assim ele vai levando tudo e todos em banho-maria.

  4. Interessante, cadê que ele corta logo na fonte esses aumentos abusivos ,jogar para os Estados é fácil , mais não autorizar os aumentos ele não quer

    1. O problema é a falta de estrutura nossa.
      O petróleo sai daqui bruto, um óleo espesso, qse de graça.
      E retorna refinado, gasolina pura de 1a qualidade, a preço de dólar.

  5. Tem que arrochar essa governadora, ele gastou 24.000. Milhões com propaganda mentirosa.
    O nosso dinheiro tá sobrando, tem que reverter pros verdadeiros donos.
    Cadê os respiradores???

    1. Bolsominion é um bicho que gosta de falar sem pensar! O ICMS não teve aumento de aliquota, mas vc tava a 03 anos atrás brabo querendo quebrar tudo, apoiando paralisação e raivoso nas redes sociais. Ai a aliquota do ICMS continua a mesma, o valor da gasolina aumentou de R$ 3,90 para R$ 5,40 e agora a culpa é dos governadores, no seu caso da Governadora porque ela é esquerdalha, comunista e do PT, até porque o Presidente é seu "messias", que Deus não leve a mal o que o boi fala aqui na terra.

    2. Tem que botar quente nessa desgovernadora.
      Ela tem que cobrar o ICMS em cima de 2.25 reais Preço da refinaria e não em cima de 5.19 que é o preço que está nas bombas.
      Tem que cortar isso já!!
      Chega de da dinheiro a esse desgoverno.
      A rigor, pra onde está indo essa dinheirama??
      Fora Fátima!!

  6. Tem muitas canalhices ai, quando a gasolina era 3 reais o percentual do ICMS era 29%, hoje a gasolina custa mais de 5 reais e o percentual do ICMS continua 29%, a culpa da gasolina está mais de 5 reais é dos impostos estaduais ou dos aumentos frequentes que a Petrobrás autoriza?

    1. Em 2018 a gasolina era vendida na refinaria por R$ 1,36, hoje custa 2,25 na refinaria, um aumento de quase 100%.

    2. Faça conta, a gasolina sai da refinaria por 2 reais e pouco e chega na bomba por mais de 5 reais, no meio do caminho incide o ICMS, faltou a aula de matemática?

  7. Diminuir imposto sobre combustíveis. … É estão caros, mas OS ALIMENTOS também não estão caros? Então, agora vamos comer combustíveis?
    No meu ponto de vista as taxações que deveriam ser reduzidas são as que incidem sobre alimentos – itens de primeira necessidade.
    Para os combustíveis, o melhor a fazer seria dar um auxílio temporário aos caminhoneiros.

  8. Quando os governadores irão se reunir com seus secretários de finanças, para diminuir o ICMS dos combustíveis?
    O Mito vai baixar.
    Falta os governadores fazerem sua parte.

    1. O MINTOmaníaco precisa mesmo eh agilizar a reforma tributária… Faz dois anos que só promete!

    2. Esse Calígula é uma vergonha atrás da outra……kkkkk

      É bom estudar viu!

    3. Vamos esperar Sr Neco, vamos ver o que realmente é para ser com os dois presidentes do Senado e da Câmara do lado do Governo de mentiras! Vamos ver o que realmente irá caminhar. Estou torcendo pelo Brasil, antes de tudo espero ver mudanças de fato na vida do Brasileiro! Vou nem comentar o que meu filho diz aqui, vem para casa Cacá, papai tá com a mamadeira cheia de leite pronta para você!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Reunião discute parceria para instalação de empresa de pátio de triagem em São Gonçalo; grupo visita área próxima ao aeroporto

Foto: Divulgação

O Prefeito Paulinho Emídio de São Gonçalo do Amarante/RN participou, manhã desta terça-feira (15), de uma reunião na Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (Sedec) para discutir parceria para a instalação de uma empresa de pátio de triagem no município.

No encontro estavam o sócio da Sulog, empresa que construiu e administra o primeiro pátio de triagem do Porto de Suape (PE), Manoel Ferreira Júnior, os secretários estaduais e municipais de Desenvolvimento Econômico, Jaime Calado e Vagner Araújo, respectivamente, o adjunto estadual, Silvio Torquato, e o diretor da CODERN, Francisco Mont’Alverne.

Após a reunião, que discutiu o Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica, o grupo visitou a área próxima ao Aeroporto Internacional Governador Aluizio Alves, em São Gonçalo do Amarante, destinada para implantação do pátio de triagem.

Opinião dos leitores

  1. Esse aeroporto é amaldiçoado!!! Colocou um negócio ali quebra. Mesmo nas proximidades o negócio vai a falência, pois a maldição atinge todo o entorno em um raio de 10 km. Quer ter prejuízo coloca um negócio ali perto.

  2. Ave Maria… Perto logo de onde… Da maior estrutura que DESESTRUTUROU o turismo do RN.
    Lembro de uma vez que um turista de Fortaleza pagou 90 reais da passagem de avião Fortaleza – Natal; quando chegou no aeroporto teve que pagar 150 no táxi até o hotel.
    E ainda perguntam pq o turismo diminuiu, rs

  3. Essa empresa de logística vai cair no mesmo erro de localização do aeroporto. Longe de tudo e de todos, sem estrutura de nada, sem hospital, sem transporte público, sem moradia de qualidade… tudo dependente de Natal.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEOS: Evo Morales leva cadeirada em reunião do partido socialista MAS

Durante uma reunião do Movimento ao Socialismo (MAS), o ex-presidente da Bolívia Evo Morales levou uma cadeirada de um manifestante nesta segunda-feira (14). O ato foi flagrado em um vídeo publicado nas redes sociais. “Fora” e “renovação” são palavras ouvidas no decorrer da gravação.

A reunião do MAS ocorreu em uma cidade boliviana de Cochabamba, reduto político de Morales, na qual estavam em pauta as eleições regionais e locais de 2021.

De acordo com a imprensa local, houve desentendimento devido à escolha dos candidatos que vão disputar o pleito. O ex-presidente socialista ocupava o centro de uma mesa instalada em um palco, ao lado de outros integrantes do partido, quando começaram as vaias e as “cadeiradas”.

Com Gazeta Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Em reunião tensa, Doria bate boca com Pazuello sobre vacina

Foto: Divulgação

Em reunião tensa, o governador de São Paulo, João Doria, elevou o tom nesta terça-feira, dia 8, e cobrou diretamente o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sobre a compra da CoronaVac, a vacina que é produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

“O que difere, ministro, a condição e a sua gestão de privilegiar duas vacinas em detrimento de outra? É uma razão de ordem ideológica e política ou é uma razão de falta de interesse de disponibilizar mais vacinas?”, afirmou Doria, questionando por que o governo federal assinou Medidas Provisórias bilionárias para comprar os imunizantes produzidos pela Oxford-AstraZeneca e as do consórcio Covax — a exemplo da CoronaVac, elas também não foram aprovadas pela Anvisa. “Por que excluir se o procedimento é exatamente igual?”, indagou o tucano.

Pazuello não gostou dos questionamentos e reagiu dizendo que a vacina do Butantan “não é do estado de São Paulo”. “Não sei por que o senhor fala tanto como se fosse do estado”, comentou. Para por um ponto final na discussão, o ministro declarou que “havendo demanda e preço, todas as condições serão alvo de nossa compra”.

Doria ainda lembrou o ministro sobre o protocolo de intenções que ele havia assinado para a aquisição de 46 milhões de doses da vacina do Butantan. “Infelizmente, o presidente desautorizou o senhor, foi deselegante com o senhor e em menos de 24 horas impediu que a sua palavra fosse mantida perante os governadores”, disse o governador.

A conversa quente ocorreu em reunião convocada pelo Ministério da Saúde com governadores e secretários da Saúde para falar sobre o plano nacional de imunização no Brasil. O encontro foi marcado às pressas depois que os governadores começaram a pressionar Brasília a antecipar o início da vacinação contra a Covid-19 previsto para março.

No encontro, Pazuello falou sobre a possibilidade de adiantar o programa nacional para o fim de fevereiro, data na qual ele calcula que a vacina da Oxford-AstraZeneca estará devidamente registrada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O clima de cobrança foi bem diferente do que se viu na reunião anterior, realizada em outubro, na qual Pazuello foi aclamado como “pacificador” – naquela ocasião, os elogios dos governadores, inclusive de Doria, provocaram indignação do presidente Jair Bolsonaro que desautorizou o seu ministro publicamente.

Veja

Opinião dos leitores

  1. https://www.washingtonpost.com/world/asia_pacific/coronavirus-vaccine-china-bribery-sinovac/2020/12/04/7c09ae68-28c6-11eb-9c21-3cc501d0981f_story.html

    O governador engomadinho, Fanta, das calças espreme-piu-piu, deve estar rasgando as calcinhas neste momento! No artigo do Washington Post sobre corrupção e subornos da Sinovac, aparece nome e foto do Dória!!

    Washington Post: “Enquanto a China se aproxima de uma vacina contra o coronavírus, nuvem de suborno paira sobre a farmacêutica Sinovac”.

    O foco do artigo não é a eficácia da vacina, mas o pagamento de suborno para aprovação dos produtos e ceticismo da classe médica com a “flexibilidade moral” da empresa.

  2. Saiu menor do que entrou, TODOS os outros governadores o criticaram. Ficou decido que o MS será o único responsável por toda a distribuição da vacina, ja tendo inclusive, negociado 300 milhões de doses (2 etapas de vacinação com 150 milhões de pessoas)

  3. Doriana quer empurrar essa vacina de qualquer jeito,deve ta ganhando uma "laminha" nessa transação,pilantra!!!!!

  4. Na China essa Coronavac já é utilizada? Tem comprovação de sua eficácia? Porra nenhuma. Querem empurrar de goela abaixo. Tem coisa por tra$.

  5. Gente, avisem o pessoal que navega, que o farol de mãe Luiza está em pane, curto circuito de burrice, entrou um jumento e mordeu a isca da ignorancia e quem vai decidir sobre a obrigatoriedade de se tomar a vacina é o STF,, O que acho um erro.

  6. Como falam e defendem a esquerda:
    – O democrata Dória que impor a vacina chinesa no Brasil custe o que custar, passando por cima da Anvisa. Além de querer impor a obrigatoriedade a todos e a prisão de quem se recusar a tomar.
    – Já o autoritário ministro fascista, quer ter segurança quanto as vacinas, espera pela regulamentação da anvisa, acha melhor ver todas as opções de vacinas sem determinar uma, que existam prioridades para aplicar, uma escala para tomar, dando prioridade de acordo com o grupo de risco.
    Assim vive o Brasil, entre os democratas e preocupados governadores de SP e Nordeste e os autoritários ministros do governo federal.

  7. E o Governo Federal que gastou milhões com a Cloroquina que até agora não serviu de nada? E ainda desautorizou o início das experiências com a vacina da China por puro ciúmes haja vista que era com o governador de São Paulo mas em consonância como o Ministro da Saude, o Pazzuelo, o que denota nenhum cuidado com a população brasileira , somente ele se manter bem na política!

    1. Falou o cientista protetor da esquerda. "A ivermectina não serve pra nada" EXATO!
      Por isso os irresponsáveis médico em todo país e Europa, receitam a ivermectina na primeira fase do tratamento contra o covid, por ela não servir para nada.
      Alienado Farol, viva em seu mundo ilusório, acreditando nas versões que seus corruptos de estimação vendem e você sem pesquisar, fica repetindo, valeu papagaio sem cérebro.

    2. Prova Flavio Luz q os europeus estão tomamdo vermifugo contra covid.

  8. O Butatan pertence de fato ao Estado de SP, nisso o MS errou. Porem, nao se pode liberar farmacos e vacinas em fase de testes sem a devida comprovacao, seria irresponsabilidade.

  9. Dória é que só fala dessa vacina da China como se não houvesse outras, por que o governador de São Paulo só se interessa por essa vacina? Quais serão os motivos obscuros que o fazem insistir tanto apenas nessa vacina específica?

  10. Doriana deve está colocando dinheiro no bolso com essa vacina. O laboratório tem histórico de pagador de propina para aprovação de medicamentos.

  11. "a exemplo da CoronaVac, elas também não foram aprovadas pela Anvisa. “Por que excluir se o procedimento é exatamente igual?”

  12. Doriana comprou 46 milhões de doses da Coronavac e tá atrás de alguém pra pagar a conta. Isso é o que eu chamo de "tirar diploma de fresco com o c* dos outros."

    1. Parabéns Edilson! Pela segurança da sua resposta dá pra ver que vc é o professor que emite o diploma. Kkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Bolsonaro vai ao STF para reunião com o ministro Luiz Fux

Foto: Marcelo Ferreira

O presidente da República, Jair Bolsonaro, foi até o Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde desta terça-feira (13) para uma reunião com o ministro Luiz Fux, presidente da Corte.

O Palácio do Planalto não informou a pauta do encontro desta terça, que não estava previsto na agenda de Bolsonaro. Essa é a primeira audiência oficial entre os dois chefes de poderes desde a posse de Fux. O ministro assumiu a presidência do STF no dia 10 de setembro, em uma cerimônia na qual Bolsonaro esteve presente.

A audiência também é a primeira depois que Bolsonaro indicou o desembargador Kassio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, para uma vaga no STF.

Kassio foi escolhido para substituir o então decano do tribunal, ministro Celso de Mello, que se aposentou nesta terça. A indicação de Kassio, que contou com o aval dos ministros do STF Gilmar Mendes e Dias Toffoli, precisa ser aprovada pelo Senado.

Semana passada, em sua despedida, Celso de Mello votou a favor de que Bolsonaro preste depoimento presencial, e não por escrito, no inquérito que investiga se o presidente interferiu na Polícia Federal. O julgamento foi suspenso.

Decisão do ministro Marco Aurélio

Outro tema em discussão nos últimos dias que envolve o STF foi a decisão do ministro Marco Aurélio Mello de soltar o traficante André do Rap, um dos chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios de São Paulo.

O ministro concedeu um habeas corpus, e o traficante deixou a prisão no sábado (10). Para justificar a soltura, Marco Aurélio citou trecho do pacote anticrime, aprovado pelo Congresso no ano passado e sancionado por Bolsonaro, que determina soltura de preso quando não há revisão periódica da necessidade da prisão preventiva. Assim, ficou demonstrado, no caso do traficante, o “constrangimento ilegal” da prisão.

Ainda no sábado, no entanto, Fux suspendeu a decisão de Marco Aurélio e determinou novamente a prisão, atendendo a pedido do Procuradoria-Geral da República.

André do Rap não foi encontrado. O Ministério Público e a Polícia Federal acreditam que ele tenha fugido em jatinho particular para o Paraguai ou Bolívia.

O STF informou que Fux levará o caso do traficante para análise do plenário do tribunal na quarta-feira (14).

G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Reunião na CBF, sobre volta da torcida, termina em confusão

Foto: CBF

Uma reunião por videoconferência, marcada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com representantes dos 20 clubes da Série A e que tinha como pauta a discussão sobre o possível retorno de público nos jogos da competição, terminou em discussão, xingamentos e sem nenhuma definição sobre o assunto. Os protagonistas dos momentos de maior tensão do encontro foram Rogério Caboclo, presidente da entidade, e Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

A reunião começou por volta das 17h e, logo no início, Caboclo propôs aos presentes a volta do público aos estádios. O presidente da CBF afirmou ainda que para que os torcedores retornassem às partidas a entidade teria de conversar com as prefeituras, mas que antes gostaria de ouvir a posição das equipes.

A maior parte dos representantes dos clubes optou pela isonomia – só seria liberada a presença da torcida se fosse para todas as equipes. Foi nesse ponto que surgiu o primeiro conflito. O Flamengo e a Ferj defenderam que o público deveria ser liberado nas cidades que concordassem com a decisão.

Palmeiras e Corinthians, entre outros, foram taxativos e não aceitaram. Nisso, Caboclo decidiu colocar em votação uma proposta para uma volta conjunta, sem data definida. Rubens Lopes pediu a palavra e lembrou que o pleito não poderia ser realizado, pois não se tratava de uma reunião arbitral, e sim de um simples encontro.

Caboclo ficou irritado com a interrupção. Com a voz elevada, passou a falar que era ele quem presidia a entidade e não outra pessoa. Lopes respondeu e, com ironia, perguntou se o presidente da CBF havia se esquecido de tomar o “Gardenal” (remédio controlado usado para tratar e prevenir convulsões e episódios de epilepsia).

Diante da incredulidade dos presentes, Walter Feldman, secretário da entidade, interveio e a reunião foi encerrada.

No encontro, ainda houve uma rusga entre Mário Celso Petraglia, presidente do Athletico-PR, Caboclo e Lopes. Caboclo ainda queria debater assuntos relacionados ao novo coronavírus, mas não houve nenhuma discussão sobre o assunto.

A única decisão efetiva do encontro foi o aumento do número de jogadores inscritos por clube no Brasileirão – de 40 para 50 atletas.

A decisão de aumentar dez jogadores por clube se dá na semana que o Flamengo vive um surto de covid-19 dentro do seu elenco. Até esta quinta, são 16 jogadores infectados, além do presidente Rodolfo Landim e do vice de futebol, Marcos Braz.

Por isso, o clube carioca quer o adiamento de sua partida contra o Palmeiras, marcada para domingo às 16h no Allianz Parque. O pedido, que o Alviverde se opõe, não teve resposta da CBF e o Flamengo deve entrar com medida no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para não ter que atuar com jogadores das suas categorias de base. O time ainda quer ter o direito de não entrar em campo sem ser penalizado com a perda dos pontos.

R7, com Estadão

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Flávio Bolsonaro confirma reunião com Paulo Marinho, mas nega vazamento da Furna da Onça

 Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

A advogada de Flávio Bolsonaro, Luciana Pires, afirmou hoje que, em depoimento ao Ministério Público Federal, ele confirmou que se reuniu em 2018 com Paulo Marinho, mas negou que tenha falado sobre um suposto vazamento da Operação Furna da Onça.

“Ele negou, obviamente. Nunca houve vazamento, nunca chegou ao conhecimento do senador nenhuma informação sobre a Furna da Onça. Ele explicou o procurador da República que inclusive que apoiava o deputado André Correa na época à presidência da Alerj e que se soubesse de algum vazamento da Furna da Onça, obviamente, não apoiaria um alvo [da operação]”, disse a advogada.

Paulo Marinho disse que se reuniu em dezembro 2018 com Flávio Bolsonaro, quando este teria lhe contado que, em outubro, logo após o primeiro turno da eleição, um delegado da Polícia Federal procurou assessores para avisar que Fabrício Queiroz seria alvo da operação.

Investigado por comandar o esquema de rachadinha no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, Queiroz foi demitido do cargo logo depois.

“Ele não se lembra da data, porque tem um ano e meio. Mas se lembra que teve reunião na casa do Paulo Marinho, junto com o advogado dele, para procurar advogado para ele. Nessa época, já estava protagonizando a questão do Queiroz e queria advogado para se defender, a imprensa estava especulando várias coisas e precisava de advogado para se defender. Não era para vazamento de Furna da Onça, nem para Queiroz, nada nesse sentido”, disse Luciana Pires.

Em maio, o advogado Victor Granado Alves, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, confirmou que esteve na reunião na casa de Paulo Marinho, mas disse que “está impedido de comentar os fatos lá debatidos por força da relação profissional e do sigilo inerente ao exercício da advocacia.”

No sábado, o desembargador Paulo Espírito Santo, do TRF-2, suspendeu a investigação de Victor Granado Alves no caso, sob o argumento de respeito à “inviolabilidade do sigilo profissional dos advogados”.

Flávio Bolsonaro prestou depoimento sobre o caso hoje dentro de seu gabinete em Brasília ao procurador Eduardo Benones, que viajou do Rio a Brasília para fazer o interrogatório. Como depôs na condição de testemunha e tem foro privilegiado, o senador pôde marcar local, data e hora da oitiva.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Esse bandido deu uma entrevista falando que o empresário Paulo Marinho quer crescer politicamente falando mal dos outros. Com certeza aprendeu com a familícia dos Naros.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ceará-Mirim se sobressai na segunda reunião entre as prefeituras e o Governo

INFORMATIVO PREFEITURA DE CEARÁ-MIRIM

Durante a reunião de ontem com o Governo do Estado (2), prefeitos e representantes de Nísia Floresta, São José de Mipibu, Monte Alegre, Barra de Maxaranguape, Ceará-Mirim, Goianinha e Bom Jesus apresentaram as dificuldades que vêm enfrentando para combater o avanço do vírus em suas cidades, como também para adotar medidas mais eficazes.

A maiores dificuldades em comum entre todos os que estavam na videoconferência são as pessoas e o comércio, que não colaboram para o isolamento social, e também a falta de atualização nos boletins epidemiológicos por parte da Secretaria Estadual de Saúde.

Ficou claro que Ceará-Mirim está à frente de vários municípios, no que diz respeito a medidas eficazes de enfrentamento ao Coronavírus. O blog lista algumas.

* Decreto sobre a obrigatoriedade da máscara há quase 1 mês

* Aquisição e distribuição de EPIs

* Equipes de fiscalização e conscientização com apoio das forças de segurança

* Pagamento de todos os servidores de forma antecipada, principalmente aos profissionais da saúde

* Redução de 20% dos salários do prefeito e comissionados, menos para os profissionais da saúde e para quem ganha o mínimo

* Distribuição de máscaras e aplicação de álcool para a higienização da população

* Barreira sanitária e blitzen educativas

* Desinfecção e higienização de lugares públicos

* Campanhas educativas nas mídias

* Distribuição de cestas básicas para feirantes e ambulantes cadastrados no município

* Suspensão do corte de água para famílias de baixa renda

* Prorrogação no prazo de validade das parcelas do IPTU

* Adiantamento de 40% do décimo terceiro de aposentados

* Azitromicina e Ivermectina disponível no Hospital Municipal

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Com aumento de casos por covid-19 no RN, Fátima convoca prefeitos da Grande Natal para discutir medidas de isolamento social

A coletiva no fim da manhã desta segunda-feira(01), da Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap, atualizou os números da covid-19 no Rio Grande do Norte, e alertou a situação delicada do baixo isolamento social, com o consequente aumento de casos.

Diante do cenário, o médico Petrônio Spinelli, secretário adjunto, confirmou que a governadora Fátima Bezerra enviou ofício aos prefeitos da Grande Natal para uma reunião no fim desta tarde. Na pauta, medidas de isolamento social.

Opinião dos leitores

  1. Em toda entrevista a GONVERNADORA , os SERETARIOS ( titular e adjunto) prometem a instalação de respiradores em Natal e nos hospitais regionais. Desde o começo da Pandemia que só se escuta promessas. Já morreu muita gente, os hospitais continuam na mesma situação e quando é que vai se resolver essa situação POFª FATIMA? Já paasou da hora de falar a VERDADE. Esse momento é de agilizar e não POLITICAR com VOCS estão fazendo. VERGONHAAAAAAAAAAAAAAAA

  2. Governadora, kd os respiradores e o hospital de campanha? O que foi feito com o dinheiro. Responda ao isso ao povo e depois tome as medidas necessárias.

  3. Isolamento não é a solução. A solução é instaurar medicação eficiente de forma precoce. Não estão chegando as medicações nos postos de saúde. Nem ivermectina, nem Hidroxicloroquina.

  4. LOCKDOWN URGENTE…ESTÃO COM MEDO DE QUÊ, PARA FECHAR TUDO???
    OU FECHA OU NÃO TERA ESPAÇO PARA ENTERRAR OS MORTOS.

  5. Só sabe fazer isolamento .
    Hospital de campanha zero, respeitador zero, Eli zero!!!
    Arremaria como o povo do RN foi escolher essa senhora pra governadora!!!!

  6. Governadora, desembale os respiradores e instale nas unidades de saúdes, já começam a aumentar as mortes das pessoas por falta desses importante equipamentos.

  7. Fico impresionado como o Prefeito de Natal, o Sr. Álvaro Dias, permite que os mercados públicos e as feiras livres funcionem. É de uma irresponsabilidade sem tamanho. Acredito que as feiras livres, seja um dos maiores focos de transmissão desse vírus. Quantos pessoas infectadas trabalham ou circulam pelas feiras? Um número imaginável, né mesmo prefeito? O que o Sr. está esperando para fechar os mercados e as feiras livres por um certo período?

    1. Concordo, moro no Parque dos Coqueiros, a Feira livre daqui está um caos. Até vi algumas vezes uma turma da semsur com a guarda municipal. Só que não tem jeito, quando eles saem a bagunça volta pior.

  8. A governadora teve 75 dias para preparar a rede estadual de saúde para atender ao coronavírus e não fez quase nada. Muitas entrevistas coletivas, aterrorizou o povo potiguar com aquele previsão catastrófica e mentirosa e apelou unicamente para essa falácia do “fique em casa”. E agora? Vai querer aprofundar o tal isolamento? E acabar o que ainda resta da economia do estado?

    1. Muito bem colocado. Incompetência total. Essa governadora deve ser responsabilizada pelas mortes que vem ocorrendo por ausência de respiradores e /UTIs

    2. Essa governadora quer o povo do Rio Grande do Norte , Louco e morrendo de fome. Desde o dia17 de março que estamos em casa, idosos precisando de ajuda para o serviço diário e essa destemperada com sua equipe. ,depois de 75 dias ainda fala em total isolamento. Meu Deus!!!! Coitado de nós. Ainda bem que o Governo Federal É de direita.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Fátima destaca “clima respeitoso” em reunião de governadores com Bolsonaro “em defesa da saúde do povo brasileiro”

Foto: Reprodução/Twitter

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), classificou a a reunião dos governadores dos estados do Brasil com o presidente da República Jair Bolsonaro “respeitosa”.

“A reunião entre nós, governadores do Brasil, e o presidente da República acabou há pouco, num clima institucional respeitoso. As divergências foram deixadas de lado para que pudéssemos focar na união de todos em defesa da saúde do povo brasileiro e na superação da crise”, disse.

Fátima ainda destacou que o “presidente anunciou que vai sancionar o projeto de ajuda financeira aos estados e municípios. Fizemos um apelo: que essa sanção se dê com a urgência que o momento requer e que esse aporte seja repassado com brevidade”.

O encontro virtual aconteceu nesta quinta-feira (21) e também contou com a presença do presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e de ministros.

 

Opinião dos leitores

  1. A melhor governadora do RN de todos os tempos!
    Estamos com a senhora, se continuar agindo com responsabilidade. O melhor voto de 2018.

    1. É, uma crise dessa, ela não construiu um hospital de campanha, com UTIs equipados de respiradores. Agora já recebeu quase um bilhão.

  2. Eita Chico 100, tu não sabe metade da missa, dizer que Fátima tem sido uma boa gestora é uma piada de péssimo gosto, e, com certeza, vc não sabe o que é inveja, pois não se pode ter inveja, de quem não tem nada para dar. Finalmente ela hoje foi feliz, essa não é a hora de picuinhas políticas, ela tem que arregaçar as mangas e fazer seu secretário fazer o mesmo, nós estamos precisando e a SESAP está praticamente inerte.

  3. Votei em Fátima e me arrependo, tá gastantando as máscaras do pro sertao e dizendo que é do governo.
    700. Milhões do governo Bolsonaro injetado no RN e ninguém vê a cor.
    Agora, Bolsonaro botou todos no bolso, eu sabia, A ONDE DINHEIRO NÃO TESOLVER, É PORQUE FOI POUCO. O ruim é que quem paga essa conta, é o povo.
    Mas, tá tudo DOMINADO.
    Acabou com o restinho da canhota.

    1. Mentiroso(a) tu não votou em Fátima e vem falar asneira. Fátima tem feito tudo pra melhorar esse Eatado. O resto é inveja do sucesso dos outros

    2. Pois eu gostei e torço que daqui para a frente o clima seja esse : de normalidade institucional. O mais importante é que saiamos dessa crise ( pelo menos é o que espero ) porque não sou dessa turma que torce por políticos ou por partidos; eu torço é pelo País e pelo meu Estado.

    3. Tá fazendo o quê chico 100 prumo??
      Espalhando o pânico??
      Cadê os 11.300 defuntos??
      Cadê o dinheiro que o governo federal mandou??
      Fátima tá fazendo muito, mais muito mesmo, é raiva.
      Pode perguntar aos prefeitos, até aqui zero de ajuda pros municípios.
      Zero!!
      Eu também votei, e estou arrependido também, governo desde o primeiro dia, sem projetos, sem ação.
      Pelo jeito, Fátima, ainda não tomou posse.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Êxito da reunião de Bolsonaro com governadores reduz termômetro de eventual impeachment, destaca analista da CNN

Além dos chefes estaduais, participaram do encontro virtual, os ministros: Paulo Guedes (Economia), Fernando Azevedo (Defesa), Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Jorge Oliveira (Secretaria-Geral).

Os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) também discursaram na reunião.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que a reunião foi um “momento histórico na reconstrução do país”. Alcolumbre também disse repetidamente que, “diferente do que muitos pensam ou falam”, não há uma divisão entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

“Além dos R$ 60 bilhões (em repasses diretos), a gente também conseguiu, com apoio do governo federal, inserir cláusulas importantes”, apontou, referindo-se à suspensão do pagamento das parcelas da dívida dos entes federados com a União, que ele estimou em R$ 49 bilhões. “A gente conseguiu, nessa conciliação dentro do projeto, inserir segurança jurídica.”

O presidente do Senado disse que a “fotografia” do encontro desta quinta-feira mostrará a união entre os Poderes. “A fotografia e a sanção desse projeto servirão para todos que insistem em nos dividir. Eles perderão porque estamos unidos com o povo brasileiros, todos os Poderes, para enfrentar a maior crise sanitária da história do Brasil.”

Rodrigo Maia elogia reunião com Bolsonaro e fala em ‘união de todos’

Rodrigo Maia foi ao Twitter dizer que a reunião de hoje com Jair Bolsonaro e governadores foi “muito importante”.

O presidente da Câmara falou em “união de todos” no enfrentamento à pandemia.

“Muito importante a reunião hoje com o Presidente da República para a sanção do projeto de socorro a Estados e municípios nesta pandemia. A união de todos para o enfrentamento ao coronavírus é a sinalização mais importante.”

Com CNN,  Estadão e O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. O bafo no cangote do presidente está fzdo efeito. As 800 mortes que o senhor disse que seraim no máximo no Brasil em todo ano, acontece todo dia e sua conta está sendo calculada.

  2. Esse Bolsonaro paz e amor é só estratégia para evitar o impeachment. Se abrir a boca volta tudo. Nas próximas declarações de Bolsonaro na reunião do cercadinho do palácio, a temperatura sobe de novo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

CLIMA DE PAZ E CONSENSO: Em reunião com governadores, Bolsonaro diz que deve sancionar nesta quinta ajuda aos estados

Foto: Reprodução/GloboNews

O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado de ministros, realizou nesta quinta-feira (21) uma videoconferência com governadores para discutir ações relacionadas ao enfrentamento da crise de saúde e econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), participaram da videoconferência. Antes, tiveram uma audiência com Bolsonaro.

Na abertura do encontro, Bolsonaro disse que o governo defende congelamento de salários de servidores até o ano que vem.

“Bem como nesse momento difícil que o trabalhador enfrenta, alguns perderam seus empregos, outros tendo salário reduzido, os informais que foram duramente atingidos nesse momento, buscar maneiras de, ao restringirmos alguma coisa até 31 de dezembro do ano que vem, isso tem a ver com servidor público da União, Estados e municípios, nós possamos vencer essa crise”, afirmou o presidente.

Bolsonaro também afirmou que gostaria que a reunião concluísse, por consenso, que os vetos dele ao projeto de auxílio financeiro aos estados sejam mantidos.

“O mais importante: se possível sair uma proposta aqui por unanimidade de nós, ao vetarmos quatro dispositivos, um que é de extrema importância, que esse veto venha a ser mantido por parte do parlamento. Porque é assim que vamos construir nossa política, nos entendendo cada vez mais”, disse Bolsonaro.

Maia

Em seu discurso, Maia defendeu o projeto de socorro aos estados e pregou a união entre estados, municípios e governo federal para o enfrentamento da crise.

“Esse projeto vem nessa linha, projeto construído no Congresso Nacional junto com governo federal, que hoje vem à sua sanção em um momento muito importante no enfrentamento à crise. A união de todos no enfrentamento à crise vai criar com certeza as condições para que nos segundo momento possamos tratar do pós-pandemia da recuperação econômica, da recuperação dos empregos”, disse o presidente da Câmara.

Alcolumbre

O presidente do Senado, em sua fala na abertura do encontro, alertou que os políticos e governantes têm responsabilidade de conduzir o país durante a crise da pandemia e também depois, quando, segundo ele, as desigualdades na sociedade devem aumentar.

“A gente tem que ter a consciência de que essa crise é sem precedente na nossa vida, mas seremos cobrados por qual atitude tomamos para enfrentar a dificuldade de saúde pública que já tirou a vida de 20 mil brasileiros, milhares perdendo a chance de um futuro promissor. Nós temos responsabilidade com 210 milhões de brasileiros. Após essa pandemia o nosso país terá muito mais desigualdade. Essa diferença nas classes sociais se ampliará. A gente precisa ter responsabilidade e compromisso público”, disse o presidente do Senado.

Covid-19

Segundo levantamento exclusivo do G1 junto às secretarias estaduais de saúde, foram registradas no país 19.038 mortes provocadas pela Covid-19 e 294.152 casos da doença. O balanço de quarta-feira (20) do Ministério da Saúde informou 18.859 mortos e 291.579 casos.

Atualmente, o Brasil é o terceiro país no mundo com o maior número de casos confirmados da doença, atrás de Estados Unidos e Rússia.

Bolsonaro teve em março uma rodada de conversas por vídeo com governadores em encontros divididos por regiões. Na oportunidade, trocou farpas com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). As críticas feitas por ambos se mantiveram em abril e maio.

A nova conversa com governadores é uma tentativa de ajustar medidas de combate à Covid-19, em um contexto no qual o Brasil trocou duas vezes de ministro da Saúde (Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich) e tem a pasta no momento comandada de forma interina pelo general Eduardo Pazuello, um militar sem experiência em saúde pública.

Estados enfrentam dificuldade com equipamentos em unidades de saúde e presidente e governadores divergem na estratégia para conter a doença em temas como isolamento social e uso da cloroquina pelas pessoas infectados.

Bolsonaro é crítico das medidas de isolamento social e defende isolar somente idosos e pessoas com doenças crônicas. O presidente já se manifestou pela retomada do comércio e a volta das aulas, enquanto muitos governadores, como Doria, mantêm as medidas de restrição ao comércio a fim de tentar frear a velocidade do contágio da população.

Socorro aos estados

Em entrevista ao blog da jornalista Ana Flor, colunista do G1 e da GloboNews, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a videoconferência é uma oportunidade de pacificar as relações entre os governos federal e estaduais.

Um dos temas que Guedes espera definir a partir da videoconferência é o conjunto de possíveis vetos ao projeto de socorro aos estados e municípios, aprovado em 6 de maio pelo Congresso, e que ainda não foi sancionado por Bolsonaro.

Guedes e Bolsonaro querem que os governadores se comprometam a garantir que irão ajudar a manter os vetos que barram reajustes salariais a categorias do funcionalismo público nas três esferas.

O Planalto propôs o congelamento dos salários de servidores como contrapartida à ajuda de R$ 60 bilhões, contudo, na tramitação no Congresso os parlamentares aprovaram a liberação ao reajuste para determinadas categorias.

No dia seguinte à aprovação do texto pelo Senado, Bolsonaro afirmou que, por sugestão de Guedes, iria vetar a permissão de reajustes salariais ao funcionalismo.

Agora, Guedes e Bolsonaro querem que os governadores se comprometam a garantir que irão ajudar a manter os vetos que barram reajustes salariais a categorias do funcionalismo público nas três esferas. Guedes tem alertado para o risco dos estados usarem o dinheiro destinado à saúde para conceder reajustes ao funcionalismo em ano eleitoral.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *