IDE e educador português debatem a transformação da escola em comunidade de aprendizagem

Foto: Divulgação

O Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE) põe em discussão a necessidade de transformar a escola enquanto resposta à falta de motivação de crianças e jovens para se manterem engajados com os estudos. “É cada vez mais comum as queixas das escolas quanto à dispersão dos estudantes que influencia nos resultados de aprendizagem e é preciso identificarmos os motivos e as soluções”, destaca Cláudia Santa Rosa, diretora executiva do IDE.

Constata-se que a escola predominante no Século XXI ainda é a mesma que foi estruturada há 200 anos. A crença é de que a aprendizagem só acontece por meio de lições repassadas pelo professor, num modelo de aula padronizado, com forte apelo às longas exposições. Consequentemente, a escola se mantém fechada nela própria, reduzida aos limites de um prédio, muitas vezes sem dispor das condições apropriadas ao desenvolvimento integral de quem aprende.

Para discutir uma pauta urgente, o IDE vem realizando uma agenda semanal de debates sobre importantes temas que afetam a escola, especialmente em tempo de pandemia. O projeto “Diálogos em Defesa da Educação” receberá o educador português, José Pacheco, idealizador da revolucionária Escola da Ponte, localizada no norte de Portugal, que vai discutir a necessidade de a escola ser repensada para sobreviver na atualidade. O encontro acontecerá nessa terça-feira (14), às 19h30, pelo Instagram @ClaudiaStaRosa.

O caminho para fortalecer a educação formal, que José Pacheco defende, é o da inovação, por meio da transformação da escola em comunidade de aprendizagem, um conceito que reconhece os círculos de vizinhança como potencialidades para ampliar os espaços de aprendizagens para além do prédio escolar.

“Pacheco é incansável na luta por uma educação libertadora. O que ele fez na Escola da Ponte já foi extraordinário, mostrou que a utopia pedagógica é realizável. Agora ele dá um passo adiante com a proposta de espalharmos comunidades de aprendizagens por todos os lugares”, comenta Santa Rosa, que, em 2008, defendeu tese de doutorado em educação a partir de uma profunda pesquisa realizada na Escola da Ponte.

A professora Santa Rosa vem implementando projetos em escolas de Natal, baseados em sua tese de doutorado, sempre com enorme sucesso, basta dizer que a escola com o IDEB mais alto do RN (7.1), foi a primeira que ela implantou a experiência: a Escola Estadual Hegésippo Reis, no bairro Nova Descoberta. Na Escola Estadual de Tempo Integral Dr. Manoel Dantas o trabalho começou em 2015. A instituição tinha medido IDEB 2.5 em 2013 e subiu para 5.8 em 2017. “Com essa Live queremos inspirar professores para inovar e o momento de retorno das escolas às atividades presenciais será muito oportuno”, destaca Cláudia.

Serviço

LIVE no Instagram: @ClaudiaStaRosa

Data: 14/07/2029

Hora: 19h30

Tema: Comunidades de aprendizagem – um novo jeito de fazer educação no retorno às escolas.

Debatedores: José Pacheco e Cláudia Santa Rosa

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco Gaspar disse:

    Nos anos 70's quando andei ligado ao ensino, numa altura agitada (pós – revolução) aqui por Portugal, e quando se implemantaram inúmeras reformas do ensino, recordo-me de um mestre Rui Grácio que publicou um trabalho, que guardo, "Os Professores e a reforma do Ensino" pertence à Biblioteca do Educador Profissional. Neste trabalho lê-se: "…nada na vida individual e colectiva dos homens é alheio à política, banalidade que só a ignorância ou má fé se atrevem a impugnar."

    Vale a pena ler!

  2. Macilon disse:

    Como pré-candidato a prefeito de Sao Vicente RN, Pedagogo com especialidades em Gestão de Negócios, MBA em Gestão de Pessoss (RH) e uma vida dedicada a Gestão na Petrobras, sonho com minha cidade transformada numa cidade voltada para a aprendizagem libertadora, numa comunidade de aprendizagem – um novo jeito de fazer educação.
    Identiquei-me na hora com o projeto, vou além, incluiria o item a parte, a escola com uma área especificas para preparação para concursos de acesso as melhores escolas ou empregos no Pais.

Escola aplica simulados remotos com foco na preparação para o Enem

Foto: Divulgação

O Exame Nacional do Ensino Médio já tem nova data para acontecer: será nos dias 17 e 24 de janeiro, para quem for fazer a prova impressa, e 31 de janeiro e 7 de fevereiro, para os inscritos na prova digital. As novas datas foram divulgadas esta semana pelo Ministério da Educação. Mesmo durante os quatro meses de indefinição sobre a realização das provas, os alunos do Colégio Porto, em Natal, não deixaram de lado a preparação. Durante esse período sem aulas presenciais, os estudos com foco no Enem foram reforçados com a realização de simulados remotos.

Neste mês de julho, os estudantes da 3ª série do ensino médio vão fazer o sétimo simulado para o Enem desde que as aulas passaram a ser feitas on-line. Já os alunos das 1ª e 2ª séries vão para a terceira maratona de provas. Os simulados seguem o mesmo formato do ENEM em relação aos conteúdos e tempo de duração e são monitorados de forma remota por professores, que observam os alunos, de forma geral e individual, por meio das câmeras usadas na plataforma Google Meet.

“Os simulados estão sendo muito importantes para que os alunos sigam essa preparação para o Enem de forma contínua, mesmo que de maneira remota. Os resultados têm sido muito satisfatórios. Inclusive, os nossos alunos estão com rendimento superior à rede de todas as escolas Bernoulli juntas no Brasil”, afirmou a diretora pedagógica do Colégio Porto, Ana Cristina Dias. A escola utiliza o material didático do Sistema Bernoulli de ensino, um dos mais conceituados do país, que também é responsável pela preparação dos simulados.

Yanna Rodrigues é aluna da 3ª série do ensino médio do Colégio Porto e vai tentar uma vaga no curso de Medicina, tradicionalmente o mais concorrido. Ela destaca a importância do suporte que está recebendo da escola em relação à preparação para o Enem. “O Porto está nos dando um suporte maravilhoso com simulados, assistência psicológica, aulas extras com os professores e isso ajuda bastante. Toda a base que precisamos estamos conseguindo ter, com professores, funcionários, todo mundo nos auxiliando, para que a gente tenha um resultado muito bom”, concluiu.

Escola do Legislativo desenvolve guia para servidores da Câmara Municipal de Parnamirim

Foto: Reprodução

Equipe da Escola do Legislativo Professora Eva Lúcia, desenvolveu a primeira edição do Guia Informativo, cujo o objetivo é de contribuir com ações que visem a manutenção das relações interpessoais, a saúde e o bem-estar dos parlamentares e servidores da Câmara.

O guia foi elaborado através de reuniões virtuais, e traz sugestões de cursos on-line, livros, filmes e atividades culturais gratuitas e on-line, além de mensagens e informações diversas. A intenção é que o guia tenha circulação quinzenal e compartilhado via WhatsApp e nas demais redes sociais da Câmara.

“Nosso principal intuito é de, enquanto servidoras, colaborarmos com a Câmara no enfrentamento das consequências danosas da pandemia; de buscarmos mais uma ferramenta de diálogo entre parlamentares, servidores e comunidade externa; de estreitarmos a relação de [email protected] com a Escola do Legislativo”, explica Senadaht Baracho, pedagoga na Escola do Legislativo.

Escola de Natal lança espaço na internet aberto ao público com dicas de lazer e cultura para toda a família

Fotos: Divulgação

Há pelo menos dois meses as famílias viram a rotina mudar radicalmente. Estão todos em casa, desfrutando de mais tempo juntos. Mais tempo para brincadeiras, para conversar, para preparar o lanche da tarde, para assistir a um bom filme, para se distrair com um jogo. São várias as possibilidades. Pensando nisso, a Maple Bear Natal reservou um espaço dentro da sua página na internet com várias opções de lazer, entretenimento e dicas culturais.

O “Maple Bear At Home” reúne indicações de diversas atividades para várias faixas etárias e é aberto ao público. No espaço, serão disponibilizados links para canais do Youtube que tenham contação de histórias infantis, rodas de cantigas, dicas de leitura, tour virtual por museus, indicação de concertos on-line, sites de culinária, atividades em inglês, aplicativos para exercícios físicos, entre outras coisas. A página já está no ar e será atualizada toda semana.

“O espaço é mais um canal para dar suporte às famílias nesse período de isolamento social. É uma forma de ajudar nossos alunos e outras crianças a desenvolveram suas habilidades, com dicas educativas. O mais interessante é que essa página vai proporcionar momentos de lazer individual e em conjunto, com toda família. Eles vão podem socializar mais, estar mais juntos um dos outros”, explicou a diretora da unidade de Educação Infantil da Maple Bear Natal, Julyana Freitas. Para acessar todas essas possibilidades, basta entrar na página maplebearnatal.com.br/at-home

Editorial Folha de SP: O boleto da escola

Foto ilustrativa: Luiz Gonçalves/ TV Gazeta

A interrupção das aulas em todo o país, por efeito da pandemia de Covid-19, impõe desafio imenso às escolas, obrigadas a rever seu planejamento e buscar formas de oferecer o ensino a distância.

No caso dos estabelecimentos particulares, uma outra discussão vem ganhando corpo. Nos Legislativos de ao menos 11 estados, além de no Congresso Nacional, foram apresentados projetos que determinam a redução das mensalidades, em proporções que variam de 10% a 50%, na quarentena.

Compreende-se o intuito dos parlamentares de auxiliar famílias que arcam com a educação dos filhos e, neste momento, se veem com a renda reduzida. A solução aventada, contudo, é problemática, pois esbarra em dificuldades legais e ignora a realidade do ensino.

Cabe considerar, em primeiro lugar, que a rede particular constitui universo bastante variado. Enquanto algumas escolas estão ligadas a grandes conglomerados educacionais, que lhes dão maior margem de manobra no atual momento, a maioria é pequena e local —e portanto mais sensível a quedas bruscas de receita.

Soma-se a isso o fato de que, embora algumas instituições possam ter tido seus custos reduzidos, a maior parte dos gastos (75% em média) é fixa e se dá com o pagamento a professores e funcionários.

Assim, um desconto generalizado nas mensalidades pode ter como efeito colateral a demissão de profissionais, quando não o fechamento de estabelecimentos.

Além disso, especialistas em direito do consumidor apontam que as propostas legislativas, se aprovadas, podem vir a ser consideradas inconstitucionais, ao interferirem de forma injustificada na livre iniciativa. Cria-se, assim, um cenário de insegurança jurídica, em que as reduções podem terminar, posteriormente, revertidas nos tribunais.

A forma menos imperfeita de encaminhar a questão parece ser por meio de negociações individuais com as famílias mais afetadas, que resultem em descontos provisórios ou parcelamento das mensalidades, como defende a Federação Nacional das Escolas Particulares.

Dentro desse esforço coletivo, cabe aos colégios utilizar, a despeito dos inevitáveis improvisos, as ferramentas do ensino a distância, para minimizar as perdas no aprendizado. Ademais, as aulas presenciais devem estar entre as primeiras atividades a serem retomadas quando superada a pior etapa da disseminação do novo coronavírus.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Solange.silva disse:

    Professor de rede pública e privada já ganha muito, imagine aí reduzindo.. faz-me rir..

  2. Fernando disse:

    A maioria dos trabalhadores estão tendo que renegociar seus salários com redução de 25%, 50% ou 70%. Alguns até com suspensão de seu contrato de trabalho. Por que as escolas não podem também reduzir os salários de sus professores e funcionários? Me parece uma incoerência não se reduzir os valores das mensalidades.

  3. Marieta disse:

    Engraçado é que ninguém fala em reduzir o dos políticos, né!?

    • Ojuara disse:

      Concordo Marieta, corta de todo mundo, aperta de todo mundo, menos dos políticos safados que nos roubaram a vida inteira, nem um centavo e retirado de seus milionários ganhos. O outro absurdo é os bancos que ano após ano consome metade do nosso PIB só em juros da dívida, coisa em torno de um TRILHÃO E MEIO por ano, não estão nem um pouco preocupados pois sabem que a sua grana é garantida, inclusive por esse tão austero presidente bolsonaro. Ou seja, quem vai pagar a conta novamente, é o povão.

    • Bruto disse:

      Quem paga banqueiro é quem compra título de divida pública, como o Tesouro Direto (bancos fazem a intermedição), cuja dívida só tá sendo rolada (e avolumada) faz uns anos. Faz uns anos que nenhum centavo de impostos foi para juros e amortizações. Tinha isso quando se via o tal do superávit primário. Não quer que se pague banqueiro, peça pro seu governante viver dentro de suas possibiliades e não peça empréstado. Mas isso mexe em muito diretuadquridu.

  4. Bruno Aguiar disse:

    Uma solução sensata seria a redução salarial dos funcionários de escolas e consequente redução da mensalidade enquanto o período de pandemia se mantiver. Muitas empresas estão reduzindo salários e carga horária. Somente as escolas estarão numa realidade distinta do resto da sociedade?

    • Greg disse:

      Será que as escolas já estão fazendo isso e vc não sabe? Outra equação não levado em consideração é o índice de inadimplência e cancelamentos de matrículas, isso também conta em planilha.

Alunos da Maple Bear Natal aprendem via comunidade digital que reúne mais de 41 mil estudantes no mundo

Imagem: divulgação

Garantir em pouco tempo o funcionamento de uma estrutura digital que permite a aplicação de uma metodologia diferenciada, com interações entre grupos de alunos e conteúdo pedagógico até para os pequeninos da educação infantil. A escola Maple Bear Natal conseguiu esse feito com o uso da plataforma virtual de aprendizagem – a Maple Bear Digital Learning Community – graças ao esforço e trabalho contínuo de professores e pedagogos de 447 escolas da rede ao redor do mundo, que estão enfrentando, nos diversos lugares do planeta, a mesma situação de suspensão das aulas e isolamento social forçado pela pandemia do coronavírus.

Em diversos países, são mais de 41 mil alunos da rede Maple Bear estudando via plataforma digital, usando a mesma ferramenta disponível para os alunos aqui de Natal – o que garante o alto nível da metodologia canandense, reconhecida pelo Pisa como uma das mais eficientes experiências em aprendizado.

“Há um grande diferencial, neste momento, em fazermos parte de uma rede em que pedagogos do mundo todo estão unidos para garantir a melhor maneira de repassar o conteúdo aos alunos Maple Bear, com metodologia totalmente unificada”, explica Eduardo Bezerra, sócio-diretor da escola. Somente no Brasil, são mais de 20 mil estudantes em mais de 100 escolas, vivenciando a mesma realidade do alunos de Natal.

No interior do RN, bandidos arrombam escola, roubam equipamentos, botijões de gás e carne da merenda dos estudantes

Foto: Ilustrativa

O portal G1-RN destaca nesta segunda-feira(16) que bandidos arrombaram no fim de semana uma escola pública na zona rural de Caicó, e roubaram equipamentos e até a carne que seria usada para o lanche dos estudantes. De acordo com a reportagem, o caso foi registrado por volta das 16h30 desse domingo (15), pela Polícia Civil, e aconteceu na Escola Estadual Francisco Pergentino de Araújo, no distrito de Laginhas.

Segundo a reportagem, os bandidos arrombaram as portas e invadiram a escola, levando duas caixas de som, dois botijões de gás de cozinha, um forno microondas, um notebook, um retroprojetor e a carne da merenda dos alunos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rafael Pinheiro disse:

    Insisto em dizer que a violência no RN atingiu níveis alarmantes , e o (des)governo nada faz. A população está refém da própria sorte…
    Fora Fátima!!

Educação: equipe Maple Bear recebe formação continuada com especialista vinda do Canadá

Durante as próximas cinco semanas a equipe de professores da Maple Bear Natal vai passar por um processo de formação continuada com uma treinadora que veio especialmente do Canadá para alinhar as práticas de ensino da metodologia canadense.

Shelley Wilson tem 35 anos de experiência em escolas de ensino fundamental I e II no Canadá e há três anos faz o treinamento em escolas Maple Bear espalhadas pelo mundo. Ao todo, ela já visitou 15 unidades. “O objetivo dessa visita é ver como está sendo aplicada a metodologia de ensino canadense, alinhando as práticas em sala de aula, ajustando as especificidades do programa. É uma maneira de modelar essa aprendizagem ao que pede o método canadense de ensino, que é muito diferente do brasileiro”, explicou a treinadora.

O trabalho é feito em cada uma das salas de aula de todos os níveis de ensino. “São crianças distintas, que aprendem de formas diferentes. Umas aprendem mais observando, outras ouvindo, outras colocando a mão na massa, e os professores precisam estar atentos a essas diferenças”, completou. O treinamento acontece agora e também no próximo semestre.

O modelo de educação canadense estimula os alunos a exercerem a criatividade, a curiosidade e a estarem abertos à experimentação. Os estudantes são preparados para tomar decisões com responsabilidade, para serem protagonistas de suas próprias trajetórias e para buscar soluções. Tudo isso com um ensino verdadeiramente bilíngue, desde os primeiros anos do ensino infantil.

Metodologia bem avaliada

O modelo canadense foi avaliado como o 6º melhor do mundo pelo PISA, o Programa de Avaliação Internacional de Estudantes da OCDE, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. O PISA examina o que os alunos sabem em leitura, matemática e ciências e o que podem fazer com o que sabem. Ele fornece a avaliação internacional mais abrangente e rigorosa dos resultados da aprendizagem dos alunos até o momento. O Brasil ocupa a 57º posição nesse ranking.

“Ser um aluno da Maple Bear possibilita estudar em qualquer outro país com fluência,  desenvolvendo habilidades e competências, como trabalhar em grupo,  desenvolver autonomia, saber se expressar, ter pensamento mais crítico, resolver problemas. É uma educação aplicada à prática do cotidiano com produz resultados muito satisfatórios”, finalizou Shelley.

A Maple Bear Natal é uma escola canadense de referência há 11 anos, sendo seu único endereço no bairro do Tirol.

VÍDEO: Mãe desenha coração para filha beijar ao sentir sua falta na escola

 

Ver essa foto no Instagram

 

❤️💙💜💛🧡💚 Quando percebeu que a filha Maria Liz, de 3 anos, estava sofrendo ao chegar à escola no período de adaptação, Marry Scarabello teve uma idea: desenhar o “coração da saudade”. Cada uma tem um desenho de coração na mão representando o coração da outra. “Assim, toda vez que sentirmos saudade uma da outra, basta dar um beijo no coração e a saudade passa!”, contou em postagem em uma rede social. Ao deixar a pequena na escola, Marry se escondeu para observar a reação da filha e registrou um momento de muita fofura. No vídeo, a menina aparece olhando para os lados e, em seguida, beijando a mão exatamente no lugar onde o coração estava desenhado. #PortalR7 #r7 (📸: Reprodução Facebook Marry Scarabello)

Uma publicação compartilhada por Portal R7 (@portalr7) em

Quando percebeu que a filha Maria Liz, de 3 anos, estava sofrendo ao chegar à escola no período de adaptação, Marry Scarabello teve uma idea: desenhar o “coração da saudade”.

Cada uma tem um desenho de coração na mão representando o coração da outra. “Assim, toda vez que sentirmos saudade uma da outra, basta dar um beijo no coração e a saudade passa!”, contou em postagem em uma rede social.

Ao deixar a pequena na escola, Marry se escondeu para observar a reação da filha e registrou um momento de muita fofura. No vídeo, a menina aparece olhando para os lados e, em seguida, beijando a mão exatamente no lugar onde o coração estava desenhado.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Agamenon disse:

    Greve! Governadora sentindo do próprio veneno.

Escola de Música da UFRN oferece cursos de extensão gratuitos; 39 vagas

Foto: Ilustrativa

A Escola de Música da UFRN (EMUFRN) vai ofertar, no semestre letivo 2020.1, quatro cursos de extensão gratuitos para ensino de instrumentos. Serão oferecidas vagas para Clarinete, Saxofone, Fagote, Trompete e Flauta Doce. As inscrições estarão abertas entre os dias 17 e 28 de fevereiro. Os cursos têm vagas limitadas e são destinados a crianças, jovens e adultos.

As inscrições serão realizadas pelo portal do Sigaa. Os interessados devem acessar o site e seguir pelos links Extensão > Acesso à área de inscritos em cursos e eventos. Em seguida, é necessário fazer o login no sistema ou se cadastrar (caso seja o primeiro acesso no portal). Depois, na opção Cursos e eventos abertos é possível fazer a inscrição, a partir do dia 17.

Os cursos são ofertados para faixas etárias específicas e possuem pré-requisitos. Ao todo, são oferecidas 39 vagas. Para conferir detalhes sobre cada um dos cursos, basta acessar este link.

Com informações da UFRN

Bolsonaro lança pedra fundamental de Colégio Militar em SP e critica governadores do Nordeste que não quiseram escola

Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Educação e Regina Duarte em lançamento de pedra fundamental de Colégio Militar em SP — Foto: Reprodução TV Globo

O presidente da República, Jair Bolsonaro, lançou na manhã desta segunda-feira (3) a pedra fundamental no local onde será construído o futuro Colégio Militar em São Paulo, no antigo Centro Logístico da Aeronáutica, no Campo de Marte, na Zona Norte. A unidade da capital paulista será a 14ª do país.

Durante seu discurso, Bolsonaro aproveitou para criticar os governadores do Nordeste que recusaram a criação de colégios cívicos-militares em seus estados.

“Não existe momento mais gratificante do que este, do que lançarmos uma pedra fundamental para a feitura de uma escola comprovadamente de qualidade. Seria ironia, mas é uma grande verdade, conversando com o ministro Weintraub há pouco sobre as notas do Brasil na prova do Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Estudantes]. O Brasil chegou a uma situação na Educação que não pode ser ultrapassada por mais ninguém, porque já estamos no último lugar. E essa prova do Pisa foi realizada em 2018, antes do nosso governo. Apesar do tempo relativamente curto, com toda certeza, melhoraremos sim muitas posições para a próxima prova que será realizada em 2021. E deixo bem claro também, se deixarmos nessa prova do Pisa apenas alunos de Colégios Militares, de escolar militarizadas, por exemplo, de Goiás do governador Caiado, o Brasil estaria entre os dez do mundo”, afirmou o presidente.

No entanto, o que o presidente falou não retrata a realidade. O Brasil não foi o último colocado no ranking do Pisa. O resultado aponta ligeiro aumento da nota média, mas os estudantes brasileiros seguem entre os últimos 10 colocados na prova de matemática. Na prova de leitura, o Brasil ficou na 57ª posição de 77 países participantes. Na avaliação de matemática, o país ficou na 58º posição e na 53º posição em ciências. Esses valores são usados como referência de educação de qualidade pelo Brasil e demais países. Entre os países da América do Sul, a Argentina ocupa a última posição.

“Por isso, oito dos nove governadores do Nordeste não aceitaram a escola cívico-militar. Para eles, a escola vai muito bem, formando militantes e desinformando lamentavelmente. Aqui no Sudeste tivemos dois governadores que não aceitaram, a questão político-partidária não pode estar à frente da necessidade de um país. Um jovem bem formado será útil para si, para sua família e para seu país no futuro, é isso que nós queremos”, afirmou.

Após a inauguração da pedra inaugural, foi feita uma oração para abençoar a lugar. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, e a secretária de Cultura, Regina Duarte, estavam presentes no evento, que contou ainda com a presença de autoridades militares das Forças Armadas de São Paulo e de pessoas ligadas à Educação.

O colégio deve ser entregue até o final de 2022. Enquanto isso, temporariamente, os alunos iniciam o ano letivo nesta manhã no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de São Paulo (CPOR) na Rua Alfredo Pujol, em Santana, próximo do local onde ficará a unidade definitiva.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) vai doar os projetos básico e executivo da obra do colégio. O valor estimado dos projetos não foi informado.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. GEORGE VIANA disse:

    As Escolas Militares são caras, dificilmente replicáveis em grande escala, mas de altíssima qualidade e de alto retorno para a sociedade! Por que o RN tirou dos pais a possibilidade de ter um filho seu nesse tipo de Escola? Não é possível que no Brasil coexistam diversas opções de Educação?

  2. Luiz Antônio disse:

    Bolsonaro foi formado numa escola militar… deve ter sido na cavalaria.

  3. Ivan disse:

    Todas as instituições de ensino militares precisam ser referência em suas localidades…Só assim teremos uma mudança no patamar de nossa pífia educação. Parabéns ao presidente e aos governadores q acreditaram nessa idéia…Aos atrasados, não só os governadores, mas demais políticos que não brigaram junto ao executivo estadual (infelizmente nosso nordeste nisso é campeão, vide nossa situação perante o resto do país), desejo q seus eleitores lembrem do desserviço prestado no momento da escolha de seu voto…

  4. Torres disse:

    Verdade verdadeira Antônio!!

  5. Vergonha nacional disse:

    Ensinar a pensar …faz o povo culto se libertar

  6. Antonio Turci disse:

    Os governadores que não aceitaram a oferta de uma escola de qualidade, as Escolas Militares, certamente, algum dia, serão cobrados.

  7. Antônio Marques disse:

    Ensino no nordeste não é para ter qualidade e sim formar massa de manobra ideológica para voto em eleição. É a função mais antiga do ensino público brasileiro, ter um enorme quantitativo de professores, doutrinar o ensino e implantar a ideologia. Qual sindicado de ensino não é dominado a mais de 16 anos pela esquerda? Então ter colégio militar seria dar espaço para diversidade e mudança de foco na educação, coisa que não interessa. Não é questão de lado político e sim a mais pura realidade.

    • Bento disse:

      Parabéns Antônio
      Disse tudo

    • Marcos disse:

      Fala muito e não entende nada do que é o básico da educação. Só consegue olhar um caminho a seguir, podendo observar vários a serem escolhidos e que alcançam um melhor resultado.

FOTOS: Diretores do Colégio Porto recepcionam alunos e destacam diferenciais na inauguração da escola

 Fotos: Canindé Soares

INFORME PUBLICITÁRIO

O Colégio Porto deu a largada nesta segunda-feira (27) em uma nova proposta educacional para o RN, que une a melhor equipe de professores e uma metodologia focada no desenvolvimento estudantil e do potencial para a superação de desafios.

A recepção das cinco turmas do Ensino Médio que inauguram a escola contou com a presença dos quatro sócios-diretores: Paulo de Paula, André Cury, Eduardo Bezerra e Marcelo Freitas.

“Estamos muito felizes com a alegria dos pais e alunos. É uma jornada nova que começa para todos nós. Para mim, além de tudo, é um momento especial que vivi em 35 anos como educador e volto a viver com o Colégio Porto. Esse contato com os alunos nos traz uma energia muito boa”, descreveu Paulo de Paula, ao cumprimentar pais e estudantes.

Na chegada para o primeiro dia de aula, os alunos foram recebidos com música e encontraram instalações novas e modernas, salas de aula confortáveis, uma equipe de professores altamente qualificada e material didático diferenciado.

CONFIANÇA

O aluno Fernando Pinheiro está na 3ª série e pretende tentar uma vaga em Medicina. Para ele, o Colégio Porto oferece uma metodologia totalmente nova. “A tecnologia e a equipe me chamaram muito a atenção. Me senti muito acolhido e espero um ótimo ano! Estou apostando e confio no Colégio Porto”, declarou.

Aluno Fernando Pinheiro com diretor André Cury. Foto: Canindé Soares

A aluna Ester Maria, da 2ª série, escolheu o Porto “pela equipe reconhecida e a proposta de uma educação diferenciada”. Seu colega de turma, Igor Câmara, apostou na abordagem e didática novas que o Porto oferece. “Isso vai nos proporcionar oportunidades de tentar outras novas universidades”, avalia.

Foto: Canindé Soares

Na visita às cinco turmas de Ensino Médio que dão a largada no Colégio Porto – duas de 1ª e 2ª séries e uma de 3ª série – o professor André Cury, diretor acadêmico, disse que a equipe vai trabalhar em conjunto para fazer dos próximos anos “os melhores anos escolares” deles.

“Vocês escolheram o Porto mas nós também escolhemos vocês. Queríamos alunos focados, determinados, com objetivos. Acreditamos demais no potencial de cada um”, destacou o professor, acrescentando que os alunos contarão com um suporte diferenciado, inclusive para a definição de rotinas de estudos.

Juntos dos sócios-diretores, a diretora pedagógica Ana Cristina também visitou as salas de aula com sua mensagem de boas-vindas.

Mãe questiona expulsão de estudante e negativa de imagens de ato infracional por escola em Mossoró

Um caso envolvendo a expulsão de um aluno na escola Mater Christi em Mossoró tem gerado repercussão. Segundo informações obtidas pelo blog, um aluno de 11 anos teria sido identificado queimando papéis na Coordenação da escola e acabou sendo expulso. Porém, a mãe do estudante afirmou que em nenhum momento foram exibidas imagens que a escola afirmou ter do ato e o estudante está impedido de frequentar a escola nos últimos dois meses de ano letivo.

A família ainda tentou de forma incisiva que o aluno pelo menos concluísse o ano letivo, mas o pedido não foi aceito e a família informou que irá buscar os meios legais junto a Justiça e ao Conselho Tutelar.

A mãe do estudante, Sandra Maria, relatou que o aluno foi chamado pela equipe da coordenação sozinho e teria sido induzido a confessar o ato de queima de papéis. O caso foi levado ao Conselho escolar que definiu a expulsão do estudante e comunicou a família.

A mãe então pediu para ver as imagens do suposto ato, mas foram negadas e o pedido de reconsideração para o estudante concluir o ano também foi negado. Segundo ela, o adolescente nunca teve histórico de problema disciplinar.

O blog tentou contato com a direção da escola desde a última segunda-feira, 30, mas até o momento da publicação da matéria não obteve resposta.

Bandidos atiram contra carro da Unidade de Polícia Pacificadora e crianças se escondem em corredor de escola durante tiroteio na Rocinha (RJ)

Foto: Reprodução

Um tiroteio na manhã desta quarta-feira (25) fez com que crianças fossem para o corredor de uma escola municipal, na Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro, para se esconderem dos tiros. O confronto aconteceu no início da manhã, logo após a entrada dos estudantes na escola.

De acordo com a Polícia Militar, por volta das 8h30 marginais atiraram contra um carro da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) Rocinha que fazia patrulha pela localidade conhecida como Rua 2, o que iniciou o tiroteio.

Em nota, a Polícia Militar informou que após o término do confronto, um fuzil, duas granadas e drogas foram encontradas na região. A corporação afirmou que ainda não há relatos de feridos durante a ação.

Na última segunda-feira (23), o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), pediu que as operações começassem antes da entrada das escolas, para evitar cenas com a desta quarta na Rocinha.

“Acho que chegou o momento de se ponderar essas ações na comunidade. O Rio de Janeiro não suporta mais ver as balas perdidas atingirem os inocentes”, afirmou Crivella.

A troca de tiros será investigada pela 11ª DP (Rocinha).

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. joaozinho disse:

    Mando o Freixo resolver.. desarmado e sem segurança ou policia.

  2. Pedro disse:

    Quem manda é o crime organizado , hoje e sempre.
    Bolsonaro , Governador Juiz Fulano ou qualquer um..ninguém fez nem tem cunhão pra fazer nada.
    #nareal

  3. Ivan disse:

    Kd os esquerdalhas p/subirem no morro e pedir paz aos traficantes??? Pra gritar contra o governo e polícia são uns leões…na frente dos traficantes ficam caladinhos…Hipócritas…#nojo…

  4. Só Comento disse:

    E agora? Vai haver manifestações contra os bandidos também ou só protestam em cima dos agentes de segurança pública?

    • Bolsonimion disse:

      Inteligência, bandido é bandido. São foras da lei eles vivem de roubar, matar e fazer desgraça com os outros. Os agentes de segurança trabalham para prender esse bando de fdp. Sei que você sabe, mas quer aparecer.

  5. Manoel disse:

    A culpa do tiroteio é da polícia que tenta combater os crimes de tráfico de drogas e porte de armas proibidas (simples fuzis de grande alcance, metralhadoras, lança granadas…)! O certo seria a polícia entrar com livros, flores e panfletos para educar os traficantes vítimas da sociedade… (IRONIA)

TRAGÉDIA: Incêndio mata pelo menos 28 crianças em escola na Libéria

Foto: Arte R7

Pelo menos 28 crianças morreram em um incêndio ocorrido nesta madrugada em um colégio interno muçulmano nos arredores da capital da Libéria, Monróvia, informaram a presidência do país e a Cruz Vermelha, nesta quarta-feira (18).

“As minhas orações estão com as famílias das crianças que morreram na noite passada em Paynesville City como resultado de um incêndio letal no edifício de sua escola”, escreveu o presidente George Weah no Twitter.


As equipes de emergência conseguiram recuperar 28 corpos nesta manhã, segundo confirmou o porta-voz da Cruz vermelha da Libéria, Oniel Bestman, à agência EFE.

Os corpos, que pertencem a alunos de 5 a 17 anos ainda não identificados, foram levados ao necrotério. As causas do incêndio ainda estão sendo investigadas.

Além disso, os socorristas conseguiram resgatar um número ainda não divulgado de sobreviventes da escola muçulmana, que tem alunos de ensino fundamental e médio.

“As minhas mais sinceras condolências para as famílias afligidas e toda a comunidade islâmica. Este é um momento difícil para as famílias das vítimas e para toda a Libéria”, acrescentou o presidente liberiano.

R7, com EFE

Over aciona polícia e Ministério Público para resolver mistério de possível atentado na escola

Após uma suposta ameaça de ato de terrorismo no Over Colégio Curso por um hipotético aluno e denunciado por um conjecturado pai em pleno desespero tentando proteger sua filha, possível amiga do agora aluno que passará a ser investigado por conta de anotações prevendo a tragédia, a direção do colégio emitiu nota tranquilizando estudantes, pais, professores e funcionários da escola.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Vivemos em tempos nos quais as pessoas não têm preocupação em averiguar informações, não procuram os caminhos corretos para tentar resolver as demandas do dia a dia. Um “like” parece valer mais do que uma vida. Supondo que um pai, um responsável, estivesse preocupado com a segurança do seu filho, deveria procurar os órgãos competentes, por exemplo, a Polícia. Como educadores, e também na condição de pais, tendemos a duvidar de que um responsável iria procurar um blog, na tentativa de solucionar um problema relacionado à segurança. Polícia e Ministério Público seriam os caminhos corretos. É difícil acreditar que um responsável seria tão irresponsável a esse ponto.

Propagar boatos, criar pânico e submeter crianças e adolescentes à execração pública nunca é o caminho correto. Que tipo de exemplo esses pais dariam para seus próprios filhos? É preciso ter cuidado com as fakes news e averiguar as informações, buscando sempre veículos com credibilidade. Passamos por momentos delicados ontem em decorrência da falta de cautela de um pai e de um blogueiro que se viram no direito de colocar em xeque a integridade moral e emocional de uma criança e, consequentemente, da nossa escola. Nem mesmo o nome da escola estava correto na tal publicação. Nenhum veículo oficial replicou a notícia. Todos esses indícios devem ser levados em consideração pelos pais antes de tomarem atitudes precipitadas e contribuírem com a divulgação de notícias que ainda não têm confirmação.

Na condição de gestores educacionais, comunicamos o fato aos entes da sociedade organizada que têm o poder de investigar e apurar e aguardamos as orientações e posicionamentos para tomarmos as medidas cabíveis.

Não devemos ser irresponsáveis em afirmar ou negar, afinal, ainda não há conclusões sobre o caso, se há algum fundamento ou se são apenas obras de má fé dos que divulgaram. Todos são inocentes até que se prove o contrário. Aproveitamos a situação para propor uma reflexão, um exercício de empatia: quão grande é a pressão que sente agora o adolescente envolvido nessa história? Que traumas a repercussão disso tudo pode causar? Coloquem a mão na consciência! Mesmo que houvesse algum fundamento, o linchamento público não seria o caminho correto. Se os “postadores” de plantão resolver em fazer justiça digitando por meio de seus celulares, voltaremos à barbárie. Hoje, você é o agressor virtual. Amanhã, você pode ser a vítima. Vale a pena agir de modo inconsequente e acabar destruindo uma vida? E se fosse com você? E se fosse com seu filho?

A escola já acionou todos os órgãos competentes e está contando com a colaboração da Polícia, do Ministério Público e da Promotoria da Criança e do Adolescente para encontrar o melhor desfecho para o caso. Esperamos que o Conselho Tutelar tome as devidas providências para investigar e punir também os que espalharam a notícia, que, sem dúvida, erou danos irreversíveis a um adolescente, a uma família e a toda comunidade escolar.

Pedimos que os responsáveis evitem comportamentos irresponsáveis. Cobramos ainda mais responsabilidade daqueles que se dispõem a propagar notícias.

Por fim, aproveitamos para agradecer a todos que, ao longo do processo, nos ajudaram a encontrar o melhor caminho para lidar com o fato, assim como aos veículos que evitaram a divulgação precipitada de informações.

Atenciosamente,

a direção.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gabriela sousa disse:

    E tem mais eles bloquearam todos os pais na rede social (Instagram)que reclamaram sobre a atitude da escola em relação a varios problemas que estão ocorrendo .

  2. Maria disse:

    Minha filha estuda no over de lagoa nova … nem porteiro tem !!! Qualquer pessoa entra e sai da escola em qualquer horário!!!! Estamos desesperados com q falta de segurança nessa escola. Todos os funcionários incluindo a secretaria e coordenadora são omissos!!! Vem acontecendo bullying e roubos dentro da escola e não fazem nada !!!!

  3. Reinaldo G. Azevedo disse:

    A omissão da direção da escola infelizmente é constante, não se fez apenas nessa situação, o que se vê é que a cada dia são situações que se tornam cada vez mais graves, na última semana na unidade Abel Cabral teve uma ocorrência com bebida alcóolica dentro da sala de aula, mesmo assim a figura de Carlos André não aparece, só está presente apenas em eventos que favoreçam sua imagem. A melhor escola não é apenas aquela que aprova mais no Enem, mas aquela que acolhe filhos e pais tornando-se uma extensão do lar.

  4. Napoleandro disse:

    Gosto muito do Over…Uma ótima escola a um preço justo…Imagino que isso incomoda a muita gente…

  5. Anderson Pereira disse:

    essa escola sempre foi omissa diante de problemas graves envolvendo bullyng. Ano passado minha filha passou por problema semelhante no Over Kids da Lima e Silva. Acionamos todos os órgãos da escola e não resolveram.

    Tivemos que mudar ela de horário para ela poder ficar em paz e concluir o ano.

    Espero que agora o careca tome as providências, ou vai deixar ocorrer uma tragédia.

  6. Sérgio Nogueira disse:

    A inércia da escola, a incompetência da Diretora em enfrentar o problema e resolvê-lo, e a soberba de seu proprietário, impressionam.
    A escola desde o primeiro momento que soube da situação deveria ter agido enérgica e eficientemente para entender o que estava acontecendo, buscar soluções e trazer a paz aos "ameaçados".
    A Diretora claramente não sabia o que fazer e ficou querendo empurrar a questão para debaixo do tapete.
    Seu proprietário, com uma nota que claramente culpa a potencial vítima pela situação, deveria entender que sua empresa não se sustenta sem alunos, e alunos não ficam em escolas onde não contam com proteção.
    Se meu filho estudasse lá, seria só o tempo de pegar a transferência dele para outro local.
    Mas antes eu deixaria a pergunta: e se acontecesse mesmo o que foi divulgado?

  7. Robson disse:

    Gostaria de esclarecer, como pai de aluno, que o Colégio já sabia desde sexta-feira desta história, e não esclareceu quais medidas iriam tomar. Somente depois de tamanha confusão, apareceu querendo culpar o pai. Quem provocou tudo isto, foi a inércia do Colégio. A coordenadora demorou muito tomar uma atitude. Não vamos mudar o culpado. E se for ou fosse verdade? Quem iria trazer de volta os possíveis prejuízos?