Saúde

Cientista da OMS diz que órgãos reguladores poderão acelerar a aprovação de vacinas contra a Covid-19 após resultados de testes

Foto: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration/File Photo

Órgãos reguladores de países ou regiões vão provavelmente concentrar esforços em torno de potenciais vacinas contra a Covid-19 para acelerar a aprovação, uma vez que as imunizações se tornarem disponíveis, disse a cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, nesta sexta-feira (24).

Ao responder perguntas vindas de uma plataforma em rede social, Swaminathan também disse que os testes sobre a eficácia e segurança das vacinas – um processo que geralmente leva anos – poderão ser acelerado para somente seis meses em meio à pandemia, caso os dados tenham informação suficiente para emitir registros.

Ainda assim, disse ela, a segurança será fundamental.

“Embora a velocidade seja importante, ela não pode acontecer ao custo da comprovação dos padrões de eficácia e segurança”, disse ela. “Não é o caso de que a primeira vacina será apressadamente injetada em milhões de pessoas sem estabelecer se realmente protege e se é suficientemente segura para uso em larga escala na população”, afirmou Swaminathan .

Segundo a OMS, há 166 potenciais vacinas contra Covid-19 em desenvolvimento, com 24 sendo testadas em humanos e algumas delas entrando no estágio avançado de estudos em milhares de pacientes.

Swaminathan citou as vacinas experimentais da Moderna, a que está sendo desenvolvida em parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca, a da chinesa CanSino Biologics e um projeto de desenvolvimento de vacina na Rússia.

Para que reguladores aprovem uma vacina, os desenvolvedores terão de acompanhar os voluntários dos ensaios clínicos por meses e demonstrar que há poucas infecções entre as pessoas que receberem a vacina na comparação com aqueles que receberam um placebo.

“Gostaríamos de ver a maior taxa de proteção possível –entre 80% e 90%– isso seria fantástico”, disse ela.

Swaminathan alertou que somente um pequeno número de potenciais vacinas contra a Covid-19 deve passar por todos os estágios de testes e ser aprovado para uso.

“Temos um conjunto bastante robusto de candidatas a vacina, o que é excelente, porque normalmente a taxa de sucesso é de cerca de 10%”, afirmou.

Indagada se o mundo poderia superar a pandemia de coronavírus sem uma vacina, Swaminathan disse que buscar a “imunidade de rebanho” seria mortal.

Cerca de 60% de uma população precisa ser infectada para adquirir a imunidade de rebanho, disse ela, um patamar que faria com que muitas pessoas morressem da doença.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientista reduz o pum da vaca em 30%; acredite, isso é muito importante

Foto: Tony C French/Exame

Depois de oito anos de pesquisa, o cientista Maik Kindermann, líder de pesquisa e desenvolvimento da multinacional holandesa DSM, de nutrição animal e humana, conseguiu criar uma molécula que diminui em 30% a emissão de gases das vacas e bois. O pesquisador passou um bom tempo testando algumas moléculas, naturalmente presentes no organismo do gado, que se ligam a enzimas que produzem a flatulência do rebanho. O trabalho foi supervisionado pelo executivo Mark van-Niewland, responsável pelo projeto Vaca Limpa, que conduz esse tipo de estudo.

Os 1,5 bilhão de vacas e bois do planeta produzem, por dia, mais de 30 milhões de toneladas de dióxido de carbono, que correspondem a pelo menos 20% das emissões de gases de efeito estufa no mundo. “Cada vez mais os consumidores valorizam a carne que foi produzida com menos poluentes e não agride tanto o meio ambiente”, disse van-Niewland em entrevista à EXAME.

Os estudos começaram com as moléculas que se ligam a enzimas que só existem no gado e provocam a grande quantidade de puns que os animais produzem. Ele acreditou que haveria uma forma de diminuir o poder dessas enzimas. “Elas não só contribuem para a poluição do meio ambiente e tiram energia do rebanho”, diz. “Isso é algo que não é agradável nem para nós, seres humanos, nem para as vacas”.

Após uma longa série de testes em laboratório, os pesquisadores chegaram à conclusão que, ao unir duas moléculas que são importantes no processo de emissão de puns, seria possível reduzir a produção de gases. A partir daí, seguiram-se mais alguns anos de trabalho intenso. Finalmente, foi possível conseguir criar uma nova molécula. A substância exerce um papel importante no processo de desativação de algumas enzimas que são responsáveis pela produção de gases.

O processo continuará a ser aprimorado. “A ideia é que as vacas possam emitir até 70% menos de emissão de gás metano e ajudar ainda mais a diminuir o efeito estufa”, diz o cientista. A nova substância deverá ser acrescentada à ração dos animais. A empresa só aguarda a liberação do produto pela União Europeia e o Ministério da Agricultura no Brasil. “Até o início de 2021, todo esse trâmite deverá estar concluído”, diz van-Niewland. “Estamos caminhando para diminuir os gases do efeito estufa de forma inteligente”.

O lançamento deve chegar em um momento em que o agronegócio brasileiro dá saltos significativos de produtividade e vive o melhor ano de sua história, com excelentes resultados também nas exportações. A expectativa é que a atividade gere 728,6 bilhões de reais este ano, um crescimento de 2,5% em relação a 2019, enquanto outros setores da economia patinam na crise do coronavírus. O agronegócio deverá representar 24% do PIB brasileiro este ano.

“Novidades como a substância que reduz os gases das vacas deverão ser importantes para impulsionar ainda mais as vendas externas de carne do Brasil”, diz Maurício Adade, presidente da DSM para a América Latina.

Exame

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cientista conhecida como ‘Mulher morcego’ aponta semelhança de 96,2% entre novo coronavírus e vírus enviado em 2013 para Wuhan

Foto: Nexu Science / Reuters

Cientistas enviaram, em 2013, amostras congeladas de um vírus muito próximo ao novo coronavírus para um laboratório de Wuhan, na China, epicentro inicial da pandemia. Elas foram colhidas em uma antiga mina de cobre, infestada de morcegos, no sudoeste do país asiático, depois da contaminação de seis homens, que acabaram contraindo pneumonia grave, quando limpavam fezes dos animais. Três morreram, e a causa mais provável foi a infecção por um tipo de coronavírus transmitido por morcegos, segundo reportagem de domingo do jornal britânico “Sunday Times”.

O artigo cita como fonte um médico cujo supervisor trabalhava no departamento de emergência que cuidou destes homens.

A mesma mina, na província chinesa de Yunnan foi, posteriormente, estudada pela virologista Shi Zhengli, especialista em coronavírus do tipo Sars, originados em morcegos, no Instituto de Virologia de Wuhan. Shi, apelidada de “mulher morcego”, por causa de seus estudos em cavernas, descreveu o Sars-Cov-2 em um artigo, em fevereiro de 2020, dizendo que ele era “96,2% semelhante” a uma amostra de coronavírus chamada RaTG13, obtida em Yunnan em 2013.

A reportagem do “Sunday Times” afirma que o RaTG13 é “quase certamente” o vírus encontrado na mina abandonada e que as diferenças entre as amostras podem representar décadas de distância evolutiva. O jornal diz ainda que o laboratório de Wuhan não se manifestou sobre o assunto.

Em maio, o diretor do Instituto de Virologia de Wuhan disse que não havia cópia do vírus RaTG13 no laboratório e que, portanto, seria impossível um vazamento. Não há qualquer evidência de que o laboratório tenha sido a fonte do surto global que começou em Wuhan.

Extra – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Acreditar que esses fatos constituem "coincidência" é ingenuidade ou má fé. A China (ou os seus dirigentes psicopatas) tem 100% de culpa pela disseminação (proposital ou não) do Covid-19. Só não vê quem não quer.

    1. E você vai deixar isso ficar assim? Denuncia lá no TPI!

  2. Cientistas constataram que o DNA do macaco Bonobo é igual ao dos humanos em 98,7%. Somos macacos por causa disso? Numeros. So numeros. Lógico q um virus covid tem semelhanca com outro virus covid. Mas sao virus diferentes.

  3. Muita coincidência que na cidade onde fica o laboratório que armazenava o vírus foi justamento onde começou a pandemia mundial do novo coronavírus, a China ainda vai descobrir que o vírus veio foi de passa e fica no RN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientista planeja criar ‘super-humanos’ ao editar genes com DNA de tardígrados

Os tardígrados são minúsculos animais de menos de 1 milímetro, capazes de sobreviver dez dias sob os efeitos da radiação cósmica do espaço e suportar temperaturas de 100 a 272°C . Interessado na impressionante resistência dessas criaturas, o pesquisador Chris Mason, da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, anunciou em uma conferência de genética que aconteceu em Nova York no fim de outubro que pretende estudar meios de usar o DNA desses animais para criar humanos resistentes contra os riscos de viagens espaciais.

A ideia de editar genes humanos é algo muito polêmico, sendo uma prática questionada por comitês de ética e pela comunidade científica internacional. Ainda estão em andamento discussões para a regulamentar e estabelecer limites para os experimentos. Por isso, segundo Mason, o experimento da aplicação do DNA de tardígrados em humanos ainda deve demorar décadas para acontecer.

“Se tivermos mais 20 anos de mapeamento, descobertas e validação funcional do que nós achamos que sabemos, eu espero que possamos alcançar o estágio em que seremos capazes de dizer que podemos criar um humano que possa ser melhor em sobreviver em Marte”, disse o cientista.

O pesquisador pretende, junto a uma equipe de cientistas, aprimorar as descobertas de um estudo feito em 2016, por um outro time de pesquisadores. Na época, os especialistas localizaram a proteína que está por trás da habilidade dos tardígrados resistirem contra a radiação do espaço. A capacidade de aguentar essa radiação depois foi transferida para células humanas.

Segundo Mason, se a técnica for implementada no futuro, a edição genética feita com os tardígrados pode servir não só para o espaço, mas também para aprimorar a medicina na Terra. Seria possível, por exemplo, fazer células humanas resistentes para que os pacientes suportem mais facilmente a radiação emitida durante tratamentos contra o câncer.

Galileu

 

Opinião dos leitores

  1. Tá bom mesmo, por favor insiram uns aqui no Brasil, é que houve involução e nisso criou uma geração de idiotas que idolatram ladrões corruptos, e por eles fazem qualquer coisa, até passar o dia todo viajando por um sanduíche de mortadela. São a borra de uma subraça.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientista da UFRN é única brasileira indicada a prêmio da Nature

Natalia Mota é psiquiatra e neurocientista e desenvolve sua pesquisa como pós-doutoranda do ICe/UFRN – Foto: José de Paiva Rebouças

A neurocientista Natalia Mota, membro do laboratório Sono, sonhos e memória, do Instituto do Cérebro da UFRN, foi a primeira brasileira e a única sul-americana indicada para concorrer ao prêmio Nature Research Award de 2019, na categoria Ciência Inspiradora. A iniciativa tem como objetivo homenagear mulheres cientistas excepcionais, a fim de incentivar e inspirar a próxima geração.

Ela e outras nove mulheres de todo o mundo foram escolhidas entre 150 submissões das diversas áreas da ciência e agora concorrem ao prêmio de 20 mil dólares e outros benefícios. A seleção, que está em sua segunda edição, foi realizada por especialistas independentes, membros da Estée Lauder Companies, funcionários e corpo editorial da Nature Research, incluindo a editora-chefe Magdalena Skipper.

Por estar na lista final das concorrentes, Natalia terá acesso a uma rede privada e espaço on-line de mentoria para interagir com as outras indicadas deste e do ano passado, trocar experiência com os jurados, editores da Nature e funcionários da Estée Lauder Companies. Além disso, participará de atividades a fim de conhecer mais a participação de mulheres em profissões para incentivar meninas a buscar carreiras nesses campos.

Para Natalia, a indicação é um incentivo e uma inspiração para continuar fazendo ciência em um momento tão complexo. “A gente trabalha em uma perspectiva difícil, com falta de recursos, lutando por bolsas, por financiamento e enfrentando muita dificuldade. Saber que lá fora tem gente que reconhece o nosso esforço, não só para mim, mas para as mulheres da ciência no nosso país, em especial no nosso Nordeste, nos dá nova energia e gás para continuar trabalhando”, disse.

Pela mulher na ciência

Grupo Sci-Girls se reúne para discutir o lugar da mulher na Ciência – Foto: José de Paiva Rebouças

Natalia Mota é uma cientista com experiência e em evidência. Sua seleção foi motivada não apenas por isso, mas também pelo incentivo e troca de experiências com outras mulheres que fazem ciência aqui no Rio Grande do Norte. Ela coordena um grupo de cientistas no Instituto do Cérebro da UFRN chamado Sci-Girls que se reúnem, com frequência, para trabalharem juntas e discutirem o papel da mulher no campo da pesquisa. Pelo menos dez meninas, experientes e iniciantes, compõem esta iniciativa atualmente.

Uma delas é Fernanda Palhano, que tem se destacado pelos estudos sobre o uso da ayahuasca no controle da depressão severa. Para ela, neste momento pelo qual passa o Brasil, é importante se cercar de pessoas que querem construir alguma coisa e têm motivação para isso. “Esse grupo é muito importante porque conseguimos nos apoiar mutuamente. Importante ainda a indicação de Natalia, representante do ICe e da UFRN, porque quando temos pessoas próximas com este destaque internacional, nos motivamos a acreditar naquilo que estamos fazendo. Sempre bom ter exemplos próximos de pessoas que passam pelas mesmas dificuldades que a gente”, depõe.

Juliana Alves Brandão estuda o comportamento social dos filhotes de modelos animais com autismo e acabou de chegar ao Sci-Girls. Ela destaca a semelhança com Natalia, pois, além de pesquisadoras, as duas também são mães. “É muito significativo a gente ver que conseguimos alcançar nossos objetivos mesmo tendo outras atividades e demandas em paralelo. Ficamos muito orgulhosas quando vemos uma mulher chegar lá no alto representando todas nós depois de termos acompanhado todo o seu esforço”, diz.

A estudante de doutorado em neurociências, Priscila Kelly da Silva Barros Nunes, integra o grupo coordenado e terá acesso aos temas debatidos na mentoria do prêmio por intermédio de Natalia. Para ela, essa é uma oportunidade para compartilhar as dificuldades de se trabalhar no Brasil sendo cientista. “Natalia representa bem estas dificuldades e ela mostra, a partir de sua experiência, como enfrentar essas dificuldades”, completa.

Para Natalia, o prêmio da Nature serve para quebrar o viés de sempre associar figuras masculinas com os avanças científicos. Neste sentido, ele incentiva iniciativas como as desenvolvidas no Instituto do Cérebro, que se esforçam para divulgar avanços científicos de ponta feitos ou liderados por mulheres. “Hoje as mulheres têm de mostrar duas, três vezes mais produção para conseguir o mesmo espaço que os homens e isso precisa mudar. Temos de incentivar que a mulher seja destaque em todas as áreas e profissões e continue contribuindo com o desenvolvimento da ciência”, reforça.

Análises computacionais

Foto: José de Paiva Rebouças

Médica psiquiatra, Natalia Mota tem se dedicado à neurociência, área em que estuda o comportamento humano por meio de estratégias computacionais de linguagem, desde o desenvolvimento típico em crianças, até o declínio cognitivo em pessoas com esquizofrenia. Nos últimos dois anos, uma série de estudos seus, que permitiu o desenvolvimento de um método diagnóstico para esquizofrenia a partir de sistema que utiliza grafos matemáticos, vem se destacando dentro e fora do Brasil.

Mediante esta pesquisa, ela e seus orientadores desenvolveram um sistema que auxilia profissionais da psiquiatria a identificar estes quadros pelo menos seis meses antes do habitual. O melhor de tudo é que o SpeechGraphs, nome dado à ferramenta, está disponível gratuitamente no site da instituição.

Por sua inovação, este trabalho venceu, em dezembro de 2017, a 16ª edição do Prêmio de Incentivo em Ciência, Tecnologia e Inovação, do Sistema Único de Saúde (SUS), na categoria “Trabalho Científico Publicado” e, um ano depois, o Prêmio Abril & DASA de Inovação Médica.

Com informações da UFRN

 

Opinião dos leitores

  1. Parabéns Natália e sua equipe. Foi gratificante saber não só dos prêmios já ganhos e também por você ser nossa ex-aluna por sinal brilhante e inteligente, pela UF RN e por representar uma vitória da mulher no campo da ciência. Viva, avante e fico aguardando outras vitórias.

  2. PARABÉNS UFRN
    PARABÉNS EDUCAÇÃO
    PARABÉNS CIÊNCIA
    PARABÉNS AOS QUE, APESAR DOS CONSTANTES ATAQUES, CONTINUAM ACREDITANDO NA CIENCIA, NA EDUCAÇÃO E NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS.

    1. Méritos da moça à parte, o custo-benefício das UFs é o pior possível. Se fosse bom estaríamos cheios de encubadorad co-patrocionadas pela iniciativa privada, de clusters de tecnologiaa e afins. Agora pesquisa cara e inútil sobre banheiro trans e teses na linha rouba-pq-é -pobre são o pau que mais tem.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientista diz ter encontrado 'ponto G' feminino

Um pesquisador americano afirma não apenas ter encontrado o mítico “ponto G” na região genital feminina, mas também ter feito o mapa anatômico da zona erógena que promete orgasmos mais intensos. O médico ginecologista Adam Ostrzenski, do Instituto de Ginecologia da cidade de São Petesburgo, na Flórida, publicou a descoberta nesta quarta-feira (25) na revista médica “The Journal of Sexual Medicine” (Revista da Medicina Sexual, em português), contrariando pesquisas anteriores que diziam que o ponto G não existia.

O achado ocorreu após análise de um cadáver de uma mulher de 83 anos, 24 horas depois de sua morte em decorrência de um traumatismo craniano.

Segundo a pesquisa, o ponto G é uma estrutura bem delineada localizada na parede “da frente” da vagina. No organismo, ela fica comprimida em uma espécie de casulo de cerca de 3,3 mm. Após ser retirada do “casulo”, no entanto, a estrutura se estendeu para 8,1 mm de comprimento, por 3,6 mm de largura e 0,4 mm de altura.

O conceito do ponto G foi proposto pela primeira vez em 1950 pelo cientista alemão Ernst Gräfenberg, que estudava o “papel da uretra” no orgasmo feminino. Embora sua proposta tenha sido invalidada por outros pesquisadores, a ideia de um local capaz de proporcionar orgasmos mais intensos permaneceu. Em 1981, um estudo sobre uma suposta região na vagina com o mesmo papel foi batizada de “zona de Gräfenberg”. Não demorou e o local foi apelidado de “ponto G”.

Ao G1, Adam Ostrzenski conta que encontrou na mesma área um tecido azulado e fibroso. “É o único tecido que apresenta essa cor. Não há outra estrutura similar ao ponto G na vagina”, disse ele.

“Nunca se tinha ido tão profundamente dentro da vagina como essa pesquisa. Essa estrutura mostrou ter potencial de se esticar, de ficar maior, quando estimulada”, reitera.

O ginecologista reconhece que a descoberta pode levantar polêmica. “Sei que é um assunto controverso, mas acredito que a estrutura anatômica do ponto G existe. E um corpo foi o suficiente para me dizer isso. O ponto G pode ser diferente em outra mulher, como a minha cor dos olhos é diferente da sua e por isso temos que estudar a anatomia”, disse Ostrzenski.

O cientista espera que a “comprovação” da existência do ponto G possa causar impacto nas pesquisas clínicas sobre o tema e na abordagem da função sexual feminina.

Fonte: G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Cientista do Jurassic Park quer chocar um dinossauro a partir de galinhas

O consultor do filme Jurassic Park, o professor de paleontologia da Monta State University, Dr. Horner, crê que as aves modernas  (como a galinha) possuem informações na memória de seus genes, que poderia de alguma forma fazer uma ponte para ressuscitar alguns traços dos famosos dinossauros.Atualmente o professor está procurando algum especialista em engenharia genética para ajudá-lo na conclusão de seu plano.

“Eu estou procurando um pesquisador pós-doutorado. Um pós-aventureiro que saiba muito sobre biologia do desenvolvimento e um pouco sobre os pássaros”. Declarou o professor ao LiveScience.

Ele comenta que planeja começar o estudo com um emu (um tipo de ave comum na Austrália, com aspecto próximo de uma ema, porém um pouco menor). Segundo ele, estas aves possuem todas as características para trazer de volta um dinossauro Velociraptor de médio porte.

Apesar de ousada, a idéia está encontrando apoio acadêmico de vários estudiosos. Sean Carroll, especialista em genética da Universdade de Wisconsin, declarou que um inventário aprofundado dos genes de um pássaro, certamente seria muito próximo de um inventário dos genes de um dinossauro.

Outro cientista que dá apoio é Hans Larsson, paleontólogo da Universidade McGill no Canadá. Ele conduziu um experimento sobre evolução dos dinossauros, mostrando exemplos de caudas longas em pássaros há 150 milhões de anos. A pesquisa mostrou que durante a fase embrionária de uma galinha, parece existir uma espécie de cauda, que desaparece antes de seu nascimento. Segundo ele, isso seria resquício de um passado distante que faz uma ligação com aves da época dos dinossauros.

Os pesquisadores acreditam que dentro de 100 anos será possível trazer de volta animais da época do Mesozóico, através das informações genéticas que eles deixaram nos atuais animais. “Por que não podemos trazer todas as informações genéticas? Basta alterá-las um pouco e produzir um Tyrannosaurus rex”, comentou o Dr. Horner.

Um biólogo especialista em desenvolvimento da Universidade de Wiscosin concorda plenamente: “À medida que aprendemos mais, nós vamos ser capazes de fazê-lo”.

Segundo Dr. Horner, o conhecimento genético de um pássaro será a grande chave. “Eu tenho que admitir que eu certamente imagino que exista um pouco de dino-galinha quando vejo uma galinha andando atrás de mim. Não existe nada que nos impeça de trazer de volta os dinossauros. As pessoas que não acreditam na evolução poderão ver o feito. Se isso é uma boa idéia ou não, já é uma outra questão…” concluiu.

Fonte: Jornal da Ciência

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *