Política

Senadora Zenaide consegue aprovação na CDH sobre projeto de combate à pobreza menstrual

Sugestão legislativa, que virou projeto de lei após parecer favorável da senadora, prevê a distribuição de absorventes para meninas e mulheres de baixa renda. Foto: Divulgação

A senadora Zenaide Maia (Pros – RN) comemorou a aprovação da Sugestão Legislativa 43/2019, que propõe a distribuição gratuita de absorventes nos postos de saúde para mulheres de baixa renda e em situação de rua. Zenaide foi a relatora da proposta, aprovada nesta segunda (23) pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado – CDH. “Passo importante para o combate à pobreza menstrual! A CDH do Senado aprovou o meu relatório sobre a Sugestão Legislativa que propõe a distribuição gratuita de absorventes para meninas e mulheres de baixa renda! Vamos continuar lutando pelo projeto na Comissão de Assuntos Sociais!”, publicou a senadora em sua conta do Twitter.

Zenaide lembrou que a pobreza menstrual afeta a saúde, pois o uso de materiais inadequados para substituir os absorventes pode provocar infecções e lesões no sistema reprodutor da mulher. Além disso, prejudica o desempenho escolar e contribui para a evasão. “A sociedade não dá tanta visibilidade a essa pobreza menstrual, mas, se a gente sabe que temos mais de 13 milhões de brasileiros e brasileiras na extrema pobreza, é claro que elas não vão ter acesso a esses produtos de higiene pessoal! A estatística mostra que, de cada quatro meninas, uma falta à aula mensalmente por causa da falta do absorvente!”, argumentou a senadora, durante a apresentação de seu parecer, no último dia 16.

A sugestão legislativa 43/2019 chegou ao Senado por meio do portal E-cidadania, a partir da iniciativa da internauta Emily Silva, de Pernambuco; e recebeu mais de 35 mil assinaturas de apoio. O relatório de Zenaide Maia amplia o escopo inicial da proposição, para incluir as mulheres encarceradas entre as beneficiárias da distribuição de absorventes. Transformada em projeto de lei, a sugestão legislativa 43/19 segue para análise da Comissão de Assuntos Sociais, colegiado onde Zenaide é vice-presidente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

IFRN convoca estudantes com aprovação no SiSU 2021.2

Foto: Reprodução

A Coordenação de Acesso Discente do IFRN informa a candidatas e candidatos classificados no Edital nº 33/2021, que o período de realização da pré-matrícula online nas 298 vagas irá das 8h do dia 11 de agosto até 17h do dia 16 de agosto de 2021. O Edital nº 33/2021 ofertava vagas em cursos de Engenharia, Licenciatura e Tecnologia.

“Os candidatos classificados na Lista de Aprovados Geral/Ampla Concorrência e nas Listas de Aprovados Diferenciadas, dentro do número de vagas disponíveis por campus/curso/turno, deverão REALIZAR A PRÉ-MATRÍCULA DE FORMA ONLINE”, diz o documento. A pré-matrícula deve ser realizada em página específica do Portal GOV.BR. Todo o cronograma da seleção está detalhado no Edital nº 39/2021, da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (Sesu/MEC).

Atenção

O Edital traz várias informações orientadoras sobre o cadastro e a pré-matrícula. Abaixo, algumas delas:

Candidata ou candidato menor de idade, além da documentação listada a seguir deverá, OBRIGATORIAMENTE, anexar o Termo de Responsabilidade de Matrícula disponível no Anexo V do Edital e o documento de identificação do responsável;

Quem não proceder sua pré-matrícula no período informado Edital terá sua classificação eliminada do processo seletivo, perdendo, portanto, direito à vaga;

Após o cadastro, no ato da pré-matrícula, candidatas ou candidatos aprovados deverão anexar a seguinte documentação:

Uma foto 3×4 (recente);

Carteira de identidade;

Certidão de Nascimento ou Casamento;

Título de Eleitor, no caso dos maiores de 18 anos;

Certificado de Alistamento Militar, de Dispensa de Incorporação ou de Reservista, no caso dos maiores de 18 anos do sexo masculino;

Certificado de conclusão do ensino médio ou documento equivalente;

Parecer de equivalência de estudos da Secretaria Estadual de Educação, para os aprovados que realizaram estudos equivalentes ao Ensino Médio, no todo ou em parte, no exterior, observando-se que, se apresentar documentos em língua estrangeira, estes deverão estar visados pela autoridade consular brasileira no país de origem e acompanhados da respectiva tradução oficial.

Vagas

De acordo com o Edital nº 33/2021, as vagas estavam assim distribuídas(clique aqui).

Edital nº 33/2021 – IFRN

Edital nº 39/2021 – Sesu/MEC

Página para pré-matrícula

Com IFRN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Zenaide lamenta aprovação, na Câmara, da venda dos Correios: “Não é vendendo patrimônio que a gente vai sair da crise!”

Foto: Divulgação

A senadora Zenaide Maia (Pros – RN) reagiu à aprovação, na Câmara, do PL 591/2021, que abre caminho para a privatização dos Correios. “Vende-se o patrimônio do povo, que o povo construiu, uma instituição centenária!”, lamentou a parlamentar na sessão do Senado desta quinta-feira (05). Zenaide fez um apelo para que os senadores não aprovem o projeto, quando ele chegar à pauta de votações da Casa, e também questionou o governo sobre onde ele pretende aplicar o dinheiro, caso a venda se concretize: “Saber do ministério da Economia, do presidente da República, onde bota o dinheiro da venda do patrimônio do povo? Para onde está indo esse dinheiro?”, indagou.

A senadora acrescentou que a empresa brasileira de Correios e Telégrafos lucrou R$ 1,5 bilhão em 2020 e argumentou que nenhum empresário venderia sua empresa, se ela fosse lucrativa assim. “Mas o governo se acha no direito de vender o patrimônio que é do povo!”, criticou. Para Zenaide, o que os brasileiros e brasileiras precisam é de um Estado que os ajude a sair da crise: “O Estado brasileiro tem que investir em infraestrutura, para gerar emprego e renda. Não é vendendo patrimônio e fazendo ajuste fiscal – até o salário mínimo não tem mais aumento real – que a gente vai sair dessa crise financeira, não!”, finalizou.

Opinião dos leitores

  1. Acorda senadora, que patrimônio, aquilo é um cabide de empregos para políticos e um pote sem fundo para dar fim ao dinheiro do contribuinte. Aquele troço já era para ter sido dado de graça para a iniciativa privada, desde a primeira roubalheira praticada pelo PT e seus PTralhas.

    1. Querem transformar em cabide de emprego, escravizar o empregado, se não for babão do chefe é rua. Lamento muito a privatização de empresas públicas. Outra coisa, pra trabalhar nos correios precisa estudar e passar em um concurso público.

  2. Quanto mais privatiza, existem menos cargos e funções para distribuir como cabide de emprego e compra de apoio político. A esquerda odeia privatizações, só e unicamente por essa razão, pois com as estatais ele podem trocar cargos por apoio político. De resto, é apenas discurso falso para enganar o eleitor.
    Os correios era uma empresa sólida, produtiva, que gerava lucro e tinha a confiança do brasileiro. Foi só a esquerda assumir o poder que a empresa declinou de forma rápida, perdendo a credibilidade, virando cabide de emprego, passando a dar prejuízo. Toda essa derrocada aconteceu de 2003 a 2018 mesmo sendo só ela no mercado, sem concorrência. Os correios espelham bem o que é a esquerda no poder.
    Como falam, se privatizar tudo, a esquerda não terá mais interesse na política por perda dos bens que poderia se apropriar quando estiver no poder

    1. Estas enganado. Pra entrar nos correios tem que estudar. Isso é desculpa de rachadeiros milicianos.

  3. Zenaide, quando a “empresa” está falida, presta um péssimo serviço, custa caro ao contribuinte, melhor é se livrar desse traste.

  4. Tem que vender esse cabide, a Petrobras, e um monte de Estatas que os brasileiros não sabe nem o nome.
    E urgente.
    Essa Zenaide não sabe de nada não.
    Tem que tirar essas toneladas de cima do governo.
    A onde é essa Zenaide e Natália, so abrem a boca pra da notas fora.
    Cadê os respiradores?
    Nunca vi essas mulheres da um piu sobre esse assunto.

    1. Sinceramente eu espero que no próximo ano 2022 nós funcionários dos correios e nossas famílias lembre-se do do presidente Jair Bolsonaro e principalmente do nosso atuante deputado Fábio Faria, tem um ditado que brasileiro tem a memória curta mais vamos aguardar. Um abraço.

    2. João Maria , aonde você estava quando os VERMES PARASITAS PTRALHAS SAQUEARAM OS CORREIOS SEU IDIOTA?

    3. E você tem que urgente voltar para escola e deixar de assassinar a língua portuguesa.

    4. João Maria, eu garanto que se você for um funcionário que dê lucro pode ficar sossegado. A lógica é simples, eu não quero meus impostos mantendo parasitas de políticos. E você devia lembrar do rombo do Postallis na era PT? Esqueceu?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Intermediária da Covaxin recebeu de clínicas R$ 9,5 milhões como ‘adiantamento’ na expectativa da aprovação pela Anvisa, que não se concretizou

Emanuela Medrades, diretora da Precisa, depõe à CPI da Covid Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado

A Precisa Medicamentos, empresa que vendeu a vacina indiana Covaxin ao Ministério da Saúde, arrecadou pelo menos R$ 9,5 milhões vendendo o imunizante a 59 clínicas privadas no início do ano, segundo documentos obtidos pela CPI da Covid. As empresas pagaram um “sinal” de 10%, mas ficaram sem a vacina. Algumas buscam um ressarcimento, já que o prazo contratual para a entrega das doses, estipulado no final de abril, expirou.

Procurada, a Precisa não comentou o caso até a publicação dessa reportagem. Os negócios não foram adiante porque, além de a vacina não ter sido aprovada pela Anvisa, o Congresso não liberou clínicas privadas para vacinarem seus clientes contra Covid-19 até agora. O GLOBO ouviu donos de clínicas de vacinação, alguns dos quais pediram anonimato, sobre os contratos.

A oferta de Covaxin para clínicas privadas foi feita entre o fim do ano passado e fevereiro deste ano, antes do contrato com o Ministério da Saúde, agora investigado pela CPI e pelo Ministério Público Federal (MPF). Em 25 de fevereiro, o governo comprou 20 milhões de doses de Covaxin por R$ 1,6 bilhão, contrato suspenso após descumprimento de seus prazos pela Precisa Medicamentos.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Esquerdopata você é igualzinho essa mídia podre, só narrativas infundada, é igual ao circo da cpi, fatos concretos de corrupção nem uma, e vai acaba o circo da maneira que começou.

    1. Não sou esquerdopata, nem lulista, nem esquerdista… Parece que o único que defende governo de corruptos aqui é você! Por medo da CPI do “circo” que o MINTO das rachadinhas está colocando mais um CORRUPTO na Casa Civil: Ciro Nogueira! Contra fatos não tem narrativa mentirosa que se sustente né?!

  2. Essa grande imprensa, que de grande não tem nada, ainda tem a cara de pau de citar que o governo comprou e não recebeu, aonde não existiu compra nem pagamento. Essas narrativas já não cola mais, querem fazer o povo de trouxa, esse tempo já vai longe, acordem bando de ave de rapina.

    1. Pra configurar o tipo pena CORRUPÇÃO, não é necessário o recebimento da vantagem acordada. Pesquisa um pouco antes de falar tanta asneira igual o MINTO das rachadinhas faz…

    2. Não adianta, Manoel F…é LIMITADA a mente de quem vota 17…
      Não entendem e nem querem entender…🤷‍♂️

  3. Mais um artigo mentiroso da grande mídia militante. Ela NÃO VENDEU ao Ministério da Saúde pois não foi entregue nenhuma dose da vacina e não foi pago um centavo sequer. E as vendas a clínicas privadas não interessam ao governo. Essa cambada está mesmo desesperada. Lamento que coisas assim ainda sejam repercutidas.

    1. Vc está obtendo informações no lugar errado: O governo FEDERAL, através do ministério da saúde, fechou contrato para aquisição de 20 milhões de doses por R$ 1,6 BILHÃO em 25 de fevereiro de 2021 (obviamente por preço bem acima do que custava à época outras vacinas como a Pfizer , Janssen, etc). Pesquise antes de ficar fantasiando no seu “mundo encantado do MINTO das rachadinhas”. FONTE: https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2021/02/25/ministerio-da-saude-assina-contrato-para-compra-de-20-milhoes-da-covaxin

    2. Na cara não, Manoel F…vai estragar o velório…kkkk
      Direita desonesta poderia ter dormido sem essa.
      Pahhh…🤡🤡🤡

    3. Repito: não foi entregue nenhuma dose e não foi pago nem um centavo sequer. Quanto ao preço, a própria empresa já disse, na CPI dos corruptos, que o valor ofertado do Brasil foi o mesmo praticado por outros países. Crie vergonha e deixe de mentir, rapaz.

    4. Sr Manoel creio que o senhor é muito desinformado. O MS não comprou a COVAXIN por recomendação do CGU. Tão simples fazer um Google e conferir.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Zenaide Maia comemora aprovação de projetos que estimulam a presença feminina nos espaços de poder

Foto: Divulgação

A senadora Zenaide Maia (Pros – RN) comemorou a aprovação, no Senado, de três proposições que estimulam a maior participação das mulheres na política: a PEC 18/21, que constitucionaliza as cotas para candidaturas femininas e garante seu financiamento; o PL 1.951/21, que reserva cadeiras no Legislativo para serem ocupadas por mulheres; e o PL 5.613/20, que combate a violência política contra a mulher. “Foi uma semana de avanços na luta por mais mulheres nos espaços de poder! A PEC 18 garante representatividade com efetividade! Espero que a Câmara também aprove logo essa proposta! E aprove, também, o PL que reserva parte das cadeiras na Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais para as mulheres! Se somos mais da metade da população, porque somos apenas 15% no Parlamento?”, indaga a parlamentar.

Sobre o combate à violência política, Zenaide diz que é preciso reconhecer que esse problema existe e precisa ser combatido: “As mulheres, muitas vezes, perguntam: ‘Por que vou me candidatar? Se já tem violência física, psicológica e, agora, política? A nossa governadora aqui, a única governadora mulher do Brasil, sofria esse tipo de violência política constantemente! Essa lei vai estimular a presença feminina nos locais de comando!”, argumentou a senadora, durante a sessão do Senado que aprovou o PL 5.613/20.

PEC 18

A PEC 18/2021 constitucionaliza a reserva de vagas que hoje já é prevista na legislação eleitoral. Isso dificulta retrocessos nessa política afirmativa, como a aprovação de projetos que pretendam acabar com as cotas de gênero. O texto também confirma o piso de 5% do fundo partidário para programas de estímulo à participação política das mulheres; os 30% dos fundos partidário e eleitoral para financiamento de candidaturas femininas, independentemente do número; e os 30% dos tempos de rádio e TV para as candidatas. A proposta ainda precisa ser aprovada em dois turnos pela Câmara.

PL da reserva de vagas no Legislativo

O PL 1.951/2021, que trata da reserva de vagas no Legislativo, assegura 18% das cadeiras nos cargos do sistema proporcional (ou seja, não serão válidas para eleições majoritárias) para mulheres já nas eleições de 2022; o percentual aumentará, gradualmente, até chegar aos 30%, em 2038. O projeto também seguiu para análise pelos deputados.

Combate à violência política contra a mulher

Por fim, o PL 5.613/20 pune o assédio contra candidatas, bem como a divulgação de vídeos e informações inverídicas com o intuito de disseminar preconceito ou animosidade contra as candidaturas femininas. O texto já havia sido aprovado na Câmara e, portanto, só falta a sanção presidencial para que o projeto vire lei.

 

Opinião dos leitores

  1. Senadora acho que chegou a hora de começar a trabalhar, faça jus ao voto que te dei. Até o momento não vi um projeto relevante da senadora q beneficie a população norte riograndense.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

PESQUISA EXAME/IDEIA: Aprovação de Bolsonaro volta a cair e sai de 31% para 26%; consideram regular 24% e desaprovam 45%

Foto: Reprodução/EXAME/IDEIA

O ritmo lento de vacinação no Brasil e a indefinição sobre o retorno do auxílio emergencial voltam a impactar a aprovação do presidente Jair Bolsonaro, que caiu de 31% para 26% nos últimos 15 dias. Após uma recuperação em fevereiro, o percentual é o mesmo registrado no início de janeiro e um dos pontos mais baixos em dois anos. Já a desaprovação ao governo aumentou para 45%.

Os dados são da mais recente pesquisa EXAME/IDEIA, projeto que une Exame Invest Pro, braço de análise de investimentos da EXAME, e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. O levantamento ouviu 1.200 pessoas entre os dias 8 e 11 de março. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. Clique aqui para ler o relatório completo.

Entre os que têm ensino superior, 63% desaprovam a gestão do presidente. Na parcela de jovens, entre 18 e 24 anos, a desaprovação é de 53% – ante 21% dos que aprovam o governo Bolsonaro. O melhor desempenho do presidente é na região Norte (36%), e entre os evangélicos (37%).

“A baixa oferta de vacina e um vácuo de auxílio emergencial são as duas variáveis que afetam hoje a avaliação e aprovação presidencial”, diz Maurício Moura, fundador do IDEIA, instituto especializado em opinião pública.

Em um outro ponto da pesquisa é possível perceber exatamente como a vacinação influencia a aprovação do presidente. Para 52% dos brasileiros, a culpa deste atraso na imunização é de Jair Bolsonaro. Entre os entrevistados, 19% consideram que a culpa é dos governadores, e outros 4% entendem que é dos prefeitos.

A desaprovação também é maior nas pessoas das D e E, chegando a 41%. Na visão de Maurício Moura, é esta parcela que mais sente os reflexos de uma nova rodada do auxílio emergencial.

Para socorrer as pessoas mais impactadas economicamente pela pandemia, a Câmara dos Deputados aprovou, na quinta-feira, 11, o texto do projeto que cria mais parcelas do auxílio. Pela proposta, será uma média de 250 reais pagos em quatro meses, sendo a primeira parcela liberada ainda em março. Para 77% dos entrevistados na pesquisa EXAME/IDEIA, a expectativa é que o benefício seja pago novamente ainda neste mês.

Com Exame

Opinião dos leitores

  1. Tem que descobrir onde ZeGado diz ter terras e saber, óbvio, se prestam para algo. Quem sabe possamos indicar uma futura propriedade a ser visitada pelo MST, vai ser o prêmio de consolação pelo retorno do pingunço, que está longe de ser gente, mais quem sabe chegue lá. Esse povo do MST deve estar se lambendo para voltar a invadir um terrinha.

  2. ????????????????????????????????????????????????????????????????? o Biritéiro fedorento e seus asseclas estão se achando, pena que alegria de pobre dura pouco.

  3. Essa pesquisa tá doida? Se arrependeu do que soltou anteriormente? Será que tá recebendo dinheiro do calça colada?

  4. Qué isso!? O MINTO já tá até usando máscara, acreditando em vacinas e deixando de ser um negacionista gente! Será que ninguém viu isso ainda? KKKKK . P.S.: "Parece" que deixou de ser negacionista! Mas deixar de ser inepto tá difícil!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Com recorde de 95% de aprovação dos cooperados, Fernando Pinto é reconduzido em chapa única à presidência da Unimed Natal

Foto: Divulgação

Nessa quarta-feira (10) os cooperados da Unimed Natal, com 95% de aprovação, em chapa única, elegeram o novo Conselho de Administração da cooperativa reconduzindo à presidência o dr. Fernando Pinto. Este percentual representou mais um recorde nos 43 anos da Unimed Natal onde, dos médicos aptos a votar, mais da metade se manifestaram durante o pleito e demonstraram estar amplamente satisfeitos com os resultados apresentados pelos últimos 3 anos da gestão durante a Assembleia Geral Ordinária (AGO).

Além do Presidente, do Vice, dr. Carlos Medeiros, do Diretor Técnico, o dr. Fábio Macedo, a diretoria executiva, com o novo estatuto, agora é composta por mais um diretor, o dr. Emerson Oliveira, que assume a Diretoria de Recursos Próprios depois de ter passado pela Superintendência da área.

Entre 2017-2021 a gestão presidida pelo dr. Fernando Pinto foi responsável por grandes feitos como o fim do Pro Rata que, por 23 anos, subtraiu da produção médica cerca de 317 milhões de reais para arcar com a operação da cooperativa; pela primeira vez houve a distribuição de 34, 4 milhões de reais em sobras aos médicos; a valorização do trabalho do cooperado com o reajuste no valor base da consulta em 35%; a aquisição da carteira de clientes da Unimed Federação RN que levou a Unimed Natal a se tornar a ÚNICA Operadora de planos de saúde do Sistema Unimed no Rio Grande do Norte; a ampliação da rede se serviços próprios incluindo o início das obras do Complexo de Saúde Unimed – onde será instalado o mais moderno hospital do estado; sem falar nas ações de combate à pandemia.

Grandes resultados geraram reconhecimentos, como o Top Natal, o da Valor 1000 e a entrada no seleto ranking da Revista Exame na lista “Maiores e Melhores”, em que a Unimed Natal é mencionada como a 4ª maior empresa do Rio Grande do Norte, a 11ª entre as 345 operadoras Unimed, a 22ª operadora de Saúde do país e a 46ª empresa de serviços de saúde do Brasil. Destaque também para o presidente, dr. Fernando Pinto, que foi reconhecido em 2020 como um dos 100 profissionais de saúde mais influentes pela revista Healthcare.

Neste momento a gestão renova seu compromisso para os próximos 4 anos, buscando seguir firme sobre 5 pilares: Mudança da cultura da empresa com foco do cliente, alinhando processos para geração de resultados; apresentação de um novo modelo assistencial baseado na atenção primária; Fortalecimento dos serviços próprios; e um novo modelo de remuneração. Dessa forma a cooperativa segue, de forma sustentável, focada em alcançar resultados cada vez mais consistentes, evoluindo em seu jeito de cuidar e consolidando-se como o plano genuinamente potiguar, levando saúde a todo RN.

Opinião dos leitores

  1. Parabéns a toda diretoria pela eleição e pela administração séria e competente , focada no crescimento , atendimento aos cooperados e assistência aos segurados, dando mais confiança.

  2. Parabéns Unimed Natal,a cada dia mais forte. Alem do vigor financeiro,quarta empresa do RN,sem dividas fiscais,está cada vez mais estruturado,o Hosputal logo logo colocará a Unimed em outro patamar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes pede ao Congresso a aprovação de uma reforma administrativa como contrapartida para o auxílio emergencial, para país não virar uma Venezuela

Foto: Reprodução/Redes sociais

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil mergulhará no caos se não aprovar a PEC Emergencial, com suas contrapartidas, para retomar o pagamento do auxílio emergencial. Em entrevista a Thiago Nigro, do podcast da consultoria Primo Rico, Guedes criticou a possibilidade de o Congresso aprovar a proposta de emenda à Constituição sem proibir reajustes salariais no serviço público, por exemplo. Essa é ideia de parte dos parlamentares, que já derrubaram a sugestão do governo de eliminar os pisos de gastos com saúde e educação. Segundo ele, o Brasil corre o risco de repetir a situação de países vizinhos que enfrentam grave crise econômica por conta do descontrole fiscal.

“Seguramente, para virar Argentina, [serão necessários] seis meses. Para virar Venezuela, um ano e meio. Se fizer errado, vai rápido. Quer virar Estados Unidos ou Alemanha, dez ou 15 anos na outra direção”, afirmou o ministro. Em seguida, Guedes ressaltou que havia exagerado na estimativa. “Estamos falando para muita gente. Estou exagerando. É bem mais moderado. Leva uns três anos para virar Argentina e uns cinco ou seis anos para virar Venezuela”, ponderou.

Guedes cobrou do Congresso a aprovação de uma reforma administrativa como contrapartida para o auxílio emergencial. “Vamos prorrogar o auxílio. Estamos empurrando dívidas para nossos filhos e netos. Mas me dá uma reforma administrativa aqui, que não tenha salários tão altos para os entrantes [no serviço público]”, disse o ministro. “É guerra, mas você não faz sacrifício nenhum?”

Para o ministro, só é possível empurrar a dívida para frente se houver compensações. “Tentou empurrar custo para futuras gerações, juros começam a subir, acaba o crescimento econômico, começa a confusão, o endividamento em bola de neve, a confiança do investidor desaparece, interrompe a criação de emprego, renda e inovação, aumenta o desemprego, caminho da miséria, caminho da Venezuela, caminho da Argentina. Está muito claro, caminho da esquerda, e tem o caminho da direita. Sem nenhuma conotação ideológica e política, por acaso é verdade.”

Guedes, que poucas entrevistas tem dado a veículos de imprensa, participou por duas horas do podcast da consultoria Primo Rico. Segundo ele, o podcast tem mais audiência que os principais jornais do país.

“Curto prazo de hoje para daqui a seis meses, vacina, vacina, vacina, vacina em massa. Para a recuperação ser sustentável, todo mundo poder voltar ao trabalho, vamos dar um pouco de auxílio emergencial para quem ainda não se reequilibrou. Por outro lado, vamos acelerar e aprofundar as reformas. Senão, a economia capota ali na frente de novo”, defendeu. Ao elogiar os apresentadores do programa, Guedes disse que “aparentemente” é um “fracasso” na comunicação. “Chuto dez e entra uma. E ainda dizem que eu não chuto”, brincou.

O ministro afirmou que não pretende pedir para deixar o cargo. “Se ele [Bolsonaro] confia no meu trabalho e eu conseguir executar meu trabalho, tudo bem. Se ele não confiar, eu sou demissível em 30 segundos”, disse Guedes.

Congresso em Foco

Opinião dos leitores

  1. Essa Reforma administrativa defendida por Guedes não afeta o alto escalão apenas os servidores Públicos que recebem menos com altas promessas de crescimento e desenvolvimento econômico Ao dizer "virar Argentina, [serão necessários] seis meses. Para virar Venezuela, um ano e meio." demonstra despreparo e desconhecimento pois Observem o Tamanho do Brasil e quantidade de recursos Naturais Exportações.. comparados da Argentina ou Venezuela; com o objetivo de Amedrontar as pessoas sem o conhecimento para expor uma proposta de difícil aceitação que altera a constituição

  2. Reforma trabalhista para aumentar os empregos, o povo cedeu a vontade do empresariado, o que me fez lembrar da frase de uma criatura batizada, algo do tipo: mais direitos ou mais empregos? Vão ter que escolher. Veio a reforma da previdência para o pais não quebrar, só lembrando que a ameaça de quebra do Brasil é decenal e trazida a tona toda vez que se quer aprovar algo importante, pois sim, a reforma foi feita e aquele trabalhador de baixa renda, sem uma boa assistência médica e que não conseguia emprego após os 55 anos, por causa da idade, terá de trabalhar mais 10, e a crise continua. Hoje, guedinho, aquele que, bem antes da pandemia já disse ao povo para ir se acostumando com dólar acima dos 5 reais, lembra? Hoje, a ameaça é outra, se bem que, para aqueles dotados de um pouquinho, um tiquinho apenas, de inteligência, já vislumbraria a imagem do futuro distópico que estava sendo desenhado muito antes de 2016. Hoje, a ameaça é "virar Venezuela", como os principais cartuchos de ameaças já foram usados, restou ao nosso guedinho, procurar no fundo do baú, mais algum bicho papão, para assustar o povo e impulsionar sua agenda econômica e ajudar o povo brasileiro. Para aqueles que ganham a média do cidadão brasileiro, não tenham dúvidas, você, talvez já esteja na Venezuela, só ainda não sabe.

  3. Flávio Bolsonaro para Ministro da Economia! Esse faz milagres, com pouco dinheiro. Com 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) de salário mensal, líquidos, conseguiu comprar uma "casinha", em Brasília, por 6.000.000,00 (seis milhões de reais), com pequena entrada de 3.000.000,00 (três milhões de reais) e o restante financiado pelo BRB (estatal), a juros "exorbitantes" de 4.6%, decrescentes até 3.5% ao ano. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (rindo no meio do choro).

  4. Venezuela esse senhor deixou os aposentados no Chile e o aposentado do Brasil com a reforma da previdência.
    Ele só Enrica. Os bilhões de créditos “podres” do BB adquiriu por meio de seu banco por uma ninharia.

  5. Mesma conversa mole da reforma da previdenica e da reforma trabalhista. So fazem retirar direitos, com a promessa de crescimento e desenvolvimento. Ministro que nao dá nada. So tira.

  6. Paulo Guedes vai arranjar um excelente emprego quando sair do governo, pois o desempenho dele é excelente.
    Façam arminhas.

  7. E OS 5 MILHÕES DE REAIS DESVIADOS DA COMPRA DOS RESPIRADORES PELO DESGOVERNO FATIMA BEZERRA,VAI FICAR NO ESQUECIMENTO??? O POVO QUER SABER!!
    ALÔ MPF,ALO PF !!!!!!

  8. Guedes foi pedir ajuda ao "Primo Rico", essa galera que faz palestra motivacional pra "ficar rico", os famosos "Gurus da Internet"já perdeu até um apt por falta de pagamento…estamos bem assessorado.

    1. Entendi , a culpa é de quem está 2 anos no poder , NÃO É DA QUADRILHA PTRALHA? Que ficaram 16 saqueando os cofres públicos, deixa de ESCREVER MERDA VAGABUNDO

    2. Ô pessoa burra da peste este Brasil. Entende tudo errado. Vai estudar mulé e deixa de ser desaforada.

  9. Esse banqueiro incompetente tá mais perdido que cego em tiroteio. O cara está completamente desorientado, sem rumo, sem pauta econômica. Faz o que melhor convém ao seu chefe desequilibrado. O Brasil está numa situação lamentável. Moral da história: quem passa, mete a mão sem pena da população.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Zenaide comemora aprovação de PL que proíbe fechamento de hospitais de campanha antes de ampla vacinação popular

Com o voto favorável da senadora Zenaide Maia (Pros-RN), o Senado aprovou, nessa quarta-feira (10), o PL 4844/2020, que proíbe a desativação de hospitais de campanha em locais onde a população ainda não foi amplamente vacinada contra a covid-19. Em suas redes sociais, Zenaide classificou a medida como “necessária para salvar vidas” e lembrou que a pandemia ainda causa um número alto de mortes diárias.

“A pandemia ainda não acabou e, pelo contrário, ainda mata mais de mil brasileiras e brasileiros por dia! As novas variantes estão aí, desafiando os nossos sistemas de saúde e os hospitais de campanha ajudam a complementar o atendimento aos pacientes”, pontuou a parlamentar.

O PL 4844/20 é de autoria da senadora Rose de Freitas (MDB-ES) e segue para a análise na Câmara dos Deputados.

Opinião dos leitores

  1. Senadora cobre de Fátima Bezerra a abertura dos hospitais regionais que ela e seu secretário de saúde fecharam.

  2. E os 5 milhões dos respiradores quando serão devolvidos ao Estado o povo tbm quer saber Senadora.

  3. A senadora Zenaide é o único voto que eu não me arrependo, parabéns senadora, continue honrando os votos dos seus eleitores. Agora estou muito arrependido de ter votado em Bolsonaro e em Styvenson, esse senador é uma piada de mal gosto.

  4. Quanta sensatez!!! Enquanto o outro lá não produz, apenas é do contra, Zenaide dá orgulho aos potiguares.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pacheco e Lira assinam documento com medidas que consideram prioritárias para o país e defendem agilidade na vacinação e aprovação de reformas

Os novos presidentes do Senado e da Câmara, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Arthur Lira (PP-AL), assinaram nesta quarta-feira (3) um documento em que listaram medidas que consideram prioritárias para o país. Eles reforçaram a intenção de dar agilidade à vacinação contra a Covid-19.

“Assegurar, de forma prioritária, que todos os recursos para aquisição de vacinas estejam disponíveis para o Poder Executivo e que não faltem meios para que toda a população possa ser vacinada no prazo mais rápido possível; e que a peça orçamentária a ser votada garanta que cada brasileiro terá a certeza de que o dinheiro do seu imposto estará disponível para sua vacina”, afirma o documento lido por Pacheco e Lira.

Após lerem o documento no Congresso, os presidentes da Câmara e do Senado se dirigiram à primeira reunião com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto. Os dois foram apoiados por Bolsonaro nas eleições do Congresso.

Pacheco e Lira também anunciaram que vão pedir um prazo para a apresentação dos relatórios da reforma tributária e da proposta de emenda à Constituição Emergencial. Eles ainda ressaltaram que serão prioridades em suas gestões a aprovação da reforma administrativa e a PEC dos Fundos Públicos.

Dentro do governo, a expectativa é que os novos comandos de Câmara e Senado facilitem a tramitação e a aprovação de matérias de interesse do Executivo. As reformas são vistas pela equipe econômica como essenciais para garantir a retomada da economia.

No documento que leram nesta manhã, Pacheco e Lira reforçaram que pretendem encontrar maneiras de auxiliar financeiramente os setores pobres da população, que ainda sofrem com efeitos econômicos da pandemia. Ao mesmo tempo, ressaltaram o compromisso com a manutenção do teto de gastos.

“O Senado Federal e a Câmara dos Deputados manifestam que trabalharão de forma conjunta, harmônica e colaborativa em todos os temas que possam facilitar e ajudar os brasileiros na superação do drama da pandemia, incluindo, sobretudo, a análise das possibilidades fiscais para, respeitando o teto de gastos, avaliar alternativas de oferecer a segurança financeira através de auxílio emergencial”, afirmaram os presidentes do Senado e da Câmara.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Zezinho eu também estou vivo e vendo os petralhas se associarem aos demônios, Jader Barbalho, Renan Calheiros, Collor de Melo, Sarney, Sérgio Cabral, Temer, MDB, PSDB, que vergonha, vc precisa ler e saber história.

  2. Alguém tem visto falar em Nove dedos, da Anta, Narizinho, Vampiro, nonho, Baleia, Lilindenberg, ze geraldo, Falcão ou qualquer outro pilantra do PT ou puxadinhos?

    1. E eu, de ver pt e rodrigo maia aliados, pior fragorosamente derrotatos. Hehehe

  3. Prisão em que? Dê é doidin? Aprovar pra se lascar. Kkkkkkkkkk, tchau lava qualquer coisa. Imagine a lava jato.

  4. É isso aí!!
    Vamos fazer o que tem que ser feito.
    Nada de botar a bunda em cima como fez o derrotado nhonhom botafogo.
    Uma pauta respaldada, por 57.000 milhões de votos de brasileiros tem que ser respeitada, nada de fazer gracinhas, estamos atentos, de olhos bem abertos.

  5. Cadê a prisão em 2a instância? Tendo o congresso como aliado, o presidente agora vai priorizar? Isso mostrará se ele honrará o compromisso de campanha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Eslováquia é o 1º país da União Europeia a aprovar uso da Ivermectina contra Covid

Foto: Reprodução

O portal Grande Ponto destaca que O Ministro da Saúde da República da Eslováquia registrou oficialmente a Ivermectina como medicamento para profilaxia e tratamento aprovado para contra o SARS-CoV-2, o vírus por trás da COVID-19. A autorização ocorreu na última quarta-feira (27), quando os médicos receberam a notícia de que poderiam prosseguir com as prescrições formalmente autorizadas tanto em hospitais como em ambulatório.

Em 26 de janeiro, o Ministro da Saúde, Marek Krajci, concedeu uma licença para o medicamento não registrado, pois o medicamento já estava em uso de forma compassiva no último semestre.

O site TrialSite entrevistou Ondrej Halgas, um pesquisador da Universidade de Toronto e originalmente da Eslováquia. Halgas tem se envolvido ativamente com uma rede de organização e lobby para a aprovação do medicamento durante a pandemia. A nação da Europa Oriental, de 5,4 milhões de pessoas, membro da União Europeia desde 2004, acaba de fazer história com a aprovação do medicamento.

A autorização real foi o resultado do trabalho de redes de profissionais de saúde, jornalistas e outros ativistas de saúde que têm trabalhado diligentemente para aumentar a conscientização sobre os dados de eficácia crescentes no contexto da pandemia COVID-19.

Leia matéria completa AQUI.

Opinião dos leitores

  1. É o primeiro de uma série de países.
    As evidências científicas até agora, fruto de cerca de 30 ensaios clínicos, dos quais 17 RCTs, são muito robustas, e espera-se para breve os cerca de 50 ensaios em andamento, vide clinicaltrial.gov.
    Quem quiser mais informações consulte os sites: FLCCC.net e o c19study.com, ambos repositórios da mais vasta publicação científica sobre a Ivermectina.
    Heraldo

  2. Esse vermiculo funciona sim.
    Existe política nos medicamentos e tratamentos também.
    Vamos tomar como exemplo o continente africano por que o número de mortos por Covid-19 é muito baixo ?Alguém já viu alguma reportagem falando sobre isso?
    A oms diz que o baixo número de óbitos deve-se aos cuidados tomados como distanciamento e vejam bem, ampliação na capacidade no atendimento de saúde, quer dizer que o sistema de saúde e cuidados dos africanos são melhores do que um do primeiro mundo.
    Nem criança acredita nessas baboseiras que a oms diz.
    É tudo política ela está acima até mesmo da morte de milhões de pessoas que poderiam ser salvas.

    1. Realmente td política,procurem saber do Cloridrato de Levamisol,o que houve com ele, mas hj está como Ascaridil.

  3. A Eslováquia está para a Europa como o Brasil está para o resto do mundo, ou seja, uma bosta. Hehehehehe

  4. Tomo ivermectina, desde maio de 2020. ZINCO , vitaminas D e C. Todas as manhãs, em jejum, gargarejo um copo d'água com uma colher de vinagre. Um limão batido no liquidificador com casca, cuado e adiciono 30 gotas de própolis. 73 anos, 62kg, pedalo 4x por semana e faço academia em casa. Só saio com duas máscaras.

  5. O que será que tem por trás, em não haver estudos mais robustos em relação a ivermectina? Porque será que existem médicos (a maioria) a favor e médicos contra? Gostaria mesmo que explicassem, porque médicos tão respeitados e capacitados no RN e no mundo, são a favor desse medicamento e simplesmente não lhes dão crédito? Será que é verdade, que existe um "lobby" da indústria farmacêutica de vacinas, tentando desmerecer a Ivermectina, pra não "atrapalhar os negócios" deles?

    1. O fato da ivermectina ser barata e não ter patente mais não quer dizer, necessariamente, que não há interesse em pesquisar sobre o efeito dela no combate contra o covid. Já foram feitas muitas pesquisas e algumas tem conseguido encontrar algum efeito contra o covid. Recentemente, por exemplo, foi publicado e já revisado um estudo amplo com o remédio cochicina , ele eh barato e houve comprovação bem substancial que seu uso precoce surtiu efeitos pra evitar casos graves de internação por covid. Qual o problema da ivermectina ser usada sem um estudo científico adequado: existe o efeito placebo e isso pode mascarar o efetivo resultado de um tratamento! Logo, eu tomar ivermectina pra evitar ou não ter um quadro grave de covid, em termos científico, não quer dizer NADA! Acreditar e privilegiar a ciência não quer dizer que eu seja esquerdista , petista, nazista, comunista … Muito menos que eu não faça uso da ivermectina, por exemplo!

    2. Efeito-placebo existe até quando há o princípio ativo. A substância age e o paciente acredita que a recebeu e nela, acredita. Somam-se dois fatores. O problema é que tem muitos médicos fazendo uso com base nas suas experiências. Ainda não tem um selo científico porque ainda não deu tempo. Tudo isso, leva anos de acompnhamento de pessoas (massificação, randomização, duplo-cego, revisão de pares, meta-análise, o carai a quatro). Se está numa corrida contra o relógio. Mas até plantas usadas por índios funcionam para certos males, mas a maioria não tem chancela acadêmica. Pensar que só existe verdade dentro do mainstream acadêmico é puro obscurantismo. Aliás, ciência pega só o fragmento da realidade que dá para ser analisado segundo a disponbilidade de (seus) métodos já delimitados. Toda 'verdade' científica é inerentemente precária, suscetível de ser falseada.

  6. A Anvisa não aprova o uso da Ivermectina pra tratamento de Coronavírus, portanto…só uso vacina ou tratamento (que ainda não tem). chancelado pela ANVISA. boa tarde a todos.

  7. Já tomo Ivermectina desde o inicio . A cada 15 dias . Toda a minha família e graças a Deus , nenhum sintoma. E muita vitamina D.

    1. O tratamento profilático está ajudando muito nas internações de casos graves e de mortes. A ivermectina como antiviral está sendo usado e indicado. Não é vacina mas ajuda e muito. Toma quem quer.

    2. Que esta havendo os R$ 5 MILHÕES foi a BAHIA e passou pelo um processo de diluição.
      Até agora sem resposta….

  8. Crédito ao Dr Fernando Suassuna, defensor desde sempre deste fármaco. É de Natal, é da gente! A verdade está vindo à tona.

  9. Isso é um couro de p… do ca….
    Uns falam que serve, outros dizem que não. Daqui a pouco um site esquerdopata vem desmentindo.

    1. Toma quem quer. Aqui em casa fazemos uso da Ivermectina desde que uns familiares tiveram os sintomas e ficaram curados com essa medicação. Quem não teve os sintomas, tomam Ivermectina, mensalmente e, até o presente não se contaminaram.

    1. Sou de esquerda e sempre tomei ivermectina, a medicação receitada pelo Minto é a Cloroquina que nunca teve eficácia, agora vão pegar carona?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Mesmo com polêmicas sobre vacinas, Bolsonaro mantém aprovação de 45%, aponta pesquisa PoderData

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Jair Bolsonaro enfrenta um cenário político ruim neste início de 2021. A pandemia entrou numa fase com mais casos e mortes. O Ministério da Saúde não conseguiu vacinas a tempo e viu o governo do Estado de São Paulo, de João Doria (PSDB), sair na frente. Na internet, adversários do governo promovem um movimento a favor do impeachment do presidente. Ainda assim, as taxas de aprovação e desaprovação do governo de Bolsonaro se mantiveram no mesmo patamar do levantamento anterior, segundo pesquisa PoderData encerrada nesta 4ª feira (20.jan.2021).

A rigor, houve até variações positivas para Bolsonaro dentro da margem de erro, que é de 2 pontos percentuais.

Há 15 dias, 52% desaprovavam o governo federal. Agora, no levantamento realizado em 18, 19 e 20 de janeiro, em 544 cidades e com 2.500 entrevistas, a taxa é de 48%.

A aprovação do governo hoje é de 45%, contra 44% há 15 dias. A oscilação também fica dentro da margem de erro.

Foto: Reprodução

O que pode explicar a manutenção das taxas de aprovação e de desaprovação do governo Bolsonaro apesar das notícias desfavoráveis ao presidente? Uma possibilidade pode ser o fato de Bolsonaro ter ficado quase em silêncio sobre vacinas desde o que em Brasília tem sido chamado de “Doria day” –o domingo (17.jan.2021), quando o tucano paulista fez grande evento para vacinar a 1ª pessoa no Brasil com a CoronaVac.

A outra possibilidade é que haja um descompasso entre o que aparece na mídia de maneira mais visível, com o noticiário quase sempre negativo, e o que pensa parte da população.

Mais pesquisas serão necessárias para aferir como será a tendência real da curva de aprovação do governo. Até porque é a partir de fevereiro que os brasileiros sentirão para valer o fim do auxílio emergencial que beneficiou cerca de 68 milhões de pessoas até o final de 2020.

Por ora, o que se nota é que a administração bolsonarista segue com um núcleo –de apoio sólido na faixa de 45% dos eleitores. E há uma parcela quase do mesmo tamanho (48%) que o rejeita.

Foto: Reprodução

DESEMPENHO PESSOAL

Quando o PoderData pergunta sobre o trabalho pessoal de Bolsonaro, há 5 categorias como opção de resposta: ótimo, bom, regular, ruim e péssimo.

Nesse cenário, a situação também é de estabilidade, mas com percentuais negativos para o presidente. Os que o rejeitam são 43%, ante 44% no estudo anterior. Já os que disseram que Bolsonaro é ótimo ou bom são 35%, mesma proporção de 15 dias antes.

Foto: Reprodução

OS 20% QUE ACHAM BOLSONARO ‘REGULAR’

No Brasil, pergunta-se aos eleitores como avaliam o trabalho do governante. As respostas podem ser: ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo. Quem considera a atuação “regular” é uma incógnita.

Para entender qual é a real opinião dessas pessoas, o PoderData faz um cruzamento das respostas desse grupo com os que aprovam ou desaprovam o governo como um todo.

Os resultados mostram que 43% desse grupo dizem aprovar o governo quando dadas apenas duas opções. Os que desaprovam são 40%.

Foto: Reprodução

Há 15 dias, muito mais pessoas do grupo “regular” disseram desaprovar do que aprovar o governo. Agora, há praticamente a mesma proporção para as duas opiniões.

Os que não souberam responder eram 1% no último levantamento. Agora, são 17%. Esses são os entrevistados sem posicionamento claro. Tendem a ir mais bruscamente de um lado para o outro quando a polarização se intensifica.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 18 a 20 de janeiro de 2021, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 544 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Quando vejo quem o combate, quando vejo quem está pedindo impeatchment, mais certo fico de q esse homem está no caminho certo!!!

    1. Exatamente Ivan, sigo esta mesma linha, quando vejo os opositores do Coiso, mais certeza tenho que ele está certo e mais convicção tenho do meu voto.

  2. Fudeu geral. Kkkkkkk
    Os jerico vão enlouquecer. E não adianta dá coice nem morder, a abstinência por dinheiro público vai continuar.

  3. O Coiso, Bozo, Mito, seja qual for a denominação que deem ao nosso Presidente uma coisa é certa, ele é o que o Brasil precisava neste momento, e vem fazendo a coisa certa, com erros, com falhas, com comunicação deficiente e errada, com impulsividade, porém vem quebrando ou tentando quebrar um mal que vinha destruindo o nosso País, que é a corrupção e o vício político. Infelizmente outros tiveram a chance e por muito tempo, mais se perderam com seus egocentrismo e ganância pelo poder, sem falar nas práticas espúrias e nada republicanas, porém preferiram ser protagonistas do maior estelionato eleitoral já praticado no Brasil. Tenho certeza que Bolsonaro não é o melhor, como ele sempre falou na campanha, mais é o necessário e louco suficiente para topar uma parada dessa, a vida desse Homem está um martírio, com políticos, Justiça, parte da sociedade e até alguns "aliados" fazendo tudo para prejudicá-lo e desestabilizar seu governo, tudo isso em troca de manter a mesma forma de administrar e fazer política que vinha sendo feita a séculos seja pela esquerda ou direita. Com fé em Deus o Brasil sairá outro após este período de transição que estamos vivendo, o povo já não suporta mais práticas imundas de política, o povo está aprendendo a duras penas a ver quem é quem, já não é mais tão facilmente manobrado por mídias compradas a peso de ouro, já sentiu na pele o custo de ser omisso na política, já cansou de apanhar e pagar a conta. Vá em frente Bolsonaro, faça o que tem de ser feito, mais pense mais antes de falar homi!!!

  4. Região Norte 71% de aprovação. Região Norte índices de mortalidade por covid muito superiores ao resto do Brasil, proporcionalmente. Conclusão: A população da região norte, na sua maioria, é bolsonarista e está morrendo por acreditar no negacionismo contra a ciência pregada pelo genocida.

  5. ESTOU COM BOLSONARO ATÉ 2026 ,NOSSO PAÍS PRECISA SAÍR DAS MÃOS DESSES CORRUPTOS MALDITOS. O MAIOR MEDO DA GLOBO É A REELEIÇÃO DE BOLSONARO, SÓ PENSA NA CONCESSÃO.

  6. Também aprovo a administração do presidente da República Jair Bolsonaro,mas ele precisa controlar a sua cognição emocional e comunicativa,ele exaustivamente fica delirando com manifestações ostensivas de arrogancia,por vezes sem fundamento algum em fatos ou variáveis reais,isso não é toleravel,já que ele não sabe falar,é melhor por um porta voz.

  7. Ôôôhh vei forte da gota serena.
    Essa fuleragem todinha com a vacina, foi o 1% nas pesquisas que fez, junto com a petezada e a globo lixo, 01 % é o boi tabaco do João calça apertada, esse imbecil pensa que o povo não está atento a essa politicagem sebosa.
    O resultado é esse, enterrou no fundo do poço a candidatura a presidente, que ele pensa em disputar.
    Pensa, porque esse fdp tem sede de poder, não é dinheiro, dinheiro ele tem.
    O que ele quer é poder.
    Mas, ja tomou no frinfa, não decola mais, o povo sabe votar.
    Se enganar quem pensa diferente.
    Mito em primeiro turno.
    2022.

  8. Aprovação em alta, mesmo com morte de general do exército brasileiro por Covid-19. Algo de errado nesta pesquisa.

    1. Aprovação de 45% significa desaprovação de 55%. Isso se a pesquisa estivesse certa, o que eu duvido.

  9. C H O R A G L O B O L I X O .
    C H O R A P T R A L H A S
    C H O R A E S Q U E R D O P A T A S

    MITO 2022

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

‘É segura, evita casos graves e ajuda a frear pandemia’, dizem especialistas sobre a coronavac

Foto: Divulgação/Instituto Butantan

A vacina CoronaVac registrou 50,38% de eficácia global nos testes realizados no Brasil, segundo informou o Instituto Butantan em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira (12).

O número mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e também pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é de 50%.

Chamado de eficácia global, o índice aponta a capacidade da vacina de proteger em todos os casos – sejam eles leves, moderados ou graves. O Butantan também afirmou que a vacina não apresentou reações alérgicas.

Para especialistas, apesar do índice abaixo dos 78%, divulgados na semana passada, a vacina é boa e vai ajudar a frear a pandemia do coronavírus no Brasil.

“A gente nunca falou desde o início ‘eu quero uma vacina perfeita’. A gente falou ‘eu quero uma vacina para sair dessa situação pandêmica’. E isso a CoronaVac permite fazer”, avaliou a microbiologista Natália Pasternak, que participou da coletiva de imprensa do governo de São Paulo para anunciar os dados.

“[A CoronaVac] não vai pôr fim à pandemia instantaneamente. Vai ser o começo do fim. Não significa que não vai poder ver outras vacinas, melhores”, continuou.

“É uma vacina possível para o Brasil, adequada para o Brasil, compatível com a nossa capacidade de produção local”, continuou. A CoronaVac pode ser armazenada em temperaturas normais de refrigeração, de 2ºC a 8ºC, que são as utilizadas na rede de frio do país.

A cientista lembrou que é necessário que muitas pessoas tomem a vacina para que ela funcione em conter a pandemia. “Uma vacina só é tão boa quanto a sua cobertura vacinal. A efetividade dessa vacina no mundo real vai depender da vacinação”, disse Pasternak.

A pesquisadora Mellanie Fontes-Dutra, idealizadora da Rede Análise Covid-19 e pós-doutoranda em bioquímica na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ressalta a necessidade de uma boa campanha de vacinação para acabar com a pandemia.

“É a nossa vacina. Ela vai nos ajudar, vai salvar vidas e, junto de outras vacinas, campanhas de vacinação, medidas de enfrentamento e adesão da sociedade, iniciaremos nossa saída da pandemia”, avaliou.

“É uma vacina boa, que foi testada de forma adequada e do padrão de maior rigor de testes clínicos, num estudo com protocolo pré-publicado”, acrescentou.

O imunologista e pesquisador da USP Gustavo Cabral disse que a eficácia geral era a esperada, já que a tecnologia utilizada é a mesma da vacina da gripe, cuja eficácia fica em torno de 40% a 60%.

Ele considera importante reforçar que o Brasil não teve casos graves nos vacinados que tiveram a Covid-19. “Isso é muito bom. Não ter casos graves, pra mim, é maravilhoso”.

“Também não tivemos nenhuma reação adversa grave. Para nós, cientistas, isso traz uma confiança muito boa. É uma vacina boa, que não tem efeito adverso, não gerou efeito grave, não levou a hospitalização”, completou Cabral.

Para o epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), a eficácia alta para casos graves e mortes é particularmente importante.

“Na prática, me parece, pelo gráfico, que essa eficácia global de 50,4% é menos relevante do que a eficácia altíssima que tem pra casos graves e mortes. Porque, na prática, o que a gente quer é evitar internação e óbito. Antes de ler todo o resultado, eu não criticaria e descartaria a vacina pelo fato desse número”, disse

Hallal explicou que, pensando em imunidade coletiva, o índice pode ser considerado baixo. Mas utilizar uma vacina com eficácia de 50% é “infinitamente melhor” do que não usar nada. “Sem dúvidas, a vacina é capaz de reduzir a circulação do vírus”, completou.

O professor ressalta que suas considerações são preliminares e ainda aguarda a publicação completa dos resultados para aprofundamento da análise.

78% de eficácia em casos leves

Na semana passada, o Butantan já havia anunciado que, nos testes no Brasil, o imunizante atingiu 78% de eficácia em casos leves e 100% em casos graves e moderados (ou seja, a vacina protegeu contra mortes e complicações mais severas da doença).

“Há uma tendência da vacina de diminuir a intensidade clínica da doença”, explicou o diretor de pesquisa do instituto, Ricardo Palacios, na coletiva desta terça (12).

Na opinião da infectologista Rosana Richtmann, do Instituto Emílio RIbas, em São Paulo, “o número mais importante continua sendo os 78%, porque ele consegue ter um impacto muito grande na carga da doença no nosso país e na sobrecarga do trabalho dos profissionais de saúde. Num primeiro momento não ficaremos livre desse vírus, não é o momento de relaxar, mas é o momento que vemos, de fato, uma luz no fim do túnel. A melhor vacina é a que estará disponível para a nossa população”.

A CoronaVac foi testada com profissionais de saúde. Palacios explicou que os ensaios foram feitos assim porque essa população tem a maior exposição ao vírus – muito maior que a das outras pessoas no geral.

“[O teste] não é a vida real exatamente. É um teste artificial, no qual selecionamos dentro das populações possíveis, selecionamos aquela população que a vacina poderia ser testada com a barra mais alta”, afirmou.

“A gente quer comparar os diferentes estudos, mas é o mesmo que comparar uma pessoa que faz uma corrida de 1km em um trecho plano e uma pessoa que faz uma corrida de 1 km em um trecho íngreme e cheio de obstáculos. Fizemos deliberadamente para colocar o teste mais difícil para essa vacina, porque se a vacina resistir a esse teste, iria se comportar infinitamente melhor em níveis comunitários”, disse.

G1

Opinião dos leitores

  1. É essa "vachina" que Fatão prometeu a seu rebanho? Que tomem e sejam felizes. Essa gororoba vem do mesmo país de onde "vieram" (brincadeira, claro) aqueles respiradores pelos quais a governadora do RN pagou 5 milhões e… Bem, não tem respirador algum e o dinheiro foi pro bolso de alguém.

  2. Para um país que tem a cloroquina como “salvação”, essa vacina com 50%, está 1ª de luxo.

  3. É pessoal teremos que nos contentar com a Coronavac e a vacina da Oxford, quem estiver sonhando com a Pifzer ou a da Moderna pode acordar que ñ é sonho é pesadelo, graça ao nosso incompetente presidente e ao igual ministro especialista em logistica que nem se quer comprou as seringas. Vamos ter que toma a Coronavac e agradecer por ter aumenos ela.

  4. Já deram a ideia e acho 100% apropriada.
    Quem é da esquerda toma a vacina chinesa e não precisa se incomodar com o resto, assunto encerrado.
    Mas vou aqui fazer meu comercial:
    Vendo paraquedas com 50% de chance de abrir. Tenho preço promocional.
    Quem comprar o paraquedas, leva de graça uma caixa de anticoncepcional com 50% de eficácia e mais 01 caixa de Viagra com 50% de possibilidade de funcionar.
    Aproveitem a oportunidade…..

  5. Com esses números nem o gado entende rapaz. Eu acho que Dória vazou esses 50% só pra ver o gado e o Bozo falando asneiras. Aí o bixo pegou, a imprensa divulgou e agora o Bozo nem toca mais no assunto, ficou com a cara de tacho rsss

  6. ‘Grande merda a opinião desses especialistas pois : se não fosse segura, não evitase os casos graves e não ajudasse a frear pandemia’ eles teriam produzido o que? Um cházinho?

    1. kkkkkkkkk. está foi a melhor. Quer produzir mais bolsovacas? Já não basta esse rebanho imenso de almas sebosas fazendo arminha?

    2. Venha cá neco, não sejas tão bobo neco. Sei que gostas de companhia mas hoje tu vais ter que pastar sozinho.

    1. Meu Deus! E agora?
      Confio na opinião dos especialistas do assunto ou na opinião cheia de argumentos cientificamente embasados sabe-se lá de onde do Luciano?
      Agora lascou.

    2. Aluísio, aí vc lasca né, com uma resposta dessas Luciana Morais Gado vai sair de fininho e ficar caladinha. Vá de vagar. O gado não aguenta muita pressão não.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PESQUISA CNI/IBOPE: 35% aprovam Governo Bolsonaro, 30% consideram regular e 33% reprovam

Foto: Aloísio Maurício/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (16) mostra os seguintes percentuais de avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro:

Ótimo/bom: 35%;
Regular: 30%;
Ruim/péssimo: 33%;
Não sabe/não respondeu: 2%

A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com a entidade, o levantamento foi feito entre os dias 5 e 8 de dezembro e ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios.

Ainda segundo a pesquisa, 44% dizem confiar em Jair Bolsonaro; outros 53% afirmam não confiar; 3% não souberam ou não quiseram responder.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança, de 95%.

Pesquisa anterior

A última pesquisa divulgada pelo Ibope e também encomendada pela CNI sobre a aprovação do presidente foi feita em setembro de 2020.

Os números levantados na época foram:

Ótimo/bom: 40%;
Regular: 29%;
Ruim/péssimo: 29%;
Não sabe/não respondeu: 2%.

Expectativa da população

A nova sondagem também considerou a expectativa da população sobre o governo. Os resultados apontam que 35% acreditam que os próximos anos de mandato de Bolsonaro serão ótimos ou bons.

Outros 31% disseram que serão ruins ou péssimos. Para 30%, os próximos anos serão regulares.

No levantamento anterior, 36% afirmaram acreditar que os próximos anos de mandatos seriam ótimos ou bons, 30% que seriam ruins ou péssimos e 29% regulares. Os três grupos oscilaram dentro da margem de erro.

Forma de governar

Um dos aspectos pesquisados diz respeito à aprovação da maneira de governar do presidente Jair Bolsonaro. Sobre este quesito, os resultados foram:

Aprova: 46%;
Desaprova: 49%;
Não sabe, ou não respondeu: 5%.

No levantamento anterior, 50% dos entrevistados aprovavam a maneira de governar de Bolsonaro, 45% desaprovavam e 5% não souberam ou não responderam.

Setores do governo

A pesquisa avaliou ainda a percepção da população a respeito de áreas do governo:

Segurança pública

Aprova: 44%;
Reprova: 53%;
Não sabe/não respondeu: 3%.
Combate à fome e à pobreza

Aprova: 44%;
Reprova: 53%;
Não sabe/não respondeu: 3%

Educação

Aprova: 42%;
Reprova: 55%;
Não sabe/não respondeu: 3%

Saúde

Aprova: 38%;
Reprova: 60%;
Não sabe/não respondeu: 2%.

Meio ambiente

Aprova: 36%;
Reprova: 59%;
Não sabe/não respondeu: 5%.

Combate ao desemprego

Aprova: 35%;
Reprova: 62%;
Não sabe/não respondeu: 3%

Combate à inflação

Aprova: 33%;
Reprova: 63%;
Não sabe/não respondeu: 4%

Impostos

Aprova: 26%;
Reprova: 70%;
Não sabe/não respondeu: 4%

Taxa de juros

Aprova: 24%;
Reprova: 70%;
Não sabe/não respondeu: 5%

Outros temas

O Ibope também perguntou aos entrevistados sobre a percepção do noticiário em relação ao governo Jair Bolsonaro.

Na pesquisa, 15% avaliam que as notícias recentes sobre o governo são mais favoráveis, e 46%, que são mais desfavoráveis.

G1

Opinião dos leitores

  1. Kkkkkkkkkkkkk, quem acredita em pesquisa é mais otario do que os petistas ! Fumadores de bosta de burro ! Comedores de capim ! Kkkkkkkk

  2. Kkkkk piada esses números.. quer dizer que a população reprova as taxas de juros, lembrando que nunca estiveram tão baixas. O governo não tem aprovação em nenhum setor? Podiam aprender pelo menos a mentir. Me engana que eu gosto.

  3. Se não fosse pelo PRESIDENTE BOLSONARO a nossa economia estaria DESTRUÍDA, em sérias dificuldades, como está a vizinha Argentina.
    Mesmo com todas as dificuldades de um país em desenvolvimento estamos enfrentando a pandemia melhor do que muitos países ricos da América do Norte e Europa.
    Em mortes por milhão estamos longe dos piores países, que além de muitas mortes ainda sairão da pandemia com suas economias destruídas, com todas as mazelas consequentes: desemprego, miséria, fome, violência e vários outros males.

  4. Qdo essa pesquisa diz 35% de aprovação,com certeza na realidade é de no mínimo 65% de aprovação !!!

    1. Ou seja Arthur, se as eleições fosse hoje, ele ganhava novamente.
      Chora não!

  5. Faltou pesquisar os itens: combate à corrupção, aparelhamento do estado, preservação do meio ambiente, relações internacionais, equilíbrio, sinceridade, lucidez, senso de ridículo e rumo. A porcentagem de apoio cairia pra menos da metade.

    1. Se perguntar sobre xhifre e colera de lixo, taabém cai na conta do Executivo de turno. Ninguém tem o detalhamento de todos os erros e acertos.

    2. Bruninha, o choro é livre e o riso efêmero (veja no dicionário o significado).

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Ministro quer aprovação do novo marco regulatório do gás este ano; nova legislação trará mais competitividade ao setor

Foto: Ministério de Minas e Energia

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, defendeu nesta sexta-feira (04) a aprovação do novo marco regulatório do gás ainda este ano. Segundo ele, a nova legislação trará mais competitividade ao setor. Albuquerque participou 25º Encontro Anual da Indústria Química 2020, realizado de forma online por conta da pandemia do novo coronavírus.

“É importante votarmos e aprovarmos ainda esse ano o projeto de lei 4.476/2020, que institui o novo marco legal do setor de gás natural do Brasil”, disse. “No mês passado completamos 25 anos da emenda constitucional que pôs fim ao monopólio da Petrobras no setor de petróleo e gás natural e agora é o momento de comemorar, também neste ano, a aprovação do marco legal que permitirá a competição no setor de gás e o aumento da competitividade da indústria nacional”, acrescentou.

O projeto de lei, aprovado no início de setembro pela Câmara dos Deputados, está em tramitação no Senado Federal.

A essência texto aprovado na Câmara, que ainda poderá ser modificado, é a substituição do atual regime de concessão pelo de autorização na atividade de transporte de gás natural. No sistema de concessão, a empresa privada precisa vencer um leilão da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para participar do mercado de gás. Já no sistema de autorização, basta que a empresa apresente um projeto para a construção ou ampliação de gasodutos após chamada pública e aguarde a aprovação da ANP.

O texto prevê, ainda, que essas autorizações serão por tempo indefinido e só poderão ser revogadas, entre outros motivos, a pedido da empresa, se ela falir, se o gasoduto for desativado ou se a companhia descumprir obrigações de forma grave. Atualmente, o transporte de gás é concedido à iniciativa privada por meio de concessão em licitação pública por 30 anos.

O projeto acaba também com a exclusividade dos estados na atividade de distribuição de gás natural, permitindo a exploração desse serviço também pelas empresas privadas de energia elétrica, e prevê mecanismos para viabilizar a desconcentração do mercado de gás. Atualmente, a Petrobras participa com 100% da importação e processamento, e cerca de 80% da produção.

Competitividade

“A indústria brasileira precisa ganhar competitividade e ter o crescimento de sua demanda, principalmente para que possamos ter uma retomada econômica robusta no período pós pandemia. Para tanto, faz-se necessário o avanço do setor do gás natural, de modo a tornar esse importante insumo mais barato, como foi mencionado, favorecendo o fortalecimento da indústria nacional”, defendeu o ministro de Minas e Energia.

Alguns argumentos contrários ao projeto apresentados por parlamentares de oposição são que a proposta de livre concorrência no setor pode não gerar a diminuição do preço do gás ao consumidor. Além disso, o novo marco poderá só beneficiar algumas grandes empresas, como argumentam parlamentares.

“Nosso papel é eliminar barreiras, barreiras aos investimentos, barreiras tributárias e barreiras regulatórias e legais, buscamos a formação de um mercado de gás mais aberto, dinâmico, competitivo, com maior pluralidade de agentes e com competição gás-gás. Com esses atributos presentes temos a convicção que haverá redução do preço do energético”, ressaltou o ministro.

Segundo ele, os pedidos de autorização junto à ANP para prática de carregamento, ou seja, de contratação de serviço de transporte dutoviário para gás natural, passaram de um média de três por ano até 2018 para 49 entre janeiro de 2019 e outubro de 2020. Já as autorizações de comercialização de gás natural emitidas também pela ANP passaram por ano para 43 desde janeiro de 2019. O Ministério de Minas e Energia publicou, este ano, 26 autorizações de importação de gás natural.

Com Agência Senado

Opinião dos leitores

  1. Se os sindicatos e o cartel deixar, pois eles exercem forte pressão para ficarem com o monopólio.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Prefeitos comemoram aprovação de PEC do deputado Tomba Farias, que permite repasse de recursos de emendas diretamente para os municípios

Um presente antecipado de Natal. Foi assim que prefeitos das regiões do Trairi, Agreste e Central, a exemplo de gestores de outros municípios do estado, comemoraram a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de autoria do deputado estadual Tomba Farias, que vai permitir que, a partir de 2021, as emendas de parlamentares ao Orçamento Geral do Estado (OGE) sejam repassadas diretamente às prefeituras, beneficiando os 167 municípios do Rio Grande do Norte.

A iniciativa inédita do parlamentar municipalista surge no momento em que a as prefeituras enfrentam grandes dificuldades e desburocratiza os repasses de recursos provenientes das emendas diretamente para as prefeituras. Segundo Tomba Farias, a “transferência especial” permite que as prefeituras recebam as verbas sem qualquer intermediação, independente da celebração de convênios ou de qualquer outro instrumento semelhante. A medida de autoria do parlamentar também abrange as transferências com finalidade definida, que são aquelas que envolvem recursos vinculados a finalidades específicas.

“São imensas as dificuldades enfrentadas pelos municípios. A nossa emenda constitucional propicia uma maior autonomia às prefeituras, dando condições de que elas invistam em obras de infraestrutura”, disse.

No entanto, Tomba Farias alerta que os recursos oriundos das emendas individuais impositivas não poderão ser utilizados para pagamento de despesas com pessoal e encargos sociais referentes a servidores ativos, inativos e pensionistas ou encargos de dívidas.

“A prestação de contas deve ocorrer na forma do convênio celebrado, no caso das transferências com finalidades definidas. Já no caso das transferências especiais, estas terão a prestação de contas anual feitas diretamente ao Tribunal de Contas do Estado.

Opinião dos leitores

  1. Boa PEC, agora quero ver a Governadora Fátima Bokus vetar.
    Tomba deveria perguntar a Governadora onde foi parar os 5milhões de reais utilizados para compra dos respiradores e por quê a CPI para apurar o aluguel das ambulâncias está parada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *