Eleições 2018: PRE conclui que Carlos Eduardo e Álvaro Dias não praticaram conduta vedada

Transição no cargo de prefeito e baixíssima repercussão de postagens em redes sociais foram decisivas para o entendimento ministerial

A Procuradoria Regional Eleitoral no Rio Grande do Norte (PRE/RN) arquivou uma investigação de que a manutenção de postagens no perfil da Prefeitura Municipal de Natal no Facebook enaltecendo o então prefeito Carlos Eduardo poderia configurar conduta vedada pela lei eleitoral. A ilicitude alcançaria, em tese, tanto o ex-prefeito, que ocupava o posto quando veiculadas (entre fevereiro e abril de 2018), quanto o atual gestor de Natal, Álvaro Dias, que estava no posto quando iniciado o período proibido (a partir de 7 de julho de 2018), no qual, em tese, as postagens deveriam ser removidas.

Segundo o Procurador Eleitoral Auxiliar Kleber Martins, porém, Carlos Eduardo não tinha como determinar a remoção das postagens, pois ele não era mais prefeito em 7 de julho de 2018. Embora esse poder estivesse nas mãos de Álvaro Dias nessa ocasião, o Procurador também entendeu que não é razoável esperar que um prefeito recém-empossado tivesse conhecimento dessas postagens, dadas suas múltiplas e mais importantes atribuições. Compreender o contrário, nas palavras do Procurador, seria atribuir a este último uma responsabilidade objetiva pela situação, o que não é permitido nesse campo.

Considerou, ainda, que esse potencial de conhecimento pelo novo prefeito é ainda mais reduzido se levarmos em conta que as mesmas postagens alcançaram pouca visibilidade – mensurada pela quantidade de “curtidas” que cada uma delas teve -, o que reflete, igualmente, sua baixa capacidade de ter beneficiado eleitoralmente o então candidato Carlos Eduardo.

Pontuou, por fim, o membro do Ministério Público Eleitoral que os casos em que o Tribunal Superior Eleitoral sancionou o gestor se referiram a situações em que este ocupava o posto quando das publicações enaltecedoras de sua pessoa e ainda nele se encontrava quando iniciado o período em que deveria ter mandado removê-las, o que é diferente da hipótese envolvendo Carlos Eduardo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. O MICO disse:

    Tudo tão previsível que não dá mais pra fazer carreira como profeta.
    O roteiro é sempre o mesmo: "persegue os petistas e alivia pros outros".
    kkkkkkkk

2º Turno das Eleições 2018 contará com tarifa social e operação especial no trânsito neste domingo em Natal

Foto: Josenilson Rodrigues/Busão de Natal

O 2º turno das Eleições 2018, que ocorre neste domingo (28), contará com operação especial de trânsito. É o que informa a Prefeitura do Natal, por meio da Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU).

Como ocorreu no 1º turno, a STTU vai disponibilizar 80 agentes de mobilidade e 30 viaturas distribuídos nos principais corredores de tráfego e dando suporte nos locais de votação onde o trânsito se complicar.

A STTU relembra que, em caso de ocorrências em vias municipais, o cidadão pode ligar para Alô STTU, no telefone 156. Já para ocorrências em rodovias estaduais, o número é o 198 do Comando de Policiamento Rodoviário Estadual (CPRE), e para as ocorrências em rodovias federais, o número é o 191 da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

TRANSPORTE PÚBLICO

O sistema de transporte funcionará conforme o programado para os domingos e feriados. O eleitor que não vota próximo de casa deve ter atenção as mudanças de itinerários das linhas, principalmente nos bairros da Cidade Alta, Petrópolis, Tirol e Ribeira.

Por ser considerado feriado, será aplicada a tarifa social. Com a medida, o valor da tarifa cai de R$ 3,65 para R$ 1,85 apenas para os pagamentos em dinheiro. Ou seja, o usuário que pagar a tarifa no cartão pagará a tarifa normal.

Em caso de dúvidas, os usuários podem ligar para o Alô STTU, no telefone 156, ou perguntar pelo Twitter oficial, o @156Natal.

GRAÇAS A DEUS: Propaganda eleitoral gratuita termina nesta sexta-feira

Foto: Adriana Toffetti / A7 Press / Folhapress – 07.10.2018

A propaganda eleitoral gratuita veiculada na televisão e no rádio termina nesta sexta-feira (26), segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

A veiculação havia recomeçado no dia 12 de outubro, cinco dias depois do primeiro turno eleitoral.

Também é o último dia para a divulgação de conteúdos pagos na imprensa escrita e para a realização de debates.

O segundo turno será realizado no dia 28 de outubro deste ano, das 8h às 17h do horário local. A disputa presidencial acontece entre os candidatos Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL).

No primeiro turno, Bolsonaro recebeu 46,03% dos votos válidos (49.276.990 votos), enquanto Haddad ficou com 29,28% (31.342.005).

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jose Suelho disse:

    Glória Adeuxxx!

  2. B. B disse:

    Amém!!!
    Botaram a campanha pra 45 dias, tá muito, 15 dias já basta! Segundo turno, votar logo dois dias depois. Eleição na sexta, segundo turno no domingo, e acabou!!!

  3. Renato disse:

    Para aqueles que estão otimista com a vitória do capitão no domingo segue uma informação, o TSE colocou uma empresa nova as véspera do segundo turno para assessoramento na parte de divulgação dos votos chamada CPD informática, muito estranho a essa altura do campeonato uma mudança em um setor tão importante, o mais estranho ainda é saber que os sócios dessa empresa são integrantes da quadrilha do PT declarados pelos menos 2 participam ativamente da campanha do poste, pensam os tolos que eles irão entregar fácil??? aguardem carta, olhe o "GOPI" ai genteeeeee!!!!

  4. BOSCO disse:

    Tirando alguns eleitores trouxas ! O Brasil agradece. Amém.

  5. Edi disse:

    A igreja diz Amémmmm!

Pesquisa Crusoé/Empiricus/Instituto Paraná: Bolsonaro com 60,6% contra 39,4% de Haddad

A última pesquisa Crusoé / Empiricus, feita pelo Instituto Paraná, mostra Jair Bolsonaro com 60,6% dos votos válidos, e o petista Fernando Haddad o com 39,4%.

Os números foram divulgados na manhã desta sexta-feira(26).

A amostra foi feita com 2.120 eleitores, realizada entre os dias 23 e 25 de outubro, com um grau de confiança de 95%. Margem de erro de 2% para resultados gerais.

De acordo com a Resolução-TSE n.º 23.549/2017, essa pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o n.º BR-06785/2018 para o cargo de Presidente.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Domingos Trovoada disse:

    Com certeza nosso Bolsonaro está eleito a presidente ou não eu pergunto .

  2. José Domingos Trovoada disse:

    Confio na Paraná pesquisa ela não é da tv Globo

  3. José Domingos Trovoada disse:

    Eu confio na pesquisa dessa crosoe ela não é datv globo

  4. Alcindo disse:

    Na última pesquisa que antecedeu a eleição do primeiro turno, o data Folha deu para Bolsonaro, 41 % e nas urnas tinha mais de 46 %, portanto, uma diferença muito grande.

  5. Mineiro Desconfiado disse:

    Só quero ver se a globo vai divulgar essa pesquisa.

  6. P. O. Souza disse:

    O ibope e o data foice perderam a CREDIBILIDADE passaram o primeiro turno todo dando Vitória em primeiro lugar a o poste DILMANTA pro senado em MG, não se elegeu e ainda terminou em último. Daqui pra frente ninguém acredite mais nesses corruptos.

  7. Edvaldo disse:

    Pesquisa realizada pelo Paraná Pesquisas de 23/out a 25/out/2018 com 2.120 entrevistados (Brasil). Contratada por: EMPIRICUS RESEARCH PUBLICACOES. Registro no TSE: BR-06785/2018. Margem de erro: 2 pontos percentuais. Confiança: 95%

  8. raimundo disse:

    o vencedor desta eleição é o instituto Paraná que foi o que mais chegou proximo do resultado as urnas

  9. Guedes disse:

    Pesquisa de instituto sério e independente, sem viés politico, foi o instituto que quase cravou o percentual exato do primeiro turno. Nesse pode confiar.

  10. RICARDO disse:

    PESQUISA SEM CREDIBILIDADE, POIS NÃO APRESENTA NO REGISTRO AONDE FORAM FEITAS AS ENTRAVISTAS. ASSIM ESTÁ NO SITE DO TSE QUANDO BUSCAMOS AS LOCALIDADES "Pesquisa não possui arquivo de bairros/municípios."

    • Petrônio disse:

      Você pode explicar esse detalhe?
      No dia da eleição do primeiro turno (06/10/2018) o Datafolha registrou:
      EMPATE TÉCNICO para o segundo turno:
      BOLSONARO 45 X 43 HADDAD
      Porém 04 dias depois (10/10/2018), o mesmo Datafolha mostra uma pesquisa com:
      BOLSONARO 58 X 42 HADDAD
      Como um candidato cresce 14% em APENAS 04 DIAS?
      Qual credibilidade numa pesquisa tão diferente em apenas 04 dias, sem nada de novo?

    • Victor disse:

      Mas foram esses institutos que mais acertaram no Primeiro turno.

    • Petrônio disse:

      Victor se você estiver dizendo que institutos XP e Instituto Paraná foram os que mais acertaram, está correto. Se não, melhor pesquisar as pesquisas divulgadas sobre o primeiro turno para enxergar a realidade. O PT só acredita em seus mantras e não aceitam a verdade.

  11. Petrônio disse:

    O resultado desse segundo turno para Presidente deve fechar em margens que vai corresponder as essas duas pesquisas: XP/IPESPE e a CRUSOÉ/EMPIRICUS, pois foram esses institutos que chegaram mais perto do resultado final no primeiro turno.
    O Ibope e o Datafolha continuam trabalhando para esquerda e perdendo a credibilidade, a serviço da Folha de São Paulo e da Globo que virou a esquerda depois da morte de seu fundador.
    O poste do PT, já partiu para o ataque difamatório contra a record, principalmente pela emissora ter declarado apoio a Bolsonaro.
    O mamulengo do PT, boneco trabalhado por condenado, diz que "essa eleição teve o pior nível". É verdade!
    O PT passou de todos os limites da imoralidade, inconsistência, incoerência, discrepância nessa eleição. O PT foi PT nessa eleição de 2018, ou seja, o que há de pior na política brasileira.

  12. Marcelo Henrique disse:

    Pesquisa seria, sem manipulação! Instituto que mais se aproximou no 1turno.

  13. Barreto disse:

    No primeiro turno o Ibope e Datafolha se perderam com 11pontos agora não será diferente, estão afundando na credibilidade.

  14. Ceará-Mundão disse:

    No 1º turno, esse instituto foi quem mais se aproximou do resultado. IBOPE e Datafolha erraram fragorosamente. E esses "erros" (penso que são propositais) já ocorreram em TODAS as eleições anteriores. Está mais do que provado que esses institutos de pesquisa objetivam apenas influenciar as escolhas dos eleitores e que trabalham em defesa de interesses particulares. Mas o nosso povo está demonstrando que está mesmo mudando. Melhor para o Brasil, melhor para todos nós, verdadeiros brasileiros. Os "outros" preferem suas ditaduras amigas.

  15. AUGUSTO CÉSAR disse:

    PREPAREM O CHOPP E O CHURRASCO!!!

    DOMINGO EXPULSAREMOS DE VEZ, O PT DO BRASIL.

    • Mosqueteiro Potirense disse:

      Se Deus quiser. Pois afinal o Brasil está acima de tudo e Deus acima de todos.

  16. Ricardo disse:

    Foi a única que aproximou- se do resultado do primeiro turno.

TRE-RN realiza encontro com membros das áreas de segurança para orientar sobre as Eleições 2018

Com a proximidade das Eleições 2018, os preparativos para o pleito seguem a todo vapor. O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) promoveu uma reunião com as forças de segurança para tratar sobre as condutas a serem seguidas no dia da votação. Estiveram presentes os representantes e membros de todas as áreas de segurança, incluindo as forças armadas, bem como as autoridades da Justiça Eleitoral.

Ao longo do evento, foram ministradas duas palestras sobre a temática. No primeiro momento, o juiz eleitoral Jarbas Bezerra trouxe explanações sobre a competência das forças públicas no dia das Eleições 2018, apresentando um Guia Rápido com instruções sobre a legislação e explicando aspectos referentes à política e manutenção da ordem. O Procurador Regional Eleitoral Substituto, Kleber Martins, também esteve presente e contribuiu com orientações sobre como identificar os crimes eleitorais no dia pleito, especificando os de menor e maior potencial ofensivo.

O presidente do TRE-RN, Desembargador Glauber Rêgo, realizou a abertura do evento. Na ocasião, ele saudou a todos e demonstrou a importância do encontro para o bom andamento das processo eleitoral. “Este é um momento para que sejam explanadas noções práticas de como atuar no dia das eleições, sabendo identificar o que se enquadra como crimes ou infrações. O desejo de todos é que tenhamos uma eleição tranquila, segura e transparente e, para que isso aconteça, é muito importante que todos possam compreender aquilo que é definido na Constituição Federal e no Código eleitoral, para que possamos exigir o cumprimento e a observância dessa legislação vigente. Com essas premissas, certamente garantiremos que tudo ocorra de maneira tranquila no dia do pleito”, afirmou o presidente.

A Procuradora Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte, Cibele Benevides, esteve presente no evento e destacou o papel fundamental das forças armadas no dia das eleições. “Todos sabemos que o momento pelo qual o nosso país passa não é tranquilo, vivemos um tempo de muito acirramento e emoções. Por isso, é preciso que o Estado, através dos senhores, mostre serenidade e racionalidade. A missão das forças armadas nesta eleição é muito mais que garantir votação e apuração, mas também mostrar ao cidadão e ao eleitor que ele pode votar livremente, sem amarras e sem medos. É muito importante apresentar racionalidade neste momento, conferindo ao eleitor, que é o principal protagonista desse processo eleitoral, que a cidadania dele pode ser exercida em uma democracia”, disse a Procuradora. Ela ressaltou, ainda, que “O Ministério Público está à disposição dos senhores, para que a lei seja cumprida e a constituição seja respeitada. Que a lei e a ordem imperem neste pleito, e que nós possamos evitar, prevenir e punir a corrupção eleitoral”, afirmou.

O vice-presidente e Corregedor Regional Eleitoral, Desembargador Cornélio Alves, não pôde comparecer ao evento em virtude de viagem ao interior do estado para realizar compromissos referentes às eleições.

Efetivo nas Eleições 2018

General de Brigada Carlos Sydrião, Comandante da 7.ª Brigada de Infantaria Motorizada, também prestigiou o encontro e expôs a logística da atuação dos militares no Rio Grande do Norte no dia da votação. Um pedido da Justiça Eleitoral foi realizado ao Ministério da Defesa, solicitando a presença das forças federais no dia do pleito. Ao todo, 97 municípios do estado – correspondendo a 39 zonas eleitorais e 780 locais de votação, serão contemplados com a presença dos militares. “A partir do dia 04 de outubro, começam a chegar tropas vindo de estados como Bahia, Paraíba e Pernambuco, garantindo um efetivo de 3.600 militares para atender a demanda do estado potiguar nas Eleições 2018”, destacou.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. FRASQUEIRINO TRI CAMPEAO disse:

    Eu pensava que medidas de segurança fossem prerrogativa das Forças Armadas. Mas aqui, o TRE é quem dita as normas. Será que os militares terão que prestar continência aos magistrados?

Pesquisa Crusoé/Instituto Paraná – eventual 2º turno: Bolsonaro 44,3% contra 39,4% de Haddad

Na gangorra dos institutos de pesquisa

No segundo turno, Jair Bolsonaro está 5 pontos à frente de Fernando Haddad, segundo a pesquisa nacional da Crusoé/Instituto Paraná. Ele tem 44,3% dos votos contra 39,4% do petista.

A pesquisa nacional, divulgada nesta quarta-feira(26) foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral(TSE) com o código BR-0352/2018, e foi realizada entre os dias 23 e 25 de setembro. 2020 pessoas foram entrevistadas.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%, com margem de erro de dois pontos.

Com informações de Crusoé e O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cícero disse:

    Instituto "CRUSOÉ"? Quem é o diretor desse instituto? O SEXTA FEIRA? Kkkkkk

    • Alquin-min disse:

      Bestêra, omi. O importante é que o mito vai ser Presidente do Brasil

  2. Marco Polo disse:

    Omi, esses institutos tem vergonha não…, já empatou….PORRA!, VAI CHEGAR A 100%, SE DEIXAREM KKKK

    • Deca disse:

      Não se preocupem com pesquisa, o voto já está decidido pelo povo, tá fácil de constatar andando pelas ruas e, através da expotaneidade da campanha.

Eleições 2018: TRE-RN inicia a fase de carga das urnas

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) dá início nesta quarta-feira (19) à fase da inserção das informações nas 8.043 urnas eletrônicas que serão utilizadas no estado durante as eleições gerais que ocorrem em 07 de outubro.

O trabalho, que será coordenado pela Secretaria de Tecnologia da Informação do TRE-RN, começará pelas 1.465 urnas da capital. As urnas serão alimentadas a partir das 14h30min, no Centro de Operações da Justiça Eleitoral (Coje), localizado na Rua da Torre, s/n, Tirol.

No interior do estado, o sistema de alimentação de urnas vai acontecer no período de 25 a 28 de setembro, cabendo a cada zona eleitoral a responsabilidade por esse serviço.

O que é a carga de urnas

Para realizar as eleições, há um momento em que os técnicos da Justiça Eleitoral transferem para as urnas eletrônicas (UEs) os dados dos eleitores que votam em cada seção e dos candidatos que concorrerão ao pleito (nome, partido, foto, cargo e número), num procedimento denominado “Carga de Urnas”. A Cerimônia de Carga de Urnas marca o fechamento do sistema de registro de candidaturas, que a partir de então não mais poderá ser modificado.

De acordo com a legislação, irão para as urnas neste momento os dados dos candidatos cujos registros foram deferidos, mas também os dos candidatos que tiveram o pedido indeferido com recurso, que até a decisão final do processo ainda estarão aptos a fazer campanha.

Cerimônia realizada pelas Zonas Eleitorais

As zonas eleitorais são as unidades que realizam a cerimônia de carga e de lacre das urnas em seu âmbito de jurisdição. Só depois de carregadas e lacradas é que as UEs serão distribuídas para serem instaladas nas seções, a fim de funcionarem plenamente no dia da eleição.

Após serem alimentadas as urnas com as informações dos eleitores e candidatos, são realizados testes de funcionalidade nos equipamentos, para verificar, por exemplo, o bom funcionamento do sistema de som, da impressora e do teclado da urna. Em seguida, os compartimentos das UEs são fechados com lacres assinados pelo juiz eleitoral, pelo promotor e pelos representantes dos partidos e coligações que estiverem acompanhando o processo.

Sessão Pública

A carga ou preparação das urnas eletrônicas deve ser feita em sessão pública, com prévia convocação dos fiscais dos partidos e coligações. Os editais de convocação do Ministério Público, da Ordem dos Advogados do Brasil e dos integrantes de órgãos partidários são expedidos pelos juízes eleitorais.

 

ELEIÇÕES 2018: TSE autoriza envio de tropas federais para reforçar segurança de 97 municípios do RN

O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou nesta quinta-feira (06) o envio de tropas federais para 97 municípios do Rio Grande do Norte durante as eleições 2018. O apoio das Forças Armadas é para garantir a ordem e a segurança do pleito de 7 de outubro. A solicitação feita pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte e enviada ao TSE no último dia 24 de julho foi aceita integralmente. Entre os municípios que irão receber o reforço estão Mossoró, Caicó, Pau dos Ferros, Macaíba, Assú, São José do Mipibu, Goianinha , Nova Cruz, entre outros.

A segurança do pleito também foi tema de reunião entre o presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Glauber Rêgo e o governador Robinson Faria.

Além da presença das tropas federais, o RN terá um Gabinete de Gestão Integrada (GGI) que irá acompanhar em tempo real o andamento das eleições, inclusive com conexão direto com Brasília, onde o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acompanhará as eleições em todo o país.

Em todo o RN serão 1551 locais de votação que deverão contar com policiamento das forças federais, estaduais e municipais. O presidente do TRE-RN irá solicitar o reforço também da Guarda Municipal.

FORÇAS FEDERAIS – ELEIÇÕES 2018

ZONAS QUE SOLICITARAM APOIO DAS TROPAS FEDERAIS

ZONA SOLICITANTE – MUNICÍPIOS PARA OS QUAIS FORAM SOLICITADAS TROPAS FEDERAIS

Macaíba e Bom Jesus

São José de Mipibu e Vera Cruz

São Paulo do Potengi, São Pedro, Santa Maria e Riachuelo

Espírito Santo, Goianinha, Tibau do Sul e Jundiá

12ª

Passa e Fica e Nova Cruz

13ª

Santo Antônio, Serrinha, Passagem e Várzea

14ª

São Miguel do Gostoso

15ª

São José de Campestre, Serra de São Bento, Monte das Gameleiras e Lagoa D’Anta

16ª

São Bento do Trairi, Japi e Santa Cruz

17ª

Lajes

18ª

Afonso Bezerra e Angicos

19ª

São Tomé, Barcelona, Rui Barbosa e Lagoa de Velhos

20ª

Bodó, Cerro Corá, Currais Novos e Lagoa Nova

22ª

Cruzeta

24ª

Parelhas

25ª

Caicó

26ª

Serra Negra do Norte, Jardim de Piranhas, São João do Sabugi e Ipueira

27ª

Jucurutu e São Rafael

30ª

Macau e Guamaré

31ª

Campo Grande, Janduís e Triunfo Potiguar

33ª/34ª

Mossoró

35ª

Apodi

36ª

Caraúbas

37ª

Rafael Godeiro

39ª

Umarizal, Olho D’Àgua do Borges e Frutuoso Gomes

40ª

Pau dos Ferros, São Francisco do Oeste e Francisco Dantas

42ª

Luís Gomes

43ª

São Miguel e Venha Ver

44ª

Monte Alegre, Brejinho, Lagoa Salgada e Lagoa de Pedras

45ª

Itaú, Felipe Guerra, Rodolfo Fernandes e Severiano Melo

47ª

Pendências, Alto do Rodrigues e Carnaubais

49ª

Upanema, Governador Dix Sept Rosado e Tibau

53ª

Boa Saúde, Serra Caiada, Sitio Novo e Tangará

54ª

Ipanguaçu

58ª

Baraúna e Serra do Mel

65ª

Marcelino Vieira, Rafael Fernandes, Água Nova, Encanto e Riacho de Santana

67ª

Ares, Georgino Avelino e Nísia Floresta

68ª

Campo Redondo, Coronel Ezequiel, Jaçanã e Lajes Pintadas

TOTAL:

39 Zonas – 97 municípios

MP Eleitoral quer evitar notícias falsas nas Eleições 2018; coligações no RN assinam termo

Representantes de partidos políticos do estado assinaram termo de compromisso

O Ministério Público Eleitoral firmou um acordo de colaboração com os Partidos Políticos e coligações potiguares. O objetivo é combater fake news durante as Eleições 2018 e, de acordo com o termo de compromisso assinado pelos grupos, promover “a manutenção de um ambiente eleitoral imune da disseminação de notícias falsas”.

Uma das principais motivações por trás do acordo leva em consideração que as fake news são um grande risco para a democracia – já que a manipulação de notícias, assim como o uso de robôs e perfis automatizados, por exemplo, podem distorcer a liberdade de voto do eleitorado e interferir diretamente na legitimidade do processo eleitoral.

Ao todo, mais de 10 partidos ou coligações concordaram com o documento e se comprometeram a atuar contra as fake news no próximo pleito. Entre eles estão os partidos PSTU, PSDB, PSB, Psol, PRTB, Novo, Rede e Solidariedade. As coligações 100% RN, Do Lado Certo e Trabalho e Superação também assinaram o termo e devem “reprovar qualquer prática ou expediente referente à utilização de conteúdo falso”.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ems disse:

    O PT assinou ?

Eleições 2018: 75% dos deputados federais devem se reeleger

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Estudo do Departamento Intersindical de Assessoria Paralamentar (Diap) mostra que 79% dos 513 deputados federais tentarão a reeleição em outubro. Projeção da entidade aponta que 75% deles devem se reeleger. O levantamento foi feito com base após o registro das candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com o Diap, o número de candidatos à reeleição (407) na Câmara ficou um pouco abaixo da média dos últimos sete pleitos (408), porém maior que na eleição de 2014, quando 387 tentaram renovar seus mandatos.

Dos 106 que não vão se recandidatar para a Câmara, 31 não vão concorrer a nenhum cargo neste pleito e 75 disputam outros cargos. Destes, 40 concorrem ao Senado; 11 são candidatos a vice-governador; nove disputam o governo do estado; sete tentam vaga de deputado estadual; seis são suplentes de candidatos ao Senado; e dois são candidatos à Presidência da República.

Na avaliação do analista político Neuriberg Dias, um dos autores do levantamento, a expectativa e o sentimento da população por renovação na Casa serão “frustrados”neste pleito.

Segundo Neuriberg Dias, o alto índice dos que vão tentar novo mandato com a continuidade dos grupos políticos (bancada rural, empresarial, evangélica, da bala e de parentes) que já estão no poder traz o risco de que a próxima composição da Câmara seja mais conservadora que a atual. “O perfil do Congresso Nacional será mantido. Esses grupos detêm muitos seguidores e pode ter até retrocesso”, disse o analista político.

Além de emendas parlamentares, os que estão se recandidatando têm outras vantagens em relação a um novo candidato: nome e número conhecidos, bases eleitorais consolidadas, cabos eleitorais fiéis, acesso mais fácil aos veículos de comunicação, estrutura de campanha, com gabinete e pessoal à disposição, em Brasília e no estado.

O levantamento também indica que as mudanças na legislação que reduziram o tempo de campanha de 90 para 45 dias e do período eleitoral gratuito de 45 para 35 dias são outros dos motivos para a baixa renovação da Câmara.

“As mudanças na legislação eleitoral com a criação do fundo eleitoral e a janela partidária (período no qual foi permitida a troca de partido sem perda de mandato) permitiram aos deputados e senadores negociarem melhores condições na disputa da reeleição, como prioridade no horário eleitoral e na destinação dos recursos do fundo eleitoral”, avalia o Diap.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Há bons e novos nomes circulando por ai. Exceto para governador (a coisa tá mesmo braba), podemos melhorar a qualidade dos nossos parlamentos. O que não podemos, de jeito nenhum, é votar em corruptos ou em gente que, embora não esteja (ainda?) sendo investigado, mas defende criminosos e participou das práticas espúrias que destruíram o nosso Brasil e defende seus corruptos prediletos. Temos a obrigação de buscar candidatos "ficha limpa" e que são explicitamente favoráveis à "limpeza" que vem sendo feita no política nacional, mesmo com todo mecanismo montado para perpetuar essa bandalheira, essa esculhambação que estamos presenciando já faz tempo. Vamos tomar vergonha na cara, meu povo.

  2. JUNIOR PINHEIRO disse:

    De hoje em diante campanha de oraçao pra que isso nao aconteça, pois pelo que estou vendo só mesmo pedindo a Deus!!! povinho burro…. reeleger essas desgraças!!!!

  3. Cidadão do bem disse:

    #nãoreelejaninguém x #nãoelejaparenteseafins

  4. Chico disse:

    Santa Maria, rogai por nós. Só corrupto, será que o eleitor não percebe que esses caras não dão certo? É tão difícil mudar assim? Pelo amor de Deus!

  5. Nilvan Rodrigues da Silva disse:

    Tentam a todo custo criar uma sensação de normalidade para captarem os votos do eleitores desavisados e revoltados com a velha política. Vamos ficar atentos pra cravar apoio e o voto pela mudança da situação conjuntural.

    Essa crise até humanitária da política, econômica e social foi provocada também por Temer, seus aliados e alinhados, quando tocam os interesses das corporações, dos bancos, das empreiteiras, do agronegócio e do latifúndio em nosso país.

    Vamos fazer a mudança das práticas da velha política (poder oligárquico) encasteladas no judiciário, nos executivos, e nos parlamentos do nosso país?

  6. Sergio Dias disse:

    Se confirmar esse percentual, vai continuar a mesma putaria e o povo que se lasque. E haja outras "lava a Jato". pq a roubalheira vai continuar.

  7. Pato Amarelo disse:

    Ou seja, a se confirmar essa nefasta previsão o futuro Presidente da República, seja lá quem for, vai encontrar um sistema viciado e difícil de lidar. Vai ser muito difícil se mudar alguma coisa nesse País, a não ser que se parta para um imprevisível golpe de Estado.

  8. LAMPIÃO disse:

    Entenderam para que serve a porcaria do FUNDO PARTIDÁRIO? Pra isso, garantir a reeleição dos corruptos que mandam nos partidos. A democracia não precisa disso, o povo brasileiro não precisa disso. VOTEM EM NOMES NOVOS!

  9. LAMPIÃO disse:

    VIDA DE GADO! IMPRESSIONA COMO O NEFASTO SISTEMA FUNCIONA!

Eleições 2018: como funciona a contagem de votos com a urna eletrônica

DEPOIS DA ADOÇÃO DA URNA ELETRÔNICA, O PAÍS PASSOU A SABER O RESULTADO DAS ELEIÇÕES NO MESMO DIA EM QUE OCORREM (FOTO: TSE VIA BBC)

Nas últimas três eleições presidenciais, os brasileiros foram dormir sabendo quem era o presidente eleito (ou reeleito) do país: os resultados do 2º turno da disputa foram conhecidos antes das 22h, a tempo de serem anunciados nas capas dos jornais do dia seguinte. A diferença é muito grande em relação às votações de décadas anteriores, quando a apuração dos resultados demorava vários dias.

A urna eletrônica é a responsável por essa mudança. Nas últimas eleições, brasileiros no exterior e em comunidades remotas da floresta amazônica tiveram seus votos contabilizados com poucas horas de diferença em relação a quem vota numa grande cidade do país. Mas como é o processo entre o eleitor na cabine de votação e o anúncio em rede nacional?

Confira as principais perguntas e respostas sobre o processo.

Como os votos são transmitidos tão rapidamente?

O chefe da Seção de Voto Informatizado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rodrigo Coimbra, explica que a apuração é rápida porque as urnas não precisam necessariamente viajar até as capitais dos Estados, onde estão os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs). Os dados são transmitidos online, geralmente numa rede privativa da Justiça Eleitoral.

No primeiro e no segundo turno, a votação será encerrada às 17h.

Logo depois, os computadores presentes em cada urna eletrônica fazem a apuração dos votos e produzem um arquivo chamado Registro Digital de Voto (RDV). Ele é inserido numa espécie de pendrive, chamado de “memória de resultado”. Esse pequeno objeto é então levado até algum ponto onde haja acesso à rede privativa da Justiça Eleitoral.

“Dessa forma, não é necessário transportar a urna para que o resultado produzido por ela seja totalizado, bastando apenas transportar um pendrive até um ponto de acesso à rede privativa da Justiça Eleitoral”, diz Rodrigo Coimbra à BBC News Brasil. Para aumentar a segurança, o arquivo é assinado digitalmente – ou seja, é autenticado por um responsável de carne e osso, permitindo que sua veracidade seja checada depois.

Os resultados são transmitidos online, mas, na maioria dos casos, não viajam pela mesma rede mundial de computadores que você está usando para ler este texto: a Justiça Eleitoral conta com uma estrutura de comunicação própria, privativa, fornecida pelas operadoras de telefonia.

Locais de votação, cartórios eleitorais, TREs dos Estados e o TSE passam a estar conectados por uma intranet (rede privada de computadores), pela qual os resultados são transmitidos.

O único ponto de encontro entre essa intranet eleitoral e a internet que todos usamos fica no TSE, em Brasília. O tribunal controla o acesso: nos dias de votação, a internet fica praticamente inacessível no TSE.

Em Estados pequenos e com facilidade de transporte, as “memórias de voto” viajam fisicamente até os cartórios eleitorais ou o Tribunal Regional Eleitoral do Estado. Onde isso não é possível (como em alguns locais na Amazônia), são usados computadores com acesso à internet via satélite. Nesses casos, porém uma rede privada virtual (VPN) é usada, para aumentar a segurança.

No caso da eleição presidencial, a contagem final é realizada nos servidores do TSE, a partir dos dados recebidos dos outros pontos da rede. Para os demais cargos (deputados, senadores, governadores), a conta é feita nos TREs.

Em toda eleição, diz Coimbra, fiscais dos partidos políticos fazem a checagem dos votos usando os boletins de urna disponíveis nos locais de votação. “E não há relatos de divergência nessa contagem dos votos”, diz ele.

Como é o processo de preparação das urnas?

As fotos e os nomes são de responsabilidade dos partidos políticos, que podem entregar esse material presencialmente, num cartório eleitoral, ou via internet, num aplicativo da Justiça Eleitoral. Mas a preparação das urnas eletrônicas é um processo bem mais complexo, que envolve diversas instituições.

O software usado para a votação é desenvolvido pelo TSE, em Brasília – neste ano, o programa será assinado digitalmente no dia 5 de setembro. No dia seguinte, o software já estará disponível para os Tribunais Regionais Eleitorais fazerem a instalação. “São os TREs que preparam as urnas para a eleição, utilizando o software do TSE para a instalação do sistema operacional, dos programas e dos dados de eleitores e candidatos nas urnas. Esse trabalho de preparação das urnas pode ser feito até o final da semana que antecede o primeiro turno”, diz Rodrigo Coimbra.

A preparação das urnas é uma cerimônia pública, aberta aos partidos políticos, Ministério Público e imprensa. Pode ocorrer no TRE (como em Brasília e no Sergipe, com territórios relativamente pequenos) ou em cada cartório eleitoral (é o que acontece em Minas e São Paulo). Essas cerimônias ocorrem sempre simultaneamente.

Distribuir as urnas é um pouco mais complicado: na Amazônia, pode levar até cinco dias. No exterior, o processo pode demorar até mais de uma semana, diz Coimbra.

Como era o processo antes da urna eletrônica?

A primeira coisa a se lembrar é que, até o ano de 1932, não existia Justiça Eleitoral – as votações eram organizadas e controladas pelos chefes políticos locais, e depois validadas pelo Congresso Nacional.

Além disso, o voto não era secreto (o eleitor tinha de dizer em voz alta em quem desejava votar, facilitando a coação e a compra de votos). Só uma parcela muito pequena da população votava: mulheres, analfabetos e pobres estavam excluídos do processo.

“Era um sistema que favorecia as fraudes. Elas aconteciam na hora da confecção dos chamados mapas eleitorais, que eram as atas da votação num determinado local, indicando quantos tinham votado e qual o resultado. Tudo isso era feito pelos donos do poder local”, conta o historiador Antônio Barbosa, professor da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em história política. “Eram as chamadas eleições a bico de pena, porque o que se escrevia fraudulentamente era o que determinava o resultado”, diz.

“Para completar, existia a chamada Comissão Verificadora, formada por políticos do Congresso, e responsável por checar as atas eleitorais. Essa comissão era conhecida como ‘degola’: ainda que o sujeito tivesse tido votos suficientes, acabava ‘degolado’ simbolicamente pela Comissão Verificadora”, diz Barbosa.

Embora as fraudes tenham diminuído depois da criação da Justiça Eleitoral, problemas continuaram ocorrendo – antes de 1964, por exemplo, as cédulas de votação eram fornecidas pelos partidos aos eleitores, que deveriam colocá-las na urna. Só durante o regime militar (1964-1985) a Justiça Eleitoral passou a confeccionar as cédulas, onde o eleitor deveria marcar um X nos nomes escolhidos.

“Mais tarde, essa cédula foi aprimorada para incluir um espaço em branco, onde o eleitor poderia escrever o nome do candidato. Foi assim que em 1988 o macaco Tião (do zoológico do Rio) acabou como um dos mais votados na disputa para prefeito do Rio”, conta o historiador. De fato, Tião teve quase 400 mil votos, após uma campanha movida pelo ex-deputado Fernando Gabeira.

O último grande incidente de fraude eleitoral no Brasil ocorreu em 1982. A empresa Proconsult, encarregada da contagem de votos na disputa pelo governo do Rio de Janeiro, teria tentado transferir votos para o então candidato apoiado pelos militares, Moreira Franco (hoje ministro de Minas e Energia), em detrimento de Leonel Brizola.

A urna eletrônica é mesmo segura?

O TSE adota uma série de procedimentos, rotinas e verificações abertas a todos os interessados para garantir a segurança do processo de votação. A maior parte dos especialistas concorda que a segurança das votações aumentou desde a adoção da urna eletrônica, e as últimas eleições não foram atingidas por nenhuma alegação séria de fraude.

Mesmo assim, a especialista em ciência de dados e professora Paula Oliveira lembra que não existe “sistema totalmente inviolável”. “O que a Justiça Eleitoral declara é que o sistema possui barreiras que asseguram o princípio do voto secreto e impedem a ação de hackers. Eu acredito que exista um trabalho interno estruturado por trás da segurança do equipamento”, diz ela, que é professora da Fundação Dom Cabral.

“Mas não acredito que haverá um momento em que essa vigilância possa ser reduzida. É preciso que haja um engajamento contínuo do TSE no campo da pesquisa em segurança da informação. Precisa haver mais intercâmbio de conhecimento com instituições especializadas”, diz ela.

Paula Oliveira diz ainda que a proposta de impressão do voto não ajudaria necessariamente a aumentar a segurança do processo – ela lembra que o sistema eletrônico já permite a auditoria dos votos, como aquela que é feita pelos partidos políticos.

“Acho que existem meios mais eficazes para que essa auditoria seja feita. A própria Justiça Eleitoral oferece uma gama de alternativas de auditoria. O voto impresso pode significar um retrocesso e uma afronta à proposta que a tecnologia traz”, diz ela.

Época, com BBC

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sgt teo disse:

    Interessante que o Brasil copia tudo dos EUA ,menos voto em cédula porque será?

Governador de São Paulo incentiva candidatura de Joaquim Barbosa para presidente

Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

O governador de São Paulo, Marcio França, tem suas razões para não se declarar um entusiasta do projeto Joaquim Barbosa.

Quando conversa com seus correligionários, porém, ele admite que está torcendo para o ex-ministro manter a candidatura ao Palácio do Planalto.

Lógico, se isso acontecer, França não ficará refém de Geraldo Alckmin e terá dois palanques para subir.

Radar / Veja