Coronavírus pode ser vencido por sol forte em até 34 minutos


Foto: Cléber Mendes

Um novo estudo divulgado neste mês revela que o sol pode ser um grande aliado no combate ao covid-19. Segundo os cientistas responsáveis, a exposição aos raios solares do meio-dia pode matar o vírus que causa a doença em até 34 minutos.

A pesquisa, comandada por Jose-Luis Sagripanti e David Lytle e publicada em um jornal científico, mostrou que o sol forte é extremamente efetivo contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2) e consegue inativar até 90% da carga viral.

Por outro lado, eles ressaltaram que o inverno pode, sim, ser a fase de maior contágio do vírus , uma vez que ele consegue sobreviver por até um dia em temperaturas mais baixas, aumentando os riscos de transmissão.

Os cientistas apontaram ainda que as medidas de isolamento social , que mantiveram as pessoas dentro de casa em diversos países, pode ter causado mais prejuízos do que benefícios no combate à pandemia.

“Pessoas saudáveis que fossem expostas aos raios solares receberiam cargas virais menores, o que seria mais eficiente para criar uma resposta de imunização na população”, aponta um trecho do estudo.

Tal análise confirma estudo realizados no passado sobre a Gripe Espanhola . Em 1918 e 1919, pesquisadores apontaram que os pacientes tratados em hospitais mais abertos e que eram expostos ao sol tinham mais chances de sobrevivência e recuperação.

O Dia – IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rogério Rocha disse:

    Sol de meio dia, você pode are não morrer covid, mas vai ter um câncer de pele, essa pesquisa sendo verdadeira os países de clima quente não teriam problema com o viros…..

  2. Dinarte disse:

    Na matéria fala de estudo publicado em um jornal científico sem citar a fonte, o nome do fornal é nem ao menos o título do estudo… Vindo desse blog do BG.. Só pode ser Porcaria e fake news.. Esse BG só atrapalha a sociedade com suas matérias sujas, mentirosas e enviesadas.

  3. José Macedo disse:

    Mas é assim que funciona as nossas carniceiras das midiaslixo, no verão, a vitamina d do sol não tinha influência, hoje que estamos no inverno meia hora basta para matar o vírus, todas torcem para o quanto pior melhor , verifiquem, quando o número de óbitos é baixo não informam, mas quando é o contrário eles tem orgasmos quando transmitem.

  4. Meinardo disse:

    https://jvi.asm.org/content/79/22/14244/article-info

    Segue o link do jornal que disseram que não tinha o nome.

  5. Josemar disse:

    Nordestino não era pra ter covid kkkkkkkkk… Essa foi boa …

  6. Julia disse:

    Só não sei pq o RJ tem tantos casos então?! Por essa ideia, o vírus não deveria ter avançado pelo Brasil, inclusive nosso estado

    • Amendoim Quebra Queixo disse:

      Porque os malas dos prefeito$ e governadore$, embasados pelo $TF ordenaram que o povo ficasse em casa.

  7. Rogério disse:

    Vou à praia amanhã tomar sol 😃😃😃 oh saudade

  8. Azevedo disse:

    Será os governantes jumentos desse país irão ler ou dar um mínimo de atenção a essa pesquisa? Acho que não, pois o que interessa para eles é que o povo adoeça, pois só assim fica mais fácil meter as mãos nos recursos públicos em benefício próprio.

  9. Marcelo disse:

    Sol às 12h corpo produz muita vitamina D. 10.000ui a cada 20 minutos. Muito já se falou nos benefícios dessa vitamina. Barato repor!!!!

  10. ana clara disse:

    Faltou o nome do "jornal científico"…

  11. Joaquim disse:

    Meu Deus, estamos perdidos. Ninguém sabe de nada. Tudo é achismo.

Médico alerta para falta de Sol, exercícios e enfraquecimento muscular na quarentena

Foto: Ilustrativa

O isolamento social é o meio mais eficiente para se proteger do novo coronavírus, mas o confinamento produz efeitos colaterais que podem trazer riscos à saúde. A maioria acaba não pegando sol, o que afeta a produção da vitamina D, ativada através da exposição aos raios solares na pele. Para quem sofre de osteopenia ou osteoporose, o problema é maior: além da falta de vitamina, o sedentarismo da quarentena pode agravar a perda de massa óssea e acarretar também um enfraquecimento muscular. Para o ortopedista geriátrico Francisco Paranhos, doutor em endocrinologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, pesquisador clínico do Serviço de Endocrinologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, e vice-presidente da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo, diante deste cenário, os médicos se preocupam com a ocorrência de quedas e fraturas.

Durante o período de quarentena, sem a exposição solar, a suplementação de vitamina D é benéfica para todos, ele explica: “a vitamina D tem um papel relevante na ação esquelética, porque atua na função muscular e no metabolismo do cálcio, preservando a massa óssea e reduzindo o risco de quedas e fraturas. Mas os benefícios da vitamina D não param por aí. Existem muitas evidências científicas sobre suas ações extra-esqueléticas, como, por exemplo, na modulação imunológica, na defesa antimicrobiana, na ação anti-inflamatória e anticâncer, na função neuroprotetora e nos benefícios cardíacos”. Acrescenta que o tempo de exposição ao sol varia de acordo com a latitude, a estação do ano e cor da pele, entre outros fatores. Estar distante da linha do equador, ou nos meses frios do ano, ou ainda ter o tom de pele mais escuro ativa menos a formação da vitamina D. O melhor sol é o da faixa entre 12h e 15h, mas é preciso usar o bom senso e evitar os excessos e queimaduras. “Ninguém deve se expor ao risco de um câncer de pele. Indivíduos de pele clara deveriam pegar de 15 a 20 minutos de sol, pelo menos de três a quatro vezes na semana, expondo partes do corpo como pernas, braços, abdômen e costas, sem a necessidade de ficarem vermelhos ou bronzeados. As pessoas de pele negra necessitam de um tempo um pouco maior, até 30 minutos, pois a melanina, pigmento da pele, é um filtro solar natural”, complementa. Outros fatores podem diminuir a ativação da vitamina D, como o envelhecimento da pele, o uso de roupas compridas ou de filtros solares, a poluição e a exposição solar através do vidro da janela. Um filtro solar de fator de proteção 30 inibe a ativação da vitamina D de 95% a 99%. Muitas das vezes, apesar de o idoso se expor ao sol, o envelhecimento faz com que a pele perca eficiência como “sensor” para produzir vitamina D, aumentando a necessidade de uma suplementação via oral.

O doutor Paranhos citou o professor Giancarlo Iasaia, pesquisador da Universidade de Turim, na Itália, que observou que os pacientes graves infectados pelo novo coronavírus tinham uma grande prevalência de insuficiência vitamínica D. Os dados preliminares da pesquisa não testaram a administração de vitamina D para melhorar a evolução desses doentes, mas o professor apontou a necessidade de corrigir essa deficiência. Por isso, ele diz que, considerando a falta de exposição solar na atual quarentena e a chegada do período de frio e com menor insolação, há uma grande chance de desenvolvermos uma insuficiência vitamínica D. Os adultos jovens podem se beneficiar com a suplementação de doses de mil unidades diárias, enquanto os idosos precisariam de 2 mil unidades. Como se trata de uma vitamina lipossolúvel, que se acumula no organismo, as doses podem ser ministradas semanalmente ou até mensalmente.

Por último, lembra que a osteoporose é uma doença silenciosa e acomete tanto mulheres quanto homens. Nas mulheres é mais precoce, dada a perda do hormônio sexual feminino, o estrogênio, por volta dos 45 aos 50 anos de idade, quando ocorre a menopausa. Nos homens, a andropausa, a falta da testosterona, o hormônio sexual masculino, se dá depois dos 60 anos. Em ambos os gêneros, a perda dos respectivos hormônios leva a um aumento da reabsorção e do enfraquecimento dos ossos, isto é, o envelhecimento é um fator de risco para desenvolver osteoporose e sofrer fraturas. Um alerta: de 40% a 50% das mulheres e 25% dos homens acima dos 50 anos sofrerão pelo menos uma fratura osteoporótica ao longo de suas vidas. A de quadril é a mais temida, pois tem uma taxa de mortalidade de 20% a 30% num primeiro ano após o episódio, além das sequelas físicas que produz.

Bem Estar – Globo

 

Feriado da padroeira em Natal nesta quinta tem previsão de forte calor; confira picos

Reprodução/Clima Tempo

O maior site de meteorologia do Brasil, Clima Tempo, informa que a capital potiguar reserva calor intenso nesta quinta-feira(21), feriado da padroeira de Natal – (Nossa Senhora da Apresentação).

Conforme gráfico em destaque, pico de calor iniciará a partir das 09h e se estenderá até próximo de 16h. Previsão é de máxima de 32º, e mínima de 23º, no período da noite.

Moradores do Norte e Nordeste poderão ver eclipse parcial do sol

Está previsto para esta segunda-feira (21) um dos eventos mais fascinantes da natureza, o eclipse solar total, que ocorre quando as órbitas do sol e da lua se cruzam e o satélite passa entre o sol e a Terra. Quando a lua cobre o sol, bloqueia os raios solares e faz uma sombra na Terra.

Desta vez, a faixa de totalidade do fenômeno, ou seja, a faixa de terra que ficará na penumbra, cruza os Estados Unidos. Serão 2 minutos e 40 segundo de completa escuridão para quem estiver entre Salem, no Oregon, e a cidade de Charleston, na Carolina do Sul.

Observadores que estiverem fora dessa região, a 3 mil quilômetros acima ou abaixo dessa faixa, poderão observar um eclipse solar parcial, em que a lua cobre parte do disco do Sol. No Brasil, os moradores das regiões Norte e Nordeste poderão avistar o fenômeno entre 12h46 e 18h04, horário de Brasília. No extremo norte do país, a previsão é que a escuridão chegue a 50%.

A astrônoma Josina Nascimento, pesquisadora do Observatório Nacional, responsável pelos cálculos e edição do anuário da instituição que traz as fases da lua e previsão de eventos astronômicos, explicou que apesar do senso comum dizer que são raros, os eclipses são um evento comum. Segundo ela, o fato de a faixa de totalidade dos eclipses ser muito estreita, com cerca de 270 quilômetros, causa essa falsa impressão.

NASA descobre um buraco de 50 Terras próximo do pólo norte do Sol

sol-buraco-coronalO Observatório Solar e Heliosférico (SOHO), da NASA, fez uma incrível descoberta. Através de análises de imagens capturadas, a agência concluiu que existe um buraco coronal na superfície do Sol. Seu tamanho é imenso e cobre boa parte da nossa estrela. Para que você entenda, é como se o buraco fosse equivalente a 50 planetas Terra localizados um do lado do outro.

Apesar de “assustador”, não temos nada para nos preocupar. Buracos coronais ocorrem a cada 11 anos, como um tipo de ciclo solar que chega ao fim quando o sol atinge o seu “máximo” – um evento que ocorre regularmente, onde os campos magnéticos se intensificam e buracos coronais aparecem próximo dos pólos.

Esses buracos são, na verdade, regiões de baixa densidade, geralmente escuras, localizadas na parte mais externa da atmosfera da estrela. Eles contêm pouco material proveniente do Sol e são significativamente mais frios do que tudo a sua volta.

De acordo com comunicado oficial da NASA, buracos coronais podem influenciar algumas auroras na Terra.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sales freitas disse:

    Como é que eu vou viver após o esfriamento do sol?

  2. Maurício Giovani disse:

    Isso daí nada mais é do que a constatação de que o sol está acabando aos poucos e um dia, sua energia se extinguirá. Talvez, os fanáticos ambientalistas alarmadores do caos climático terrestre, em busca de publicidade baseada em pesquisas que nem sempre correspondem à verdade, digam que a culpa é do efeito desestufa, pois se acham que o efeito estufa está aquecendo a terra excessivamente, o que dizer do sol que já é bem quentinho desde nascença e agora está esfriando um pouquinho? Com a palavra, os ambientalistas de plantão.

    • francisco das c a costa disse:

      DEUS É GRANDE E FOI O ARQUITETO DESTE IMENSO UNIVERSO, PORTANTO, OS QUE ESTUDAM A METEOROLOGIA, A FISICA ETC TAL, NÃO PRECISAM SE PREOCUPAREM, DEUS É PERFEITO, E NADA OCORRERÁ SEM A SUA AUTORIZAÇÃO, QUE DEUS ILUMINE AS MENTES ILUMINADAS, QUE PENSAM QUE SABE TUDO.KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. "TENHAM CUIDADO SÓ COM O OLHO QUE ESTÁ NO CENTRO DESTA FOTO, OBAMA ESTAVA ESPIONANDO O BRASIL, ESSE OLHO ESPISIONA TODO UNIVERSO.

Equipe com cientistas da UFRN descobre estrela gêmea solar

D_couverte_d_une_nouvelle__toile_jumelle-b27d3aa953c9e944c846b3764632d13aRepercutiu em toda a imprensa mundial. Três cientistas da UFRN, José Dias do Nascimento, líder do grupo; Jefferson Soares Costa e Matthieu Castro, além de Gustavo Porto de Mello, do Observatório do Valongo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Jorge Melendéz, da Universidade de São Paulo (USP), e um estrangeiro, o japonês, Yochi Takeda, do Observatório Astronômico Nacional do Japão (NAOJ), anunciaram a descoberta a CoRot Sol 1, nome de “batismo” da estrela gêmea solar conhecida como a mais distante da Via Láctea, em galáxia que abriga o sistema solar.

O anúncio da façanha do grupo de cientistas foi feito na sexta-feira(17), e já ganhou um artigo internacional, cujo título é “The Future of the Sun: An Evolved Solar Twin Revealed by CoRoT”, que sairá em breve na revista “Astrophysical Journal Letters” (ApJL).

A descoberta, segundo o grupo, pode ajudar a prever o futuro próximo da estrela central do nosso sistema solar, além de dar aos astrônomos a oportunidade de testar as atuais teorias da evolução estelar e solar.

Com informações do Yahoo Notícias

Indo à praia? veja se esqueceu algo da lista

– protetor solar: imprescindível. Quanto mais clara for a sua pele mais alto tem que ser o FPS. Aplique antes de sair de casa, quando chegar na praia e a cada 2 horas ou quando sair da água.

– protetor de cabelos: os fios também precisam de proteção.

protetor labial

óculos escuros

chapéu

não esqueça: guarda-sol ou barraca, dinheiro, documentos e uma garrafinha de água mineral para dar aquela refrescada no rosto se não tiver nenhum chuveiro por perto.

Verão: boletim do IDEMA aponta boas condições de balneabilidade das praias

O boletim de balneabilidade emitido pelo IDEMA/IFRN nesta sexta-feira, 11, apontou estabilidade na qualidade das águas das praias em relação à última semana. Dos 48 pontos monitorados pelo órgão, apenas o trecho do Rio Pium, no município de Parnamirim, apresentou qualidade imprópria para o banho. Todos os demais pontos monitorados encontram-se em condições favoráveis de balneabilidade, incluindo a praia da Redinha, que permanece própria desde o início do ano.

O boletim de balneabilidade é um serviço prestado à população freqüentadora das praias. Placas de sinalização estão colocadas nas praias indicando aos banhistas se aquele trecho está próprio ou impróprio para o banho.

A balneabilidade das praias faz parte do Programa Água Azul, responsável pelo monitoramento dos corpos hídricos do Estado.

OPERAÇÃO VERÃO

De dezembro deste ano a fevereiro de 2013, período de veraneio, o programa passa a realizar o monitoramento semanal de dezoito pontos adicionais, além dos trinta trechos já monitorados durante todo o ano. Com isso, totalizam-se agora 48 pontos de coleta e análise da qualidade da água das praias, compreendendo basicamente todo o litoral potiguar: de Baía Formosa ao município de Tibau.
Fonte: DNonline

Vênus vai passar entre a Terra e o Sol

Um dos mais raros eventos astronômicos acontece nesta terça, 5, e quarta-feira, 6, quando o planeta Vênus passa entre a Terra e o Sol, o que só irá se repetir em 2117.

Os trânsitos de Vênus acontecem aos pares, com oito anos de intervalo, e mais de um século entre os ciclos. Durante a passagem, Vênus surge como um pontinho escuro e circular passando na frente do Sol.

O trânsito de terça-feira, “complementando” o de 2004, começa às 19h09 (hora de Brasília) e dura seis horas e 40 minutos. Os horários podem variar em até sete minutos, dependendo da localização do observador.

Em sete continentes, inclusive a Antártida, os observadores poderão ver o fenômeno de forma total ou parcial. Ele só deve ser observado com telescópios equipados com filtros solares, para proteger os olhos.

Pela internet, um arsenal de telescópios terrestres e espaciais irá divulgar fotos e vídeos ao vivo. Até astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional irão participar.

“Faz tempo que estou planejando isso”, disse o engenheiro de voo Don Pettit em entrevista para a Nasa. “Eu sabia que o trânsito de Vênus aconteceria durante o meu turno, então trouxe um filtro solar comigo.”

E o evento não se resume a belas fotos. Várias experiências científicas estão planejadas, inclusive estudos que ajudariam na busca por planetas habitáveis além da Terra.

Isso porque essa busca é feita quando planetas extrassolares passam diante das suas estrelas, como Vênus diante do Sol. O trânsito desta semana será uma oportunidade de mensurar a densa atmosfera venusiana, e os dados serão usados no desenvolvimento de técnicas para a mensuração de atmosferas de outros planetas.

As pesquisas também podem revelar por que a Terra e Vênus, que têm quase o mesmo tamanho e orbitam a quase a mesma distância em relação ao Sol, são tão diferentes.

Vênus tem uma atmosfera sufocante, cem vezes mais espessa que a nossa, e quase toda composta por dióxido de carbono, um gás do efeito estufa que eleva a temperatura de lá a quase 500ºC. Enormes nuvens de ácido sulfúrico se deslocam a 350 quilômetros por hora, causando tempestades ácidas. Tudo isso pode ajudar os cientistas a entenderem as mudanças climáticas na própria Terra.

Durante trânsitos anteriores de Vênus, os cientistas puderam calcular o tamanho do Sistema Solar e a distância entre o Sol e seus planetas.

O trânsito de terça-feira é apenas o oitavo desde a invenção do telescópio, e será o último até 10/11 de dezembro de 2117.

Esse é também o primeiro trânsito ocorrido na presença de uma sonda terrestre em Vênus. Observações da sonda europeia Express serão comparadas às dos vários telescópios terrestres e espaciais.

Fonte: Estadão