Polícia prende médico em Mossoró e homem em Natal suspeitos de esquema de venda de vagas em vestibular em curso de medicina no interior de SP

Investigações são comandadas pela Polícia Civil em Assis — Foto: Adolfo Lima / TV TEM

O portal G1 destaca que um médico foi preso em Mossoró, região Oeste do Rio Grande do Norte, na manhã desta quarta-feira (2), por suspeita de participação em um esquema de venda de vagas em cursos de medicina. A prisão faz parte da segunda fase da Operação Asclépio, deflagrada pela Polícia Civil de Assis (SP), em 5 Estados. Um homem também foi preso na capital potiguar.

O médico preso em Mossoró tem 27 anos e atua como clínico geral. Ele foi preso enquanto atendia pacientes no Hospital da Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer (LMECC). De acordo com a Polícia Civil, o médico é suspeito de estelionato, associação criminosa e falsificação de documentos públicos.

O médico foi encaminhado a Cadeia Pública de Mossoró, onde aguardará o término da prisão temporária que é de 5 dias, podendo ser prorrogada por mais 5.

A outra prisão no Rio Grande do Norte aconteceu em Natal, no bairro do Tirol. O homem é apontado pela Polícia Civil como um dos responsáveis por arquitetar o esquema de disponibilização de terceiros para prestar a prova no lugar dos candidatos reais.

Ao todo, a Polícia Civil cumpre 22 mandados de busca e 12 de prisão temporária em São Paulo, Ceará, Paraíba, Minas Gerais e Rio Grande do Norte.

Veja detalhes da reportagem aqui.

VÍDEOS: Médico sai praticamente ileso após acidente que destruiu veículo na Grande Natal

Dr.Lira, médico nos municípios de vera Cruz e São Gonçalo, na Grande Natal, sofreu um acidente que deixou seu veículo praticamente destruído, nas imediações da comunidade do PiriPiri, em Macaíba.

Felizmente, conforme imagens, o médico, que se dirigia a plantão, saiu ileso. Deus operando milagre nesta sexta-feira(31). A causa do acidente ainda é desconhecida.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Renato Bruno Moura disse:

    Graças a Deus

Médico é preso após sacar arma durante discussão por exame de Covid-19 com paciente na Barra da Tijuca, no RJ

Consultório onde discussão começou entre médico e paciente fica em centro comercial na Barra Foto: Reprodução / Google Maps

A consulta de um paciente com sintomas do novo coronavírus terminou em discussão e virou caso de polícia na tarde desta quinta-feira, em um consultório localizado no Shopping Cittá América, na Barra da Tijuca, quando, durante o desentendimento, um médico pneumologista teria sacado uma arma de dentro de sua bolsa e ameaçado o cliente.

O caso foi parar na 16ª DP (Barra da Tijuca). De acordo com os relatos do paciente, ele marcou uma consulta com o doutor Enio Studart para examinar o pulmão porque havia sido infectado com a Covid-19 há dois meses, mas os sintomas de cansaço continuavam. Foi quando, ainda segundo o homem, o pneumologista questionou a qualidade dos testes rápidos feitos por ele na ocasião. Teria iniciado, a partir dali, uma discussão, onde ambos teriam trocado ofensas. Foi nesse momento, ainda de acordo com o depoimento, que o médico pegou uma mochila, de onde sacou uma pistola para ameaçá-lo.

O primeiro a chegar à delegacia foi o médico, contando ter tido um desentendimento com seu paciente, que chegou logo depois, acompanhado de policiais militares. Aos inspetores, Enio afirmou que o paciente, durante a consulta, não era claro em suas respostas, e que se aborreceu com as perguntas feitas por ele, começando a xingá-lo em seguida. O doutor também confirmou que possuía uma arma, mas que não havia a utilizado.

Os agentes começaram a duvidar da versão do pneumologista, no entanto, quando questionaram de que forma ele teria se dirigido até a delegacia. Ele afirmou que havia pedido um serviço de carro por aplicativo, mas investigadores encontraram estacionado no pátio um automóvel com placa no nome dele. Foi neste momento que os policiais fizeram uma busca e encontraram dentro do veículo uma série de armas: um revólver calibre .38, uma pistola calibre .32, um soco inglês, duas facas, 24 munições de calibre .38, nove munições de calibre.32 e um carregador de pistola .32.

Enio foi preso em flagrante pela equipe coordenada pela equipe coordenada pela delegada Fernanda Noethen e irá responder pelos crimes de ameaça e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Confira a nota oficial da Polícia Civil:

“De acordo com a 16ª DP (Barra da Tijuca), o médico foi preso em flagrante por ameaçar um paciente e por porte ilegal de arma de fogo. Em seu veículo, foram encontrados um revólver, uma pistola, um soco inglês, duas facas, um carregador de pistola e munições”.

Extra – O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Aluísio Valença disse:

    O paciente não queria tomar Cloroquina, o dotô sacou a pistola e disse:
    – Vai tomar nem que seja na marra!

  2. BARRA PESADA disse:

    Essa Barra da Tijuca é barra pesada. Tem muito patriota armado na rua e nos condomínios.

  3. Papa Jerry Moon disse:

    O paciente não queria tomar cloroquina.

  4. Sergio disse:

    Atenção vcs que são a favor de armas: evitem consultórios médicos também. Aliás, não saiam de casa!

  5. Manoel disse:

    Esse médico estava indo pra uma guerra ou pra atendimento?

    • JSouza disse:

      Rapaz, na atual conjuntura da segurança pública, sair de casa é uma incógnita. Ainda mais no Rio de Janeiro (mas sem excluir a nossa realidade potiguar).

Bolsonaro com coronavírus: médico explica que pacientes podem apresentar teste positivo por até cinco semanas

Foto: UESLEI MARCELINO/Reuters/17.7.2020

Jair Bolsonaro anunciou nessa quarta-feira, após realizar um novo exame, que continua infectado pelo coronavírus. O presidente informou no dia 7 de julho que estava com a Covid-19. Desde então, participa de agendas apenas por meio de videoconferência. Na semana passada, Bolsonaro disse que havia feito um novo teste e que o resultado seguia positivo. Ao UOL, o médico infectologista dos Hospital das Clínicas de USP (Universidade de São Paulo) explicou que esse longo tempo de infecção pode causar surpresa, mas o exame não significa que Bolsonaro ainda está doente: “Uma minoria dos pacientes apresenta esse teste positivo até cinco semanas depois do diagnóstico inicial, mas isso não significa que o vírus está ativo ou que a pessoa ainda o transmita”.

Nessa quarta-feira, em nota, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República afirmou que Bolsonaro “segue em boa evolução de saúde, sendo acompanhado pela equipe médica da presidência”. O presidente fez o novo exame na terça-feira, mas o resultado só foi divulgado na manhã desta quarta.

Entre os auxiliares do presidente, a expectativa era de que o resultado fosse negativo e que ele pudesse voltar a despachar no Palácio do Planalto ainda nesta semana. Bolsonaro também disse que iria viajar para o Piauí na próxima sexta-feira. Agora, o presidente deve permanecer isolado no Alvorada.

Bolsonaro planejava uma série de viagens semanais pelo Brasil para quando deixasse a quarentena forçada. Além do Piauí, estão no radar municípios na Bahia, em São Paulo e no Mato Grosso. A ideia das viagens é passar uma imagem para a população de que o governo segue trabalhando.

A Presidência previa viagens para este próximo fim de semana às cidades de Campo Alegre de Loures (BA), para inaugurar a adutora que capta água do Rio São Francisco, e São Raimundo Nonato (PI), onde Bolsonaro iria visitar o Museu do Homem Americano ao lado do senador e presidente do PP Ciro Nogueira (PI).

Extra – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan. disse:

    Fique tranquilo mito, que em 2022, mandetta e moro , vai botar pra lascar. Aguarde carta.viu.

  2. Didi disse:

    FICA TRANQUILO MITO!
    O TIME MINISTROS ESTÃO FAZENDO UM GRANDE TRABALHO.
    TANTO É VERDADE QUE O SR.
    TÁ ESTOURADO NAS PESQUISAS NO BRASIL INTEIRO.
    kkkkkkkkkk
    Kkkkkkkkk
    Chupa petralhas.

  3. Observando. disse:

    Talvez a dosagem de cloroquina não seja a suficiente. Aumentar. Converse com seu médico.

  4. Patriota disse:

    Esse aí bem que poderia ficar dando positivo por mais um ano e meio. Ajudaria muito o país.

Médico morre após mal súbito em motel em Natal

O Blog Gustavo Negreiros noticia que um médico psiquiatra alagoano de 36 anos, foi encontrado morto na noite desse domingo (12), em um motel na estrada da Redinha. De acordo com o post, a acompanhante chamou os funcionários do motel, que imediatamente acionaram a polícia e o SAMU. Segundo informações do relatório da polícia, o médico teria sofrido um mal súbito.

Médico Nivaldo Serreno de Noronha Júnior morre vítima da Covid-19; Sociedade de Pediatria do RN emite nota de pesar

Foto: Divulgação

A Sociedade Potiguar de Pediatria emitiu nota de pesar nesta quarta-feira(01) pelo falecimento do médico Nivaldo Serreno de Noronha Júnior, de 52 anos, vítima da Covid-19.

Dr. Nivaldo, conforme nota, foi presidente da Sociedade Potiguar de Pediatria(Sopern) de 2010 a 2016 e atuava como vice-presidente desde então.

Ficam também os sentimentos do Blog aos familiares e amigos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. English Catita disse:

    Ele foi o melhor professor de Inglês que já tive contribuindo diretamente em minha escolha para o Exercício Docente, estando professora da Rede Pública Estadual há 20 anos. Ficam eternizadas as recordações deste extraordinário Educador que tive a honra de fazer parte de seu hall dicente.

  2. Adalberto disse:

    Foi meu professor de inglês no Watford.
    Meus sentimentos.

  3. Marcus disse:

    Muito triste. Nivaldo sempre foi pessoa simples e dedicado a profissão. Meu amigo dos tempos de Colégio, que Deus e Jesus consolem sua família. Vá com Deus.

Médico que atuava no combate à Covid-19 com registro falso no CRM é preso no interior do RN por exercício ilegal da profissão, destaca reportagem

O portal G1-RN destaca nesta sexta-feira(12) a prisão de um médico formado no Paraguai que atuava na linha de frente de combate à pandemia de Covid-19 no município de Porto do Mangue, distante 226 quilômetros de Natal, por exercer ilegalmente a profissão. Ele foi alvo da Polícia Civil nessa quinta-feira (11). Segundo as investigações, o homem apresentou a carteira de formação em medicina, mas não havia passado pelo Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida) e por isso também não possuía a licença do Conselho Regional de Medicina (CRM).

De acordo com o delegado Renato Oliveira, o homem estava usando o nome e a licença do CRM de outro médico, que já atuou no RN. Foi o verdadeiro dono do documento que fez a denúncia aos policiais. Ele está preso na Cadeia Pública de Mossoró após ser autuado em flagrante pelos crimes de exercício ilegal da medicina e falsidade ideológica. Leia matéria completa aqui.

Morre o médico João Batista Medeiros por covid-19

Foto: Divulgação

O médico João Batista Medeiros Costa, natural de Patu/RN, de 65 anos, morreu no final da noite desse domingo (24), em Natal, vítima da Covid-19.

Doutor João Batista formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, foi professor de vários cursinhos preparatórios para vestibular em Natal e ainda foi tenente médico no 16° Batalhão do Exército.

Deixa a esposa e 4 filhos, entre eles dois médicos e uma enfermeira.

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Adailton Gurgel de Medeiros disse:

    Está no céu com nosso senhor.fica na paz de Deus.

  2. Ilo jose aranha disse:

    Meus sentimentos a família meu amigo gente muito boa e e que Deus o acompanhe!

  3. ailton disse:

    que Deus conforte á Família, foi aluno dele Das Neves

Justiça pune médico que acusa governadora Fátima Bezerra(PT) de fazer vodu de Bolsonaro

FOTO: VEJA.com/Divulgação

O juiz Giordano Costa, da 4ª Vara Cível de Brasília, determinou que o médico Nelson Geraldo Freire Neto, apoiador de Jair Bolsonaro, retire de suas redes sociais quatro postagens com duras ofensas à governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, do PT.

Entre esses ataques, está um discurso feito num caminhão de som, em 26 de abril, num ato na Esplanada, em Brasília, no qual o médico imputa a governadora prática criminosa sem qualquer prova e “ofende a honradez e a imagem (de Fátima) perante o meio social”, conclui o juiz, que concedeu a decisão em caráter liminar.

“A situação exposta é surreal, pois temos um cidadão (Nelson) que sobe num carro de som e brada para o público que lá estava, ser a governadora uma traficante (1 tonelada de droga), uma macumbeira e ser uma pessoa que faz vodu para o presidente”.

Para o juiz, se o médico tem alguma acusação a fazer, que procure a polícia ou o Ministério Público, “e não subir num carro de som, gravar e publicar na internet”.

Giordano Costa diz que houve ataque a honra e classificou a acusação do médico como “discurso tresloucado”.

O juiz fala do contexto político e diz que o país vive uma “acalorada discussão no campo ideológico”.

Com a decisão, de ontem, o médico tem cinco dias para excluir as postagens, sob risco de multa diária. Se desejar, pode recorrer em quinze dias.

Radar – Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José aldomar disse:

    Falar na governadora por onde anda a mesma? No início da pandemia não saia da tv com os secretários de saúde claro no início não se precisava de leitos de UTI como agora esta o caos a mesma desapareceu da tv será que está se achando mais que os governadores de sp rs E BH?

COVID-19: Morre o médico Solon Pereira

Foto: Reprodução

O clínico geral Solon Pereira morreu vítima de Covid-19. O óbito foi confirmado nesta quarta-feira(06). Ele estava internado em um hospital particular em João Pessoa – PB.

Era médico atuante em plantões em Natal e Parnamirim e ainda na Paraíba. Muito querido, deixa uma lacuna pelo seu profissionalismo, carisma e disponibilidade.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Machinho da mamãe disse:

    Ele não tomou a cloroquina?

  2. Junior ferreira disse:

    Uma grande perda para nós natalenses conheci ele lá onde eu trabalhava minhas condolências e solidariedade que deus conforte a família desse grande homem e médico

  3. ELEITOR disse:

    Mais um colega que perde a luta para esta praga, que Deus console sua família e seus amigos , e guarde seu espírito num bom lugar.

Médico alerta para falta de Sol, exercícios e enfraquecimento muscular na quarentena

Foto: Ilustrativa

O isolamento social é o meio mais eficiente para se proteger do novo coronavírus, mas o confinamento produz efeitos colaterais que podem trazer riscos à saúde. A maioria acaba não pegando sol, o que afeta a produção da vitamina D, ativada através da exposição aos raios solares na pele. Para quem sofre de osteopenia ou osteoporose, o problema é maior: além da falta de vitamina, o sedentarismo da quarentena pode agravar a perda de massa óssea e acarretar também um enfraquecimento muscular. Para o ortopedista geriátrico Francisco Paranhos, doutor em endocrinologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, pesquisador clínico do Serviço de Endocrinologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, e vice-presidente da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo, diante deste cenário, os médicos se preocupam com a ocorrência de quedas e fraturas.

Durante o período de quarentena, sem a exposição solar, a suplementação de vitamina D é benéfica para todos, ele explica: “a vitamina D tem um papel relevante na ação esquelética, porque atua na função muscular e no metabolismo do cálcio, preservando a massa óssea e reduzindo o risco de quedas e fraturas. Mas os benefícios da vitamina D não param por aí. Existem muitas evidências científicas sobre suas ações extra-esqueléticas, como, por exemplo, na modulação imunológica, na defesa antimicrobiana, na ação anti-inflamatória e anticâncer, na função neuroprotetora e nos benefícios cardíacos”. Acrescenta que o tempo de exposição ao sol varia de acordo com a latitude, a estação do ano e cor da pele, entre outros fatores. Estar distante da linha do equador, ou nos meses frios do ano, ou ainda ter o tom de pele mais escuro ativa menos a formação da vitamina D. O melhor sol é o da faixa entre 12h e 15h, mas é preciso usar o bom senso e evitar os excessos e queimaduras. “Ninguém deve se expor ao risco de um câncer de pele. Indivíduos de pele clara deveriam pegar de 15 a 20 minutos de sol, pelo menos de três a quatro vezes na semana, expondo partes do corpo como pernas, braços, abdômen e costas, sem a necessidade de ficarem vermelhos ou bronzeados. As pessoas de pele negra necessitam de um tempo um pouco maior, até 30 minutos, pois a melanina, pigmento da pele, é um filtro solar natural”, complementa. Outros fatores podem diminuir a ativação da vitamina D, como o envelhecimento da pele, o uso de roupas compridas ou de filtros solares, a poluição e a exposição solar através do vidro da janela. Um filtro solar de fator de proteção 30 inibe a ativação da vitamina D de 95% a 99%. Muitas das vezes, apesar de o idoso se expor ao sol, o envelhecimento faz com que a pele perca eficiência como “sensor” para produzir vitamina D, aumentando a necessidade de uma suplementação via oral.

O doutor Paranhos citou o professor Giancarlo Iasaia, pesquisador da Universidade de Turim, na Itália, que observou que os pacientes graves infectados pelo novo coronavírus tinham uma grande prevalência de insuficiência vitamínica D. Os dados preliminares da pesquisa não testaram a administração de vitamina D para melhorar a evolução desses doentes, mas o professor apontou a necessidade de corrigir essa deficiência. Por isso, ele diz que, considerando a falta de exposição solar na atual quarentena e a chegada do período de frio e com menor insolação, há uma grande chance de desenvolvermos uma insuficiência vitamínica D. Os adultos jovens podem se beneficiar com a suplementação de doses de mil unidades diárias, enquanto os idosos precisariam de 2 mil unidades. Como se trata de uma vitamina lipossolúvel, que se acumula no organismo, as doses podem ser ministradas semanalmente ou até mensalmente.

Por último, lembra que a osteoporose é uma doença silenciosa e acomete tanto mulheres quanto homens. Nas mulheres é mais precoce, dada a perda do hormônio sexual feminino, o estrogênio, por volta dos 45 aos 50 anos de idade, quando ocorre a menopausa. Nos homens, a andropausa, a falta da testosterona, o hormônio sexual masculino, se dá depois dos 60 anos. Em ambos os gêneros, a perda dos respectivos hormônios leva a um aumento da reabsorção e do enfraquecimento dos ossos, isto é, o envelhecimento é um fator de risco para desenvolver osteoporose e sofrer fraturas. Um alerta: de 40% a 50% das mulheres e 25% dos homens acima dos 50 anos sofrerão pelo menos uma fratura osteoporótica ao longo de suas vidas. A de quadril é a mais temida, pois tem uma taxa de mortalidade de 20% a 30% num primeiro ano após o episódio, além das sequelas físicas que produz.

Bem Estar – Globo

 

Médico alerta para os riscos do ‘desafio da farinha’, que viralizou na internet

Ao colocar o produto em contato com os olhos ou aspirá-lo, participante pode sofrer com conjuntivite e até pneumonia química. Foto: Jogador Roberto Firmino faz o desafio da farinha com a esposa/Reprodução

Se você é adepto das redes sociais, provavelmente já deve ter visualizado algum de seus amigos no ‘Desafio da farinha’. A brincadeira consiste em um quiz onde o desafiado responde a perguntas de probabilidades mergulhando a cabeça de outros dois amigos e familiares em pratos ou travesseiros cheios do produto. A intenção é apontar entre os dois participantes, qual deles é o mais provável, ou tem posturas mais parecidas, com a situação apresentada pelo desafiador. Mas na brincadeira aparentemente inofensiva, e até mesmo engraçada, está uma série de riscos, conforme alerta especialistas.

“A farinha pode atingir os olhos, pode ser inalada ou aspirada pela boca ou nariz. Nos olhos ela pode provocar conjuntivite química, por irritação pela farinha. Já na via aérea o produto pode provocar rinite e faringite, principalmente em pacientes que já têm tendência a alergias”, alerta o médico Maurício Cavalcante, clínico geral e pediatra do Sistema Hapvida, do qual a RN Saúde faz parte.

O médico complementa destacando que se o participante aspirar a farinha, e ela atingir os brônquios e alvéolos, o paciente pode até evoluir para um quadro de pneumonia química. “Justamente por isso essa é uma brincadeira que deve ser evitada, para não se expor a esses riscos”, finaliza.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisca disse:

    Está ficando muito sério um mal está cada vez mais perto daqueles que dá luga a ele.

  2. Gaius Baltar disse:

    Acho errado avisar. Quem faz uma imbecilidade dessas não merece transmitir os genes pra geração seguinte.

Após 11 mortes, médico explica pesquisa com cloroquina e critica uso político do estudo

Foto: Hector RETAMAL/AFP

A morte de 11 pacientes durante estudo sobre o uso da cloroquina em pacientes graves com Covid-19, em hospital de Manaus (AM), está sendo usada politicamente tanto por críticos do presidente Jair Bolsonaro quanto por seus fiéis seguidores.

Para uns, as mortes provariam que a cloroquina não seria a solução para combater a doença causada pelo novo coronavírus – ao contrário do que defende Bolsonaro, que vê na substância a verdadeira saída para diminuir o isolamento social e suas consequências. Por outro lado, para os “bolsonaristas”, o uso de altas doses de cloroquina em 7 desses 11 pacientes mostraria um “plano da esquerda” para tentar desacreditar a cloroquina e Bolsonaro durante a crise sanitária. Algumas mensagens nas redes sociais, sem qualquer prova, sugerem que os pesquisadores teriam “matado de propósito” só para “desautorizar a campanha pró-cloroquina de Bolsonaro”.

O responsável pelo estudo, o médico infectologista Marcus Vinícius Guimarães de Lacerda, pesquisador há 20 anos, vinculado a duas fundações reconhecidas internacionalmente pelos estudos sobre malária, a Oswaldo Cruz e a Fundação de Medicina Tropical do Amazonas, critica o uso político da sua pesquisa.

Em entrevista para a Gazeta do Povo (leia abaixo), ele afirma que os resultados preliminares não respondem de forma definitiva se a cloroquina é eficaz ou não no tratamento da Covid-19, apenas que a substância é tóxica se utilizada em altas doses – o próprio pesquisador continua um estudo com cloroquina em pacientes em fase inicial da doença, na dose indicada pelo Ministério da Saúde.

Ao mesmo tempo, ele confirma ter usado cloroquina e não a hidroxicloroquina (mais fácil de ser metabolizada pelo organismo), como adotou o estudo chinês que ele quis reproduzir, porque, segundo ele, “a curto prazo cloroquina e hidroxicloroquina não apresentam toxicidade cardíaca; a cloroquina, somente em longo prazo, apresenta toxicidade ocular”.

A Gazeta do Povo procurou diversas fontes que criticam o estudo realizado para tentar averiguar se há, de fato, algum erro no método científico adotado. Algumas dessas fontes questionam a conduta dos responsáveis pela pesquisa, sobretudo as altas doses, mas não quiseram ter seus nomes divulgados e nem mostraram provas.

Leia entrevista aqui na Gazeta do Povo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Adejair disse:

    Pelo que entendi na matéria o médico responsável pela pesquisa está querendo um álibi. Ficou bem nítido na matéria quando informa que foi utilizado limite superior ao recomendado em alguns pacientes, ou seja, "ERRO" médico.

  2. Henrique disse:

    Sabia que altas doses são tóxicas e mesmo assim forneceu aos pacientes?
    Queria testar o que todos conhecem?
    Tá mal contada a história.
    As doses eram cavalares. E depois saiu alardeando na mídia que iria parar o estudo porque tinha havido complicações com a cloroquina.
    É muita irresponsabilidade para um profissional.

  3. Joao disse:

    Esse medico foi irresponsavel.. se ha uma dose maxima diaria, pq ele passou deste limite recomendado pelo MS? Que tipo de pesquisa particular é esta que parece nem registro existir? Ora.. ate uma aspirina dada em excesso tb pode matar. E ainda continua a pesquisa usando agora a dose recomendada, isso corrige o erro anterior? Este farmaco pode ser administrado ate seis semanas pra tratamentos específicos, sem graves efeitos colaterais em percentual alto de pacientes. Sao 100 anos de uso para tratar malaria, sem praticamente riscos Muito irresponsavel.

  4. Manoel disse:

    Estou muito ansioso pra ver esses médicos e cientistas defenderem que TODOS os remédios vendidos em farmácia precisam de receita já que TODOS tem muitos efeitos colaterais e contra indicações. Quem quiser ver eh só ler a bula dos remédios que toma… Ou será que só agora descobriram que hidroxicloroquina e Anitta tem efeitos colaterais??

Médico é a sétima pessoa a ir a óbito por covid-19 em Mossoró; 21ª morte no RN

O Blog do Barreto destaca. O cirurgião plástico Elio Cesar Marson é a sétima pessoa a ir a óbito provocado pela covid-19 em Mossoró. Ele estava internado desde o início de abril apresentado complicações. Ele estava internado no Hospital Wilson Rosado.

No Rio Grande do Norte são 21 óbitos por covid-19 sendo um terço deles em Mossoró, cidade com maior número de fatalidades no Estado.

Com Blog do Barreto

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ana Maia disse:

    Tem que fechar a fronteira com Ceará. Lá selaram o contágio com força. É por ser muito próximo há esse risco.

    Será que deram os remédios para o médico. Pois só querem números.

    Gastaram horrores em estádios e nunca investem em hospitais.

‘Há luz no fim do túnel’: médico paulista se recupera de Covid-19 após seis dias na UTI

Ortopedista Henrique Rodrigues está curado do coronavírus Foto: Arquivo pessoal

O ortopedista paulista Henrique Rodrigues, de 31 anos, enfrentou muitas dores no corpo, dificuldade para respirar e febre alta desde que começou a apresentar sintomas do coronavírus no início do mês. Passou seis dias na UTI até receber a notícia de que estava curado. Hoje, se recupera da pneumonia que restou como sequela da doença.

“Nunca me senti tão mal. É uma experiência bem ruim, mas melhora. Há luz no fim do túnel”, garantiu, em entrevista à ÉPOCA.

Rodrigues foi internado no Hospital São Luiz, em São Caetano (SP), no último dia 13, quando sua tomografia apontou para um padrão característico de covid-19. Menos de 24 horas depois, viveu o pior momento enquanto se tratava. O desconforto respiratório, a mialgia intensa e os calafrios não eram atenuados nem pelos remédios periódicos.

“A febre não passava, cheguei a quase 39 graus, mesmo com medicação de horário, tomando paracetamol e dipirona”, contou o médico. “As dores no corpo eram muito fortes. Até para levantar o braço doía muito”, acrescentou.

Os primeiros sinais da doença surgiram no dia 6 de março quando Rodrigues dava plantão em um hospital da Zona Sul de São Paulo. Uma das unidades em que trabalha passou por um surto da doença e registrou funcionários infectados. No entanto, Rodrigues não confirma que foi lá que contraiu o vírus. “Viajei para a Tailândia no final de janeiro. Também pode ter sido de algum paciente, já que atendemos, em média, uns 40, 50 por dia. Ou até um descuido meu na higiene”, sugeriu.

Enquanto trabalhava, Rodrigues começou a ter calafrios. Em seguida, desenvolveu febre intermitente por três dias junto a dores corporais, o que o fez procurar ajuda médica. Ele vinha tomando antibiótico e corticoide, que não surtiram efeito.

Examinado, o ortopedista foi orientado a ir para casa e retornar ao hospital caso seu estado piorasse. No dia 12, a tosse e a falta de ar se agravaram, e Rodrigues decidiu pagar para fazer o teste do coronavírus. “Eu suava demais. Teve uma noite em que precisei trocar de roupa cinco vezes, ficava encharcado”.

Como o resultado não é imediato, fez exames complementares que o levaram a ser isolado em observação na UTI. Mesmo com a confirmação de que havia sido infectado, Rodrigues diz que sua maior preocupação foi com a família. Isso porque teve contato com seus avós, de mais de 80 anos, e sua mãe que é hipertensa – todos enquadrados no grupo de risco da doença. O alerta também servia para a esposa médica, que testou negativo para o coronavírus.

A alta, no último dia 18, foi um alívio. O médico liberou Rodrigues desde que completasse a quarentena em casa. Hoje, se recupera da pneumonia que restou como sequela da doença. “O que me incomoda é apenas a tosse, mas já era esperado. Não tenho mais cansaço, dores, febre, nada”, afirmou o ortopedista, que pretende voltar ao trabalho na próxima semana.

“O que quero passar é que não é um bicho de sete cabeças. A maioria da população vai apresentar sintomas virais leves. Alguns vão evoluir, mas a tendência é melhorar. O principal medo é atingir o pessoal do grupo de risco”, disse Rodrigues.

Época

Coronavírus: Médico recomenda não cumprimentar com o cotovelo; veja outras dicas

Foto: Ilustrativa

A Campanha Nacional de Vacinação começa nesta segunda-feira (23) inicialmente para idosos e trabalhadores da saúde. A ação foi antecipada neste ano para ajudar na identificação de pacientes com coronavírus – a imunização não tem eficácia contra o vírus, mas como os sintomas da doença são parecidos com os da gripe, a medida facilita os diagnósticos por exclusão.

Em entrevista à CNN, o médico Fernando Ferry, diretor do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, esclareceu as principais dúvidas quanto à vacina para idosos.

“Essa vacina geralmente ela é universal, quem não pode se vacinar é quem está com alguma doença auto imune, onde o sistema imunológico está baixo. Mas o idoso é muito importante para evitar a coinfecção do vírus, da Influenza, que causa a gripe, com o coronavírus. Quando os dois ocorrem ao mesmo tempo é muito mais grave”, alertou.

Ferry recomendou diversos itens de proteção. A máscara verde, por exemplo, deve ser utilizada apenas por quem está doente. “O vírus você pega com a mão e gotículas”, reforçou. O médico também não recomenda a utilização de luvas, afirmando ser ‘apenas para uso de profissionais da saúde’ não apresenta eficácia.

Questionado sobre as mudanças de comportamento, principalmente no cumprimento, Fernando não recomenda a utilização de cotovelos para saudações. “Tem a indicação de se tossir e espirrar na parte interna do braço, próximo ao cotovelo, contaminando a região e ao bater, você pode transmitir o vírus”, recomendou.

A vacina disponibilizada pelo Ministério da Saúde é importante para combater o vírus da Influenza e não combate o COVID-19. Entretanto, é necessária para o combate à pandemia. “Ela é muito importante, tanto que agora foi tomada a decisão de se ter ‘drive-thru’ — um local de serviços que para obtê-los o cliente não precisa sair do carro– para não expor a pessoa idosa. (…) Por isso devemos nos vacinar anualmente contra a gripe, pois o vírus muda.”, afimou Ferry.

Questionado sobre os riscos da saída de idosos para a vacinação e sintomas após tomar a vacina, o médico orientou a ficar sempre alerta. “Se a pessoa está tendo sintomas de resfriado, ela tem que passar por uma avaliação para ver se vai poder tomar vacina ou não. A segunda questão, é se o idoso estiver com acompanhante que tenha sintomas, ele tem que usar máscara, ela é indicada apenas para quem tenha sintomas. E manter, nessas filas [de vacinação] pelo menos um metro e meio de distância entre um e outro(…) Com relação aos sintomas, as vacinas podem ter reações. Aquele idoso que estiver acamado, o agente de saúde irá até a casa atendê-lo”, lembrou.

Ao mecionar o contágio, o médico alertou sobre os sintomas que deverão ser sinais de atenção. “O vírus você pega com a mão, você coloca a mão em uma superfície contaminada e leva à boca, olho, nariz e aí você pega. O principal sinal de alerta é a falta de ar. Se sentir, tem que ir precocemente para ser avaliado no sistema de saúde. Mas se não tiver, é repouso, tomar dipirona, se alimentar bem, beber bastante líquido e ficar em casa”, concluiu.

CNN Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eduardo Peixoto disse:

    O engraçado em relação às medidas de higiene é que certos repórteres da Globo estão fazendo entrevistas sentados no chão com isso estão levando possíveis focos de contaminação para as redações dos jornais e suas residências. Querem que a população faça uma prevenção que eles mesmos não fazem.

    • Dilermando disse:

      Rapaz, se esse vírus sobreviver 5 minutos nessa quintura de Natal é um herói!!!!