Saúde

Butantan solicita à Anvisa início de testes da ButanVac em humanos; Instituto espera produzir 40 milhões de doses da vacina até julho, se aprovada

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O Instituto Butantan solicitou à Anvisa nesta sexta-feira o início dos testes em humanos da Butanvac. A informação foi divulgada pelo diretor do Butantan, Dimas Covas, em entrevista coletiva.

O Instituto submeteu o protocolo para as fases 1 e 2 do estudo clínico do imunizante, compostas por estudos controlados com placebo que avaliarão a segurança e eficácia da vacina em adultos no Brasil.

— É um estudo que tem uma duração prevista máxima de 20 semanas, mas que a partir da 16ª ou 17º semana nós vamos poder ter já os resultados de análise primária e, com isso, solicitar o uso emergencial pela Anvisa. A vacina será muito rapidamente produzida aqui no Brasil integralmente. Não depende de nenhuma importação de matéria-prima, com uma capacidade enorme de produção — disse Covas.

O Butantan divulgou ainda que, a partir da próxima semana, começará a produção de 40 milhões de doses da nova vacina. Essas doses devem ficar prontas até julho e aguardarão então a aprovação de seu uso pela Anvisa:

— Já estamos preparados. Quando ocorrer essa aprovação, vamos divulgar amplamente quais serão os centros onde os estudos serão realizados e como os voluntários poderão se inscrever — explicou Covas, ressaltando as diferenças entre este estudo e o da Coronavac. — Não é um estudo clínico clássico. A ideia é comparar a resposta de segurança e de imunogenicidade [capacidade de provocar uma resposta do sistema imunológico] dessa nova vacina com as demais e, com isso, demonstrar a sua eficiência.

O imunizante, segundo Covas, será feito na fábrica do Butantan que produziu as 80 milhões de doses da vacina contra gripe aplicadas na campanha atual de imunização.

A ButanVac é uma vacina candidata contra a Covid-19 produzida por um consórcio internacional que pretende ampliar e baratear a produção desses imunizantes usando fábricas que trabalham com ovos de galinha como base para a criação das doses. O anúncio da existência do projeto da ButanVac foi feito em 26 de março.

Naquela data, o Butantan e o governo estadual informavam uma expectativa mais otimista para o final dos testes clínicos. No dia, Covas e o governador João Doria (PSDB) apresentaram a ideia de que os testes em humanos poderiam ser finalizados até julho e, se aprovada, a vacina poderia ser aplicada já no segundo semestre deste ano. Nesta sexta, porém, Dimas Covas citou setembro como um mês provável para o pedido do uso emergencial.

Queda de óbitos, internações e casos

O governo de São Paulo divulgou também que, pela primeira vez em dois meses, o estado apresentou redução no número de casos (-14,3%), internações (-6%) e óbitos (-23,6%) pela doença. Embora o estado viesse apresentando queda nas internações nas últimas quatro semanas, é a primeira queda no número de óbitos registrada no período.

A taxa de ocupação de UTI no estado está em 81,1% e, na Grande São Paulo, 79,2%.

— Gosto muito de reforçar que, no dia 1º de abril, nós tínhamos 92,3% de ocupação nas UTIs. Esses dados nos trazem alento e esperança — disse Jean Gorynchteyn, secretário da Saúde, lembrando ainda que, em abril, 13.120 pacientes estavam internados em leitos intensivos. Agora, são 10.808.

Reabertura de serviços

O setor de serviços da cidade será reaberto a partir de amanhã, 24, como parte da segunda etapa da fase de transição. Voltam a funcionar bares, restaurantes, academias, salões de beleza e similares. Parques, clubes e museus também poderão reabrir.

O comércio e setor de serviços deverão funcionar das 11h às 19h. Academias poderão funcionar das 7h às 11h e das 15h às 19h. A ocupação nestes setores deve respeitar o limite de 25% da capacidade.

— É um voto de confiança para que possamos ter um retorno gradual, mas lembrando que ainda temos um patamar elevado de casos e internações e precisamos fazer esse trabalho de transição com muita cautela e responsabilidade em todos setores — disse Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico do estado.

Serão mantidos em todo o estado o toque de recolher das 20h às 5h, teletrabalho para atividades administrativas e escalonamento da entrada e saída de trabalhadores do comércio, serviço e indústria.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Tomo tranquilo. Butantan é sinônimo de ciência e a Fiocruz também. Os maconheiros das universidades também. Tenho nojo de negacionistas e do presidente GENOCIDA.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan recebe insumo e fabricará mais 5 milhões de vacinas CoronaVac

Foto: © REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

O Instituto Butantan recebeu nesta segunda-feira (19) insumos para a fabricação de mais 5 milhões de doses da vacina contra a covid-19. Os 3 mil litros de insumo farmacêutico ativo (IFA) foram enviados pelo laboratório chinês Sinovac, de Pequim, na última sexta-feira (16). O material foi transportado por um avião da companhia aérea Turkish Airlines, que fez escala em Istambul, na Turquia, e em Dakar, no Senegal, antes de desembarcar no Aeroporto Internacional de Guarulhos hoje.

O Butantan já entregou 40,7 milhões de doses da vacina CoronaVac para serem aplicadas em todo o Brasil pelo Programa Nacional de Imunizações. Até o fim deste mês, a instituição deve finalizar o primeiro contrato firmado com o Ministério da Saúde para disponibilização de 46 milhões de doses.

Em São Paulo, segundo o último balanço do governo estadual, já foram aplicadas 8,8 milhões de doses, sendo 2,9 milhões da segunda dose, o que fecha o ciclo de imunização.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. A grande dúvida de Bolsonaro está na escolha do seu vice, que está entre Flordeliz e o vereador Jairzinho. O pior será escolhido, isso porque gente ruim só se junta a quem não presta.

    1. E luladrao, deve estar procurando na papuda. Pode ser o Zé Dirceu que tá solto tb, ou o Server, bem ladrão é o que não falta pra escolher. Kkkkk

  2. De cada 10 de vacinas que é aplicada na população, 8 é do Butantan.
    Se não fosse o empenho do Doria, a carnificina estaria bem maior.
    Isso quer dizer que temos um genocida em série na presidência da república.

    1. Todo covarde se esconde atrás do manto do anonimato, vai levar outra surra nas urnas em 2022! kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan entrega 1 milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde nesta quarta

Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O Instituto Butantan liberou nesta quarta-feira (14) mais 1 milhão de doses da vacina CoronaVac ao Ministério da Saúde. É o segundo lote enviado nesta semana ao programa nacional.

Com o novo carregamento, o total de vacinas oferecidas por São Paulo ao Plano Nacional de Imunizações (PNI) chega a 40,7 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. (Veja abaixo as datas e quantidades de doses já entregues).

Os caminhões com carregamento da vacina deixaram a sede do Instituto por volta das 8h. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, e o diretor do Instituto, Dimas Covas, acompanharam a liberação do lote.

A expectativa é de que o total de vacinas entregues ao país pelo Butantan some 46 milhões até o dia 30 de abril. Mais dois envios de 2,5milhões cada devem ser feitos nos dias 19 e 21 deste mês.

Com G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Butantan estuda aplicação de 3ª dose da Coronavac

O diretor Médico do Ib Ricardo Palacios falou sobre estudos de aplicação de uma 3ª dose da CoronavaC. Foto: Reprodução / CNN

Em entrevista à CNN, o diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, Ricardo Palacios, revelou que há estudos sobre a possível aplicação de uma 3ª dose da Coronavac.

“Existem grandes preocupações sobre como melhorar a duração da resposta imune, e uma das alternativas que tem sido considerada é uma dose de reforço, seja com a própria Coronavac, seja com outros imunizantes”, disse Palacios.

Segundo Palacios, além do estudo de uma eventual 3ª dose de reforço da Coronavac, também é estudada a possibilidade de uma combinação de imunizantes com a própria ButanVac, vacina em desenvolvimento pela instituição que aguarda a aprovação da Anvisa para realizar testes em humanos. “Possivelmente a combinação dessas vacinas conseguirá melhorar a duração da resposta imune, dar um reforço adicional”, afirmou.

Além disso, o diretor do Instituto Butantan reforçou a recomendação médica aos serviços de saúde sobre o intervalo de 28 dias entre as doses da Coronavac, que, de acordo com um novo estudo clínico, provavelmente garante uma maior eficácia do imunizante.

Antes, o intervalo recomendado entre as doses era de 14 dias.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Vamos pedir aos lerdos de raciocínio curto, para solicitar ao Grande Doria, o que fazer? Vacina ruim, imunização ruim, a coisa não está ficando bonita para o salvador da patria e seus defensores.

  2. Vacinem a 1ª e a 2ª dose . Depois vem a 3ª . Há tempo para essa 3ª dose. Não devem é guardar vacina como dizem que estão fazendo isso agora.

  3. Os chineses arrumaram uma excelente forma de ganhar dinheiro. Não foi à toa que a China foi o ÚNICO país no mundo cujo PIB cresceu em 2020.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan entrega 1,5 milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde nesta segunda

FOTO: TÂNIA REGO/AGÊNCIA BRASIL

O Instituto Butantan liberou nesta segunda-feira (12) mais 1,5 milhão de doses da vacina CoronaVac ao Ministério da Saúde.

Com o novo carregamento, o total de vacinas oferecidas por São Paulo ao Plano Nacional de Imunizações (PNI) chega a 39,7 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. (Veja abaixo as datas e quantidades de doses já entregues).

Os caminhões com carregamento da vacina deixaram a sede do Instituto por volta das 8h. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, e o diretor do Instituto, Dimas Covas, acompanharam a liberação do lote.

Cronograma CoronaVac

A expectativa é de que o total de vacinas entregues ao país pelo Butantan some 46 milhões até o dia 30 de abril, com o seguinte cronograma:

14/04 – 1 milhão

19/04 – 2,5 milhões

21/04 – 2,5 milhões

O instituto realiza uma força-tarefa para seguir envasando, em ritmo acelerado, as doses para o PNI. Para dar conta da demanda, o quadro de funcionários na linha de envase foi ampliado.

As equipes também trabalham para enviar outras 54 milhões de doses para os brasileiros até 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades.

Atraso na liberação de insumo

Na semana passada, o Instituto anunciou que a remessa de matéria-prima da CoroanaVac, que está atrasada, foi liberada e deve chegar em São Paulo até dia 20 de abril.

O Instituto deveria ter recebido o lote na primeira semana deste mês.

Na ocasião, o diretor do Instituto, Dimas Covas, disse que o processo de envase da vacina foi suspenso por conta do atraso no despacho de insumos produzidos na China.

Nesta segunda (12), Dimas voltou a dizer que o atraso, entretanto, não irá alterar o cronograma de entregas ao governo federal. O primeiro contrato prevê um total de 46 milhões de doses até o dia 30 de abril.

Entretanto, ele não explicou como que o instituto fará para concluir a última etapa de produção no prazo, uma vez que são necessários ao menos 20 dias para finalizar o envase e rotulagem.

“Estamos nos procedimentos de contratação dos voos. Tudo indica que receberemos esses 3 mil [litros do IFA] antes, se tudo correr bem, mas a data limite é dia 20. E um segundo volume de 3 mil inicia processamento para obtenção de autorização. Tudo, neste momento, corre de acordo com essa programação”, afirmou Dimas Covas.

Eficácia

Um estudo clínico final sobre a Coronavac divulgado neste domingo (11) mostra que a eficácia da vacina é maior do que nos resultados iniciais divulgados entre dezembro e janeiro. O estudo foi feito pelo Instituto Butantan, que produz a vacina em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Segundo artigo científico encaminhado para revisão e publicação na revista científica Lancet, uma das mais respeitadas do mundo, a eficácia para casos sintomáticos de Covid-19 atingiu 50,7%, ante os 50,38% informados inicialmente. Ou seja, a vacina reduz pela metade os novos registros de contaminação em uma população vacinada.

Segundo o estudo encaminhando neste domingo, a eficácia da CoronaVac pode chegar a 62,3% com um intervalo de mais de 21 dias entre as duas doses da vacina.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Agora vai, não acredito que essa semana não chegue nas pessoas de 60 anos. No estado tem mais de duzentas mil vacinas estocadas sem aplicar na população dos grupos de risco. Já faz mais de três semanas que na paraiba se aplica a vacina no pessoal de 60 ou mais, aqui de forma criminosa estão escondendo as vacinas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan entrega mais 1 milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde nesta quarta

Foto: Reprodução

O Instituto Butantan liberou nesta segunda-feira (5) mais 1 milhão de doses da vacina CoronaVac ao Ministério da Saúde.

Com o novo carregamento, o total de vacinas oferecidas por São Paulo ao PNI (Plano Nacional de Imunizações) chega a 38,2 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. (Veja abaixo as datas e quantidades de doses já entregues).

Os caminhões com carregamento da vacina deixaram a sede do Instituto por volta das 8h. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, acompanharam a liberação do lote.

A gestão de João Doria articula com o governo chinês para conseguir a liberação de 6 mil litros insumos. Com eles será possível produzir 8 milhões de doses.

Cronograma CoronaVac

Até o dia 30 de abril, o total de vacinas garantidas pelo Butantan ao país somará 46 milhões.

O Butantan realiza uma força-tarefa para seguir envasando, em ritmo acelerado, doses para a entrega ao Programa Nacional de Imunizações. Para dar conta da demanda, o instituto dobrou o quadro de funcionários na linha de envase.

Próximas doses

No final de abril, o número de vacinas garantidas por São Paulo ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) somará 46 milhões. As doses de abril já estão em produção.

O Butantan trabalha para enviar outras 54 milhões de doses para vacinação dos brasileiros até 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades.

Insumos

No dia 4 de março, o instituto recebeu uma remessa de 8,2 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), correspondente a cerca de 14 milhões de doses, desembarcou em São Paulo para serem envasados, rotulados e embalados no instituto.

Doses da Coronavac entregues ao Ministério da Saúde em 2021

17 de janeiro: 6 milhões de doses

22 de janeiro: 900 mil doses

29 de janeiro: 1,8 milhão de doses

5 de fevereiro: 1,1 milhão de doses

23 de fevereiro: 1,2 milhão de doses

24 de fevereiro: 900 mil doses

25 de fevereiro: 453 mil doses

26 de fevereiro: 600 mil doses

28 de fevereiro: 600 mil doses

3 de março: 900 mil doses

8 de março: 1,7 milhão

10 de março: 1,2 milhão

15 de março: 3,3 milhões

17 de março: 2 milhões

19 de março: 2 milhões

22 de março: 1 milhão

24 de março: 2,2 milhões

29 de março: 5 milhões

31 de março: 3,4 milhões

5 de abril: 1 milhão

7 de abril: 1 milhão

Fonte: Instituto Butantan e Governo de SP

G1

Opinião dos leitores

  1. Se não fosse a “vachina” o que seria de nós hein? 90% ou mais dois vacinados tomou a coronavac. Até a mãe do MINTOmaníaco tomou essa… Agora o inepto quer comprar a sputinik antes que os governadores comprem …

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan entrega mais 1 milhão de doses de vacina contra covid-19

Foto: © REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

O Instituto Butatan entregou nesta segunda-feira (5) mais um milhão de doses da vacina contra o coronavírus ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Com o lote desta manhã, o instituto forneceu um total de 37,2 milhões de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac, para serem distribuídas em todo o país.

Até o fim deste mês, o Butantan deve finalizar o primeiro contrato firmado com o Ministério da Saúde para fornecimento de 46 milhões de doses do imunizante. Até o fim de agosto devem ser fornecidas mais 54 milhões de doses ao PNI, totalizando 100 milhões de doses de CoronaVac.

Já foram aplicadas no estado de São Paulo 6,4 milhões de doses de vacina, sendo 1,6 milhão de segunda dose da imunização.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Muito bom Santos, Calça apertada Doria mentiroso, aquele que levou um coice do PSDB, ter sentado em algo, ter tomado as REDIAS e não AS RÉDEAS, deve ter rebolado muito.

  2. Santos, Aparecida, Zedogado e meia dúzia que aparecem são os poucos representantes dos esquerdopatas que vivem em um mundo da fantasia, afinal, a realidade e a verdade são armas mortais em suas vidas pequenas, cuja necessidade de submissão os leva a ter seu corrupto de estimação.
    As medidas que Dória vem adotando contra a pandemia são tão boas que o estado de SP é responsável, sozinho, por ¼ no total das mortes por covid. Pense num governador eficiente.
    Vale o registro que todo recurso aplicado na compra das vacinas, são 100% do governo federal.
    Que foi revelado que a coronavac foi desenvolvida nos EUA e não no Brasil como Dória tentou de apropriar.
    Foi revelado o contrato de R$ 8 milhões entre Dória e o Antagonista para falar mal de Bolsonaro.
    Em quanto aumentou o número de mortes depois de adotado o lockdown nos estados? Não é difícil, é só comparar os números de mortes em dezembro/2020 e janeiro/2021 com os meses de fevereiro e março/2021.
    Qualquer coisa fora isso, é mais uma versão, pura falácia, fora da realidade.

  3. Enquanto Doria providência a a compra de vacina e insumos, o calça folgada gastava 2 milhões nas férias.

  4. Santos, já que você gosta tanto do calça colada, o que acha disso?
    Foi revelado, nesta noite de domingo (4) o contrato entre a TV Cultura de Dória e o Manhattan Connection, no valor de R$ 8 milhões de reais, realizado no meio de uma pandemia. Este valor corresponde a 160.000 doses de vacina.

    1. Gotila, a TV Cultura tem orçamento próprio e de excelente qualidade por sinal. O programa contratado eh um ícone do jornalismo Brasileiro. Cuidado para não passar vergonha ao repassar essas bobagens do gado. Vc sabia que a Rede Brasil, aquele tv que o genocida disse que ia privatizar pagou 3,2 milhões a Record para passar uma novela. O que vc me diz. Se engasgou? Come mais um pouco de capim que passa

  5. Ja pensou se Dória não tivesse sentado na cadeira do presidente e tomado as rédias?
    É dificil dizer isso, mas ainda bem que ele fez.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

2ª REMESSA DA SEMANA: Butantan entrega 3,4 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde nesta quarta

Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O Instituto Butantan liberou nesta quarta-feira (31) mais 3,4 milhões de doses da vacina CoronaVac ao Ministério da Saúde.

É a segunda remessa enviada ao governo federal nesta semana. Na segunda, foi entregue o maior lote de doses envasadas pelo Instituto, que é responsável pela etapa final de produção. Veja mais abaixo as datas e quantidades de doses já entregues.

Os caminhões com carregamento da vacina deixaram a sede do Instituto por volta das 8h. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, e o diretor do Instituto, Dimas Covas, estiveram no local para acompanhar a liberação.

A previsão do governo estadual é a de que o Instituto receba um novo lote de insumo entre os dias 6 e 8 de abril.

Cronograma CoronaVac

Com o novo carregamento, o total de vacinas oferecida por São Paulo ao PNI (Plano Nacional de Imunizações) chega a 36,2 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. Até o dia 30 de abril, o total de vacinas garantidas pelo Butantan ao país somará 46 milhões.

O Butantan realiza uma força-tarefa para seguir envasando, em ritmo acelerado, doses para a entrega ao Programa Nacional de Imunizações. Para dar conta da demanda, o instituto dobrou o quadro de funcionários na linha de envase.

Próximas doses

No final de abril, o número de vacinas garantidas por São Paulo ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) somará 46 milhões. As doses de abril já estão em produção.

O Butantan trabalha para enviar outras 54 milhões de doses para vacinação dos brasileiros até 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades.

Insumos

No dia 4 de março, o instituto recebeu uma remessa de 8,2 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), correspondente a cerca de 14 milhões de doses, desembarcou em São Paulo para serem envasados, rotulados e embalados no instituto.

Em fevereiro, o diretor do Instituto, Dimas Covas, disse que até o Butantan deve receber 6 mil litros insumos em abril. Com eles será possível produzir 8 milhões de doses.

Doses da Coronavac entregues ao Ministério da Saúde em 2021

17 de janeiro: 6 milhões de doses

22 de janeiro: 900 mil doses

29 de janeiro: 1,8 milhão de doses

5 de fevereiro: 1,1 milhão de doses

23 de fevereiro: 1,2 milhão de doses

24 de fevereiro: 900 mil doses

25 de fevereiro: 453 mil doses

26 de fevereiro: 600 mil doses

28 de fevereiro: 600 mil doses

3 de março: 900 mil doses

8 de março: 1,7 milhão

10 de março: 1,2 milhão

15 de março: 3,3 milhões

17 de março: 2 milhões

19 de março: 2 milhões

22 de março: 1 milhão

24 de março: 2,2 milhões

29 de março: 5 milhões

31 de março: 3,4 milhões

G1

Opinião dos leitores

  1. BG!!
    Essa essa já é da que Fátima cadeado comprou??
    A família pixuleco, ze gado, tico de adauto querem se vacinar.
    ihihihihihi
    ihihihihihi
    Agora compre!!!

  2. Tá faltando gente pra receber a vacina, desde sábado o arena das dunas tá vazio, falta baixar a faixa de idades

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VACINA: Fiocruz e Butantan preveem entregar 27 milhões de doses em abril, mesmo sem receber novos lotes de insumos importados

Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

A campanha nacional de vacinação contra a Covid-19 deve receber em abril ao menos 27 milhões de doses da CoronaVac e da vacina de Oxford, de acordo com dados dos institutos pela fabricação. A previsão considera apenas o que pode ser entregue com matéria-prima que já foi importada, ou seja, a entrega dessas doses não depende da chegada de novos lotes do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA).

Veja abaixo um panorama com informações da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan:

Status da produção na Fiocruz

Contrato com ministério: 104,4 milhões de doses no 1º semestre e 110 milhões no 2º semestre

Doses entregues: 5,8 milhões (1,8 milhão de doses envasadas no Brasil e mais 4 milhões importadas prontas)

O que ainda é possível entregar com o IFA já recebido: 25,2 milhões de doses

Entrega prevista para abril: Fiocruz diz que entregará 18,8 milhões de doses envasadas no Brasil

Insumo (IFA) recebido: Cerca de mil litros, suficientes para 27 milhões de doses

Status da produção no Butantan

Contrato com ministério: 46 milhões até 30 de abril e 54 milhões até agosto

Doses entregues: 32,8 milhões (26,8 milhões envasadas no Brasil e 6 milhões importadas prontas)

O que ainda é possível entregar com o IFA já recebido: 8,2 milhões

Entrega prevista para abril: Butantan diz que entregará 13,2 milhões de doses, e aguarda novo lote de IFA

Insumo (IFA) recebido: 19,2 mil litros, suficientes para produzir 35 milhões de doses

Atrasos no IFA e problemas de produção

A produção da Fiocruz sofreu atrasos que começaram com problemas na importação do IFA. Eram aguardados ainda em janeiro insumos suficientes para 15 milhões de doses, como disse o então ministro Eduardo Pazuello. Ele explicou que, como compensação pelo atraso, a AstraZeneca se comprometeu a entregar 12 milhões de doses prontas.

Mas os atraso continuaram em fevereiro, travando a utilização da fábrica que é capaz de produzir até 1,4 milhão de vacinas por dia e impedindo as primeiras entregas previstas já para a segunda semana daquele mês. Além disso, em março, o Instituto Serum, da Índia, que fornece o insumo, também notificou o atraso no envio das doses prontas. Das 12 milhões aguardadas, apenas 4 milhões de doses prontas foram entregues.

A Fiocruz ainda teve que lidar com um problema em uma linha de produção, o que provocou a paralisação de uma semana no processo de produção no começo deste mês. De acordo com “O Globo”, o problema foi em uma máquina que tampa os frascos da vacina.

No caso do Butantan, o instituto conseguiu acelerar o envase e destaca protagonismo na vacinação apontando que é responsável atualmente por “nove em cada dez vacinas contra Covid-19 aplicadas no Brasil”. O instituto espera ao menos um novo lote de IFA na próxima semana, que seria suficiente para produzir 3 milhões de doses. Com mais esse total, o instituto chegaria a 44 milhões de doses.

Para fechar o primeiro contrato com o governo federal, ainda precisa receber insumos para outras 2 milhões de doses necessárias para chegar aos 46 milhões.

Previsões e acordos com o Ministério

A Fiocruz informou ao G1 que têm a previsão de entregar 18,8 milhões de doses da vacina de Oxford/Covishield para o Ministério da Saúde em abril. Por sua vez, o cronograma do ministério para abril é diferente e prevê 21,1 milhões de doses envasadas e mais 2 milhões de doses já importadas prontas. Tanto Fiocruz quanto o Ministério não esclareceram a diferença entre as previsões.

Para os próximos meses, segundo a Fiocruz, mais três lotes de IFA têm previsão para embarcar em abril. Em maio, serão mais quatro remessas e, em junho, será enviado o último lote. A expectativa da fundação é entregar 104,4 milhões de doses de vacinas no primeiro semestre e mais 110 milhões no segundo semestre.

Nesta segunda-feira, o Butantan entregou mais cinco milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde, totalizando 32,8 milhões de doses desde o início de janeiro. Até agosto, o instituto trabalha para entregar outras 54 milhões de doses, totalizando 100 milhões.

Desde janeiro, o Butantan já recebeu três carregamentos de insumos, totalizando 19,2 mil litros de IFA para a produção de 31,3 milhões de doses da CoronaVac. Além disso, o instituto também entregou ao Ministério da Saúde 6 milhões de doses prontas vindas da China.

Riscos de atrasos em março

Em março, três entre as quatro vacinas previstas correm risco de não entregar o número previsto pelo governo. No cronograma, o Instituto Butantan deveria entregar 23,3 milhões de doses em março. Até esta segunda-feira, foram entregues 17,6 milhões de doses em 8 datas ao longo do mês. Ainda são aguardadas 5,7 milhões de doses, que teriam que ser produzidas e entregues até quarta-feira (31).

O consórcio Covax Facility entregou o primeiro lote com 1.022.400 de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca fabricado na Coreia do Sul no domingo (21). A previsão total para março era de 2.997.600 de doses, mas a diferença, de 1.975.200, deveria chegar também até a quarta-feira.

Já a Fiocruz informou a entrega de 1,8 milhão de doses em março. A previsão do cronograma é de 3,8 milhões e, segundo a instituição, estão previstas novas entregas que irão garantir os lotes combinados.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan entrega mais 5 milhões de doses da CoronaVac ao Brasil

Foto: © REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

O Instituto Butantan liberou nesta segunda-feira(29) mais 5 milhões de doses da vacina CoronaVac ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Em todo o mês de março, já foram entregues 19,3 milhões de doses, mais do que o disponibilizado em janeiro e fevereiro.

Com o novo carregamento, o total de imunizantes disponibilizado pelo instituto ao PNI chega a 32,8 milhões de doses desde 17 de janeiro. Até o fim de abril, o total de vacinas garantidas pelo Butantan somará 46 milhões.

De acordo com as informações do governo do estado de São Paulo, a previsão é de que o Butantan entregue outras 54 milhões de doses para vacinação até o dia 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades. Atualmente, 85% das vacinas disponíveis no país contra a covid-19 são do Butantan.

Segundo o instituto, a produção da vacinas segue em ritmo constante e acelerado “No último dia 4, uma remessa de 8,2 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo), correspondente a cerca de 14 milhões de doses, desembarcou em São Paulo para produção local. Outros 11 mil litros de insumos enviados pela biofarmacêutica Sinovac, parceira internacional no desenvolvimento do imunizante mais usado no Brasil contra a covid-19, chegaram ao país em fevereiro”, informou o Butantan.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Obrigado calça cravada, se não fosse você o ICMS de São Paulo estaria mais baixo, obrigado por aumentar a pobreza de São Paulo fechando as portas de comerciantes e empresários , deixando milhares de pessoas desempregadas, se não fosse você o Brasil não passaria a vergonha de ser um país de mentirosos dizendo que o Butantan fez uma vacina que na verdade foi descoberta por profissionais americanos, obrigado Doria por trancar os paulistas em casa sem trabalhar e nos mostrar que em Miami pode entrar nas lojas sem máscara, obrigado Doria por.permitir que seu filho faça festas enquanto o cidadão não pode reunir a família porque se pegar covid não tem leitos, mas para o seu filho e amigos certamente não irá faltar.

  2. Obrigado, dória. Se fosse pelo presidente, ainda estaríamos tomando cloroquina, ozônio e remédio de verme

  3. se tivesse havido sabedoria por partes dos nossos gorvernantes estariamos numa situacao bem mas tranquila . e antes que alguem venha falar de esquerda ou direita eu sou brasileiro e que tudo desse certo . com bolsonaro/lula /quem q que seja a politizacao so esta dividindo as pessoas e com isso nos tornamos fraco. o poder hemana do povo e povo tem os gorvernantes que merecem . para refletir..

    1. Brasil nem é país de primeiro mundo e está entre os 5 que mais vacinaram.
      N sei oq reclamam tanto. Fala para não politizar, mas esse tipo de reclamação só serve p isso.

    2. Aí Gustavo. A situação do Brasil é uma maravilha? Com mais de 300 mil mortes?

      "Uruguai e Argentina passam o Brasil em ranking proporcional de vacinação contra a Covid-19
      Brasil segue em 5º no ranking mundial de doses aplicadas, mas é apenas o 60º no levantamento proporcional à população. Chile continua como exemplo na América Latina."

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan promete 40 milhões de doses da Butanvac a partir de julho

O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), informou durante coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira (26) que o governo prevê 40 milhões de doses da Butanvac a partir de julho.

A coletiva desta sexta anunciou a criação da Butanvac, uma vacinal nacional contra a Covid-19.

Segundo Doria, o início da produção da Butanvac está previsto para maio e “portanto, teremos condições para iniciar a vacinação com as 40 milhões de doses, se possível, em julho”.

O investimento para a produção do novo imunizante virá do governo estadual e do próprio Instituto Butantan.

Doria informou ainda que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) receberá ainda nesta quinta as informações necessárias para iniciar as avaliações que possam permitir o início dos testes da fase 1 em voluntários “seja iniciada imediatamente”. “Nesse momento, o senso de urgência é o senso de respeito”, disse.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que a produção da Butanvac não afetará em nada a produção da Coronavac, desenvolvida pelo Butantan em parceira com o laboratório chinês Sinovac.

Variante de Manaus

Segudo Dimas Covas, o imunizante desenvolvido pelo instituto está preparado para combater a variante do coronavírus encontrada em Manaus, no Amazonas, que é considerada mais transmissível.

“Na realidade, nós trabalhamos na versão P.1 da vacina, então quando entrar em produção será na versão P.1”, afirmou.

Tecnologia e custos de produção

Segundo Dimas Covas, o imunizante do Instituto Butantan usa a mesma tecnologia das vacinas da gripe, que é mais barata do que outras vacinas, e pode ter dose única.

“Em princípio, essas vacinas que usam essa tecnologia [da vacina da gripe] são muito baratas, as mais baratas do mundo. Esperamos que aconteça o mesmo com essa vacina [Butanvac], que ela tenha um custo bem inferior”. Segundo ele, não há recursos do Ministério da Saúde até este momento.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Diretor do Instituto Butantan diz que CoronaVac é menos vulnerável a novas variantes da Covid-19 que outras vacinas

Foto: AMANDA PEROBELLI / REUTERS

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, admitiu preocupação com o impacto que o surgimento de novas variantes do coronavírus pode ter na eficácia das vacinas, mas afirmou que as características da CoronaVac minimizam a possibilidade de problemas.

Covas participou nesta sexta-feira do lançamento do Projeto S, estudo clínico que será realizado na cidade de Serrana, na região de Ribeirão Preto, e planeja imunizar a maioria da população da cidade para avaliar o impacto da vacina em toda uma cidade.

— Temos agora uma variante que é considerada brasileira, começou no Amazonas, e potencialmente pode trazer problemas para algumas vacinas, principalmente para aquelas que são baseadas na proteína S. Incluém-se nesse tipo de vacina a da AstraZeneca, da Pfizer, a Sputnik, da Rússia, e a da Johnson & Johnson— afirmou Dimas Covas.

A CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o órgão paulista, usa um método diferente. As vacinas citadas por Dimas Covas usam tecnologia de vetor viral: os genes do coronavírus são introduzidos em outro vírus, alterado geneticamente para não se multiplicar.

— A vacina do Butantan é diferente. É baseada no vírus inteiro inativado. O vírus foi quebrado nos seus pedaços e eles formam a vacina. Quando o indivíduo recebe esses pedaços do vírus, ele produz uma resposta imunológica ampla — afirma.

A CoronaVac usa o vírus inativado. Nesse caso, o vírus inativa não consegue se replicar, mas sua presença ativa o sistema imunológico.

Por isso, argumenta Covas, a possibilidade de a CoronaVac ter sua eficácia cancelada com novas variantes é menor.

— A chance dessa vacina ter problema com as variantes é menor do que as demasi que são baseadas em um unico pedaço do vírus. Preocupa? Sim. Vamos monitorar — afirma.

Com O Globo

Opinião dos leitores

    1. Kkkkkkkkkk
      Tome não GADO.
      Tome a aftosa mesmo.
      Kkkkkkkkkkkkkkk
      Muuuuuuuuuuuuuuuuuu

    2. Todos vão tomar.
      Independente dos pitavos dessa figura.
      Ele apenas joga para uma plateia de idiotas!

  1. Essa história de variante é exatamente pra justificar a ineficiência dessas "águas" que estão aplicando na população.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Governo federal assinará na terça compra de mais 54 milhões de doses da Coronavac, diz Butantan

O Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira (29) ao Instituto Butantan que vai fechar na terça-feira (02 de fevereiro) contrato para a compra de mais 54 milhões de doses da Coronavac.

A informação foi anunciada pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, em coletiva de imprensa. No início desta semana, o governo paulista cobrou um posicionamento do governo federal e afirmou que ofereceria essas doses para países da América Latina interessados no imunizante.

Governadores também haviam feito um apelo ao Ministério da Saúde para a compra do imunizante. “Solicito ao Governo Federal celebração de contrato de compra firme do total de vacinas produzidas pelo Instituto Butantan, assim como o estabelecimento de acordo visando à apresentação do cronograma para a entrega das próximas doses, o que possibilitaria aos estados e municípios maior capacidade de planejamento na vacinação”, disse o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), em ofício.

Mesmo com a resposta positiva do ministério, Dimas Covas afirmou ainda que há doses extras para exportação. De acordo com ele, essas unidades fazem parte de um quantitativo negociado pelo laboratório chinês Sinovac e há 500 mil doses reservadas para esses países.

Até o momento, o governo federal contratou 46 milhões de doses para serem entregues até abril. Desse total, já foram encaminhadas ao governo 8,6 milhões de unidades.

Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. Kkkkkk,Zé do gado e as menininhas que fazem parte da turminha do calça apertadinha ficam todos ouriçados quando o mito dá uma paulada dessa,ADIANTE MEU PRESIDENTE,que venha 2022.

    1. pois trate de renovar suas forças pra pressionar por mais 4 anos , mito 2022 , kkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan deve receber no dia 3 de fevereiro insumo para 8,6 milhões de doses da coronavac

O governo de São Paulo afirmou nesta terça-feira (26) que os 5,4 mil litros de insumo para produção da vacina CoronaVac devem chegar ao Instituto Butantan no dia 3 de fevereiro.

“Nós tivemos essa sinalização, de que a liberação desses lotes será feita de uma maneira muito rápida, começando por esses 5,4 mil litros que foram anunciados no dia de ontem [segunda-feira, 25] e chegarão aqui na próxima semana, com previsão do dia 3 de fevereiro”, afirmou Dimas Covas, diretor do Instituto.

Segundo Dimas Covas, com a chegada da matéria-prima, o Butantan produzirá, em 20 dias, cerca de 8,6 milhões de doses do imunizante.

O anúncio foi feito em coletiva de imprensa nesta manhã, após uma conferência entre o governo paulista e o embaixador da China no Brasil, Yang Waning.

De acordo com Dimas Covas, outros 5,6 mil litros estão em processo “avançado de liberação” pelo governo chinês.

A expectativa do Instituto Butantan é a de receber, até abril, o total de insumo para produção das 40 milhões de doses contratadas.

O acordo feito entre o Instituto e o laboratório chinês Sinovac prevê o recebimento total de 46 milhões de doses. Desse montante, 6 milhões foram importadas prontas da China.

“Na sequência, há um outro volume de 5,6 mil litros, que também foi anunciado pelo embaixador, que também está em processo de liberação. Com esses dois lotes, totalizando 11 mil litros, nós regularizaremos as nossas entregas ao Ministério [da Saúde] e o restante que deverá vir no que já está planejado até o final de abril, as 40 milhões de doses que temos contratadas até este momento”, completou Dimas Covas.

Aporte adicional

Ainda na coletiva, o diretor afirmou que existe a possibilidade de o Instituto receber um aporte adicional de doses, conforme previsto em contrato, mas tal negociação depende da manifestação do Ministério da Saúde. Segundo Dimas Covas, um ofício sobre o assunto foi enviado ao Ministério na última sexta-feira (22).

“Existe a possibilidade de um adicional de 54 milhões de doses, mas para isso precisamos de uma manifestação do Ministério da Saúde. Na última sexta-feira (22), enviei um ofício solicitando essa manifestação para que nós possamos programar essa produção. O quanto antes tiver essa definição, o quanto antes faremos esse planejamento, e o quanto antes traremos essa vacina para o Brasil”, afirmou Dimas Covas.

Com G1

Opinião dos leitores

    1. A história já tem um lugarzinho pra ele. Sabujo topa tudo por dinheiro.

  1. Divulgado pela revista Veja Oeste, o ex-Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva entrou para o ranking dos líderes mais corruptos da história da humanidade.
    E adivinhe só: Lula é o número 1 da lista. Uma vitória para o Brasil (ironia).
    O Partido dos Trabalhadores (PT) é considerado o partido que mais roubou um país na história. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a corrupção durante a era Lula e Dilma pode ter sido de aproximadamente 206 bilhões de dólares, ao longo dos 13 anos do PT no poder.

    1. A Veja Oeste tem provas? Que entregue ao STF porque nem o Sérgio Moro tinha, Sherlock!

  2. O instituto Butantan está empenhado desde maio de 2020 para ter a vacina da CoronaVac, o miliciano desdenhando da vacina…
    Falou que o vírus é chinês, zombou da China, o miliciano Jr também desdenhou da China.
    A vacina decolou, o miliciano quer ser o pai da criança.
    É um crápula mesmo.

    1. Crápula é vc. E desocupado.O Governo Federal contratou Oxford em junho.
      Contratou mais de 100 milhões de doses da Coronavac.
      As vacinas foram liberadas pela Anvisa no domingo passado e começaram
      a chegar, ainda num contexto de escassez mundial.

    2. Butantã que até hoje não mostrou toda documentação necessária. Infelizmente, sem opção, temos que usá-la.

    3. Neco, meu fi…relaxe…tome uma água de côco com salgado….kkkkkkkk
      Vale a pena não, tu infarta e Bozo nem sabe quem tu é e vai continuar fazendo rachadinha…
      ?????????

    4. Vcs não estão acostumados com debates. Bolsonaro não precisa saber quem sou.

    5. DoriaVac do governo de São Paulo salvou o povo brasileiro da inépcia do governo federal.

  3. O ministério da saúde já tinha mostrado até documento sobre isso. O calça coloda quer dizer que foi ele que conseguiu? Kkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

A pedido do governo de SP, Temer entra nas negociações para liberação de insumos de vacina do Butantan que estão na China

Foto: Edilson Dantas/Agência O Globo

A pedido do governo de São Paulo, o ex-presidente Michel Temer entrou nas negociações para liberar a importação dos princípios ativos para fabricação da vacina CoronaVac no Instituto Butantan. Ele entrou em contato com um ex-embaixador da China no Brasil, com que tem boas relações, para que fosse encaminhado o pedido ao presidente chinês Xi Jinping.

Na última terça (19), Temer ligou para o ex-embaixador Li Jinzhang, que hoje trabalha no palácio presidencial da China, e recebeu a promessa de que o pedido de ajuda para liberar a importação seria levado ao presidente chinês.

A informação da entrada de Temer nas negociações foi publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” e confirmada ao blog pelo secretário de Governo de São Paulo em Brasília, Antonio Imbassahy, e pela assessoria do ex-presidente brasileiro.

Imbassahy disse ter conversado inicialmente sobre a possibilidade de Temer entrar nas negociações por saber que o ex-presidente tem boas relações com a China. Temer, por sinal, foi contratado pela chinesa Huawei para elaborar parecer jurídico sobre a participação da empresa no mercado de telefonia celular de quinta geração no Brasil.

Depois, segundo Imbassahy, o governador de São Paulo, João Doria, fez o pedido oficial para que o ex-presidente ajudasse o governo paulista nas negociações, o que acabou acontecendo na última terça-feira quando Temer ligou para o ex-embaixador da China no Brasil.

O governo de São Paulo acredita que a importação dos insumos para fabricação da CoronaVac no Brasil será liberada até o final deste mês ou no máximo início de fevereiro. Há um pedido de importação de 11 mil litros de IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), que podem produzir mais de 11 milhões de doses da vacina.

O pedido foi dividido em dois e, assim que houver a liberação, o Instituto Butantan irá receber cerca de 5,4 mil litros do insumo. Numa segunda etapa, a outra metade seria exportada para o Brasil.

Blog do Valdo Cruz – G1

Opinião dos leitores

  1. Tudo teatro. Dória tenta fazer muito bem mas já conhecemos estratégia dele.
    Já está tudo acertado e precisam dizer que foi esse “grupo” que conseguiu.
    Estão formando a base para eleições federais.
    Eles mesmo estão segurando os insumos para dizerem que conseguiram pelo país. Preocupações com os brasileiros é 0,0. Só querem poder!

  2. Tom França, bota íntima nisso iluminou depois os vermelhinhos ficam todos agitados, delirando com esse abração mais do que amigo, no Doriana no rapaz bom que derrubou Dilma do cavalo. São essas cenas que me fazem não desacreditar nos acertos de Bolsonaro, quando os cafajestes se unem tem treta. Foi assim com nove dedos, Calheiros, a Anta, Collor, Sarney, Helder Barbalho e outros bastante nocivos a nós.

  3. Quero vê os comentários viu Ze gado??
    Como é que é?
    Vai elogiar Temer??
    Sim!!
    É aquele mesmo que vcs chamam de golpista.
    Kkkkkkkkkkkk
    É de mijar de rir.
    Kkkkkkkk
    Bora petezada.
    Bora petralhada.
    Cadê um tal de tico de adauto?
    E o pixuleco?
    Eita que é personagem de mais, até esquici o nome dos outros, são tantos que acabo esquecendo.
    Mais Ta valendo.
    Kkkkkkkk
    E João eleitor do Aécio Neves?
    Também conhecido como calça colada??
    Ainda tá cheiroso ou vai passar a feder e vcs vão de andrade??
    Já sei!!
    Vão esperar as ordens do ladrão.
    Se ele mandar votar em Moro vcs votam né????
    Kkkkkkkkkk
    Kkkkkkkk
    Kkkkkk
    Kkkk
    Kk
    K

  4. Kkkkkkkkk
    Agora gostaria de saber a opinião dos Esquerdopatas/Doriana depois desse abraço do Calça Apertada no Temer. Kkkkk
    Todos os corruptos contra Bolsonaro.

  5. Mais um da "patota" de políticos que se une ao "nobre" combate ao bolsonarismo… Só gente boa contra o malvadão…Cada vez mais a certeza aumenta…#bolsonaro2022

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan envia à Anvisa pedido para uso emergencial de doses da CoronaVac envasadas no Instituto

Foto: FEPESIL/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDO

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que enviou na manhã desta segunda-feira (18) um novo pedido de uso emergencial da CoronaVac à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), desta vez solicitando autorização para todas as doses envasadas pelo Instituto.

“Ainda na manhã de hoje entramos com o pedido de uso emergencial agora para todas as doses que serão produzidas no Butantan. A primeira partida de 4,8 milhões já em disponibilidade à medida que for feita essa liberação. Uma vez aprovada, aí a produção do Butantan já será feita de acordo com essa autorização”, afirmou o diretor.

Em nota, a Anvisa confirmou que recebeu o segundo pedido de uso emergencial enviado pela Instituto Butantan, e afirmou que a solicitação “Está em análise para checagem dos documentos.”

Ainda segundo Dimas Covas, a autorização, uma vez concedida, não é limitada ao estoque atual.

“Não haverá necessidade de todo lote ser requisitado. Poderemos chegar aí à produção adicional de 35 milhões, já descontando essas 4 milhões. E, eventualmente, no acréscimo que inclusive já foi mencionado ao Ministério de 56 milhões de doses adicionais. Esperamos que essa autorização aconteça o mais rapidamente possível”, disse Dimas Covas durante coletiva de imprensa nesta tarde.

O diretor-presidente também destacou que o envio separadamente das solicitações foi feito conforme orientação da Agência.

“Entramos hoje a pedido da própria Anvisa. A Anvisa nos solicitou que terminássemos o primeiro processo e, na sequência, aplicássemos o segundo, exatamente por que a documentação é muito similar.”

A autorização dada neste domingo (17) é para as 6 milhões de doses que já chegaram prontas da China e começaram a ser distribuídas pelo Ministério da Saúde nesta manhã.

Matéria-prima

Durante a coletiva, Dimas Covas destacou que a capacidade de produção do Butantan é de envasar 1 milhão de doses por dia. O processo consiste na etapa final de produção da vacina.

“Temos um carregamento de matéria-prima pronta lá na China para ser despachado. Estamos aguardando apenas a autorização do governo chinês para poder trazer e, assim, iniciar a segunda etapa de produção”, afirmou.

“Dependemos da matéria-prima para poder continuar esse processo”.

A informação já havia sido divulgada na tarde deste domingo (17) em coletiva de imprensa após a autorização da Anvisa. No evento, o governo de São Paulo deu início a campanha de vacinação do estado, imunizando profissionais de saúde.

Na ocasião, Dimas Covas falou sobre a decisão de iniciar a vacinação poucos minutos após a aprovação da Anvisa, citando o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

“Olha, eu respeito muito o general Pazuello, mas como todo general, como todo soldado, ele foi preparado a vida inteiro para matar, para lutar, para derrotar o inimigo com uso de força bruta. Ao contrário de quem trabalha na saúde: nós somos preparados a vida inteira para salvar vidas, muitas vezes para atuar em próprio campo de batalha para recuperar os estragos feitos pelas armas que são usadas pelos militares”, comentou Dimas.

Na manhã desta segunda (18), em cerimônia no centro de distribuição do Ministério da Saúde em Guarulhos, na Grande São Paulo, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que a vacinação em todo o país começa a partir das 17h.

Autorização de vacinas na Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou neste domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial das vacinas Coronavac e da Universidade de Oxford contra a Covid-19. A reunião que discutiu o tema durou cerca de 5 horas.

Os diretores acompanharam o voto de Meiruze Freitas, relatora dos pedidos. No caso da Coronavac, a diretora condicionou a aprovação à assinatura de termo de compromisso e publicação em “Diário Oficial”.

Segundo a Anvisa, somente o termo de compromisso assinado pelo Instituto Butantan precisa ser publicado no “Diário Oficial da União”, o que pode acontecer ainda neste domingo (17) em edição extra. De acordo com a agência, o termo já está pronto e será enviado ao instituto para ser assinado e publicado assim que assinado.

Ao proclamar o resultado, o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, afirmou:

“A imunidade com a vacinação leva algum tempo para se estabelecer. Portanto, mesmo vacinado, use máscara, mantenha o distanciamento social e higienize suas mãos. Essas vacinas estão certificadas pela Anvisa, foram analisadas por nós brasileiros por um tempo, o melhor e menor tempo possível. Confie na Anvisa, confie nas vacinas que a Anvisa certificar e quando ela estiver ao seu alcance vá e se vacine.”

G1

 

Opinião dos leitores

  1. O Butantan vende ao governo federal a vacina produzida, não é doada.
    O presidente tá comprando e repassando aos Estados conforme afirmou desde o início qdo aprovado pela ANVISA.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *