Casos confirmados de dengue no RN neste ano chegam a 5.890 e chikungunya a 3.311; veja números

Sesap divulga novos números das arboviroses. Foto: Ilustrativa

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio da Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica (Suvige), divulgou nesta quarta-feira (11), o novo boletim das arboviroses no RN, referente ao período da semana epidemiológica 01 a 33, encerrada em 17 de agosto de 2019, foram notificados 27.817 casos suspeitos de dengue, sendo confirmados 5.890 casos, o que representa uma incidência de 799,57 casos por 100.000 habitantes.

Em 2018, considerando o mesmo período, foram 24.958 casos notificados e 11.035 confirmados, gerando uma incidência de 717,39 casos por 100.000 habitantes. Quanto à classificação, em 2019, do total de 5.890 confirmações, 5.654 casos foram classificados como dengue, 219 como dengue com sinais de alarme e 17 como dengue grave.

Chikungunya

Quanto à Chikungunya, da semana epidemiológica 01 a 33 de 2019, foram notificados no estado 9.063 casos suspeitos, sendo confirmados 3.311, representando uma incidência de 260.51 casos por 100.000 habitantes. Em 2018, no mesmo período, foram notificados 2.912 casos, com 1.057 confirmações, o que significa uma incidência de 83,70 casos por 100.000 habitantes.

Zika Vírus

Com relação ao Zika vírus, da semana epidemiológica 01 a 33 de 2019, foram notificados 941 casos prováveis, o que corresponde a uma incidência de 27,05 casos por 100.000 habitantes. No mesmo período de 2018, foram 425 notificações, gerando uma incidência de 12,22 casos por 100.000 habitantes. Em 2019, nenhum caso foi confirmado e em 2018, no mesmo período, houve 49 confirmações.

A Sesap orienta a realização das ações de prevenção e educação em saúde executadas pelos municípios, bem como orienta e supervisiona o trabalho realizado pelos agentes de endemias para controle do vetor, o mosquito Aedes aegypti. Além disso, são realizadas as operações de aplicação do inseticida por meio dos carros fumacê, que devem ocorrer apenas quando houver necessidade do controle de surtos e epidemias por arboviroses.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gilberto Paulo disse:

    Gostaria de saber como foram confirmados esses resultados de chikungunia e de zika, trabalho em laboratório de município do interior e minha cidade tem quase 200 amostras com resultados pendentes de realização no LACEN pra esses 2 exames. Desde o início do ano que não tem nenhum resultado por falta de kit para essas doenças. Acho que essas confirmações são por achómetro. Ou seja, subnotificações..

Casos positivos de Chikungunya são confirmados no Tirol, mas Sesap desmente informação “fake” de que se evite o bairro

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) esclarece que é falsa a informação, atribuída a esta secretaria e que vem circulando nas redes sociais, de que a população deve evitar o bairro do Tirol e demais circunvizinhos, devido a uma suposta comprovação de um alto índice de Chikungunya e viroses na região.

No início de março, foi detectada a ocorrência de casos positivos de Chikungunya nesse bairro. No entanto, já foram tomadas as providências de controle para o corte de transmissão, incluindo o UBV pesado (carro fumacê). Além disso, mesmo tendo sido identificados esses casos, os números foram inferiores aos notificados no mesmo período de 2018.

Conheça as diferenças entre os sintomas de dengue, gripe, febre amarela, zika e chikungunya

Foto: Thinkstock

Os sintomas iniciais de febre amarela, dengue, gripe, zika e chikungunya são comuns a várias doenças infecciosas causadas por vírus, como dor no corpo, dor de cabeça e dor nas juntas. Mas a partir do segundo ou terceiro dia, o vírus procura os órgãos pelos quais tem afinidade e então os sintomas de cada doença se tornam mais característicos.

A febre amarela, provocada pela picada dos mosquitos Haemagogus ou Sabethes (foto), que habitam região de mata, causa sintomas como febre com calafrio, dor de cabeça, dores musculares, mal estar e cansaço. A partir do terceiro dia, a maioria das pessoas já começa a apresentar melhora. No entanto, 15% desenvolvem complicações, entre elas hepatite e alteração do funcionamento dos rins e do coração, que podem levar à morte.

Dengue, zika e chikungunya são doenças transmitidas pelo mesmo vetor, o mosquito Aedes aegypti. Diferentemente dos mosquitos Haemagogus ou Sabethes, o Aedes aegypti vive no meio urbano e se prolifera em locais com água parada, como base de vasos (foto). Exames de sangue já são capazes de fornecer diagnósticos precisos de cada doença. Entre essas doenças, já existe vacina apenas para dengue, mas de eficácia ainda não totalmente comprovada.

Existem dois tipos mais comuns de dengue: a dengue clássica e a hemorrágica. A clássica tem sintomas similares à gripe como febre alta (em torno de 40 graus), dor de cabeça, dor nas articulações, dor atrás dos olhos, dores musculares, prostração, vermelhidão no corpo e coceira. Os sintomas regridem a partir do sétimo dia, mas a fraqueza perdura por algumas semanas. Já a hemorrágica apresenta, inicialmente, os mesmos sintomas da clássica, porém, após o terceiro dia, surgem os sinais de hemorragia, como sangramento da gengiva, do nariz e rompimentos superficiais da pele.

Em 80% dos casos, a zika não tem sintomas. Os sinais da doença geralmente são semelhantes ao de uma virose ou da dengue, porém menos agressivos. São eles: febre em torno de 38 graus, aumento dos gânglios linfáticos, dor de cabeça, dor nas articulações, erupção cutânea com coceira, fotofobia, conjuntivite, diarreia, náuseas e cansaço, que desaparecem em sete dias. Estudos comprovaram a relação da zika com a microcefalia em bebês gerados por mães que contraíram a doença na gravidez. A zika também está relacionada à Síndrome de Guillain-Barré, inflamação dos nervos periféricos que resulta em fraqueza muscular e paralisia, em geral, de forma temporária .

Assim como a dengue e a zika, a chikungunya causa febre alta, dor de cabeça, dores musculares, conjuntivite, náuseas, vômitos e vermelhidão pelo corpo. O predominante são as dores articulares, que afetam simetricamente diversas juntas e são debilitantes. O quadro evolui para cura em dez dias. A doença, em geral, não mata, mas provoca dores articulares crônicas – para a vida toda.

Já a gripe não é transmitida por mosquito, mas sim pelo contato entre uma pessoa gripada e outra saudável por meio de gotículas no ar ou pelo aperto de mão, por exemplo. A principal característica que difere a gripe da febre amarela, dengue, zika e chikungunya é a presença de secreção (catarro). Sintomas como dor de garganta e tosse são típicos da gripe e não das demais doença.

Com informações do R7 Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Geysa disse:

    Parabéns pelo blog! Excelente.

Sesap apoia municípios em ação de combate ao Aedes aegypti

Secretário de Saúde de Caraúbas e Eufrásia RibeiroA Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) está apoiando os municípios do Rio Grande do Norte na realização de ações de controle e combate à dengue, chikungunya e zika-microcefalia, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Nos últimos dias, a Sesap deu apoio a ações nos municípios de Ceará-Mirim, João Câmara, Barra de Maxaranguape, Santa Cruz, Japi e São Paulo do Potengi. Hoje à tarde foi a vez do município de Caraúbas, da região Oeste, pedir o apoio da Sesap para atividades de prevenção e controle da dengue nessa região, no período de 20 a 26 de março, envolvendo um total de 12 municípios ligados à II Diretoria Regional de Saúde.

O secretário municipal de Saúde, Onaldo Santos, foi recebido pela equipe da subcoordenadora de Informação, Educação e Comunicação (SIEC), composta de Eufrásia Ribeiro, Sônia Fernandes e Léa Patrícia. A Sesap dará apoio ao município em ações de educação, comunicação e saúde, com foco no combate ao mosquito e prevenção das doenças, como distribuição de material educativo, apresentação de vídeos, palestras, além de apresentação de grupo teatral. A programação do município ainda constará de uma audiência pública pela Câmara Municipal, envolvendo os diversos representantes da sociedade e dos 12 municípios da região.

Caraúbas registrou três casos de microcefalia e 385 notificações de dengue no último trimestre do ano passado. Na opinião de Onaldo Santos, esse será o pontapé inicial para o lançamento de uma grande campanha regional, diante dessa situação de alerta em que todos os municípios se encontram. “O município ainda deverá contar, para realização do evento, com o apoio do Ministério Público, Igrejas católicas e evangélicas, Maçonaria, Clubes de Diretores Lojistas, escoteiros e a sociedade em geral”, disse ele.

Falando sobre a necessidade de ações contínuas e integradas entre Estado, municípios e sociedade, a subcoordenadora da SIEC, Eufrásia Ribeiro, disse que o engajamento dos gestores com a Sesap repercutirá diretamente na diminuição dos índices de infestação do mosquito e das doenças nos municípios. “Infelizmente, sempre se delegou ao gestor de saúde a responsabilidade pelo combate ao Aedes. Hoje, isso está mudando e a sociedade está vendo como um problema de saúde pública, trazendo o engajamento dos diversos segmentos sociais”, concluiu.