Brasil usa vírus da gripe e bactérias para criar vacina contra covid-19

Foto: Reuters

Pesquisadores brasileiros de diferentes instituições estão empenhados em produzir uma vacina nacional contra o novo coronavírus, o que garantiria agilidade no combate à pandemia e independência de outros países. Para isso, são testados desde o vírus causador da gripe até o mecanismo usado por bactérias para enganar o sistema imune.

Essa, inclusive, é a estratégia em que o Instituto Butantan concentra seus esforços. Quando estão em ação no organismo, as bactérias liberam vesículas feitas de suas membranas externas. Essa ação confunde o sistema imunológico do corpo humano.

“A gente quer acoplar a proteína do coronavírus na superfície dessas vesículas, assim, estamos fingindo ser o vírus”, esclarece Luciana Cerqueira Leite, pesquisadora do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas do Instituto Butantan.

De acordo com Luciana, essa pequena partícula, produzida em laboratório a partir da cultura de dois tipos de bactéria – uma para fabricar a vesícula e outra a proteína igual ao do coronavírus -, possibilita aumentar 100 vezes a produção de anticorpos e também é capaz de estimular a ação de células de defesa.

“Nós já fizemos todo esse processo para a produção da vacina contra a esquistossomose [que já está em testes clínicos], então metade [da produção] já está concluída”, afirma.

Após a fabricação, a vacina será testadas em camundongos, a fim de verificar sua segurança e eficácia. A expectativa é que essa fase tenha início em um intervalo de seis meses a um ano.

A tática de pesquisadores da USP

Essa etapa já foi alcançada pela equipe coordenada pelo professor Jorge Kalil, do InCor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP). Eles também apostam em uma imitação do novo coronavírus.

Mas, nesse caso, a simulação é feita com o uso de VLPs (virus-like particles, em inglês), moléculas que se assemelham ao vírus, mas não possuem material genético para a replicação viral.

A vacina ainda será aplicada em camundongos transgênicos. Eles serão modificados com o receptor ACE-2, a enzima que o coronavírus usa para entrar na célula. Kalil deu mais detalhes sobre cada etapa em entrevista ao R7.

Em conversa com a Rádio USP, o professor destacou que existe um caminho “razoável” a ser percorrido para ir dos testes em camundongos aos testes em humanos.

“Tem vários testes em animais que serão feitos, para provar que a ideia funciona, ou seja, que os animais desenvolem anticorpos neutralizantes. Para depois, ver a toxicidade e segurança”, descreve.

Eficácia em humanos

Após verificar esses aspectos em animais, é preciso fazer o escalonamento, que significa produzir grande quantidade da vacina em boas práticas de laboratório para que ela seja testada nas pessoas. De acordo com Kalil, esse processo pode durar, no mínimo, um ano e meio.

O plano é realizar duas fases de testes em humanos: uma para verificar se a vacina é tóxica e outra para saber qual o regime de vacinação mais apropriado para desencadear respostas do sistema imunológico, ou seja, para o corpo começar a combater sozinho o novo coronavírus.

Caso essa etapa seja bem-sucedida, a vacina começará a ser produzida em larga escala e distribuída para o mercado. “Talvez leve dois anos, dois anos e meio”, estima Kalil.

Vacina para gripe e coronavírus

A equipe coordenada por Kalil troca informações com a da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) de Minas Gerais, que trabalha na produção de uma vacina bivalente: capaz de combater o novo coronavírus e o influenza, que causa a gripe.

“Nós modificamos geneticamente o vírus da gripe, que é o vírus influenza, para que ele produza tanto as proteínas do vírus da gripe quanto uma proteína que nós chamamos de imunogênica, uma proteína que induz resposta imune, no caso ao Sars-CoV-2. Esperamos que uma pessoa vacinada com esse vírus tenha uma proteção contra a covid-19 e também à influenza”, explica o pesquisador Alexandre Vieira Machado

Os testes em camundongos devem ser finalizados só no meio do ano que vem. Os próximos passos percorrem as mesmas etapas já descritas por Kalil, mas devem ter como cobaia os hamsters.

Corrida mundial

A pesquisadora Luciana ressalta que os países que estão mais avançados na busca por uma vacina já tinham uma experiência prévia adquirida em razão de outras epidemias, como a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Severa) e a Mers (Síndrome Respiratória do Oriente Médio), também causadas por outros coronavírus.

“Seria interessante que assim que uma vacina for aprovada, essa tecnologia fosse distribuída [a outros países] para ampliar a capacidade de produção”, afirma a pesquisadora. “Aqui temos capacidade de produção, mas isso envolve muitas negociações internacionais, o que dificulta o processo”, pondera.

Kalil, por sua vez, defende que a melhor saída é produzir uma vacina brasileira. “Essa vacina, se nós não tivermos a nossa, se for feita na Inglaterra, primeiro eles vão vacinar os ingleses, depois americanos, depois europeus, depois chineses… Para nós termos acesso a essa vacina, vai demorar”, analisa.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Eros disse:

    A melhor forma de combater será produzir uma vacinaBrasileira, porque o Covid-19 sofreu mutações ao atingir a fase de transmissão comunitária no Brasil. “Nosso” vírus e um pouco diferente dos demais países. Então, somente as instituições de pesquisa brasileiras poderão encontrar uma vacina eficaz

Campanha contra gripe inicia nova etapa de vacinação nesta segunda

Foto: Reprodução

Começa nesta segunda-feira(18) a segunda etapa da terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, que pretende imunizar até o dia 5 de junho mais 36,1 milhões de pessoas, número que corresponde a 90% do público-alvo dessa etapa.

Nesta etapa, a campanha tem como foco principal os professores de escolas públicas e privadas e adultos de 55 a 59 anos de idade. Já a primeira etapa (da terceira fase da campanha) teve como público-alvo pessoas com deficiência; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes e mães no pós-parto até 45 dias.

De acordo com o balanço mais atualizado do Ministério da Saúde, 60,5% do grupo prioritário tinham sido vacinados contra a influenza nas duas primeiras fases da campanha, o que corresponde a um total de 39,6 milhões de doses da vacina aplicadas.

Fases anteriores

Em levantamento divulgado no início da semana passada, o ministério informou ter distribuído 63,2 milhões de doses da vacina. Até então, na segunda fase da campanha, iniciada em 16 de abril e encerrada no dia 8 de maio, apenas 36% (ou 5,6 milhões de pessoas) do público-alvo foram vacinados. O número era 10 milhões inferior ao total de pessoas do grupo pretendido.

A segunda fase da campanha teve como público-alvo povos indígenas, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivos, trabalhadores portuários, membros das forças de segurança e salvamento; pessoas com doenças crônicas e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Na primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação, dirigida a idosos com 60 anos ou mais e a trabalhadores da saúde, mais de 18,9 milhões de idosos foram vacinados, o que corresponde a 90,66% desse público.

Agência Brasil

 

Campanha de Vacinação contra gripe terá nova etapa a partir de segunda

Foto: © Marcello Casal JrAgência Brasil

A terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe encerrará, neste domingo (17), a primeira de suas duas etapas tem como público-alvo, pessoas com deficiência; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes e mães no pós-parto até 45 dias.

No caso das mães que se encontram no período pós-parto, o ministério informa ser necessária a apresentação de um documento que comprove o puerpério (certidão de nascimento, cartão da gestante, documento do hospital onde ocorreu o parto, entre outros).

A segunda etapa da terceira fase vai de 18 de maio até 5 de junho. Nela serão incluídos professores de escolas públicas e privadas e adultos de 55 a 59 anos de idade. A exemplo das demais fases, a meta do governo é vacinar pelo menos 90% de cada um desses grupos. Na terceira fase, a meta é imunizar 36,1 milhões de pessoas do grupo prioritário.

De acordo com o balanço mais atualizado do Ministério da Saúde, 60,5% do grupo prioritário havia sido vacinado contra a influenza nas duas primeiras fases da campanha, o que corresponde a um total de 39,6 milhões de doses da vacina aplicadas.

Para evitar sobreposição com relação ao número de pessoas vacinadas, o percentual divulgado pelo ministério não inclui os grupos de pessoas com comorbidades, membros das forças de segurança e salvamento, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivos, trabalhadores portuários e o público relacionado com o sistema prisional, uma vez que, nesses quantitativos, o que se tem são estimativas populacionais.

“O quantitativo desse público é uma estimativa e pode haver sobreposição a partir de pessoas que integram diferentes grupos prioritários, por exemplo, ser caminhoneiro (público-alvo da segunda fase) e idoso (público-alvo da primeira fase). Assim, é possível informar apenas o número de doses, de fato, aplicadas da vacina contra a gripe nestes grupos que foi 7,5 milhões”, explicou o Ministério da Saúde em e-mail enviado à Agência Brasil.

Fases anteriores

Em levantamento divulgado no início da semana, o ministério informou ter distribuído 63,2 milhões de doses da vacina. Até então, na segunda fase da campanha iniciada em 16 de abril e encerrada no dia 8 de maio, apenas 36% (ou 5,6 milhões de pessoas) do público-alvo foram vacinados. O número era 10 milhões inferior ao total de pessoas do grupo pretendido.

A segunda fase da campanha teve como público-alvo povos indígenas, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivos, trabalhadores portuários, membros das forças de segurança e salvamento; pessoas com doenças crônicas e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Na primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação, dirigida a idosos com 60 anos ou mais e a trabalhadores da saúde, mais de 18,9 milhões de idosos foram vacinados, o que corresponde a 90,66% deste público.

Agência Brasil

Começa nesta segunda a 3ª fase da Campanha Nacional de Vacinação contra gripe

Foto: Tânia Rêgo – Agência Brasil

A terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe foi iniciada nesta segunda-feira(11). De acordo com o Ministério da Saúde, ela será dividida em duas etapas. A primeira vai até 17 de maio e tem como público-alvo pessoas com deficiência; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes; e mães no pós-parto até 45 dias.

Na segunda etapa, a partir do dia 18 de maio e até 5 de junho, serão incluídos professores de escolas públicas e privadas e adultos de 55 a 59 anos de idade.

A exemplo das demais fases, a meta do governo é vacinar pelo menos 90% de cada um desses grupos. Na segunda fase da campanha – iniciada em 16 de abril e encerrada no dia 8 de maio em todo o país – apenas 36% (ou 5,6 milhões de pessoas) do público-alvo foram vacinados. No último balanço divulgado pelo ministério semana passada, 10 milhões de pessoas do grupo pretendido ainda foram vacinadas.

A segunda fase da campanha teve como público-alvo povos indígenas, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivos, trabalhadores portuários, membros das forças de segurança e salvamento; pessoas com doenças crônicas e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Profissionais de transporte coletivo (motoristas e cobradores), caminhoneiros e portuários foram os que registraram a menor procura na segunda fase da campanha. Até o momento, apenas 467 mil doses foram aplicadas, quando a estimativa era a de vacinar 2,6 milhões de profissionais.

Primeira fase

Na primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação, dirigida a idosos com 60 anos ou mais e a trabalhadores da saúde, mais de 18,9 milhões de idosos foram vacinados, o que corresponde a 90,66% deste público. No caso dos trabalhadores da saúde, 3,8 milhões de profissionais foram imunizados, o que corresponde a apenas 75,5% da meta.

“Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais devem apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS (Sistema Único de Saúde) deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receber a vacina, sem a necessidade de apresentação de prescrição médica”, informou, por meio de nota, o Ministério da Saúde.

Gripe Influenza

Até 18 de abril deste ano, houve 1.696 casos de pessoas hospitalizadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave por conta da gripe Influenza em todo o país. O governo contabiliza 163 mortes pela doença.

Do total de casos cuja subtipagem foi identificada, 468 foram de influenza A (H1N1), com 66 óbitos; 45 casos e 10 óbitos por influenza A (H3N2), 263 de influenza A não subtipado, com 43 mortes; e 399 casos e 44 óbitos por influenza B.

Agência Brasil

Terceira fase da Campanha Nacional Contra Gripe começa segunda-feira

Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

A terceira fase da Campanha Nacional Contra a Gripe acontece da próxima segunda-feira, 11 de maio, a 06 de junho dividido em duas etapas. Pessoas com deficiência, professores da rede pública e privada, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias), e pessoas de 55 anos a 59 anos de idade serão o público alvo desta terceira fase da vacinação contra influenza, vacina que protege dos vírus causadores de gripes como influenza A(H1N1), A(H3N2) e Influenza B.

Para evitar aglomerações, o público alvo será dividido em dois grupos nesta etapa da vacinação, sendo: de 11/05 à 17/05 exclusivo para crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com deficiência, gestantes e puérperas (mulher em período pós-parto) até 45 dias. De 18/05 à 06/06 exclusivo para pessoas de 55 anos a 59 anos de idade e professores da rede pública e privada.

Nesta etapa da campanha, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS-Natal) disponibilizará doses que serão distribuídas nas 63 salas de vacinação das Unidades Básicas de Saúde (UBS). Vaneska Gadelha, chefe do Núcleo de Agravos Imunopreveníveis da SMS-Natal, alerta que “imunizar essa população é garantir imunidade às gerações futuras. Vale ressaltar que o cartão de vacina é algo indispensável no momento da vacinação, principalmente por essa terceira fase se tratar de crianças, gestantes e puérperas. Devemos ter uma atenção especial para este público” finaliza Vaneska.

SOBRE A CAMPANHA DE INFLUENZA 2020

A primeira da fase da campanha de Influenza foi destinada ao público idoso, a partir de 60 anos e aos profissionais da saúde. Natal conseguiu atingir a meta em apenas cinco dias vacinando 90% do público idoso. Na segunda etapa da campanha contra influenza, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 15 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade foram o público-alvo. Até o final da campanha, o município estima atingir 250 mil pessoas em 2020.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pryscilla disse:

    Deveriam fazer como fizeram com os idosos: Vacinação em carros e condomínios. Evitaria colocar crianças e lugares de risco. Já estão sem aula por causa disso……

Sesad divulga panorama da vacinação contra a gripe em Parnamirim

FOTO: ASCOM – Ana Amaral

Na primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, Parnamirim teve uma participação da população muito expressiva. Os grupos prioritários neste primeiro momento são os idosos com mais de 60 anos e os profissionais da saúde. Ambas as categorias já tiveram as metas superadas na cidade.

Até o momento foram vacinados 4.433 trabalhadores da saúde, o que corresponde a 105,42% da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, de vacinar 4.205 pessoas dentro desse grupo de risco. Já no caso das pessoas idosas com mais de 60 anos, o estabelecido pelo MS foi vacinar 15.447 pessoas. Nesta segunda-feira (6) Parnamirim já conseguiu imunizar 17.792 cidadãos nessa faixa etária, o que corresponde ao satisfatório resultado de 115,18% da meta predeterminada.

De acordo com dados da Sesad todas as unidades ainda tem doses, porém esse panorama pode mudar a qualquer momento, visto que a vacinação continua em todos os bairros, inclusive dentro dos condomínios. O Ministério da Saúde ainda não informou quando um novo lote de vacinas deve chegar.

A Campanha Nacional de Vacinação segue o calendário e deve continuar imunizando exclusivamente o grupo dos idosos e profissionais da saúde até o próximo dia 15 de abril. A partir do dia 16 será iniciada uma nova fase da campanha, na qual serão vacinados os doentes crônicos, profissionais das forças de segurança e salvamento, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários.

Comunicado aos beneficiários – Unimed Natal: sistema de Drive-thru para imunizar os seus beneficiários maiores de 60 anos

Foto: Divulgação

Comunicado aos beneficiários

A Unimed Natal em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde criou um esquema especial para imunizar os seus beneficiários maiores de 60 anos com medidas para evitar a aglomeração de pessoas e impedir a proliferação do coronavírus.

Como num sistema de Drive-thru, os beneficiários não precisarão sair de seus carros para a aplicação da vacina contra a gripe Influenza e H1N1.

Data: 25/03/2020 (quarta) a 27/03/2020 (sexta)
Horário: 08:00 às 17:00h
Local: Estacionamento Centro Clínico Via Direta – Av. Senador Salgado Filho, 2233, Lagoa Nova

Obs: O Centro Clinico Via Direta e o Shopping estarão vazios e poderão receber na sua recepção os beneficiários que porventura se deslocarem para a unidade sem veiculo e não puderem entrar na fila de carros.

Apresentar:
Documento de identidade com Foto
Cartão beneficiário
Cartão vacina

VÍDEO: Congestionamento é registrado na Lima e Silva, próximo ao Arena das Dunas, devido a fila da vacina contra a gripe

Via Certa Natal destaca na tarde desta terça-feira(24) um trânsito travado na Avenida Lima e Silva, próximo ao Arena das Dunas. Segundo o registro, o congestionamento acontece devido a fila da vacina contra a gripe.

Prefeitura de Parnamirim emite nota sobre vacina contra a gripe

A Secretaria Municipal de Saúde informa que receberá o segundo lote de vacinas contra a gripe nesta quinta (26), para abastecer os postos de saúde de Parnamirim. Devido à antecipação da campanha nacional, em virtude do enfrentamento do Coronavírus, o Governo Federal tem optado por distribuir as dosagens separadas por lotes, para estados e municípios. Nesta primeira etapa estão sendo vacinados idosos e servidores da saúde. Para o início da campanha o Governo Federal enviou 9.500 doses. Para este segundo lote o Ministério da Saúde vai liberar mais 3.600 doses. As vacinas são distribuídas de maneira uniforme entre os postos, sendo que em alguns a procura é maior do que em outros. A campanha prossegue até o dia 15 de abril, tempo suficiente para atender a todos, sem a necessidade de aglomeração ou de grandes filas.

FOTO: Em grupo de risco do coronavírus, idosos formam filas em Natal durante vacinação da gripe

Foto: Reprodução/Instagram

Leitora do Blog do BG destaca nesta manhã uma situação alarmante durante a campanha de vacinação contra a gripe iniciada nesta segunda-feira(23). Conforme imagem em destaque, e também com denúncias por outros locais na capital potiguar, notam-se idosos em filas, em plena pandemia de coronavírus.

Vale lembrar que os idosos fazem parte do grupo de risco do coronavírus, que vem fazendo milhares de vítimas fatais pelo mundo. Como bem destacou a internauta, “estas são as medidas sanitárias para os grupos de risco?”.

Outro ponto que vale destaque são os inúmeros alertas divulgados recentemente para o reforço do isolamento social nos próximos dias,  provável período de maior contágio no país do Covid-19, segundo estudos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão Atento disse:

    Por que os agentes de saúde não podem sair de casa em casa levando essa vacinação?

  2. João Medeiros disse:

    Pq é tão difícil para a PMN espalhar os postos de vacinação nas escolas estaduais, haja vista que estão fechadas?

  3. Antônio disse:

    A responsabilidade da vacinação é da prefeitura bebê

  4. Delano disse:

    A governadora do pt luta pela contaminação generalizada, essa fila idealizada por ela, será como uma vitória pra ela

  5. Zuza disse:

    Ora, certamente vários idosos que estão nessas filas serão infectados e podem vir a morrer. A maior parte é formada de aposentados e pensionistas. Morrendo, menos ônus para Estado e União. Horrível.

  6. Juliano disse:

    Absurdo isso!!!! A própria saúde dando péssimo exemplo.. fica um bocado de "dondoquinhas" nas repartições só ditando ordens e fazendo tudo errado. Mas unidades de atendimento fica os pacientes suspeitos nós meios dos corredores sem nenhuma proteção, sem isolamento e transmitindo pra todo mundo. Vai acontecer que muitos profissionais de saúde irão adoecer e não terminar o caos.

  7. Pedro disse:

    Não amigo, apesar do momento, é importante que a campanha aconteça, o que não pode, é deve acontecer, é isso que a fotografia mostra, a gerência dessa ação devia estar atenta a este tipo de problema, procurando minimizar. Por outro lado, os clientes das vacinas não são mais crianças e deveriam colaborar com essa situação. Sou do grupo de risco, fui a dois supermercados, filas enormes e aglomerados, dei meia volta e fui para casa. Essa vacinação ira ocorrer durante toda a semana, de preferência por ordem alfabética.. Inclusive foi divulgado os dias de cada letra.

  8. Bento disse:

    Quanta falta de organização.
    Falta de respeito para quem um dia carregou este PAÍS nas costas.
    Será que tudo isso não passa de um plano para enfraquecer a melhor idade

  9. realista disse:

    um absurdo isso , será que essa campanha não poderia esperar ? , a recomendação é pra ficarem em casa e agora aglomeram idosos , um absurdo.

Remédio para gripe usado no Japão curou pacientes da Covid-19 em 4 dias, informam chineses

Segundo profissionais de saúde da China, um medicamento usado no Japão para tratar casos específicos de gripe parece ser eficaz em pacientes com a Covid-19, causada pelo novo coronavírus. Zhang Xinmin, do ministério de ciência e tecnologia chinês, disse que o favipiravir, desenvolvido por uma subsidiária da Fujifilm, produziu resultados encorajadores em ensaios clínicos em Wuhan e Shenzhen envolvendo 340 pacientes.

De acordo com os médicos chineses, os pacientes que receberam o medicamento em Shenzhen testaram negativo para o vírus após cerca de quatro dias. Essa é uma queda considerável, considerando que a infecção costuma durar em torno de 11 dias.

Outro ponto positivo observado pelos especialistas diz respeito aos pulmões dos infectados pelo coronavírus. Estudo recente mostrou que entre 20% e 30% das pessoas afetadas pelo agente infeccioso terão danos permanentes no sistema respiratório. Entretanto, segundo os cientistas chineses, cerca de 91% dos pacientes tratados com o medicamento japonês apresentaram melhorias na condição pulmonar — entre os que não receberam o medicamento, esse índice foi de 62%.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a Fujifilm Toyama Chemical, que desenvolveu o remédio, se recusou a comentar. No Japão, pesquisadores também estão usando o medicamento em estudos clínicos em pacientes com sintomas leves ou moderados da Covid-19. Mas, segundo o ministério da saúde japonês, a droga não é tão eficaz em pessoas com sintomas graves.

Galileu

Bolsonaro é monitorado após secretário apresentar sintomas de gripe e fazer teste de coronavírus

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

O presidente Jair Bolsonaro e integrantes da comitiva que o acompanhou a Miami, nos Estados Unidos, estão sendo monitorados após o secretário especial de Comunicação, Fábio Wajngarten, apresentar sintomas de gripe e ser submetido a um teste para o coronavírus. Entre o final da tarde e o início da noite de quarta-feira, o grupo passou a receber ligações do gabinete da Presidência pedindo que diante de qualquer sintoma fizesse o comunicado imediatamente e procurasse um hospital militar em Brasília para fazer os exames, segundo integrantes da comitiva que falaram com o Estado em caráter reservado. Bolsonaro completa 65 anos no dia 21.

Nesta quinta-feira, 12, o presidente cancelou viagem ao Rio Grande do Norte. O ministro do desenvolvimento regional, Rogério Marinho, afirmou que o evento oficial foi cancelado por “razões de segurança sanitária”. “A decretação ontem da Organização Mundial da Saúde de uma pandemia mundial nos obriga a ter segurança com a saúde do presidente e as pessoas ao seu entorno”, afirmou Marinho na sua conta oficial do Twitter. O governo federal negou que o cancelamento da agenda do presidente tenha a ver diretamente com a suspeita do chefe da Secom estar com coronavírus.

Decidimos adiar o evento Aqui é Rio Grande do Norte, Aqui é Brasil, que seria realizado hoje em Mossoró. Em breve, anunciaremos uma nova data para as entregas do governo ⁦@jairbolsonaro⁩ na região. pic.twitter.com/eYikfy6NeP — Rogério Marinho (@rogeriosmarinho) March 12, 2020

Participaram da comitiva aos Estados Unidos, entre sábado e terça-feira, os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Bento Albuquerque (Minas e Energia). Também viajaram os senadores Nelsinho Trad (PTB-MS) e Jorginho Mello (PL-SC); os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Daniel Freitas (PSL-SC), o assessor especial Filipe Martins, o presidente da Embratur, Gilson Machado, o secretário especial de Pesca, Jorge Seif Jr, entre outros.

Pessoas que conversaram com Wajngarten, em caráter reservado, afirmam que ele apresenta sintomas de gripe e aguarda os resultados do exame para esta quinta-feira, 12. Durante a viagem, o chefe da Secom tomava café da manhã com o presidente em uma sala reservada. Nos Estados Unidos, o grupo que acompanhou Bolsonaro fazia deslocamentos em vans. Apenas o presidente seguia em carro separado.

Na quarta-feira, após o jornal Folha de S.Paulo revelar que Wanjgarten havia passado por exames no Hospital Israelita Albert Einstein, o secretário de Comunicação foi ao Twitter criticar a imprensa, mas não negou que tenha realizado os testes. “Em que pese a banda podre da imprensa já ter falado absurdos sobre minha religião, família e minha imprensa, agora falam da minha saúde. Mas estou bem, não precisarei de abraços de Dráuzio Varella”, escreveu, mencionando o médico que passou a ser alvo de ataques após reportagem de Fantástico, da Rede Globo, em que abraçou uma transexual condenado pela morte e estupro de uma criança.

Questionada oficialmente, a Secom disse que o Palácio do Planalto não comentaria sobre o assunto.

Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pessoa disse:

    Homi não morreu de uma facada,de um gripe e que não vai! #Pracimadelescapitao.

  2. Fernando disse:

    Num foi o próprio Bozo que afirmou que o vírus era uma "fantasia da imprensa"?! Não entendi o porquê de tanta preocupação…

  3. Gado veio disse:

    Caso "confirme" o Corona vírus em Bolsonaro não é de se espantar sempre que as coisas estão ficando ruins ele tem que adoecer , fazer cirurgia , levar uma facada…

  4. Luiz Antônio disse:

    O coronavírus é muito fraco em relação ao bolsonavírus.

  5. Giba disse:

    É só pedir pra o Edir Macedo, o malafaia, e o Feliciano pra orar pra ele se servi a oração destes pastores ele cura kkkk

  6. Joao disse:

    Deus te livre, mas quem nos dera!

  7. Barba disse:

    Kkkkk. Dia 15 o gado vai tá reunido. Depois terá aquela hainiken ou aquele shop no out back! O honesto presidente!me divirto muito com vcs

    • Silvino disse:

      Fica ruminando no curral dos adoradores de CORRUPTOS condenados. Tá bonito! Rsrsrs

  8. Bryan Laranjeiras disse:

    Vixe, vixe, vixe…………….será?

  9. Alvaro disse:

    Isto é coisa da mídia, querem afetar o presidente com História de coronavirus.

    • Brasil e RN acima de tudo disse:

      Coisa da mídia? O secretário de comunicação está com o covid-19 e quem teve contato com ele corre o risco de ter sido contaminado, encare os fatos.

  10. Fora bolsotralhas disse:

    Levar logo esse bolsovirus

    • Paulor disse:

      Ptralha detectado KKK Vamos rezar meu querido e honesto presidente.. nada vai lhe acontecer Deus está ao lado. vida loga ao Mito.

    • Ptralhas disse:

      Só comenta asneiras.

Com sintomas de gripe, Papa Francisco passa mal e cancela compromisso em Roma

Foto: Remo Casilli / REUTERS

O Papa Francisco está “ligeiramente indisposto” e cancelou um evento na basílica de Roma, mas está cumprindo o restante da agenda em sua residência, informou o Vaticano nesta quinta-feira. Ele estaria gripado.

“Por causa de uma ligeira indisposição, ele preferiu ficar em Santa Marta”, disse o Vaticano, referindo-se à casa de hóspedes onde o Pontífice de 83 anos mora. “Todos os outros compromissos irão em frente normalmente”, acrescentou o porta-voz Matteo Bruni.

Era prevista uma visita do Papa à Basílica de São João de Latrão na manhã desta quinta-feira para um serviço quaresmal com padres romanos.

O Vaticano divulgou uma foto do papa e do cardeal Antonio Tagle, um filipino que acaba de assumir um cargo novo no Vaticano, reunidos na manhã desta quinta-feira com membros do Movimento Climático Católico Global, um grupo ambientalista internacional. A reunião ocorreu em um edifício situado a poucos passos da casa de hóspedes.

O Papa parecia estar gripado e falou com uma voz ligeiramente rouca em sua audiência geral na quarta-feira. Francisco também tossiu durante um serviço da Quarta-Feira de Cinzas realizado em uma igreja romana na parte da tarde.

O Pontífice não tem parte de um pulmão, que foi retirada quando ele tinha em torno de 20 anos e morava em Buenos Aires, por causa de uma tuberculose, de acordo com o biógrafo Austen Ivereigh.

Ele também sente dores na perna por causa do nervo ciático, o que o obriga a fazer fisioterapia frequente e explica sua dificuldade ocasional ao subir degraus. Mas, no geral, o Papa está com boa saúde e suportou cerca de quatro viagens internacionais exigentes a cada ano desde que foi eleito em 2013.

Alguns serviços da Quarta-Feira de Cinzas foram cancelados ou limitados em áreas do norte da Itália atingidas pela disseminação do coronavírus. Mais de 400 pessoas contraíram a doença e 12 morreram no país, o pior contágio de coronavírus registrado na Europa até o momento.

Várias pessoas foram à Praça de São Paulo para a audiência de quarta-feira com máscaras, mas só uma pessoa foi vista usando uma durante o serviço da Quarta-Feira de Cinzas conduzido pelo Papa.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luciano disse:

    Pegou o coronavirus, abraçando e beijando todo mundo de todo canto, será se pegou de Lula?

  2. Marsulino disse:

    Minino roubaram até a saúde do Papa. Tem jeito não aonde vão a esculhambação os acompanha.

  3. Maria suvaqueira disse:

    Onde luladrão e seus comparsas passam restam só ruínas. Aguardar o novo papa.

  4. Médico disse:

    Recebeu Lula, não existe nenhum vírus pior do que o Luladrão19dedos. Aguente as consequências.

    • Gabriel disse:

      Respeite a categoria médica, ao se auto intitular médico.

      Não passa de um canalha de última categoria.

    • Francisco disse:

      Doutor médico, obrigado por brilhante opinião. Esse luladrão foi pior que coronavírus, pelos seus atos criminosos, milhares morreram por causa dos bilhões de reais roubados e deveriam ser usado na segurança para diminuir a violência, e nos hospitais do país, isso aconteceu entre tantos outros casos estarrecedores.

  5. Luiz Fernando disse:

    Foi a "peste lula" que pegou ele .

  6. Cigano Lulu disse:

    Foi só uma tossezinha, bebê. Acalme-se.

Toda a população pode se vacinar contra a gripe a partir desta segunda

Os grupos prioritários tiveram entre os dias 10 de abril e 31 de maio para se vacinar com exclusividade – Tomaz Silva/Agência Brasil

A partir desta segunda-feira (3), toda a população pode se vacinar contra a gripe, inclusive quem faz parte do público prioritário e que ainda não se vacinou. De acordo com o Ministério da Saúde, a vacinação vai continuar enquanto durarem os estoques da vacina.

Até a última sexta-feira (31), quando terminou a campanha nacional, quase 80% do público prioritário foi vacinado, o que representa 47,5 milhões de pessoas. Os grupos prioritários tiveram entre os dias 10 de abril e 31 de maio para se vacinar com exclusividade.

Durante esse período, foram priorizados 59,4 milhões de pessoas, entre elas, gestantes, puérperas, crianças entre 6 meses a menores de 6 anos, idosos, indígenas, professores, trabalhadores de saúde, pessoas com comorbidades, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade, além de profissionais de segurança e salvamento.

Até agora, seis estados já bateram a meta de 90%: Amazonas (98,5%), Amapá (98,5%), Pernambuco (93,6%), Espírito Santo (91,3%), Rondônia (90,4%) e Maranhão (90%). Os estados com menor cobertura são: Rio de Janeiro (63,7%), Acre (73%) e São Paulo (73,1%).

Segundo o ministério, a escolha do público prioritário no Brasil segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) por serem grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias. A vacina é a forma mais eficaz de evitar a doença.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tico de Adauto disse:

    Governo federal irresponsável. Divulga sem ter a vacina disponível.

  2. Ewerton disse:

    As vacinas em vários postos de saúde acabaram antes do meio dia. Absurdo.

  3. Leniene Lucena Lima disse:

    Acho melhor se interarem melhor essa informacao pois esta faltando vacina nos Posto de Saude , digo isso com conhecimento pois hoje mais uma vez fui e NAO fui vacinada ok

Gripe já matou 99 pessoas no Brasil, sendo quatro no RN; vacinação segue até 31 de maio

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Até 27 de abril, pelo menos 535 pessoas foram hospitalizadas este ano no Brasil por síndrome respiratória aguda grave causada por influenza e 99 morreram em decorrência do quadro.

De acordo com o Ministério da Saúde, do total de óbitos, 90% ocorreram em pessoas que já apresentavam fatores de risco para a gripe, como idosos, pacientes com doença crônica, crianças, gestantes, indígenas e puérperas.

O novo boletim epidemiológico revela que o vírus H1N1 é predominante no país, até o momento, e responsável pela maior parte das mortes por influenza – sozinho, ele responde por 254 casos e 89 óbitos. Foram identificados ainda 54 casos de influenza A (H3N2); 38 de influenza A não subtipado; e 62 casos de influenza B. Outros 127 casos, segundo a pasta, ainda não tiveram o subtipo identificado.

Ainda de acordo com o levantamento, nos primeiros meses de 2019, a circulação de vírus do tipo influenza se deu com maior intensidade e de forma localizada no Amazonas, que registrou 139 casos e 35 óbitos. O estado de São Paulo também se destaca, com 107 casos e 7 óbitos.

Outros estados registraram mortes são: Paraná (11); Pará (7); Espírito Santo (6); Tocantins (5); Rio Grande do Norte (4); Ceará (3); Rondônia (3); Acre (2); Alagoas (2); Sergipe (2); Rio de Janeiro (2); Santa Catarina (2); Mato Grosso do Sul (2); Amapá (1); Bahia (1); Minas Gerais (1); Rio Grande do Sul (1); Mato Grosso do Sul (1), além do Distrito Federal (1).

Campanha

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou no dia 10 de abril e segue até 31 de maio em todo o país. Devem receber a dose trabalhadores da saúde; indígenas; idosos; professores; pessoas com doenças crônicas e outras categorias de risco clínico; população privada de liberdade, incluindo jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; funcionários do sistema prisional; e profissionais das forças de segurança e salvamento.

O último balanço da vacinação mostra que, até a última terça-feira (7), 45,3% da população prioritária havia sido imunizada. Entre os grupos, as puérperas registraram maior cobertura vacinal (64,3%), seguido por idosos (52,5%), gestantes (51,2%), crianças (48%) e indígenas (45,1%).

Os grupos que menos se vacinaram foram profissionais das forças de segurança e salvamento (10,9%), população privada de liberdade (11,9%), pessoas com comorbidades (34,3%), funcionários do sistema prisional (35,8%), trabalhadores de saúde (40,3%) e professores (41,2%).

Agência Brasil

 

Conheça as diferenças entre os sintomas de dengue, gripe, febre amarela, zika e chikungunya

Foto: Thinkstock

Os sintomas iniciais de febre amarela, dengue, gripe, zika e chikungunya são comuns a várias doenças infecciosas causadas por vírus, como dor no corpo, dor de cabeça e dor nas juntas. Mas a partir do segundo ou terceiro dia, o vírus procura os órgãos pelos quais tem afinidade e então os sintomas de cada doença se tornam mais característicos.

A febre amarela, provocada pela picada dos mosquitos Haemagogus ou Sabethes (foto), que habitam região de mata, causa sintomas como febre com calafrio, dor de cabeça, dores musculares, mal estar e cansaço. A partir do terceiro dia, a maioria das pessoas já começa a apresentar melhora. No entanto, 15% desenvolvem complicações, entre elas hepatite e alteração do funcionamento dos rins e do coração, que podem levar à morte.

Dengue, zika e chikungunya são doenças transmitidas pelo mesmo vetor, o mosquito Aedes aegypti. Diferentemente dos mosquitos Haemagogus ou Sabethes, o Aedes aegypti vive no meio urbano e se prolifera em locais com água parada, como base de vasos (foto). Exames de sangue já são capazes de fornecer diagnósticos precisos de cada doença. Entre essas doenças, já existe vacina apenas para dengue, mas de eficácia ainda não totalmente comprovada.

Existem dois tipos mais comuns de dengue: a dengue clássica e a hemorrágica. A clássica tem sintomas similares à gripe como febre alta (em torno de 40 graus), dor de cabeça, dor nas articulações, dor atrás dos olhos, dores musculares, prostração, vermelhidão no corpo e coceira. Os sintomas regridem a partir do sétimo dia, mas a fraqueza perdura por algumas semanas. Já a hemorrágica apresenta, inicialmente, os mesmos sintomas da clássica, porém, após o terceiro dia, surgem os sinais de hemorragia, como sangramento da gengiva, do nariz e rompimentos superficiais da pele.

Em 80% dos casos, a zika não tem sintomas. Os sinais da doença geralmente são semelhantes ao de uma virose ou da dengue, porém menos agressivos. São eles: febre em torno de 38 graus, aumento dos gânglios linfáticos, dor de cabeça, dor nas articulações, erupção cutânea com coceira, fotofobia, conjuntivite, diarreia, náuseas e cansaço, que desaparecem em sete dias. Estudos comprovaram a relação da zika com a microcefalia em bebês gerados por mães que contraíram a doença na gravidez. A zika também está relacionada à Síndrome de Guillain-Barré, inflamação dos nervos periféricos que resulta em fraqueza muscular e paralisia, em geral, de forma temporária .

Assim como a dengue e a zika, a chikungunya causa febre alta, dor de cabeça, dores musculares, conjuntivite, náuseas, vômitos e vermelhidão pelo corpo. O predominante são as dores articulares, que afetam simetricamente diversas juntas e são debilitantes. O quadro evolui para cura em dez dias. A doença, em geral, não mata, mas provoca dores articulares crônicas – para a vida toda.

Já a gripe não é transmitida por mosquito, mas sim pelo contato entre uma pessoa gripada e outra saudável por meio de gotículas no ar ou pelo aperto de mão, por exemplo. A principal característica que difere a gripe da febre amarela, dengue, zika e chikungunya é a presença de secreção (catarro). Sintomas como dor de garganta e tosse são típicos da gripe e não das demais doença.

Com informações do R7 Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Geysa disse:

    Parabéns pelo blog! Excelente.