RETOMADA DO TRABALHO FORMAL: Maioria das capitais cria empregos com carteira assinada

Foto: Agência O Globo

Mais da metade das capitais brasileiras já vivencia a retomada do emprego formal. Levantamento feito pela consultoria Tendências, a pedido do GLOBO, mostra que, nos oito primeiros meses do ano, o saldo de vagas com carteira assinada foi positivo em 14 delas, considerando os 26 estados e o Distrito Federal.

A recuperação do mercado de trabalho tem seu maior entrave no Nordeste do país — onde oito das nove capitais registraram mais fechamentos do que criação de vagas no período — e em dois estados que enfrentam grave crise fiscal: Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

No primeiro, a capital, Porto Alegre, teve um saldo de 2.385 postos formais fechados. Já a capital fluminense perdeu 8.072 empregos com carteira, ficando em último lugar no país.

Também registraram fechamento de vagas formais Florianópolis, em Santa Catarina, e duas capitais da Região Norte: Belém do Pará e Macapá, no Amapá.

Na outra ponta do ranking aparece São Paulo. A cidade gerou 58.889 empregos com carteira assinada. Em seguida vem Belo Horizonte, com a criação de 17.085 postos.

O economista e professor da UFRJ João Saboia destaca que a situação do Norte e Nordeste está atrelada ao nível de desenvolvimento dos mercados de trabalho locais:

— Nestas duas regiões, o mercado de trabalho tem muita informalidade. Os empregos formais, em sua maioria, estão ligados à administração pública. Ao passo que o Sudeste tem mercados mais desenvolvidos, uma maior participação de empresas privadas. Isso explica a geração de empregos formais.

No Rio, comércio fechou vagas

Uma exceção na Região Sudeste, o Rio sofre com a crise financeira, que afeta quase todos os setores da economia. A indústria, a construção civil, a agricultura e o comércio apresentaram nos oito primeiros meses do ano resultados negativos na contratação de profissionais com carteira assinada.

O caso que mais chama atenção é o do comércio: até agosto, a cidade teve um saldo de 8.645 postos formais fechados. O segundo setor com mais vagas encerradas foi a indústria: 2.031 postos. A construção ficou perto da estabilidade, com saldo negativo de 42 vagas, ao passo que as atividades ligadas à agricultura registraram fechamento de 128 postos. O único setor que teve resultado positivo foi o de serviços, que gerou 2.774 empregos.

— O setor de serviços responde mais facilmente a sinais de recuperação da economia. Além disso, é um setor muito influenciado pelo consumo das famílias, que, embora não esteja tão forte como em anos anteriores, ainda contribui para que a economia demonstre algum crescimento — destaca Rayne Santos, economista da Tendências. — A construção civil, entretanto, demanda um ambiente com sinais mais concretos de retomada da atividade econômica e de menos incertezas. Por isso, ainda leva um pouco mais de tempo para que os números sejam positivos.

Para especialistas, a geração de vagas formais no Rio, especialmente no comércio, foi prejudicada pela crise fiscal, mas também pelo encarecimento dos imóveis comerciais.

— Com o Estado endividado, os salários foram atrasados. A consequência deste cenário foi a redução da circulação de dinheiro na economia local, uma vez que as pessoas estavam consumindo menos. E o comércio, que é um dos motores do emprego formal, foi bastante afetado pela crise — ressalta Maria Andreia Lameiras, técnica de planejamento e pesquisa do Ipea.

Patricia de Araújo, de 48 anos, trabalhou durante 15 anos em uma empresa do ramo de transportes. Há dois anos, por conta de problemas financeiros da empresa, foi demitida. Desde então, não conseguiu voltar ao mercado formal e hoje trabalha por conta própria, fazendo consultoria:

— Quando fui demitida, procurei emprego com carteira assinada. Mas, como não encontrava e precisava me sustentar, comecei a trabalhar como freelancer.

Controle das contas

Bruno Ottoni, economista e pesquisador da consultoria IDados, destaca que as projeções para a economia em 2020 apontam para um crescimento mais consistente do que o visto em 2019. Diante deste cenário, ele pondera que o Rio pode ser beneficiado pelo crescimento do país como um todo.

— Com a economia do Brasil avançando, a tendência é que os estados também apresentem melhoras em seus indicadores, como o de geração de vagas formais.

Ele diz, porém, que a perspectiva de melhora do mercado de trabalho no Rio depende do controle das contas públicas e do recebimento de royalties do petróleo:

— Caso o Rio saia do Regime de Recuperação Fiscal ou perca royalties do petróleo, a situação financeira da região pode ficar complicada e, como consequência, a geração de empregos formais pode não ser retomada.

O economista e professor da FGV Mauro Rochlin lembra que, no período de fim de ano, o comércio costuma abrir vagas por causa das festas. Ele ressalta, porém, que uma melhora nos indicadores de emprego depende de sinais mais fortes e consistentes da economia.

— Para que o comércio volte a contratar de forma constante, é preciso melhorar o acesso ao crédito para os consumidores. Além disso, é necessário que empresários e consumidores tenham sinais mais concretos de uma melhora da economia para que, assim, as empresas façam investimentos e as famílias voltem a consumir mais.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. BC3331986GAC disse:

    Aqui no Hell Grande Da Morte está tudo bem, o SINE anunciou " 8 vagas " de Empregos para todo Estado, é emprego que não acaba mais….KKkkkkk

Maioria do CNJ confirma suspensão da Lista Tríplice do TRT-RN

Foto: Reprodução

A maioria dos ministros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) seguiu o voto do relator Márcio Schiefler Fontes suspendendo o envio da Lista Tríplice para desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) . Na manhã desta quarta-feira, 18, dos 15 ministros com direito a voto, 9 seguiram o relator e ratificaram a liminar com a suspensão da Lista Tríplice

A liminar acolheu o pedido impetrado pelo advogado Eduardo Rocha, que ingressou contra o voto do desembargador Bento Herculano, na ex-esposa, a advogada Marisa Almeida, o que configuraria suspeição do voto que definiu a advogada como o segundo nome da Lista Tríplice para desembargador do TRT-RN. A votação ainda escolheu o advogado Marcelo Barros para primeiro nome da lista e Augusto Vale para 3º.

Confira matéria completa no Justiça Potiguar aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Joao carlos disse:

    Isso foi jogo de influência no CNJ, sem isso ele não teria conseguido.

  2. CNJ Junior disse:

    Hahahahahahhahahahahaha.
    Há quem trate o CNJ como aberração constitucional, todavia, o que seria da nossa província sem ele nesse caso???

Maioria da humanidade é medíocre em quase tudo, diz Mark Manson, autor de “A sutil arte de ligar o f*da-se” e de “F*deu geral”

O escritor Mark Manson estará na Arena#SemFiltro da Bienal do Rio, às 13h do próximo domingo (1). — Foto: Nick Onken

Você não é especial. Mesmo quando desejar do fundo do coração, o universo não irá conspirar a seu favor. Nem todos os seus sonhos – na verdade, poucos deles – irão se transformar em realidade. Boa parte das coisas que você quer jamais vai chegar às suas mãos.

As palavras do escritor Mark Manson podem soar duras. Mas o objetivo, ele garante, é nobre. O autor do best-seller “A sutil arte de ligar o f*da-se” e de “F*deu geral” é um dos principais convidados da Bienal do Rio 2019, que acontece a partir de sexta-feira (30).

“Poucas coisas são tão efetivas em garantir a infelicidade quanto a busca pela felicidade. As pessoas tendem a acreditar que a felicidade é uma espécie de sistema matemático ou equação – uma vez solucionados, teremos acesso a ela em caráter permanente”, diz Manson, em entrevista por telefone ao G1, direto de Nova York.

“Ou que ela está escondida em algum lugar ou mesmo que pode ser acessada por meio das lições de algum guru ou crença. Isso leva a pensamentos perigosos do tipo: ‘Comprei um apartamento, agora vou ficar feliz’… E é isso que considero negativo com boa parte do que se convencionou chamar de ‘auto-ajuda’. Muito dela promete oferecer ‘o segredo para alcançar a felicidade’.”

No trabalho de Manson, não há espaço para pensamento mágico, palavras de incentivo transformadoras e nem para o que, nos últimos tempos, alguns sites e perfis passaram a chamar de “positividade tóxica”. Existe uma necessidade constante de estar bem, feliz e ser bem-sucedido o tempo todo.

Manson acredita que felicidade e dificuldades formam um casamento indissolúvel:

“A felicidade real está na nossa capacidade de resolver problemas – sabendo que, logo em seguida, outro problema surgirá. Problemas são um fator permanente na vida de todas as pessoas. Milionários têm problemas, da mesma forma como mendigos.”

Todos têm problemas, eles apenas são diferentes para cada pessoa. A felicidade é um exercício constante de solução de problemas, um chamado à ação. É fácil negar a existência de problemas ou se vitimizar culpando os outros por eles. É uma abordagem mais fácil e funciona em um primeiro momento, mas a felicidade só se aproxima de quem decide resolvê-los”.

Escolher as batalhas

O escritor toca em outro ponto importante das ideias que defende: todas as pessoas deveriam aprender a resolver seus problemas e, ainda mais importante, escolher suas batalhas.

O pensamento é simples – todos querem tudo de bom que a vida pode oferecer: saúde, sucesso, criar uma bela família, manter um relacionamento perfeito, estar em boa forma física, ser bem-sucedido no trabalho e ter tranquilidade financeira.

No entanto, quantos estão dispostos a encarar os sacrifícios necessários para se alcançar tudo isso?Para exemplificar essa questão, Manson relembra um período da própria vida, também abordado no livro.

Na adolescência, ele queria ser um astro do rock – sentia-se extasiado com bandas como Metallica e Megadeth. Com frequência, fantasiava estar sobre um palco, com uma guitarra nas mãos em um estádio lotado.

“Pois é. Só que isso jamais aconteceu. Sabe por quê? Porque eu nunca aprendi a tocar guitarra, nem tive a disciplina necessária para praticar o instrumento, nunca montei uma banda, nunca me dispus a carregar amplificadores e a me apresentar de graça em bares vazios durante a madrugada.”

“Eu jamais me motivei a percorrer o caminho longo e sacrificado que todos os grupos que eu sempre amei tiveram que trilhar para chegar ao sucesso. Eu estava apaixonado pelo resultado, mas não pelo processo que levava até ele. O resultado não poderia ser outro: não me tornei um artista de sucesso. Ou seja, no fundo essa era uma batalha que eu não escolhi – e demorei muitos anos para admitir para mim mesmo que eu não queria aquilo de verdade”.

Ele conta que esse tipo de postura é muito comum e pode ser vista em todas as áreas. Segundo ele, existem pessoas que querem ter corpos incríveis, mas poucas estão dispostas a se dedicarem nas academias e controlar a alimentação. “Muita gente quer empreender, mas a maioria não suporta ter que lidar com os problemas diários que envolvem a administração de uma empresa. Mais uma vez – é a paixão pelo resultado e não pelo processo.”

“Chega a ser desumano, não? Cria-se uma pressão absurda sobre as pessoas para que sejam felizes, brilhantes e especiais o tempo todo. A verdade é a seguinte: a maioria absoluta da humanidade é, no máximo, medíocre em quase tudo.”

O problema, segundo o escritor, é que a sociedade criou uma espécie de “tirania do excepcional”: “Somos bombardeados por notícias e imagens de gente que representa o extremo: temos a impressão de estarmos o tempo todo cercados por pessoas super saudáveis, profissionais que sempre acertam e sabem o que é melhor no trabalho, indivíduos que são muito engraçados ou sedutores e irresistíveis.”

“Ao se libertar deste fardo, de ser incrível e brilhante em tudo e o tempo todo, você começa a dar atenção para as coisas que são, de fato, importantes. Você vai se concentrar naquilo que faz bem, no trabalho que desempenha com habilidade, nos tempo que passa com seus amigos e família, no prazer de ler um bom livro. Nas práticas consideradas comuns – e elas são mesmo comuns por um motivo: elas importam de verdade”.

De onde veio esse título?

Capa do livro ‘A sutil arte de ligar o f*da-se’ — Foto: Divulgação/Intrínseca

Pensado para se contrapor ao tipo de auto-ajuda que promete milagres e conquistas infinitas para os leitores, “A sutil arte de ligar o f*da-se” já nasceu com esse título como uma forma de provocação ao leitor.

Era importante deixar claro que não se tratava de mais um livro de auto-ajuda. Segundo Manson, ao ver a obra sobre as prateleiras das livrarias, muita gente olhava para o livro com desconfiança e atém mesmo desdém.

Pensando no assunto, e já com mais de 1 milhão de cópias vendidas apenas no Brasil, o autor acredita que isso deve muito a uma percepção equivocada daqueles que viram a frase estampada na capa, mas não se deram ao trabalho de conhecer o conteúdo.

“‘A sutil arte de ligar o f*da-se’ ao qual o título se refere é, na verdade, uma série de pensamentos sobre como fazer o leitor se livrar do que não interessa, todo esse peso de julgamentos e expectativas alheias e dele próprio, fazendo-o aceitar seus defeitos e limitações para, a partir daí, se concentrar no que importa de verdade. Se quem ler o livro entender esse conceito fundamental, já estarei satisfeito”.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Benevides disse:

    Gostei, Dilma. Muito bom.

  2. Radamé Lima disse:

    Excelente reflexão do escritor!
    Abordando assuntos do dia a dia e mostrando uma maneira diferente de olhar o mundo a nossa volta!
    Parabéns pela matéria.

  3. Toni disse:

    OLHA MAIS UM CARA DE ROLA QUERENDO SER O SABICHÃO NÃO VÃO A ESSA PALESTRA E ESSES BRASILEIROS QUE COMPRARAM O LIVRO JOGUEM NO MATO ESQUESSAM O QUE LERAM ESSE CARA PENSA QUE O DONO DA VERDADE NOS SOMOS CAPAIS SIM SO DEPENDE DE NOS PODEMOS TUDO SIM ESTA NA NOSSA MENTE PENSAMENTO POSITIVO E AGENTE ALCANÇA OS NOSSOS DESEJOS SACO MANDA ESSE PALHAÇO FAZER PALESTRA NA CASA DO CACETEEEEE!!!!!!

    • Sinope disse:

      Disse tudo!

    • Dilma disse:

      O escritor só falou verdade, a grande maioria das pessoas pensam que felicidade está na aquisição de bens materiais, Lêdo engano, ela esta e é efêmera em momentos vividos com prazer no que você potencializa de seu, seja, poucos da família, a pouca saúde, sua paz e coisas simples que lhe pertence. Não acredite nem procure saber de felicidade alheias, tudo é relativo, agradeça a DEUS o que tens, e aproveite o máximo com eles, sem nunca deixar de LUTAR MUITO, com amor. Seu IDH vai dar um salto.

    • Marcos araujo disse:

      Você esta certíssimo Tony. Compre um AURELIO

Maioria aprova ação da polícia que matou autor de sequestro no RJ

Reprodução

A maioria dos internautas acredita que a Polícia Militar agiu de maneira correta ao matar Willian Augusto da Silva, de 20 anos, autor do sequestro de um ônibus na ponte Rio-Niterói, na manhã desta terça-feira (20), no Rio de Janeiro.

De acordo com a enquete, produzida pelo Portal R7, 34 mil pessoas votaram sim, enquanto que 2,6 disseram não à pergunta se a polícia agiu certo em matar o sequestrador. A publicação ocorreu às 11h40 e o resultado foi coletado às 15h50.

Dalva Santos acredita que a ação da polícia pode ser considerada como um ato heroico. “Imaginem se todos que estiverem com problemas saírem por aí sequestrando pessoas e pondo em risco a vida de inocentes? Tem que servir de exemplos para que outros não tomem o mesmo caminho”, disse. Elery Cavalcanti concorda: “claro que sim. Eram dezenas de vidas sob ameaça de morte. Parabéns aos policiais”.

Por volta de 5h30, Silva entrou no ônibus que faz a linha 2520, e anunciou o sequestro. O veículo, pertencente à empresa Galo Branco, faz o trajeto de Jardim de Alcântara para Estácio. Pelo menos 31 pessoas estavam no momento. Minutos depois, a polícia começou a negociação com apoio de agentes do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais). Silva liberou, em seguida, seis pessoas – reféns afirmaram que o jovem pedia R$ 30 mil pelo resgate.

Após quatro horas de sequestro, o suspeito foi atingido por um tiro de um sniper (atirador de elite), que estava posicionado sobre o caminhão do Corpo de Bombeiros. Silva foi encaminhado para um hospital, mas não resistiu aos ferimentos. O porta-voz da Polícia Militar, coronel Mauro Fliess, informou que o sequestrador usava uma arma de brinquedo e que havia espalhado combustível por todo o ônibus, sob a ameaça de incendiá-lo. Durante a ação, nenhum refém foi ferido.

Edmundo Morais, por sua vez, discorda de toda a ação. “Parabéns porque? Tira-se uma vida vira espetáculo”, escreveu. Sueli Rodrigues Coutinho também se posicionou contra a atitude policial. “O rapaz falou que estava com problema em casa e não ia fazer mal a ninguém”, disse.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carlos Bayer disse:

    34 mil a favor, 2 mil contra.
    O povo fez a escolha certa. Sem comentários!
    Esses 2 mil fazem parte do "Lula Livre". Certeza!!!

  2. Tarcísio Eimar disse:

    A causa é nobre, já q não foi um bandido que morreu, foram vários cidadãos de bens trabalhadores que não perderam a vida.

  3. Luciano disse:

    Uma coisa É apoiar a ação da polícia, outra bem diferente é comemorar a morte de um ser humano.
    As duas coisas não são a mesma coisa e isso precisa ficar muito claro para que nesse processo não estarmos nos desumanizando.

    • Matheus disse:

      Super concordo.

    • Carlos Bayer disse:

      Parabéns à Polícia e ao governador do Rio, que prometeu endurecer pro lado dos BANDIDOS, e está cumprindo!
      Bandido bom é bandido morto. Ponto final!
      Ah, e a comemoração não é pela morte do meliante, e sim pela salvação de todos os inocentes envolvidos.

  4. Audácia disse:

    Fico horrorizada com estas cabeças medíocres de defensores da bandidagem. O maluco com problemas saiu pra rua e botou em risco a vida de dezenas de inocentes. Ia atirar? Mas estava com combustível e faca. Se ia fazer? Não sei. Mas assumiu o risco de ameaçar todos…. aí não tem mais jeito. A polícia fez direito o serviço para a qual foi treinada. Não devemos bater palmas para tirar a vida de um bandido, mas devemos bater palmas por ter sido salva a vida de todos os inocentes. Não se deve alisar a cabeça de bandidos. Tá com pena? Adote um bandido.

  5. Breno Olimpo Silveira Filho disse:

    Parabéns a PM e ao governado do Rio
    Se esse tipo de ação fosse adotada desde sempre, hoje não existiriam 70 mil assassinatos por ano registrado. Isso em números oficiais, pois deve ser muito maior esse número, considerando que as armas estão nas mãos dos bandidos.
    Sequestrou o ônibus, ameaçou atear fogo, obstruiu via público com atentado, fez ameaças e logo virão os de sempre para defendê-lo, como se esses atos fossem coisa normal de uma pessoa desempregada. Chega, basta de conivência com a criminalidade, a violência tem que ser reprimida de forma objetiva e direta e não oferecendo flores e conversa mole.

  6. Olimpio disse:

    Esses que foram contrário à ação policial matando o sequestrador, queria saber se eles têm a mesma opinião se estivessem dentro do ónibus ou algum familiar.

  7. Sérgio Mata disse:

    Só fica contra quem é a favor da bandidagem. Todos os policiais que matarem bandidos deveriam ter isenção progressiva do IPTU, IPVA. Parabéns ao PM do Rio de Janeiro e ao Governador pela bem sucedida operação. Quanto a bandidagem, quem quiser ir sequestrar ônibus no Rio de Janeiro, só paga a passagem de ida.

Maioria do STF mantém Lula preso em Curitiba

A maioria dos ministros do Supremo acompanhou Edson Fachin para suspender a transferência de Lula para o presídio de Tremembé e mantê-lo preso na Polícia Federal em Curitiba.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Waldemir disse:

    Não sei quem e pior o molus o ou quem defende esse verme

  2. Olimpio disse:

    Esse verme ladrão já era pra tá lá há muito tempo.
    Ladrão julgado por 2 instancias e condenado ainda tem quem defenda esse pilantra.

    • CADEIA para BOLSOTRALHAS disse:

      VERME é o que levas na barriga, verme é ter um imbecil louco como Presidente, verme é ver otarios pedindo esmola …Lula melhor PRESIDENTE do Brasil, Cuidado com as vermes dos BOLSOTRALHAS

  3. Carlos Bastos disse:

    Concordo com vc Walsul

  4. Walsul disse:

    A PF a serviço do moro? É esdrúxulo o caso. Temos um juiz que agiu como promotor para julgar, Condenou e agora, como ministro comanda a PF que é a responsável por manter o Lula preso. Agora a poucos dias do julgamento, essa PF pede a transferência para uma prisão comum em SP, a juíza, rapidamente concedeu e o juiz de SP, mais rapidamente ainda, já reservou o lugar. Ambos amigos do juiz que ajudou a acusação, que julgou e condenou e virou ministro e comandante da PF . Tudo isso no momento em que membros da lava jato estão sendo desmascarados por possíveis ilegalidades na operação. O Brasil virou uma terra que governantes e membros do judiciário fazem as suas leis. Constituição pra quê?

    • Cidadão disse:

      Desde a sua primeira condenação a PF pediu p o MOLUSCO LADRÃO não ficar sob sua “curatela”.
      Trabalhe com a mente.

    • Lobo disse:

      Interessante é a esquerdalha alegar q o processo de luladrão tem que ser extinto, porquê houve conversas entre o MP e o juiz, agora hj, pra essa decisão do incômodo presidiário permanecer numa sala da PF em Curitiba, com todas as mordomias, os deputados esquerdopatas, abandonaram os trabalhos da reforma previdenciária , e como uma quadrilha organizada, foram ao stf, pressionar pra o presidiário não ser transferido pra o presídio de sp e continuar na mordomia da sede da pf de Curitiba. Agora eles defendem que as partes converse com o juiz. Isso é que é hipocrisia, quero ver agora eles repro varem as supostas conversas entre moro e mp. Canalhice

    • Walsul disse:

      Cidadão quem não tem nada na cabeça por ser um descontrolado idiota parece ser vc. Foi pedido a muito tempo e o MP não concordou. Agora, a pouco tempo de ser julgado a suspeição do moro (chefe da polícia federal) isso é julgado a toque de caixa. Se vc não consegue enxergar nada de anormal, não o culpo, é preciso mais que um neurônio pra perceber determinadas coisas.

Maioria do STF autoriza, com várias restrições, fornecimento de remédios sem registro na Anvisa

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal ( STF ) votou para autorizar a possibilidade de juízes obrigarem o poder público a fornecer medicamentos sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ), desde que respeitados alguns critérios e vedados os remédios experimentais que ainda não passaram por testes. Como cada ministro está sugerindo restrições diferentes, os limites da decisão só serão conhecidos ao fim do julgamento. A ação analisada trata de um caso específico, mas têm repercussão geral. Assim, a decisão que for tomada terá de ser seguida por juízes e tribunais de todo o país.

O julgamento começou em setembro de 2016, quando votaram três ministros: o relator, Marco Aurélio Mello, mais Luís Roberto Barroso e Edson Fachin. Todos eles destacaram a necessidade de garantir a segurança dos medicamentos. Assim, a regra deve ser a necessidade de registro na Anvisa, mas eles também propuseram algumas exceções. Entre as regras sugeridas pelos ministros do STF estão a apresentação de um laudo médico demonstrando a indispensabilidade do medicamento e o registro em agências renomadas de outros países equivalentes à Anvisa.

Andrea Carla sente dores e teme perder o rim que recebeu há seis anos, por estar há três meses sem conseguir o remédio de que precisa Foto: Leo Caldas
Na época, o ministro Teori Zavascki pediu vista, adiando a conclusão do julgamento. Ele morreu em janeiro de 2017 e foi substituído por Alexandre de Moraes, que deu seu voto nesta quarta-feira. Em seguida, Rosa Weber, Luiz Fux e Cármen Lúcia também autorizaram o fornecimento de medicamentos sem registro em algumas situações. Assim, já são sete votos de um total de 11.

Moraes destacou que o direito universal à saúde não significa o provimento gratuito de qualquer tratamento. Ele destacou que é preciso levar em conta também o orçamento e criticou a excessiva judicialiação da saúde. Ele entende que, caso haja um pedido na Justiça para fornecer medicamento sem registro na Anvisa, uma eventual decisão favorável do magistrado deve ser direcionada primeiramente à agência, para que ela cumpra os prazos estipulados em lei.

— Na hipótese de pleito judicial de medicamento não registrado vedado pela lei a tutela judicial inicial deverá inicialmente limitar-se a determinar que a Anvisa analise a possibilidade de registro no prazo máximo de 365 dias, na categoria ordinária, e 180 dias quando se tratar da categoria prioritária, tratamento de doença rara e ultra rara, sendo possível o prazo de 90 dias se não houver necessidade de diligencias no processo administrativo — disse Moraes.

Segundo o ministro, se a Anvisa não tiver concluído a análise dentro do prazo, aí sim o juiz poderá determinar seu fornecimento, mas observados alguns critérios. Moraes propôs: a existência de laudo médico comprovando a necessidade do medicamento, registro em agências renomadas no exterior, inexistência de substituto registrado no Brasil, e falta de condições financeiras do paciente.

Na pauta de julgamentos desta quarta-feira, também há outros dois processos que tratam de assuntos semelhantes, mas o STF ainda não retomou sua análise. Uma dessas ações aborda o fornecimento de medicamentos de alto custo com registro, e outro discute a quem cabe o ônus das decisões tomadas no âmbito da chamada “judicialização da saúde”. Nesse último caso, os governadores reclamam que os estados estão sobrecarregados, e querem direcionar as demandas para a União. Ambas as ações também tem repercussão geral.

O Globo

 

Maioria no STJ vota por reduzir a pena de Lula no caso do triplex; se não for condenado novamente em 2ª instância, ex-presidente pode ser solto em setembro

A maioria dos ministros da Quinta Turma do STJ fixou em 8 anos e 10 meses a pena de prisão de Lula no processo do triplex.

A previsão é que, se não for condenado novamente em segunda instância, o ex-presidente possa ser solto em setembro.

O voto decisivo foi proferido agora há pouco pelo ministro Reynaldo Soares da Fonseca, seguindo pena proposta pelo relator, Felix Fischer, e também adotada por Jorge Mussi.

Na segunda instância, a pena foi calculada em 12 anos e 1 mês.

Como responde a outros processos, o ex-presidente ainda pode sofrer novas condenações que o mantenham na prisão ou, caso tenha direito ao benefício, façam-no voltar para atrás das grades.

O Antagonista e O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ex petista ( enganado ) disse:

    Eita povo pra merecer sofrer é o Brasileiro, um bandido safado como esse Lula não merece sair mais da cadeia nunca ! O encantador de jumentos !

  2. Natal disse:

    Deixa ele preso vai ter outras aguarde

  3. Junin disse:

    O problema é que esqueceram a galera de políticos processados e focaram só em um com medo de ele se eleger de novo!!! Aí deram o tiro no pé elegendo o mico….ferrou!!!! Acho pouco!!!

  4. Jacques Derrida disse:

    Por mim deixava lá e só soltavam seis meses antes da próxima eleição presidencial contra o Bozo. Ou alguma das crias dele.

  5. Ceará-Mundão disse:

    A leitura mais acertada é que a acusação era procedente e todos os tribunais competentes confirmaram-na. O STF é instância constitucional, que não julga os fatos da causa, apenas se houve inconstitucionalidade no procedimento. Ou seja, a justiça brasileira decidiu, de forma definitiva, que esse sujeito é realmente um bandido.

  6. Rômulo disse:

    Lula livre!!!

  7. Brasil! disse:

    Encantador de asnos!

  8. De Saco Cheio com o Brasil disse:

    O PAIS BOM PARA LADRÃO!!!!!!!!!!! DEPOIS DIZEM QUE O CRIME NÃO COMPENSA….PQP.

ECONOMIA – REFORMA DA PREVIDÊNCIA: Maioria dos trabalhadores vai ter redução de alíquota de 8% para 7,5%; avaliação de Rogério Marinho é que a queda vai impactar 70% dos contribuintes

O secretário de Previdência, Rogério Marinho, durante entrevista Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O secretário especial de Previdência, Rogério Marinho , informou que a proposta de reforma da Previdência vai reduzir a alíquota de contribuição da maioria dos trabalhadores de 8% para 7,5%. Em entrevista concedida no Congresso antes da coletiva na qual o governo vai detalhar o texto, Marinho disse que essa queda vai impactar 70% dos contribuintes.

Já quem estiver no teto do serviço público passará a pagar uma alíquota mais alta: de 22%. A economia esperada pelo governo com a reforma chega a R$ 1,167 trilhão.

O ministro da Casa civil, Onyx Lorenzoni, que se reúne com os governadores em Brasília, explicou que as alíquotas vão variar de acordo com a renda dos trabalhadores:

– Quem ganhar mais vai pagar mais, quem ganhar menos vai pagar menos. Vai haver redução de 0,5% do que é pago hoje por pessoas de baixa renda. (A reforma) é um instrumento de grande justiça social.

Nesta quarta-feira, foi entregue ao Congresso o texto com a proposta de reforma para os trabalhadores civis. Segundo Marinho, o projeto com mudanças nas aposentadorias dos militares chegará ao Legislativo em 30 dias.

Onyx demonstrou otimismo em relação às perspectivas de aprovação da reforma e ao apoio que o governo espera receber dos governadores:

– Os governadores vão nos dar toda a condição de poder, junto à bancada dos estados, quer os deputados, quer os senadores, de conseguir a vitória nos dois turnos da Câmara e nos dois turnos do Senado.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. carlos alberto disse:

    Esse rapaz é muito bom, é um especial. Quero mais que se lasqu……… FDP ….. Não entendo como o povo do RN ainda vota em um individuo desses.

  2. Ivan disse:

    Essa reforma tá longe de ser a ideal, porém, diminui bastante a transferência (injusta e perniciosa) de renda da classe mais baixa para as elites privilégidas com aposentadorias integrais, paridades e etc…

    • Chico da burra disse:

      Ivan, então cita aí qual seria a ideal, por favor!!! Lembre que o cidadão também pode propor leis ao congresso!!!

Maioria dos deputados eleitos é favorável a privatizar estatais

A maioria (57%) dos 513 deputados federais eleitos é a favor de privatizar empresas estatais, indica levantamento do G1:

Favoráveis à privatização de estatais: 135 (26%)
Favoráveis à privatização, mas somente das estatais deficitárias: 159 (31%)
Contra a privatização de estatais: 92 (18%)
Não quiseram responder a essa pergunta: 26 dos 412 que responderam ao questionário

Foto: Alexandre Mauro/G1

Privatização de estatais

A privatização de empresas estatais foi um dos temas em discussão entre presidenciáveis durante a campanha eleitoral deste ano.

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a se manifestar, em entrevista à GloboNews, favorável à privatização de “todas” as estatais.

Em agosto, durante a campanha, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que “se não tiver solução”, o futuro governo poderia privatizar a Petrobras. Depois de eleito, no último dia 19, afirmou que a estatal pode ser privatizada “em parte”.

No último dia 23, Paulo Guedes anunciou a criação da Secretaria Geral de Desestatização, no âmbito do Ministério da Fazenda, como organismo responsável por conduzir as privatizações. O empresário Salim Mattar será o secretário.

Metodologia

Entre os dias 5 e 23 deste mês, o G1 aplicou aos deputados um questionário sobre 18 temas que deverão constar da pauta de debates legislativos.

Todos os 513 deputados foram contatados – 412 (80%) responderam e 101 (20%) não responderam ou prometeram enviar as respostas, mas não o fizeram.

Parte dos deputados respondeu pessoalmente ou por telefone e outra parte por e-mail, aplicativos de mensagens ou por intermédio das assessorias. Todos foram informados de que a divulgação das respostas não será feita de forma individualizada.

* Participaram do levantamento: Adriane Schultz, Aline Ramos, Carol Prado, Carolina Dantas, Cauê Fabiano, Cauê Muraro, Cesar Soto, Clara Velasco, Darlan Alvarenga, Elida Oliveira, Elisa Clavery, Fabiano Costa, Felipe Grandin, Fernanda Calgaro, Gabriela Caesar, Gustavo Garcia, Karina Trevizan, Lara Pinheiro, Laura Naime, Lucas Vidigal, Luiz Guilherme Gerbelli, Marília Neves, Marina Franco, Marta Cavallini, Mônica Aquino, Paula Paiva Paulo, Rafaela Putini, Ricardo Novelino, Rodrigo Ortega, Taís Laporta, Thaís Matos, Thiago Lavado e Thiago Reis

G1

 

Mudanças no mercado: Mulheres são maioria na hora de comprar imóvel

O aumento da ocupação feminina em cargos profissionais tem mudado a conjuntura social tradicional. A mulher, que antes restringia suas preocupações às questões do lar, hoje atua no mercado de trabalho, muitas vezes gerindo seu próprio negócio. De acordo com o Boletim de Mercado de Trabalho divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a participação feminina na população brasileira economicamente ativa chegou a representar 48,9% da massa salarial.

A ruptura com o antigo modelo, entretanto, não modificou o desejo materno de constituir família e cuidar dela. A diferença é que a mulher atual, com dinheiro no bolso, tem uma influência maior no poder e nas decisões de compra, afetando diretamente o mercado imobiliário. É o que confirma o Censo 2010 do IBGE realizado em Natal, segundo o qual os domicílios particulares permanentes cujo único responsável é uma mulher apresentam-se em 74,8%.

O olhar feminino sob a pesquisa de um novo lugar para morar é muito mais criterioso do que o dos homens, justamente por levar em consideração todos os fatores que podem afetar a rotina dos membros familiares. Escolas, farmácias, padarias, supermercados e postos de saúde são pontos decisivos para que um local seja apto para acolher os entes queridos. Quanto ao imóvel, a cozinha deixa de ser o mais importante e aspectos como área de lazer para os filhos e um quarto aconchegante para o casal são postos em relevância.

Por todos esses quesitos, o Vila Verde, residencial das incorporadas Diagonal e Rossi, obteve grande alcance no público feminino. Com a maior parte das vendas efetivadas, foi possível realizar uma análise do perfil dos compradores, que indicou que 41% dos compradores são mulheres e, quando o assunto é investimento, o número sobe quase 20 pontos, para 59%. Para ambos, a motivação da compra segue a mesma linha, com preponderância pela satisfação com a infraestrutura de lazer e o fácil acesso à BR-101 e pontos de serviço das avenidas vizinhas Abel Cabral e Maria Lacerda Montenegro.

O condomínio tem quatro torres com opções de 63, 74 e 88 metros quadrados, distribuídos em uma área de mais de 20 mil metros quadrados, sendo 6 mil de área verde e quase 4 mil de área de lazer, tudo com o padrão dealta qualidade de arquitetura, paisagismo e acabamento das empresas Diagonal e Rossi. O terreno tem proximidade ainda com bairros prestigiados da cidade como Ponta Negra, Capim Macio, Cidade Jardim e Candelária.

Entre as opções de lazer, há espaços voltados à saúde física e mental, como tenda zen e espaço de fitness externo, além da academia interna. Para crianças e adolescentes, brinquedoteca, espaço teen, salão de festas e salão de jogos. Completam as áreas de lazer a quadra poliesportiva, piscina adulto e infantil, deck molhado, quiosque com churrasqueira e espaço gourmet.

Partido do Governo já tem maioria na Assembleia

Demorou…. demorou…. demorou demais essa maioria. Os deputados foram mais cautelosos nesse mandato, passaram mais de seis meses para começarem a aderir…. Surpreendente não?

Marcos Dantas:

O que era especulação, agora não é mais… O deputado Vivaldo Costa (PSD) revelou na manhã desta terça-feira (02) os nomes que integram a base governista na Assembleia Legislativa. Coincidentemente, a revelação de Vivaldo tem haver com a data em que as sessões da Assembleia Legislativa reiniciam, após um mês de recesso.

De acordo com Vivaldo, a base governista é formada agora pelos deputados:

(mais…)