Saúde

Moderna vai fornecer 500 milhões de doses para consórcio da OMS com foco em 92 países considerados de média e baixa renda; com “autofinanciamento potencial”, Brasil está fora da lista

Infográfico mostra como funcionam vacinas de RNA contra o coronavírus — Foto: Anderson Cattai/Arte G1

A empresa americana de biotecnologia Moderna anunciou, nesta segunda-feira (3), que vai fornecer 500 milhões de doses de sua vacina contra a Covid-19 para a Covax, consórcio liderado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), até o ano que vem para para 92 países considerados de média e baixa renda (veja lista ao fim da reportagem).

As doses serão vendidas pelo menor preço da empresa. A primeira remessa, de 34 milhões de doses, deve começar a ser distribuída no quarto trimestre deste ano, que começa em outubro.

O Brasil não está incluído entre os países contemplados porque aparece na lista da Covax como uma economia com “autofinanciamento potencial” (veja detalhes mais abaixo).

A vacina da Moderna foi aprovada para uso emergencial na sexta-feira (30) pela OMS, o que abriu caminho para que fosse distribuída pela Covax. O consórcio é uma iniciativa liderada pela OMS para garantir um acesso mais igualitário às vacinas contra a Covid por países mais pobres.

Apesar de não estar na lista dos países que receberão as doses da Moderna, o Brasil faz parte da iniciativa e já recebeu doses adquiridas por meio da Covax. Neste fim de semana, a remessa que chegou ao país pertencia ao laboratório AstraZeneca.

Segundo a Moderna, o acordo fechado com a Gavi, a aliança global de vacinas que negocia as doses para o consórcio, prevê a entrega das 34 milhões de doses iniciais e, depois, a opção de adquirir as outras 466 milhões.

Brasil não está incluído

O acordo fechado entre a Moderna e a Gavi prevê o fornecimento de doses para os 92 países considerados de média e baixa renda que fazem parte da Covax. O Brasil não está incluído nesta lista (veja os países integrantes ao final desta reportagem).

A empresa afirmou que está “em discussões para alocar e fornecer [vacinas] para participantes autofinanciados no futuro”. O Brasil aparece na lista da Covax como uma economia com “autofinanciamento potencial”, que reúne 80 países ao todo.

Índice de eficácia alto

Em meados de abril, a Moderna publicou novos resultados de eficácia da vacina, que apontaram para uma taxa de 90% de eficácia. O índice é um dos mais altos entre as vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas até agora. Assim como a Pfizer, a Moderna usa a tecnologia de RNA mensageiro em sua vacina.
A vacina da Moderna já foi aprovada para uso nos Estados Unidos, na União Europeia e em Israel, além de outros países. A vacina ainda não foi aprovada e não está disponível no Brasil.

Países mais pobres

Baixa renda:

Afeganistão
Benin
Burkina Faso
Burundi
República Centro-Africana
Chade
República Democrática do Congo
Eritreia
Etiópia
Gâmbia
Guiné
Guiné-Bissau
Haiti
Coreia do Norte
Libéria
Madagascar
Malaui
Mali
Moçambique
Nepal
Níger
Ruanda
Serra Leoa
Somália
Sudão do Sul
Síria
Tadjiquistão
Tanzânia
Togo
Uganda
Iêmen

Renda média-baixa:

Angola
Argélia
Bangladesh
Butão
Bolívia
Cabo Verde
Camboja
Camarões
Comores
Congo-Brazaville
Costa do Marfim
Djibouti
Egito
El Salvador
Eswatini
Gana
Honduras
Índia
Indonésia
Quênia
Kiribati
Quirguistão
Laos
Lesoto
Mauritânia
Estados Federados da Micronésia
Moldávia
Mongólia
Marrocos
Mianmar
Nicarágua
Nigéria
Paquistão
Papua Nova Guiné
Filipinas
São Tomé e Príncipe
Senegal
Ilhas Salomão
Sri Lanka
Sudão
Timor-Leste
Tunísia
Ucrânia
Uzbequistão
Vanuatu
Vietnã,
Gaza e Cisjordânia
Zâmbia
Zimbábue

Elegíveis para Associação de Desenvolvimento Internacional do Banco Mundial:

Dominica
Fiji
Grenada
Guiana
Kosovo
Maldivas
Ilhas Marshall
Samoa
Santa Lúcia
São Vicente e Granadinas
Tonga
Tuvalu

G1

Opinião dos leitores

  1. A esquerda vai ficar revoltada em ver o Brasil de fora. Se os governos de 2002 a 2016 tivessem continuado, estaríamos encabeçando a lista, pensando bem, acho que não, pois aqueles governos afirmavam que quem ganhava até 03 salários mínimos estava na classe média. Era o prenúncio que em breve, quem ganhasse 01 salário mínimo no Brasil seria considerado classe alta, assim como acontece na Venezuela

    1. O Brasil está na lista dos países párias. Tá bom pra você?

    2. O Brasil é um dos países que mais vacinam (4° lugar mundial) e está batendo seguidos recordes de vacinação. O governo Bolsonaro já adquiriu mais de 500 milhões de doses e estamos desenvolvendo vacinas 100% nacionais. O governo Bolsonaro está no caminho certo e o país está vencendo o vírus, para desespero da oposição que torce sempre pelo pior e usa o sofrimento do povo para sua politicagem rasteira.

    3. Somos o país das hienas. Todos comendo merda e felizes da vida.

    4. Destro que se diz honesto, mostre os recursos para a pesquisa de vacinas no Brasil. Veja o que estão cortando do orçamento, as falas de PG, do Pazu da logística e do Messias do Capeta.

    5. A realidade não respeita narrativas, meu caro. No meu comentário anterior, cito algumas verdades, mesmo que pareçam não lhe agradar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Estado contrata consórcio por mais de R$ 2,5 milhões com apenas 4 dias de formalização, diz que não há ilegalidade na contratação e justifica

A governadora Fátima Bezerra (PT) assinou nesta quarta-feira (28) a ordem de serviço no valor de mais de R$ 2,5 milhões para implementação da caixa cênica do Teatro Alberto Maranhão (TAM).  O consórcio contratado, formado pelas empresas Construtora Ramalho Moreira e Edson Comércio e Construções Ltda, foi aberto no dia 23 de abril de 2021 e passou a funcionar oficialmente na última sexta-feira. Da data de abertura para a data de assinatura do contrato, se passou apenas um dia útil.  A empresa foi aberta na sexta; o contrato foi assinado na segunda e publicado no Diário Oficial nesta terça (27), com assinatura marcada para hoje (28). As informações foram trazidas à tona pelo jornalista Túlio Lemos em seu blog, e ganhou repercussão da mídia potiguar.

A assinatura se dá após a resolução de entraves burocráticos e a necessidade de refazer parte dos projetos, que continham erros técnicos e exigiram adequações, segundo o Governo. Para a implantação da caixa cênica, o investimento será de R$ 2.534.335,37, com recursos oriundos do Governo Cidadão por meio de acordo de empréstimo com o Banco Mundial.

O consórcio das construtoras Ramalho Moreira e Edcom – vencedor da licitação – tem prazo de 150 dias para entregar os serviços.

Esclarecimento Governo do Estado

1) A contratação do CONSÓRCIO CRM/EDCON, composto pelas empresas Ramalho Moreira e EDCON Comércio e Construções Ltda, se deu após o concorrente em questão vencer a licitação para implantação da caixa cênica do Teatro Alberto Maranhão. O valor do contrato é de R$ 2.534.335,37 e, após a ordem de serviço, a empresa tem cinco meses para executar a obra.

2) A atual gestão do Governo encontrou apenas 5% das obras do TAM executadas e uma série de entraves que dificultavam o andamento do cronograma. O projeto anterior continha erros técnicos que exigiram adequações; um exemplo disso é a não inclusão da reforma da caixa cênica do teatro.

3) A atual gestão autorizou e o projeto foi desenvolvido por dois especialistas; os subprojetos de iluminação cênica, sonorização, vestimenta e mecânica cênica foram orçados e aprovados pelo Iphan. Por isso foi preciso fazer uma nova licitação específica para a caixa cênica, já que o equipamento é fundamental para o bom funcionamento do teatro.

4) Quanto ao consórcio CRM/EDCOM, esclarecemos que não há ilegalidade na participação de consórcios em licitações. Tanto a Lei n°. 8.666/1993 quanto as regras do Banco Mundial para licitações de Bens, Obras e Serviços permitem que empresas se consorciem com um fim específico.

5) Quanto a formalização do consórcio ter se dado há 04 dias, salientamos que a Lei não exige que a formalização do consórcio ocorra de forma prévia e nem teria sentido se assim o fosse, uma vez que não é possível se prever quem vencerá a licitação.

6) Por esta razão, de forma acertada a lei exige apenas o compromisso de constituição do consórcio (art. 33, I, da Lei n°. 8.666/1993). Contudo, findo o processo de seleção da proposta com menor preço avaliado, como foi o caso do consórcio CRM/EDCOM, é dever da Administração exigir a formalização do consórcio (registro e constituição) nos termos do compromisso apresentado juntamente com a proposta, (art. 33, § 2o, da Lei n°. 8.666/1993), sendo a formalização inclusive condição para a assinatura do contrato.

7) O projeto Governo Cidadão é auditado de forma permanente. Cabe à Coordenadoria de Auditoria de Operações de Crédito Externo – COPCEX, criada por intermédio da Resolução nº 024/2018-GP/TCE, publicada no Diário Eletrônico do TCE/RN em 14 de agosto de 2018, a tarefa de realizar os trabalhos e conduzir os processos de Auditoria Independente do empréstimo. Todas as decisões do Governo Cidadão seguem as normas do Banco Mundial, não havendo, portanto, espaço para qualquer tipo de irregularidade. Não há, como acusa irresponsavelmente o blog, qualquer “desmantelo administrativo/financeiro”.

8) Como já dito anteriormente, resta claro que o blog em questão tem, reiteradas vezes – seja por deficiência cognitiva ou perversidade -, acessado as informações disponibilizadas de forma transparente pelo Projeto Governo Cidadão e distorcido de forma leviana e irresponsável.

Natal, 27 de abril de 2021
Projeto Governo Cidadão – Governo do Rio Grande do Norte

 

Opinião dos leitores

  1. Rapaz, o Covidão está a todo vapor. Vão juntando ai quantas contratações no mínimo suspeitas já temos nesse governo caótico de Fátima do PT. Mas, leitos hospitalares e investimentos em saúde, NADA. E os salários atrasados dos servidores públicos? E as escolas públicas estaduais, já foram adaptadas para o retorno das aulas presenciais? O que essa governadora já fez até agora pelo RN? A “cumpanherada” abra o olho porque a PGR e a PF estão trabalhando. Ficam pensando nessa CPI da politicagem e esquecem dos próprios podres. Deixa estar.

  2. Os 5 milhões está aparecendo, já contratou pesquisa, comprou saco de lixo, e pó último o teatro um lugar de cultura que vai servir pra chamar o povo de palhaço.

  3. Cartas marcadas? Hum… Quer dizer que a obra do TAM só teve execução de 5% do previsto? E só agora o governo percebeu isso? Ih….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Nove prefeituras no RN aderem a consórcio para compra de vacinas contra Covid-19

Reportagem do G1-RN nesta segunda-feira(07) destaca que nove das 167 prefeituras de municípios potiguares aderiram ao consórcio que deverá ser criado pela Frente Nacional de Prefeitos para tentar compra de vacinas contra Covid-19, segundo lista divulgada pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP) na última sexta-feira (5). O consórcio municipal por mais vacinas contra Covid-19 no Brasil, coordenado pela entidade, obteve um total de 1.703 prefeituras inscritas até o prazo final, que terminou às 12h da última sexta-feira (5).

Segundo a reportagem, a lista de cidades que aderiram divulgadas pela FNP na sexta-feira, não incluía Natal – uma das três únicas capitais fora do projeto. Porém, questionada nesta segunda-feira (8), a Prefeitura de Natal informou que a capital potiguar aderiu ao consórcio e recebeu confirmação por parte da FNP.

As cidades potiguares que aderiram foram as seguintes:

Caicó – 68.343 moradores

Assu – 58.384 moradores

Apodi – 35.874 moradores

Alto do Rodrigues – 14.728 moradores

Jardim do Seridó – 12.396 moradores

Umarizal – 10.520 moradores

Serra Negra do Norte – 8.092 moradores

Itaú – 5.897 moradores

Santa Maria – 5.621 moradores

Natal informou que aderiu ao programa, embora não apareça na lista da FNP

O movimento das cidades teve início após o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar que estados e municípios comprem e distribuam doses do imunizante.

A Frente Nacional de Prefeitos reúne as 412 cidades com mais de 80 mil habitantes, mas qualquer município brasileiro teve a chance de aderir ao consórcio, sem custo para as prefeituras.

Mais detalhes AQUI em reportagem na íntegra do G1-RN.

Opinião dos leitores

  1. Bolsonaro encheu os cofres do Estado e das Prefeituras de dinheiro,compram o que quiser,dinheiro tem demaisssssssss !!!!!!

    1. Os cofres estão cheios de dinheiro enviado pelo presidente da República, ora!

  2. Vai faltar braço para vacinar , a intenção é uma só …Já sabem ??? Pergunte cadê os R$ 5.000.000,00 ?? E os respiradores lixos que compraram ???

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Oi vende rede móvel para consórcio formado por Tim, Vivo e Claro por R$ 16,5 bilhões

Foto da sede administrativa da Oi funciona no Leblon, Zona Sul do Rio, registrada em 2018 — Foto: Marcos Serra Lima/G1

O consórcio formado pela Tim, Vivo e Claro arrematou, na tarde desta segunda-feira (14), os ativos da rede móvel da operadora Oi por R$ 16,5 bilhões. O leilão foi realizado pela 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro e faz parte do plano de recuperação judicial da companhia iniciado em 2018.

Com o resultado do leilão, a Oi deve desaparecer do mercado de telefonia móvel brasileiro. Agora, ela detém apenas os ativos de infraestrutura e fibra, que ainda deverão ser parcialmente vendidos.

Com a Oi deixando de operar, as três gigantes telefônicas vão aumentar ainda mais a sua participação no mercado de telefonia móvel do Brasil, que passa a ser ainda mais concentrado. A participação da Tim salta de 23% para 32%, a Vivo de 33% para 37% e a Claro de 26% para 29%. Os outros 2% estão divididos entre pequenas operadoras regionais.

Este foi o segundo leilão de ativos da Oi para quitar as suas dívidas. O primeiro foi realizado no dia 26 de novembro e atraiu poucos interessados. Nele, foram vendidas as torres de telefonia e data centers da companhia por cerca de R$ 1,4 bilhão.

A Highline do Brasil, do grupo norte-americano de private equity Digital Colony, comprou a unidade de torres por R$ 1,067 bilhão – foi a única oferta apresentada para este ativo. Já a unidade de data centers foi arrematada pela Titan Venture Capital por R$ 325 milhões de reais, também única apresentada no leilão.

O plano de vender os seus ativos foi anunciado pela Oi no dia 15 de junho deste ano. Na ocasião, a companhia informou que iria dividir a empresa em quatro áreas para poder vendê-las. Na divisão, os ativos foram reunidos em Unidades Produtivas Isoladas (UPIs): Ativos Móveis, Torres, Data Center e InfraCo.

A UPI InfraCo reúne os ativos de infraestrutura e fibras e ainda deverá ser parcialmente vendida em leilão, ao preço mínimo de R$ 6,5 bilhões. No plano anunciado pela Oi em janeiro, a companhia disse que o futuro comprador ficará com 51% do capital votante.

Mais de R$ 12,2 bilhões de prejuízo em 9 meses

Entre janeiro e setembro deste ano, a Oi acumulou prejuízo de cerca de R$ 12,2 bilhões – foram três trimestres seguidos de queda. A expectativa é que a companhia encerre o 4º trimestre também com prejuízos.

O maior prejuízo foi registrado no 1º trimestre do ano, de R$ 6,25 bilhões. No 2º trimestre, o prejuízo foi de R$ 3,4 bilhões. Já no 3º trimestre, ele foi de R$ 2,6 bilhões.

Conforme o último relatório dos resultados financeiros, a Oi encerrou o 3º trimestre com uma dívida líquida de R$ 21.243 milhões.

Parte da dívida da companhia foi reduzida no dia 27 de novembro, logo após o primeiro leilão de ativos. Ela recebeu um desconto de 50% na dívida de cerca de R$ 14 bilhões devida à União.

O desconto foi aplicado graças à uma modificação aprovada pelo Senado na lei de falências, que permitiu que empresas em recuperação judicial possam quitar suas dívidas com descontos de até 50% e parcelamento em até 84 meses.

G1

Opinião dos leitores

    1. E Fake, ele teve um esquema na oi, ele não tem participação na Oi, na realidade ele tinha uma empresa que foi comprada pela OI, que não fazia nada e a Oi comprou por uma Bolada.
      Ele já botou esse dinheiro no bolso a muito tempo.
      Kkkkk
      Menino experto, puxou ao PAI!

  1. A gente já sofre com a telefonia celular na mão de quatro operadoras, imagine agora com somente três. Será que o CADE vai permitir?? Com a palavra o Ministério Público Federal.

    1. A Oi estava falida, não tinha outra alternativa, só a venda.

      Pôr outro lado, deveria ser outra empresa a entrar de fora, mais a telefonia móvel no Brasil e complexa e ao que muita gente pensa não é tão lucrativa, pra ser tem de ter uma abrangência nacional.

      Aí onde vem o problema, pra isso o país só suporta 2 a 3 operadoras .

  2. Eu queria tb ter um desconto desse de 50% das minhas dívidas como o Oi teve. Será q seu eu for conversar com os senadores, como a Oi foi, eu consigo?
    É o capitalismo e neoliberalismo dos imbecis. Ainda tem gente pra defender isso. O lucro é privado, mas o prejuízo é socializado.
    Bandidos.

  3. Concentração de mercado.Antes tínhamos 4 empresas de telefonia móvel, agora só 3.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil supera 1 milhão de casos confirmados de Covid, diz consórcio

O Brasil chegou a 1 milhão de casos de coronavírus na tarde desta sexta-feira (19), mostra um boletim extra do levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Veja os dados atualizados às 14h no boletim extra desta sexta:

48.427 mortes
1.009.699 casos confirmados

Às 20h desta quinta-feira (18), o consórcio havia divulgado o 11º balanço, com os dados mais atualizados das secretarias estaduais naquele momento, indicando 47.869 mortes – sendo 1.204 em 24 horas – e 983.359 casos confirmados.

Desde então, AC, CE, DF, GO, MT, MS, MG, PE, RN, RR, SP e TO divulgaram novos dados.

Os dados foram obtidos após uma parceria inédita entre G1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL, que passaram a trabalhar de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal.

O objetivo é que os brasileiros possam saber como está a evolução e o total de óbitos provocados pela Covid-19, além dos números consolidados de casos testados e com resultado positivo para o novo coronavírus.

Com G1

Opinião dos leitores

  1. Pode ter 180 milhões de positivo, mas o importante é sabermos que o número de óbitos chegou no pico e a tendência é acabar, e tem mais não acredito em uma segunda onda, estado nenhum fez a quarentena determinada pelos seus governantes, já temos quase a população inteira de infectados ou com anticorpos.

  2. Consórcio do mal.
    Não respeitam o resultado da eleição de 2018.
    Querem o foro de São Paulo no poder…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Automóveis: Consórcio pode atrair mais consumidores em 2014

O interesse do consumidor por adquirir o carro por meio de consórcio tende a crescer em 2014. Segundo a Abac, associação das empresas administradoras de consórcios, o aumento do IPI, que pressiona o preço do carro para cima, e a maior rigidez dos bancos para aprovar financiamentos devem servir de impulso para que a procura pela modalidade aumente.

“É provável uma expansão do mecanismo, que só nos onze primeiros meses de 2013, mostrou crescimento de 10% no número de participantes, com destaque para os 25% a mais de consorciados no segmento de veículos leves, caracterizando um perfil de interesse”, aponta Paulo Roberto Rossi, presidente-executivo da Abac.

Em novembro o número total de participantes ativos do Sistema de Consórcios bateu novo recorde e cresceu 10% na comparação com igual mês de 2012, chagando a 5,64 milhões de consorciados. As novas adesões somaram 2,29 milhões entre janeiro e novembro de 2013, com leve crescimento de 0,4%.

AutomotiveBusiness

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Grande Natal contará com Consórcio Público de Trânsito e Transporte

Representantes de cinco municípios integrantes da região metropolitana se reunirão nesta quarta feira (12), a partir das 15h, na Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), para tratar da criação do Consórcio Público dos Órgãos de Trânsito e Transporte da Grande Natal. O encontro contará com a presença dos secretários de trânsito e transporte dos municípios de Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Macaíba, Extremoz e Natal.

O consórcio público proposto será um mecanismo jurídico com o objetivo de unir os municípios da grande Natal, dando a eles a força necessária para tratar os problemas comuns em cada um dos municípios inseridos no Sistema Nacional de Trânsito (SNT). O Consórcio contará com um fórum permanente de discussão, onde proporcionará aos seus participantes oportunidades para encontrar soluções aos conflitos de trânsito e transporte das cidades e em especial da capital, por ser o polo atrativo e de desenvolvimento econômico mais avançado da região.

Os municípios integrantes do consórcio estão elaborando um protocolo de intenções de cooperação técnica/administrativa para a formação do organismo propriamente dito, onde estabelecerão propostas que serão discutidas para a elaboração de programas comuns no enfrentamento de problemas relacionados ao trânsito e transporte que afligem todos os municípios.

“O desejo de reunir os órgãos de trânsito das cidades da região metropolitana já é um sonho antigo e toma força agora com a nomeação de novos representantes dos órgãos de trânsito e transporte em cada município, vez que não tínhamos espaço nas administrações anteriores, principalmente em Natal,” afirma Paulo Roberto, Diretor do Departamento Municipal de Trânsito de São Gonçalo do Amarante (DEMUTRAN).

Um dos pontos que deve ser objeto de discussão no fórum permanente que antecederá a formação do consórcio será o transporte público com qualidade e tarifa unificada para a região metropolitana de Natal.

Outra preocupação dos órgãos que vão compor o consórcio é com relação às ações de fiscalização de trânsito e transporte por parte dos órgãos do estado (DETRAN, DER e CPRE), bem como, o tratamento dispensado as rodovias estaduais que cortam os municípios integrantes do consórcio, as quais necessitam de mais investimentos com sinalização horizontal e vertical, além de operação tapa buraco.

A Copa 2014 também será um dos pontos a serem tratados pelo consórcio, com a possibilidade de integração dos municípios na formação de uma força tarefa de ajuda mútua, por meio de convênio de parceria técnica entre os municípios integrantes do consórcio, com a participação efetiva de agentes de trânsito para auxiliar a fiscalização do trânsito e transporte nos dias de jogos da copa do mundo na capital.

“Assim nasce uma nova força disposta a colocar na mesa de debates os problemas do trânsito e do transporte das nossas cidades, e encontrar suas soluções em conjunto, buscando integração, respeito, e ajuda mútua entre os entes municipalizados, o que nunca ocorreu em nosso Estado, visto que as decisões sobre transporte sempre foram impostas aos municípios de cima para baixo, trabalhadas em gabinetes e sem o direito de participação dos municípios nas discussões e decisões”, pontua o secretário adjunto de Trânsito da SEmob, Walter Pedro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Consórcio vencendor do leilão do Aeroporto de São Gonçalo vai agilizar o serviço

No mesmo dia em que assinaram o termo de concessão para as obras do Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante, os diretores do Consórcio Inframérica, vencedor do leilão realizado em agosto passado, já iniciaram o planejamento para a construção do empreendimento.

Membro do conselho executivo do Consórcio Inframérica, Gerson Almada explicou que “junto com a licitação e a documentação entregue existem projetos de base para o desenvolvimento da obra”. Ele disse que a ordem de serviço do aeroporto “será publicada em breve” e, a contar desta data, eles têm seis meses para apresentar todos os projetos do aeroporto. “Queremos antecipar o máximo possível”, declarou.

A intenção de “antecipar o máximo possível” diz respeito aos projetos de terraplanagem e fundação da obra após assinatura da ordem de serviço. Almada citou o complemento da pista já feito. “Tem a pista de taxiamento, a torre de controle e o terminal de passageiros. Nossa intenção é entregar tudo pronto até 2014”, afirmou.

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Benito Gama, ressaltou que “o retorno é muito forte” remetendo aos investimentos feitos no Rio Grande do Norte. De acordo com ele, em recente visita aos Estados Unidos com a governadora Rosalba Ciarlini, o tema do aeroporto foi alvo de conversas com diretores do BID e do Banco Mundial.

Benito Gama lembrou que o aeroporto de São Gonçalo do Amarante “viabiliza a ZPE (Zona de Processamento de Exportação) de Macaíba”. O titular da pasta do Desenvolvimento Econômico também lembrou que indústrias na área tecnológica e de medicamentos podem ser atraídas com a obra.

O conselheiro da Inframérica revelou que “a preferência é pelo terminal de passageiros”. Ele informou que estão previstos investimentos na ordem de R$ 400 milhões, sendo “80% financiado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)”.

O diretor-geral do Departamento de Estradas e Rodagens (DER), Demétrio Torres, mostrou os acessos planejados para dar mais mobilidade a área onde será erguido o aeroporto de São Gonçalo. O auxiliar do governo Estadual disse que o próximo passo é a assinatura do contrato com o governo Federal. “Trabalhamos para a ordem de serviço sair ainda em 2011 e a previsão é de 15 meses para conclusão a partir desta data”, disse.

Com relação às desapropriações em terrenos no entorno do aeroporto, Demétrio, acompanhado pelo procurador Geral do Estado, Miguel Josino, explicou que algumas terão custo zero. “A estimativa é que se invista R$ 10 milhões em desapropriação”, revelou. Ele comentou que “a estrada (do aeroporto) valoriza as propriedades. Inclusive, alguns donos já procuraram para saber mais”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *