Aérea low cost FlyBondi vende passagens do Rio a Buenos Aires por R$ 1 mais taxas

Foto: Divulgação

A aérea low cost argentina FlyBondi está vendendo passagens do Rio de Janeiro para Buenos Aires a R$ 1 mais taxas, totalizando R$ 123 por trecho. A promoção vai até 11 de outubro, data do voo inaugural da companhia no Brasil.

Serão ofertados ao preço especial 20 lugares por avião, em mais de 40 voos com partida entre outubro e novembro – ou seja, serão mais de 800 bilhetes. O bilhete promocional dá direito a levar uma bagagem de 10 quilos. Segundo a companhia, para ter direito ao desconto a compra deve ser feita normalmente e incluído o código de desconto “carioca” no momento do pagamento.

A FlyBondi recebeu autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar regularmente no país em julho. Por enquanto, vai voar do aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, ao de El Palomar, em Buenos Aires, três vezes por semana. Em dezembro e janeiro, alta temporada, a frequência sobe para quatro vezes.

Em 20 de dezembro, estreia uma nova rota no país, de Florianópolis a Buenos Aires, também com três voos semanais.

A companhia já está autorizada pela Anac a voar da Argentina para 17 rotas no país – entre elas, São Paulo. Mas a empresa diz que avalia cada oportunidade com cuidado. “Não queremos lançar nada com menos de três meses de antecedência, para poder vender”, diz o diretor comercial Mauricio Sana.

Ele afirma que a empresa não tem intenção de pedir aprovação para atuar no mercado doméstico brasileiro por enquanto.

A FlyBondi diz que vende passagens a um preço de 30% a 40% mais baixo do que as concorrentes. Para os voos já anunciados para o país, os preços médios serão:

Buenos Aires – Rio de Janeiro: R$ 272 ou R$ 475 com taxas
Rio de Janeiro – Buenos Aires: R$ 269 ou R$ 410 com taxas
Buenos Aires – Florianópolis: R$ 206 ou R$ 399 com taxas
Florianópolis – Buenos Aires: R$ 206 ou R$ 342 com taxas

As passagens só são vendidas no site da companhia, hospedado na Argentina. Um domínio brasileiro deve estar disponível em breve e a empresa diz que negocia com “um grande parceiro” de busca de passagens, sem revelar o nome.

Startup do setor aéreo

A FlyBondi se diz uma startup do setor aéreo. Nasceu em 2016, mas começou a operar em janeiro do ano passado. Tem uma frota de 5 aviões, todos Boeing 737-800 NG, com 189 assentos em classe única. Nos primeiros 18 meses de operação, embarcou 2 milhões de passageiros.

Seus principais investidores são o fundo de private equity norte-americano Cartesian Capital e a companhia de logística japonesa Yamasa.

A empresa diz que consegue operar no esquema low cost, ou seja, com passagens a baixo custo, com basicamente duas estratégias: oferecer 15% mais assentos que as concorrentes para o mesmo tipo de avião (todos da mesma classe) e aumentar o tempo de utilização das aeronaves com otimização de processos.

Outro aliado importante é o aeroporto de El Palomar, a 17 quilômetros do centro de Buenos Aires. O terminal é novo – seu primeiro voo foi o de estreia da FlyBondi, no ano passado. Por ser pequeno e receber poucos voos, ele possibilita que a empresa tenha agilidade nos processos de embarque, desembarque e autorizações de pousos e decolagens.

“Em aeroporto congestionado é difícil cumprir o tempo de aterrissagem, e 5 minutos dando voltas para poder pousar já fazem com que eu perca dinheiro”, afirma Sana.

Sem folga financeira para desenvolver mercados, a empresa também não insiste em rotas com desempenho abaixo do esperado. Em um ano e meio de operação, já cancelou dois destinos dentro da Argentina: Tucumán e Mendoza, para os quais não conseguia uma taxa média de ocupação acima de 50%. Para serem rentáveis, os voos precisam estar 80% ocupados, segundo Sana.

A FlyBondi diz ter 9% de participação no mercado doméstico argentino. A empresa tem 570 funcionários, todos na Argentina.

Não tem escritório nem equipe no Brasil. Contratou apenas operadores de solo, para serviços como check-in, temporariamente, por cerca de dois meses. Também não tem equipe de vendas off-line. Toda a oferta de passagens é feita na internet.

Apesar de ser um negócio com custos em dólar em um país em crise e com câmbio desvalorizado, Sana diz que o nível de ocupação que a companhia tem hoje garante uma operação sustentável. “As pessoas não deixam de viajar na crise, elas encurtam as viagens. E as low cost sempre passam melhor por esses momentos que as empresas tradicionais.”

Regulação no Brasil

Outras companhias aéreas low cost estrangeiras vieram para o Brasil. Já operam aqui a chilena Sky Airline, a norueguesa Norwegian e a chinesa Air China. Além da FlyBondi, que começa a voar para o país na próxima semana, em dezembro chega por aqui a JetSmart, que é americana, mas vai operar a partir de sua subsidiária chilena.

Em 2020, vem a Virgin Atlantic Airways, do Reino Unido. A GulfAir, do Bahrein, também já manifestou interesse ao Ministério do Turismo, mas ainda não iniciou o processo de autorização junto à Anac.

O interesse dessas empresas no país ocorre após duas mudanças importantes na regulação: o fim do limite de 20% de participação de grupos estrangeiros em aéreas brasileiras (agora elas podem ter 100% de capital internacional) e a permissão para a cobrança pelo despacho de bagagem.

“Se me obrigam a não cobrar pela bagagem, tenho que cobrar mais no preço da passagem, porque isso é custo de combustível”, diz Sana, da FlyBondi.

G1

 

Governo vende conta geral do Estado por R$ 251 milhões; acordo permite liberação de consignados

A governadora Fátima Bezerra assinou na tarde desta segunda-feira, 26, o contrato de renovação da administração da conta única do Estado com a diretoria do Banco do Brasil. A negociação foi feita junto à diretoria executiva nacional da instituição bancária e ficou acordado um valor de R$ 251 milhões para que o banco continue a operar, por mais cinco anos, o pagamento salarial dos servidores – informalmente como venda da folha. O montante será disponibilizado ao Governo em dezembro próximo.

“O desfecho dessa negociação reflete o empenho da nossa equipe e do nosso modo de administrar, que está sempre buscando o que é melhor para o Estado e, sobretudo, o que é melhor para o servidor. A renovação do contrato com o Banco do Brasil seguiu por um processo transparente e responsável, para atender as necessidades dos servidores”, declarou a governadora.

Do valor total, cerca de R$ 102 milhões serão destinados ao pagamento da dívida com o Banco do Brasil referente aos empréstimos consignados deixada pela gestão anterior. Outros R$ 23 milhões são referentes ao valor pro rata do período de janeiro a abril de 2020. Com a finalidade de evitar que o Estado pague pro rata referente ao período de agosto a dezembro de 2019, o valor restante, de R$ 123 milhões, só será recebido em dezembro e contribuirá para o pagamento de salários.

“Desde o início da gestão, mesmo antes, ainda no período da transição, nós já estávamos trabalhando nessa negociação, visando equacionar o débito com o Banco do Brasil e buscar o maior valor possível para reforçar as ações de reequilíbrio das contas do governo”, destacou o secretário da Tributação, Carlos Eduardo Xavier.

Cumprindo o que diz o artigo 164, parágrafo 3º da Constituição Federal, que determina que as disponibilidades de caixa das pessoas jurídicas de direito público devem ser depositadas em instituições financeiras oficiais, o governo manteve conversas de negociação também com a Caixa Econômica Federal. No entanto, o valor oferecido pela Caixa foi de R$ 150 milhões, cerca de R$ 100 milhões a menos que o ofertado pelo Banco do Brasil.

Consignados

A negociação com o Banco do Brasil também tratou de outros benefícios para os servidores, como por exemplo o empréstimo consignado, que deverá ser liberado a partir da próxima semana com uma carência de seis meses, ou seja, o desconto das parcelas só passará a ser debitado para o servidor a partir de fevereiro do próximo ano.

“O desconto dos consignados passará a ser administrado por um sistema que foi totalmente desenvolvido pelos técnicos da Secretaria Estadual de Administração, sem a participação de empresas terceirizadas. E todo o recurso arrecadado será usado para investimentos em tecnologia para o Estado”, disse a secretária de Administração, Virgínia Ferreira.

O superintendente de Varejo do Banco do Brasil, Gustavo Arruda, destacou a disponibilidade para esta e outras parcerias com o Governo do Estado. “Para nós é uma parceria que nos fortalece enquanto instituição financeira e também enquanto agentes públicos. Agradecemos a paciência do servidor e nos colocamos à disposição para discutirmos outros projetos”.

Estiveram presentes à reunião o gerente geral da agência Banco do Brasil, Araken Rego e membros da diretoria, além dos secretários Aldemir Freire (Planejamento) Carlos Eduardo Xavier (Tributação), Maria Virgínia Ferreira Lopes (Administração) e Raimundo Alves Júnior (Gabinete Civil), além do Procurador-Geral do Estado, Luís Antônio Marinho da Silva, o Controlador-Geral do Estado, Pedro Lopes e a subsecretária do Gabinete Civil, Laíssa Costa.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Irineu Fernandes da Silva disse:

    Por que não publica minha opinião.

  2. almir dionisio disse:

    Para os servidores fazerem mais empréstimos e se enforcarem mais ainda. Isto é péssimo.
    Precisamos que o governo busque alternativas para pagar os salários atrasados.
    Contrair mais dívidas é prorrogar problemas e sufocar mais ainda os servidores.

  3. Irineu Fernandes da Silva disse:

    E o atrasado? O governo deixou para somente receber o restante em dezembro para complementar o décimo terceiro de 2019, pois não criou nada e não tomou nenhuma providência pra sair do sufoco, como aconteceu no governo passado. Coitado do servidor público.

  4. Chico disse:

    BB empresta 1 bilhão ao RN. Vcs vão receber o empréstimo em dia. Não haverá calote. Empreste vai.

  5. Cremildo Batista disse:

    Boa iniciativa, vou receber meus salários atrasados.

    • Lisa disse:

      Vai sonhando…

    • José Antônio disse:

      Sonha, Cremildo! Sonhar é bom. Perigoso é a utopia! Olha lá se esse dinheiro não for utilizado para completar o pagamento do mês de dezembro. Não falo nem do 13° de 2019, quanto mais dos atrasados. Não vá gastar por conta.

    • EU disse:

      Vai nessa!
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Adolescente chinês vende rim para comprar iPhone e iPad

Um adolescente chinês, de 17 anos, vendeu um rim para comprar um iPhone e um iPad, segundo reportagem publicada nesta sexta-feira no site da Xinhua, agência estatal de notícias da China. Cinco pessoas foram acusadas ​​de envolvimento na compra do órgão e vão responder por lesão corporal dolosa.

Entre os cinco, há um cirurgião que removeu o rim em abril do ano passado. O menino, identificado apenas pelo sobrenome Wang, agora sofre de deficiência renal, segundo promotores da cidade de Chenzhou, província de Hunan.

De acordo com a Xinhua, um dos acusados ​​recebeu cerca de 220 mil iuanes (cerca de US$ 35 mil) para organizar o transplante. Ele pagou a Wang 22 mil iuanes e dividiu o restante com o cirurgião.

Após voltar para casa, o adolescente confessou para a mãe que vendeu um dos rins quando ela perguntou como ele conseguiu o dinheiro para comprar o novo iPhone e o iPad.

O jovem era de Anhui, uma das províncias mais pobres da China, de onde habitantes frequentemente emigram para encontrar trabalho e uma vida melhor em outro lugar.

Segundo o Ministério da Saúde chinês, mais de 1,5 milhão de pessoas na China precisam de transplantes, mas só 10 mil são realizados anualmente. A falta de órgãos criou um mercado ilegal.

Fonte: O Globo