Geral

FOTO: Defesa Civil Municipal monitora trecho do calçadão de Ponta Negra atingido por erosão

Foto: Semdes

Agentes da Defesa Civil Municipal realizaram nesse domingo (13), uma nova avaliação do trecho do calçadão da orla de Ponta Negra que foi atingido por ressaca do mar. A vistoria avaliou visualmente as partes superior e inferior do local compreendendo a área pavimentada de passagem de pedestre e a parte de areia que fica no acesso à praia.

Nos dois casos foi possível perceber que não houve ampliação do desgaste. Nessa situação, foram reforçadas a estrutura indicativa de interdição do trecho para evitar trânsito de pessoas, sendo a área comprometida toda cercada com redes de isolamento, já que foi averiguada destruição parcial do calçadão e comprometimento de estrutura.

Os agentes mantiveram uma faixa estreita do calçadão para circulação de pedestres, como tinha sido avaliado no primeiro momento. O trecho fica junto à parte afetada pela ressaca, porém, na avaliação dos técnicos, a passagem não se encontra comprometida nem oferece perigo aos frequentadores da praia.

Um ponto importante solicitado pela Defesa Civil é que toda a área isolada seja respeitada pela população, já que o acesso ao local comprometido é inseguro, podendo gerar prejuízo à integridade física dos violadores. Outra medida importante é manter a sinalização de advertência intacta, evitando depredação ou vandalismo que venha retirar o isolamento.

Até ser concluída a obra de restauração do trecho avariado do calçadão, os agentes da Defesa Civil Municipal vão continuar com o monitoramento preventivo. Qualquer alteração identificada nas vistorias são imediatamente informadas à Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semov).

Para solicitar a intervenção da Defesa Civil Municipal o cidadão pode ligar para o número 190, no Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp), onde há agentes para direcionar a ocorrência para as equipes de plantão. A Defesa Civil Municipal atua com foco em ações preventivas, de socorro e de assistência em casos de desastres naturais com intuito de evitar ou minimizar danos à população.

Opinião dos leitores

  1. Estão monitorando o que? Pq não consertam logo o calçadão? Estão esperando piorar a situação pra contratar o reparo por emergência sem licitação? Hum…

    1. Essa praia já era há muito tempo. Cjegou a un estado de degradação tal que ja não tem mais jeito. Agradeça ao prefeito pelo descaso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Defesa Civil interdita e monitora trecho do calçadão da Praia do Meio afetado por ressaca

Foto: Semdes

Agentes da Defesa Civil Municipal estão monitorando a área do calçadão da Praia do Meio que foi atingida por uma ressaca do mar durante o fim de semana. A primeira medida tomada pela Defesa Civil foi isolar completamente o local afetado no sentido de evitar que pedestres circulem no trecho que ficou comprometido, cedendo parte da calçada de alvenaria.

De acordo com laudo de interdição de área emitido pela Defesa Civil de Natal, o local afetado fica situado no trecho entre os quiosques de números dois e três do calçadão. No isolamento foram utilizadas fitas de demarcação, redes de impedimento de acesso às pessoas, além de adesivos taxativos com mensagem de interdição e perigo na área.

Procedimentos

Os técnicos da Defesa Civil responsáveis pela vistoria do local identificaram destruição parcial do calçadão e comprometimento de estrutura. O laudo com todas as informações referentes ao fato já foi encaminhado a Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semov) para tratar dos procedimentos de conserto do trecho. Enquanto a obra de restauração não inicia, a Defesa Civil vai continuar monitorando o setor no intuito de manter a sinalização de interdição sempre visível, acompanhar a possibilidade de evolução do sinistro, como também evitar o acesso das pessoas ao local.

Para solicitar a intervenção da Defesa Civil Municipal o cidadão pode ligar para o número 190, no Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp), onde há agentes para direcionar a ocorrência para as equipes de plantão. A Defesa Civil Municipal atua com foco em ações preventivas, de socorro e de assistência em casos de desastres naturais com intuito de evitar ou minimizar danos à população.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Saúde em Natal monitora casos de Covid por telefone e alerta para golpes

Foto: Divulgação SMS

Desde as primeiras notificações da pandemia do novo coronavírus, a Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS/Natal) realiza um monitoramento dos casos via telefone, com ligações diárias aos pacientes que testam positivo e ficam em isolamento domiciliar. O intuito é de monitorar os sintomas. O serviço de rastreamento é de responsabilidade das Unidades Básicas de Saúde dos municípios, sendo uma recomendação do Ministério da Saúde. Atualmente, o Departamento de Atenção Básica (DAB) da SMS Natal desenvolve esse trabalho de acompanhamento aos pacientes notificados pela Covid-19.

O monitoramento é feito com algumas informações contidas na ficha de notificação preenchida nas unidades; e alerta para indivíduos que podem passar pelo setor com envio de códigos ou solicitação de dados financeiros durante as ligações. A plataforma utilizada é o Sistema de Atenção e Vigilância em Saúde, que dispõe de alguns dados que podem ser solicitados ou confirmados no momento das ligações: nome completo, CPF, e endereço, por exemplo.

Em nenhum momento, informações sigilosas como dados bancários, cartão de crédito ou envio de códigos de confirmação são solicitados pelos profissionais. O sistema foi desenvolvido pelo Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/HUOL/UFRN) para a melhoria de checagem de dados dos pacientes.

Segundo Tamires Mendes, do DAB, “esse acompanhamento acontece através de telefone, que pode ser um fixo ou móvel, com orientações para os cuidados em casa e medidas para evitar a transmissão da doença. No mesmo contato, acontece a avaliação da evolução dos sinais e sintomas e identificação precoce dos sinais de gravidade para encaminhamento em tempo oportuno à rede de saúde. Nossos profissionais sempre se identificam no início das ligações também”, comenta.

A SMS alerta aos pacientes sobre as informações pedidas no momento do acompanhamento para que não caiam em possíveis golpes. Dados complementares como ocupação e local de trabalho (e se pertence ao sistema prisional), sinais e sintomas apresentados, dados sobre as pessoas com as quais tiveram contatos próximos para observar o desenvolvimento de sinais e sintomas (nome, CPF, telefone e parentesco) também podem ser solicitados no ato do contato.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Defesa Civil monitora quantitativo de chuvas em Parnamirim

FOTO: ASCOM

A Secretaria Municipal de Segurança, Defesa Social e Mobilidade Urbana (Sesdem), através da Defesa Civil Municipal, está realizando o monitoramento do quantitativo das chuvas na cidade Trampolim da Vitória. O serviço vem acontecendo desde o mês de maio, após uma parceria da Prefeitura de Parnamirim com a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), que doou três pluviômetros para o município.

Com os equipamentos em pleno funcionamento, a checagem é feita diariamente, independente das chuvas no território parnamirinense. “A coleta é diária, de domingo a domingo. Os agentes da Defesa Civil realizam o serviço e identificam os números específicos em milímetros, que chova ou não”, disse Emerson Saraiva, coordenador da Defesa Civil.

Após a coleta, os dados são repassados para a Emparn, responsável pela divulgação dos boletins. Além disso, o município também fica com o seu próprio banco de dados, que serve para o comparativo das chuvas por época na região.

Em Parnamirim, os pluviômetros foram instalados na BR-304, estrada para Macaíba, no limite com o Distrito de Taborda e na Estrada do Sol. Seguros, e em pontos estratégicos (extremidades da cidade), os reservatórios de inox ficam expostos a céu aberto e o processo para a coleta dos dados funciona manualmente. Emerson Saraiva falou sobre a importância dos equipamentos:

“Serve para termos os dados de quantitativo das chuvas e comparar os períodos chuvosos anualmente. Pode dar também uma noção quanto a possíveis transtornos que as chuvas possam causar, alerta com alagamentos e monitoramento das lagoas de captação”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pesquisa da UFRN monitora grupos de risco para covid-19 em Natal

Cerca de 5.100 participantes da Pesquisa Participativa para o Mapeamento da Covid-19, desenvolvida pelo grupo Georisco da UFRN, no município de Natal, apresentaram um destaque tanto em termos quantitativos quanto qualitativos.

São indivíduos do grupo de risco, de acordo com o Ministério da Saúde: idosos (acima de 60 anos), diabéticos, hipertensos, portadores de insuficiência cardíaca, renal ou doenças respiratórias crônicas e profissionais da saúde. Foram quase 4.000 participantes (3.976 precisamente) que declararam algum tipo de comorbidade.

“Tanto nos bairros da Zona Leste quanto da Zona Norte apresentam muitas pessoas em grupo de risco para infecção pelo coronavírus. Os bairros de Lagoa Nova, Candelária e Capim Macio foram os destaques (principalmente porque houve mais participação desses bairros na pesquisa). Na Zona Norte, os bairros do Potengi e de Pajuçara são os principais, o que agrava a condição de epicentros da pandemia em Natal”, analisou o coordenador da pesquisa, professor Lutiane Almeida.

UFRN

https://www.ufrn.br/imprensa/noticias/35845/pesquisa-monitora-grupos-de-risco-para-covid-19-em-natal

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Governo monitora família brasileira com suspeita de coronavírus nas Filipinas

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta terça-feira (28) que o governo acompanha a situação de uma família brasileira que está nas Filipinas com suspeita de ter contraído o coronavírus e que não há orientação do governo para a retirada de brasileiros das regiões afetadas pelo vírus.

Antes de ir para as Filipinas, a família de três pessoas (pai, mãe e uma criança de 10 anos) passou por Wuhan, na China. A criança de 10 anos tem suspeita de contaminação e está em isolamento. Já os pais da menina estão isolados como medida de precaução.

“A gente fica monitorando com atenção o caso dessa família. Quando a gente tem uma situação como essa a pessoa tem que ficar onde ela está. Não é orientada a remoção, mesmo porque você não tem um tratamento especifico definido para esse vírus. O mesmo tratamento que é aplicado na China vai ser feito no Brasil”, disse o ministro durante entrevista coletiva para tratar das medidas adotadas pelo governo para evitar a entrada do vírus no país.

Durante a entrevista, Mandetta confirmou a suspeita de um caso de contaminação por coronavírus em Minas Gerais. Com isso, o governo elevou o nível de atenção para o vírus que passou de 1 – nível de alerta – para 2, de perigo iminente.

Brasileiros no exterior

O Ministério das Relações Exteriores confirmou que não há orientação do governo para a retirada de brasileiros que vivem na China. Por meio de nota, a pasta disse que a embaixada brasileira em Pequim está acompanhando a situação dos brasileiros que vivem na China. De acordo com o Itamaraty, o governo chinês mantém comunicação constante com os representantes diplomáticos e consulares e, até o momento, não considera a hipótese de organizar a retirada de estrangeiros das áreas já em situação de isolamento.

“Recorde-se que qualquer evacuação demandará, além da autorização chinesa, cumprimento das normas internacionais sobre quarentena e permissão de sobrevoo e pouso de avião com pessoas provenientes de área que experimenta surto da doença”, diz a nota.

Viagens para a China

Durante a coletiva, o ministro da Saúde disse ainda que, após a Organização Mundia da Saúde (OMS) elevar de moderado para elevado o risco de contaminação pelo vírus, brasileiros só devem viajar para a China em caso de necessidade.

“Estamos recomendando que viagens à China sejam feitas apenas em caso de necessidade. A OMS desaconselha qualquer viagem nesse momento para o país”, disse Mandetta.

O ministro disse ainda que, com a decisão da OMS, o governo vai passar a tratar como casos suspeitos, os de pessoas que estiveram em toda a China nos últimos 14 dias e apresentarem sintomas respiratórios, como tosse ou dificuldade para respirar. Antes, a atenção recaía apenas às pessoas que estiveram na cidade de Wuhan, local com maior número de casos.

O ministro disse ainda que não há orientações específicas para o período de Carnaval. “Não temos nenhuma recomendação específica de comportamento, a não ser aquelas clássicas que usamos sempre: lavar as mãos, evitar compartilhamento de objetos, copos talheres para que se possa ter um risco menor, mas nada especifico para o Carnaval”, disse.

Aeroportos

Desde o fim de semana, os aeroportos brasileiros divulgam alerta da Anvisa sobre o coronavírus. A mensagem reforça procedimentos de higiene e diz que os passageiros que apresentarem sintomas relacionados ao vírus devem procurar um agente de saúde. O ministro disse que o governo também trabalha com a elaboração de material impresso em diferentes idiomas para orientar as pessoas que chegam no país sobre o que fazer para evitar contrair o vírus.

Hoje à tarde, integrantes da Anvisa se reúnem com representantes de companhias aéreas no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, para dar orientações sobre o coronavírus.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até ontem (27), foram confirmados 2.798 casos do novo coronavírus, batizado 2019-nCoV, em todo o mundo. A maior parte na China (2.761), incluindo a região administrativa de Hong Kong (8 casos confirmados), Macau (5) e Taipei (4).

Fora do território Chinês foram confirmados 37 casos. Destes, 36 apresentaram histórico de viagem à China, dos quais 34, estiveram na cidade de Wuhan ou algum vínculo com um caso já confirmado. Desse total, os Estados Unidos e a Tailândia registraram cinco casos cada; quatro casos foram registrados no Japão, Cingapura, Austrália, Malásia e a Coreia do Sul. A França registrou três casos, o Vietnam dois, e o Canadá e Nepal um caso cada.

Nesta terça, representantes do Ministério da Saúde vão participar de uma reunião com a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o tema. Na próxima semana, Mandetta disse que vai se reunir com os secretários estaduais de Saúde e os secretários de Saúde das capitais também para detalhar as ações tomadas pelo governo.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

IBAMA investiga e monitora manchas de óleo no litoral do RN

Foto: Redes Sociais

O IBAMA está monitorando as manchas de óleo que vem aparecendo nas praias do Rio Grande do Norte desde o dia 07. As primeiras pelotas de óleo surgiram na Via Costeira, em Extremoz e Muriú. No dia 10 apareceram na praia de Camurupim, em Nísia Floresta e em Pipa, no município de Tibal do Sul. Nos dias 09 e 10 de setembro os técnicos do IBAMA fizeram vistorias nessas praias e coletaram amostras que seguiram para análise no RJ.

O esforço do IBAMA, no momento, segue em duas frentes:

– investigar a origem dessas manchas por meio da análise do óleo encontrado e pelo monitoramento de imagens de radar e satélite;

– orientar as prefeituras que tem as praias afetadas para que façam a limpeza do local e destinem adequadamente o material contaminado.

Enquanto aguarda o resultado da análise do óleo derramado, o IBAMA continua fazendo o monitoramento e orientação nas praias do Rio Grande do Norte. Mas, segundo seus agentes, identificar a fonte de vazamentos de óleo no mar é por muitas vezes difícil. Quase sempre as investigações não são satisfatórias visto a grande extensão de água e suas correntes, além das várias causas de aparecimento de manchas de óleo nas praias. O óleo pode ter decantando há algum tempo e só agora ressurgiu, sendo carregado pelas correntes até as praias.

O avião de monitoramento do IBAMA sobrevoou a faixa litorânea do Nordeste no início da semana passada e na ocasião não foram vistas manchas de óleo na água. Os técnicos do IBAMA e do IDEMA orientam aos funcionários das prefeituras, e aos banhistas que se propuseram a limpar, para que usem luvas e botas para recolher as bolhas de óleo. São indicadas ainda, as empresas tais como, CRIL e Brasólio, competentes para receber esse material de contaminação e fazer seu descarte de forma sustentável. E, em caso de animais sujos de óleo deve-se entrar em contato com o IBAMA (3342-0413) e o Projeto Cetáceos da Costa Branca (8843-0058)

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Segurança do Estado monitora alerta da PF sobre ordem de facção criminosa de ataques no RN nos próximos dias

Sobre o relatório divulgado pelo núcleo de inteligência da Polícia Federal alertando sobre um possível ataque por parte de organização criminosa no Rio Grande do Norte, a Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) e a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania (Sejuc) esclarecem que:

Estão apurando as informações em conjunto, e tomarão medidas para coibir possíveis ações dentro e fora dos presídios. A Sesed afirma ainda que está com os setores de inteligência trabalhando de maneira diuturna para garantir a segurança da população do Rio Grande do Norte.

Opinião dos leitores

  1. OS GESTORES DEVERIAM FICAR DE BOCA FECHADA…. E FAZER UM PLANO DE AÇÃO EFETIVA.
    AGORA A BANDIDAGEM JÁ ESTA PREVENIDA E POSSIVELMENTE IRAM MUDAR OS DIAS OU OS PLANOS.

  2. Pronto!!! Agora a bandidagem já mudou toda a estratégia, já não vão mais atacar no mesmo dia de antes, já vão mudar os números de celulares, os e-mails, mudar toda a estratégia!!! Todo o trabalho que as polícias fizeram até agora foi por água abaixo! Não culpo o blog em divulgar uma informação dessas, pois a função da imprensa é, realmente divulgar o que lhe passam, culpo o irresponsável que vaza uma informação tão delicada dessas para a imprensa, à troco de bolacha! Espero que a família dele não seja uma das prejudicadas por culpa da irresponsabilidade dele!!!

  3. O Juiz Henrique Baltazar, salgo engano é esse o nome, vinha alertando para uma possível quebra da ordem no sistema penitenciário.
    Parece que acertou.
    Olha só a contradição: o Governo terá que proteger a sociedade de "suas vítimas"… Perceberam?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *