Bolsonaro nunca pediu relatórios, diz chefe de inteligência da PF

Foto: Reprodução

O diretor do departamento de Inteligência da Polícia Federal Claudio Ferreira Gomes prestou depoimento na PF na investigação que analisa denúncias feitas pelo ex-ministro Sérgio Moro, e afirmou que Bolsonaro nunca solicitou detalhes sobre inquéritos diretamente.

“Nunca houve qualquer pedido de relatório de inteligência relacionado a investigações policiais em curso por parte do Presidente da República”, afirmou Gomes.

O delegado também falou sobre a produção de relátorios de inteligência para a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e ressaltou que desconhece qualquer problema de produtividade destes relátorios. Afirma ainda que os números mostram que a produção atual é, inclusive, superior a anos anteriores.

Além dele, Carlos Henrique Oliveira de Sousa, diretor executivo da Polícia Federal e ex-superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, também prestou depoimento nesta terça-feira (19) em que afirmou que foi procurado por Alexandre Ramagem, diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), antes deste ser escolhido como diretor-geral da PF, em que fez um convite para que Oliveira fosse diretor executivo da corporação.

Nesta quarta (19), a Polícia Federal vai interrogar outros dois delegados da corporação: Cairo Costa Duarte, superintendente da PF em MG, e o delegado Rodrigo Morais, que investigou o atentado sofrido por Bolsonaro durante a campanha presidencial.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. E DAÍ disse:

    O Mito tem que mudar os diretores e superintendentes para que investigadores investiguem as investigações até descobrirem que a culpa é de Lula e do PT. Tá ok?

  2. Mário disse:

    Cabeça de cavalo não tem chifre!
    Será possível!!!

  3. CHEGA disse:

    POLICIA Federal até TU???? Aff quem sera limpo Nesse BRASIL …????? Todo homem se trai, quando o poder o CHAMA

  4. William disse:

    Ele n é imbecil ao ponto de solicitar formalmente relatórios a PF. Ele queria informações de boca, isto é, na informalidade p n deixar rastros.
    ENTENDERAM !!????

  5. Nilo disse:

    Pois deveria ter pedido.

“Relatórios do Coaf não são meios de prova”, argumenta Aras

Foto: Roberto Jayme/TSE/arquivo

Ao defender o repasse direto de dados do Coaf para o Ministério Público, Augusto Aras destacou que os relatórios de inteligência financeira do órgão não são meios de prova.

“Não se trata de medida investigatória, não se trata de ação, não se tratar sequer de meio de prova. Serve para subsidiar a persecução criminal na busca de elementos probantes de eventuais ilícitos”, afirmou.

O Antagonista

 

Toffoli nega ter recebido e acessado relatórios do Coaf

Foto: Nelson Jr./STF

Dias Toffoli negou, em nota, que o STF tenha recebido ou acessado relatórios de inteligência financeira produzidos pela Unidade de Inteligência Financeira (UIF), o antigo Coaf.

“O Presidente Dias Toffoli não comenta processo que tramita sob segredo de Justiça. Vale esclarecer que o STF não recebeu nem acessou os relatórios de inteligência financeira conforme divulgado pela imprensa”, diz a nota.

Mais cedo, a Folha revelou que o ministro obteve do Banco Central a senha de acesso a dados sigilosos, mantidos pela UIF, contendo transações atípicas de 600 mil pessoas físicas e jurídicas.

Segundo o jornal, Toffoli pediu cópias dos relatórios dentro da ação na qual, em julho, ele suspendeu, a partir de um pedido de Flávio Bolsonaro, todas as investigações baseadas em relatórios de órgãos de controle obtidos pelo Ministério Público sem prévia autorização judicial.

O Antagonista

Delegados da Civil terão que apresentar relatórios de produtividade à Degepol

A partir do próximo mês, os delegados de Polícia Civil do Rio Grande do Norte terão que apresentar à Delegacia Geral de Polícia (Degepol) relatórios de produtividade das unidades policiais das quais são responsáveis. Esses documentos informarão dados sobre a quantidade de procedimentos que chegam às elegacias e quantas investigações são concluídas. “Assim poderemos gerenciar melhor a polícia e fazer investimentos ou mudanças nas DPs que estão presentando baixa produtividade”, comenta o delegado geral Fábio Rogério.

O delegado geral explica que esses relatórios deverão ser encaminhados para as diretorias de policiamento da Grande Natal e do Interior entre os dias 1 a 5 e cada mês. “Esses documentos apresentarão quantos TCOs (Termos Circunstanciados de Ocorrência) e inquéritos foram instaurados e quantos foram remetidos ao Ministério Público. Assim teremos um retrato de como está funcionando cada delegacia”. Para Fábio Rogério, esses dados servirão como uma erramenta para melhorar as unidades policiais queestão com maiores dificuldades.

“Poderemos questionar dos delegados e escrivões o motivo daquela baixa produtividade e cobrar melhorias”. Fábio Rogério diz que a medida é importante para manter sempre atualizado o banco de dados da Polícia Civil e assim conseguir recursos junto ao governo para melhorias em estrutura. Ele essalta ainda que esses documentos serão ainda remetidos à Corregedoria de Polícia para avaliar possíveis sanções a quem apresentar constantemente baixa produtividade.

Fonte: Diário de Natal