Política

À CPI, Abin nega elo com fala de Bolsonaro sobre guerra biológica

Na imagem, Alexandre Ramagem (Abin). FOTO: REPRODUÇÃO GOVERNO FEDERAL

Em documento encaminhado à CPI da Covid, a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) comentou a afirmação feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a insinuação de que o novo coronavírus pode ser fruto de uma guerra biológica.

A afirmação foi feita por Bolsonaro no dia 5 de junho, na abertura da semana das Comunicações no Palácio do Planalto, em Brasília. “É um vírus novo, ninguém sabe se nasceu em laboratório ou se nasceu por algum ser humano ingerir um animal inadequado. Mas está aí. Os militares sabem o que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que não estamos enfrentando uma nova guerra? Qual o país que mais cresceu o seu PIB? Não vou dizer para vocês”, disse o presidente na ocasião.

A declaração foi questionada em requerimento, feito pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), membro da comissão. O documento de resposta é assinado, por sua vez, pelo diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, que nega elo com a afirmação de Bolsonaro, mas admite a possibilidade de que o vírus foi criado em laboratório.

À CPI, Ramagem descarta ainda que a manifestação de Bolsonaro faça qualquer referência a informações da Abin e acredita que as relações diplomáticas entre Brasil e China são “maduras, dinâmicas, complementares e com diversas oportunidades de expansão”.

De acordo com o documento, as manifestações de Bolsonaro expressam duas entre quatro principais hipóteses existentes sobre a origem do vírus. Ramagem afirma que o último relatório da OMS (Organização Mundial da Saúde), de 30 de março, traz expressamente as hipóteses da fala do titular do Executivo.

“Embora o relatório tenha inicialmente considerado a hipótese de laboratório menos provável, sugerindo a descontinuidade dessa linha de pesquisa, após objeção de vários países, o diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus acabou voltando atrás para tornar a incluir essa hipótese como oficial das pesquisas da OMS”, disse.

A teoria do vazamento do vírus de um laboratório, inicialmente citada pelo antecessor de Joe Biden, Donald Trump, e depois descartada como “altamente improvável” por uma missão da OMS que visitou a China com muito atraso, ressurgiu nos últimos dias, estimulada por Washington.

Pequim rejeita a teoria de que o vírus pode ter surgido em um laboratório de virologia em Wuhan e acusa Washington de vender “conspirações” e politizar a pandemia.

A hipótese da origem natural — respaldada como a mais provável pela equipe de especialistas da OMS que visitou a China — afirma que o vírus surgiu entre morcegos e depois passou aos humanos, provavelmente através de uma espécie intermediária. Esta teoria foi amplamente aceita no início da pandemia, mas com o passar do tempo os cientistas não encontraram um vírus nos morcegos ou em outro animal que corresponda com a assinatura genética do SARS-CoV-2.

R7

Opinião dos leitores

  1. Os EUA, do Biden (imagina se fosseco Trump, hein?), estão investigando exatamente isso. Será que essa CPI dos corruptos vai convocar o presidente americano? Que palhaçada!

  2. Cala tua boca presidente inconsequente. Que se a China for guerrear a gente, nossas forças armadas são os primeiros a correr. Eles não são treinados para guerra, sim para privilégios de gordas aposentadorias, improdutividade laboral, e aposentadoria precoce. Entre muitos mais que daria uma dissertação.

    1. Seu comentário é digno de um pré-adolescente. Quanta bobagem!

    2. Você deve ser um despeitado. Vai bajular Lula e Maduro, seu Bajulador. Llkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência(Abin) defende voto auditável

Foto: Reprodução/Twitter

O diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Alexandre Ramagem, defendeu em redes sociais o voto auditável, matéria em tramitação na Câmara dos Deputados e pauta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Voto auditável significa segurança ao pleito eleitoral e evolução das urnas eletrônicas. Assegura integridade e transparência aos resultados do sufrágio universal. Compromisso com a representatividade popular e a democracia”, escreveu Ramagem.

A matéria exige a impressão de cédulas em papel na votação e na apuração de eleições, plebiscitos e referendos no Brasil. Pelo texto, essas cédulas poderão ser conferidas pelo eleitor e deverão ser depositadas em urnas indevassáveis de forma automática e sem contato manual, para fins de auditoria.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), determinou a criação de uma comissão especial para analisar a proposta, contida na PEC 135/19, de autoria da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF). Na última semana, foi sorteado o relator: deputado federal Filipe Barros (PSL-PR). Ambos são aliados de Bolsonaro.

R7

Opinião dos leitores

  1. Mais um assunto pra desviar a atenção do foco que está perturbando o Governo Bozo. E ainda tem muitos manés, que se acham inteligentes, falando baboseira sobre a urna eletrônica. Abre-se aí a brecha pra derrubar todo o sistema eleitoral e voltar à votação em cédulas, como nos EUA. O Minto não se cansa de copiar o sistema americano… Foi isso aí que o povo gado elegeu como presidente… lastimável…

  2. Concordo com o voto impresso. Certamente há algo errado, roubo e safadeza, não ten como um político como Bolsonaro estar eleito de 25 anos pra cá, início do voto eletrônico, usando a urna eletrônica.

    Certamente isso é uma prova de roubo.

  3. Tem que fazer como o eleitorado do Inocêncio de Oliveira. Carbono. Leva-se o carbono e, ao votar, cria-se uma segunda via para que o Coroné veja se seu gado votou nele mesmo.

  4. A narrativa de quem sabe que vai perder. Os caras acusam de fraude sem UMA unica prova. Sabe o nome disso? Desespero. É melhor JAIR se acostumando com a derrota, boiada.

  5. Mas já auditável e impresso. Os partidos recolhem a impressão após a votação e cria sua própria contabilidade e confere com a TSE

  6. Se as urnas existem fraudes ( COISA QUE EU NÃO ACREDITO), como seria essa auditoria? Iria convocar todos os eleitores a comparecer as seção eleitoral com o comprovante de votação? Se falsifica até dinheiro, quanto mais um papel que sai da urna.

  7. Veja a contradição dos PETRALHAS. SEGUNDO ELES , LULA JÁ GANHOU. E PORQUE TEMER O VOTO AUDITÁVEL?

  8. O ideal é que seja voto em cédula com os nomes datilogrados e impressos naquelas máquinas de impressão a álcool que as escolas imprimiam há decádas. Também, aproveitando a onda da idiotice como regra, vamos voltar aos cheques bancários, eliminar os cartões (muitos clones), acabar a identificação digital e também as transações on line. Tudo passível de manipulação. Vão se tratar doentes. A pouco tempo, o cara sem vergonha e seu gado (com a vaca louca) estavam reclamando do voto em cédula nos EUA, dizendo que a eleição tinha sido fraudada. Sabem porque querem a cédula? Porque é mais fácil para a milícia chegar nas comunidades afastadas e colocar armas na cabeça de alguém e colocar votos pra determinados candidatos, aliás, o sem vergonha já tem experiência nisso desde 1994.

  9. Aconselho a quem desconfia das urnas eletrônicas a trabalhar nas eleições. Não existe como invadir o sistema pelo simples fato das urnas não estarem ligadas à internet. Quando a urna é aberta estão presentes todos os fiscais de todos os partidos, retiram o relatório com a urna zerada e todos assinam, quando termina a votação é impresso o relatório com o quantitativo dos votos para cada candidato é colocado na parede da zona. É confiável. Se não fosse esses imbecís que foram eleitos não seriam.

    1. Você precisa se atualizar Maria, em vários testes, houve invasão as urnas, mesmo o TSE disponibilizando os testes em apenas 04 horas para os testes. Todo país desenvolvido tem a política de imprimir o voto. Todo sistema de informação já foi invadido, Nasa, KGB, bancos, como uma urna feita por técnicos da Venezuela não pode ser invadida ou seus dados manipulados? Pior, como as urnas possuem chave criptografada única?
      Será que os dados que são extraídos das urnas, são os mesmos divulgados pelo computador do TSE? Qual é o grande receio ou medo em ter o voto impresso para poder fazer uma auditoria?

    2. José firmino, eu já vi alguém falar asneiras mas em toda a minha vida nunca vi alguém superar você. Se nos testes a urna foi invadida é pq alguém colocou um cabinho lá na urna e ligou esse cabinho no computador. Urna não é igual a sua cabeça não que entra qualquer merda via WiFi, Whatsapp, Face… Insta…

  10. O voto já é aditável, existem N relatórios de auditoria que as urnas emitem , o que eles querem é uma maneira deles “milicianos” de auditar e assim ter como ameaçar com as milícias infiltradas nas comunidades, hoje encontradas praticamente em todas as comunidades do Brasil. Imagine uma pessoa da comunidade do Rio, não entregar a comprovação de que não votou no candidatos deles? Não tem menino besta ai não, isso vai ser o voto de cabresto de volta. Retrocesso, gente não caiam no encantamento da serpente. A arma que a gente tem é o voto e secreto!!! Vamos continuar assim.

  11. Se dizem que o sistema eleitoral brasileiro é tão perfeito e confiável, por que tanto medo desse voto auditável? Quanto mais transparência, melhor. O que não pode é haver dúvidas quanto à legitimidade do resultado.

    1. Perfeito ! Isso acabaria com mais um destes discursos vazios e falaciosos do JuMinto.

    2. Estou esperando sentado (quase deitado) desde 2019 as provas das fraudes das eleições de 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018.
      O presidente disse que tinha, mas até agora …………..

    3. Bananinha já disse que não existem provas de fraude em eleições. Mais uma das mentiras diárias do pior presidente que o país já teve. E vai ficar por isso mesmo? O que o mito miliciano diz agora? Vai dizer que não disse, como fez quando acusou a China? Este anormal precisa ser intimado a provar suas declarações. A palavra do Bozo não vale nada. Só DH diz que acredita mas como sabemos, DH mente.

    1. Assume para o delírio de quem adora CORRUPTOS condenados por corrupção em todas as instâncias por desviar recursos públicos, para quem adora quem comanda MENSALÕES e PETROLÕES, para quem adora quem governa o país gastando BILHÕES em Copa do Mundo e Olimpíadas enquanto os hospitais públicos estavam super lotados e sem condições de atender a população.

  12. Esse cara da ABIN é aquele mesmo que é amigo dos filhos do MINTO? Aquele que está deixando o MINTO usar uma instituição de Estado para defender o filho corrupto do MINTO? O mesmo que está deixando o MINTO usar os servidores de lá para trabalharem contra a CPI? Muito isento viu!

    1. Este governo é horrível, mas sou a favor do voto auditável sim, e digo mais, não seria apenas em caso de dúvida, o que acabaria em muita judicialização e sim deveria ter contagem por amostragem em 5% ou 10% das urnas de cada zona eleitoral e em caso de divergência nos números apurados eletronicamente a contagem integral dos votos em papel daquela zona eleitoral.

  13. O vote deve ser auditável, sim. Ora, se os hackers invadem até conta bancária, podem acessar, também, urnas eleitorais.

    1. Amigo, as urnas são off-line, elas não se conectam a internet não.

    2. Jr e Potiguar são muito juvenis..Querer discutir com o mito é muita ignorância. O cabra estudou. Entende de medicamento, de programação, de economia, de geografia e até de guerra radiológica. E vcs dois estudaram o quê pra querer contestar o Mito? Era melhor ter ficado caladinhos.🤐🤐

    3. Não é muito mais fácil fraudar votos em papel? Isso é uma tentativa de desacreditar o processo eleitoral já vislumbrando a trolha que Bozo vai levar.

    4. Antônio, com todo respeito a sua ignorância no assunto, a urna não tem conexão WiFi, ou vc arranja um racker para cada urna ou vai ao depósito das urnas e frauda uma por uma, como nos testes, mesmo com computadores conectados as urnas não houve como mudar os votos, mesmo colocando alguém NOS depositos onde ficam as urnas ou um Racker em cada seção eleitoral não tem como. No mais, Bozo n entende de politica, educação… QUEM DISAE FOI ELE, quem dirá de segurança da informação.

    5. Ei, antonio Turci… as urnas são off-line, elas não se conectam a internet não…. pare de falar abobrinha e vá crescer…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Cármen Lúcia determina que PGR apure suposta produção de relatórios da Abin para defesa de Flavio Bolsonaro, e eventual crime de responsabilidade

Foto: André Coelho / Agência O Globo

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (18) que a Procuradoria-Geral da República (PGR) investigue a suposta produção de relatórios da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para orientar a defesa do senador Flavio Bolsonaro (Republicanos -RJ) na tentativa de anular as investigações do caso das rachadinhas.

A informação de que a Abin ajudou a defesa de Flávio foi divulgada pela revista ‘Época’ na semana passada.

Segundo Cármen Lúcia, os fatos narrados podem configurar “atos penal e administrativamente relevantes como prevaricação, advocacia administrativa, violação de sigilo funcional, crime de responsabilidade e improbidade administrativa”.

Na terça-feira (15), o procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou que pediu informações à Abin sobre os supostos relatórios feitos para a defesa de Flávio. Aras afirmou que as suspeitas são graves, mas que ainda não há elementos que justifiquem uma investigação formal.

No dia seguinte, os partidos Rede e PSB pediram ao Supremo que Flávio entregue os supostos relatórios.

G1

Opinião dos leitores

  1. Aonde a época fica nisso tudo?
    É muito fácil de descobrir é só os responsáveis pela matéria informar quem forneceu o relatório.
    Quando eles querem prendem repórteres do nada, dizendo ser fake news.

  2. Vixe. Primeiro era Ramos. Agora o presidente vai ter que sair da sombra da Ramagem. O sol tá quente nas costas do Bozo.

  3. Rapaz fico só imaginando se fosse o Lula querendo proteger suas crias das enrascadas a zuada que essa galera raivosa anti-corrupção seletiva ira fazer. Como diz um colega, hipocrisia é mato, KKKKKKK

  4. Mourão já mandou engraxar o sapato… A besta fera vai cair…fora Bozo, fora satanás… Mourão 2021..
    ?????

    1. Tem gado pra todo gosto nesse país. Doido que Alibaba e os quarenta ladrões voltem ao poder. Sinceramente o Brasileiro merece a qualidade dos políticos que temos!!!

    2. O palhaço Bozo tanto fez e faz que já está sendo comparado, em situação de desvantagem, ao ladrão Lula. Precisa ser muito incomoetente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PGR pede informações à Abin e ao GSI sobre supostos relatórios para defesa de Flávio Bolsonaro

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou nesta terça-feira (15) que pediu informações à Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) sobre a suposta produção de relatórios para orientar a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos -RJ) na tentativa anular o caso das rachadinhas.

Segundo reportagem da revista “Época”, a Abin produziu pelo menos dois relatórios de orientação para Flávio Bolsonaro e seus advogados sobre o que deveria ser feito para obter os documentos que permitissem embasar um pedido de anulação do caso.

Aras afirmou que as suspeitas são graves, mas que ainda não há elementos que justifiquem uma investigação formal.

“O fato em si narrado é grave, o que nós não temos são provas desses fatos. Nós não trabalhamos com narrativas. Nós trabalhamos com fatos e provas, por enquanto temos fatos transmitidos pela imprensa”, disse Aras em conversa com jornalistas.

O Ministério Público do Rio denunciou o senador do Republicanos e filho do presidente Jair Bolsonaro por um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio na época em que era deputado estadual. Fabrício Queiroz é suspeito de ter administrado o suposto esquema.

Aras afirmou que o Supremo Tribunal Federal tem entendimento consolidado que notícia de imprensa não é prova e que a PGR precisa encontrar elementos que justifiquem uma investigação formal. A PGR recebeu representação de mais de 50 deputados pedindo uma investigação sobre a eventual conduta de órgãos do governo para fins pessoal da defesa do senador.

“Na verdade, nós recebemos somente ontem as representações do deputado Marcelo Freixo mais 50 deputados. Estas representações não trazem elementos materiais, trazem apenas notícias de jornal. O que significa dizer que o Ministério Público vai ter que fazer a investigação porque é evidente que, se a sociedade, se os representantes do povo podem nos fornecer elementos, o jornalismo”, disse.

“Não sabemos se é questão do órgão ou do agente do órgão que se desviou de suas atividades. É preciso apurar se a responsabilidade é do órgão ou do agente”, completou.

G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Sindicato de auditores da Receita sobre suposta ação da Abin no órgão no caso Flávio: ‘se as informações forem confirmadas, o fato é inaceitável’

Sede da Receita Federal em Brasília Foto: André Coelho / Agência O Globo

O Sindifisco, que representa auditores fiscais da Receita Federal, condenou nesta sexta-feira o uso da Abin na elaboração de documentos para orientar a defesa de Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas e recomendar o afastamento de servidores da Receita. O caso foi revelado pela coluna.

O sindicato afirma que, se as informações forem confirmadas, o “fato é inaceitável em todos os sentidos”.

“Não se pode admitir que um órgão de governo busque interferir num órgão de Estado, protegido pela Constituição Federal, sugerindo afastamentos de servidores públicos. Ao estar a serviço de uma causa que não é republicana, a atuação da Abin passou de qualquer limite”, disse nota divulgada pela organização.

O Sindifisco afirma que a Receita Federal tem resistido a pressões políticas, mas que o órgão precisa reagir “contra esse que pode se configurar no maior escândalo da República”.

O sindicato ainda diz não acreditar ter havido participação da corregedoria da Receita Federal na devassa de dados fiscais de Flávio Bolsonaro para fornecer o relatório que gerou o inquérito das rachadinhas.

A coluna mostrou nesta sexta-feira que a Abin produziu pelo menos dois relatórios de orientação para Flávio Bolsonaro e seus advogados sobre o que deveria ser feito para obter os documentos que permitissem embasar um pedido de anulação do caso Queiroz.

Nos dois documentos, a Abin detalha o funcionamento da suposta organização criminosa em atuação na Receita Federal (RFB), que, segundo suspeita dos advogados de Flávio, teria feito um escrutínio ilegal em seus dados fiscais para fornecer o relatório que gerou o inquérito das rachadinhas.

Em dos relatórios sugere a demissão de “três elementos-chave dentro do grupo criminoso da RF”, que “devem ser afastados in continenti”. Os nomes citados são o do corregedor José Barros Neto; o do chefe do Escritório de Inteligência da Receita no Rio de Janeiro, Cléber Homem; e do chefe do Escritório da Corregedoria da Receita no Rio, Christiano Paes.

Guilheme Amado – Época

Opinião dos leitores

  1. Esses políticos são todos iguais. A cada eleição se tem um pouco de esperança que as coisas melhorem, mas continua tudo da mesma forma : ROUBO, CORRUPÇÃO, a JUSTIÇA a CADA DIA PIOR, Não tem jeito : O BRASIL é o Pais da SACANAGEMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM.

  2. Todos iguais. A bandidagem imperando na República e um bando de idiotas defendendo a família metralha. Entre petralhas e metralhas prefiro o Brasil. Bolsonaro e seus minutinhos não passam de bandidos iguais aos que dilapidaram a Petrobras e outros organismo do País.

  3. Quando Gilmar Mendes e Tofolli afastaram os fiscais da receita que apuravam movimentações ilegais, não vimos nenhuma manifestação desse sindicato do PT.

    1. Zé , não tem nada haver uma coisa com a outra . O foco agora é no bananinha e no TONHO DA CLIROQUINA .

  4. A familícia usando órgãos de governo para defender seus membros.
    Nunca descemos tao baixo na nossa história.

    1. Como é omi???.. já esquecesse do mensalão e do petrolão foi?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Abin fez relatórios para orientar defesa de Flávio Bolsonaro na anulação do caso Queiroz com suposta organização criminosa na Receita, diz colunista

Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) produziu pelo menos dois relatórios de orientação para Flávio Bolsonaro e seus advogados sobre o que deveria ser feito para obter os documentos que permitissem embasar um pedido de anulação do caso Queiroz.

Nos dois documentos, obtidos pela coluna e cuja autenticidade e procedência foram confirmadas pela defesa do senador, a Abin detalha o funcionamento da suposta organização criminosa em atuação na Receita Federal (RFB), que, segundo suspeita dos advogados de Flávio, teria feito um escrutínio ilegal em seus dados fiscais para fornecer o relatório que gerou o inquérito das rachadinhas.

Enviados em setembro para Flávio e repassados por ele para seus advogados, os documentos contrastam com uma versão do general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, que afirmou publicamente que não teria ocorrido atuação da Inteligência do governo após a defesa do senador levar a denúncia a Bolsonaro, a ele e a Alexandre Ramagem, diretor da Abin, em 25 de agosto.

Um dos documentos é autoexplicativo ao definir a razão daquele trabalho.

Em um campo intitulado “Finalidade”, cita: “Defender FB no caso Alerj demonstrando a nulidade processual resultante de acessos imotivados aos dados fiscais de FB”. Os dois documentos foram enviados por WhatsApp para Flávio e por ele repassados para sua advogada Luciana Pires.

O primeiro contato de Alexandre Ramagem com o caso foi numa reunião no gabinete de Bolsonaro, em 25 de agosto, quando recebeu das mãos das advogadas de Flávio uma petição, solicitando uma apuração especial para obter os documentos que embasassem a suspeita de que ele havia sido alvo da Receita. Ramagem ficou com o material, fez cópia e devolveu no dia seguinte a Luciana Pires, que voltou ao Palácio do Planalto para pegar o documento, recebendo a orientação de que o protocolasse na Receita Federal. A participação da Abin, a partir daí, seguiria por meio desses relatórios, enviados a Flávio Bolsonaro, com orientações sobre o que a defesa deveria fazer.

No primeiro relatório, o que especifica a finalidade de “defender FB no caso Alerj”, a Abin classifica como uma “linha de ação” para cumprir a missão: “Obtenção, via Serpro, de ‘apuração especial’, demonstrando acessos imotivados anteriores (arapongagem)”. O texto discorre então sobre a dificuldade para a obtenção dos dados pedidos à Receita e, num padrão que permanece ao longo do texto, faz imputações a servidores da Receita e a ex-secretários, a exemplo de Everardo Maciel.

“A dificuldade de obtenção da apuração especial (Tostes) e diretamente no Serpro é descabida porque a norma citada é interna da RFB da época do responsável pela instalação da atual estrutura criminosa — Everardo Maciel. Existe possibilidade de que os registros sejam ou já estejam sendo adulterados, agora que os envolvidos da RFB já sabem da linha que está sendo seguida”, diz o relatório, referindo-se a José Tostes Neto, chefe da Receita.

Guilherme Amado – Época

 

Opinião dos leitores

  1. No PT todo mundo roubava… No governo do Bozo só rouba ele e sua familia. Isso não fez dele melhor. Apenas diferente. Fernando Collor quis roubar sozinho e se lascou, bem vindo ao Brasil.

    1. Votei no Bozó pra tirar o PT e acabar a roubalheira. O PT saiu mas o assalto aos cofres continua, com os mesmos personagens, agora aliados do Bozó. E agora pior, travestido de patriotismo, esse governo está fazendo o país regredir muitos anos. Mas eleição tem outras por vir. Vamos mandar o gado de volta ao curral em muito breve.

  2. Cuidado Manoel vc de tanto fase esse mugido, pode acabar igual a um jegue…….kkkkkkk

  3. Querem de qualquer jeito achar alguma coisa pra prejudicar o nosso presidente.
    Mais mito e mito 2022 ??????

  4. Alô PF, TCU e CGU? Estão usando a máquina para fins pessoais. Isso é ou não é crime de responsabilidade?

    1. Pergunta de leigo: um mandato de um parlamentar federal qualquer pode ser tomado como 'assunto pessoal'?

    2. Claro. O que está sendo investigado é a conduta PESSOAL de Flavio Bolsonaro e não atos praticados em função do cargo de Senador.

    1. Por completo, incluindo STF e todo o Judiciário, todos os escalões de governo (num tem mais um esquerdista), Congresso, estados, municípios, universidades… Bolsonaro faz o que lhe dá na telha.

  5. Isso não é aparelhamento do Estado para fins particulares não ????????????

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Diretor-geral da Abin deverá ser confirmado para assumir o comando da PF

FOTO: CAROLINA ANTUNES/PR

O diretor-geral da Agência Brasileira de inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, é um dos cotados para assumir o comando da PF. Ele se aproximou de Jair Bolsonaro quando ficou responsável pela segurança do presidente depois da facada na campanha de 2018, em Juiz de Fora (MG).

Blog Ana Maria Campos – Correio Braziliense

Opinião dos leitores

    1. Vai aparecer varios coisas agora contra ele. Sera preciso inviabilizar ele para 2022. Vai vir ataques dos fanaticos de Bozo e do PT.

  1. Esse já vem com o cabresto. Só que não vai conseguir esconder o material que a PF já tem guardado. Corre Bozo que lá vem o Japonês.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Abin teria alertado Bolsonaro sobre 5.571 mortes por coronavírus, diz site The Intercept Brasil

Foto: Ilustrativa

Um relatório da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) aponta que o novo coronavírus poderá chegar a 207.435 casos no país e causar a morte de até 5.571 pessoas em duas semanas, até 6 de abril. As informações são do site The Intercept Brasil, que teria tido acesso ao documento sigiloso.

Segundo o Intercept, o relatório é datado da última segunda-feira (23), às 22h10, e teria sido enviado ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ontem, em pronunciamento em rede nacional, Bolsonaro criticou governadores e prefeitos por fecharem escolas e o comércio para evitar a propagação do coronavírus.

A projeção de 5.571 mortes leva em conta a evolução de casos oficiais e mortes causadas pelo coronavírus na China, Itália e Irã, países que estão entre os mais afetados pela pandemia.

Em um cenário menos pessimista, a Abin projeta 71.735 casos e 2.062 mortes até 6 de abril, considerando a evolução da pandemia na Alemanha e na França, países que adotaram medidas restritivas com mais rapidez para enfrentar a crise.

Essas projeções são feitas diariamente pela Abin e a partir dos dados divulgados pelo Ministério da Saúde e podem variar bastante de um dia para o outro. Segundo o site, o relatório anterior, do último domingo (22) projetava 8.621 mortes até 5 de abril no pior cenário.

Medidas de contenção

O relatório também analisa dados de outros países apontando que o avanço do coronavírus foi freado e os casos começaram a diminuir após a adoção de medidas restritivas. “Coreia do Sul, Irã e China conseguiram mudar a direção da reta, provavelmente depois da adoção de medidas de contenção”, diz o documento.

No caso da China, o relatório afirma que o país conseguiu diminuir a taxa de crescimento dos casos cerca de 10 a 15 dias depois da adoção de medidas de contenção, inclusive com “lockout” (fechamento da entrada e saída de pessoas) em municípios e províncias.

“A partir desse período o número de casos novos parou de crescer na mesma taxa e o número de casos ativos começou a reduzir em função da melhora dos pacientes mais antigos”, diz a Abin no relatório.

Porém, a adoção do isolamento imposto em cidades brasileiras vem sendo alvo de críticas de Bolsonaro, que defende o fim da quarentena e a volta das pessoas ao trabalho para evitar problemas na economia.

UOL, com Intercept

Opinião dos leitores

  1. Tem que prender urgente o Glenn Greenwald. Ou mandar de volta pros States. Continua fazendo jornalismo com base em informações hackeadas. Liberdade de imprensa não é isso.

  2. Interessante é q esse jornaleco ainda continua roubando informações confidenciais da ABIN e não vi um comentario sobre isso aqui.

    Esses terroristas querem incendiar o país a todo custo, mas não conseguirão… O remédio para essa doença maldita já está sendo produzido, é só observar a mudança de postura do EUA e do Brasil de ontem pra hoje. Em tempo: vocês acham que Bolsonaro fez aquela transmissão em cadeia Nacional, sem medo de nada, atacando tudo e todos sem ter respaldo do que estava falando? vejam a postura de Trump de ontem pra hoje, falando q vai reabrir as fronteiras e agradecendo em seu pronunciamento a Bolsonaro e as pesquisas da Fiocruz referente ao combate da malária na região norte, que foram fundamentais para fazer o remédio contra o coronavirus? enquanto isso a imprensa continua apavorando o mundo e o mimimi da petralhada continua.

    Podem espernear a vontade e bora trabalhar, pq esses povo quer ver só o Brasil se destruindo.

    #Bolsonaro 2022

  3. Veja como a divulgação é tendenciosa, alarmista, criminosa até. Os canalhas projetam mais de cinco mil mortes, fazem todo o terrorismo, para ao final afirmarem cerca de duas mil mortes, contudo com pouca ênfase. Nota-se que é tudo orquestrado para produzir pânico na sociedade. O H1N1 matou pouco mais de duas mil pessoas durante o governo Lula, mas não houve esse terrorismo midiático. Se precaver é necessário, mas basta de aterrorizar a sociedade! Se bem que, vindo do UOL junto com essa porcaria de Intercep não se deve dar credibilidade alguma.

  4. Estamos passando por um momento delicado, o povo em estado de pânico e vem essa publicação dos criminosos do Intercept Brasil que não tem a menor credibilidade? Por favor, não preste esse desserviço aos eleitores. É o mesmo que ir a um estuprador e divulgar a opinião dele sobre uma lei contra o estupro. Só aqui esses bandidos ainda estão livres, com salvo conduto emitido por Gilmar Mendes. Esse país está de cabeça para baixo, aqui bandido tem espaço na mídia e ainda pousa de coitadinho e tem fã clube.

    1. Pânico? Que pânico? Só estamos seguindo orientações de especialistas, incluindo o ministro da saúde (único ministro lúcido desse governo) que sabe muito mais que o presidente e que você.

  5. Abin deveria também ter feito um estudo sobre qual o resultado de 200 milhões de pessoas sem trabalhar, recebendo benefícios do país, ou sem receber, desses, uns 130 milhões há muito vivem de sub empregos, e hoje se encontra sem recursos financeiro e com sua despensa quase zero. Enfim, quantas morrerão nos 2 casos, e qual cenário será menos traumático atravessar?

  6. Quem danado vai acreditar em um site que se tornou conhecido por pegar conteúdo por meio de criminosos.

  7. Lógica , baseada em outros países . Poderíamos argumentar : mas nosso clima é outro ? Como não existe parâmetro ainda devemos seguir as recomendações e experiências de onde a coisa está dando certo . Não sei da realidade desse relatório com esses números , mas que existem relatórios eu não tenho dúvida . Confidenciais ou não eles estão na mesa do presidente todos os dias . Ou ele está muito seguro para dizer o que disse ontem ou é um farsante .

  8. Muitos já estão chamando Bolsonaro de genocida por sua atitude nessa crise e seu discurso criminoso de ontem. O Brasil está rumo ao abismo social e econômico com esse incompetente na cadeira de presidente.

  9. ATENÇÃO GOVERNO VAI SE PRONUNCIAR EM BREVE E INFORMAR QUE A ABIN É UMA REDE DE COMUNISTAS PETISTAS SOCIALISTAS FILHOS NETOS DE LENIN, STALIN, MAO TSE TUNG, HOCHIMINH, ETC…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Após vazamento de supostos diálogos de Moro, Bolsonaro e integrantes do Executivo usarão celulares criptografados da Abin

Foto: EVARISTO SA / AFP

O vazamento de diálogos entre o então juiz federal Sergio Moro, atual ministro da Justiça, e o procurador Deltan Dallagnol está provocando uma mudança de hábito no alto escalão do governo Jair Bolsonaro . O próprio presidente e outros integrantes do Executivo sempre preferiram o aplicativo de mensagens, como WhatsApp e o Telegram, para se comunicar e tratar inclusive de temas considerados confidenciais, mas devem agora migrar as conversas para telefones criptografados fornecidos pela Agência Brasileira de Inteligência ( Abin ).

A Abin desenvolveu mecanismos de proteção e criptografia que protegem as comunicações do presidente e de ministros de Estado. De acordo com um auxiliar do Planalto, o caso envolvendo o ministro Moro acendeu o alerta de como o governo e seus integrantes estão expostos e, portanto, a orientação agora é redobrar as medidas de segurança. Segundo a mesma fonte, a tendência é que, finalmente, assuntos sigilosos sejam tratados apenas por telefones criptografados, ou seja com tecnologia que protege os dados dos aparelhos.

Esses dispositivos fornecidos pela Abin não permitem a instalação de WhatsApp, Telegram e redes sociais. Como o presidente e ministros utilizam o WhatsApp para manter conversas, eles acabam usando seus telefones pessoais, com segurança mais frágil. A justificativa é que, ao chegar ao governo, eles viviam “um período de adaptação” e, portanto, resistiam aos aparelhos criptografados.

A preocupação do Planalto, neste momento, é se os ataques de hackers colocam em risco até mesmo os dispositivos criptografados e bancos de dados do governo. A avaliação é que está em curso uma “guerra”.

Na noite desta quarta-feira, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, afirmou que o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) vem alertando o presidente, ministros, secretários e servidores do alto escalão nos cuidados sobre o risco na comunicação.

— O presidente é orientado pelos seus agentes de segurança nas área física e cibernética com comportar-se. Em cima dessas orientações que ele vem tomando as precauções que são necessárias.

O site de notícias The Intercept Brasil publicou mensagens atribuídas a Dallagnol e a Sergio Moro , que indicam que os dois combinaram atuações na Operação Lava-Jato. A reportagem cita ainda mensagens que sugerem dúvidas dos procuradores sobre as provas para pedir a condenação de Lula no caso do tríplex do Guarujá, poucos dias antes da apresentação da denúncia.

As conversas tornadas públicas sugerem também que os procuradores teriam discutido uma maneira de barrar a entrevista do ex-presidente autorizada por um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), antes do primeiro turno da eleição.

Moro e Dallagnol negam irregularidades e denunciam invasão ilegal de suas comunicações.

Desde então, o Planalto tem adotado a cautela para tratar o episódio. Auxiliares do presidente defendem que o governo demonstre confiança no ministro, mas sem fazer defesas muito entusiasmadas, uma vez que o site prometeu novas revelações, que o próprio ministro admitiu desconhecer a extensão do que ainda pode ser divulgado. A estratégia é para tentar conter a repercussão do caso.

Na última terça-feira, Bolsonaro uma aparição pública com Moro ao seu lado, durante evento da Marinha, servindo para demonstrar a confiança que Bolsonaro tem no ministro. Até agora, no entanto, ele não se manifestou publicamente sobre o assunto. Frequente nas redes sociais, ele não usou o Twitter e o Facebook para sair em defesa de Moro. Na terça à tarde, durante agenda em São Paulo, ele encerrou uma coletiva ao ser questionado sobre o caso.

Ao meio-dia desta quarta, o ministro da Justiça foi ao Palácio do Planalto para um novo encontro com o presidente , desta vez acompanhado do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A pauta da reunião, que não constava na agenda de nenhum dos três pela manhã, não foi divulgada até o momento.

De acordo com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), que se encontrou com Moro à tarde no Ministério da Justiça, o silêncio de Bolsonaro tem como objetivo não amplificar a repercussão do conteúdo das mensagens. Ela e aliados do presidente e do ministro dizem considerar que os diálogos revelados não têm “nada de mais” e preferem focar as atenções na suposta invasão criminosa contra o ministro e os procuradores.

Em nota, o ministro da Justiça lamentou “a falta de indicação de fonte de pessoa responsável pela invasão criminosa de celulares de procuradores. Assim como a postura do site que não entrou em contato antes da publicação, contrariando regra básica do jornalismo”. A força-tarefa de Curitiba divulgou um texto para rebater a reportagem, dizendo que “seus membros foram vítimas de ação criminosa de um hacker que praticou os mais graves ataques à atividade do Ministério Público, à vida privada e à segurança de seus integrantes”. Os dois negam irregularidades e denunciam a invasão ilegal de suas comunicações.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Pelo amor de Deus vms parar de defender político, qdo as pessoas vão entender que o governo tem que ser cobrado e exigido. Não adianta ficar todo o momento falando dos que passaram e colocar panos quentes no que estão. A cobrança de um bom trabalho tem que ser feita sempre e isso vai além de preferência partidária.

  2. Meu celular, minha conta bancária, meu Whatssap, tudo tudo pode ser exposto, mostrado. Sabem o porquê? NÃO SOU CORRUPTO, NÃO DEVO NADA A NINGUÉM. Quem se esconde tem medo de alguma coisa errada que está fazendo. É o "novo" país da censura e da ditadura, e da safadeza!

  3. O comico dessa historia são as situaçoes de um lado os corruptos e de outro os combatentes, ou seja, enquanto os hackers quebram o sigilo do lado do bem expoem as estrategias de combatente à corrupção e quando quebram o sigilo do lado do podre, dos PTralhase sua quadrila expoem a seboseira da corrupção que faz parte de muitos esquerdopatas.
    #LULA NA CADEIA FOREVER

    1. porque todo mundo tem segredos, mas, não significa que os segredos seja para roubar a nação.

    2. Talvez por ter havido um governo que roubou, que teve tanta corrupção por quase 16 anos, nós estamos desacreditados nos políticos e ministros… Mas prezar pela segurança não é só pra quem quer praticar atos de corrupção, afinal, a gente fecha nossa casa com medo do criminoso, você não?

    3. Porque são titulares de órgãos do estado e não tiozinhos do WhatsApp.

    4. Pois é… Não ia ser um governo de transparência ? ?! Muitos passadores de pano por aqui. Quando entenderão q são servidores públicos e agentes públicos?! Aff

  4. Cuidado presidente, a Petralhada foi infiltrada em todas as áreas do governo, veja os bandidos do STF! Runas de ????

    1. Sim. Ele, Lula, Dirceu, Gleisi, Dilma, toda a petralhada. Pessoas do bem…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Espionagem da Abin não se compara com a dos EUA, afirma Dilma

 A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (6) não ser possível comparar a espionagem promovida pelo governo brasileiro com as ações da agência americana NSA.

A Folha revelou nesta semana que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) espionou diplomatas da Rússia, Irã e Iraque entre 2003 e 2004.

“Não pode comparar o que a Abin fez em 2003 e 2004, até porque, segundo a Abin, foi contrainteligência.”

Dilma disse que “inteligência e defesa dos governos” são uma questão velha e que a ação brasileira “não levou a nenhuma consequência de violar a privacidade.”

Nas ações da Abin não houve monitoramento de mensagens eletrônicas e telefonemas. A atuação dos agentes brasileiros se deu em território nacional.

“Isso é previsto na legislação brasileira, não cometeu nenhuma ilegalidade. No outro caso, é um aparato de violação da privacidade dos direitos humanos e da soberania dos países.”

A presidente concedeu entrevista ao grupo RBS, do Rio Grande do Sul, pela manhã em Brasília.

Dilma também comentou o cancelamento da visita que faria em outubro aos Estados Unidos, devido ao vazamento das ações da NSA pelo ex-analista Edward Snowden. Disse que, se a programação fosse mantida, poderia ocorrer “constrangimento” durante a viagem e classificou a situação como “inadmissível”.

Ela afirmou que esperava um pedido de desculpas do governo Barack Obama, o que não ocorreu. Também disse que “ninguém sabe o que tem o Snowden, nem os Estados Unidos sabem” e que novas denúncias poderiam ser divulgadas.

“O tema que vocês pautariam seria essas denúncias. E não as nossas realizações.”

Dilma também afirmou que o caso não influenciou nas relações comerciais entre os dois países.

Folha

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

PF e Abin entram no jogo e vão investigar Hackers

Josias de Souza:

Além da Polícia Federal, o governo mobilizou a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) na investigação da onda de ataques cibernéticos a sites oficiais.

No intervalo de três dias –de quarta a sexta-feira—, foram invadidas e temporariamente desativados os sistemas de oito órgãos públicos, entre eles o Planalto.

A Abin pende do organograma do GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República).

Tem a missão constitucional de prover informações estratégicas ao inquilino do Palácio do Planalto.

Dilma Rousseff declarou-se “surpresa” com a vulnerabilidade dos sites oficiais, disse ao blog um auxiliar da presidente.

Requisitou informações sobre as normas de segurança do governo na internet. Quer saber também detalhes sobre a extensão dos estragos.

Oficialmente, os órgãos alcançados pelos ataques em série informam que os hackers não capturaram dados sigilosos. Dilma quer ter certeza.

Funciona no GSI um Comitê Gestor de Segurança da Informação. Foi criado em 2000, sob Fernando Henrique Cardoso.

Dedica-se a monitorar as investidas contra sites oficiais. Fixa regras de segurança preventiva. Mas nem todas as repartições as seguem.

Sob Dilma, o Planalto deve aperfeiçoar e unificar a política de prevenção eletrônica, tornando-a obrigatória.

(mais…)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *