Lista obtida pelo NYT mostra que Europa vai barrar brasileiros, russos e americanos; bloco vai abrir fronteiras externas em 1º de julho

Foto: STEPHANE DE SAKUTIN / AFP

Os brasileiros, assim como os americanos e os russos, serão impedidos de entrar nos países da União Europeia quando eles reabrirem suas fronteiras externas que foram fechadas por causa da pandemia da Covid-19. A reabertura está prevista para acontecer a partir de 1° de julho. Brasil, EUA e Rússia estão nos rascunhos das lista de países cujos cidadãos continuarão impedidos de entrar no território do bloco, obtidos pelo New York Times.

O jornal americano teve acesso a uma série de listas elaboradas pelos Estados-membros da União Europeia, baseadas na maneira como nações mundo afora estão lidando com a pandemia. O Brasil, com mais de 50 mil mortos e um milhão de casos, aparece em todas as listagens de nações cujos cidadãos continuarão barrados, assim como os EUA, com 120 mil mortos e mais de 2,3 milhões de contaminados, e a Rússia, com meio milhão de infecções.

Não há uma confirmação oficial por parte dos governos — os documentos foram obtidos de forma anônima, por causa da sensibilidade do tema e por conta dos detalhes das negociações para a elaboração da lista final de todo o bloco, que deve ser divulgada no inicio da próxima semana. Tal decisão poderá ter um impacto político e econômico considerável, uma vez que americanos e russos, em especial, estão entre os principais visitantes do bloco.

Ao mesmo tempo, os países europeus estão discutindo listas de países cujos cidadãos estariam liberados para entrar no bloco, incluindo China, Uganda, Cuba e Vietnã.

As fronteiras da União Europeia estão fechadas a praticamente todos os estrangeiros desde o começo de março, assim como as fronteiras internas, entre os 27 países do bloco. Estas últimas começaram a ser reabertas em 14 de junho, à medida que nações como Itália, França e Espanha, que já foram o epicentro da pandemia, começaram a controlar o número de novas contaminações e mortes.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Minion de Peixeira disse:

    Cadê os vira-latas reativos dizendo que o Brasil é o único perseguido pelos gringos?

INCERTEZA E PARANOIA – (FOTOS): Americanos fazem fila para comprar armas durante pandemia do coronavírus

Fotos: AP

pânico provocado pela pandemia do coronavírus está fazendo americanos formarem filas em lojas para comprar armas. Em alguns casos, as filas chegam às calçadas.

Califórnia, Nova York e Washington – os estados mais atingidos pela Covid-19 – tiveram uma disparada na venda de armas nas últimas semanas. Muitos clientes citam que o motivo é a “proteção da família” no caso de saques durante a pandemia.

Outros foram às compras acreditando que alguma lei emergencial limitando a vendas de armas no país seja aprovada nas próximas semanas. A procura também cresceu entre a comunidade de origem oriental, temendo ataques racistas, já que o epicoentro da crise foi a China.

Segundo a loja online Ammo.com, a venda de armas subiu 68% desde 23 de fevereiro, quando vieram as primeiras informações de explosão do número de casos de infecção por coronavírus na Itália.

“Há muita incerteza e paranoia, mas você tem que se proteger”, disse ao “USA Today” Ralph Charette, de 71 anos, que gastou US$ 1.500 (cerca de R$ 7.500) em uma loja de Germantown (Wisconsin, EUA).

“Políticos e pessoas que são contra armas vêm nos dizendo que não precisamos de armas. Mas agora muitas pessoas estão realmente assustadas e precisam tomar a decisão sozinhas”, afirmou ao “LA Times” John Gore, 39 anos, que estava em uma fila para comprar arma.

O coronavírus já matou 69 pessoas e infectou outras 3.774 nos EUA.

Amelia Adams, correspondente nos EUA do canal Nine News (Austrália), conversou com pessoas em filas.

“As pessoas me disseram que temem que, com escassez de alimentos e outros suprimentos, elas precisem proteger as suas famílias”, contou.

Uma reportagem do “Los Angeles Times” afirmou que, além da corrida por armas, americanos estão estocando grande quantidade de bebidas alcoólicas e maconha na Califórnia.

Page Not Found – Extra

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Barba disse:

    Prevenido pq? arma vai resolver oq?s

  2. Dezbrasil disse:

    Paranóia não , prevenidos isso sim

  3. Dezbrasil disse:

    Paranóia não , prevenidos

Irã não entregará caixas-pretas de avião ucraniano à Boeing e aos americanos

Foto: AFP

A Organização da Aviação Civil do Irã anunciou que não entregará à Boeing e a investigadores americanos as caixas-pretas da aeronave ucraniana que caiu logo após decolar do aeroporto de Teerã, nesta quarta-feira (8). A aeronave transportava 176 pessoas. Ninguém sobreviveu.

Porém, a Convenção Internacional de Aviação Civil, da qual o Irã é signatário, prevê que a fabricante e um representante do órgão de investigação do país onde a aeronave foi produzida, no caso a americana NTSB, estejam presentes na abertura das caixas-pretas.

Ali Abedzadeh, diretor da agência iraniana, afirmou que a investigação será feita no Irã, país onde a aeronave caiu, conforme prevê a Convenção. Os representantes da Ucrânia estarão envolvidos nesse processo, mas ele descartou a participação da fabricante Boeing, que é americana.

“Não daremos as caixas-pretas para o fabricante [Boeing], nem para os americanos”, afirmou o diretor dessa agência iraniana, Ali Abedzadeh, citado pela agência de notícias Mehr.

A tragédia aconteceu poucas horas após o Irã ter disparado mísseis contra duas bases aéreas que abrigam tropas dos EUA no Iraque, em resposta à morte do general Qassem Soleimani. No entanto, não há informações sobre relação entre os dois casos.

A morte do importante comandante iraniano em um ataque americano em Bagdá, no Iraque, fez aumentar o temor de um conflito entre os dois países. O governo do Irã prometeu vingança e bases americanas no Iraque foram atacadas por mísseis iranianos.

Causas da queda

O voo 752 da Ukraine International Airlines partiu às 6h12 (horário local), com quase uma hora de atraso, do aeroporto Imam Khomeini (Teerã) e tinha como destino o Aeroporto Internacional Boryspil, em Kiev, na Ucrânia. O avião caiu em Shahedshahr, no sudoeste da capital iraniana.

A Ucrânia participa das investigações feitas pelo Irã. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmou que uma comissão investiga todas possibilidades.

A embaixada da Ucrânia chegou a divulgar uma nota dizendo que, segundo informações preliminares, a queda do avião teria sido provocada por problemas técnicos no motor e descartando qualquer relação do incidente com terrorismo ou com os disparos de foguetes.

Mais tarde, uma nova nota destacou que as causas estão sendo esclarecidas.

“As informações sobre as causas da queda do avião estão sendo esclarecidas pela comissão. As declarações anteriores relativas às causas do acidente à decisão da referida comissão não são oficiais”.

Boeing

Em seu perfil no Twitter, a Boeing lamentou o incidente trágico e declarou que seus pensamentos sinceros “estão com a tripulação, os passageiros e suas famílias”. A empresa disse estar em contato e que apoia as suas clientes companhias aéreas. “Estamos prontos para ajudar da maneira necessária”, afirmou.

Passageiros

Reza Jafarzadeh, porta-voz da Organização de Aviação Civil do Irã, disse à televisão estatal que a aeronave transportava 167 passageiros e 9 tripulantes.

O ministro ucraniano de Relações Exteriores, Vadym Prystaiko, afirmou que no voo havia passageiros de 7 nacionalidades: 82 do Irã, 63 do Canadá, 11 da Ucrânia (9 tripulantes), 10 da Suécia, 4 do Afeganistão, 3 do Reino Unido, e outros 3 da Alemanha.

Não está claro porque tantos canadenses estavam a bordo, mas se sabe que a companhia aérea oferece voos relativamente baratos via Kiev para Toronto (Canadá).

Foto: AP Photo/Ebrahim Noroozi

G1

 

FOTO: Blitz da Lei Seca em Natal prende quatro americanos e ainda apreende várias habilitações de estrangeiros

1Foto: Divulgação – PM

Quatro americanos foram flagrados dirigindo sob efeito de álcool durante uma blitz da Lei Seca na madrugada desta terça-feira (17), na Avenida Engenheiro Roberto Freire. A informação foi confirmada pela Polícia Militar e o Departamento de Trânsito do Rio Grande do Norte. Além deles, mais três condutores foram detidos e outra 38 carteiras de habilitação foram recolhidas para o processo de punição administrativa. O detalhe é que metade delas pertence a estrangeiros.Suas nacionalidades não foram divulgadas.

Segundo os órgãos responsáveis pela Blitz, os flagrados foram encaminhados à delegacia e só foram liberados após pagamento de fiança. Ao todo, 568 testes de bafômetro foram realizado no período 0h e as 4h.

Mais de 20% dos americanos preferem internet do que um ano de sexo

É isso mesmo que você leu. Segundo um estudo divulgado na última segunda-feira pelo Boston Consulting Group, se o ~mundo maravilhoso da internet~ fosse um país, ele seria – daqui a quatro anos – a 5ª maior economia do mundo, responsável por um PIB (Produto Interno Bruto) de 4,2 trilhões de dólares.

De acordo com a pesquisa, os únicos países reais que continuariam à frente da Republica da Internet seriam os Estados Unidos, a China, o Japão e a Índia. Outra comparação para deixar tudo ainda mais claro: o Brasil – que vive um momento de expansão ‘nunca visto na história desse país’ – já festejou ao ser apontado recentemente, pelo jornal britânico Guardian, como a sexta maior economia do mundo.

E olha que essa não foi a única descoberta interessante do estudo. Segundo o Boston Consulting Group, o número de usuários da web deve chegar a 3 bilhões de pessoas em 2016 –em 2010, o número estimado era de 1,9 bilhão.

Se isso se concretizar, fico até ansioso para ver a importância que a internet deve alcançar lá. É que na mesma pesquisa, os americanos foram instigados a respondem do que abririam mão para poder navegar a internet: mais de dois terços disseram que abandonariam o café, mas – pasmem – 21% dos americanos abririam mão de sexo por um ano para continuar online.

Fonte: Super

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Danilo lima disse:

    Eu também prefiro a internet!

Americanos criam handebol com arma taser

Por essa nem o Tio Sam esperava. Depois de criarem esportes aparentemente violentos como o futebol americano, hockey no gelo e tantos outros, um grupo de norte-americanos criou o campeonato Ultimate Taser Ball, que traduzindo para um bom português seria uma espécie de handebol, onde quem segura a bola com as duas mãos pode ser eletrocutado com uma arma taser, aquela mesma que a Polícia Militar está comprando para usar em bandidos.

São choques de 300 mil volts disparados nos adversários para derrubá-los ou obrigá-los a largar a enorme bola. É mole? Eu que não quero jogar.

Ainda não foram criados jogos oficiais, mas o nome do campeonato deve ser utilizado para batizar uma liga e estabelecer todas as regras. Ou seja, a previsão é que tenhamos vários times desse esporte, no mínimo, bizarro no Estados Unidos nos próximos meses.

No próprio slogan eles deixam claro que é o esporte do futuro. Vai entender!!!