MP denuncia prefeito e vereadora no RN por crimes eleitorais

Segundo investigação, denunciados ofereceram e prometerem empregos em troca de voto

O Ministério Público Eleitoral, por meio da Promotoria da 18ª Zona Eleitoral, denunciou à Justiça o atual prefeito de Angicos, Deusdete Gomes de Barros, e a vereadora Nataly da Cunha Felipe de Souza. Os dois são acusados da prática de crimes eleitorais.

De 2009 a 2016, os denunciados ofereceram e prometeram empregos a eleitores de Angicos na empresa Garra Vigilância Ltda., em troca de votos em favor do prefeito e dos candidatos por ele indicados nas eleições gerais de 2010 e 2014 e nas eleições municipais de 2012 e 2016. Na denúncia, o MP Eleitoral destaca que o próprio Deusdete Gomes de Barros gerencia a empresa.

Na denúncia, o MP Eleitoral indica que o crime – oferecimento e promessa de emprego – foi realizado em relação a oito pessoas, ao longo desses anos. Pelo menos um dos que foram contratados chegou a ser demitido quando um familiar deu negativa de voto a favor de Deusdete Gomes de Barros.

A ação penal correrá em primeira instância porque os fatos foram cometidos antes de Deusdete Gomes ser empossado no cargo de prefeito. Isso obedece ao novo entendimento do Supremo Tribunal Federal, já ratificado pelo TRE/RN.

Dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita, é tipificada como crime passível de pena de até quatro anos de prisão e pagamento de cinco a 15 dias-multa.

A Promotoria Eleitoral da 18ª Zona destaca que os eleitores que se sentirem lesados em relação a esse tipo de prática podem contatar o Ministério Público, pelo site da Ouvidoria do MPRN (https://ouvidoria.mprn.mp.br:8443/ouvidoria/cidadao/acesso.do) ou procurar o atendimento presencial da Promotoria de Angicos.

MPRN realiza operação para apurar desvio de combustíveis em Angicos

Operação Combustão, feita com apoio da Polícia Militar, cumpriu mandado de busca e apreensão em posto de combustível que mantém contrato com a Prefeitura

O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (MPRN) realizou nesta sexta-feira (5) a operação Combustão, que apura possível crime cometido pela Prefeitura de Angicos. Com apoio da Polícia Militar, a Promotoria da cidade cumpriu mandado de busca e apreensão em um posto de combustíveis.

A suspeita é que no posto estavam sendo praticados crimes por agentes públicos locais no que se refere ao fornecimento de combustível por parte Prefeitura de Angicos. As buscas foram realizadas em posto para identificação e coleta de indícios do cometimento de ilícitos.

O MPRN reforça que caso algum cidadão tenha conhecimento sobre qualquer prática ilícita executada em relação a crimes, pode auxiliar as apurações enviando informações e documentos através do site da Ouvidoria do Ministério Público do Rio Grande do Norte ou pelo Disque Denúncia 127 do MPRN. Em Angicos, os cidadãos também podem comparecer à Promotoria de Justiça da cidade, de segunda a sexta para atendimento presencial.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luciana Morais Gama disse:

    Em Pedra Preta continua tudo numa boa.

Policial é condenado no interior do RN por abuso de autoridade

A Vara Única da Comarca de Angicos proferiu sentença condenando um policial por improbidade administrativa em razão de abuso de autoridade e violências cometidas contra um adolescente.

O Ministério Público estadual apontou que o acusado “espancou o então adolescente quando este foi à delegacia para visitar um irmão que encontrava-se custodiado”. Em sua defesa o policial alegou que o adolescente “teria brigado com um terceiro, tendo chegado à delegacia já ensanguentado e machucado, e que teria socorrido o ofendido, levando-o ao banheiro”. Para comprovar suas acusações, o Ministério Público juntou documentos como a declaração do ofendido, do acusado, prontuário médico indicando os ferimentos e depoimento de testemunhas.

No julgamento, o magistrado Bruno Montenegro, destacou inicialmente a competência da Vara Única para o julgamento desse caso de improbidade administrativa, sem desconsiderar outras esferas jurídicas, como a militar, cível, administrativa e criminal. Desse modo considerou que essa ação tem o “escopo de preservar o princípio da moralidade administrativa e salvaguardar a coisa pública”.

Dentre as declarações colhidas no processo, a mãe do adolescente afirmou que “ficou esperando do lado de fora da delegacia quando ocorreu a confusão em que seu filho foi agredido” e “escutou gritos do filho, assim como do policial dizendo – vagabundo é para apanhar”. Já a vítima disse que foi à delegacia para ver o irmão custodiado, tendo sido informado que podia visitá-lo, “mas ao entrar, o policial ‘fechou a porta e começou a lhe agredir’, por meio de chutes e de uma corda com nós”, sendo também forçado assumir que havia sido agredido por um terceiro.

Todavia o suposto agressor narrou em seu depoimento que policiais no mesmo dia foram à sua casa para prendê-lo, tendo respondido que “podiam lhe prender, mas que não iria assumir culpa”. Ele afirmou também que posteriormente os policiais pediram para ele ajudá-los a “assinar um papel como legítima defesa, mas que recusou tal proposta; disse ainda que viu a vítima com a cabeça ferida, na delegacia”.

Diante desse contexto probatório, o magistrado considerou as narrativas apresentadas uníssonas, especialmente as versões dos da vítima e do terceiro indicado como agressor que foram congruentes com materialidade das agressões atestadas por meio de exame médico realizado na mesma data dos fatos.

Na parte final da sentença o policial foi condenado ao pagamento de multa equivalente a aproximadamente quatro vezes seu salário mensal, em valor equivalente a R$ 12 mil. E também foi imposta a suspensão dos direitos políticos por três anos assim como a proibição de contratar e receber benefícios do poder público pelo mesmo período.

Ação Civil de Improbidade Administrativa nº: 0000465-46.2012.8.20.0134
TJRN

 

Angicos: MPRN obtém condenação de tabelião por R$ 81 mil desviados do FDJ

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) obteve na Justiça a condenação do tabelião de Angicos, Márcio Veríssimo da Silva, à devolução de R$ 81.204,21 ao Tribunal de Justiça do Estado (TJRN). A quantia é referente a aplicação de multa civil igual ao prejuízo causado pela negligência do cartório do Município em repassar o recolhimento de verbas para o Fundo de Desenvolvimento da Justiça.

Na ação civil de improbidade administrativa, o MPRN, por meio da Promotoria da Justiça de Angicos, relatou que a prática ilícita foi descoberta após inspeção realizada pela Corregedoria do próprio TJRN. Na análise da contabilidade dos livros de Registros e Tabelionato, verificou-se a ausência dos repasses ao mencionado fundo. Além disso, constatou-se que era bastante comum nessas fiscalizações que o cartório apresentasse um saldo devedor.

Após a inspeção do tribunal, voluntariamente Márcio Veríssimo da Silva ressarciu ao TJRN o valor que se apropriara. Porém, diante da conduta ilícita, que caracterizou dano ao erário e prática de improbidade administrativa, o MPRN moveu a ação e o Juízo da Comarca aplicou a multa na decisão.

Negligência

No processo foi detectada a falta de controle da contabilidade como um todo, de modo que todos os valores recebidos no cartório ficavam misturados dentro de uma caixa, conforme relato de testemunhas. Ainda de acordo com os depoimentos prestados, ficou evidente que o tabelião comparecia ao cartório com pouca frequência e, basicamente, para receber o apurado.

Na sentença, o Juízo da Comarca considerou o réu negligente quanto a seus deveres funcionais. Isso porque o tabelião ainda optava por recolher as guias pelos particulares, em vez de ter se cercado de todas as cautelas necessárias para efetivamente cumprir a responsabilidade que voluntariamente assumiu, com rigoroso controle do caixa e da contabilidade.

Assim, Márcio Veríssimo da Silva demonstrou não ter controle financeiro adequado do estabelecimento e inércia em tomar medidas para sanar os problemas de controle das obrigações do cartório, numa conduta de desleixo na administração do cartório e que se caracteriza, geradora de danos aos cofres públicos.

Com informações do MPRN

 

Angicos: Juiz condena ex-prefeito por falsidade ideológica

O ex-prefeito de Angicos, Ronaldo de Oliveira Teixeira, foi condenado pela prática do crime de falsidade ideológica. A sentença estipula um ano e nove meses de reclusão e 21 dias-multa, convertida em duas penas restritivas de direito: prestação de serviços à comunidade e prestação pecuniária no valor de R$ 5 mil.

A condenação é reflexo de uma Ação Penal, ajuizada pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Angicos.

Na condição de prefeito, Ronaldo de Oliveira Teixeira teria forjado a demissão da sogra do cargo comissionado de pedagoga do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), após recomendação do Ministério Público que visava combater o nepotismo.

Para despistar a recomendação do MP, o prefeito chegou a exonerar a sogra e contratar outra pessoa para o cargo. No entanto, a parente permaneceu exercendo as funções no Creas sob a alegação de que se tratava de trabalho voluntário e não remunerado.

Porém, a Promotoria de Justiça de Angicos demonstrou na Ação Penal que os extratos da conta corrente da sogra do prefeito comprovavam a fraude, uma vez que a remuneração pelos serviços supostamente prestados pela nova servidora contratada era depositada nesta conta.

O crime praticado é previsto no art. 299, parágrafo único, do Código Penal, em razão de ter inserido no Termo de Rescisão nº 001/2011 de declaração falsa, com o fim de alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante e mascarar a verdade sobre o nepotismo, fazendo uso de uma pessoa nomeada para a função apenas como “laranja”.

MPRN

Assembleia Cidadã: mais de 10 mil recebem atendimento de saúde em Angicos

315ff617ea534c2429dd8c9fd88c1a30inter_250-300A Assembleia Cidadã em Angicos contabilizou, apenas no primeiro dia, mais de 10 mil atendimentos médico e odontológico. O número supera as expectativas da coordenação. O projeto, uma iniciativa da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte aconteceu nestas quarta (29) e quinta-feira (30) no município da região Central.

“Atender a população nos serviços gratuitos de cidadania e saúde: esse é o objetivo da Assembleia Cidadã. Estávamos esperando 8 mil atendimentos, mas já esperamos que esse número seja dobrado no balanço geral desta edição do projeto”, disse Magaly Cristina, coordenadora do projeto.

A população de Angicos e da região Central recebeu atendimento pediátrico, nutricional, clínico geral, dermatológico e as mulheres puderam receber orientação sobre o câncer de mama. Na área odontológica, foram realizados atendimentos de higiene bucal, além de aplicação de flúor.

Ainda foi oferecido, gratuitamente, atendimento nas áreas de Assistência Social e Educação, que beneficiaram moradores dos municípios de Angicos, Ipanguaçu, Afonso Bezerra, Pedro Avelino, Lajes, Fernando Pedroza, Santana do Matos e Itajá. Ao todo, 133 profissionais participaram da Assembleia Cidadã.

“É com grande satisfação que instalamos a Assembleia Cidadã, que pela primeira vez chega a Angicos, dentro do nosso objetivo de aproximar cada vez mais o Legislativo das pessoas em todo o Rio Grande do Norte. Essa é uma prática de cidadania, com os deputados indo ao encontro do povo, que às vezes tem dificuldade de chegar à sede do Poder Legislativo, na Capital. Além de todos os serviços que são oferecidos no Programa, estamos trazendo novidades nesta edição de Angicos.

Pela primeira vez são oferecidos serviços do Sebrae de cadastramento de micro e pequenos empresários individuais e também, do Procon Legislativo e do Procon Estadual”, disse Ezequiel.

ALRN

Assembleia Legislativa se instala em Angicos nesta terça-feira

a071fc58-236d-4a3d-b698-971a35770323A Assembleia Itinerante e Cidadã se instalam nas próximas quarta-feira (29) e quinta-feira na cidade de Angicos, região Central do Rio Grande do Norte. Durante dois dias, Angicos vai se tornar sede do Poder Legislativo do Rio Grande do Norte. Os deputados estaduais vão discutir assuntos de interesse do município e da região, como questões relacionadas à estiagem.

A Assembleia Cidadã vai oferecer ainda a prestação de serviços, como a retirada de documentos (carteira de identidade, carteira de trabalho e CPF), oficinas de capacitação profissional, artesanato, educação e corte de cabelo, além de orientação ao consumidor, atendimento médico, orientação em saúde bucal, recreação infantil, lazer para a comunidade e apresentações culturais.

O projeto facilita o acesso à informação e à assistência, para dessa forma, contribuir com a formação de cidadãos cada vez mais conscientes de seus direitos e deveres.

Assembleia Itinerante

A Assembleia Itinerante é um projeto que tem como objetivo levar os trabalhos parlamentares aos municípios-polo do Rio Grande do Norte, com a realização de sessões plenárias e audiências públicas, aproximando o Legislativo ainda mais da população e fortalecendo essa interação.

Através das visitas a estas cidades, os parlamentares discutem as reivindicações e também se concentram na apresentação de leis e projetos para solucionar, prioritariamente, os problemas apontados na região durante a passagem da Assembleia Itinerante.

Com informações da ALRN

FOTO: Dupla armada assalta Correios em Angicos

DSC_7105Foto: Angico Notícias

O Blog Angico Notícias destaca  um assalto a agência dos Correios da cidade na manhã desta quarta-feira(1). De acordo com informações do comandante da 2ª CIA de Polícia do município, Capitão Rabelo Fernandes, a ação criminosa foi registrada por volta das 12h, e durou poucos minutos. Na ocasião, os assaltantes chegaram conduzindo um moto tipo FAN, de cor PRETA, oriunda de Mossoró-RN. Armados com revólveres, os bandidos não temeram a presença do vigilante de serviço na agência. Na sequência, a dupla rendeu o vigia de plantão e anunciou o assalto. Um arrastão foi feito no momento, e pertences foram levados.

Segundo o Blog Angico Notícias, as primeiras características dão conta que um dos bandidos é branco, de média estatura, magro, trajando camisa rosa e o outro magro de baixa estatura de bigode. Após anunciar o assalto, os bandidos fugiram com destino aponta com direção a BR 304, restando saber apenas para qual lado seguiram, se com destino a Assú ou Fernando Pedroza.

Com informações do Angicos Notícias

http://angicosnoticias.blogspot.com.br/2014/10/agencia-dos-correios-de-angicos-volta.html

MP discute situação do Hospital Regional de Angicos

O Ministério Público Estadual discutiu com representantes da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) e representantes da Promotoria de Justiça da Comarca local a situação do Hospital Regional de Angicos.

Na reunião realizada na sede do MP, última quarta-feira, o Secretário Estadual de Saúde, Luiz Roberto Fonseca, apresentou à Promotora de Justiça de Angicos, Liv Ferreira Queiroz, e à Promotora de Justiça de Saúde da Comarca de Natal, Coordenadora do CAOP Saúde, Iara Maria Pinheiro, os motivos que estão levando a Sesap a fazer o redimensionamento de toda a rede hospitalar estadual, no qual o Hospital Regional de Angicos está inserido.

Foi apresentado às Promotoras de Justiça, o perfil daquela unidade hospitalar, que apresenta atualmente uma baixa produtividade de serviços de média e alta complexidade, contabilizando 1,89 procedimentos/dia. Em contraponto com estes dados, o hospital realiza cerca de 700 procedimentos ambulatoriais diários, de baixa complexidade, que são de responsabilidade da atenção básica, ou seja, que deveriam ser realizadas pelo município. Em função disso, a manutenção desta unidade hospitalar acarreta uma despesa financeira para o Governo do Estado, em torno de R$ 1 milhão por mês, onde somente com a folha de pessoal o gasto chega a R$ 307 mil, para manter 77 profissionais.

A proposta da Sesap é buscar um entendimento junto aos prefeitos de Angicos e municípios vizinhos, para construção de um consórcio municipal que melhore a capacidade de resposta do hospital através de uma cogestão administrativa. A secretaria permaneceria com as despesas de infraestrutura (água, luz e telefone), 200 mil reais mensais para os procedimentos médicos e manteria uma boa parte dos servidores estaduais na unidade. Os outros servidores seriam remanejados para os hospitais regionais que darão retaguarda a Angicos, como os hospitais dos municípios de Assu e Apodi.

“O Rio Grande do Norte é hoje um dos Estados da Federação com o maior número de hospitais regionais (26 hospitais para 167 municípios), por isso temos a necessidade de fortalecer pelo menos um hospital público para servir de referência em cada região e organizar assim as demandas de alta complexidade na rede estadual de saúde”, explicou o Secretário Luiz Roberto Fonseca.

Também participaram da reunião o Coordenador de Recursos Humanos da Sesap, Carlos Pinto, o Assessor Jurídico, Leonardo Cruz, e a Coodenadora de Operações de Hospitais e Unidades de Referência, Juliana Araújo.

Protesto na BR-304 contra "boatos" de fechamento do Hospital Regional de Angicos é finalizado

IMG_2762Foto: Aclecivan Soares

Por volta de 14h20 desta segunda-feira (30), os moradores da cidade de Angicos desbloquearam a BR-304, em protesto que foi iniciado a partir de 7h, contra os boatos de fechamento do Hospital Regional local, que atende não apenas o município, como cidades vizinhas.

Durante as horas de protesto, foi formado um congestionamento quilométrico, contudo, não houve registro de vandalismo. O protesto foi acompanhado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), que desde o bloqueio da rodovia iniciou negociação com os manifestantes.

Após a divulgação de uma nota do Governo do Estado informando que o hospital não seria fechado, embora deva passar por modificações, os manifestantes iniciaram a dispersão.

Em nota, Governo nega fechamento do Hospital Regional de Angicos e sugere consórcio municipal

A respeito do Hospital Regional de Angicos, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) esclarece que não existe nenhum planejamento para fechar a unidade. O que houve recentemente foi apenas um remanejamento de profissionais, definido com critérios técnicos, com intuito de suprir a necessidade de hospitais de maior complexidade e com abrangência estadual, com objetivo de garantir atendimento de média e alta complexidade inclusive para a população daquela Região.

Sobre o perfil do referido hospital, está agendada para o próximo dia 7 uma audiência da Sesap com prefeitos de Angicos e municípios vizinhos para buscar um entendimento e avaliar a possibilidade de construção de um consórcio municipal que melhore a capacidade de resposta do hospital, de modo que os municípios também possam arcar com sua responsabilidade em assumir ações básicas em saúde pública.

A Sesap está ciente das dificuldades por que passa o hospital, que assim como outras unidades hospitalares da rede estadual, sofre com a insuficiência de recursos.Em que pese os desafios vivenciados pela Saúde Pública, o Rio Grande do Norte é hoje um dos estados da Federação com maior número de hospitais regionais (26 hospitais para 167 municípios), o que gera a necessidade de uma planificação das ações para prestar uma assistência integral à população a partir das linhas de cuidado e redes de atenção à saúde.

Diante disso a Sesap realizou um estudo detalhado sobre o perfil de cada um dos 26 hospitais que atendem às oito Unidades Regionais de Saúde Pública no Rio Grande do Norte (Ursap) com objetivo de realizar um redimensionamento de toda a rede hospitalar estadual com o fortalecimento de pelo menos um hospital público para ser referência em cada região e organizar as demandas de alta complexidade na rede.

O Hospital Regional de Angicos realiza, em sua porta hospitalar, que é o papel real da unidade, uma média 1,89 procedimentos/dia, em contraponto aos atendimentos de baixa complexidade, que contabilizamuma média de 700 procedimentos ambulatoriais por dia. O Hospital Regional de Angicos realiza uma média de 14 cirurgias por mês e possui uma média de 1,4 internações por dia, o que do ponto de vista financeiro denota uma situação insustentável. Entretanto, não se faz saúde pública observando apenas a questão financeira, e será assim que será encontrado o perfil mais adequado para uma boa prestação de assistência em saúde para aquela unidade hospitalar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio Nogueira disse:

    Parece que o Governo ainda não percebeu que um dos problemas que enfrenta é a falta de credibilidade quanto ao que afirma que vai fazer, ou o que não fará em relação a algo. O Governo de Micarla Ciarline acabou, só falta chegar dezembro de 2014.

Moradores de Angicos fecham trecho da BR-304 contra ameaça de fechamento do Hospital local

Os rumores do fechamento do Hospital de Angicos, que atende a região Central Potiguar, mobilizaram a população, que resolveu fechar um trecho da BR-304 na manhã desta segunda-feira (30). Na cidade, o assunto é só o que se comenta, revoltando os moradores que temem pela confirmação, ou mesmo, pelo desabastecimento de profissionais na unidade de saúde. A Polícia Rodoviária Federal(PRF) se encontro no local negociando a liberação da rodovia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fina Ironia disse:

    Fecham-se hospitais, abrem-se prostíbulos…

Três vereadores do RN perdem o mandato por infidelidade partidária

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte julgou, na sessão ordinária da tarde desta quinta-feira (5), três ações de perda de cargo eletivo por desfiliação partidária sem justa causa que tinham como autores, dentre outros, o Ministério Público Eleitoral (MPE). Os vereadores Francisco de Assis Souza, de Jardim de Angicos; Ronaldo Marques Rodrigues, de Ceará-Mirim; e Cloves Tibúrcio da Costa, de Angicos, perderam seus mandatos porque a Corte Eleitoral não reconheceu a ocorrência de motivos que estivessem abrangidos pelas possibilidades de desfiliação sem perda do mandato previstas na Resolução 22.610/2007, do TSE.

No processo de Jardim de Angicos, quem propôs a ação foi o Diretório Municipal do Partido Socialista Brasileiro – PSB, alegando que o vereador Francisco de Assis se desfiliou do partido sem comprovar justa causa. O vereador argumentou ter sofrido discriminação pessoal. Em seu voto, o juiz Ricardo Procópio, relator, afirmou que pelos elementos trazidos nos autos não se percebe qualquer discriminação praticada pelo Partido Socialista Brasileiro em detrimento de Francisco de Assis. Assim, votou procedente o pedido, com decretação da perda do cargo e indicação de posse do primeiro suplente da agremiação.

No caso do vereador Ronaldo Marques Rodrigues, vereador eleito pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) do município de Ceará-Mirim, a representação foi pleiteada pelo Ministério Público. O vereador alegou que sua desfiliação ocorreu em razão de ter sido destituído do cargo de presidente do partido no município e a entrega deste cargo para os seus adversários políticos, além da discriminação que o mesmo passou a sofrer no interior da agremiação.

Analisando as alegações e as provas constantes dos autos, o relator, juiz Jailsom Leandro, concluiu que “a desfiliação do candidato não foi motivada por grave discriminação pessoal, mas por sua opção de não conviver com as adversidades no interior do PMDB de Ceará-Mirim, preferindo buscar outro partido para continuar sua carreira política”. Dessa forma, julgou procedente o pedido, decretando a perda do mandato a Ronaldo Marques Rodrigues, e determinando a posse do 1º suplente do partido.

Por último, também perdeu o mandato o vereador Cloves Tibúrcio da Costa, eleito em Angicos pelo Partido Socialista Brasileiro – PSB, que afirmou que saiu do partido em razão de grave discriminação pessoal, uma vez que não recebeu convites para participar da administração nem de eventos do partido, além da anuência do PSB para a sua desfiliação. Para o juiz Nilson Cavalcanti, relator, os argumentos não ficaram comprovados, e seu voto foi no sentido de dar procedência à ação, pleiteada por Adonias Teodoro Rodrigues Baracho Filho, primeiro suplente do PSB em Angicos, decretando a perda do cargo e indicando a posse de Adonias para a função.

Todos os votos foram acompanhados à unanimidade pelos Membros da Corte e em consonância com o Ministério Público Eleitoral.

Ministério Público apreende gabarito de concurso de Angicos

A Promotoria de Justiça da Comarca de Angicos realizou na manhã desta segunda-feira, dia 26 de março de 2012,  operação de busca e apreensão na sede da empresa ACAPLAM, ocasião em que apreendeu a totalidade dos gabaritos do concurso público para o provimento de cargos na administração municipal de Angicos, ocorrido no último domingo, dia 25 de março de 2012.

Os gabaritos estavam todos em envelopes lacrados e ficarão, conforme decisão judicial, sob a custódia do Ministério Público Estadual até a data da correção dos mesmos, que ocorrerá na presença de um servidor do órgão.

O concurso público da Prefeitura de Angicos deveria ter sido realizado no dia 6 de março, mas foi remarcado para o domingo passado em função de uma recomendação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (MP/RN) e Centro de Apoio Operacional (Caop).

Segundo o MP/RN, o edital do concurso apresentava irregularidades relativas à participação de pessoas portadoras de deficiência. A empresa Consultoria e Assessoria Técnica à Estados e Municípios (Acaplam), organizadora do certame, publicou edital de retificação com as novas datas e regras.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marilia disse:

    Fiz o concurso de Angicos e presenciei coisas absurdas na sala como: Conversas, sem falar que dava para o pessoal colar, ficais desinformados etc… Esse concurso deveria ser anulado!!!

    • MACRODIMENSO disse:

      OI MARÍLIA CONCORDO PLENAMENTE COM VOCÊ,O ABSURDO FOI A ESPOSA DO PREFEITO SECRETARIA DE SAÚDE DA CIDADE NÃO RENUNCIOU O CARGO E ESTAVA FAZENDO PROVA NA SALA 0001
      ROXANA ANNICE MONTEIRO PESSOA.

  2. Pedroalbino11 disse:

    eu fiz este concurso muito mau organizado as duas fiscais que estavam  na minha sala nao sabia da nenhuma informaçao  não sabia o horario que nos podiamos sai com a prova eu quem  disse que no edital  tinha dizendo que depois de duas horas de  prova agente podia sai com a prova

  3. Jose Erivan Silva Cruz disse:

    Sinceramente esta empresa não tem muita confiabilidade, o concurso de Ceará-mirim está suspenso , assim como o de Extremoz…tbm queria saber se eles capacitam os fiscais deste concursos,pois tanto esse de Angicos como o de Canguaretama que eu fiz, presenciei cada absurdo,neste de Angicos depois que todos os candidatos estavam em sala de aula, foram perguntar se queriam ir no banheiro, a metade da sala foi…muito estranho essas coisas…

Walter Alves solicita construção de casas populares em Angicos

Por interino

O deputado Walter Alves (PMDB) entregou, nesta quarta-feira (29), à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa um requerimento solicitando a construção de 100 casas populares no município de Angicos.

O parlamentar explicou que existe a necessidade da construção das moradias públicas para acabar com o grande número do déficit habitacional do município, já que grande parte da população local  não dispõe de recursos para assumir financiamentos de compra de imóveis.

“Por essa razão [os munícipes] dependem exclusivamente do poder público. A moradia própria traz mais equilíbrio às famílias, pois pais e mães que não pagam aluguel podem proporcionar melhores condições de vida a seus filhos, restando mais que justificada tal proposição”, justificou Walter.

O documento recebido pela Presidência será encaminhado a governadora Rosalba Ciarlini e ao diretor Companhia Estadual de Habitação e Desenvolvimento (Cehab), João Felipe de Medeiros.