Datafolha: 43% reprovam governo Bolsonaro, 33% aprovam e 22% consideram regular

Foto: © Marcello Casal JrAgência Brasil

Pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal “Folha de S.Paulo” nesta quinta-feira (28) mostra os seguintes percentuais de aprovação e reprovação do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido):

Ótimo/bom: 33%
Regular: 22%
Ruim/péssimo: 43%
Não sabe/não respondeu: 2%

O levantamento ouviu 2.069 pessoas maiores de idade na segunda-feira (25) e na terça-feira (26). As entrevistas foram feitas por telefone. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais.

A pesquisa foi feita em meio à crise da pandemia do novo coronavírus, poucos dias após a divulgação pelo Supremo Tribunal Federal de vídeo de reunião ministerial de 22 de abril. A gravação faz parte de inquérito que investiga suposta interferência do presidente da República na Polícia Federal.

A reprovação de 43% dos entrevistados é o valor mais baixo segundo os levantamentos Datafolha feitos desde o início do mandato de Bolsonaro.

Na pesquisa anterior do Datafolha, feita em 27 de abril e divulgada no dia seguinte, os resultados foram, segundo a Folha:

Ótimo/bom: 33%
Regular: 26%
Ruim/péssimo: 38%
Não sabe/não respondeu: 2%

O levantamento do Datafolha do início de abril, feito entre os dias 1º e 3, mostrava um cenário parecido com o último, mas a reprovação do presidente era maior:

Ótimo/bom: 33%
Regular: 25%
Ruim/péssimo: 39%
Não sabe/não respondeu: 2%

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Natércia disse:

    Nota zero para essa LESMA.

  2. Zé Povinho disse:

    datafolha não desiste de querer ter credibilidade… no dia em que eu receber uma ligação, um e-mail, um link, um sinal de fumaça pra responder a uma pesquisa dessas, posso até dar 0,000000001% de crédito a esses dados…

  3. Jairo disse:

    Essa história de ciência é só pra roubar mais. As provas estão aí, RJ, PE, CE e breve estarão aqui.
    É tanto que já tem alguns aspetos de lockdown querendo abrir as pernas kkk

  4. SVigaro disse:

    Para um povo ignorante, que a ciência é coisa da esquerda, que a opinião de ministro médico vale menos sobre uma doença epidêmica do que de um ex-capitão (mal, insubordinado), ex-deputado (medíocre) e presidente (perdido e condições de ser gestor), óbvio que uma pesquisa de opinião não vale nada. Aliás, para essa gente obscurantista o termo pesquisa deve dar dor de barriga…

  5. LUIS disse:

    ESSE DATAFOLHA FOI O MESMO QUE FEZ A PESQUISA PARA PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM 2018,CUJO RESULTADO ,BOLSONARO NÃO IRIA NEM PARA O SEGUNDO TURNO??? PERGUNTAR NÃO OFENDE!!!!!

  6. Direita-Honesta disse:

    Mas, segundo esse mesmo "Datafoice", o presidente não é o "Andrade"? Me poupe!

  7. SEU LUNGA disse:

    FAKEFOLHA É OSSO, MELHOR AINDA QUANDO USADA COMO ,PARÂMETRO.

  8. Zeca disse:

    Pior que não acreditamos. Pois a realidade é 80% ótimo!
    Aceita que dói menos!!

  9. XHÁ DO AMAZONAS disse:

    TIC TAC, TIC TAC…

  10. Sérgio disse:

    33 + 22 = 55….contra 43. Mesmo sendo fajuto a pesquisa, ainda assim o Mito ganha fácil.

    • Manoel disse:

      E gado acredita em pesquisa da Folha?
      Kkkkkkk

    • Bezerra disse:

      Concordo! Quando DataFolha divulga esses números de pesquisa, significa que são bem diferentes mesmo!

    • Dinho disse:

      Manoel, não acreditamos nessas pesquisas de esquerda, pois achamos que a aprovação do Mito é bem maior. Mas mesmo assim, 55% não é nada mal. Vai aceitando, que doí menos.

Datafolha: para 61%, Bolsonaro quis agir na PF

Pesquisa Datafolha publicada pelo site do jornal “Folha de S.Paulo” aponta que 61% dos brasileiros que assistiram ao vídeo da reunião ministerial de 22 de abril acreditam que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal.

O instituto ouviu 2.069 adultos por telefone celular na segunda (25) e nesta terça (26). A margem de erro é de dois pontos percentuais. Tiveram acesso ao vídeo ou a seu conteúdo 55% dos brasileiros, segundo a pesquisa.

O Datafolha perguntou:

Acredita mais na versão de que Bolsonaro quis interferir na PF ou que o presidente quis melhorar sua segurança pessoal?

Jair Bolsonaro quis usar seu cargo para interferir na PF: 61%
Bolsonaro quis apenas melhorar sua segurança pessoal: 32%
Outras respostas: 3%
Não sabe: 3%

Jair Bolsonaro quis usar seu cargo para interferir na PF:

70% entre quem tem de 16 a 24 anos
67% entre mulheres
69% entre funcionários públicos
65% entre moradores do Nordeste

Bolsonaro quis apenas melhorar sua segurança pessoal:

37% entre homens
36% entre quem tem ensino fundamental
53% entre assalariados sem registro
36% entre moradores do Centro-Oeste/Norte

Bolsonaro X Moro

O instituto perguntou sobre quem fala mais a verdade na troca de acusações entre Bolsonaro e Moro. As respostas:

Sergio Moro: 54%
Jair Bolsonaro: 27%
Não sabe: 10%
Nenhum dos dois: 7%
Os dois: 2%

Bolsonaro fala mais a verdade:

32% entre homens
39% entre quem ganha mais de 10 salários mínimos
44% entre empresários
31% entre moradores do Centro-Oeste/Norte

Moro fala mais a verdade:

63% entre quem tem de 16 a 24 anos
56% entre quem ganha até dois salários mínimos
65% entre desempregados
55% entre moradores do Nordeste

Palavras usadas na reunião

O Datafolha perguntou a opinião sobre as palavras usadas pelo presidente na reunião ministerial. Entre os que viram ou ouviram a gravação:

Muito inadequadas: 61%
Um pouco inadequadas: 15%
Muito adequadas: 11%
Um pouco adequadas: 8%
Outros: 5%

Muito adequadas:

15% entre homens
19% entre quem ganha mais de 10 salários mínimos
23% entre empresários
14% entre moradores do Centro-Oeste/Norte

Muito inadequadas:

68% entre mulheres
65% entre quem tem ensino superior
83% entre estudantes
64% entre moradores do Sudeste

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. henrique disse:

    Nenhum dos comentaristas pelo jeito não conhece matemática… Até agora aqui nos comentários 100% Bolsonaro. O que dizer dessas pesquisas?????

  2. Leo disse:

    Ganha Contra qualquer um hoje! Amanhã! E em 2022.

  3. Antonio Turci disse:

    Tem palco pra tudo. O Presidente foi infeliz no palavreado chulo, foi mais que claro quando afirmou que faria intervenção nos ministérios. Mas o grande fora dele foi perder o Íntegro Ministro Sérgio Moro.

  4. Observador RN disse:

    Pense numa credibilidade, pesquisa do "DataFoice" divulgada pelo G1…

  5. Daniel disse:

    Essa databolha é hilária, vão arranjar uma lavagem de roupa, façam uma pesquisa com a seguinte pergunta: quem acredita nas pesquisas do datafolha? zero zero zero zero zero%

  6. O rei do gado disse:

    Os outros 39% tem político de estimação!

  7. Alexandre Moura disse:

    Enquanto isso no DataFolha…
    "Bom dia equipe, já que hoje estamos sem fazer nada, vamos sair ai perguntando as pessoas se elas acham que Bolsonaro quis interferir na PF, vamos lá, equipe, produtividade geral!

  8. Enir Dias disse:

    Logo Datafolha.

  9. Pônei disse:

    Databosta

Maioria dos informais e desempregados apoia fechamento do comércio e isolamento horizontal, diz Datafolha

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo/01-01-2020

O isolamento horizontal, incluindo o fechamento do comércio não essencial e de escolas, é aprovado pela maioria dos informais e desempregados, duas categorias que poderiam ser mais sensíveis aos impactos econômicos dessas medidas. Os dados são de pesquisa do Datafolha divulgada na segunda-feira. O presidente Jair Bolsonaro tem criticado essas medidas com a justificativa de que os impactos econômicos podem ser piores do que efeitos negativos do novo coronavírus.

Segundo a pesquisa do Datafolha, 76% dos entrevistados acreditam que o mais importante no momento é deixar as pessoas em casa para impedir que o coronavírus se espalhe, mesmo que isso prejudique a economia e cause desemprego. Entre os assalariados sem registro, o apoio é de 79%. Já entre os que procuram emprego, 75% concordam com a afirmação. A margem de erro é de três pontos. A estratégia é aprovada por integrantes de todas as categorias profissionais, incluindo empresários (62%) e autônomos ou profissionais liberais (69%).

Outras perguntas feitas pelo instituto reforçam a posição. Entre os informais, por exemplo, 58% concordam que todos devem ficar em casa, e não apenas os integrantes do grupo de risco, como defende Bolsonaro. O índice é de 63% entre os informais.

O apoio é semelhante a outras duas medidas, que fazem parte do isolamento horizontal: o fechamento do comércio não essencial (apoiada por 71% dos informais e por 66% dos desempregados) e a suspensão de aulas (apoiada por 86% e 84%, respectivamente).

A única categoria em que não há um apoio claro ao isolamento horizontal é entre os empresários: 49% defendem o isolamento apenas do grupo de risco e 49% defendem o isolamento de todos. Em relação ao fechamento do comércio, a diferença é pequena: 53% consideram que deve continuar fechado, enquanto 45% acreditam que deve ser reaberto.Em relação à suspensão das aulas, 85% dos empresários concordam.

Com informações de O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zé Verdades disse:

    Chupa gados. Já que não confiam nos dados. Vão pra rua pesquisar junto com o presidente.

  2. José Macedo disse:

    Datafolha de novo Bg!!! Pesquisas totalmente sem credibilidade, importantes só para os assinantes dela.

  3. Gabriel Soares disse:

    Vou fala no vocabulário do povo brasileiro esse folhetim e o mais mentiroso do país .

  4. Michel disse:

    Rapaz o mentira deslavada que eu sou policial e todo serviço me mandam rachar bares, restaurantes e quiosques de praia e eu vejo gente chorando dizendo que trabalha de dia para comer a noite !

  5. Tarcísio Eimar disse:

    BG não poste essas pesquisa de empresas sem credibilidade

  6. Nordestino disse:

    Esses equus asinus que tanto crítica a Globo devia criticar a Record., Mas não lá não critica o bolsodiabo porque o bicho pedi mais cedo dono da universal e da Record, praticamente exigiu que ele desse um jeito de não pagar as contas de luz.
    Enquanto esse qualidade de animais criticam a Globo ela só cresce na audiência

  7. Izadora disse:

    O Bolsonaro, tem a maior rejeição do mundo.
    Não ganha de ninguém.
    Perde até pro lanterninha Boulos, no segundo turno.
    ASSIM DIZIA ESSE INSTITUTO.
    ASSIM DIZIA O IBOPE.
    então, acreditem se quizerem, nos dois.
    A globo lixo, o cúmplice, dos dois.
    Aquela Renata, apresentadora do JN, chega revirava os beiços dando a notícia.
    Ôôô bando de cápsulas.
    Ainda fala que fazem jornalismo.
    Kkkkkkkkk
    Çei!!
    Atrás de
    $$$$$$$$
    DIMDIM.
    KKKKKK
    Vão ter que só.
    Nuncsa!!!!

  8. Ceará-Mundão disse:

    Impossível acreditar numa pesquisa desse instituto. Segundo suas pesquisas, o Presidente da República é o "Andrade".

    • Lucas disse:

      Uma completa mentira, pesquise direitinho e você verá as últimas pesquisas antes da eleição mostrando a vantagem pro Bolsonaro. Ceará, tá aprendendo com o mito e mentindo compulsivamente?

    • Ceará-Mundão disse:

      Todo mundo acompanhou essas pesquisas, "cumpanhero". Sua opinião a meu respeito não serve de nada. Cuide da sua vida, talkey?

  9. Oswaldo disse:

    Kkkkkk a pesquisa dizendo que o povo prefere ficar desempregado e passar fome do que produzir de forma ordenada kkkk

    • Solange.silva disse:

      Morto,não compra, não vende, não troca, não faz nenhum tipo denegociação. Como a economia pode crescer??? Agora, quando tudo passar, aí sim, vamos nos organizar .

  10. Maldonado disse:

    Data folha é sem credibilidade.
    Todo mundo sabe disso.
    O caba liso, vai muito querer ficar em casa esperando a morte chegar.

  11. Chicó disse:

    Datafolha sendo Datafolha !!!

  12. Rafael disse:

    Com certeza não fizeram essa pesquisa com quem depende do comércio.

  13. Neco disse:

    Por favor. Quando for postar notícias como essa, bote a palavra DATAFOLHA logo em primeiro lugar.Para que não se perca tempo e dinheiro lendo a matéria (killowatt por segundo… sai na conta).

Aprovação do Ministério da Saúde sobe 21 pontos e é mais que o dobro da de Bolsonaro, diz pesquisa por telefone do Datafolha

Foto: Carolina Antunes/Presidência da República

A aprovação da condução da crise do novo coronavírus pelo Ministério da Saúde disparou, e já é mais do que o dobro da registrada por Jair Bolsonaro. Governadores e prefeitos também têm avaliação superior à do presidente.

É o que revela pesquisa do Datafolha feita de quarta (1º) até esta sexta (3). O levantamento ouviu 1.511 pessoas por telefone, para evitar contato pessoal, e tem margem de erro de três pontos percentuais para mais ou menos.

Na rodada anterior, feita de 18 a 20 de março, a pasta conduzida por Luiz Henrique Mandetta tinha uma aprovação de 55%. Agora, o número saltou para 76%, enquanto a reprovação caiu de 12% para 5%. Foi de 31% para 18% o número daqueles que veem um trabalho regular da Saúde.

Já o presidente viu sua reprovação na emergência sanitária subir de 33% para 39%, crescimento no limite da margem de erro. A aprovação segue estável (33% ante 35%), assim como a avaliação regular (26% para 25%).

Nessa duas semanas entre as pesquisas, Bolsonaro antagonizou-se com Mandetta em diversas ocasiões. Contrariando a recomendação internacional seguida pelo ministro, insistiu que o isolamento social não é medida salutar para conter o contágio do Sars-CoV-2.

Chegou a fazer pronunciamento em rede nacional na semana passada para fazer a defesa da abertura do comércio e foi pessoalmente visitar ambulantes no entorno de Brasília. Após uma tentativa de enquadramento por parte da ala militar do governo, modulou seu discurso e fez nova fala, na terça (31), mais ponderada.

Na quinta (2), contudo, voltou a criticar Mandetta em entrevista. Durante o período, panelaços contra o presidente se tornaram frequentes em grandes cidades, o que se espelha na sua reprovação mais alta em regiões metropolitanas: 46% de ruim ou péssimo.

Bolsonaro é mais mal avaliado por mulheres (43% de reprovação), pessoas com curso superior (50%) e mais ricos (acima de 10 salários mínimos mensais, 46%).

A erosão entre instruídos e mais abastados, antes bases bolsonaristas, manteve o padrão da pesquisa anterior. Jovens (16 a 24 anos, 45% de ruim/péssimo) e ouvidos de 25 a 34 anos (47%) são os que mais o rejeitam. A aprovação geral, ainda que não seja comparável metodologicamente a pesquisas presenciais anteriores, vai em linha com o suporte geral do presidente no eleitorado.

A sucessão de ordens e contraordens na gestão da crise cobra um preço. Para 51%, Bolsonaro mais atrapalha do que ajuda no combate ao vírus. Pensam o contrário 40%.

O Datafolha voltou a aferir a aprovação de governadores e incluiu a de prefeitos nesta pesquisa. O presidente está em pé de guerra com os chefes estaduais desde que a crise eclodiu, e ameaça baixar um decreto para romper o fechamento do comércio em locais como São Paulo.

Aprovam a gestão de seus governadores 58% dos brasileiros, ante 54% da rodada anterior. Os reprovam os mesmos 16% e a avaliação regular caiu de 28% para 23%. Já os prefeitos recebem ótimo e bom e 50%, 25% de regular e 22% de ruim e péssimo.

A rejeição ao trabalho de Bolsonaro subiu mais entre moradores do Sudeste (de 34% para 41%) e no Norte/Centro-Oeste (24% para 34%) —neste caso, é notável a dissidência de um expoente da região, o governador goiano Ronaldo Caiado (DEM), que rompeu com Bolsonaro na semana passada.

Ainda assim, essa região é a que melhor avalia (41% de ótimo/bom) o presidente, juntamente com o Sul (39%), onde um governante aliado, Comandante Moisés (PSL-SC), também deixou as hostes bolsonaristas.

O Nordeste se cristaliza como um centro de rejeição ao presidente nesta crise, com a maior taxa de ruim e péssimo, 42%. Também por lá acham que Bolsonaro mais atrapalha a gestão 57%.

Já as avaliações do desempenho dos governadores se mantiveram alinhadas à tendência apontada há duas semanas, com o Nordeste (64%) e o Norte/Centro-Oeste (61%) liderando o índice de satisfação.

Entre prefeitos, os da região Sul recebem ótimo ou bom de 58% de seus moradores, ante 48% do Sudeste, 53% do Nordeste e 44%, do Norte/Centro-Oeste. A maior insatisfação é nesta última região, 24%, empatada com os 23% do Sudeste.

O embate entre governadores e o Planalto teve na altercação entre João Doria (PSDB-SP) e Bolsonaro, na semana passada, um ponto alto. O tucano, que é presidenciável para 2022, tem buscado estabelecer diferenças de condução da crise em relação ao mandatário máximo.

Ele chegou a recomendar que os brasileiros não seguissem as orientações do presidente sobre o isolamento social, e lançou uma campanha pedindo para os moradores ficarem em casa. Segundo o Datafolha, 57% dos entrevistados concordam com Doria, ante 32% que acham que ele está errado e 11%, que não sabem.

A maior aprovação à frase do tucano vem do Nordeste (65%), dos jovens de 16 a 24 anos (66%) e dos mais ricos e instruídos (64%). Já ficam mais do lado de Bolsonaro, ainda que minoritários, homens (38%) e quem ganha de 5 a 10 salários mínimos (39%).

Por fim, outra novidade da pesquisa foi a inclusão da avalição do Ministério da Economia, cujas medidas são fundamentais para atacar o flanco da crise econômica que se antevê com o coronavírus.

A maioria dos ouvidos considera o trabalho da equipe de Paulo Guedes ou bom e ótimo (37%) ou regular (38%). Para 20%, ele é ruim ou péssimo. A maior aprovação vem de empresários (43%), e a pior, de funcionários públicos (27%).

Acham a condução, que tem redundado em diversos conflitos entre a pasta e o Congresso sobre a velocidade da implementação das medidas, mais regular estudantes (55%) e trabalhadores assalariados sem registro (49%).

PESQUISA FOI FEITA POR TELEFONE PARA EVITAR CONTATO

A pesquisa telefônica, utilizada neste estudo, procura representar o total da população adulta do país, mas não se compara à eficácia das pesquisas presenciais feitas nas ruas ou nos domicílios.

Por isso, apesar de aproximadamente 90% dos brasileiros possuírem acesso pelo menos à telefonia celular, o Datafolha não adota o método em pesquisas eleitorais, por exemplo.

O método telefônico exige questionários rápidos, sem utilização de estímulos visuais, como cartão com nomes de candidatos. Além disso, torna mais difícil o contato com os que não podem atender ligações durante determinados períodos do dia, especialmente os de estratos de baixa classificação econômica.

Assim, mesmo com a distribuição da amostra seguindo cotas de sexo e idade dentro de cada macrorregião, e da posterior ponderação dos resultados segundo escolaridade, os dados devem ser analisados com alguma cautela.

Na pesquisa divulgada nesta sexta-feira, feita dessa forma para evitar o contato pessoal entre pesquisadores e respondentes, o Datafolha adotou as recomendações técnicas necessárias para que os resultados se aproximem ao máximo do universo que se pretende representar.

Todos os profissionais do Datafolha trabalharam em casa, incluídos os entrevistadores, que aplicaram os questionários de suas casas através de central telefônica remota.

Os limites impostos pela técnica telefônica não prejudicam as conclusões pela amplitude dos resultados apurados e pelos cuidados adotados.

Foram entrevistados 1.511 brasileiros adultos que possuem telefone celular em todas as regiões e estados do país. A margem de erro é de três pontos percentuais. A coleta de dados aconteceu do dia 1º ao dia 3 de abril de 2020.

Folha de SP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Irmâo toledo disse:

    Além de descredenciada, sem crédito, uma pesquisa dessa nesse momento é 100% IRRELEVANTE. Não interessa a ninguém, a não ser ao próprio projeto de poder da folhinha de São Paulo.
    Não me interessa pesquisa desse naipe, não ajuda ao país em nada.
    CANALHAS!!!

  2. Giba disse:

    Aí o GADO defensor do MITO pira com uma pesquisa dessa kkkk

  3. Cruzado Jacobino disse:

    Qual o problema? Vamos ver quem tem mais votos em 2022!

  4. Janilson Ovidio disse:

    Só um estúpido acredita neste lixo

Gestão da crise do coronavírus: Bolsonaro tem aprovação de 33%, consideram regular 25% e 39% reprovam, diz Datafolha

Pesquisa Datafolha publicada nesta sexta-feira (3) pelo jornal “Folha de S.Paulo” mediu a avaliação do desempenho do presidente Jair Bolsonaro, dos governadores e do Ministério da Saúde na condução da crise do coronavírus.

A pesquisa foi realizada por telefone com 1511 pessoas entre quarta-feira (1º) e sexta-feira (3) em todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja abaixo os resultados:

Avaliação do desempenho de Bolsonaro em relação ao surto de coronavírus

Ótimo/bom: 33%
Regular: 25%
Ruim/péssimo: 39%
Não sabe/não respondeu: 2%

No levantamento anterior, divulgado no dia 23 de março, a aprovação de Bolsonaro era de 35% e a reprovação era de 33%.

Avaliação do desempenho do Ministério da Saúde

Ótimo/bom: 76%
Regular: 18%
Ruim/péssimo: 5%
Não sabe/não respondeu: 1 %

No levantamento anterior, a aprovação do Ministério da Saúde era de 55% e a reprovação era de 12%.

Avaliação do desempenho dos governadores

O Datafolha pesquisou também a avaliação sobre as ações dos governadores na crise. Os resultados foram:

Ótimo/bom: 58%
Regular: 23%
Ruim/péssimo: 16%
Não sabe/não respondeu: 2%

Na pesquisa anterior os governadores tinham aprovação de 54% e reprovação de 16%.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. proterald disse:

    Datafolha está sem moral na mídia….Da licença….

  2. Airton disse:

    Databosta inconsistente.

  3. Leomar Luft disse:

    Bolsonaro 2022. Avante mito.

  4. Tarcísio Eimar disse:

    Apesar de ter sido pelo DataFolha, mas creio q os números sejam reais

  5. Bel disse:

    Data folha e a mesma coisa de nada.

  6. Mito disse:

    Pesquisa da data folha e comentário de petista não servem para nada. Bolsonaro continua firme, forte e com o apoio da população. Vão se preparando que em 2022 a surra será ainda maior.

  7. Edilson disse:

    A folha fez essa pesquisa aonde?
    Qual foi o público pesquisado nesse periodo de epidemia?

  8. Paulo disse:

    Mandetta 2022!

    • M.D.R. disse:

      Esse aí sim…..
      Mostrando capacidade, responsabilidade, atuante e voltado para os problemas da saúde "PANDEMIA" entrou firme na situação doença.

  9. raimundo fernandes disse:

    voces são aquela parcela da sociedade que podem ser descatada! não tem cerebro! taokei.

  10. Eduardo Neto disse:

    33% acham esse insano bom e 25% regular… 58% da população so pode ta comendo merda com sucrilho!!!

  11. Ricardo lúcido disse:

    Derrete do feito picolé no sol , o presidente , votei nele e me arrependo , está cada dia mais desprestigiado . Pode ligar o cronômetro . É renúncia ou impedimento . Façam suas apostas .

    • Lobinha disse:

      Essa pesquisa não mostra isso, ruminante adorador de ladrões condenados. Apenas 39% reprovam o mito, logo ele até cresceu no apoio popular com relação a eleição, nas eleições 43% não votaram nele, nessa pesquisa, apenas 39% não o aprovam. Tá no caminho certo mito

    • Zé Mané disse:

      Lobinha não, Bobinha.

79% dos brasileiros acreditam que a economia será muito afetada pela crise do coronavírus, aponta Datafolha

Pesquisa Datafolha publicada nesta terça-feira (24) pelo jornal “Folha de S.Paulo” aponta que a maioria dos brasileiros acha que a economia será muito afetada pelo coronavírus e quase um terço dos entrevistados entende que a vida financeira pessoal será prejudicada. Mais da metade está certa que a renda pessoal vai diminuir.

O Datafolha entrevistou 1.558 pessoas por telefone celular entre quarta-feira (18) e sexta (20). A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Veja abaixo os resultados de acordo com as perguntas feitas aos entrevistados:

A economia será afetada pela pandemia?

Muito afetada:79%
Um pouco afetada: 16%
Nada afetada: 3%
Não sabe: 3%

O surto do coronavírus prejudicará a economia do Brasil?

Por muito tempo: 50%
Por pouco tempo: 44%
Não irá prejudicar: 3%
Não sabe: 4%

O surto prejudicará sua vida financeira pessoal?

Por muito tempo: 28%
Por pouco tempo: 45%
Não irá prejudicar: 24%
Não sabe: 3%

Sua renda diminuirá nos próximos meses por causa do coronavírus?

Sim: 57%
Não: 43%
Não sabe: 0%

Poderá trabalhar em casa durante o surto?

Sim: 46%
Não: 54%

Tem perspectiva de ficar sem trabalho e renda?

Entre os mais pobres: 60%
Entre os mais ricos: 25%

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tonhão Marreta disse:

    Não tem credibilidade esse instituto, assim como alguns meios de comunicação, trabalham para produzir pesquisas com resultado favorável ao contratante. Qual o nível de acerto do datafolha e ibope nas últimas eleições? Sem credibilidade, tenho dito e as pesquisas produzidas por eles atestam isso.

  2. Tereza disse:

    Eis o resultado da corrupção dos governos anteriores.

    • Ricardo Lúcido disse:

      Ei Tereza ! Terezinha ! Teca ou TÊTÊ . Você está sonhando . A ara sabe quem é o presidente ? Passado é passado , justificativas desse tipo não valem . Acorde mulher .

Para 81%, Lava Jato ainda não cumpriu seu objetivo e deve continuar, diz Datafolha

Foto:  (Nacho Doce/Reuters)

Ao final do ano em que a Lava Jato foi contestada como nunca havia sido, o apoio da população à operação permanece elevado, de acordo com a mais recente pesquisa do Datafolha.

Segundo levantamento nacional do instituto, 81% dos entrevistados consideram que a investigação ainda não cumpriu seu objetivo e deve continuar. Outros 15% disseram que a investigação deveria acabar, e 4% não souberam responder.

A pesquisa ouviu 2.948 pessoas em 176 municípios de todo o país nos dias 5 e 6 na semana passada. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

A operação, criada em 2014 e que sofreu uma série de derrotas no Judiciário em 2019, tem histórico de alta aprovação em levantamentos do Datafolha nos últimos anos. Em abril do ano passado, após a prisão do ex-presidente Lula, 84% disseram que ela deveria ser mantida.

Em julho deste ano, 55% dos entrevistados afirmaram que o trabalho de autoridades envolvidas na operação era ótimo ou bom. Apenas 18% consideravam à época a atuação ruim ou péssima.

No levantamento da semana passada, o Datafolha também perguntou aos entrevistados se a corrupção no país vai diminuir, aumentar ou continuar na mesma proporção depois da Lava Jato.

O resultado mostra ceticismo em relação aos efeitos da operação. Para 47%, a corrupção continuará na mesma proporção de sempre, enquanto 41% entendem que o problema irá diminuir. Para 10%, a corrupção irá aumentar.

Com informações da Folha de São Paulo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tacio disse:

    Esse instituto de pesquisa, vulgo "Datafoice", perdeu a credibilidade total desde as últimas eleições presidenciais . Com ctz não é o governo federal que solicitou essas pesquisas diversas que estão aparecendo , são "interesses" de outros na tentativa de manipular a população.

  2. Beiço de burro disse:

    Em quanto isso o ministro Gilmar, diz que já deveria ter acabado.
    Pilantra.

“Muito confiável!”, ironiza Bolsonaro sobre Datafolha

Jair Bolsonaro comentou no Twitter a pesquisa do Datafolha que indica derrota sua para o petista Fernando Haddad, caso as eleições fossem hoje.

O presidente postou outra pesquisa do mesmo instituto que mostrava vitória do poste de Lula no segundo turno, em 2018.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arthur disse:

    Pesquisa confiável só da Jovem Pan, Edi Marcedo e das Lojas Havan, o resto é fake!

  2. Luiz Moreira disse:

    Que sentido tem fazer esse tipo de pesquisa quase um ano após a eleição,? Se Haddad tivesse sido eleito qualquer um ganharia dele oito meses depois , até Eimael ..

  3. O MICO disse:

    A pesquisa só é confiável quando traz dados positivos para o governo. Se não trouxer não tem valor algum.

  4. Manipulação disse:

    O datafolha (financiado pelo PT por 20 anos) dava como certa a eleição de Hilary nos EUA e a virada de Haddad na eleição de 2018 por 45 a 39. Para aumentar o vexame, sustentou até o resultado final da eleição que Bolsonaro perderia a campanha no segundo turno para todos os adversários. Precisa mais? Qual a credibilidade desse instituto que trabalha para um partido?
    Pior que essa fake news produzida em forma de pesquisa, são os demais meios de comunicação que dão visibilidade a essas anomalias criada por quem quer ver a corrupção voltar ao poder.

Datafolha diz que Haddad venceria Bolsonaro por 42% a 36% se a eleição fosse hoje

Foto: Ilustrativa

A Folha de São Paulo destaca mais uma polêmica nesta segunda-feira(02). Diz que se o segundo turno da eleição para presidente da República fosse hoje, Fernando Haddad (PT) seria eleito com 42% dos votos, contra 36% de Jair Bolsonaro (PSL), indica pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (2). Outros 18% votariam branco ou nulo e 4% não souberam responder.

“O presidente manteria a dianteira, se a eleição fosse hoje, em todas as regiões do Brasil, com exceção do Nordeste, que elegeria Haddad por 57% a 23%. A maior vantagem de Bolsonaro é no Sul: 43% a 32%”.

A pesquisa Datafolha ouviu 2.878 pessoas entre 29 e 30 de agosto.

“A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, e o intervalo de confiança é de 95%”.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Benevides disse:

    O mito já cumpriu a missão dele. Agora eh a vez do batMoro.

  2. Luiz Moreira disse:

    Se Haddad tivesse sido eleito, a desgraça hoje estaria tão grande que depois de oito meses até Eimael ganharia dele!

  3. Antonio Turci disse:

    É muita falta de ter o que fazer. O que justifica uma "pesquisa" deste tipo apenas 9 meses que o Presidente Bolsonaro tomou posse?

  4. Rômulo© disse:

    Assim os Bolsominions piram! KKKKKKK!

  5. Valter barbosa disse:

    HADAD NÃO GANHAR NEN DELE MESMO

  6. Ivan disse:

    Pesquisa cabulosa…deve ter sido feita nos presídios, movimentos sociais e partidos de esquerda…Se entrevistarem as pessoas de bem, bem, já sabemos o resultado!!!

  7. Lulapreso disse:

    Chegam a serem cômicas essas pesquisas do data folha. O desespero dessa imprensa podre por deixar de viver as custas do governo federal, os leva ao descrédito total. Vocês vão ter que engolir, isso é se não falirem antes, 8 anos de governo Bolsonaro. A sugestão é se mudem para a Venezuela, Cuba, Bolívia ou outra merda qualquer da esquerda e entrem na folha de pagamento deles.

  8. Osvaldo Delgado disse:

    Impressionante como ainda tem gente que perde tempo em ler esse tipo de materia. País de m..

  9. Bob disse:

    Kkkkk é melhor o pessoal desse instituto terem vergonha na cara, provavelmente deve sair uma do IBOPE também. O melhor é mandar esses caras irem cagar logo hoje e depois só quarta feira, só assim preserva o planeta. Kkkkkkk

  10. Diego Revorêdo disse:

    Não sei se você lembra BG, mas na eleição passada Bolsonaro perdia para todos também… "pelas caridade"… se esse País fosse sério mesmo, esses institutos de pesquisas já estariam todos com as portas fechadas.

  11. ALEX DE MESQUITA disse:

    TA FALTANDO NOTICIAS KKKKKKKK
    MISERICORDIA

  12. Papudim disse:

    Com o Bozo jogando contra ele mesmo (falando as merd..), claro que Haddad o Poste ganharia, mesmo apertado, mas nunca com folga….. O Brasil seria grato.

    • Manoel disse:

      Cuba, Venezuela e Angola também ficariam muito gratos de poder voltar a receber nosso dinheiro para financiar as ditaduras de lá…

  13. Fábio disse:

    Esse mesmo Datafolha dizia que O POSTE Haddad estava na frente de Bolsonaro na capital paulista.
    No entanto, levou uma surra grande.
    kkk

    • M.D.R. disse:

      ANDRADE, quando PREFEITO DE S.PAULO, sua a provação foi 3%, os Paulistas já conhece esse incompetente.

  14. Patriota disse:

    Pesquisa feita nos acampamentos do MST…..

  15. Bento disse:

    KKKKKK Ele perdeu a eleição foi no ano passado.
    Por favor que mico avisem a folha kkkkkkkkkkkk
    A única coisa que andrade ganhou esse ano foi uma condenação.

  16. Aroldo Pontes disse:

    BG meu amigo, assim tu perdes a credibilidade postando tamanho absurdo. Já disse uma vez e vou repetir. O que importa não é quantidade de matérias à ser veiculadas, mas sim, a qualidade. Fica a dica

  17. CARLOS disse:

    Datafolha Lixo!Manipuladores !Querem as tetas de volta!É pra rirrrrrr!Haddad ganhar de Bolsonaro!Nem no nordeste!

  18. Lorena Galvão disse:

    kkkkk agora ganhasse, nunca fui entrevistada

  19. Manoel disse:

    KKKKKKKKKKKK. Diz para Folha que Haddad já perdeu ano passado… Provavelmente daqui para 2022 vai estar preso!

Datafolha: contrários à liberação da posse de arma no país voltam a crescer e atingem 61%

Militares preparam armas para serem destruídas no Rio de Janeiro  – Bruno Kelly-20.jun.18/Reuters

O total de brasileiros que se declaram contrários à liberação da posse de armas de fogo aumentou desde outubro, segundo a mais recente pesquisa Datafolha.

Em dezembro, 61% dos entrevistados disseram que a posse deve “ser proibida, pois representa ameaça à vida de outras pessoas”. No levantamento anterior, de outubro, 55% concordavam com essa posição.

No mesmo período, a parcela de pessoas que considera a posse de armas “um direito do cidadão para se defender” oscilou negativamente, passou de 41% para 37%, ou seja, no limite da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Outros 2% não souberam responder.

Foram entrevistadas 2.077 pessoas em 130 municípios em todas as regiões do país, nos dias 18 e 19 de dezembro.

Durante o período eleitoral, o agora presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), falou em revogar o Estatuto do Desarmamento. Agora, neste sábado (29), afirmou que pretende assinar um decreto para permitir a posse de arma a todas as pessoas sem ficha criminal, além de tornar o registro definitivo, sem a necessidade de renovações, como hoje.

Entre os que declararam ter votado em Bolsonaro na última eleição, o direito de possuir uma arma é defendido por 53%. Quando questionados sobre a necessidade de facilitar o acesso a armas, contudo, 59% se disseram contrários.

O que vem sendo discutido internamente pelos membros do novo governo é fazer um decreto que altere aquele que regulamentou o Estatuto do Desarmamento em 2004. É uma forma de não precisar mexer na lei e retirar regras que possam dificultar o acesso das pessoas às armas.

Segundo o Datafolha, o percentual de pessoas contrárias à posse de armas já foi de 68% em 2013. Hoje é de 61%.

As mulheres tendem a ver a liberação das armas de forma mais negativa: 71% delas são contrárias à posse, enquanto apenas 51% dos homens têm a mesma opinião.

O índice também varia de acordo com ensino e renda. Quanto mais anos de estudo, maior o apoio à liberação. Entre os entrevistados com ensino superior, 41% defendem que ter armas é um direito, a taxa cai para 34% entre pessoas com ensino fundamental.

Da mesma forma, quanto mais rica a pessoa, mais favorável ela é à liberação. Entre os entrevistados com renda familiar mensal de até 2 salários mínimos, 32% defendem a posse de armas. Já entre pessoas que ganham mais de 10 salários mínimos, esse percentual sobe para 54%. O Sul é a região mais favorável às armas do país, com 47%, enquanto o Nordeste é a que menos apoia a liberação, com 32%.

Quando indagados se é preciso facilitar o acesso às armas, apenas 30% dos brasileiros respondem que sim. Entre eles, 16% concordam totalmente —14% concordam parcialmente. Entre os contrários, que somam 68%, a posição é mais enfática: 51% discordam totalmente e 17% discordam em parte.

Segundo o Estatuto do Desarmamento, para obter a posse de arma é preciso ser maior de 25 anos, ter ocupação lícita e residência certa, não ter sido condenado ou responder a inquérito ou processo criminal, comprovar capacidade técnica e psicológica e declarar a efetiva necessidade da arma. Já o porte é proibido, exceto para forças de segurança e guardas, entre outros.

A lei federal, aprovada em 2003, regulou o acesso a armas e restringiu o porte e a posse em todo o país. O estatuto, entretanto, tem sido afrouxado por decretos nos últimos anos e corre o risco de ser desmantelado em 2019.

Em 2016, um decreto presidencial ampliou a validade do registro de armas de três para cinco anos. Portaria do Exército de 2017 teve efeito similar: permite que atiradores desportivos levem suas armas, carregadas, até o local de tiro.

Para revogar o Estatuto do Desarmamento, como pretende Bolsonaro, é preciso aprovar uma nova lei no Congresso. O projeto mais avançado é o do deputado Rogério Peninha (MDB-SC), de 2012, que está pronto para votação.

Em novembro, ele publicou em rede social que a proposta ficaria para 2019. “Acabo de receber ligação do presidente Jair Bolsonaro. Ele concordou em deixarmos para o ano que vem a votação do projeto.”

Peninha avalia que a nova composição da Câmara, mais conservadora, vai significar mais apoio para a proposta. Para virar lei, o projeto precisa ser aprovado por maioria simples na Câmara e, se não for alterado no Senado, segue para sanção presidencial.

Entre as mudanças, o projeto reduz a idade mínima da posse de 25 para 21 anos e permite que pessoas respondendo a inquérito ou processo criminal comprem armas, contanto que não tenham sido condenadas por crime doloso.

O projeto também retira a obrigatoriedade de apresentar uma efetiva necessidade para ter uma arma, ponto avaliado hoje pela PF. O porte seria liberado para maiores de 25 anos que cumprirem os requisitos para a posse.

Segundo dados do Exército obtidos via Lei de Acesso à Informação pelo Instituto Sou da Paz, cerca de seis armas são vendidas por hora no mercado civil nacional. Até agosto, 34.731 foram comercializadas. Ao todo, há quase 620 mil armas nas mãos de civis.

O ataque mais recente a tiros com repercussão nacional ocorreu em 11 de dezembro em uma igreja de Campinas (SP). O atirador, Euler Fernando Grandolpho, 49, matou cinco pessoas e deixou três feridos. Ele portava uma pistola 9 mm e um revólver calibre 38 —as armas tinham as numerações raspadas.

ENTENDA AS REGRAS SOBRE ARMAS NO PAÍS

É possível ter a posse de uma arma no Brasil? 

Sim, mas é preciso ser maior de 25 anos, ter ocupação lícita e residência certa, não ter sido condenado ou responder a inquérito ou processo criminal, comprovar a capacidade técnica e psicológica para o uso do equipamento e declarar a efetiva necessidade da arma

E o porte? 

O porte, ou seja, a autorização para carregar e transportar a arma, é proibido, exceto para membros das Forças Armadas, policiais, guardas, agentes penitenciários e empresas de segurança privada, entre outros

O comércio de armas é permitido? 

Sim. A proibição foi derrotada em 2005, quando 63,9% dos eleitores votaram pela continuidade do comércio legal de armamentos

O presidente pode revogar o Estatuto do Desarmamento? 

Não. O estatuto é uma lei federal e mudanças precisam ser aprovadas no Congresso

Há projetos para mudar o estatuto no Congresso? 

Sim, há mais de 160 propostas para alterar a lei. A mais avançada, que está pronta para ser votada na Câmara, reduz a idade mínima para a posse de 25 para 21 anos e permite o acesso para pessoas que respondem a inquérito ou processo criminal, contanto que não tenham sido condenadas por crime doloso. Não seria mais preciso declarar a efetiva necessidade de ter uma arma. O porte seria liberado para maiores de 25 anos que cumprirem os requisitos para posse. Para se tornar lei, o projeto precisa ser aprovado por maioria simples na Câmara e no Senado e passar por sanção presidencial

O que um presidente pode mudar sem depender do Congresso? 

É possível alterar a regulamentação do estatuto, ampliando o acesso a certos tipos de armas e munições. Fuzis, hoje de uso exclusivo das forças de segurança, poderiam ser vendidos no comércio formal. Defensores da liberação das armas dizem que seria possível flexibilizar a posse, já que a lei determina que o cidadão precisa “declarar a efetiva necessidade” da arma, mas a exigência de comprovação foi regulamentada por decreto. A três dias de tomar posse como presidente, Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que pretende assinar um decreto para garantir a posse de arma de fogo a todas as pessoas sem ficha criminal. Essa possibilidade de flexibilização, porém, não é consensual. Alguns especialistas dizem que isso seria legislar por decreto e passível de ser questionado juridicamente

Como é a regulação de armas em outros países? 

Nos EUA, em boa parte dos estados, para comprar uma arma em loja (há mais de 50 mil no país) basta passar por uma checagem rápida de antecedentes criminais. Se a compra for feita com um vendedor particular, isso não é necessário. No Japão, o processo envolve aulas, testes práticos e escritos e avaliação rigorosa do histórico criminal, saúde mental e relações pessoais. Na Austrália, as armas só são liberadas em casos excepcionais, e os policiais podem exigir entrevistas com parentes e vizinhos. No México, o cidadão precisa comprovar que não tem antecedentes criminais e que está empregado. Há apenas uma loja de armas em todo o país

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Leo disse:

    memtira

  2. Bruno santos disse:

    Data lixo , globo lixo , CUT nada disso tem relevância ou um pouco de credibilidade para o povo brasileiro.
    Bolsonaro 2019.

  3. Amarildo Aparecido Leite disse:

    Ohhh Datafolha.
    Lula ta preso seus babacas.

  4. Arcanjo miguel disse:

    Quem acredita nessa pesquisa acredita também na que informou que a maioria dos brasileiros acreditam na mula sem cabeça e no saçi Pererê. Eita esquerda inconformada kkkkk

  5. Andinho disse:

    Se o DataFolha soltar uma pesquisa hoje para eleição presidencial, ainda da vitória para o Poste no primeiro turno e com 65% de preferência do eleitorado.
    Chega a ser cômico o posicionamento deste instituto.

  6. Andinho disse:

    Kkkkk alguém ainda dá credibilidade a pesquisa do DataFolha? Alguém ainda destina parte do seu precioso tempo para ler o que a DataFolha pública?
    DataFolha a muito perdeu sua credibilidade e sempre deixou claro a sua imparcialidade!!!!

  7. Esquerda mi mi mi disse:

    É o DataFraude.
    A anta estava em primeiro, ficou em quarto.
    Witzel estava em quinto, ganhou a eleição.
    O poste havia virado na capital paulista, perdeu feio.
    Assim fica difícil …

  8. Carlos Bastos disse:

    As pessoas estão confundindo posse com porte, o presidente não vai liberar o porte apenas vai facilitar a posse, cuidado para não ser preso com uma arma na rua, a posse não vai dar direito ao cidadão sair com uma arma na cintura.

  9. Arcanjo disse:

    Como sempre pesquisas podres a serviço da esquerda… não tomam jeito.

  10. Andrade disse:

    Esses gordin bebedor de cerveja que comentam tem muuuuuuita agilidade para reagir com arma exitosamente a um assalto, kkkkkkkkkkkkkkkk

  11. Alfredo disse:

    Se você não parar de abastecer o blog com fake news vou parar de seguir.

  12. Lampejao disse:

    ESSE DATAFALHA É O MESMO DAS PESQUISAS DO POSTE HADDAD!!!….KKKKKKKKKKKK

  13. paulo disse:

    BG
    Essa data folha é uma vergonha, disse que a mulher que queria armazenar vento tava eleita em primeiríssimo lugar na Minas Gerais e FERROU-SE para o bem do povo Mineiro e Brasileira.

  14. Tarcísio Medeiros disse:

    E quem no Brasil confia em pesquisas divulgadas pelo DataFolha?

  15. Duendevermelho disse:

    Retrospectiva 2018: "Segundo a última pesquisa Datafolha, Jair Bolsonaro perde até pra um pato cagando em todos os cenários de segundo turno… O Datafolha foi a campo nesse último fim de semana e realizou 2000 pesquisas…"

    Resumo: vai te lascar Datafolha! Quem danado ainda acredita nesses Institutos de pesquisa..

  16. Acorda Brasil disse:

    Datafolha e o boletim mensal da CUT tem a mesma relevância para mim: zero.

  17. Ed disse:

    Absurdo, nunca existe esse numero de pessoas contrárias!!! Datafraude ja começou a bagunçar!!! Kkk isso é fato, é perguntar realmente nas ruas, o povo na verdade quer realmente o PORTE e nao somente a posse, e posse ja temos!!

  18. Wendell Fernandes disse:

    É até piada a pesquisa ser do Datafolha… Se fizer um plebiscito de verdade, acho que 90% votará favorável ao porte… Folha de São Paulo tá de mimimi com Bolsonaro faz tempo…

  19. Chico disse:

    Melhor liberar só pra bandidos!

  20. Zé ninguém disse:

    Logo data folha…

Datafolha: 67% dos brasileiros defendem maior controle da entrada de imigrantes

A maioria dos brasileiros defende que o país endureça o controle da entrada de imigrantes, segundo o Datafolha.

Dois em cada três dos 2.077 entrevistados (67%) disseram concordar que o Brasil deve controlar mais a entrada de imigrantes.

Diz a Folha:

“Os resultados mostram que quanto maior a renda, maior a inclinação para querer o aumento da restrição à entrada de imigrantes: enquanto 74% dos entrevistados que ganham mais de dez salários mínimos responderam que concordam, no outro extremo (menos de dois salários mínimos) 62% disseram o mesmo.

Além disso, os homens são mais favoráveis ao tema (72%) do que as mulheres (62%).

A concordância é maior também entre pessoas que declararam ter votado em Jair Bolsonaro na eleição presidencial (73%) e menor —mas ainda majoritária— entre eleitores de Fernando Haddad (58%).”

Antagonista e Folha de SP

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Life of american disse:

    Como é que o Brasil vai da guarida aos cubanos se o Brasil faz parte do mesmo regime cubano. Comunista. PAÍSES COMUNISTAS : BRASIL, CUBA, VENEZUELA, BOLÍVIA, CORÉIA DO NORTE. ALÉM DE COMUNISTA É CORRUPTO, TODO PAÍS COMUNISTA É CORRUPTO. VIDE VENEZUELA E CUBA.

O antimericanismo no Datafolha

O Datafolha fez uma pesquisa para saber se “o Brasil deve dar preferência ao governo dos Estados Unidos em relação a outros países”.

Pergunta estranhamente mal formulada. Deveria ser “preferência aos Estados Unidos” ou “em relação ao governo de outros países”.

A Folha destacou que 66% discordam. Mas 19% deles discordam apenas parcialmente.

A verdade é que dois em cada três brasileiros sonham com Miami e Nova York, num cálculo conservador. Inclusive os antiamericanistas do Datafolha.

O Antagonista

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Teotônio disse:

    Alguém aqui gosta de suco de ?????????
    Dizem q na Florida tem laranjas ótimas pra suco. Os Bozos com ctza adoram. A folha deveria fazer essa enquete tb.

    • Teco disse:

      Acho que os petralhas gostam mais, pois seu laranja foi flagrado com 40 vezes mais dinheiro que o Queiroz, com cerca de 49 milhões de reais, e eles ficam pianinho. Kkkkkkk

  2. Gustavo disse:

    Antiamericanismo é a coisa mais cafona. Era legal lá nos anos 1960. Melhor estar ao lado dos países mais desenvolvidos. Não quero nem imaginar o mundo sob domínio da China.

    • Rômulo disse:

      O antiamericanismo pode até ser cafona, mas o oposto disso, ou seja, a subserviência, é muito pior. Nosso país não tem de se fechar ao resto do mundo para agradar os estadunidenses. Se o Bozo não gosta de Cuba, Venezuela e afins, não precisa se atirar nos braços de Trump para deixar isso claro. Essa adulação está atrasando um acordo comercial do Mercosul com a União Européia que poderia render bons resultados, tudo por culpa de uma idolatria que nunca beneficiou país nenhum. O México que o diga! Ganhou um muro em suas fronteiras e continua subdesenvolvido.

  3. Kalina disse:

    Nunca que eu quero os EUA Com o exemplo pra nada! Basta estudar e descobrir o pq!!!

    • Valdemir disse:

      Ah, tá! Mais um que lê e não entende. Porque preferir Cuba, Venezuela, nicarágua, Bolívia, ditaduras africanas e do oriente médio, Coréia do norte e Rússia, que são países alinhados com a petralhada. Aí é demais. ômi, vá pegar um visto pra ir pra os EUA, tu vai ver o tamanho da fila e burocracia, isso é porque é um país que vc conceitua como ruim. Já esses favoritos seus, são ruins é pra sair. Kkkkkkkkkkkkk

    • Celso Medeiros disse:

      Que tal ir morar nos maravilhosos exemplos da esquerda como Cuba, Venezuela, Irã, Coreia do Norte e tantos outros países desenvolvidos e que o povo vive bem? Seja autêntica e vá morar onde vocês tem como exemplo. Esqueça a porcaria dos EUA e países europeus com todo desenvolvimento, respeito ao ser humano e leis que funcionam, bom mesmo é nos países com ditadores como Maduro, Che Guevara, Fidel, Hugo Chaves entre outros

    • Cidadão disse:

      Menina…. Não sabe o que é a vida ainda

  4. Anderson disse:

    Que jornalzinho, heim!! É evidente que a preferência deste jornalzinho – Folha – é por países comunistas. Não é exagero falar em "corporativo ideológico".

  5. Marcelo disse:

    Só se for na sua casa, esse cálculo.

GANGORRA DAS PESQUISAS EM CENÁRIO PARA PRESIDENTE: Instituto Paraná, BTG, Ibope, Datafolha e cia sob questionamento dos eleitores

No que se desenha um “plebiscito” entre Jair Bolsonaro x Fernando Haddad no cenário presidencial, o sobe e desce de números transformaram o embate entre os dois candidatos mais citados pelas pesquisas numa verdadeira gangorra de emoções. Da parte dos eleitores, os questionamentos, desconfiança e ainda otimismo, quando os números são favoráveis ao seu candidato.

Enquanto a BTG/Pactual e o Instituto Paraná apresentam um cenário com o candidato Jair Bolsonaro(PSL) com média de 31 a 33 pontos, por outro lado, os tradicionais Ibope e Datafolha apresentam uma corrida mais equilibrada, e com o petista Fernando Haddad em crescimento. Afinal, quem aplica a metodologia correta? A resposta, no dia 07 de outubro.

Como exemplos, abaixo seguem os links das últimas pesquisas, divulgadas nesta quarta-feira(26).

Pesquisa Crusoé/Instituto Paraná: Bolsonaro tem 31,2% contra 20,2% de Haddad; Ciro 10,1% e Alckmin 7,6%

Pesquisa Ibope/CNI: para presidente: Bolsonaro, 27%; Haddad, 21%; Ciro, 12%; Alckmin, 8%; Marina, 6%

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. greg disse:

    Paraná Pesquisa, aquela q faz pesquisa por telefone? há tá…a pessoa com pressa pra apertar umas 30 opções, não da pra acreditar nisso.

  2. Jussier disse:

    Vai dá PT vai dá?

  3. jota disse:

    Bené, eu prefiro alimentar mercado. É só você procurar estudar um pouco e entenderás. É lamentável eu ter que rebater pessoas com visão pequena, visão de petistas.

  4. realmadriddepiumgenerico disse:

    As pesquisas deveriam ser para consumo interno e proibidas a sua divulgação. São instrumentos manipuladores, enganadores e com preços estabelecidos. Tem para todos os gostos e contam sempre com a história da "metodologia" para explicar os desatinos.

  5. joao disse:

    Fico com a Paraná pesquisa.. afinal ate o mercado e bancos reconhecem que o PT seria um desastre para o País e para a democracia.. o dolar caiu e a bolsa subiu.. O PT faz mal para os trabalhadores.

    • patrick disse:

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk fica com quem te favorece né bobinho kkkk grande argumento

    • Bené Brito disse:

      O negócio do João é o "mercado. Querido João, o mundo é feito por pessoas e não por "mercados". Você prefere alimentar pessoas ou o "mercado?

    • joao disse:

      Bene e Patrick… vcs vivem do Estado que é sustentado pelo povo. O mercado alimenta o povo quando cria riqueza, o estado suga a riqueza e o povo, atraves de impostos altos e mal aplicados. Mercado sao feitos de pessoas, aprendeu aonde essa sua teoria que mercado esta isolado da distribuicao de riqueza? Com o PT? Acho que na sua mente, quem produz explora.. mas o que sabemos é que quem explora é o Estado. Ou vc crer que 27% de ICMS sobre produtos de consumo nao atinge o pobre? ou 5% de iSS nao atinge o pobre? Ou 6% CONFINS e IPI nao atinge o pobre? Vc crer que so o imposto de renda resolve o problema do povo? kkkk. Pergunte ao pobre se ele pudesse comprar comida sem pagar um terço de impostos o que ele pensaria… Acabe com os mercados e veja no tipo de país que se transforma.. pergunte aos venezuelanos.

    • Ceará-Mundão disse:

      João, é praticamente impossível uma pessoa de bom senso e de forma intelectualmente honesta conseguir trocar ideias com essa turma de esquerda. Vc falou certo. Essa mentalidade rasteira dessa gente é totalmente incompatível com o progresso de um país, com o verdadeiro bem estar de um povo. O nosso Brasil precisa experimentar o verdadeiro capitalismo, precisa saber como funciona uma liberal democracia de fato. Nosso país, infelizmente, vive um socialismo disfarçado. Temos um Estado que tudo pode, que governa as nossas vidas nos seus mínimos detalhes, pagamos altíssimos impostos, sustentamos uma máquina estatal enorme e desnecessária, que origina um déficit público insustentável e não recebemos serviços públicos minimamente decentes. O Estado desperdiça seus limitados recursos enquanto não nos fornece educação, saúde, segurança, investimentos no setor econômico… As ideias socialistas não deram certo em lugar algum do mundo. Mas tem muita gente por aqui que insiste nessa ideologia patrocinadora do atraso, da fome e de muita perseguição àqueles que dela discordam. É uma pena.

Datafolha: Bolsonaro lidera com considerável vantagem nas regiões sul, sudeste, norte e centro-oeste; no nordeste, Haddad 26% contra 17% do capitão

Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Sobre a pesquisa

Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos

Entrevistados: 8.601 eleitores em 323 municípios

Quando a pesquisa foi feita: 18 e 19 de setembro

Registro no TSE: BR-06919/2018

Contratantes da pesquisa: TV Globo e “Folha de S.Paulo”

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro;

0% significa que o candidato não atingiu 1%; traço significa que o candidato não foi citado por nenhum entrevistado.

* Observação: Em cada um dos segmentos da pesquisa, o posicionamento dos candidatos e os resultados seguem o padrão do relatório do Datafolha.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ankito disse:

    Eu já esperava esse resultado aqui no NORDESTE!
    Mas, acho que o pt não vai repetir aquela maioria de 12 milhões de votos da campanha passada.

  2. Lúcio alves disse:

    Isso se Deus quiser bolsonaro vai ser presidente ele já é lider nas regiões mais populosas e mais ricas do Brasil já se cansou da bandidagem e se o nordeste está cançado de coronés e sangue sugas vote no Bolsonaro ele vai trazer tecnologia de Israel para vocês se sustentarem com suas própias pernas #BolsonaroPresidente17

  3. Ceará-Mundão disse:

    Muita manipulação. Vimos nas redes sociais, há poucos dias, que a estatística responsável pela pesquisa Datafolha era uma militante petista. Ela e toda sua família, conforme foi provado com postagens de suas páginas de Facebook. E o IBOPE, até mesmo o coroné doido Ciro já disse que o seu dono, de nome Montenegro, seria capaz de vender até a própria mãe. O que vemos nas ruas e nas redes sociais é que Bolsonaro já tem bem mais do que esses institutos venais e mentirosos estão divulgando. Tanto é que os petralhas e seus aliados já estão se desesperando. A rejeição ao PT é enorme e as últimas eleições municipais mostraram isso na realidade. Não adianta estrebucharem, o Mito está caminhando para levar logo no 1º turno. E o Brasil precisa disso. Basta de esquerdistas incompetentes e ladrões. Queremos ordem e progresso.

  4. Chico disse:

    É facil de entender, essas outras regiões o povo é mais politizado, nem venham dizer que não que é. São regiões onde o povo na sua grande maioria precisa menos do governo, e bolsa família. São mais independente, quem já não visitou o sul do Brasil e não se impressionou? Chegam a dizer, é outro país e é!

  5. Nathalya disse:

    As mesmas regiões que disseram a culpa não é minha, eu votei no Aécio. 😉

  6. Acorda Brasil disse:

    Infelizmente isso dá munição para quem usa o discurso de que o Nordeste é o "atraso do Brasil". Os números não mentem. Só há que se lamentar.

  7. Hudson Carvalho Pinheiro Filho disse:

    Vamos fazer uma conta:
    Centro-Oeste = 10.747.116 (24% de Bolsonaro = 2.579.307)
    Norte = 11.533.833 (17% de Bolsonaro = 1.960.751)
    Sudeste = 63.902.501 (17% de Bolsonaro = 10.863.425)
    Sul = 21.396.031 (27% de Bolsonaro = 3.637.325) Total Bolsonaro 19.040.808
    Nordeste = 39.222.149 (9% do PT = 3.529.993)
    Bolsonaro 19.040.808 – PT 3.529.993 = 15.510.815
    BOLSONARO COM MAIORIA DE 15 MILHÕES DE VOTOS SOMANDO TODAS AS REGIÕES DO BRASIL
    VAMOS POVO BRASILEIRO, VOTAR A FAVOR DA ORDEM, CONTRA A CORRUPÇÃO, CONTRA A IMPUNIDADE, A FAVOR DO BRASIL, PARA O BEM DO POVO BRASILEIRO

    • Renato Rivelino disse:

      Considerando que a campanha de Bolsonaro não tem apoio dos caciques políticos, não tem os milhões do fundo partidário e que sua equipe luta contra todas as dificuldades, ele está sendo o candidato escolhido pelo povo realmente.
      A campanha de Bolsonaro não tem tempo de tv, não tem recursos para distribuição de material, não tem estrutura como a turma do PT, PSDB, MDB, PDT, REDE, NOVO, PODEMOS, vemos que se tornou o candidato que vem quebrando todos os paradigmas por vontade a apoio do povo.
      Quem vota em Bolsonaro quer DAR UM BASTA NA CORRUPÇÃO, É CONTRA A IMPUNIDADE, CANSOU DE SER MANIPULADO PELO PT, PSDB, MDB E AS VELHAS E VICIADAS RAPOSAS POLÍTICAS QUE A DÉCADAS VEM DOMINANDO O CENÁRIO POLÍTICO.
      FORÇA BOLSONARO 17, ESTAMOS COM VOCÊ

    • Leo disse:

      Tá "serto" inocente.

  8. Luiz Fernando disse:

    Vergonha…

    • Marcos disse:

      Tbm sinto vergonha de ser Nordestino.
      Bolsonaro deveria liderar com folga na nossa região.

Datafolha: brasileiros são contra aborto por zika e microcefalia

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha revela que a maioria dos brasileiros não acredita que grávidas contaminadas com o vírus zika deveriam ter direito ao aborto, ainda que comprovado o quadro de microcefalia no bebê. O levantamento foi publicado nesta segunda-feira no jornal “Folha de S. Paulo”. Para 58% dos entrevistados, as grávidas contaminadas pelo vírus não devem ter a opção de fazer um aborto. Já 32% defendem que elas possam interromper a gestação, e outros 10% resolveram não opinar.

Quando comprovada a microcefalia nos bebês, o percentual dos que se opõem ao aborto diminui, mas ainda é maioria: 51%. Outros 39% disseram ser favoráveis do procedimento. A rejeição ao aborto é maior entre as mulheres: 61% discordam do direito ao aborto em caso de contaminação por zika (contra 53% dos homens) e 56% em caso de microcefalia confirmada (contra 46%).

A pesquisa foi realizada entre os dias 24 e 25 de fevereiro, com 2.768 entrevistados em 171 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O debate sobre a ampliação do aborto legal vem ganhando força no país desde que surgiu a suspeita de ligação entre a contaminação pelo vírus zika e a síndrome da microcefalia. O ministro da saúde, Marcelo Castro, vem defendendo a manutenção da lei que proíbe a prática.

A defesa ao aborto em caso de microcefalia só existe entre os entrevistados de maior escolaridade. Entre os que concluíram o ensino superior, 53% são favoráveis à interrupção da gravidez (e 39% são contrários).

Os índices de desaprovação ao aborto, entretanto, são inferiores aos registrados em novembro do ano passado, por uma pesquisa também do Instituto Datafolha. Na época, 67% disseram ser contra o aborto, e 16% queriam que o direito ao aborto fosse ampliado para mais casos que os atualmente previstos (quando a gestação implica em risco para a mãe, em caso de estupro e anencefalia do bebê).

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flawless VIctory! No Mercy disse:

    As mulheres que opinaram ser contras com certeza não passaram pela gestação de uma criança que alem de nascer com varias sequelas devida a má formação do cérebro tambem terá uma aparencia que dificilmente será aceita pela propria sociedade que diz ser contra o aborto em caso de microcefalia..Nestes caso inclusive apenas de confirmação do Zika virus a mulher deve sim ter liberdade de escolha do destino dela e da criança…

  2. EDER disse:

    SÓ PODE SER INFORMADO PELA GLOBO PARA SER CONTRA. ATÉ O PAPA É A FAVOR !!!

Datafolha: 45% dos deputados querem renúncia de Cunha; no senado, 43% votariam contra impeachment de Dilma

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira mostra que, entre 324 deputados ouvidos pelo instituto, 45% (146 parlamentares) defendem a renúncia do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A Câmara é composta por 513 parlamentares, portanto, quase 1/3 do Parlamento é a favor de sua saída. Para 25%, ele deve ficar no cargo e 30% não se posicionaram.

Confrontados com a hipótese de ter de votar pela cassação de Cunha, 52% não se posicionaram. Enquanto 35% disseram que votariam a favor da cassação de Cunha, 13% declararam que votariam contra.

O levantamento foi realizado entre 19 e 28 de outubro e ouviu 63% dos parlamentares. Dos 375 entrevistados, 324 eram deputados e 51, senadores.

DILMA

O Datafolha também ouviu 51 senadores e o maior grupo, 43%, votaria contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, caso a Câmara abrisse um processo. Já outros 37% prometem votar a favor enquanto outros 20% não se posicionaram.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Falando Sério disse:

    O problema do Brasil não é Cunha ele é só um detalhe no meio desse lamaçal criado pelo PT, quanto aos deputados na hora "H" a maioria votara pela continuação de Cunha tanto os que o amam e o odeia admira seu trabalho e acham o melhor, mais preparado e competente Presidente da Camâra dos últimos 70 anos.