Avaliação do governo Bolsonaro fica estável em fevereiro, mostra pesquisa XP/Ipespe

Presidente Jair Bolsonaro posa para fotos com populares na entrada do Palácio da Alvorada (Agência Brasil/Agência Brasil)

 

A avaliação da população em relação ao governo de Jair Bolsonaro apresentou cenário de estabilidade entre janeiro e fevereiro, de acordo com levantamento da XP Investimentos em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). Dados divulgados ao Estado apontam que 36% dos entrevistados consideraram o governo ruim ou péssimo, contra 39% em janeiro – mesmo porcentual desde outubro de 2019. Outros 34% avaliaram o governo como ótimo ou bom, contra 32% em janeiro, e 29% como regular (28% no mês anterior).

As variações estão dentro da margem de erro da pesquisa – de 3,2 pontos percentuais – e mostram a divisão de opiniões que tem marcado os levantamentos do tipo nos últimos meses.

A expectativa da população para o restante do mandato de Bolsonaro também não variou. Para 40%, a perspectiva é ótima ou boa e para outros 33% é ruim ou péssima. São os mesmos porcentuais de janeiro. Outros 21% esperaram um resto de governo como regular, ante 20% em janeiro.

O levantamento teve abrangência nacional e ouviu mil entrevistados, por telefone, entre segunda-feira, 17, e quarta-feira, 19.

Em um ano, a avaliação negativa do governo Bolsonaro cresceu de 17%, em fevereiro de 2019, para 36% neste mês, enquanto a resposta de ótimo ou bom variou de 40% para 34%. O porcentual dos que consideraram regular o governo variou dentro da margem de erro, de 32% para 29% em um ano.

As expectativas ruim e péssima para o restante do governo Bolsonaro saíram do piso de 15% em fevereiro de 2019 para 33% este mês, enquanto a perspectiva ótima e boa saiu de 60% para 40%. Já a perspectiva regular para o resto do mandato segue praticamente estabilizada e dentro margem de erro desde o início da série de levantamentos, e variou de 20% para 21% em um ano.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lenio disse:

    E O BANDIDO DE ESTIMAÇÃO DA FAMÍLIA?
    MAS BANDIDO BOM NÃO É BANDIDO MORTO?
    HOMENAGEAR BANDIDO PODE?
    ENTRE RACHADINHAS, LARANJAS E CHOCOLATES, DEFENDER MILICIANOS PODE?
    POIS É BOZONARO, CADA DIA VAI FICANDO MAIS DIFÍCIL DEFENDER HIPÓCRITAS QUE LIDERAM BANDIDOS, HOMENAGEIAM BANDIDOS, EMPREGAM EM SEUS GABINETES BANDIDOS, MORAM NO MESMO CONDOMÍNIO E SÃO AMIGOS DE BANDIDOS.
    AS FICHAS DE MUITA GENTE JÁ ESTÃO CAINDO E OS FAKES CONSTANTES JÁ NÃO SURTEM OS MESMOS EFEITOS QUE ANTES.
    A BATATA ESTÁ ASSANDO NO "ANEL" DE COURO DOS QUE PREGAM A MORTE E A GUERRA E SE DIZEM CRISTÃOS ADORADORES DA PAZ E DO AMOR.
    AS BANCADAS DO BOI, DA BALA E DA BÍBLIA ESTÃO NO TOPO DA LISTA DE HIPÓCRITAS EXPLORADORES DO SISTEMA. MAIORES MAMADORES DO PODER PÚBLICO.

“A melhor reforma é a que vai ser aprovada”, diz Bolsonaro, sobre reformas econômicas

Foto: Carolina Antunes/PR

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (3) que o mais importante é aprovar as reformas econômicas, ainda que as mudanças não correspondam ao projetos iniciais do governo. “A melhor reforma é a que vai ser aprovada”, enfatizou ao participar de almoço na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O presidente falou sobre as conversas de “alinhamento” que diz manter com o ministro da Economia, Paulo Guedes. “Temos discutido com ele a questão das reformas econômicas. E, obviamente, falo para ele, depois de 28 anos dentro da Câmara sem termos aprovado nada no tocante a esse assunto, eu falo para ele que a melhor reforma é aquela que vai ser aprovada. Não adianta termos um sonho”, acrescentou.

Bolsonaro disse que concede autonomia para os seus ministros trabalharem, mas eventualmente apresenta discordâncias com as propostas da equipe de governo. “Quando ele falou, há pouco, que queria aumentar o imposto da cerveja, apesar de não ser um amante desse esporte, me coloquei contra”, disse sobre a proposta do ministro da Economia de sobretaxar bebidas alcoólicas, cigarros e alimentos açucarados.

O presidente compareceu ao encontro acompanhado do ministro da Educação, Abraham Weintraub, e da atriz Regina Duarte, indicada para comandar a Secretaria Especial de Cultura. Bolsonaro foi recebido pelo presidente da Federação, Paulo Skaf.

Apoio do Parlamento

Bolsonaro disse ainda que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é um entusiasta da revisão da legislação sobre impostos e tributos e das normas que regem o funcionalismo público. “Ontem, estive por uns longos minutos com o Rodrigo Maia, presidente da Câmara. Conversamos mais um pouco sobre a reforma tributária e administrativa, que está para chegar. Ele, obviamente, tem se mostrado mais do que simpático, quer ser protagonista dessa questão”, ressaltou.

Para o presidente, o apoio às propostas do governo mostram que o país tem ganhado credibilidade. “Essas medidas, com apoio do Parlamento brasileiro, é que dão mostras mais do que suficientes, para dentro e fora do Brasil, que estamos no caminho certo”, disse.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Verdade, porém fumo maior era a falta de emprego, atraso, miséria, e o desejo de maldades com as que Fatao GD está querendo nos meter. Aí vc gostava, aí o PT era bom.

  2. Ojuara disse:

    E nada de reforma politica. Os safados dos políticos continuam nadando em dinheiro, de salários, de ajudas, de mordomias e como tudo isso ainda pouco, ainda tem uma corrupçãozinha que ninguém é de ferro. Canalhas.

  3. Cidadão pagador de impostos disse:

    Até agora só fumo no povão

Contas de União, estados e municípios fecham o ano com déficit de R$ 61,9 bi, o menor em 5 anos

Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

As contas públicas brasileiras fecharam 2019 com déficit de R$ 61,9 bilhões, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Banco Central (BC). O resultado, que exclui os gastos com juros da dívida, é referente ao chamado setor público consolidado, que engloba União, estados, municípios e empresas estatais.

Apesar do rombo, o saldo é o melhor desde 2014, quando o país ficou no vermelho em R$ 32,5 bilhões. Em 2018, o resultado havia ficado em R$ 108,3 bilhões. O pior déficit foi registrado em 2016, quando o número chegou a R$ 155,8 bilhões.

Na quarta-feira, o Tesouro Nacional já havia divulgado que o déficit do chamado governo central havia ficado em R$ 95 bilhões. Essa conta diz respeito ao governo central, composto pelo Tesouro, Previdência Social e BC.

Dívida pública recua

No mesmo relatório, a autoridade monetária divulgou o balanço da dívida pública brasileira no ano passado. Em 2019, o Brasil fechou com um endividamento de R$ 5,5 trilhões, equivalente a 75,8% do Produto Interno Bruto (PIB), indicador que mede o tamanho da economia do país. O percentual é 0,8 menor que o registrado em 2018.

Um dado semelhante também havia sido divulgado pelo Tesouro nesta semana. No entanto, a divulgação do BC leva em consideração a chamada dívida bruta do governo, mais abrangente e acompanhada de perto pelo mercado financeiro para medir a solvência de um país. Ou seja, o número sinaliza aos investidores a capacidade de um governo honrar suas dívidas.

A relação entre um rombo nas contas públicas e endividamento é direta, porque o governo precisa recorrer ao mercado quando os recursos arrecadados por impostos e contribuições não são suficientes para bancar as despesas públicas. Isso vem ocorrendo ano após ano desde 2014.

O comportamento do endividamento, no entanto, foi beneficiado pelo corte da taxa básica de juros, que fez com que a bola de neve da dívida crescesse de forma mais lenta.

Nos últimos meses, técnicos da equipe econômica têm destacado que essa mudança de cenário permitirá que o Brasil precise fazer um esforço fiscal menor do que o esperado anteriormente.

Na quarta-feira, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que a estabilização da dívida só será possível com a continuidade do processo de ajuste fiscal.

No ano passado, a principal medida para conter o crescimento das contas públicas foi a aprovação da reforma da Previdência, que deve gerar uma economia de R$ 800 bilhões ao longo de dez anos. Outros gastos, como as despesas com pessoal, no entanto, ainda estão na mira do governo.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    A tendencia é melhorar a cada dia.
    A quadrilha do cachaça que estava roubando foram presos ou descobertos e a população tomou conhecimento e sabem quem são os verdadeiros facínoras do nosso Brasil
    Não deixem esses cães dos infernos voltarem.

  2. Everton disse:

    A bravata de Paulo tchutchuca Guedes é q zeraria o déficit no 1º ano do governo

    • Rick disse:

      Devolve para turminha da Unicamp, então.

    • Bento disse:

      É Everton tem razão.
      Guedes avaliou mal ele não sabia que o cachaça e sua turma tinham roubado tanto.

  3. Humberto disse:

    E O BRASIL ESTÁ MELHORANDO?
    ONDE?

    • Roberto disse:

      Se os números positivos apresentados no primeiro ano de governo anti corrupção não são melhores, vá agradecer a quem jogou o país no oceano da insegurança, na falta de produção, na crise do comércio, na inflação, na desordem institucional e aparelhamento estatal que vivemos até 2018 e não fique falando asneiras.
      Foram 16 anos de desmonte, de déficit público cada vez pior, das empresas estatais fechando no vermelho, falência econômica, mas tinha distribuição dos recursos públicos então era muito melhor em sua distorcida e viciada visão.
      Até a petrobrás vocês afundaram, estão reclamando do quê esquerdopata?

Após encontro, Planalto confirma, e Regina Duarte irá a Brasília conhecer Secretaria de Cultura: “Estamos noivando”, diz atriz

Regina Duarte ao lado de Jair Bolsonaro e Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo. Foto: Reprodução

A Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República informou na tarde desta segunda-feira que a atriz Regina Duarte teve uma “conversa produtiva” com o presidente Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro, e agendou uma visitia a Brasília para a próxima quarta, para conhecer a Secretaria Especial da Cultura do governo federal.

— Estamos noivando — disse Regina, após a reunião com Bolsonaro, segundo a Secom.

Em sua conta no Twitter, Bolsonaro afirmou que houve uma “excelente conversa”, e os dois iniciaram um “noivado” que “possivelmente trará frutos ao país”. Ele também publicou a foto acima, em que aparece ao lado da atriz e do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Regina foi convidada após Roberto Alvim ter sido demitido na semana passada após copiar frases de um discurso nazista em um pronunciamento oficial da Secretaria.

O convite a Regina veio horas após a demissão. Inicialmente, em entrevista à rádio Jovem Pan, a atriz afirmou que não considerava estar preparada para assumir a pasta. Depois, disse que precisava de um encontro olho no olho com o presidente para decidir.

Ao longo do fim de semana, Regina publicou em suas redes sociais postagens de apoio a Bolsonaro. Em uma das imagens, listou realizações dos dez primeiros meses de governo.

Em outra, citou uma declaração do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, que remetia ao episódio da demissão de Alvim — “fantástica, e até emocionante, a reação de intelectuais, artistas, historiadores, professores, estudantes, militares e da nação como um todo, ao infeliz resgate de pensamentos nazistas. Mostra uma face da convicção e do apego de nosso povo à democracia e às liberdades individuais”, dizia o texto.

Defensora do governo Bolsonaro, a atriz é amiga da primeira-dama Michelle Bolsonaro. Regina é uma das conselheiras do Pátria Voluntária, programa de Michelle para fomentar a prática do voluntariado. Ela também é amiga da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), responsável por apresentá-la a Bolsonaro.

No sábado, Bolsonaro evitou responder a questionamentos sobre o convite feito a Regina Duarte para a secretaria, limitando-se a responder:

— Namoradinha do Brasil. Está respondido. Valeu.

Horas antes de encontrar o presidente, Regina Duarte publicou no Instagram uma mensagem em que já sinalizava que aceitaria o cargo:

“Sou cristã. Católica. O feriado de hoje no Rio é dedicado a São Sebastião. Nada acontece por acaso. Olha só, querido seguidor, que dia importante pra ter sido chamada ao Rio pra uma conversa “olho no olho” do nosso Presidente da República. Olha quanta simbologia contém a vida deste homem santo. Tenho sido — e quero continuar sendo — GRATA à VIDA por tudo que ela me apresenta. De tudo quero tirar uma lição , um aprendizado. E vambora! Com muito amor no coração.”

Alvim foi o terceiro titular da Cultura no governo Bolsonaro. Em agosto, o então secretário Henrique Pires deixou o cargo após polêmica envolvendo o cancelamento de um edital para TVs públicas que incluída séries com temática LGBT. Na ocasião, Pires disse que preferia sair a “bater palma para censura”. Depois, o economista Ricardo Braga foi alçado ao cargo, mas acabou sendo indicado para chefiar uma secretaria do Ministério da Educação após cerca de dois meses.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    Arqueiro, Lucas e orujuara vou chamar Oscar Alho para consolar vocês.

  2. Fora bolsotralhas disse:

    Realmente ele convidou a pessoa certa, que nada entende de cultura….FAZ parte ESSE desgoverno mardito escolhas de despreparados….que O diga o ministro dA EDUCACAO..para entender melhor como o MINISTRO BURRO PROSEGUE

  3. Santos disse:

    Boa escolha. Cultura, nada mais justo que alguém da área das artes. Aproveita troca o da educação tb por um professor e retira esse atual que só faz bobagens.

  4. Giba disse:

    Trocou seis por meia dúzia a pouca diferença que essa ai tem um pouco de estudo kkkk

  5. Bento disse:

    Parabéns Regina Duarte
    Deus nao escolhe os capacitados capacita os escolhidos.
    O Brasil precisa de sua competência honestidade e exemplo de mulher honrada

    • arqueiro -) disse:

      KKKKKKKKK… OLHA O GADO AÍ

    • Lucas disse:

      Será que foi ele que capacitou o secretário anterior?
      Tomara que não, não é mesmo?
      Triste fim de carreira.

    • Ojuara disse:

      Trocará o título de namoradinha do Brasil pelo título de Namoradinha do fascismo… Triste fim…

    • Bil disse:

      Olha o alienado!
      Bom mesmo era Gilberto Gil ne petralha doutrinado??
      Que tal vc ouvir aquela grande canção que diz.
      Chacrinha continua balançando a pança.
      Kkkkkkkkkkkk
      Tchau corruptos canalhas.
      PT ladrão nunca mais.
      Kkkkkkk

Pesquisa XP/Ipespe: 32% consideram governo Bolsonaro ótimo ou bom, 39% ruim ou péssimo e 28% regular

Foto: Reprodução

Apesar de manter estável sua avaliação negativa, o presidente Jair Bolsonaro viu uma piora em sua popularidade no início de seu segundo ano de mandato, aponta a mais recente pesquisa XP/Ipespe realizada entre 13 e 15 de janeiro e divulgada nesta quinta-feira (16).

De acordo com o levantamento, no primeiro mês de 2020, 32% avaliaram a administração federal como ótima ou boa, contra 35% em dezembro (ficando dentro da margem de erro de 3,2 pontos percentuais). Ruim ou péssimo se manteve em 39%, enquanto a avaliação regular passou de 25% para 28% entre dezembro e janeiro.

No caso da expectativa dos entrevistados, também houve uma piora. 40% tem uma projeção ótima ou boa para o restante do mandato de Bolsonaro, contra 43% no mês passado. Este foi o índice mais baixo já registrado neste quesito desde o início da série em novembro de 2018.

Já a expectativa ruim ou péssima passou de 34% para 33% e a “regular” saiu de 19% em dezembro para atuais 20%.

Infomoney

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. altamir disse:

    Acabou a mamata

  2. aof disse:

    Se juntar otimo/bom com regular, dá 60% de aprovação. Muito alta, se considerarmos que trava uma batalha diaria contra uma mídia hostil, um STF que quer ser executivo e um Congresso que só pensa nas proximas eleições. Intenções boas, equilibrio emocional e maturidade sofriveis, equipe de ministros ótima, mas assessoria institucional péssima.

  3. Antenado disse:

    Os mamadores que perderam as tetas não se conformam.

    • altamir disse:

      Eis aí a grande questão. Cortaram as mamatas, não se vê bandeiras vermelhas em mãos de parasitas. Acabou a Farra!

  4. Ze disse:

    FOLHA ESQUERDOPATA!
    Ah não… É um jornal que apoia o atual governo

  5. Andará matias disse:

    40% de rejeição… o dead line é 45%, quem trabalha em eleição sabe.

  6. João Filho disse:

    Também não fui entrevistado aumenta aí !

  7. Bento disse:

    Não me ouviram
    Aumenta aí o percentual.
    Considero seu governo ótimo

1 ano de governo Bolsonaro: 6 momentos-chave que revelam guinada na política externa brasileira

Foto: Yukie Nishizawa/ Reuters/ BBC News Brasil

Em 2019, o Brasil estampou com frequência a capa de jornais e revistas internacionais, em parte pelas notícias sobre o aumento das queimadas e do desmatamento na Amazônia, mas também pela forte guinada na política externa no primeiro ano de governo Bolsonaro.

O Brasil trocou seus principais aliados no cenário internacional, mudou o discurso sobre meio ambiente e entrou em atrito direto com líderes de países importantes, como França e Alemanha.

Segundo especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, os rumos tomados na área de relações exteriores do Brasil revelam uma ruptura com tradições diplomáticas do Itamaraty e com estratégias adotadas pelos governos anteriores, principalmente os do PT.

Além disso, as principais decisões de política externa tomadas em 2019 mostram uma disputa constante entre três grupos que integram o governo: militares, olavistas e a equipe econômica.

“É uma política externa marcada por uma tensão permanente entre ideologia e pragmatismo”, explica Fernanda Magnotta, professora de Relações Exteriores da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).

“O Ministério de Relações Exteriores, comandado pelo chanceler Ernesto Araújo e o assessor especial da Presidência Felipe Martins seriam os representantes da ala ideológica ou olavista. Militares e a equipe de Paulo Guedes, ministro da Economia, representam a ala pragmática.”

“Dependendo de qual dos grupos conquista mais espaço e consegue mais sucesso e mais êxito na hora de barganhar a sua agenda, o Brasil vai para uma linha mais pragmática ou mais ideológica.”

Alguns episódios marcantes revelam claramente que o Brasil tem adotado novos rumos na sua estratégia de política externa.

A BBC News Brasil reúne aqui seis momentos de 2019 que reposicionam o país no xadrez internacional — bem como as oportunidades e riscos que cada um desses episódios trazem para o Brasil.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Esperamos que o que está sendo anunciado seja revertido na melhor qualidade de vida do povo brasileiro. Boa sorte!

  2. Silva disse:

    O Brasil no rumo certo.
    Parceiros, feito Venezuela e Cuba, tem que ser expurgado.
    Tem que procurar um pau que faça sombra.
    Trabalhar pra pobre e pedir esmolas pra dois.
    Venezuela e Cuba, é igual a pé de xique xique, não faz sombra nem presta pra se escorar.
    Portanto!!
    O MITO Ta certíssimo.

  3. David disse:

    Passa ano, sai ano e ninguém quer ir viver bem em paises que servem de inspiração a esquerdalha, países como cuba, Nicarágua, Venezuela, ditaduras africanas, coreia do Norte, china, dá a bixiga lixa e ninguém quer ganhar a vida por lá. Porquê será? Agora, defender o modelo deles os artistas, intelectuais, cientista… Enfim a esquerdalha vivem a idolatrar. No entanto, até pra passear eles se refugiam na Europa, EUA. Só não sei com que recursos eles tão sobrevivendo por lá, talvez do propinoduto da era Petralha.

Pesquisa XP/Ipespe: 39% consideram governo Bolsonaro ruim ou péssimo, 35% ótimo ou bom e 25% consideram regular

Em dezembro, a pesquisa da XP/Ipespe sobre Jair Bolsonaro repetiu os resultados de novembro: 39% de ruim ou péssimo e 35% de ótimo ou bom.

Só piorou ligeiramente a expectativa para o resto do mandato: 43% de ótimo ou bom e 34% de ruim ou péssimo.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jv disse:

    Ou seja 60 por cento de aprovação, usando os parâmetros passados.

  2. max willamy disse:

    -xp (parceria com o grupo globo,propagandas na globonews,caldeirão do huck),revista época,époc a negócios,enquanto o governo bolsonaro esta dando uma injeçãozinha no brasil,2019 ano da limp eza das gestões passadas,lula,lula de novo,dilma,dilma novamente e temer? os petralhas tipo corre de rabinho preso! fez as merdas ainda querem estar corretos!
    -2020 ano crescimento do nosso brasil,de nossa nação,ano do novo brasil,econômia crescendo,geração de empregos,exportações,importações e a agricultura em alta!
    -enquanto bolsonaro esta trabalhando por um brasil melhor,o pt fez ao contrário trabalhou para as empreiteiras,empresários,e países comunistas gastando bilhões e mais bilhões com construções de infraestrutura de primeiro mundo,o porto mariel em cuba,Dinheiro que PT gastou em porto de Cuba daria pra resolver problemas de UTIs hospitalares no Brasil,O país tem 26 mil leitos de UTI. O recomendado é 66 mil leitos. O governo brasileiro resolveria o problema com 1 bilhão de dólares que gastou no Porto de Mariel,isso o pt não fala!
    -"Empréstimos ‘camaradas’ à Venezuela na gestão PT alimentam dívida bilionária Do saldo devedor de R$ 2,662 bilhões com o BNDES, R$ 472 milhões correspondem a parcelas que já estão em atraso. Calote será coberto com verbas de fundo vinculado ao Ministério da Fazenda"
    – "O caos econômico e social por que passa a Venezuela reabriu o debate sobre a capacidade real de o país de Nicolás Maduro cumprir as dívidas que tem com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Hoje, o saldo devedor da Venezuela com o BNDES é de US$ 710 milhões (R$ 2,662 bilhões, pelo câmbio desta terça-feira, dia 27). Desta quantia, US$ 126 milhões (R$ 472 milhões) correspondem a parcelas que já estão em atraso."

    "O risco de calote é reconhecido pelo BNDES. O banco pode recorrer, em caso de prejuízo comprovado, ao Fundo de Garantia à Exportação (FGE), gerenciado pelo Ministério da Fazenda e que funciona como um seguro."
    -."O débito corresponde a quatro projetos: obras para uma linha no metrô de Caracas, para uma linha no metrô de Los Teques, cidade a 30 quilômetros da capital venezuelana, e as construções de uma usina siderúrgica e de um estaleiro. Os dois primeiros empreendimentos estão a cargo da Odebrecht, e os restantes, da Andrade Gutierrez – ambas as empresas estão envolvidas na operação Lava Jato. Todos os empréstimos foram efetuados pelo BNDES quando o Brasil estava sob o comando do PT: a operação da siderúrgica foi fechada durante a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva, e as demais, durante o primeiro mandato de Dilma Rousseff."
    – Lula fez acordo com ditadura angolana para beneficiar PT e Odebrecht com dinheiro do BNDES,O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu o presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, em 23 de junho de 2010, diante de um grupo restrito de petistas e empresários amigos no Palácio do Planalto. Assinaram uma “declaração de parceria estratégica”, feita pelo Itamaraty, que previa uma série de cooperações entre os dois paí­ses. Lula elogiou, entre outras coisas, os “avanços democráticos” no país africano – que tem o mesmo presidente ditador há 37 anos. Segundo a força-tarefa da Lava Jato, por trás do verniz do protocolo diplomático, corria um acerto mais mundano para beneficiar a Odebrecht, o PT, o governo de Angola e desferir um golpe nos cofres do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
    PETRALHAS VOCÊS AINDA DEFENDE UM GOVERNO PETISTAS,VÃO CHORAR NOVAMENTE BOLSONARO 2022 DENOVO,ESTA VEZ PRIMEIRO TURNO CHORA PETRALHAS!

Governo Bolsonaro edita medida para motivar transporte rodoviário de passageiros; liberdade de preços, livre concorrência e outras

Foto: Aderlei de Souza

O transporte rodoviário de passageiros, interestadual e internacional, vai ser estimulado pelo governo federal, objetivando a sua ampliação e melhor prestação de serviço. Nesse sentido, o presidente da República Jair Bolsonaro assinou o Decreto 10.157, publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (5), que institui a Política Federal de Estímulo ao Transporte Rodoviário Coletivo Interestadual e Internacional de Passageiros.

A nova política estabelece, entre outras medidas, a liberdade de preços, de itinerário e de frequência; a livre concorrência; e redução do custo regulatório. Ela prevê também a especificação de requisitos mínimos para a prestação dos serviços de transporte, que deverá se guiar exclusivamente em razão da preservação da segurança dos passageiros, da segurança na via e nos terminais rodoviários.

O texto do decreto define ainda que não haverá limite para o número de autorizações para o serviço regular de transporte rodoviário, exceto na hipótese de inviabilidade operacional.

Além disso, o documente proíbe a criação de “reserva de mercado em prejuízo dos demais concorrentes e ainda a imposição de barreiras que impeçam a entrada de novos competidores nacionais ou estrangeiros no mercado.

Outra diretriz da regulamentação do serviço é a definição dos serviços sujeitos à adoção de gratuidades instituídas por lei.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge disse:

    Quebrou os táxis, agora os ônibus. Se em todo trabalho fizer esse serviço sujo, quebra qualquer categoria. Médico, engenheiro, enfermeiro, advogado, contador…….qdo banalizar e todo mundo pode exercer a profissão do outro, vira uma zona ou feira livre, semelhante aos países africanos onde o escambo é praticado por todos. Só na nossa era colonial, era assim. Tem gente que gosta de vê a desgraça, pra esses, esse modelo é uma Maravilha.

    • Pires disse:

      Livre concorrência é o segredo de uma sociedade promissoras, nada de privilégios, hoje muitos desempregados estão trabalhando em uber, os taxis eram um privilégio que o poder público concedia para poucos, alguns até estavam acumulados nas mãos de uns poucos, agora não, todos podem trabalhar com lotação, e isso melhorou as condições financeiras de milhares, ao mesmo tempo que o consumidor foi beneficiado com a baixa dos preços das corridas. Se isso for pra os ônibus, vão desaparecer os mega empresários de transporte e vão aparecer milhares de micro empresários. Pra quase todo seguimento tem concorrência, não é salutar manter monopólio em nenhuma exploração comercial, ganha a economia e o consumidor.

    • Flavio disse:

      Pires, isso de chama, escambo.

  2. Rômulo© disse:

    Quero ver competir com blablacar e buser.

Contas do governo registram superávit de R$ 8,6 bilhões em outubro; no acumulado, melhor resultado para o período em três anos

Foto: Ilustrativa

As contas públicas registraram superávit de R$ 8,67 bilhões em outubro. Este é o primeiro saldo positivo desde abril deste ano.

Segundo o Tesouro Nacional, apesar do saldo positivo, este foi o pior resultado para o mês em quatro anos.

No acumulado dos dez primeiros meses deste ano, o governo acumula déficit primário de R$ 63,8 bilhões, melhor resultado para o período em três anos.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    Certíssimo, Bruno. Só fala o nome do Presidente pra criticar. mas, justiça seja feita, o Blog do BG está fazendo uma transcrição do site O Antagonista.

  2. Bruno Milla Tech disse:

    CONTAS DO GOVERNO BOLSONARO, assim deveria ter na chamada!!! Quando é pra meter o pau vem o nome do presidente!!!

Pesquisa XP/Ipespe: Governo Bolsonaro tem oscilação positiva e é aprovado por 35%; desaprovam 39% e 25% consideram regular

Foto: Sergio Lima/Poder360

Pesquisa divulgada nesta 4ª feira (13.nov.2019) mostra que a aprovação do governo de Jair Bolsonaro passou de 33% em outubro para 35% em novembro. A rejeição também foi de 38% para 39%. O estudo foi realizado pelo Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas) e divulgado pela consultoria XP. A pesquisa ouviu 1.000 pessoas nos dias 6, 7 e 8 de novembro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos. Eis a íntegra.

Reprodução

Este já é o 2º levantamento seguido em que aprovação da gestão do presidente Bolsonaro tem oscilação positiva dentro da margem de erro. Em setembro, o percentual daqueles que aprovavam o governo era de 30%.

As expectativas para o futuro do governo se mantiveram estáveis, segundo o levantamento. O grupo que diz esperar que a gestão Bolsonaro seja boa ou ótima daqui pra frente é de 46%. Já a parcela que projeta 1 governo ruim ou péssimo passou de 31% para 32%. O percentual que considera que será regular caiu de 19% para 18%.

Os responsáveis pela pesquisa também indagaram os entrevistados sobre o novo pacote econômico apresentado pela equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) ao Congresso. Pouco mais de a metade dos entrevistados (55%) disse ter tomado conhecimento das propostas, que englobam 3 PECs (propostas de emenda à Constituição). Dentre esse grupo, 57% disseram avaliar que as medidas vão na direção correta.

Uma das propostas contidas no pacote econômico é a possibilidade de extinção de municípios com menos de 5.000 habitantes e que dependam excessivamente de repasses para arcar com suas despesas. Sobre esse ponto, 60% dos entrevistados se declararam a favor da medida, enquanto 32% disseram ser contra. Outros 8% não souberam ou não quiseram responder.

A proposta do governo considerada mais importante, no entanto, é o projeto anticrime do ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública). A pesquisa mostra que o projeto, que até agora avançou pouco na Câmara dos Deputados, teve sua relevância avaliada com nota 7,8 (de 0 a 10) pelos entrevistados –a maior nota alcançada entre 8 medidas testadas.

Poder 360

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eu chamo disse:

    LULA MEU PRESIDENTE. ESSA BUNDA PODRE DO BOSTANARO, É A SERPENTE MALDITA QUE VEIO DO QUINTO DOS INFERNOS….E PRA la vai voltar

  2. Luis G. Vitorino disse:

    QUEM GOSTA DE BOSTA É PINICO

  3. Ricardo Carvalho disse:

    O partido que virou bando vai levar outra lapada! kkkkkkkkkk

  4. Rinaldo disse:

    60% de aprovação, soma de aprovam e regular, mesmo achando que tirando os ptralhas (11%) o resto vota no Mito de novo.

Governo Bolsonaro atende pleito histórico da Abrasel e apresenta novas regras da gorjeta

Foto: Agência Brasil

O setor de alimentação fora do lar (AFL) teve mais uma conquista histórica na noite dessa segunda-feira (11). Em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro lançou o programa Verde e Amarelo, de estímulo à criação de emprego. Entre as principais novidades está a resolução da gorjeta, tema central para bares e restaurantes. Para a Abrasel, ao resolver a questão, uma das principais fontes de inseguranças jurídicas para empresários do setor, o governo mostra sensibilidade para com o setor que mais emprega no Brasil – são seis milhões de empregos diretos.

Segundo o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci, essa vitória foi mais um importante passo para a construção de um Brasil Novo, com fundamental participação de líderes como o deputado federal Efraim Filho (DEM-PB), presidente da Frente Parlamentar Mista do Comércio, Serviços e Empreendedorismo (FCS); do secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho; e do deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados. “Com enorme poder de diálogo, viabilizaram a inclusão da gorjeta na MP verde e amarela e mostraram a todos que, sem dúvida, estão empenhados em simplificar o empreender no Brasil”, diz.

Para presidente da Abrasel, o setor de AFL foi plenamente atendido por esta nova lei, já em vigor, que corrige problemas da anterior. “Ao tratar de emprego, é de fundamental importância olhar para os problemas que atingem bares e restaurantes, essenciais para a economia brasileira”. Ainda segundo Solmucci, empresários e trabalhadores têm agora regras claras que pacificam a gorjeta, permitindo que o setor foque em aumentar a sua produtividade. A Abrasel liderou o pleito para que a gorjeta fosse regulamentada.

Confira os principais pontos:

• A gorjeta não constitui receita própria dos empregadores e destina-se aos trabalhadores.

• As empresas que cobrarem a gorjeta deverão inserir o seu valor correspondente em nota fiscal. Também é considerada gorjeta a contribuição entregue pelo consumidor diretamente ao empregado (espontânea). Em ambos os casos terá critérios de custeio e de rateio definidos em convenção ou acordo coletivo de trabalho. Na hipótese de não existir previsão em convenção ou acordo coletivo de trabalho, os critérios de rateio e de distribuição da gorjeta e os percentuais de retenção serão definidos em assembleia geral dos trabalhadores.

• Para as empresas inscritas no SIMPLES é facultada a retenção de até 20% da arrecadação para custear os encargos sociais, previdenciários e trabalhistas derivados da sua integração à remuneração dos empregados, a título de ressarcimento do valor de tributos pagos sobre o valor da gorjeta. Para as empresas do lucro real ou presumido é facultada a retenção de 33%. O valor remanescente deverá ser revertido integralmente em favor do trabalhador.

Abrasel

 

Pesquisa Jota: 42,1% reprovam governo Bolsonaro, 30,9% aprovam e 23% avaliam como regular

Segundo a pesquisa do portal Jota, a popularidade do governo Jair Bolsonaro apresentou queda. 42,1% consideram governo como ruim ou péssimo por 42,1%.

Na avaliação positiva ou regular,  30,9% consideram ótimo ou bom e 23% avaliam como intermediário.

Com informações de O Antagonista

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. RINDO À TOA disse:

    Crescendo pra baixo, igual a rabo de cavalo. Rebanho de GADO MANSO … KKKKKKKKKK

  2. mauricio disse:

    impressionante, o desemprego em queda, reforma previdenciaria aprovada, o governo conseguiu mais de vinte bilhoes em investimento na viagem a china japão e oriente médio, e a popularidade do governo aumenta, de onde e mesmo essa JOTA?

  3. Bento disse:

    Somando quer dizer que 53.9 % apoia o governo do nosso Presidente.
    E os derrotados, os indecisos, os que preferem não opinar que perderam a boquinha ficam com o restante.
    A luta é grande e continua, um dia vão reconhecer o trabalho de um homem digno e com
    certeza vão pedir desculpas.

  4. Luciana Morais Gama disse:

    Quer dizer então que o povo prefere a corrupção??

    • Curiosa disse:

      Mas no governo dele tbm tem corrupção e para piorar, incompetência tbm!

  5. Lula tá preso babaca disse:

    Bom era o larápio condenado e lavador de dinheiro.

  6. O LEÃO 🦁 A HIENA E O MUNDO DA FANTASIA disse:

    É paciente psiquiátrico sem tratamento….

    • Cidadão disse:

      …… e o Brasil crescendo.

    • Epitácio Venâncio disse:

      Crescendo pra onde? A única coisa que cresceu no Brasil até agora foi a fortuna dos banqueiros.

Governo Bolsonaro tem maior média de vetos derrubados pelo Congresso desde 1988

Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

O início do governo Jair Bolsonaro tem sido marcado por um elemento de atrito com o Congresso que seus antecessores enfrentavam em menor medida: a derrubada de vetos. Dos 33 vetos do presidente analisados pelos congressistas nos primeiros nove meses, oito (24%) foram rejeitados total ou parcialmente, maior média desde 1988.

A derrubada de vetos significa que parlamentares rejeitaram as alterações do presidente e retomaram a redação original das leis. Esta é uma prerrogativa do Congresso, mas, desde a promulgação da Constituição, era pouco usada.

Contrariando Bolsonaro, os parlamentares, por exemplo, tornaram crime compartilhar notícias falsas, estipularam pena de prisão para juízes que abusem de sua autoridade e regulamentaram o comércio de queijos artesanais.

Segundo Gustavo Faria Guimarães, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) que compilou vetos derrubados nos governos Dilma e Michel Temer, o aumento é um sintoma da falta de uma coalizão que sustente Bolsonaro.

— Como o governo não tem votos suficientes, fica muito mais suscetível a ver os seus vetos derrubados e precisa negociar, para garantir apoio em votações estratégicas — diz.

Análise obrigatória

Entre 1988 e 2014, apenas oito de 1.103 proposições vetadas foram rejeitadas pelo Congresso. A partir de 2013, no primeiro mandato de Dilma, a forma de lidar com os vetos mudou. Após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) tornando obrigatória a análise dos vetos, uma resolução interna passou a obrigar os parlamentares a analisarem as normas vetadas em até 30 dias, quando o tema passa a trancar a pauta do plenário do Congresso se ainda não tiver sido analisado.

A prática de se derrubar vetos, porém, só se tornou mais frequente depois de 2015. Naquele ano, quando a presidente Dilma Rousseff começava seu segundo mandato sob forte contestação no Legislativo, foram derrubados integralmente dois vetos feitos por ela, e outras quatro medidas foram rejeitadas parcialmente. O percentual de medidas derrubadas em 2015 foi de 9,5%. No governo Temer, o percentual também cresceu, e a média durante o período do emedebista na Presidência foi de uma derrubada de 14% dos vetos analisados por ano. Mas, nesse caso, a maioria das decisões foi tomada após negociação do governo com o Congresso.

— Quando isso era feito no microfone, era tudo transparente — diz o ex-deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), parlamentar por 11 mandatos, referindo-se à derrubada negociada de vetos e analisando o cenário sob Bolsonaro. — Quando você sai da transparência e ingressa na manipulação, cria desconfiança. E o presidente acaba ficando inconfiável para o próprio governo.

O líder do Cidadania na Câmara, Daniel Coelho (PE), pondera que, sem o loteamento de cargos na proporção de antes, o Congresso tem atuação mais independente.

— É um modelo diferente, mas perigoso, porque às vezes parece que o governo quer perder para reforçar o discurso. Ficam esperando para dar uma porrada no Congresso — diz.

Na votação da Lei de Abuso de Autoridade, mês passado, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) votou pela derrubada de quatro vetos do pai. Na reforma partidária e eleitoral, militantes bolsonaristas criticaram o Executivo por impor vetos à lei a tempo de alguns dispositivos valerem para as próximas eleições, caso o Congresso os derrubasse em tempo hábil — o que não ocorreu.

Sem recurso

Bolsonaro tem minimizado em seus discursos as derrotas sofridas no Congresso. Anteontem, ao comentar a derrubada de vetos no projeto de abuso de autoridade, afirmou que poderia até recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a medida, mas que não tomaria essa decisão.

— Eu vetei em grande parte a Lei de Abuso de Autoridade. O parlamento derrubou o veto. Essa lei entra em vigor a partir do ano que vem. Lei é lei. Tem gente questionando agora, via ações de inconstitucionalidade, o STF. Eu não pretendo questionar. Posso fazer, mas não pretendo fazer isso daí. Essa briga não é mais minha. (…) Fiz a minha parte. Alguns querem que eu faça discurso contra o parlamento. Às vezes, contra o Supremo. Não vou fazer. Não é papel meu — afirmou Bolsonaro.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fábio Cardoso disse:

    Isso mostra de cara duas coisas: 1) não há mais mensalão; 2) que a maior parte do Congresso Nacional não dá a mínima para o país, pois busca, unicamente, os próprios interesses (verdadeiros sanguessugas da nação).

  2. Sergio Nogueira disse:

    Se não pagar, vai ser o recordista absoluto.

Governo Federal autoriza liberação de R$ 543 milhões ao Minha Casa Minha Vida e garante que não faltarão recursos ao programa

FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

O governo Bolsonaro liberou recursos do programa Minha Casa Minha Vida para continuar obras em andamento e garante que não faltarão recursos para o programa, para obras já contratadas, até o final do ano. O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, disse ao R7 Planalto que em setembro serão liberados, apenas para o programa, R$ 543 milhões, sendo R$ 443 já liberados desde segunda-feira (2) e R$ 100 milhões que serão liberados na semana que vem.

— Foram R$ 600 milhões para o ministério logo no início da semana, desses R$ 443 destinados à habitação, ao Minha Casa Minha Vida, ou seja, quase 75%. O restante usado para outras políticas aqui do ministério. Desses R$ 443 trazem para a população a garantia de que as 233 mil unidades que estão em construção continuem em construção e as pessoas continuem trabalhando. A expectativa é que na semana que vem a gente faça repasse adicional de R$ 100 milhões para habitação totalizando R$ 543 milhões, mais de meio bilhão de reais investidos em setembro na habitação popular pelo governo de Jair Bolsonaro.

O ministro explicou que a faixa 1 do programa, para brasileiros com renda de até R$ 1.800, está sendo privilegiada.

— A faixa 1 está sendo mais beneficiada por esses recursos. Famílias que recebem até R$ 1.800 e também áreas rurais e entidades. Temos três modalidades da faixa 1 atendidas por esses recursos. Nossa intenção é tirar pessoas que estejam em situação de moradia precária. Ou em ambientes insalubres. A preocupação é tirar dessa situação e colocar em situação de moradia digna ou pessoas que vivem em áreas de risco.

Ele garantiu que haverá recursos para entregar as unidades em construção também nos meses de outubro, novembro e dezembro.

— O governo é um só e estamos entre dois mundos, equilibrar as contas e guardar a vida das pessoas para que o Estado precisa. Nossa situação futura ainda tem alguns problemas mas há todo um compromisso da Economia, do Desenvolvimento Regional, da Casa Civil e do próprio presidente para garantir recursos. Teremos condições de manter o programa em outubro, novembro e dezembro e finalizar o ano com bons números tendo finalizado o ano com boa parte tendo entregue parte considerável das 233 mil unidades. Já entregamos mais de 230 mil unidades, número expressivo e queremos que isso continue e novas unidades sejam entregues até o final do ano.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    Precisamos de esclarecimentos sobre programa MCMV faixas 1,5, 2 e 3. Texto só fala faixa 1.

Musa global Juliana Paes critica o politicamente correto “do jeito que vem sendo praticado”, diz que não vai boicotar Bolsonaro, torce pelo país, e reclama de “polarização boba”

Foto: Rodrigo Bueno

Juliana Paes pede uns segundos para fazer uma ligação importante para o marido, o empresário esportivo Carlos Eduardo Baptista, para saber das crianças, Antonio, de 6 anos, e Pedro, de 8. “Amor, quais são os planos? Já estão na praia! Ia sugerir isso. O domingo está lindo demais.” É o único dia de folga da atriz na semana, e sua família está a alguns quilômetros de distância. “Nos últimos meses, estou sendo mais Maria da Paz do que eu”, diz ela, referindo-se à boleira que interpreta na novela “A dona do pedaço”, de Walcyr Carrasco. “Hoje, vou ser a Juliana um pouquinho”, acrescenta, olhando a arara cheia de roupas brancas e pretas que usaria neste ensaio de capa.

A atriz fluminense conta que não tinha a intenção de se envolver num projeto dessa magnitude no momento. Queria tempo para ficar com os filhos, cuidar da casa e “sair para comprar lençóis”. Mas não conseguiu recusar o papel. “O que me move atualmente é poder levar uma mensagem de esperança para milhões de pessoas. Essa protagonista é uma bandeira de positividade, uma mulher que venceu pela força de seu trabalho. Eu, minha mãe e toda brasileira somos uma Maria da Paz”, comenta. “Depois de tantos dramas, ela poderia ser amargurada e melancólica. Mas não! Nosso povo sorri mesmo que esteja na pior. Somos, assim como Maria, um tiquinho ingênuos. Acreditamos no outro até que ele prove que não é bom.” Desde o começo, Juliana foi a primeira opção de Carrasco para estrelar o folhetim. “Ela não é só bonita, mas tem um carisma impressionante. É uma grande atriz capaz de transmitir as emoções mais profundas”, elogia o autor.

Aos 40 anos (“A sensação dessa fase é: OK, não sou mais uma menininha de 20, mas posso dar surra em muitas delas”), Juliana afirma que ainda não tinha vivido algo parecido em sua carreira. De acordo com seus cálculos, a personagem está em 46% das cenas da trama. A carga é pesada, com uma jornada de 12 horas de gravação — de segunda a sábado. Nos bastidores, é chamada pelos colegas de “mulher de aço”. “Já falei para o pessoal parar com isso (risos) . Eu realmente seguro a onda. Imagina se eu adoeço, como vai ser?”. Para Reynaldo Gianecchini, a atriz é sempre presente e troca muito com a equipe. “Ju é divertida e tem uma energia que não acaba. Também é carinhosa e estimula o elenco inteiro, sem deixar a bola de ninguém cair. É uma delícia contracenar com ela”, diz o ator.

A atriz acredita que desenvolveu esse espírito de liderança por ser a mais velha de quatro irmãos. “O primogênito vem com a missão de ser o cabeça, abrir os caminhos para os que vêm na sequência. Meus pais não me deram nada de mão beijada, até porque não tinham para dar. Fui criada num ambiente simples e amoroso, mas de respeito. Mamãe passava seu recado com o olhar.” Com os filhos, ela confessa que é adepta de uma “educação lúdica”. “Meu marido e eu somos complementares. Dudu é pragmático, eu, por ser artista, tenho uma visão mais romântica da vida. Tento solucionar tudo de maneira intuitiva. Nunca levei meus filhos ao psicólogo para resolver qualquer tipo de questão. São garotos tranquilos, que não dão problema na escola. O grande dilema, na verdade, é a interação com a internet, com os jogos on-line. Não podemos proibir totalmente, mas não podemos deixar correr solto. Qual é a medida correta?”, questiona. “No fim, o mais importante é o que fazemos. Educar é ser. Você quer ser melhor o tempo inteiro. Nesse sentido, a maternidade é um presente maravilhoso.”

Juliana diz que está criando meninos que não “façam distinção entre cores de roupas” e que lutem por equidade de gêneros. A atriz acredita que sua realidade facilita bastante para as crianças compreenderem a diversidade que existe no mundo. “Então, eles estão indo por um caminho de naturalidade”, destaca a atriz, entregando que os herdeiros entendem o tamanho de seu trabalho. “Meus rapazes têm orgulho, inclusive. Dia desses, fui buscar o Antônio no colégio e, ao me ver, ele virou para os amiguinhos e soltou: ‘Ali minha mãe! Ela é famosa’. Achei tão fofo. Aliás, a novela tem um público infantil imenso. Nesse mesmo dia, uma menina me perguntou se eu tinha levado bolo.”

Além dos filhos e do trabalho, há o casamento de mais de uma década com Carlos Eduardo — algo raro no universo do entretenimento brasileiro. “Recentemente, fizemos um curso de inteligência emocional (ideia de Juliana) e aprendemos que a responsabilidade do que acontece com a gente não é do outro. Não dá para terceirizar a culpa. Acabamos as aulas tendo crise de risos analisando nossos últimos perrengues”, diverte-se. “Minha vida conjugal não é perfeita. Temos arranca-rabos, mas existe respeito. Não brigamos na frente das crianças e não armamos barraco em público. Dessa forma, a gente não se expõe.”

Exposição só nas areias cariocas. Vire e mexe, o casal é flagrado por paparazzi na maior sintonia na praia. “Gostamos de tomar uma cervejinha, ficar olhando as crianças brincarem e sentindo a brisa do mar. É nesses momentos que trocamos ideias sobre os meninos. A praia é como se fosse a sala da nossa casa.”

A conversa ganha um contorno diferente, com espaço para o sexo entrar na roda. Segundo Juliana, esse quesito “transcende a coisa do prazer” em relações longevas como a sua. “Depois de tanto tempo, é tudo tão intenso e, ao mesmo tempo, simples. É um momento de repor as energias. É bem mais gostoso hoje do que no começo. Não tem um lugar que eu possa ser mais eu.”

E ser Juliana Paes não é fácil, certo? “Não costumo pensar se o preço que pago é alto. Tenho muitas regalias. Às vezes, sinto de não poder circular pelas ruas do Centro do Rio ou pelos corredores do Mercadão de Madureira. Sou uma pessoa que se comunica bem com o grande público, mas isso acaba virando uma função. Todo mundo vem bater papo comigo como se fosse amigo de infância. E isso tem a ver com o meu jeito, que inspira essa simpatia e empatia.”

A boa imagem perante a audiência a transformou numa das favoritas do mercado publicitário. Corre por aí que uma marca precisa desembolsar, no mínimo, R$ 500 mil para contratar a atriz. “Essa história de cachê é maleável. Depende do período de veiculação e da quantidade de posts nas redes sociais”, desconversa, sem confirmar ou negar valores.

Quando o assunto política é abordado, a atriz vai direto ao ponto. “Torço para que o país dê certo, independentemente de quem esteja em Brasília. Não bato palma para tudo que o presidente Jair Bolsonaro diz, mas vamos apoiar já que ele está lá. Não vou boicotar. Essa polarização é boba. Entre o branco e o preto, há infinitos tons de cinza, muitos pensamentos e ponderações. Sou a favor do diálogo.” Enquanto o país discute a reforma da Previdência, Juliana, que trabalha muito desde os 19 anos, já se prepara para se aposentar aos 45. “Estou trabalhando para isso e caminhando com esse projeto de vida. Daqui a cinco anos, só saio de casa para fazer algo se eu estiver muito a fim. Talvez vire produtora ou diretora. Dizem que meus palpites são bons. Tenho vontade de sair, estudar e ficar mais esporádica nessa brincadeira, nessa roda-viva.”

Contra o politicamente correto — “do jeito que vem sendo praticado”, frisa —, Juliana foi ausência no movimento “Ele Não”, manifestação liderada por mulheres como forma de rejeição à candidatura de Bolsonaro. “Não sou obrigada a compartilhar uma hashtag só porque geral postou. Não considero ético pegar meus 19 milhões de seguidores no Instagram para opinar sobre um tema que não domino. Prefiro me abster. Achar que as pessoas precisam saber o que você pensa é o ego falando mais alto.”

Bem-sucedida no Brasil, a atriz, que segue em tratamento para minimizar os efeitos de cistos nas cordas vocais, não tem a ambição de carreira internacional. “Para quê? Não sou mais uma aqui. Não tenho esse desejo de me mudar para Los Angeles, fazer lobby e viver aquela fogueira das vaidades. Tenho até um pouco de medo.” Coisa de quem sentiu na pele as consequências do sucesso. “A gente percebe esses ciuminhos acontecendo do nosso lado. Na novela ‘A força do querer’, na qual interpretei a Bibi Perigosa, notei esse sentimento de uma maneira forte no ambiente. Mas encaro com normalidade. Se eu fosse uma dentista ou uma jornalista de destaque seria igualmente visada.”

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fagner disse:

    Governo vergonhoso. Presidente doente.

  2. Rmam disse:

    O Brasil acabou no dia em que um deputado exaltou um torturador e não saiu algemado do congresso.

  3. J. Dantas disse:

    *Concordo plenamente em gênero, número e grau… Já era apaixonado pelo trabalho dessa atriz, agora passei a amar. Essa polarização de torcedores doentes e idiotas da extrema esquerda e extrema direita, vão terminar de enterrar o Brasil… Não votei e não voto em doentes de direita e muito pior da esquerda, por achar que extremismos não contribuem para uma sociedade mais justa… Todos os doentes fanáticos só pensam no poder pelo poder, esquecendo o país…o mais importante!

  4. lulapreso disse:

    Além de bonita, talentosa é inteligente. Não se deixa levar pela mídia viúva das verbas governamentais. Valeu Juliana Paes!

VÍDEO: Registro de Canindé Soares, por todos os ângulos, da manifestação em Natal-RN em apoio ao governo Bolsonaro

O fotógrafo e mestre das imagens, Canindé Soares, disponibiliza em seu canal no Youtube o resumo da manifestação a favor do governo Bolsonaro, ato nacional, realizado em todo o país nesse domingo(25).

As imagens se iniciam com a chegada e concentração dos apoiadores, até seu ponto máximo, em que reuniu milhares de pessoas no fim da tarde, nas imediações do Midway, em Natal, e que saíram em caminha pela Avenida Salgado Filho

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. JEGUEDEGUE disse:

    Funcionários FANTASMAS da AL.

  2. Antonio Turci disse:

    Lembro que na manifestação de ontem não havia DELINQUENTES pixando o patrimônio alheio, bandidos (criancinhas de protegidos pelo E.C.A). Delinquentes foram presos por nossos dignos PM's mas a Governadora mandou soltar e, de quebra, puniu o Ofícial Superior que comandava a Grupo de Choque, reduzido-o a carimbador de papel, como punição, num setor burocrático da PM.

    • Ceará-Mundão disse:

      A narrativa tá boa, mas você misturou os fatos, entrelaçou estórias distintas.

    • Ana leticia disse:

      Por isso que LULADRAO a chamava de " mulher do grelo duro ou tubo de desodorante". Ele mesmo a achava grosseira, que era sua grande amiga, imagine os outros que ele nao gostava. Kkkkkk

    • Ceará-Mundão disse:

      Concordo com vc, Turci. Esse sujeito ai de cima resolveu plagiar meu pseudônimo. Sem criatividade, sem a mínima ética, coisa típica dessa corja esquerdopata, acostumada em mentir e enlamear a reputação alheia. Eu jamais diria tais asneiras. Que povinho mais ordinário…

    • Everton disse:

      Sai dai Ceará, quem diabos ia plagiar tu? No máximo foi um comentário 'bugado'.

  3. joao disse:

    Muito mais bonita e maior a manifestacao. lembrando que as pessoas vieram de suas casas pra pedir um país melhor, num domingo de lazer. .. Nao houve confusao.
    Nao foram estimuladas a faltar aula ou trabalho durante a semana, em porta de orgao publico pra ir a manifestacao, e nem pra soltar um corrupto ja condenado ou outra coisa "sensata" pra eles. Na manifestacao dos "úteis" tavam reclamando de contigenciamento pra universidade, alguns dias depois tavam querendo alugar por 25 mil um espaço privado, com dinheiro de fundacao que tem origem parte de doacao de empresas publicas e da propria universidade, que deveria ser usado pra as tais "pesquisas" e bolsas. O comportamento dos manifestantes, deixa a desejar, pedem ate o fim das policias.

  4. Severino disse:

    Se pode ter seus motivos para não se gostar de Bolsonaro, mas quem vai dizer que as pautas de ontem são ilegítimas? Só na cabeça de mistificadores.

  5. LULADRÃO disse:

    Impressionante a diferença no perfil dos manifestantes. Uns adoram a postura do quanto pior, melhor, os outros querem um país mais justo e bom para todos, sem corrupção e privilégios. Não podemos desistir de acreditar que um dia o Brasil estará acima de todos!

  6. Leandro disse:

    Parabéns. …..a esse povo consciente que luta por um país melhor. ………

  7. Maduro junior disse:

    O que esse povo acha que é? Porquê não faz essa manifestação na sexta? Porquê não bebem e fumam maconha? Porquê não picham, nem fazem baderna? Querem melhorar é? Aqui não tem jeito, tem que ser anarquisco

  8. Delano disse:

    Esse é o lado ordeiro, que lutam por uma sociedade mais justa, e que respeita o direito de ir e vir das pessoas, e lutam contra petralhada, centrão, corrupção, privilégios injustos e a anarquia. Um dia o bem prevalecerá.